UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA RELIGIÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA RELIGIÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA RELIGIÃO A CONTRACULTURA E SEUS DESDOBRAMENTOS: NOVAS EXPERIMENTAÇÕES E RELIGIOSIDADE NEW AGE TESE DE DOUTORADO JOELMA DO PATROCINIO DUARTE 2010

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA RELIGIÃO A CONTRACULTURA E SEUS DESDOBRAMENTOS: NOVAS EXPERIMENTAÇÕES E RELIGIOSIDADE NEW AGE Tese apresentada ao programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião do Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Juiz de Fora, como requisito parcial para a obtenção do título de Doutor em Ciência da Religião, por Joelma do Patrocinio Duarte. Orientadora: Professora Doutora Fátima Regina Gomes Tavares. Juiz de Fora, julho de 2010

3 Tese defendida e aprovada, em 16 de julho de 2010, pela banca constituída por: Professora Doutora Fátima Regina Gomes Tavares Professora Doutora Francisca Verônica Cavalcante Professora Doutora Leila Amaral Professor Doutor Marcelo Camurça Professora Doutora Sandra Corrêa Sá Carneiro

4 Dedico à todos que buscam por diversos caminhos tornar o mundo mais humano.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço à Fátima Tavares por aceitar me orientar e continuar me acompanhando em minha trajetória acadêmica no Programa de Pós-graduação em Ciência da Religião. A ela devo os primeiros contatos que tive com a temática ao qual me dediquei nesses anos de formação. Suas contribuições extrapolaram o campo acadêmico. Os anos convivendo com sua personalidade marcante também trouxeram contribuições para a esfera pessoal. Agradeço pela solidariedade e compreensão manifestada nos momentos que realmente precisei, pelos puxões de orelha, pela paciência e leitura atenta do trabalho. Ao professor do Departamento de Ciência da Religião, Marcelo Camurça, por sua gentileza e atenção nas leituras dos trabalhos e na convivência com seus alunos. Foram muitos os textos indicados por você, que ajudaram na minha formação em Ciência da Religião, especialmente no campo da antropologia. Agradeço a atual coordenação pela compreensão manifestada nos momentos que necessitei. Agradeço ao Antônio que sempre me atendeu com competência e atenção À Ana Lúcia M. Cordeiro e Elam Pimentel colegas de curso que se tornaram amigas queridas, agradeço pela gentileza, pelo constante incentivo e apoio. Foram vocês que não me deixaram desistir de me tornar Doutora em Ciência da Religião quando insistiram afetuosamente para que eu prestasse o concurso. Ana Lucia e Elam, de formas diferentes, acompanharam meus momentos de desânimo, desilusão e empolgação. Em todos esses momentos tiveram uma palavra amiga, atitudes incentivadoras que me estimulavam a ultrapassar as pedras no caminho. Aos meus colegas de pós-graduação pela agradável convivência, em especial Rosana e Paulo. Da mesma forma, agradeço a todos os meus amigos, principalmente Bertaísis e Rosani, pela torcida, pelo apoio e pelas influências afetivas.

6 À Ana Sthefan e Robert Daibert por sua amizade, carinho, atenção e cuidado em relação aos meus estudos. Amigos que permanecem unidos desde a graduação de História e que atualmente estão ligados também academicamente através da Ciência da Religião. Agradeço a minha amiga Eliane Abreu por torcer e vibrar com minhas conquistas e por me receber em sua casa todas as vezes que necessitei realizar as pesquisas nos arquivos localizados no Rio de Janeiro. Agradeço à toda sua família por se empenharem em me guiarem em todos os locais que precisei ir atrás de informações úteis à realização desse trabalho. Agradeço principalmente à minha família pelo constante incentivo, apoio e paciência.

7 RESUMO O universo ligado à Nova Era começa a emergir a partir do movimento de contestação dos anos de 1960, denominado contracultura. Este movimento, através da transgressão como valor, vai pregar a liberdade individual, o trabalho no plano da subjetividade e a partir disso vão empreender um intenso experimentalismo através da mistura, produzindo os híbridos sem qualquer constrangimento. A contracultura é um evento que se apresenta como um contexto que dinamiza a proliferação dos híbridos. Desse modo, através dos vários experimentalismos uma nova percepção ou consciência vai adquirindo, gradativamente, visibilidade e vai se delineando à medida em que ocorre uma incorporação dos valores transgredidos colocados em ação pela contracultura. A autonomia processada e suas consequentes inovações passam a traduzir dinâmicas, operações e práticas para a sociedade, sendo a Nova Era considerada a manifestação mais radical dessa autonomia. Este trabalho apresenta as questões que envolveram a contracultura no mundo e no Brasil em consonância com as reflexões de Latour sobre a referência circulante, focalizando a questão da autonomia do transporte bem como o seu trabalho na configuração do social. A autonomia adquirida por aquilo que é criado vai desencadear uma série de conexões que passam a produzir vínculos sociais que são elaborados a partir de misturas ou dos híbridos. Assim, a nossa sociedade está repleta de híbridos, não havendo, uma separação entre natureza e cultura como afirma os modernos. Ao que parece, esses domínios, mais do que nunca, estão conectados e a Nova Era torna-se um indicativo sofisticado dessa ocorrência. Palavras-chave: contracultura, hibridismos, configuração do social, Nova Era.

8 ABSTRACT The universe connected to the New Age starts emerging with the contestation movement of the sixties, which is called counter-culture. Such movement, through transgression viewed as a value, will preach the individual freedom and the work on an subjectivity basis, and from these points of view, it will implement an intense experimentalism through a mix, producing the hybrids without any kind of constraint. The counter-culture is a event that is conveyed as a context that makes the proliferation of hybrids something dynamic. This way, through various kinds of experimentalisms, a new perception or consciousness gradually, starts becoming visible and begins to be delineated with the incorporation of the transgressed values that are started with the counter-culture occurrence. The autonomy processed and its consequent innovations begin translating dynamics, operations and practices to the society, and the New Age has been considered to be the most radical manifestation of such autonomy. This paper conveys the questions that involved the counter-culture in the world, and in Brasil, in accordance with the reflections made by Latour on the circulating reference, focusing on the transport autonomy question, as well as its role in the configuration of the society. The autonomy gotten through what is created is going to start a series of connections, which turn out to produce social links that are elaborated from mixes or hybrids. As a result, our society is full of hybrids, and there is no separation between nature and culture, as the modern affirm. It seems that such domains, more than ever, are connected, and the New Age seems to be a sophisticated sign of such occurrence. Key-words: counter-culture, hybridism, social configuration, New Age

9 SUMÁRIO Introdução...11 Capítulo 1: Sobre os horizontes da Nova Era Experiência e construção de novos vínculos Cenário e interpretações Nova Era e contracultura...38 Capítulo 2: Dos Estados Unidos para o mundo: sexo, drogas e rock? A revolução que estava no ar Ser hippie é subverter o significado das coisas Outros ismos : encontros, desencontros, conciliações e salamaleques Rock e religião...87 Capítulo 3: O espírito libertário que iluminava mentes e corações Outros românticos A produção artística: construção e quebra de fe(i)tiches A esquerda sob a perspectiva do CPCs, Une e reavaliações O Opinião e as artes plásticas Capítulo 4: A confluência tropical: ver com olhos livres Os pioneiros: antropofagia da década de

10 4.2. A antropofagia dos anos de 1960: tropicalismo A profanação do terreno sagrado da Musica Popular Brasileira É proibido proibir: tudo está solto no exercício da liberdade Tropicalismo: explosão do espírito de vanguarda Capítulo 5: A tropicalidade de uma contra-cultura Eu organizo o movimento : densidade poética, o arcaico e o moderno: Subversão &subversões: esquerdas, tropicalismo e exílio Encontros que conduzem ao Kaos Capítulo 6: Cultura alternativa e a busca pela ampliação da consciência Os marginais: a vanguarda existencial Underground ou desbunde : a cor nos anos de chumbo Geração Bendita: É isso aí, bicho O estilo underground e a ampliação da consciência Conclusão Referências bibliografias...269

11

12 1

13 2

14 3

15 4

16 AGRADECIMENTOS Agradeço à Fátima Tavares por aceitar me orientar e continuar me acompanhando em minha trajetória acadêmica no Programa de Pós-graduação em Ciência da Religião. A ela devo os primeiros contatos que tive com a temática ao qual me dediquei nesses anos de formação. Suas contribuições extrapolaram o campo acadêmico. Os anos convivendo com sua personalidade marcante também trouxeram contribuições para a esfera pessoal. Agradeço pela solidariedade e compreensão manifestada nos momentos que realmente precisei, pelos puxões de orelha, pela paciência e leitura atenta do trabalho. Agradeço ao professor Raul Magalhãespor ter aceitado a me orientar a pedido da Fátima e ter me acompanhado até se desligar do Departamento. Ao professor do Departamento de Ciência da Religião, Marcelo Camurça, por sua gentileza e atenção nas leituras dos trabalhos e na convivência com seus alunos. Foram muitos os textos indicados por você, que ajudaram na minha formação em Ciência da Religião, especialmente no campo da antropologia. Agradeço a atual coordenação pela compreensão manifestada nos momentos que necessitei. Agradeço ao Antônio que sempre me atendeu com competência e atenção À Ana Lúcia M. Cordeiro e Elam Pimentel colegas de curso que se tornaram amigas queridas, agradeço pela gentileza, pelo constante incentivo e apoio. Foram vocês que não me deixaram desistir de me tornar Doutora em Ciência da Religião quando insistiram afetuosamente para que eu prestasse o concurso. Ana Lucia e Elam, de formas diferentes, acompanharam meus momentos de desânimo, desilusão e empolgação. Em todos esses momentos tiveram uma palavra amiga, atitudes incentivadoras que me estimulavam a ultrapassar as pedras no caminho. 5

17 Aos meus colegas de pós-graduação pela agradável convivência, em especial Rosana e Paulo. Da mesma forma, agradeço a todos os meus amigos, principalmente Bertaísis e Rosani, pela torcida, pelo apoio e pelas influências afetivas. À Ana Sthefan e Robert Daibert por sua amizade, carinho, atenção e cuidado em relação aos meus estudos. Amigos que permanecem unidos desde a graduação de História e que atualmente estão ligados também academicamente através da Ciência da Religião. Agradeço a minha amiga Eliane Abreu por torcer e vibrar com minhas conquistas e por me receber em sua casa todas as vezes que necessitei realizar as pesquisas nos arquivos localizados no Rio de Janeiro. Agradeço à toda sua família por se empenharem em me guiarem em todos os locais que precisei ir atrás de informações úteis à realização desse trabalho. Agradeço principalmente à minha família pelo constante incentivo, apoio e paciência. 6

18 RESUMO O universo ligado à Nova Era começa a emergir a partir do movimento de contestação dos anos de 1960, denominado contracultura. Este movimento, através da transgressão como valor, vai pregar a liberdade individual, o trabalho no plano da subjetividade e a partir disso vão empreender um intenso experimentalismo através da mistura, produzindo os híbridos sem qualquer constrangimento. A contracultura é um evento que se apresenta como um contexto que dinamiza a proliferação dos híbridos. Desse modo, através dos vários experimentalismos uma nova percepção ou consciência vai adquirindo, gradativamente, visibilidade e vai se delineando à medida em que ocorre uma incorporação dos valores transgredidos colocados em ação pela contracultura. A autonomia processada e suas consequentes inovações passam a traduzir dinâmicas, operações e práticas para a sociedade, sendo a Nova Era considerada a manifestação mais radical dessa autonomia. Este trabalho apresenta as questões que envolveram a contracultura no mundo e no Brasil em consonância com as reflexões de Latour sobre a referência circulante, focalizando a questão da autonomia do transporte bem como o seu trabalho na configuração do social. A autonomia adquirida por aquilo que é criado vai desencadear uma série de conexões que passam a produzir vínculos sociais que são elaborados a partir de misturas ou dos híbridos. Assim, a nossa sociedade está repleta de híbridos, não havendo, uma separação entre natureza e cultura como afirma os modernos. Ao que parece, esses domínios, mais do que nunca, estão conectados e a Nova Era torna-se um indicativo sofisticado dessa ocorrência. Palavras-chave: contracultura, hibridismos, configuração do social, Nova Era. 7

19 ABSTRACT The universe connected to the New Age starts emerging with the contestation movement of the sixties, which is called counter-culture. Such movement, through transgression viewed as a value, will preach the individual freedom and the work on an subjectivity basis, and from these points of view, it will implement an intense experimentalism through a mix, producing the hybrids without any kind of constraint. The counter-culture is a event that is conveyed as a context that makes the proliferation of hybrids something dynamic. This way, through various kinds of experimentalisms, a new perception or consciousness gradually, starts becoming visible and begins to be delineated with the incorporation of the transgressed values that are started with the counter-culture occurrence. The autonomy processed and its consequent innovations begin translating dynamics, operations and practices to the society, and the New Age has been considered to be the most radical manifestation of such autonomy. This paper conveys the questions that involved the counter-culture in the world, and in Brasil, in accordance with the reflections made by Latour on the circulating reference, focusing on the transport autonomy question, as well as its role in the configuration of the society. The autonomy gotten through what is created is going to start a series of connections, which turn out to produce social links that are elaborated from mixes or hybrids. As a result, our society is full of hybrids, and there is no separation between nature and culture, as the modern affirm. It seems that such domains, more than ever, are connected, and the New Age seems to be a sophisticated sign of such occurrence. Key-words: counter-culture, hybridism, social configuration, New Age 8

20 SUMÁRIO Introdução...11 Capítulo 1: Sobre os horizontes da Nova Era Experiência e construção de novos vínculos Cenário e interpretações Nova Era e contracultura...38 Capítulo 2: Dos Estados Unidos para o mundo: sexo, drogas e rock? A revolução que estava no ar Ser hippie é subverter o significado das coisas Outros ismos : encontros, desencontros, conciliações e salamaleques Rock e religião...87 Capítulo 3: O espírito libertário que iluminava mentes e corações Outros românticos A produção artística: construção e quebra de fe(i)tiches A esquerda sob a perspectiva do CPCs, Une e reavaliações O Opinião e as artes plásticas Capítulo 4: A confluência tropical: ver com olhos livres Os pioneiros: antropofagia da década de

21 4.2. A antropofagia dos anos de 1960: tropicalismo A profanação do terreno sagrado da Musica Popular Brasileira É proibido proibir: tudo está solto no exercício da liberdade Tropicalismo: explosão do espírito de vanguarda Capítulo 5: A tropicalidade de uma contra-cultura Eu organizo o movimento : densidade poética, o arcaico e o moderno: Subversão &subversões: esquerdas, tropicalismo e exílio Encontros que conduzem ao Kaos Capítulo 6: Cultura alternativa e a busca pela ampliação da consciência Os marginais: a vanguarda existencial Underground ou desbunde : a cor nos anos de chumbo Geração Bendita: É isso aí, bicho O estilo underground e a ampliação da consciência Conclusão Referênicas bibliografias

22 INTRODUÇÃO Pretendo neste trabalho visitar as raízes contraculturais da Nova Era, buscando perceber os encadeamentos ou as conexões que passam a ser processadas a partir desse evento. A abordagem laturiana de conceituação do híbrido confere dignidade ontológica a uma infinitude de seres num mundo onde somente ontologia puras como, natureza/cultura e sujeito/ objeto me levou a interpretar a contracultura como um momento significativo de confecção de fe(i)tiches. 1 Esse evento vai possibilitar que novas visões sejam empreendidas. Entre tantas outras que se desdobraram a partir da contracultura temse a nova consciência religiosa ou Nova Era, que se expressa como um campo de intensa experimentação, onde o híbrido ou trabalho desvelado de construção é que fornece sentido e cria vínculos nesse amplo universo que cruza espiritualidade, terapia e consumo. A espiritualidade do tipo Nova Era realiza e se expande quando o universo alternativo se fragmenta em múltiplas e versáteis associações. A versatilidade apresentada pela Nova era faz com que ela promova hibridizações constantes. Assim, as vivências ou experimentações do tipo Nova Era apontam para a perspectiva de que o religioso nesse universo de errância espiritual (AMARAL, 2000) não se configura como um domínio à parte, mas se realiza enquanto experiência híbrida. Assim, as análises vão buscar no contexto da contracultura a questão do hibridismo na conformação da subjetividade e seus vínculos, conexões e afinidades com a Nova Era, fenômeno que radicaliza a questão da experiência híbrida. Minha intenção é compreender o significado mais profundo das agitações que ocorreram na contracultura em seu estágio de maior ebulição, identificando no fenômeno contracultural a produção de uma autonomia que abre caminho para o surgimento de novos regimes de enunciação que vão produzir mudanças e criar vínculos. Associado a estas questões ou como prolongamento desses 1 Uma articulação entre fatos e fetiches, rompendo com a dicotomia moderna em torno da eficácia dos processos de ação, que distinguem o que é crença daquilo que é real. Ver Latour,

23 encadeamentos, indicarei que a intensa elaboração experimental da Nova Era reflete uma tendência mais ampla, indicada por Latour, que é a proliferação dos híbridos. A contracultura vai inspirar parte da juventude da época a vivenciar e a experimentar outros padrões de comportamento. Toda mudança, porém, antes da sua estabilização ou assimilação, provoca controvérsias. Assim sendo, apresentarei situações que ilustram essas controvérsias, que, assimiladas, perdem seu caráter de novidade e estranhamento. Nesse sentido, a contracultura, bem como a Nova Era, em função das experimentações empreendidas, nos ilustra com sofisticação a dinâmica de construção do social pelos processos híbridos. Com a intenção de realizar uma leitura dos processos que envolvem a contracultura e a Nova Era a partir da dignidade que a concepção de Latour concede aos híbridos, no primeiro capítulo, Sobre os Horizontes da Nova Era, irei apresentar as idéias centrais deste autor, aproveitando o momento para articular a questão do hibridismo no âmbito da história da Nova Era e da contracultura. Constará também no capítulo as análises de autores que investigam o tema, considerando os caminhos e reflexões que cada um aponta em relação à Nova Era. Com base nos autores analisados enfatizarei o vínculo histórico entre contracultura e Nova Era e as questões que podem ser levantadas a partir desse pressuposto. Na esteira da efervescência política e social dos anos de 1960 ocorre a entronização ideológica do que pode ser chamado de um individualismo libertário. A sexualidade é eleita como o motor desse individualismo libertário. Pensadores como Herbert Marcuse (1967; 1968) e Wilhelm Reich (1975), abrem com suas teses novas perspectivas no sentido de indicar que a sociedade burguesa reprime a sexualidade. Para Reich e Marcuse todos os flagelos da civilização ocidental estariam vinculados à repressão sexual. O que qualifica essa modalidade de individualismo, segundo Salem (1991), é a disposição de que o único regime a ser imposto ao indivíduo é o da liberação. O preceito da igualdade como regente das relações sociais afirma-se, assim, como condição sine qua non da liberação, pois assegura a destotalização do indivíduo com respeito a qualquer instância pretensamente englobante e/ ou normatizadora (SALEM, 1991, p. 67). Um dos movimentos de contestação que surgem a partir desse individualismo foi a contracultura, que inaugurou o imaginário hippie, a opção por uma vida despojada, e contribui para que a juventude norte-americana começasse a vivenciar a perspectiva real 12

24 da Era de Aquário. Há um desejo dos jovens de transformarem o mundo pacificamente propondo uma sociedade alternativa, o amor livre, o fim da neurose, rock`n roll e as drogas como forma de ampliação da consciência. Dos Estados Unidos para o mundo a contracultura vai produzindo novas conexões. Essas questões serão levantadas no capítulo dois, Dos Estados Unidos para o Mundo: sexo, droga e rock?, onde também serão apresentadas algumas situações que indicam a questão da proliferação dos híbridos e as conexões decorrentes disso. Tal ocorrência pode ser exemplificada na cultura pop que na época era vista como uma manifestação da cultura paz e amor ; na subversão realizada em todos os níveis pelos hippies e nas polêmicas que envolveram o rock nos seus contatos com a religião. No terceiro capítulo, O Espírito Libertário que Iluminava Mentes e Corações, será trabalhado o vínculo ou conexão entre arte e política, característica marcante nessa época e que tinha o firme propósito de promover a revolução socialista através da conscientização do povo. Esta visão, compartilhada por intelectuais, artistas e jovens engajados, foi denominada por Ridenti (2000) como Romantismo Revolucionário. Com isso a produção artística baseada no eixo nacional- popular era uma ideologia que marcava a estética no Brasil e rejeitava qualquer intervenção externa ou assimilação de idéias vanguardista. Para marcar os embates provocados pelas manifestações de vanguarda, será recuperado o envolvimento dos artistas ideologicamente envolvidos com o Romantismo Revolucionário (RIDENTI, 2000) através de suas atuações nos CPCs e no Grupo Opinião. O vinculo arte e esquerda com o eixo nacional- popular vai levar os segmentos sintonizados com essa perspectiva a rejeitarem as propostas da contracultura, ou qualquer proposta de vanguarda. No contexto do final dos anos 60 do século passado, o estilo underground tornou-se uma alternativa sedutora para muitos indivíduos e vai se expandir pelo mundo influenciando a produção cultural em vários níveis. No Brasil, esse movimento apresentou novas linguagens e rompeu com a perspectiva de arte engajada que alienava a subjetividade e colocava a questão estética numa camisa de força. Isso vai provocar a reação de segmentos da esquerda engajada que considerava a contracultura alienada e algo do imperialismo norte-americano. Os jovens que se identificavam com as propostas da contracultura eram duramente criticados e taxados de alienados. Esse desencontro de perspectiva vai produzir embates históricos que serão analisados no decorrer do quarto 13

25 capítulo. Alheios às críticas, muitos artistas seguem com suas experimentações. A manifestação que provocou mais controvérsias nesse período foi o Tropicalismo, que se colocou como vanguarda e pode ser lido como uma das faces da contracultura no Brasil; além de identificações desse movimento com a esquerda armada há também uma inspiração nos princípios associados à Nova Era. Essas são as questões de fundo que serão trabalhadas no quarto e quinto capítulos, A Confluência Tropical: ver com olhos livres e A Tropicalidade de uma Contra-Cultura, respectivamente. No sexto capítulo, A Cultura Alternativa e a Busca pela Ampliação da Consciência, serão analisados alguns exemplos de experiências contraculturais no Brasil e sua relação com o Regime Militar. Esses anos foram anos de muita repressão, ou melhor, eram anos de chumbo. Mesmo assim, a contracultura floresceu e significou um canal aberto às várias experimentações e formulações de novas linguagens. Dentro desse quadro de novas conexões surgem os poetas marginais, como Jorge Mautner, Waly Salomão, Torquato Neto, entre outros. Também será descrita a formação de um território livre, onde aparentemente tudo era permitido em termos comportamentais, num contexto de intensa repressão. Este local foi o Píer de Ipanema, na zona Sul do Rio de Janeiro e que se tornou um local de concentração de adeptos da contracultura numa praia que se torna a praia oficial do desbunde. Outro exemplo interessante da manifestação e registro da contracultura no Brasil encontra-se num filme realizado por uma comunidade hippie que deseja divulgar sua visão de mundo e uma coluna num jornal alternativo, o Pasquim, onde são divulgados princípios da contracultura em direção à busca da ampliação da consciência. Neste trabalho há um esforço no sentido de demonstrar os vínculos entre contracultura e Nova Era a partir da perspectiva de que estes movimentos estão ligados ao fenômeno de proliferação dos híbridos. Para a concretização do trabalho, realizamos uma pesquisa em jornais e revistas tendo como recorte cronológico o ano de 1967 a Esse período representou o estágio de maior ebulição da nossa contracultura. Os veículos impressos utilizados foram revistas e jornais. As revistas pesquisadas são: Manchete, Cruzeiro, Fatos & Fotos, Realidade, todas com edição da época. A revista Show Bizz foi utilizada como uma fonte especializada em cultura pop. O exemplar da Bizz consultado é uma edição especial de comemoração do rock, enfocando a história desse estilo musical e tudo que estava associado a ele. Aspectos 14

26 vinculados à contracultura são comentados, inclusive com entrevistas. Uma outra revista utilizada foi a Revista Civilização Brasileira. Uma publicação criada por Ênio Silveira e que reunia intelectuais de esquerda que comentavam produções no campo da cultura. São nomes associados a essa revista: Moacyr Felix, Dias Gomes, Cavalcanti Proença, Vieira Pinto, Nelson Weneck Sodré, Leandro Konder e Carlos Nelson Coutinho. As revistas Bondinho e Flor do Mal são consideradas publicações alternativas e foram encontradas na Associação Brasileira de Imprensa, na Biblioteca Nacional. Segundo a atendente da ABI, esta associação conseguiu resguardar alguma coisa que era considerado subversivo pelo Regime Militar. Talvez isso explique a ausência dessas publicações na Biblioteca Nacional. Os jornais pesquisados foram Jornal do Brasil, Última Hora, Folha de São Paulo e o Pasquim. As fontes foram consultadas na Biblioteca Nacional, na Associação Brasileira de Imprensa. Na Biblioteca Nacional a pesquisa foi realizada através de microfilmes; na Associação Brasileira de Impressa a pesquisa foi feita através do manuseio dos exemplares. Algumas citações dessas fontes podem não ter o número da página discriminado em função da qualidade do microfilme. O material de pesquisa vai indicar como aspectos da contracultura brasileira eram abordados por esses veículos; identificar críticas, incentivos e divulgação da produção da cultura alternativa; perceber se há notificação de práticas religiosas alternativas e também nos proporciona avaliar em termos gerais a repercussão da contracultura ou as manifestações a ela associadas no Brasil e sua relação com o regime militar, a questão da censura e a produção da imagem do Brasil. O Pasquim foi um veiculo representativo da imprensa alternativa, divulgando e criando várias tendências. O Pasquim iniciou suas publicações em 1969 com tiragem semanal e se tornou um sucesso de vendas no período da Ditadura. Nesse jornal, a análise se concentra particularmente na coluna Underground, escrita por Luiz Carlos Maciel. Este jornalista mantinha um contato com o que estava sendo produzido nos Estados Unidos, as pessoas que liam o jornal buscavam um contato com ele, muitas delas lhe enviavam material. Esse jornalista é considerado o introdutor no país de muitas novidades trazidas pela contracultura a nível global. É considerado o Guru da contracultura, o que faz com que ele seja citado no várias vezes no decorrer do trabalho A coluna fornece um amplo quadro da contracultura. 15

27 Grosso modo, as fontes passaram por uma análise criteriosa, focalizando o teor dos conteúdos. A análise não pretende demarcar o perfil editorial das publicações e a que grupo de interesses elas estavam associadas. É o teor dos conteúdos que me interessa. São nesses conteúdos que buscarei identificar a produção de motes ligados à busca da autonomia e/ ou do estabelecimento da liberdade individual que vão permitir novas posturas religiosas.também não houve uma preocupação em quantificar esta triagem; optei por uma abordagem qualitativa. Foram utilizados sites como fontes de informações, de conteúdo sobre o tema e como uma possibilidade de acesso a outros documentos. Também foram utilizados encartes que acompanham as mídias, como DVD, CD e LPs. Os encartes foram utilizados por conterem as músicas desses artistas e por apresentarem comentários que trazem a tona sutilezas que só um crítico de música pode perceber e entender. Esse tipo de fonte nem sempre é datado e nem apresenta números de página. Quando utilizo este tipo de fonte explico na nota de pé de página essa ocorrência. Um filme produzido por uma comunidade hippie, produzido em 1970, foi analisado. Ele é um longa-metragem e pretendia através de um roteiro (fictício) retratar a experiência da comunidade. O filme foi analisado na cinemateca do Museu de Arte Moderna. O filme é conhecido por dois nomes, Geração Bendita e/ ou É isso aí, bicho. É considerado o primeiro filme hippie. De forma que ele tornou-se um registro de uma época. Busquei utilizar livros de memórias para tentar resgatar as vivências naquela época, assim como muitas das referências bibliográficas utilizadas foram produzidas num contexto próximo aos acontecimentos. Os livros de memórias dos indivíduos que vivenciaram aquele momento acabam reafirmando aquilo que as fontes advindas do material jornalístico já apontavam. Para auxiliar essa parte mais empírica, foram acrescentadas obras básicas sobre os temas levantados e que vão fornecer o arcabouço para a construção teórica do trabalho. Com base nos estudos específicos de alguns sociólogos, antropólogos e historiadores, busca-se a interpretação social e cultural que possibilite uma análise dos primeiros momentos que vão inspirar o que hoje conhecemos como movimento Nova Era e sua relação com a proliferação dos híbridos. 16

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal CONCLUSÃO Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal afirmarmos que todos os objetivos da pesquisa foram atingidos. Mesmo porque o campo mostrou-se muito mais amplo e

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH.

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Colóquio Religiões e Campos simbólicos na Amazônia Período de realização 25 a 28 de agosto de 2014. Grupos de trabalhos. GT

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA Maria do Socorro da Cunha Pontifícia Universidade Católica do Paraná Resumo: A presente texto tem, como objetivo, tecer considerações

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

EXPERIMENTALISMO ARTÍSTICO E A DÉCADA DE 60 NO BRASIL: POR UM NOVO SENTIDO DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL

EXPERIMENTALISMO ARTÍSTICO E A DÉCADA DE 60 NO BRASIL: POR UM NOVO SENTIDO DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL EXPERIMENTALISMO ARTÍSTICO E A DÉCADA DE 60 NO BRASIL: POR UM NOVO SENTIDO DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL Izabella Maria da Silva Medeiros 1 ; Paulo Marcondes Ferreira Soares 2 1 Estudante do Curso de Psicologia

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA SOCIOLOGIA. Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA SOCIOLOGIA. Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo Habilidades: Reconhecer que a religião muitas vezes esconde razões políticas, econômicas e sociais de inúmeros conflitos no mundo contemporâneo; Reconhecer que a

Leia mais

Tendências contemporâneas nas pesquisas em educação matemática e científica. sobre linguagens e práticas culturais

Tendências contemporâneas nas pesquisas em educação matemática e científica. sobre linguagens e práticas culturais Tendências contemporâneas nas pesquisas em educação matemática e científica sobre linguagens e práticas culturais Cláudia Regina Flores Suzani Cassiani (organizadoras) Tendências contemporâneas nas pesquisas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

INDICAÇÃO CEE 07/01 INDICAÇÃO CEE Nº 07/2001 - CEF - Aprovada em 25-07-2001

INDICAÇÃO CEE 07/01 INDICAÇÃO CEE Nº 07/2001 - CEF - Aprovada em 25-07-2001 INDICAÇÃO CEE 07/01 INDICAÇÃO CEE Nº 07/2001 - CEF - Aprovada em 25-07-2001 PROCESSO CEE Nº: 408/2001 INTERESSADO : Conselho Estadual de Educação ASSUNTO : Regulamenta o Artº 33 da Lei nº 9394/96 RELATOR

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 10 - Para uma educação antirracista Objetivos: Analisar o conceito de multiculturalismo;

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

A A A A A A A A A A A A A A A

A A A A A A A A A A A A A A A SOCIOLOGI 1 Nas democracias modernas, a cidadania se concretiza pelo acesso aos direitos constitucionais. Na sociedade brasileira, o texto da Constituição Federal de 1988 estende os direitos ao conjunto

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line do livro: PAIVA, Angela Randolfho. Católico, Protestante, Cidadão: uma comparação entre Brasil e Estados Unidos. Belo Horizonte: UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2003. 286 p. por Cézar Alencar Arnaud de Toledo

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DE REDES SOCIAIS NOS ESTUDOS DA INFORMAÇÃO: CRUZAMENTOS INTERDISCIPLINARES

TEORIA E METODOLOGIA DE REDES SOCIAIS NOS ESTUDOS DA INFORMAÇÃO: CRUZAMENTOS INTERDISCIPLINARES TEORIA E METODOLOGIA DE REDES SOCIAIS NOS ESTUDOS DA INFORMAÇÃO: CRUZAMENTOS INTERDISCIPLINARES O número pretende, além de apresentar um panorama do emprego teórico e metodológico dos conceitos de rede

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Vivência da Paz e Valores Humanos: Ação Transdisciplinar como Caminho

Vivência da Paz e Valores Humanos: Ação Transdisciplinar como Caminho Vivência da Paz e Valores Humanos: Ação Transdisciplinar como Caminho RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Cirlena Procópio (Universidade Salgado Oliveira/cprocopio@brturbo.com.br)

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PESQUISA: O CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA BAIXADA FLUMINENSE (FEBF): QUAL O LUGAR DA DIFERENÇA?

REFLEXÕES SOBRE A PESQUISA: O CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA BAIXADA FLUMINENSE (FEBF): QUAL O LUGAR DA DIFERENÇA? REFLEXÕES SOBRE A PESQUISA: O CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA BAIXADA FLUMINENSE (FEBF): QUAL O LUGAR DA DIFERENÇA? Renata Leite de Oliveira. Orientadora: Prof. Dr. Talita Vidal

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

I Plenitude do Espírito e vida familiar

I Plenitude do Espírito e vida familiar 13 I Plenitude do Espírito e vida familiar E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito, falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO AQUI TEM HISTÓRIA : LUGARES DE MEMÓRIA Adriely M. de Oliveira (C. Sociais UEL/ Bolsista IC/Fundação Araucária). Orientadora: Ana Cleide Chiarotti Cesário. Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso.

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

5. Considerações finais

5. Considerações finais 99 5. Considerações finais Ao término da interessante e desafiadora jornada, que implicou em estabelecer um olhar crítico e relativamente distanciado em relação ao universo pesquisado, na medida em que

Leia mais

Shusterman insere cultura pop na academia

Shusterman insere cultura pop na academia São Paulo, quinta, 21 de maio de 1998 Shusterman insere cultura pop na academia PATRICIA DECIA da Reportagem Local O filósofo americano leva a cultura pop à academia. Em "Vivendo a Arte - O Pensamento

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M Mais que uma programação feita para ouvintes exigentes, a Mundo Livre FM ultrapassa a frequência do rádio e se estabelece como uma identidade conceitual. No ar há 7 anos,

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

Prefácio. Eliane Schlemmer

Prefácio. Eliane Schlemmer Prefácio Eliane Schlemmer SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SCHLEMMER, E. Prefácio. In: PORTO, C., and SANTOS, E., orgs. Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar [online]. Campina

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

ARTE E PLURALIDADE: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA BRASILEIRA SOBRE A CONTRACULTURA Leon Frederico Kaminski 1

ARTE E PLURALIDADE: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA BRASILEIRA SOBRE A CONTRACULTURA Leon Frederico Kaminski 1 Sérgio Ricardo da Mata, Helena Miranda Mollo & Flávia Florentino Varella (org.). Caderno de resumos & Anais do 2º. Seminário Nacional de História da Historiografia. A dinâmica do historicismo: tradições

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

Plano Estratégico da União Portuguesa dos Adventistas do Sétimo Dia para o Quinquénio 2013-2017

Plano Estratégico da União Portuguesa dos Adventistas do Sétimo Dia para o Quinquénio 2013-2017 Plano Estratégico da União Portuguesa dos Adventistas do Sétimo Dia para o Quinquénio 2013-2017 O presente documento tem como objetivo apresentar, os valores, as linhas orientadoras, a estratégia e o plano

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo

Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo (SILVA, Jansen Felipe; HOFFMAN, Jussara; ESTABAN, Maria Teresa. Porto Alegre: Mediação. 2003). André Luiz da

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

IDENTIDADE Equipe docente da disciplina Ser Humano em relações Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

IDENTIDADE Equipe docente da disciplina Ser Humano em relações Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix IDENTIDADE Equipe docente da disciplina Ser Humano em relações Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Traduzir- se (FERREIRA GULLAR) é todo mundo: outra parte é ninguém: fundo sem fundo. é multidão:

Leia mais

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58 ABORDAGEM FENOMENOLÓGICO-HERMENÊUTICAS Henriqueta Alves da Silva 1 RESUMO O presente artigo elege a abordagem fenomenológico-hermenêutica como um dos métodos mais importantes para a elaboração de pesquisas

Leia mais

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960 Maíra Zimmermann Data da defesa: 15/MAIO/2009 Instituição: Centro Universitário Senac No período relativo ao segundo pós-guerra, com o

Leia mais

Cartografia de um processo de criação em teatro: Primeiras considerações

Cartografia de um processo de criação em teatro: Primeiras considerações Cartografia de um processo de criação em teatro: Primeiras considerações Getúlio Góis de Araújo Programa de Pós-graduação em Artes UFU Mestrando - Práticas e Processos em Artes. Or. Prof Dr. Narciso Telles

Leia mais

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc nome: Adilson José Gonçalves enviado_por: professor proposta: Ampliar as discuss~eos sobre o redesenho, apontando para a excelencia, agilidade, flexibilidade e aprofundamento da democratização da instituição.

Leia mais

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET 1 HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET Marlesson Castelo Branco do Rêgo IFPE Doutorando em Ciências Humanas pela UFSC Introdução Em 2004, o governo federal lançou

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Vítor Quartezani 1 Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Trabalho de Conclusão de Curso em Forma de Projeto

Leia mais

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Conteúdo: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Habilidades: Reconhecer a religião como uma instituição social e objeto de estudo das Ciências Sociais; Conhecimento Teológico A religião

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff 31/10/2010 23h56 - Atualizado em 01/11/2010 11h24 Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff Em Brasília, ela fez primeiro discurso após anúncio do resultado da eleição. Ela afirmou

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais