ANEXO III 1. ITENS PARA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO III 1. ITENS PARA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO"

Transcrição

1 ANEXO III Os modelos abaixo servem de orientação e exemplo para elaboração dos projetos contemplados pelo financiamento do Escritório de Projetos da Secretaria Executiva de Apoio aos Municípios SEAM/PE e contém os elementos necessários à execução de projetos de áreas finalísticas básicas. Os projetos devem apresentar, no mínimo, quando aplicável, os elementos descritos abaixo. Caso os modelos apresentados não sejam aplicáveis, será necessário entrar em contato com a SEPLAG/Escritório de Projetos para as devidas orientações. 1. ITENS PARA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO PROJETO BÁSICO a) Memorial Descritivo b) Sondagens e topografia c) Projetos básicos de: I. demolições e remoção/relocação de interferências; geometria do sistema viário; I terraplenagem; pavimentação; V. drenagem; VI. urbanismo e paisagismo; V sistema de iluminação; VI canteiro de obras; IX. desapropriações i.planta georreferenciada de localização dos imóveis; ii.memorial descritivo ( nome do proprietário/ ocupante, endereço - rua e nº do imóvel); iii.apresentar os respectivos quantitativos e memórias dos serviços necessários nas demolições dos imóveis contemplados nas desapropriações, conforme estudo do traçado. d) Memória de cálculo de dimensionamento da pavimentação; e) Planilha de serviços e quantidades; f) Especificações técnicas; g) Orçamento; h) Cronograma Físico-Financeiro. PROJETO BÁSICO DAS OBRAS DE ARTE ESPECIAIS a) Geometria

2 b) Sondagem e topografia c) Projeto Estrutural, com detalhamento dos concretos e ferragens d) Memória de cálculo estrutural; e) Elementos Geotécnicos da OAE PROJETO EXECUTIVO a) Plano de execução da obra; b) Projeto executivo de I. demolições e remoção/relocação de interferências; geometria do sistema viário; I terraplenagem; pavimentação; V. drenagem; VI. sinalização de trânsito (horizontal, vertical e semafórica); V urbanismo e paisagismo; VI sistema de iluminação; IX. reposição/compensação florestal; c) Planilha de serviços e quantidades; d) Memorial de quantificação; e) Especificações técnicas; f) Orçamento; g) Cronograma Físico-Financeiro. 2. ITENS PARA PROJETOS DE EDIFICAÇÃO PROJETO BÁSICO a) Memorial Descritivo, com características gerais da obra; b) Projeto de Arquitetura I. Planta de situação e locação da edificação, com no mínimo as seguintes informações: i. Representação do terreno com as características planialtimétricas; ii. Locação e implantação da edificação iii. Cotas de nível do terrapleno das edificações e dos pontos significativos das áreas externas iv. Localização dos elementos externos construídos

3 Plantas de todos os pavimentos; I Planta de Projeto de Recuperação e Reforma com indicadores de DEMOLIR/CONSTRUIR; Planta de Paginação de Pisos tátil; V. Planilha Estimativa Orçamentária. VI. V VI IX. Dimensões e cotas relativas de todas as aberturas Plantas de cobertura indicando o material, inclinação, sentido de escoamento das águas, posição das calhas, condutores e beirais e demais informações necessárias; Todas as Fachadas confrontantes e intermediárias No mínimo 5 (cinco) cortes, sendo transversais e longitudinais da edificação; X. Detalhes ampliados das áreas molhadas com o posicionamento dos diversos aparelhos; XI. X XI Quadro geral das esquadrias e cobogó, Todos os detalhes que se fizerem necessários para a perfeita compreensão da obra a executar como escadas e seus corrimãos, guarda-corpos, bancadas, balcões, divisórias, elementos metálicos diversos, louças sanitárias, equipamentos e arremates necessário, conforme caderno de detalhes de especificações. Legenda com a simbologia utilizada para identificação c) Projeto de Desapropriação I. Planta georreferenciada de localização dos imóveis; Memorial descritivo ( nome do proprietário/ ocupante, endereço - rua e nº do imóvel); I Apresentar os respectivos quantitativos e memórias dos serviços necessários nas demolições dos imóveis contemplados nas desapropriações, conforme estudo do traçado. d) Projeto de Instalações Hidráulicas e Sanitárias I. Planta de situação ao nível da rua Planta de cada nível da edificação contendo a indicação das canalizações I Desenhos isométricos da instalação hidráulica Desenho isométrico das bombas de recalque V. Plantas de detalhes sanitários dos ambientes com consumo d'água VI. Desenho de esquema vertical hidráulico V VI Desenho de esquema vertical sanitário Memória de cálculo do sistema de destinação final dos efluentes sanitários

4 IX. Desenho em planta e cortes detalhando fossas, sumidouros, caixas de inspeção, de gordura, de passagem, elevatórias de esgoto, etc. e) Projeto de Instalações de Águas Pluviais e Drenagem Interna I. Planta de cobertura com indicação de calhas coletoras de águas pluviais e suas declividades e tubos de descida; I Planta de situação com a indicação de áreas, caixas ou coletores, tubulações, rede pública de drenagem, etc; Desenho de esquema vertical com indicação dos níveis da edificação, tubos de descidas, caixas de areia e tubulação de coleta; Desenho em escalas adequadas das instalações de bombeamento e de detalhes de drenos, valas, caixas e areia, caixas boca de lobo e de inspeção; V. Corte indicando os níveis das caixas de rede de coleta e tubulações em relação ao terreno, mostrando o perfil longitudinal com todas as cotas; VI. Legenda com a simbologia utilizada para indicação dos elementos das instalações. f) Projeto de Instalações Elétricas I. Planta de situação indicando a entrada de energia elétrica, subestação, medição, quadros, tubulações e cabos de alimentação; I Planta de cada nível da edificação, indicando: a) Localização dos aparelhos de iluminação, seus respectivos comandos, tomadas comuns, especiais e de força e outros pontos de consumo de energia mostrando potência e numeração de cada um dos elementos acima; b) Rede de eletrodutos, eletro calhas e caixas interligando os diversos pontos aos quadros de distribuição de luz e/ou força; c) Trajeto dos condutores, identificando-os em relação aos circuitos; Desenhos de diagramas unifilares geral e de cada quadro com indicação dos alimentadores, barramentos, proteções, chaves de comandos, sinalização, equipamentos de medição e transformadores, etc; Desenhos de esquema vertical elétrico, indicando os níveis da edificação, quadros, dutos, condutores e caixas de passagens; V. Legenda com a simbologia utilizada para indicação dos elementos da instalação elétrica; VI. V Desenho de quadro de cargas contando indicação do quadro numeração de circuitos; quantidade de pontos de consumo por tipo, carga e circuito cargas, condutores e proteção dos circuitos; alimentadores e proteção geral; Plantas, cortes e detalhamento de subestação aérea ou abrigada, com todos os seus elementos e acessórios como entrada, transformação, proteção e medição e aterramento;

5 VI IX. Desenho de detalhes do aterramento indicando caixas, eletrodutos, conectores e condutores; Desenhos e detalhes dos comandos de máquinas e motores. g) Projeto de Instalações Telefônicas I. Planta de situação com indicação da caixa de entrada, tubulação de entrada, caixas subterrâneas e distribuidor geral; I Planta de cada nível da edificação com localização das caixas de saída, caixas de passagem, caixas de distribuição e distribuição geral, tubulação e redes primária e secundária, sejam elas horizontal ou vertical; Desenho de esquemas verticais de telefone referentes a tubulação, entrada tubulações e redes de cabos; Desenhos dos detalhes de aterramento e de caixas subterrâneas, de entrada aérea, poços de elevações, CPCT s, e demais elementos necessários a compreensão do projeto; V. Legenda com a simbologia utilizada para identificar os diversos elementos do projeto. h) Orçamento Estimativo PROJETO EXECUTIVO a) Orçamento Detalhado b) Cronograma detalhado e plano de execução de obra c) Memorial de quantificação; d) Projeto Estrutural I. Plantas dos pavimentos e escadas; Cortes e detalhes, onde se fizerem necessários ao completo entendimento da estrutura; I Indicação dos carregamentos permanentes e acidentais considerados; Indicação da resistência característica do concreto; V. Indicação do esquema executivo obrigatório, quando assim exigir o esquema estrutural; VI. V VI IX. Indicação das contra-flechas; Indicação das juntas de dilatação; Detalhamento de todas as armaduras da estrutura; Especificação do tipo de aço; X. Tabela e resumo de armação por folha de desenho;

6 XI. Memorial Descritivo das etapas executivas caracterizando as tipologias de resistências. 3. ITENS PARA PROJETOS DE ÁGUA E SANEAMENTO PROJETO BÁSICO a) Sondagens e topografia b) Memorial Descritivo c) Memória de Cálculo d) Especificações técnicas e) Orçamento estimativo f) Peças gráficas g) Projeto básico de: I. instalações elétricas instalações hidrossanitárias Específico para abastecimento de água a) Mapeamento de rede existente b) Estudo de consumo e demanda c) Definição de parâmetros, d) Planilhas de cálculo de vazão e pressão e) Planilha com comprimento dos trechos f) Quadro de conexões e peças constituintes g) Especificações técnicas h) Orçamento estimativo i) Informações sobre perdas do sistema, tipos de tratamento, interligação do sistema proposto com o existente Específico para esgotamento a) Descrição geral do sistema existente no entorno

7 b) Estudo de consumo e demanda c) Definição dos parâmetros d) Mapeamento da rede existente e) Projeto da intervenção proposta f) Dimensionamento de rede g) Planta contendo lay-out da rede h) Perfis longitudinais das redes i) Detalhes dos poços de visita PROJETO EXECUTIVO a) Orçamento Detalhado b) Memorial de quantificação c) Projeto estrutural d) Projetos executivos de: I. Instalações elétricas Instalações hidrossanitárias 4. ORÇAMENTOS a) Serão orçamentos sintéticos globais, com quantitativos e custos unitários e totais de todos os serviços, materiais, equipamentos e mão de obra a serem empregados na execução das obras. Um resumo com os preços totais das etapas de obra e a participação percentual no custo total da mesma deverá acompanhar os orçamentos. b) Deverão ser utilizadas as tabelas SINAPI e SICRO, sendo aplicáveis outras tabelas públicas. No caso de não existência do item nessas 2 tabelas, deverão ser apresentadas cotações de pelo menos 3 (três) empresas. c) Apresentar a memória de cálculo dos quantitativos previstos no orçamento, bem como as composições de custos e cotações de preços de itens não contemplados em tabelas de custos oficiais (SICRO, SINAPI, etc.). d) As planilhas de quantificação e custos devem ser apresentadas em planilha com a conclusão dos projetos executivos e organizadas de acordo com as fases previstas para a obra. e) A relação de itens para planilha orçamentária deverá ser única para cada projeto do Caderno de Especificações Técnicas, acompanhando a numeração dos itens. f) Deverá constar no cabeçalho o Cliente, Obra, Local, Data Base, o valor do BDI e valor orçado em Reais. g) Memória de cálculo do BDI h) A planilha deverá possuir as seguintes colunas:

8 i. Item ii. Subitem iii. Código da tabela do serviço indicando a referência (SINAPI, SICRO, etc.) iv. Discriminação do serviço v. Unidade vi. Quantidade vii. Custo unitário (mão de obra, materiais e equipamentos) viii. Custo total de cada serviço ix. Custo acumulado do item x. Custo total da obra

Norma Técnica Interna SABESP NTS 023

Norma Técnica Interna SABESP NTS 023 Norma Técnica Interna SABESP NTS 023 RESERVATÓRIOS Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 023 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE PROJETO...1 2 DIMENSIONAMENTO

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB DITEC Reforma das instalações Código do Projeto: 1564-12 Pág. 2 Índice Sumário 1. Memorial Descritivo

Leia mais

Aula 5 Projetos elétricos

Aula 5 Projetos elétricos Aula 5 Projetos elétricos Um projeto elétrico é um conjunto de símbolos desenhados sobre uma planta baixa interligados de tal forma para mostrar com deve ser executada a obra. Todo projeto elétrico residencial,

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CONFINS PLANO DE DOCUMENTAÇÃO GERAL DAS ETAPAS DE ESTUDOS PRELIMINARES, PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CONFINS PLANO DE DOCUMENTAÇÃO GERAL DAS ETAPAS DE ESTUDOS PRELIMINARES, PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO CANTEIRO DE OBRAS CF.01/012.75/14432/00 CF.01/012.07/11436/00 Implantação Geral CF.01/012.01/15002/01 Caminhos de Serviço CF.01/012.01/15001/00 Galpoes de Apoio CF.01/012.01/15000/00 Serviços Medicos e

Leia mais

Anexo II TERMO DE REFERÊNCIA

Anexo II TERMO DE REFERÊNCIA Anexo II TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO. O presente documento consiste no Termo de Referência para Contratação de Projeto Final de Engenharia (Projeto Executivo) para a construção de uma rótula, pavimentação

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO

ESCOPO DE FORNECIMENTO ESCOPO DE FORNECIMENTO v.23 (Este documento complementa o Roteiro de Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos para a CPO ) 1. Reunião técnica inicial 1.1. Será convocada pela CPO o mais cedo possível

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 17 Instalações de Esgoto Profª Heloise G. Knapik 1 Instalações prediais de esgotamento sanitário Objetivo

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 017/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Esquadrias

PROC-IBR-EDIF 017/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Esquadrias INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 017/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Esquadrias Primeira

Leia mais

ANEXO I AUTORIZAÇÃO DE CONSTRUÇÃO (AC)

ANEXO I AUTORIZAÇÃO DE CONSTRUÇÃO (AC) ANEXO I AUTORIZAÇÃO DE CONSTRUÇÃO (AC) I) PROCEDIMENTO Nº 01 - AUTORIZAÇÃO DE CONSTRUÇÃO (AC) PARA DISTRIBUIDOR DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS Item 1 2 3 4 Documento Requerido I - Requerimento de autorização

Leia mais

Curso de Engenharia Civil

Curso de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil Disciplina: Período: 4º semestre Professor: Luiz Antonio do Nascimento Email: ladnascimento@gmail.com Existem diversos tipos de desenhos utilizados nos projetos de Construção

Leia mais

1. SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIOS

1. SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIOS 1. SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIOS 1.1 - CONCEPÇÃO DO PROJETO: O projeto constará de plantas, detalhes, memória de cálculo e especificações, que sejam necessárias para que haja o perfeito entendimento. 1.

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA A OBRA DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DA ESCOLA MUNICIPAL JULIA MIRANDA

TERMO DE REFERENCIA PARA A OBRA DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DA ESCOLA MUNICIPAL JULIA MIRANDA TERMO DE REFERENCIA PARA A OBRA DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DA ESCOLA MUNICIPAL JULIA MIRANDA 1. OBJETIVO E ESCLARECIMENTO: A obra em questão tem por finalidade fazer reformas na Escola Municipal Julia Miranda.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 0136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: INFRAESTRUTURA Componente Curricular: PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

Leia mais

PROJETO PRAÇA DA JUVENTUDE

PROJETO PRAÇA DA JUVENTUDE PROJETO PRAÇA DA JUVENTUDE Site: http://www.esporte.gov.br/ Blog: http://pracadajuventude.wordpress.com/ E-mail: pracadajuventude@esporte.gov.br CONSULTORES ARQUITETOS / ENGENHEIROS Carlos Alonso Cardoso

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNCIA FOLHA 1 de 5 ÍNDICE DE REVISÕES

Leia mais

M E M O R I A L D E S C R I T I V O

M E M O R I A L D E S C R I T I V O M E M O R A L D E S C R T V O N S T A L A Ç Õ E S E L É T R C A S CONSELHO REGONAL DE ENFERMAGEM DE SERGPE-COREN Endereço : Rua Duque de Caxias nº 389, Bairro São José, cidade de Aracaju/SE. Proprietário

Leia mais

DETALHE DO CARIMBO DAS PRANCHAS E INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO, segundo norma da Infraero NI-2.07(GDI): CARIMBO DE TERCEIROS CARIMBO DA INFRAERO

DETALHE DO CARIMBO DAS PRANCHAS E INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO, segundo norma da Infraero NI-2.07(GDI): CARIMBO DE TERCEIROS CARIMBO DA INFRAERO 12. ANEXOS Anexos 1 a 23 ANEXO 1 DETALHE DO CARIMBO DAS PRANCHAS E INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO, segundo norma da Infraero NI-2.07(GDI): TÁBUA DE REVISÃO CARIMBO DE TERCEIROS CARIMBO DA INFRAERO 1. TÁBUA

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

Capítulo 1 Planejamento das Construções

Capítulo 1 Planejamento das Construções Capítulo 1 Planejamento das Construções 1. Considerações Gerais O princípio que deve nortear qualquer construção; seja grande ou pequena, residencial, comercial ou industrial, urbana ou rural; é o de fazer

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.014/2014

PROC IBR EDIF 01.02.014/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.014/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

1 - MEMORIAL DESCRITIVO

1 - MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE SPDA ESTRUTURAL AMPLIAÇÃO DA TELECOMUNICAÇÕES 1 - MEMORIAL DESCRITIVO 2 MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGA ATMOSFÉRICA - SPDA 1.0 - DADOS BÁSICOS:

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-22/07/2014 05/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

NORMA TÉCNICA 34/2014

NORMA TÉCNICA 34/2014 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 34/2014 Hidrante Urbano SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5

Leia mais

PRINCIPAIS ETAPAS DE UM PROJETO DE ENGENHARIA DE ESTRADAS

PRINCIPAIS ETAPAS DE UM PROJETO DE ENGENHARIA DE ESTRADAS PRINCIPAIS ETAPAS DE UM PROJETO DE ENGENHARIA DE ESTRADAS Introdução Projeto geométrico de uma estrada: processo de correlacionar os seus elementos físicos com as características de operação, frenagem,

Leia mais

CAIXA 87º ENIC - 2015

CAIXA 87º ENIC - 2015 SINAPI Sistema de Referência de Preços CAIXA 87º ENIC - 2015 Histórico do SINAPI 1969 1986 1997 2003 2008 2009 2013 2014 2015 Criação do SINAPI BNH/IBGE Gestão CAIXA/IBGE Sistema de Orçamentação SINAPI

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS ARQUITETÔNICAS

ORIENTAÇÕES PARA DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS ARQUITETÔNICAS ORIENTAÇÕES PARA DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS ARQUITETÔNICAS Este resumo foi preparado listando as informações mais importantes para que se desenvolvam desenhos de arquitetura com clareza, critério e precisão.

Leia mais

Escola Municipal Caminho para o Futuro. Rua Goiânia 559-S, Lucas do Rio Verde - MT. Elaine Benetti Lovatel

Escola Municipal Caminho para o Futuro. Rua Goiânia 559-S, Lucas do Rio Verde - MT. Elaine Benetti Lovatel DADOS CADASTRAIS CLIENTE PROPRIETÁRIO Pref. Municipal de Lucas do Rio Verde OBRA Escola Municipal Caminho para o Futuro LOCAL DA OBRA Rua Goiânia 559-S, Lucas do Rio Verde - MT SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

IT 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

IT 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS IT 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos 2 Aplicação B Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2015 Instrução Técnica nº 34/2011 - Hidrante urbano 719 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2015 Hidrante

Leia mais

COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL -.C.I.S.P.O.A.-

COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL -.C.I.S.P.O.A.- COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL -.C.I.S.P.O.A.- MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM E INDUSTRIALIZAM PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL E SEUS

Leia mais

TERRACAP - Companhia Imobiliária de Brasília DITEC Diretoria Técnica GEREN Gerência de Engenharia TERMO DE REFERÊNCIA

TERRACAP - Companhia Imobiliária de Brasília DITEC Diretoria Técnica GEREN Gerência de Engenharia TERMO DE REFERÊNCIA TERRACAP - Companhia Imobiliária de Brasília DITEC Diretoria Técnica GEREN Gerência de Engenharia TERMO DE REFERÊNCIA Termo de referência para contratação de serviços de Elaboração de Projetos Executivos

Leia mais

Anexo 1 Termos de Referência. Contratação de empresa para elaboração de Projeto Elétrico para o Escritório da FAO no Brasil.

Anexo 1 Termos de Referência. Contratação de empresa para elaboração de Projeto Elétrico para o Escritório da FAO no Brasil. Anexo 1 Termos de Referência Contratação de empresa para elaboração de Projeto Elétrico para o Escritório da FAO no Brasil. 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 3 3. OBJETO... 3 4. DESCRIÇÃO

Leia mais

SIM- SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL

SIM- SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA RECADASTRAMENTO, REGISTRO E/OU APROVAÇÃO DE PROJETOS DE ESTABELECIMENTOS NO SIM, CONFORME A LEGISLAÇÃO VIGENTE. A) Para recadastrar,aprovar o projeto e/ou alterações : 1- Mandar

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA COLETORES PREDIAIS LOTE 2

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA COLETORES PREDIAIS LOTE 2 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA COLETORES PREDIAIS LOTE 2 Versão: 002 Vigência: 03/2016 Última atualização: 05/2016 GRUPO

Leia mais

ISF-226: PLANO DE EXECUÇÃO DA OBRA

ISF-226: PLANO DE EXECUÇÃO DA OBRA DNIT Instrução de Serviço Ferroviário ISF ISF-226: PLANO DE EXECUÇÃO DA OBRA 2015 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA GERAL DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ELÉTRICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO (EEE) (ETF-EL-2)

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ELÉTRICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO (EEE) (ETF-EL-2) SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ELÉTRICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO () Data Emis 29/12/2009 Data 24/08/2012 2 de 1. INSTALAÇÃO ELÉTRICA 1.1. As

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS ALPHAVILLE SALVADOR 2

ORIENTAÇÕES PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS ALPHAVILLE SALVADOR 2 Os documentos exigidos pela Associação Alphaville Salvador 02 para novas construções do tipo residencial Unifamiliar são: 1. Carta de quitação de débitos condominiais, emitida pelo setor financeiro da

Leia mais

Com relação aos projetos de instalações hidrossanitárias, julgue o item a seguir.

Com relação aos projetos de instalações hidrossanitárias, julgue o item a seguir. 57.(CREA-RJ/CONSULPLAN/0) Uma bomba centrífuga de 0HP, vazão de 40L/s e 30m de altura manométrica está funcionando com 750rpm. Ao ser alterada, a velocidade para 450 rpm, a nova vazão será de: A) 35,5L/s

Leia mais

EDITAL DA LICITAÇÃO DE TOMADA DE PREÇOS Nº 03/2015-IPPUJ ANEXO VIII MODELO DE PROPOSTA DE PREÇOS E CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO

EDITAL DA LICITAÇÃO DE TOMADA DE PREÇOS Nº 03/2015-IPPUJ ANEXO VIII MODELO DE PROPOSTA DE PREÇOS E CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO EDITAL DA LICITAÇÃO DE TOMADA DE PREÇOS Nº 03/2015-IPPUJ ANEXO VIII MODELO DE PROPOSTA DE PREÇOS E CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO (as planilhas orçamentárias e o cronograma físico-financeiro devem estar

Leia mais

GESEC Grupo de Estudos de Segurança e Medicina do Trabalho na Construção Civil

GESEC Grupo de Estudos de Segurança e Medicina do Trabalho na Construção Civil GESEC Grupo de Estudos de Segurança e Medicina do Trabalho na Construção Civil I. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes mínimas para assegurar a execução e especificação do PEEPC - Projeto de Execução e Especificação

Leia mais

Aprimoramento SINAPI. 88º ENIC Foz do Iguaçu 12/05/2016

Aprimoramento SINAPI. 88º ENIC Foz do Iguaçu 12/05/2016 Aprimoramento SINAPI 88º ENIC Foz do Iguaçu 12/05/2016 Legislação Decreto 7.983/2013: Regras e critérios a serem seguidos pela administração pública federal para a elaboração do orçamento de referência

Leia mais

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Documento: Cliente: MEMÓRIA DE CÁLCULO CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Pag: 1 of 11 Título: TECHNIP ENGENHARIA S/A TKP No.: P70036-000-CN-1441-001 ÍNDICE DE REVISÕES REV

Leia mais

LEI MUNICIPAL N 4.774, DE 13 DE JUNHO DE 2013.

LEI MUNICIPAL N 4.774, DE 13 DE JUNHO DE 2013. -Dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de edificações para aprovação na Prefeitura Municipal de Tatuí, e dá outras providencias. JOSÉ MANOEL CORREA COELHO MANÚ, Prefeito Municipal de Tatuí,

Leia mais

NORMA TÉCNICA 23/2014

NORMA TÉCNICA 23/2014 ESTADO DE GOIÁS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 23/2014 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

Memorial Descritivo. 2.0 Transportes 2.1 Deverá ser feita retirada de entulho por conta da contratada;

Memorial Descritivo. 2.0 Transportes 2.1 Deverá ser feita retirada de entulho por conta da contratada; Memorial Descritivo I Introdução A obra objeto deste memorial consiste na descrição dos elementos para CONSTRUÇÃO DE ACADEMIA DA SAUDE, a ser edificada no município de Gaúcha do Norte MT.. II - Descrição

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA REPAROS NA ESCOLA MUNICIPAL MARINHO FERNANDES

TERMO DE REFERENCIA PARA REPAROS NA ESCOLA MUNICIPAL MARINHO FERNANDES TERMO DE REFERENCIA PARA REPAROS NA ESCOLA MUNICIPAL MARINHO FERNANDES 1. OBJETIVO E ESCLARECIMENTO: A obra em questão tem por finalidade fazer reparos na Escola Municipal Marinho Fernandes. A planilha

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NO RAMO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS E DE ENGENHARIA UTFPR LONDRINA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NO RAMO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS E DE ENGENHARIA UTFPR LONDRINA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMESA ESPECIALIZADA NO RAMO DE OJETOS ARQUITETÔNICOS E DE ENGENHARIA UTF LONDRINA OBJETIVO: O presente documento tem por objetivo especificar a contratação de empresa

Leia mais

PARALELISMO EM NÍVEL Informações para Apresentação de Projeto Revisão 09/04/11

PARALELISMO EM NÍVEL Informações para Apresentação de Projeto Revisão 09/04/11 Em atenção à solicitação de autorização para implantação de Paralelismo em nível, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada passagem.

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DE ÁGUAS PLUVIAIS SINAPI LOTE 2 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DE ÁGUAS PLUVIAIS SINAPI LOTE 2 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DE ÁGUAS PLUVIAIS LOTE 2 Versão: 002 Vigência: 12/2014 GRUPO INSTALAÇÕES

Leia mais

PEDIDO DE RECEÇÃO PROVISÓRIA DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO E REDUÇÃO DA CAUÇÃO

PEDIDO DE RECEÇÃO PROVISÓRIA DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO E REDUÇÃO DA CAUÇÃO Registo n.º Data / / O Funcionário PEDIDO DE RECEÇÃO PROVISÓRIA DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO E REDUÇÃO DA CAUÇÃO Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia ANEXO VIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Os projetos de instalações hidrossanitárias deverão atender às recomendações e especificações

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 C U R S O D E A R Q U I T E T U R A E U R B A N I S M O Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 Componente Curricular: DESENHO ARQUITETÔNICO II Código: ARQ021 Pré-requisito:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.7 Especificações de Garagem PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ESPECIFICAÇÕES DE GARAGEM... 2 1.1Instalações... 2 1.2Pátio... 2 1.3Posto de Abastecimento... 2 1.4Lavagem... 3 1.5Inspeção

Leia mais

GUIA DE INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE INDÚSTRIAS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

GUIA DE INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE INDÚSTRIAS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL GUIA DE INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE INDÚSTRIAS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL REGISTRO, RELACIONAMENTO E TRANSFERÊNCIA: Propriedades e Estabelecimentos sujeitos a registro: - Matadouro-Frigorífico; - Fábrica

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Construção de Habitações de Interesse Social

Leia mais

Estudo de Coordenação e Seletividade

Estudo de Coordenação e Seletividade Estudo de Coordenação e Seletividade Memorial de Cálculo Obra: Subestação Abrigada 750kVA para Pavilhão Industrial de Reciclagem Proprietário: Prefeitura Municipal de Ponte Preta - RS Localização: Parte

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 3: ATERRAMENTOS 1. FINALIDADE O sistema de equipotencialização principal da edificação consiste na interligação de elementos especificados visando obter a equipotencialidade necessária para os

Leia mais

Louças: Serão utilizados da marca Celite ou Deca ou Ideal Standard Metais: Serão utilizados da marca Fabrimar, Deca ou Docol

Louças: Serão utilizados da marca Celite ou Deca ou Ideal Standard Metais: Serão utilizados da marca Fabrimar, Deca ou Docol MEMORIAL DESCRITIVO 1- ACABAMENTO DAS UNIDADES COMERCIAIS 1.1 MULTISPACE OFFICE Piso: Na laje em osso (concreto) Parede: Pintura plástica sobre massa corrida Teto: Rebaixo em gesso com pintura plástica

Leia mais

PASSAGEM EM NÍVEL Informações para Apresentação de Projeto Revisão 06/04/11

PASSAGEM EM NÍVEL Informações para Apresentação de Projeto Revisão 06/04/11 Em atenção à solicitação de autorização para passagem de Passagem em nível, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada passagem. (Não

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO E PRESTADOR

IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO E PRESTADOR RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS PRESTADOR: SAAE SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE CORDEIRÓPOLIS Relatório R5 Continuação Diagnóstico e Não

Leia mais

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Em atenção à solicitação de autorização para construção de Passagem Superior e Inferior, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Passagem.

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS Audiência Pública - CMA/SENADO 13.04.2010 - BRASILIA-DF LDO 2010 (LEI Nº 12.017, DE 12 DE AGOSTO

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180400 CERCA / MURO FOLHA: SUMÁRIO 1. CERCA COM TELA DE ARAME GALVANIZADO E ESTACAS DE CONCRETO...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...2 1.4 EXECUÇÃO...2 1.5 CONTROLE...2

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO ESPECIAL LICITAÇÕES. José Roberto Bernasconi. Presidente Nacional

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO ESPECIAL LICITAÇÕES. José Roberto Bernasconi. Presidente Nacional CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO ESPECIAL LICITAÇÕES José Roberto Bernasconi Presidente Nacional 10/Junho/2015 Regionais em SP, MG, RJ, BA, PE, PR, RS, CE, GO, SC, ES, DF e PB 30 mil empresas em todo o país

Leia mais

DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DIVISÃO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES E ENCARGOS

DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DIVISÃO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES E ENCARGOS DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DIVISÃO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES E ENCARGOS TRANSPORTE VERTICAL - ELEVADOR PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE UBERLÁNDIA / MG

Leia mais

PPCI QUALIDADE ABNT PLANO DE PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO. RCC ENGENHARIA DE INCÊNDIO Eng. Alexandre Rava de Campos

PPCI QUALIDADE ABNT PLANO DE PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO. RCC ENGENHARIA DE INCÊNDIO Eng. Alexandre Rava de Campos QUALIDADE ABNT PLANO DE PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO RCC ENGENHARIA DE INCÊNDIO Eng. Alexandre Rava de Campos CREA - JULHO 2009 LEI Nº 10.987, DE 11 DE AGOSTO DE 1997. Estabelece normas sobre sistemas

Leia mais

Memorial Técnico Descritivo do Alarme de Incêndio

Memorial Técnico Descritivo do Alarme de Incêndio Memorial Técnico Descritivo do Alarme de Incêndio 1. IDENTIFICAÇÃO Prefeitura Municipal De Veranópolis Posto de Saúde Central. Av. Pinheiro Machado, 581 Centro Veranópolis RS CEP: 95330-000 CNPJ: 98671597/0001-09

Leia mais

3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS. 3.1 Sistema Direto

3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS. 3.1 Sistema Direto 3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS 3.1 Sistema Direto No sistema direto, as peças de utilização do edifício estão ligadas diretamente aos elementos que constituem o abastecimento, ou seja, a instalação é a própria

Leia mais

DADOS E INFORMAÇÕES PARA PROJETO (DIP)

DADOS E INFORMAÇÕES PARA PROJETO (DIP) DADOS E INFORMAÇÕES PARA PROJETO (DIP) SE: UBERLÂNDIA 2 PLANO: 4007 ETAPA: AMPL.I AUMENTO DA CAPACIDADE ABAIXADORA DE 50 PARA 75MVA 1 - DESCRIÇÃO DO SERVIÇO: Projeto de ampliação da Subestação Uberlândia

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA E JUSTIÇA COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA E JUSTIÇA COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO Página1 ANEXO V TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DA METODOLOGIA DE EXECUÇÃO CAPÍTULO II Página2 1. ASPECTOS GERAIS O LICITANTE deverá apresentar como parte dos documentos de préqualificação a sua METODOLOGIA

Leia mais

LEI Nº 8553. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 8553. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8553 Dispõe sobre a instalação de cercas energizadas destinadas à proteção de perímetros no Município de Porto Alegre e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS PROCESSO SIMPLIFICADO

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS PROCESSO SIMPLIFICADO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS PROCESSO SIMPLIFICADO CARTILHA SIMPLIFICADA SOBRE CLASSES DE INCÊNDIO, APARELHOS EXTINTORES E SINALIZAÇÃO DE

Leia mais

INSTRUÇÃO N o. 01/2005: APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

INSTRUÇÃO N o. 01/2005: APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO DEPARTAMENTO DE URBANISMO INSTRUÇÃO N o. 01/2005: APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS Os projetos arquitetônicos a

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI - URCA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL SANEAMENTO BASICO CONSTRUÇÃO DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI - URCA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL SANEAMENTO BASICO CONSTRUÇÃO DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI - URCA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL SANEAMENTO BASICO CONSTRUÇÃO DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA BRYZA MARIA SILVEIRA NOBRE EVERTON FABRICIO JOSAFA JUAZEIRO DO NORTE-CE

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL CÓDIGO PISO ELEVADO PARA ÁREAS TEMPORÁRIAS PTEN 01_02_03 PISO ELEVADO PARA ÁREAS TEMPORÁRIAS PTEN 01_02_03 Descrição

Leia mais

CAPIVARI RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

CAPIVARI RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE CAPIVARI PRESTADOR: SAAE SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE CAPIVARI Relatório R2 Não Conformidades Americana, maio de

Leia mais

Bombeiros Municipais 16 a 18 24/48horas primeiro grau completo

Bombeiros Municipais 16 a 18 24/48horas primeiro grau completo LEI COMPLEMENTAR Nº 279, DE 16.03.00 Autoriza o Executivo Municipal a celebrar convênios com o Estado de São Paulo, objetivando a instalação de uma unidade do Corpo de Bombeiros no Município de Leme e

Leia mais

COMO DESENVOLVER O ORÇAMENTO

COMO DESENVOLVER O ORÇAMENTO COMO DESENVOLVER O ORÇAMENTO Orçamentos COMO DESENVOLVER O ORÇAMENTO Autora: Amanda Marques Orçamentos Elaboração do Orçamento Atenção: O material está disponível apenas para este curso. É proibida cópia

Leia mais

CONDIÇÕES DE ADMISSÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS NOS COLETORES MUNICIPAIS

CONDIÇÕES DE ADMISSÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS NOS COLETORES MUNICIPAIS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIANA DO CASTELO 1 CONDIÇÕES DE ADMISSÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS NOS COLETORES MUNICIPAIS Instruções de preenchimento: - todos os campos não preenchidos

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste de Concreto Duplo T

Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste de Concreto Duplo T ITA 012 Rev. 1 Janeiro / 2007 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste

Leia mais

PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS CONDOMINIAIS EM LARGA ESCALA

PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS CONDOMINIAIS EM LARGA ESCALA PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS CONDOMINIAIS EM LARGA ESCALA Klaus Dieter Neder, Maria Martinelli Feitosa Martins. Companhia de Água e Esgotos de Brasília S.C.S. ED. CAESB, Q. 04, BL. A, Nº 67/97 BRASÍLIA,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS PROPRIETÁRIO.: TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS - TCE OBRA: CONSTRUÇÃO DA NOVA SEDE ENDEREÇO: RUA UBIRAJARA BEROCAN LEITE - GOIÂNIA-GO

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CONDECA/SP

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CONDECA/SP ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2009 CONDECA/SP Página 1 de 11 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO CONDECA/SP O Projeto deverá ser apresentado com a seguinte folha de rosto: I IDENTIFICAÇÃO 1.1 - Nome

Leia mais

FICHA DE CURSO. Código da Ficha. Revisão 01. Data: 2014. Curso: ELETRICISTA + NR 10 Carga Horária Total: 108h

FICHA DE CURSO. Código da Ficha. Revisão 01. Data: 2014. Curso: ELETRICISTA + NR 10 Carga Horária Total: 108h Código da Ficha FICHA DE CURSO Revisão 01 Data: 2014 Curso: ELETRICISTA + NR 10 Carga Horária Total: 108h Eixo Tecnológico: Infraestrutura Nº de Participantes: Mínimo: 15 Máximo: 20 Modalidade: Qualificação

Leia mais

Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges

Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges DEFINIÇÃO Os CORTES são representações de vistas ortográficas

Leia mais

ESTRADAS I I I. 2º semestre 2008

ESTRADAS I I I. 2º semestre 2008 ESTRADAS I I I 2º semestre 2008 EMENTA Planejamento e programação da construção de estradas e vias urbanas/terraplanagem; Técnica e equipamentos; Drenagem de rodovias; Execução das bases utilizadas no

Leia mais

Câmara Municipal de Céu Azul

Câmara Municipal de Céu Azul Câmara Municipal de Céu Azul Estado do Paraná MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: REORMA E AMPLIAÇÃO PARA A INSTALAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CÉU AZUL. (Edificação da antiga biblioteca)

Leia mais

REPRESENTAÇÃO TÉCNICA BÁSICA DE PROJETO ARQUITETÔNICO

REPRESENTAÇÃO TÉCNICA BÁSICA DE PROJETO ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO TÉCNICA BÁSICA DE PROJETO ARQUITETÔNICO Reproduzir as plantas baixa, de cobertura e de localização, cortes e fachada frontal da residência apresentada abaixo. O projeto pode sofrer mudanças,

Leia mais

VISTORIA DE VIZINHANÇA NORMA DO IBAPE/SP

VISTORIA DE VIZINHANÇA NORMA DO IBAPE/SP VISTORIA DE VIZINHANÇA NORMA DO IBAPE/SP Os conceitos e opiniões apresentados nesta atividade são de responsabilidade exclusiva do palestrante. O Congresso não se responsabiliza por opiniões ou pareceres

Leia mais

NORMA TÉCNICA 37/2014

NORMA TÉCNICA 37/2014 sisé ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 37/2014 Subestação Elétrica SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências 4 Definições 5 Procedimentos ANEXO

Leia mais

Cabeamento Estruturado e Infraestrutura Profº Luiz Cláudio Buzeti. Práticas de Gerenciamento do Cabeamento Instalado

Cabeamento Estruturado e Infraestrutura Profº Luiz Cláudio Buzeti. Práticas de Gerenciamento do Cabeamento Instalado 1 Práticas de Gerenciamento do Cabeamento Instalado Devem ser baseados em normas da indústria Há quatro classes de gerenciamento Essas normas definem: procedimentos e classes de gerenciamento para a manutenção

Leia mais

FEHIDRO Fundo Estadual de Recursos Hídricos

FEHIDRO Fundo Estadual de Recursos Hídricos VIVEIRO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS PROJETO DE CONSTRUÇÃO OU AMPLIAÇÃO DE VIVEIRO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS introdução Para elaboração de um projeto de construção/ampliação de

Leia mais

CEIRF Coordenação Executiva de Infraestrutura da Rede Física

CEIRF Coordenação Executiva de Infraestrutura da Rede Física MEMORIAL DESCRITIVO PARA INSTALAÇÃO DA REDE ELÉTRICA E LÓGICA - 2016 1. OBJETO Serviços de instalação de rede elétrica e lógica para os postos policiais do São João 2016. 2. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os parâmetros

Leia mais

Manual para elaboração de projetos de implantação para construção das Praças da Juventude

Manual para elaboração de projetos de implantação para construção das Praças da Juventude MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA EXECUTIVA - PRAÇA DA JUVENTUDE End.: Esplanada dos Ministérios Bloco A- 7º andar Telefone: (61) 3217 1800 E-mail: pracadajuventude@esporte.gov.br www.pracadajuventude.wordpress.com

Leia mais

O sistema atende, além do núcleo urbano, o Distrito de Lacerdinha, distando aproximadamente 4 Km do centro de Carangola.

O sistema atende, além do núcleo urbano, o Distrito de Lacerdinha, distando aproximadamente 4 Km do centro de Carangola. 3.10 CARANGOLA Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Carangola são mantidos e operados pela autarquia municipal - Departamento de Águas e Esgotos - DAE 3.10.1 Sistema

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS para Obras de Reforma e Ampliação de Imóvel da ECT DR/RS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LOCALIZAÇÃO: Rua Silvio Sanson n 998 Centro Guaporé/RS. PRAZO: 70 (Setenta) dias corridos OBJETIVOS Desenvolvimento de anteprojetos

Leia mais

CONTROLE DE INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS ORIUNDAS DE SISTEMAS FERROVIÁRIO ELETRIFICADO EM ADUTORA LINHA TRONCO EM FERRO FUNDIDO UM CASO PRÁTICO

CONTROLE DE INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS ORIUNDAS DE SISTEMAS FERROVIÁRIO ELETRIFICADO EM ADUTORA LINHA TRONCO EM FERRO FUNDIDO UM CASO PRÁTICO CONTROLE DE INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS ORIUNDAS DE SISTEMAS FERROVIÁRIO ELETRIFICADO EM ADUTORA LINHA TRONCO EM FERRO FUNDIDO UM CASO PRÁTICO Luciano Pereira da Silva Francisco Müller Filho KATÓDICA Projetos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DE TRILHAS RETAS E PARCELAS EM CURVA DE NÍVEL EM FLORESTAS NA REGIÃO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA.

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DE TRILHAS RETAS E PARCELAS EM CURVA DE NÍVEL EM FLORESTAS NA REGIÃO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA. TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DE TRILHAS RETAS E PARCELAS EM CURVA DE NÍVEL EM FLORESTAS NA REGIÃO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA. 1. Objeto Contratação de serviço especializado de topografia plani-altimétrica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. PUBLICADO NO DOM N o DE / / DECRETO N o 769

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. PUBLICADO NO DOM N o DE / / DECRETO N o 769 PUBLICADO NO DOM N o DE / / DECRETO N o 769 Estabelece critérios para simplificação dos procedimentos relativos à Secretaria Municipal do Urbanismo. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA PROJETO DE SINALIZAÇÃO TURÍSTICA EQUIPE DE SINALIZAÇÃO E PAISAGISMO DAER

DIRETRIZES GERAIS PARA PROJETO DE SINALIZAÇÃO TURÍSTICA EQUIPE DE SINALIZAÇÃO E PAISAGISMO DAER DIRETRIZES GERAIS PARA PROJETO DE SINALIZAÇÃO TURÍSTICA EQUIPE DE SINALIZAÇÃO E PAISAGISMO DAER 1 DIRETRIZES 2 O projeto de Sinalização deverá seguir as normas do Guia Brasileiro de Sinalização Turística

Leia mais