PREFERÊNCIA NA MARCAÇÃO DE CRUZAMENTO RODOCICLOVIÁRIO? UMA INFORMACAO INCORRETA NO TRÂNSITO PODE CUSTAR CENTENAS DE VIDAS!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFERÊNCIA NA MARCAÇÃO DE CRUZAMENTO RODOCICLOVIÁRIO? UMA INFORMACAO INCORRETA NO TRÂNSITO PODE CUSTAR CENTENAS DE VIDAS!"

Transcrição

1 SÍNTESE DA TESE PREFERÊNCIA NA MARCAÇÃO DE CRUZAMENTO RODOCICLOVIÁRIO? UMA INFORMACAO INCORRETA NO TRÂNSITO PODE CUSTAR CENTENAS DE VIDAS! CÁSSIO M. HONORATO (Promotor de Justiça - Foro Regional de Colombo) Tese a ser apresentada durante o Seminário Estadual do Ministério Público do Paraná, em , nos termos da Res. 2729/2015-PGJ, de Área: Política Institucional e Administrativa (art. 2º, inc. III). O Ministério Público deve orientar os órgãos de trânsito em relação à correta interpretação da legislação de trânsito relacionada às regras de circulação e conduta nos locais de cruzamento entre a pista de rolamento e as ciclovias (ou ciclofaixas), vez que não existe previsão legal de preferência dos ciclistas nos locais sinalizados com a Marcação de Cruzamento Rodocicloviário (MCC); bem como recomendar às Autoridades de Trânsito que retifiquem os informativos relacionados à inexistente preferência de ciclistas, substituindo a orientação agressiva e incorreta pela orientação protetiva ou preventiva; e adotar providências para que sejam implantadas linhas de retenção e legendas PARE nas ciclovias e ciclofaixas, nas proximidades dos cruzamentos rodocicloviários, de modo a informar corretamente os usuários da via e proporcionar segurança aos participantes vulneráveis do trânsito. EXPOSIÇÃO Há alguns meses tem-se ouvido (lido e debatido com os órgãos de trânsito, em Curitiba) INFORMAÇÕES INCORRETAS que vêm sendo transmitidas ao público, no sentido que os ciclistas possuem preferência nos cruzamentos entre a pista de rolamento e as ciclovias (ou ciclofaixas) 1. Alguns membros da Secretaria Municipal de Trânsito, em Curitiba (SETRAN), chegaram a utilizar a denominação faixas de segurança para travessia de ciclistas em cruzamentos. 2 A denominação correta (e prevista na legislação de trânsito brasileira) é Marcação de Cruzamento Rodocicloviário 3 (MCC) e a mencionada preferência dos ciclistas não existe, pois não se encontra prevista nos 1 CTB. Anexo I. CICLOFAIXA - parte da pista de rolamento destinada à circulação exclusiva de ciclos, delimitada por sinalização específica. [...]. CICLOVIA - pista própria destinada à circulação de ciclos, separada fisicamente do tráfego comum. 2 Cruzamento entre a Rua Lysimaco Ferreira da Costa e a via compartilha denominada Rua Euclides Bandeira, no Centro Cívico, em Curitiba - PR. Imagem captada em 09.Jul Sinalização Horizontal prevista no item 6.5., do Volume IV, do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito, aprovado pela Resolução n. 236, de , do CONTRAN. Disponível em: [http://www.denatran.gov.br/publicacoes/download/manual_horizontal_resolucao_236.pdf]. Acesso em 31.Mar.2015.

2 Capítulos III ou IV, do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), que preveem as normas gerais de circulação e conduta dos participantes do fenômeno trânsito e as normas relacionadas aos pedestres e condutores de veículos não motorizados ; tampouco a mencionada preferência foi prevista pelo Volume IV, do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito (aprovado pela Resolução n. 236/2007, do Conselho Nacional de Trânsito CONTRAN), que contém normas de colocação e de relacionamento da MCC com outras sinalizações. Exemplo da mencionada orientação equivocada encontra-se nos informativos distribuídos pelo DETRAN-PR, no dia 09.Mar.2015, denominados Pedestre Seguro e Ciclista Seguro (folhetos da campanha Se Liga no Trânsito ). Vejamos o conteúdo das informações impressas nos folders: 1) Aos PEDESTRES, que têm preferência assegurada por lei (art. 70, CTB), a orientação é a seguinte: [...] SÓ A FAIXA NÃO BASTA. Confiar só na faixa de pedestre é muito perigoso. Antes de atravessar, é preciso ter certeza de que o motorista está vendo você. Trata-se de cautela positiva e merecedora de aplausos por reforçar a segurança dos pedestres. Nesse sentido, merece ser denominada orientação protetiva ou preventiva. 2) Diversa, no entanto, é a orientação constante do Informativo Ciclista Seguro, em que consta expressamente: VOCÊ TEM A PREFERÊNCIA. Ao atravessar um cruzamento, a preferência é sua. Mas, ainda assim, é bom ficar de olho nos veículos à sua esquerda para não ser fechado, hein. Além de incorreta, a informação pode induzir os participantes do trânsito em erro e gerar grave prejuízo à segurança dos ciclistas. Assim, passa a ser denominada orientação agressiva e incorreta e, como exposto abaixo, precisa ser combatida por todos os órgãos que integram o Esforço Legal para a realização do Trânsito Seguro, ora incluído o Ministério Público.

3 Verifica-se nas mensagens constantes dos folders (acima destacados) a injustificada mudança de orientação oferecida aos pedestres e aos ciclistas. Por se tratar de participantes vulneráveis do trânsito, 4 a orientação preventiva e voltada a proporcionar maior segurança aos pedestres também deveria ser adotada nas campanhas e folders direcionados à segurança dos ciclistas. Nesse sentido, aliás, merece destaque a norma inserta no art. 21, inc. II, do CTB, que atribui aos órgãos e entidades executivos de trânsito o dever de promover o desenvolvimento da circulação e da segurança dos ciclistas. 5 A divulgação dessa informação relacionada à preferência dos ciclistas, além de incorreta e sem amparo na legislação de trânsito brasileira, poderá induzir os ciclistas em erro e causar eventos 6 com resultado morte no trânsito. Desse modo, a orientação agressiva e incorreta (constante do folder Ciclista Seguro, acima destacado) precisa ser substituída pela orientação protetiva ou preventiva (a exemplo do Informativo Pedestre Seguro ), de modo a proporcionar segurança aos participantes vulneráveis do trânsito. FUNDAMENTOS JURÍDICOS A legislação de trânsito constitui um complexo e intrincado 7 conjunto de regras, composto por normas constitucionais, legais e infralegais, que precisa ser corretamente interpretado para evitar a divulgação de informações incorretas e grave prejuízo à segurança viária. Para a compreensão do tema (i.e., inexistência de preferência dos ciclistas nas MCC) e para proporcionar correta interpretação (sistemática) 8 das normas de circulação e condutas relacionadas aos cruzamentos entre a pista de rolamento e as ciclovias (ou ciclofaixas), torna-se imperiosa a revisão de alguns conceitos e normas constantes da legislação de trânsito brasileira: 4 Segundo o Relatório da Situação Mundial da Segurança no Trânsito, elaborado pela Organização Mundial da Saúde - OMS, em 2013, três grupos são considerados participantes vulneráveis do trânsito: motociclistas (23%), pedestres (22%) e ciclistas (5%), por representarem juntos mais da metade das mortes no trânsito. Destaca-se no original: Half of the world s road traffic deaths occur among motorcyclists (23%), pedestrians (22%) and cyclists (5%) i.e. vulnerable road users with 31% of deaths among car occupants and the remain 19% among unspecified road users. (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Global status report on road safety 2013: supporting a decade of action. Genebra: OMS, p. 06. Disponível em: [http://www.who.int/violence_injury_prevention/road_safety_status/2013/en/]. Acesso em 19.Jul.2015.) 5 CTB. Art. 21. Compete aos órgãos e entidades executivos rodoviários da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, no âmbito de sua circunscrição: [...]; II [...] e promover o desenvolvimento da circulação e da segurança dos ciclistas. Para o desenvolvimento deste parágrafo reconheço e agradeço as sugestões do Major RICARDO ALVES DA SILVA, da Polícia Militar de Santa Catarina (informação pessoal recebida por , em 03.Abr.2015). 6 Não obstante o termo acidente de trânsito constar expressamente do artigo 277 do CTB e de Norma da ABNT, tem-se sugerido a substituição da expressão por evento de trânsito. Justifica-se a substituição do termo e a formação de nova mentalidade porque um acidente consiste em um evento que geralmente pode ser evitado. Afasta-se, desse modo, a falsa noção de mera fatalidade sobre os acidentes de trânsito; atribuindo-se à conduta humana que gerou o evento juridicamente relevante o devido grau de responsabilidade. Nesse sentido, confira HONORATO, Cássio M. O Trânsito em Condições Seguras. Campinas: Millennium, p Extremamente complexa e intrincada é a legislação de trânsito. Pode-se dizer que esta é composta por uma verdadeira colcha de retalhos. Acrescentam-se, ainda, uma série de incoerências e de incorreções praticadas pelo legislador federal e a sucessão de inúmeras resoluções do Contran, por vezes, sem o necessário rigor técnico-científico. (HONORATO, Cássio M. Trânsito: infrações e crimes. Campinas: Millenium, p. 25.) 8 Métodos e tipos dogmáticos de interpretação. [...]. Os problemas sintáticos referem-se a questões de conexão das palavras nas sentenças: questões léxicas; à conexão de uma expressão com outras expressões dentro de um contexto: questões lógicas; e à conexão das sentenças num todo orgânico: questão sistemática. (FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito. São Paulo: Atlas, p. 260.)

4 1) Bicicletas são veículos (Anexo I ao CTB) 9 e encontram-se classificadas junto ao art. 96 do CTB como veículos movidos a propulsão humana. Desse modo, o ciclista é condutor de veículo e somente em uma situação equipara-se ao pedestre: quando desmontado e empurrando a bicicleta (art. 68, 1º, CTB). 10 2) A regra de preferência inserta no art. 70 do CTB 11 destina-se exclusivamente aos pedestres (podendo ser estendida ao ciclista que, desmontado, empurra a bicicleta, na forma do art. 68, 1º). Logo, só existe faixa de segurança para pedestres e não se pode falar em faixas de segurança para travessia de ciclistas em cruzamentos. 3) A norma inserta no art. 29, 2º do CTB 12 (erroneamente invocada pelos defensores da informação incorreta que está sendo divulgada por alguns órgãos de trânsito) não estabelece regras de preferência no trânsito. A regra contém referência ao princípio da solidariedade (ou da fraternidade, que deveria reger a participação coletiva nas vias terrestres), por isso utiliza a expressão serão sempre responsáveis pela segurança dos menores. Se fosse uma regra de preferência, (i) estaria descrita no caput do art. 29; (ii) não começaria com a expressão respeitadas as normas de circulação e conduta ; e, como consequência, (iii) revogaria todas as demais regras descritas no caput do art. 29. A título de argumentação, caso fosse interpretada como regra de preferência, os veículos automotores menores (ou leves) teriam preferência sobre os ônibus e caminhões em qualquer situação, gerando enorme prejuízo às regras de preferência do art. 29 do CTB. 4) A partir dessas considerações conclui-se que a suposta preferência dos ciclistas nos cruzamentos entre a pista de rolamento e as ciclovias (ou ciclofaixas) não existe, pois não se encontra prevista nos Capítulos III ou IV, do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), tampouco no Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito (Volume IV, aprovado pela Resolução 236/2007, do CONTRAN). 5) O art. 214, inc. I, do CTB 13 (que descreve como infração de trânsito deixar de dar preferência de passagem a pedestre e a veículo não motorizado: I que se encontre na faixa a ele destinada ) encontra fundamento em duas situações diversas: (a) Em relação aos pedestres, que se encontrarem na faixa de segurança a eles destinada, o fundamento é o art. 70 do CTB, acima mencionado; (b) Em relação aos pedestres (fora da faixa) e aos ciclistas, a infração de trânsito volta-se à norma inserta no art. 38, parágrafo único, do CTB, 14 de 9 CTB. Anexo I. BICICLETA - veículo de propulsão humana, dotado de duas rodas, não sendo, para efeito deste Código, similar à motocicleta, motoneta e ciclomotor. 10 CTB. Art º O ciclista desmontado empurrando a bicicleta equipara-se ao pedestre em direitos e deveres. 11 CTB. Art. 70. Os pedestres que estiverem atravessando a via sobre as faixas delimitadas para esse fim terão prioridade de passagem, exceto nos locais com sinalização semafórica, onde deverão ser respeitadas as disposições deste Código. Parágrafo único. Nos locais em que houver sinalização semafórica de controle de passagem será dada preferência aos pedestres que não tenham concluído a travessia, mesmo em caso de mudança do semáforo liberando a passagem dos veículos. 12 CTB. Art º Respeitadas as normas de circulação e conduta estabelecidas neste artigo, em ordem decrescente, os veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, pela incolumidade dos pedestres. 13 CTB. Art Deixar de dar preferência de passagem a pedestre e a veículo não motorizado: I - que se encontre na faixa a ele destinada; [...].Infração - grave; Penalidade - multa. 14 CTB. Art. 38. Antes de entrar à direita ou à esquerda, em outra via ou em lotes lindeiros, o condutor deverá: [...]. Parágrafo único. Durante a manobra de mudança de direção, o condutor deverá ceder passagem aos pedestres e ciclistas, aos veículos que transitem em sentido contrário pela pista da via da qual vai sair, respeitadas as normas de preferência de passagem. A norma inserta no art. 38, par. único do CTB, também se encontra prevista no art. 16, item 2, da Convenção sobre Trânsito Viário (CTV), celebrada em Viena em , e promulgada no Brasil por meio do Decreto n /1981. Para o desenvolvimento da nota reconheço e agradeço as sugestões do Major RICARDO ALVES DA SILVA, da Polícia Militar de Santa Catarina (informação pessoal recebida por , em 18.Mar.2015).

5 modo que antes de entrar à direita ou à esquerda, em outra via ou em lotes lindeiros, o condutor deverá ceder passagem aos pedestres e ciclistas. Acrescente-se, quanto à aplicabilidade do art. 214, inciso I, do CTB, que o Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (aprovado pela Resolução n. 371/2010, do CONTRAN) somente permite a autuação em local não semaforizado, sinalizado com marcação rodocicloviária, quando o ciclista já tiver iniciado a travessia. 15 Reunidas essas normas, conclui-se que a infração somente se caracteriza quando reunidas essas três condições: (1ª) na hipótese de mudança de direção, em que o condutor do veículo entra à esquerda ou à direita (em uma via ou lote lindeiro), (2ª) em local não semaforizado, e (3ª) interrompe a marcha do pedestre, que se encontra no passeio, ou do ciclista, na ciclovia; que já houver iniciado a travessia. A infração descrita no art. 214, inc. I, do CTB, encontra-se relacionada à mudança de direção por se tratar de manobra turbativa (denominação utilizada por WALDYR DE ABREU); não se encontrando apta a criar uma regra de preferência em cruzamentos entre a pista de rolamento e a ciclovia (ou a ciclofaixa). Em relação às manobras turbativas (lícitas ou ilícitas), vale destacar a doutrina pátria: A conciliação necessária entre segurança e fluidez impõe outro princípio nem sempre bem percebido ou compreendido o respeito à corrente de trânsito -, em busca de maior harmonia e, sobretudo, menos surpresas entre os usuários da via pública. Como adverte Barreiro, é um princípio que não tem formulação expressa, mas realmente inspira todo o Código: Em circulação, deve-se partir da base de que a marcha retilínea de um veículo é a normalidade, ao passo que as manobras de qualquer tipo são anormalidades perturbadoras. [...] Segundo Paulino Ferrari, no que concerne à responsabilidade dos protagonistas dos sinistros rodoviários, deveria valer (em uma racional e simples regra de tráfego) o princípio: manobra turbativa lícita é suspeita, ilícita é culpável. Nos sinistros, com o concurso de várias pessoas, há sempre à origem do evento e como causa principal deles a ação de um perturbador, que exorbita da regra do jogo do tráfego. Ainda no mesmo sentido, em França, é o raciocínio de F. Toché: Os acidentes devidos à perturbação, legal ou ilegal, têm esse caráter indiscutível: o perturbador é sempre o autor, então, insistimos ainda neste ponto, deve ser quem paga. 16 A partir dessa orientação peço vênia para voltar a atenção do leitor à imagem abaixo destacada (extraída do GOOGLE EARTH), em que se observa que a ciclofaixa é interrompida, muda de direção (realizando uma anormalidade perturbadora da corrente de trânsito), e transpassa de um lado para outro de uma movimentada via pública, em Curitiba-PR Para o desenvolvimento deste parágrafo reconheço e agradeço as sugestões do Capitão JULYVER MODESTO DE ARAÚJO, da Polícia Militar do Estado de São Paulo (informação pessoal recebida por , em 31.Mar.2015). 16 ABREU, Waldyr de. Código de Trânsito Brasileiro: infrações administrativas, crimes de trânsito e questões fundamentais. São Paulo: Saraiva, p Sem sublinhado ou negrito no original. 17 Imagem da Avenida Marechal Floriano Peixoto, Bairro Boqueirão, em Curitiba-PR, extraída do GOOGLE EARTH, em 07.Abr.2015.

6 O ponto de cruzamento entre a pista de rolamento (da Avenida Mal. Floriano Peixoto) e a ciclofaixa encontra-se devidamente sinalizado por meio da Marcação de Cruzamento Rodoviário (MCC). A sinalização, no entanto, não confere preferência ou prioridade aos ciclistas que pretenderem mudar de direção, cruzar a pista de rolamento e seguir na ciclofaixa que foi implantada do outro lado da via. Além de não existir a regra de preferência dos ciclistas nas MCC, também se deve observar que a mudança de direção pelos ciclistas constitui manobra turbativa que pode causar grave prejuízo à segurança viária. Nesse contexto, faz-se importante lembrar que a utilização das vias terrestres não constitui o exercício de direitos individuais, e sim um conjunto de deveres coletivos (impostos a todos os participantes do fenômeno trânsito) que reunidos proporcionarão o direito fundamental coletivo denominado Trânsito Seguro. 18 6) O art. 193 do CTB 19 proíbe a circulação de veículos em calçadas, passeios, passarelas, ciclovias, ciclofaixas e outros. Ao tratar da MCI (Marcação de Ciclofaixas ao Longo da Via), o Volume IV do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito (aprovado pela Resolução 236/2007, do CONTRAN) reforça a norma inserta no art. 193 do CTB e afirma que a MCI delimita a parte da pista de rolamento destinada à circulação exclusiva de bicicletas, denominada ciclofaixa. 7) O Volume IV do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito (acima mencionado) prevê outra espécie de sinalização para as interseções (ou cruzamentos em nível) entre a pista de rolamento e a ciclovia (ou a ciclofaixa). Esta sinalização é denominada Marcação de Cruzamento Rodocicloviário (MCC). Consta do Manual a seguinte informação: A MCC indica ao condutor de veículo a existência de um cruzamento em nível, entre a pista de rolamento e uma ciclovia ou ciclofaixa. Destaca-se abaixo a imagem constante do item 6.5., do Volume IV, do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito, com as cores e formas características da MCC: Marcação de Cruzamento Rodocicloviário: este é o termo técnico a ser empregado pelos órgãos do Sistema Nacional de Trânsito, evitando-se denominações que podem gerar dúvida e risco à segurança viária. 18 O sistema de trânsito não se sustenta com atitudes individualistas e cada regra descumprida é uma potencial fonte de riscos para os outros participantes. Riscos que vão de meros aborrecimentos cotidianos a verdadeiras tragédias. Exatamente por isso, dirigir veículo automotor não constitui uma liberdade pura e plena, exigindo-se para seu exercício que o pretendente esteja qualificado, preencha os requisitos legais e obtenha a autorização estatal. Como quase tudo nessa vida, não há direitos sem responsabilidades, e para o pleno gozo desta liberdade individual, necessário se faz o seu justo equilíbrio com o direito coletivo de segurança. (BRASIL. STJ. REsp n DF. Voto do Ministro MARCO AURÉLIO BELLIZZE, p j. em 28.Mar Disponível em: [https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=atc&sequencial= &num_r egistro= &data= &tipo=51&formato=pdf]. Acesso em 28.Dez.2014.) 19 CTB. Art Transitar com o veículo em calçadas, passeios, passarelas, ciclovias, ciclofaixas, ilhas, refúgios, ajardinamentos, canteiros centrais e divisores de pista de rolamento, acostamentos, marcas de canalização, gramados e jardins públicos: Infração - gravíssima; Penalidade - multa (três vezes).

7 INTERPRETAÇÕES EQUIVOCADAS E CONFUSÃO ENTRE CICLOVIA E MCC Quatro equívocos na interpretação da legislação de trânsito brasileira estão conduzindo a uma falsa conclusão e à divulgação de informações incorretas: 1º equívoco: o art. 70 do CTB refere-se exclusivamente aos pedestres; não se aplicando aos ciclistas (salvo na hipótese do art. 68, 1º, em relação às faixas de pedestres; não se aplicando às MCC), vez que as bicicletas são veículos. 2º equívoco: o art. 214, inc. I, do CTB, ao tratar dos veículos não motorizados, encontra lastro no art. 38, par. único, do CTB, e no art. 16, item 2, da CTV. Desse modo, Antes de entrar à direita ou à esquerda, em outra via ou em lotes lindeiros, o condutor deverá: [...] ceder passagem aos pedestres e ciclistas [...]. A infração, portanto, encontra-se relacionada a uma manobra turbativa consistente em (i) mudança de direção, em que o condutor do veículo entra à esquerda ou à direita (em uma via ou lote lindeiro), (ii) em local não semaforizado, e (iii) interrompe a marcha do pedestre, que se encontra no passeio, ou do ciclista na ciclovia; quando o pedestre ou o ciclista já houver iniciado a travessia. 3º. O artigo 29, 2º, do CTB, não estabelece regra de preferência no trânsito, como demonstrado no item anterior. Evidencia-se, nesse aspecto, a necessidade de interpretação sistemática das normas de circulação e conduta no trânsito para evitar equívocos. Aliás, bem adverte TÉRCIO SAMPAIO FERRAZ JÚNIOR: nunca leia só um artigo, leia também os parágrafos e os demais artigos. 20 4º. Não se deve confundir MCI e MCC. A MCI (Marcação de Ciclofaixa) delimita a parte da via destinada à circulação exclusiva de bicicletas. Quando a ciclovia e a ciclofaixa são interceptadas pelas faixas que integram a pista de rolamento, deixa de existir a ciclovia e surge um cruzamento em nível. Esse cruzamento, então, deve ser sinalizado por meio de MCC (Marcação de Cruzamento Rodocicloviário). No ponto de cruzamento, deixa de existir a proibição de circulação de veículos automotores (por óbvio, senão não seria um cruzamento!) e não se aplica a preferência do art. 70 por não se tratar de faixa de segurança para pedestres, e sim de MCC. Essa informação encontra-se demonstrada pelo desenho inserto no item 6.5, do Volume IV do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito, que prevê a implantação de linhas de retenção e da legenda PARE nas ciclovias ou nas ciclofaixas, nas proximidades do cruzamento com a pista de rolamento. 20 [...], quando se enfrentam as questões de compatibilidade num todo estrutural, fala-se em interpretação sistemática (stricto sensu). A pressuposição hermenêutica é a da unidade do sistema jurídico do ordenamento. [...]. A primeira e mais importante recomendação, nesse caso, é de que, em tese, qualquer preceito isolado deve ser interpretado em harmonia com os princípios gerais do sistema para que se preserve a coerência do todo. Portanto, nunca se deve isolar o preceito nem no seu contexto (a lei em tela, o código: penal, civil etc.) e muito menos na sua concatenação imediata (nunca leia só um artigo, leia também os parágrafos e os demais artigos). (FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito. São Paulo: Atlas, p. 262.)

8 Interessante destacar as regras de colocação e de relacionamento das MCC com outras sinalizações viárias, que se encontram previstas no Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito: Colocação: A marcação deverá ser feita ao longo da interseção, de maneira a mostrar ao ciclista a trajetória a ser obedecida. Relacionamento com outras Sinalizações: Em locais onde houver semáforo, é obrigatória a colocação de linhas de retenção para todas as aproximações do cruzamento, obedecendo à mesma distância determinada para as faixas de travessia de pedestres. Em cruzamento não semaforizados podem ser utilizadas linhas de retenção para as aproximações referentes a veículos motorizados. Em via interceptada por ciclovia ou ciclofaixa, não semaforizado deve ser colocado o sinal A- 30b Passagem sinalizada de ciclistas, podendo ser acrescida a mensagem A... m. 21 A colocação da MCC tem por finalidade mostrar ao ciclista a trajetória a ser obedecida. Não há qualquer referência à suposta preferência dos ciclistas. A orientação revelada pelo item relacionamento com outras sinalizações é exatamente a inversa: prevê a implantação de linhas de retenção e da legenda PARE, antes do cruzamento da ciclovia (ou da ciclofaixa) com a pista de rolamento. Caso a suposta regra de preferência existisse, seria determinada a utilização da placa R-1 (de Parada Obrigatória), nos cruzamentos não semaforizados; a exemplo do que expressamente prevê o item 6.8. do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito, ao tratar da Marcação de Cruzamento Rodoferroviário (MCF). 22 A sinalização obrigatória para a MCF não é prevista para a MCC. Reunidas essas informações, pode-se afirmar que a legislação de trânsito brasileira exige a implantação da sinalização denominada Marcação de Cruzamento Rodocicloviário (MCC) em todos os cruzamentos rodocicloviários. Esta sinalização, porém, não confere preferência aos ciclistas! Divulgar uma regra de preferência inexistente e introduzir nos Manuais, folders e Campanhas de Segurança Viária uma informação incorreta constitui fator de risco à segurança dos participantes vulneráveis do trânsito, pois poderá induzir em erro os ciclistas que utilizam as ciclovias ou ciclofaixas, e gerar conflito nos pontos de cruzamento com a pista de rolamento. A existência concreta de risco à vida dos participantes do trânsito revela a necessidade de trazer o tema a debate, durante o Seminário Estadual do MP-PR, pois a realização do direito à Segurança Viária e a redução do número de mortes no trânsito também constituem desafios do Ministério Público Contemporâneo. 21 Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito, Volume IV. Disponível em: [http://www.denatran.gov.br/publicacoes/download/manual_horizontal_resolucao_236.pdf]. Acesso em 31.Mar Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito, Volume IV, item 6.8: Marcação de cruzamento rodoferroviário (MCF). [...]. Em cruzamento não semaforizado, deve ser utilizado o sinal R-1 Parada obrigatória.

9 CONCLUSÃO: NECESSIDADE DE ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO Assim, considerando as informações incorretas que estão sendo divulgadas pelos órgãos de trânsito em relação às normas de circulação e conduta em cruzamentos sinalizados com Marcação de Cruzamento Rodocicloviário (MCC), tanto em campanhas de segurança como em materiais publicitários. Considerando que a legislação de trânsito brasileira não confere preferência aos ciclistas que se encontram nos cruzamentos sinalizados com MCC. Considerando que o Trânsito Seguro constitui direito fundamental de segunda dimensão 23, e tendo em consideração que o Ministério Público precisa reconhecer seu papel como catalisador do Esforço Legal para realização do Trânsito Seguro e contribuir para a redução do número de mortes no trânsito, 24 o Ministério Público deve orientar os órgãos de trânsito (tanto em nível federal, estadual e municipal) em relação à correta interpretação da legislação de trânsito relacionada às regras de circulação e conduta nos locais de cruzamento entre a pista de rolamento e as ciclovias (ou ciclofaixas), vez que não existe previsão legal de preferência dos ciclistas nos locais sinalizados com a Marcação de Cruzamento Rodocicloviário (MCC). Em complemento, o Ministério Público deve recomendar e adotar providências, junto aos órgãos e entidades do Sistema Nacional de Trânsito, para que: 1.1. os materiais publicitários e as campanhas de segurança no trânsito contenham informações corretas, com linguagem simples e clara; adotando orientação que fomente condutas mais seguras e que possa reduzir os riscos aos usuários das vias terrestres, em especial aos participantes vulneráveis (motociclistas, ciclistas e pedestres) do fenômeno trânsito; 1.2. as campanhas ou materiais contendo informações incorretas ou que tenham adotado a orientação agressiva (v.g., a constante do folder Ciclista Seguro ) sejam recolhidos e inutilizados; 1.3. as Autoridades de Trânsito retifiquem a informação e os materiais de campanha (consistentes em informativos, folders ou manuais) relacionados à suposta preferência de ciclistas nos cruzamentos entre a pista de rolamento e as ciclovias (ou ciclofaixas); substituindo a orientação agressiva e incorreta pela orientação protetiva ou preventiva, de modo a evitar que uma informação incorreta seja divulgada e coloque em risco a segurança dos participantes do trânsito. 2. O Ministério Público também deve recomendar e adotar providências para que as Autoridades de Trânsito implantem, nos locais de cruzamento entre a pista de rolamento e as ciclovias (ou ciclofaixas), a seguinte sinalização viária: 23 Em relação ao direito social e coletivo ao Trânsito Seguro e o conjunto de deveres precisa ser reconhecido e cumprido diuturnamente para a realização pelo do trânsito em condições seguras e a proteção dos direitos inalienáveis à vida e à incolumidade física dos usuários das vias terrestres, vale conferir HONORATO, Cássio M. Trânsito Seguro: Direito Fundamental de Segunda Dimensão. RT 911, ano 100, p , set A Tese O Ministério Público como Agente de Enforcement e a Garantia do Direito Fundamental ao Trânsito Seguro foi defendida e aprovada por unanimidade durante o Encontro Estadual do Ministério Público do Paraná, em 29.Out.2011, bem como no XIX Congresso Nacional do Ministério Público, realizado em Belém (do Pará), no período de 23 a 26 Nov Texto publicado nos Anais do XIX Congresso Nacional do Ministério Público: Amazônia, direitos humanos e sustentabilidade. Rio de Janeiro: Lumen Juris, p

10 na pista de rolamento, o sinal A-30-b Passagem sinalizada de ciclistas, podendo ser acrescida a mensagem A... metros ; e 2.2. nas ciclovias ou ciclofaixas, linhas de retenção (item 6.1. do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito) e a legenda PARE (item 9.3, do referido Manual), antes do cruzamento com a pista de rolamento; de modo a evitar dúvidas em relação à inexistência de regra de preferência decorrente da MCC. 3. Em atenção ao contido no art. 90, 1º, do CTB, 27 o Ministério Público deve orientar e adotar providências para que os órgãos do Sistema Nacional de Trânsito promovam a revisão de toda a sinalização de trânsito implantada em sua circunscrição, retificando aquelas que forem incorretas e implantando as placas, marcas e legendas necessárias, na hipótese de falta ou deficiência da sinalização existente. Cumpre ao Ministério Público, como instituição democrática vocacionada à defesa dos direitos sociais e coletivos, atuar em favor do Trânsito Seguro, impedindo que informações incorretas sobre regras de preferência no trânsito sejam divulgadas, pois uma informação incorreta pode custar centenas de vidas! Curitiba, 24 de Julho de CÁSSIO M. HONORATO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ABREU, Waldyr de. Código de Trânsito Brasileiro: infrações administrativas, crimes de trânsito e questões fundamentais. São Paulo: Saraiva, p. BRASIL. Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito. Volume IV, aprovado pela Resolução n. 236, de , do CONTRAN. Disponível em: [http://www.denatran.gov.br/publicacoes/download/manual_horizontal_resolucao_236.pdf]. Acesso em 31.Mar BRASIL. STJ. REsp n DF. Voto do Ministro MARCO AURÉLIO BELLIZZE. j. em 28.Mar Disponível em: [https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=atc&sequencial= &num_registro= &data= &tipo=51&formato=PDF]. Acesso em 28.Dez FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão, dominação. São Paulo: Atlas, p. 25 Cruzamento entre a Rua Lysimaco Ferreira da Costa e a via compartilha denominada Rua Euclides Bandeira, no Centro Cívico, em Curitiba - PR. Imagem captada em 09.Jul Cruzamento entre a Rua Mariano Torres e a Rua Benjamin Constant, no Centro de Curitiba - PR. Imagem captada em 15.Jul CTB. Art. 90. Não serão aplicadas as sanções previstas neste Código por inobservância à sinalização quando esta for insuficiente ou incorreta. 1º O órgão ou entidade de trânsito com circunscrição sobre a via é responsável pela implantação da sinalização, respondendo pela sua falta, insuficiência ou incorreta colocação.

11 HONORATO, Cássio M. Trânsito: infrações e crimes. Campinas-SP: Millennium, p.. O Trânsito em Condições Seguras. Campinas-SP: Millennium, p.. Trânsito Seguro: Direito Fundamental de Segunda Dimensão. RT 911, ano 100, p , set ISSN O Ministério Público como agente de Enforcement e a garantia do direito fundamental ao Trânsito Seguro. Anais do XIX Congresso Nacional do Ministério Público: Amazônia, direitos humanos e sustentabilidade. Rio de Janeiro: Lumen Juris, p ISBN n (Tese defendida e aprovada por unanimidade durante o Encontro Estado do Ministério Público do Paraná, em 29.Out.2011, bem como no XIX Congresso Nacional do Ministério Público, realizado em Belém (do Pará), no período de 23 a 26 Nov ) ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Global status report on road safety 2013: supporting a decade of action. Genebra: OMS, Disponível em: [http://www.who.int/violence_injury_prevention/road_safety_status/2013/en/]. Acesso em 19.Jul.2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PEDESTRES O PEDESTRE NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO. São Paulo, setembro de 2.007

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PEDESTRES O PEDESTRE NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO. São Paulo, setembro de 2.007 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PEDESTRES O PEDESTRE NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO São Paulo, setembro de 2.007 2 CODIGO DE TRANSITO BRASILEIRO -PEDESTRES- INDICE 2 CAPITULO I (Artigos 1 a 4) sem citação de

Leia mais

Instrução Normativa 02/2013 DIRGE/DIRGRAD

Instrução Normativa 02/2013 DIRGE/DIRGRAD Instrução Normativa 02/2013 DIRGE/DIRGRAD Estabelece os procedimentos para o encaminhamento das ocorrências registradas de servidores e discentes pelo serviço de vigilância no âmbito do Câmpus Dois Vizinhos

Leia mais

Í N D I C E PRÓLOGO 5

Í N D I C E PRÓLOGO 5 Í N D I C E PRÓLOGO 5 CAPÍTULO I - EDUCAÇÃO E SEGURANÇA NO TRÂNSITO Trânsito e transporte II) EDUCAÇÃO E SEGURANÇA NO TRÂNSITO Objetivos da educação e segurança para o trânsito A educação para o trânsito

Leia mais

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva SINALIZAÇÃO HORIZONTAL Profa. Mariana de Paiva 3. INSTRUMENTOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO 3.2 SINALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Sinalização Vertical Sinalização Horizontal Sinais Luminosos Dispositivos de Sinalização

Leia mais

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Infrações referentes a sinais, bloqueios e prioridades (Artigos 208 a 217 do CTB)

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Infrações referentes a sinais, bloqueios e prioridades (Artigos 208 a 217 do CTB) Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Fichas individuais dos enquadramentos Infrações referentes a sinais, bloqueios e prioridades (Artigos 208 a 217 do CTB) Art. 208. Avançar o sinal

Leia mais

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Fichas individuais dos enquadramentos

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Fichas individuais dos enquadramentos Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Fichas individuais dos enquadramentos Infrações referentes ao estacionamento e às paradas (Artigos 181 a 183 do CTB) Art. 181. Estacionar o veículo:

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Espaço Cicloviário. Critérios de Projeto Volume 13 Revisão 0

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Espaço Cicloviário. Critérios de Projeto Volume 13 Revisão 0 Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA Espaço Cicloviário Critérios de Projeto Volume 13 Revisão 0 GPL/Normas Dezembro-2014 Introdução Esta norma de projeto faz parte do Manual

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 6.207, de 2013

PROJETO DE LEI Nº 6.207, de 2013 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 6.207, de 2013 (Apensado o PL nº 6.761, de 2013) Altera a Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979, que dispõe sobre o parcelamento do solo urbano, a

Leia mais

Introdução ao Mundo Cicloviário.

Introdução ao Mundo Cicloviário. Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte III Educação e legislação cicloviária. Brasília, Novembro de 2008. Lei 9.503, de 23 de setembro de 1997. O Código de Tâ Trânsito Brasileiro i em 1998 tratout a bicicleta

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE OBJETIVO DO PROGRAMA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE O objetivo do Programa de Proteção ao Pedestre, da Secretaria Municipal de Transportes SMT é criar a cultura de respeito ao pedestre, resgatando os

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Rodízio. Critérios de Projeto Revisão 0. Volume 12

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Rodízio. Critérios de Projeto Revisão 0. Volume 12 Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA Rodízio Critérios de Projeto Revisão 0 Volume 12 Fevereiro - 2014 Introdução Esta norma de projeto faz parte do Manual de Sinalização Urbana,

Leia mais

Normas gerais de circulação e conduta

Normas gerais de circulação e conduta Normas gerais de circulação e conduta É muito importante a leitura do Capítulo III Normas Gerais de Circulação e Conduta, que vai dos artigos 26 ao 67, contidos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Leia mais

www.detran.pr.gov.br

www.detran.pr.gov.br www.detran.pr.gov.br INFELIZMENTE, A MAIOR PARTE DOS ACIDENTES COM MORTES NO TRÂNSITO BRASILEIRO ENVOLVEM MOTOCICLISTAS. POR ISSO, O DETRAN PREPAROU ALGUMAS DICAS IMPORTANTES PARA VOCÊ RODAR SEGURO POR

Leia mais

c Publicada no DOU de 2-9-2003.

c Publicada no DOU de 2-9-2003. RESOLUÇÃO DO CONTRAN N o 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de

Leia mais

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização 8. A sinalização Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do Manual de Direção Defensiva do DENATRAN Através da sinalização, os responsáveis pelo trânsito transmitem

Leia mais

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Engate para reboque: afinal, pode ou não pode? Julyver Modesto de Araújo* Apesar de a norma ter sido publicada em 31/07/06, somente no final do mês de janeiro de 2007 é que as primeiras

Leia mais

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

RELATÓRIO QUADRIMESTRAL - LEI MUNICIPAL Nº 8.291/ 2007 - PERÍODO DE 01/05/14 A 31/08/14. I - Multas por Enquadramento

RELATÓRIO QUADRIMESTRAL - LEI MUNICIPAL Nº 8.291/ 2007 - PERÍODO DE 01/05/14 A 31/08/14. I - Multas por Enquadramento 74550 Excesso de velocidade superior em até 20% ao permito na via 17.344 85,13 1.476.494,72 73662 Dirigir veículo utilizando-se de telefone celular 4.366 85,13 371.677,58 60503 Avançar o sinal vermelho

Leia mais

SUMÁRIO A PRIORIDADE DOS PEDESTRES SEGUNDO O CTB CAPÍTULO IV - DOS PEDESTRES E CONDUTORES DE VEÍCULOS NÃO MOTORIZADOS

SUMÁRIO A PRIORIDADE DOS PEDESTRES SEGUNDO O CTB CAPÍTULO IV - DOS PEDESTRES E CONDUTORES DE VEÍCULOS NÃO MOTORIZADOS TEMPO DE VERMELHO INTERMITENTE/PISCANTE EM SEMÁFOROS DE PEDESTRES, SEGUNDO O CTB CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO E A BOA PRÁTICA DE SEGURANÇA NA ENGENHARIA DE TRÁFEGO Sergio Ejzenberg SUMÁRIO APRESENTAÇÃO

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq Infrações, Penalidades e Medidas Administrativas wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui

Leia mais

Carlos Augusto Tavares. Patrícia Paulozi. Dênnia Almeida

Carlos Augusto Tavares. Patrícia Paulozi. Dênnia Almeida Carlos Augusto Tavares Patrícia Paulozi Dênnia Almeida Printed in Brazil Dênnia Almeida (Org.) O trânsito e a bicicleta Direitos e deveres para ciclistas CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO ARTIGOS RELACIONADOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a Política Nacional de Trânsito, seus fins e aplicação, e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando da competência

Leia mais

Placas de regulamentação. R-4a Proibido virar à esquerda. R-8a Proibido mudar de faixa ou pista de trânsito da esquerda para direita

Placas de regulamentação. R-4a Proibido virar à esquerda. R-8a Proibido mudar de faixa ou pista de trânsito da esquerda para direita Sinalização Sinalização vertical Código de Trânsito Brasileiro (CTB) Anexo II Conselho Nacional de Trânsito (Contran) De acordo com sua função, a sinalização vertical pode ser de regulamentação, de advertência

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº / 05

PROJETO DE LEI Nº / 05 PROJETO DE LEI Nº / 05 DISPÕE SOBRE O USO DA BICICLETA E O SISTEMA CICLOVIÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Uberlândia, APROVA: Art. 1º. Esta lei regula o uso da bicicleta e o sistema

Leia mais

Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano

Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Legislação de Trânsito 14, neste material. 115 Para

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO O veículo estacionado, afastado da guia da calçada (meio fio) a mais de um metro, faz do seu condutor um infrator cuja punição será: 1 retenção do veículo e multa, infração média. 2 apreensão do veículo

Leia mais

João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs

João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Bicicletas e ciclovias João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs O veículo Um prisma com: Largura: 1,0m Comprimento: 1,75m Altura: 2,25m Vantagens para saúde Ciclismo é um dos esportes aeróbicos

Leia mais

PARECER Nº 010/09 I INTRODUÇÃO

PARECER Nº 010/09 I INTRODUÇÃO 1 PROCESSO Nº: 125416209 INTERESSADO: Superintendência Municipal de Trânsito de Jataí ASSUNTO: Legalidade do Estacionamento de viaturas Policiais sobre passeios e calçadas. PARECER Nº 010/09 I INTRODUÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06)

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores,

Leia mais

FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES

FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES 1 FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES Londrina (PR) 2009 Caro cidadão londrinense: 2 Londrina quer um trânsito mais seguro. E convida você para entrar nesta campanha. Esta cartilha traz informações sobre como

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), no que diz respeito às infrações, analise as assertivas a seguir. I. Confiar ou entregar a direção de veículo à pessoa

Leia mais

Código de Trânsito Brasileiro

Código de Trânsito Brasileiro Código de Trânsito Brasileiro O Código de Trânsito Brasileiro estipula competência a setores federais, estaduais e municipais, para aplicar as penalidades de acordo com as infrações que o cidadão cometeu.

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5.1 Placas de identificação Posicionam o condutor ao longo do seu deslocamento, ou com relação a distâncias, ou locais de destino. 5.1.1 Placas de identificação

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO LEI COMPLEMENTAR 024 de 17 de outubro de 2011 DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIARIO DO MUNICIPIO DE SANGÃO-SC E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Antônio Mauro Eduardo, Prefeito Municipal de Sangão, faz saber a todos os

Leia mais

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015.

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. DISPÕE SOBRE A MUNICIPALIZAÇÃO DO TRÂNSITO E TRANSPORTE NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE ALTO GARÇAS E CRIA O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO E A JUNTA ADMINISTRATIVA

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015)

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015) ( 2015) 1 Art. 24. Compete aos órgãos e entidades executivos de trânsito dos Municípios, no âmbito de sua circunscrição: Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009.

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Trânsito - CMT, órgão executivo de trânsito, vinculado à Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito, em conformidade

Leia mais

1. O QUE É SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO?... 3 2. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO... 4

1. O QUE É SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO?... 3 2. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO... 4 SUMÁRIO 1. O QUE É SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO?... 3 2. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO... 4 2.1. Sinalização Vertical... 6 2.1.1. Sinalização de Regulamentação... 7 2.1.2. Sinalização de Advertência...

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes 21 3. Referenciais "Se a mobilidade física é condição essencial da liberdade, a bicicleta talvez tenha sido o instrumento singular mais importante, desde Gutenberg, para atingir o que Marx chamou de plena

Leia mais

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Nota Técnica 232 2014 Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Max Ernani Borges De Paula Banco de dados de vítimas dos acidentes de trânsito fatais A Companhia de Engenharia de Tráfego realiza

Leia mais

Vamos começar pelas recomendações mais gerais e obrigatórias.

Vamos começar pelas recomendações mais gerais e obrigatórias. Normas gerais de circulação ABETRAN Detalhadas pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) em mais de 40 artigos, as Normas Gerais de Circulação e Conduta merecem atenção especial de todos os usuários da

Leia mais

NOVO SIMULADO DE SINALIZAÇÃO 2012

NOVO SIMULADO DE SINALIZAÇÃO 2012 1 O procedimento do pedestre diante da sinalização semafórica, identificada na cartela pelo código SS-07 é: a) Atenção; b) Pode seguir; c) Pare o veículo; d) Proibido a travessia; 2 São placas utilizadas

Leia mais

Lei 12.971/2014 As infrações de Trânsito, Novas Confusões para o DENATRAN, CONTRAN e os DETRANs

Lei 12.971/2014 As infrações de Trânsito, Novas Confusões para o DENATRAN, CONTRAN e os DETRANs Lei 12.971/2014 As infrações de Trânsito, Novas Confusões para o DENATRAN, CONTRAN e os DETRANs Elaborado por Ricardo Alves da Silva, Major da Polícia Militar de Santa Catarina* Especialista em Gestão

Leia mais

Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências.

Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências. RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 214, de 13/11/2006 Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO - CONTRAN,

Leia mais

TABELA DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO* DESCRIÇÃO DA INFRAÇÃO PENALIDADE PONTUAÇÃO COMPETÊNCIA. Multa (x3) e Apreensão do Veículo

TABELA DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO* DESCRIÇÃO DA INFRAÇÃO PENALIDADE PONTUAÇÃO COMPETÊNCIA. Multa (x3) e Apreensão do Veículo 501-0 502-9 503-7 504-5 505-3 506-1 507-0 508-8 509-6 TABELA DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO* veículo sem possuir Carteira Nacional de Habilitação ou Permissão para. veículo com Carteira Nacional de Habilitação

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade, de avanço de sinal vermelho e da parada sobre a faixa de pedestres de veículos automotores,

Leia mais

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO No Brasil a Engenharia de Tráfego evoluiu como um ramo da Engenharia a partir do final da década de 50, face ao aumento do processo de urbanização causado

Leia mais

SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI N.º 2.741 DE 2003

SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI N.º 2.741 DE 2003 SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI N.º 2.741 DE 2003 Altera a Lei n.º 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, para dispor sobre a obrigatoriedade do envio de mensagens

Leia mais

A Utilização da Bicicleta como Meio de Transporte. Silvia T. N. Gaviolli Miron Centro Educacional SESI 106 São Carlos

A Utilização da Bicicleta como Meio de Transporte. Silvia T. N. Gaviolli Miron Centro Educacional SESI 106 São Carlos A Utilização da Bicicleta como Meio de Transporte Silvia T. N. Gaviolli Miron Centro Educacional SESI 106 São Carlos São Carlos Maio 2012 Introdução Costumamos ouvir que vivemos em uma sociedade sobre

Leia mais

SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL

SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL GERÊNCIA DE OPERAÇÕES VIÁRIAS TRANSERP Planejamento Viário SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL Eng. José Antônio S. Gonçalves 2006 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Cidade de RIBEIRÃO PRETO SP. PLANEJAMENTO

Leia mais

DIREITOS E DEVERES DOS CICLISTAS

DIREITOS E DEVERES DOS CICLISTAS ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo DIREITOS E DEVERES DOS CICLISTAS Patrocínio 2013 capa.indd 2 4/4/2013 16:02:49 COMISSãO permanente DO MeIO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de faixa elevada para travessia de pedestres em vias públicas. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando

Leia mais

PORTARIA Nº 407, DE 27 DE ABRIL DE 2011.

PORTARIA Nº 407, DE 27 DE ABRIL DE 2011. PORTARIA Nº 407, DE 27 DE ABRIL DE 2011. O DIRETOR SUBSTITUTO DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições legais que lhe conferem os incisos I e XIII do artigo 19 da Lei nº

Leia mais

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS Em 2010, a cidade de São Paulo registrou 7.007 atropelamentos resultando na morte de 630 pedestres. Apesar de representar uma

Leia mais

Infrações e Penalidades

Infrações e Penalidades Infrações e Penalidades Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste código, da legislação complementar ou das resoluções do CONTRAN, sendo o infrator sujeito às

Leia mais

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas 4 Regras de Trânsito 4-1 Regras de trânsito no Japão No Japão, as regras de trânsito são estabelecidas respectivamente para, automóveis e motos, bicicletas. Recomenda-se a assimilação rápida e correta

Leia mais

Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO M. NAGAO 5060215720/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio GERAL. Especialidade / Subespecialidade

Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO M. NAGAO 5060215720/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio GERAL. Especialidade / Subespecialidade 0 EMISSÃO INICIAL 08/03/10 LG WV Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Coordenador de Projeto CREA / UF ENGº WILSON VIEIRA 060040558/SP Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. Leia o texto a seguir para responder às questões de 01 a 07. QUESTÃO 06

LÍNGUA PORTUGUESA. Leia o texto a seguir para responder às questões de 01 a 07. QUESTÃO 06 UFG/CS CMTC - 2010 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto a seguir para responder às questões de 01 a 07. País cumpre só 1/3 das metas para a educação Relatório feito sob encomenda para o Ministério da Educação

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE Código de Trânsito Brasileiro LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997 e LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR Atualizado até a LEI Nº 12.865, DE 9 DE OUTUBRO DE 2013 A UFIR foi extinta, sendo congelada no valor de R$

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração LEI Nº. 5.126 De 04 de janeiro de 2007. Dispõe sobre a colocação e a permanência de caçambas para a coleta de resíduos inorgânicos nas vias e logradouros públicos do município de Ourinhos. A Câmara Municipal

Leia mais

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Dispõe sobre a regulamentação de posicionamento de caçambas usadas na remoção de entulhos,

Leia mais

ANEXO I DOS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Para efeito deste Código adotam-se as seguintes definições: ACOSTAMENTO - parte da via diferenciada da pista de

ANEXO I DOS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Para efeito deste Código adotam-se as seguintes definições: ACOSTAMENTO - parte da via diferenciada da pista de ANEXO I DOS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Para efeito deste Código adotam-se as seguintes definições: ACOSTAMENTO - parte da via diferenciada da pista de rolamento destinada à parada ou estacionamento de veículos,

Leia mais

Manual do Ciclista. Ciclovia. Pronta pra você curtir uma vida mais saudável.

Manual do Ciclista. Ciclovia. Pronta pra você curtir uma vida mais saudável. Manual do Ciclista Ciclovia. Pronta pra você curtir uma vida mais saudável. Pedala BH. O programa que vai mudar a cara da cidade. Pedala BH é o programa criado pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

Engenharia de Segurança Viária

Engenharia de Segurança Viária Engenharia de Segurança Viária Transporte sustentável salva vidas Através da promoção do transporte sustentável, a EMBARQ Brasil está trabalhando para reduzir a poluição, melhorar a saúde pública e criar

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo)

PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo) *C0052969A* C0052969A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo) Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para fiscalização da velocidade de veículos automotores, elétricos, reboques e semi-reboques, conforme o Código de Trânsito

Leia mais

Santa Cecília do Pavão

Santa Cecília do Pavão LEI N 759/2014 SÚMULA: DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIÁRIO DO MUNICÍPIO DE SANTA CECÍLIA DO PAVÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS; Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado do Paraná, aprovou e eu, José Sérgio Juventino,

Leia mais

DEMAIS INFRAÇÕES PREVISTAS NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO...

DEMAIS INFRAÇÕES PREVISTAS NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO... SUMÁRIO 1. DEMAIS INFRAÇÕES PREVISTAS NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO... 3 1.1. Infrações Gravíssimas... 4 1.2. Infrações Graves... 6 1.3. Infrações Médias... 10 2 1. DEMAIS INFRAÇÕES PREVISTAS NO CÓDIGO

Leia mais

SP 09/95 NT 193/95. Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência. Arqº Luis Fernando C. Figueiredo. 1.

SP 09/95 NT 193/95. Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência. Arqº Luis Fernando C. Figueiredo. 1. SP 09/95 NT 193/95 Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência Arqº Luis Fernando C. Figueiredo 1. Introdução Apresentam-se neste artigo as disposições referentes aos veículos policiais,

Leia mais

Volume I Sinalização Vertical de Regulamentação. Volume II Sinalização Vertical de Advertência. Volume III Sinalização Vertical de Indicação.

Volume I Sinalização Vertical de Regulamentação. Volume II Sinalização Vertical de Advertência. Volume III Sinalização Vertical de Indicação. 1. APRESENTAÇÃO O Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito, elaborado pela Câmara Temática de Engenharia de Tráfego, da Sinalização e da Via, abrange todas as sinalizações, dispositivos auxiliares,

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 001/2013

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 001/2013 TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 001/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS, por meio da Procuradoria Distrital dos Direitos do Cidadão e da 2ª Promotoria de Justiça de Delitos de

Leia mais

Tabela das Multas. Infração Gravíssima Valor/Multa Tipos de Penalidades R$ 191,54 R$ 574,61

Tabela das Multas. Infração Gravíssima Valor/Multa Tipos de Penalidades R$ 191,54 R$ 574,61 Tabela das Multas 7 pontos na CNH Infração Gravíssima Valor/Multa Tipos de Penalidades Dirigir com a carteira já vencida há mais de 30 dias Recolhimento da carteira e retenção do veículo Não reduzir a

Leia mais

Questões Comentadas Do Código de Trânsito Brasileiro Lei 9.503/97. 300 questões comentadas Do Código de Trânsito Brasileiro Lei 9.

Questões Comentadas Do Código de Trânsito Brasileiro Lei 9.503/97. 300 questões comentadas Do Código de Trânsito Brasileiro Lei 9. 300 questões comentadas 1 Para adquirir a apostila digital de 300 Do Código de Trânsito Brasileiro - Lei 9.503/97 acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ATENÇÃO: ENTREGA SOMENTE POR E-MAIL ESSA

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Significado de veículo automotor na Lei nº 9.426/96 Eduardo Luiz Santos Cabette* A Lei 9426/96 realizou alterações no Código Penal Brasileiro, interessando-nos neste trabalho especificamente

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

Das Infrações de Trânsito Cap XV. Instrutor: 3 Sgt Macedo

Das Infrações de Trânsito Cap XV. Instrutor: 3 Sgt Macedo Das Infrações de Trânsito Cap XV Instrutor: 3 Sgt Macedo CAP. XV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou

Leia mais

AS DENOMINADAS CICLOVIAS CARIOCAS: UMA AVALIAÇÃO À LUZ DA LEGISLAÇÃO FEDERAL E DAS RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS. Regina Malaguti 1. Camilo Michalka Jr.

AS DENOMINADAS CICLOVIAS CARIOCAS: UMA AVALIAÇÃO À LUZ DA LEGISLAÇÃO FEDERAL E DAS RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS. Regina Malaguti 1. Camilo Michalka Jr. 7 e 8 Novembro 2012 ISSN 2175-3695 AS DENOMINADAS CICLOVIAS CARIOCAS: UMA AVALIAÇÃO À LUZ DA LEGISLAÇÃO FEDERAL E DAS RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS Regina Malaguti 1 Camilo Michalka Jr. 2 RESUMO A bicicleta,

Leia mais

SUSPENSÃO DO DIREITO DE DIRIGIR POR SOMATÓRIA DE PONTOS Rodrigo Kozakiewicz

SUSPENSÃO DO DIREITO DE DIRIGIR POR SOMATÓRIA DE PONTOS Rodrigo Kozakiewicz SUSPENSÃO DO DIREITO DE DIRIGIR POR SOMATÓRIA DE PONTOS Rodrigo Kozakiewicz O atual Código de Trânsito Brasileiro (CTB), Lei 9.503/97, está em vigor há 14 anos e ainda gera muitas dúvidas nos condutores

Leia mais

Câmara dos Deputados. ANTONIO BULHÕES Deputado Federal

Câmara dos Deputados. ANTONIO BULHÕES Deputado Federal Câmara dos Deputados ANTONIO BULHÕES Deputado Federal BRASÍLIA Outubro/2009 Cidadania Consciente Guia das relações entre o indivíduo e o trânsito Síntese das infrações do Código do Trânsito Brasileiro

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Quente, Estado de Goiás, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sancionou a seguinte Lei: Capítulo I Das Disposições Gerais

A Câmara Municipal de Rio Quente, Estado de Goiás, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sancionou a seguinte Lei: Capítulo I Das Disposições Gerais LEI COMPLEMENTAR Nº 015 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2010. Dispõe sobre o Sistema viário e Mobilidade Urbana do Município de Rio Quente e dá outras providências. A Câmara Municipal de Rio Quente, Estado de Goiás,

Leia mais

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011)

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Fichas individuais dos enquadramentos Infrações referentes a cinto de segurança, cadeirinha, desatenção, não assistência, etc. (Artigos 167 a

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.993, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo)

PROJETO DE LEI N.º 4.993, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.993, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo) Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, para dispor sobre Treinamento

Leia mais

Ciclofaixas - análise da legislação e das normas brasileiras

Ciclofaixas - análise da legislação e das normas brasileiras CICLOVIAS AN P Ciclofaixas - análise da legislação e das normas brasileiras Marcos Feder Empresa Pública de Transporte e Circulação de Porto Alegre - EPTC E-mail: mfeder@eptc.prefpoa.com.br Por esse motivo,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 2.348, DE 2011 (Do Sr. Diego Andrade)

PROJETO DE LEI N.º 2.348, DE 2011 (Do Sr. Diego Andrade) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 2.348, DE 2011 (Do Sr. Diego Andrade) Altera os arts. 126, 240 e 243 da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro - CTB, para estabelecer

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro Ref.: Inquérito Civil Público n.º 1.26.001.000170/2013-45 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO EGRÉGIA 1ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Trata-se de Representação formulada em desfavor

Leia mais

Lei nº 946, de 28 de Janeiro de 2011

Lei nº 946, de 28 de Janeiro de 2011 Lei nº 946, de 28 de Janeiro de 2011 "Institui o Estatuto do Pedestre e dá outras providências" Processo: 499/09 Projeto: 039/09 Promulgação: 28/01/2011 Publicação: BOM 442, de 05/02/2011 Decreto: Alterações:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 493, DE 5 DE JUNHO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 493, DE 5 DE JUNHO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 493, DE 5 DE JUNHO DE 2014. Altera a Resolução CONTRAN nº 168, de 14 de dezembro de 2004, que trata das normas e procedimentos para a formação de condutores de veículos automotores e elétricos

Leia mais

Legislação Estadual Associada à Área de Trânsito Convenção de Viena CAPÍTULO I Generalidades

Legislação Estadual Associada à Área de Trânsito Convenção de Viena CAPÍTULO I Generalidades Legislação Estadual Associada à Área de Trânsito Convenção de Viena As Partes Contratantes, desejosas de facilitar o trânsito viário internacional, e de aumentar a segurança nas rodovias mediante a adoção

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro;

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro; RESOLUÇÃO Nº 14/98 Estabelece os equipamentos obrigatórios para a frota de veículos em circulação e dá outras providências. O Conselho Nacional de Trânsito CONTRAN, usando da competência que lhe confere

Leia mais

a) Peso Bruto Total Combinado - PBTC igual ou inferior a 74 toneladas;

a) Peso Bruto Total Combinado - PBTC igual ou inferior a 74 toneladas; RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 211, de 13/11/2006 Requisitos necessários à circulação de Combinações de Veículos de Carga - CVC, a que se referem os arts. 97, 99 e 314 do Código de Trânsito Brasileiro - CTB. O CONSELHO

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO Com as alterações das Leis: Lei nº 9.602, de 21 de janeiro de 1998 Lei nº 9.792, de

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 14. Implantação de travessia elevada nas proximidades das Estações Tubo

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 14. Implantação de travessia elevada nas proximidades das Estações Tubo Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 14 Implantação de travessia elevada nas proximidades das Estações Tubo Mirian Voss (*) Resumo Curitiba possui um sistema de transporte coletivo

Leia mais