Avaliação social: Uma ferramenta para a reconfiguração de espaços de exclusão social. 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação social: Uma ferramenta para a reconfiguração de espaços de exclusão social. 1"

Transcrição

1 Avaliação social: Uma ferramenta para a reconfiguração de espaços de exclusão social. 1 Maria José Soares de Mendonça 2 Samira Kauchakje 3 Carlos Mello Garcias 4 Palavras-chave: avaliação social, projeto social, política pública. Resumo O presente artigo discute as metodologias de avaliação em programas e projetos sociais, considerando que quando monitoramento e avaliação inserem-se na gestão, a construção de estudos, pesquisa e diagnóstico acerca dos resultados alcançados pelos serviços, de modo a aperfeiçoar os recursos disponíveis, os objetivos e alcance das políticas públicas. Discorre sobre o diagnostico social e o estudo social da população. Tal diagnóstico é balizador para o processo de avaliação e ao mesmo tempo, a avaliação fornece subsídios para um novo diagnóstico social para elaboração de projetos e políticas. Avaliação social é, portanto, um instrumento de conhecimento da população alvo de projetos e políticas. Isto é especialmente importante em propostas destinadas a grupos populacionais destituídos de direitos e que objetivam impactar os indicadores de desigualdade social, bem como, reconfigurar espaços de exclusão no sentido da justiça social. Apresenta a conceituação e usos mais freqüentes da avaliação de programas sociais e os pressupostos teóricos e metodológicos que orientam esta atividade com foco nas questões teóricas relativas às modalidades de avaliação dos projetos sociais. Por fim, traz conclusões preliminares referentes à importância do monitoramento e avaliação para o aprimoramento dos projetos sociais, caracterizados neste estudo como uma tecnologia social e um processo de ação coletiva, de iniciativa estatal e da sociedade civil, que ocupa um espaço de destaque na implementação de políticas públicas. 1 Trabalho apresentado no XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambú- MG Brasil, de 29 de setembro a 03 de outubro de Assistente Social, Mestranda em Gestão Urbana pela Pontifícia Universidade católica do Paraná (PUCPR)2007. preferenciais de atuação: Gestão Social e Avaliação Social. 3 Assistente Social, Doutora em Educação- Unicamp, Docente do PPGTU- Mestrado em Gestão Urbana- PUCPR. Áreas preferenciais de atuação: Gestão social e políticas públicas; Rede de proteção social: justiça social e direitos fundamentais; Participação sócio-política e movimentos sociais urbanos. 4 Engenheiro Civil, Doutor em Engenharia Civil (Planejamento em Engenharia Urbana) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, Docente do PPGTU- Mestrado em Gestão Urbana- PUCPR Áreas preferenciais de atuação: Indicadores de sustentabilidade ambiental urbana; Gestão da qualidade das águas urbanas; Gestão habitacional e recuperação de assentamentos degradados. 1

2 Avaliação social: Uma ferramenta para a reconfiguração de espaços de exclusão social. 5 Introdução Maria José Soares de Mendonça 6 Samira Kauchakje 7 Carlos Mello Garcias 8 Este artigo discute a avaliação como uma ferramenta gerencial poderosa, fornecendo aos formuladores de políticas públicas e aos gestores de programas condições para aumentar a eficiência e a efetividade dos recursos aplicados em programas sociais. Segundo Castanhar e Costa (2003), a avaliação de programas e projetos sociais consiste num processo de construção permanente centrada no aperfeiçoamento contínuo de modelos de análise, técnicas e instrumentos com objetivo de aprimoramento das políticas sociais em seus propósitos de decidir sobre os desdobramentos dos conflitos gerados pela questão social. Partimos do entendimento que a avaliação é intrínseca ao processo político, devido ao fato de que qualquer atividade que se apliquem os diversos valores dos variados públicos para julgar o mérito de um objeto tem implicações políticas (WHORTEN, 2004, p. 320). A contribuição da avaliação na formulação de políticas e projetos e eficácia na aplicação de recursos é particularmente importantes ao se tratar de espaços de exclusão, configurado, em especial, pela pobreza. Maricato et al (2000) afirma que o modelo estrutural adotado pela maioria dos paises na América Latina, contribuiu significativamente para a escalada da pobreza nas últimas décadas. Fatos relevantes como este recolocou na agenda política e social os temas do combate à pobreza. A extensão do drama urbano brasileira pede o aumento de respostas que devem partir do conhecimento da realidade empírica para evitar a formulação das idéias externas, distante das características do planejamento urbano no Brasil. O objetivo deste texto é contribuir para maior conhecimento da realidade avaliativa, ocupando-se em caracterizar a arquitetura das políticas sociais, sobretudo aquelas diretamente relacionadas ao enfrentamento da pobreza. Correlacionado aos pressupostos teóricos refletidos sobre a avaliação de programas e projetos sociais, enfocando os principais instrumentos necessários e quais potencialidades estão contidas no processo avaliativoque exige o seguimento de passos definidos, conforme quadro de Marino (2003). 5 Trabalho apresentado no XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambú- MG Brasil, de 29 de setembro a 03 de outubro de Assistente Social, Mestranda em Gestão Urbana pela Pontifícia Universidade católica do Paraná (PUCPR) Áreas preferenciais de atuação: Planejamento e Avaliação Social. 7 Assistente Social, Doutora em - Unicamp, Docente do PPGTU- Mestrado em Gestão Urbana- PUCPR. Áreas preferenciais de atuação: Gestão social e políticas públicas; Rede de proteção social: justiça social e direitos fundamentais; Participação sócio-política e movimentos sociais urbanos. 8 Engenheiro Civil, Doutor em Engenharia Civil (Planejamento em Engenharia Urbana) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, Docente do PPGTU- Mestrado em Gestão Urbana- PUCPR Áreas preferenciais de atuação: Indicadores de sustentabilidade ambiental urbana; Gestão da qualidade das águas urbanas; Gestão habitacional e recuperação de assentamentos degradados. 2

3 Fundamentação Teórica O debate acerca da questão da avaliação, seus métodos e suas imbricações políticas, tem sido objeto de estudo e reflexão e ocupa um espaço significativo tanto na literatura acadêmica quanto técnica. Para alguns observadores críticos, o emprego cada vez mais freqüente da palavra avaliação tem a aparência e um efeito que revela a necessidade de se dar um novo status a certas práticas que vão da pesquisa aplicada à consultoria de gestão (PERRET, 1997). Atualmente a demanda dos pesquisadores por inovar conceitos e metodologias avaliativas, pauta-se na rejeição dos modelos tradicionais, que não conseguem apreender a totalidade dos fluxos e não ofertam informações substantivas (BRANT de Carvalho, 1997, apud BARREIRA, 2000:61). No Brasil a expansão da avaliação de políticas e programas deu-se na década de Na perspectiva da avaliação, as Políticas Públicas são decisões governamentais que geram impactos tangível, mensurável ou substantivo, alterando as condições de vida de um grupo ou população, produzindo mudança de atitudes, comportamentos e opiniões. Sobre aspectos metodológicos não se trata apenas procedimentos e técnicas, mas como corpo teórico de explicação do objeto, onde são considerados os sujeitos e os modelos utilizados na avaliação das políticas, ou seja, a Integração da avaliação social utilizada para o fortalecimento das políticas públicas. (WHORTEN et al, 2004). Como tem sido tratada avaliação social. Para conceituar e compreender o processo de avaliação dos programas sociais torna-se necessário conhecer as questões relevantes que perpassam este debate. Um deles é a busca de graus mais altos de equidade, eficácia e eficiência nas políticas sociais que tornam-se inseparáveis de reformas institucionais e de gestão. Neste ponto, a necessidade de constituição de um sistema de monitoramento e avaliação dos programas, projetos e ações sociais torna-se necessária. Costa et al. (1997) enfatiza que a avaliação sistemática de programas tem sido uma persistente lacuna na América Latina e o Brasil não tem sido exceção. Ele aponta algumas destas desconsiderações no entendimento e reconhecimento da avaliação: 1 A avaliação só acontece ao final do programa e significa geralmente apenas a comparação entre metas previstas e as alcançadas, contribuindo muito pouco para a correção dos rumos. 2. Uso de tecnologia "branda" e conhecimento precário do objeto da ação e das relações entre custo e resultados 3. Desconsideração sobre busca de práticas inovadoras que demandam maiores flexibilidade e adaptabilidade dos programas. 4. Questão política envolvida nos processos avaliativos, como um dos fatores que desfavorece as políticas sociais frente ao núcleo central dos governos. 5. Falta de informações mais precisas sobre resultados e impactos das políticas e programas e, principalmente, sobre seu custo / impacto ou seu custo / efetividade. 3

4 6. Em outras áreas, como as de infra-estrutura, financeira e monetária ou mesmo a industrial, levam larga vantagem sobre a área social, o que favorece mais argumentos no momento de disputar recursos, além de contar também com aliados poderosos fora do governo. Concluímos que além de uma boa metodologia, a relevância atribuída ao processo avaliativo exige a tríade: estrutura, processo e resultados, como lembrado por Donabedian (1996). Segundo este autor o elemento estrutura obedece à avaliação de recursos existentes para a execução dos serviços. Esses recursos são: físicos, compreendendo planta física, equipamentos, materiais de consumo; recursos humanos, compreendendo número e qualificação dos mesmos; fontes e recursos financeiros para manutenção da infra-estrutura e da tecnologia disponível. Já o componente processo focaliza a avaliação da execução das atividades e da dinâmica apresentada na inter-relação entre elas. A análise das relações entre as atividades deverá possibilitar a avaliação da utilização da tecnologia prevista na estrutura, para ser aplicada na execução. Este processo avaliativo, portanto requisita a participação dos usuários, desta forma o componente resultado refere-se aos efeitos ou aos produtos das ações sociais que modificaram a situação social dos usuários ou da comunidade. Ou seja, é imprescindível a necessidade do conhecimento prévio da situação para que se possa atribuir a modificação observada ao processo de intervenção, objeto da avaliação. A partir desta análise integrada da situação é que será possível identificar as condicionantes, deficiência e potencialidades de cada composição da tríade mencionada. E esta mesma análise subsidiará a implantação de programas e projetos sociais entendidos como objetivação de políticas. O Projeto Social Segundo Kauchakje, projeto social é uma tecnologia social composta por um processo de ação coletiva, de iniciativa estatal ou da sociedade civil, que tem como objetivo intervir para a mudança de uma realidade, por meio de provimento de serviços sociais tendo em vista o desenvolvimento social. Seu desenvolvimento passa pelos momentos planejamento, execução e monitoramento / avaliação, e sua elaboração deve responder a questões tais como: Vinculação políticas e demandatários do projeto, local do desenvolvimento, população alvo, motivo do desenvolvimento daquela ação e objetivo que se destina, formas de realização, fontes de financiamento e durabilidade do projeto. (KAUCHAKJE, 2007:99) A autora apresenta tipos de projeto social, que podem ser agrupados sob a perspectiva da: Prevenção projetos que previnem situações de vulnerabilidade e risco; Proteção projetos destinados a pessoas e populações em situações de vulnerabilidade e risco; Promoção Social aqueles destinados a combater a situações de exclusão social. A classificação também se dá a partir dos objetivos: Projetos emergenciais situações de risco; Projetos redistributivos distribuição indireta de bens e recursos socioeconômicos; Projetos para construção de autonomia superação das situações de subalternidade / estigmatizacão; Projetos de apoio ao desenvolvimento social dinamizar atividades econômicas e da rede socioeconômica produtiva. (KAUCHAKJE, 2007:107) A partir destas classificações evidencia-se que a atividade avaliativa de um programa necessita partir de uma compreensão clara sobre o desenho da intervenção e sobre os critérios de êxito. Ou seja, é preciso identificar e analisar o marco conceitual e os parâmetros pelos quais serão considerados seus resultados finais, riscos e potencialidades. 4

5 Entre os riscos usuais voltados ao desenvolvimento de projetos sociais, Coimbra (2001) lembra que em algumas instâncias as políticas públicas vão sendo pulverizadas e a assistência à população passa do campo do direito para o da filantropia. Constituindo-se numa cultura política baseada na desmobilização das lutas por direitos que tende a reforçar as políticas assistenciais e compensatórias. Quadro 1: Esquema Políticas Públicas Instâncias deliberativas MP; Proj. Lei Conselhos Federativos, Estaduais, Municipais. Discussão Teórica Governo Dinâmica das Políticas Públicas Programas Projetos Sociais Dinâmicas Soc. Civil Avaliação das Políticas e Programas Sociais Movimentos Sociais Organizados Fonte: autores. Cabe lembrar que em sua estratégia social o governo federal atual enfatiza o aprimoramento da gerência e avaliação do impacto e desempenho dos programas sociais, quando procura garantir a esses programas apoio para gerenciamento dinâmico e adequado, monitoramento regular da implementação e avaliação periódica do cumprimento das metas preestabelecidas 9. Ressalta-se, porém, que a exigência por avaliação permanente da utilização de recursos públicos e sua tradução em ações e conseqüências sobre a melhoria das condições das pessoas e do espaço urbano são imperativas, sinais de transparência da ação pública. Draibe (2001) reforça a vivacidade implícita nas políticas e programas sociais, com ciclo vital nascimento, vida e morte, passando por processo de maturação, envelhecimento, estagnação, momentos que se tornam objetos da avaliação. 9 Brasil Presidência da República. Uma estratégia de desenvolvimento social. Brasília O texto é o resultado-resumo de um ano e meio de pesquisas e discussões sobre como destravar o desenvolvimento do "andar de baixo" da economia, com medidas práticas de acesso ao financiamento, de redes de apoio tecnológico, de mudança institucional, bem como de outras medidas nas áreas de informação, comunicação, capacitação, emprego e meio-ambiente. O trabalho envolveu muita gente das mais variadas áreas. Paul Singer, Tânia Bacelar, Ignacy Sachs, ministros, líderes comunitários. E se trata também de uma proposta para evolução das políticas distributivas para a inclusão produtiva. Foi entregue formalmente ao presidente Lula no dia 4 de dezembro de Pode ser acessado 5

6 Esse arranjo organizacional, que envolve recursos financeiros, administrativos e sociais, imprescindíveis para atender às demandas da população em situação de vulnerabilidade, torna-se o termômetro de mensurabilidade das diversas expressões da pobreza. Segundo a Política Nacional de Assistência Social, PNAS/2004: Os programas e projetos são executados pelas três instâncias de governo e devem ser articulados dentro do Sistema Único de Assistência Social. O Objetivo de inserir a avaliação de programas sociais na dinâmica da implantação das políticas publica de forma sistemática leva para o entendimento que a avaliação é parte essencial do processo decisório institucional, e produz informações para o aprimoramento das ações governamentais nas diferentes etapas do ciclo básico de intervenção estatal. A pobreza e sua repercussão. A temática da pobreza tem sido objeto de preocupação constante no campo teóricoconceitual e de intervenção social. Raczynsk (2002) salienta a necessidade de se compreender a pobreza como fenômeno multidimensional, o que aponta para além da ausência de recursos materiais como elemento explicativo central para a análise da pobreza. Nos estudos que partem de uma concepção ampliada da pobreza, tem-se que as dimensões materiais são centrais para a determinação da pobreza e são também suas faces mais visíveis. Entretanto, Um diagnóstico e uma estratégia consistente de combate à pobreza persistente devem aspirar não apenas as diferentes dimensões materiais da pobreza, mas também as diversas maneiras pelas quais, em diferentes situações e contextos (CASTANHAR e COSTA, 2003). Silva adverte que a pobreza no Brasil decorre em grande parte de um quadro de extrema desigualdade em decorrência da profunda concentração de renda, expressa no pressuposto da carência, da escassez de meios de subsistência, ou da desvantagem em relação a um padrão ou nível de vida hegemônico (SILVA 2003, p. 234). Todavia, explicar o fenômeno da pobreza supõe buscar suas determinações estruturais, o que não é a preocupação deste artigo que está centrado nos processos de avaliação, encaminhando sua importância nas políticas e projetos relativos a pobreza e atuantes em espaços de exclusão. No entanto, a intersetorialidade e flexibilidade no desenho e gestão dos programas e a ênfase no fortalecimento da autonomia individual e comunitária, no empoderamento e incremento do capital social como diretrizes básicas da intervenção são os principais elementos presentes em uma estratégia exitosa de enfrentamento da pobreza e exclusão. (CASTANHAR e COSTA, 2003) Entendemos que isso significa que determinadas concepções sobre exclusão, suas características e causas, têm diferentes repercussões sobre as políticas desenvolvidas, imprimindo constrangimentos de diversas ordens para o desenho e a implementação dos programas sociais. Neste sentido o aperfeiçoamento dos instrumentos avaliativos aumenta a eficácia das ações e democratiza sua gestão dos programas sociais. Para isto acontecer sem que se desestruture a execução, é fundamental uma grande proximidade e interlocução entre as áreas fim e as áreas meio dos órgãos (CASTANHAR e COSTA, 2003). O acerto entre estas áreas deve ser um ponto fundamental a se considerar. Esta interlocução é a responsável pelo conjunto que envolve as práticas avaliativas e pela compreensão das variáveis que caracterizam o desenho dos programas sociais, sobretudo 6

7 aspectos relacionados a legislações (direitos), bem como sua estratégia de implementação. Faz-se necessário trilhar passo a passo as etapas da avaliação. O processo avaliativo perpassa sete passos composto por três momentos distintos da avaliação que segundo Marino caracteriza-se como marco zero, processo e os resultados. TABELA 1 Quadro passos da avaliação 7 Utilização e Disseminação Passos avaliação 6 Elaboração do Relatório e Divulgação 5 Análise de fatos e informações 4 Levantamento de Informações 3 Identificação dos interessados, das perguntas e dos indicadores 2 Formação da Equipe 1 Decisão sobre o foco da avaliação Fonte: Manual de Avaliação de projetos sociais/2003. Para que ocorra a avaliação faz-se necessário trilhar cada passo específico, a saber: 1º decidir sobre o foco da avaliação envolve o conjunto de fatores que compõem o processo, baseados em análise das necessidades que levaram ao processo avaliativo. 2º Formação de equipe inclui todos os envolvidos. 3º Identificar os interessados exige a contribuição de todos para formulação das perguntas e definição dos ndicadores. 4º Levantar informações compreende as informações das fontes e escolha de métodos e treinamento da equipe. 5º Analisar as informações significa à sistematização e analise dos dados. 6º Elaborar relatório neste momento é realizado pela equipe a apresentação das conclusões e possíveis recomendações aos interessados. 7º Para utilização e disseminação dos resultados exige-se enfim a discussão por meio de jornais, seminários, reunião de coordenação de demais foros para debates. Marino (2003). Além disto, dada a heterogeneidade dos problemas, programas, atores envolvidos, não se pode muitas vezes pensar em instituições uniformemente organizadas. Os níveis de hierarquização, especialização dos técnicos e das equipes, controle sobre a execução, tolerância com o erro e o fracasso devem variar dentro de uma mesma estrutura de acordo com as características dos problemas. Formas de Medir e enfrentar a pobreza No Brasil entre os instrumentos de mensurabilidade da pobreza encontram-se frequentemente o uso de indicadores como baixa renda, comparecem também estudos que ampliam esse conceito, adotando um enfoque mais abrangente. Porém, estes indicadores não facilitam a compreensão do fenômeno da exclusão. Castanhar e Costa (2003) reforçam que mesmo quando o foco nas privações múltiplas amplie o alcance de indicadores utilizados 7

8 para mensurar a pobreza, o objetivo permanece na identificação de indivíduos sem recursos para participação. Ressaltamos que os termos pobreza e exclusão utilizados neste artigo ampliam o conceito da pobreza entendendo-o como fenômeno complexo, multicausal e multidimensional. Neste sentido, os dois termos parecem fazer parte de um mesmo contínuo e matriz conceitual 10. Não pretendemos esgotar tal assunto, vasto por natureza, o objetivo aqui é tão somente fornecer pistas, a partir de reflexões suscitadas pelo exercício da prática avaliativa dos programas e projetos sociais. Na esfera pública aspectos das políticas de intervenção nas situações de pobreza e ocorre por meio de Programas de Transferência de Renda, que Silva (2001) considera como eixo prevalente no atual Sistema Brasileiro de Proteção Social e são importantes mecanismos para o enfrentamento do desemprego e da pobreza e como possibilidade de dinamização da economia, sobretudo em pequenos municípios. A autora realiza uma crítica a estes programas onde aponta o fato de não ter sido adotado uma estratégia de caráter global para enfrentamento da pobreza no país. Visto que o padrão de desenvolvimento adotado, como aponta Silva, tem considerado a Política Social como questão marginal, desvinculada das questões macroeconômicas, numa perspectiva compensatória e assistencialista. Sulbrandt (1994) adverte que as políticas e programas sociais apresentam certas características peculiares que têm conseqüências importantes sobre sua implementação e gestão e que devem se consideradas desde o planejamento até sua avaliação. O autor discute algumas destas características constitutivas das políticas sociais, entre estas está o fato de os problemas sociais que se pretendem enfrentar com políticas sociais são debilmente estruturados e não podem ser definidos de maneira rigorosa. Entre a discussão referente à avaliação está a relevância dos indicadores para o monitoramento, análise do desenvolvimento e crescimento das organizações publica ou privadas. De acordo com a OTG - Observatório de Tecnologias de Gestão glossário e ABIPTI Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica, indicadores são: Dados ou informações numéricas que quantificam as entradas (recursos ou insumos), saídas (produtos) e o desempenho de processos, de produtos e da organização como um todo. Os indicadores são utilizados para acompanhar e melhorar os resultados ao longo do tempo e podem ser classificados em: simples (decorrentes de uma única medição) ou compostos; diretos ou indiretos em relação à característica medida; específicos (atividades ou processos específicos) ou globais (resultados pretendidos pela organização); e direcionadores (drivers) ou resultantes (outcomes). (ABIPTI apud OTG, 2008) 10 Entretanto, essa concepção que tende a fundir pobreza e exclusão não é única. Outros grupos definem exclusão sem ter a baixa renda como variável dominante e incluem dimensões como polarização, dualização, diferenciação e desigualdade. Outros rejeitam uma identificação entre exclusão e desigualdade ou classes sociais e enfatizam o aspecto daqueles que estão dentro ou fora, mais do que aqueles que estão acima ou abaixo, tal como o registro de classes ou desigualdade sustenta (Burchardt, Le Grand, Piachaud). Esta discussão esta presente no artigo de Castanhar e Costa (2003)caderno de gestão pública e cidadania. 8

9 Conclui-se que decisões eficazes são baseadas na análise de dados e informações. Tal princípio reforça a utilização de dados e informações adequados para análise por parte da equipe de gestão e para conseqüente tomada de decisão. Porém, conforme ressalta Dowbor (2003), os meios de informação e de comunicação estão sendo revolucionados, e abrem perspectivas impressionantes para a racionalização das atividades econômicas e sociais. As mais diversas instituições, como IBGE, SEADE, IPEA, os ministérios, os hospitais, as empresas, as organizações da sociedade civil, todos produzem rios de informação. Temos as tecnologias e a informação de base, mas não se formaram ferramentas de conhecimento organizado para a ação cidadã. Entre compêndios de estatísticas, e o dilúvio de informações fragmentadas na mídia, continuamos essencialmente confusos. Trata-se de identificar instrumentos concretos de informação para a cidadania, a ser sistematizada segundo as necessidades de participação dos diversos atores sociais. Programas voltados para o combate á exclusão: desafios e limites da intervenção Citaremos previamente as iniciativas historicamente conhecida no século XX, e sugerimos o aprofundamento sobre o tema em publicações na imprensa e em circulação em páginas WEBs do Governo brasileiro e sobretudo nos estudos desenvolvidos por 11 Silva (2002; 2003; 2005). Inicialmente reportaremos os estudos do centro interdisciplinar especializado em estudo e investigação de acompanhamento, monitoramento as políticas e programas governamentais. Destacando as 12 avaliações de processo de implementação de reformas e inovações de policies e de programas e projetos de enfrentamento a pobreza, segundo o estudo foram desenvolvidos os seguintes projetos. Evolução dos Programas de Combate a Pobreza: 13 Silva (2001) adverte que os Programas de Transferência de Renda, considerados eixo estruturado no atual Sistema de Proteção Social,tem sua base nas transformações econômicas e societárias que vêm marcando a reestruturação do capitalismo mundial na sua fase mais recente, identificada a partir dos anos 1970, com maior aprofundamento nos anos 1980 e no Brasil, nos anos A Autora apresenta em seus estudos a iniciativa pública para combate a pobreza no Brasil. Situaremos apenas o período histórico e a nomenclatura dos programas: É no início dos anos 1990 que as políticas públicas direcionadas à pobreza no Brasil foram caracterizadas a partir da Política Nacional de Assistência Social centralizada no Ministério de Bem-Estar Social, assumida por duas grandes agências: a Legião Brasileira de Assistência (LBA) e o Centro Brasileiro para a Infância e Adolescência (CBIA). Porém com a 11 Doutora em Serviço Social, professora do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Federal do Maranhão/Brasil e do Grupo de Avaliação e Estudo da pobreza e de Políticas Direcionadas à Pobreza - GAEPP; 12 Este estudo está disponível no caderno de pesquisa Nº. 10 do Núcleo de estudos de políticas públicas NEPP (1989). Título Há tendências e tendências: com que estado de Bem-estar social haveremos de conviver neste fim de século 13 Esse estudo constitui-se no projeto que sintetiza os demais projetos sobre a temática dos Programas de Transferência de Renda em desenvolvimento no GAEPP. Propõe-se a acompanhar a implementação e a proceder à avaliação do processo de Unificação dos Programas de Transferência de Renda no Brasil mediante o desenvolvimento de um estudo de abrangência nacional sobre o Programa Bolsa Família do Governo Federal. 9

10 Constituição Federal de 1988 é que se concretiza a tendência de descentralização e municipalização preconizada pelo debate político dos movimentos sociais dos anos A Lei n o (BRASIL, 1993) instituiu o Benefício de Prestação Continuada, em 1996, Programa de Transferência de Renda PCFM direcionado à população idosa a partir de 65 anos de idade e a pessoas portadoras de deficiência, sendo exigida dos beneficiários uma renda per capita familiar inferior a ¼ do Salário Mínimo vigente. Ainda em 1993 o maior esforço de Política Pública direcionada para a população brasileira pobre foi inicialmente o Plano de Combate à Fome e a Miséria (PCFM), criado em 1993, pelo Presidente Itamar Franco ( ) (SILVA 2003). Tinha como público alvo 32 milhões de indigentes diagnosticados pelo Mapa da Fome, elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Tratava-se de uma população que só detinha uma renda de um ¼ de Salário Mínimo, suficiente apenas para comprar uma cesta de alimentos ; Programa Comunidade Solidária, principal estratégia para enfrentamento da pobreza no governo Fernando Henrique Cardoso Ocorre a criação do Programa Comunidade Ativa, por recomendação do Conselho do Comunidade Solidária, propondo-se a superar o assistencialismo mediante a indução do desenvolvimento local, integrado e sustentável de municípios pobres em todo o país Em junho de 2001 foi criado o Fundo de Combate à Pobreza que passou a financiar programas de transferência de renda associados à educação, ações de saneamento. Ainda neste ano foi criado o Programa de Combate à Miséria, denominado Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)14, posteriormente denominado Projeto Alvorada, direcionado, prioritariamente, aos bolsões de miséria das Regiões Norte e Nordeste, posteriormente estendido para outros Estados, com municípios com IDH inferior a 0, O Governo de Luiz Inácio Lula da Silva propõe como principal estratégia de enfrentamento a pobreza o Fome Zero, que se desdobrou no Bolsa Família atualmente o maior Programa de Transferência de Renda do País. O programa Bolsa Família destina-se a famílias indigentes, com renda per capita familiar de até R$ 50,00 e a famílias consideradas pobres, com renda per capita familiar de até R$ 100,00, de modo que o primeiro grupo de famílias recebe um benefício fixo no valor de R$ 50,00, podendo receber mais R$15,00 por cada filho de até 15 anos de idade, até três filhos, podendo alcançar um benefício total de até R$ 95,00 por família. (SILVA, 2004) Para desenvolver a unificação dos Programas de Transferência de Renda, foi criado em janeiro de 2004 o Ministério de Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Silva (2003) crítica o papel do estado e conseqüentemente a política de transferência de renda apontando que o Estado, enquanto ator social, que atua ou deveria atuar, na promoção da justiça social na emancipação dos processos de garantia e promoção dos direitos de cidadania. Oferece transferências unilaterais de recursos, afastando-se assim da lógica do mercado, que envolve trocas recíprocas. (COSTA, 1997) Conclui-se a com o embasamento teórico de Silva (2002, 2003, 2005), que os Programas de Transferência de Renda, supõem articulação numa política macroeconômica de 10

11 crescimento sustentável e de redistribuição de renda, ou significarão melhorias imediatas, mas sem superação da denominada linha de pobreza. Voltaremos ao centro de nossa abordagem presumindo que o processo avaliativo nos programas sociais, permite concluir que embora, o desenho das políticas públicas ofereça uma maior eficiência e representatividade na ação governamental, também apresenta um viés distributivo quando os projetos são efetivamente postos em prática. Marette (1988) ressalta que a avaliação no campo social e entendida como um mecanismo de regulação de ações sociais e políticas sociais, que podem permitir uma notável diminuição das possibilidades de fracasso de um programa de interesse social. Afinal, Avaliação, o que é isto? Sobre a definição do conceito da palavra, recorremos a algumas definições mais utilizadas, porém a palavra avaliação é objeto de muitas definições. No âmbito internacional, Egg (1994), Champagne (1985), James (1969). Para estes autores, avaliação é fazer juízo sobre uma atividade, recurso ou resultado que podem ser classificados em três tipos (de estrutura, de processo e de impacto). Para Donabedian (1966) a primeira Função da avaliação é determinar valor, grau de êxito do objeto avaliado. Já Tyler (1942) ressalta que avaliar é um processo que tem por objetivo determinar até que ponto foi alcançado os objetivos previamente estabelecidos. Kaufman, (1979) discute que avaliar é analisar discrepâncias entre o que é e o que deve ser; disparidade entre a situação desejada ou esperada e outra existente ou real. O autor ressalta que neste caso o programa social deve compreender atividades de certo valor. No campo do Trabalho Social ou Desenvolvimento Comunitário, Dutrenit (1984) apresenta a idéia de que neste caso as definições sobre a avaliação trazem elementos práticos face a necessidade de solucionar problemas. Neste sentido a avaliação é utilizada para análise dos efeitos e das conseqüências dos diferentes modos de atuação sobre uma situação para definir dentro de prazos pré-estabelecidos e definição de quais são programas que trazem mais solução. Ou seja, a avaliação só será útil se for utilizada como meio para melhorar um programa. Desta forma introduz-se na pesquisa avaliativa de programas sociais a visão da dinâmica social, inquietação com o contexto onde a ação se desenvolve, as apreensões da população beneficiária passam a ser consideradas durante o processo avaliativo (BARREIRO, 2002 p. 47). Este entendimento nos leva a compreender que os membros das organizações precisam estar motivados para se empenharem no desenvolvimento e aperfeiçoamento do processo, fazendo balanço das prioridades das ações da organização e do programa, desde os aspectos legislativos até pequenas ações práticas. O que as Leis estabelecem sobre avaliação de programas sociais Segundo SANTOS, (1986), um dos problemas chave dos estudos de avaliação e o processo de implantação e formulação de programas e políticas sociais. Divididos em dois momentos: primeiro na escolha da política Seus fundamentos e conteúdos. E segundo atenção aos problemas que surgem durante a implementação ou execução de políticas constrangimentos burocráticos, institucionais e econômicos. 11

12 A questão da informação e as práticas de monitoramento e avaliação devem ser apreendidas como exercícios permanentes e, acima de tudo, comprometidas com as políticas sociais ao longo de sua realização. Ressaltamos aqui três leis fundamentais saúde, educação e assistência social que asseguram a legitimidade do aspecto avaliativo. A Lei Nº /1990. Dispõem sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Em seu artigo 6º nos incisos VII, VIII, IV aponta sobre a legitimidade do processo avaliativo na gestão da saúde pública. Art. 6º Estão incluídas ainda no campo de atuação do Sistema Único de Saúde (SUS): VII - o controle e a fiscalização de serviços, produtos e substâncias de interesse para a saúde; VIII - a fiscalização e a inspeção de alimentos, água e bebidas para consumo humano; IV - avaliação do impacto que as tecnologias provocam à saúde. No âmbito educacional a Lei Nº /1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. No seu art. 5º retrata que o acesso ao ensino fundamental é direito público subjetivo, podendo qualquer cidadão, grupo de cidadãos, associação comunitária, organização sindical, entidade de classe ou outra legalmente constituída, e, ainda, o Ministério Público, acionar o Poder Público para exigi-lo. A mesma lei no art. 9º também descreve que a União incumbir-se-á de: V - coletar, analisar e disseminar informações sobre a educação; IX - autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e avaliar, respectivamente, os cursos das instituições de educação superior e os estabelecimentos do seu sistema de ensino. 2 Para o cumprimento do disposto nos incisos V a IX, a União terá acesso a todos os dados e informações necessários de todos os estabelecimentos e órgãos educacionais. Alguns autores apontam que o problema da avaliação de programas na esfera educacional é decorrente do desenvolvimento tardio da avaliação educacional no Brasil. (STAKE, 1973). Quanto a Assistência Social falaremos um pouco mais devido ao aspecto intersetorial desta política. A Legislação que dispõe sobre a organização da Assistência Social é a Lei Nº , de 7 de dezembro No art. 1º está previsto que a assistência social, direito do cidadão e dever do Estado, é Política de Seguridade Social não contributiva, que provê os mínimos sociais, realizada através de um conjunto integrado de ações de iniciativa pública e da sociedade, para garantir o atendimento às necessidades básicas. Também o art. 18 diz que compete ao Conselho Nacional de Assistência Social: VI - convocar ordinariamente a cada 2 (dois) anos, ou extraordinariamente, por maioria absoluta de seus membros, a Conferência Nacional de Assistência Social, que terá a atribuição de avaliar a situação da assistência social e propor diretrizes para o aperfeiçoamento do sistema. X - acompanhar e avaliar a gestão dos recursos, bem como os ganhos sociais e o desempenho dos programas e projetos aprovados. Confirmando as deliberações sucessivas desde a I Conferência Nacional de Assistência Social de 1995, a IV Conferência Nacional, realizada em 2003, define-se claramente pela elaboração e implementação de planos de monitoramento e avaliação e pela criação de um sistema oficial de informação que possibilitem: a mensuração da eficiência e da 12

13 eficácia das ações previstas nos Planos de Assistência Social; a transparência; o acompanhamento; a avaliação do sistema e a realização de estudos, pesquisas e diagnósticos a fim de contribuir para a formulação da política pelas três esferas de governo. Agregado a isto, a Conferência ainda aponta para a necessidade de utilização de um sistema de informação em orçamento público também para as três esferas de governo. O que se verifica com tal deliberação é a implantação de políticas articuladas de informação, monitoramento e avaliação que realmente promovam novos patamares de desenvolvimento da política de assistência social no Brasil, das ações realizadas e da utilização de recursos, favorecendo a participação, o controle social e uma gestão otimizada da política. A necessidade de implantação de sistemáticas de monitoramento e avaliação e sistemas de informações para a área social também, remontam aos instrumentos de planejamento institucional, onde aparecem como componente estrutural do sistema descentralizado e participativo, no que diz respeito aos recursos e sua alocação, aos serviços prestados e seus usuários. Desta forma, esta requisição começa a ser reconhecida nos documentos normativos básicos da instância social que estabelecem os fundamentos do processo político-administrativo da Assistência Social, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. METODOLOGIA DA PESQUISA A questão metodológica para produção de conhecimento social, e, especificamente, para avaliação de políticas e programas sociais, coloca, inicialmente, questões conceituais relevantes. O tipo de pesquisa utilizada é a qualitativa com abordagem descritivocomparativa. Segundo Triviños (1987), a pesquisa qualitativa permite analisar os aspectos implícitos ao desenvolvimento das práticas organizacionais, e a abordagem descritiva é praticada quando o que se pretende buscar é o conhecimento de determinadas informações e por ser um método capaz de descrever com exatidão os fatos e fenômenos de determinada realidade. A metodologia utilizada no presente trabalho tem o objetivo de selecionar as contribuições mais relevantes e atuais sobre avaliação de programas e projetos sociais. A pesquisa bibliográfica se deu através de consultas a livros, dissertações, teses, artigos em revistas especializadas, relatórios de trabalho, e textos veiculados pela INTERNET. Expõe o arcabouço teórico, ressaltando a variedade de conceitos e metodologias de avaliação utilizadas pelos estudiosos da matéria e instituições públicas. O conhecimento das diversas opções teóricas é fundamental na escolha do método mais adequado para cada tipo de programa em todas as etapas do processo, desde a elaboração da metodologia até a aferição dos resultados. A integração do monitoramento e da avaliação. Arregui et al (2004) revela que monitoramento identifica-se com o acompanhamento e com a avaliação sistemática e contínua, tanto das atividades, insumos, recursos, como dos defeitos e impactos das ações desenvolvidas. Deve fazer parte integrante da gestão, construído por dentro do projeto e ocorre durante a sua execução, permitindo ajuste nos objetivos e ações. É um processo limitado no tempo, no espaço e nos objetivo das propostas, mas não é uma atividade pontual. Necessita ser sistemática e contínua. Isso significa construir um 13

14 sistema de monitoramento capaz de oferecer informações necessárias para gestão e também para uma avaliação geral do projeto, de sua implementação, resultados e impactos. Segundo os autores, o monitoramento é entendido como um processo de avaliação permanente que permite coletar, armazenar, analisar informação do projeto, retroalimentando o próprio projeto desenvolvido. Como parte integral do projeto, subsidia a tomada de decisões política quanto a propósitos, processos de ações e alocação de recursos. O desenvolvimento do monitoramento reforça sobre a necessidade sobre o que registra e como registrar, isto é a base de um sistema definido previamente e de acordo com os objetivos do programa e dos gestores. Essa base de dados e o pleno funcionamento do sistema permitirão elaborar sínteses e relatórios analíticos de monitoramento e oferecer informações para futuras avaliações. Tanto o monitoramento quando a avaliação exige que se faça um planejamento e estruturação do sistema. Isso inclui a pesquisa e a definição de: indicadores, métodos e técnicas de coleta de dados, instrumentos e ferramentas de armazenamento das informações, desenvolvimento de tecnologias apropriadas, fluxos de monitoramento, instrumentos de interpretação e analise doas dados (ARREGUI et al, 2004). Indicadores Sociais como instrumento de medição social. De maneira geral, entende-se que indicadores são instrumentos de mediação, conjunto de variáveis, medidas indiretas, consistentes, especificas e sensíveis que possibilitam captar e medir um conceito. São, também, instrumentos de mediação, de forma a possibilitar um olhar para o real sob ângulos determinados, evidenciando aspectos e processos da realidade social cuja totalidade é de difícil apreensão. Ao mesmo tempo, resultam de escolhas dos sujeitos e das múltiplas relações que se estabelecem em um determinado contexto histórico e cultural. Indicadores sociais somente tem significado se inseridos nas relações sociais e práticas sociais que o determinam (ARREGUI et al, 2004). Esses autores reforçam ainda que indicadores sociais enquanto instrumentos de mediação e mediação social expressam concepções e pactos sociamente concluídos. Por isso, a legitimidade de um conjunto ou sistema de indicadores depende de sua construção histórica, do processo político das conjuntas nacionais e internacionais, do diálogo que estabelece os diferentes sujeitos sociais. Não há a menor possibilidade de que as avaliações de políticas públicas sejam meramente técnicas ou neutras. Elas carregam dentro de si escolhas e valores que orientam as relações que se estabelecem entre política e seus resultados (WANDERLEY et al, 2004). Segundo Jannuzzi (2001 p. 53), o indicador social para a pesquisa acadêmica é o elo de ligação entre os modelos explicativos da teoria social e a evidência empírica dos fenômenos sociais observados, e para a formulação de políticas públicas, é um instrumento operacional, de monitoramento, avaliação, formulação e reformulação de políticas públicas. Um Indicador Social é uma medida em geral quantitativa, dotada de um significado social substantivo, usado para substituir, quantificar ou operacionalizar um conceito social abstrato de interesse teórico (para pesquisar acadêmica) ou programático (para formulação políticas). É um recurso metodológico, empiricamente referido, que informa algo sobre um aspecto da realidade social ou sobre mudanças que estão se processando na mesma. (JANNUZZI, 2002:54) 14

15 Porém, Costa et al (1997) reforça que a avaliação é o exame sistemático e critico dos objetivos de uma política ou de um programa, de sua implementação, de seu impacto social. Deve ser entendida como instrumento para o controle social das políticas publicas, que se desenvolvem em esferas públicas da sociedade. Aponta ainda que para fazer face a este complexo conjunto de características e problemas no desenvolvimento da avaliação e monitoramento de programas e projetos sociais, autores diversos têm apontado, com diferentes ênfases e nuances a necessidade de mudanças no desenho e gestão de políticas sociais que sejam capazes de articular os princípios de descentralização / municipalização das políticas; incorporar a participação comunitária e popular na formulação, acompanhamento e fiscalização das políticas e programas; normalizando parcerias entre poder público sociedade civil na execução de programas. A adoção destes princípios permitiria a inclusão mais legítima, concertada e transparente dos diversos atores envolvidos no programa; tornariam os processos decisórios mais públicos e informados; confeririam maior organicidade, flexibilidade e adaptabilidade às políticas; correspondendo ao anseio das demandas mais imediatas e particulares e partindo para o debate mais abrangente, ficando cada vez mais atrelado a necessidade do planejamento social. (COSTA et al, 1997). A avaliação e o planejamento social Baptista (2003) alerta que a avaliação pode ser o momento de maior conteúdo dialético do planejamento. Para tanto, será necessário abandonar o enfoque fragmentário e pensar a partir de premissas metodológicas da dialética que ponham ênfase na totalidade, no caráter histórico dos processos sociais e no objetivo transformador e não meramente modernizador desta proposta. Em seu livro Planejamento Social; intencionalidade e instrumentação Baptista (2003) revela os elementos fundamentais de dialética da avaliação, no processo de planejamento: A dimensão da historicidade: não pode ser esquecido que determinações da sociedade se impõe na conjuntura e na ação que se realiza no trabalho localizado. A dimensão do enfretamento da reificacão: a ação planejada, objeto do planejamento acorre no cotidiano, diante das questões imediatas, e o que vai determinar o desempenho é o controle que o planejador e o executor do planejador e o executor do planejamento tenha sobre as variáveis da objetividade posta pela sociedade. BAPTISTA (2003:114) A autora afirma ainda que considerando que a avaliação, no processo do planejamento corresponde ao momento em que às decisões, os procedimentos de implementação e de implantação, o desempenho a partir de critérios determinados, visando a formulação de juízos, para que efetive,é importante que se tenha condições de confrontar informações obtidas antes e depois das operações do projeto. No planejamento de questões da área social, os problemas para a montagem de sistemas de avaliação encontram-se principalmente: 15

16 Na precariedade dos processos científicos e metodológicos de mensuração de dados sociais, principalmente os natureza qualitativa deve-se: a ausência de um referencial de estudos que permita determinar os efeitos de medidas macrossociais,em todas as dimensões do sistema: Na dificuldade para estabelecer a natureza estatística de relação entre indicadores, principalmente quando o processo envolve muitas espécies de mudanças,algumas a curto,outras a médio ou a longo prazo,as quais estão naturalmente relacionadas. BAPTISTA (2003:116) Ou seja, o exercício da avaliação busca assegurar uma permanente adequação do planejado e do executado a intencionalidade do planejamento, considerando a dinâmica das variações e desafios permanentes postos na situação enfrentada. É na medida em que permitem detectar desvios, erros, bloqueios, os quais se interpõem a uma resposta significativa, aos desafios que se apresentam que a avaliação desvela caminhos que se abrem para a superação não apenas da ação,mas também do seu planejamento. Os Desafios da Avaliação de Programas Sociais. A enfatize que as políticas e programas sociais apontam certas características peculiares que têm conseqüências importantes sobre sua prática e gestão e que devem se consideradas desde o planejamento até sua avaliação. Sulbrandt (1994) aponta algumas destas características constitutivas das políticas sociais e que as diferenciam de outras: a) os problemas sociais que se pretendem enfrentar com estas políticas são debilmente estruturados e não podem ser definidos de maneira rigorosa; b) as políticas e programas desenhados e aprovados pelo governo não perseguem objetivos únicos e sim objetivos múltiplos, às vezes inconsistentes, e suas metas são definidas de maneira ambígua. c) as metas tendem a ser redefinidas, dentro de certos parâmetros, no decorrer da implementação. d) o caráter brando das tecnologias utilizadas na quase totalidade dos programas sociais significa que as supostas relações causais que vinculam os insumos e as atividades com os produtos, resultados e impactos. Além disto, o desenvolvimento de programas sociais está geralmente exposto à ação de uma série de fatores organizacionais que também têm influência decisiva sobre seus resultados. Kauchakje (2007:87-88) reforça esta tese e aponta que a gestão social no Brasil tem cinco modalidades principais: gestão Patrimonial, Tecno-burocrática, Gerencial, Democrático participativo e gestão em Rede, sendo que cada modalidade perpassa a cultura política brasileira como tendências que se entrecruzam e predominam em momentos históricos diferentes. Benefícios Gerados pela Avaliação frente à situação da pobreza. Filgueiras (2006) em seu trabalho apresentado no Seminário Internacional Avaliação e administração pública: conexão entre conhecimento e ação realizado em Belo Horizonte, 2006, aponta algumas potencialidades dos processos avaliativos, neste item destacamos algumas situações que com freqüência surgem nos estudos de implementação e produtos e programas estudados e que poderiam representar possibilidade de aperfeiçoamento da gestão social. Segundo Filgueiras (2006), a avaliação de um programa necessita partir de uma compreensão clara sobre o desenho da intervenção e sobre os critérios de êxito. Ou seja, é preciso identificar e analisar o marco conceitual e os parâmetros pelos quais será considerado se a intervenção esta executada na direção correta para alcançar resultados valiosos: 16

17 Para facilitar la transformación de la evaluación en un aliado que promueve el aprendizaje y fortalece la gerencia, el primer desafío que tenemos que enfrentar consiste indubitablemente en explicitar lo que queremos lograr (Y, por lo tanto, explicitar lo que queremos evalua). La especificación del marco conceptual de la iniciativa social que se propone evaluar, en forma de una jerarquía de objetivos interrelacionados, no sólo permite definir los procesos evaluativos, sino también constituye un insumo clave para orientar la gerencia de las iniciativas. La superación de ese primer desafío, por sólo, consolida y fortalece los procesos gerenciales y evaluativos. (MOKATE, 2002:127). A autora ressalta ainda que o exame avaliativo permite refletir sobre a corrente de valor que o programa gera e compara-lo com os objetivos propostos. Todo programa social consistente deveria basear-se em noção de causalidade, que indica como se espera gerar efeitos positivos como o programa social desejado nas condições e qualidade de vida dos benefícios. Conclui-se, portanto, que a atividade avaliativa deve ser orientada ao exame sistemático e objetivo de cada situação / atividade / programa / projeto ou gestão. Com vista à observação da efetividade em determinada realidade. CONCLUSÃO Uma das questões deste trabalho aponta para necessidade de preencher lacunas de conhecimento em relação às dimensões da pesquisa avaliativas de programas e projetos sociais. As literaturas recentes sobre o tema explicitamente demanda por análise que possibilite avançar na compreensão dos objetivos da avaliação social e no desenvolvimento e análises formais que permitam mensurar e quantificar os diferentes graus e modalidades de avaliação social nos programas sociais no Brasil. Concluímos que as interfaces da avaliação de programas e projetos socias, emergem das políticas sociais nos aspectos que envolvem o desenvolvimento do trabalho social em territórios com presença de populações tradicionais ou específicas. Apontando para a urgência de articular o processo de implantação, execução, monitoramento, registro e avaliação das ações, usuários e serviços, com estas políticas. Visto que, as legislações analisadas legitimam este processo. Em relação a política para a pobreza, como já é sabido por gestores e técnicos que atuam junto a estas demandas. As áreas priorizadas para intervenção, por serem caracterizadas como pobres, a sua melhoria depende de um conjunto de investimentos, que vão além dos direitos básicos: educação, saúde, alimentação, e outros programas emergências A aplicação dos critérios avaliativos descritos nos programas sociais para esta população requer, formas específicas de operacionalização, já que constituem, obviamente, medidas indiretas, ou seja, que devem ser mensuradas a partir dos resultados obtidos. E desta forma contribuir com os órgãos gestores do município, na avaliação relativa à cobertura dos programas sociais. Enfim, entendemos que o aprimoramento do processo de avaliação de programas e projetos sociais quando utilizado com sentidos variados, reforçam o intuito de permitir a determinação dos efeitos de medidas macrossociais, em todas as dimensões do sistema avaliativo das políticas publicas desde o nível local até federal. 17

18 REFERÊNCIAS ARREGUI et al. Metodologia de monitoramento e avaliação do trabalho com famílias. São Paulo. SAS PUC-SP, BAPTISTA, Mirian Veras. Planejamento social: Intencionalidade e instrumentação. São Paulo. Veras Editora. Lisboa, BARREIRA, M. C. R. N. Avaliação participativa de programas sociais. São Paulo: Veras; Lisboa: CPIHTS, Cap. Avaliação participativa, p BRASIL. Lei de 19 de Setembro de Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção, e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e da outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20/09/1990, p BRASIL. Lei n 9.394, de 20 de dezembro de Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 de dezembro de Seção 1, p BRASIL. Lei nº 8742 de 07/12/1993. Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS). Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 08/12/1993, p BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Política Nacional de Assistência Social. Brasília, DF, set CASTANHAR, José Cezar; COSTA, Frederico Lustosa. Avaliação de programas públicos: desafios conceituais e metodológicos. Revista da Administração Pública, ano 5, n. 37, CHAMPAGNE, F. et al. Cadre conceptuel á 1 evalution dês programes de sante. Rev. Epidemiologie et Sante Publique, 33 (1985) COSTA, Bruno Lazzarotti Diniz, CARNEIRO, Carla Bronzo Ladeira, VEIGA, Laura da. Desafio e inovação em políticas públicas: programas para crianças e adolescentes em situação de risco. Fundação Getúlio Vargas e Fundação Ford, cadernos gestão pública e cidadania, Rio de Janeiro RJ, v. 3, Junho de DONABEDIAN, A. Evaluating the Quality of Medical Care. Milbank Memorial Fund Quarterly, 44 (1966). DOWBOR, Ladislau. Informação para a cidadania e o desenvolvimento sustentável / 2003 Disponível em: <http://dowbor.org/04infocid.doc>. Acessado em 15/02/2008. DRAIBE, Sônia M. Avaliação de implementação: esboço de uma metodologia de trabalho em políticas públicas. In: BARREIRA, M.C.R.N. e CARVALHO. M.C.B. (orgs.). Tendências e perspectivas na avaliação de políticas e programas sociais. São Paulo, IEE/PUC-SP, 2001, p EGG, Ezequiel Ander. Avaliação de programas e serviços sociais. Trad. Jaime Classen e Lúcia M. Oth. Petrópolis: Vozes,

19 FILGUEIRAS, Cristina Almeida Cunha. Avaliação de Programas: oportunidade para a institucionalidade social. BH, JANNUZZI, Martino Pasquali. Indicadores sociais no Brasil: conceitos, fonte de dados e aplicações. Campinas: Alínea, JANNUZZI, Martino Pasquali. Repensando a prática de uso de indicadores sociais na formulação e avaliação de políticas públicas municipais. IN: Qualidade de vida, observatórios, experiências e metodologias. São Paulo: Anablume; Fapesp, 2002.p KAUCHAKJE, S. Gestão Pública de Serviços Sociais. Curitiba: IBEPX, KAUFMAN, R. Identificacion y resolucion de problemas. Um enfoque de sistemas. Mexico, Trilhas, MARICATO, E.; ARANTES, O. e VAINER, C. A cidade do pensamento único. Petrópolis, Vozes, MARINO, Eduardo. Manual de avaliação de projetos sociais. 2ª ed. São Paulo. Saraiva. Instituto Airton Senna, 2003 MOKATE, K. M. (2002), "Convertiendo el monstruo en aliado: la evaluación como herramienta de la gerencia social". Revista do Serviço Público, 53 (1): OTG - Observatório de Tecnologias de Gestão. GLOSSÁRIO. Disponível em: <http://www.otg.org.br/?page=glossario_letrai>, acessado em 15/03/2008. ABIPTI Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica. PERRET, Bernard. Les enjeux épistemologiques de l évaluation. Conseil Scientifique de l évaluation em développement 1996 (rapport annuel sur l`évolution dês pratiques d évaluation dês politiques publiques). Paris:La Documentation Française, SANTOS, W. G. dos. A Trágica Condição da política Social. Séries de estudos, nº.45. Rio de Janeiro: IUPERJ SILVA, Maria Ozanira da (org). Avaliação de políticas e programas sociais: teoria e prática. São Paulo: Veras Editora, Cap. Avaliação de políticas e programas sociais: aspectos conceituais e metodológicos, p SILVA, Maria Ozanira da. A Política Pública de Transferência de Renda enquanto estratégia de enfrentamento à pobreza no Brasil. Revista de Políticas Públicas, v.7, n.2, 2003, p SILVA, Maria Ozanira da. Os Programas de Transferência de Renda e a Pobreza no Brasil: superação ou regulação? Revista de Políticas Públicas, v. 9, n. 1, 2005, p SILVA, Maria Ozanira da. Os Programas de Transferência de Renda na Política Social Brasileira: seu desenvolvimento, possibilidades e limites. Revista de Políticas Públicas, v. 8, n. 2, 2004, p

20 STAKE, R. L. Evaluation design, instrumentation, data collection, and analyses of data. In: WORTHEN, Blaine R.; SANDERS, James R. (ed.) Educational evaluation: theory and practice. Worthington, Ohio: Charles A.Jones SULBRANDT, José. A avaliação dos programas sociais: uma perspectiva crítica dos modelos usuais". In KLIKSBERG, Bernardo (org.). Pobreza: Uma Questão Inadiável. Brasília: ENAP, TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo, Atlas, WANDERLEY, M. B.; ARREGUI, C. C.; PAZ, R. D. O. Gestão de Programas Sociais - Referenciais Teóricos para Monitoramento e Avaliação. In: Mariangela Belfiore Wanderley; Isaura Isolde de Mello Castanho e Oliveira. (Org.). Trabalho com famílias. São Paulo: IEE- PUCSP, 2004, v. 2, p

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela 1 Introdução O Programa Bolsa Família (PBF) é o maior programa sócio assistencial atualmente no país, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias brasileiras. O PBF tem sido objeto de várias questões

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ 1 A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ Mayara de Freitas Orientadora Profa. Dra. Sandra Aparecida

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA Antonia Alves Vanzetto RESUMO A Assistência Social reconhecida como Política Pública na Constituição Federal/1988, através dos artigos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O BRASIL SEM MISÉRIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome decidiu organizar este livro por vários motivos. Um deles é evitar que o histórico da construção do Plano Brasil

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Recife, 2004 Sumário Objetivo Beneficiários Diagnóstico Horizonte Temporal

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES

CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES Nada se sabe, tudo se imagina Frederico Fellini CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES 6.1 - Considerações Finais A principal contribuição deste trabalho volta-se para a produção e validação de métodos para o tratamento

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL.

DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL. PRINCÍPIOS PIOS DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL. Contextualização A elaboração da Política Nacional e do Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria Estadual de Saúde / Fundação HEMOPE Processo Seletivo Simplificado 2006

Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria Estadual de Saúde / Fundação HEMOPE Processo Seletivo Simplificado 2006 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 01 O Serviço Social brasileiro, na perspectiva do projeto éticopolítico hegemônico desde os anos 90: A) absorve as expressões da pós modernidade, revalorizando as dimensões

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento e Desenvolvimento de Projetos Especiais. Coordenação Geral de Planejamento de Educação a Distância. PROGRAMA TV ESCOLA

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias *

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * Arminda Eugenia Marques Campos ** Luís Henrique Abegão *** Maurício César Delamaro **** Numa época em que os recursos públicos destinados

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA Potyara A. P. Pereira 1 Introdução Do conjunto de leis, direitos e políticas que, a partir da Constituição Federal de 1988, compõem a nova institucionalidade

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV Apresentador: Jordana Oliveira OLIVEIRA, Jordana 1. KRAVICZ, Gisele Ferreira 2. TRENTINI, Fabiana Vosgerau. 3 RESUMO:

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 1 Art. 3º. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: [...] Art. 3 O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Marcos da Política de Combate à Pobreza Antecedentes: Assistência

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação 1 AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação Ernesto F. L. Amaral 14 e 26 de abril de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS

EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS Objetivos específicos Avaliar do ponto de vista do controle social os processos de acompanhamento da gestão dos benefícios e transferência de renda, Avaliar e fortalecer

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS Rua Dias Adorno, 367, 6 andar, Bairro Santo Agostinho, CAPITAL CEP: 30 190 100 Telefax: 31 3330 8394 e-mail: caodh@mp.mg.gov.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento 24 V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento Orçamento Participativo e demais fóruns de planejamento e gestão O Planejamento e a Gestão do município do Recife estão hoje apoiados por um sistema

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO EM SAÚDE.

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO EM SAÚDE. CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO EM SAÚDE. INTRODUÇÃO Esta nota técnica se propõe a apresentar alguns conceitos e ações desenvolvidas na área de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde e a atual situação.

Leia mais

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013.

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Sistemas de Monitoramento e Avaliação Pode ser entendido, em sentido lato, como o conjunto de

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações;

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações; O Sistema Único de Assistência Social A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade destinada a assegurar os direitos relativos à saúde,

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas social.vania@gmail.com Mapeamento e cobertura da rede prestadora de

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EIXO 1 Processo Histórico da Participação Popular no País: nossa cidade e territórios em movimento; Trajetória e

Leia mais

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica.

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica. ASSISTENTE SOCIAL 01. Considerando que o Serviço Social foi introduzido no Brasil nos anos 30, é correto afirmar que a primeira escola de Serviço Social, criada em 1963, no seu inicio sofreu forte influência:

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS BRASIL 8,5 milhões de Km²; 192 milhões de habitantes; 26 Estados e 01 Distrito Federal; 5.564 municípios (70,3 % com menos de 20.000 habitantes);

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. Dispõe sobre a Política de Assistência Social No Município, cria o Conselho Municipal de Assistência Social e o Fundo Municipal de Assistência Social

Leia mais