CEIRF Coordenação Executiva de Infraestrutura da Rede Física

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CEIRF Coordenação Executiva de Infraestrutura da Rede Física"

Transcrição

1 MEMORIAL DESCRITIVO PARA INSTALAÇÃO DA REDE ELÉTRICA E LÓGICA OBJETO Serviços de instalação de rede elétrica e lógica para os postos policiais do São João DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os parâmetros mínimos para instalações elétricas e lógicas estão definidos em normas. Os critérios por elas adotados trazem segurança, funcionalidade e continuidade no funcionamento das instalações elétricas e lógicas. Exceto quando especificado de outra forma, todos os equipamentos, materiais e acessórios utilizados deverão estar em completo acordo com as mais recentes revisões das Normas e Recomendações mencionadas a seguir: 1. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas; 2. ANATEL Agência Nacional de Telecomunicações; 3. ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica 4. ANSI American National Standard Institute; 5. CREA Conselho Regional de Engenharia e Agronomia; 6. IEC International Electrotechnical Commision; 7. IEEE Institute of Electrical and Electronic Engineers; 8. INMETRO Instituto Nacional de Metrologia; 9. Normas aplicáveis da Concessionária de Energia Elétrica da Bahia (COELBA); 10. Normas Regulamentadores de Segurança e Saúde no Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego. 3. DETALHAMENTO DA REDE ELÉTRICA 1. A rede elétrica de informática será implementada a partir dos quadros elétricos novos, os quais terão um aterramento específico. Os novos quadros de informática serão alimentados através do quadro geral existente, o qual deve estar em condições de receber a carga adicional; 2. Na sala do Servidor deverá ser instalado um quadro elétrico (QDI - de sobrepor, com barramento monofásico, barra de neutro e barra de terra,) do qual deverá sair à alimentação para as tomadas elétricas do módulo que atenderão os circuitos de rede elétrica dos equipamentos de informática e lógica; 3. O quadro de distribuição elétrica para informática deverá ser instalado na sala do servidor. 4. DETALHAMENTO DA REDE LÓGICA 1. No eletroduto de 3/4" só poderá ser passado no máximo 06 cabos lógicos padrão CAT5E; 2. Em todos os pontos lógicos a empresa contratada deverá disponibilizar um patch cord com 2,5 metros; 3. O padrão de conectividade lógica deve ser 568A com cabos CAT5E; 4. Todos os testes de conectividade dos cabos lógicos devem ser feitos, e as 02 extremidades dos cabos deverão ser identificadas;

2 5. O cabeamento lógico que chega à sala do servidor deverá ser conectado com RJ45 macho e ligado diretamente no Switch que será fornecido pela SSP-BA, sem a necessidade de eletroduto de ¾ com tomada RJ45 fêmea; 6. Os pontos lógicos do CFTV (videomonitoramento) deverão ser conectados com eletroduto de ¾ com tomada RJ45 fêmea, em ambas extremidades; 7. A empresa deverá deixar uma sobra técnica no cabeamento lógico próximo ao servidor de pelo menos 1,5m. 5. ENCAMINHAMENTO 1. Do alimentador geral deverá sair à alimentação da rede até o QDI, seção de 06 mm 2, instalado na sala do servidor; 2. Do quadro QDI saem os circuitos monofásicos composto por cabos de cobre flexíveis, seção 2,5mm 2 nas cores vermelho (Fase), azul (Neutro) e verde (Terra) alimentando as tomadas elétricas de sobrepor 2P + T, com uma tensão nominal de 127 V (no máximo de 4 tomada por circuito) protegidos eletricamente por disjuntores eletromagnéticos de 20A; 3. Deve-se observar que, para a sala do servidor, deve existir um circuito único que atenderá a demanda de equipamentos desta sala, protegido por um disjuntor eletromagnético de 20A; 4. Os cabos de cobre dos circuitos terminais são protegidos por isolação de PVC não propagante à chama; 5. Todos os circuitos deverão estar interligados à malha de aterramento dos quadros de informática; 6. As tomadas deverão atender ao padrão NBR (Figura), padrão dos plugues que atualmente acompanham os equipamentos; 7. Todos os circuitos partem dos quadros e chegam aos pontos de utilização pela infra-estrutura criada e consta em planta baixa; 8. Os eletrodutos da rede elétrica deverão ser instalados a 30 cm do piso; 9. Deverão ser utilizados terminais pré-isolados no quadro para os circuitos e os cabos de alimentação; 10. A distância entre o cabeamento de elétrica e o de lógica não deve ser inferior a 30 cm; 11. A distância mínima entre o cabeamento de elétrica e os reatores de lâmpadas fluorescentes é de 05 cm; 12. Para circuitos elétricos alimentadores (UPS e GMG) a distância mínima para os cabos de lógica deve ser de 60 cm. 6. INFRAESTRUTURA 1. O eletroduto de ligação elétrica e lógica deverá ser de 3/4 (03 quartos de polegada). Apenas a tubulação lógica de chegada na sala do servidor deverá ser de 1+1/2" (01 polegada e meia); 2. Deverá ser criada infraestrutura (eletrodutos, luvas, curvas, etc) para passagem dos cabos elétricos e lógicos. Deve-se usar eletroduto de PVC, mínimo de ¾, partindo dos quadros existentes nos módulos para comportar os alimentadores do quadro estabilizado destes módulos, bem como para compor os alimentadores das tomadas elétricas das estações de trabalho; 3. Os pontos lógicos dos computadores dos postos devem possuir eletroduto de 3/4 com tomada RJ45 fêmea, apenas na extremidade que fica próxima da estação. A outra extremidade do cabo será ligada diretamente ao switch com conector RJ45 macho; 4. Toda a infraestrutura para o encaminhamento das redes elétrica e lógica deverá ser realizada por cima do forro (aérea); 5. A fixação dos eletrodutos, na parede ou divisória, deve ser feita com braçadeiras tipo D.

3 7. SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO O Sistema da rede elétrica alimenta os pontos de lógica usando uma tomada padrão NEMA, todos os pontos possuirão estabilizadores locais. Em todos os quadros deverá possuir um disjuntor geral unipolar devidamente dimensionado para os circuitos de distribuição. O máximo de tomadas de informática por circuito será 04 (quatro). A rede elétrica foi distribuída conforme o seguinte quadro: Local (Postos Polícia Civil) Circuito 1 (Sala Servidor) Circuito 2 (Sala Delegado) Circuito 3 (Atendimento) Local (Postos Conjugados) Circuito 1 (Atendimento) Circuito 2 (Salas Delegado e Comando) Circuito 3 (Atendimento) Circuito 4 (Sala CFTV) Circuito 5 (Sala do Servidor) Central de Flagrantes Circuito 1 (Servidor) Circuito 2 (Salas) Disjuntor Disjuntor Disjuntor 8. PRINCIPAIS NORMAS E PROCEDIMENTOS Todos os materiais utilizados e todos os procedimentos adotados devem obedecer rigorosamente às normas que tratam de Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Norma ABNT NBR 5410:2008 ABNT NBR 5419:2005 ABNT NBR 5444:1989 ABNT NBR 14565:2012 ABNT NBR 14136:2012 COELBA IEC Ed. 2.0 b Norma Regulamentadora Nº 06 Norma Regulamentadora Nº 10 Norma Regulamentadora Nº 26 Norma Regulamentadora Nº 35 Descrição Instalações Elétricas de Baixa Tensão Proteção de Estruturas contra Descargas Atmosféricas Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais Cabeamento Estruturado para Edifícios Comerciais e Data Centers Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo até /250 V em corrente alternada Padronização Manual de Fornecimento de Energia Elétrica International Electrotechnical Vocabulary - Part 826: Electrical installations Equipamentos de Proteção Individual - EPI Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade Sinalização de Segurança Trabalho em Altura As cores dos isolamentos de PVC dos condutores são: Fase: Neutro: Terra: VERMELHO ou PRETO AZUL CLARO VERDE ou VERDE-AMARELO

4 A polaridade das tomadas fêmeas (Fase Neutro Terra) atende ao padrão ilustrado nos diagramas abaixo, conforme a posição das tomadas: Figura 01 O padrão de conectividade lógica deve ser 568A Cat5e, conforme representado na figura abaixo:

5 Figura ATERRAMENTO ELÉTRICO Denomina-se "Aterramento Elétrico", a ligação intencional de um componente através de um meio condutor com a terra. Para tal, é exigido: 1. Para proteção das instalações internas, são construídas malhas de aterramento constituídas por, no mínimo, 3 hastes de 3/8 x 2,50 m. Essa malha deverá ter resistência abaixo de 3,5 ohms; 2. O aterramento deverá ser isolado e exclusivo para informática e deverá ser comprovado o atendimento aos padrões estabelecidos na norma especificada. 3. Para cada malha a ser executada, a distância entre as hastes de aterramento deverá ser dimensionada de tal forma que a resistência equivalente em paralelo leve em consideração o acréscimo causado pelas hastes da malha, conforme a Figura 03. Portanto, o efeito causado por hastes mal dimensionadas, conforme a Figura 04 deverá ser evitada, sob a penalidade de gerar interferências na malha de aterramento e tensões de passo. 10. IDENTIFICAÇÃO Figura 03 Figura Os circuitos instalados são identificados nas tomadas com fita e nos quadros, por meio de anilhas ou adesivos. 11. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS MATERIAIS Quadro de Distribuição: Quadro de sobrepor; Acomodação mínima de 08 disjuntores padrão IEC 898 curva C.

6 Tomada Elétrica: De sobrepor; 2P+T NBR 14136; Tensão nominal 127V; Aplicação em Eletrodutos; Acondicionadas em caixas em PVC de ¾, soldável nos eletrodutos. Disjuntores: Padrão IEC 898 curva C; Cabos Elétricos: Cobre flexível; Isolação 750V em PVC; Terminais pré-isolados para conexão no quadro.

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNCIA FOLHA 1 de 5 ÍNDICE DE REVISÕES

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-22/07/2014 05/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

M E M O R I A L D E S C R I T I V O

M E M O R I A L D E S C R I T I V O M E M O R A L D E S C R T V O N S T A L A Ç Õ E S E L É T R C A S CONSELHO REGONAL DE ENFERMAGEM DE SERGPE-COREN Endereço : Rua Duque de Caxias nº 389, Bairro São José, cidade de Aracaju/SE. Proprietário

Leia mais

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas de BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Componentes das instalações Componente: podem ser materiais, acessórios, dispositivos, instrumentos, equipamentos, máquinas, conjuntos, partes

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO. COREN Subseção de Floriano

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO. COREN Subseção de Floriano MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO COREN Subseção de Floriano ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. NORMAS TÉCNICAS 3. DESCRIÇÃO DOS SITEMAS 3.1. Entradas de energia e telefone 3.2. Quadros de distribuição local 3.3. Dispositivos

Leia mais

Especificação Disjuntores Baixa Tensão

Especificação Disjuntores Baixa Tensão Especificação Disjuntores Baixa Tensão Descrição: DISJUNTOR MICROPROCESSADO Local de Aplicação: QGBT Modelo: Fabricante: Fabricante Alternativo: Normas NBR-5361 / 8176, IEC-947-2 Aplicáveis Critério de

Leia mais

ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS CLIENTE: ÁREA: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - ELETROTÉCNICA FOLHA: SEP: RLAM: ÍNDICE DE REVISÕES 1 de 18 Emissão original. DESCRIÇÃO

Leia mais

Escola Municipal Caminho para o Futuro. Rua Goiânia 559-S, Lucas do Rio Verde - MT. Elaine Benetti Lovatel

Escola Municipal Caminho para o Futuro. Rua Goiânia 559-S, Lucas do Rio Verde - MT. Elaine Benetti Lovatel DADOS CADASTRAIS CLIENTE PROPRIETÁRIO Pref. Municipal de Lucas do Rio Verde OBRA Escola Municipal Caminho para o Futuro LOCAL DA OBRA Rua Goiânia 559-S, Lucas do Rio Verde - MT SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v DESENHO 1: padrão ligação monofásica - instalação na parede com ramal de entrada aéreo, edificação do mesmo lado da rede e na divisa com o passeio público.

Leia mais

ANEXO I ANATEL - AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

ANEXO I ANATEL - AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANEXO I ANATEL - AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES PROJETO DE INSTALAÇÕES DE REDE LOCAL DE COMPUTADORES E DE SPDA (SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS) DO ESCRITÓRIO REGIONAL ER-8 - SALVADOR-BA

Leia mais

Anexo 1 Termos de Referência. Contratação de empresa para elaboração de Projeto Elétrico para o Escritório da FAO no Brasil.

Anexo 1 Termos de Referência. Contratação de empresa para elaboração de Projeto Elétrico para o Escritório da FAO no Brasil. Anexo 1 Termos de Referência Contratação de empresa para elaboração de Projeto Elétrico para o Escritório da FAO no Brasil. 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 3 3. OBJETO... 3 4. DESCRIÇÃO

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 04

COMUNICADO TÉCNICO Nº 04 Página 1 de 1 COMUNICADO TÉCNICO Nº 04 CAIXA DE MEDIÇÃO INSTALADA NA DIVISA COM O PASSEIO PÚBLICO PARA ATENDIMENTO INDIVIDUAL EM BAIXA TENSÃO ATRAVÉS DA NORMA CEMIG ND- 5.1 1.OBJETIVO Visando a redução

Leia mais

Memorial Técnico Descritivo do Alarme de Incêndio

Memorial Técnico Descritivo do Alarme de Incêndio Memorial Técnico Descritivo do Alarme de Incêndio 1. IDENTIFICAÇÃO Prefeitura Municipal De Veranópolis Posto de Saúde Central. Av. Pinheiro Machado, 581 Centro Veranópolis RS CEP: 95330-000 CNPJ: 98671597/0001-09

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 51 - Cabeamento Estruturado

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 51 - Cabeamento Estruturado Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 51 - Cabeamento Estruturado Prof. Diego Pereira

Leia mais

Divisão da instalação em circuitos

Divisão da instalação em circuitos Divisão da instalação em circuitos 285 Tipo de proteção a ser empregada Vamos optar pela instalação do DR nos circuitos terminais e DTM na entrada + demais terminais. 286 Página 143 Tipo de proteção a

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 3: ATERRAMENTOS 1. FINALIDADE O sistema de equipotencialização principal da edificação consiste na interligação de elementos especificados visando obter a equipotencialidade necessária para os

Leia mais

4.1 Esquema de ligação para Baixa Tensão

4.1 Esquema de ligação para Baixa Tensão 15 4 Esquemas elétricos 4.1 Esquema de ligação para Baixa Tensão Os projetos elétricos em baixa tensão devem ser utilizados, conforme esquemas de ligação, onde as ligações são desenvolvidas através de

Leia mais

OBJETIVO: APLICAÇÃO:

OBJETIVO: APLICAÇÃO: OBJETIVO: Este manual tem por objetivo sugerir os procedimentos, do ponto de vista técnico, para execução da infra-estrutura interna das unidades usuárias dos serviços em fibra óptica da Copel Telecomunicações.

Leia mais

Apostila de Instalações Elétricas

Apostila de Instalações Elétricas 12.1 Eletrodutos Para se determinar a medida dos eletrodutos deve-se: medir, diretamente na planta, os eletrodutos representados no plano horizontal e somar, quando for o caso, os eletrodutos que descem

Leia mais

INSTALAÇÃO DE PONTOS ELÉTRICOS

INSTALAÇÃO DE PONTOS ELÉTRICOS SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE PONTOS ELÉTRICOS LOTE 2 Versão: 001 Vigência: 01/2016 Última atualização:

Leia mais

2. Critério do limite da queda de tensão (qualquer carga):

2. Critério do limite da queda de tensão (qualquer carga): 4 Dimensionamento de Circuitos de Motores 2. Critério do limite da queda de tensão (qualquer carga): 23 4 Dimensionamento de Circuitos de Motores 24 Exemplo de aplicação 4.4(3.7): 4(3 Calcular a seção

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 4 Práticas de Instalação

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 4 Práticas de Instalação APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 4 Práticas de Instalação Instalação de cabos e hardware metálicos Devem ser instalados de forma que se permita uma inspeção visual. Cabos com capa danificada; Cabos com

Leia mais

Adaptação do galpão de aqüicultura do campus Fazenda Experimental e da sala destinada aos técnicos do núcleo de atendimento ao dicente e docente.

Adaptação do galpão de aqüicultura do campus Fazenda Experimental e da sala destinada aos técnicos do núcleo de atendimento ao dicente e docente. PROJETO BÁSICO: Adaptação do galpão de aqüicultura do campus Fazenda Experimental e da sala destinada aos técnicos do núcleo de atendimento ao dicente e docente 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1 Título do

Leia mais

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES T Í T U L O ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES CÓDIGO ESP-I-GPC-01/13 VERSÃO APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R0 20/05/2013 CONTROLE DE REVISÃO

Leia mais

LEI Nº 8553. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 8553. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8553 Dispõe sobre a instalação de cercas energizadas destinadas à proteção de perímetros no Município de Porto Alegre e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que

Leia mais

Memorial Descritivo e Especificações Técnicas. Instalação de Laboratórios de Informática

Memorial Descritivo e Especificações Técnicas. Instalação de Laboratórios de Informática Memorial Descritivo e Especificações Técnicas Instalação de Laboratórios de Informática Identificação do Projeto: Dados da Obra: Nome: Instalações elétricas e de lógica para dois laboratórios de Informática

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB DITEC Reforma das instalações Código do Projeto: 1564-12 Pág. 2 Índice Sumário 1. Memorial Descritivo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sorriso

Prefeitura Municipal de Sorriso Memorial Descritivo Projeto Elétrico da readequação interna e ampliação ESCOLA DE BOA ESPERANÇA Prefeitura Municipal de Sorriso Cliente: Prefeitura Municipal de Sorriso Obra: Escola de Boa Esperança no

Leia mais

Aula 5 Projetos elétricos

Aula 5 Projetos elétricos Aula 5 Projetos elétricos Um projeto elétrico é um conjunto de símbolos desenhados sobre uma planta baixa interligados de tal forma para mostrar com deve ser executada a obra. Todo projeto elétrico residencial,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE CABOS E CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE CABOS E CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO MERCOSUL/GMC/RES. Nº 04/09 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE CABOS E CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções N 38/98, 56/02

Leia mais

Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão

Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão A escolha correcta dos elementos de protecção de uma instalação eléctrica, minimiza ou elimina por completo o risco de incêndio, explosão ou choques eléctricos

Leia mais

DDS Cercas Elétricas. Cercas Elétricas

DDS Cercas Elétricas. Cercas Elétricas Cercas Elétricas A utilização de cercas eletrificadas como meio de proteção patrimonial tem aumentado muito, assim como acidentes têm ocorrido, inclusive com morte de pessoas e animais, em consequência

Leia mais

Canaletas PVC DLP & Acessórios

Canaletas PVC DLP & Acessórios Centro de Suporte Técnico T 0800-11 11-8008 servmercado@piallegrand.com.br Canaletas PVC DLP & Acessórios CONTEÚDOS PÁGINAS 1.Linha 1 a 2 2.Acessórios de acabamento 3 a 5 3.Acessórios complementares 6

Leia mais

LEI N 1.873/2008 Dispõe sobre as instalações de cercas energizadas destinadas à proteção de perímetro no município de Viçosa e dá outras providências

LEI N 1.873/2008 Dispõe sobre as instalações de cercas energizadas destinadas à proteção de perímetro no município de Viçosa e dá outras providências LEI N 1.873/2008 Dispõe sobre as instalações de cercas energizadas destinadas à proteção de perímetro no município de Viçosa e dá outras providências O Povo do Município de Viçosa, por seus representantes

Leia mais

05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA

05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA 05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA 5.1 COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA AGÊNCIAS Agências sem recuo em relação à calçada 1 2 3 4 Elementos de comunicação visual As fachadas das agências dos Correios, sem recuo em

Leia mais

Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II. Sistemas de força e energia. Aula 02

Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II. Sistemas de força e energia. Aula 02 Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II Sistemas de força e energia Aula 02 Consumo pro região Usina Hidrelétrica Usina Nuclear Estrutura do setor elétrico Distribuição - A conexão e atendimento

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- INMETRO Portaria nº 27, de 18 de fevereiro de 2000 O PRESIDENTE

Leia mais

NORMA TÉCNICA 34/2014

NORMA TÉCNICA 34/2014 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 34/2014 Hidrante Urbano SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DE ESGOTO DA LAGOA EEE LAGOA

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DE ESGOTO DA LAGOA EEE LAGOA MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DE ESGOTO DA LAGOA EEE LAGOA : Reforma Elétrica da Estação Elevatória de Esgoto da Lagoa Cliente: Serviço Autônomo

Leia mais

Substituição do Transformador do Campus Provisório Rio Largo

Substituição do Transformador do Campus Provisório Rio Largo Memorial Descritivo Especificações Técnicas Instalações Elétricas de Alta e Baixa Tensão Substituição do Transformador do Campus Provisório Rio Largo Shyrdnez de Azevedo Farias Engenheiro Eletricista CREA/AL

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste de Concreto Duplo T

Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste de Concreto Duplo T ITA 012 Rev. 1 Janeiro / 2007 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste

Leia mais

Dispositivos de proteção contra surtos (DPS) Proteção contra descargas atmosféricas

Dispositivos de proteção contra surtos (DPS) Proteção contra descargas atmosféricas s Dispositivos de proteção (DPS) Proteção contra descargas atmosféricas Dispositivos de proteção (DPS) Proteção contra descargas atmosféricas Conceito de aplicação Por que proteção de surtos? Equipamentos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Não-Me-Toque Secretaria da Fazenda [daianeluisa] Anexo Itens Página : 1 de 4 Tomada de Preços N 9/2015 ITEM QTD UN ESPECIFICAÇÃO DO MATERIAL/SERVIÇO MARCA PR.UN TOTAL 1 3 UN CENTRO

Leia mais

1 - MEMORIAL DESCRITIVO

1 - MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE SPDA ESTRUTURAL AMPLIAÇÃO DA TELECOMUNICAÇÕES 1 - MEMORIAL DESCRITIVO 2 MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGA ATMOSFÉRICA - SPDA 1.0 - DADOS BÁSICOS:

Leia mais

Instalações alimentadas diretamente por um ramal de baixa tensão, a partir de uma rede de distribuição 4% 4% pública de baixa tensão.

Instalações alimentadas diretamente por um ramal de baixa tensão, a partir de uma rede de distribuição 4% 4% pública de baixa tensão. 7.3. Queda de tensão (conforme NBR 5410/97, item 6.2.7) a) A queda de tensão entre a origem da instalação e qualquer ponto de utilização não deve ser superior aos valores da Tabela 18, dados em relação

Leia mais

APLICAÇÃO DE PLACAS IDENTIFICADORAS PARA EQUIPAMENTOS DA REDE AÉREA DE DISTRIBUIÇÃO

APLICAÇÃO DE PLACAS IDENTIFICADORAS PARA EQUIPAMENTOS DA REDE AÉREA DE DISTRIBUIÇÃO 1. OBJETIVO Este Informativo tem como objetivo padronizar a aplicação de placa de identificação em equipamentos da rede aérea de distribuição de energia elétrica, de forma a garantir o melhor posicionamento

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 042, de 18 de março de 2004. O

Leia mais

Cabeamento Estruturado e Infraestrutura Profº Luiz Cláudio Buzeti. Práticas de Gerenciamento do Cabeamento Instalado

Cabeamento Estruturado e Infraestrutura Profº Luiz Cláudio Buzeti. Práticas de Gerenciamento do Cabeamento Instalado 1 Práticas de Gerenciamento do Cabeamento Instalado Devem ser baseados em normas da indústria Há quatro classes de gerenciamento Essas normas definem: procedimentos e classes de gerenciamento para a manutenção

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA OS AMBIENTES.

ESPECIFICAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA OS AMBIENTES. ESPECIFICAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA OS AMBIENTES. 1 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA PARA INSTALAÇÃO DE REDE LOCAL DOS NOVOS TELECENTROS. 1 Considerações Gerais A finalidade deste trabalho é prover, os TELECENTROS,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (PGJ-TANGARÁ)

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (PGJ-TANGARÁ) MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (PGJ-TANGARÁ) 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO 1.IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DADOS DA OBRA c NOME PROMOTORIAS DE JUSTIÇA TANGARÁ DA SERRA ENDEREÇO

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:03 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

Projeto de Cabeamento Estruturado

Projeto de Cabeamento Estruturado Projeto de Cabeamento Estruturado! Levantamento das necessidades e demandas da empresa/organização de acordo com os preceitos do projeto estruturado de redes! Levantamento da situação atual! Especificação

Leia mais

Disjuntores 5SX, 5SP e 5SY

Disjuntores 5SX, 5SP e 5SY Alguns padrões de qualidade são indiscutíveis es SX, SP e SY Proteção para instalações elétricas de baixa tensão Fabricado no Brasil es SX, SP, SY Os es Siemens são equipamentos de alta tecnologia que

Leia mais

Sistemas de Isolação. Fitas Isolantes Helatape Plus 122 Helatape Flex 15 122

Sistemas de Isolação. Fitas Isolantes Helatape Plus 122 Helatape Flex 15 122 Página Termocontráteis LVR 116 TCN/TFN21 117 TFN24 118 HIS-3 118 TAN30 119 MA47 1 HA47 1 MU37 121 Capuzes Termocontráteis 121 Fitas Isolantes Helatape Plus 122 Helatape Flex 122 Tubos Termocontráteis LVR

Leia mais

Igual aos passos de 01 à 11 do POPD 001.01.03. Eletricista. Eletricista

Igual aos passos de 01 à 11 do POPD 001.01.03. Eletricista. Eletricista 1/8 Seguir regras básicas do POPD 001.01.03 Diretriz do eletricista. Passo 01: Executar os passos de 01 à 11 do POPD 001.01.03 - Diretriz do eletricista Igual aos passos de 01 à 11 do POPD 001.01.03 Igual

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Especificação funcional Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho de novembro de 2011 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS UESPI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ MEMORIAL DESCRITIVO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE OEIRAS 1 FAZENDA TALHADA, S/N OEIRAS-PI ÍNDICE 1.0 DADOS GERAIS...4 2.0 OBJETIVO...4

Leia mais

Sobre Sisteme de Iluminação de Emergência

Sobre Sisteme de Iluminação de Emergência SOBRE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Informativo - Normas Quarta 11 Novembro Sobre Sisteme de Iluminação de Emergência Conjunto de Blocos Autônomos. São aparelhos de iluminação de emergência constituído de um

Leia mais

Ofício Circ. n o 14/2002/ADADC-ANATEL. Brasília, 28 de Fevereiro de 2002. Ilmo(a). Senhor(a)

Ofício Circ. n o 14/2002/ADADC-ANATEL. Brasília, 28 de Fevereiro de 2002. Ilmo(a). Senhor(a) Ofício Circ. n o 14/2002/ADADC-ANATEL Brasília, 28 de Fevereiro de 2002 Ilmo(a). Senhor(a) Em resposta a consulta formulada por empresa interessada em participar da licitação de que trata o PREGÃO AMPLO

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS LED COM DISPOSITIVO DE CONTROLE INTEGRADO 30 de junho de 2015

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS LED COM DISPOSITIVO DE CONTROLE INTEGRADO 30 de junho de 2015 CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS LED COM DISPOSITIVO DE CONTROLE INTEGRADO 30 de junho de 2015 Conforme estabelecido na Portaria Inmetro n 144/2015, a partir

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1. Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3.

MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1. Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3. MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1 Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3. 1 Parte integrante do Projeto de pesquisa Análise, Modelagem e Desenvolvimento

Leia mais

PLUSCON field Linha Básica - M12 Cabos para Sensor / Atuador

PLUSCON field Linha Básica - M12 Cabos para Sensor / Atuador PLUSCON field Linha Básica - M12 Cabos para Sensor / Atuador PHOENIX CONTACT Proximidade com clientes e parceiros em todo o mundo Desde sua fundação em 1923, a Phoenix Contact têm se desenvolvido como

Leia mais

Os nossos comentários e questões encontram-se no texto abaixo, associados aos respectivos artigos (texto azul):

Os nossos comentários e questões encontram-se no texto abaixo, associados aos respectivos artigos (texto azul): From: JSantos [mailto:jose.santos@casadaslampadas.com] Sent: terça-feira, 7 de Julho de 2009 11:32 To: manual.ited.itur@anacom.pt Cc: MOliveira Subject: FW: Novo regime ITED: Redes de comunicações electrónicas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL n.º 023, de 13 de fevereiro de 2003.

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ITEM DESCRIÇÃO UN. QUANT. ANEXO IV DO EDITAL - PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PROPOSTA REFORMA 3º PAVIMENTO TRE SEDE - PORTO ALEGRE - RS ETAPA 1 - Serviços a serem

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ILUMINAÇÃO EXTERNA RODOVIÁRIA

MEMORIAL DESCRITIVO ILUMINAÇÃO EXTERNA RODOVIÁRIA MEMORIAL DESCRITIVO ILUMINAÇÃO EXTERNA RODOVIÁRIA OBRA: PROPRIETÁRIO: LOCALIZAÇÃO: BAIRRO: Iluminação Externa Rodoviária Prefeitura Municipal de Videira ROD. ENG. LINEU BONATO CAMPO EXPERIMENTAL DATA:

Leia mais

CAPÍTULO IV SISTEMA DE PROTEÇÃO

CAPÍTULO IV SISTEMA DE PROTEÇÃO CAPÍTULO IV SISTEMA DE PROTEÇÃO PROFESSOR: SÉRGIO QUEIROZ DE ALMEIDA 1 O elevado número de acidentes originados no sistema elétrico impõe novos métodos e dispositivos que permitem o uso seguro e adequado

Leia mais

EMBASAMENTO NORMATIVO:

EMBASAMENTO NORMATIVO: EMBASAMENTO NORMATIVO: ABNT NBR 5410/04 ABNT NBR 5419/05 IEC 61643-1 IEC 61312-1 A legislação sobre SPDAs no Brasil existe desde da década de 50. PARARRAIO ATRAI O RAIO OU NÃO? Objetivo de um SPDA: proteção

Leia mais

DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DIVISÃO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES E ENCARGOS

DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DIVISÃO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES E ENCARGOS DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DIVISÃO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES E ENCARGOS TRANSPORTE VERTICAL - ELEVADOR PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE UBERLÁNDIA / MG

Leia mais

Barramentos e Blocos de Distribuição

Barramentos e Blocos de Distribuição Barramentos e Blocos de Distribuição www.siemens.com.br/barramentoseblocos Barramentos 5ST3 7 O sistema de barramento 5ST3 7 com ligação tipo pino pode ser usado com os disjuntores DIN 5SX, 5SY, 5SL6 e

Leia mais

Instruções complementares. Conector de encaixe M12 x 1. para sensores de medição contínua. Document ID: 30377

Instruções complementares. Conector de encaixe M12 x 1. para sensores de medição contínua. Document ID: 30377 Instruções complementares Conector de encaixe M2 x para sensores de medição contínua Document ID: 30377 Índice Índice Para sua segurança. Utilização conforme a finalidade... 3.2 Utilização não permitida...

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Aula 06 Esquema de ligação dos condutores Diagramas multifiliar e unifiliar Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 Condutores Geralmente, a

Leia mais

ANEXO VI. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços x Valores Ofertados. 6) Anexo VI ao Orientador nº 362/2012. Fls.

ANEXO VI. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços x Valores Ofertados. 6) Anexo VI ao Orientador nº 362/2012. Fls. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CASA CIVIL EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMATICA S.A - IPLANRIO Processo 6) Anexo VI ao Orientador nº 362/2012 ANEXO VI de s Ponto de Rede Planilhas de Serviços x Valores

Leia mais

FICHA DE CURSO. Código da Ficha. Revisão 01. Data: 2014. Curso: ELETRICISTA + NR 10 Carga Horária Total: 108h

FICHA DE CURSO. Código da Ficha. Revisão 01. Data: 2014. Curso: ELETRICISTA + NR 10 Carga Horária Total: 108h Código da Ficha FICHA DE CURSO Revisão 01 Data: 2014 Curso: ELETRICISTA + NR 10 Carga Horária Total: 108h Eixo Tecnológico: Infraestrutura Nº de Participantes: Mínimo: 15 Máximo: 20 Modalidade: Qualificação

Leia mais

FONTE DE ALTA TENSÃO Hipot 60KV CC-5mA

FONTE DE ALTA TENSÃO Hipot 60KV CC-5mA FONTE DE ALTA TENSÃO Hipot 60KV CC-5mA O ITHY-60KV é um testador dielétrico robusto para as mais diversas aplicações em corrente contínua. Foi projetado para suportar um grande número de testes destrutivos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Secretaria Municipal de Administração LEI Nº 5.485 DE 26 DE SETEMBRO DE 2008.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Secretaria Municipal de Administração LEI Nº 5.485 DE 26 DE SETEMBRO DE 2008. LEI Nº 5.485 DE 26 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre a instalação de cercas energizadas e destinadas à proteção de perímetros no Município de Sant Ana do Livramento e da outras providências. WAINER VIANA

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DESCRIÇÃO

CARACTERÍSTICAS DESCRIÇÃO caixa de junção CARACTERÍSTICAS Permite conexão fácil e segura em fieldbus (Fo u n d at i o n TM fieldbus, PROFIBUS) HART e na instrumentação convencional 4-20 ma; Ideal para ligações de sensores, atuadores

Leia mais

LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSOS: ENGENHARIA CIVIL, MECÂNICA E PRODUÇÃO LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Título da Experiência: Instalações elétricas prediais I Prof. Oswaldo Tadami

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS Ignitores para lâmpadas de descarga Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do Ca de 2012-10-10 Edição: 3ª. Anula e substitui

Leia mais

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO A280 (DIO)

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO A280 (DIO) DISTRIBUIDR INTERN ÓPTIC A280 (DI) Aplicações Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno e instalação em racks,

Leia mais

Memorial Técnico Descritivo Projeto Elétrico da Câmara de Vereadores de Canguçu Endereço: Rua General Osório, 979 Canguçu RS

Memorial Técnico Descritivo Projeto Elétrico da Câmara de Vereadores de Canguçu Endereço: Rua General Osório, 979 Canguçu RS Obra: Edifício Comercial Proprietário: Câmara de Vereadores de Canguçu Endereço: R.General Osório, 979 - Canguçu - RS Data: Março de 2009 Responsável Técnico: Arquiteto Charles de Almeida Ferreira 1- Generalidades:

Leia mais

ELÉTRICA.. Amanco Quadros de Distribuição 194. ElectroAmanco 196.. Amanco Eletroduto Rígido 202. Amanco Eletroduto Flexível Corrugado 207

ELÉTRICA.. Amanco Quadros de Distribuição 194. ElectroAmanco 196.. Amanco Eletroduto Rígido 202. Amanco Eletroduto Flexível Corrugado 207 ELÉTRICA 9. Amanco Quadros de Distribuição 194. 196. Amanco Eletroduto Rígido 202. Amanco Eletroduto Flexível Corrugado 207 13 16 17 18 19 1 12 13 14 15 Eletroduto Flexível Corrugado Caixa Luz 4x2 Flexível

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ELÉTRICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO (EEE) (ETF-EL-2)

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ELÉTRICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO (EEE) (ETF-EL-2) SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ELÉTRICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO () Data Emis 29/12/2009 Data 24/08/2012 2 de 1. INSTALAÇÃO ELÉTRICA 1.1. As

Leia mais

Memorial Descritivo e Especificações Técnicas. Instalações Elétricas. Quadra Poliesportiva

Memorial Descritivo e Especificações Técnicas. Instalações Elétricas. Quadra Poliesportiva Memorial Descritivo e Especificações Técnicas Instalações Elétricas Quadra Poliesportiva Identificação do Projeto: Dados da Obra: Nome: Quadra Poliesportiva do Campus Restinga. Endereço: Rua Alberto Hoffmann,

Leia mais

REFORMA DO POSTO DE SAÚDE PALHEIRAL DATA: ABRIL DE 2014

REFORMA DO POSTO DE SAÚDE PALHEIRAL DATA: ABRIL DE 2014 ASSUNTO: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 4.0 - ELÉTRICO PROPRIETÁRIO AUTOR DO PROJETO ESCALA: INDICADA DATA: ABRIL DE 2014 TEXTO: OBSERVAÇÕES: 1.0 - ESPECIFICAÇÕES ELÉTRICAS 1.4 ELÉTRICO 1.4.1 - ABERTURA/FECHAMENTO

Leia mais

Emax 2 O Disjuntor Aberto Inteligente de Baixa Tensão Acessório: Bobina de abertura e fechamento YO / YC / YO2 / YC2

Emax 2 O Disjuntor Aberto Inteligente de Baixa Tensão Acessório: Bobina de abertura e fechamento YO / YC / YO2 / YC2 170001062012 Guia do Disjuntor Aberto de Baixa Tensão - Emax 2 Emax 2 O Disjuntor Aberto Inteligente de Baixa Tensão Acessório: Bobina de abertura e fechamento YO / YC / YO2 / YC2 O disjuntor Emax 2 é

Leia mais

Estudo de Coordenação e Seletividade

Estudo de Coordenação e Seletividade Estudo de Coordenação e Seletividade Memorial de Cálculo Obra: Subestação Abrigada 750kVA para Pavilhão Industrial de Reciclagem Proprietário: Prefeitura Municipal de Ponte Preta - RS Localização: Parte

Leia mais

Installation Job Aid (Portugues) for Avaya WLAN 8100 series- WLAN Controller 8100 (NN47251-309- PT 01.01)

Installation Job Aid (Portugues) for Avaya WLAN 8100 series- WLAN Controller 8100 (NN47251-309- PT 01.01) Installation Job Aid (Portugues) for Avaya WLAN 8100 series- WLAN Controller 8100 (NN47251-309- PT 01.01) Para obter ajuda Para conhecer toda a linha de serviços e suporte que a Avaya fornece, acesse www.avaya.com.

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.014/2014

PROC IBR EDIF 01.02.014/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.014/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS ATO REGULATÓRIO: Consulta Pública CP nº 004/2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: Obter subsídios com vistas ao aprimoramento do novo procedimento

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - MÓDULO V - GOIÂNIA - JUNHO 2016 ELABORAÇÃO Coordenadores do Projeto: Admo Danilo Camargo Da Silva Eudes

Leia mais

Stereo Speaker Selector Models SS 802 SS 804 SS 806

Stereo Speaker Selector Models SS 802 SS 804 SS 806 SECTOR 1 SECTOR 2 SECTOR 1 SECTOR 2 SECTOR 3 SECTOR 4 SECTOR 1 SECTOR 2 SECTOR 3 SECTOR 4 SECTOR 5 SECTOR 6 Stereo Speaker Selector Models SS 802 SS 804 SS 806 SS 802 Two Sector Stereo Speaker Selector

Leia mais

Disjuntores Caixa Moldada

Disjuntores Caixa Moldada . Aplicação São usados em circuitos elétricos que exigem controle da corrente térmica e também no disparo magnético. Possuem faixas de ajuste da corrente térmica de 8 a % (,8~ In) facilitando a proteção

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ALOJAMENTO ESTUDANTIL IF SERTÃO CAMPUS PETROLINA ZONA RURAL

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ALOJAMENTO ESTUDANTIL IF SERTÃO CAMPUS PETROLINA ZONA RURAL MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ALOJAMENTO ESTUDANTIL IF SERTÃO CAMPUS PETROLINA ZONA RURAL Petrolina-PE Janeiro/2017 1 INTRODUÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL O presente memorial tem por finalidade

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor. Especificação Sucinta de Caixa Modelo F3 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.4 4ª Folha 1

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL APRESENTAÇÃO Agradecemos pela preferência na escolha de produtos International Refrigeração. Este documento foi elaborado cuidadosamente para orientar

Leia mais

RELATÓRIO 1ª MEDIÇÃO

RELATÓRIO 1ª MEDIÇÃO RELATÓRIO 1ª MEDIÇÃO OBRA: REFORMA DA SOBRELOJA E GARAGEM DO FÓRUM TRABALHISTA DE CURITIBA. CONTRATADA: TOWERING CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA. Considerando a instituição da Comissão de Recebimento e Fiscalização

Leia mais

02.01.01.02.001 02.01.02.02.001

02.01.01.02.001 02.01.02.02.001 INFRAERO RJ.06/432.92/2073/00 33/58 02.01.01.02 02.01.02.02 FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE TUBULAÇÕES E ACESSÓRIOS DA CASA DE BOMBAS Descrição: O fornecimento e instalação de tubulações e acessórios da casa

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor. Especificação Sucinta de Caixa Modelo F4 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.5 5ª Folha 1

Leia mais