IMPACTOS DA CRISE ECONÔMICA MUNDIAL NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO: um estudo das principais ações do IBOVESPA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPACTOS DA CRISE ECONÔMICA MUNDIAL NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO: um estudo das principais ações do IBOVESPA"

Transcrição

1 577 IMPACTOS DA CRISE ECONÔMICA MUNDIAL NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO: um estudo das principais ações do IBOVESPA Welton Roberto Silva (Uni-FACEF) INTRODUÇÃO Uma onda de medo se espalhou pelo mundo quando o mercado de crédito norte americano declarou que não mais conseguiria arcar com o saldo negativo dos investimentos imobiliários no ano de 2007, em decorrência da elevação da inadimplência e da desvalorização dos imóveis e dos ativos financeiros associados às hipotecas americanas de alto risco (subprime) (CINTRA, FARHI. 2008). A partir de então o mundo começou a presenciar a queda das bolsas e desvalorização das ações em todos os continentes a cada novo evento durante a crise mundial, como foi o caso, por exemplo, da falência do banco Lehman Brothers em setembro de (NETO, Epaminondas, 2008) Ao mesmo tempo em que no Brasil a Bolsa de Valores de São Paulo acabara de passar por uma fusão com a Bolsa de Mercadorias & Futuros, que a tornaria a terceira maior Bolsa do mundo em volume de negócios, e o bom desempenho dos papeis brasileiros a faria atingir números históricos em maio de 2008; a economia global traria as conseqüências do baixo controle nas operações de crédito no mercado imobiliário dos Estados Unidos. Este quadro passou a ser presente no Brasil a parir do mês de maio de 2008, quando investidores externos passaram a retirar capital do mercado financeiro brasileiro. Objetivos e Metodologia O presente trabalho buscará realizar uma análise do comportamento das ações de maior relevância no Índice Bovespa, a fim de verificar qual o real impacto no mercado de capitais brasileiro. Para tanto se fará um acompanhamento das citadas ações e como elas reagiram frente aos principais fatos da chamada crise. Em um primeiro momento será feita uma análise da bibliografia de apoio para que seja possível entender como é o funcionamento do mercado de capitais, e o que

2 578 realmente foi à chamada crise econômica mundial, origens, impactos e formas de contenção. Para aprofundar nos números serão utilizadas as cotações das ações já mencionadas durante o ano de 2008, bem como dos números do IBOVESPA e do Dow Jones (Índice da Bolsa de Nova York); buscando assim por meio da correlação entre as mesmas identificar se a queda na bolsa de São Paulo tem relação com os fatos desencadeados nos Estados Unidos. Tais números foram extraídos do software CMA Station - Séries 4, cedidos pela Planner Corretora de Valores S.A. MERCADO DE CAPITAIS Mercado Financeiro Atualmente existe uma gama de investimentos possíveis para se aplicar capital no mercado nacional e internacional, tais aplicações se estendem, desde a poupança à aplicações em ações e títulos. Quando um determinado investidor decide alocar sua reserva de capital em um certo investimento ele passa a ofertar capital em troca de receber no futuro um retorno, e em contrapartida há quem capta estes valores para poder desenvolver melhor a atividade produtiva, ou seja, alguém está ofertando e outro está demandando. A essa troca de valores se dá o nome de Mercado Financeiro. Cavalcante, Misumi e Rudge (2005) denominam esses agentes do Mercado Financeiro como sendo ofertadores finais e tomadores finais, e em seu trabalho eles expõem que os citados agentes realizam a transferência de recursos entre si por meio de instituições e instrumentos financeiros, aos quais se denomina Sistema Financeiro. O quadro 1 mostra um diagrama sobre tais transações.

3 579 Quadro 1 Fluxo no Mercado Financeiro CAPITAL OFERTADOR FINAL SISTEMA FINANCEIRO TOMADOR FINAL DIVIDENDOS E/OU JUROS Adaptado de Cavalcante, Misumi e Rudge (2005, p.) Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional é constituído por um conjunto de instituições financeiras de origem públicas ou privadas, que funcionam como instrumento responsável por interligar os agentes demandadores de recursos financeiros e àqueles capazes de investir capital, sendo que desta interação há o financiamento do crescimento econômico; o SFN se divide em dois subsistemas, o primeiro (normativo regulamenta as ações do segundo (operante). O subsistema normativo é composto principalmente pelos seguintes órgãos: Conselho Monetário Nacional (CMN), Banco Central (BACEN) e Comissão de Valores Mobiliários (CVM), sendo que deles o de maior atuação e regulamentação é o CMN; já o operante é constituído pelos agentes atuantes do mercado financeiro. (ASSAF NETO, 1999). O quadro 2 ilustra como se subdivide p Sistema Financeiro Nacional.

4 580 Quadro 2 Composição do Sistema Financeiro Nacional Sistema Financeiro Nacional Subsistema de Intermediação Subsistema Normativo Banco do Brasil BB Instituições não Financeiras Instituições Auxiliares Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo Instituições Financeiras não Bancárias Extraído de Assaf Neto (1999, p. 59). Instituições Financeiras Bancárias BNDES Caixa Econ. Federal CEF Instituições Especiais Comissão de Calores Mobiliários - CVM Banco Central do Brasil BACEN Conselho Monetário Nacional CMN Comissões Consultivas A principal função do Sistema Financeiro Nacional é viabilizar as movimentações de capitais entre tomadores e detentores, e em geral tais transações passam pelos agentes antes de ser concretizadas; e os órgãos reguladores participam desse processo a fim de certificar que não existe qualquer impedimento para que tudo ocorra de forma clara e precisa. Mercado de Ações Existem dois tipos de recursos que uma determinada empresa pode captar dentro do Sistema Financeiro Nacional: Recursos de Terceiros (disponíveis pela oferta de crédito principalmente de Instituições Financeiras), e Recursos Próprios. Assaf Neto (2003, p. 381) expõe o segundo tipo de financiamento como sendo dado pela retenção de seus resultados líquidos (autofinanciamento) e, principalmente pela integralização de novas ações. Tal processo se desenvolve de acordo com uma seqüência de atividades demonstradas no quadro 3.

5 581 Quadro 3 Processo para Emissão de Novas Ações Empresa Emitente Novas Ações Instituição Financeira não Bancária Intermedia a Operação Colocação Inicial: Mercado Primário Renegociação das Ações: Mercado Secundário Adaptado de Assaf Neto (2003, p. 381). Uma das movimentações que ocorrem no mercado financeiro diz respeito à oferta e procura de participações em empresas consolidadas. Mellagi Filho e Ishikawa (2000, p. 228) definem ações como sendo títulos que representam frações do capital de uma empresa. Empresas desse tipo são denominadas Sociedade Anônima e podem se de capital fechado ou aberto. Quando a empresa é de capital aberto, é registrada como tal na Comissão de Valores Mobiliários e tem a obrigação de prestar informações periódicas ao mercado sobre seu comportamento social, econômico e financeiro. Desta forma, a participação da empresa não se limita apenas aos seus fundadores, e a empresa passa a assumir o compromisso de prestar contas ao mercado sobre sua real situação com certa periodicidade. Geralmente a compra e venda de ações se dá por meio de uma corretora, ela é responsável por negociar os papéis que o investidor deseja. Até o ano de 2005 o Brasil operava por meio do conhecido pregão viva-voz, onde operadores das corretoras gritavam a compra e a venda das ações dentro da bolsa. Com o inicio das atividades do home broker (o investidor pode operar diretamente do seu computador) em 1999, as atividades em viva-voz reduziram drasticamente, e em 30 de setembro de 2005 a Bovespa se torna a penúltima bolsa do mundo a não operar mais por meio desta modalidade de pregão, restando apenas a bolsa de Nova York que ainda insiste no tradicionalismo do viva-voz 1. A BM&F BOVESPA Bolsa de valores pode ser definida como sendo uma: associação civil sem fins lucrativos ou pode se constituir como sociedade anônima. Seu patrimônio é formado por títulos que pertencem às sociedades corretoras membros. Possui autonomia financeira, patrimonial e administrativa, mas está sujeita à supervisão da Comissão de Valores

6 582 Mobiliários e obedece às diretrizes e políticas emanadas do Conselho Monetário Nacional. (CAVALCANTI, MISUMI e RUDGE. 2005, p. 80). A Bolsa de Valores de São Paulo, somada à Bolsa de Mercadorias e Futuros é hoje uma das maiores Bolsas do mundo em volume de negócios, sendo considerada a segunda do continente americano e a maior da América Latina. A história não fornece com clareza qual a real origem das bolsas de valores, o que se tem definido é que seu início data de tempos antigos, mas a primeira ilustração identificada data de quando era fundada a Bolsa de Fundos Públicos de Londres; o que somado à fundação do Banco da Inglaterra e a presença da Casa da Moeda que já praticava a cunhagem da moeda em ouro, pode ser definido como o primeiro exemplo do sistema financeiro integrado moderno. (CAVALCANTI, MISUMI e RUDGE. 2005) A bolsa brasileira tem sua origem em 1890, com a fundação da Bolsa Livre e em 1895 a Bolsa de Fundos Públicos de São Paulo. Em 1934 ela evolui para Bolsa Oficial de Valores de São Paulo, onde as negociações se realizavam em um balcão central e os corretores ficavam ao seu redor; a partir de 1967 surge o operador de pregão juntamente com as sociedades corretoras, neste período ela já passa a ser chamada Bolsa de Valores de São Paulo. Dezenove anos mais tarde tem inicio a Bolsa Mercantil & de Futuros (BM&F), que em 1991 entra em acordo com a Bolsa de Mercadorias de São Paulo (fundada em 1917) e passa a ser conhecida como Bolsa de Mercadorias & Futuros (ainda BM&F). Em 1999 a BOVESPA passa a operar o Home Broker, um sistema que permite o investidor operar via corretora diretamente da internet. E em 2008 ocorre a fusão entre as duas bolsas brasileiras (BOVESPA e BM&F) uma das maiores bolsas do mundo em valor de mercado 2. IBOVESPA Assim como as demais bolsas do mundo, a BOVESPA possui um indicador capaz de medir o desempenho médio dos preços de uma suposta carteira de ações, medindo o comportamento do mercado em um determinado período de tempo. O valor absoluto do índice da carteira expressa o valor de mercado da carteira de ações negociada na Bolsa de Valores, sendo as variações verificadas de um período para o outro entendidas como sua lucratividade. (ASSAF NETO, p. 204) O Índice BOVESPA foi criado em 2 de janeiro de 1968 e é o indicador brasileiro de maior representatividade, uma vez que nunca sofreu variação em sua

7 583 metodologia de cálculo, bem como pelo fato de no Brasil a BOVESPA realiza o volume total de transações no mercado de valores; basicamente ele indica o comportamento do mercado acionário brasileiro, desta forma em sua composição busca-se chegar o mais próximo possível do real negociado na BOVESPA. (PINHEIRO, p. 215) CRISE ECONÔMICA DE 2008 Origem da Crise As notícias vindas dos Estados Unidos em 2008 não pareciam as melhores para ressaltar o otimismo do mercado financeiro brasileiro. As operações no mercado imobiliário norte-americano, especialmente no mercado de hipotecas, deu origem a uma crise de proporções maiores, no mercado de crédito de modo geral; o segmento que mais foi abalado foi o chamado "subprime", que embutem um risco maior de inadimplência; Após a crise das empresas pontocom 3 ", em 2001 houve uma acentuada aceleração no mercado imobiliário dos Estados Unidos, o Banco Central Americano (Federal Reserve Fed) reduziu as taxas de juros para que houvesse uma recuperação da economia, e o setor imobiliário aproveitou da baixa nas taxas de juros, uma vez que houve um crescimento na demanda por imóveis. Em 2005, a compra de imóveis passou a ser um negócio atrativo devido a grande expectativa de valorização, bem como a demanda por hipotecas já que era um bom momento para se ter dinheiro à mão. Empresas financeiras passaram a trabalhar com o segmento "subprime", e na expectativa de maiores ganhos gestores de fundos e bancos passaram a adquirir os referidos títulos para que as instituições pudessem realizar novas transações, antes que o pagamento da primeira fosse efetuado; desta forma um agente financeiro poderia adquirir esse título das empresas e fundos, gerando assim uma cadeia de venda de títulos. Entretanto, havendo inadimplência por parte do credor inicial desencadeia-se um ciclo de não-recebimento dos títulos, conseqüência: o mercado ficaou receoso em negociar o "subprime" e tudo culmina em uma crise de liquidez. (FOLHA ONLINE, 20 set 2008). Em 2006, a elevação na taxa de juros pelo Fed proporcionou a queda no valor dos imóveis o que acabaria por proporcionar uma recessão na economia norteamericana. Isso acabou por impactar em todo o mundo, Krugman (2009, p. 186) descreve que esse impacto foi em decorrência de que:

8 584 Como os investidores americanos mantinham parcela considerável de sua riqueza no exterior, eles estavam menos sujeitos à queda da atividade econômica nos Estados Unidos, e, como os investidores estrangeiros mantinham boa parte de sua riqueza nos Estados Unidos, também eles estavam menos sujeitos às quedas da atividade econômica nos respectivos países. Porém, parcela considerável do aumento da globalização financeira decorre do investimento de instituições financeiras altamente alavancadas, que faziam vários tipos de apostas transfronteiriças arriscadas. E, quando as coisas davam erradas nos Estados Unidos, esses investimentos transfronteiriços atuavam como o que os economistas denominam mecanismos de transmissão, pelo qual uma crise que eclodiu no mercado habitacional dos Estados Unidos desencadeou sucessivas outras no exterior. Desta forma decisões que deveriam afetar positivamente a economia de um país ocasionaram a queda de números no mundo todo, uma vez que o mundo globalizado não vê fronteiras. Isso já pôde ser presenciado em 1929, quando ocorreu a chamada queda da Bolsa de Valores de Nova York. Este acontecimento marcou todo o mundo e entrou para a história como sendo a primeira grande crise do capitalismo. Tal crise ocorreu devido à especulação que cercava o mercado na época e, como se poderia esperar, abalou a confiança no crescente valor das ações ordinárias em tão curto prazo, os investidores só almejavam se desfazer dos papais e manter seus ganhos, entretanto o desfecho na foi tão favorável e culminou em uma crise sem precedentes. (GALBRAITH, 1988). IMPACTOS DA CRISE NO IBOVESPA Números do IBOVESPA O IBOVESPA, como já mencionado é um índice que mede o desempenho de uma determinada carteira de ações. Assim como ele, há outros de grande relevância no mundo, sendo alguns dos principais: Dow Jones Nova York; FTSE 100 Londres; Merval Buenos Aires; Nikkei 225 Tóquio; DAX 30 Frankfurt; CAC 40 Paris; Hang Seng Hong Kong; IPC Cidade do México; SSE Composite Xangai. Para efeito de análise do presente trabalho, será considerado o Índice Dow Jones, o principal dos Estados Unidos. Antes de ter início o efeito cascata da crise econômica pode se considerar que o mercado brasileiro estava empolgado e o IBOVESPA ultrapassou os pontos em maio de 2008, um número histórico dentro do mercado de capitais brasileiro. A partir deste ponto, começou a se perceber a influência do pessimismo vindo de outras economias. O primeiro indício que a crise incidiria no otimismo pelo qual o país vinha

9 585 passando foi no final do primeiro semestre de 2008, quando deu inicio a retirada de investimentos estrangeiros da BOVESPA; a partir de então o volume de negociações entrou em decadência, e em novembro de 2008 o índice chegou abaixo dos pontos. Para ressaltar este fato, a Tabela 1 demonstra a variação trimestral dos negócios realizados em Tabela 1 Média Trimestral do IBOVESPA em 2008 Período Média Fechamento Média Variação 1º Trimestre ,05% 2º Trimestre ,12% 3º Trimestre ,37% 4º Trimestre ,32% Mas é importante também correlacionar o desempenho da bolsa brasileira com a bolsa de Nova York, para poder estabelecer ligação da baixa no IBOVESPA com a chamada crise. A Tabela 2 mostra esta correlação trimestral, tendo por base os números diários durante o ano de Tabela 2 Correlação Trimestral do IBOVESPA e Dow Jones em 2008 Período Correlação 1º Trimestre 0,5479 2º Trimestre 0,5344 3º Trimestre 0,7526 4º Trimestre 0,7598 A Tabela 2 mostra que quanto mais a crise se aprofundava, mais a correlação se aproximava de Um (1), o que estabelece uma relação direta entre as baixas nas ações brasileiras e a situação da economia norte-americana. Outro fato que pode ser observado está no 2º Trimestre, na Tabela 1 observou-se uma variação positiva no IBOVESPA, comparando-a a Tabela 2, verifica-se que é o Trimestre onde a correlação apresenta-se mais baixa, comprovando mais uma vez o bom momento pelo qual passava o mercado financeiro no Brasil. Desenvolvimento das Ações de Maior Relevância em 2008 O sentido do presente trabalho é verificar o quanto a crise impactou nas ações de relevância do mercado brasileiro. Para tanto, fez-se um levantamento de alguns

10 586 dos principais fatos que marcaram a crise de 2008, para que nesse período possa se estudar as ações já relacionadas. Os fatos de destaque utilizados serão: A crise provoca a nacionalização do banco britânico Northern Rock em fevereiro O banco norte-americano IndyMac anuncia a quebra em junho; Quebra do banco Lehman Brothers e a estatização das empresas AIG, Fannie Mae e Freddie Mac em setembro; Pedido de capital das montadoras GM e Chrysler em dezembro; Para demonstração da situação do mercado de capitais brasileiro, será feito uso das ações: Petrobras; Companhia Siderúrgica Nacional; e Vale. Petrobras (PETR4) 4 : a empresa tem seu início em 1953 pela edição da lei nº 2.004, com a finalidade de explorar o petróleo no país em nome da União. Em 2008 ela obteve um lucro líquido que atingiu os R$ 32, 988 mi. A abertura de capital da empresa se deu em Companhia Siderúrgica Nacional 5 (CSN3): fundada em 09 de abril de 1941, deu início às suas atividades em Foi privatizada em 1993, hoje possui em seus ativos: uma usina siderúrgica integrada, cinco unidades industriais, duas no exterior (Estados Unidos e Portugal), minas de minério de ferro, calcário e dolomita, uma forte distribuidora de aços planos, terminais portuários, participações em estradas de ferro e em duas usinas hidrelétricas; possui as certificações ISO 9001 e ISO O Lucro Líquido apurado da empresa chegou aos R$ 5, 774 bi. Vale (VALE5) 6 : Sua fundação data de 1942, criada com o nome de Companhia Vale do Rio Doce pelo Governo Federal, foi privatizada em 1997, hoje ela pode ser considerada uma empresa global, presente nos cinco continentes, e um quadro funcional que ultrapassa os 100 mil empregados (próprios e terceirizados). Seu Lucro líquido girou em torno de 21, 3 bi em Tais ações são as que movimentam maiores recursos, portanto servem de base para um parecer independente. A Tabela 3 exporá o comportamento das ações CSNA3, PETR4 e VALE 5, respectivamente, em cada um dos períodos supracitados, relacionando a eles a média de variação da ação no período competente. Tabela 3 Relacionamento das Ações aos Fatos da Crise Período Mês Média do Período CSNA3 PETR4 VALE5

11 587 Nacionalização do Northern Rock Fevereiro 0,77 0,40 0,60 Quebra do Banco IndyMac Junho -0,46-0,25-0,59 Quebra Lehman Brothers / Estatização AIG, Fannie Mae e Freddie Mac Setembro -1,25 0,18-0,53 Pedido de capital GM e Chrysler Dezembro 0,68-0,93-0,06 Até o final do primeiro semestre, as ações das empresas pareciam inalteradas em relação aos fatos acima relacionados. A partir de então os impactos da crise afetaram diretamente as Instituições Financeiras, o risco de investir aumentou consideravelmente, verificando assim uma tendência de queda nas ações do IBOVESPA (entre o final de maio e início de junho); o que corrobora com o fato já citado de o mercado de capitais brasileiro começar a perder investidores externos neste período. O Gráfico 1 faz um cruzamento entre as ações estudadas, o IBOVESPA e o Dow Jones. Por meio dele é possível observar que em fevereiro, quando o Northern Rock foi nacionalizado apenas o Dow Jones obteve desempenho negativo, entretanto a partir de junho quando houve a quebra do Banco IndyMac, o quadro já é diferente, as ações estudadas já começam a ter um novo desdobramento, identificando assim que a crise começaria a afetar esses papeis. Entretanto cabe ressaltar que os ativos estudados esboçaram reação ao longo do período, enquanto o Índice da bolsa americana não apresenta grandes melhoras.

12 588 Gráfico 1 - Relação entre Fatores e as Cotações/Índices 1,00 0,50 0,00 Fator -0,50 Nacionalização do Northern Rock Quebra do Banco IndyMac Quebra Lehman Brothers / Estatização AIG, Fannie Mae e Freddie Mac Pedido de capital GM e Chrysler -1,00-1,50 Cotações/Índices IBOVESPA DOW JONES CSNA3 PETR4 VELE5 CONCLUSÃO A finalidade do presente estudo era verificar a atuação da crise econômica mundial que abalou a muitos gigantes financeiros em 2008 diretamente em ativos de grande expressão da Bolsa de Valores de São Paulo, bem como analisar o impacto da citada crise no mercado financeiro brasileiro. Diante do estudado, pode-se concluir que foi a partir do segundo trimestre que o Brasil começou a ser influenciado pela baixa no mercado norte-americano, investidores internacionais não demonstraram confiança quando grandes instituições financeiras começaram a ser abaladas. Contribuindo com isso, pode-se utilizar como exemplo a correlação calculada entre o IBOVESPA e o Daw Jones, uma vez que foi a partir do terceiro semestre que os números ganharam expressão. Outro fato a ser considerado é que embora as ações que foram base para o presente estudo tenham sofrido com o impacto causado na Bovespa, em alguns momentos elas despertaram reação, indo à contramão do próprio mercado brasileiro. Por fim pôde ser observado que embora o IBOVESPA tenha se comportado de maneira inversa ao Dow Jones em fevereiro, ele foi atingido pelo mal-estar da economia mundial seguindo a tendência americana; mas cabe ressaltar que no final de 2008 ele esboçou uma melhora.

13 589 Diante do abordado, é possível se pensar uma forma de fortalecimento do mercado de capitais brasileiro, a fim de que ele possa estar mais resistente a momentos de turbulência internacional. Cabe ressaltar ainda que é interessante um posterior acompanhamento dos números, e um aprofundamento nos dados com informações de outras bolsas, a fim de se ter uma visão mais ampla de como incorreu a crise no mundo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSAF NETO, Alexandre. Mercado Financeiro. 2.ed. São Paulo: Atlas, Finanças corporativas e valor. 2.ed. São Paulo: Atlas, BM&F BOVESPA: a nova bolsa. História. Disponível em <http://www.bmfbovespa.com.br/portugues/historia.asp>. Acesso em 15 maio CAVALCANTE, Francisco. MISUMI, Jorge Yoshio. RUDGE, Luiz Fernando. Mercado financeiro e de capitais o que é e como funciona. 6.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, CINTRA, Marcos Antônio Macedo. Farhi, Mayse. A crise financeira e o global shadow banking system. São Paulo: Sielo, Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 18 maio2009. FILHO, Armando Mellagi. ISHIKAWA, Sérgio. Mercado finaceiro e de apitais. São Paulo: Atlas, FOLHA Online. Entenda a crise financeira que atinge a economia dos EUA. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u shtml>. Acesso em: 18 maio GALBRAITH, John Kenneth o colapso da bolsa. Tradução de Oswaldo Chiquetto. 2.ed. São Paulo: pioneira, KRUGMAN, Paul. A crise de 2008 e a economia da depressão. Tradução de Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: Elsevier, NETO, Epaminondas. Bovespa fecha em queda de 7,59%, o pior tombo desde o 11 de Setembro. Folha Online: 15 set Disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u shtml>. acesso em 18 maio NOGUEIRA, Ricardo. Fim do pregão viva-voz na BOVESPA Disponível em <http://www.realtrader.com.br/forum/indice.pl/read/17172>. Acesso em 14 maio 2009.

14 590 PINHEIRO, Juliano Lima. Mercado de capitais. Fundamentos e técnicas. 3.ed. São Paulo: Atlas, NOGUEIRA, Ricardo. Fim do pregão viva-voz na BOVESPA Disponível em <http://www.realtrader.com.br/forum/indice.pl/read/17172>. Acesso em 14 maio BM&F BOVESPA: a nova bolsa. História. Disponível em <http://www.bmfbovespa.com.br/portugues/historia.asp>. Acesso em 15 maio São Empresas de comércio eletrônico, tais empresas passaram por um período de crise a partir dos anos 2000 e Informações disponíveis em <http://www2.petrobras.com.br/portugues/ads/ads_petrobras.html>, acesso em 18 maio Informações disponíveis em <http://www.csn.com.br/portal/page?_pageid=456,170479&_dad=portal&_schema=portal&i=5&j=un defined>, acesso em 18 maio Informações disponíveis em < acesso em 18 maio 2009.

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

Mercado de Capitais Professor: Roberto César

Mercado de Capitais Professor: Roberto César Mercado de Capitais Mercado de Capitais Professor: Roberto César Definição O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que regulam, fiscalizam e executam as

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: MERCADO DE CAPITAIS Código: CTB 000 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2014.2 Professor:

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2015-1

PLANO DE ENSINO 2015-1 Mercado Financeiro de Capitais Módulo B Ementa da disciplina: Conteúdo Programático: PLANO DE ENSINO 2015-1 Carga Horária: 50 h Estudar os principais conceitos que fundamentam o funcionamento do mercado

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ALGUMAS MODALIDADES DE INVESTIMENTO, CONSIDERANDO A CRISE DE 2008

AVALIAÇÃO DE ALGUMAS MODALIDADES DE INVESTIMENTO, CONSIDERANDO A CRISE DE 2008 AVALIAÇÃO DE ALGUMAS MODALIDADES DE INVESTIMENTO, CONSIDERANDO A CRISE DE 2008 CAVALHEIRO, Everton Anger 1 ; FERREIRA, Juliana 2 ; CUNHA, Carlos Frederico de Oliveira 3 ; CORRÊA, Jose Carlos Severo 4 ;

Leia mais

MERCADOS INTERNACIONAIS DE CAPITAIS

MERCADOS INTERNACIONAIS DE CAPITAIS MERCADOS INTERNACIONAIS DE CAPITAIS Fontes de recursos financeiros para o financiamento empresarial Fontes INTERNAS EXTERNAS Lucros retidos Ativos maior que passivos Proteção Fiscal Outros Recursos de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A CONTABILIDADE AMBIENTAL: Uma Análise dos Indicadores Financeiros de Empresas participantes do Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&F BOVESPA. Rubiana Bezerra

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

CRISE NORTE-AMERICANA: UM MODELO EXPLICATIVO DE SUA CAUSA

CRISE NORTE-AMERICANA: UM MODELO EXPLICATIVO DE SUA CAUSA 170 CRISE NORTE-AMERICANA: UM MODELO EXPLICATIVO DE SUA CAUSA GALLE, Juliano M. 1 CAVALI, Roberto 2 SANTOS, Elaine de O. 3 Resumo: A crise financeira que surgiu nos EUA tem afetado o mercado financeiro

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

Revista FATEC Sebrae em debate: gestão, tecnologias e negócios Vol. 2 Nº. 2 Ano 2015 ISSN 2358-9817

Revista FATEC Sebrae em debate: gestão, tecnologias e negócios Vol. 2 Nº. 2 Ano 2015 ISSN 2358-9817 Revista FATEC Sebrae em debate: gestão, tecnologias e negócios Vol. 2 Nº. 2 Ano 2015 ISSN 2358-9817 Carlos Alberto Alves Quintino Economista e mestre em Administração de Empresas. Professor de Sistema

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

AULA 04. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo III

AULA 04. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo III AULA 04 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo III SCTVM As sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários (SCTVM) são pessoas jurídicas auxiliares do Sistema Financeiro

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional Capítulo Sistema Financeiro Nacional Bibliografia básica Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro Mercados Financeiros, publicado pela Editora Atlas. Objetivos do capítulo Distinguir

Leia mais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Paulo Berger SIMULADO ATIVOS FINANCEIROS E ATIVOS REAIS. Ativo real, é algo que satisfaz uma necessidade ou desejo, sendo em geral fruto de trabalho

Leia mais

Aprenda a investir na Bolsa de Valores

Aprenda a investir na Bolsa de Valores Aprenda a investir na Bolsa de Valores Investimento: Curso completo: R$ 350,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 1 ao 5: R$ 199,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 6 ao

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof.

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof. -Aula 22.10.14 22/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITARIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Contábeis Conceitos e Estrutura Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Surgimento e Finalidade: Cronograma

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação?

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação? O que é uma ação? Por definição é uma fração de uma empresa. Por isso, quem detém ações de uma companhia é dono de uma parte dela, ou melhor, é um dos seus sócios e por conseguinte passa a ganhar dinheiro

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO 1 A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 Cleidi Dinara Gregori 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar a evolução do investimento externo direto, também conhecido

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

S a c h o Auditores Independentes Auditoria e Assessoria

S a c h o Auditores Independentes Auditoria e Assessoria CLIPPING COMENTÁRIOS, REGULAMENTAÇÕES E NORMATIVOS SOCIEDADES CORRETORAS, COOPERATIVAS DE CRÉDITO, ADMINISTRADORAS DE CONSÓRCIO, E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM GERAL Nº 11 ref: Março/2009 São Paulo, 20

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO Antônio Emygdio Circuito Universitário CVM 2ª Semana Nacional de Educação Financeira http://www.semanaenef.gov.br http://www.vidaedinheiro.gov.br Agenda 1. Mercado de Capitais

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente.

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. A possibilidade de diversificar o investimento e se tornar sócio dos maiores empreendimentos imobiliários do Brasil. Este material tem o objetivo

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento de Empresas e Projetos

A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento de Empresas e Projetos A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento de Empresas e Projetos A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento de Empresas e Projetos Prof. William Eid Junior Professor Titular

Leia mais

A moeda possui três funções básicas: Reserva de Valor, Meio de troca e Meio de Pagamento.

A moeda possui três funções básicas: Reserva de Valor, Meio de troca e Meio de Pagamento. 29- A lógica da composição do mercado financeiro tem como fundamento: a) facilitar a transferência de riscos entre agentes. b) aumentar a poupança destinada a investimentos de longo prazo. c) mediar as

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 A VOLATILIDADE NAS BOLSAS DE VALORES GLOBAIS E OS IMPACTOS NAS EMPRESAS DE REAL ESTATE LISTADAS NA BOVESPA Prof. Dr. Claudio

Leia mais

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo Conselho Monetário Nacional - CMN Comissões consultivas Subsistema Normativo Banco Central do Brasil Comissão de valores mobiliários CVM Instituições Especiais Sistema financeiro brasileiro BB BNDES CEF

Leia mais

A CORRELAÇÃO ENTRE O MOVIMENTO DO INVESTIDOR ESTRANGEIRO, A POLÍTICA ECONÔMICA BRASILEIRA E O MERCADO NACIONAL DE AÇÕES

A CORRELAÇÃO ENTRE O MOVIMENTO DO INVESTIDOR ESTRANGEIRO, A POLÍTICA ECONÔMICA BRASILEIRA E O MERCADO NACIONAL DE AÇÕES 626 A CORRELAÇÃO ENTRE O MOVIMENTO DO INVESTIDOR ESTRANGEIRO, A POLÍTICA ECONÔMICA BRASILEIRA E O MERCADO NACIONAL DE AÇÕES Sérgio Igor Simões 1 - UniFACEF Alfredo José Machado Neto - UniFACEF Introdução

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema 1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema Para se estudar os determinantes do investimento é preciso, em primeiro lugar, definir o investimento. Segundo Galesne (2001) fazer um investimento consiste, para uma empresa,

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL Conceito de Sistema Financeiro Conjunto

Leia mais

Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar?

Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar? 16/07/2008 Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar? Paulo Ângelo Carvalho de Souza Presidente Bolsas em queda; juros em alta; rentabilidade em queda; inflação em alta; preço do petróleo fora

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. Glossário de A a Z A Ação - título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação listada em Bolsa - ação negociada no pregão de uma Bolsa de Valores.

Leia mais

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS Mercado Primário de Ações Mercado de Capitais Renda Variável Mestrando: Paulo Jordão. 03/04/2012 Venda direta aos investidores através de ofertas públicas (IPOs) ou subscrição particular; Motivos: Expansão

Leia mais

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS EMPRÉSTIMO DE ATIVOS Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 3 4 Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 1) O que é o serviço de Empréstimo de Ativos? Lançado em 1996, é um serviço por meio do qual os investidores,

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira Risco e Mercado de Capitais Risco E Mercado De Capitais PARTE 1 AC- 1 AC- 2 l EMENTA: Estudar a gestão de risco no mercado de capitais, financeiro e de derivativos, por meio dos principais ativos negociados,

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL Abril 2015 Equipe Técnica: Diretor: Carlos Antônio Rocca Superintendente: Lauro Modesto Santos Jr. Analistas: Elaine Alves Pinheiro e Fernando

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS CNPJ: 03.919.927/0001-18

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS CNPJ: 03.919.927/0001-18 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende.

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. Mercado de Renda Variável, os preços estão em constante oscilação. Pela sua liquidez não existe pechincha. A importância

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas Parte I MATEMÁTICA FINANCEIRA Perguntas & Respostas Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Nas ações nomina9vas como podemos iden9ficar quem são os acionistas caso aconteça uma venda

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Bolsa de Valores Bolsa de Valores Ambiente que oferece condições e sistemas necessários para a realização de negociações de títulos e valores mobiliários de forma transparente Regulada pela CVM (Comissão

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 ESTUDO ESPECIAL REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Novembro 2013 SUMÁRIO 1. Sumário e conclusões... 3 2. Entre

Leia mais

Especulador Eletrônico. Murialdo Loch - Márcia Loch Alexandre Golin Krammes

Especulador Eletrônico. Murialdo Loch - Márcia Loch Alexandre Golin Krammes Especulador Eletrônico Murialdo Loch - Márcia Loch Alexandre Golin Krammes Apresentação Introdução Comentário de Mauro Halfeld Conceitos Bolsas de Valores no Brasil BM&F Bovespa Curiosidades Escolas de

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque São José dos Campos Novembro/2005 Relatório de estágio

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Participações - Fundo de Investimento em Participações Investimento estratégico com foco no resultado provocado pelo desenvolvimento das companhias O produto

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos. ABC DO INVESTIDOR Ação Título negociável, que representa a parcela do capital de uma companhia. Ação Cheia (com) Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

Leia mais