Introdução. Carlos Alexandre Lourenço Taborda 1 (UFPR) Patrícia Zeni Marchiori 2 (UFPR)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução. Carlos Alexandre Lourenço Taborda 1 (UFPR) Patrícia Zeni Marchiori 2 (UFPR)"

Transcrição

1 Qualidade de fontes de informação em ambientes de rede em geral e ferramentas da Internet: recursos de comunicação, interação e auto-aprendizagem na plataforma de gestão editorial Open Journal System (OJS) Carlos Alexandre Lourenço Taborda 1 (UFPR) Patrícia Zeni Marchiori 2 (UFPR) Resumo: Aborda o estudo de dimensões relativas à qualidade de fontes de informação em ambientes de rede em geral e ferramentas da Internet colaborativa em particular, como recursos de comunicação, interação e auto-aprendizagem na plataforma de gestão editorial Open Journal System (OJS)/Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER) instalada em servidor institucional. Apresenta os processos relativos ao desenvolvimento deste ambiente computacional. Baseado na literatura e na prática de benchmarking enumera e justifica a escolha dos indicadores e mecanismos para a coleta de comportamentos de navegação via ferramentas de análise de tráfego. O projeto está no estágio de validação do instrumento de coleta de dados (pré-teste). Palavras-chave: qualidade de fontes de informação. Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas. métricas de comportamento de navegação. Abstract: Presents a dimensions study relating to information sources quality in a networked environment as a potential communicational, interactive and self-learning resource. Describes the procedures related to the implementation of an editorial management platform (Open Journal System (OJS)) in a web institutional server. The indicators and tools for collecting the navigation metrics were chosen through a literature survey as well as a benchmarking activity. The project is at the stage of validation of the data collection (pretest assessment). Palavras-chave: information sources quality. Open Journal System. user behavior. navigation metrics. Introdução A aplicação de estratégias pedagógicas adequadas às diferentes tecnologias empregadas para a mediação no processo ensino/aprendizagem inclui a discussão Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 1 -

2 de critérios de qualidades de fontes de informação. Assim, investigar as condições de motivação, a atribuição de critérios de qualidade e o impacto do uso da tecnologia em uma comunidade científica, quando da construção coletiva de um repositório especializado de fontes de informação, é um objetivo a ser atingido no escopo do Projeto de Pesquisa A Internet colaborativa e a qualidade de fontes de informação na web: uma proposta metodológica 1. O trabalho de campo do referido Projeto propõe a aplicação de um instrumento de coleta de dados à uma comunidade científica específica 2 objetivando verificar a percepção de seus elementos em relação às fontes de informação e ao ambiente informacional ao qual estão inseridos. Em resultados anteriores do Grupo de Pesquisa, Marchiori e Appel (2008) apresentaram os critérios de qualidade para fontes de informação na forma de um diagrama construído com base em um recorte na literatura pertinente que, ainda que não exaustivo, pretende representar a avaliação de qualidade sob o ponto de vista do especialista-pesquisador. Enquanto ambiente para a aplicação da pesquisa, explorou-se a ferramenta Open Journal System (OJS)/Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER), mais especificamente a funcionalidade Research Support Tool (RST) 3 /Ferramentas de Leitura. Na primeira fase do Projeto definiu-se uma estrutura de tradução de termos e inserção de fontes para o link context /contexto. Nesta segunda fase do Projeto inseriram-se os textos traduzidos assim como as fontes de informação préselecionadas na RST/Context de uma revista teste. A interligação da RST/Context da revista teste com a Plataforma LimeSurvey (onde se hospeda o instrumento de coleta de dados) oportunizou a definição e construção de alguns indicadores voltados para se verificar o comportamento dos respondentes com base nos seus movimentos de navegação em ambas as plataformas. Tais fluxos e processos podem ser coletados por ferramentas 1 derivado do Grupo de Pesquisa Metodologias para Gestão da Informação do Departamento de Ciência e Gestão da Informação/UFPR. 2 especialistas-pesquisadores usuários do Portal de Revistas de Acesso Aberto em Ciência da Comunicação. 3 direciona o usuário para fontes de informação adicionais relativas às áreas temáticas do periódico. Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 2 -

3 de análise e métricas que permitirão o monitoramento do respondente desde sua aceitação do convite até sua saída definitiva de alguma das plataformas (OJS ou LimeSurvey). Para se garantir um consistente entendimento das etapas e movimentos envolvidos estabeleceu-se um fluxo de processos, assim como modelou-se um diagrama do processo de coleta e análise das métricas de comportamento para facilitar a compreensão das relações entre as ferramentas de interface juntamente com as ferramentas voltadas para a identificação do comportamento do respondente e que alimentarão os bancos de dados. Os padrões de comportamento e métricas pertinentes serão extraídas de tais bancos de dados via técnicas de mineração de forma a verificar: (a) a intensidade de acessos as fontes de informação; (b) o comportamento relativo à navegação; (c) as relações entre as dimensões de qualidade, e; (d) as relações entre fontes de informação e as dimensões inseridas no instrumento de coleta de dados (cores e sentimentos). Espera-se que estudos posteriores agreguem estudos alinhados ao paradigma social da área da Ciência da Informação, voltados para comunidades de aprendizagem e intencionalidades dos indivíduos em redes sociais, os quais são também de interesse para a área de Educação. Literatura pertinente um aporte teórico No desenvolvimento das atividades de ensino, dominar habilidades de localização e utilização de fontes de informação torna-se um diferencial de qualidade. O uso de várias fontes em pesquisa permite conseguir informações importantes na formulação de idéias e no desenvolvimento de autonomia na obtenção do conhecimento. (FAQUETI, VANINN, BLATTMANN apud BUENO, 2009). Desta maneira, o processo de busca da informação é a ferramenta chave que expressa às necessidades informacionais do usuário. Reis (2005, p. 17) ressalta que a busca, o acesso e o uso de fontes de informação facilitam a solução de problemas informacionais e colaboram na geração e inovação do conhecimento. O Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 3 -

4 fato de que, segundo Bohn e Brighenti (1998) o modelo contemporâneo de ensino não está envolvido apenas na descrição de como aprender, mas sim em todo o conjunto de ações relacionados ao processo de aprendizado implica, direta e indiretamente, em uma ação de busca de informações de qualidade, cuja autonomia na busca, localização e avaliação de fontes/materiais está intrinsecamente ligada à auto-aprendizagem. Com o advento da Internet, os recursos de comunicação e interação proporcionaram um aumento significativo de informações disponíveis na rede e, consequentemente, estas são acessadas de forma dinâmica e imediata. Além disso, as chamadas redes sociais se firmaram como ferramentas efetivas de colaboração. Pierre Lévy, ao escrever L intelligence collective (LÉVY, 2007), indicava a necessidade de encorajar instrumentos que favorecessem o desenvolvimento do laço social pelo aprendizado e pela troca de saber, possibilitando a integração, restituição à diversidade e sistemas que permitissem explorar e valorizar mais densamente o conhecimento acumulado pela humanidade. Analisando o pensamento do autor, constata-se que, de certa forma, as correlações feitas foram incorporadas para a Internet e as ferramentas de colaboração disponíveis tornaram-se mais intuitivas e fáceis de utilizar, proporcionando o que Lévy denomina de Inteligência Coletiva (LÉVY apud TOMAEL, 2008). Para o melhor gerenciamento dessa inteligência coletiva, diversas ferramentas têm sido desenvolvidas no ambiente web para que o homem possa compartilhar seu conhecimento e, consequentemente, comunicar-se em rede e aprender cada vez mais com a sabedoria das multidões (TAPSCOTT; WILLIANS, 2007). Este artigo aborda, em específico, a utilização de plataformas de gestão editorial criadas para auxiliar acadêmicos e pesquisadores na divulgação dos resultados de suas experiências/pesquisas e facilitar a recuperação destas informações pela comunidade de pares e demais interessados. Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 4 -

5 Quase que simultaneamente à popularização da Internet e seus serviços web, o Movimento de acesso aberto 4 proveniente da Budapest Open Access Initiative, estimulou ainda mais as pesquisas em softwares de gerenciamento de informações e de publicação de revistas eletrônicas. Alinhados a esta iniciativa surgiram projetos como o Public Knowledge Project (PKP) da University of British Columbia, dedicados em melhorar a qualidade acadêmica e pública das pesquisas. Estas pesquisas e o desenvolvimento de softwares pelos colaboradores do PKP apontam para a necessidade de investigar a contribuição destas novas tecnologias potenciais para conhecimento público/compartilhado, especialmente as organizações acadêmicas (CHAN et al. 2002) Um dos softwares desenvolvidos pela PKP é o Open Journal System (OJS), um sistema de gerenciamento e publicação de revistas eletrônicas. OJS é um software de código aberto livremente disponível para instituições em todo o mundo com o propósito de tornar o público o conhecimento produzido por pesquisadores. O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) traduziu o OJS que, em sua versão brasileira, intitula-se Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas (SEER). Por utilizar um sistema aberto, ser alinhado aos Movimentos dos Arquivos Abertos e do Acesso Público e apoiar-se no protocolo OAI/PMH, os periódicos que utilizam a ferramenta podem ser alvo de harvesting de servidores nacionais e internacionais. (LUZ, 2005) Como o já comentado anteriormente, as atividades desenvolvidas no Projeto de Pesquisa, na sua primeira fase, incluíram o estudo do funcionamento do ambiente OJS/SEER a fim de inserir na funcionalidade Research Support Tool (RST) as fontes de informação propostas pelo projeto Fontes de informação como valor agregado ao Sistema Eletrônico de Revistas (SER) da UFPR (MARCHIORI; APPEL, 2008). Com a alimentação das fontes na RST da revista teste, exploram-se 4 Por "acesso aberto" à literatura, deve-se entender a disposição livre e pública na Internet, de forma a permitir a qualquer usuário a leitura, download, cópia, impressão, distribuição, busca ou o link com o conteúdo completo de artigos, bem como a indexação ou o uso para qualquer outro propósito legal. No entendimento das organizações que apóiam o acesso aberto, não deve haver barreiras financeiras, legais e técnicas outras que não aquelas necessárias para a conexão à Internet. O único constrangimento para a reprodução e distribuição deve ser o controle do autor sobre a integridade de seu trabalho e o direito à devida citação (Chan et al. 2002). Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 5 -

6 ferramentas de interface para o OJS/SEER e LimeSurvey, seguida da definição de métricas e escolha de ferramentas de análise. A estruturação dos processos metodológicos Ferramenta de interface OJS e LimeSurvey Em um primeiro instante, evidenciou-se a necessidade de se instalar o software OJS/SEER em um servidor web institucional que possibilitasse o desenvolvimento das atividades. As recomendações, que estão disponíveis no site da PKP, no que se refere às características de configuração do servidor, são: suporte a: PHP versão 4.2.x ou superior; MySQL versão ou superior; PostgreSQL versão 7.1 ou superior; Apache versão ou superior ou; Apache 2 versão ou superior; ou Microsoft IIS 6. Os sistemas operacionais do servidor podem ser Linux, BSD, Solaris, Mac OS X ou Windows. Atendendo aos requisitos sistêmicos, o Departamento de Ciência e Gestão da Informação disponibilizou um espaço no seu servidor para o projeto, seguindo-se as exigências estabelecidas pelos manuais técnicos e de usuário disponibilizados no site do PKP (www.pkp.sfu.ca). Depois de realizada a instalação, iniciou-se o processo de inserção das fontes de informação e inserção da tradução dos tópicos da área context/contextos da funcionalidade RST. O método aplicado para a substituição dos termos em inglês para o português consistiu na utilização do PHPMYADMIN instalado no servidor que permite o acesso à administração dos bancos de dados e a execução de comandos em linguagem SQL para que se atualize a informação já existente. Aplicou-se o algoritmo atualizar no campo rt_contexts, inserindo como título uma variável B; o campo abbrev, inserindo a abreviação da variável B e o campo description a descrição da variável B, quando os campos rt_contexts e abbrev forem iguais a Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 6 -

7 variável A. Neste caso, a variável A é o contexto em sua forma original (palavra em inglês) e a variável B corresponde a sua respectiva tradução. Este algoritmo foi aplicado para atualizar todos os contextos estabelecidos conforme apresentado no quadro Quadro 1. Realizada a atualização/tradução dos contextos, inseriram-se as fontes previamente selecionadas, utilizando-se os mesmo procedimentos lógicos descritos anteriormente, alterando apenas os campos a serem alterados. Paralelamente a este processo, continuou-se a estruturação das strings de pesquisas utilizadas pela ferramenta OJS para a comunicação com portais de pesquisa como Google Scholar, Portais institucionais, entre outros. A cada atualização de determinada fonte de informação, a ela se relacionaram strings, como por exemplo: 8&hl=eng&as_sauthors={$formKeywords}. Quadro1 Relação de contextos da RST Fonte: MARCHIORI, APPEL, Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 7 -

8 Em seguida, criou-se um periódico teste para que as alterações feitas pelos procedimentos acima citados ficassem visíveis para os pesquisadores respondentes. Novamente, seguiram-se as orientações do manual do usuário disponibilizado pelo PKP. Cumprida esta etapa, tratou-se da personalização do design da OJS. Foram utilizadas ferramentas de edição de imagem e software da área de design, tais como o Rapid CSS - versão 10.1 (ferramenta de editoração de arquivos CSS); o Adobe Dreamweaver - versão CS5 (software proprietário utilizado por profissionais de design). Procederam-se alterações no arquivo template da RST (Figura1), mais especificamente, o arquivo rt.tpl (ojs \templates\rt\rt.tpl). Figura1- Research Support Tool do OJS/SEER RST Fonte: o autor As alterações na programação do arquivo da template referem-se à ocultação de algumas opções disponíveis na RST e não pertinentes ao projeto de pesquisa (Figura 2). Pretendeu-se, a partir desta personalização, que o pesquisador participante na pesquisa ao acessar o link enviado para o seu , seja Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 8 -

9 encaminhado diretamente para a visualização da RST sem qualquer outra distração no processo. Figura2- Personalização, na revista teste, da Research Support Tool do OJS/SEER (protótipo) RST Personalizada Fonte: o autor Em relação à ferramenta LimeSurvey 5, voltada para a geração de questionários aplicáveis em meio eletrônico. Esta aplicação, quando instalada em servidor próprio, suporta um número ilimitado de questionários, de participantes, diferentes idiomas. Além disso, possibilita uma gestão de utilizadores, tipos de questões customizadas, editor WYSIWYG, suporte para imagens e filmes, criação de uma versão em papel, questionários públicos e reservados, envio de convites e avisos por , além de apresentação básica dos resultados dos questionários em gráficos e tabelas, exportação para programas de análise estatística, entre outras 5 Disponível em Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 9 -

10 funcionalidades. Além disso, a aplicação é suportada por servidor Web (Apache) adaptando-se a ambientes LAMP. O fato de ter sido instalado e hospedado em servidor do Departamento de Ciência e Gestão da Informação proporciona uma rapidez na correção de possíveis problemas, tendo em vista que tal execução será de responsabilidade do grupo de pesquisa e não dependendo de terceiros alheios ao projeto. Uma característica interessante da ferramenta é a adequação do sistema as necessidades dos pesquisadores, o que foi efetivado pelo Grupo de Pesquisa para personalizar e adaptar os estilos necessários à cada questão planejada do questionário. A interoperabilidade entre OJS e LimeSurvey foi construída via a inserção dos links criados seguindo-se uma sintaxe própria da ferramenta de pesquisa. A estrutura lógica para elaboração dos links, foi: códigoinicialpadrão & códigodocontexto & códigodafonte. Tal estrutura proporcionou que cada fonte de informação, em seu respectivo contexto, seja unívoca no armazenamento no banco de dados. Por esse motivo, o LimeSurvey passou a ser, para fins da Pesquisa, uma ferramenta de análise dos comportamentos (back-end), além de sua função de interface. Métricas e Ferramentas de Análise Ao se solicitar a avaliação das fontes de informação pela comunidade acadêmica, tornou-se necessário definir métricas que revelem padrões em potencial e uma posterior análise qualitativa. No caso específico desta pesquisa, tais métricas podem ser identificadas com o auxílio de ferramentas que coletem informações do acesso dos pesquisadores respondentes às páginas web do OJS e do LimeSurvey. O Google Analytics é um software gratuito para gerar estatísticas de tráfego na Internet disponibilizado pelo grupo Google. Esta ferramenta foi criada em princípio para auxiliar webmasters a aperfeiçoarem seus sites para campanhas Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

11 de marketing. O sistema foi estruturado com o módulo de estatísticas Urchin, da Urchin Software Corporation, adquirida pelo Google em abril de 2005, e ainda hoje, o sistema original para instalação em computadores é vendido pelo Google como um novo pacote. (FERREIRA, CUNHA, 2008). A ferramenta é capaz de identificar, além da tradicional taxa de exibição e hit (maior exibição) de uma página, outros indicadores a saber: a localização geográfica do visitante; a procedência física (links remissivos em outros sites, ferramentas de busca ou diretamente pelo endereço); o sistema operacional utilizado; o navegador; a combinação do sistema operacional e navegador, bem como suas versões; a resolução de tela e a visitação em períodos diários, semanais, mensais e anuais. É possível, ainda, identificar o computador da ação, ou seja, de onde foi gerada a solicitação e os termos de busca utilizados pelos usuários nas ferramentas de busca que o levaram até o destino final. (FERREIRA, CUNHA, 2008). Outra ferramenta de análise, ou como denominado por profissionais da área, Web Analytics, é o PHPMyVisites. Caracteriza-se como um software de código aberto que fornece informações sobre volume de visitas em uma página da Internet e estatísticas do site. Tem como objetivo manter um monitoramento de páginas na Internet ajudando a identificar o perfil de acesso. O programa oferece opções de análise, tais como: visitas; páginas acessadas; tempo total da sessão; primeira e última página acessada; rastreador de visitas; país de origem do visitante; configurações de hardware; palavras chave e mecanismos de busca; análise de navegador; entre outras. Uma das características importantes do PHPMyVisites é a interoperabilidade existente entre essa ferramenta e o OJS. Esta comunicação é possível quando ativado um plugin no OJS. Outra possibilidade para a geração de métricas é a utilização de heatmaps para verificar os índices de cliques em áreas específicas de uma página web. Segundo Choros e Muskala (2009), é possível perceber qual área de um webpage é mais clicada, convertendo esses cliques em cores com base em uma escala de calor (daí o termo heat maps/mapas de calor). A ferramenta ClickHeatMaps é um Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

12 software que permite a visualização de um heatmap de cliques em uma página web, mostrando zonas quentes e frias. É um software OpenSource, lançado sob a licença GPL e distribuído gratuitamente. Ao se finalizar o questionário, as interfaces foram preparadas para a coleta dos movimentos de navegação dos respondentes/usuários, que envolvem: (a) tempo de permanência na fonte; (b) sequência/fluxo de cliques nas interfaces; (c) cliques únicos ou múltiplos nas fontes e/ou questões do questionário. Em cada tela de interação que o usuário navegar, as ferramentas de backend irão monitorar suas ações. Desde o momento do acesso ao link enviado para seu (redirecionando-o à interface OJS), até o momento em que ele deixar de interagir com o LimeSurvey, todos os dados coletados serão armazenados, gerando material para a aplicação de técnicas de mineração de dados. Fase atual do projeto Na elaboração do instrumento de coleta de dados (questionário online) foram inseridos na RST links que direcionarão o respondente para o software LimeSurvey correspondendo ao seguinte fluxo de processos (Quadro 2): Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

13 Quadro2 Fluxo de processos para aplicação de instrumento de coleta de dados Fonte: o autor O respondente/usuário receberá um link que o direcionará para a página do OJS. Nessa tela será possível a visualização do vídeo contendo as instruções e procedimentos para a participação na pesquisa e o usuário poderá navegar livremente pelos contextos e fontes de informação. O respondente/usuário poderá avaliar quantas fontes desejar e poderá sair do processo de avaliação a qualquer instante seja no ato de fechar a janela do seu navegador, ou acionando o link sair disponibilizado tanto na ferramenta OJS quanto no LimeSurvey. Assim que o respondente/usuário clicar no contexto, são apresentadas três opções: 1) navegar na fonte (para explorá-la); 2) avaliar a fonte (será Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

14 direcionado para o questionário), ou; 3) sair da tela do contexto (retornará à tela do OJS, podendo escolher outro contexto ou sair definitivamente da avaliação). Caso decida por avaliar a fonte, o respondente será direcionado para a página desenvolvida no LimeSurvey correspondente a esta determinada fonte. Em todo o momento de interação do usuário com o OJS, as ferramentas de back-end ClickHeat Maps, Google Analytics e PHPMYVisites coletarão todos os dados relacionados à: intensidade de acessos as fontes de informação; comportamento relativo à navegação, e; tempo de permanência/acesso. Ao interagir com o LimeSurvey, o usuário passará por 5 etapas: 1) apresentação do questionário e instruções para preenchimento; 2) atribuição de uma cor referente à fonte selecionada; 3) seleção de um sentimento relacionada à fonte escolhida; 4) atribuição de uma cor para cada uma das dimensões de qualidade e; 5) identificação do perfil do respondente. De forma transparente ao usuário, as ferramentas Google Analytics e o próprio LimeSurvey coletarão os dados pertinentes ao comportamento relativo à navegação; às relações entre as dimensões de qualidade, e; às relações entre fontes de informação, cores e sentimentos. Tendo esta percepção do processo em geral, modelou-se um diagrama do processo de coleta e análise das métricas de comportamento (Figura3). Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

15 Figura3- Modelagem do processo de coleta e análise das métricas de comportamento Fonte: o autor Tem-se como início do processo o respondente/usuário que terá uma interação direta com a ferramenta OJS, o qual se comunica com o LimeSurvey por intermédio dos links referentes às fontes de informação. Desta maneira, pode-se inferir que o usuário se relaciona também com o LimeSurvey. As ferramentas que coletarão os comportamentos dos usuários encontram em um nível abaixo ao das ferramentas de interface, uma vez que são softwares de back-end. Cada uma delas relaciona-se direta com as ferramentas de interface, conforme já indicado anteriormente. Cada ferramenta de coleta (back-end), por sua vez, armazenará os dados inventariados em seus respectivos bancos de dados. Com tais bancos será possível aplicar técnicas de mineração de dados a fim de se verificarem as métricas estipuladas. Cada banco de dados, ou a combinação de mais de um deles, proporcionará a exploração de uma ou mais métricas. Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

16 Considerações A utilização de ferramentas colaborativas de comunicação e interação, além do uso de redes sociais no ambiente educacional, promove uma reflexão por parte dos educadores sobre a importância das fontes de informação no contexto cognitivo do aprendizado. Para tal, estudar como o usuário se comporta em um ambiente de rede, mais especificamente, quais as dimensões relativas à qualidade de fontes de informação em ferramentas da Internet colaborativa, revela-se instigante. A construção de um ambiente customizado para o desenvolvimento do projeto exigiu um esforço de adaptação das plataformas para acomodar as arguições advindas da prática metodológica proposta. No que tange ao aspecto da Web Analytics, e sua relação com o conjunto de dados proporcionado em cada métrica proposta, espera-se ter um volume de material/dados passível da aplicação de técnicas de mineração de dados, extraindo-se padrões de comportamento dos usuários. Essas métricas têm a intenção de prover ao grupo de pesquisa a possibilidade de identificar se há incidência de padrões em relação à qualidade das fontes de informação no que diz respeito: 1) à representatividade visual da fonte (no caso da atribuição de uma cor para a fonte escolhida), e; 2) à representatividade da fonte para na estrutura psíquico-emocional do usuário (em se tratando da associação de um sentimento à fonte escolhida possa ser incluído nas considerações. Pretende-se que os resultados alcançados possam sustentar uma discussão acerca da representatividade não textual e do papel dos sentimentos na avaliação da qualidade de fontes de informação. Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

17 Referências Bibliográficas BOHN, Maria Del Carmen Rivera; BRIGHENTI, Neide Caciatori. Produção de material instrucional para o ensino de Fontes de Informação. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v.3, n.5, p. 1-15, Disponível em: <http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/11>. Acesso em: 10 out BUENO, Silvana Beatriz. Utilização de recursos informacionais na educação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p Apr Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 20 out CHAN, L. et al. Budapest Open Access Initiative Disponivel em: <http://www.soros.org/openaccess/read.shtml>. Acesso em: 26 set CHOROS, Kazimierz; MUSKALA, Monika. Block Map Technique for the Usability Evaluation of a Website. Lecture Notes in Computer Science. v. 5796, p Disponível em: <http://www.springerlink.com/content/n70461l7265w8608/fulltext.pdf>. Acesso em: 10 out. de 2010 FERREIRA, Sueli Mara; CUNHA, Alexandre Silva. Portal Revcom & Google Analytics: acessando a caixa-preta da informação. Em Questão, Porto Alegre, v. 14, n. 1, p , jan./jun Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/index.php/emquestao/article/view/2443/3525>. Acesso em: 02 out LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 5 ed. São Paulo: Loyola LUZ, Andre. Arquivística.net: Periódico Eletrônico em Ciência da Informação e a disseminação do conhecimento científico através da Web. Arquivistica.net, Brasília, v.1, n.1, p-65-75, Disponível em: <http://www.arquivistica.net/ojs/viewarticle.php?id=9>. Acesso em: MARCHIORI, Patricia Zeni ; APPEL, André Luiz. Fontes de informação como valor agregado ao sistema eletrônico de revistas da Universidade Federal do Paraná Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

18 (OJS/SER-UFPR). Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 4, p , set Disponível em: < Acesso em: 02 out MARCHIORI, Patricia Zeni et. alii. Aspectos estruturais e motivacionais e possíveis zoneamentos discursivos em software social acadêmico. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v.6, n.2, p , set Disponível em: < Acesso em: 27 set REIS, Margarida Maria de Oliveira. Acesso e uso do Portal de Periódicos CAPES pelos professores da Universidade Federal do Acre f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Florianópolis, Disponível em: <http://www.cin.ufsc.br/pgcin/margaridareis.pdf >. Acesso em: 13 Out TAPSCOTT, Don; WILLIANS, Anthony D. Wikinomics: como a colaboração em massa pode mudar seu negócio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira TOMAEL, Maria Ines. Fontes de informação na Internet. Londrina: EDUEL, Carlos Alexandre Lourenço Taborda, Graduando Universidade Federal do Paraná (UFPR) Departamento de Ciência e Gestão da Informação Grupo de Pesquisa Metodologias para Gestão da Informação (GPMGI) 2 Patrícia Zeni Marchiori, Profa. Dra. Universidade Federal do Paraná (UFPR) Departamento de Ciência e Gestão da Informação Grupo de Pesquisa Metodologias para Gestão da Informação (GPMGI) Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE Eliane Apolinário Vieira Priscila Marylin de Almeida Arlete Inocencia Menezes Roni

Leia mais

Tiago Rodrigo Marçal Murakami

Tiago Rodrigo Marçal Murakami Tiago Rodrigo Marçal Murakami Bacharel em Biblioteconomia pela USP Estudante de Administração Pública na UFOP Editor do Blog Bibliotecários sem Fronteiras - BSF Responsável pelo RABCI Estrutura e objetivo

Leia mais

Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER

Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER O SEER foi traduzido e customizado pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) baseado no software desenvolvido pelo Public

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

Publicação em contexto académico: OJS na prática

Publicação em contexto académico: OJS na prática Publicação em contexto académico: OJS na prática sumário 1. Publicações científicas em ambiente académico: um cenário pouco homogéneo 1.1 o papel das bibliotecas de ensino superior 2. OJS Open Journal

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Manual do Painel Administrativo

Manual do Painel Administrativo Manual do Painel Administrativo versão 1.0 Autores César A Miggiolaro Marcos J Lazarin Índice Índice... 2 Figuras... 3 Inicio... 5 Funcionalidades... 7 Analytics... 9 Cidades... 9 Conteúdo... 10 Referência...

Leia mais

Introdução ao EBSCOhost 2.0

Introdução ao EBSCOhost 2.0 Introdução ao EBSCOhost 2.0 Tutorial support.ebsco.com O que é? O EBSCO Host é um poderoso sistema de referência on-line acessível através da Internet, e oferece uma variedade de bases de dados de texto

Leia mais

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Gabriel Ramos Guerreiro - DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza - DEs, UFSCar 1 3 Francisco Louzada-Neto - DEs, UFSCar 1 4 1. INTRODUÇÃO Segundo Cavalcanti

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Sobre O SOAC. 2. Histórico. 3. Contato. 4. Página Inicial Sistema Eletrônico de Administração de Conferências

SUMÁRIO. 1. Sobre O SOAC. 2. Histórico. 3. Contato. 4. Página Inicial Sistema Eletrônico de Administração de Conferências SUMÁRIO 1. Sobre O SOAC 2. Histórico 3. Contato 4. Página Inicial Sistema Eletrônico de Administração de Conferências 4.1 Página Capa Localizada no Menu Horizontal Principal 4.2 Página Sobre Localizada

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle NE@D - Moodle CONCEITO: O Moodle é uma plataforma de aprendizagem a distância baseada em software livre. É um acrônimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (ambiente modular de aprendizagem

Leia mais

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO Ferreira, S. M. S.P. 1 Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações de Artes Weitzel, S. R. 2 Universidade Federal do

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle No INSEP, o ambiente virtual de aprendizagem oferecido ao acadêmico é o MOODLE. A utilização dessa ferramenta é fundamental para o sucesso das atividades em EAD,

Leia mais

Passo-a-Passo Curso do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas para Editor-Gerente

Passo-a-Passo Curso do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas para Editor-Gerente Passo-a-Passo Curso do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas para Editor-Gerente Versão do OJS/SEER 2.3.4 Universidade Federal de Goiás Sistema de Bibliotecas da UFG (SiBi) Gerência de Informação

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Manual do Aluno para o Curso do SEER à Distância

Manual do Aluno para o Curso do SEER à Distância Manual do Aluno para o Curso do SEER à Distância Elaborado por: Alexandre Faria de Oliveira Consultor TI / Monitor Colaborador: Dr.Miguel Ángel Márdero Arellano Coordenador SEER - IBICT Brasília, 2011

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIOAMBIENTAIS LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS E GEOPROCESSAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIOAMBIENTAIS LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS E GEOPROCESSAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIOAMBIENTAIS LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS E GEOPROCESSAMENTO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PÁGINA WEB DO LAPIG WANESSA CAMPOS SILVA Goiânia Junho

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas;

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas; APRESENTAÇÃO O Myself é um sistema de gerenciamento de conteúdo para websites desenvolvido pela Genial Box Propaganda. Seu grande diferencial é permitir que o conteúdo de seu website possa ser modificado

Leia mais

Gerenciador de Referências. EndNote. Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC)

Gerenciador de Referências. EndNote. Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC) Gerenciador de Referências EndNote Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC) Pesquisa na Web of Science O que é o EndNote? Funcionalidades da ferramenta Como incluir citações no Word usando

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

Automação do processo de gerenciamento e publicação de revistas científicas

Automação do processo de gerenciamento e publicação de revistas científicas Automação do processo de gerenciamento e publicação de revistas científicas Equipe SEER Desenvolvimento Web Ibict/MCT Sumário 4 Introdução 4 Requisitos Básicos 4 Hardware 4 Software 4 Instalação do Sistema

Leia mais

Consultoria sobre Joomla!

Consultoria sobre Joomla! Consultoria sobre Joomla! Joomla! (pronuncia-se djumla) é um CMS (Content Management System) desenvolvido a partir do Mambo. É escrito em PHP e roda no servidor web Apache ou IIS e banco de dados MySQL.

Leia mais

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem)

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) ead.clinicajulioperes.com.br Sumário navegável Como acesso o ambiente?... Como assisto aos vídeos?... Como preencher meu perfil?...

Leia mais

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social 1 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 DESENVOLVIMENTO... 5 4 CONCLUSÃO... 11 5 REFERÊNCIA... 11 TABELA DE FIGURAS Figura

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E Unidade III TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM EDUCAÇÃO Prof. Me. Eduardo Fernando Mendes Google: um mundo de oportunidades Os conteúdos abordados neste modulo são: Google: Um mundo de oportunidades;

Leia mais

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos Curso de Introdução ao Plone Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Modulo A Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Laurimar Gonçalves

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.0 Afonso Ueslei da Fonseca

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.0 Afonso Ueslei da Fonseca Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.0 Afonso Ueslei da Fonseca Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo

Leia mais

Guia de Ambientação Março/2011

Guia de Ambientação Março/2011 Guia de Ambientação Março/2011 APRESENTAÇÃO Caro cursista, Bem vindo ao Guia de Ambientação. Este documento é dirigido a você, participante. Com ele, você conhecerá como está estruturada a interface de

Leia mais

Existem 109 questões nesta pesquisa

Existem 109 questões nesta pesquisa FASE 2: ANÁLISE DO WEBSITE INSTRUÇÕES Leia atentamente todas as questões Explore o website em avaliação, procurando pelas questões propostas Depois, responda cada questão Algumas questões precisam de informações

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Curso de Introdução ao Plone Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Parte IV - Criação

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

SISTEMA ELETRÔNICO DE EDITORAÇÃO DE REVISTAS: SEER

SISTEMA ELETRÔNICO DE EDITORAÇÃO DE REVISTAS: SEER SISTEMA ELETRÔNICO DE EDITORAÇÃO DE REVISTAS: SEER O Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER/OJS) foi customizado pelo IBICT, e o objetivo principal do projeto foi organizar a informação científica

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais)

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais) PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA Ensino Fundamental (séries finais) O Clickideia é um portal educacional (www.clickideia.com.br), desenvolvido com o apoio do CNPq e da UNICAMP, que apresenta conteúdos didáticos

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

Centro de Trabalho Indigenista CTI

Centro de Trabalho Indigenista CTI Centro de Trabalho Indigenista CTI Termo de Referência para Contratação de Consultoria Técnica Junho de 2015 Projeto Proteção Etnoambiental de Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato na Amazônia

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos Bruno Perboni Qualityware Conselheiro Laurindo 825 cj. 412 centro Curitiba PR fone: 3232-1126 bruno@qualityware.com.br Maysa Portugal de Oliveira Furquim

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Visão Geral e Navegação Tutorial Atualizado com a versão 3.9 Copyright 2009 por JExperts Tecnologia Ltda. todos direitos reservados. É proibida a reprodução deste manual sem autorização prévia

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO 1) ORACLE VIRTUALBOX ; 2) MICROSOFT WINDOWS ; 3) SUMÁRIOS GENEPLUS.

MANUAL DE INSTALAÇÃO 1) ORACLE VIRTUALBOX ; 2) MICROSOFT WINDOWS ; 3) SUMÁRIOS GENEPLUS. PROGRAMA EMBRAPA DE MELHORAMENTO DE GADO DE CORTE MANUAL DE INSTALAÇÃO 1) ORACLE VIRTUALBOX ; 2) MICROSOFT WINDOWS ; 3) SUMÁRIOS GENEPLUS. MANUAL DE INSTALAÇÃO: 1) ORACLE VIRTUALBOX ; 2) MICROSOFT WINDOWS

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Data de publicação: 1 de Dezembro de 2011 Visão Geral do Produto SQL Server 2012 é uma versão significativa do produto, provendo Tranquilidade em ambientes

Leia mais

Proposta Revista MARES DE MINAS

Proposta Revista MARES DE MINAS SATIS 2011 Proposta Revista MARES DE MINAS 21/03/2011 A SATIS Índice 1 A Satis 1 A Proposta 1 Serviços 2 Mapa do Site 2 SEO 3 Sistema de gerenciamento de conteudo 4 Cronograma e Prazos 5 Investimento 6

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

SMART Sync 2010 Guia prático

SMART Sync 2010 Guia prático SMART Sync 2010 Guia prático Simplificando o extraordinário Registro do produto Se você registrar o seu produto SMART, receberá notificações sobre novos recursos e atualizações de software. Registre-se

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

CURSO : Empreendedorismo 40 Hrs aulas

CURSO : Empreendedorismo 40 Hrs aulas CURSO : Empreendedorismo 40 Hrs aulas Empreendedorismo o O que é empreendedorismo? o Síndrome do empregado o Os mandamentos do empreendedor de sucesso o E o que não é empreendedorismo? Traçando o perfil

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

Projeto Intranet Institucional Project Charter. IIPC Tecnologia da Informação Versão 1.5 Outubro de 2011

Projeto Intranet Institucional Project Charter. IIPC Tecnologia da Informação Versão 1.5 Outubro de 2011 Projeto Intranet Institucional Project Charter Versão 1.5 Outubro de 1. Objetivo O Projeto Intranet do tem como objetivo a implementação de uma ferramenta de trabalho para o Voluntariado do (Sede Mundial

Leia mais

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS 1. Identificação Curso Técnico em Informática Unidade São José Coordenador da S.A Walter André de Almeida Pires Unidade(s) Curricular(es) Envolvida(s)

Leia mais

SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário

SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário 1 Apresentação... 3 1- Introdução... 4 2- Acessando GLPI:... 5 3- Abrindo chamado:... 6 3.1-

Leia mais

Extensão ez Open Document Format (ezodf) Documentação. versão 2.0. experts em Gestão de Conteúdo

Extensão ez Open Document Format (ezodf) Documentação. versão 2.0. experts em Gestão de Conteúdo Extensão ez Open Document Format (ezodf) Documentação versão 2.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2 1.1 Público alvo... 3 1.2 Convenções... 3 1.3 Mais recursos... 3 1.4 Entrando em contato com a ez... 4 1.5

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administração de Redes Redes e Sub-redes Prof.

Leia mais

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 A LEGO Education tem o prazer de trazer até você a edição para tablet do Software LEGO MINDSTORMS Education EV3 - um jeito divertido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL http://pt.wordpress.com http://.wordpress.org Autor: Calvin da Silva Cousin Orientação: Profª Drª Sílvia Porto

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA DR. PAULO FONTES Florianópolis

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive Google Drive um sistema de armazenagem de arquivos ligado à sua conta Google e acessível via Internet, desta forma você pode acessar seus arquivos a partir de qualquer dispositivo que tenha acesso à Internet.

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

Anote aqui as informações necessárias:

Anote aqui as informações necessárias: banco de mídias Anote aqui as informações necessárias: URL E-mail Senha Sumário Instruções de uso Cadastro Login Página principal Abrir arquivos Área de trabalho Refine sua pesquisa Menu superior Fazer

Leia mais

SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário

SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário Setor de Tecnologia da Informação 2012 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet.

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet. Olá! Você está recebendo as informações iniciais para utilizar o GEM (Software para Gestão Educacional) para gerenciar suas unidades escolares. O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar

Leia mais

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais.

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais. Edital MCT/FINEP/MC/FUNTTEL Plataformas para Conteúdos Digitais 01/2007 Projeto OBAA Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais

Leia mais

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Leonardo Mariano Gravina Fonseca 1, Myriam Maia Nobre 1, Denis Teixeira da Rocha 1, Elizabeth Nogueira

Leia mais

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Objetivo O objetivo do projeto é especificar o desenvolvimento de um software livre com a finalidade de automatizar a criação de WEBSITES através do armazenamento

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C#

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# 1.1 - Apresentação Quando fazemos nossas compras em um supermercado, é comum encontrarmos um código de barras impresso nos produtos expostos

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG Página 1 de 26 Sumário Introdução...3 Layout do Webmail...4 Zimbra: Nível Intermediário...5 Fazer

Leia mais

PLANO DE ENSINO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

PLANO DE ENSINO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO PLANO DE ENSINO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Componente Curricular: Informática e Português Instrumental Carga Horária: 90h Período Letivo: 2015/01

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

Manual da Turma Virtual: MATERIAIS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo:

Manual da Turma Virtual: MATERIAIS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: Manual da Turma Virtual: MATERIAIS Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: MENU TURMA VIRTUAL MENU MATERIAIS CONTEÚDO/PÁGINA WEB Esta operação possibilita que

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno 1 MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno Acessando o sistema 1- Para acessar a Faculdade Interação Americana Virtual digite o seguinte endereço: http://ead.fia.edu.br/

Leia mais

Novell Teaming 2.0. Novell. 29 de julho de 2009. Início Rápido. Iniciando o Novell Teaming. Conhecendo a interface do Novell Teaming e seus recursos

Novell Teaming 2.0. Novell. 29 de julho de 2009. Início Rápido. Iniciando o Novell Teaming. Conhecendo a interface do Novell Teaming e seus recursos Novell Teaming 2.0 29 de julho de 2009 Novell Início Rápido Quando você começa a usar o Novell Teaming, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line)

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Criamos, desenvolvemos e aperfeiçoamos ferramentas que tragam a nossos parceiros e clientes grandes oportunidades

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014

TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 Brasília/DF, 17 de setembro de 2014. 1 APRESENTAÇÃO Senhor (a) Médico (a) participante

Leia mais

NOME: MATHEUS RECUERO T2 ANTIVIRUS PANDA

NOME: MATHEUS RECUERO T2 ANTIVIRUS PANDA NOME: MATHEUS RECUERO T2 ANTIVIRUS PANDA Os requisitos mínimos para possuir o software é memoria de 64 MB, disco rígido de 20 MB processador a partir do Pentium 2 em diante e navegador internet Explorer

Leia mais