UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA RELIGIÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA RELIGIÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA RELIGIÃO A CONTRACULTURA E SEUS DESDOBRAMENTOS: NOVAS EXPERIMENTAÇÕES E RELIGIOSIDADE NEW AGE TESE DE DOUTORADO JOELMA DO PATROCINIO DUARTE 2010

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA RELIGIÃO A CONTRACULTURA E SEUS DESDOBRAMENTOS: NOVAS EXPERIMENTAÇÕES E RELIGIOSIDADE NEW AGE Tese apresentada ao programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião do Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Juiz de Fora, como requisito parcial para a obtenção do título de Doutor em Ciência da Religião, por Joelma do Patrocinio Duarte. Orientadora: Professora Doutora Fátima Regina Gomes Tavares. Juiz de Fora, julho de 2010

3 Tese defendida e aprovada, em 16 de julho de 2010, pela banca constituída por: Professora Doutora Fátima Regina Gomes Tavares Professora Doutora Francisca Verônica Cavalcante Professora Doutora Leila Amaral Professor Doutor Marcelo Camurça Professora Doutora Sandra Corrêa Sá Carneiro

4 Dedico à todos que buscam por diversos caminhos tornar o mundo mais humano.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço à Fátima Tavares por aceitar me orientar e continuar me acompanhando em minha trajetória acadêmica no Programa de Pós-graduação em Ciência da Religião. A ela devo os primeiros contatos que tive com a temática ao qual me dediquei nesses anos de formação. Suas contribuições extrapolaram o campo acadêmico. Os anos convivendo com sua personalidade marcante também trouxeram contribuições para a esfera pessoal. Agradeço pela solidariedade e compreensão manifestada nos momentos que realmente precisei, pelos puxões de orelha, pela paciência e leitura atenta do trabalho. Ao professor do Departamento de Ciência da Religião, Marcelo Camurça, por sua gentileza e atenção nas leituras dos trabalhos e na convivência com seus alunos. Foram muitos os textos indicados por você, que ajudaram na minha formação em Ciência da Religião, especialmente no campo da antropologia. Agradeço a atual coordenação pela compreensão manifestada nos momentos que necessitei. Agradeço ao Antônio que sempre me atendeu com competência e atenção À Ana Lúcia M. Cordeiro e Elam Pimentel colegas de curso que se tornaram amigas queridas, agradeço pela gentileza, pelo constante incentivo e apoio. Foram vocês que não me deixaram desistir de me tornar Doutora em Ciência da Religião quando insistiram afetuosamente para que eu prestasse o concurso. Ana Lucia e Elam, de formas diferentes, acompanharam meus momentos de desânimo, desilusão e empolgação. Em todos esses momentos tiveram uma palavra amiga, atitudes incentivadoras que me estimulavam a ultrapassar as pedras no caminho. Aos meus colegas de pós-graduação pela agradável convivência, em especial Rosana e Paulo. Da mesma forma, agradeço a todos os meus amigos, principalmente Bertaísis e Rosani, pela torcida, pelo apoio e pelas influências afetivas.

6 À Ana Sthefan e Robert Daibert por sua amizade, carinho, atenção e cuidado em relação aos meus estudos. Amigos que permanecem unidos desde a graduação de História e que atualmente estão ligados também academicamente através da Ciência da Religião. Agradeço a minha amiga Eliane Abreu por torcer e vibrar com minhas conquistas e por me receber em sua casa todas as vezes que necessitei realizar as pesquisas nos arquivos localizados no Rio de Janeiro. Agradeço à toda sua família por se empenharem em me guiarem em todos os locais que precisei ir atrás de informações úteis à realização desse trabalho. Agradeço principalmente à minha família pelo constante incentivo, apoio e paciência.

7 RESUMO O universo ligado à Nova Era começa a emergir a partir do movimento de contestação dos anos de 1960, denominado contracultura. Este movimento, através da transgressão como valor, vai pregar a liberdade individual, o trabalho no plano da subjetividade e a partir disso vão empreender um intenso experimentalismo através da mistura, produzindo os híbridos sem qualquer constrangimento. A contracultura é um evento que se apresenta como um contexto que dinamiza a proliferação dos híbridos. Desse modo, através dos vários experimentalismos uma nova percepção ou consciência vai adquirindo, gradativamente, visibilidade e vai se delineando à medida em que ocorre uma incorporação dos valores transgredidos colocados em ação pela contracultura. A autonomia processada e suas consequentes inovações passam a traduzir dinâmicas, operações e práticas para a sociedade, sendo a Nova Era considerada a manifestação mais radical dessa autonomia. Este trabalho apresenta as questões que envolveram a contracultura no mundo e no Brasil em consonância com as reflexões de Latour sobre a referência circulante, focalizando a questão da autonomia do transporte bem como o seu trabalho na configuração do social. A autonomia adquirida por aquilo que é criado vai desencadear uma série de conexões que passam a produzir vínculos sociais que são elaborados a partir de misturas ou dos híbridos. Assim, a nossa sociedade está repleta de híbridos, não havendo, uma separação entre natureza e cultura como afirma os modernos. Ao que parece, esses domínios, mais do que nunca, estão conectados e a Nova Era torna-se um indicativo sofisticado dessa ocorrência. Palavras-chave: contracultura, hibridismos, configuração do social, Nova Era.

8 ABSTRACT The universe connected to the New Age starts emerging with the contestation movement of the sixties, which is called counter-culture. Such movement, through transgression viewed as a value, will preach the individual freedom and the work on an subjectivity basis, and from these points of view, it will implement an intense experimentalism through a mix, producing the hybrids without any kind of constraint. The counter-culture is a event that is conveyed as a context that makes the proliferation of hybrids something dynamic. This way, through various kinds of experimentalisms, a new perception or consciousness gradually, starts becoming visible and begins to be delineated with the incorporation of the transgressed values that are started with the counter-culture occurrence. The autonomy processed and its consequent innovations begin translating dynamics, operations and practices to the society, and the New Age has been considered to be the most radical manifestation of such autonomy. This paper conveys the questions that involved the counter-culture in the world, and in Brasil, in accordance with the reflections made by Latour on the circulating reference, focusing on the transport autonomy question, as well as its role in the configuration of the society. The autonomy gotten through what is created is going to start a series of connections, which turn out to produce social links that are elaborated from mixes or hybrids. As a result, our society is full of hybrids, and there is no separation between nature and culture, as the modern affirm. It seems that such domains, more than ever, are connected, and the New Age seems to be a sophisticated sign of such occurrence. Key-words: counter-culture, hybridism, social configuration, New Age

9 SUMÁRIO Introdução...11 Capítulo 1: Sobre os horizontes da Nova Era Experiência e construção de novos vínculos Cenário e interpretações Nova Era e contracultura...38 Capítulo 2: Dos Estados Unidos para o mundo: sexo, drogas e rock? A revolução que estava no ar Ser hippie é subverter o significado das coisas Outros ismos : encontros, desencontros, conciliações e salamaleques Rock e religião...87 Capítulo 3: O espírito libertário que iluminava mentes e corações Outros românticos A produção artística: construção e quebra de fe(i)tiches A esquerda sob a perspectiva do CPCs, Une e reavaliações O Opinião e as artes plásticas Capítulo 4: A confluência tropical: ver com olhos livres Os pioneiros: antropofagia da década de

10 4.2. A antropofagia dos anos de 1960: tropicalismo A profanação do terreno sagrado da Musica Popular Brasileira É proibido proibir: tudo está solto no exercício da liberdade Tropicalismo: explosão do espírito de vanguarda Capítulo 5: A tropicalidade de uma contra-cultura Eu organizo o movimento : densidade poética, o arcaico e o moderno: Subversão &subversões: esquerdas, tropicalismo e exílio Encontros que conduzem ao Kaos Capítulo 6: Cultura alternativa e a busca pela ampliação da consciência Os marginais: a vanguarda existencial Underground ou desbunde : a cor nos anos de chumbo Geração Bendita: É isso aí, bicho O estilo underground e a ampliação da consciência Conclusão Referências bibliografias...269

11

12 1

13 2

14 3

15 4

16 AGRADECIMENTOS Agradeço à Fátima Tavares por aceitar me orientar e continuar me acompanhando em minha trajetória acadêmica no Programa de Pós-graduação em Ciência da Religião. A ela devo os primeiros contatos que tive com a temática ao qual me dediquei nesses anos de formação. Suas contribuições extrapolaram o campo acadêmico. Os anos convivendo com sua personalidade marcante também trouxeram contribuições para a esfera pessoal. Agradeço pela solidariedade e compreensão manifestada nos momentos que realmente precisei, pelos puxões de orelha, pela paciência e leitura atenta do trabalho. Agradeço ao professor Raul Magalhãespor ter aceitado a me orientar a pedido da Fátima e ter me acompanhado até se desligar do Departamento. Ao professor do Departamento de Ciência da Religião, Marcelo Camurça, por sua gentileza e atenção nas leituras dos trabalhos e na convivência com seus alunos. Foram muitos os textos indicados por você, que ajudaram na minha formação em Ciência da Religião, especialmente no campo da antropologia. Agradeço a atual coordenação pela compreensão manifestada nos momentos que necessitei. Agradeço ao Antônio que sempre me atendeu com competência e atenção À Ana Lúcia M. Cordeiro e Elam Pimentel colegas de curso que se tornaram amigas queridas, agradeço pela gentileza, pelo constante incentivo e apoio. Foram vocês que não me deixaram desistir de me tornar Doutora em Ciência da Religião quando insistiram afetuosamente para que eu prestasse o concurso. Ana Lucia e Elam, de formas diferentes, acompanharam meus momentos de desânimo, desilusão e empolgação. Em todos esses momentos tiveram uma palavra amiga, atitudes incentivadoras que me estimulavam a ultrapassar as pedras no caminho. 5

17 Aos meus colegas de pós-graduação pela agradável convivência, em especial Rosana e Paulo. Da mesma forma, agradeço a todos os meus amigos, principalmente Bertaísis e Rosani, pela torcida, pelo apoio e pelas influências afetivas. À Ana Sthefan e Robert Daibert por sua amizade, carinho, atenção e cuidado em relação aos meus estudos. Amigos que permanecem unidos desde a graduação de História e que atualmente estão ligados também academicamente através da Ciência da Religião. Agradeço a minha amiga Eliane Abreu por torcer e vibrar com minhas conquistas e por me receber em sua casa todas as vezes que necessitei realizar as pesquisas nos arquivos localizados no Rio de Janeiro. Agradeço à toda sua família por se empenharem em me guiarem em todos os locais que precisei ir atrás de informações úteis à realização desse trabalho. Agradeço principalmente à minha família pelo constante incentivo, apoio e paciência. 6

18 RESUMO O universo ligado à Nova Era começa a emergir a partir do movimento de contestação dos anos de 1960, denominado contracultura. Este movimento, através da transgressão como valor, vai pregar a liberdade individual, o trabalho no plano da subjetividade e a partir disso vão empreender um intenso experimentalismo através da mistura, produzindo os híbridos sem qualquer constrangimento. A contracultura é um evento que se apresenta como um contexto que dinamiza a proliferação dos híbridos. Desse modo, através dos vários experimentalismos uma nova percepção ou consciência vai adquirindo, gradativamente, visibilidade e vai se delineando à medida em que ocorre uma incorporação dos valores transgredidos colocados em ação pela contracultura. A autonomia processada e suas consequentes inovações passam a traduzir dinâmicas, operações e práticas para a sociedade, sendo a Nova Era considerada a manifestação mais radical dessa autonomia. Este trabalho apresenta as questões que envolveram a contracultura no mundo e no Brasil em consonância com as reflexões de Latour sobre a referência circulante, focalizando a questão da autonomia do transporte bem como o seu trabalho na configuração do social. A autonomia adquirida por aquilo que é criado vai desencadear uma série de conexões que passam a produzir vínculos sociais que são elaborados a partir de misturas ou dos híbridos. Assim, a nossa sociedade está repleta de híbridos, não havendo, uma separação entre natureza e cultura como afirma os modernos. Ao que parece, esses domínios, mais do que nunca, estão conectados e a Nova Era torna-se um indicativo sofisticado dessa ocorrência. Palavras-chave: contracultura, hibridismos, configuração do social, Nova Era. 7

19 ABSTRACT The universe connected to the New Age starts emerging with the contestation movement of the sixties, which is called counter-culture. Such movement, through transgression viewed as a value, will preach the individual freedom and the work on an subjectivity basis, and from these points of view, it will implement an intense experimentalism through a mix, producing the hybrids without any kind of constraint. The counter-culture is a event that is conveyed as a context that makes the proliferation of hybrids something dynamic. This way, through various kinds of experimentalisms, a new perception or consciousness gradually, starts becoming visible and begins to be delineated with the incorporation of the transgressed values that are started with the counter-culture occurrence. The autonomy processed and its consequent innovations begin translating dynamics, operations and practices to the society, and the New Age has been considered to be the most radical manifestation of such autonomy. This paper conveys the questions that involved the counter-culture in the world, and in Brasil, in accordance with the reflections made by Latour on the circulating reference, focusing on the transport autonomy question, as well as its role in the configuration of the society. The autonomy gotten through what is created is going to start a series of connections, which turn out to produce social links that are elaborated from mixes or hybrids. As a result, our society is full of hybrids, and there is no separation between nature and culture, as the modern affirm. It seems that such domains, more than ever, are connected, and the New Age seems to be a sophisticated sign of such occurrence. Key-words: counter-culture, hybridism, social configuration, New Age 8

20 SUMÁRIO Introdução...11 Capítulo 1: Sobre os horizontes da Nova Era Experiência e construção de novos vínculos Cenário e interpretações Nova Era e contracultura...38 Capítulo 2: Dos Estados Unidos para o mundo: sexo, drogas e rock? A revolução que estava no ar Ser hippie é subverter o significado das coisas Outros ismos : encontros, desencontros, conciliações e salamaleques Rock e religião...87 Capítulo 3: O espírito libertário que iluminava mentes e corações Outros românticos A produção artística: construção e quebra de fe(i)tiches A esquerda sob a perspectiva do CPCs, Une e reavaliações O Opinião e as artes plásticas Capítulo 4: A confluência tropical: ver com olhos livres Os pioneiros: antropofagia da década de

21 4.2. A antropofagia dos anos de 1960: tropicalismo A profanação do terreno sagrado da Musica Popular Brasileira É proibido proibir: tudo está solto no exercício da liberdade Tropicalismo: explosão do espírito de vanguarda Capítulo 5: A tropicalidade de uma contra-cultura Eu organizo o movimento : densidade poética, o arcaico e o moderno: Subversão &subversões: esquerdas, tropicalismo e exílio Encontros que conduzem ao Kaos Capítulo 6: Cultura alternativa e a busca pela ampliação da consciência Os marginais: a vanguarda existencial Underground ou desbunde : a cor nos anos de chumbo Geração Bendita: É isso aí, bicho O estilo underground e a ampliação da consciência Conclusão Referênicas bibliografias

22 INTRODUÇÃO Pretendo neste trabalho visitar as raízes contraculturais da Nova Era, buscando perceber os encadeamentos ou as conexões que passam a ser processadas a partir desse evento. A abordagem laturiana de conceituação do híbrido confere dignidade ontológica a uma infinitude de seres num mundo onde somente ontologia puras como, natureza/cultura e sujeito/ objeto me levou a interpretar a contracultura como um momento significativo de confecção de fe(i)tiches. 1 Esse evento vai possibilitar que novas visões sejam empreendidas. Entre tantas outras que se desdobraram a partir da contracultura temse a nova consciência religiosa ou Nova Era, que se expressa como um campo de intensa experimentação, onde o híbrido ou trabalho desvelado de construção é que fornece sentido e cria vínculos nesse amplo universo que cruza espiritualidade, terapia e consumo. A espiritualidade do tipo Nova Era realiza e se expande quando o universo alternativo se fragmenta em múltiplas e versáteis associações. A versatilidade apresentada pela Nova era faz com que ela promova hibridizações constantes. Assim, as vivências ou experimentações do tipo Nova Era apontam para a perspectiva de que o religioso nesse universo de errância espiritual (AMARAL, 2000) não se configura como um domínio à parte, mas se realiza enquanto experiência híbrida. Assim, as análises vão buscar no contexto da contracultura a questão do hibridismo na conformação da subjetividade e seus vínculos, conexões e afinidades com a Nova Era, fenômeno que radicaliza a questão da experiência híbrida. Minha intenção é compreender o significado mais profundo das agitações que ocorreram na contracultura em seu estágio de maior ebulição, identificando no fenômeno contracultural a produção de uma autonomia que abre caminho para o surgimento de novos regimes de enunciação que vão produzir mudanças e criar vínculos. Associado a estas questões ou como prolongamento desses 1 Uma articulação entre fatos e fetiches, rompendo com a dicotomia moderna em torno da eficácia dos processos de ação, que distinguem o que é crença daquilo que é real. Ver Latour,

23 encadeamentos, indicarei que a intensa elaboração experimental da Nova Era reflete uma tendência mais ampla, indicada por Latour, que é a proliferação dos híbridos. A contracultura vai inspirar parte da juventude da época a vivenciar e a experimentar outros padrões de comportamento. Toda mudança, porém, antes da sua estabilização ou assimilação, provoca controvérsias. Assim sendo, apresentarei situações que ilustram essas controvérsias, que, assimiladas, perdem seu caráter de novidade e estranhamento. Nesse sentido, a contracultura, bem como a Nova Era, em função das experimentações empreendidas, nos ilustra com sofisticação a dinâmica de construção do social pelos processos híbridos. Com a intenção de realizar uma leitura dos processos que envolvem a contracultura e a Nova Era a partir da dignidade que a concepção de Latour concede aos híbridos, no primeiro capítulo, Sobre os Horizontes da Nova Era, irei apresentar as idéias centrais deste autor, aproveitando o momento para articular a questão do hibridismo no âmbito da história da Nova Era e da contracultura. Constará também no capítulo as análises de autores que investigam o tema, considerando os caminhos e reflexões que cada um aponta em relação à Nova Era. Com base nos autores analisados enfatizarei o vínculo histórico entre contracultura e Nova Era e as questões que podem ser levantadas a partir desse pressuposto. Na esteira da efervescência política e social dos anos de 1960 ocorre a entronização ideológica do que pode ser chamado de um individualismo libertário. A sexualidade é eleita como o motor desse individualismo libertário. Pensadores como Herbert Marcuse (1967; 1968) e Wilhelm Reich (1975), abrem com suas teses novas perspectivas no sentido de indicar que a sociedade burguesa reprime a sexualidade. Para Reich e Marcuse todos os flagelos da civilização ocidental estariam vinculados à repressão sexual. O que qualifica essa modalidade de individualismo, segundo Salem (1991), é a disposição de que o único regime a ser imposto ao indivíduo é o da liberação. O preceito da igualdade como regente das relações sociais afirma-se, assim, como condição sine qua non da liberação, pois assegura a destotalização do indivíduo com respeito a qualquer instância pretensamente englobante e/ ou normatizadora (SALEM, 1991, p. 67). Um dos movimentos de contestação que surgem a partir desse individualismo foi a contracultura, que inaugurou o imaginário hippie, a opção por uma vida despojada, e contribui para que a juventude norte-americana começasse a vivenciar a perspectiva real 12

24 da Era de Aquário. Há um desejo dos jovens de transformarem o mundo pacificamente propondo uma sociedade alternativa, o amor livre, o fim da neurose, rock`n roll e as drogas como forma de ampliação da consciência. Dos Estados Unidos para o mundo a contracultura vai produzindo novas conexões. Essas questões serão levantadas no capítulo dois, Dos Estados Unidos para o Mundo: sexo, droga e rock?, onde também serão apresentadas algumas situações que indicam a questão da proliferação dos híbridos e as conexões decorrentes disso. Tal ocorrência pode ser exemplificada na cultura pop que na época era vista como uma manifestação da cultura paz e amor ; na subversão realizada em todos os níveis pelos hippies e nas polêmicas que envolveram o rock nos seus contatos com a religião. No terceiro capítulo, O Espírito Libertário que Iluminava Mentes e Corações, será trabalhado o vínculo ou conexão entre arte e política, característica marcante nessa época e que tinha o firme propósito de promover a revolução socialista através da conscientização do povo. Esta visão, compartilhada por intelectuais, artistas e jovens engajados, foi denominada por Ridenti (2000) como Romantismo Revolucionário. Com isso a produção artística baseada no eixo nacional- popular era uma ideologia que marcava a estética no Brasil e rejeitava qualquer intervenção externa ou assimilação de idéias vanguardista. Para marcar os embates provocados pelas manifestações de vanguarda, será recuperado o envolvimento dos artistas ideologicamente envolvidos com o Romantismo Revolucionário (RIDENTI, 2000) através de suas atuações nos CPCs e no Grupo Opinião. O vinculo arte e esquerda com o eixo nacional- popular vai levar os segmentos sintonizados com essa perspectiva a rejeitarem as propostas da contracultura, ou qualquer proposta de vanguarda. No contexto do final dos anos 60 do século passado, o estilo underground tornou-se uma alternativa sedutora para muitos indivíduos e vai se expandir pelo mundo influenciando a produção cultural em vários níveis. No Brasil, esse movimento apresentou novas linguagens e rompeu com a perspectiva de arte engajada que alienava a subjetividade e colocava a questão estética numa camisa de força. Isso vai provocar a reação de segmentos da esquerda engajada que considerava a contracultura alienada e algo do imperialismo norte-americano. Os jovens que se identificavam com as propostas da contracultura eram duramente criticados e taxados de alienados. Esse desencontro de perspectiva vai produzir embates históricos que serão analisados no decorrer do quarto 13

25 capítulo. Alheios às críticas, muitos artistas seguem com suas experimentações. A manifestação que provocou mais controvérsias nesse período foi o Tropicalismo, que se colocou como vanguarda e pode ser lido como uma das faces da contracultura no Brasil; além de identificações desse movimento com a esquerda armada há também uma inspiração nos princípios associados à Nova Era. Essas são as questões de fundo que serão trabalhadas no quarto e quinto capítulos, A Confluência Tropical: ver com olhos livres e A Tropicalidade de uma Contra-Cultura, respectivamente. No sexto capítulo, A Cultura Alternativa e a Busca pela Ampliação da Consciência, serão analisados alguns exemplos de experiências contraculturais no Brasil e sua relação com o Regime Militar. Esses anos foram anos de muita repressão, ou melhor, eram anos de chumbo. Mesmo assim, a contracultura floresceu e significou um canal aberto às várias experimentações e formulações de novas linguagens. Dentro desse quadro de novas conexões surgem os poetas marginais, como Jorge Mautner, Waly Salomão, Torquato Neto, entre outros. Também será descrita a formação de um território livre, onde aparentemente tudo era permitido em termos comportamentais, num contexto de intensa repressão. Este local foi o Píer de Ipanema, na zona Sul do Rio de Janeiro e que se tornou um local de concentração de adeptos da contracultura numa praia que se torna a praia oficial do desbunde. Outro exemplo interessante da manifestação e registro da contracultura no Brasil encontra-se num filme realizado por uma comunidade hippie que deseja divulgar sua visão de mundo e uma coluna num jornal alternativo, o Pasquim, onde são divulgados princípios da contracultura em direção à busca da ampliação da consciência. Neste trabalho há um esforço no sentido de demonstrar os vínculos entre contracultura e Nova Era a partir da perspectiva de que estes movimentos estão ligados ao fenômeno de proliferação dos híbridos. Para a concretização do trabalho, realizamos uma pesquisa em jornais e revistas tendo como recorte cronológico o ano de 1967 a Esse período representou o estágio de maior ebulição da nossa contracultura. Os veículos impressos utilizados foram revistas e jornais. As revistas pesquisadas são: Manchete, Cruzeiro, Fatos & Fotos, Realidade, todas com edição da época. A revista Show Bizz foi utilizada como uma fonte especializada em cultura pop. O exemplar da Bizz consultado é uma edição especial de comemoração do rock, enfocando a história desse estilo musical e tudo que estava associado a ele. Aspectos 14

26 vinculados à contracultura são comentados, inclusive com entrevistas. Uma outra revista utilizada foi a Revista Civilização Brasileira. Uma publicação criada por Ênio Silveira e que reunia intelectuais de esquerda que comentavam produções no campo da cultura. São nomes associados a essa revista: Moacyr Felix, Dias Gomes, Cavalcanti Proença, Vieira Pinto, Nelson Weneck Sodré, Leandro Konder e Carlos Nelson Coutinho. As revistas Bondinho e Flor do Mal são consideradas publicações alternativas e foram encontradas na Associação Brasileira de Imprensa, na Biblioteca Nacional. Segundo a atendente da ABI, esta associação conseguiu resguardar alguma coisa que era considerado subversivo pelo Regime Militar. Talvez isso explique a ausência dessas publicações na Biblioteca Nacional. Os jornais pesquisados foram Jornal do Brasil, Última Hora, Folha de São Paulo e o Pasquim. As fontes foram consultadas na Biblioteca Nacional, na Associação Brasileira de Imprensa. Na Biblioteca Nacional a pesquisa foi realizada através de microfilmes; na Associação Brasileira de Impressa a pesquisa foi feita através do manuseio dos exemplares. Algumas citações dessas fontes podem não ter o número da página discriminado em função da qualidade do microfilme. O material de pesquisa vai indicar como aspectos da contracultura brasileira eram abordados por esses veículos; identificar críticas, incentivos e divulgação da produção da cultura alternativa; perceber se há notificação de práticas religiosas alternativas e também nos proporciona avaliar em termos gerais a repercussão da contracultura ou as manifestações a ela associadas no Brasil e sua relação com o regime militar, a questão da censura e a produção da imagem do Brasil. O Pasquim foi um veiculo representativo da imprensa alternativa, divulgando e criando várias tendências. O Pasquim iniciou suas publicações em 1969 com tiragem semanal e se tornou um sucesso de vendas no período da Ditadura. Nesse jornal, a análise se concentra particularmente na coluna Underground, escrita por Luiz Carlos Maciel. Este jornalista mantinha um contato com o que estava sendo produzido nos Estados Unidos, as pessoas que liam o jornal buscavam um contato com ele, muitas delas lhe enviavam material. Esse jornalista é considerado o introdutor no país de muitas novidades trazidas pela contracultura a nível global. É considerado o Guru da contracultura, o que faz com que ele seja citado no várias vezes no decorrer do trabalho A coluna fornece um amplo quadro da contracultura. 15

27 Grosso modo, as fontes passaram por uma análise criteriosa, focalizando o teor dos conteúdos. A análise não pretende demarcar o perfil editorial das publicações e a que grupo de interesses elas estavam associadas. É o teor dos conteúdos que me interessa. São nesses conteúdos que buscarei identificar a produção de motes ligados à busca da autonomia e/ ou do estabelecimento da liberdade individual que vão permitir novas posturas religiosas.também não houve uma preocupação em quantificar esta triagem; optei por uma abordagem qualitativa. Foram utilizados sites como fontes de informações, de conteúdo sobre o tema e como uma possibilidade de acesso a outros documentos. Também foram utilizados encartes que acompanham as mídias, como DVD, CD e LPs. Os encartes foram utilizados por conterem as músicas desses artistas e por apresentarem comentários que trazem a tona sutilezas que só um crítico de música pode perceber e entender. Esse tipo de fonte nem sempre é datado e nem apresenta números de página. Quando utilizo este tipo de fonte explico na nota de pé de página essa ocorrência. Um filme produzido por uma comunidade hippie, produzido em 1970, foi analisado. Ele é um longa-metragem e pretendia através de um roteiro (fictício) retratar a experiência da comunidade. O filme foi analisado na cinemateca do Museu de Arte Moderna. O filme é conhecido por dois nomes, Geração Bendita e/ ou É isso aí, bicho. É considerado o primeiro filme hippie. De forma que ele tornou-se um registro de uma época. Busquei utilizar livros de memórias para tentar resgatar as vivências naquela época, assim como muitas das referências bibliográficas utilizadas foram produzidas num contexto próximo aos acontecimentos. Os livros de memórias dos indivíduos que vivenciaram aquele momento acabam reafirmando aquilo que as fontes advindas do material jornalístico já apontavam. Para auxiliar essa parte mais empírica, foram acrescentadas obras básicas sobre os temas levantados e que vão fornecer o arcabouço para a construção teórica do trabalho. Com base nos estudos específicos de alguns sociólogos, antropólogos e historiadores, busca-se a interpretação social e cultural que possibilite uma análise dos primeiros momentos que vão inspirar o que hoje conhecemos como movimento Nova Era e sua relação com a proliferação dos híbridos. 16

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2015 Professores: Gabriel e Marcelo Nota: (valor: 1,0) 3º bimestre de 2015 A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação)

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Resenha Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Renata Escarião PARENTE 1 Parte do resultado da tese de doutoramento

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag Autor: Rabbi Yehuda Ashlag A Kabbalah ensina a correlação entre causa e efeito de nossas fontes espirituais. Estas fontes se interligam de acordo com regras perenes e absolutas objetivando gols maiores

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA A Antropologia é o estudo do homem e seu mundo. Como ciência da humanidade, ela se preocupa em conhecer cientificamente o ser humano em sua totalidade. (MARCONI, Marina

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line do livro: PAIVA, Angela Randolfho. Católico, Protestante, Cidadão: uma comparação entre Brasil e Estados Unidos. Belo Horizonte: UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2003. 286 p. por Cézar Alencar Arnaud de Toledo

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO Roberta Ortiz Furian Palavra-chave: ecologia, ambiente, desenvolvimento Este trabalho tem como objetivo destacar a teoria Ecologia do Desenvolvimento

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA

AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA Universidade Federal de Ouro Preto Professor: Daniel Abud Seabra Matos AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA Capítulo 08-Delineando Relatórios de Avaliação Jussara Hoffmann

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Hiperconexão. Micro-Revoluções. Não-dualismo

Hiperconexão. Micro-Revoluções. Não-dualismo ESTUDO SONHO BRASILEIRO APRESENTA 3 DRIVERS DE COMO JOVENS ESTÃO PENSANDO E AGINDO DE FORMA DIFERENTE E EMERGENTE: A HIPERCONEXÃO, O NÃO-DUALISMO E AS MICRO-REVOLUÇÕES. -- Hiperconexão 85% dos jovens brasileiros

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA Andrew Stanley Raposo 1, Tayse Raquel dos Santos 2, Katemari Rosa 3 Unidade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica Teleaula 2 Prof. Me. Marcos Ruiz da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Contextualização A combinação de

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

ARTE E PLURALIDADE: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA BRASILEIRA SOBRE A CONTRACULTURA Leon Frederico Kaminski 1

ARTE E PLURALIDADE: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA BRASILEIRA SOBRE A CONTRACULTURA Leon Frederico Kaminski 1 Sérgio Ricardo da Mata, Helena Miranda Mollo & Flávia Florentino Varella (org.). Caderno de resumos & Anais do 2º. Seminário Nacional de História da Historiografia. A dinâmica do historicismo: tradições

Leia mais

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN Tristes Olhos 1 Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO O presente trabalho trata-se de um registro fotográfico realizado

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Midialivristas, uni-vos!

Midialivristas, uni-vos! LUGAR COMUM Nº25-26, pp. 137-141 Midialivristas, uni-vos! Adriano Belisário Gustavo Barreto Leandro Uchoas Oona Castro Ivana Bentes A comunicação é um campo de batalhas. Nela, o status quo se faz consenso.

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO DE ÉMILE DURKHEIM Prof. Railton Souza OBJETO Na obra As Regras do Método Sociológico, publicada em 1895 Émile Durkheim estabelece um objeto de investigação para a sociologia

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE FEAC

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE FEAC UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE FEAC BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PERFIL DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE BACHARELADO

Leia mais