HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA HPB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA HPB"

Transcrição

1 Tatiana Lika Franco da Rocha HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA HPB SÃO PAULO 2008 FMU Tatiana Lika Franco da Rocha

2 Hiperplasia Prostática Benigna HPB Trabalho de conclusão de curso do curso de Medicina Veterinária da FMU, sob orientacão da Professora Ms. Aline Machado de Zoppa. FMU Tatiana Lika Franco da Rocha Hiperplasia Prostática Benigna HPB 2

3 Defendido e aprovado em 19 de Dezembro de 2008, pela banca examinadora constituída pelos professores: Prof. Ms. Aline Machado de Zoppa FMU Orientadora Prof. Ms. João Francisco de Azevedo Mattos FMU Mv. Jamara Siqueira FMU Dedico esta obra a meus amados filhos Zeus e Thor que se mantiveram sempre em meu coração e pensamento. 3

4 AGRADECIMENTOS Agradeço ao meu marido Affonso e a meus pais, Lúcia e Roberto, por estarem sempre ao meu lado, não medindo esforcos para ver meus sonhos realizados. Aos meus grandes Mestres Dr. Aloísio Gelsi e Dr. Paulo César Conelian, pelos conhecimentos transmitidos, bem como pela paciência e amizade dispensadas em todo o processo de aprendizado. Aos novos amigos, Dra. Bianca Bourbon e Josinaldo que me apoiaram no aperfeiçoamento da prática e no trato diário com os animais. A minha orientadora Prof. Ms. Aline Machado de Zoppa pela compreensão e paciência. 4

5 SUMÁRIO RESUMO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO ETIOLOGIA FISIOPATOGENIA SINTOMAS CLÍNICOS DIAGNÓSTICO DAS PATOLOGIAS PROSTÁTICAS História clínica Exame físico Urinálise; hemograma completo/quadro bioquímico Exame radiográfico Exames ultrassonográficos Exame do sêmen Massagem prostática Citologia prostática Biópsia prostática TRATAMENTO DA HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA Orquiectomia PROGNÓSTICO CONCLUSÃO...24 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...25 RESUMO A hiperplasia prostática benigna é uma enfermidade que acomete cães com idade avançada (meia idade a idosos) afetando a qualidade de vida do animal, uma vez que este terá a defecação e micção comprometidas. Para se ter um diagnóstico definitivo, o veterinário deve tomar como base vários tipos de exames: ultrassom, radiografia e biópsia da próstata. É de extrema importância 5

6 que tal exploração seja feita para servir como base para diagnóstico diferencial a outras doenças. O tratamento de eleição para hiperplasia prostática é a orquiectomia, pois a terapia medicamentosa traz inúmeras limitações, uma vez que os estrógenos causam diversos efeitos colaterais, podendo induzir a metaplasia escamosa, agravando a sintomatologia clínica, além de aumentar as alterações císticas e a inflamação da próstata, deprimindo a espermatogênese e causando anemia aplásica, trombocitopenia e leucopenia. A dose de estrógenos e a duração da terapia podem causar intoxicação, dependendo da presença de outros fatores, como o estado físico do animal e parasitismo, os quais poderão alterar o funcionamento da medula óssea. 1. INTRODUÇÃO A próstata é a única glândula sexual acessória no cão macho, sendo um órgão bilobulado, com septo mediano na superfície dorsal, localizado predominantemente no espaço retroperineal, caudal à bexiga, na área do colo da bexiga, proximal à uretra. (ETTINGER, 1992) Quando a vesícula urinária está cheia a próstata se localiza em posição prépúbica e quando está vazia a mesma se encontra por completo na cavidade pélvica. (KEALY, MCALLISTER, 2005) Histologicamente a próstata se apresenta envolta por uma cápsula fibroelástica rica em músculo liso, enviando septos que penetram na glândula, formando assim um estroma rico que envolverá os constituintes glandulares. (ETTINGER,1992) 6

7 O epitélio glandular é muito variável, sendo na maioria das vezes identificado como cilíndrico simples ou pseudo-estratificado. Ainda se verifica o epitélio de transição, semelhante ao da porção prostática da uretra, perto da terminação dos ductos. (ROSS; ROMRELL, 1993) As células no interior da glândula são o epitélio secretor colunar alto e o epitélio basal, localizado ao longo da membrana basal. (ETTINGER, 1992) A hiperplasia prostática benigna é o aumento de tamanho da próstata, na qual ocorre o aumento de número de células prostáticas secundárias à estimulação com hormônios androgênicos. (FOSSUM, 2002) A hipertrofia da glândula representa um aumento hipertrófico dependente de alterações hormonais e é amplamente comum em cães mais velhos que possuem testículos funcionantes. (FOSSUM, 2002) A próstata se torna mais pesada com o envelhecimento, ocorrendo o aumento aparente na sensibilidade da mesma, em virtude do crescimento da glândula pelo aumento da testosterona, sendo que as concentrações de dihidrotestosterona e testosterona prostática diminuem com a idade. (ETTINGER, 1992) As causas principais da hiperplasia incluem proporção anormal de andrógenos com relação a estrógenos, aumento no número de receptores androgênicos e na sensibilidade tecidual a andrógenos. O andrógeno primário que promove a hiperplasia é a dihidrotestosterona. (FOSSUM, 2002) A função da próstata é produzir o líquido prostático, que representa a totalidade do líquido seminal. Este líquido possui ácido cítrico, frutose, colesterol, proteínas e, em algumas espécies animais, aminoácidos livres, sendo rico em zinco. Contém também as enzimas proteases, glicosidases, aspartato e as fosfatases alcalina e ácida. (ETTINGER, 1992) O líquido secretado pela glândula é ácido (ph 6,5), incolor e contém enzimas proteolíticas, inclusive uma fibrinolisina que funciona na liquefacão do sêmen. O nível de fosfatase ácida e de ácido cítrico representa um índice da função prostática, sendo uma parte da fosfatase ácida produzida liberada para a corrente sanguínea. (ROSS; ROMRELL, 1993) O tamanho da glândula varia de acordo com a idade, o nível hormonal, porte do animal e a raça. (PIEROBON, 1991) No decorrer da vida do animal, a próstata passa por três fases. Na primeira ocorre o crescimento normal da glândula, que é observado em animais jovens. A fase 7

8 hiperplásica ocorre em animais de meia-idade e nos idosos; a fase final é da involução senil. (ETTINGER, 1992) Devido a natureza glandular da próstata, podem se desenvolver cistos prostáticos intraparenquimais em associação com a hiperplasia. Ainda podem ser descritas outras moléstias tais como: prostatite bacteriana, metaplasia escamosa, abscesso prostático e neoplasia prostática. (ETTINGER, 1992) 2. DEFINIÇÃO A hiperplasia prostática benigna (HPB) é uma enfermidade caracterizada tanto pelo aumento de número de células (hiperplasia) como pelo aumento do tamanho celular (hipertrofia). (HARARI, 2004) Trata-se de uma alteração do envelhecimento, que ocorre apenas em duas espécies: cães e homem. A hiperplasia é basicamente uniforme e epitelial nos cães, ao passo que no homem é basicamente estromal e nodular. (BARSANTI; FINCO, 1997) Uma vez que a hiperplasia é uma alteração observada ao longo do envelhecimento, esta ocorre concomitantemente com outras moléstias. (ETTINGER, 1992) 8

9 3. ETIOLOGIA Em cães, a hiperplasia prostática benigna está associada com a relação androgênio-estrogênio, a qual pode aumentar o número de receptores para andrógenos. Mesmo com a diminuição da produção de androgênio junto com o envelhecimento do animal e com o aumento da produção estrogênica a hiperplasia se desenvolve. Vale a pena ressaltar que é indispensável a presença dos testículos. (BARSANTI ; FINCO, 1997; FOSSUM, 2002) Além do desbalanço entre os níveis de andrógenos e estrógenos, há um número de receptores para andrógenos em nível celular, sugerindo um aumento de sensibilidade tecidual aos andrógenos circulantes. (FOSSUM, 2002) Com o envelhecimento, ocorre aumento aparente na sensibilidade do crescimento da glândula prostática pela testosterona, uma vez que a secreção de testosterona e as concentrações de dihidrotestosterona e testosterona prostática diminuem com a idade. (ETTINGER, 1992) Devido às mudanças no catabolismo e ao aumento na sua ligação aos receptores, a dihidrotestosterona se acumula. (BARSANTI; FINCO, 1997) A hiperplasia é comum em animais a partir de 05 (cinco) anos de idade, sem predisposição de raça e muitas vezes não há manifestação clínica patológica significativa, podendo levar, em outros casos em sua evolução, a outros processos inflamatórios agudos e crônicos, bacterianos, abscessos, neoplasias e formações císticas. (ETTINGER, 1992) É comum também a ocorrência simultânea de hérnia perineal com comprometimento da próstata. (PIEROBON, 1991) 4. FISIOPATOGENIA A função da próstata é produzir líquido prostático como meio de transporte e suporte para os espermatozóides durante a ejaculação. Sob o estímulo parassimpático que ocorre durante a ereção, a próstata aumenta a taxa de produção de líquido e sob o estímulo simpático, expulsa o líquido durante a ejaculação. (ETTINGER, 1992) 9

10 A testosterona sofre a ação da enzima 5 alfa redutase, transformando-se em dihidrotestosterona. Este último hormônio no interior da glândula provavelmente serve como um mediador hormonal para a hiperplasia e se acumula devido às mudanças no catabolismo. O processo hiperplásico pode ser facilitado pelos estrógenos, os quais podem aumentar o número de receptores para andrógenos. (BARSANTI; FINCO, 1992; FOSSUM, 2002) A hiperplasia prostática benigna se manifesta devido a uma conversão anormalmente elevada de testosterona em dihidrotestosterona que se acumula de maneira anormal. (FOSSUM, 2002) Mesmo havendo uma baixa produção de andrógenos, o que ocorre com o envelhecimento do animal, desde que ocorra um aumento da produção de estrógenos (estroma e radiol), a hiperplasia se desenvolve. Embora o tamanho aumente com a hiperplasia, a função secretória da próstata diminui. (BARSANTI; FINCO, 1992) A vascularidade da próstata fica aumentada nos casos de HPB e a glândula fica com tendência ao sangramento. (BARSANTI; FINCO, 1997) No cão, a hiperplasia começa na forma de hiperplasia cística. Frequentemente cistos intraparenquimatosos se comunicam com a uretra, e podem ser maiores na periferia da glândula. Quase todos os machos sexualmente intactos apresentarão hiperplasia prostática benigna com o passar do tempo, contudo a maioria não apresentará sinais clínicos. (BARSANTI; FINCO, 1997) 5. SINAIS CLÍNICOS Muitas vezes a hiperplasia prostática benigna pode estar presente sem estar associada a outros sinais clínicos da doença, pois o cão acometido mostra-se alerta, ativo e não febril, sendo um achado post-mortem em cães de meia idade ou idosos. (BARSANTI; FINCO, 1992) Há duas formas: a não complicada, que se caracteriza por não apresentar sintomatologia clínica ou apenas o tenesmo como sintoma; e a complicada apresenta quadros de comprometimento de outros sistemas, principalmente de trato urinário. (BARSANTI; FINCO, 1997) Os sintomas mais comuns nas alterações prostáticas, segundo ETTINGER (1992), BARSANTI; FINCO (1997) e HARARI (2004) são: 10

11 Tenesmo: ocorre quando a ampliação da próstata atravessa o reto, devido à compressão no canal pélvico; a constipação pode ocorrer secundariamente, anulando a dor associada a defecação. Hematúria: dá-se devido ao refluxo de sangue proveniente da uretra prostática para dentro da bexiga. Pode estar associada com uma cistite bacteriana concorrente. Retenção urinária: ocorre devido ao estreitamento do lúmen da uretra prostática. Quando esta for crônica, haverá distensão permanente da bexiga, promovendo atonia do órgão, que resultará em incontinência urinária. Disúria/estrangúria: estão presentes quando há obstrução parcial ou total da uretra, resultante do aumento prostático. Corrimento uretral: apresenta-se sempre com traços de sangue, devido exudação de sangue, pus, e/ou fluido prostático na uretra. Infecção recidivante do trato urinário: no macho canino está relacionada à prostatite bacteriana crônica. Hipertermia, depressão, anorexia, vômito e diarréia: são sinais de comprometimento sistêmico mais comumente encontrado nos casos de prostatites bacterianas e abscessos prostáticos. Distensão abdominal: causada por cisto paraprostático ou abscesso prostático. Dor abdominal caudal, dor lombar e/ou comprometimento de membro pélvico: associados com metástase de neoplasia prostática para musculatura, estruturas ósseas ou então a peritonite por abscesso prostático. Edema de membro pélvico: secundário ao comprometimento linfático por metástase de neoplasia prostática. Outras condições clínicas associadas: prejuízo da libido, infertilidade, septicemia, hérnia perineal e tumor testicular. A hérnia perineal provavelmente é resultado de esforço abdominal que causa debilidade do diafragma pélvico. Existem evidências que a hérnia perineal e enfermidades prostáticas se relacionem endocrinamente, já que ambas são observadas em machos idosos. (HOWARD, 1980) 11

12 6. DIAGNÓSTICO DAS PATOLOGIAS PROSTÁTICAS As principais técnicas de diagnóstico para as moléstias prostáticas são o histórico, palpação da próstata, radiografia, ultrassonografia, exame citológico e microbiológico do líquido prostático coletado por ejaculação ou após massagem prostática. O diagnóstico definitivo só é possível por meio de obtenção de biópsia. O diagnóstico presuntivo pode ser firmado pela história clínica e exame físico, com ajuda da hematologia, urinálise e análise do líquido prostático, dependendo da gravidade da queixa de apresentação. A biópsia não é recomendável para a confirmação de diagnóstico se os sinais clínicos forem típicos. A resposta à castração poderá ser utilizada com meio auxiliar para a confirmação do diagnóstico. (ETTINGER, 1992, BARSANTI; FINCO, 1997) 6.1 História clínica Deve ser obtida a história clínica completa, incluindo a queixa principal e a revisão do estado geral da saúde do cão. Deve-se determinar a natureza, gravidade, duração e progressão do sinal de apresentação anormal. (ETTINGER, 1992) A ocorrência de qualquer sinal sistêmico de enfermidade (dor não localizada, depressão, anorexia, vômito, diarréia), qualquer claudicação ou qualquer alteração na ingestão de água ou na produção urinária podem ser pistas importantes para elucidação da natureza da afecção. (BARSANTI; FINCO, 1997) O diagnóstico para a hiperplasia prostática benigna é sugerido quando se observam tenesmo, hemorragia uretral e/ou hematúria no cão não castrado, de meia idade ou mais velho, sadio. (NELSON; COUTO, 1994) 12

13 Se houver comprometimento sistêmico, o animal irá apresentar febre, depressão, anorexia, vômitos e diarréia, que são sinais comumente encontrados nos casos de prostatite bacteriano ou abscesso prostático. (KAY, 1994) Dentre os sintomas menos comuns há a hipertermia, infertilidade, obstrução uretral e anormalidade na postura devido à metástases ósseas no caso de neoplasia prostática. (ETTINGER, 1992) 6.2 Exame físico O exame da próstata é efetuado mais adequadamente com a abordagem com as duas mãos, utilizando a palpação retal digital e a palpação abdominal caudal. A mão que está apalpando a porção caudal do abdômen pode avaliar os aspectos craniais da glândula, pode simultaneamente empurrar a próstata para o interior do canal pélvico, ou para suas proximidades, para a palpação via retal mais adequada. (BARSANTI; FINCO, 1997) Deve-se avaliar o tamanho, simetria, contorno da superfície glandular, consistência, mobilidade e dor da próstata. A glândula prostática normal é simétrica, possui a superfície lisa, o sulco está conservado, a consistência é normal e a dor é fraca ou nula. (BARSANTI; FINCO, 1997) O tamanho varia com a idade, tamanho corporal e raça, de forma que julgar se o tamanho está normal é muito subjetivo. Se houver suspeita de aumento de tamanho, as medidas devem ser registradas para que a progressão possa ser seguida. (OLSON, et al., 1988) O estado de repleção da vesícula urinária também influi na localização da glândula. Quando está repleta, a próstata se encontra cranialmente ao arco púbico, e quando vazia situa-se intrapélvica, facilitando a sua avaliação pelo toque retal. (KEALY, MCALLISTER, 2005) 6.3 Urinálise; hemograma completo/quadro bioquímico A análise do fluido prostático é de difícil utilização devido à dificuldade de obtenção da amostra, grau de invasibilidade, possibilidade de contaminação por agentes 13

14 provenientes via urina ou uretra e até mesmo pela inabilidade de confirmação do fluido na coleta obtida por um técnico não experiente. (KAY, 1994) 6.4 Exame radiográfico Radiologicamnente a próstata pode ser avaliada quanto ao tamanho, formato, localização e densidade. Entretanto, as variações dessas características não revelam especificamente qualquer das patologias, servindo apenas como auxiliares no diagnóstico diferencial de algumas delas. (KEALY; MCALLISTER, 2005) A radiografia abdominal raramente determina a etiologia específica da doença prostática, mas pode revelar alterações da glândula como: assimetria, formacão anormal no abdômen caudal preenchida por fluido, mineralização da glândula prostática, ampliação do nódulo linfático ilíaco, reações periostais do osso vertebral ou pélvico, retenção urinária ou fecal ou presença de tecido macio no abdômen caudal. (ETTINGER, 1992; KEALY, MCALLISTER, 2005) A glândula de dimensões normais não desloca o cólon ou a bexiga de sua posicão normal. (BARSANTI; FINCO, 1997) Na maioria dos casos a presença de um aumento da próstata pode ser demonstrada somente com o uso de um contraste. (ETTINGER, 1992; KEALY, MCALLISTER, 2005) A uretrocistografia retrógrada por distensão da bexiga permite melhor avaliação da uretra prostática e próstata, mas traz complicações como hematúria, indução da infecção do trato urinário e a possibilidade de ruptura da bexiga. (BARSANTI; FINCO, 1992) A uretra prostática pode se apresentar normal, estreitada e sinuosa na hiperplasia prostática benigna. O refluxo na uretra prostática pode estar maior do que o normal. Radiografias de tórax devem ser realizadas quando houver suspeita de neoplasia prostática, para evidência de metástase. O adenocarcinoma prostático faz metástase através da via linfática para linfonodos sublombares, corpos vertebrais e pulmões. (BARSANTI; FINCO, 1992) Quando a próstata está significativamente aumentada, frequentemente haverá necessidade de uretrografia excretora, para que seja determinado se está ocorrendo obstrução uretral. (BARSANTI; FINCO, 1997) 6.5 Exames ultrassonográficos 14

15 A consistência da próstata pode ser melhor avaliada pela ultrassonografia, comparativamente à radiografia. A glândula prostática pode ser frequentemente visualizada pela ultrassonografia, visto que este órgão, quando aumentado, assume posição abdominal por haver poucas estruturas entre a pele e a próstata, e visto que a bexiga pode ser utilizada como ponto de referência. Geralmente os cães podem ser examinados em decúbito dorsal, sem sedação. (ETTINGER, 1992; BARSANTI; FINCO, 1997) Estruturas císticas, pequenas, múltiplas e difusas são identificadas comumente à ultrassom. O exame ultrassônico demonstra um envolvimento relativamente simétrico, difuso em toda a próstata. (ETTINGER, 1992; FOSSUM, 2002) O ultrassom pode ser utilizado para avaliação da glândula e para guiar a aspiração com agulha ou biópsia, podendo se observar: prostatomegalia; cisto prostático (hipoecóico) ou abscesso (anecóico); cisto paraprostático; áreas focais ou multifocais de aumento de ecogenicidade (prostatite bacteriana ou neoplasia) e linfoadenopatia ilíaca. (ETTINGER, 1992) Nas diversas patologias a ecogenicidade está geralmente aumentada. Na hiperplasia prostática benigna a glândula frequentemente apresenta-se dentro da normalidade, porém pode se apresentar hiperecogênica. (KEALY, MCALLISTER, 2005) A combinação da uretrocistografia retrógrada com a ultrassonografia pode ser válida, visto que a distensão da bexiga pode ajudar na identificação da glândula prostática. (ETTINGER, 1992) 6.6 Exame do sêmen O ejaculado do cão é valioso na determinação de moléstias prostáticas, pois o líquido prostático compõe mais de 95% do sêmen. O líquido prostático é a última fração do ejaculado. Para coletar o sêmen pode-se utilizar a estimulação manual ou a utilização de um manequim. Parte do ejaculado é utilizado para o exame microscópico e outra parte é utilizada para cultura bacteriana quantitativa. Os altos números de organismos gram-positivos ou gram-negativos com um grande número de leucócitos ocasionais indicam infecção. Pode ser encontrado sangue no ejaculado de cães com infecção bacteriana, cistos prostáticos, neoplasia prostática e hiperplasia. Uma anormalidade no 15

16 ejaculado não localiza o problema na próstata, uma vez que os testículos, epidídimo, ductos deferentes e uretra compõem e transportam o ejaculado. (ETTINGER, 1992) 6.7 Massagem prostática Uma forma alternativa para obter o líquido prostático é a massagem quando não se consegue coletar o sêmen. O cão deve estar com a bexiga vazia (permitindo assim, que ele urine primeiramente) e com a introdução de um cateter urinário lavá-la com solução salina para assegurar que ela esteja vazia. A última lavagem é guardada como amostra pré-lavagem. A próstata é massageada por via retal, abdominal ou por ambas durante dois minutos; logo após se adiciona novamente a solução salina pelo catéter e a uretra é ocluída ao redor do catéter para evitar o refluxo para fora do orifício uretral. O catéter é avançado até atingir a bexiga com aspirações repetidas. Tanto a amostra prémassagem quanto a pós-massagem são examinadas microscopicamente e através da cultura quantitativa. Através da comparação das duas amostras é possível identificar se a alteração encontrada foi devido ao líquido prostático e não infecção de bexiga ou uretra. (ETTINGER, 1992) A amostra pós-massagem deve ser transparente em cães normais, são observadas apenas algumas hemácias, leucócitos, células epiteliais pavimentosas e de transição. Quando o número de bactérias nessa amostra for superior ao número de bactérias contidas na amostra pré-massagem, será provável a infecção. (BARSANTI; FINCO, 1997) 6.8 Citologia prostática Na hiperplasia prostática benigna, a citologia revela hemorragias e inflamação leve sem sepse; apresentando células epiteliais prostáticas, hemácias e alguns leucócitos. O que confirmará as alterações hiperplásicas será a histopatologia. (FOSSUM, 2002) 6.9 Biópsia prostática O método diagnóstico mais definitivo para diferenciar patologias prostáticas é a biópsia, mas também é o mais invasivo. (NELSON; COUTO, 1994) 16

17 É utilizado quando achados clínicos menos invasivos não indicam provável diagnóstico, quando a terapia para a afecção subjacente suspeitada não obtém êxito ou quando o provável diagnóstico é enfermidade séria. As amostras obtidas pela biópsia podem ser utilizadas para cultura bacteriana e citologia, bem como serão fixadas e processadas para exame histológico. (BARSANTI; FINCO, 1997) A biópsia pode ser realizada por via perirretal ou transabdominal, ou então ser realizada diretamente durante o ato cirúrgico. O procedimento percutâneo pode ser realizado com tranquilização e anestesia local, sendo a agulha direcionada através da palpação retal ou de ultrassom. A amostra de tecido é utilizada para cultivo microbiológico e exame histológico. Como complicações da biópsia podem ser citadas a hematúria branda e a hemorragia significativa. A biópsia é indicada para o diagnóstico de metaplasia escamosa, neoplasia e hiperplasia prostática benigna, embora alguns autores não a recomendem se os sinais clínicos da hiperplasia prostática benigna forem típicos. (ETTINGER, 1992) 7. TRATAMENTO DA HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA A orquiectomia é a melhor solução, portanto não provoca efeitos secundários, e resultará em diminuição de 70% do tamanho da próstata. A glândula começa a involuir dentro de dias, esperando-se o decréscimo palpável no tamanho da próstata dentro de 7 a 14 dias. A secreção prostática se tornará mínima por volta de 7 a 16 dias após a castração. (BARSANTI; FINCO, 1997) Quando a castração não for possível, utilizam-se baixas doses de estrógenos. Os estrógenos provocam atrofia prostática devido à diminuição da concentração dos 17

18 andrógenos, através da depressão da secreção das gonodatropinas pela glândula pituitária. Esses hormônios atuam principalmente diminuindo o tamanho da próstata mediante a diminuição da massa celular. (BARSANTI; FINCO, 1997) Em um estudo, 0,1 mg de dietilstilbestrol injetável por dia, por 5 dias reduziu notavelmente a capacidade secretora da próstata durante 2 meses. (BARSANTI; FINCO, 1997) Segundo (FOSSUM, 2002), a terapia estrogênica não é recomendada, pois pode induzir a metaplasia escamosa agravando a sintomatologia clínica, podendo causar também infertilidade, abscedação e anemia aplásica. O uso de antiandrógenos a longo prazo não são tão eficazes quanto a castração. As drogas que inibem a síntese andrógena ou neutralizam os efeitos dos andrógenos podem inibir a espermatogênese e causar oligospermia/azoospermia. (BARSANTI; FINCO, 1997; NELSON; COUTO, 1994) O acetato de megestrol é um progestágeno com propriedade antiandrogênica inibidor da 5 alfa redutase e age interferindo na conversão de testosterona para dihidrotestosterona. A dose recomendada é 0,55 mg por Kg por via oral durante 4 semanas ou 0,11 mg por Kg por via oral durante 1 ano. Supostamente o acetato de megestrol reduz o tamanho da próstata sem reduzir o número de espermatozóides. (KAY; NELSON; COUTO, 1994) A flutamida (antiandrógeno) evita os efeitos dos estrógenos; ela bloqueia a atividade da dihidrotestosterona na próstata ao competir pelos receptores para este agente. Foi administrado em cães em pesquisa na dose de 5 mg por Kg por dia via oral durante 1 ano. Dentro de 6 semanas o tamanho da próstata diminuiu sem que houvesse alteração na libido, na produção de espermatozóides ou fertilidade, porém, a hiperplasia recidivou dois meses após a interrupção da medicação. (BARSANTI; FINCO, 1997) O acetato de delmadinone é um inibidor androgênico licenciado para uso em cães com hiperplasia. A dose recomendada é de 1,5 a 2 mg por Kg para cães com peso inferior a 10 Kg, 1 a 1,5 mg por Kg para cães com peso entre 10 e 20 Kg e 1 mg por kg para cães com peso maior de 20 kg. A administração é subcutânea ou intramuscular. Embora seja licenciada, é contra indicada para cães com histórico de decréscimo da fertilidade ou diminuição da libido ou macho reprodutor. (KAY, 1994) Cetoconazol é um medicamento anti-fúngico, análogos do hormônio liberador de gonodatropinas (GnRH) que bloqueia a liberacão de hormônios luteinizantes, são também antiandrogênicos. Estes são essencialmente, castradores químicos, não trazendo então vantagens superiores a castração cirúrgica em cães. (BARSANTI; FINCO, 1997) 18

19 7.1 Orquiectomia Existem 3 tipos de orquiectomia: castração pré-escrotal aberta, castração préescrotal fechada e castração perineal. (BOJRAB, 1996; FOSSUM, 2002) Nos cães, a orquiectomia é realizada sob anestesia geral e geralmente é utilizada uma sonda endotraqueal para desobstrução das vias aéreas. (BOJRAB, 1996) 8. PROGNÓSTICO O prognóstico é considerado excelente nos casos em que se realiza a orquiectomia. (FOSSUM, 2002) A terapia sintomática sozinha pode ser útil no início, mas sem a orquiectomia os sintomas recidivam ou pioram. (FOSSUM, 2002) 19

20 9.CONCLUSÃO Dentre as moléstias prostáticas a mais comum em cães é a hiperplasia prostática benigna. A hiperplasia prostática benigna é mais comum em cães inteiros e idosos, e não existe predisposição de raça. Os sintomas clínicos mais comuns são tenesmo, hematúria e disúria decorrentes do aumento do volume da próstata. O diagnóstico para a hiperplasia prostática benigna se resume em exame clínico (histórico do animal) e toque retal da próstata, que se confirmará com exame ultrassonográfico. O tratamento de eleição é a orquiectomia, mas como alternativa pode ser utilizada uma terapia medicamentosa à base de estrógenos ou antiandrogênicos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 20

21 BARSANTI, J. A.; FINCO, D. R. Moléstias prostáticas do cão. In ETTINGER, S. J. Tratado de Medicina Interna Veterinária. São Paulo, Manole Ltda, p a 1960, BARSANTI, J. A.; FINCO, D. R. Moléstias prostáticas do cão. In ETTINGER, S. J. Tratado de Medicina Interna Veterinária. São Paulo, Manole Ltda, p a 2325, BOJRAB, M. JOSEPH Orquiectomia de testículos de descidos e retidos no cão e gato. In Técnicas Atuais Em Cirurgia De Pequenos Animais. Roca Ltda, p. 391 a 395, FOSSUM, W. THERESA Hiperplasia Prostática Beningna. In Cirurgia de Pequenos Animais. Roca Ltda, p. 611 a 613, HARARI, JOSEPH Doencas Prostáticas. In Segredos em Cirurgia de Pequenos Animais. Artmed S.A., p. 248 a 252, HOWARD, D. R. Glândula Prostática. In BOJRAB, M. J. Medicina y Cirurgia En Especies Pequeñas. Compania Editorial Continental, S/A, p. 279 a 286, KAY, N. D. Diseases of the Prostate Gland. In Sanders Manual of Small Animal Practice. Philadeplphia, W. C. Saunders Company, p. 865 a 871, KEALY, J. K; MCALLISTER H.. A Próstata. In Radiologia e Ultra-sonografia do Cão e do Gato. Manole Editora Ltda, p. 131 a 136, NELSON, R. W; COUTO C. G. Distúrbios da Próstata. In Fundamentos de Medicina Interna de Pequenos Animais. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan S/A, p. 518 a 521, OLSON, P. N.; WRIGLEY, R. H.; THRALL, M. A.; HUSTED, P. W. Alterações da Glândula Prostática Canina. In Diagnóstico e Tratamento Médico de Cães e Gatos. São Paulo, Gessuli Editores Ltda, Janeiro / Fevereiro nº 18, p. 12 a 21,

22 PIEROBON, C. S. Aspectos Clínicos, Diagnósticos e Tratamento da Hiperplasia Prostática Benigna no Cão. In Tese (Mestrado). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Universidade de São Paulo, p. 44, ROSS, M. H.; ROMRELL, L. Aparelho Genito Urinário. In Histologia: Texto e Atlas. São Paulo, Panamericana, p. 644 a 647,

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata AULA PREPARADA POR: PATOLOGIAS DA PRÓSTATA Prostata A próstata é um órgão interno que só o homem possui; tem a forma de uma maçã muito pequena, e fica logo abaixo da bexiga. ANATOMIA Tem o tamanho aproximado

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS DOENÇAS DA PRÓSTATA Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho de uma noz, e se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra masculina.

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins DOENÇAS DA PRÓSTATA P/ Edison Flávio Martins PRÓSTATA NORMAL Peso: 15 a 20 gr Localização: Abaixo da bexiga Atravessada pela uretra Função: Reprodutiva DOENÇAS DA PRÓSTATA Infecção: Prostatite aguda e

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO (Carcinoma de Pulmão)

CÂNCER DE PULMÃO (Carcinoma de Pulmão) 11 CÂNCER DE PULMÃO (Carcinoma de Pulmão) INTRODUÇÃO O pulmão é local freqüente de infecções, metástases e tumores benignos e malignos. Aproximadamente 90 a 95% dos tumores pulmonares são carcinomas broncogênicos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA AFECÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA AFECÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA AFECÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES Autora: Débora Ferreira Diehl PORTO ALEGRE 2011 UNIVERSIDADE

Leia mais

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata O Câncer de Próstata O câncer de próstata é o segundo tumor mais comum no sexo masculino, acometendo um em cada seis homens. Se descoberto no início, as chances de cura são de 95%. O que é a Próstata A

Leia mais

Boletim Informativo 6-2007

Boletim Informativo 6-2007 PEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS TTOI ICCOLLOGI IAA Conforme muitos pedidos de médicos veterinários e também por solicitação de muitos proprietários, podemos contar agora com um

Leia mais

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

Anatomia e Histologia

Anatomia e Histologia Anatomia e Histologia - Órgão retroperitoneal - Pesa 20 g - Conjunto de glândulas tubuloalveolares - Dividido em 4 zonas: Periférica Central Transicional Estroma fibromuscular anterior Anatomia e Histologia

Leia mais

www.rhvida.com.br Copyright RHVIDA S/C Ltda.

www.rhvida.com.br Copyright RHVIDA S/C Ltda. A próstata é uma glândula que só existe no homem. Tem como função produzir substâncias que vão ajudar a tornar o sêmen mais fluido, facilitando a viagem dos espermatozóides. Quando nos alimentamos, o que

Leia mais

Posso fazer a barba?

Posso fazer a barba? A UU L AL A Posso fazer a barba? Você estudou na Aula 6 as transformações que acontecem durante a puberdade feminina. Agora chegou a hora de falarmos da puberdade masculina. Para os meninos, a puberdade

Leia mais

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA CONTRIBUIÇÃO DA ULTRASSONOGRAFIA NO DIAGNÓSTICO DE LITÍASES EM URETRA PENIANA EM UM SCHNAUZER: RELATO DE CASO NATHALIA BRANT MALTA SALGUEIRO 1, PATRÍCIA DE CASTRO STEHLING 2, PAULA LAISE RIBEIRO DE OLIVEIRA

Leia mais

Câncer de próstata. O que você deve saber. Marco A. Fortes HNMD

Câncer de próstata. O que você deve saber. Marco A. Fortes HNMD Câncer de próstata O que você deve saber Marco A. Fortes HNMD Incidência do câncer em homens no Brasil em 1999 Localização Homens % Pele 19500 15,0 Pulmão 14800 11,6 Próstata 14500 11,4 Estômago 13600

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013)

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Blanker MH, Breed SA, van der Heide WK, Norg RJC, de Vries A, Wolters RJ, van den Donk M, Burgers JS, Opstelten W,

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA E RADIOGRÁFICA EM UM CÃO COM PROSTATOMEGALIA SUBMETIDO À PROSTATECTOMIA TOTAL: RELATO DE CASO RESUMO

AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA E RADIOGRÁFICA EM UM CÃO COM PROSTATOMEGALIA SUBMETIDO À PROSTATECTOMIA TOTAL: RELATO DE CASO RESUMO AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA E RADIOGRÁFICA EM UM CÃO COM PROSTATOMEGALIA SUBMETIDO À PROSTATECTOMIA TOTAL: RELATO DE CASO FONTELES, Z.G.C. 1 ; VITORINO FILHO, R.N.L. 2 ; VERÇOSA, B.L.A. 3* ; ALCÂNTARA,

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Oi, pai! Nós, da RHVIDA, queremos congratular você pelo seu dia. www.rhvida.com.br. Copyright RHVIDA S/C Ltda.

Oi, pai! Nós, da RHVIDA, queremos congratular você pelo seu dia. www.rhvida.com.br. Copyright RHVIDA S/C Ltda. Oi, pai! Nós, da RHVIDA, queremos congratular você pelo seu dia. Se você não é pai com certeza é filho, e então vamos parabenizar você e seu pai. Você sabe que existem muitas coisas a fazer pelo seu filho.

Leia mais

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário CIRURGIAS DO OSS SISTEMA URINÁRIO Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas Escola de Medicina Vetrinária -UFBA Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES Traumatismos Urolitíase

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Sistema Urinário

ANATOMIA HUMANA II. Sistema Urinário ANATOMIA HUMANA II Educação Física Sistema Genito-urinário Prof. Me. Fabio Milioni Sistema Urinário Função Excretar substâncias do corpo urina (Micção) (ác. úrico, ureia, sódio, potássio, etc) Órgãos rins

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

Sistema reprodutor masculino

Sistema reprodutor masculino Sistema reprodutor masculino O sistema reprodutor masculino é composto por: Testículos Vias espermáticas Glândulas anexas Pênis Saco escrotal Assim como o pênis está localizado externamente ao corpo,

Leia mais

Anhanguera - Uniderp

Anhanguera - Uniderp Anhanguera - Uniderp CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA A SELEÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICO- VETERINÁRIA - PRMV R1 / TURMA 2012 ÁREA DE CLÍNICA E CIRURGIA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral

Leia mais

Arquivo criado por RH VIDA. Entendendo ser importante, solicitamos e conseguimos autorização para sua divulgação.

Arquivo criado por RH VIDA. Entendendo ser importante, solicitamos e conseguimos autorização para sua divulgação. Arquivo criado por RH VIDA. Entendendo ser importante, solicitamos e conseguimos autorização para sua divulgação. Academia Snooker Clube Sorocaba - SP Paulo Dirceu Dias www.snookerclube.com.br paulodias@pdias.com.br

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Saúde da Próstata. XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo. Claudio B. Murta

Saúde da Próstata. XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo. Claudio B. Murta Divisão de Clínica Urológica Saúde da Próstata XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo Claudio B. Murta Médico Urologista Coordenador do Centro de Referência do Homem Hospital de Transplantes

Leia mais

Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor. Funções corporais são reguladas por dois sistemas principais: Sistema Nervoso

Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor. Funções corporais são reguladas por dois sistemas principais: Sistema Nervoso Curso - Psicologia Disciplina: Bases Biológicas do Comportamento Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor Sistema Endócrino Funções corporais são reguladas por dois sistemas

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO Bexiga urinária Vesícula seminal Canal deferente Osso Púbis Pênis Uretra Corpos cavernosos Glande peniana Prepúcio Escroto Testículo Glândula bulbouretal

Leia mais

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos pancreáticos (principal e acessório) Gatos: Ducto biliar

Leia mais

CÂNCER DE PRÓSTATA M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O

CÂNCER DE PRÓSTATA M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O CÂNCER DE PRÓSTATA M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O A Evolução nos Conhecimentos e métodos de diagnóstico e tratamento do câncer de próstata ao longo do tempo Em 1536 a próstata foi descrita

Leia mais

Patologia Geral. Adaptações Celulares. Carlos Cas4lho de Barros Augusto Schneider. h:p://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/

Patologia Geral. Adaptações Celulares. Carlos Cas4lho de Barros Augusto Schneider. h:p://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Patologia Geral Adaptações Celulares Carlos Cas4lho de Barros Augusto Schneider h:p://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Adaptações Celulares Alterações do: Volume celular aumento = hipertrofia - diminuição

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES ATRAVÉS DA PALPAÇÃO RETAL E CITOPATOLOGIA

AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES ATRAVÉS DA PALPAÇÃO RETAL E CITOPATOLOGIA AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES ATRAVÉS DA PALPAÇÃO RETAL E CITOPATOLOGIA PROSTATIC DISEASES EVALUATION BY RECTAL PALPATION AND CYTOPATHOLOGY IN DOGS Autores: Dala Kezen Vieira, Jorge Castro,

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS

HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS DEFINIÇÕES EVENTRAÇÃO EVISCERAÇÃO HÉRNIA eventração eventração eventração evisceração HÉRNIAS Hérnias abdominais Hérnia abdominal interna Hérnias verdadeiras Hérnias falsas

Leia mais

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos SISTEMA GENITAL MASCULINO Testículos - São as gônadas ou glândulas sexuais masculinas. Estes encontram-se alojados numa bolsa de pele, o escroto (saco escrotal); - Na fase embrionária estão dentro da cavidade

Leia mais

FINASTEC. (finasterida)

FINASTEC. (finasterida) FINASTEC (finasterida) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido revestido 5mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: FINASTEC finasterida APRESENTAÇÃO Comprimido revestido de 5mg Embalagem

Leia mais

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO Aspectos Radiográficos Normais de Rins e Ureteres Visualização variável da imagem renal quanto ao número, forma, contorno, tamanho, posição e densidade (intermediária entre

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1)

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) Reunião de casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) CASO 1 História Clínica Identificação: RN de E. B., 2º dia de vida História fisiológica: RNAT; AIG; cesareana

Leia mais

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO O sistema reprodutivo masculino é constituído de diversos órgãos peculiares que atuam em conjunto para produzir espermatozóides e liberá- los no sistema reprodutor

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL Universidade Federal do Acre Centro de Ciências da Saúde e do Desporto PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS PROF. DR. CRESO MACHADO LOPES Tutor NOVEMBRO AZUL CAMPANHA DE

Leia mais

CASO CLÍNICO. Geysa Câmara

CASO CLÍNICO. Geysa Câmara CASO CLÍNICO Geysa Câmara C.P.S,sexo feminino, 43 anos, parda, casada, dona de casa, natural de São Paulo,católica. QP: Cólicas fortes o H.D.A: Paciente refere que há 4 anos apresentava ardor miccional,

Leia mais

PATOLOGIA DA PRÓSTATA. Nathália Moura da Silva Guércio Residente da Patologia do HU/UFJF

PATOLOGIA DA PRÓSTATA. Nathália Moura da Silva Guércio Residente da Patologia do HU/UFJF PATOLOGIA DA PRÓSTATA Nathália Moura da Silva Guércio Residente da Patologia do HU/UFJF 12/08/2013 Objetivos Prostatites Hiperplasia nodular prostática Neoplasias Anatomia 20 a 30gr Órgão retroperitoneal

Leia mais

Doenças Prostáticas e Testiculares em Cães

Doenças Prostáticas e Testiculares em Cães 10 Damaris Nogueira Doenças Prostáticas e Testiculares em Cães São Paulo/SP 2013 11 Damaris Nogueira Doenças Prostáticas e Testiculares em Cães Monografia apresentada como requisito final à obtenção do

Leia mais

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Profa. Letícia Lotufo Função Reprodutiva: Diferenciação sexual Função Testicular Função Ovariana Antes e durante a gravidez 1 Diferenciação sexual Sexo Genético

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012)

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Gieteling MJ, Van Dijk PA, De Jonge AH, Albeda FW, Berger MY, Burgers JS, Geijer RMM, Eizenga WH traduzido do original em holandês

Leia mais

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa Fisiologia das aves Sistema reprodutivo Aparelho Reprodutor da Fêmea Espécie Gallus gallus domesticus Até o sétimo dia do desenvolvimento embrionário não existe uma diferenciação entre macho e fêmea. As

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação Sistema Urinário Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional IV juliana.pinheiro@kroton.com.br O organismo animal depende de várias reações metabólicas para se manter vivo e saudável. Estas reações

Leia mais

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun EXAMES MICROBIOLÓGICOS Profa Dra Sandra Zeitoun Exames microbiológicos Os microorganismos que causam doenças infecciosas são definidos como patógenos, pois se multiplicam e causam lesão tecidual. Todos

Leia mais

14/4/2015. Quando as bactérias entram nos rins ou na bexiga urinária, se multiplicam na urina e causam ITU. As ITU inferiores incluem:

14/4/2015. Quando as bactérias entram nos rins ou na bexiga urinária, se multiplicam na urina e causam ITU. As ITU inferiores incluem: UNESC FACULDADES ENFERMAGEM NEFROLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES A infecção do trato urinário (ITU) é a infecção ou colonização do trato urinário (rins, ureteres, bexiga e uretra) por microorganismos. A infecção

Leia mais

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis Filipe Martinho, DVM III Congresso OMV - Novembro 2012 Oncologia e Répteis Aparentemente casos oncológicos são raros; Em colecções zoológicas até 23%

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

Deputado Carlos Gomes

Deputado Carlos Gomes 2ª edição O câncer de próstata é uma doença masculina, mas não é só aos homens que eu quero falar. O papel das mães, filhas, e s p o s a s e i r m ã s t e m s i d o imprescindível no combate ao preconceito

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis.

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. REPRODUÇÃO HUMANA APARELHO REPRODUTOR MASCULINO É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. TESTÍCULO O testículo produz espermatozóides e hormônio masculino e localiza-se

Leia mais

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem 3º Período

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem 3º Período Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem 3º Período Disciplina: Patologia Geral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013 ALTERAÇÕES DO CRESCIMENTO ALTERAÇÕES DA DIFERENCIAÇÃO

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Perpetuando a vida - 2

Perpetuando a vida - 2 A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Perpetuando a vida - 2 Atenção - Maria, olhe só o resultado do exame: positivo para gonadotrofina coriônica! Alberto e Maria olharam um para o outro, sem

Leia mais

ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES

ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ESPECIALIZAÇÃO EM CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES Julio César Ferecini Bueno Ribeirão Preto, out. 2008. JULIO CÉSAR FERECINI BUENO Aluno do

Leia mais

SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR

SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR Jatin Das Funções Reprodutivas e Hormônios Sexuais Masculinos A funções sexuais masculinas podem ser divididas em 3 subníveis principais: a espermatogênese, a realização

Leia mais

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS Estudos Clínicos revelam a eficácia de Alizin na Terapia Medicamentosa de Piometra em Cadelas A piometra nas cadelas e nas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS-PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS-PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS-PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA Exame Ultrassonográfico da próstata em caninos: Revisão de literatura.

Leia mais

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW SANTOS, Mariana Soares Pereira dos Acadêmica do curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Medicina

Leia mais

Atresia... TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO E DA DIFERENCIAÇÃO CELULAR. Agenesia, aplasia, atresia e hipoplasia

Atresia... TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO E DA DIFERENCIAÇÃO CELULAR. Agenesia, aplasia, atresia e hipoplasia PATOLOGIA GERAL CRESCIMENTO E DIFERENCIAÇÃO CELULAR VETERINÁRIA INDISPENSÁVEIS PARA OS SERES VIVOS CRESCIMENTO - multiplicação celular formação normal dos organismos e reposição TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO

Leia mais

FISIOLOGIA. 7. Sistema Reprodutor Masculino. Anatomia e Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino

FISIOLOGIA. 7. Sistema Reprodutor Masculino. Anatomia e Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino FISIOLOGIA 7. Sistema Reprodutor Masculino Sistema Reprodutor Masculino Anatomia e Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino Espermatogênese e condução do espermatozóide Função da Vesícula Seminal Função

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Anhanguera - Uniderp

Anhanguera - Uniderp Anhanguera - Uniderp CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA A SELEÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICO- VETERINÁRIA - PRMV R1 / TURMA 2012 ÁREA DE CLÍNICA E CIRURGIA DE GRANDES ANIMAIS 1. Distúrbios locomotores de

Leia mais

Constipação Resumo de diretriz NHG M94 (setembro 2010)

Constipação Resumo de diretriz NHG M94 (setembro 2010) Constipação Resumo de diretriz NHG M94 (setembro 2010) Diemel JM, Van den Hurk APJM, Muris JWM, Pijpers MAM, Verheij AAA, Kurver MJ traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

Deposteron cipionato de testosterona

Deposteron cipionato de testosterona Deposteron cipionato de testosterona EMS SIGMA PHARMA LTDA Solução I.M. 100 mg/ ml MODELO DE BULA - PACIENTE Deposteron cipionato de testosterona APRESENTAÇÕES Solução oleosa injetável 100 mg/ml em embalagem

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

DATA: / / DIA DA SEMANA: PERÍODO: ALUNO (A) : CURSO: Esta atividade será realizada no 2º horário de aula,

DATA: / / DIA DA SEMANA: PERÍODO: ALUNO (A) : CURSO: Esta atividade será realizada no 2º horário de aula, UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS Pedro Cordeiro de Sá Filho Videoendoscopia Ginecológica Retorno as atividades Tempo cirúrgico Complicações Custos Cirurgia convencional X Videolaparoscopia Estética Pós-operatório

Leia mais

Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino. Carla Cristina Zeppenfeld Doutoranda Zootecnia

Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino. Carla Cristina Zeppenfeld Doutoranda Zootecnia Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino Carla Cristina Zeppenfeld Doutoranda Zootecnia Introdução Durante a gestação, a diferenciação sexual se dá ou não pela presença do hormônio antimülleriano e da

Leia mais

Manual Educativo de PaciEntEs E FaMiliarEs

Manual Educativo de PaciEntEs E FaMiliarEs Manual Educativo de Pacientes e Familiares 1 ÍNDICE MANUAL EDUCATIVO DE PACIENTES E FAMILIARES O MANUAL... 04 1. O QUE É CÂNCER?... 05 2. SINAIS DE ALERTA PARA O CÂNCER... 10 3. RECOMENDAÇÕES PARA EVITAR

Leia mais

Sistema genital feminino pudendo feminino lábios maiores lábios menores clitóris vestíbulo vaginal clitóris uretra

Sistema genital feminino pudendo feminino lábios maiores lábios menores clitóris vestíbulo vaginal clitóris uretra Sistema Reprodutor 1. Sistema genital feminino a) Órgãos - Clítoris - Vagina - Útero - Tubas uterinas - Ovários b) Hormônios sexuais femininos c) Controle hormonal do ciclo menstrual d) Fecundação O sistema

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG BRAGATO, Nathália. 1 ; PÁDUA, Fernanda Maria Ozelim de 1 ; COSTA, Ana Paula Araújo.; SILVA,

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

Exame Andrológico em Cães

Exame Andrológico em Cães Exame Andrológico em Cães ProfªIsabel Candia Nunes da Cunha UENF Indicações Compra ou venda de reprodutores Seleção de doadores para o uso em IA Diagnóstico de patologias do sistema genital masculino Histórico

Leia mais