A atuação do Banco Central do Brasil na prevenção à lavagem de dinheiro e no combate ao financiamento do terrorismo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A atuação do Banco Central do Brasil na prevenção à lavagem de dinheiro e no combate ao financiamento do terrorismo"

Transcrição

1 A atuação do Banco Central do Brasil na prevenção à lavagem de dinheiro e no combate ao financiamento do terrorismo Wolney José dos Anjos Coordenador do Decon

2 Estrutura de Governança de PLD/CFT HISTÓRICO Dezembro-1998 Circular 2.852/98 e Carta-Circular 2.826/98. Novembro-1999: Criação de departamento com competência de PLD a 2013: evolução normativa e da estrutura de governança. Dezembro-2012 Departamento de Supervisão de Conduta (Decon) Março-2013 Comitê Estratégico de Gestão da Prevenção à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo CGPLD

3 Estrutura de Governança de PLD/CFT 3 Mútua Avaliação do Brasil pelo FATF (2010) Aperfeiçoamento das normas de acordo com as Recomendações do FATF e com a Lei /2012. Questões relacionadas à atuação do BCB foram adequada e integralmente tratadas. Questões remanescentes não se referem a temas de competência do BCB. Financial Sector Assessment Program 2012 A supervisão bancária brasileira recebeu avaliação positiva (forte, sofisticada e proativa). A estrutura de supervisão do BCB destaca-se entre os países do G-20.

4 Estrutura de Governança de PLD/CFT 4 CGPLD Desenvolver a governança da gestão, no nível estratégico coordenado pelo Secretário Executivo. Membros: Fiscalização, Regulação, Organização do SFN, PGBC e SECRE Reforçar o alinhamento das ações, a articulação e a comunicação entre os níveis estratégico e tático/operacional.

5 Estrutura de Governança de PLD/CFT 5 CGPLD competências Coordenar a atuação do BCB na ENCCLA e em fóruns nacionais e internacionais. Propor parâmetros de avaliação da efetividade das normas. Atuar como instância consultiva nos assuntos supra departamentais.

6 Princípios Regulatórios Lei 9.613/1998 e alterações: Identificação de clientes Manutenção de cadastros atualizados. Manutenção de registros. Adoção de políticas, procedimentos e controles compatíveis com porte e volume de operações. Comunicações de operações atípicas ao Coaf. Comunicações automáticas de determinadas operações ao Coaf. As transferências internacionais e os saques em espécie deverão ser previamente comunicados à instituição financeira. Declaração anual de ausência de ocorrências ao Coaf. 6

7 Princípios Regulatórios 7 Regulamentação do BCB Circular 3.461/2009: obrigações de PLD/CFT. Carta-Circular 3.430/2010 esclarecimentos sobre a Circular 3.461/2009. Carta-Circular 3.454/2010 estabelece leiaute para fornecimento de informações quando de quebra de sigilo bancário. Circular 3.612/2012: obrigações decorrentes de Resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

8 Princípios Regulatórios 8 Regulamentação do BCB Carta-Circular 3.542/2012 exemplos de situações que possam configurar indícios dos crimes previstos na Lei 9.613/1998. Comunicado /2013 divulga lista do FATF de países com deficiências estratégicas de PLD/CFT. Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais RMCCI.

9 Princípios Regulatórios 9 Compete ao BCB Manutenção do Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro (CCS) Supervisão de PLD/CFT. Aplicação de sanções administrativas. Comunicação ao Coaf de indícios de LD/FT identificados no exercício das suas atribuições Comunicação ao MP de indícios da prática de crimes de ação pública identificados no exercício das suas atribuições.

10 Supervisão pós-crise Tendência Internacional 10 Modelo Twin Peaks: - Cria estruturas distintas para tratar de supervisão prudencial e de supervisão relacionada a assuntos de consumidor bancário e de compliance. Não há dois modelos iguais cada país adotou o que entende ser o melhor, considerando as características de seu mercado e o seu arcabouço legal e institucional

11 Estrutura da Difis 11 Diretor de Fiscalização Gestão Estratégica, Integração e Suporte da Fiscalização - Degef Relacionamento institucional: interno e externo Secre/Difis Monitoramento do SFN - Desig Supervisão de Cooperativas e Instituições Não- Bancárias - Desuc Supervisão Bancária - Desup Supervisão de Conduta - Decon

12 Objetivos Decon 12 Prevenir a utilização do SFN em atividades e condutas que ocasionem riscos à imagem da ES. Melhorar o nível de aderência às normas do BC e do CMN. Incentivar ações de redução das denúncias e reclamações da sociedade Identificar oportunidades de aprimoramento normativo e de redução do custo de observância de normas. Temas sob a competência do Decon (Portaria /12): PLD/CFT; aderência ás normas cambiais; contratação de operações e serviços, tarifas, ouvidoria e correspondentes no país; PSH; FCVS; PMCMV; microcrédito; recolhimento compulsório; e exigibilidade sobre depósitos de poupança.

13 Divisão de Supervisão (Dsup) 13 Emprego das diversas modalidades de supervisão. Programação anual baseada em ciclo de supervisão e em matrizes de prioridades. Escopo de atuação: bancos. Itens Avaliados: Política Institucional; Estrutura Organizacional; Procedimentos e Ferramentas; Política Conheça Seu Cliente; Treinamento; Política Conheça Seu Funcionário; e Auditoria Interna.

14 Modalidades de Inspeção utilizadas 14 IM Inspeções Modulares avaliam os assuntos relativos a uma mesma área de abordagem nas Entidades Supervisionadas (ES) presencial VE Verificações Especiais avaliam assuntos ou partes de área relevante da ES presencial Acompanhamento de Supervisão Realizada tem por objetivo garantir que as ocorrências identificadas nos trabalhos de fiscalização sejam regularizadas mediante ações adotadas pelas ES. São decorrentes dos trabalhos de supervisão. presencial e/ou remoto SRC Sistema de Avaliação de Riscos e Controles avaliam riscos e controles associados às atividades significativas dos bancos presencial

15 Trabalhos Horizontais 15 Usados para mapeamento e diagnóstico de comportamentos do mercado em relação a uma prática ou a um tema específicos Trabalhos muito focados, de curta duração, e que abrangem uma amostra maior de instituições Presencial ou remoto

16 Supervisão de Conduta no Segmento Não Bancário 16 Elaboração de novo modelo de supervisão que compatibilize: Grande extensão do universo fiscalizável (em torno de 2 mil ES) Grande heterogeneidade Grande dispersão territorial Escassez de recursos humanos Cumprimento dos objetivos da supervisão Adequado tratamento a assuntos sensíveis e sujeitos a pressões externas: PLD/CFT (Gafi), clientes do SFN (MPF) etc. Risco de imagem e legal para o BCB

17 Divisão de Inspeção Remota (Direm) 17 Utilização prioritária de ferramentas informatizadas nos processos de supervisão. Escopo de atuação: segmento não bancário e bancos de baixa ou muito baixa prioridade. Importante: as inspeções remotas não substituem, mas complementam as inspeções presenciais.

18 Supervisão de PLD/FT no âmbito do SFN 18 Obrigado! Wolney José dos Anjos

Marco Regulatório de PLD/CFT e atuação do Banco Central do Brasil

Marco Regulatório de PLD/CFT e atuação do Banco Central do Brasil Marco Regulatório de PLD/CFT e atuação do Banco Central do Brasil Brasília, 27/9/2013 Apoio: SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Agenda Banco Central do Brasil: estrutura, missão e atuação Supervisão de PLD/CFT

Leia mais

Identificação do beneficiário final na prevenção dos crimes financeiros. Wolney José dos Anjos Setembro/2012

Identificação do beneficiário final na prevenção dos crimes financeiros. Wolney José dos Anjos Setembro/2012 Identificação do beneficiário final na prevenção dos crimes financeiros Wolney José dos Anjos Setembro/2012 1 Agenda - Supervisão de PLD/CFT - Deficiências identificadas. - Beneficiário final - Conceito

Leia mais

Comissão Parlamentar de Inquérito Requerimento do Senado Federal nº 94. Anthero de Moraes Meirelles Abril de 2015

Comissão Parlamentar de Inquérito Requerimento do Senado Federal nº 94. Anthero de Moraes Meirelles Abril de 2015 Comissão Parlamentar de Inquérito Requerimento do Senado Federal nº 94 Anthero de Moraes Meirelles Abril de 2015 Agenda I. Missão do Banco Central II. III. IV. Sistema Financeiro Nacional (SFN) Supervisão

Leia mais

Atuação do Banco Central na Prevenção e no Combate à Lavagem de Dinheiro. Ricardo Liáo Abril de 2008

Atuação do Banco Central na Prevenção e no Combate à Lavagem de Dinheiro. Ricardo Liáo Abril de 2008 Atuação do Banco Central na Prevenção e no Combate à Lavagem de Dinheiro Ricardo Liáo Abril de 2008 DPF ABIN MRE CGU MPS MJ MINISTÉRIO DA FAZENDA COAF BACEN CVM SRF PGFN SUSEP DPF Departamento de Polícia

Leia mais

GAFIC/FELABAN/ASBA/ABANSA Unificación de Criterios sobre Administración de Riesgos de LD/FT San Salvador set/2011 1

GAFIC/FELABAN/ASBA/ABANSA Unificación de Criterios sobre Administración de Riesgos de LD/FT San Salvador set/2011 1 GAFIC/FELABAN/ASBA/ABANSA Unificación de Criterios sobre Administración de Riesgos de LD/FT San Salvador set/2011 1 LEGISLAÇÃO LEI Nº 9.613/1998 Regime Administrativo CAPÍTULO VI - Da Identificação dos

Leia mais

1º Seminário Suitability. 27 de Abril de 2015 São Paulo SP

1º Seminário Suitability. 27 de Abril de 2015 São Paulo SP 1º Seminário Suitability 27 de Abril de 2015 São Paulo SP Suitability em Operações Bancárias 27.04.2015 Contexto Normativo Resolução CMN nº 4.283/2013 Alteração do texto do art. 1º da Resolução CMN nº

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Prevenção da Lavagem de Dinheiro

SUPERVISÃO COOPERATIVA Prevenção da Lavagem de Dinheiro SUPERVISÃO COOPERATIVA Prevenção da Lavagem de Dinheiro 1 Agenda 1. Regulamentação Legislação Federal; normas do Bacen 2. Avaliação dos Sistemas de Controles Internos relacionados a PLD (Art. 1º - Inciso

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

A atuação do Banco Central do Brasil na prevenção e no combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento ao terrorismo DECIC/GABIN JUNHO/2007

A atuação do Banco Central do Brasil na prevenção e no combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento ao terrorismo DECIC/GABIN JUNHO/2007 A atuação do Banco Central do Brasil na prevenção e no combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento ao terrorismo DECIC/GABIN JUNHO/2007 ÁREA DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL DESUP: Supervisão

Leia mais

Estabilidade Financeira e o Modelo de Supervisão do Banco Central do Brasil

Estabilidade Financeira e o Modelo de Supervisão do Banco Central do Brasil Estabilidade Financeira e o Modelo de Supervisão do Banco Central do Brasil ABBI Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Abril de 2013 Estabilidade Financeira 2 PR, PRE e Índice de Basiléia

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ. 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE. 35300010230. Política Corporativa de Prevenção e Combate a Atos Ilícitos

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ. 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE. 35300010230. Política Corporativa de Prevenção e Combate a Atos Ilícitos ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ. 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE. 35300010230 Política Corporativa de Prevenção e Combate a Atos Ilícitos Estabelece os conceitos e as diretrizes do Itaú Unibanco

Leia mais

Curso virtual de Formação dos Correspondentes no País em Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo

Curso virtual de Formação dos Correspondentes no País em Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo Curso virtual - Formação em PLD/FT Curso virtual de Formação dos Correspondentes no País em Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo ABBC São Paulo, 9 de abril de 2010

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO Julho de 2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. DEFINIÇÕES... 3 2. CONCEITO... 4 3. REGULAMENTAÇÃO... 5 4. OBJETIVOS DO PROGRAMA DE PLDFT...

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO E COMBATE A ATOS ILÍCITOS Objetivo Este documento tem por objetivo consolidar os princípios

Leia mais

O Processo de Supervisão no

O Processo de Supervisão no O Processo de Supervisão no Banco Central do Brasil Anthero de Moraes Meirelles Banco Central do Brasil Diretor de Fiscalização Introdução Missão Estrutura Universo Fiscalizável Agenda Processo de Supervisão

Leia mais

Prevenção e combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo nos bancos brasileiros

Prevenção e combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo nos bancos brasileiros Prevenção e combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo nos bancos brasileiros Principais obrigações impostas aos bancos Identificar e manter atualizados os dados cadastrais dos clientes

Leia mais

Curso de aperfeiçoamento 'Atualização do Sistema Financeiro: temas do mercado financeiro e do mercado de capitais Inclusão bancária: desafios

Curso de aperfeiçoamento 'Atualização do Sistema Financeiro: temas do mercado financeiro e do mercado de capitais Inclusão bancária: desafios 17 de agosto de 2011 São Paulo - SP Curso de aperfeiçoamento 'Atualização do Sistema Financeiro: temas do mercado financeiro e do mercado de capitais Inclusão bancária: desafios Banco Central Missão Assegurar

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E DESAFIOS Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 Agenda 1. Compliance conceito e missão 2. Atuação de Compliance nas instituições 3. Ferramentas de Compliance 4. Auditoria e Compliance

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2008 APRESENTAÇÃO A BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM) iniciou suas atividades em 1º de outubro de 2007, tendo a sua criação resultado do processo de desmutualização da BOVESPAe,

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

ANEXO I. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA REALIZAÇÃO DO EXAME DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL FEBRABAN DA MODALIDADE COMPLETA.

ANEXO I. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA REALIZAÇÃO DO EXAME DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL FEBRABAN DA MODALIDADE COMPLETA. ANEXO I. Versão 1.1 Março de 2014 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA REALIZAÇÃO DO EXAME DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL FEBRABAN DA MODALIDADE COMPLETA. Esta modalidade visa à certificação plena do Correspondente,

Leia mais

Prevenção à Lavagem de Dinheiro num contexto de maior integração financeira e internacionalização da moeda

Prevenção à Lavagem de Dinheiro num contexto de maior integração financeira e internacionalização da moeda Os documentos não representam um posicionamento oficial do SGT-4 nem do Banco Central do Brasil. Prevenção à Lavagem de Dinheiro num contexto de maior integração financeira e internacionalização da moeda

Leia mais

PALESTRA CONFEA. Ricardo Garcia França

PALESTRA CONFEA. Ricardo Garcia França PALESTRA CONFEA Ricardo Garcia França OGU HOJE Ciclo que se encerra 40 Ouvidorias em 2002 para 165 em 2011; Investimento em criação de ouvidorias e capacitação PRIORIDADES Fortalecer sistema de Ouvidorias

Leia mais

O Processo de Convergências às Normas Internacionais de Contabilidade: Histórico e Perspectivas

O Processo de Convergências às Normas Internacionais de Contabilidade: Histórico e Perspectivas O Processo de Convergências às Normas Internacionais de Contabilidade: Histórico e Perspectivas Humberto Carlos Zendersky Departamento de Normas do Sistema Financeiro Denor Maceió, 24 de novembro de 2011

Leia mais

NORMATIVO SARB 011/2013 PREVENÇÃO E COMBATE À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO

NORMATIVO SARB 011/2013 PREVENÇÃO E COMBATE À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO NORMATIVO SARB 011/2013 PREVENÇÃO E COMBATE À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO O Sistema de Autorregulação Bancária da Federação Brasileira de Bancos FEBRABAN institui o NORMATIVO DE

Leia mais

Agências de Fomento e o Sistema Nacional de Prevenção e Combate à LD/FT. Departamento

Agências de Fomento e o Sistema Nacional de Prevenção e Combate à LD/FT. Departamento Agências de Fomento e o Sistema Nacional de Prevenção e Combate à LD/FT Departamento Gerson Romantini Salvador, 07 de Outubro de 2011 Agenda 1. Conceitos essenciais 2. Lei brasileira de combate à LD/FT

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

Inclusão Financeira no Brasil

Inclusão Financeira no Brasil São Paulo 18 de agosto de 2014 2 Inclusão Financeira no Brasil Parceria Nacional para Inclusão Financeira Elvira Cruvinel Ferreira Departamento de Educação Financeira Missão do BCB Assegurar a estabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL BRASÍLIA-DF, QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM DE SERVIÇO N o.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL BRASÍLIA-DF, QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM DE SERVIÇO N o. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL BRASÍLIA-DF, QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM DE SERVIÇO N o. 222 1 a. PARTE ATOS DO DIRETOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA N o. 42/2010-DG/DPF,

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e a LEROSA (ESCRITÓRIO LEROSA S/A CORRETORES

Leia mais

Marco regulatório de 2009

Marco regulatório de 2009 Marco regulatório de 2009 Circular 3.461/09 Cadastro de Clientes Atualização Cadastral Know Your Customer KYC Pessoas Politicamente Expostas PEPs Cadastro de Clientes Cumprir a regulamentação em vigor

Leia mais

Seminário Internacional

Seminário Internacional Seminário Internacional Possíveis desdobramentos da crise financeira internacional: aperfeiçoamento na regulamentação dos sistemas financeiros e na governança global A crise e a re-regulamentação do sistema

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO E PROCEDIMENTOS (IS) CLIENTES E CONTAS ASSUNTOS TRANSVERSAIS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ORGANIZADOS

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO E PROCEDIMENTOS (IS) CLIENTES E CONTAS ASSUNTOS TRANSVERSAIS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ORGANIZADOS DIRETORIA EXECUTIVA 11/06/2013 11/06/2013 1 / 8 Assunto: CLIENTES E CONTAS ASSUNTOS TRANSVERSAIS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ORGANIZADOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. REGRAS E PROCEDIMENTOS As regras,

Leia mais

Senhor Secretário de Estado, Senhores Embaixadores, Senhores Governadores, Minhas Senhoras e meus Senhores,

Senhor Secretário de Estado, Senhores Embaixadores, Senhores Governadores, Minhas Senhoras e meus Senhores, Intervenção do Governador do Banco de Portugal, Carlos da Silva Costa, no XXV Encontro de Lisboa sobre Governação das instituições de crédito e estabilidade financeira 1 Senhor Secretário de Estado, Senhores

Leia mais

Banco Western Union do Brasil S.A.

Banco Western Union do Brasil S.A. Banco Western Union do Brasil S.A. Relatório de Gerenciamento de Riscos para atender aos requisitos estabelecidos na Circular no. 3477/09 do Conselho Monetário Nacional. Data Base 31/12/2011 1 1. Introdução...

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 9 As sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários são. 10 As sociedades de capitalização são entidades constituídas,

PROVA OBJETIVA. 9 As sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários são. 10 As sociedades de capitalização são entidades constituídas, De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil

Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil RODRIGO PEREIRA BRAZ Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições Não Bancárias Banco Central do Brasil 06 de junho de 2013 Agenda Estrutura

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

C AF ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO. 1. Unidade de Inteligência Financeira. 2. Mecanismos Internacionais de Interesse do Tema PLD/FT

C AF ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO. 1. Unidade de Inteligência Financeira. 2. Mecanismos Internacionais de Interesse do Tema PLD/FT ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Unidade de Inteligência Financeira 2. Mecanismos Internacionais de Interesse do Tema PLD/FT 3. Conselho de Controle de Atividades Financeiras COAF 4. Comunicações dos Setores

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS OPERACIONAIS DIRETORIA

GESTÃO DE RISCOS OPERACIONAIS DIRETORIA 1.Apresentação GESTÃO DE RISCOS OPERACIONAIS O Banco Tricury tem seu foco de atuação voltado ao financiamento de pequenas e médias empresas. Os principais produtos oferecidos são: Depósito a prazo com

Leia mais

Prevenção à Lavagem de Dinheiro. Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011

Prevenção à Lavagem de Dinheiro. Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011 Prevenção à Lavagem de Dinheiro Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011 Agenda A BSM Procedimentos de Análise Cases Comunicações à CVM Pontos de Atenção Arcabouço normativo da autorregulação Instrução

Leia mais

São Paulo, 15 de abril de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini, durante o International Financial Reporting Standards (IFRS).

São Paulo, 15 de abril de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini, durante o International Financial Reporting Standards (IFRS). São Paulo, 15 de abril de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini, durante o International Financial Reporting Standards (IFRS). 1 Boa tarde a todos! Em primeiro lugar, gostaria de agradecer, em

Leia mais

MERCOSUL/SGT No. 4 - CPLDFT/ATA No. 2/06 XXII REUNIÃO DO SGT N 4 ASSUNTOS FINANCEIROS

MERCOSUL/SGT No. 4 - CPLDFT/ATA No. 2/06 XXII REUNIÃO DO SGT N 4 ASSUNTOS FINANCEIROS MERCOSUL/SGT No. 4 - CPLDFT/ATA No. 2/06 XXII REUNIÃO DO SGT N 4 ASSUNTOS FINANCEIROS ATA DA REUNIÃO DA COMISSÂO DE PREVENÇÃO DA LAVAGEM DE DINHEIRO E DO FINANCIAMIENTO DO TERRORISMO. Se realizou no Rio

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO, À LAVAGEM E À OCULTAÇÃO DE BENS, DIREITOS E VALORES

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO, À LAVAGEM E À OCULTAÇÃO DE BENS, DIREITOS E VALORES POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO, À LAVAGEM E À OCULTAÇÃO DE BENS, DIREITOS E VALORES Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ]

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO FEV/2015 VERSÃO 1.0

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO FEV/2015 VERSÃO 1.0 POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO VERSÃO 2 / 6 1. INTRODUÇÃO A Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro ( Política ) visa promover a adequação das atividades operacionais da DBTRANS

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. 01/03/2013 Índice 1. CADASTRO DE CLIENTE... 1.1

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE Revisado em Março de 2013 I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE A The Warranty Group, Inc. (corporação) e suas empresas subsidiárias têm o compromisso de realizar seus negócios de modo

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS O ICBC do Brasil Banco Múltiplo S/A considera de suma importância o processo de gerenciamento de riscos, pois utiliza-o para agregar valor aos seus negócios, proporcionar

Leia mais

Gestão Integrada de Riscos A visão do Supervisor. Anthero de Moraes Meirelles Outubro de 2012

Gestão Integrada de Riscos A visão do Supervisor. Anthero de Moraes Meirelles Outubro de 2012 Gestão Integrada de Riscos A visão do Supervisor Anthero de Moraes Meirelles Outubro de 2012 Agenda 1. Gestão Integrada de Riscos 2. Papel da Supervisão e dos Agentes Privados 3. Processo de Ajustes e

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Regulação do Sistema Financeiro Nacional

Regulação do Sistema Financeiro Nacional Regulação do Sistema Financeiro Nacional Sergio Odilon dos Anjos 8º Congresso Febraban de Direito Bancário São Paulo 19 de maio de 2011 1 Regulação do Sistema Financeiro Banco Central do Brasil Missão:

Leia mais

Participantes: - Conselho Consultivo -Sócios Assuntos abordados: a. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 2013/14 EMPRESTA Capital.

Participantes: - Conselho Consultivo -Sócios Assuntos abordados: a. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 2013/14 EMPRESTA Capital. ATA DE REUNIÃO REV.1 1/11 LOCAL: EMPRESTA Data: 25/02/2014 Horário: 10:30 a 11:30 Capital Participantes: - Conselho Consultivo -Sócios Assuntos abordados: a. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 2013/14

Leia mais

AS CORRETORAS DE CÂMBIO NO SFN

AS CORRETORAS DE CÂMBIO NO SFN AS CORRETORAS DE CÂMBIO NO SFN Gilson Marcos Balliana São Paulo, 10.8.2011 SFN - CONCEITO CONJUNTO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS E INSTRUMENTOS FINANCEIROS QUE VISAM TRANSFERIR RECURSOS DOS AGENTES ECONÔMICOS

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 13º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA JUNHO/2013 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA

Leia mais

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E OFERTAS PÚBLICAS EM TEMPOS DE CRISE A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO CONTAS CONTROLADAS TCU adota modelo de governança de TI no ambiente interno alinhando com seu plano estratégico para realizar o controle externo das contas da União com maior eficiência COMO ÓRGÃO RESPONsável

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas funções, para cumprimento das obrigações previstas

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Documento Público Revisão Nº 05 2014. Manual de Prevenção e Combate a Lavagem de Dinheiro e Financiamento ao Terrorismo

Documento Público Revisão Nº 05 2014. Manual de Prevenção e Combate a Lavagem de Dinheiro e Financiamento ao Terrorismo MANUAL DE PREVENÇÃO E COMBATE A LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO (PLD/FT) Controle de Revisões REV. ITEM DESCRIÇÃO DATA 1 Publicação 10.10.2013 2 Depósitos Inclusão dos Fluxogramas 02.12.2013

Leia mais

Política de Prevenção à Lavagem de Dinheiro

Política de Prevenção à Lavagem de Dinheiro Política de Prevenção à Lavagem de Dinheiro OBB/BBL Fomento Mercantil São Paulo, 11 de Março de 2013 Agenda 1 Introdução; 2 Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF); 3 Resolução 21 COAF Principais

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE Audiência Pública SDM nº 10/2012 Processo RJ-2012-379

RELATÓRIO DE ANÁLISE Audiência Pública SDM nº 10/2012 Processo RJ-2012-379 RELATÓRIO DE ANÁLISE Audiência Pública SDM nº 10/2012 Processo RJ-2012-379 Objeto: Minuta de Instrução alteradora da Instrução CVM nº 301, de 16 de abril de 1999 Adequação à Lei nº 9.613, de 3 de março

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

Preocupações do Supervisor Bancário em Relação aos Riscos da Crédito e Auditoria Contínua em Crédito

Preocupações do Supervisor Bancário em Relação aos Riscos da Crédito e Auditoria Contínua em Crédito Preocupações do Supervisor Bancário em Relação aos Riscos da Crédito e Auditoria Contínua em Crédito Novembro - 2003 DEPTº. DE SUPERVISÃO DIRETA EQUIPES ESPECIALIZADAS CRÉDITO Estrutura da Supervisão Bancária

Leia mais

Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013

Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013 Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013 D.O.U.: 30.07.2013 (Estabelece normas gerais de prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do

Leia mais

Parece simples atender aos acionistas/quotistas e aos clientes: basta que as Empresas dêem lucros e que seus

Parece simples atender aos acionistas/quotistas e aos clientes: basta que as Empresas dêem lucros e que seus POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Revisado em Março de 2013 1. INTRODUÇÃO Parece simples atender aos acionistas/quotistas e aos clientes: basta que as Empresas dêem lucros e que seus produtos e serviços atendam

Leia mais

Desde 1974, estimulando a poupança e ajudando a realizar sonhos! MANUAL DE PLD / FT

Desde 1974, estimulando a poupança e ajudando a realizar sonhos! MANUAL DE PLD / FT 1 INTRODUÇÃO O Brasil com os compromissos assumidos na Convenção de Viena em 1998 aprovou com base na respectiva Exposição de Motivos, a Lei de Lavagem de Dinheiro ou Lei nº 9.613/98, que tipifica crimes

Leia mais

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins meramente informativos. É proibida a reprodução total ou

Leia mais

SEÇÃO I: PROGRESSOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. A. PRIMEIRA RODADA DE ANÁLISE: a) IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO NOS NÍVEIS ESTADUAL E MUNICIPAL

SEÇÃO I: PROGRESSOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. A. PRIMEIRA RODADA DE ANÁLISE: a) IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO NOS NÍVEIS ESTADUAL E MUNICIPAL MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO SEÇÃO I: PROGRESSOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES A. PRIMEIRA RODADA DE ANÁLISE: a) IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO

Leia mais

MSU - Manual da Supervisão

MSU - Manual da Supervisão Banco Central do Brasil 2012 Data emissão: 21/08/2012-12:50:31 Código Nome Página 10 Objetivos do Manual da Supervisão 3 10.10 Estrutura 4 10.20 Instituições Supervisionadas 5 10.30 Entidades Supervisoras

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

Regulação do Sistema Financeiro Nacional

Regulação do Sistema Financeiro Nacional Regulação do Sistema Financeiro Nacional Sergio Odilon dos Anjos Chefe do Departamento de Normas do Sistema Financeiro Brasília 18 de julho de 2011 1 Regulação do Sistema Financeiro Banco Central do Brasil

Leia mais

Banco Safra S.A. Regras de Conduta e Parâmetros de Atuação ICVM nº 505

Banco Safra S.A. Regras de Conduta e Parâmetros de Atuação ICVM nº 505 Banco Safra S.A. Regras de Conduta e Parâmetros de Atuação ICVM nº 505 1/15 INTRODUÇÃO O Banco Safra S.A., doravante denominado SAFRA, é uma importante instituição financeira respeitada nacional e internacionalmente

Leia mais

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes 1 Introdução O Grupo de Instituições Financeiras Wolfsberg 1 ¹ considera que estes princípios constituem uma orientação

Leia mais

1º Seminário de Educação Empreendedora, Financeira e Cooperativista

1º Seminário de Educação Empreendedora, Financeira e Cooperativista 1º Seminário de Educação Empreendedora, Financeira e Cooperativista Educação como Estratégia de Inclusão Financeira Luiz Edson Feltrim Diretor Prêmio Country Awards 2014 (CYFI) ONU Reconhecimento ao Brasil

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Auditorias operacionais. o enquadramento de requisitos financeiros e patrimoniais exigidos dos Participantes da BM&FBOVESPA;

Auditorias operacionais. o enquadramento de requisitos financeiros e patrimoniais exigidos dos Participantes da BM&FBOVESPA; Relatório do 2º Trimestre de 2012 Auditoria Programa de Auditoria Operacional A BSM é responsável por realizar a supervisão e fiscalização dos Participantes da BM&FBOVESPA. Isso é feito por meio de auditorias,

Leia mais

PREVENÇÃO Á LAVAGEM DE DINHEIRO

PREVENÇÃO Á LAVAGEM DE DINHEIRO PREVENÇÃO Á LAVAGEM DE DINHEIRO PROF. DR. MANUEL ENRIQUEZ GARCIA (PROF. MANOLO) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Prevenção à Lavagem de Dinheiro INTRODUÇÃO Aspectos Históricos DÉCADA DE 1980 Observou-se o Crescimento

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Regras e Parâmetros para Intermediação em Mercados Regulamentados Instruções CVM 505/11 e 506/11

Regras e Parâmetros para Intermediação em Mercados Regulamentados Instruções CVM 505/11 e 506/11 Regras e Parâmetros para Intermediação em Mercados Regulamentados Instruções CVM 505/11 e 506/11 Pelo presente instrumento, o participante a seguir indicado, doravante denominado INSTITUIÇÃO, objetivando

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

25 2010, 3.919, 2011, 15% 1) O

25 2010, 3.919, 2011, 15% 1) O O uso do cartão vem crescendo ao longo dos anos, acompanhando o aumento da renda e os avanços em geral conquistados pela sociedade brasileira. Facilidade, segurança e ampliação das possibilidades de compras

Leia mais

Regulamentação e Aplicação da Lei Anticorrupção: uma visão do MPF

Regulamentação e Aplicação da Lei Anticorrupção: uma visão do MPF Regulamentação e Aplicação da Lei Anticorrupção: uma visão do MPF ANTONIO FONSECA Subprocurador Geral da República Coordenador da 3ª Câmara de Coordenação e Revisão - Consumidor e Ordem Econômica SEMINÁRIO

Leia mais

Arranjos de Pagamento SEMARC 2014. Brasília, 4 de agosto de 2014

Arranjos de Pagamento SEMARC 2014. Brasília, 4 de agosto de 2014 Arranjos de Pagamento SEMARC 2014 Brasília, 4 de agosto de 2014 Sistema de Pagamentos de Varejo Linha do Tempo Projeto institucional de modernização de pagamentos de varejo Publicação do Diagnóstico do

Leia mais

Regras de Atuação do Intermediário de Valores Mobiliários Banco BTG Pactual S.A.

Regras de Atuação do Intermediário de Valores Mobiliários Banco BTG Pactual S.A. O Banco BTG Pactual S/A ( BANCO ), em atendimento ao disposto na Instrução nº 505, de 27 de setembro de 2011, conforme alterada, da Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) e nas demais normas expedidas

Leia mais

Instrumento Normativo Mandatório Política Norma Procedimento. Impacta Matriz de Risco Não se aplica Sim (Controle de Referencia: )

Instrumento Normativo Mandatório Política Norma Procedimento. Impacta Matriz de Risco Não se aplica Sim (Controle de Referencia: ) Classificação 001 CCO Políticas da Organização Título 002 Admissão e Manutenção de Agente Autônomo de Investimento Responsáveis Diretoria Diretoria Executiva Superintendência(s) Área Autor(es) Fernanda

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE SAÚDE DO INSTITUTO MÁRIO PENNA (CEPDe/IMP)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE SAÚDE DO INSTITUTO MÁRIO PENNA (CEPDe/IMP) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE SAÚDE DO INSTITUTO MÁRIO PENNA (CEPDe/IMP) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Vinculação Artigo 1 - O Centro de Pesquisas,

Leia mais

Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas

Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas Palestra: O controle Interno no Brasil - situação atual e perspectivas futuras. Valdir Agapito Teixeira Secretário

Leia mais

Brasília, 1º de março de 2013.

Brasília, 1º de março de 2013. Brasília, 1º de março de 2013. Discurso do diretor de Regulação do Sistema Financeiro, Luiz Awazu Pereira da Silva, na divulgação sobre a implantação no Brasil do Acordo de Basiléia III 1 O Conselho Monetário

Leia mais

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GESTÃO DO RISCO OPERACIONAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão de Risco Operacional; 3. Estrutura

Leia mais

Ato Público de Conscientização sobre Assédio Moral no

Ato Público de Conscientização sobre Assédio Moral no Ato Público de Conscientização sobre Assédio Moral no Trabalho AÇÕES DO BB PARA PREVENÇÃO E MITIGAÇÃO DE CONFLITOS CANAIS AÇÕES DE COMUNICAÇÃO CAPACITAÇÃO INDICADORES GERENCIAS PRÁTICAS CORPORATIVAS INTRODUÇÃO

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 As entidades de supervisão do sistema financeiro internacional procederam ao longo dos últimos anos a profundas adaptações, por via legislativa e organizacional,

Leia mais

Painel II: Marco regulatório para inclusão financeira Mesa 3: Adequação de serviços financeiros e dos canais de acesso às necessidades da população

Painel II: Marco regulatório para inclusão financeira Mesa 3: Adequação de serviços financeiros e dos canais de acesso às necessidades da população Painel II: Marco regulatório para inclusão financeira Mesa 3: Adequação de serviços financeiros e dos canais de acesso às necessidades da população Agenda Missão do Banco Central do Brasil Inclusão Financeira

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-03/2003

RESOLUÇÃO N. TC-03/2003 RESOLUÇÃO N. TC-03/2003 Reorganiza o Sistema de Controle Interno do Tribunal de Contas do Estado e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA, usando das atribuições que lhe

Leia mais