Turismo nas Fazendas Imperiais do Vale do Paraíba Fluminense

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Turismo nas Fazendas Imperiais do Vale do Paraíba Fluminense"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ADALGISO SILVA SILVEIRA Turismo nas Fazendas Imperiais do Vale do Paraíba Fluminense Tese de doutorado apresentada ao Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo no Programa de Pós- Graduação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, como requisito para a obtenção do título de Doutor, na área de Concentração em Ciências da Comunicação da linha de Pesquisa em Turismo e Lazer. Orientador: Prof. Doutor Mário Jorge PIRES São Paulo 2007

2 TURISMO NAS FAZENDAS IMPERIAIS DO VALE DO PARAÍBA FLUMINENSE Área de concentração em Ciências da Comunicação Linha de Pesquisa em Turismo e Lazer Aprovado em / / Profº Dr. Mário Jorge Pires Presidente da Banca Banca Examinadora: Profº Dr. (a) Profº Dr. (a) Profº Dr. (a) Profº Dr. (a) São Paulo 2007

3 À minha avó Dona Isaura, que no auge dos seus 97 anos, lúcida e inteligente é inspiração para a vida. Aos meus Irmãos e Sobrinhos que sirva como exemplo de perseverança na busca do caminho do bem e da vitória pela vida. À Verônica, pela sua fé inabalável em Deus, pela paciência e a confiança na vitória. Ao meu pai, homem desprovido de qualquer sentimento de vaidade e prepotência. À minha mãe Dona Maria, a dor da saudade eterna, presente em espírito e sempre irradiando a esperança de dias melhores. In Memoriam À Evelyn Pasquale, pelo pioneirismo de uma idéia bem-sucedida. In Memoriam

4 formalidades. Este é um momento muito especial, pois não são apenas palavras para cumprir Todos aqueles que nos ajudaram e nos apoiaram são dignos não apenas de agradecimentos, mas de reconhecimento pelo que representaram e representam nesta caminhada de afirmação e esperança, para se chegar a algum lugar, que sempre foi não só um sonho, mas uma opção de vida. Este trabalho é resultado da colaboração e do desprendimento de todos que aqui citaremos, aos quais seremos eternamente gratos. A Mário Jorge, muito mais que um orientador, um conselheiro, um amigo, uma pessoa de um caráter raro nos tempos atuais, a quem devo a consolidação da carreira acadêmica. Aos professores, com os quais amenizei a insegurança e as dúvidas, fruto da inexperiência, Profª Olga, Profª Míriam, Prof. Reinaldo, Prof. René, vistos como um espelho em todos esses anos. A todos os proprietários das Fazendas pesquisadas, pela acolhida e as informações determinantes para o desfecho da pesquisa. Em especial ao pessoal da Fazenda Ponte Alta, Roberto e sua equipe do Sarau Imperial. Ao Sr. João Reis da Fazenda União, Sra. Magid da Fazenda São João da Prosperidade, Sr. Paulo da Fazenda Florença, Sra. Aparecida Pentagna da Fazenda Pau D alho, Sr. Celso da Fazenda São Paulo, Sra. Marta Brito da Fazenda do Secretário, Sra. Simone da Fazenda Mulungu Vermelho, Sra. Lílian da Fazenda Cachoeira Mato Dentro, Sr. Rubens da Fazenda Galo Vermelho, Sra. Ana da Fazenda da Taquara, ao Pe. Geraldo da Fazenda Santo Antonio do Paiol, Sr. Arturo da Fazenda Santo Antônio, Sta.

5 Cecília da Fazenda Santa Cecília, Sra. Tatiana da Fazenda São João da Barra, Sra. Débora da Fazenda Campos Elízeos. Ao Instituto PRESERVALE, na pessoa da Sra. Sônia Mattos, proprietária da Fazenda Vista Alegre, sempre prestativa e incentivadora deste trabalho. Paraíba A Sra. Nilza Rozemberg profunda conhecedora do turismo nas fazendas do Vale do Ao historiador Paulo Lamego e esposa pelo apoio e incentivo À Cristina, uma colega, uma parceira, uma irmã de coração, pelo apoio e incentivo. À Paula, amiga dos tempos iniciais, sempre presente para apoiar. Aos alunos do Curso de Turismo da UNIRIO, na pesquisa de campo. Aos alunos da primeira turma de Turismo da Cásper, emanadores de uma energia sempre positiva, À Carolina Teixeira Fazendinha, criativa e sempre disposta a colaborar. A Bárbara, sempre disposta a colaborar. informações. Aos funcionários do Depto de Pós da ECA, pelos esclarecimentos e presteza nas À Mary da Secretaria do CRP / ECA, pela ajuda no Curriculum Lattes. A todos os colegas e amigos de outras áreas, a tantos outros não citados, não propositalmente, mas que estão na minha lembrança para sempre. A todos, o privilégio em conhecê-los e tê-los no nosso universo de vida. A minha eterna gratidão.

6 Este estudo realizado com base em fontes primárias e secundárias está embasado no trabalho de campo que consiste em entrevistas e observações in loco. Consiste em analisar as Fazendas Imperiais no Vale do Paraíba Fluminense para a implementação da atividade turística. Trata do elemento histórico e da cultura material como valor capaz de alavancar o turismo, tendo como sustentáculo a história cotidiana da região do Vale do Café, no período da cafeicultura durante o século XIX. Revela resultados abrangentes para a consolidação de um novo pólo turístico regional tendo as fazendas imperiais como fator motivador da destinação. Palavras-chave: Turismo no Espaço Rural. Turismo Rural. Turismo Histórico Cultural. Interpretação patrimonial.

7 This study done with basis on primary and secondary sources is based on the fieldwork that consists on interviews and observations in loco. It consists on analyzing the Imperial Farms in the Vale do Paraíba in Rio de Janeiro in order for the implementation of tourist activity. It is about the historical element and the material culture with value enough to promote tourism, having as basis the daily life story of the Vale do Café region, in the period of coffee growing during the 19 th century. It reveals inclusive results for the consolidation of a new tourist regional pole having the imperial farms as a motivating factor of the destination. Keywords: Tourism in the Rural Space. Rural Tourism. Cultural Historic Tourism. Patrimonial Interpretation.

8 Gráfico 1: Data de fundação Gráfico 2: Área territorial da fazenda Gráfico 3: Atividade produtiva de origem Gráfico 4: Sede atual é a mesma desde a fundação Gráfico 5: Mobiliário é o mesmo desde a fundação Gráfico 6: Motivo para adquirir a fazenda Gráfico 7: proprietários herdeiros Gráfico 8: Estado de conservação da casa ao adquiri-la Gráfico 9: Realizou alguma obra de restauração na casa Gráfico 10: O que mudou na casa sede Gráfico 11: A quanto tempo está sob a direção dos atuais proprietários Gráfico 12: Atividade produtiva na atualidade Gráfico 13: Atividade produtiva principal Gráfico 14: A forma de administração da propriedade na atualidade Gráfico 15: Forma de escoamento da produção Gráfico 16: Ano de início da atividade do turismo Gráfico 17: A decisão de implantar o turismo Gráfico 18: O início da atividade, teve apoio de órgãos e de profissionais de Turismo Gráfico 19: Para as reformas obteve algum tipo de financiamento, público ou privado Gráfico 20: Serviços oferecidos por fazendas Gráfico 21: Porque trabalha com hospedagem e visitação Gráfico 22: Porque não trabalha com hospedagem Gráfico 23: Quais as vantagens de trabalhar só com visitação Gráfico 24 :O que é oferecido ao hóspede durante a estadia Gráfico 25: Principal atrativo da fazenda Gráfico 26: O que mais desperta o interesse do visitante da fazenda Gráfico 27: Período da Alta temporada Gráfico 28: Período da baixa temporada Gráfico 29: Já recebeu turista estrangeiro Gráfico 30: O turista estrangeiro tem interesse específico Gráfico 31: Estando no Brasil de onde vêm o turista estrangeiro para a região Gráfico 32: País com maior presença de turistas estrangeiros na região Gráfico 33: Período do ano mais procurado Gráfico 34: Perfil do turista estrangeiro Gráfico 35: Como chega até às fazendas Gráfico 36: Tempo de permanência na fazenda Gráfico 37: Como ficam sabendo das fazendas Gráfico 38: As agências são responsáveis pela vinda da maioria dos turistas? Gráfico 39: De onde são as agências que trabalham com as fazendas Gráfico 40: Sem a participação das agências, o número de visitantes seria o mesmo

9 Tabela 1: Data de fundação Tabela 2: Área territorial da fazenda Tabela 3: Atividade produtiva de origem Tabela 4: Sede atual é a mesma desde a fundação Tabela 5: Mobiliário é o mesmo desde a fundação Tabela 6: Motivo para adquirir a fazenda Tabela 7: proprietários herdeiros Tabela 8: Estado de conservação da casa ao adquiri-la Tabela 9: Realizou alguma obra de restauração na casa Tabela 10: O que mudou na casa sede Tabela 11:A quanto tempo está sob a direção dos atuais proprietários Tabela 12: Atividade produtiva na atualidade Tabela 13: Atividade produtiva principal Tabela 14: A forma de administração da propriedade na atualidade Tabela 15: Forma de escoamento da produção Tabela 16: Ano de início da atividade do turismo Tabela 17: A decisão de implantar o turismo Tabela 18: O início da atividade, teve apoio de órgãos e de profissionais de Turismo Tabela 19: Para as reformas obteve algum tipo de financiamento, público ou privado Tabela 20: Serviços oferecidos por fazendas Tabela 21: Porque trabalha com hospedagem e visitação Tabela 22: Porque não trabalha com hospedagem Tabela 23: Quais as vantagens de trabalhar só com visitação Tabela 24 : O que é oferecido ao hóspede durante a estadia Tabela 25: Principal atrativo da fazenda Tabela 26: O que mais desperta o interesse do visitante da fazenda Tabela 27: Período da Alta temporada Tabela 28: Período da baixa temporada Tabela 29: Já recebeu turista estrangeiro Tabela 30: O turista estrangeiro tem interesse específico Tabela 31: Estando no Brasil de onde vêm o turista estrangeiro para a região Tabela 32: País com maior presença de turistas estrangeiros na região Tabela 33: Período do ano mais procurado Tabela 34: Perfil do turista estrangeiro Tabela 35: Como chega até às fazendas Tabela 36: Tempo de permanência na fazenda Tabela 37: Como ficam sabendo das fazendas Tabela 38: As agências são responsáveis pela vinda da maioria dos turistas? Tabela 39: De onde são as agências que trabalham com as fazendas Tabela 40: Sem a participação das agências, o número de visitantes seria o mesmo

10 1 INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DO ESTUDO O café chega às terras fluminenses Do apogeu à decadência O destino das fazendas Surgem os Palacetes rurais Do abandono à restauração o turismo como salvação? As fazendas e o turismo - programação e atratividade PROBLEMA DE PESQUISA A ORIGEM E A PROPAGAÇÃO DA RUBIÁCEA PELO MUNDO E A MONOCULTURA CAFEEIRA NO VALE DO PARAÍBA FLUMINENSE A descoberta para o consumo humano A entrada e a disseminação da rubiácea no Brasil A Coroa Portuguesa ignora o café O primeiro fazendeiro de café do Brasil O Café ocupa as terras do Vale do Paraíba Fluminense: A formação das Fazendas, uma nova configuração ao Vale do Paraíba Fluminense O surgimento de uma fazenda CONCEITOS, MODALIDADES, CATEGORIAS ESPAÇO, E TURISMO Espaço O significado do Espaço Espaço Turístico Espaço Rural Espaço cultural Modalidades turísticas no Espaço Rural Turismo no Espaço Rural Turismo em áreas rurais e turismo no meio rural Turismo Rural Turismo Alternativo As fazendas Imperiais do Vale do Café Fluminense descrição histórica e implantação da atividade turística Fazenda Cachoeira Mato Dentro Vassouras RJ...52

11 3.3.2 Fazenda Florença Valença (Conservatória) RJ Fazenda Santo Antonio do Paiol Valença RJ Fazenda União Rio das Flores RJ Fazenda Campos Elízeos Rio das Flores RJ Fazenda da Taquara Barra do Piraí RJ Fazenda do Secretário Vassouras RJ Fazenda Mulungu Vermelho Vassouras RJ Fazenda Ponte Alta Barra do Piraí RJ Fazenda do Arvoredo Barra do Piraí RJ Fazenda Chacrinha Valença RJ Fazenda São Paulo Valença RJ Fazenda Pau D alho Valença RJ Fazenda Cachoeira Grande Vassouras RJ Fazenda São Fernando Vassouras RJ Fazenda Santo Antonio Rio das Flores RJ Fazenda Santa Cecília Miguel Pereira RJ Fazenda São João da Barra Miguel Pereira RJ Fazenda do Paraíso Valença RJ Fazenda São João da Prosperidade Barra do Piraí RJ Fazenda Vista Alegre Valença RJ Fazenda Galo Vermelho Vassouras RJ CLASSIFICAÇÃO DAS FAZENDAS POR CATEGORIA E SERVIÇOS PESQUISA DE CAMPO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE ANEXOS...155

12 10 1 INTRODUÇÃO Patrimônio e história, independente da dimensão populacional ou territorial, representam o passado de um povo, de uma sociedade ou de uma comunidade. Seus remanescentes materiais, simbolizam hábitos, costumes e culturas passadas, funcionando como ponto de referência e reflexões de experiências vividas, para as gerações do presente e futuras. O Vale do Paraíba Fluminense, é a região onde a lavoura do café atingiu índices máximos de produção e valorização, para, em curto espaço de tempo, se transformar no maior produto de exportação do Brasil. Com esta monocultura, fez acumular fortunas que proporcionaram a construção de residências no espaço rural, monumentais para a época. A força do dinheiro e a presença européia nos hábitos de consumo daquela sociedade do oitocentos, influenciada que foi, por modelos importados, fez surgir, em função da riqueza, mas impulsionados pelo desejo da ostentação, e a necessidade de mostrar padrão de vida, centenas de casas rurais, verdadeiros palacetes, erguidos em meio à mata, da então intocada Floresta de Mata Atlântica da Província do Rio de Janeiro. Passados um século e meio, em média, da sua existência, esses palacetes rurais, representam hoje, a memória material de uma história de contrastes e paradoxo entre a riqueza, o glamour e a decadência, retratados na sua arquitetura imponente, composta por um cenário em que se confundem, um misto de obras de arte e objetos de decoração, o que de melhor existia para a época, integrados com ferramentas de trabalho e castigo, do sistema escravista. As conjunturas econômicas, sociais e políticas, pelas quais o país enfrentou, ao longo dos dois últimos séculos, atingiram também a região do Vale Fluminense e contribuíram para que as fazendas, formadas no período de valorização do café, passassem por diversas fases, de

13 apogeu à decadência a ponto de um grande número terem desaparecido, não apenas pela ação do tempo, mas também, por fatores de ordem familiar e econômica 11 Esse conjunto de propriedades históricas, de características marcantes, e imponente arquitetura, complementado por rica decoração com objetos de época, fez com que os atuais proprietários percebessem serem essas residências um recurso para o turismo. Ao optarem pelo turismo, respeitando as suas limitações como recurso turístico, seus proprietários assim o fizeram, com um único objetivo, resgatar a história do café, do Vale do Paraíba Fluminense, dando oportunidade, para que as pessoas conheçam a vida dos personagens dessa história que transformou o país. Observadas as novas modalidades de Turismo no Espaço Rural, as Fazendas Imperiais do Vale do Café Fluminense, palacetes rurais, abertos para visitação, também funcionam como meios de hospedagem. Com base nesse patrimônio, concentrado em uma única região, a idéia de desenvolver esse estudo, nasceu de uma série de fatores influenciadores, para a decisão por sua realização. Primeiramente, a opção pelo tema, é resultante da experiência com a Dissertação de Mestrado, realizada na mesma região, sobre um estudo que indiretamente, está ligado à tese de doutorado. O tema de Mestrado, Ambientação de Base Histórica: ferramenta de incremento do turismo o exemplo de Vassouras RJ. Tinha como proposta conhecer as técnicas de interpretação do patrimônio, estudar o perfil do público e o potencial atrativo do evento, Chá Imperial, como ferramenta de revitalização de museus e casas históricas. O desenvolvimento desse estudo, é resultado da Dissertação de Mestrado, pesquisa feita a partir da experiência pioneira do Museu Casa da Hera de Vassouras no Estado do Rio de Janeiro, com educação patrimonial no ano de Na época foi apresentado nas

14 dependências do museu, O Chá Imperial que retratava parte do cotidiano da história dos Barões do Café. 12 A partir daquela data, o Chá Imperial se transformou numa experiência com Ambientação de Base Histórica. Os resultados de público serviram de modelo para outras experiências, como o Sarau Histórico da Fazenda Ponte Alta, apresentado como a principal atração da fazenda. A partir dos anos noventa, o crescimento do turismo no Brasil despertou a região do Vale do Café para uma nova realidade. A região passa a trabalhar com a possibilidade de incrementar uma nova função às antigas casas sedes das fazendas de café. Na perspectiva de descrever o tipo de turismo praticado nas Fazendas Imperiais do Vale do Paraíba Fluminense, a pesquisa avalia a forma como cada propriedade se preparou para iniciar na atividade. Na tentativa de conhecer essa modalidade de turismo, única no Brasil concentrada numa mesma região, e com os mesmos recursos, optou-se em trabalhar como amostragem, todas as fazendas associadas ao Instituto Preservale, organização não governamental que nasceu com a missão de preservar aquele patrimônio e também o meio ambiente da região. Para conhecer os recursos utilizados, todas as vinte e duas propriedades foram visitadas, seguindo um critério único para coletar dados. Em cada propriedade foram feitas visitas internas e externas, acompanhadas de entrevista com cada proprietário e, concluindo essa etapa do trabalho de campo, as edificações foram fotografadas interna e externamente, sendo esse material usado como elemento de verificação do turismo praticado individualmente e no conjunto geral, em todas as fazendas. Diante do exposto, a natureza do tema, e a delimitação dos objetivos que conferissem a probabilidade das hipóteses, levaram a estruturar o texto em três capítulos: natureza do tema; fundamentação teórica e a pesquisa de campo.

15 13 No Primeiro capítulo é apresentada a história do café, a descoberta para o consumo humano e a propagação da planta pelo mundo: Até sua chegada no Brasil, as regiões por onde foi cultivado, e a implantação no Sudeste, onde surgiu, provavelmente, o primeiro fazendeiro de café. Anos depois, o café ocupou as terras fluminenses na região do Vale do Paraíba. A formação das fazendas foi do apogeu à decadência até chegar aos dias atuais a um novo uso que foi a opção pelo turismo a partir do final do século XX e início do século XXI. O Segundo capítulo destinado a tratar do referencial teórico, apresenta o espaço enquanto território onde acontece o fenômeno do turismo em todas as suas modalidades, fator determinante do tipo de espaço consumido. Neste mesmo capítulo, o estudo traz para a discussão, o Turismo no Espaço Rural, o Turismo Rural e o Turismo Alternativo, este último para tentar definir o que se considera como alternativo hoje no turismo. O objeto de estudo, as fazendas, como elemento de fomento do turismo da região do Vale do Café, neste capítulo é feito uma descrição de cada propriedade e a forma como desenvolve o turismo. O Terceiro capítulo, apresenta a pesquisa de campo, acompanhada de entrevistas com os proprietários das fazendas. Para melhor ilustrar os resultados da compilação, tabelas e gráficos foram confeccionados, para aferir a coleta dos dados. Todos interpretados para a análise do resultado final. Como fechamento do trabalho, as conclusões a que se chegou com este estudo, deixam evidentes a perspectiva do turismo no Vale do Café Fluminense, constatando ser esse tipo de turismo implementado no Espaço Rural, da região, de características inteiramente diferenciadas ao Turismo Rural, até então praticado no Brasil.

16 14 Quanto à justificativa deste estudo, a sua realização, é oportuna por se tratar de um tema que no turismo, necessita de mais pesquisas, que contribuam para definir as diversas modalidades implantadas no espaço rural. Justifica-se a metodologia e o método aplicados, na realização do estudo, por ser o que ofereceu melhores condições ao trabalho de campo, e o mais apropriado às características do objeto de estudo. 1.1 APRESENTAÇÃO DO ESTUDO O uso do café para o consumo humano provavelmente, se deu na Etiópia no século XV, nesta época não se sabia a sua utilidade, permanecendo a planta naquele território do século XV ao século XVII. No século XVII, chega à Europa, possivelmente trazido por um Holandês, se espalhando por todo o continente, nesse mesmo período. Os primeiros países onde se registraram sua propagação foram Holanda, Inglaterra e França. No século XVIII, através das colônias britânicas, o café chega à América, nas Antilhas e na Guiana Francesa. Na segunda metade do século XVIII, o café entra no Brasil, pelo Pará, e logo se espalha por toda a Região Norte. Na Amazônia, o café foi plantado por Índios e Padres Jesuítas. No Nordeste, o cafezeiro se propagou por todas as províncias, embora se tenha conhecimento que na Província da Bahia, no século XVIII já produzia e exportava. A planta chegou ao Centro Oeste nas províncias de Mato Grosso e Goiás, para fixar com intensidade na Região Sudeste, nas províncias do Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de

17 Janeiro e São Paulo. Sendo que nas duas primeiras províncias, não tem impulso na sua produção. 15 Sua epopéia, aconteceu nas províncias do Rio de Janeiro e São Paulo. Ainda nas últimas décadas do século XVIII, a colônia cultivava como produto principal, o fumo, o açúcar e outras drogas do Sertão. Embora o café já estivesse disseminado por toda a colônia. A Coroa Portuguesa não reconhecia essa nova planta. Insistia em ignorá-la. Autoridades da Coroa, padres, bispos, botânicos, todos conhecedores e estudiosos da floresta tropical, por motivos políticos, insistiam em ignorar o café no Brasil. Portugal que dominava o comércio do açúcar, via seus estoques diminuírem. Assim, era iminente a perda do monopólio do mercado para a Holanda, Inglaterra e França. O café chega às terras do novo mundo, em um momento onde a conjuntura internacional era desfavorável à Coroa, esta que se abastecia do açúcar, do ouro e de outros produtos agrícolas da colônia. Para impedir o cultivo da planta, o governo português incentivava a produção do açúcar e outras culturas. Na colônia, os movimentos pró - independência, eram cada vez mais fortes e eclodiam em diversas partes. De Norte a Sul, já se falava nesta nova planta chegada das Antilhas. Seus resultados como bebida despertava o interesse da população, em todas as partes O café chega às terras fluminenses De planta de jardim, à monocultura produtiva, se espalha desde a capital até as regiões serranas. As primeiras plantações foram constatadas na região onde hoje é o bairro da Tijuca e a floresta do mesmo nome.

18 16 O café tomou rumos Serra acima até Petrópolis, mas não se adaptou ao clima. As geadas não favoreciam a propagação da cultura do cafeeiro. Volta para a Baixada Fluminense, na região de Santa Cruz, para novamente, subir a serra em direção às margens do Paraíba. No ano de 1790 provavelmente Rezende teria recebido as primeiras mudas. A partir dali, logo a planta se espalha nas terras fluminenses, por toda a região do Rio Paraíba. Após Rezende, a próxima área a receber o café seria a região de Vassouras. Naquele município o café se propagaria por toda a redondeza. Estava formada a região do Vale do Café. Vassouras chegou a receber o título de A capital do café do Brasil, a Terra dos Barões. Região desabitada, com floresta exuberante, terras férteis e disponíveis, tudo favorecia para a implantação da cultura do café. As famílias mineiras, Os desbravadores da região, formaram as primeiras fazendas no Vale do café. O ouro já não mais oferecia perspectivas de lucro. Os pioneiros enfrentaram as maiores dificuldades. Desafiavam os índios, colocavam em risco a própria vida. Tudo em busca de um novo eldorado. A riqueza com o café. Nasceu uma nova cultura, em meio a um conflito político, econômico e social. Os interesses da coroa, a crise do açúcar, e a mão de - obra escrava. A aventura na adversidade e a falta de técnica. Assim, começou o cultivo de café no Vale do Paraíba Fluminense. Florestas tombavam fugazmente, sem nenhuma preocupação com o meio ambiente. Eram os chamados Fazendeiros do deserto como dizia Euclides da Cunha. A produção aumentava a cada dia. Novas fazendas eram formadas com rapidez. As terras das Sesmarias, agora tinham novos donos. Tudo para o Café. A província fluminense era o novo centro do poder. Os barões se aproximavam da Corte, muda-se o destino de uma nação e a vida de uma sociedade.

19 17 Dos braços escravos constrói-se impérios, acumula-se fortunas, cria-se estilo de vida. Riqueza, Luxo, poder, glamour. É tudo muito fugaz. Tudo parecia eterno. A vida como um conto de fadas. Nada transparecia que o fim estava próximo Do apogeu à decadência Na primeira metade do século XIX, cerca de duzentas fazendas, ou quem sabe mais, foram formadas. A cada dia as exportações aumentavam, novas cidades surgiam, assim como novas fortunas. O progresso chega. A aristocracia rural constituída, goza do luxo e glamour, internacional. Essas conquistas eram às custas de mãos humanas, um futuro obscuro, com a mesma intensidade, se aproxima. As intempéries do tempo e a agressão à natureza, têm um custo. Chega a década de 1870, o começo do fim. Com os fazendeiros endividados com os bancos, mão de obra cara, prestes a acabar a escravatura, o mercado internacional em baixa, o solo esgotado e a hipoteca das fazendas, era o fim de uma época que parecia eterna. No final do século XIX, os cafezais desapareceram, mas o clarão da floresta permaneceu. Com o fim da escravidão,os barões estão falidos. É a decadência O destino das fazendas A primeira fase a possibilidade de fazer fortunas. Nesta etapa, da valorização da monocultura do café, a perspectiva do enriquecimento levou os antigos exploradores do ouro e plantadores da cana de açúcar a migrarem para o Vale Fluminense.

20 18 Homens com muita terra e pouca visão de futuro, usavam a mão de obra escrava, desmatava a floresta para cultivar o café. Sem técnica e sem preocupação com o ambiente, a floresta vinha morro abaixo e a erosão levava os nutrientes do solo. A segunda fase - as evidências da crise. Passadas poucas décadas do aparecimento e a euforia com o café, como novo horizonte de riqueza, as evidências da crise começam a surgir. Mas isso não impede que os barões levem uma vida com esbanjamento de dinheiro Surgem os Palacetes rurais As chamadas Casas Antigas, residências simples de trabalho, no estilo mineiro não duraria muito tempo. Os pioneiros migrantes da zona do ouro mineiro, tinham muito dinheiro e seus filhos, os futuros barões estudavam na Europa. A volta ao Brasil aqui chegando, com uma nova mentalidade, implementavam reformas nas antigas sedes das fazendas. Muitas foram demolidas para reconstrução, outras reformadas, alterando totalmente a edificação original. O luxo determinava o estilo de vida dos Barões. Jóias, louças, prataria, tudo era importado A partir da década de 1860, período em que já havia uma aristocracia rural consolidada, nesta fase, a Europa era o sonho de consumo. Tudo era importado do bom e do melhor. Havia um verdadeiro esbanjamento de dinheiro, e um gosto pelo luxo e a ostentação. Os Barões do café, agora uma outra geração originária dos pioneiros, conquistavam e cortejavam o Poder. A Corte torna-se mais íntima e se transforma numa referência para os novos padrões de vida.

21 19 O futuro obscuro Em meio a tanta ostentação, rondam os problemas que levariam em curto espaço de tempo à falência, os barões do café. A mentalidade conservadora e a falta de visão de futuro, não os fazem perceber que as dificuldades seriam praticamente insuperáveis. O café já não era mais o eldorado para a fortuna. A produção diminuía, faltava mão de obra para a colheita, o Brasil enfrentava forte concorrência internacional com o café de outros países. Surgem os atravessadores a alternativa era recorrer aos bancos, empréstimos eram feitos, colocando a propriedade como garantia do negócio. Os custos da produção tornaram-se altos, a produção não cobria as despesas. Uma vez vencidos os empréstimos a única solução era hipotecar as terras. A terceira fase novos donos. No início do século XX, a realidade do Vale é outra. O café definitivamente já não é lucrativo. As propriedades passam para novas mãos, (herdeiros e proprietários). Muda de donos, muda a atividade produtiva, agora é a vez da pecuária leiteira. Os casarões luxuosos são ocupados para outros fins. Cassinos, hotéis, outros continuam com a atividade agrícola, mas sem a mesma importância. O século XX é marcado por conflitos de herança envolvendo as famílias herdeiras dessas fazendas. Há uma indefinição da atividade produtiva, os testamentos reduzem drasticamente a área territorial. A falta de recursos financeiros aliado às questões de herança, fez com que, muitas dessas fazendas, hoje, restassem apenas as ruínas ou desaparecessem. Embora o tempo tenha se encarregado de manter erguida parte dessas obras primas da arquitetura rural brasileira. A partir da década de 1950 houve uma valorização da história. Assim, começou esse movimento de compras de fazendas. Os novos proprietários da época, nem sempre eram de famílias ricas, mais já eram considerados novos ricos. Parte deles, eram herdeiros dos

22 fundadores. São os mesmos os responsáveis por novas reformas, que acabaram, por falta de material, ou de técnicos especializados, tendo de alterar a originalidade dos casarões. 20 A quarta fase - de mãos em mãos. - as fazendas entram em uma nova fase a partir da década de Desse período em diante, as propriedades que no século XIX, pertenceram a uma classe de novos ricos Os Barões do Café, agora voltam para as mãos de uma nova elite, sem nenhuma ligação com as famílias fundadoras, nem com o latifúndio cafeeiro. Com algumas exceções, todas as fazendas do período da cafeicultura no Vale Fluminense não pertencem a famílias de herdeiros dos fundadores e pioneiros. Nos tempos atuais - possuir uma propriedade rural é um desejo de consumo, uma realização pessoal com o simbolismo da volta ao passado. O campo é novamente objeto de desejo de uma elite econômica com alto poder aquisitivo, ligada ao mundo empresarial, à política e outros setores econômicos Do abandono à restauração o turismo como salvação? As fazendas, com uma atividade produtiva definida, mas, não tão rentável como no passado, do período do café, com um custo de manutenção alto, vêem no turismo uma alternativa complementar de renda, embora o resgate da história da região torna-se um elemento decisivo para essa nova atividade. Essa nova fase, de abertura para o público, iniciase nos anos oitenta em algumas propriedades, mas, só a partir dos anos noventa é que a atividade veio a se consolidar. A abertura para a visitação pública trata-se de uma iniciativa dos proprietários, de valorização do patrimônio, através do acesso do público. A idéia de resgatar a história do café

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

7. Bibliografias... 10

7. Bibliografias... 10 1. Introdução... 03 2. Surgimento da Economia Açucareira... 04 3. Desenvolvimento da Economia Açucareira... 05 4. Desarticulação da Economia Açucareira... 07 5. Encerramento da Economia Açucareira... 08

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

António Clemente Pinto, Barão de Nova Friburgo

António Clemente Pinto, Barão de Nova Friburgo António Clemente Pinto, Barão de Nova Friburgo http://www.bairrodocatete.com.br/baraodenovafriburgo.html http://www.marcopolo.pro.br/genealogia/paginas/cantagalo_pinto.htm Barão de Nova Friburgo Conde

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão As Capitanias Hereditárias Grandes faixas de terra doadas pelo rei à nobreza e pessoas de confiança. Os Capitães Donatários eram os homens

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

Origem da agricultura. META Mostrar a importância da agricultura para o processo de formação econômica do Brasil.

Origem da agricultura. META Mostrar a importância da agricultura para o processo de formação econômica do Brasil. Origem da agricultura AGRICULTURA E FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL META Mostrar a importância da agricultura para o processo de formação econômica do Brasil. OBJETIVOS Ao final da aula, o aluno deverá: compreender

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca verenciar e amar, que não podemos

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE O Brasil é considerado um país de dimensões CONTINENTAIS, pois sua área de 8.514.876 Km² é quase igual a do Continente Oceânico. Ele é o 5º país em extensão territorial

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

A LENDA DO CAFÉ. Autoria desconhecida. Pastor Kaldi e suas cabras. 600 d.c. Museu Nacional da Etiópia.

A LENDA DO CAFÉ. Autoria desconhecida. Pastor Kaldi e suas cabras. 600 d.c. Museu Nacional da Etiópia. / / A LENDA DO CAFÉ Autoria desconhecida. Pastor Kaldi e suas cabras. 600 d.c. Museu Nacional da Etiópia. Autoria desconhecida. Pastor Kaldi e suas cabras. 600 d.c. Museu Nacional da Etiópia. Não há evidência

Leia mais

CONCEITOS TERRITORIAIS. Prof. Rogério

CONCEITOS TERRITORIAIS. Prof. Rogério CONCEITOS TERRITORIAIS Prof. Rogério CONCEITOS TERRITORIAIS ORIGEM E FORMAÇÃO HISTÓRICA DO TERRITÓRIO: Final do século XV expansão marítima; Extração de recursos naturais; AMÉRICA PORTUGUESA: Domínio desde

Leia mais

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO AUP 0270 - PLANEJAMENTO DE ESTRUTURAS URBANAS E REGIONAIS II PROF ANDREÍNA NIGRIELLO A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO

Leia mais

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apenas os estados de

Leia mais

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: %

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: % SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Geografia e História Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Geografia e História Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Geografia e História Nome: Conteúdo de Geografia Material Didático Páginas: de 19 a 59 Conteúdo de História Material Didático Páginas: de 7 a 51 1) A formação

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Histórico da Fazenda Tozan. Fazenda em Campinas foi o primeiro empreendimento japonês para produção de artigos manufaturados no Brasil.

Histórico da Fazenda Tozan. Fazenda em Campinas foi o primeiro empreendimento japonês para produção de artigos manufaturados no Brasil. Histórico da Fazenda Tozan (Área da Etapa de Campinas do CAMPOR 17 de maio de 2015) Fazenda em Campinas foi o primeiro empreendimento japonês para produção de artigos manufaturados no Brasil. Agricultura

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas.

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. 2 Habilidades: Observar as limitações das Guianas e suas ligações com o Brasil. 3 Colômbia 4 Maior população da América Andina. Possui duas saídas marítimas: Para o Atlântico

Leia mais

A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE. Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015

A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE. Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015 A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015 Fragmentação política Sub regiões Ístmica Insular Composição étnica: Euroameríndios Indígenas Afrodescendentes AMÉRICA CENTRAL

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

situação e ambiência códice AII-F05-Vass denominação Fazenda São Roque localização Rodovia BR 393 - Km 49,5 - Bairro Bacia da Pedra

situação e ambiência códice AII-F05-Vass denominação Fazenda São Roque localização Rodovia BR 393 - Km 49,5 - Bairro Bacia da Pedra Parceria: denominação Fazenda São Roque códice AII-F05-Vass localização Rodovia BR 393 - Km 49,5 - Bairro Bacia da Pedra município Vassouras época de construção século XIX estado de conservação detalhamento

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

BRASIL COLÔNIA (1500-1822) A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL

BRASIL COLÔNIA (1500-1822) A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL 1 - O CICLO DO AÇÚCAR Séc. XVI e XVII (auge). Nordeste (BA e PE). Litoral. Solo e clima favoráveis. Experiência de cultivo (Açores, Cabo Verde e Madeira). Mercado consumidor.

Leia mais

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias Trens turísticos e o patrimônio cultural Roberta Abalen Dias Atualmente o Turismo é considerado uma atividade de grande importância econômica, responsável por geração de emprego e renda. Tal atividade

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

VISITA PRINCIPAL VISITA COMPLEMENTAR

VISITA PRINCIPAL VISITA COMPLEMENTAR Um resgate cultural retrata através da cultura indígena, contextos históricos, sociais e ambientais do Brasil. Um passeio, cheio de vivências, momentos de integração e aprendizado sobre os primeiros habitantes

Leia mais

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr.

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr. Bureau de Inteligência Competitiva do Café Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013 www.icafebr.com PARA TER ACESSO AOS DEMAIS RELATÓRIOS DO BUREAU, NOTÍCIAS E COTAÇÕES, ACESSE:

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006 PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Observe os

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

UFSC. Resposta: 01 + 02 = 03. Comentário

UFSC. Resposta: 01 + 02 = 03. Comentário Resposta: 01 + 02 = 03 01. Correta. 04. Incorreta. O número de trabalhadores no setor primário, principalmente na agropecuária, continuou diminuindo devido à automação. O aumento ocorreu no setor de serviço.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

MOGNO BRASILEIRO. "Mogno resssurge no cerrado mineiro

MOGNO BRASILEIRO. Mogno resssurge no cerrado mineiro MOGNO BRASILEIRO A valiosa madeira mogno está sendo cultivada no norte de MG. Cresce rápido, e agricultores já a veem como futura fonte de lucro. Vejam: "Mogno resssurge no cerrado mineiro A valiosa madeira

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo CAP. 23 REGIÃO SUDESTE Prof. Clésio Farrapo 1. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO SUDESTE A Regiāo Sudeste ocupa 924.573,82 km², equivalente a 10,86% do território nacional. Grande parte desse território

Leia mais

A história do açúcar

A história do açúcar A história do açúcar Século VI a.c. O berço de uma cana muito doce Antes de existir o açúcar, tal como o conhecemos hoje, existiam apenas duas fontes de sabor doce no mundo: o mel e a cana-de-açúcar. No

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

SIMULADO DO ENEM TESTE SEUS CONHECIMENTOS

SIMULADO DO ENEM TESTE SEUS CONHECIMENTOS SIMULADO DO ENEM TESTE SEUS CONHECIMENTOS Simulado do Enem: 1 - Analise as representações cartográficas a seguir: Estas representações são anamorfoses geográficas. Uma anamorfose geográfica representa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE RESPONSABILIDADE SÓCIOCULTURAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM LOCALIZADOS NA REGIÃO SUL FLUMINENSE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE RESPONSABILIDADE SÓCIOCULTURAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM LOCALIZADOS NA REGIÃO SUL FLUMINENSE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE RESPONSABILIDADE SÓCIOCULTURAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM LOCALIZADOS NA REGIÃO SUL FLUMINENSE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Leandro de Araújo Dias Sérgio Domingos de Oliveira Sharon Fanny

Leia mais

MAPA ESTATÍSTICO DA CA- FEICULTURA BRASILEIRA

MAPA ESTATÍSTICO DA CA- FEICULTURA BRASILEIRA MAPA ESTATÍSTICO DA CA- FEICULTURA BRASILEIRA POR MESORREGIÃO E MUNICÍPIO Coffee Statistic Map By mesoregion and city APRESENTAÇÃO Visando contribuir com o debate sempre candente sobre a questão do volume

Leia mais

FAZENDAS HISTÓRICAS: COTIDIANO, GESTÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE 1 RESUMO

FAZENDAS HISTÓRICAS: COTIDIANO, GESTÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE 1 RESUMO FAZENDAS HISTÓRICAS: COTIDIANO, GESTÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE 1 RESUMO Luzia Sigoli Fernandes Costa 2 Maria Inês Rauter Mancuso 3 Neste estudo relataram-se as observações obtidas nas visitas realizadas

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

AGENCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO SUSTENTABILIDADE DOS CAMPOS GERAIS ROTA DOS TROPEIROS : ANÁLISE DE CONTEXTO ATUAL

AGENCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO SUSTENTABILIDADE DOS CAMPOS GERAIS ROTA DOS TROPEIROS : ANÁLISE DE CONTEXTO ATUAL AGENCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO SUSTENTABILIDADE DOS CAMPOS GERAIS ROTA DOS TROPEIROS : ANÁLISE DE CONTEXTO ATUAL Graziela Scalise Horodyski Tatiene Konig da Silva RESUMO: Este trabalho consiste

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA A nível mundial, o primeiro papel moeda surgiu na China, no séc. VII, na dinastia Tang, para facilitar aos comerciantes o transporte de grandes quantidades de moeda de metal,

Leia mais

ISTOÉ Independente - versão para impressão

ISTOÉ Independente - versão para impressão ISTOÉ - Independente Imprimir Comportamento Edição: 2318 25.Abr.14-20:50 Atualizado em 24.Mai.14-10:19 A briga pela fortuna Maksoud Acusações de maus- tratos com registros policiais, uso abusivo de medicamentos

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento do Programa «Pólos Florestais»

Leia mais

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe?

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe? TV Ciência: É considerado que as forças da globalização e marginalização são responsáveis por criarem dificuldades ao desenvolvimento. Pode concretizar esta ideia? Jessica Schafer: A globalização como

Leia mais

Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra

Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra Ruth Sprung Tarasantchi Depto de Artes Plásticas da ECA/USP Foi em 1981 que o Museu de Arte de São Paulo (MASP), juntamente com o Museu Paulista, mostraram uma

Leia mais

Quando olhei a terra ardente...

Quando olhei a terra ardente... Quando olhei a terra ardente... A UU L AL A Nesta aula estudaremos a região Nordeste, identificando suas principais características e sua importância para o país. Para entender suas paisagens, vamos avaliar

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO CULTIVO DE ALGODÃO EM SANTA HELENA DE GOIÁS (1960 1980)

ASPECTOS GERAIS DO CULTIVO DE ALGODÃO EM SANTA HELENA DE GOIÁS (1960 1980) 0 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA PUC-GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROFª. DRª. RENATA CRISTINA NASCIMENTO RENATA DE FREITAS MATOS ASPECTOS GERAIS DO CULTIVO DE ALGODÃO EM SANTA HELENA DE GOIÁS

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

Casa Publicadora Brasileira Editora dos Adventistas do Sétimo Dia

Casa Publicadora Brasileira Editora dos Adventistas do Sétimo Dia TE QUERO VERDE Autoria: Ieda Martins de Oliveira Editora: Casa Publicadora Brasileira Turmas: 3º ao 7º ano Temas: Arte, Geografia, História, Ciências, Língua Portuguesa, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural,

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL

HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL Protasio Ferreira e Castro (UFF ) pfcastro@oi.com.br Monique Barbosa Paiva (UFF ) paiva.nit@gmail.com Os sistemas de mensuração do desempenho ambiental

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares

Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares Geografia História Tradição Util Pública Centro urbano Além da oferta municipal, com clima agradável, incontáveis rios, cachoeiras e vilas

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Relevo H5 2 Agricultura Familiar H12 3 Revoltas Separatistas no Brasil Colonial H42 4 Período

Leia mais