Banco Nacional de Angola 1.º Encontro Nacional de Tesouraria 18 e 19 de Outubro de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Banco Nacional de Angola 1.º Encontro Nacional de Tesouraria 18 e 19 de Outubro de 2012"

Transcrição

1 Carlos Neves Diretor Adjunto Departamento de Emissão e Tesouraria

2 1. A atividade de recirculação 2. A atividade inspetiva Índice 3. Os bancos e as empresas de transporte de valores 4. A cooperação 5. Conclusões

3 A atividade de recirculação 1

4 Noção «Recirculação», o ato das entidades que operam com numerário de repor em circulação, direta ou indiretamente, as notas de euro que receberam, quer do público, para a realização de um pagamento ou de um depósito numa conta bancária, quer de outra entidade que opere com numerário. n.º 3 do artigo 2.º da Decisão do BCE/2010/14, de 16 de Setembro, relativa à verificação da autenticidade e qualidade e à recirculação das notas de euro

5 Os ciclos das notas e moedas: o passado e o presente O passado Bancos Centrais Sistema Bancário Economia O presente Caixas / ATM Público e Empresas

6 Obrigação de verificação da autenticidade e qualidade das notas e moedas. Dever de monitorização do banco central (inspeções e análise de reporte). Objetivos Acompanhamento de todas as atividades de caixa ligadas à recirculação (procedimentos de depósito e de levantamento). Verificação de que as pessoas e equipamentos envolvidos na recirculação estão certificados e habilitados a operar. Garantia de que o meio circulante foi objeto de controlo rigoroso. Envolvimento das instituições de crédito e casas de câmbio no tratamento do numerário recebido, salientando as vantagens (redução do risco e custos de transporte, racionalização das disponibilidades de cada denominação, aumento do conhecimento sobre o numerário). Acompanhamento da atividade das empresas de transporte de valores nos centros de tratamento de numerário.

7 Recursos Humanos Pessoas habilitadas a operar com numerário Pessoas habilitadas a realizar inspeções Materiais Equipamentos certificados pelos BCN e na lista do BCE Equipamentos testados com kits de notas Inspeções Unidade central Unidades territoriais Poder dissuasor e coercivo Recomendações Injunções Coimas

8 A atividade inspetiva 2

9 Decretos- Leis 184/ /2007 Instrução 14/2009 (alterada pela 36/2012) A atividade de recirculação é contratualizada O Banco de Portugal poderá realizar, sem dependência de aviso prévio, ações de inspeção Objeto da inspeção (avaliar o desempenho das máquinas, a qualificação dos profissionais, a qualidade e autenticidade das notas/moedas, retenção, reporte) Deveres das IC (permitir o acesso a locais, máquinas e dados, esclarecimento de questões colocadas pelo BP) Infrações (auto de notícia assinado pelo inspetor e pelo representante do local inspecionado)

10 A equipa ideal?

11 Estrutura Unidade central (UC): técnicos com formação sobre o conhecimento do euro e sobre os regulamentos aplicáveis Realizam ações de inspeção aos centros de tratamento de numerário das ETV, tesourarias centrais das IC e de follow up de ações das UT Acompanham a atividade inspetiva das UT (análise dos relatórios e acompanhamento presencial 2x por ano) Unidades territoriais (UT): administrativos formados pela unidade central, distribuídos pelas agências do Banco de Portugal (três por agência, em média) Cada UT inspeciona cerca de 50 balcões por semestre Reportam à UC as desconformidades detetadas

12 Atitude Prevenir Colaborar Cooperar Informar Esclarecer Alertar Sancionar não é um objetivo da inspeção

13 Os bancos e as empresas de transporte de valores 3

14 Os Balcões (6 476 habilitadas a captar depósitos) Distribuição concentrada nos principais centros urbanos Atividade de recirculação As Tesourarias Centrais (32 IC, 90 SICAM, 8 AC, 3 IP) Equiparadas a CTN para efeitos de inspeção do BP Funcionam junto das sedes Os Centros de Tratamento de Numerário (de 4 ETV) Lisboa, Porto, Funchal e Ponta Delgada (11 CTN) Os CTN: a concentração (redução da atividade de tesourariabancos das agências do BP) Loulé (início da descentralização?) IC-Instituições de crédito; SICAM Sistema Integrado do Crédito Agrícola Mútuo, AC Agências de Câmbios; IP Instituições de Pagamentos OS DEPÓSITOS E LEVANTAMENTOS NOS CASH-CENTRE DO BANCO DE PORTUGAL DE LISBOA E PORTO SÃO REALIZADOS APENAS PELAS ETV

15 O processamento do numerário: tópicos A exigência para atingir a excelência: Investimento/Apetrechamento (equipamento e pessoal habilitado) Formação/Comunicação: e learning, campanhas para profissionais e público As notas A, I e NPE (situação ideal: BP=I) A destruição de notas: exclusivo do banco central A destruição de moedas: exclusivo do Tesouro A grande diferença entre notas A e notas I: a qualidade Melhor gestão do numerário Depositar notas A para levantar notas A (?) Deteção pelo BP de notas contrafeitas nos depósitos (!) Intervenção regulamentar, reforço inspetivo e poder sancionatório Depósitos e levantamentos de notas NFNO As notas atingidas por IBNS (curso legal vs. recusa de aceitação)

16 A qualidade do numerário Não são obrigatórias para considerar as notas inaptas

17 A importância das ETV no processo de recirculação As ETV especializaram se: CTN (de ETV a EPV) As IC delegaram o processamento do numerário nas ETV Algumas IC criaram ETV A participação das ETV nos GT As ETV estão sujeitas à supervisão do BP O volume de numerário processado pelas ETV vs. BP e IC (1.º semestre 2012) BdP (27%) ETV (46%)* IC (27%) * as IC enviam para as ETV parte da sua própria escolha que pode ser posteriormente reprocessada

18 A cooperação 4

19 A cooperação O dever de retenção de notas suspeitas (5 dias para envio para investigação) A cooperação das IC e CTN com o BdP e PJ Os grupos de trabalho nacionais (+BP) GTIN (IC+APB+SIBS+EPC) SGRN (GTIN+ETV) Associações internacionais EPC (European Payments Council) ESTA (European Security Transport Association) Cash InTransit Os grupos de trabalho internacionais (BP) BCE (Commmittee e WG) CE (ECSC) CBCDG GAPM

20 Conclusões 5

21 Os bancos centrais são responsáveis pela qualidade do numerário em circulação, não estando impedidos de repercutir os custos pelo sistema financeiro As IC, as AC e as ETV podem contratualizar a recirculação com o BP A atividade inspetiva do banco central é fundamental para manter a recirculação as IC e ETV eficaz e em padrões uniformes É importante dar visibilidade à atividade de recirculação para aumentar a confiança dos agentes económicos

22 A circulação de notas com qualidade aumenta a possibilidade de deteção de notas contrafeitas A confiança do público em geral nas suas notas e moedas facilita as transações económicas A adequada distribuição de CTN diminui o risco e o custo do transporte e aumenta a eficácia dos CTN O investimento das ETV em CTN melhorou o abastecimento de numerário às IC e aos grossistas e retalhistas clientes de ambos As instituições de crédito estão interessadas em diminuir os valores que pagam às ETV pelo transporte de notas e moedas

23 Obrigado pela vossa atenção Carlos Neves Diretor Adjunto Departamento de Emissão e Tesouraria

Instrução n. o 9/2014 BO n. o 6 16-06-2014...

Instrução n. o 9/2014 BO n. o 6 16-06-2014... Instrução n. o 9/2014 BO n. o 6 16-06-2014 Temas Operações Bancárias Notas e Moedas Euro Índice Texto da Instrução Anexo Texto da Instrução Assunto: Reporte de informação relativa à verificação da autenticidade

Leia mais

Seminário Nota nova de 10 - Série Europa. 10 euros - Série Europa

Seminário Nota nova de 10 - Série Europa. 10 euros - Série Europa Seminário Nota nova de 10 - Série Europa 10 euros - Série Europa 10 euros - Série Europa O Programa de Parcerias e José Luís Ferreira Banco de Portugal 26 fevereiro 2014 Seminário Nota nova de 10 - Série

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

SEMINÁRIO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO SEMINÁRIO TÉCNICO. 22 de Outubro de 2009 9h00 2009 9h00-13h00 Banco de Portugal Auditório do Edifício de Portugal

SEMINÁRIO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO SEMINÁRIO TÉCNICO. 22 de Outubro de 2009 9h00 2009 9h00-13h00 Banco de Portugal Auditório do Edifício de Portugal SEMINÁRIO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO DE EMISSÃO E TESOURARIA A GESTÃO DO NUMERÁRIO PELO SISTEMA BANCÁRIO A perspectiva do Banco de Portugal 22 de Outubro de 2009 9h00 2009 9h00-13h00 Banco de Portugal Auditório

Leia mais

LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014]

LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014] LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014] INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJETO Criar as condições para a adequação dos serviços de dívida

Leia mais

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANIF BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banif Banco de Investimento, SA contém o Folheto

Leia mais

smartdepositxt Máquina de Depósito para Back Office

smartdepositxt Máquina de Depósito para Back Office smartdepositxt Máquina de Depósito para Back Office 1000 Notas por Minuto com Sistema de Gestão Centralizado O smartdepositxt é um sistema de depósito de numerário destinado a automatizar e facilitar o

Leia mais

BOLETIM OFICIAL. Normas e Informações 6 2014. 16 junho 2014 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP

BOLETIM OFICIAL. Normas e Informações 6 2014. 16 junho 2014 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP BOLETIM OFICIAL Normas e Informações 6 2014 16 junho 2014 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP BOLETIM OFICIAL Normas e Informações 6 2014 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 2.º 1150-012 Lisboa

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015-30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

Carne de cavalo: um ano depois medidas anunciadas e realizadas!

Carne de cavalo: um ano depois medidas anunciadas e realizadas! COMISSÃO EUROPEIA MEMORANDO Bruxelas, 14 de fevereiro de 2014 Carne de cavalo: um ano depois medidas anunciadas e realizadas! Há cerca de um ano, o escândalo da carne de cavalo foi notícia de primeira

Leia mais

Recomendações. www.bportugal.pt

Recomendações. www.bportugal.pt Comunicado do Banco de Portugal: Recomendações do Grupo de Trabalho sobre os Modelos e as Práticas de Governo, de Controlo e de Auditoria das Instituições Financeiras Na sequência do processo que conduziu

Leia mais

ECONOMIA DIGITAL E DIREITO

ECONOMIA DIGITAL E DIREITO ECONOMIA DIGITAL E DIREITO Banca Online 20 de novembro de 2013 Carla Candeias Ferreira Banca Online 1. Serviços de E banking 2. Legislação e Regulamentação 3. Tendências atuais 4. Perspetivas futuras 1.

Leia mais

O Novo Posicionamento do Departamento de Segurança na Banca. Margarida Mota

O Novo Posicionamento do Departamento de Segurança na Banca. Margarida Mota Margarida Mota 1 Índice 1. Fórum de Segurança Bancária 2. Enquadramento Legal - Actividade de Segurança Privada na Banca 3. Medidas de Segurança Específicas Obrigatórias 4. Departamento de Segurança -

Leia mais

Conferência do 37º Aniversário da UGT. Hélder Rosalino Banco de Portugal Porto, 28 de outubro 2015

Conferência do 37º Aniversário da UGT. Hélder Rosalino Banco de Portugal Porto, 28 de outubro 2015 O Sector Bancário Português: A Supervisão e a Regulação. Que regras para uma efetiva estabilização do sistema financeiro e a recuperação da sua credibilidade? Hélder Rosalino Banco de Portugal Porto, 28

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

BOLETIM Bancário. 1. Destaque. abril de 2014

BOLETIM Bancário. 1. Destaque. abril de 2014 índice 1. Destaque 2. Legislação nacional 3. Normas regulamentares 4. Jurisprudência 5. Legislação comunitária 6. Consultas públicas 1. Destaque Regime jurídico dos valores representativos de dívida de

Leia mais

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E OFERTAS PÚBLICAS EM TEMPOS DE CRISE A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

Bruxelles, 1 de fevereiro 2002

Bruxelles, 1 de fevereiro 2002 Bruxelles, 1 de fevereiro 2002 O êxito e a celeridade desta operação são devidos a dois factores principais. Em primeiro lugar, o tremendo entusiasmo com que os cidadãos europeus acolheram a chegada das

Leia mais

Reclamações. Qualquer reclamação pode ainda ser dirigida ao Departamento de Supervisão Bancária do Banco de Portugal: Banco de Portugal

Reclamações. Qualquer reclamação pode ainda ser dirigida ao Departamento de Supervisão Bancária do Banco de Portugal: Banco de Portugal INFORMAÇÃO GERAL (ÍNICE) Reclamações Para a recepção e resolução de reclamações, contacte: (Serviço de reclamação e apoio ao cliente) epartamento de Organização e Qualidade Av. da Liberdade, nº 195, 11º,

Leia mais

Aspetos legais e regulatórios na área de post-trading - Perspetivas de mudança

Aspetos legais e regulatórios na área de post-trading - Perspetivas de mudança Aspetos legais e regulatórios na área de post-trading - Perspetivas de mudança Amadeu Ferreira Vice-Presidente do CD da CMVM Porto, 28 de setembro de 2012 CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários

Leia mais

Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-DEZ-2015

Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-DEZ-2015 Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS Consulte o FOLHETO E COMISSÕES E ESPESAS ata de Entrada em vigor: 01-EZ-2015 Consulte o FOLHETO E TAXAS E JURO ata de Entrada em vigor: 16-OUT-2015 O Preçário

Leia mais

1. Requisitos quanto a detecção e sensores

1. Requisitos quanto a detecção e sensores TERMOS DE REFERÊNCIA DO EUROSISTEMA PARA A UTILIZAÇÃO DE MÁQUINAS DE DEPÓSITO, ESCOLHA E LEVANTAMENTO POR INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO, BEM COMO QUALQUER OUTRA INSTITUIÇÃO DA ÁREA DO EURO, QUE INTERVENHAM,

Leia mais

ASSUNTO: Reservas Mínimas do SEBC a partir de 1/01/1999

ASSUNTO: Reservas Mínimas do SEBC a partir de 1/01/1999 Banco de Portugal Carta-Circular nº 1 /99/DDE/DOC, de 07-01-1999 ASSUNTO: Reservas Mínimas do SEBC a partir de 1/01/1999 Como foi oportunamente divulgado está essa instituição sujeita, a partir de 1 de

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n. o 2/2014

Aviso do Banco de Portugal n. o 2/2014 Aviso do Banco de Portugal n. o 2/2014 Índice Texto do Aviso Anexo ao Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2014 Texto do Aviso Assunto: Assunto O Aviso do Banco de Portugal n.º 9/2012, publicado em 29 de maio

Leia mais

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR»

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» «PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» Criação de dependências da Caixa Geral de Depósitos no estrangeiro Já muito se dissertou sobre a Caixa Geral de Depósitos, desde a sua criação até à sua real vocação,

Leia mais

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO CENTRAL DE CABO VERDE (BCV) NA PROMOÇÃO DA FORMAÇÃO FINANCEIRA

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO CENTRAL DE CABO VERDE (BCV) NA PROMOÇÃO DA FORMAÇÃO FINANCEIRA WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO CENTRAL DE CABO VERDE (BCV) NA PROMOÇÃO DA FORMAÇÃO FINANCEIRA Banco de Portugal, 11 de Julho de 2013 Solange Lisboa Ramos Gabinete de Apoio ao Consumidor

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Índice 1. Segmentos de Atuação. 2. Serviços Especializados. 3. Linhas de Crédito... 4. Resultados da Atividade do Sistema Nacional de Garantia Mútua. 5. Contactos 3 10 12 22

Leia mais

algumas curiosidades sobre O DINHEIRO

algumas curiosidades sobre O DINHEIRO algumas curiosidades sobre O DINHEIRO O que é o dinheiro? 01 O dinheiro são as moedas e as notas (papel-moeda). Mas o dinheiro é mais do que um pedaço de papel ou metal, o dinheiro representa um valor

Leia mais

Preçário FINANCIERA EL CORTE INGLES, E.F.C., SA (SUCURSAL EM PORTUGAL) INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO

Preçário FINANCIERA EL CORTE INGLES, E.F.C., SA (SUCURSAL EM PORTUGAL) INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Preçário FINANCIERA EL CORTE INGLES, E.F.C., SA (SUCURSAL EM PORTUGAL) INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário

Leia mais

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas ANEXO XI Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas Inicialmente, as suas competências eram, fundamentalmente, de órgão de inspeção das direções de finanças, repartições de finanças e de dar

Leia mais

# Confiança Planeamento e Gestão de Investimentos. segurança do seu património. Para isso contamos com o nosso trabalho, no

# Confiança Planeamento e Gestão de Investimentos. segurança do seu património. Para isso contamos com o nosso trabalho, no Caritas Dioces ana de Coim bra Condições válidas para Caritas Diocesana de Coimbra Oferta de Cooperação Barclays at Work Saiba mais em www.barclays.pt/compromissopremier # Confiança Planeamento e Gestão

Leia mais

FORMAÇÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA EM ANGOLA: Contexto Actual e Perspectivas. Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira Lisboa, 11 de Julho de 2013

FORMAÇÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA EM ANGOLA: Contexto Actual e Perspectivas. Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira Lisboa, 11 de Julho de 2013 001 FORMAÇÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA EM ANGOLA: Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira Lisboa, 11 de Julho de 2013 002 FORMAÇÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA EM ANGOLA: Constituição do Departamento de

Leia mais

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Tenente Valadim, 284, Porto Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e identificação fiscal 501 214 534 Capital

Leia mais

(Actos não legislativos) DECISÕES

(Actos não legislativos) DECISÕES 9.10.2010 PT Jornal Oficial da União Europeia L 267/1 II (Actos não legislativos) DECISÕES DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 16 de Setembro de 2010 relativa à verificação da autenticidade e qualidade

Leia mais

Iº ENCONTRO NACIONAL DE TESOURARIA JOSÉ LOPES DMC/BNA LOBITO 2012

Iº ENCONTRO NACIONAL DE TESOURARIA JOSÉ LOPES DMC/BNA LOBITO 2012 Iº ENCONTRO NACIONAL DE TESOURARIA JOSÉ LOPES DMC/BNA LOBITO 2012 INTRODUÇÃO Este Iº encontro de Tesouraria, traduz o interesse do BNA em partilhar conhecimentos com os bancos comercias e outros agentes

Leia mais

INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO

INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE 1 SUMÁRIO 1. O sistema financeiro em geral 2. O sistema financeiro de Moçambique 2.1 Termo comparativo (Moçambique/Portugal) 3. Os Fundos de Investimento em geral 3.1 Esboço

Leia mais

BOLETIM OFICIAL. e l e c t r ó n i c o DO BANCO DE PORTUGAL. Banco de Portugal E U R O S I S T E M A

BOLETIM OFICIAL. e l e c t r ó n i c o DO BANCO DE PORTUGAL. Banco de Portugal E U R O S I S T E M A BOLETIM OFICIAL DO BANCO DE e l e c t r ó n i c o Fevereiro 2012 Banco de Portugal E U R O S I S T E M A BOLETIM OFICIAL DO BANCO DE ELECTRÓNICO 02 2012 Normas e Informações 15 de Fevereiro de 2012 Disponível

Leia mais

NEWSLETTER InCI ano III nº 25 Dezembro/ 2013

NEWSLETTER InCI ano III nº 25 Dezembro/ 2013 I NOTÍCIAS/INFORMAÇÕES Foi aprovado pelo Parlamento Europeu a revisão da legislação europeia sobre os contratos públicos de obras, bens e serviços e as concessões. Consulte aqui o comunicado de imprensa.

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre 2015 I Regime Jurídico das Sociedades Financeiras de Crédito 2 II Legislação A. Direito

Leia mais

Decreto-Lei nº 58/2013, de 8 de maio

Decreto-Lei nº 58/2013, de 8 de maio Decreto-Lei nº 58/2013, de 8 de maio Através do presente diploma, procede-se à revisão e atualização de diversos aspetos do regime aplicável à classificação dos prazos das operações de crédito, aos juros

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5910 Diário da República, 1.ª série N.º 201 17 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 225/2012 de 17 de outubro O Decreto -Lei n.º 27 -C/2000, de 10 de março, que cria o

Leia mais

O Controlo Interno como Linha de Defesa da Solvabilidade Financeira

O Controlo Interno como Linha de Defesa da Solvabilidade Financeira O Controlo Interno como Linha de Defesa da Solvabilidade Financeira Francisco Rocha Diretor do Departamento de Auditoria do Banco de Portugal 7 de outubro de 2014 Seminar Seminar name SUMÁRIO Controlo

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO. Art. 1" (Período de dupla circulação monetária)

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO. Art. 1 (Período de dupla circulação monetária) Art. 1" (Período de dupla circulação monetária) Conjuntamente com as notas e moedas metálicas expressas em eur,os, cuja circulação tem início em 1 de Janeiro de 2002, continuarão a circular, até 28 de

Leia mais

A criação da União Bancária Europeia e o sistema bancário português. Carlos da Silva Costa Governador São Paulo, 28 abril 2014

A criação da União Bancária Europeia e o sistema bancário português. Carlos da Silva Costa Governador São Paulo, 28 abril 2014 A criação da União Bancária Europeia e o sistema bancário português Carlos da Silva Costa Governador São Paulo, 28 abril 2014 A criação da União Bancária Europeia e o sistema bancário português Estrutura

Leia mais

Preçário BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BNP PARIBAS WEALTH MANAGEMENT

Leia mais

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A.

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A. 1 de 5 04-08-2014 8:34 www.bportugal.pt O Banco e o Eurosistema > Intervenções públicas Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco

Leia mais

Alterações ao preçário em vigor a partir de 3 de agosto de 2015

Alterações ao preçário em vigor a partir de 3 de agosto de 2015 Alterações ao preçário em vigor a partir de 3 de agosto de 2015 1.1 Depósitos à Ordem Euros (Mín/Máx) Valor Anual Acresce Imposto 5. Levantamentos em numerário ao Balcão 18. Comissão de depósitos em moeda

Leia mais

PORTUGAL A CRESCER TURISMO

PORTUGAL A CRESCER TURISMO PORTUGAL A CRESCER TURISMO Turismo Um setor estratégico Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas exportações Turismo 13% Serviços (excluindo Turismo) 18% Bens 69% Unid. Milhões Euros Turismo Um setor estratégico

Leia mais

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012 António de Sousa Realidade: A literacia financeira dos portugueses Resultados do Inquérito do Banco de Portugal à População Portuguesa (2010):

Leia mais

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro Lusoflora 2015 Crédito Agrícola Santarém, 27 de Fevereiro Agenda 1. Quem somos 2. Proposta Valor 3. Soluções Crédito Agrícola para EMPRESAS/ ENI 4. CA Seguros 2 Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um

Leia mais

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Introduz um regime de fiscalização e de sanção contra-ordenacional aplicável a infracções aos deveres previstos no Regulamento (CE) n.º 1781/2006, do Parlamento

Leia mais

Preçário FINIBANCO ANGOLA SA

Preçário FINIBANCO ANGOLA SA Preçário FINIBANCO ANGOLA SA Instituição Financeira Bancaria com sede em território nacional, de acordo com o previsto na Lei das Instituições Financeiras Anexo I Tabela de comissões e despesas Data de

Leia mais

Orador: Dr. Nuno Cavaco Henriques (nuno.henriques@lisgarante.pt) Financiamento para a Internacionalização

Orador: Dr. Nuno Cavaco Henriques (nuno.henriques@lisgarante.pt) Financiamento para a Internacionalização Orador: Dr. Nuno Cavaco Henriques (nuno.henriques@lisgarante.pt) Financiamento para a Internacionalização Índice 1. Segmentos de Atuação. 2. Linhas de Oferta. 3. Serviços Especializados. 4. Resultados

Leia mais

Instruções do Banco de Portugal. Instrução nº 9/98. ASSUNTO: Norma Técnica do Cheque

Instruções do Banco de Portugal. Instrução nº 9/98. ASSUNTO: Norma Técnica do Cheque Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 9/98 ASSUNTO: Norma Técnica do Cheque A vigorar desde 1981, a Norma Portuguesa Provisória do Cheque-Cliente, constituiu um instrumento essencial de suporte

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016-30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

Anexo 3. Versão final do texto do Aviso, a encaminhar para publicação em D.R.

Anexo 3. Versão final do texto do Aviso, a encaminhar para publicação em D.R. Anexo 3 Versão final do texto do Aviso, a encaminhar para publicação em D.R. TÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 5.º Supervisão Artigo 2.º Definições Artigo 6.º Agentes de instituições

Leia mais

Workshop Invest Lisboa Meios de Pagamentos Eletrónicos: Oportunidades e Desafios para Empresas e Empreendedores

Workshop Invest Lisboa Meios de Pagamentos Eletrónicos: Oportunidades e Desafios para Empresas e Empreendedores Workshop Invest Lisboa Meios de Pagamentos Eletrónicos: Oportunidades e Desafios para Empresas e Empreendedores DANIEL REIS 13 de abril de 2016 ÍNDICE O QUE DIZ A LEI SOBRE OS MEIOS DE PAGAMENTO? REGULAÇÃO

Leia mais

CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI)

CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) «Para um serviço de excelência» 2015 1. OBJETIVO Pelo Despacho n.º 9/2014, de 21 de novembro, do Diretor-Geral da Administração da Justiça

Leia mais

QUADRO M2 DISTRIBUIÇÃO DE ALGUMAS RESPONSABILIDADES POR PRAZOS

QUADRO M2 DISTRIBUIÇÃO DE ALGUMAS RESPONSABILIDADES POR PRAZOS Anexo à Instrução nº 2/96 ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS (Nome da Instituição) QUADRO M2 DISTRIBUIÇÃO DE ALGUMAS RESPONSABILIDADES POR PRAZOS SM (Responsável pela informação) 410 (Milhões de escudos)

Leia mais

Índice. Introdução 3. Como devem ser efetuadas as cobranças das despesas relativas a transferências? 6. O que são transferências?

Índice. Introdução 3. Como devem ser efetuadas as cobranças das despesas relativas a transferências? 6. O que são transferências? Índice Introdução 3 O que são transferências? 3 O que distingue as transferências dos débitos diretos? 3 As transferências Multibanco são transferências? 3 Quais as formas utilizadas para ordenar uma transferência?

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministérios das Finanças, da Administração Interna e da Economia. Ministério da Economia

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministérios das Finanças, da Administração Interna e da Economia. Ministério da Economia I SÉRIE Terça-feira, 1 de abril de 2014 Número 64 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministérios das Finanças, da Administração Interna e da Economia Portaria n.º 77-B/2014: Fixa o valor das taxas de segurança a cobrar

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 maio 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS. Faço saber que o Poder Legislativo Estadual decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS. Faço saber que o Poder Legislativo Estadual decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 6.656, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2005. Cria o Programa Estadual de Inspeção e Manutenção de Veículos em uso, destinado a promover a redução da poluição do Meio Ambiente através do controle da emissão

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor

Código de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Desde a sua criação, o Grupo Tata simbolizou o espírito verdadeiro de Ética Empresarial em suas interações com todas as suas partes interessadas

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

ASPECTOS PRÁTICOS DO EURO

ASPECTOS PRÁTICOS DO EURO MÓDULO III ASPECTOS PRÁTICOS DO EURO Notas e Moedas em Euros Vantagens e Desvantagens do Euro Implicações do Euro para a Administração Pública O Euro e o sector bancário O impacto do Euro no mercado de

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO MONTEPIO TAXA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DE OBRIGAÇÕES DE TAXA FIXA 30.06.2015 1. Política de Investimentos O Património do

Leia mais

Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO

Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO CAIXAS ECONÓMICAS Consulte o COMISSÕES E SPESAS Consulte o TAXAS JURO Data de O Preçário completo contém o Folheto de Comissões e Despesas (que incorpora os valores máximos

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

Combate à Fraude na Saúde

Combate à Fraude na Saúde Combate à Fraude na Saúde Estratégia adotada no Combate à Fraude Carla Costa, Adjunta do Ministro da Saúde Auditório da ACSS, IP Parque de Saúde de Lisboa, 22 de julho de 2015 Programa 1 - Estratégia 2

Leia mais

na Banca Carlos Vasconcelos Pre Sales Manager cvasconcelos@datacomp.pt www.datacomp.pt

na Banca Carlos Vasconcelos Pre Sales Manager cvasconcelos@datacomp.pt www.datacomp.pt Tendências de IT na Banca Carlos Vasconcelos Pre Sales Manager cvasconcelos@datacomp.pt www.datacomp.pt Lisboa, 6 de Maio de 2008 Agenda Têndencias de IT na Banca 1. Visão Nacional e Internacional 2. Evolução

Leia mais

Normas e Informações 12 2015

Normas e Informações 12 2015 Normas e Informações 12 2015 15 dezembro 2015 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP BOLETIM OFICIAL Normas e Informações 12 2015 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 2.º 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt

Leia mais

Conta BNI Particulares Equivalente $20 Conta BNI Empresas Equivalente $200 Conta Plus Equivalente $100

Conta BNI Particulares Equivalente $20 Conta BNI Empresas Equivalente $200 Conta Plus Equivalente $100 APLICAÇÕES À ORDEM 1. Abertura de Contas 1.1. Montante Mínimo Conta BNI Particulares Equivalente $20 Conta BNI Empresas Equivalente $200 Conta Plus Equivalente $100 APLICAÇÕES A PRAZO 1. Produtos Aplicação

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 990 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

Preçário S. P. G. M. - SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, SA. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 24-Jun-2013

Preçário S. P. G. M. - SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, SA. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 24-Jun-2013 Preçário S. P. G. M. - SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, SA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da SPGM - Sociedade de Investimento S.A, contém o Folheto de e Despesas (que

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

Portugal 2020. Modelo de governação

Portugal 2020. Modelo de governação Portugal 2020 Modelo de governação Princípios gerais: Princípio da racionalidade económica subordinação de qualquer decisão de apoio dos fundos à aferição rigorosa da sua mais-valia económica, social e

Leia mais

PROGRAMA DE PARCERIAS Unir esforços na preparação para as notas da série Europa

PROGRAMA DE PARCERIAS Unir esforços na preparação para as notas da série Europa PROGRAMA DE PARCERIAS Unir esforços na preparação para as notas da série Europa ÍNDICE I. Em que consiste o Programa de Parcerias? Vamos unir esforços! 3 Funcionamento do Programa de Parcerias 4 Potenciais

Leia mais

Cronologia de acontecimentos significativos em 2013

Cronologia de acontecimentos significativos em 2013 Cronologia de acontecimentos significativos em 2013 Departamento de Sistemas de Pagamentos Lisboa, 2014 www.bportugal.pt Cronologia de acontecimentos significativos em 2013 Janeiro No dia 3, foi disponibilizado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. 868 Diário da República, 1.ª série N.º 39 23 de fevereiro de 2012. Lei n.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. 868 Diário da República, 1.ª série N.º 39 23 de fevereiro de 2012. Lei n. 868 Diário da República, 1.ª série N.º 39 23 de fevereiro de 2012 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 35/2012 O Presidente da República decreta, nos termos do artigo 135.º,

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha de Apoio à Tesouraria Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Tenham um volume de facturação anual inferior a 150 milhões de euros Desenvolvam

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2013 Folha: 1 Consorcio Publico do Extremo Sul

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2013 Folha: 1 Consorcio Publico do Extremo Sul Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2013 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 6.735,34 8.034,62 4.211,61 10.558,35 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 6.735,34 8.034,62

Leia mais

Relatório de Atividades 2011. Carlos da Silva Costa

Relatório de Atividades 2011. Carlos da Silva Costa Banco de Portugal Relatório de Atividades 2011 Carlos da Silva Costa Banco de Portugal Relatório de Atividade 2011 Esquema da Apresentação I. Enquadramento da Atividade Enquadramento externo Linhas Gerais

Leia mais

ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL

ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL São Paulo, 16 de dezembro de 2010. A Associação dos Notários e Registradores do Brasil ANOREG BR At.: Sr. Rogério Portugal Bacellar Prezado Senhor,

Leia mais

Preçário. Banco Cofidis, S.A.

Preçário. Banco Cofidis, S.A. Preçário Banco Cofidis, S.A. BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto e Despesas: 05-out-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Lei n.º 1/2005, de 10 de (versão actualizada) REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Contém as seguintes alterações: - Lei n.º 39-A/2005, de 29 de Julho - Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro [ Nº de

Leia mais

Código de Conduta dos. Membros do Conselho de Administração. e do Conselho de Auditoria. do Banco de Portugal

Código de Conduta dos. Membros do Conselho de Administração. e do Conselho de Auditoria. do Banco de Portugal Código de Conduta dos Membros do Conselho de Administração e do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal Código de Conduta dos Membros do Conselho de Administração e de Auditoria Índice Preâmbulo...3

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES SERVIÇO MB WAY O que é o MB WAY? O MB WAY é a primeira solução interbancária que permite fazer compras e transferências imediatas através de smartphone ou tablet. Basta aderir ao serviço

Leia mais

BOLETIM Bancário. Dezembro de 2012 Nº4/2012. 1. Destaque

BOLETIM Bancário. Dezembro de 2012 Nº4/2012. 1. Destaque 1. Destaque Crédito à Habitação e Regime Extraordinário Foram recentemente aprovadas diversas medidas com vista à protecção de devedores em situação de dificuldade económica com um significativo impacto

Leia mais

BOLETIM BANCÁRIO E FINANCEIRO

BOLETIM BANCÁRIO E FINANCEIRO 1. DESTAQUE REGIME JURÍDICO DOS ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO A Lei n.º 16/2015, de 24 de fevereiro, transpôs parcialmente a Diretiva n.º 2011/61/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 8 de

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA Prof Braga de Macedo Agosto de 2011 José Fernando Figueiredo Presidente da SPGM, das SGM e da Associação Europeia do sector AGENDA 1. NECESSIDADES DAS EMPRESAS PORTUGUESAS

Leia mais

Preçário BANQUE PRIVEE ESPIRITO SANTO, SA - SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS

Preçário BANQUE PRIVEE ESPIRITO SANTO, SA - SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS Preçário BANQUE PRIVEE ESPIRITO SANTO, SA - SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01-Set-2014 O Preçário completo

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 25.6.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 179/9 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 28 de maio de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento Europeu

Leia mais

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI 2ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI Patrocinador Principal Patrocinadores Globais APDSI PME Apoios ao crescimento APDSI

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR. DL Nº 197/2012, de 24 de agosto

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR. DL Nº 197/2012, de 24 de agosto ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR DL Nº 197/2012, de 24 de agosto 1 DL Nº 197/2012 - Transposição da Diretiva Comunitária Transposição

Leia mais

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras O Banco de Portugal acaba de publicar novas regras para os Preçários, que vêm reforçar e harmonizar a informação sobre

Leia mais

Preçário DEUTSCHE BANK AG, SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário DEUTSCHE BANK AG, SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário DEUTSCHE BANK AG, SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Deutsche Bank AG, Sucursal em Portugal,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO 1 QUANDO É QUE O BCE ASSUMIRÁ A SUPERVISÃO DOS BANCOS? O BCE assumirá

Leia mais