Uma questão de valores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma questão de valores"

Transcrição

1 DIREITO DE TAG ALONG Uma questão de valores A propósito das recentes controvérsias sobre as incorporações, perguntamos: ações ordinárias mereceriam condições de troca mais favoráveis que as preferenciais? Por Luciana Tanoue 22 Capital Aberto Outubro 2009

2 PREFERÊNCIA NOS DIVIDENDOS Em tempos profícuos para incorporações como o atual, minoritários titulares de ações preferenciais (PNs) correm o risco de ter de trocálas em condições piores que os donos de ordinárias (ONs). Isso ficou claro na incorporação da Aracruz pela VCP, em que os detentores de ON da primeira receberam um fator de troca muito mais favorável que os preferencialistas. O risco só não se concretizou graças à ação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que considerou a vantagem das ONs um benefício particular e exigiu que a operação fosse aprovada em assembleia apenas com o voto dos preferencialistas motivo que levou a VCP a rever a proposta e encerrar o caso atribuindo às duas espécies de ações o mesmo preço. À parte o fato de a CVM ter ou não razão, gostaríamos de refletir sobre um ponto anterior: a premissa de que a ON, por deter direito a voto, vale mais, faz sentido? Quando olhamos para o principal termômetro do valor de uma ação, a negociação em bolsa, vemos que a resposta não é tão simples assim. Outubro 2009 Capital Aberto 23

3 Dados da Economática revelam que, em 8 de setembro, em 16 das 34 companhias mais líquidas com as duas espécies de ações, as ONs valiam mais que as PNs na Bolsa; em 18 delas, o inverso era verdadeiro. Ou seja, empate técnico. As razões para os spreads variam muito. Por exemplo, no caso da Petrobras, o mais lógico seria que as ONs fossem negociadas com desconto, certo? Afinal, a companhia possui um controlador muito bem definido, e as chances de ele ser substituído são remotíssimas. Isso anula o valor do tag along (direito do minoritário de vender sua ação, a um preço justo, quando o controle é alienado) conferido pela Lei das S.As. somente aos ordinaristas. Nem o direito de votar é precificado nesse caso, porque ninguém pode fazer frente ao controle absoluto da União. Pois as cotações mostram, surpreendentemente, um sobrepreço para as ONs da petrolífera. No fechamento do pregão de 8 de setembro, elas atingiram 19,46% de prêmio em relação às preferenciais, mais líquidas. Em março, esse valor chegou a 24,2%. p r e f e r i d a s p e l o s g r i n g o s A explicação para esse aparente paradoxo está no exterior. Na Bolsa de Distância reduzida Na década de 90, ações preferenciais chegaram a ter 43% de prêmio em relação às ordinárias Ano ,3% ,3% ,1% ,9% ,5% ,1% ,5% ,1% ,3% ,9% ,9% ,2% ,57% Setembro de ,7% Relação entre PN e ON Fonte: Alexandre Póvoa, com base em seu livro Valuation Como Precificar Ações Obs.: Os valores dos spreads são obtidos por meio de média aritmética dos preços das ONs e PNs de companhias com esses dois tipos de ação. Procura por papéis da Petrobras na Nyse faz com que ON da companhia negocie com prêmio no Brasil Valores de Nova York, a procura pelos ADRs de ações ordinárias da Petrobras é cerca de duas vezes maior que o interesse pelos recibos de preferenciais. Isso pressiona o preço do papel no Brasil e faz com que o prêmio aumente, explica André Lion, gestor de renda variável da BRZ Investimentos. Na sua avaliação, os estrangeiros têm mais simpatia por ações com direito a voto. As PNs são vistas como uma mistura de ação com título de dívida, diz Lion. A diferença de preços entre ordinárias e preferenciais também muda conforme o momento histórico. Hoje, em média, as ONs levam uma vantagem de 1,70% (veja tabela ao lado). Mas, há dez anos, se alguém perguntasse para qualquer investidor qual ação valia mais, a resposta seria, sem titubear, a PN. Naquela época, as ações preferenciais chegaram a custar, segundo pesquisa realizada por Alexandre Póvoa, diretor da gestora de recursos Modal Asset Management, 43% a mais que as ordinárias. Isso porque, para incentivar as privatizações das companhias estatais, o governo revogou, por meio da Lei 9.457, de maio de 1997, o artigo 254 da Lei das S.As., a Esse dispositivo dava aos acionistas minoritários o tag along, um dos fatores que tornavam as ações ordinárias atrativas. Em contrapartida, como forma de compensar esse corte, outorgou aos preferencialistas o direito de receber 10% a mais de dividendos. O direito de tag along voltou parcialmente em 2000, na forma do artigo 254-A, assegurando aos minoritários que recebam, pelo menos, 80% do valor pago pelo bloco de controle (na versão anterior, a proporção era de 100%). Consequentemente, o spread entre PNs e ONs caiu para 7,5%. Em 2004, os papéis com direito a voto abriram vantagem. Alcançaram uma cotação média 8,30% maior que a das preferenciais. O ápice dessa liderança veio em 2007, com 12,20% de prêmio para as ONs. No boom, o estrangeiro não queria saber de ações preferenciais, somente de ordinárias, afirma Póvoa. No entanto, quando o mercado começou a piorar por causa da crise, os estrangeiros venderam suas posições, e a diferença se reduziu novamente. o p e s o d a l i q u i d e z Fora do ambiente do Novo Mercado, que só aceita ações com direito a voto, nem sempre é bom negócio comprar ações ONs. O free float costuma ser muito baixo. Não raramente, em companhias com dois tipos de ação, 24 Capital Aberto Outubro 2009

4 as ONs têm liquidez ínfima. Na Gerdau, por exemplo, nos 12 meses encerrados em 8 de setembro, o volume médio diário de negociação de ações ordinárias foi de R$ 5,3 milhões. Para as preferenciais, esse número foi quase 20 vezes maior, na casa dos R$ 108,5 milhões. Resultado: as ONs eram compradas com um desconto de cerca de 29%. Em situações normais de temperatura e pressão, a ação ordinária deveria valer mais pelos direitos que carrega, afirma Augusto Korps, sócio da consultoria Stern Stewart. Mas a liquidez muito maior de uma ação sobre a outra estraga a natureza lógica das coisas. Embora os benefícios de uma ação ordinária sejam claros, a exposição a elas pode ser inviável. Como um fundo de médio para grande porte vai se posicionar em uma ação que não movimenta nem um milhão por dia? Simplesmente, não há como, sentencia Eduardo Roche, gerente de análise da Modal Asset Management. O perfil do investidor brasileiro favorece a procura por ações preferenciais, segundo Alexandre Assaf Neto, professor de finanças da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi) e diretor do Instituto Assaf. Diferentemente do norte-americano, que usa o mercado acionário para formar uma poupança para aposentaria, o brasileiro tem perfil de curto prazo. Nesse sentido, a preferência é por ações que gerem maior fluxo de caixa, como as PNs, que são priorizadas na distribuição de proventos. Um exemplo claro de como a liquidez pode ser determinante para o spread entre ON e PN é o caso da Usiminas. Em 2 de janeiro de 2004, a ação preferencial era cotada a R$ 10,5 e apresentava um volume de negociação de R$ 8,95 milhões. Já a ação ON estava precificada a R$ 7,90, com um volume de R$ 3 mil prêmio de 32,91% para as PNs. Essa situação começou a mudar, gradualmente, a partir de 2006, quando a Vale, que detinha 22,99% do capital votante da siderúrgica, mas não fazia parte do grupo controlador, decidiu entrar no bloco de controle com uma participação minoritária. Para isso, teve de reduzir sua fatia para 5,9%. Liquidez muito maior de uma ação em relação à outra estraga a natureza lógica das coisas Isso injetou mais liquidez às ONs da Usiminas, e, atualmente, elas são comercializadas com quase o mesmo preço que as PNs apesar de estas conferirem dividendos 10% maiores. Em 8 de setembro, essa diferença era de 1,85% a favor das PNs. Às vezes, basta o free float das ordinárias crescer um pouco para chamar a atenção dos investidores, principalmente os de longo prazo, observa Roche. A lógica da liquidez só é posta em xeque quando o mercado enxerga a chance de uma alienação do controle da companhia. A expectativa de ver o tag along em ação aumenta, o que eleva o prêmio das ações ONs. Isso ocorre com a telefônica TIM. Faz quatro ou cinco anos que o mercado trabalha com a possibilidade de venda da companhia, diz Lion, da BRZ. Por isso, mesmo com um volume médio diário de negociação oito vezes menor nos últimos 12 meses, essas ações apresentavam, no encerramento do pregão de 8 de setembro, um prêmio de 30,5% em relação às preferenciais. O spread também reflete resquícios de uma decisão da área técnica da CVM do início do ano, que exigiu a realização de oferta pública de aquisição (OPA) para os minoritários da TIM, em decorrência de uma suposta venda de controle indireto da operadora de celular. Na época, o preço de suas ONs era mais que o dobro do das PNs. Em julho, os diretores da autarquia anularam a decisão anterior. d i v i s o r d e á g u a s Não por acaso, em 2004, as ONs abriram uma boa folga. Naquele ano, o mercado assistiu à fusão da belga Interbrew com a AmBev, dando origem à maior cervejaria do mundo. A AmBev, ao oferecer nessa operação tag along somente às ações ordinárias, algo permitido pela Lei das S.As., deixou os minoritários preferencialistas insatisfeitos. Eles não se conformavam com o fato de a companhia não ter tentado negociar com os belgas uma condição que tratasse igualmente todos os acionistas, recorda Adriane de Almeida, coordenadora geral do centro de conhecimento do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC). Na visão de Adriane, o episódio serviu para que o tag along tornasse as ONs mais valiosas. Mas ela acredita que as recentes incorporações podem contribuir para diminuir o prêmio dado às ordinárias, já que nesse tipo de operação o tag along não existe. Antes de incorporar a Aracruz para formar a Fibria, Outubro 2009 Capital Aberto 25

5 Traduzindo com Tradutora Bureau Translations A Tradutora ofi cial da Revista Capital Aberto. A opção certa para quem deseja fazer traduções em todos os idiomas e áreas de conhecimento. Rua Batataes, 460 São Paulo - SP - Brasil CEP São Paulo New York a Votorantim Celulose e Papel (VCP) tentou, em dado momento, atribuir um desconto às PNs da incorporada, mas voltou atrás. Na incorporação da Duratex pela Satipel, as ações ordinárias dos controladores valeram 16,67% a mais que as dos minoritários. Para Taiki Hirashima, sócio-fundador da consultoria Hirashima & Associados, o poder de controle embutido nas ONs justifica essa diferença. De acordo com Alexandre Di Miceli, coordenador executivo do Centro de Estudos em Governança (CEG) e um dos autores do estudo The Importance of Tag Along Rights and Identity of Controlling Shareholders for the Price Spreads Between Dual-Class Shares: The Brazilian Case, o correto seria que tanto PN quanto ON tivessem o mesmo preço, uma vez que ambas, em princípio, conferem ao detentor o fluxo de caixa correspondente ao capital investido. Mas, no mundo real, sabemos que isso não acontece. Quem possui ações ordinárias pode fazer prevalecer seus interesses e isso vale dinheiro, afirma. Segundo Richard Saito, professor do departamento de contabilidade, finanças e controle da escola de administração de empresas da Fundação Getulio Vargas, o prêmio pelo voto pode variar entre 5% a 15%, dependendo do país e da legislação vigente. A tendência é de que o prêmio de controle embutido nas ações ordinárias diminua no futuro, acredita Lucas Barros, coordenador científico do CEG. Com a melhora dos padrões de governança, será mais difícil para os controladores extraírem benefícios privados. A conjunção de alta concentração de ações ordinárias e grande circulação de preferenciais é criticada por especialistas, pois aumenta a possibilidade de expropriação da riqueza. A estrutura permite que um acionista exerça o controle da companhia sem precisar alocar nela grande volume de recursos próprios, causando um desequilíbrio entre poder político e econômico. Barros ressalta que, para acabar com essa discussão, o ideal seria a existência de apenas ações com direito a voto, como propõe o Novo Mercado. No entanto, a probabilidade de perda do controle afasta muitas companhias dessa realidade. Como alternativa, algumas adotam o chamado Nível 2 turbinado situação na qual é oferecido aos preferencialistas o tag along de 100%. Isso não é o ideal, mas mostra uma mudança na postura dos empresários, conclui Ricardo Tadeu Martins, analista-chefe da corretora Planner. PARA ASSINANTES Acesse o estudo The Importance of Tag Along Rights and Identity of Controlling Shareholders for the Price Spreads Between Dual-Class Shares: The Brazilian Case, em

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

O VALOR DO CONTROLE PARTE 2

O VALOR DO CONTROLE PARTE 2 O VALOR DO CONTROLE PARTE 2! O valor do controle acionários! O problema da liquidez Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados, empresa especializada na

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA I 7º Termo de Ciências Contábeis Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Regulamentação do Método da Equivalência Patrimonial

Leia mais

O VALOR DO CONTROLE. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) UP-TO-DATE - Nº 349 O VALOR DO CONTROLE 1

O VALOR DO CONTROLE. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) UP-TO-DATE - Nº 349 O VALOR DO CONTROLE 1 O VALOR DO CONTROLE! Tipos de ações no Brasil! Tag Along! Propriedade e Controle nas empresas brasileiras Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados, empresa

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

Evolução constante. Desde a criação dos níveis diferenciados de governança da Bovespa, em 2000, o Brasil vem procurando

Evolução constante. Desde a criação dos níveis diferenciados de governança da Bovespa, em 2000, o Brasil vem procurando Evolução constante Desde a criação dos níveis diferenciados de governança da, em 2000, o Brasil vem procurando se posicionar na vanguarda em relação às boas práticas de governança corporativa. O momento

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

Cenário. Ibovespa 60.000 50.000 40.000 30.000 20.000 10.000. set-02. set-06. set-04. set-05. set-03. jan-02. jan-04. jan-03. jan-05. jan-06.

Cenário. Ibovespa 60.000 50.000 40.000 30.000 20.000 10.000. set-02. set-06. set-04. set-05. set-03. jan-02. jan-04. jan-03. jan-05. jan-06. Data Base: jun/07 Cenário O Brasil está começando a firmar-se como economia estável e previsível. A queda dos juros vem diminuindo o atrativo dos investimentos em títulos do Governo. Quanto mais credibilidade

Leia mais

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O BOVESPA MAIS é o segmento de listagem do mercado de balcão organizado administrado pela BOVESPA idealizado para tornar

Leia mais

Ciências Econômicas. 4.2 -Bolsa de Valores. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.02) 01/10/2015. Prof. Johnny 1

Ciências Econômicas. 4.2 -Bolsa de Valores. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.02) 01/10/2015. Prof. Johnny 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Econômicas Bolsa de valores Sistema Financeiro Nacional Instrumentos Financeiros e Principais Títulos Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br

Leia mais

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O Bovespa Mais é um dos segmentos especiais de listagem administrados pela Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBOVESPA)

Leia mais

DISTORÇÃO DE MERCADO

DISTORÇÃO DE MERCADO DISTORÇÃO DE MERCADO Distorção do Mercado Gostaríamos de apresentar um modelo de operação que tem sido bastante assertivo. Com um foco mais conservador, temos buscado operar distorções entre papéis de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende.

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. Mercado de Renda Variável, os preços estão em constante oscilação. Pela sua liquidez não existe pechincha. A importância

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. 1º Trimestre 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO. 1º Trimestre 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 1º Trimestre 2012 Este material tem o único propósito de divulgar informações e dar transparência à gestão executada pela Edge Investimentos, não deve ser considerado como oferta de

Leia mais

O QUE SÃO ADR, GDR E BDR E COMO UTILIZÁ-LOS COMO FONTE DE RECURSOS PARA AS EMPRESAS?

O QUE SÃO ADR, GDR E BDR E COMO UTILIZÁ-LOS COMO FONTE DE RECURSOS PARA AS EMPRESAS? O QUE SÃO ADR, GDR E BDR E COMO UTILIZÁ-LOS COMO FONTE DE! O q ue é ADR ou GDR?! Qual a semelhança com o BDR?! O ADR pode ser utilizado como alternativa para captação de recursos externos?! Como emitir

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

Ações preferenciais e ordinárias no mercado brasileiro: a abertura do gap de preços

Ações preferenciais e ordinárias no mercado brasileiro: a abertura do gap de preços Ações preferenciais e ordinárias no mercado brasileiro: a abertura do gap de preços Cota maio 6 meses 2015 Desde o início PL médio 12 meses* PL* Canepa I FIC FIA 1,20392779 0,16% 6,36% 13,50% 20,39% 33.230

Leia mais

EMBRAER Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A. CNPJ/MF nº 60.208.493/0001-81 NIRE nº 35.300.026.420 Companhia Aberta FATO RELEVANTE

EMBRAER Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A. CNPJ/MF nº 60.208.493/0001-81 NIRE nº 35.300.026.420 Companhia Aberta FATO RELEVANTE EMBRAER Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A. CNPJ/MF nº 60.208.493/0001-81 NIRE nº 35.300.026.420 Companhia Aberta FATO RELEVANTE A EMBRAER EMPRESA BRASILEIRA DE AERONÁUTICA S.A. ( Embraer ou Companhia

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

Fato Relevante. conferir ao Grupo Cosan a capacidade de aproveitar as oportunidades de crescimento em diferentes mercados e regiões;

Fato Relevante. conferir ao Grupo Cosan a capacidade de aproveitar as oportunidades de crescimento em diferentes mercados e regiões; Fato Relevante São Paulo, 25 de junho de 2007 - Nos termos da Instrução da Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) n.º 358, de 30 de janeiro de 2002, e alterações posteriores e com a finalidade de informar

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes USIMINAS RELAÇÕES COM INVESTIDORES Perguntas Frequentes 1. O que é código de negociação e quais são os códigos de negociação das ações da Usiminas? "Código de negociação" ou "ticker symbol" é um conjunto

Leia mais

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. Glossário de A a Z A Ação - título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação listada em Bolsa - ação negociada no pregão de uma Bolsa de Valores.

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veículo: Estadão Data: 26.11.13 Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veja qual produto é mais adequado ao seu bolso: até R$ 10 mil, de R$ 10 mil a R$ 100 mil e acima

Leia mais

CARTA AO INVESTIDOR 4º TRIMESTRE

CARTA AO INVESTIDOR 4º TRIMESTRE CARTA AO INVESTIDOR 4º TRIMESTRE Você só precisa fazer algumas poucas coisas certas na vida desde que não faça muitas erradas. Warren Buffett Este material tem o único propósito de divulgar informações

Leia mais

COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Companhia Aberta CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56 FATO RELEVANTE

COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Companhia Aberta CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56 FATO RELEVANTE COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Companhia Aberta CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56 FATO RELEVANTE A Companhia Brasileira de Distribuição ( CBD ), em atendimento ao disposto no parágrafo 4 o. do Art. 157

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

O efeito da rentabilidade...

O efeito da rentabilidade... O efeito da rentabilidade... A importância da variável taxa: R$ 500 reais mensais, por 25 anos 0,80% 1,17% 1,53% 1,88% 2,21% 10% 15% 20% 25% 30% 10% aa 15% aa 20% aa 25% aa 30% aa Ano 0 R$ 0 R$ 0 R$ 0

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Perguntas Frequentes. 1ª Fase: Otimização de Capital e Emissão de Instrumentos de Capital

Perguntas Frequentes. 1ª Fase: Otimização de Capital e Emissão de Instrumentos de Capital Perguntas Frequentes 1ª Fase: Otimização de Capital e Emissão de Instrumentos de Capital 1-) Qual é o objetivo do plano de Otimização de Capital e Emissão de Instrumentos de Capital? Esse plano visa incrementar

Leia mais

Reestruturação Societária Grupo Telesp. Criando Valor

Reestruturação Societária Grupo Telesp. Criando Valor Reestruturação Societária Grupo Criando Valor Novembro, 1999 Índice 8 Visão Geral da Reestruturação 2 8 Passos da Reestruturação 3 8 Benefícios da Reestruturação 4 8 Bases da Reestruturação 5 8 As Relações

Leia mais

TELEFÔNICA BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.157/0001-62 - NIRE 35.3.001.5881-4 F A TO RELEV A N TE

TELEFÔNICA BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.157/0001-62 - NIRE 35.3.001.5881-4 F A TO RELEV A N TE F A TO RELEV A N TE A Telefônica Brasil S.A. ("Companhia" ou Telefônica Brasil ), na forma e para os fins das Instruções CVM nºs 319/99 e 358/02, conforme alteradas e, em complementação aos Fatos Relevantes

Leia mais

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Econômicas Mercado de Capitais Tributações Relatórios Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 4.2 Mercado de Capitais 4.3.1 Conceitos

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas O Bovespa Mais, um dos segmentos especiais de listagem administrados pela BM&FBOVESPA, foi idealizado para tornar o mercado acionário brasileiro

Leia mais

Ao completar 60 anos no mercado de capitais, o Grupo encerra o ano de 2007 com 140 mil acionistas

Ao completar 60 anos no mercado de capitais, o Grupo encerra o ano de 2007 com 140 mil acionistas RELATÓRIO ANUAL GERDAU 27 55 Ao completar 6 anos no mercado de capitais, o Grupo encerra o ano de 27 com 14 mil acionistas O Grupo Gerdau tem proporcionado aos seus 14 mil acionistas rentabilidade com

Leia mais

ITAÚSA - INVESTIMENTOS ITAÚ S.A.

ITAÚSA - INVESTIMENTOS ITAÚ S.A. ITAÚSA - INVESTIMENTOS ITAÚ S.A. CNPJ 61.532.644/0001-15 AVISO AOS ACIISTAS Companhia Aberta AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES, APROVADO PELO CSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 00.108.786/0001-65. VIVAX S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 01.402.

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 00.108.786/0001-65. VIVAX S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 01.402. NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 00.108.786/0001-65 VIVAX S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 01.402.946/0001-47 BRASIL TV A CABO PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Fechada CNPJ/MF nº

Leia mais

Veja na tabela a seguir as performances de cada aplicação em setembro e no acumulado do ano. Desempenho em setembro. Ibovespa 4,84% -17,96% 30/09/2013

Veja na tabela a seguir as performances de cada aplicação em setembro e no acumulado do ano. Desempenho em setembro. Ibovespa 4,84% -17,96% 30/09/2013 Veículo: Exame.com Os melhores e os piores investimentos de setembro Ibovespa fecha o mês com a maior alta, seguido pelos fundos de ações small caps; na renda fixa, a LTN, título do Tesouro prefixado,

Leia mais

Anúncio de Reestruturação Financeira

Anúncio de Reestruturação Financeira Anúncio de Reestruturação Financeira 1 Considerações Futuras Algumas informações sobre o Plano de Reestruturação Financeira da Companhia apresentam nossas expectativas sobre o resultado que poderemos obter

Leia mais

PETROBRAS E O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

PETROBRAS E O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO PETROBRAS E O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO Edemir Pinto Diretor-Presidente BM&FBOVESPA Setembro/2009 Evolução Recente do Mercado de Capitais Brasileiro 2 Mercado de capitais brasileiro Fatores que influenciaram

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Cássia Menatto Mebius

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Cássia Menatto Mebius Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Financial Administration CFM Cássia Menatto Mebius ESTUDO DE CASO: Aspectos da Análise fundamentalista versus análise gráfica para uma corretora São

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER 1 PARA QUE SERVE ESSE GUIA? Este guia se propõe a trazer os principais conceitos relacionados aos Brazilian Depositary Receipts (BDRs) e a explicar como funcionam. Ao término de sua

Leia mais

Demonstrativo de Preço

Demonstrativo de Preço 11:24 1/13 Demonstrativo de Preço 1. Sumário das Análises Apresentadas Nas análises apresentadas nesse documento demonstramos: (i) Como foi atingido o valor implícito da Telemig Celular (Operadora) (ii)

Leia mais

Governança Corporativa Pequena e Média Empresa IBGC e ACRJ

Governança Corporativa Pequena e Média Empresa IBGC e ACRJ Governança Corporativa Pequena e Média Empresa IBGC e ACRJ Patrícia Pellini Superintendência de Regulação e Orientação a Emissores 23/9/2014 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1 AGENDA

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório da Administração e do Liquidante Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1

Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1 245 Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1 UMINO, Cássia Akiko 2 ALCANTARA NETTO, Dimas de Barros 3 Introdução O presente texto tem como objetivo tratar do trabalho

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade III INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Objetivos da disciplina Essa disciplina tem dois objetivos principais: O primeiro objetivo é a determinação do valor da empresa.

Leia mais

Teleconferência sobre a Oferta Pública de Ações da Redecard

Teleconferência sobre a Oferta Pública de Ações da Redecard Teleconferência sobre a Oferta Pública de Ações da Redecard Roberto Egydio Setubal Presidente & CEO 16 Abril 2012 Fato Relevante de 12 de Abril de 2012 Preço: R$ 35,00 dentro da faixa de preço justo (entre

Leia mais

Remuneração aos Nossos Acionistas. Bonificação e Custo Atribuído

Remuneração aos Nossos Acionistas. Bonificação e Custo Atribuído Remuneração aos Nossos Acionistas Na reunião do Conselho de Administração do dia 3 de agosto foi deliberada a distribuição de Juros sobre Capital Próprio (JCP) complementares aos dividendos mensais, a

Leia mais

CPFL ENERGIA S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.429.144/0001-93. COMPANHIA PAULISTA DE FORÇA E LUZ Companhia Aberta CNPJ/MF nº 33.050.

CPFL ENERGIA S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.429.144/0001-93. COMPANHIA PAULISTA DE FORÇA E LUZ Companhia Aberta CNPJ/MF nº 33.050. CPFL ENERGIA S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.429.144/0001-93 COMPANHIA PAULISTA DE FORÇA E LUZ Companhia Aberta CNPJ/MF nº 33.050.196/0001-88 COMPANHIA PIRATININGA DE FORÇA E LUZ Companhia Aberta CNPJ/MF

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 4.0 - Março/2015) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

BANCO DO BRASIL. Profº Agenor paulino Trindade

BANCO DO BRASIL. Profº Agenor paulino Trindade BANCO DO BRASIL Profº Agenor paulino Trindade PREPARATÓRIO PARA O BANCO DO BRASIL Prof. AGENOR PAULINO TRINDADE CONCEITO DE AÇÃO: Ação É um título negociável, representativo de propriedade de UMA FRAÇÃO

Leia mais

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A.

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELEVANTE DA COMPANHIA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E MANUTENÇÃO DE SIGILO POR POTENCIAIS OU EFETIVOS DETENTORES DE INFORMAÇÃO RELEVANTE, NOS TERMOS DA INSTRUÇÃO CVM Nº

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 3.0 - Julho/2014) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1 CODIFICAÇÃO DAS SÉRIES A codificação utilizada no mercado de opções é composto de 5 letras (as 4 primeiras correspondem

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

NOSSA HISTÓRIA. Em Parceria com:

NOSSA HISTÓRIA. Em Parceria com: Em Parceria com: NOSSA HISTÓRIA A UM INVESTIMENTOS S/A Corretora de Títulos e Valores Mobiliários é uma instituição financeira independente e atua no mercado financeiro há 40 anos. Em 2008 iniciou um processo

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96. Dispõe sobre operações sujeitas a procedimentos especiais nas Bolsas de Valores.

Leia mais

Quem cuida melhor de seu dinheiro na Bolsa

Quem cuida melhor de seu dinheiro na Bolsa Quem cuida melhor de seu dinheiro na Bolsa Os gestores que administram os fundos de ações com as maiores rentabilidades do mercado e como eles conseguiram chegar ao topo do pódio MARIA LAURA NEVES O BANRISUL,

Leia mais

(c) promover, realizar ou orientar a captação, em fontes internas e externas, de recursos a serem aplicados pela Companhia ou pela sua controlada;

(c) promover, realizar ou orientar a captação, em fontes internas e externas, de recursos a serem aplicados pela Companhia ou pela sua controlada; RELATORIO DA ADMINISTRAÇÃO SENHORES ACIONISTAS, Atendendo às disposições legais e estatutárias, a Administração da TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. sociedade anônima de capital aberto, submete à apreciação

Leia mais

Relatório de Gestão Maio 2015

Relatório de Gestão Maio 2015 FIP-IE XP Omega I Relatório de Gestão Maio 2015 OFIP-IEXPOmegaI O FIP-IE XP Omega I é detentor de 34,6% da Asteri Energia S.A., uma holding que detém 100% do parque eólico Gargaú e 51% da Pequena Central

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

A BOVESPA E O MERCADO DE AÇÕES

A BOVESPA E O MERCADO DE AÇÕES A BOVESPA E O MERCADO DE AÇÕES 1 Mercado Financeiro 2 Sistema Financeiro Conjunto de instituições dedicadas a manter um fluxo de recursos dos poupadores para o investimento das empresas e gastos das famílias

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

I. DA AQUISIÇÃO DO CONTROLE DA BRASIL TELECOM

I. DA AQUISIÇÃO DO CONTROLE DA BRASIL TELECOM TELE NORTE LESTE PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.558.134/0001-58 NIRE nº 33300262539 TELEMAR NORTE LESTE S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 33.000.118/0001-79 NIRE nº 33300152580 F A T

Leia mais

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima.

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação ao portador Desde 1990 este tipo de ação não existe mais. Esse tipo de ação não trazia o

Leia mais

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção;

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção; 1 / 7 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1.1 O mercado de opções compreende as operações relativas à negociação de direitos outorgados aos titulares

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Julho/2010 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA...3 3. PRINCÍPIOS GERAIS...3 4. MATÉRIAS RELEVANTES OBRIGATÓRIAS...3 5. DOS CASOS FACULTATIVOS...4

Leia mais

Especulador Eletrônico. Murialdo Loch - Márcia Loch Alexandre Golin Krammes

Especulador Eletrônico. Murialdo Loch - Márcia Loch Alexandre Golin Krammes Especulador Eletrônico Murialdo Loch - Márcia Loch Alexandre Golin Krammes Apresentação Introdução Comentário de Mauro Halfeld Conceitos Bolsas de Valores no Brasil BM&F Bovespa Curiosidades Escolas de

Leia mais

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00 RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 156.512.000,00 Resultados do RESULTADOS São Paulo, 14 de maio de 2010 A BRADESPAR [BM&FBOVESPA: BRAP3 (ON), BRAP4 (PN); LATIBEX: XBRPO (ON), XBRPP (PN)]

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO 1. As definições utilizadas na presente Política de Negociação têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII Crédito lastreado em imóveis, alta rentabilidade e fluxo de caixa constante, com a solidez do concreto.

Leia mais

Taurus. Acionistas Nº de Ações ON % ON Nº de Ações PN % PN % do Capital. Polimetal 40.762.322 86,7 0 0 28,9. Total 47.019.192 100 94.038.

Taurus. Acionistas Nº de Ações ON % ON Nº de Ações PN % PN % do Capital. Polimetal 40.762.322 86,7 0 0 28,9. Total 47.019.192 100 94.038. PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 30/11 DE: Raphael Souza DATA: 25.05.11 ASSUNTO: Pedido de Adiamento de Assembleia Forjas Taurus S.A. Processo CVM RJ-2011-5819 Senhor Gerente, Trata-se de pedido de prorrogação

Leia mais

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar pág. 08 DOUGLAS DUEK COMO AS EMPRESAS PODEM CHEGAR À BOLSA? pág. 12 TRENDS O QUE PODE ATRAPALHAR A BOLSA EM 2011 A REVISTA DO INVESTIDOR NA BOLSA ANO 3 MAR 11 #36 R$ 12,00 9 771982 835003 0 3 0 3 6 EXEMPLAR

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quem é o responsável pela liquidação física e financeira das compras e vendas de ações realizadas na bolsa de valores: a) Selic b) CBLC c) Câmara da BVMF d) CETIP 2. As nota promissórias (Commercial

Leia mais

ADR (American Depositary Receipt): forma de captação de recursos próprios por empresas locais no mercado dos EUA IDR (International DR): captação de

ADR (American Depositary Receipt): forma de captação de recursos próprios por empresas locais no mercado dos EUA IDR (International DR): captação de ADR (American Depositary Receipt): forma de captação de recursos próprios por empresas locais no mercado dos EUA IDR (International DR): captação de recursos próprios em outros países GDR (Global DR):

Leia mais

Pequeno investidor tem acesso limitado a ações

Pequeno investidor tem acesso limitado a ações Pequeno investidor tem acesso limitado a ações acima de R$ 50 Altos custos de corretagem para essas aplicações dificultam ganhos O discurso dos especialistas em finanças pessoais é que os investidores

Leia mais

PROGRAMA BDR MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

PROGRAMA BDR MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PROGRAMA BDR MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS ÍNDICE I. Introdução 3 II. Conceito de BDR 4 III. Legislação 6 IV. Contratos de Câmbio 7 V. Rotinas de Movimentação 8 V.1. Emissão de BDR 8 V.1.1. Compra

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014 Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014 1. OBJETIVO O objetivo da Política de Voto (ou simplesmente Política ) é determinar as regras que deverão ser observadas pelos Fundos

Leia mais

CARTA JBI FOCUS #11 Janeiro 2013

CARTA JBI FOCUS #11 Janeiro 2013 CARTA JBI FOCUS #11 Janeiro 2013 ÍNDICE PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES EM 2012... 3 O IMPACTO DA MP 579 NA CARTEIRA... 4 A MP 579 E O CONFLITO DE INTERESSES NAS SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA... 5 2 Carta JBI

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Participações - Fundo de Investimento em Participações Investimento estratégico com foco no resultado provocado pelo desenvolvimento das companhias O produto

Leia mais

PROGRAMA BDR MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

PROGRAMA BDR MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PROGRAMA BDR MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS ÍNDICE I. Introdução 3 II. Conceito de BDR 4 III. Legislação 6 IV. Contratos de Câmbio 7 V. Rotinas de Movimentação 8 V.1. Emissão de BDR 8 V.1.1. Compra

Leia mais

3. Ao ser questionada pela Superintendência de Registro de Valores Mobiliários ("SRE") se a referida aquisição da Brasilcel implicaria a realização

3. Ao ser questionada pela Superintendência de Registro de Valores Mobiliários (SRE) se a referida aquisição da Brasilcel implicaria a realização PROCESSO ADMINISTRATIVO nº RJ 2011-2092 (Reg. nº 7634/2011) Interessado: CSIF Capital LLC Assunto: Solicitação de providências com relação à OPA de aquisição de controle da Vivo Diretor-relator: Alexsandro

Leia mais

ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL

ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL Outubro/2009 Agenda Adoção do IFRS pelo Grupo Gerdau GRUPO GERDAU EXPERIÊNCIA IFRS / CPC BENEFÍCIOS PARA O GRUPO GERDAU

Leia mais

Mini-Curso Ministrado na PROCENGE Instrutor: Prof. José Carlos Cavalcanti. Recife, 26 e 27 de julho de 2010

Mini-Curso Ministrado na PROCENGE Instrutor: Prof. José Carlos Cavalcanti. Recife, 26 e 27 de julho de 2010 Mini-Curso Ministrado na PROCENGE Instrutor: Prof. José Carlos Cavalcanti Recife, 26 e 27 de julho de 2010 Mini- Curso: Governança Corporativa no Brasil e no Mundo A Governança Corporativa é considerada

Leia mais