APLICAÇÃO DE PLACAS IDENTIFICADORAS PARA EQUIPAMENTOS DA REDE AÉREA DE DISTRIBUIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DE PLACAS IDENTIFICADORAS PARA EQUIPAMENTOS DA REDE AÉREA DE DISTRIBUIÇÃO"

Transcrição

1 1. OBJETIVO Este Informativo tem como objetivo padronizar a aplicação de placa de identificação em equipamentos da rede aérea de distribuição de energia elétrica, de forma a garantir o melhor posicionamento e segurança dos colaboradores durante as atividades para identificação dos equipamentos e dos circuitos de distribuição. 2. DEFINIÇÃO Placa de Identificação Conjunto formado por Suporte para números refletivos, películas refletivas e abraçadeira de nylon Suporte para números refletivos Película refletiva Placa suporte de material polimérico para sinalização de equipamentos e circuitos da rede de distribuição aérea, conforme DT.PN Película refletiva auto-adesivo com fundo amarelo e caracteres na cor preta, conforme DT.PN Abraçadeira de Nylon Abraçadeira de Nylon utilizado para fixação do Suporte, conforme DT.PN DESENVOLVIMENTO Os critérios e procedimentos para identificação dos equipamentos e circuitos da rede de distribuição visam: Melhorar as condições operativas e tornar as manobras mais seguras; Facilitar a elaboração e atualização de planos de manobras; Estabelecer critérios para identificação da rede de distribuição; Facilitar o controle do cadastro técnico da rede de distribuição e as operações das redes de distribuição pelo Centro de Operação da Distribuição. 4. CONSIDERAÇÕES GERAIS A aplicação das placas deverá seguir as seguintes recomendações: Quando houver deslocamento ou substituição do poste por motivos de abalroamento, danos estruturais ou quaisquer motivos que impossibilitem sua permanência, as placas de identificação deverão ser transferidas pelo executante da substituição para o novo poste; Quando houver substituição, manutenção ou operação de qualquer equipamento, caso não possua placa de identificação, o responsável pelo serviço em campo deverá informar ao Centro de Operação da Distribuição a falta da mesma; Preferencialmente a placa deve ser instalada próximo ao suporte de escada (seja embaixo ou em cima do suporte), entretanto o Colaborador em campo poderá alterar o posicionamento da placa de identificação, em virtude de questões de Segurança e das diversas interferências encontradas no poste (devido a outros equipamentos instalados e aos demais ocupante); A placa deverá ser instalada na posição vertical, sendo que sua leitura deve ser efetuada no sentido de cima para baixo, ou seja, o dígito superior sendo o primeiro a ser lido. Nota: Em alguns casos, as placas poderão ser instaladas na posição horizontal (identificação de circuitos, por exemplo), e sua leitura deverá ser usual, da esquerda para direita ; As placas deverão ser fixadas no poste utilizando-se fita de nylon; Todo serviço de instalação, retirada e substituição das placas deverá seguir as determinações da NR-10 e dos procedimentos da EDP Bandeirante; No caso de proximidade com a Rede de Média Tensão, os serviços deverão ser executados somente com a rede desenergizada ou com Turma especifica para Serviços em Rede de Distribuição Energizada; A placa de identificação deverá ser instalada sempre no Lado da Fonte. Página 1 de 11

2 5. ANEOS A. DESENHOS 001.Identificação - Base Fusível Identificação - Chave Faca 003. Identificação - Chave Tipo Tanden 004. Identificação - Estação Transformadora 005. Identificação - Religadora 006. Identificação - Banco Capacitor 007. Identificação - Regulador de Tensão 008. Identificação - Saída ou Entrada Subterrânea (Chave Faca ou Base Fusível) 009. Identificação - Dois ou Mais Circuitos Primários na Mesma Posteação Página 2 de 11

3 PLACA SINALIZADORA SUPORTE DE ESCADA Notas: 1 Identificação utilizada para Rede de Distribuição Aérea Convencional e Compacta Identificação - Base Fusível Página 3 de 11

4 Nº DA CHAVE SUPORTE DE ESCADA NOME E Nº DO CIRCUITO Notas: 1 Identificação utilizada para Rede de Distribuição Aérea Convencional, Compacta e Multiplexada. 2 Também é utilizada para Chave Faca na posição horizontal Identificação - Chave Faca Página 4 de 11

5 Nº DA CHAVE 1 NOME E Nº DO CIRCUITO 1 Nº DA CHAVE 2 SUPORTE DE ESCADA NOME E Nº DO CIRCUITO 2 Notas: 1 Identificação utilizada para transição da Rede Subterrânea para rede de distribuição Aérea (Convencional, Compacta e Multiplexada) Identificação - Chave Tipo Tanden Página 5 de 11

6 PLACA SINALIZADORA SUPORTE DE ESCADA Notas: 1 Identificação utilizada para Rede de Distribuição Aérea Convencional e Compacta Identificação - Estação Transformadora Página 6 de 11

7 R.A. VARIÁVEL DE ACORDO COM MODELO SUPORTE DE ESCADA Nº DE IDENTIFICAÇÃO 005. Identificação - Religadora Página 7 de 11

8 SUPORTE DE ESCADA Nº BANCO DE CAPACITOR 006. Identificação - Banco Capacitor Página 8 de 11

9 Nº DE IDENTIFICAÇÃO SUPORTE DE ESCADA 007. Identificação - Regulador de Tensão Página 9 de 11

10 Nº DA CHAVE FACA OU FUSIVEL SUPORTE DE ESCADA NOME E Nº DO CIRCUITO Notas: 1 Identificação utilizada para Rede de Distribuição Aérea Convencional e Compacta Identificação - Saída ou Entrada Subterrânea (Chave Faca ou Base Fusível) Página 10 de 11

11 1 CIRCUITO 1 2 CIRCUITO 2 Nota: Identificação utilizada somente quando houver solicitação especifica 009. Identificação - Dois ou Mais Circuitos Primários na Mesma Posteação Página 11 de 11

ANEXO X. Especificações Técnicas. Concorrência nº. 003/2011

ANEXO X. Especificações Técnicas. Concorrência nº. 003/2011 ANEXO X Especificações Técnicas Concorrência nº. 003/2011 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA COM MÃO-DE-OBRA ESPECIALIZADA, VISANDO À EXECUÇÃO INDIRETA, POR PREÇO UNITÁRIO, DE SERVIÇOS TÉCNICOS ENVOLVENDO O MANEJO

Leia mais

Especificação Disjuntores Baixa Tensão

Especificação Disjuntores Baixa Tensão Especificação Disjuntores Baixa Tensão Descrição: DISJUNTOR MICROPROCESSADO Local de Aplicação: QGBT Modelo: Fabricante: Fabricante Alternativo: Normas NBR-5361 / 8176, IEC-947-2 Aplicáveis Critério de

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste de Concreto Duplo T

Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste de Concreto Duplo T ITA 012 Rev. 1 Janeiro / 2007 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-22/07/2014 05/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

NORMA TÉCNICA 34/2014

NORMA TÉCNICA 34/2014 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 34/2014 Hidrante Urbano SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Especificação funcional Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho de novembro de 2011 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Requisitos Mínimos para Elaboração de Projeto e Instalação de Grupos Geradores Particulares com Transferência Automática

Requisitos Mínimos para Elaboração de Projeto e Instalação de Grupos Geradores Particulares com Transferência Automática NT.00 Requisitos Mínimos para Elaboração de Projeto e Instalação de Grupos Geradores Particulares com Transferência Automática Nota Técnica Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia

Leia mais

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1 OBJETIVO O objetivo do Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações,

Leia mais

Escola Municipal Caminho para o Futuro. Rua Goiânia 559-S, Lucas do Rio Verde - MT. Elaine Benetti Lovatel

Escola Municipal Caminho para o Futuro. Rua Goiânia 559-S, Lucas do Rio Verde - MT. Elaine Benetti Lovatel DADOS CADASTRAIS CLIENTE PROPRIETÁRIO Pref. Municipal de Lucas do Rio Verde OBRA Escola Municipal Caminho para o Futuro LOCAL DA OBRA Rua Goiânia 559-S, Lucas do Rio Verde - MT SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

Norma Técnica NT 07-05-017 Plano de Ocupação de Infraestrutura de Rede de Distribuição DMED

Norma Técnica NT 07-05-017 Plano de Ocupação de Infraestrutura de Rede de Distribuição DMED Norma Técnica NT 07-05-017 Plano de Ocupação de Infraestrutura de Rede de Distribuição DMED Plano de Ocupação dos Postes das Redes Primárias e Secundárias de Distribuição da DME Distribuição S.A (DMED)

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA- TIPO PSH - 13,8 KV NTD - 17

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA- TIPO PSH - 13,8 KV NTD - 17 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA- TIPO PSH - 13,8 KV NTD - 17 CONTROLE DE VERSÕES NTD 17 - MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA- TIPO PSH - 13,8 kv Nº.: DATA VERSÃO 0 03/09 Original

Leia mais

NPT 034 HIDRANTE URBANO

NPT 034 HIDRANTE URBANO Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 034 Hidrante Urbano CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 9páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas e Bibliográficas

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS ATO REGULATÓRIO: Consulta Pública CP nº 004/2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: Obter subsídios com vistas ao aprimoramento do novo procedimento

Leia mais

CEIRF Coordenação Executiva de Infraestrutura da Rede Física

CEIRF Coordenação Executiva de Infraestrutura da Rede Física MEMORIAL DESCRITIVO PARA INSTALAÇÃO DA REDE ELÉTRICA E LÓGICA - 2016 1. OBJETO Serviços de instalação de rede elétrica e lógica para os postos policiais do São João 2016. 2. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os parâmetros

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 520, 29 de JANEIRO de 2015.

RESOLUÇÃO Nº 520, 29 de JANEIRO de 2015. RESOLUÇÃO Nº 520, 29 de JANEIRO de 2015. Dispõe sobre os requisitos mínimos para a circulação de veículos com dimensões excedentes aos limites estabelecidos pelo CONTRAN. O Conselho Nacional de Trânsito

Leia mais

05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA

05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA 05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA 5.1 COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA AGÊNCIAS Agências sem recuo em relação à calçada 1 2 3 4 Elementos de comunicação visual As fachadas das agências dos Correios, sem recuo em

Leia mais

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v DESENHO 1: padrão ligação monofásica - instalação na parede com ramal de entrada aéreo, edificação do mesmo lado da rede e na divisa com o passeio público.

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA PROJETO DE SINALIZAÇÃO TURÍSTICA EQUIPE DE SINALIZAÇÃO E PAISAGISMO DAER

DIRETRIZES GERAIS PARA PROJETO DE SINALIZAÇÃO TURÍSTICA EQUIPE DE SINALIZAÇÃO E PAISAGISMO DAER DIRETRIZES GERAIS PARA PROJETO DE SINALIZAÇÃO TURÍSTICA EQUIPE DE SINALIZAÇÃO E PAISAGISMO DAER 1 DIRETRIZES 2 O projeto de Sinalização deverá seguir as normas do Guia Brasileiro de Sinalização Turística

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS PROCESSO SIMPLIFICADO

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS PROCESSO SIMPLIFICADO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS PROCESSO SIMPLIFICADO CARTILHA SIMPLIFICADA SOBRE CLASSES DE INCÊNDIO, APARELHOS EXTINTORES E SINALIZAÇÃO DE

Leia mais

14/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CAP. 3 ESTUDOS DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS. Mário C.G. Ramos

14/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CAP. 3 ESTUDOS DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS. Mário C.G. Ramos CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CAP. 3 ESTUDOS DE CASOS Mário C.G. Ramos 1 CAP.3 ESTUDO DE CASOS Caso nº 1: Seleção de um motor elétrico adequado à potência mecânica exigida por um equipamento. A curva

Leia mais

Memorial Técnico Descritivo do Alarme de Incêndio

Memorial Técnico Descritivo do Alarme de Incêndio Memorial Técnico Descritivo do Alarme de Incêndio 1. IDENTIFICAÇÃO Prefeitura Municipal De Veranópolis Posto de Saúde Central. Av. Pinheiro Machado, 581 Centro Veranópolis RS CEP: 95330-000 CNPJ: 98671597/0001-09

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor. Especificação Sucinta de Caixa Modelo F3 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.4 4ª Folha 1

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor. Especificação Sucinta de Caixa Modelo F4 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.5 5ª Folha 1

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor. Especificação Sucinta de Caixa Modelo F4 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.5 6ª Folha 1

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2015 Instrução Técnica nº 34/2011 - Hidrante urbano 719 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2015 Hidrante

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi 1. SISTEMA DE PISTA: O sistema de pistas de pouso e decolagem de um aeroporto consiste do pavimento estrutural (a pista propriamente dita), os acostamentos,

Leia mais

Aspetos principais Julho 2016

Aspetos principais Julho 2016 Tarifa Social na Eletricidade Aspetos principais Julho 2016 1. Em que consiste a tarifa social no fornecimento de eletricidade? A tarifa social resulta da aplicação de um desconto na tarifa de acesso às

Leia mais

Secretaria da Administração

Secretaria da Administração Sorocaba, 10 de novembro de 2014. RELATÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Nº 144/2014 À Seção de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional Nádia Rodrigues Referência: Visita Técnica realizada em 07/11/2014,

Leia mais

FUSÍVEIS TIPO ROLHA E TIPO CARTUCHO

FUSÍVEIS TIPO ROLHA E TIPO CARTUCHO Página: 1/5 Elaborado por: Ramiro Sanches Verificado por: Glaucia Nahun Aprovado por: Marcos Zevzikovas Data Aprovação: 03/12/2013 1 OBJETIVO TÜV Rheinland do Brasil Este documento apresenta os critérios

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.05

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.05 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.05 Considerações Gerais...1 Configurações...2 Configurando Tipo de Ordem de Serviço...3 Inserindo um Controle de Recall / Campanha...4 Chassis em Recall / Campanha...6 Aviso

Leia mais

Disjuntores Caixa Moldada Disparadores Térmico e Magnético Fixo SD

Disjuntores Caixa Moldada Disparadores Térmico e Magnético Fixo SD . Aplicação São usados principalmente em circuitos Hz, tensão de trabalho nominal até V, tripolares, disparadores térmico e magnético fixos e corrente de trabalho nominal de A até 0 A.. Características

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DO VALE-CULTURA

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DO VALE-CULTURA MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DO VALE-CULTURA 01 Este manual estabelece as regras de aplicação e orienta o uso da marca do programa Vale-Cultura, instituído pela lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL n.º 023, de 13 de fevereiro de 2003.

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS FOTOVOLTAICAS.

CENTRAIS GERADORAS FOTOVOLTAICAS. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO 1º LEILÃO DE ENERGIA DE

Leia mais

Escopo examinado: inspeção das instalações e condições do sistema de prevenção de incêndios

Escopo examinado: inspeção das instalações e condições do sistema de prevenção de incêndios Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas Auditoria Federal de Controle Interno do IFAM Rua Ferreira Pena

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: Saúde e Segurança no Trabalho

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: Saúde e Segurança no Trabalho Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO Área Profissional: Saúde e Segurança no Trabalho Curso Complementar Segurança no Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Reparos em Para-Choques, Retrovisores, Portão de Garagem e Paredes/Revestimentos

Reparos em Para-Choques, Retrovisores, Portão de Garagem e Paredes/Revestimentos CONDIÇÕES DA ASSISTÊNCIA PROTEÇÃO GARAGEM Reparos em Para-Choques, Retrovisores, Portão de Garagem e Paredes/Revestimentos As solicitações de atendimento para esta Assistência deverão ser realizadas pelo

Leia mais

Requisitos para liberação de instalações prediais ao uso do gás natural (comerciais e residenciais)

Requisitos para liberação de instalações prediais ao uso do gás natural (comerciais e residenciais) FOLHA DE CAPA TÍTULO Requisitos para liberação de instalações prediais ao uso do gás natural (comerciais e residenciais) NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS PR-75-174-CPG-001

Leia mais

FIGURAS DE LISSAJOUS

FIGURAS DE LISSAJOUS FIGURAS DE LISSAJOUS OBJETIVOS: a) medir a diferença de fase entre dois sinais alternados e senoidais b) observar experimentalmente, as figuras de Lissajous c) comparar a frequência entre dois sinais alternados

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Função de automatismo: comutação automática de disjuntores BT Especificação funcional Elaboração: INTS, ICTS, ISTS, DNT Homologação: conforme despacho do

Leia mais

Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão

Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão A escolha correcta dos elementos de protecção de uma instalação eléctrica, minimiza ou elimina por completo o risco de incêndio, explosão ou choques eléctricos

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Coordenação: JildésioSouza Beda

FICHA TÉCNICA. Coordenação: JildésioSouza Beda NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO DISTRIBUIÇÃO AÉREA RDA COM TENSÃO DE ATÉ 2ª EDIÇÃO JUNHO - 2014 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA FICHA

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM As empresas prestadoras de serviços (construção e/ou manutenção

Leia mais

OBJETIVO: APLICAÇÃO:

OBJETIVO: APLICAÇÃO: OBJETIVO: Este manual tem por objetivo sugerir os procedimentos, do ponto de vista técnico, para execução da infra-estrutura interna das unidades usuárias dos serviços em fibra óptica da Copel Telecomunicações.

Leia mais

Inspeção preventiva de redes elétricas de distribuição subterrânea em condomínios - diretrizes e critérios

Inspeção preventiva de redes elétricas de distribuição subterrânea em condomínios - diretrizes e critérios 50 Capítulo III Inspeção preventiva de redes elétricas de distribuição subterrânea em condomínios - diretrizes e critérios Por Ronaldo Antonio Roncolatto* O planejamento e a execução de um programa de

Leia mais

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas de BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Componentes das instalações Componente: podem ser materiais, acessórios, dispositivos, instrumentos, equipamentos, máquinas, conjuntos, partes

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL APRESENTAÇÃO Agradecemos pela preferência na escolha de produtos International Refrigeração. Este documento foi elaborado cuidadosamente para orientar

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas em Educação - INEP CONCEITO PRELIMINAR DE CURSOS DE GRADUAÇÃO

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas em Educação - INEP CONCEITO PRELIMINAR DE CURSOS DE GRADUAÇÃO Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas em Educação - INEP CONCEITO PRELIMINAR DE CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Introdução A presente Nota Técnica apresenta as diretrizes para a implementação

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SISTEMA DE DETECÇÃO VEICULAR OVERHEAD

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SISTEMA DE DETECÇÃO VEICULAR OVERHEAD ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SISTEMA DE DETECÇÃO VEICULAR OVERHEAD SUMÁRIO 1. SISTEMA DE DETECÇÃO OVERHEAD... 2 2. PROCEDIMENTO DE TESTE DE SISTEMA DE DETECÇÃO OVERHEAD PARA O SISTEMA SCOOT... 3 3. DOCUMENTAÇÃO...

Leia mais

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES T Í T U L O ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES CÓDIGO ESP-I-GPC-01/13 VERSÃO APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R0 20/05/2013 CONTROLE DE REVISÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO Página 1 de 5 1 Objetivo Promover a permanente melhoria e contínua compatibilização do trabalho com a prevenção da vida, integridade e patrimônio do SAAE Sorocaba e a promoção da saúde e segurança dos

Leia mais

IMPACTO NOS SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

IMPACTO NOS SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVO TEXTO DA NR 10 IMPACTO NOS SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVO TEXTO DA NR 10 IMPACTO NOS SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS TEXTO ORIGINAL 1978 ALTERAÇÃO - 1983 TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL TRANSFORMAÇÃO

Leia mais

Estudo de Coordenação e Seletividade

Estudo de Coordenação e Seletividade Estudo de Coordenação e Seletividade Memorial de Cálculo Obra: Subestação Abrigada 750kVA para Pavilhão Industrial de Reciclagem Proprietário: Prefeitura Municipal de Ponte Preta - RS Localização: Parte

Leia mais

A JUÍZA PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 13ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A JUÍZA PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 13ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, h, da RA nº 065/2007. A JUÍZA PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 13ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a necessidade de estabelecer normas e procedimentos

Leia mais

Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II. Sistemas de força e energia. Aula 02

Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II. Sistemas de força e energia. Aula 02 Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II Sistemas de força e energia Aula 02 Consumo pro região Usina Hidrelétrica Usina Nuclear Estrutura do setor elétrico Distribuição - A conexão e atendimento

Leia mais

As condições anormais de operação devem ser limitadas no tempo de duração e na amplitude.

As condições anormais de operação devem ser limitadas no tempo de duração e na amplitude. Disjuntores As condições anormais de operação devem ser limitadas no tempo de duração e na amplitude. Os dispositivos de proteção nas instalações elétricas devem desligar o circuito nas condições adversas.

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede Elétrica com Redes de Telecomunicações. Norma. Revisão 03 03/2014 NORMA ND.47

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede Elétrica com Redes de Telecomunicações. Norma. Revisão 03 03/2014 NORMA ND.47 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede Elétrica com Redes de Telecomunicações Norma Revisão 03 03/2014 NORMA ND.47 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de

Leia mais

Audiência Pública 035/2005

Audiência Pública 035/2005 Audiência Pública 035/2005 Contratação de Energia Elétrica para Consumidores Livres O Ambiente de Livre Contratação 18,5% da Energia Elétrica consumida no Brasil Comercialização de produtos customizados

Leia mais

ARC FLASH HAZARDS - CÁLCULO DA ENERGIA INCIDENTE PARA A PROTEÇÃO DE PESSOAS E DETERMINAÇÃO DO ATPV PARA VESTIMENTAS

ARC FLASH HAZARDS - CÁLCULO DA ENERGIA INCIDENTE PARA A PROTEÇÃO DE PESSOAS E DETERMINAÇÃO DO ATPV PARA VESTIMENTAS ARC FLASH HAZARDS - CÁLCULO DA ENERGIA INCIDENTE PARA A PROTEÇÃO DE PESSOAS E DETERMINAÇÃO DO ATPV PARA VESTIMENTAS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO ARC FLASH HAZARDS - CÁLCULO DA

Leia mais

Apresentamos aqui o conceito de instalação do GPS Rastro e vários exemplos com fotos.

Apresentamos aqui o conceito de instalação do GPS Rastro e vários exemplos com fotos. Instalação do equipamento Rastro Totem Apresentamos aqui o conceito de instalação do GPS Rastro e vários exemplos com fotos. Instalação Elétrica Em provas de 1 ou 2 dias não é necessário qualquer instalação

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:03 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL RESOLUÇÃO CONJUNTA N. 006/2014/GAB/SEFIN/CRE Porto Velho, 09 de julho de 2014 Publicada no DOE nº 2533,

Leia mais

Índice. Especificações Técnicas...3 Instalação...3 Impacta 16 e 68... 3 Impacta 94, 140 e 220... 4

Índice. Especificações Técnicas...3 Instalação...3 Impacta 16 e 68... 3 Impacta 94, 140 e 220... 4 guia de instalação Índice Especificações Técnicas...3 Instalação...3 Impacta 16 e 68... 3 Impacta 94, 140 e 220... 4 Programação...4 Categoria de acesso ao correio... 4 Desvios para correio... 4 Senha

Leia mais

- Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

- Companhia Hidro Elétrica do São Francisco - Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DO - DIRETORIA DE OPERAÇÃO GRP GERÊNCIA REGIONAL DE OPERAÇÃO DE PAULO AFONSO DRMP Divisão Regional de Manutenção Elétrica e Mecânica das Usinas e Instalações

Leia mais

Metodologia Para Avaliação da Vida Útil Remanescente dos Cabos Tipo PILC MT da AES Eletropaulo

Metodologia Para Avaliação da Vida Útil Remanescente dos Cabos Tipo PILC MT da AES Eletropaulo Metodologia Para Avaliação da Vida Útil Remanescente dos Cabos Tipo PILC MT da AES Eletropaulo Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Matrix Engenharia em Energia Ltda. Ricardo de Oliveira

Leia mais

SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 4. 4.1 Contratada... 4. 4.2 Cordoalha...

SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 4. 4.1 Contratada... 4. 4.2 Cordoalha... 31 / 10 / 2012 1 de 29 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 4 4.1 Contratada... 4 4.2 Cordoalha... 4 4.3 Detentora (CEMAR)... 4 4.4 Equipamento...

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES COMUNICADO RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS

SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES COMUNICADO RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS COMUNICADO RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015-SMT. Processo Administrativo n 2015-0.121.905-3. Objeto: Recebimento de propostas para celebração de Termo de Cooperação,

Leia mais

Políticas Corporativas

Políticas Corporativas 1 IDENTIFICAÇÃO Título: POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS ADMINISTRADORES Restrições para Uso: Livre Acesso Controle Reservado Confidencial Controlada Não Controlada Em Revisão 2 - RESPONSÁVEIS Etapa Área Responsável

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 0001/2012 COMPRASNET. Termo de Referência Mobiliário

COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 0001/2012 COMPRASNET. Termo de Referência Mobiliário COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 0001/2012 COMPRASNET Termo de Referência Mobiliário Objeto O presente Termo de Referência tem por objetivo a aquisição de mobiliários para atender as demandas decorrentes das novas

Leia mais

Permite o retorno de Mercadorias de Terceiros com uma nota fiscal de cliente em todas as rotinas que fazem estes retornos.

Permite o retorno de Mercadorias de Terceiros com uma nota fiscal de cliente em todas as rotinas que fazem estes retornos. Permite o retorno de Mercadorias de Terceiros com uma nota fiscal de cliente em todas as rotinas que fazem estes retornos. Caminhos: Área de Peças: Peças > Operações > Almoxarifado > Retorno de Terceiros

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 27/2012 - (BO N.º 9, 17.09.2012)

INSTRUÇÃO N.º 27/2012 - (BO N.º 9, 17.09.2012) INSTRUÇÃO N.º 27/2012 - (BO N.º 9, 17.09.2012) Temas ESTATÍSTICAS Estatísticas das Operações com o Exterior ASSUNTO: Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior No uso das competências atribuídas

Leia mais

O GÁS NATURAL. Do ponto de vista ambiental, o gás natural é muito melhor do que todos os outros combustíveis fósseis.

O GÁS NATURAL. Do ponto de vista ambiental, o gás natural é muito melhor do que todos os outros combustíveis fósseis. ÍNDICE O gás natural... O uso do gás natural... Informações gerais da rede de gasodutos de distribuição... Placas de sinalização... Consultas prévias à Sergas... Quando existir interferência, consulte-nos...

Leia mais

VIA FÁCIL - BOMBEIROS

VIA FÁCIL - BOMBEIROS SECRETARIA DO ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS VIA FÁCIL - BOMBEIROS MANUAL DO USUÁRIO Versão V1.0 1 Índice A INTRODUÇÃO, 4 B USUÁRIO NÃO

Leia mais

Planejamento da Expansão do Sistema de Transmissão. Reforços Estruturais para o Mato Grosso do Sul

Planejamento da Expansão do Sistema de Transmissão. Reforços Estruturais para o Mato Grosso do Sul Planejamento da Expansão do Sistema de Transmissão Reforços Estruturais para o Mato Grosso do Sul Processo do Planejamento da Transmissão Relatório R1 demonstração da viabilidade técnico econômica e socioambiental

Leia mais

MRE485T01A MÓDULO ENDEREÇÁVEL DE COMANDO A RELÊS.

MRE485T01A MÓDULO ENDEREÇÁVEL DE COMANDO A RELÊS. Descrição Geral Periférico endereçável para comando ou sinalização controlada pelo painel central, aplicável em sistemas de incêndio compatível com protocolo de comunicação Tecnohold TH01A 485 padrão RS

Leia mais

Módulo Rastreador Veicular Manual de Instruções

Módulo Rastreador Veicular Manual de Instruções Produto Descontinuado Módulo Rastreador Veicular Manual de Instruções Versão do Firmware do Módulo: 2.x Última atualização: Janeiro de 2008 www.gpstm.com.br O Módulo Rastreador GTM Tracker II introduz

Leia mais

ENASE 2007 TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO

ENASE 2007 TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO ENASE 2007 A EXPANSÃO DA OFERTA E A SEGURANÇA DO ABASTECIMENTO TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO SETEMBRO DE 2007 SEGMENTO DA TRANSMISSÃO Dois mundos: Expansão / novas instalações

Leia mais

Periodicidade da inspeção de dispositivos de segurança PSV

Periodicidade da inspeção de dispositivos de segurança PSV Periodicidade da inspeção de dispositivos de segurança PSV Objetivo Definição de uma planilha, base de estabelecimento dos prazos de inspeção periódica, interna e externa, das válvulas de segurança e alívio

Leia mais

Contribuição da Endesa Brasil a Consulta Pública 043/2009 Qualidade do Fornecimento

Contribuição da Endesa Brasil a Consulta Pública 043/2009 Qualidade do Fornecimento Contribuição da Endesa Brasil a Consulta Pública 043/2009 Qualidade do Fornecimento Este documento encaminha as contribuições das distribuidoras da Endesa Brasil, Ampla e Coelce, no que se refere aos questionamentos

Leia mais

Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.: Hélio Henrique DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA

Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.: Hélio Henrique DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique 1 INTRODUÇÃO 2 3 Introdução O gerador de CA é o meio mais importante

Leia mais

Aspetos principais 2016-2017

Aspetos principais 2016-2017 Tarifa Social no Gás Natural Aspetos principais 2016-2017 1. Em que consiste a tarifa social no fornecimento de gás natural? A tarifa social resulta da aplicação de um desconto na tarifa de acesso às redes

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO REV. 00 Rodovia PR-317 Km 106+200m Maringá PR Tel.: (44) 3033-6000 Fax: (44) 3033-6060 CEP 87065-005 http://www.viapar.com.br Sumário 1. FLUXOGRAMA

Leia mais

INSTALAÇÃO DE PONTOS ELÉTRICOS

INSTALAÇÃO DE PONTOS ELÉTRICOS SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE PONTOS ELÉTRICOS LOTE 2 Versão: 001 Vigência: 01/2016 Última atualização:

Leia mais

PORTARIA N 004/DSCIP/CBMMT/2016

PORTARIA N 004/DSCIP/CBMMT/2016 PORTARIA N 004/DSCIP/CBMMT/2016 Aprova a Norma Técnica do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso NTCB nº 18/2016 que trata sobre Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio. O CORONEL COMANDANTE

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2011 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 I II III IV V TEMPO MÉDIO DE TEMPO MÉDIO DE ATIVIDADES EXECUÇÃO EXECUÇÃO PRECEDENTES Normal

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNCIA FOLHA 1 de 5 ÍNDICE DE REVISÕES

Leia mais

Melhorando a qualidade de energia elétrica para o sistema de sinalização metroferroviário

Melhorando a qualidade de energia elétrica para o sistema de sinalização metroferroviário Melhorando a qualidade de energia elétrica para o sistema de sinalização metroferroviário Resumo A sinalização é um dos sistemas vitais mais importante numa ferrovia, pois ela é responsável pela operacionalidade

Leia mais

FICHA DE CURSO. Código da Ficha. Revisão 01. Data: 2014. Curso: ELETRICISTA + NR 10 Carga Horária Total: 108h

FICHA DE CURSO. Código da Ficha. Revisão 01. Data: 2014. Curso: ELETRICISTA + NR 10 Carga Horária Total: 108h Código da Ficha FICHA DE CURSO Revisão 01 Data: 2014 Curso: ELETRICISTA + NR 10 Carga Horária Total: 108h Eixo Tecnológico: Infraestrutura Nº de Participantes: Mínimo: 15 Máximo: 20 Modalidade: Qualificação

Leia mais

Circuito de Controle do Virador de Locomotivas

Circuito de Controle do Virador de Locomotivas Circuito de Controle do Virador de Locomotivas O objetivo deste Tutorial é o de fornecer uma explicação em linhas gerais e básicas do funcionamento desse circuito. Caso alguém queira mais detalhes técnicos

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA-13,8 e 34,5kV NTD 11

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA-13,8 e 34,5kV NTD 11 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA-13,8 e 34,5kV NTD 11 CONTROLE DE VERSÕES NTD 11 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA-13,8 e 34,5kV Nº.: DATA VERSÃO 01 12/2004 Original 02 03/2009 Revisão

Leia mais

Concurso Natal Ecológico. Regulamento

Concurso Natal Ecológico. Regulamento Concurso Natal Ecológico Regulamento Dos Objetivos 1.1 O Concurso Natal Ecológico, realizado pelo Serviço Colatinense de Meio Ambiente e Saneamento Ambiental SANEAR, tem por objetivos: a) Sensibilizar

Leia mais

NORMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO E REFORMAS

NORMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO E REFORMAS NORMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO E REFORMAS Profª Maria Cleide Curso técnico em edificações 2016 1 NBR 15575 NORMA DE DESEMPENHO 2 3 4 Prazos de vida útil de projeto 5 6 7 NBR 5674 Gestão da Manutenção Direcionada

Leia mais

3ª Aula. Desenvolvimento do Tema: Custos

3ª Aula. Desenvolvimento do Tema: Custos 3ª Aula Desenvolvimento do Tema: Custos Os participantes poderão apresentar entendimentos e experiências com base em suas atividades cabendo ao professor os comentários pertinentes com destaque dos aspectos

Leia mais

CHAVES DE PARTIDA. Prof. Marcos Fergütz mar/2014

CHAVES DE PARTIDA. Prof. Marcos Fergütz mar/2014 CHAVES DE PARTIDA Prof. Marcos Fergütz mar/2014 TIPOS DE CIRCUITOS CIRCUITO DE POTÊNCIA CIRCUITO DE COMANDO CIRCUITO QUE OPERA À CORRENTE NOMINAL DA CARGA A SER ACIONADA. CIRCUITO QUE OPERA A LÓGICA DE

Leia mais

DISPOSITIVOS DE MANOBRA E PROTEÇÃO

DISPOSITIVOS DE MANOBRA E PROTEÇÃO DISPOSITIVOS DE MANOBRA SÃO EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS DESTINADOS A LIGAR OU DESLIGAR UM CIRCUITO EM CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO. EXEMPLOS: CHAVES SECCIONADORAS, BOTÕES DE COMANDO. CARACTERÍSTICAS: NÃO EXISTE

Leia mais

Vmax Disjuntores de média tensão a vácuo. IEC:... 17,5 kv;... 1250 A;... 31,5 ka ANSI:... 15 kv;... 1200 A;... 31,5 ka

Vmax Disjuntores de média tensão a vácuo. IEC:... 17,5 kv;... 1250 A;... 31,5 ka ANSI:... 15 kv;... 1200 A;... 31,5 ka Medium voltage products Vmax Disjuntores de média tensão a vácuo IEC:... 17,5 kv;... 1250 A;... 31,5 ka ANSI:... 15 kv;... 1200 A;... 31,5 ka Os novos disjuntores Vmax representam a síntese da já afirmada

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 1.06

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 1.06 NTD 1.06 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DE REDES E LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA PRIMÁRIA COMPACTA E SECUNDÁRIA ISOLADA 3ª EDIÇÃO AGOSTO-2011 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDENCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS

Leia mais