RESSIGNIFICAÇÃO DO CORPO E IMAGEM PELO VESTIDO DE NOIVA. Body and image s resignification by the wedding dress

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESSIGNIFICAÇÃO DO CORPO E IMAGEM PELO VESTIDO DE NOIVA. Body and image s resignification by the wedding dress"

Transcrição

1 RESSIGNIFICAÇÃO DO CORPO E IMAGEM PELO VESTIDO DE NOIVA Body and image s resignification by the wedding dress BURATTO, Giseli Cristina Caldeira; (Yeva Lingerie) FORNASIER, Cleuza Bittencourt Ribas; (Universidade Estadual de Londrina) Resumo: O artigo discute os aspectos subjetivos da escolha do uso de um vestido de noiva, por meio de levantamento histórico. Para tanto, verificamos qual o desejo de consumo da noiva através de análise de imagens portadas de blogs, como também quais são as influências da Era Vitoriana para a escolha do modelo e, por fim, apresenta um estudo da relação do consumo do vestido de noiva com o corpo e a imagem desejada. Palavras-chave: Consumo, Comportamento, História da Moda. Abstract: The article discusses the subjective aspects of the choice of using a wedding dress through historical survey. Therefore, we find that the desire Bride consumption through portals image analysis blogs, as well as what are the influences of the Victorian Era to the model selection, finally, presents a study of the relationship of the bride dress consumption with the body and the desired image. Key words: Consumption, Behavior; Fashion History.. Introdução O vestido de noiva, diferente de outro traje social de luxo preparado para ocasiões especiais, tem um significado relevante para vida das mulheres. Ele resgata pedaços da cultura, da religiosidade e da história da humanidade. Muito provavelmente o vestido de noiva será a roupa mais cara que uma mulher irá vestir na vida e, acredita-se terá usado apenas uma vez. Seu noivo nunca a viu vestir algo parecido e provavelmente nunca verá de novo. (WORSLEY, 2010 p. 12) Diante dessa leitura, pressupomos que as noivas desejam estar como nos seus sonhos, uma "princesa", não considerando somente o sentido literal, e independente do seu tempo ou do estilo de vida que leva no momento. O desejo de perfeição vai além da escolha do vestido de noiva, e que também toma conta do universo do casamento.

2 Logo, o objetivo desse artigo é estudar os aspectos subjetivos da escolha de um vestido de noiva, para isto, iremos verificar qual o desejo de consumo que a noiva possui durante essa época de encantamentos, quais são as influências da Era Vitoriana para a escolha do seu vestido de noiva e finalmente, analisar a relação do vestido de noiva com o corpo e a imagem desejada, transmitida no dia do casamento. Para tanto, realizaremos uma pesquisa bibliográfica no que tange os aspectos teóricos para esta abordagem, relacionados à história da moda, comportamento do consumo e as relações do corpo e da imagem com a noiva. Após, realizaremos análises comparativas de imagens dos estilos da Era Vitoriana com imagens de noivas brasileiras atuais para definirmos a relação do corpo com a imagem desejada. História do vestido de noiva Quando o casamento, ou a união civil surgiu, ainda não apresentava a característica do sagrado advinda do nascimento do cristianismo, porém, Worsley (2010) afirma que esses eventos aconteciam com frequência e, assim sendo respeitavam os aspectos da tradição romana. As madrinhas tinham a função de ajudar a noiva a colocar um véu muito fino de linho na cabeça, chamado flammeum, com o cabelo preso que já era enfeitado com uma grinalda de flores. Para os romanos, as flores representavam a fertilidade (WORSLEY, 2010). Podemos acreditar que o uso do véu foi o primeiro acessório usado para o casamento, pois, o livro de Gênesis da Bíblia Sagrada, capítulo 24 versículo 65, conta que Rebeca se cobriu com um véu quando se aproximava do seu futuro marido Isaque. Quando a Rainha Vitória casou com seu primo, o príncipe Albert, em 1840, ela endossou o vestido branco como símbolo de status para noivas abastadas. (WORSLEY, 2010, p. 12). Para essa época a rainha era uma mulher romântica e moderna, considerando que se casou por amor e não só por um contrato da aristocracia, seu vestido adornado por rendas, foi considerado simples para uma integrante da família real. Portanto, assim se constitui o traje completo para o rito do matrimônio. Na década de 1920, o vestido de noiva branco já tinha se tornado um padrão para as noivas, mas de forma irônica, percebemos que nesse período as mulheres começaram a lutar por direitos iguais e na moda aconteceram mudanças drásticas. Mesmo assim, o vestido branco de noiva tornou-se símbolo da pureza e do ideal romântico do casamento. As tendências para vestidos de noiva tem muito mais a ver com a história dos trajes do que com a moda: [...]. Se por

3 um lado o matrimônio representa o planejamento futuro, por outro as noivas costumam recorrer a estilos do passado, num interessante paradoxo. (WORSLEY, 2010, p.154) Exemplos destas influências são: Princesa Grace Kelly, Jacqueline Bouvier Kennedy, Lady Diana, Sandy, Juliana Paes, Carol Trentini e a Princesa Kate Middleton, que foi ovacionada usando uma releitura do vestido da Grace Kelly, que por sua vez, já foi copiado por famosos e anônimos. Figura 1: Grace Kelly Fonte: chic.uol.com.br Figura 2 e 3: Carol Trentini e Kate Middleton Fonte: constanzezhan.com Hoje, por meio de pesquisa imagética verificamos que a Era Vitoriana é a que mais influencia o vestido de noiva das mulheres do ocidente. O modelo vencedor é o costumeiro vestido de corpete justo e saia cheia e rodada, adornado com rendas, bordados, pérolas e cristais, principalmente iguais, ou ao menos parecidos com aqueles usados por famosas. Considerando essa ânsia das mulheres em ter uma referência de famosas bem sucedidas e esteticamente consideradas um exemplo de beleza, somos impelidos a estudar os aspectos subjetivos desse desejo de consumo de compra do vestido de noiva. Aspectos subjetivos do consumo O aspecto subjetivo do consumo é uma ação transmitida a partir de imagens e mensagens indiretas, através dos signos e dos códigos estilísticos, que são os símbolos de linguagens usados para atrair a atenção e instigar o desejo de compra. Assim, os aspectos subjetivos do consumo são fruto do comportamento estético. A estética tem como sentido o estudo da natureza da beleza e da arte trazendo a percepção dos sentidos, porém com muitos desdobramentos. Ela pode despertar o sentimento

4 da beleza por algo, ou alguém, e até sensações mais profundas. Sendo assim, um produto pode proporcionar ao consumidor um conforto psicológico, satisfação e segurança, perante o meio do qual ele quer ser incluído. O comportamento de consumo subjetivo, pode ser a maneira objetiva de uma análise da estética, uma noção concreta das suas peculiaridades. O comportamento estético é eticamente apropriado, com conforto, luxo e lazer, fruto das escolhas e das satisfações de necessidades e de intensificação de experiências e prazeres. A criação, em suas diversas formas, jorrará de uma dinâmica renovada e sempre plural. As diversas situações sociais, os modos de vida, as experiências são múltiplas expressões de um vitalismo poderoso. (MAFFESOLI,1996, p.28) A partir disso, um produto desejável pode proporcionar ao ser consumidor o bem-estar psicológico, de forma inconsciente, no sentido de aumentar a satisfação, e a sua segurança diante da identificação com os membros da sociedade em que vivem, ou que desejam viver. O ápice do consumo de um vestido de noiva [...] não é o valor signo diferencial, mas o valor experiencial, o consumo puro valendo não como significante social, mas como conjunto de serviços para o indivíduo (LIPOVESTSKY, 2007, p. 27). Nesse contexto, o consumo emocional atua como aspecto subjetivo, que permite que a noiva consumidora viva as experiências afetivas, imaginárias e sensoriais, de forma lúdica, trazendo nostalgia para o momento de decisão da escolha de compra, além de desinstitucionalizar o maior bem estar subjetivo, o consumo. A crescente complexidade da oferta do consumo supera o sistema baseado na cultura e nas motivações privadas, que superam as finalidades distintivas. Lipovetsky e Villaça (2005 e 2010) chamavam de sociedade do hiperconsumo. A consumidora do vestido de noiva não procura somente um traje, mas algo para ser a noiva, para sentir a emoção, para viver o momento, como se fosse um bem à serviço dela. Nos tempos atuais, a volta da tradição do casamento está extrapolada pelas significações do consumo. Os noivos investem alto para sentir a emoção dessa vivência e transformar o sonho não apenas em uma realidade, mas em um espetáculo. Dados de uma pesquisa do site de notícias Ig, apontam que no ano de 2013 os noivos brasileiros gastaram 16 bilhões de reais em festas de casamento. O site da Revista Exame, diz que 50% dos casais gastam mais do que o valor previsto. A competição, a excelência e a urgência do momento matrimonial conduzem a escolha do seu vestido, já que a demonstração do poder de superação é cada vez maior entre as noivas

5 porque hoje vivemos o hedonismo dos costumes. Como exemplifica o texto de Lipovetsky (2007, p. 96): Durante mais de dois séculos, o moderno processo de emancipação do indivíduo realizou-se pelo direito e pela política, pela produção e pela ciência; a segunda metade do século XX prolongou essa dinâmica pelo consumo e os meios de comunicação de massa. Destruição das práticas tradicionais, alienação e descrença, vida à la carte, investimento excessivo nos gozos privados: organiza-se uma nova cultura, na qual o consumismo, os cultos do corpo e do psicologismo, as paixões por autonomia e realização individuais fizeram da relação consigo mesmo uma dimensão dotada de um relevo excepcional. Narciso é sua figura emblemática. Portanto, o fator emocional como consumo subjetivo é empregado cada dia mais em função de fins, de cobiças e de critérios individuais e pode ser abordado como um novo meio de ter prestígio e sofrer influência. Temos como objetivo principal de vida, a busca de sensações variadas e de bem estar pessoal, por isto, que as identidades e as diferenças assumem um novo papel e o que nos satisfaz fica cada vez mais distante. A experiência emocional de compra é uma forma válida para explicar o consumo, principalmente para o traje de um evento importante como o matrimônio. O mercado estimula o consumo emocional, pois, supostamente como a vida que a noiva pretende levar, deixando as decepções do cotidiano que foi vivido até aquele momento. [...] o consumo exerce sua influência apenas na medida em que tem a capacidade de aturdir e de adormecer, de oferecer-se como paliativo aos desejos frustrados do homem moderno. (LIPOVETSKY, 2007a, p. 37) Assim, o consumo emocional não pode ser considerado fútil, já que, na vida social a afetividade é visível em vários momentos da história, porém pouco valorizada. A ação política do mercado desempenha um papel importante, estimula e acompanha esse processo, mas só se sustenta no fator emocional. Segundo estudos de Mafesoli (1996, p. 83), [...] o consumo emocional [é] o primeiro motor de todos os grandes acontecimentos, sem o que não seria possível compreender um desenvolvimento histórico. As mesmas emoções de épocas já vividas, como da Era Vitoriana, são motivos de influência para a escolha do vestido de noiva, o consumo emocional de algo que a noiva não vivenciou, e a ressiginificação e reapropriação da aparência do ícone dessa era de glória e riqueza cultural, abrem inúmeras alternativas de consumo para um vestido de noiva. A influência da Era Vitoriana

6 A Era Vitoriana corresponde ao reinado da Rainha Vitória da Inglaterra, entre 1837 a Como afirma Harris (1995). [...] o consumo e burguesia cresciam devido a Revolução Industrial. Um ponto a se destacar é que até esse momento, a França era inspiradora no traje feminino, apesar de muitos esforços da Inglaterra para mudar esse fato. As britânicas usavam corpetes, camadas de anáguas ou crinolina, que foi adotada pela Rainha Vitória. Os vestidos poderiam chegar a pesar 15 quilos, porque eram confeccionados com muitos metros de tecido e ainda com acessórios. As cores das roupas eram claras, a silhueta tinha ombros mais estreitos e caídos, a cintura no lugar afinados pelos espartilhos pontudos na frente, usados com uma saia que tinha formato de sino. Os vestidos de noite eram decotados até os ombros, decorados em rendas, laços e babados. Durante os primeiros 20 anos de reinado a Rainha Vitória ditou a moda, porém a partir de 1861, com a morte do seu marido o Príncipe Albert, os ingleses usaram somente preto por luto, como era de costume, e a rainha até o fim da vida por opção. Foi dessa forma que as cores escuras entraram na vida das mulheres que imitavam a sua rainha. Em 1866, finalmente a crinolina foi substituída pela saia-anágua, sem a armação artificial. Boucher (2010) diz que, desde 1858 a Rainha Vitória gostaria de abandonar esse costume e que a Imperatriz Eugenia da França já tinha usado um vestido sem a crinolina. Em 1860 houve uma mudança na silhueta [...] a saia já se achatava na frente e desenvolvia em comprimento na parte de trás, fazendo renascer a cauda [...] (BOUCHER, 2010, p. 360). A roupa para a noite tinha decote baixo e mangas curtas usadas com luvas curtas de renda ou de tecido. A Imperatriz Eugênia da França personifica a moda da época, ela que introduziu nas cortes da Europa o costureiro Worth, um inglês radicado na França, que foi o primeiro a preparar uma coleção para apresentá-la à sua clientela. Próximo a 1870, iniciou-se uma mudança na saia, um forro feito de babados ou de pequenas anquinhas de barbatanas chamadas de tournures, um visual que causou furor, pois mostrou mais as formas do corpo feminino. No ano de 1880, a anquinha gradativamente desapareceu das roupas femininas. As saias eram menos armadas, as blusas tinham gola alta com babados de renda ou tule. Boucher (2010) afirma que em 1885 o conjunto de blusa justa, ou a pequena jaqueta, com saia dupla passou a se chamar conjunto de tailleur. No fim da Era Vitoriana, próximo a 1900, a saia era em formato de sino com pouco volume, a cintura marcada com manga longa e justa, o colarinho era alto. Tudo isso para simplificar, já que na época as mulheres levavam uma vida mais ativa.

7 A partir da personificação de Eugênia como ícone da moda, a Rainha Vitória não retoma mais seu status, pois sua idade avançada desconfigura um ideal de beleza e felicidade. No entanto, foi com a Rainha Vitória que o vestido branco de noiva estabeleceu-se e Diferente da maioria dos membros de sua família real, Victoria casou por amor, em 1840, com um romance idealizado e afirmando o direito da mulher de escolher o seu próprio marido (MELLINGER, 1993 p.24 tradução nossa). Até os dias de hoje, nenhum outro casamento influencia tanto os ritos matrimoniais, e dele nasce o vestido feito com renda, unanimidade nos casamentos atuais. Os volumes e formas da moda da Era Vitoriana também influenciaram os vestidos das princesas Grace Kelly, com o uso de crinolina; de Kate Middleton, com o uso de anáguas e a atriz Juliana Paes usou uma releitura de 1875 com anquinhas. Hoje, o vestido com decote ombro a ombro e o romantismo da coroa de flores no cabelo, como da Rainha Vitória, estão presentes nos vestidos de noiva da atriz Fernanda Souza, da princesa Madeleine, da atriz Fiorella Mattheis, Thaila Ayala e da cantora Thaeme. Muito além de toda a suntuosidade do vestido de noiva, percebemos a importância da relação do comportamento da noiva com o corpo e com a imagem idealizada para o dia do matrimônio, afinal, ficou claro que a aparência de perfeição, inclusive nos detalhes, é o que induz o consumo de todo o evento nupcial. O corpo e a imagem Historicamente o corpo é instituído conforme a aspiração e conjectura de sua cultura e de uma época vivida. Parte do sistema moderno de pensamento emergente entre os séculos XVI e XVII na Europa, baseava-se na ideia de que o corpo não é apenas aquilo que se é, mas, também, aquilo que se tem. (SANT ANNA, 2005, p.123) A beleza do corpo é o grande motivo das múltiplas questões simbólicas. Em especial, a noiva deseja um corpo jovem e saudável desde que isso seja visível, comunicável e permutável no campo de valores simbólicos. Essa dimensão simbólica transforma o corpo, para que por meio dele, haja uma nova sociabilização, um contato de apresentação e de comunicação com o outro. Toda influência adquirida pela noiva, molda uma identidade cultural individual, que está inscrita e manifesta-se no corpo, que produz sentido continuamente através da imagem. Com isso, a relação do consumo com o corpo e sua imagem se torna corriqueira, porque [...] os sujeitos querem escolher seu humor, controlar sua experiência vivida cotidiana, tornar-se senhores das vicissitudes emocionais [...] (LIPOVETSKY, 2007, p.35).

8 Principalmente na sociedade ocidental, as noivas costumam preparar o corpo de forma incisiva para o evento matrimonial, que faz parte de um comportamento de vaidade corporal representativo de uma trajetória bem sucedida, portanto, importante. A valorização da vaidade ao corpo jovem e saudável não é um fenômeno novo. A segunda década do século XX foi crucial na formulação de um novo ideal físico, tendo a imagem cinematográfica interferindo significativamente nessa construção. (CASTRO, 2005, p.137). A ressignificação do corpo pelo meio da forma e volume, demonstram os cuidados com o corpo e imagem que deixou de ser uma experiência passageira, portanto, não está mais relacionada a uma determinada idade da vida. Hoje, são atitudes impositivas tratadas como deveres dos membros da sociedade. Desta forma, a noiva tem o dever de aparentar uma beleza ideal. Hoje, ter um corpo forte, magro, longilíneo, pele viçosa, cabelos longos e brilhantes, dentes perfeitos e brancos faz parte do ideal desejado pelas noivas. Observamos através da mídia, um aumento do culto ao corpo magro e atlético, o qual desde a Antiguidade demonstrava que delineamento muscular era sinônimo de força e agilidade. Deste modo, já que a vestimenta ganhou poder de consumo popular, o corpo precisou assumir destaque para se tornar único e ficar em evidência na sociedade, por isso, a ressiguinificação das formas e volumes da mulher entrou em seu período áureo, todos os holofotes estão voltados a ele. Assim, presencia-se diariamente [...] a frenética e intensa importância dada à imagem corporal e à moda (TRINCA, 2008, p.128). A fantasia da beleza do corpo é a versão moderna de um reflexo social, em vigor desde a entrada da mulher no mercado de trabalho. Na medida em que as mulheres se tornam independentes, o mito da beleza toma conta e se torna indispensável, assumindo sua tarefa de controle social. Quanto mais numerosos foram os obstáculos legais e materiais vencidos pelas mulheres, mais rígidas, pesadas e cruéis foram as imagens de beleza feminina a nós impostas (WOLF, 1992, p.11). Para uma decisão justa deve-se fazer a relação do corpo e imagem com a o vestido de noiva, ponderando que este traje representa uma passagem na vida da noiva e, para isto, analisamos imagens de noivas e suas histórias de vida, publicadas em meios de fácil acesso. Análise de imagens A metodologia utilizada foi inicialmente a pesquisa qualitativa por meio do estudo bibliográfico, que fundamentou cientificamente os temas, assim, por meio do método dedutivo

9 definimos critérios de escolhas de imagens da Era Vitoriana, que mostraram mudanças da forma e que representavam épocas distintas. Em seguida, através de blogs ligados ao assunto casamento, relacionamos, por meio do método indutivo, mais de 100 fotografias de noivas e seus vestidos, cerimônia e comemorações. As escolhas recaíram nos exemplos de noivas que fugiram dos padrões vigentes de tendência, mas que, no entanto, eram coerentes com a personalidade identificada no histórico dos noivos e que, visivelmente não sofreram influências de agentes ou família. Por fim, catalogamos as imagens com as formas principais da Era Vitoriana e relacionamos com as imagens de noivas atuais, começando pelo vestido de noiva da figura principal da época, a Rainha Vitória. Quadro 1: Rainha Vitória X Camila Recife PE Fonte: constancezahn.com A imagem do vestido da blogueira pernambucana Camila Coutinho, segunda foto do quadro 1, tem muitas semelhanças com o da Rainha Vitória, primeira foto do quadro 1. A silhueta com cintura marcada, o decote ombro a ombro e a renda como adorno no corpo do vestido, tem as mesmas características, no entanto a manga do vestido da Camila não tem volume e é mais curta. A forma em ponta do espartilho também é uma adequação moderna, entretanto a saia do vestido em formato de sino apresenta tecidos diferentes, mas tem o mesmo volume. Percebemos que inclusive o penteado da noiva brasileira é parecido com o da Rainha Vitória.

10 Quadro 2: Vestido de tafetá X Mariana São Paulo SP Fonte: vestidadenoiva.com A referência é de uma época de muitos exageros e no vestido, primeira foto do quadro 2, utilizado como comparação esse excesso é visível. O vestido da Mariana, segunda foto do quadro 2, é bem marcado na cintura, provavelmente por um espartilho, com decote ombro a ombro, o volume da saia revela o uso da anágua deixando o formato redondo. Assim como a textura do tecido são elementos semelhantes da época, as rendas e os bordados também tem a mesma característica do modelo de A maior diferença é a manga, com cortes distintos, porém plausível para a época que vivemos.

11 Quadro 3: Vestido com cauda X Luciana Marília SP Fonte: constancezahn.com No quadro 3, o vestido da Luciana, terceira foto do quadro 3, apresenta características do ano de Com o espartilho, anágua, saia projetada para trás, a cauda como continuação do próprio vestido, conforme a primeira foto do quadro 3, o volume da saia, o romantismo das rendas e bordados está em acordo com a da segunda imagem do quadro 3. O tecido dos modelos comparados, embora diferentes, manifesta o mesmo efeito. Considerando que a manga longa e justa do vestido da Luciana está distante da comparação, curta, com volume e babados, podemos afirmar que o vestido é uma releitura da época. Quadro 4: Vestido de noite X Fabiane Londrina PR Fonte: Acervo pessoal A semelhança entre os vestidos comparados é grande. A Fabiane, segunda foto do quadro 4, tem a saia com estrutura de barbatanas deixando a parte de trás com volume, muito característica do ano de referência, e sobre saia de babados, diferente da sobre saia inteira da primeira foto do quadro 4, porém com o mesmo efeito e nos dois vestidos os adornos são renda e bordados. O uso de espartilho e o amplo decote também aparecem no vestido Fabiane, favorecendo o busto como na foto de Outra diferença é a manga, não existe no vestido atual seguindo uma tendência de moda, e na referência tem tamanho média e justa.

12 Quadro 5: Vestido garden party X Fabiana Londrina PR Fonte: elianazanini.blogspot.com.br No fim da Era Vitoriana, a maior particularidade é a silhueta arqueada e o corpete mais longo, característica que aparece no vestido da noiva Fabiana, segunda foto do quadro 5, porém mais branda do que no vestido de 1904, primeira foto do quadro 5. A cintura marcada, as rendas, os babados e a fluidez também estão em conformidade, o decote fechado aparece no vestido, atual sem forro e no vestido da primeira imagem do quadro 5 chegando até o pescoço e todo forrado. Outra comparação é a saia dos vestidos, com pouco volume e presença de bordados. Percebemos a maior diferença apenas na manga, longa e bufante que para o vestido atual da Fabiana é curta e sem volume, uma adaptação do clima do país e da época. Considerações finais Através da pesquisa bibliográfica sobre a história da moda a partir de 1840 até 1901, denominada da Era Vitoriana, e a história do vestido de noiva, estudamos a influência do fator emocional como um aspecto subjetivo do consumo, que faz com que as noivas passem o valor do rito por gerações em gerações. Igualmente, na pesquisa imagética realizada, conseguimos determinar a relação da Era Vitoriana com as noivas atuais, que por sua vez vinculavam sinais de romantismo, de aparência de perfeição e de realizações de sonhos por meio do casamento. Durante a busca de imagens, conhecemos a história de um casal que iniciaram os preparativos para o matrimônio e se depararam com as dificuldades de uma cidade cosmopolita,

13 com uma possível festa para 400 pessoas, quando seria impossível dar atenção a todos. A noiva sendo impelida a usar um vestido que não era do seu agrado, mas a altura da comemoração e com a disputa de egos de fornecedores. Nesse momento de alto stress, decidiram por cumprir todos os rituais desejados, mas na ilha Fernando de Noronha com os 70 convidados indispensáveis para a comemoração. Pensando dessa forma, a questão central não é mais ser como os outros, mas o que escolher? na oferta pletórica do mercado: o princípio de autonomia tornou-se a regra de orientação legítima das condutas individuais. (LIPOVESTSKY, 2007, p. 72). Logo, na atualidade as noivas tem poder de escolha, desde que o rito e o vestido estejam presentes por decisão própria. Esse relato mostra que a reapropriação de uma imagem desejada não deixou de ser importante. Inicialmente a hipótese para este estudo era que o consumo do vestido seduz a noiva a realizar seus sonhos de ser a mulher mais linda do evento e de estar perfeita como nos contos de fadas, para iniciar sua nova vida. Sendo assim, num processo de indução percebemos que o momento da escolha de um vestido de noiva, torna-se um consumo coberto de sentimentos e desejos, mas, não o simples fato da compra. A relação do corpo com sua imagem que será apresentada no dia do casamento é mais visível que o consumo em si, que fica em segundo plano. Com isso, entendemos que a ressignificação do corpo tornou-se um respeitável objeto de desejo e, portanto, de estudo, já que descobrimos que a perfeição citada, nada mais é do que o desejo de aparentar e não necessariamente estar ou ser. Assim, a cultura enraizada ou adquirida pela noiva, mostra a obstinação em estar invejável, o que evidencia o desejo hedonista. Como a noiva da imagem do quadro 1, que escolheu um vestido moderno, mas com características literais do traje da rainha bem sucedida e feliz, referencia pela forma e volume a reapropriação de toda áurea mística embutida na figura da Rainha Vitória, enquanto ícone de felicidade, de riqueza, de elegância e de realeza. É fato que rendas e bordados são itens indispensáveis na escolha do modelo ideal do vestido de noiva atual. A grande maioria dos modelos analisados tem esses adornos, tanto em casamentos modestos ou em casamentos luxuosos, no campo ou em clubes, o que nos faz entender que a noiva deseja romantismo, requinte e beleza estética. Assim, o consumo emocional, deixa de ser comandado pela inquietação com o outro, para tornar realidade dos sonhos individuais. Podemos verificar nos vestidos atuais do quadro 2 e 3, que as fotos demonstram o romantismo desejado, o vestido com amplos decotes até os ombros, cintura marcada, rendas, laços e bordados, completado por um cenário que aparenta um conto de

14 fadas. Este exemplo, embora utilizando de formas e volumes distintos do anterior, apropria-se de outra fase da Era Vitoriana, personificada pela Imperatriz Maria Eugênia da França e seus inúmeros bailes que consumiam muitos trajes criados por Worth. Não se espera que a noiva busque informações sobre a história da moda, já que da tendência do momento elas extraem apenas os modelos de possíveis decotes, pois, a reapropriação da aparência, a forma e os adornos, vem atravessando gerações e seguindo tradições como a do vestido branco acompanhado de todo o rito do casamento. Na imagem do quadro 4, a noiva dispõe-se a usar muitos metros de tecido e espartilho, em pleno verão brasileiro, para realizar seu desejo de ter um vestido único, no entanto, ele é mais uma cópia quase que fiel dos vestidos de1885, quando existiam estruturas rígidas como a anquinha, cauda e muito volume. Se não é provável o conhecimento da História da Moda, da onde veio a referência para um vestido com estas características incomuns para os dias atuais? A forma do corpo e a imagem da noiva são inseridas no encanto avassalador do mercado casamenteiro, esse propõe uma série de ritos estéticos pré-evento incentivando a ressignificação do corpo através de tratamentos como: esfoliação, hidratações de pele e cabelo, massagens modeladoras e relaxantes, limpeza de pele, peelings, lifting e botox. A noiva do quadro 5 utilizou todos estes artifícios e adornos como renda, laço, bordado no seu vestido, pois a relação da beleza do corpo e da imagem transmitida com a escolha do vestido, cria um comprometimento explícito de diferenciação, status, prazer, poder, amor e felicidade para si, para ser a mulher dos seus próprios sonhos, única e deslumbrante. As noivas se reconhecem na afirmação de Wolf (1992, p 76) Os homens olham as mulheres. As mulheres se observam sendo olhadas. Isso determina não só a relação entre os homens e as mulheres, mas também a relação das mulheres consigo mesmas. Além disso, o corpo ideal e a imagem a ser transmitida, devem estar de acordo com o evento, esse culto ao corpo mostra uma preocupação em ressignificar a imagem diante da nova vida que se iniciará, principalmente por meio do vestido de noiva que deve deixá-la indefinivelmente bela, muitas vezes irreconhecível. Desse modo, como futuros trabalhos temos motivação para utilizar as poucas imagens das noivas reais catalogadas que possuem como referencia a década de vinte do século XX, para descobrirmos o movedor de sua pouca utilização, que é da mesma forma recheado de símbolos de riqueza, requinte e poder, e também entender a relação com o corpo das que escolhem essa referência. Temos como hipótese que além do ícone Chanel não ter se casado, ser transgressora e independente, a silhueta da década não valorizava as formas do corpo feminino desejado, idealizado, imensamente trabalhado da atualidade.

15 Referências Livros: BOUCHER, François. A história do vestuário no ocidente: das origens aos nossos dias. Edição ampliada por Yvonne Deslambres. Tradução: Andre Telles. São Paulo: Cosac Naify, BUENO, Maria Lucia; CASTRO, Ana Lúcia (orgs.). Corpo, território da cultura. São Paulo: Annablume, HARRIS, Kristina. Victrorian the Edwardian fashion for woman 1840 to Hong Kong: Schisser, LIPOVETSCK, Gilles. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. Tradução: Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, e CHARLES, Sebastien. Os tempos hipermodernos. Tradução: Marcio Vilela. São Paulo: Barcarolla, MAFFESOLI, Michel. No fundo das aparências. Petrópolis (RJ): Vozes, MELLINGER, Maria McBride. The Wedding Dress. New York: Random House, VILLAÇA, Nizia. Mixologias: Comunicação e o consumo da cultura. São Paulo: Estação das Letras e Cores, WOLF, Naomi. O mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Tradução: Waldéa Barcelos. Rio de Janeiro: Rocco, WORSLEY, Harriet. O vestido de noiva. Inspiração fashion para noivas e estilistas. Tradução: Dafne Melo. São Paulo: Publifolha, Teses: TRINCA, Tatiane Pacanaro. O corpo-imagem na cultura do consumo : uma análise históricosocial sobre a supremacia da aparência no capitalismo avançado. 2008, 154p. Tese (Mestrado em Ciências Sociais) Departamento Sociologia e Antropologia da Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília. SP, Sites: ALMEIDA, Marília. Casamento no Brasil tem custo médio de R$ 40 mil. In: Revista Exame. Disponível em <http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/casamento-no-brasil-tem-customedio-de-r-40-mil>. Acesso em:17 fev FLORET, Fernanda. Casamento no Hotel Unique Mariana + Luis Henrique. Disponível em: <http://vestidadenoiva.com/casamento-no-hotel-unique-mariana-luis-henrique/>. Acesso em: 19 fev IG. Do aluguel de motos para noivos à fotografia feita com quadricópteros, o mercado de matrimônios no Brasil espera crescimento de 8% em Disponível em: <http://economia.ig.com.br/financas/seunegocio/ /industria-bilionaria-do-casamentoatrai-ideias-criativas-de-negocio.html>. Acesso em: 17 fev

16 KALIL, Gloria. Noivas históricas: relembre os vestidos de Jackie Kennedy, Grace Kelly, Bianca Jagger, Lady Di e Carolyn Bessette. Disponível em: <http://chic.uol.com.br/moda/noticia/noivashistoricas-relembre-os-vestidos-de-jackie-kennedy-grace-kelly-bianca-jagger-lady-di-e-carolynbessette>. Acesso em: 17 fev ZAHN, Constance. Casamento de modelo - II. Disponível em: <http://www.constancezahn.com/page/11/?s=kate+middleton&x=0&y=0>. Acesso em 18 fev , Constance. Grace x Kate. Disponível em: <http://www.constancezahn.com/?s=carol+trentini&x=0&y=0>. Acesso em: 18 fev , Constance. Camila Coutinho e Diego Nunes. Disponível em: <http://www.constancezahn.com/camila-coutinho-diego-nunes/>. Acesso em: 19 fev , Constance. Luciana e Luiz Eduardo. Disponível em: <http://www.constancezahn.com/?s=luciana&x=10&y=4>. Acesso em: 19 fev ZANINI, Eliana. Noivinha Fabiana. Disponível em: <http://elianazanini.blogspot.com.br/>. Acesso em: 20 fev

PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015

PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015 PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015 A existência de um padrão de beleza não é algo novo e sofreu modificações ao longo do tempo, de acordo com fatores históricos e culturais.

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é?

Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é? Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é? Para crescer profissionalmente não basta conhecer bem sua especialidade, é indispensável ser ético. De acordo com o dicionário

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO

ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO Animal print and symbolic consumption explaining models Garcia, Maria Carolina; Doutora; Centro Universitário Belas Artes, maria.garcia@belasartes.br

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEURO PSICO MOTOR: ACESSIBILIDADE NA MODA INCLUSIVA

ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEURO PSICO MOTOR: ACESSIBILIDADE NA MODA INCLUSIVA ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEURO PSICO MOTOR: ACESSIBILIDADE NA MODA INCLUSIVA Delay in Neuro Psycho Motor development: accessibility in inclusive fashion Sartori, Bárbara Keoma; Graduada em Design de Moda

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

O TRAJE DA CRIANÇA NA IDADE MÉDIA

O TRAJE DA CRIANÇA NA IDADE MÉDIA 11º Colóquio de Moda 8ª Edição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015 O TRAJE DA CRIANÇA NA IDADE MÉDIA The Child's Costume in The Middle Ages Neotte, Linda

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

GABRIELA AZEVEDO E MARIANA ALMEIDA

GABRIELA AZEVEDO E MARIANA ALMEIDA GABRIELA AZEVEDO E MARIANA ALMEIDA o decorrer da história das sociedades, os padrões de beleza de homens e mulheres foram se transformando. Até hoje, no Oriente, o idoso é valorizado por sua sabedoria

Leia mais

Weber e o estudo da sociedade

Weber e o estudo da sociedade Max Weber o homem Maximilian Karl Emil Weber; Nasceu em Erfurt, 1864; Iniciou seus estudos na cidade de Heidelberg Alemanha; Intelectual alemão, jurista, economista e sociólogo; Casado com Marianne Weber,

Leia mais

A INSERSÃO DA RENDA ARTESANAL FILÉ NO CONCEITO DO NOVO LUXO MARCELA TENÓRIO MELO E LIVIA DO AMARAL VALENÇA

A INSERSÃO DA RENDA ARTESANAL FILÉ NO CONCEITO DO NOVO LUXO MARCELA TENÓRIO MELO E LIVIA DO AMARAL VALENÇA 1 A INSERSÃO DA RENDA ARTESANAL FILÉ NO CONCEITO DO NOVO LUXO MARCELA TENÓRIO MELO E LIVIA DO AMARAL VALENÇA Introdução O consumidor contemporâneo vem sofrendo a influência da efemeridade da moda, dos

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito 9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Imagem Corporal no Envelhecimento Maria João Sousa e Brito Envelhecimento Envelhecer não é difícil difícil é ser-se velho Goethe O prolongamento da vida coloca novos cenários,

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

UNIFORMES HOTELEIROS: verificando a satisfação dos/as usuários/as.

UNIFORMES HOTELEIROS: verificando a satisfação dos/as usuários/as. UNIFORMES HOTELEIROS: verificando a satisfação dos/as usuários/as. Autora: CARINA GÉSSIKA IRINEU DO MONTE, SAVIA ANTONYELLE GOMES DE LIRA e MARIA ALICE VASCONCELOS ROCHA Introdução Tempos atrás o uniforme

Leia mais

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto Fotos necessárias para a confecção da estatueta Todo o trabalho é referenciado em fotos, ou seja, não nos responsabilizamos por material fotográfico que confecção, para isto criamos este guia, para atender

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Um destino que com certeza irá agradar a todos os seus convidados.

Um destino que com certeza irá agradar a todos os seus convidados. ão é de agora que Búzios é o local escolhido pelas noivas que desejam casar na praia. Há mais de dois anos, a pequena aldeia de pescadores tornou-se um dos principais destinos para a realização de bodas

Leia mais

(1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo

(1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo (1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo Contexto histórico: Alemanha: organização tardia do pensamento burguês e do Estado nacional. e Humanas na Alemanha: interesse pela

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude 1 Dossiê Gilberto C. Cury Presidente da SBPNL - Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística Responsável por trazer a PNL ao Brasil, em 1981 gilberto@pnl.com.br PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

203.000 146.000 1.420.000 2ª. BOA FORMA é lider disparada do segmento e é Corpo a Corpo, principal concorrente

203.000 146.000 1.420.000 2ª. BOA FORMA é lider disparada do segmento e é Corpo a Corpo, principal concorrente BOA FORMA é lider disparada do segmento e é Corpo a Corpo, principal concorrente 5x maior que BOA FORMA vende mais de circulação garantida de BOA FORMA fala com mais de Entre as revistas femininas, é a

Leia mais

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i Cássia Aparecida Sales M Kirchner ii Faculdade de Educação Unicamp

Leia mais

A comunicação com o cliente: como ele vê a sua empresa?

A comunicação com o cliente: como ele vê a sua empresa? A comunicação com o cliente: como ele vê a sua empresa? Karlan Muller Muniz Enconampe - Congresso Catarinense das Micro e Pequenas Empresas Blumenau, 02 de abril de 2011 Pequenas Empresas, Grandes Negócios

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA Coleção de moda para o público infantil aliando Arte & Cultura à técnica de estamparia

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Palavras-Chave: Arte, Educação e cultura. Carline Schröder Arend 1 Amarildo Luiz

Leia mais

dim i e m nsão ã o h uma m n a a c p a ac a i c d i ad a e c m o p m etênci c a

dim i e m nsão ã o h uma m n a a c p a ac a i c d i ad a e c m o p m etênci c a Importância da Imagem Pessoal na Profissão Profa Elaine C. S. Ovalle Todo ser humano tem necessidade de se destacar naquilo que realiza. O maior responsável pelo desenvolvimento pessoal é o próprio indivíduo.

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

diferente Um book as preparações para cerimônia, cabelo, maquiagem, acessórios, e

diferente Um book as preparações para cerimônia, cabelo, maquiagem, acessórios, e Um book diferente Aproveite o casamento para tirar fotos com características de arte: nas ruas, praças, avenidas, próximas ao mar e até mesmo em ruínas Ensaio nas ruínas da Lagoinha foto: Leonardo Gali

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MINHA CIDADE É UM MORANGO

PROJETO DE PESQUISA MINHA CIDADE É UM MORANGO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL Maria Rosane Flach Rosangela Beatriz Dienstmann

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO Izabele Trindade Caldas (CALDAS I. T.) e Elaine Melo de Brito Costa (COSTA E. M. DE B.). Departamento de Educação Física Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING A Estillo Fashion Training se concentra em tudo o que você quer e precisa saber sobre como trabalhar com imagem pessoal e imagem corporativa. Nosso objetivo é a

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Feminino. Tipos de corpo. Ampulheta

Feminino. Tipos de corpo. Ampulheta O guia de tamanho será desenvolvido para auxiliar os e-consumidores, no momento da compra. O e-consumidor terá disponível um guia de auxilio a medidas, de forma que permitirá que o mesmo obtenha informações

Leia mais

Querida Lojista, O tempo de simplesmente vender a mercadoria para a cliente acabou faz muito tempo. Passamos pela época de encantar as clientes e

Querida Lojista, O tempo de simplesmente vender a mercadoria para a cliente acabou faz muito tempo. Passamos pela época de encantar as clientes e Calendário Lojistas Querida Lojista, O tempo de simplesmente vender a mercadoria para a cliente acabou faz muito tempo. Passamos pela época de encantar as clientes e hoje estamos vivendo os tempos de superar

Leia mais

IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MULHERES DE PORTO ALEGRE

IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MULHERES DE PORTO ALEGRE IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MULHERES DE PORTO ALEGRE Diagnóstico e Desafios 11 e 12 de setembro de 2009 Políticas Públicas e o Orçamento em Porto Alegre Mulheres no Orçamento Participativo:

Leia mais

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE 11º Colóquio de Moda 8ªEdição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015 A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE The youth fashion

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Amanda Medeiros Cecília Aragão Mais importante do que a roupa é a vida que se vive dentro da roupa. A gente é mais bonita quando está feliz. Quem se

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

Checklist para Planejar o seu Casamento

Checklist para Planejar o seu Casamento http://www.havan.com.br/ http://www.bloghavan.com.br/ Checklist para Planejar o seu Casamento Mais de 1 ano antes Escolha a data do casamento e defina o seu orçamento. Se a cerimônia for na igreja, preocupe-se

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Arte Moderna Expressionismo A busca por expressar os problemas da sociedade da época e os sentimentos e emoções do homem no inicio do século xx Foi uma reação ao impressionismo, já que o movimento preocupou-se

Leia mais

Uma nova visão do marketing pessoal: o marketing pessoal estratégico.

Uma nova visão do marketing pessoal: o marketing pessoal estratégico. Uma nova visão do marketing pessoal: o marketing pessoal estratégico. Posiciono o marketing pessoal num espaço de tempo e que eu denomino de as três eras do mesmo. A 1ª era, num tempo não muito distante,

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Veja todo o material ou clique no índice abaixo para ir direto para o que precisa.

Veja todo o material ou clique no índice abaixo para ir direto para o que precisa. 1 Carta às Noivas Olá, em primeiro lugar, parabéns por estar se casando! Esperamos que este material à ajude a saber mais sobre casamentos e também no planejamento correto da sua festa. Veja todo o material

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos Desencantamento do mundo e racionalização Tipos puros 1. O conceito de ação social 1.1 Ação racional com relação a objetivos

Leia mais

GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL GESTÃO DE DESEMPENHO

GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL GESTÃO DE DESEMPENHO GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL GESTÃO DE DESEMPENHO Career Compass Para Fulano de Tal 99999999 Data CONFIDENCIAL Reproduzido através do Inventário de Motivos, Valores e Preferências Copyright 2001

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos 1. O conceito de ação social 1.1 Ação tradicional 1.2 Ação afetiva 1.3 Ação racional com relação a valores 1.4 Ação

Leia mais

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Daniel de Castro Brainer Pereira PIRES 1 Thatiane Oliveira de ALENCAR 2 Alessandra Oliveira ARAÚJO 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE RESUMO

Leia mais

Editorial de Moda: Anos 60 1

Editorial de Moda: Anos 60 1 Editorial de Moda: Anos 60 1 Lucas Paiva de OLIVEIRA 2 Rosana Vilanova LACERDA 3 Paola Monteiro CORRÊA 4 Gabriella Grendene ZANCHI 5 Renata STODUTO 6 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto Alegre,

Leia mais

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos:

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos: Princípios de Composição do Vestuário Para trabalhar com roupas mais elaboradas é importante conhecer os princípios de composição do vestuário. Neste nicho de mercado, este tipo de peça é desenvolvido

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling DILMA MARIA DE ANDRADE Título: A Família, seus valores e Counseling Projeto de pesquisa apresentado como Requisito Para obtenção de nota parcial no módulo de Metodologia científica do Curso Cousenling.

Leia mais

http://www.comoorganizarcasamento.com

http://www.comoorganizarcasamento.com Como Planejar seu Casamento Sem Stress Copyright 2014 Este e- book é protegido pela Lei dos Direitos Autorais (Lei 9.610/98), é proibida a reprodução do livro por meio eletrônico ou impresso. O e- book

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

Escola Secundária Ferreira Dias. Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos. Curso técnico de vitrinismo. Disciplina: TIC

Escola Secundária Ferreira Dias. Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos. Curso técnico de vitrinismo. Disciplina: TIC Escola Secundária Ferreira Dias Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos Curso técnico de vitrinismo Disciplina: TIC Professora: Vanda Pereira Novembro de 2013 Índice Introdução... 1 Moda dos

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

3º ANO SOCIOLOGIA. Prof. Gilmar Dantas AULA 2 DURKHEIM, FATO SOCIAL E INSTITUIÇÕES SOCIAIS

3º ANO SOCIOLOGIA. Prof. Gilmar Dantas AULA 2 DURKHEIM, FATO SOCIAL E INSTITUIÇÕES SOCIAIS 3º ANO SOCIOLOGIA Prof. Gilmar Dantas AULA 2 DURKHEIM, FATO SOCIAL E INSTITUIÇÕES SOCIAIS DURKHEIM, FATO SOCIAL E INSTITUIÇÕES SOCIAIS Conceitos da aula de hoje: - Fato social - Coerção social - Alienação

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO Roberta Ortiz Furian Palavra-chave: ecologia, ambiente, desenvolvimento Este trabalho tem como objetivo destacar a teoria Ecologia do Desenvolvimento

Leia mais

MERCADO DE AÇÕES MULHERES

MERCADO DE AÇÕES MULHERES MULHERES NA BOLSA 32 REVISTA RI Março 2011 Está ficando para trás o tempo em que a Bolsa de Valores era um reduto identificado com o gênero masculino. Hoje esse espaço também já é ocupado pelas mulheres

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

A Criança e os Mimos. "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..."

A Criança e os Mimos. Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível... A Criança e os Mimos "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..." Autora: Anne M. Lucille[1] "Respeito é quando ensinamos, não quando corrigimos..."

Leia mais

9/4/2013. Bem-vindo ao portal gnt.com.br

9/4/2013. Bem-vindo ao portal gnt.com.br 9/4/2013 Bem-vindo ao portal gnt.com.br GNT.COM.BR GNT.COM.BR O portal que compõe com o canal GNT sua mais completa solução de mídia para o público feminino, unindo o impacto da TV à relevância da internet.

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ PARTICIPANTES: AMANDA CAROLINE COLOGNI - 060.115.469-00 FRANCIELE PEREIRA ANTUNES - 067.639.869-39 NAIARA DA ROSA PIRES

Leia mais