O Pregão é a modalidade adequada para aquisição de próteses auditivas?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Pregão é a modalidade adequada para aquisição de próteses auditivas?"

Transcrição

1 O Pregão é a modalidade adequada para aquisição de próteses auditivas? Em relação ao tema que hoje muito se discute Pregão, sua abrangência e limitações há uma questão que repousa na conceituação da expressão bens e serviços comuns, pois, como se sabe, a Lei Federal nº /02 que institui o Pregão, como nova modalidade licitatória disponibilizou à Administração uma eficiente ferramenta de compras e contratações destinadas a atender a demanda administrativa, exclusivamente para bens e serviços comuns. I - Breve relato sobre a finalidade do pregão De forma irrefutável, o Pregão traz celeridade e economicidade, portanto, agrega eficiência à máquina administrativa tão criticada por sua lentidão e burocracia. A finalidade do Pregão é clara e congruente: trazer agilidade ao sistema de compras governamentais (celeridade) e obter a proposta mais vantajosa ao poder público (economicidade). 1 / 19

2 A CELERIDADE é explicitamente evidenciada na sessão pública do Pregão (presencial ou eletrônico) que, na grande maioria dos casos, é concluída no mesmo dia, ou seja, na mesma sessão de abertura do certame o Pregoeiro dá fim ao procedimento licitatório. Nela, observamos o simples e rápido rito procedimental: a) os licitantes são credenciados e convocados a entregar as propostas e documentos de habilitação; b) as propostas são abertas e classificadas por ordem crescente de valores; c) ocorre a fase de lances; d) examina-se o conteúdo da documentação apenas do licitante que ofertou o menor lance; e) franqueia-se vista de todos os documentos abre-se a possibilidade de manifestação de recurso; f) se não houver manifestação da intenção de recurso, adjudica-se o objeto da licitação ao licitante vencedor, colocando fim ao processo licitatório. De fato, a intenção do legislador foi imprimir rapidez e agilidade, permitindo ao administrador público dar cabo da sua obrigação de contratar da forma mais rápida já conhecida. Ademais, não devem ser esquecidos o prazo de publicidade do aviso do edital (mínimo 8 dias úteis) e a fase simplificada de recursos que trouxeram grande desembaraço ao procedimento. Por sua vez, a ECONOMICIDADE também é patente no Pregão. Na sessão pública do Pregão, os licitantes que tiverem suas propostas selecionadas para a etapa de lances, são convidados o oferecer lances sucessivos até que se alcance o menor valor ofertado; nesta fase, os licitantes são estimulados a apresentar valores (lances) ainda menores do que aqueles consignados na proposta escrita; com isso, é indiscutível o benefício e vantagem auferidos pelo poder público. 2 / 19

3 Na fase de lances há disputa acirrada entre os competidores que, movidos por fatores psicológicos, comerciais e de concorrência, oferecem lances sucessivos, muitas vezes superando o limite de desconto, a fim de ganhar o direito de contratar com o Governo. O dever da eficiência preconizado pela Emenda Constitucional nº 19 de 04 de junho de 1998, obrigou a Administração a não só agir em estrita observância aos ditames legais, mas também demonstrar eficiência no trato da coisa pública. Dessa forma, a CELERIDADE e ECONOMICIDADE demonstrados anteriormente apresentam ligação umbilical com a atividade do administrador, determinando a ele que adote prioritariamente o Pregão nas compras governamentais. Portanto, a regra agora é a adoção da modalidade Pregão, sendo que as demais modalidades passam à condição de excepcionais e apenas quando a Administração houver condições de justificar sua escolha. Vejamos a orientação legislativa das Administrações Estaduais que correspondem aos três maiores estados compradores do país: São Paulo Resolução CEGP-10, de 19/11/02 Art. 3º - Os órgãos da administração direta e as entidades autárquicas adotarão, preferencialmente, a modalidade Pregão para a aquisição de bens ou prestação de serviços comuns. (grifamos) Minas Gerais Decreto nº de 08/03/2002 Art. 3º - Os contratos celebrados pelo Estado, para aquisição de bens e serviços comuns, serão precedidos, prioritariamente, de licitação pública, na modalidade de pregão, que se destina a garantir, por meio de disputa justa entre os interessados, a compra mais econômica, segura e eficiente. (grifamos) Rio de Janeiro Decreto nº de 16/09/02 Art. 3º - Na aquisição de bens e serviços comuns no âmbito do Poder Executivo deverá ser utilizada prioritariamente a modalidade pregão. (grifamos) 3 / 19

4 Administração Pública Federal Decreto 3.555/00 Art. 3º Os contratos celebrados pela União, para a aquisição de bens e serviços comuns, serão precedidos, prioritariamente, de licitação pública na modalidade de pregão, que se destina a garantir, por meio de disputa justa entre os interessados, a compra mais econômica, segura e eficiente. (grifamos) De fato, a Administração nem poderia optar pelas modalidades convencionais (Concorrência, Tomada de Preços e Convite) quando o objeto licitado puder ser enquadrado na modalidade Pregão, uma vez que esta traz agilidade e economia às contratações. Outrossim, existem Leis e Decretos, Estaduais e Municipais, que regulamentam o Pregão, e que já definem como obrigatória a escolha da nova modalidade às contratações de bens e serviços comuns, impedindo a escolha das modalidades convencionais, exceto quando houver justificativa concreta e pormenorizada. II - Do conceito de bens e serviços comuns Nos termos da Lei Federal nº /02, os bens e serviços comuns possuem a seguinte definição: Art. 1º -... Parágrafo único. Consideram-se bens e serviços comuns, para os fins e efeitos deste artigo, aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo edital, por meio de especificações usuais no mercado. O Decreto Federal nº 3.555/00 que regulamentou o Pregão tratou de definir de forma diferente, mas esposada com a Lei Federal : 4 / 19

5 Art. 3º º Consideram-se bens e serviços comuns aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser concisa e objetivamente definidos no objeto do edital, em perfeita conformidade com as especificações usuais praticadas no mercado,.... Em suma, o conceito de bens e serviços comuns, nos termos da legislação vigente, norteia o administrador a adquirir o objeto cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos no edital, por meio de especificações usuais do mercado. A expressão padrões de desempenho e qualidade preconizada pela legislação, já traz forte tendência de estabelecer uma base de comparação utilizada habitualmente pelo mercado consumidor de bens ou serviços. Portanto, padrões de desempenho e qualidade são os elementos comuns, freqüentes e usuais que servem para avaliar a eficiência e o rendimento do produto ou do serviço, sem desprezar o grau negativo ou positivo de excelência (características da essência ou da natureza examinadas dentro de uma escala comparativa de valor ou importância). A expressão especificações usuais do mercado, parece até redundar ou ser desnecessária face à expressão anterior (padrões de desempenho e qualidade), vez que a definição de padrão (ou de padronização) revela grande semelhança com o sentido do termo especificações usuais, pois ambas demonstram equivalência ao sentido de elementos habituais, comuns, freqüentes e constantes de avaliação. No entanto, o texto legal inseriu a característica de mercado, ou seja, atribuiu abrangência aos padrões e especificações que deverão ser facilmente ou usualmente encontradas no mercado. Os bens e serviços comuns são aqueles cuja caracterização traga elementos e critérios objetivos de julgamento, de rápida análise e simplificada, mas criteriosa, avaliação do produto ou serviço. Alguns bens e serviços que antes eram considerados de difícil definição e complexo julgamento, atualmente não desfrutam da mesma complexidade, em função da globalização e do acesso rápido às informações proporcionados pela Internet. Até os bens de informática que sempre causaram grande espanto à pessoa mais desprovida do conhecimento técnico, hoje já 5 / 19

6 são tratados e avaliados com certa singeleza e facilidade. Em virtude da própria necessidade do homem de sentir-se socializado e incluído no mundo digital, o mesmo se vê obrigado a conhecer minimamente a máquina de processamento de dados que utiliza. Assim sendo, esses bens, hoje comuns a todos, podem ser adquiridos pela modalidade Pregão, logicamente, cercado das cautelas administrativas de definir correta e detalhadamente o equipamento ou o serviço, no edital da licitação; atentando-se, inclusive, para as normas certificadoras dos insumos e produtos que compõem o equipamento e que conferem segurança ao usuário e confiabilidade/qualidade ao produto. Resta claro que os bens e serviços licitáveis por Pregão são aqueles de especificações usuais e conhecidas de mercado. De forma recorrente e habitual o Poder Público adquire por Pregão: bens de informática (desk tops, note books, impressoras, monitores e até servidores), equipamentos médico hospitalares (ventiladores pulmonares, equipamentos de anestesia, de tumografia, equipamentos cirúrgicos, de UTI, de resgate, desfibriladores e etc), equipamentos de som e imagem (ilhas de edição, câmeras de filmagem profissionais, mesas de som e iluminação, amplificadores, etc.), equipamentos de imagem e segurança (CFTV, sistemas de acesso e controle de pessoas e detecção de metais, etc.) instrumentação cirúrgica, equipos odontológicos, e muito mais. Assim sendo, não obstante a falsa imagem de complexidade que o produto possua, resta uma única verdade: a aparente e superficial complexidade caem por terra quando o equipamento demonstra possuir produção padronizada e condições de ser avaliado objetivamente e de forma segura pelo Pregoeiro e equipe de apoio. Destarte, diante da relação transcrita anteriormente, os bens e serviços que, em princípio parecem ser de extrema complexidade, podem ser facilmente licitados por Pregão quando revelam especificações usuais e suficientes ao exame criterioso dos julgadores. No caso em tela próteses auditivas também não há que se criar um comportamento preconcebido, sem fundamento e imotivado, de que esses aparelhos não possam ser adquiridos pela modalidade Pregão. 6 / 19

7 Muito pelo contrário, as especificações objetivas e detalhadas do aparelho permitem ao Pregoeiro e sua equipe de apoio geralmente composta por fonoaudiólogos analisar a proposta e decidir sobre a aceitação ou não da prótese auditiva. Os servidores que realizarão o julgamento do produto, na fase licitatória, cuidarão de decidir e pronunciar-se a respeito do bem que se enquadre exatamente nas características definidas no ato convocatório. Aproveitando a colaboração da psicóloga e fonoaudióloga especialista em voz, CAL COIMBRA, o aparelho auditivo pode ser definido de forma simples: De uma maneira simplificada, podemos entender as próteses auditivas como um sistema que funciona da seguinte maneira: capta o som do meio ambiente, aumenta sua intensidade e o fornece, amplificado, ao usuário. Para que este processo aconteça torna-se necessário que a prótese auditiva possua um microfone (que capta o som e o transforma em energia elétrica), um amplificador (que aumenta a intensidade do som) e um receptor (que transforma o som novamente em energia acústica e o envia a orelha do usuário). Como os deficientes auditivos têm algumas características particulares, pode ser necessário modificar o som captado para que ele se torne mais adequado ao indivíduo que usa a prótese. Desta maneira, a prótese auditiva pode contar, também, com alguns outros controles que têm como objetivo melhorar a qualidade do som amplificado. Vários são os modelos de próteses auditivas existentes no mercado. A indicação do mais adequado é de responsabilidade do profissional médico ou do fononoaudiólogo, que atende ao cliente. Devemos lembrar, ainda, que antes de usar uma prótese auditiva, o indivíduo deve se submeter a um exame clínico com um médico otorrinolaringologista e a exames auditivos. 7 / 19

8 Depreende-se da clara definição de CAL COIMBRA que as próteses auditivas devem ser escolhidas para atender a perda auditiva de cada paciente, no entanto, esse exame prévio é realizado antes mesmo da elaboração do edital, isto é, verificados os exames de audiometria, os técnicos responsáveis definirão o aparelho cujas características e especificações estejam disponíveis no mercado e, ainda, que melhor se adaptem a cada deficiente. Importante ressaltar que o paciente não é levado à licitação para que cada licitante o examine e defina o melhor aparelho a ser utilizado seria mesmo um absurdo. O processo é muito mais simples, não obstante o cuidado e zelo com o paciente estejam sempre presentes. Todo indivíduo portador de problema auditivo deverá fazer inicialmente uma avaliação otorrinolaringológica. Doenças otológicas progressivas, doenças sistêmicas com repercussões sobre o aparelho auditivo, necessitam ser descartadas ou tratadas convenientemente. Diante do diagnóstico do otorrinolaringologista, o fonoaudiólogo é o profissional que assume a coordenação do processo de habilitação ou reabilitação do deficiente auditivo. A análise criteriosa, técnica e especializada é feita durante o exame de cada paciente que é submetido a todos os exames clínicos e aos exames audiométrico e acuométrico. Após todos esses exames, o fonoaudiólogo expedirá o devido laudo informativo sobre a perda e a necessidade de amplificação sonora de cada paciente. Com os laudos ou audiometrias o órgão público, através de técnicos capacitados, irá definir (no edital) qual é a especificação usual e existente no mercado, do aparelho que consiga atender a amplificação sonora demandada. 8 / 19

9 A escolha e definição do aparelho que será comprado e estabelecido no ato convocatório, exige supervisão do médico ou fonoaudiólogo que especificará: a) a perda: leve, moderada, profunda ou severa; b) as características eletroacústicas mais apropriadas: ganho máximo e saída máxima do aparelho; c) a faixa de freqüência, medida em db (decibéis); d) o tipo: analógico, programável ou digital; e) tipo de adaptação: monoaural ou binaural; e f) o tipo de amplificação: linear ou não linear. Com tais especificações, cada licitante irá ofertar o produto de sua fabricação ou de terceiro, que atenda a todas as exigências claras e usuais. Se feitas estas especificações padronizadas e usuais do mercado, não haverá qualquer óbice para que a compra seja feita através do Pregão. Não há dúvida que as próteses auditivas podem ser adquiridas pela nova modalidade. São bens comuns, pois utilizam especificações usuais de mercado, critérios objetivos de julgamento previamente estabelecidos no edital e podem ser avaliados, de forma segura, pelo Pregoeiro ou equipe de apoio (médicos e fonoaudiólogos) confrontando a especificação do aparelho à descrição do edital. Outrossim, é patente o fato de que as próteses auditivas são bens fabricados em massa, 9 / 19

10 possuindo modelos diversos que se adaptam às mais variadas perdas auditivas. Resta, portanto, indiscutível que o aparelho auditivo é um bem comum. III - Da adaptação da prótese Preliminarmente, cumpre consignar que há duas fases bem distintas e que não se confundem. Uma delas a fase de julgamento da licitação em que o produto será apreciado e, se estiver em conformidade com a descrição editalícia, será aceito e classificado ou, ao contrário, recusado e desclassificado; e a outra fase, já se refere à etapa contratual em que o licitante vencedor providenciará a adaptação da prótese auditiva ao paciente. Na fase de julgamento da proposta (ou do produto) serão levadas em consideração apenas as características do aparelho auditivo e as condições de cumprimento do contrato, tais como: prazos de entrega, pagamento e garantia; compromisso e condições da adaptação das próteses, entre outros. Qualquer avaliação da qualificação técnica e capacidade da equipe que providenciará a adaptação das próteses é exclusiva da fase de habilitação em que a aptidão e afinidade da licitante serão aferidas através das exigências previstas no art. 30 da Lei 8.666/93: a) registro na entidade profissional competente; b) atestados de qualificação técnica da licitante e dos profissionais responsáveis técnicos; c) equipe técnica; d) equipamentos disponíveis para a execução do contrato; etc. Deparamos com questões evidentes: a adaptação da prótese é fundamental para máximo aproveitamento possível em cada situação e ambiente acústico, no entanto, sua avaliação não interferirá no julgamento da proposta no que tange à escolha do aparelho e suas características. 10 / 19

11 IV - Quanto ao tipo e modalidade de licitação Por expressa disposição legal, é vedada a aquisição de aparelhos auditivos por tipo de licitação técnica e preço. Conforme o art. 45, 4º c/c o art. 46 da Lei 8.666/93 e Decreto Federal 1.070/94 (que regulamentou o art. 3º da Lei 8.248/91) somente serão licitáveis por tipo técnica e preço os serviços de natureza predominantemente intelectual e os bens e serviços de informática. Lei 8.666/93: Art. 46. Os tipos de licitação "melhor técnica" ou "técnica e preço" serão utilizados exclusivamente para serviços de natureza predominantemente intelectual, em especial na elaboração de projetos, cálculos, fiscalização, supervisão e gerenciamento e de engenharia consultiva em geral e, em particular, para a elaboração de estudos técnicos preliminares e projetos básicos e executivos, ressalvado o disposto no 4o do artigo anterior. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de ) Portanto, aparelhos auditivos somente admitem o tipo de licitação menor preço, ou seja, cumpridas as exigências do edital, vencerá o certame o licitante que apresentar o menor preço. É de conhecimento público e notório que a Administração Pública vem adotando o Pregão (presencial e eletrônico), tipo menor preço, para aquisições de aparelhos auditivos. Não se trata de um ou outro órgão isolado, mas todo o Brasil realiza pregões desse objeto, dada a manifesta objetividade e racionalidade do julgamento. Para melhor elucidar a exposição de motivos, traremos dois exemplos: no primeiro, o Banco do Brasil comprou recentemente (duas mil) próteses auditivas por meio de Pregão (Edital 17/2004). Vejamos como foi a especificação do edital: 11 / 19

12 Aquisição de Prótese Auditiva para perda moderada e profunda, conforme especificações constantes do Anexo I deste edital. 1. PRÓTESES AUDITIVAS PARA PERDA MODERADA:A PRÓTESE AUDITIVA DEVERÁ APRESENTAR CONTROLE DE VOLUME, CONTROLE DE TONALIDADE, SISTEMA REGULADOR DE GANHO ACÚSTICO COMPATÍVEL COM A PRESCRIÇÃO MÉDICO. DEVERÁ SER ADAPTADO E AJUSTADO AS CARATERÍSTICAS BIOPSICOLÓGICAS DO PACIENTE, ACOMPANHAR FONTE DE ENERGIA (BATERIA), TER GARANTIA DE 2(DOIS) ANOS E ASSISTÊNCIA TÉCNICA PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ARACAJU. Produto: PROTETOR AURICULAR Quantidade: Informações Adicionais: Protese Auditiva para Perda Moderada, Modelo xxx, Marca xxx, Fabricante xxx, Procedencia xxx, Ganho Maximo de 65 db, saida Maxima de 134 db, Faixa de Frequencia de Hz, com controle de Volume, Contole de tonalidade, Sistema regulador de Ganho Acustico compativel com a prescrição medico, e sera adaptado e ajustado as caracteristicas biopsicologicas do Paciente, acompanhado de fonte de energia ( bateria) prazo de garantia de 02 ( dois) anos apos a perfeita adaptação do paciente, assistencia tecnica permanente na cidade de xxx, assistencia tecnica local e gratuita no periodo de garantia, Numero de Registro do Produto no Ministério da Saúde xxx, Validade da Proposta 60 ( sessenta) dias consecutivos da data da sessao de abertura desta licitação. Valor Unitário: R$ xxx Valor Total: R$ xxx 12 / 19

13 2. PRÓTESES AUDITIVAS PARA PERDA PROFUNDA:A PRÓTESE AUDITIVA DEVERÁ APRESENTAR CONTROLE DE VOLUME, CONTROLE DE TONALIDADE, SISTEMA REGULADOR DE GANHO ACÚSTICO COMPATÍVEL COM A PRESCRIÇÃO MÉDICO. DEVERÁ SER ADAPTADO E AJUSTADO AS CARATERÍSTICAS BIOPSICOLÓGICAS DO PACIENTE, ACOMPANHAR FONTE DE ENERGIA (BATERIA), TER GARANTIA DE 2(DOIS) ANOS E ASSISTÊNCIA TÉCNICA PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ARACAJU. Produto: PROTETOR AURICULAR Quantidade: Informações Adicionais: Protese Auditiva para Perda Profunda, Modelo xxx, Marca xxx, Fabricante xxx, Procedencia xxx, Ganho Maximo de 80 db, saida Maxima de 141 db, Faixa de Frequencia de Hz, com controle de Volume, Contole de tonalidade, Sistema regulador de Ganho Acustico compativel com a prescrição medico, e sera adaptado e ajustado as caracteristicas biopsicologicas do Paciente, acompanhado de fonte de energia ( bateria) prazo de garantia de 02 ( dois) anos apos a perfeita adaptação do paciente, assistencia tecnica permanente na cidade de xxx, assistencia tecnica local e gratuita no periodo de garantia, Numero de Registro do Produto no Ministério da Saúde xxx, Validade da Proposta 60 ( sessenta) dias consecutivos da data da sessao de abertura desta licitação Valor Unitário: R$ xxx Valor Total: R$ xxx 13 / 19

14 Na mesma linha, o Ministério da Educação adquiriu através do Pregão Eletrônico nº 57/2004, (hum mil, seiscentos e cinqüenta e cinco) aparelhos auditivos: Item: 01 Descrição: 340 PRÓTESE AUDITIVA Descrição Complementar: PRÓTESE AUDITIVA, TIPO ANALÓGICO, CARACTERÍSTICAS ADICIONAIS P/ OUVIDO DIREITO E ESQUERDO, MODELO RETROAURICULAR Situação: Encerrado Lance Atual: R$ ,0000 Item: 02 Descrição: 340 PRÓTESE AUDITIVA Descrição Complementar: PRÓTESE AUDITIVA, TIPO ANALÓGICO, CARACTERÍSTICAS ADICIONAIS P/ OUVIDO DIREITO E ESQUERDO, MODELO RETROAURICULAR Situação: Encerrado Lance Atual: R$ , / 19

15 Item: 03 Descrição: 340 PRÓTESE AUDITIVA Descrição Complementar: PRÓTESE AUDITIVA, TIPO ANALÓGICO, CARACTERÍSTICAS ADICIONAIS P/ OUVIDO DIREITOE ESQUERDO, MODELO RETROAURICULAR Situação: Encerrado Lance Atual: R$ ,0000 Item: 04 Descrição: 340 PRÓTESE AUDITIVA Descrição Complementar: PRÓTESE AUDITIVA, TIPO ANALÓGICO, CARACTERÍSTICAS ADICIONAIS P/ OUVIDO DIREITOE ESQUERDO, MODELO RETROAURICULAR Situação: Encerrado Lance Atual: R$ , / 19

16 Item: 05 Descrição: 15 PRÓTESE AUDITIVA Descrição Complementar: PRÓTESE AUDITIVA, TIPO ANALÓGICO, CARACTERÍSTICAS ADICIONAIS P/ OUVIDO DIREITOE ESQUERDO, MODELO RETROAURICULAR Situação: Encerrado Lance Atual: R$ ,0000 Item: 06 Descrição: 280 PRÓTESE AUDITIVA Descrição Complementar: PRÓTESE AUDITIVA, TIPO ANALÓGICO, CARACTERÍSTICAS ADICIONAIS P/ OUVIDO DIREITOE ESQUERDO, MODELO RETROAURICULAR Situação: Encerrado Lance Atual: R$ , / 19

17 Como pode-se ver, os dois exemplos citados estão dentro de um universo vasto de licitações nessa modalidade (v. procurar por: próteses auditivas e aparelhos auditivos ) e servem para demonstrar a celeridade e objetividade da aquisição, sem contar na perfeita viabilidade e adequabilidade da modalidade Pregão para o objeto em comento. Conclusão Diante de todo o exposto concluo ser possível a instauração de procedimento licitatório na modalidade Pregão, para aquisição de próteses auditivas, com fundamento no artigo 1º, parágrafo único, da Lei Federal nº /02. Diante dos argumentos e justificativas exaradas no Parecer, respondo as seguintes perguntas: 1) O Pregão é a modalidade adequada para aquisição de próteses auditivas. Resposta: Sim 2) A prótese auditiva pode ser definida como um bem comum, para os fins destinados ao 17 / 19

18 Pregão? Resposta: Sim. 3) Para aquisição de próteses auditivas, poderia ser utilizada outra modalidade licitatória, diferente do Pregão? Resposta: Em razão do princípio da eficiência e considerando a celeridade e economicidade trazidas pelo Pregão, entendo como obrigatória a escolha desta modalidade para aquisição de próteses auditivas, sendo vedada qualquer outra. Confira o Novo Portal de Licitação Tem dúvidas sobre Licitação? Envie para nós! (Colaborou Ariosto Mila Peixoto, advogado especializado em licitações públicas e contratos administrativos). 18 / 19

19 *Alguns esclarecimentos foram prestados durante a vigência de determinada legislação e podem tornar-se defasados, em virtude de nova legislação que venha a modificar a anterior, utilizada como fundamento da consulta. 19 / 19

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011 DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011 Impugnação ao edital da licitação em epígrafe, proposta por NORTH SEGURANÇA LTDA, mediante protocolo nº 2011/004806, datado de 06/09/2011. 1

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93 Viviane Moura Bezerra Índice de Apresentação 1.Considerações iniciais 2.Surgimento do RDC 3.Principais Inovações 4.Pontos Comuns 5.Contratação Integrada 6.Remuneração

Leia mais

3. No dia 01/07/2009, a Digicert apresentou seu recurso.

3. No dia 01/07/2009, a Digicert apresentou seu recurso. Decisão de Pregoeiro n 0034/2009-SLC/ANEEL Em 20 de julho de 2009. Processo nº: 48500.004388/2008-79 Licitação: Pregão Eletrônico nº 05/2009 Assunto: Análise do recurso interposto pela empresa Digicert

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Licitação segundo a Lei n. 8.666/93 Leila Lima da Silva* *Acadêmica do 6º período do Curso de Direito das Faculdades Integradas Curitiba - Faculdade de Direito de Curitiba terça-feira,

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Orientador Empresarial Administração Pública Contratação de Bens e Serviços de Informática e Automação p Regulamentação

Leia mais

Apreciação de Recurso Administrativo Pregão Presencial nº. 18/2007

Apreciação de Recurso Administrativo Pregão Presencial nº. 18/2007 Processo: A 07/204 Interessado: Assunto: Gerência Administrativa Contratação de empresa especializada para a prestação de serviços em implementação de windows server 2003 enterprise, active directory,

Leia mais

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ROSANA ESCLARECIMENTO Nº 01. Processo: Tomada de Preços nº 001/2010

PREFEITURA MUNICIPAL DE ROSANA ESCLARECIMENTO Nº 01. Processo: Tomada de Preços nº 001/2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE ROSANA ESCLARECIMENTO Nº 01 Processo: Tomada de Preços nº 001/2010 Objeto: contratação de sistema pedagógico de ensino para fornecimento de material pedagógico para os alunos da

Leia mais

CONDERG - CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA CONDERG HOSPITAL REGIONAL. Divinolândia, 07 de maio de 2010

CONDERG - CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA CONDERG HOSPITAL REGIONAL. Divinolândia, 07 de maio de 2010 Divinolândia, 07 de maio de 2010 Prezados senhores interessados, Esta comissão de Julgamento de Licitação do Conderg Hospital Regional de Divinolândia, esclarece através deste, alteração feita no Edital

Leia mais

RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP

RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP O Decreto Municipal Nº 49.511/08 regulamenta, no âmbito do Município de São Paulo, as normas definidas na Lei Complementar nº 123/06, que criou o Estatuto

Leia mais

PORTARIA Nº 114, DE 19/9/2007

PORTARIA Nº 114, DE 19/9/2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação PORTARIA Nº 114, DE 19/9/2007 Aprova normas para padronização, instalação e controle de programas de computador no âmbito da Câmara dos Deputados.

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Práticas Necessárias para Contratação de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Práticas Necessárias para Contratação de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Práticas Necessárias para Contratação de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação Renata Alves Campos - Analista de T. I. (CoInfo) André de Oliveira Eskenazi

Leia mais

MODALIDADE DE LICITAÇÃO PREGÃO

MODALIDADE DE LICITAÇÃO PREGÃO Educação Educação Nacional Educação Educação Federal no Federal no PROJETO ESCOLA DE FÁBRICA MODALIDADE DE LICITAÇÃO PREGÃO Outubro/2006 Educação Educação Nacional Educação Educação Federal no Federal

Leia mais

Decisão de Pregoeiro n 0039/2009-SLC/ANEEL. Em 4 de setembro de 2009.

Decisão de Pregoeiro n 0039/2009-SLC/ANEEL. Em 4 de setembro de 2009. Decisão de Pregoeiro n 0039/2009-SLC/ANEEL Em 4 de setembro de 2009. Processo nº: 48500.000496/2009-53 Licitação: Pregão Eletrônico nº 49/2009 Assunto: Análise do recurso interposto pela Ductbusters Engenharia

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 23/2008/DENOR/SGCN/SECOM-PR

NOTA TÉCNICA Nº 23/2008/DENOR/SGCN/SECOM-PR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas NOTA TÉCNICA Nº 23/2008/DENOR/SGCN/SECOM-PR Referências: Processo SECOM nº 00170.001719/2008-71.

Leia mais

Quais são as 4 principais certidões indispensável para participar em uma licitação?

Quais são as 4 principais certidões indispensável para participar em uma licitação? Quais são as 4 principais certidões indispensável para participar em uma licitação? As certidões indispensáveis à participação nas licitações, conforme previsto no artigo 27 da Lei 8.666/93, são: certidão

Leia mais

Nota Técnica nº 36/2014

Nota Técnica nº 36/2014 Nota Técnica nº 36/2014 Assunto: Licitação para contratação de agência de publicidade. Procedimentos. Caros clientes e colegas: A GEPAM, no intuito de orientar seus clientes, vem esclarecer sobre a Lei

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti Silva

EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti Silva PARECER CREMEB Nº 30/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 02/08/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 612, DE 16 DE MARÇO DE 2007. Dispõe sobre a implantação do Sistema de Registro de Preços nas compras, obras e serviços contratados pelos órgãos da

Leia mais

Terminada a fase de lances, o item 04 do pregão eletrônico apresentou a seguinte classificação:

Terminada a fase de lances, o item 04 do pregão eletrônico apresentou a seguinte classificação: São João del-rei, 23 de outubro de 2014. Processo: 23122.103528/2014-62 Pregão Eletrônico: 104/2014 Assunto: Decisão Recurso Administrativo 1 PRELIMINARMENTE Vistos e examinados os autos do processo licitatório

Leia mais

Uesley Sílvio Medeiros Licitanews Consultoria Especializada em Licitações e Contratações Públicas

Uesley Sílvio Medeiros Licitanews Consultoria Especializada em Licitações e Contratações Públicas Uesley Sílvio Medeiros, consultor governamental e professor na área de Licitação e Contratação Pública apresenta de forma simples como proceder com o cálculo para comprovação do preço manifestamente inexequível.

Leia mais

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços.

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. FRANCISCO JOSÉ COELHO BEZERRA Gestor de Registro de Preços Fortaleza 26 a 28/11/2014 SORAYA QUIXADÁ BEZERRA Gestora

Leia mais

À SRA. ÁUREA COUTENS DE MENEZES, DIRETORA DA SECRETARIA DE LICITAÇÕES E CONTRATOS.

À SRA. ÁUREA COUTENS DE MENEZES, DIRETORA DA SECRETARIA DE LICITAÇÕES E CONTRATOS. Ao PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO À SRA. ÁUREA COUTENS DE MENEZES, DIRETORA DA SECRETARIA DE LICITAÇÕES E CONTRATOS. Ao SR. PREGOEIRO. PROCESSO LICITATÓRIO TRT/DSAA/029/2014 PREGÃO

Leia mais

ILUSTRÍSSIMA SENHORA ANA PAULA BORGES

ILUSTRÍSSIMA SENHORA ANA PAULA BORGES ILUSTRÍSSIMA SENHORA ANA PAULA BORGES DE MORAIS PREGOEIRA DA COORDENADORIA MUNICIPAL DE LICITAÇÕES - EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS N 047/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 07.01511/2015

Leia mais

RESPOSTA: No que tange à equipe técnica é importante observar que a licitante interessada, deverá respeitar todos os requisitos exigidos pelo Edital.

RESPOSTA: No que tange à equipe técnica é importante observar que a licitante interessada, deverá respeitar todos os requisitos exigidos pelo Edital. É possível a uma Fundação de Apoio a uma Universidade, participar da Concorrência nº 002/2013, sabendo-se que a execução técnica das atividades de elaboração do Manual de Contabilidade Regulatório será

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA DE LICITAÇÕES E CONTRATOS

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA DE LICITAÇÕES E CONTRATOS 1 PROCESSO Nº PGE2009084808-0 PARECER Nº PLC-AO-LB-1502/2009 LICITAÇÃO. Prestação de serviço de hospedagem. Serviços não contínuos. Lei federal nº 11.771/08. Necessidade de comprovação de Cadastro no Ministério

Leia mais

Qualificação técnica. A documentação relativa à qualificação técnica limita-se a:

Qualificação técnica. A documentação relativa à qualificação técnica limita-se a: Observe, quando da contratação de empresas para realização de obras e/ou prestação de serviços, o disposto na Lei 8.212/91, que determina a exigência da Certidão Negativa de Débito da empresa na contratação

Leia mais

Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos sobre a licitação, conforme segue:

Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos sobre a licitação, conforme segue: Quanto aos questionamentos apresentados pela empresa LORENO, passamos a responder o seguinte: Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE O CREDENCIAMENTO - EDITAL Nº 001/06 e EDITAL 002/06

DÚVIDAS SOBRE O CREDENCIAMENTO - EDITAL Nº 001/06 e EDITAL 002/06 DÚVIDAS SOBRE O CREDENCIAMENTO - EDITAL Nº 001/06 e EDITAL 002/06 1 - Qual a data limite para o pedido de credenciamento? Em acordo com a Lei Estadual nº 9.433/05, a Administração Pública deve garantir

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRAESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRAESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRAESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC Brasília, 20 de fevereiro de 2009. Ref.: Processo n

Leia mais

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda:

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda: 1 DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009 Regulamenta, no âmbito da Administração pública municipal, o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, e

Leia mais

COLETA DE PREÇOS nº 07/2013

COLETA DE PREÇOS nº 07/2013 COLETA DE PREÇOS nº 07/2013 1. PREÂMBULO 1.1. A ASSOCIAÇÃO MUSEU AFRO BRASIL, torna pública a realização de Seleção de Fornecedores na modalidade Coleta de Preços, pelo critério de menor preço, objetivando

Leia mais

O Banco do Brasil não exige que o toner seja original, cabe ao fornecedor oferecer a melhor proposta desde que atenda ao item 2.24.2 e 2.26.

O Banco do Brasil não exige que o toner seja original, cabe ao fornecedor oferecer a melhor proposta desde que atenda ao item 2.24.2 e 2.26. 1 Dúvida: Diretoria de Apoio aos Negócios e Operações Referente aos itens: item 1.3.3.3., item 2.24, item 2.24.2. Entendemos que todos os PROPONENTES deveriam ofertar apenas toners originais do fabricante

Leia mais

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos o conteúdo de artigo enviado pelo Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Referência: Processo n.º 0.00.002.001198/2014-32 Edital do Pregão Eletrônico nº 43/2014 Contratação de serviços técnicos continuados de operação do sistema de automação, remanejamento e instalação de equipamentos

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. Disciplina os procedimentos relativos à adoção, pelas sociedades seguradoras, das condições contratuais e das respectivas disposições tarifárias e notas

Leia mais

Novo modelo de contratação de TI Parte II NT 2 a 6

Novo modelo de contratação de TI Parte II NT 2 a 6 Novo modelo de contratação de TI Parte II NT 2 a 6 Encontro com o Mercado Privado de TI: Contratações Públicas de TI Cláudio Cruz, MSc, CGEIT Brasília, 27 de setembro de 2012 1 Agenda 1. Nota técnica 2

Leia mais

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005.

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no artigo 15, 3º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e artigo 11 da Lei Federal nº 10.520, de 17 de julho

Leia mais

CONCORRÊNCIA Nº 06/2015 PERGUNTAS E RESPOSTAS

CONCORRÊNCIA Nº 06/2015 PERGUNTAS E RESPOSTAS CONCORRÊNCIA Nº 06/2015 PERGUNTAS E RESPOSTAS Pergunta 1: Com relação a qualificação econômico-financeira, o item 3.8.3.2 requer um capital social integralizado não inferior a R$ 800.000,00. Esse valor

Leia mais

Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z

Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z O Projeto de Lei 7.168/2014 avança na construção de um novo Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil. Ele trata das relações entre Estado e OSCs e estabelece

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTO

NORMA DE PROCEDIMENTO de 06.11.2014 INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1. As solicitações para compra de materiais e/ou contratação de serviços deverão considerar os seguintes prazos de atendimento ao solicitado, contados a partir do

Leia mais

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas, empresas de pequeno porte e equiparadas nas contratações de bens, prestação de serviços e execução de obras, no âmbito

Leia mais

IMPUGNAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO

IMPUGNAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO São Paulo, 02 de abril de 2012 Ao Ministério do Trabalho e Emprego Senhor Pregoeiro Referência Assunto : Pregão Eletrônico N 10/2012 MTE : Impugnação IMPUGNAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO PCS SERVIÇOS DE PROCESSAMENTO

Leia mais

Contratação de Empresa Especializada para Fornecimento e Instalação de Piso Elevado, Rede Elétrica e Rede Estrutural para o CPD 3º Andar.

Contratação de Empresa Especializada para Fornecimento e Instalação de Piso Elevado, Rede Elétrica e Rede Estrutural para o CPD 3º Andar. 0Processo: A 06/334 Interessado: Assunto: Gerência Administrativa Contratação de Empresa Especializada para Fornecimento e Instalação de Piso Elevado, Rede Elétrica e Rede Estrutural para o CPD 3º Andar.

Leia mais

CARTILHA INSTRUTIVA EM COMPRAS PÚBLICAS

CARTILHA INSTRUTIVA EM COMPRAS PÚBLICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E ORÇAMENTO - PROGEST Av. José de Sá Maniçoba, S/N Sala 30 Centro, Petrolina-PE - CEP. 56.304-205 Telefax: (87) 2101-6713

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Belo Horizonte, 19 de outubro de 2015. ASSUNTO: ENCAMINHAMENTO AO PRESIDENTE: DECISÃO DA PREGOEIRA EM RELAÇÃO AO RECURSO ADMINISTRATIVO APRESENTADO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 7 07/10/2015 10:08 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE 2015 Vigência Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado

Leia mais

CIGAM MÓDULOS DE COMPRAS WEB EPROCUREMENT

CIGAM MÓDULOS DE COMPRAS WEB EPROCUREMENT CIGAM MÓDULOS DE COMPRAS WEB EPROCUREMENT MANUAL DE OPERAÇÃO Rev. 02.11 03/05/12 CRM - CIGAM - Compras web 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CIGAM DESKTOP Solicitação de Compra (SOC)... 4 2.1. Envio do pedido

Leia mais

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO MUNICÍPIO JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO TERMO: DECISÓRIO FEITO: RECURSO ADMINISTRATIVO REFERÊNCIA: - Pregão Presencial nº.: 010/2011 PROCESSO nº.: 319/2011 RAZÕES: CLASSIFICAÇÃO DA PROPOSTA DAS

Leia mais

Pregão para serviços de advocacia

Pregão para serviços de advocacia Pregão para serviços de advocacia Jair Eduardo Santana Mestre em Direito do Estado pela PUC de São Paulo Professor em cursos de pós-graduação, atua na capacitação de servidores públicos das três esferas

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 REGULAMENTA O SISTEMA DE SUPRIMENTOS NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR

Leia mais

O Diretor Presidente do Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável - CIEDS, no uso de suas atribuições:

O Diretor Presidente do Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável - CIEDS, no uso de suas atribuições: PORTARIA Nº. 001/2009 O Diretor Presidente do Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável - CIEDS, no uso de suas atribuições: Considerando que o CENTRO INTEGRADO DE ESTUDOS

Leia mais

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO INTERPOSTA PELA EMPRESA: R.V. CONSULT TRANSPORTES E LOGÍSTICA LTDA REFERENTE AO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 035/2013

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO INTERPOSTA PELA EMPRESA: R.V. CONSULT TRANSPORTES E LOGÍSTICA LTDA REFERENTE AO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 035/2013 RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO INTERPOSTA PELA EMPRESA: R.V. CONSULT TRANSPORTES E LOGÍSTICA LTDA REFERENTE AO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 035/2013 Trata-se da análise da impugnação interposta às fls. 129/138,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO Pregão Presencial nº: 003/2009-UNEMAT. Processo Administrativo Unemat nº 007/2009-CPL. Processo Administrativo SAD Nº 340.148/2009/SAD. Referência: Pregão Presencial para a Locação

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

EGRÉGIA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO DA ASSEMBL[EIA

EGRÉGIA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO DA ASSEMBL[EIA EGRÉGIA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO DA ASSEMBL[EIA LEGISLATIV A DO ESTADO DE TOCANTINS Processo Licitatório: Processo 776/2011 Pregão 0025/2011 DELPHOS ASSESSORIA EM SEGURANÇA LTDA, por seu representante

Leia mais

Objeto: Aquisição de gêneros alimentícios para IF Sudeste MG Campus Barbacena (SAN, Laboratório de nutrição, aulas práticas e PRONATEC).

Objeto: Aquisição de gêneros alimentícios para IF Sudeste MG Campus Barbacena (SAN, Laboratório de nutrição, aulas práticas e PRONATEC). Pregão Eletrônico 07/2014 Processo: 23355.000130/2014-31 Objeto: Aquisição de gêneros alimentícios para IF Sudeste MG Campus Barbacena (SAN, Laboratório de nutrição, aulas práticas e PRONATEC). JULGAMENTO

Leia mais

ESCLARECIMENTO nº 01

ESCLARECIMENTO nº 01 ESCLARECIMENTO nº 01 PROCESSO Nº 149/2010 PREGÃO PRESENCIAL Nº 004/2010 Segue esclarecimento formulado por licitante e a respectiva resposta, com base na informação prestada pela área gestora (DETIN):

Leia mais

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007 DECRETO 8.538/2015 COMPARATIVO COM DECRETO 6.204/2007 Outubro/2015 Importante: Pontos acrescidos estão destacados em verde. Pontos suprimidos estão destacados em vermelho. Decreto nº 8.538, de 6 de outubro

Leia mais

ASSUNTO: RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO ENCAMINHADA PELA EMPRESA VIVO S/A, CNPJ 02.449.992/0121-70.

ASSUNTO: RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO ENCAMINHADA PELA EMPRESA VIVO S/A, CNPJ 02.449.992/0121-70. Panambi, 22 de agosto de 2012. ASSUNTO: RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO ENCAMINHADA PELA EMPRESA VIVO S/A, CNPJ 02.449.992/0121-70. Considerando como tempestiva a impugnação interposta pela empresa VIVO S/A o Instituto

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL GABINETE DO GOVERNADOR PARECER Nº 14.072

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL GABINETE DO GOVERNADOR PARECER Nº 14.072 GABINETE DO GOVERNADOR PARECER Nº 14.072 Licenciatura curta. Pós-graduação lato sensu. Validade. Alteração de nível. Possibilidade. O Departamento de Recursos Humanos da Secretaria da Educação encaminha

Leia mais

NOTA JURÍDICA Nº03/2015 COSEMS GO

NOTA JURÍDICA Nº03/2015 COSEMS GO Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado de Goiás Rua 26, nº521, Bairro Santo Antônio CEP: 74.853-070, Goiânia GO Site: http://www.cosemsgo.org.br E-mail: cosemsgoias@gmail.com Fone: (62)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 86/2008 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º 23034.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 86/2008 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º 23034. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 86/2008 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º 23034.001954/2008-11 JULGAMENTO DE RECURSO Trata-se de contratação, mediante

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

I PARTE (SERVIÇOS DIÁRIOS) II PARTE (ENSINO E INSTRUÇÃO) III PARTE (ASSUNTOS GERAIS E ADMINISTRATIVOS)

I PARTE (SERVIÇOS DIÁRIOS) II PARTE (ENSINO E INSTRUÇÃO) III PARTE (ASSUNTOS GERAIS E ADMINISTRATIVOS) GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL POLÍCIA MILITAR DO PARÁ AJUDÂNCIA GERAL ADITAMENTO AO BG Nº 064 03 ABR 2012 Para conhecimento dos Órgãos subordinados

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

RESPOSTA A IMPUGNAÇÃO

RESPOSTA A IMPUGNAÇÃO RESPOSTA A IMPUGNAÇÃO Recebida impugnação da Empresa VIVO, a mesma foi submetida a Coordenadoria Jurídica desta Companhia Docas do Ceará, que manifestou-se mediante Parecer nº 152/2012, nos seguintes termos:

Leia mais

PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004

PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004 PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria GM nº 2.073, de 28 de setembro de 2004, que institui a Política Nacional de

Leia mais

PREGÃO Nº 28/2010 PERGUNTAS E RESPOSTAS

PREGÃO Nº 28/2010 PERGUNTAS E RESPOSTAS Pergunta 1 Qual o valor estimado para a contratação? PREGÃO Nº 28/2010 PERGUNTAS E RESPOSTAS Resposta 1 O valor estimado consta do respectivo processo licitatório, que poderá ser consultado no endereço

Leia mais

EDITAL Nº 060/2013 PRAC SELEÇÃO DOCENTE

EDITAL Nº 060/2013 PRAC SELEÇÃO DOCENTE EDITAL Nº 060/2013 PRAC SELEÇÃO DOCENTE A da Universidade Católica de Pelotas torna pública a abertura de SELEÇÃO DOCENTE, como segue: CENTRO/CURSO ÁREA VAGAS REQUISITOS Centro de Educação e Comunicação/Letras

Leia mais

COMUNICADO 02 (RESPOSTA PEDIDO DE IMPUGNAÇÃO/ DESIGNAÇÃO DE DATA PARA ABERTURA DOS ENVELOPES)

COMUNICADO 02 (RESPOSTA PEDIDO DE IMPUGNAÇÃO/ DESIGNAÇÃO DE DATA PARA ABERTURA DOS ENVELOPES) COMUNICADO 02 (RESPOSTA PEDIDO DE IMPUGNAÇÃO/ DESIGNAÇÃO DE DATA PARA ABERTURA DOS ENVELOPES) ATA DE REUNIÃO DA COMISSÃO DE PERMANENTE DE HABILITAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E JULGAMENTO DE LICITAÇÕES. Aos vinte

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL Nº 001/2015

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL Nº 001/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL Nº 001/2015 CONVÊNIO Nº: 812779/2014 - SDH/PR PROCESSO LICITATÓRIO Nº: 004/2015 OBJETO: Contratação de 01(um)apoio administrativo A Associação Fábrica Cultural, entidade

Leia mais

ASSUNTO: Atualização do Perguntas e Respostas nº 003/2010 que versa sobre Pregão ORIGEM: GEALC PSEF 40284/10-7

ASSUNTO: Atualização do Perguntas e Respostas nº 003/2010 que versa sobre Pregão ORIGEM: GEALC PSEF 40284/10-7 PERGUNTAS E RESPOSTAS OT Nº 001/11 ASSUNTO: Atualização do Perguntas e Respostas nº 003/2010 que versa sobre Pregão ORIGEM: GEALC PSEF 40284/10-7 Este trabalho visa a orientar os agentes administrativos,

Leia mais

Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe. Orientações para Processos Licitatórios Gerência Executiva Outubro/2014

Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe. Orientações para Processos Licitatórios Gerência Executiva Outubro/2014 Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe Orientações para Processos Licitatórios 1 A Lei 8666, estabelece normas gerais sobre licitações e contratos administrativos pertinentes a obras, serviços,

Leia mais

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39 Curso de Licitações, Contratos e Sistema de Registro de Preços (SRP) - 20 e 21 de Março Módulo i- licitação Definição O dever de licitar Quem pode licitar Pressuposto Natureza jurídica e fundamentos Legislação

Leia mais

Apreciação de Recurso Administrativo Pregão Eletrônico nº. 03/2009

Apreciação de Recurso Administrativo Pregão Eletrônico nº. 03/2009 Processo: A 09/033 Interessado: Assunto: Gerência Administrativa Contratação de empresa para prestação de serviços de limpeza, asseio e conservação predial, visando a obtenção de adequadas condições de

Leia mais

Ata de Registro de Preços 10/2015

Ata de Registro de Preços 10/2015 _ Ata de Registro de Preços 10/2015 PREGAO PRESENCIAL Nº ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 10/2015 Objeto Aquisição de Material e Instrumental Odontológico Aos vinte e seis dias do mês de março de 2015 do ano

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL N 07/2011-PR/PB PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 3

PREGÃO PRESENCIAL N 07/2011-PR/PB PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 3 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República na Paraíba PREGÃO PRESENCIAL N 07/2011-PR/PB PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 3 Referência: Processo n.º 1.24.000.001591/2011-14. Interessado: OMEGATI COMÉRCIO

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO 020/2011

ATO CONVOCATÓRIO 020/2011 ATO CONVOCATÓRIO 020/2011 Processo de Contratação de Prestação de Serviço MODALIDADE: CONCORRÊNCIA CRITÉRIO DE JULGAMENTO: MENOR PREÇO E CAPACIDADE TÉCNICA DATA LIMITE PARA ENTREGA DE ORÇAMENTO: 21/07/2011

Leia mais

Porto Alegre (RS), 01, 02 e 03 de setembro de 2014

Porto Alegre (RS), 01, 02 e 03 de setembro de 2014 Porto Alegre (RS), 01, 02 e 03 de setembro de 2014 Prof. Geldes Ronan Passos Inscrições até 22/08/2014 APRESENTAÇÃO O RDC Regime Diferenciado de Contratações Públicas foi instituído no ano de 2011 objetivando

Leia mais

EXMO SENHOR PREGOEIRO DA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS

EXMO SENHOR PREGOEIRO DA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS 1 EXMO SENHOR PREGOEIRO DA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 30/2011 PROCESSO Nº. 23042.000448/2011-01 M. DO ESPIRITO

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO POPULAR VIVA CIDADÃO

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO POPULAR VIVA CIDADÃO Folha nº Processo nº Rubrica: Matrícula: Processo n.º 148030/2015 Assunto: Análise do pedido de impugnação do Edital do Pregão nº 13/2015 referente à contratação de empresa especializada na aquisição e

Leia mais

CARTILHA PARA ADESÃO ATA DE REGISTRO DE PREÇO DE SOLUÇÃO DE VÍDEO MONITORAMENTO CFTV

CARTILHA PARA ADESÃO ATA DE REGISTRO DE PREÇO DE SOLUÇÃO DE VÍDEO MONITORAMENTO CFTV CARTILHA PARA ADESÃO ATA DE REGISTRO DE PREÇO DE SOLUÇÃO DE VÍDEO MONITORAMENTO CFTV Control Teleinformática Ltda SRTV/Sul Qd. 701 Conj. L Bloco 1, 38 Sobreloja sala 24 Pag. 1 de 10 Brasília, setembro

Leia mais

ESCLARECIMENTOS AO PREGÃO Nº 653/2006

ESCLARECIMENTOS AO PREGÃO Nº 653/2006 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES COORDENAÇÃO-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO GERAL ESCLARECIMENTOS AO PREGÃO Nº 653/2006 Ref. Processo nº 50600.009513/2006-99 OBJETO:

Leia mais

Palestrante: Lucimara Oldani Taborda Coimbra

Palestrante: Lucimara Oldani Taborda Coimbra Apresentação: Capacitar e formar servidores e gestores públicos ampliando seus conhecimentos de forma prática para tornar para tornar mais ágeis as Contratações Públicas. Legislação Pregão: Lei n.º 10.520/02,

Leia mais

IMPUGNAÇÃO AO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

IMPUGNAÇÃO AO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO ILUSTRÍSSIMO SENHOR ABDIAS DA SILVA OLIVEIRA DESIGNADO PREGOEIRO PARA O PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR PREGÃO ELETRÔNICO: 4/2015 COQUEIRO &

Leia mais

Fundamentação legal para a contratação do INSTITUTO NEGÓCIOS PÚBLICOS CONGRESSO BRASILEIRO DE PREGOEIROS

Fundamentação legal para a contratação do INSTITUTO NEGÓCIOS PÚBLICOS CONGRESSO BRASILEIRO DE PREGOEIROS Fundamentação legal para a contratação do CONGRESSO BRASILEIRO DE PREGOEIROS 1. O objeto do Contrato 8º CONGRESSO BRASILEIRO DE PREGOEIROS, FOZ DO IGUAÇU - 18 A 21 DE MARÇO DE 2013. 2. Os instrutores Profissionais

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008 CENTRO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008 Anexo II 1 DO OBJETO 1.1 - Prestação de serviços de suporte técnico assistido

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria Executiva Diretoria de Administração

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria Executiva Diretoria de Administração MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria Executiva Diretoria de Administração PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 11/2015 PROCESSO Nº 03110.014908/2014 55 OBJETO: Contratação

Leia mais

Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015

Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015 Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015 1. PREÂMBULO O CEADEC - Centro de Estudos e Apoio ao Desenvolvimento,

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS (TABLET)

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS (TABLET) ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS (TABLET) IplanRio Empresa Municipal de Informática Janeiro 2012 1. OBJETO Registro de preço para aquisição de Dispositivos Móveis do tipo,

Leia mais