SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA COLETORES PREDIAIS LOTE 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA COLETORES PREDIAIS LOTE 2"

Transcrição

1 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA COLETORES PREDIAIS LOTE 2 Versão: 002 Vigência: 03/2016 Última atualização: 05/2016

2 GRUPO COLETORES PREDIAIS LOTE 02 A CAIXA apresenta o Grupo Coletores Prediais em 08 composições. O Coletor Predial é o trecho final da tubulação que conduz o esgoto até a rede pública, ou ao sistema de esgoto individual. É o trecho de tubulação compreendido entre a última inserção de subcoletor, ramal de esgoto ou de descarga e o coletor público ou sistema particular. A Figura 1 mostra o coletor predial: tubulação que liga a caixa de inspeção com o coletor público. Figura 2: Coletor predial em esgoto. Figura 1 - Coletor Predial em Esgoto A execução do coletor predial é composta pelas seguintes atividades: Escavação de vala; Preparo de fundo de vala; Assentamento de tubos e conexões; Reaterro. Por ter pequenas dimensões, a execução de escavação de vala pode ser feita manualmente ou com uso de retroescavadeira (Figura ): Figura 2: Escavação de vala Página 1

3 NORMAS E LEGISLAÇÃO ABNT NBR 12266:1992 Projeto e execução de valas para assentamento de tubulação de água, esgoto ou drenagem urbana Procedimento. ABNT NBR :1999 Sistemas enterrados para condução de esgoto. Parte 1: Requisitos para tubos de PVC com junta elástica. ABNT NBR-10569:1988 Conexões de PVC rígido com junta elástica, para coletor de esgoto sanitário tipos e dimensões. ABNT NBR-10570: 1988 Tubos e conexões de PVC rígido com junta elástica para coletor predial e sistema condominial de esgoto sanitário tipos e dimensões. ABNT NBR 9051:1985 Anel de borracha para tubulações de PVC rígido, para coletor de esgoto sanitário. ABNT NBR 7367:1988 Projeto e assentamento de tubulações de PVC rígido para sistemas de esgoto sanitário. ABNT NBR 9814:1987 Execução de rede coletora de esgoto sanitário. ABNT NBR 7367:1988 Projeto e assentamento de tubulações de PVC rígido para sistemas de esgoto sanitário. NR 18 Condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção. BIBLIOGRAFIA Manual de bolso para instalação de tubulações corrugadas TIGRE-ADS. Catálogo Soluções Amanco Infraestrutura. Catálogo técnico Infraestrutura Esgoto TIGRE. ET DE H00/004 Especificação técnica reaterros Departamento de Estradas e Rodagem. Página 2

4 COMPOSIÇÕES AFERIDAS Código/Seq. Descrição da Composição Página 02.LIPR.COPR.001/ LIPR.COPR.002/ LIPR.COPR.003/ LIPR.COPR.004/ LIPR.COPR.005/ LIPR.COPR.006/ COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A REDE (DISTÂNCIA = 10 M, LARGURA DA VALA = 0,65 M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MANUAL, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAL COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/2016 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A REDE (DISTÂNCIA = 8 M, LARGURA DA VALA = 0,65 M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MANUAL, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAL COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/2016 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A REDE (DISTÂNCIA = 6 M, LARGURA DA VALA = 0,65 M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MANUAL, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAL COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/2016 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A REDE (DISTÂNCIA = 4 M, LARGURA DA VALA = 0,65 M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MANUAL, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAL COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/2016 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A REDE (DISTÂNCIA = 10 M, LARGURA DA VALA = 0,65 M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MECANIZADA, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/2016 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A REDE (DISTÂNCIA = 8 M, LARGURA DA VALA = 0,65 M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MECANIZADA, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/ LIPR.COPR.007/01 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A REDE (DISTÂNCIA = 6 M, LARGURA DA VALA = 0,65 M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MECANIZADA, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/ LIPR.COPR.008/ COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A REDE (DISTÂNCIA = 4 M, LARGURA DA VALA = 0,65 M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MECANIZADA, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/ Página 3

5 CADERNO TÉCNICO DO SERVIÇO 1. COMPOSIÇÃO ANALÍTICA DE SERVIÇO Classe: LIPR LIGAÇÕES PREDIAIS ÁGUA/ESGOTO/ENERGIA/TELEFONE Tipo: 0059 LIGAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO Código / Seq. Descrição da Composição Unidade 02.LIPR.COPR.001/01 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A Código SIPCI REDE (DISTÂNCIA = 10 M, LARGURA DA VALA = 0,65 M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MANUAL, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAL COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/2016 Vigência: 03/2016 Última atualização: 05/2016 UNID COMPOSIÇÃO ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID COEFICIENTE C C C C C C I I 303 I 1970 I 6106 I 9817 ESCAVAÇÃO MANUAL DE VALAS. AF_03/2016 PREPARO DE FUNDO DE VALA (LASTRO) COM LARGURA MENOR QUE 1,5 M, COM CAMADA DE AREIA, LANÇAMENTO MANUAL, EM LOCAL COM NÍVEL BAIXO DE INTERFERÊNCIA. AF_05/2016 ASSENTADOR DE TUBOS COM ENCARGOS COMPLEMENTARES SERVENTE COM ENCARGOS COMPLEMENTARES JUNTA ARGAMASSADA ENTRE TUBO DN 100 MM E O POÇO DE VISITA/ CAIXA DE CONCRETO OU ALVENARIA EM REDES DE ESGOTO. AF_06/2015 REATERRO MANUAL DE VALAS COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA. AF_04/2016 PASTA LUBRIFICANTE PARA USO EM TUBOS DE PVC COM ANEL DE BORRACHA (POTE DE 400* G) ANEL BORRACHA P/ TUBO PVC REDE ESGOTO EB 644 DN 100 MM CURVA PVC LONGA 90 GRAUS, 100 MM, PARA ESGOTO PREDIAL SELIM PVC 90G C/ TRAVAS NBR P/ REDE COLET ESG DN 150X100MM TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100MM M³ 4,225 M³ 0,650 H 1,260 H 1,260 M³ 3,575 UN 0,250 UN 4,000 M 11,025 Página 4

6 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAIS COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MECANIZADOS REDE = 10M REDE = 8M REDE = 6M REDE = 4M 2. Insumos e suas Características Escavação manual: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de abrir a vala a ser executado o coletor predial. Preparo de fundo de vala: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a execução do serviço de preparar o fundo da vala para fazer posteriormente o assentamento dos tubos e conexões. Assentador: profissional que executa a instalação dos tubos e conexões do coletor predial. Servente: auxilia o assentador nas tarefas do serviço. Junta argamassada: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a executar a ligação entre o coletor predial e a caixa de inspeção. Reaterro manual: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de fechar a vala aberta para a instalação do coletor predial. Pasta lubrificante para tubos de PVC com juntas elásticas. Anel de borracha para tubos de rede de esgoto com juntas elásticas. Curva PVC longa 90 graus: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Selim PVC 90G: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Tubo de PVC de parede maciça DN 100 mm. Página 5

7 3. Equipamentos Compactador de solos: equipamento para a compactação do solo utilizado no reaterro da vala. 4. Critérios para quantificação dos serviços Utilizar a quantidade total de coletores prediais de esgoto a serem executados, com distância de 10 metros entre a caixa de inspeção e a rede pública de esgoto sanitário, utilizando-se de escavação manual, preparo de fundo manual com camada de areia e reaterro manual compactado. 5. Critérios de Aferição O tipo de escavação considerado nesta composição é a de vala, ou seja, uma escavação que tem comprimento mais expressivo que a largura. É considerada a largura da vala de 0,65 m, que é a menor dimensão prevista na norma NBR A profundidade da vala é considerada de 0,60 m no ponto de encontro com a caixa de inspeção e declividade (ou inclinação) de 1% até se conectar com a rede pública de esgoto sanitário. O preparo de fundo de vala considera a regularização do solo presente no fundo da vala e a execução de um lastro com material granular. O berço do fundo da vala foi considerado com espessura de 10 cm e executado em areia. O assentamento do tubo, por se tratar de diâmetro pequeno, é considerado de forma manual. É considerado tubo com comprimento de 6 metros. Os coeficientes de produtividade consideram um transporte de tubo de até 10 m de distância da vala. São consideradas perdas por resíduo. A produtividade considera a perfuração do poço/ caixa, a união com o tubo e sua fixação com argamassa. Para o reaterro as dimensões da vala são iguais a do corte descontado o volume ocupado pelo berço do fundo da vala e do tubo. O tipo de reaterro considerado nesta composição é o de vala, ou seja, um reaterro que tem comprimento mais expressivo que a largura. Para gerar os índices de produtividade referentes à compactação da vala reaterrada é considerado que a atividade é feita em etapas com camadas na ordem de 20 cm de altura. É considerado que não é preciso fazer o escoramento da vala. Os serviços de demolição do piso e esgotamento da vala não estão considerados nesta composição (embora o efeito de sua presença tenha sido contemplado); devem, portanto, considerar composições específicas para estes serviços. Página 6

8 Os serviços para restabelecer o local de escavação da vala para a situação anterior ao serviço, isto é, por exemplo, refazer o piso, plantio de grama etc. não estão contemplados nos índices de produtividade desta composição. São separados o tempo produtivo (CHP) e o tempo improdutivo (CHI) dos equipamentos da seguinte forma: CHP: considera o tempo em que o equipamento está em uso para realizar as atividades de compactação da vala CHI: considera os tempos em que o equipamento está parado por falta de frente (exemplos: espera pelo assentamento de tubo). 6. Execução O serviço é iniciado com a escavação da vala para a execução do coletor predial que liga a caixa de inspeção à rede pública de esgoto sanitário. Na sequência é feito o preparo do fundo da vala, com a utilização de areia para o berço, para posterior assentamento do tubo. Finalizado o preparo, é feito o assentamento do tubo e instaladas as conexões entre a caixa de inspeção e a rede pública de esgoto sanitário. Antes de se fazer o fechamento da vala, é necessário fazer a junta argamassada entre a conexão do tubo e a caixa de inspeção. Terminado isso procede-se a executar o reaterro da vala aberta para a execução do coletor predial. 7. Informações Complementares Não se aplica. 8. Pendências Não se aplica. Página 7

9 CADERNO TÉCNICO DO SERVIÇO 1. COMPOSIÇÃO ANALÍTICA DE SERVIÇO Classe: LIPR LIGAÇÕES PREDIAIS ÁGUA/ESGOTO/ENERGIA/TELEFONE Tipo: 0059 LIGAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO Código / Seq. Descrição da Composição Unidade 02.LIPR.COPR.002/001 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A REDE (DISTÂNCIA = 8 M, LARGURA DA VALA = 0,65 Código SIPCI M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MANUAL, PREPARO UNID DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAL COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/2016 Vigência: 03/2016 Última atualização: 05/2016 COMPOSIÇÃO ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID COEFICIENTE C C C C C C I I 303 I 1970 I 6106 I 9817 ESCAVAÇÃO MANUAL DE VALAS. AF_03/2016 PREPARO DE FUNDO DE VALA (LASTRO) COM LARGURA MENOR QUE 1,5 M, COM CAMADA DE AREIA, LANÇAMENTO MANUAL, EM LOCAL COM NÍVEL BAIXO DE INTERFERÊNCIA. AF_05/2016 ASSENTADOR DE TUBOS COM ENCARGOS COMPLEMENTARES SERVENTE COM ENCARGOS COMPLEMENTARES JUNTA ARGAMASSADA ENTRE TUBO DN 100 MM E O POÇO DE VISITA/ CAIXA DE CONCRETO OU ALVENARIA EM REDES DE ESGOTO. AF_06/2015 REATERRO MANUAL DE VALAS COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA. AF_04/2016 PASTA LUBRIFICANTE PARA USO EM TUBOS DE PVC COM ANEL DE BORRACHA (POTE DE 400* G) ANEL BORRACHA P/ TUBO PVC REDE ESGOTO EB 644 DN 100 MM CURVA PVC LONGA 90 GRAUS, 100 MM, PARA ESGOTO PREDIAL SELIM PVC 90G C/ TRAVAS NBR P/ REDE COLET ESG DN 150X100MM TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100MM M³ 3,328 M³ 0,520 H 1,020 H 1,020 M³ 2,808 UN 0,250 UN 4,000 M 8,925 Página 8

10 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAIS COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MECANIZADOS REDE = 10M REDE = 8M REDE = 6M REDE = 4M 2. Insumos e suas Características Escavação manual: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de abrir a vala a ser executado o coletor predial. Preparo de fundo de vala: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a execução do serviço de preparar o fundo da vala para fazer posteriormente o assentamento dos tubos e conexões. Assentador: profissional que executa a instalação dos tubos e conexões do coletor predial. Servente: auxilia o assentador nas tarefas do serviço. Junta argamassada: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a executar a ligação entre o coletor predial e a caixa de inspeção. Reaterro manual: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de fechar a vala aberta para a instalação do coletor predial. Pasta lubrificante para tubos de PVC com juntas elásticas. Anel de borracha para tubos de rede de esgoto com juntas elásticas. Curva PVC longa 90 graus: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Selim PVC 90G: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Tubo de PVC de parede maciça DN 100 mm. Página 9

11 3. Equipamentos Compactador de solos: equipamento para a compactação do solo utilizado no reaterro da vala. 4. Critérios para quantificação dos serviços Utilizar a quantidade total de coletores prediais de esgoto a serem executados, com distância de 8 metros entre a caixa de inspeção e a rede pública de esgoto sanitário, utilizando-se de escavação manual, preparo de fundo manual com camada de areia e reaterro manual compactado. 5. Critérios de Aferição O tipo de escavação considerado nesta composição é a de vala, ou seja, uma escavação que tem comprimento mais expressivo que a largura. É considerada a largura da vala de 0,65 m, que é a menor dimensão prevista na norma NBR A profundidade da vala é considerada de 0,60 m no ponto de encontro com a caixa de inspeção e declividade (ou inclinação) de 1% até se conectar com a rede pública de esgoto sanitário. O preparo de fundo de vala considera a regularização do solo presente no fundo da vala e a execução de um lastro com material granular. O berço do fundo da vala foi considerado com espessura de 10 cm e executado em areia. O assentamento do tubo, por se tratar de diâmetro pequeno, é considerado de forma manual. É considerado tubo com comprimento de 6 metros. Os coeficientes de produtividade consideram um transporte de tubo de até 10 m de distância da vala. São consideradas perdas por resíduo. A produtividade considera a perfuração do poço/ caixa, a união com o tubo e sua fixação com argamassa. Para o reaterro as dimensões da vala são iguais a do corte descontado o volume ocupado pelo berço do fundo da vala e do tubo. O tipo de reaterro considerado nesta composição é o de vala, ou seja, um reaterro que tem comprimento mais expressivo que a largura. Para gerar os índices de produtividade referentes à compactação da vala reaterrada é considerado que a atividade é feita em etapas com camadas na ordem de 20 cm de altura. É considerado que não é preciso fazer o escoramento da vala. Os serviços de demolição do piso e esgotamento da vala não estão considerados nesta composição (embora o efeito de sua presença tenha sido contemplado); devem, portanto, considerar composições específicas para estes serviços. Página 10

12 Os serviços para restabelecer o local de escavação da vala para a situação anterior ao serviço, isto é, por exemplo, refazer o piso, plantio de grama etc. não estão contemplados nos índices de produtividade desta composição. São separados o tempo produtivo (CHP) e o tempo improdutivo (CHI) dos equipamentos da seguinte forma: CHP: considera o tempo em que o equipamento está em uso para realizar as atividades de compactação da vala CHI: considera os tempos em que o equipamento está parado por falta de frente (exemplos: espera pelo assentamento de tubo). 6. Execução O serviço é iniciado com a escavação da vala para a execução do coletor predial que liga a caixa de inspeção à rede pública de esgoto sanitário. Na sequência é feito o preparo do fundo da vala, com a utilização de areia para o berço, para posterior assentamento do tubo. Finalizado o preparo, é feito o assentamento do tubo e instaladas as conexões entre a caixa de inspeção e a rede pública de esgoto sanitário. Antes de se fazer o fechamento da vala, é necessário fazer a junta argamassada entre a conexão do tubo e a caixa de inspeção. Terminado isso procede-se a executar o reaterro da vala aberta para a execução do coletor predial. 7. Informações Complementares Não se aplica. 8. Pendências Não se aplica. Página 11

13 CADERNO TÉCNICO DO SERVIÇO 1. COMPOSIÇÃO ANALÍTICA DE SERVIÇO Classe: LIPR LIGAÇÕES PREDIAIS ÁGUA/ESGOTO/ENERGIA/TELEFONE Tipo: 0059 LIGAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO Código / Seq. Descrição da Composição Unidade 02.LIPR.COPR.003/001 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A REDE (DISTÂNCIA = 6 M, LARGURA DA VALA = 0,65 Código SIPCI M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MANUAL, PREPARO UNID DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAL COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/2016 Vigência: 03/2016 Última atualização: 05/2016 COMPOSIÇÃO ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID COEFICIENTE C C C C C C I I 303 I 1970 I 6106 I 9817 ESCAVAÇÃO MANUAL DE VALAS. AF_03/2016 PREPARO DE FUNDO DE VALA (LASTRO) COM LARGURA MENOR QUE 1,5 M, COM CAMADA DE AREIA, LANÇAMENTO MANUAL, EM LOCAL COM NÍVEL BAIXO DE INTERFERÊNCIA. AF_05/2016 ASSENTADOR DE TUBOS COM ENCARGOS COMPLEMENTARES SERVENTE COM ENCARGOS COMPLEMENTARES JUNTA ARGAMASSADA ENTRE TUBO DN 100 MM E O POÇO DE VISITA/ CAIXA DE CONCRETO OU ALVENARIA EM REDES DE ESGOTO. AF_06/2015 REATERRO MANUAL DE VALAS COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA. AF_04/2016 PASTA LUBRIFICANTE PARA USO EM TUBOS DE PVC COM ANEL DE BORRACHA (POTE DE 400* G) ANEL BORRACHA P/ TUBO PVC REDE ESGOTO EB 644 DN 100 MM CURVA PVC LONGA 90 GRAUS, 100 MM, PARA ESGOTO PREDIAL SELIM PVC 90G C/ TRAVAS NBR P/ REDE COLET ESG DN 150X100MM TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100MM M³ 2,457 M³ 0,390 H 0,780 H 0,780 M³ 2,067 UN 0,188 UN 3,000 M 6,825 Página 12

14 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAIS COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MECANIZADOS REDE = 10M REDE = 8M REDE = 6M REDE = 4M 2. Insumos e suas Características Escavação manual: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de abrir a vala a ser executado o coletor predial. Preparo de fundo de vala: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a execução do serviço de preparar o fundo da vala para fazer posteriormente o assentamento dos tubos e conexões. Assentador: profissional que executa a instalação dos tubos e conexões do coletor predial. Servente: auxilia o assentador nas tarefas do serviço. Junta argamassada: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a executar a ligação entre o coletor predial e a caixa de inspeção. Reaterro manual: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de fechar a vala aberta para a instalação do coletor predial. Pasta lubrificante para tubos de PVC com juntas elásticas. Anel de borracha para tubos de rede de esgoto com juntas elásticas. Curva PVC longa 90 graus: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Selim PVC 90G: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Tubo de PVC de parede maciça DN 100 mm. Página 13

15 3. Equipamentos Compactador de solos: equipamento para a compactação do solo utilizado no reaterro da vala. 4. Critérios para quantificação dos serviços Utilizar a quantidade total de coletores prediais de esgoto a serem executados, com distância de 6 metros entre a caixa de inspeção e a rede pública de esgoto sanitário, utilizando-se de escavação manual, preparo de fundo manual com camada de areia e reaterro manual compactado. 5. Critérios de Aferição O tipo de escavação considerado nesta composição é a de vala, ou seja, uma escavação que tem comprimento mais expressivo que a largura. É considerada a largura da vala de 0,65 m, que é a menor dimensão prevista na norma NBR A profundidade da vala é considerada de 0,60 m no ponto de encontro com a caixa de inspeção e declividade (ou inclinação) de 1% até se conectar com a rede pública de esgoto sanitário. O preparo de fundo de vala considera a regularização do solo presente no fundo da vala e a execução de um lastro com material granular. O berço do fundo da vala foi considerado com espessura de 10 cm e executado em areia. O assentamento do tubo, por se tratar de diâmetro pequeno, é considerado de forma manual. É considerado tubo com comprimento de 6 metros. Os coeficientes de produtividade consideram um transporte de tubo de até 10 m de distância da vala. São consideradas perdas por resíduo. A produtividade considera a perfuração do poço/ caixa, a união com o tubo e sua fixação com argamassa. Para o reaterro as dimensões da vala são iguais a do corte descontado o volume ocupado pelo berço do fundo da vala e do tubo. O tipo de reaterro considerado nesta composição é o de vala, ou seja, um reaterro que tem comprimento mais expressivo que a largura. Para gerar os índices de produtividade referentes à compactação da vala reaterrada é considerado que a atividade é feita em etapas com camadas na ordem de 20 cm de altura. É considerado que não é preciso fazer o escoramento da vala. Os serviços de demolição do piso e esgotamento da vala não estão considerados nesta composição (embora o efeito de sua presença tenha sido contemplado); devem, portanto, considerar composições específicas para estes serviços. Página 14

16 Os serviços para restabelecer o local de escavação da vala para a situação anterior ao serviço, isto é, por exemplo, refazer o piso, plantio de grama etc. não estão contemplados nos índices de produtividade desta composição. São separados o tempo produtivo (CHP) e o tempo improdutivo (CHI) dos equipamentos da seguinte forma: CHP: considera o tempo em que o equipamento está em uso para realizar as atividades de compactação da vala CHI: considera os tempos em que o equipamento está parado por falta de frente (exemplos: espera pelo assentamento de tubo). 6. Execução O serviço é iniciado com a escavação da vala para a execução do coletor predial que liga a caixa de inspeção à rede pública de esgoto sanitário. Na sequência é feito o preparo do fundo da vala, com a utilização de areia para o berço, para posterior assentamento do tubo. Finalizado o preparo, é feito o assentamento do tubo e instaladas as conexões entre a caixa de inspeção e a rede pública de esgoto sanitário. Antes de se fazer o fechamento da vala, é necessário fazer a junta argamassada entre a conexão do tubo e a caixa de inspeção. Terminado isso procede-se a executar o reaterro da vala aberta para a execução do coletor predial. 7. Informações Complementares Não se aplica. 8. Pendências Não se aplica. Página 15

17 CADERNO TÉCNICO DO SERVIÇO 1. COMPOSIÇÃO ANALÍTICA DE SERVIÇO Classe: LIPR LIGAÇÕES PREDIAIS ÁGUA/ESGOTO/ENERGIA/TELEFONE Tipo: 0059 LIGAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO Código / Seq. Descrição da Composição Unidade 02.LIPR.COPR.004/001 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A REDE (DISTÂNCIA = 4 M, LARGURA DA VALA = 0,65 Código SIPCI M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MANUAL, PREPARO UNID DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAL COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/2016 Vigência: 03/2016 Última atualização: 05/2016 COMPOSIÇÃO ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID COEFICIENTE C C C C C C I I 303 I 1970 I 6106 I 9817 ESCAVAÇÃO MANUAL DE VALAS. AF_03/2016 PREPARO DE FUNDO DE VALA (LASTRO) COM LARGURA MENOR QUE 1,5 M, COM CAMADA DE AREIA, LANÇAMENTO MANUAL, EM LOCAL COM NÍVEL BAIXO DE INTERFERÊNCIA. AF_05/2016 ASSENTADOR DE TUBOS COM ENCARGOS COMPLEMENTARES SERVENTE COM ENCARGOS COMPLEMENTARES JUNTA ARGAMASSADA ENTRE TUBO DN 100 MM E O POÇO DE VISITA/ CAIXA DE CONCRETO OU ALVENARIA EM REDES DE ESGOTO. AF_06/2015 REATERRO MANUAL DE VALAS COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA. AF_04/2016 PASTA LUBRIFICANTE PARA USO EM TUBOS DE PVC COM ANEL DE BORRACHA (POTE DE 400* G) ANEL BORRACHA P/ TUBO PVC REDE ESGOTO EB 644 DN 100 MM CURVA PVC LONGA 90 GRAUS, 100 MM, PARA ESGOTO PREDIAL SELIM PVC 90G C/ TRAVAS NBR P/ REDE COLET ESG DN 150X100MM TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100MM M³ 1,612 M³ 0,260 H 0,540 H 0,540 M³ 1,352 UN 0,188 UN 3,000 M 4,725 Página 16

18 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAIS COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MECANIZADOS REDE = 10M REDE = 8M REDE = 6M REDE = 4M 2. Insumos e suas Características Escavação manual: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de abrir a vala a ser executado o coletor predial. Preparo de fundo de vala: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a execução do serviço de preparar o fundo da vala para fazer posteriormente o assentamento dos tubos e conexões. Assentador: profissional que executa a instalação dos tubos e conexões do coletor predial. Servente: auxilia o assentador nas tarefas do serviço. Junta argamassada: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a executar a ligação entre o coletor predial e a caixa de inspeção. Reaterro manual: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de fechar a vala aberta para a instalação do coletor predial. Pasta lubrificante para tubos de PVC com juntas elásticas. Anel de borracha para tubos de rede de esgoto com juntas elásticas. Curva PVC longa 90 graus: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Selim PVC 90G: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Tubo de PVC de parede maciça DN 100 mm. Página 17

19 3. Equipamentos Compactador de solos: equipamento para a compactação do solo utilizado no reaterro da vala. 4. Critérios para quantificação dos serviços Utilizar a quantidade total de coletores prediais de esgoto a serem executados, com distância de 4 metros entre a caixa de inspeção e a rede pública de esgoto sanitário, utilizando-se de escavação manual, preparo de fundo manual com camada de areia e reaterro manual compactado. 5. Critérios de Aferição O tipo de escavação considerado nesta composição é a de vala, ou seja, uma escavação que tem comprimento mais expressivo que a largura. É considerada a largura da vala de 0,65 m, que é a menor dimensão prevista na norma NBR A profundidade da vala é considerada de 0,60 m no ponto de encontro com a caixa de inspeção e declividade (ou inclinação) de 1% até se conectar com a rede pública de esgoto sanitário. O preparo de fundo de vala considera a regularização do solo presente no fundo da vala e a execução de um lastro com material granular. O berço do fundo da vala foi considerado com espessura de 10 cm e executado em areia. O assentamento do tubo, por se tratar de diâmetro pequeno, é considerado de forma manual. É considerado tubo com comprimento de 6 metros. Os coeficientes de produtividade consideram um transporte de tubo de até 10 m de distância da vala. São consideradas perdas por resíduo. A produtividade considera a perfuração do poço/ caixa, a união com o tubo e sua fixação com argamassa. Para o reaterro as dimensões da vala são iguais a do corte descontado o volume ocupado pelo berço do fundo da vala e do tubo. O tipo de reaterro considerado nesta composição é o de vala, ou seja, um reaterro que tem comprimento mais expressivo que a largura. Para gerar os índices de produtividade referentes à compactação da vala reaterrada é considerado que a atividade é feita em etapas com camadas na ordem de 20 cm de altura. É considerado que não é preciso fazer o escoramento da vala. Os serviços de demolição do piso e esgotamento da vala não estão considerados nesta composição (embora o efeito de sua presença tenha sido contemplado); devem, portanto, considerar composições específicas para estes serviços. Página 18

20 Os serviços para restabelecer o local de escavação da vala para a situação anterior ao serviço, isto é, por exemplo, refazer o piso, plantio de grama etc. não estão contemplados nos índices de produtividade desta composição. São separados o tempo produtivo (CHP) e o tempo improdutivo (CHI) dos equipamentos da seguinte forma: CHP: considera o tempo em que o equipamento está em uso para realizar as atividades de compactação da vala CHI: considera os tempos em que o equipamento está parado por falta de frente (exemplos: espera pelo assentamento de tubo). 6. Execução O serviço é iniciado com a escavação da vala para a execução do coletor predial que liga a caixa de inspeção à rede pública de esgoto sanitário. Na sequência é feito o preparo do fundo da vala, com a utilização de areia para o berço, para posterior assentamento do tubo. Finalizado o preparo, é feito o assentamento do tubo e instaladas as conexões entre a caixa de inspeção e a rede pública de esgoto sanitário. Antes de se fazer o fechamento da vala, é necessário fazer a junta argamassada entre a conexão do tubo e a caixa de inspeção. Terminado isso procede-se a executar o reaterro da vala aberta para a execução do coletor predial. 7. Informações Complementares Não se aplica. 8. Pendências Não se aplica. Página 19

21 CADERNO TÉCNICO DO SERVIÇO 1. COMPOSIÇÃO ANALÍTICA DE SERVIÇO Classe: LIPR LIGAÇÕES PREDIAIS ÁGUA/ESGOTO/ENERGIA/TELEFONE Tipo: 0059 LIGAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO Código / Seq. Descrição da Composição Unidade 02.LIPR.COPR.005/001 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A Código SIPCI REDE (DISTÂNCIA = 10 M, LARGURA DA VALA = 0,65 M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MECANIZADA, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/2016 Vigência: 03/2016 Última atualização: 05/2016 UNID COMPOSIÇÃO ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID COEFICIENTE C C C C C C ESCAVAÇÃO MECANIZADA DE VALA COM PROFUNDIDADE ATÉ 1,5 M (MÉDIA ENTRE MONTANTE E JUSANTE/UMA COMPOSIÇÃO POR TRECHO) COM RETROESCAVADEIRA (CAPACIDADE DA CAÇAMBA DA RETRO: 0,26 M3 / POTÊNCIA: 88 HP), LARGURA MENOR QUE 0,8 M, EM SOLO DE 1A CATEGORIA, LOCAISCOM BAIXO NÍVEL DE INTERFERÊNCIA. AF_01/2015 PREPARO DE FUNDO DE VALA (LASTRO) COM LARGURA MENOR QUE 1,5 M, COM CAMADA DE AREIA, LANÇAMENTO MECANIZADO, EM LOCAL COM NÍVEL BAIXO DE INTERFERÊNCIA. AF_05/2016 ASSENTADOR DE TUBOS COM ENCARGOS COMPLEMENTARES SERVENTE COM ENCARGOS COMPLEMENTARES JUNTA ARGAMASSADA ENTRE TUBO DN 100 MM E O POÇO DE VISITA/ CAIXA DE CONCRETO OU ALVENARIA EM REDES DE ESGOTO. AF_06/2015 REATERRO MECANIZADO DE VALA COM RETROESCAVADEIRA (CAPACIDADE DA CAÇAMBA DA RETRO: 0,26 M³ / POTÊNCIA: 88 HP), LARGURA ATÉ 0,8 M, PROFUNDIDADE ATÉ 1,5 M, COM SOLO (SEM SUBSTITUIÇÃO) DE 1ª CATEGORIA EM LOCAIS COM BAIXO NÍVEL DE INTERFERÊNCIA. AF_04/2016 M³ 4,225 M³ 0,650 H 1,260 H 1,260 M³ 3,575 Página 20

22 COMPOSIÇÃO ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID COEFICIENTE I I 303 I 1970 I 6106 I 9817 PASTA LUBRIFICANTE PARA USO EM TUBOS DE PVC COM ANEL DE BORRACHA (POTE DE 400* G) ANEL BORRACHA P/ TUBO PVC REDE ESGOTO EB 644 DN 100 MM CURVA PVC LONGA 90 GRAUS, 100 MM, PARA ESGOTO PREDIAL SELIM PVC 90G C/ TRAVAS NBR P/ REDE COLET ESG DN 150X100MM TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100MM UN 0,250 UN 4,000 M 11,025 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERO MANUAIS COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MECANIZADOS REDE = 10M REDE = 8M REDE = 6M REDE = 4M 2. Insumos e suas Características Escavação mecanizada: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de abrir a vala a ser executado o coletor predial. Preparo de fundo de vala: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a execução do serviço de preparar o fundo da vala para fazer posteriormente o assentamento dos tubos e conexões. Assentador: profissional que executa a instalação dos tubos e conexões do coletor predial. Servente: auxilia o assentador nas tarefas do serviço. Junta argamassada: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a executar a ligação entre o coletor predial e a caixa de inspeção. Página 21

23 Reaterro mecanizado: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de fechar a vala aberta para a instalação do coletor predial. Pasta lubrificante para tubos de PVC com juntas elásticas. Anel de borracha para tubos de rede de esgoto com juntas elásticas. Curva PVC longa 90 graus: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Selim PVC 90G: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Tubo de PVC de parede maciça DN 100 mm. 3. Equipamentos Compactador de solos: equipamento para a compactação do solo utilizado no reaterro da vala. Retroescavadeira: equipamento utilizado para escavar a vala, lançar o material do preparo de fundo no interior da vala e reaterrar a vala aberta. 4. Critérios para quantificação dos serviços Utilizar a quantidade total de coletores prediais de esgoto a serem executados, com distância de 10 metros entre a caixa de inspeção e a rede pública de esgoto sanitário, utilizando-se de escavação mecanizada, preparo de fundo com lançamento mecanizado e com camada de areia e reaterro mecanizado. 5. Critérios de Aferição O tipo de escavação considerado nesta composição é a de vala, ou seja, uma escavação que tem comprimento mais expressivo que a largura. Foi considerado a largura da vala de 0,65 m, que é a menor dimensão prevista na norma NBR A profundidade da vala é considerada de 0,60 m no ponto de encontro com a caixa de inspeção e declividade (ou inclinação) de 1% até se conectar com a rede pública de esgoto sanitário. O preparo de fundo de vala considera a regularização do solo presente no fundo da vala e a execução de um lastro com material granular. O berço do fundo da vala foi considerado com espessura de 10 cm e executado em areia. O assentamento do tubo, por se tratar de diâmetro pequeno, é considerado de forma manual. É considerado tubo com comprimento de 6 metros. Os coeficientes de produtividade consideram um transporte de tubo de até 10 m de distância da vala. São consideradas perdas por resíduo. Página 22

24 A produtividade considera a perfuração do poço/ caixa, a união com o tubo e sua fixação com argamassa. Para o reaterro as dimensões da vala são iguais a do corte descontado o volume ocupado pelo berço do fundo da vala e do tubo. O tipo de reaterro considerado nesta composição é o de vala, ou seja, um reaterro que tem comprimento mais expressivo que a largura. Para gerar os índices de produtividade referentes à compactação da vala reaterrada é considerado que a atividade é feita em etapas com camadas na ordem de 20 cm de altura. É considerado que não é preciso fazer o escoramento da vala. Os serviços de retirada do piso e esgotamento não estão considerados nesta composição (embora o efeito de sua presença tenha sido contemplado); devem, portanto, considerar composições específicas para estes serviços. Os serviços para restabelecer o local de escavação da vala para a situação anterior ao serviço, isto é, por exemplo, refazer o piso, plantio de grama etc. não estão contemplados nos índices de produtividade desta composição. São separados o tempo produtivo (CHP) e o tempo improdutivo (CHI) dos equipamentos da seguinte forma: CHP: considera o tempo em que o equipamento está em uso para realizar as atividades de escavação, preparo de fundo, compactação e reaterro da vala. CHI: considera os tempos em que o equipamento está parado por falta de frente (exemplos: espera pelo assentamento de tubo). 6. Execução O serviço é iniciado com a escavação da vala para a execução do coletor predial que liga a caixa de inspeção à rede pública de esgoto sanitário. Na sequência é feito o preparo do fundo da vala, com a utilização de areia para o berço, para posterior assentamento do tubo. Finalizado o preparo, é feito o assentamento do tubo e instalado as conexões entre a caixa de inspeção e a rede pública de esgoto sanitário. Antes de se fazer o fechamento da vala, é necessário executar a junta argamassada entre a conexão do tubo e a caixa de inspeção. Terminado isso procede-se a execução do reaterro da vala aberta para a execução do coletor predial. 7. Informações Complementares Não se aplica. 8. Pendências Não se aplica. Página 23

25 CADERNO TÉCNICO DO SERVIÇO 1. COMPOSIÇÃO ANALÍTICA DE SERVIÇO Classe: LIPR LIGAÇÕES PREDIAIS ÁGUA/ESGOTO/ENERGIA/TELEFONE Tipo: 0059 LIGAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO Código / Seq. Descrição da Composição Unidade 02.LIPR.COPR.006/001 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A REDE (DISTÂNCIA = 8 M, LARGURA DA VALA = 0,65 Código SIPCI M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MECANIZADA, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/2016 Vigência: 03/2016 Última atualização: 05/2016 UNID COMPOSIÇÃO ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID COEFICIENTE C C C C C C ESCAVAÇÃO MECANIZADA DE VALA COM PROFUNDIDADE ATÉ 1,5 M (MÉDIA ENTRE MONTANTE E JUSANTE/UMA COMPOSIÇÃO POR TRECHO) COM RETROESCAVADEIRA (CAPACIDADE DA CAÇAMBA DA RETRO: 0,26 M3 / POTÊNCIA: 88 HP), LARGURA MENOR QUE 0,8 M, EM SOLO DE 1A CATEGORIA, LOCAISCOM BAIXO NÍVEL DE INTERFERÊNCIA. AF_01/2015 PREPARO DE FUNDO DE VALA (LASTRO) COM LARGURA MENOR QUE 1,5 M, COM CAMADA DE AREIA, LANÇAMENTO MECANIZADO, EM LOCAL COM NÍVEL BAIXO DE INTERFERÊNCIA. AF_05/2016 ASSENTADOR DE TUBOS COM ENCARGOS COMPLEMENTARES SERVENTE COM ENCARGOS COMPLEMENTARES JUNTA ARGAMASSADA ENTRE TUBO DN 100 MM E O POÇO DE VISITA/ CAIXA DE CONCRETO OU ALVENARIA EM REDES DE ESGOTO. AF_06/2015 REATERRO MECANIZADO DE VALA COM RETROESCAVADEIRA (CAPACIDADE DA CAÇAMBA DA RETRO: 0,26 M³ / POTÊNCIA: 88 HP), LARGURA ATÉ 0,8 M, PROFUNDIDADE ATÉ 1,5 M, COM SOLO (SEM SUBSTITUIÇÃO) DE 1ª CATEGORIA EM LOCAIS COM BAIXO NÍVEL DE INTERFERÊNCIA. AF_04/2016 M³ 3,328 M³ 0,520 H 1,020 H 1,020 M³ 2,808 Página 24

26 COMPOSIÇÃO ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID COEFICIENTE I I 303 I 1970 I 6106 I 9817 PASTA LUBRIFICANTE PARA USO EM TUBOS DE PVC COM ANEL DE BORRACHA (POTE DE 400* G) ANEL BORRACHA P/ TUBO PVC REDE ESGOTO EB 644 DN 100 MM CURVA PVC LONGA 90 GRAUS, 100 MM, PARA ESGOTO PREDIAL SELIM PVC 90G C/ TRAVAS NBR P/ REDE COLET ESG DN 150X100MM TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100MM UN 0,250 UN 4,000 M 8,925 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAIS COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MECANIZADOS REDE = 10M REDE = 8M REDE = 6M REDE = 4M 2. Insumos e suas Características Escavação mecanizada: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de abrir a vala a ser executado o coletor predial. Preparo de fundo de vala: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a execução do serviço de preparar o fundo da vala para fazer posteriormente o assentamento dos tubos e conexões. Assentador: profissional que executa a instalação dos tubos e conexões do coletor predial. Servente: auxilia o assentador nas tarefas do serviço. Junta argamassada: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a executar a ligação entre o coletor predial e a caixa de inspeção. Página 25

27 Reaterro mecanizado: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de fechar a vala aberta para a instalação do coletor predial. Pasta lubrificante para tubos de PVC com juntas elásticas. Anel de borracha para tubos de rede de esgoto com juntas elásticas. Curva PVC longa 90 graus: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Selim PVC 90G: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Tubo de PVC de parede maciça DN 100 mm. 3. Equipamentos Compactador de solos: equipamento para a compactação do solo utilizado no reaterro da vala. Retroescavadeira: equipamento utilizado para escavar a vala, lançar o material do preparo de fundo no interior da vala e reaterrar a vala aberta. 4. Critérios para quantificação dos serviços Utilizar a quantidade total de coletores prediais de esgoto a serem executados, com distância de 8 metros entre a caixa de inspeção e a rede pública de esgoto sanitário, utilizando-se de escavação mecanizada, preparo de fundo com lançamento mecanizado e com camada de areia e reaterro mecanizado. 5. Critérios de Aferição O tipo de escavação considerado nesta composição é a de vala, ou seja, uma escavação que tem comprimento mais expressivo que a largura. Foi considerado a largura da vala de 0,65 m, que é a menor dimensão prevista na norma NBR A profundidade da vala é considerada de 0,60 m no ponto de encontro com a caixa de inspeção e declividade (ou inclinação) de 1% até se conectar com a rede pública de esgoto sanitário. O preparo de fundo de vala considera a regularização do solo presente no fundo da vala e a execução de um lastro com material granular. O berço do fundo da vala foi considerado com espessura de 10 cm e executado em areia. O assentamento do tubo, por se tratar de diâmetro pequeno, é considerado de forma manual. É considerado tubo com comprimento de 6 metros. Os coeficientes de produtividade consideram um transporte de tubo de até 10 m de distância da vala. São consideradas perdas por resíduo. Página 26

28 A produtividade considera a perfuração do poço/ caixa, a união com o tubo e sua fixação com argamassa. Para o reaterro as dimensões da vala são iguais a do corte descontado o volume ocupado pelo berço do fundo da vala e do tubo. O tipo de reaterro considerado nesta composição é o de vala, ou seja, um reaterro que tem comprimento mais expressivo que a largura. Para gerar os índices de produtividade referentes à compactação da vala reaterrada é considerado que a atividade é feita em etapas com camadas na ordem de 20 cm de altura. É considerado que não é preciso fazer o escoramento da vala. Os serviços de retirada do piso e esgotamento não estão considerados nesta composição (embora o efeito de sua presença tenha sido contemplado); devem, portanto, considerar composições específicas para estes serviços. Os serviços para restabelecer o local de escavação da vala para a situação anterior ao serviço, isto é, por exemplo, refazer o piso, plantio de grama etc. não estão contemplados nos índices de produtividade desta composição. São separados o tempo produtivo (CHP) e o tempo improdutivo (CHI) dos equipamentos da seguinte forma: CHP: considera o tempo em que o equipamento está em uso para realizar as atividades de escavação, preparo de fundo, compactação e reaterro da vala. CHI: considera os tempos em que o equipamento está parado por falta de frente (exemplos: espera pelo assentamento de tubo). 6. Execução O serviço é iniciado com a escavação da vala para a execução do coletor predial que liga a caixa de inspeção à rede pública de esgoto sanitário. Na sequência é feito o preparo do fundo da vala, com a utilização de areia para o berço, para posterior assentamento do tubo. Finalizado o preparo, é feito o assentamento do tubo e instalado as conexões entre a caixa de inspeção e a rede pública de esgoto sanitário. Antes de se fazer o fechamento da vala, é necessário executar a junta argamassada entre a conexão do tubo e a caixa de inspeção. Terminado isso procede-se a execução do reaterro da vala aberta para a execução do coletor predial. 7. Informações Complementares Não se aplica. 8. Pendências Não se aplica. Página 27

29 CADERNO TÉCNICO DO SERVIÇO 1. COMPOSIÇÃO ANALÍTICA DE SERVIÇO Classe: LIPR LIGAÇÕES PREDIAIS ÁGUA/ESGOTO/ENERGIA/TELEFONE Tipo: 0059 LIGAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO Código / Seq. Descrição da Composição Unidade 02.LIPR.COPR.007/001 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO, DA CAIXA ATÉ A REDE (DISTÂNCIA = 6 M, LARGURA DA VALA = 0,65 Código SIPCI M), INCLUINDO ESCAVAÇÃO MECANIZADA, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO COM COMPACTAÇÃO MECANIZADA, TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100 MM E CONEXÕES - FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO. AF_03/2016 Vigência: 03/2016 Última atualização: 05/2016 UNID COMPOSIÇÃO ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID COEFICIENTE C C C C C C ESCAVAÇÃO MECANIZADA DE VALA COM PROFUNDIDADE ATÉ 1,5 M (MÉDIA ENTRE MONTANTE E JUSANTE/UMA COMPOSIÇÃO POR TRECHO) COM RETROESCAVADEIRA (CAPACIDADE DA CAÇAMBA DA RETRO: 0,26 M3 / POTÊNCIA: 88 HP), LARGURA MENOR QUE 0,8 M, EM SOLO DE 1A CATEGORIA, LOCAISCOM BAIXO NÍVEL DE INTERFERÊNCIA. AF_01/2015 PREPARO DE FUNDO DE VALA (LASTRO) COM LARGURA MENOR QUE 1,5 M, COM CAMADA DE AREIA, LANÇAMENTO MECANIZADO, EM LOCAL COM NÍVEL BAIXO DE INTERFERÊNCIA. AF_05/2016 ASSENTADOR DE TUBOS COM ENCARGOS COMPLEMENTARES SERVENTE COM ENCARGOS COMPLEMENTARES JUNTA ARGAMASSADA ENTRE TUBO DN 100 MM E O POÇO DE VISITA/ CAIXA DE CONCRETO OU ALVENARIA EM REDES DE ESGOTO. AF_06/2015 REATERRO MECANIZADO DE VALA COM RETROESCAVADEIRA (CAPACIDADE DA CAÇAMBA DA RETRO: 0,26 M³ / POTÊNCIA: 88 HP), LARGURA ATÉ 0,8 M, PROFUNDIDADE ATÉ 1,5 M, COM SOLO (SEM SUBSTITUIÇÃO) DE 1ª CATEGORIA EM LOCAIS COM BAIXO NÍVEL DE INTERFERÊNCIA. AF_04/2016 M³ 2,457 M³ 0,390 H 0,780 H 0,780 M³ 2,067 Página 28

30 COMPOSIÇÃO ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID COEFICIENTE I I 303 I 1970 I 6106 I 9817 PASTA LUBRIFICANTE PARA USO EM TUBOS DE PVC COM ANEL DE BORRACHA (POTE DE 400* G) ANEL BORRACHA P/ TUBO PVC REDE ESGOTO EB 644 DN 100 MM CURVA PVC LONGA 90 GRAUS, 100 MM, PARA ESGOTO PREDIAL SELIM PVC 90G C/ TRAVAS NBR P/ REDE COLET ESG DN 150X100MM TUBO PVC EB-644 P/ REDE COLET ESG JE DN 100MM UN 0,188 UN 3,000 M 6,825 COLETOR PREDIAL DE ESGOTO COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MANUAIS COM ESCAVAÇÃO, PREPARO DE FUNDO DE VALA E REATERRO MECANIZADOS REDE = 10M REDE = 8M REDE = 6M REDE = 4M 2. Insumos e suas Características Escavação mecanizada: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de abrir a vala a ser executado o coletor predial. Preparo de fundo de vala: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a execução do serviço de preparar o fundo da vala para fazer posteriormente o assentamento dos tubos e conexões. Assentador: profissional que executa a instalação dos tubos e conexões do coletor predial. Servente: auxilia o assentador nas tarefas do serviço. Junta argamassada: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes a executar a ligação entre o coletor predial e a caixa de inspeção. Página 29

31 Reaterro mecanizado: composição que inclui a mão de obra e os insumos/ equipamentos referentes ao serviço de fechar a vala aberta para a instalação do coletor predial. Pasta lubrificante para tubos de PVC com juntas elásticas. Anel de borracha para tubos de rede de esgoto com juntas elásticas. Curva PVC longa 90 graus: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Selim PVC 90G: conexão utilizada na ligação do coletor predial com a rede pública de esgoto sanitário. Tubo de PVC de parede maciça DN 100 mm. 3. Equipamentos Compactador de solos: equipamento para a compactação do solo utilizado no reaterro da vala. Retroescavadeira: equipamento utilizado para escavar a vala, lançar o material do preparo de fundo no interior da vala e reaterrar a vala aberta. 4. Critérios para quantificação dos serviços Utilizar a quantidade total de coletores prediais de esgoto a serem executados, com distância de 6 metros entre a caixa de inspeção e a rede pública de esgoto sanitário, utilizando-se de escavação mecanizada, preparo de fundo com lançamento mecanizado e com camada de areia e reaterro mecanizado 5. Critérios de Aferição O tipo de escavação considerado nesta composição é a de vala, ou seja, uma escavação que tem comprimento mais expressivo que a largura. Foi considerado a largura da vala de 0,65 m, que é a menor dimensão prevista na norma NBR A profundidade da vala é considerada de 0,60 m no ponto de encontro com a caixa de inspeção e declividade (ou inclinação) de 1% até se conectar com a rede pública de esgoto sanitário. O preparo de fundo de vala considera a regularização do solo presente no fundo da vala e a execução de um lastro com material granular. O berço do fundo da vala foi considerado com espessura de 10 cm e executado em areia. O assentamento do tubo, por se tratar de diâmetro pequeno, é considerado de forma manual. É considerado tubo com comprimento de 6 metros. Os coeficientes de produtividade consideram um transporte de tubo de até 10 m de distância da vala. São consideradas perdas por resíduo. Página 30

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DE ÁGUAS PLUVIAIS SINAPI LOTE 2 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DE ÁGUAS PLUVIAIS SINAPI LOTE 2 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DE ÁGUAS PLUVIAIS LOTE 2 Versão: 002 Vigência: 12/2014 GRUPO INSTALAÇÕES

Leia mais

TUBOS DE PVC E PEAD EM REDES DE ESGOTO

TUBOS DE PVC E PEAD EM REDES DE ESGOTO SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA TUBOS DE PVC E PEAD EM REDES DE ESGOTO LOTE 3 Versão: 004 Vigência: 06/2015 Última atualização:

Leia mais

PENEIRAMENTO E ENSACAMENTO DE AREIA

PENEIRAMENTO E ENSACAMENTO DE AREIA SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA PENEIRAMENTO E ENSACAMENTO DE AREIA LOTE 3 Versão: 001 Vigência: 11/2015 Última atualização:

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 Versão: 002 Vigência: 05/2016 Atualização: 06/2016 GRUPO ATERRO

Leia mais

TRANSPORTE DE CIMENTOS ASFÁLTICOS DE PETRÓLEO (CAP) SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL

TRANSPORTE DE CIMENTOS ASFÁLTICOS DE PETRÓLEO (CAP) SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA TRANSPORTE DE CIMENTOS ASFÁLTICOS DE PETRÓLEO (CAP) LOTE 3 Versão: 001 Vigência: 02/2016

Leia mais

INSTALAÇÃO DE PONTOS ELÉTRICOS

INSTALAÇÃO DE PONTOS ELÉTRICOS SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE PONTOS ELÉTRICOS LOTE 2 Versão: 001 Vigência: 01/2016 Última atualização:

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE REGISTROS LOTE 2

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE REGISTROS LOTE 2 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE REGISTROS LOTE 2 Versão: 004 Vigência: 12/2014 Última atualização: 06/2016

Leia mais

PAREDES E LAJES DE CONCRETO

PAREDES E LAJES DE CONCRETO SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA PAREDES E LAJES DE CONCRETO ARMAÇÃO, CONCRETAGEM, ESTUCAMENTO e FORMAS LOTE 1 Versão: 002

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 17 Instalações de Esgoto Profª Heloise G. Knapik 1 Instalações prediais de esgotamento sanitário Objetivo

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE EXECUÇÃO DE TIRANTES LOTE 3

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE EXECUÇÃO DE TIRANTES LOTE 3 CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE EXECUÇÃO DE TIRANTES LOTE 3 GRUPO EXECUÇÃO DE TIRANTES 1. Introdução A CAIXA apresenta o Grupo de Execução de Tirantes (estrutura de contenção) em 55 composições. Tirante

Leia mais

CAIXA 87º ENIC - 2015

CAIXA 87º ENIC - 2015 SINAPI Sistema de Referência de Preços CAIXA 87º ENIC - 2015 Histórico do SINAPI 1969 1986 1997 2003 2008 2009 2013 2014 2015 Criação do SINAPI BNH/IBGE Gestão CAIXA/IBGE Sistema de Orçamentação SINAPI

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB DITEC Reforma das instalações Código do Projeto: 1564-12 Pág. 2 Índice Sumário 1. Memorial Descritivo

Leia mais

CASAN COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO 82.508.433/0001-17 - EMÍLIO BLUM, 83 - CENTRO - CEP 88.020-010 - FLORIANÓPOLIS - SC

CASAN COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO 82.508.433/0001-17 - EMÍLIO BLUM, 83 - CENTRO - CEP 88.020-010 - FLORIANÓPOLIS - SC 010000 CANTEIRO DE OBRAS 010100 CONSTRUÇÃO DO CANTEIRO 010101 CANTEIRO DE OBRAS 010102 BARRACÃO PARA ESCRITÓRIO m² 255,85 010103 BARRACÃO PARA DEPÓSITO m² 198,43 010104 SANITÁRIO ISOLADO m² 344,24 010105

Leia mais

INSTALAÇÕES DE CAIXAS E RALOS SIFONADOS PARA ÁGUAS PLUVIAIS SINAPI LOTE 2 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL

INSTALAÇÕES DE CAIXAS E RALOS SIFONADOS PARA ÁGUAS PLUVIAIS SINAPI LOTE 2 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE CAIXAS E RALOS SIFONADOS PARA ÁGUAS PLUVIAIS LOTE 2 Versão: 002 Vigência:

Leia mais

Aprimoramento SINAPI. 88º ENIC Foz do Iguaçu 12/05/2016

Aprimoramento SINAPI. 88º ENIC Foz do Iguaçu 12/05/2016 Aprimoramento SINAPI 88º ENIC Foz do Iguaçu 12/05/2016 Legislação Decreto 7.983/2013: Regras e critérios a serem seguidos pela administração pública federal para a elaboração do orçamento de referência

Leia mais

DRENAGEM DE AR CONDICIONADO

DRENAGEM DE AR CONDICIONADO SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA DRENAGEM DE AR CONDICIONADO LOTE 2 Versão: 003 Vigência: 12/2014 Última atualização: 09/2016

Leia mais

ANEXO I PLANILHA DE CUSTOS DOS SERVIÇOS DE LIGAÇÃO DE ÁGUA, LIGAÇÃO DE ESGOTO E RELIGAÇÃO DE ÁGUA CATEGORIA RESIDENCIAL

ANEXO I PLANILHA DE CUSTOS DOS SERVIÇOS DE LIGAÇÃO DE ÁGUA, LIGAÇÃO DE ESGOTO E RELIGAÇÃO DE ÁGUA CATEGORIA RESIDENCIAL ANEXO I PLANILHA DE S DOS SERVIÇOS DE LIGAÇÃO DE ÁGUA, LIGAÇÃO DE ESGOTO E RELIGAÇÃO DE ÁGUA CATEGORIA RESIDENCIAL PREÇOS ATUAIS: LIGAÇÃO DE ÁGUA C/ HIDRÔMETRO, DIÂMETRO 3/4...300TRA...R$416,40 LIGAÇÃO

Leia mais

DEPEO/SUPRO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTOS E ESPECIFICAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA

DEPEO/SUPRO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTOS E ESPECIFICAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA DEPEO/SUPRO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTOS E ESPECIFICAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA EXECUÇÃO DA AMPLIAÇÃO DA REDE COLETORA E RAMAIS PREDIAIS PARA O SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES

Leia mais

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO I - SERVIÇOS INICIAIS CÓDIGO UN QTDE 1 CANTEIRO DE OBRAS 01.00.00.00 1.1 Construção do Canteiro 01.01.00.00 1.1.1 Ligação provisória de água e esgoto 01.01.00.10 un 1 425,19 425,19 425,19 1.1.2 Ligação

Leia mais

RELATÓRIO 1ª MEDIÇÃO

RELATÓRIO 1ª MEDIÇÃO RELATÓRIO 1ª MEDIÇÃO OBRA: REFORMA DA SOBRELOJA E GARAGEM DO FÓRUM TRABALHISTA DE CURITIBA. CONTRATADA: TOWERING CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA. Considerando a instituição da Comissão de Recebimento e Fiscalização

Leia mais

ANEXO VI-OBJETO. Quant Unid Material Serviços Valor Global. Item

ANEXO VI-OBJETO. Quant Unid Material Serviços Valor Global. Item ANEXO VI-OBJETO Item Quant Unid Material Serviços Valor Global 1 RETROESCAVADEIRA 5000 H 2 ESCAVADEIRA HIDRAÚLICA 3000 H 3 CAMINHÃO CAÇAMBA BASCULANTE -EQUIPAMENTO OPERANTE 5000 H 4 ALVENARIA DE PEDRA

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS EM PEX (tubos e conexões) SINAPI LOTE 1 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS EM PEX (tubos e conexões) SINAPI LOTE 1 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS EM PEX (tubos e conexões) LOTE 1 Versão: 002 Vigência: 06/2015

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1 CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1 GRUPO ARGAMASSAS LOTE 01 A CAIXA apresenta o grupo de composições de serviços que representam a produção de argamassas, que serão incorporadas ao

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO ABRIGO MODELO. O novo abrigo de ligação facilitará a vida de todos.

MANUAL DE INSTALAÇÃO ABRIGO MODELO. O novo abrigo de ligação facilitará a vida de todos. MANUAL DE INSTALAÇÃO ABRIGO MODELO O novo abrigo de ligação facilitará a vida de todos. ÍNDICE O QUE É ABRIGO MODELO? VANTAGENS DO NOVO ABRIGO COMO INSTALAR POSIÇÕES POSSÍVEIS PARA INSTALAÇÃO MATERIAIS

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA CONCRETO PROJETADO LOTE 3

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA CONCRETO PROJETADO LOTE 3 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA CONCRETO PROJETADO LOTE 3 Versão: 002 Vigência: 01/2016 Última atualização: 05/2016 GRUPO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS038 EXECUÇÃO DE RAMAL PREDIAL Revisão: 01 Out/08 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS038 EXECUÇÃO DE RAMAL PREDIAL Revisão: 01 Out/08 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TUBOS DE COBRE RÍGIDOS E FLEXÍVEIS NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ET-65-200-CPG-039 1 / 7 ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS TUBULARES DE CONCRETO Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-09/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros

Leia mais

1. SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIOS

1. SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIOS 1. SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIOS 1.1 - CONCEPÇÃO DO PROJETO: O projeto constará de plantas, detalhes, memória de cálculo e especificações, que sejam necessárias para que haja o perfeito entendimento. 1.

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE REGISTROS LOTE 2

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE REGISTROS LOTE 2 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE REGISTROS LOTE 2 Versão: 003 Vigência: 12/2014 GRUPO INSTALAÇÕES DE REGISTROS

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS ESTACA RAIZ LOTE 1

CADERNOS TÉCNICOS ESTACA RAIZ LOTE 1 CADERNOS TÉCNICOS ESTACA RAIZ LOTE 1 GRUPO ESTACA RAIZ - LOTE 01 A CAIXA apresenta o Grupo Estaca Raiz em 24 composições, que serão incorporadas ao Sistema Nacional de Pesquisas de Custos e Índices da

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL CÓDIGO PISO ELEVADO PARA ÁREAS TEMPORÁRIAS PTEN 01_02_03 PISO ELEVADO PARA ÁREAS TEMPORÁRIAS PTEN 01_02_03 Descrição

Leia mais

ANEXO III 1. ITENS PARA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO

ANEXO III 1. ITENS PARA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ANEXO III Os modelos abaixo servem de orientação e exemplo para elaboração dos projetos contemplados pelo financiamento do Escritório de Projetos da Secretaria Executiva de Apoio aos Municípios SEAM/PE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e Equipamentos necessários...3 6. Métodos e Procedimentos de Execução...3

Leia mais

NBR 5629 Execução de tirantes ancorados no solo, 17/03/206.

NBR 5629 Execução de tirantes ancorados no solo, 17/03/206. ATENDIMENTO DE DE SERVIÇOS E TECNOLÓGICO 1 DE 8 1. NORMAS DE DE SERVIÇOS 1.1 LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO NBR 13133 - Execução de levantamento topográfico, 30/05/1994. Errata em 30/12/1996. 1.2 SOLOS E FUNDAÇÕES

Leia mais

CÓDIGO SERVIÇO UNIDADEVALOR ORGÃO DATA. 5S.02.906.00 REMOÇÃO MECANIZADA DA CAMADA GRANULAR PAVIMENTO m³ 27,45 DNIT mar/11

CÓDIGO SERVIÇO UNIDADEVALOR ORGÃO DATA. 5S.02.906.00 REMOÇÃO MECANIZADA DA CAMADA GRANULAR PAVIMENTO m³ 27,45 DNIT mar/11 SERVIÇO VALOR ORGÃO DATA 5S.02.906.00 REMOÇÃO MECANIZADA DA CAMADA GRANULAR PAVIMENTO m³ 27,45 DNIT mar/11 2S.06.210.51 PÓRTICO METÁLICO AC/BC ud 40.970,29 DNIT mar/11 - EXECUÇÃO DE SUB- C/ BRITA GRADUADA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNCIA FOLHA 1 de 5 ÍNDICE DE REVISÕES

Leia mais

07/05/2014. Professor

07/05/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Introdução a Engenharia Civil Área de Construção Civil MSc. Dr. André Luís Gamino Professor Definição

Leia mais

MURO DE CONTENÇÃO. As juntas de assentamento serão de aproximadamente 2,5 cm, com traço de 1:3 (cim:areia). Conforme a imagem 01.

MURO DE CONTENÇÃO. As juntas de assentamento serão de aproximadamente 2,5 cm, com traço de 1:3 (cim:areia). Conforme a imagem 01. MURO DE CONTENÇÃO Será executado um muro de alvenaria, com sapatas, pilares e vigas de concreto armado. Terá 50 centímetros (cm) de espessura e 3,00 metros (m) de altura com funcionalidade de retenção

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO)

ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO) SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO) LOTE

Leia mais

30/09/10 RAGC MRDR WV. Autor do Proj. / Resp. Técnico CREA / UF ENGº HARUO OKAWA 0600223452/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio.

30/09/10 RAGC MRDR WV. Autor do Proj. / Resp. Técnico CREA / UF ENGº HARUO OKAWA 0600223452/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio. 2 1 REVISÃO CONFORME RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO TÉCNICO 901CG1/PEIN-2/10 REVISÃO CONFORME RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO TÉCNICO 514CG1/PEIN-2/10 30/09/10 RAGC MRDR WV 19/07/2010 RAGC JADO WV 0 EMISSÃO INICIAL

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Figura 01: Meio fio de concreto

MEMORIAL DESCRITIVO. Figura 01: Meio fio de concreto MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO: MELHORIAS CALÇADAS QUADRA CENTRO ADMINISTRATIVO PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL SERAFINA CORRÊA-RS LOCALIZAÇÃO: QUADRA COMPREENDIDA ENTRE RUA ORESTES ASSONI, RUA CASTELO

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA 3.6. OBRAS DE CONTENÇÃO Sempre que a movimentação de terra implicar em riscos de perda de estabilidade do solo, há a necessidade da execução de estruturas ou obras de contenção para segurança da própria

Leia mais

PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS CONDOMINIAIS EM LARGA ESCALA

PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS CONDOMINIAIS EM LARGA ESCALA PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS CONDOMINIAIS EM LARGA ESCALA Klaus Dieter Neder, Maria Martinelli Feitosa Martins. Companhia de Água e Esgotos de Brasília S.C.S. ED. CAESB, Q. 04, BL. A, Nº 67/97 BRASÍLIA,

Leia mais

Com relação aos projetos de instalações hidrossanitárias, julgue o item a seguir.

Com relação aos projetos de instalações hidrossanitárias, julgue o item a seguir. 57.(CREA-RJ/CONSULPLAN/0) Uma bomba centrífuga de 0HP, vazão de 40L/s e 30m de altura manométrica está funcionando com 750rpm. Ao ser alterada, a velocidade para 450 rpm, a nova vazão será de: A) 35,5L/s

Leia mais

Carneiro Hidráulico de PVC - Comercial

Carneiro Hidráulico de PVC - Comercial Carneiro Hidráulico de PVC - Comercial Centro Federal de Ensino Tecnológico de Uberaba Av. Edilson Lamartine Mendes, 300 B. São Benedito Cep. : 38045-000 Uberaba MG www.cefetuberaba.edu.br Uberaba - 2004

Leia mais

Alagoas CASAL. Saneamento de 2014. Companhia de. Prova Prática ENCANADOR CONCURSO PÚBLICO. Estado de Alagoas COMPANHIA DE SANEAMENTO DE ALAGOAS

Alagoas CASAL. Saneamento de 2014. Companhia de. Prova Prática ENCANADOR CONCURSO PÚBLICO. Estado de Alagoas COMPANHIA DE SANEAMENTO DE ALAGOAS Estado de Alagoas COMPANHIA DE SANEAMENTO DE ALAGOAS CONCURSO PÚBLICO PROVA TIPO 1 Companhia de Saneamento de 2014 Alagoas CASAL Cargo Nível Fundamental: CADERNO DE QUESTÕES Prova Prática ENCANADOR 1.

Leia mais

Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA - 18/10/ Base PLEO

Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA - 18/10/ Base PLEO Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA - 18/10/2013 - Base Item 1. INSTALAÇÃO OBRA / SERVIÇO 1.1. 1500008 LOCAÇÃO DE REDE COM NIVELAMENTO 4.420 m 5,25 23.205,00 1.2. 1500115 SINALIZAÇÃO E PROTEÇÃO DIURNA E/OU

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME I MATERIAIS DE FERRO FUNDIDO TOMO I TUBO DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL MARÇO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVO SÃO JOAQUIM - MT MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVO SÃO JOAQUIM - MT MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO MELHORIAS SANITÁRIAS DOMICILIARES BANHEIROS -(Área = 2,73m 2 ). O memorial descritivo a seguir determina as normas para construção do MÓDULO SANITÁRIO SIMPLIFICADO padrão, de área construída

Leia mais

Construção Civil. Lajes Nervuradas com EPS / Fachadas e Rodatetos em EPS. A leveza do EPS, gerando economia

Construção Civil. Lajes Nervuradas com EPS / Fachadas e Rodatetos em EPS. A leveza do EPS, gerando economia Construção Civil Lajes Nervuradas com EPS / Fachadas e Rodatetos em EPS A leveza do EPS, gerando economia Enchimento para Lajes EPS Unidirecional Moldada (330 e 400mm) 330 / 400mm 1000mm 30 40 330 / 400

Leia mais

MEMORIAL DE CALCULO - QUANTITATIVOS

MEMORIAL DE CALCULO - QUANTITATIVOS 1 SERVIÇOS PRELIMINARES Preparo do terreno será considerado uma área de : área: 22,76 m² Container escritório com 1 sanitário - mínimo 9,20 m² será utilizado container, no espaço destinado á estacionamento

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m² ÁREA TOTAL CASA: 50,90m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 67,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m² ÁREA TOTAL CASA: 50,90m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 67,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra e

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 023

Norma Técnica Interna SABESP NTS 023 Norma Técnica Interna SABESP NTS 023 RESERVATÓRIOS Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 023 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE PROJETO...1 2 DIMENSIONAMENTO

Leia mais

ITEM DISCRIMINAÇÃO UNIDADE QUANTIDADE PREÇO SUB-TOTAL TOTAL. 1.1.1.1 Horas normais Hora 1.1.1.2 Horas extras Hora 1.1.1.

ITEM DISCRIMINAÇÃO UNIDADE QUANTIDADE PREÇO SUB-TOTAL TOTAL. 1.1.1.1 Horas normais Hora 1.1.1.2 Horas extras Hora 1.1.1. PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS UNITÁRIOS OPERAÇÃO DE ATERRO CONTROLADO 1 MÃO DE OBRA 1.1 MÃO DE OBRA DIRETA 1.1.1 Motorista caminhão 1.1.1.1 Horas normais Hora 1.1.1.2 Horas extras Hora 1.1.1.3 Insalubridade

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CELULARES DE CONCRETO Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-010/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros

Leia mais

Estaca Escavada Circular

Estaca Escavada Circular Estaca Escavada Circular 1 Definição e Recomendações da Norma NBR 6122 / 96 A Norma NBR 6122 / 96 define estaca escavada como o tipo de fundação profunda executada por escavação mecânica, com uso ou não

Leia mais

Painéis de Concreto Armado

Painéis de Concreto Armado CONCEITO É constituído por painéis estruturais pré-moldados maciços de concreto armado e pelas ligações entre eles. Destina-se à construção de paredes de edifícios habitacionais de até 5 pavimentos. A

Leia mais

Pré-moldados industriais para sistemas de drenagem pluvial (tubos e aduelas) Alírio Brasil Gimenez

Pré-moldados industriais para sistemas de drenagem pluvial (tubos e aduelas) Alírio Brasil Gimenez Pré-moldados industriais para sistemas de drenagem pluvial (tubos e aduelas) Alírio Brasil Gimenez PRÉ-MOLDADOS INDUSTRIAIS Para sistemas de drenagem pluvial (tubos e aduelas de concreto) ABTC ASSOCIAÇÃO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONCEPÇÃO E IMAGENS DO LOCAL

MEMORIAL DESCRITIVO CONCEPÇÃO E IMAGENS DO LOCAL MEMORIAL DESCRITIVO CONCEPÇÃO E IMAGENS DO LOCAL REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA DA MATRIZ, COM A TROCA DO PAVIMENTO, INSTALAÇÃO DE NOVA ILUMINAÇÃO, NOVOS BANCOS E RESTAURAÇÃO DO ENTORNO DA PROTEÇÃO DA ESTATUA

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180400 CERCA / MURO FOLHA: SUMÁRIO 1. CERCA COM TELA DE ARAME GALVANIZADO E ESTACAS DE CONCRETO...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...2 1.4 EXECUÇÃO...2 1.5 CONTROLE...2

Leia mais

Adaptação do galpão de aqüicultura do campus Fazenda Experimental e da sala destinada aos técnicos do núcleo de atendimento ao dicente e docente.

Adaptação do galpão de aqüicultura do campus Fazenda Experimental e da sala destinada aos técnicos do núcleo de atendimento ao dicente e docente. PROJETO BÁSICO: Adaptação do galpão de aqüicultura do campus Fazenda Experimental e da sala destinada aos técnicos do núcleo de atendimento ao dicente e docente 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1 Título do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS037 POÇOS DE VISITA TIPOS 3A, 3B e 3C Revisão: 03 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS037 POÇOS DE VISITA TIPOS 3A, 3B e 3C Revisão: 03 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 6. Métodos e Procedimentos de Execução...3

Leia mais

SUMÁRIO. laboração Revisão Data da revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Luiz Fernando J. Albrecht

SUMÁRIO. laboração Revisão Data da revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Luiz Fernando J. Albrecht SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test)

ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test) ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test) NORMAS - NBR 8036: Programação de sondagens de simples reconhecimento dos solos; - NBR 7250: Identificação e descrição de amostras de solo obtidas em sondagens

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor. Especificação Sucinta de Caixa Modelo F3 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.4 4ª Folha 1

Leia mais

Prefeitura Municipal de Assis Paço Municipal Profª. Judith de Oliveira Garcez

Prefeitura Municipal de Assis Paço Municipal Profª. Judith de Oliveira Garcez Prefeitura Municipal de Assis Paço Municipal Profª. Judith de Oliveira Garcez Anexo I Termo de Referência Compreende o objeto desta REGISTRO DE PREÇOS SERVIÇO DE RECUPERAÇÃO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA,

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor. Especificação Sucinta de Caixa Modelo F4 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.5 5ª Folha 1

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor. Especificação Sucinta de Caixa Modelo F4 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.5 6ª Folha 1

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PE/PP/PVC TOMO XVIII SELIM DE PVC JUNHO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAS

Leia mais

ESTUDO DO CONSUMO DE MATERIAIS E PRODUTIVIDADE DE MÃO DE OBRA EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS 1

ESTUDO DO CONSUMO DE MATERIAIS E PRODUTIVIDADE DE MÃO DE OBRA EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS 1 ESTUDO DO CONSUMO DE MATERIAIS E PRODUTIVIDADE DE MÃO DE OBRA EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS 1 Maísa Bronstrup 2, Leonardo Gerlach Donatti 3. 1 Projeto de pesquisa realizado no Trabalho de Conclusão de

Leia mais

RELATÓRIO FINAL IMPLANTAÇÃO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ANTIGO CANTEIRO DE OBRAS DA UHE SÃO JOSÉ

RELATÓRIO FINAL IMPLANTAÇÃO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ANTIGO CANTEIRO DE OBRAS DA UHE SÃO JOSÉ RELATÓRIO FINAL IMPLANTAÇÃO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ANTIGO CANTEIRO DE OBRAS DA UHE SÃO JOSÉ EMPRESA EXECUTORA: ENCANTADO, JULHO DE 2014. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AÇÕES REALIZADAS... 3

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 03. Procedimento para GCR (Guarda Corpo e Rodapé)

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 03. Procedimento para GCR (Guarda Corpo e Rodapé) Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. Objetivo Este procedimento tem como objetivo, assegurar que todas as obras efetuem o sistema de Guarda Corpo e Rodapé, o qual destina-se a promover a proteção contra riscos

Leia mais

Elementos de terraplenagem Cálculo de volumes Movimento de terra

Elementos de terraplenagem Cálculo de volumes Movimento de terra Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Estradas II Elementos de terraplenagem Cálculo de volumes Movimento de terra Renato

Leia mais

COMO CONSTRUIR SUA CALÇADA

COMO CONSTRUIR SUA CALÇADA PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE AMPARO COMO CONSTRUIR SUA CALÇADA Guia Prático para deixar nossa cidade ainda mais bonita e acessível ÍNDICE A Prefeitura Municipal de Amparo, vem, através

Leia mais

C R I T É R I O S D E M E D I Ç Ã O E E S T R U T U R A D E P R E Ç O S

C R I T É R I O S D E M E D I Ç Ã O E E S T R U T U R A D E P R E Ç O S CM: CM24/01 SUBGRUPO: 240100 MOBILIZAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO FOLHA: 1/1 240101 DESLOCAMENTO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS km Será feita pelo produto da distância de transporte, em quilômetro (km), pela quantidade

Leia mais

SINAPI Processo de Aprimoramento

SINAPI Processo de Aprimoramento SINAPI Processo de Aprimoramento Seminário Sinduscon/BA, CBIC e CAIXA 06/02/2015 Histórico do SINAPI 1969 1986 1997 2003 2008 2009 2013 2014 Criação do SINAPI BNH/IBGE Gestão CAIXA/IBGE Sistema de Orçamentação

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL. Impermeabilização e Injeção

CONSTRUÇÃO CIVIL. Impermeabilização e Injeção CONSTRUÇÃO CIVIL Impermeabilização e Injeção PROJETO E EXECUÇÃO DE IMPERMEABILIZAÇÃO EM PISCINAS COM MEMBRANA DE POLIURETANO PALESTRANTE: ENG. PAULO ROBERTO FERRAZ DATA: 14/04/2016 OBJETIVOS PROJETO E

Leia mais

OBJETIVO: APLICAÇÃO:

OBJETIVO: APLICAÇÃO: OBJETIVO: Este manual tem por objetivo sugerir os procedimentos, do ponto de vista técnico, para execução da infra-estrutura interna das unidades usuárias dos serviços em fibra óptica da Copel Telecomunicações.

Leia mais

EXECUÇÃO DE MURO E PLUVIAL DE LIGAÇÃO NO ENGENHO MARINHA GRANDE - PROJETO DE EXECUÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

EXECUÇÃO DE MURO E PLUVIAL DE LIGAÇÃO NO ENGENHO MARINHA GRANDE - PROJETO DE EXECUÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MARINHA GRANDE - PROJETO DE EXECUÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Termo de Responsabilidade do Autor do Projeto TERMO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR DO PROJETO (Portaria n.º 232/2008, de 11 de Março,

Leia mais

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Documento: Cliente: MEMÓRIA DE CÁLCULO CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Pag: 1 of 11 Título: TECHNIP ENGENHARIA S/A TKP No.: P70036-000-CN-1441-001 ÍNDICE DE REVISÕES REV

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO / SUBSEQUENTE

CURSO TÉCNICO DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO / SUBSEQUENTE CURSO TÉCNICO DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO / SUBSEQUENTE Tema Desenho Técnico Prof a. Msc. Karisa Lorena Carmo Barbosa Pinheiro Tópicos 1- Normas; 2- Construções fundamentais; 3- Desenhos utilizados na representação

Leia mais

CÓDIGO DESCRIÇÃO CLASS UNIDADE QUANT. PREÇO MAT. PREÇO M.O. PREÇO FINAL PREÇO FINAL % DA ETAPA % DO TOTAL

CÓDIGO DESCRIÇÃO CLASS UNIDADE QUANT. PREÇO MAT. PREÇO M.O. PREÇO FINAL PREÇO FINAL % DA ETAPA % DO TOTAL PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ÁREA TOTAL (M2):5,00 m2 DATA BASE - REGIÃO: SINAPI - Belo Horizonte/MG (MES: NDEZEMBRO/13) CÓDIGO DESCRIÇÃO CLASS UNIDADE QUANT. PREÇO MAT. PREÇO M.O. PREÇO FINAL PREÇO FINAL % DA

Leia mais

02.01.01.02.001 02.01.02.02.001

02.01.01.02.001 02.01.02.02.001 INFRAERO RJ.06/432.92/2073/00 33/58 02.01.01.02 02.01.02.02 FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE TUBULAÇÕES E ACESSÓRIOS DA CASA DE BOMBAS Descrição: O fornecimento e instalação de tubulações e acessórios da casa

Leia mais

PINTURA (INTERNA E EXTERNA)

PINTURA (INTERNA E EXTERNA) SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA PINTURA (INTERNA E EXTERNA) LOTE 1 Versão: 004 Vigência: 06/2014 Última atualização: 11/2016

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA Item Descriminação dos serviços Unid. Quantidade Unitário Unitário C/ BDI Total % CÓDIGO REFERÊNCIAL 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 Locação de obra - casas M² 0,00 6,08 7,60 0,00 SN-73992/001 Raspagem e Limpeza

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio de Janeiro - Campus Pinheiral Planilha Orçamentária - Projeto Padrão

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio de Janeiro - Campus Pinheiral Planilha Orçamentária - Projeto Padrão 1 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 4.380,62 1.1 74077/001 SINAPI 1.2 85423 SINAPI 1.3 90778 SINAPI LOCACAO CONVENCIONAL DE OBRA, ATRAVÉS DE GABARITO DE TABUAS CORRIDAS PONTALETADAS, SEM REAPROVEITAMENTO ISOLAMENTO

Leia mais

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v DESENHO 1: padrão ligação monofásica - instalação na parede com ramal de entrada aéreo, edificação do mesmo lado da rede e na divisa com o passeio público.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. IPPUC Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba OBRA REQUALIFICAÇÃO AV.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. IPPUC Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba OBRA REQUALIFICAÇÃO AV. PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA IPPUC Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba OBRA REQUALIFICAÇÃO AV. MARECHAL FLORIANO ALARGAMENTO DA PONTE CANAL PARALELO RIO IGUAÇU PROJETO DE OBRA DE

Leia mais

Canaletas PVC DLP & Acessórios

Canaletas PVC DLP & Acessórios Centro de Suporte Técnico T 0800-11 11-8008 servmercado@piallegrand.com.br Canaletas PVC DLP & Acessórios CONTEÚDOS PÁGINAS 1.Linha 1 a 2 2.Acessórios de acabamento 3 a 5 3.Acessórios complementares 6

Leia mais

60 a 105 m/min A B AU OPH LU X Y1 (1) Y2 (3) 800 1750 1790 1830 (3) 8 1250 1200 800 1750 1590 1630 (3) 8 1300 1150 800 1750 1540 1580 (3)

60 a 105 m/min A B AU OPH LU X Y1 (1) Y2 (3) 800 1750 1790 1830 (3) 8 1250 1200 800 1750 1590 1630 (3) 8 1300 1150 800 1750 1540 1580 (3) Cabinas export Dimensionamento Elevador com máquinas com engrenagem contrapeso ao fundo Dimensões de cabina com porta abertura central Cap.de Cabina Porta 1 a 1,75 m/s passageiros Largura Profundidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. A aquisição dos materiais visa atender as necessidades para a manutenção de redes e ramais de água e esgoto da Autarquia.

TERMO DE REFERÊNCIA. A aquisição dos materiais visa atender as necessidades para a manutenção de redes e ramais de água e esgoto da Autarquia. TERMO DE REFERÊNCIA 1 OBJETO: Constitui objeto do presente termo, a aquisição de tubos e conexões em PVC destinados a reposição do estoque do almoxarifado da autarquia para o exercício de 2016. A avença

Leia mais

TRANSPORTE HORIZONTAL E VERTICAL

TRANSPORTE HORIZONTAL E VERTICAL SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA TRANSPORTE HORIZONTAL E VERTICAL LOTE 3 Versão: 006 Vigência: 06/2014 Última atualização:

Leia mais

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m.

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO OBRAS / LOCALIZAÇÃO 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. 01 BUEIRO triplo na RS 715 com 3,00m X 2,00m X 19m,

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.014/2014

PROC IBR EDIF 01.02.014/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.014/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA LOUÇAS E METAIS LOTE 2

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA LOUÇAS E METAIS LOTE 2 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA LOUÇAS E METAIS LOTE 2 Versão: 007 Vigência: 12/2013 Última atualização: 03/2016 GRUPO

Leia mais

Construções e Eletrificação Rural

Construções e Eletrificação Rural Universidade Federal de Goiás Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Setor de Engenharia Rural Construções e Eletrificação Rural Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira rcastro@agro.ufg.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Tubos Helicoidais de PVC para Drenagem Pluvial Abril de 2014

Tubos Helicoidais de PVC para Drenagem Pluvial Abril de 2014 ubos elicoidais de PVC para Drenagem Pluvial Abril de 2014 Especificações Os tubos helicoidais de PVC são fabricados pelo processo de enrolamento de tiras de PVC nervuradas. As tiras de PVC são produzidas

Leia mais

Diário Oficial do União Seção 3-12/06/2017 Pág.143

Diário Oficial do União Seção 3-12/06/2017 Pág.143 Nº 21 /2017 MINAS GERAIS Concorrência Nº 1020170076 Diário Oficial do União Seção 3-12/06/2017 Pág.143 COPASA MG - Companhia de Saneamento de Minas Gerais GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE

Leia mais

Memorial Descritivo da Rede de Esgotos Sanitários da Vila Santa Terezinha

Memorial Descritivo da Rede de Esgotos Sanitários da Vila Santa Terezinha Memorial Descritivo da Rede de Esgotos Sanitários da Vila Santa Terezinha CAÇADOR SC Eng. Pedro A. Masiero OUTUTBRO/2011 CREA-SC 011338-2 PROJETO EXECUTIVO PARA A REDE DE ESGOTOS SANITÁRIOS DA VILA SANTA

Leia mais