FACULDADES OPET CENTRO DE PÓS GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TI RICARDO BERTON

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADES OPET CENTRO DE PÓS GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TI RICARDO BERTON"

Transcrição

1 FACULDADES OPET CENTRO DE PÓS GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TI RICARDO BERTON CALCULANDO A COMPLEXIDADE DE AMBIENTES DE TI DE MANEIRA COMPATÍVEL COM A ITIL CURITIBA 202

2 RICARDO BERTON CALCULANDO A COMPLEXIDADE DE AMBIENTES DE TI DE MANEIRA COMPATÍVEL COM A ITIL Artigo Científico apresentado à disciplina de Metodologia Científica como requisito parcial à obtenção do Título de Especialista em Gestão de Tecnologia da Informação, no curso de Pós-Graduação em Gestão de Tecnologia da Informação, Faculdades Opet. Orientador: Professor Evandro Luis Silveira. CURITIBA 202

3 Resumo: Este trabalho pretende fornecer um método de calcular a complexidade de um ambiente de TI, incluindo todos os seus elementos de software, hardware, usuários e infraestrutura. Para uma empresa prestadora de serviços de infra-estrutura de TI, que possui muitos clientes e uma diversidade de ambientes atendidos é necessário uma ferramenta para avaliar objetivamente a complexidade dos ambientes para definir custos, tamanho de equipe e acordos de serviço. Dentre vários métodos propostos para cálculo de complexidade, encontrados na literatura, nenhum é focado na totalidade do ambiente de TI. Assim propõe-se um método diferente, baseado em dados obtidos no banco de dados da gerência de configuração, ferramenta sugerida pela Information Technologies Infrastructure Library ou ITIL. Este método baseiase em uma fórmula, proposta, que leva em consideração os dados obtidos para calcular um coeficiente, ou um indicador, da complexidade de um ambiente. A partir de dados de vários ambientes aplicamos o método calculamos os coeficientes, ou indicadores, e analisamos os resultados para avaliar a validade do mesmo. São feitas, também, simulações de vários tipos de ambiente para validações complementares. O modelo mostra que ambientes percebidos como de complexidade diferente apresentaram valores distintos que permitem diferenciá-los e identificar qual o mais ou o menos complexo. Palavras chave: Ambiente de Tecnologia da Informação. Complexidade de ambientes. Gestão de Tecnologia da Informação. ITIL Information Technologies Infrastructure Library.

4 Em uma empresa que usa equipamentos de informática a soma de todos os computadores pessoais ou estações de trabalho, impressoras, computadores principais ou servidores, equipamentos de rede, programas usados pela mesma e demais instalações relacionadas, constituem o ambiente de tecnologia de informação da empresa ou simplesmente Ambiente de TI. Esses ambientes podem ser bem simples em uma pequena empresa com poucas estações de trabalho, poucas impressoras e muitas vezes nenhum servidor, e podem ser extremamente complicados com milhares de estações de trabalho, múltiplos servidores e programas complexos, ou sistemas de informação em uma empresa grande, como uma multinacional por exemplo. Essas variações em tamanho e tipo de equipamentos e de sistemas implicam em uma variação na complexidade destes ambientes. Uma empresa prestadora de serviços de TI que atende essas empresas, possui portanto uma diversidade de ambientes de TI a serem atendidos. A definição de preço, tamanho de equipe e inclusive de Acordos de Nível de Serviço (Service Leval Agreements ou SLA's) passam pela avaliação da complexidade de cada um desses ambientes. A complexidade pode também entrar em outros indicadores de performance e de atendimento. A avaliação da complexidade é via de regra subjetiva, com o gestor comparando intuitivamente um novo ambiente com outros em que já são prestados serviços. Propõe-se aqui um método para calcular essa complexidade, obter um valor numérico para a mesma e dessa maneira poder compará-la com a de outros ambientes e então conseguir uma estimativa mais objetiva das definições necessárias para prestar o serviço ou obter indicadores mais precisos. Um dos métodos de medir a complexidade em sistemas de informação é o uso da variedade, dentro de um conceito da cibernética. Nesse âmbito a variedade é descrita como: Número total de estados distintos que um sistema pode ter. Ou ainda: A contagem do número total de estados de um sistema. Este termo foi introduzido por W. Ross Ashby em sua Lei da Variedade de requisitos []. Como exemplo podemos dizer que um sistema que é um conjunto, em que é desconsiderada a ordem, com os seguintes valores: c, b, c, a, c, c, a, b, c, b, b, a Possuindo então apenas os valores distintos a,b e c. Diz-se que este conjunto tem uma variedade de 3 elementos. As regras para discriminar estados distintos tem que estar bem especificadas para que o valor seja bem definido. O valor da variedade pode ser um inteiro como no exemplo, ou ainda o logaritmo na base 2 do mesmo para explicitar a variedade em bits. Este sistema é pertinente na avaliação da complexidade de sistemas de informação [2] porém não é útil para tratar de ambientes de TI considerando os itens de hardware. Uma outra maneira proposta [3] para medir a complexidade é o uso da entropia aplicada à tecnologia da informação representada pela formula: H = px log p x para x є a, []Ashby (956) p 24 [2]Christoph Rosenkranz; Roland Holten(2007) [3]A Mathematical Theory of Communication C. E. Shannon The Bell System Technical Journal,Vol. 27, pp , , 948

5 onde x é um simbolo do alfabeto a e p(x) é a probabilidade da ocorrência de x como próximo caractere. Esta forma é útil tanto para sistemas de informação quanto para sistemas de comunicação, porém, novamente não é adequada para ambientes em que se considera o hardware como um componente relevante. Uma maneira simples de calcular a complexidade levando-se em conta apenas o hardware é atribuir um peso para cada tipo ou item de hardware e executar uma média ponderada de todo parque, ou seja: Ch= j (n i p i ) i TotEq onde Ch é o coeficiente da complexidade do hardware, ni é o número de componentes do tipo i pi é o peso deste tipo e TotEq é o total de componentes de hardware considerados desde o elemento i até o j-ésimo elemento. O grande defeito desta solução é levar em conta apenas o hardware deixando de lado os sistemas e os usuários que agregam complexidade ao ambiente. Mesmo que estes estejam indiretamente computados dentro do peso atribuído a cada tipo de hardware. É necessário encontrar uma solução mais completa. Procura-se ajuda na Biblioteca de Infraestrutura de Tecnologia da Informação ou Information Technology Infraestructure Library ou ainda ITIL [4]. Essa biblioteca é uma coleção de boas práticas e recomendações para a gestão de serviços em Tecnologia da Informação. A ITIL define serviços de TI e estes são dependentes dos itens de configuração. Os serviços de TI são uma abstração do conjunto de sistemas e hardware [5] que permitem que os usuários usem ou acessem determinada facilidade ou executem determinada tarefa com apoio de TI. Cada serviço é composto de um ou mais itens que podem ser de software, hardware, humanos, de comunicação ou ainda de infraestrutura. Tais componentes são chamados de itens de configuração [6]. Podemos então ampliar a formulação da complexidade para usar os serviços e não simplesmente o hardware em si para calculá-la. Para o uso em indicadores é melhor obter um coeficiente para a complexidade que seja normalizado. A fórmula para calcular este coeficiente ficaria então: Ca= n m P n l Tic m p m onde Ca é o coeficiente da complexidade do ambiente, n é o total de serviços, P n é o peso do serviço n, m é o total de itens de configuração associados ao serviço n, Tic m é o item de configuração do tipo m associado ao serviço n, p m é o peso definido para aquele item de configuração, l é o total de tipos de itens de configuração independentemente de serviços associados e Tic l é o total de itens de configuração do tipo l. O peso do item de configuração e do serviço, podem ser derivado dos acordos de nível de serviço trazendo para a fórmula a conexão com a importância dos serviços e o impacto para os usuários, cobrindo assim o ambiente em sua totalidade. Os pesos devem ser calculados de maneira a serem normalizados, isto é o maior peso possível ser igual a um. Assim o coeficiente permanece normalizado Tic l [4]ITIL V3 Service Design [5]ITIL V3 Service Strategy - What are services? p. 33 [6]ITIL V3 Service Strategy - Definitions list p. 347

6 Uma proposição para o cálculo dos pesos é considerar o impacto de uma falha e a suscetibilidade a apresentar defeito de um item de configuração ou um serviço. Considera-se três níveis de impacto e três níveis de suscetibilidade: Alto, Médio e Baixo. Para cada nível associa-se um valor, 3 para alto, 2 para médio e para baixo. Multiplicase o valor do impacto pelo valor da suscetibilidade e obtêm-se o valor não normalizado do peso, como pode ser exemplificado pela seguinte tabela: Impacto\Suscetibilidade Alta Média Baixa Alto Médio Baixo 3 2 Tabela Pesos para impacto e suscetibilidade não normalizados. Para normalizar dividem-se os valores pelo valor máximo, ou seja por 9, e obtêm-se os pesos normalizados que estão expressos na tabela a seguir: Impacto\Suscetibilidade Alta Média Baixa Alto 0,67 0,33 Médio 0,67 0,44 0,22 Baixo 0,33 0,22 0, Tabela2 Pesos para impacto e suscetibilidade normalizados. Assim fica satisfeita a necessidade de normalização do peso. Este método ainda implica em alguma subjetividade pois a atribuição do valor de impacto e suscetibilidade pode variar de um indivíduo para outro e assim podem haver dois valores diferentes percebidos para o mesmo ambiente. Para remover esse fator subjetivo é melhor usar os acordos de nível de serviço (Service Level Agreement SLA) [7], especificamente a disponibilidade do serviço que é medida em porcentagem. Assim um serviço que precisa de disponibilidade [8] de 24 horas nos sete dias da semana (24/7) e aceita-se uma indisponibilidade (downtime) [9] de até quatro horas no mês, sendo assim um serviço crítico, terá uma disponibilidade de 99,44% ((24h*30d -4h)/24h*30d)*00%. Será usado o valor não percentual de 0,9944 no lugar do peso. A disponibilidade é diretamente proporcional à importância do serviço, assim sendo um serviço muito importante possuirá uma disponibilidade alta. Os itens de configuração também possuem a sua disponibilidade, que da mesma maneira que a disponibilidade dos serviços é calculada em porcentagem e diretamente proporcional à importância do item. A participação de um mesmo item de configuração em diversos serviços, por exemplo a estação de trabalho do usuário, pode provocar um aumento indevido no valor da complexidade. Esse mesmo item será contado tantas vezes quantos forem os serviços aos quais está presente. Para evitar esse problema basta dividir a quantidade total de um item pela soma de todos os serviços aos quais ele participa. Assim a fórmula que calcula a complexidade fica: n Ca= m Dslas n Tic Dslai m m Ns m [7]ITIL V3 - Service Strategy - Definitions list p. 366 [8]ITIL V3 - Service Strategy - Definitions list p. 34 [9]ITIL V3 - Service Strategy - Definitions list p. 339

7 Onde Ca é a complexidade do ambiente, n é o total de serviços, Dslas n é a disponibilidade do serviço n, m é o total de itens de configuração associados ao serviço n, Tic m é o total de itens de configuração do tipo m associado ao serviço n, Dslai m é a disponibilidade deste item de configuração, Ns m é o total de serviços dos quais o item de configuração m participa. Para um cálculo apropriado de um coeficiente de complexidade é necessário conseguir uma coleção de ambientes e a partir do maior valor calculado executar a normalização. Tentar normalizar os ambiente de maneira isolada pode implicar em um desvio onde um ambiente com mais itens de configuração tem coeficiente de complexidade menor que um ambiente com menos itens de configuração com o mesmo desvio ocorrendo para a variação dos serviços. Para validação da fórmula é necessário simular diversos ambientes com várias configurações para verificar tendências ou mesmo se a fórmula fornece valores perceptivelmente diferentes para cada ambiente. Para tal usa-se um programa que simula pseudo-aleatoriamente vários cenários. O programa trabalha com a seguinte especificação: Simulação de 20 cenários, quantidade mínima de itens de configuração de 00 itens, quantidade máxima de itens de configuração de 000 itens, número mínimo de serviços de 5, numero máximo de serviços de 20, disponibilidade mínima de serviço de 80%, disponibilidade máxima de serviço de 99%, disponibilidade mínima de item de configuração de 75%, disponibilidade máxima de item de configuração de configuração de 99%. Nessa simulação é assumida uma distribuição linear dos itens de configuração nos serviços. O programa gera um arquivo com separação de valores por vírgula, formato csv, com a seguinte formatação: Na, Ns, Tic, Ca [nova linha] Onde Na é o numero de ambientes, Ns é o total de serviços, Tic é o total de itens de configuração e Ca é o valor calculado da complexidade deste ambiente. Para cada ambiente é gerada uma linha no arquivo ficando o mesmo com 20 linhas. O resultado aparece na tabela a seguir: Ambiente Numero serviços Total de IC's Complexidade , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,46 Tabela 3 Resultado das simulações de cálculo de complexidade de ambientes.

8 Usando esses dados podemos obter os gráficos de dispersão por número de serviços e por total de itens de configuração mostrados a seguir: Dispersão da Complexidade pelo númeor de serviços 000,00 800,00 Complexidade 600,00 400,00 200,00 0, Número de serviços Gráfico Dispersão da complexidade por número de serviços. Dispersão da Complexidade pelo Total de itens de configuração 000,00 800,00 Complexidade 600,00 400,00 200,00 0, Total de itens de configuração Gráfico 2 Dispersão da complexidade por total de itens de configuração Através destes resultados, gerados de forma pseudo-aleatória, percebe-se que a fórmula produz diferentes valores para diferentes ambientes. Não há dois valores iguais calculados para a complexidade, mesmo que tenham ocorrido repetições em número de serviços por exemplo. Percebe-se também que a complexidade é diretamente proporcional ao total de itens de configuração conforme esperado. Para demonstrar o desvio de um coeficiente auto normalizado pode-se usar a seguinte fórmula: Ca= n m P n l (Tic m p m ) Tic l

9 Onde usamos as mesmas definições da fórmula anterior acrescidas de l que é o total de tipos de itens de configuração independentemente de serviços associados e Tic l é o total de itens de configuração do tipo l. Fazendo-se uma simulação baseada em um ambiente real, onde varia-se apenas a quantidade de itens de configuração obtém-se a seguinte tabela para o coeficiente da complexidade usando a fórmula anterior: Quantidade IC Complexidade 500 0, , , , , ,9225 Tabela 4 Variação do coeficiente da complexidade pela quantidade de itens de configuração Esta tabela fornece o seguinte gráfico: Dispersão do coeficiente de complexidade pela quantidade de Itens de Configuração Coeficiente de complexidade 0,9250 0,9245 0,9240 0,9235 0,9230 0,9225 0,9220 0,925 0, Total de IC's Gráfico 3 Dispersão do coeficiente de complexidade pela quantidade de itens de configuração. Através deste gráfico percebe-se que o cálculo do coeficiente da complexidade auto normalizado provoca o efeito indesejável de tornar o coeficiente inversamente proporcional à quantidade de itens de configuração. Este resultado não é correto pois estamos adicionando complexidade ao ambiente por isso esperamos uma complexidade maior e portanto um coeficiente mais próximo de um. Assim fica demonstrada a necessidade de se obter uma coleção de valores de complexidade para então calcular o coeficiente de complexidade. Para aplicação em casos reais foram selecionados três ambientes dos quais foram levantados os dados para aplicação da fórmula. Um ambiente é de uma empresa da área financeira de abrangência estadual com foco principal em empréstimos de microcrédito, este ambiente será referenciado como ambiente. Os outros dois ambientes são de um órgão estadual, sua sede e uma de suas regionais estes ambientes serão referenciados como ambiente 2 e 3. O ambiente possui 508 itens de configuração e 2 serviços. As

10 disponibilidades dos serviços variam de 93,33% a 99,7%. As disponibilidades dos itens de configuração variam de 93,33% a 99,7%. O cálculo da complexidade para este ambiente foi de 464,46. O ambiente 2 possui 627 itens de configuração e 6 serviços. As disponibilidades dos serviços variam de 93,33% a 99,7%. As disponibilidades dos itens de configuração variam de 93,33% a 99,7%. O cálculo da complexidade para este ambiente foi de 20,04. O ambiente 3 possui 739 itens de configuração e 6 serviços. As disponibilidades dos serviços variam de 93,33% a 99,7%. As disponibilidades dos itens de configuração variam de 93,33% a 99,7%. O cálculo da complexidade para este ambiente foi de 546,4. Assim percebemos que para ambientes diferentes com complexidade diferentes obtemos valores bem distintos para a complexidade e que esse valor é proporcional a complexidade percebida dos ambientes. Tomando o valor do ambiente 2 como normalizador podemos calcular o coeficiente de complexidade dessa coleção de ambientes que fica: Ambiente Coeficiente 0,3867 2, ,4547 Tabela 5 Valores dos coeficientes de complexidade da coleção de ambientes. Para termos valores que tendam a um e não sejam exatamente igual a um podemos autonormalizar os ambientes usando a máxima complexidade possível para estes ambientes como fator de normalização. A máxima complexidade para estes ambientes pode ser calculada como se todos os itens de configuração tivessem o mesmo valor para a disponibilidade e esse valor fosse a maior disponibilidade deste ambiente. Da mesma maneira todos os serviços também teriam a mesma disponibilidade, também considerando a maior delas. Assim o fator de normalização seria 0,9835 e teríamos então os seguintes coeficientes de complexidade para esta coleção de ambientes: Ambiente Coeficiente 0, , ,4472 Tabela 6 Valores dos coeficientes da coleção de ambientes considerando a máxima complexidade possível. Destas duas maneiras verificamos que os coeficientes de complexidade se comportam da maneira esperada, sendo proporcionais a complexidade percebida do ambiente em questão. Assim demonstramos que o método proposto pode fornecer valores numéricos, portanto objetivos, para a complexidade de um ambiente de TI e a partir de uma coleção de ambientes pode-se conseguir calcular um coeficiente da complexidade destes ambientes. A proposta de captura direto do banco de dados da configuração, uma análise de uma coleção maior de ambientes e um método de normalização melhor ficam como sugestão para estudos futuros.

11 ASHBY, W Ross. An Introduction to Cybernetics. ed. Londres: Chapman & Hall, 956. p. 24. Cabinet Office, ITIL Service Design PDF. The Stationery Office, 200. Cabinet Office, ITIL Service Strategy PDF. The Stationery Office, 200. p. 33, p. 339, p.34, 347, p Christoph Rosenkranz; Roland Holten. Fifteenth European Conference on Information Systems, ECIS 2007, St. Gallen, Switzerland, University of St. Gallen 2007 Frizelle and Woodcock. POMS Conference April 4 April 7, 2003 Savannah, GA SHANNON, C. E. A Mathematical Theory of Communication. The Bell System Technical Journal,Vol. 27, pp , , 948.

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE FERRAMENTAS OPEN SOURCE BASEADAS NO ITIL PARA GERENCIAMENTO DE INCIDENTES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: resultados finais 1

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE FERRAMENTAS OPEN SOURCE BASEADAS NO ITIL PARA GERENCIAMENTO DE INCIDENTES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: resultados finais 1 AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE FERRAMENTAS OPEN SOURCE BASEADAS NO ITIL PARA GERENCIAMENTO DE INCIDENTES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: resultados finais 1 Janio Luiz Antunes 2 ; Aujor Tadeu Cavalca Andrade 3

Leia mais

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe 1 FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe ITIL V2 Service Support Aracaju, Setembro de 2009 EDUARDO DA PAIXÃO RODRIGUES LUCIELMO DE AQUINO SANTOS 2 ITIL V2 Service Support Trabalho de graduação

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Estudo de Caso 22. Figura 4 Console da TEC*. *Alguns dados foram removidos atendendo a política de segurança da informação da empresa.

Estudo de Caso 22. Figura 4 Console da TEC*. *Alguns dados foram removidos atendendo a política de segurança da informação da empresa. 2 Estudo de Caso O gerenciamento de serviços é um fator crítico para a organização em análise, os processos devem garantir os acordos de níveis de serviços estabelecidos com os clientes. Destarte, a atividade

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes - ITIL. Prof. Rafael Marciano

Gerenciamento de Incidentes - ITIL. Prof. Rafael Marciano Gerenciamento de Incidentes - ITIL Prof. Rafael Marciano Conteúdo Objetivos Conceitos e Definições Atividades Indicadores Chaves de Desempenho Papéis Desafios Um pouco sobre a certificação ITIL Foundations

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço Service Level Management SLM Gerenciamento de Níveis de Serviço 1 É o balanço o entre... Qualidade dos serviços entregues Expectativa do cliente 2 Processo: Definições Service Level Management (SLM) Têm

Leia mais

MOF-ITIL Uma Breve Introdução. Jorge Fernandes e Célia Ghedini CIC-UnB Abril de 2004

MOF-ITIL Uma Breve Introdução. Jorge Fernandes e Célia Ghedini CIC-UnB Abril de 2004 MOF-ITIL Uma Breve Introdução Jorge Fernandes e Célia Ghedini CIC-UnB Abril de 2004 Referências ITIL http://en.itsmportal.net/binaries/itil_essen tialsstudyguide.pdf http://www.ogc.gov.uk/index.asp?id=2261

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente;

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL Mas o que gerenciar? Gerenciamento de Serviço de TI. Infra-estrutura

Leia mais

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI ITIL Overview Gestão de Serviços de TI Sobre a ILUMNA Atuando na área Gerenciamento de Serviços em TI (ITSM) desde 1997, a ILUMNA presta serviços de Consultoria, Educação e Tecnologia, com o objetivo de

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

GESTÃO DE CONTRATOS COM SLA. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

GESTÃO DE CONTRATOS COM SLA. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com GESTÃO DE CONTRATOS COM SLA Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Cada vez mais as empresas estão contratando serviços baseados em níveis de serviços, conhecidos pela sua sigla

Leia mais

CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013

CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013 CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013 CONCESSÃO ADMINISTRATIVA PARA DESENVOLVIMENTO, IMPLANTAÇÃO, OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E GERENCIAMENTO DA SOLUÇÃO GRP DO MUNICÍPIO

Leia mais

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot. Curso ITIL Foundation Introdução a ITIL ITIL Introduction Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.com Agenda Definição / Histórico Escopo Objetivos Benefícios e Problemas

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

CENTRAL DE SERVIÇOS APOIADA EM SOFTWARE LIVRE

CENTRAL DE SERVIÇOS APOIADA EM SOFTWARE LIVRE CENTRAL DE SERVIÇOS APOIADA EM SOFTWARE LIVRE Juliano Flores Prof. Wagner Walter Lehmann Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de Tecnologia da Informação (GTI0034) Prática do Módulo

Leia mais

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL - Livros Estratégia de Serviços (Service Strategy): Esse livro

Leia mais

EXIN Business Information Management Foundation

EXIN Business Information Management Foundation Guia de Preparação EXIN Business Information Management Foundation with reference to BiSL Edição Maio 2012 Copyright 2012 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicada,

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Gerenciamento de Níveis de Serviço

Gerenciamento de Níveis de Serviço Gerenciamento de Níveis de Serviço O processo de Gerenciamento de Níveis de Serviço fornece o contato entre a organização de TI e o cliente, para garantir que a organização de TI conhece os serviços que

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Reportar o Desempenho Realizar o Controle Integrado de Mudanças Reportar o

Leia mais

O que o Negócio quer da TI? www.companyweb.com.br Download: www.companyweb.com.br/downloads 1

O que o Negócio quer da TI? www.companyweb.com.br Download: www.companyweb.com.br/downloads 1 O que o Negócio quer da TI? www.companyweb.com.br Download: www.companyweb.com.br/downloads 1 Exemplo de Relatório Velocidade na Resolução dos incidentes 97% 95% Qualidade na resolução dos incidentes 85%

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO APRESENTAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Este documento foi elaborado pelo setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (CSGI), criada com as seguintes atribuições: Assessorar a Direção da SESAU

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 2 INFRAESTRUTURA DE TI Para garantir o atendimento às necessidades do negócio, a área de TI passou a investir na infraestrutura do setor, ampliando-a,

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO. Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer. Resumo

TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO. Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer. Resumo TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer Resumo Este artigo descreve os conceitos gerais relacionados a técnica de Análise

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

GESTÃO DE RISCOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES Número da Norma Complementar Revisão Emissão Folha ICMBio Instituto Chico Mendes De Conservação da Biodiversidade Diretoria de Planejamento, Administração e Logística ORIGEM COTEC - Coordenação de Tecnologia

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

Auditoria do TCO de redes de

Auditoria do TCO de redes de PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Auditoria do TCO de redes de computadores Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro - UGB A infra-estrutura Aspectos para Avaliação: Que tipo de informações são

Leia mais

Acordos de Nível de Serviço (SLA)

Acordos de Nível de Serviço (SLA) Poder Judiciário Justiça do Trabalho TRT - 11ª Região (AM/RR) Acordo de Nível de Serviço Acordos de Nível de Serviço (SLA) Serviço Abrangência Área de Negócio Relógio de Ponto Interna (Sede do Tribunal)

Leia mais

Acordos de Nível de Serviço (SLA)

Acordos de Nível de Serviço (SLA) Poder Judiciário Justiça do Trabalho TRT - 11ª Região (AM/RR) Acordo de Nível de Serviço Acordos de Nível de Serviço (SLA) 1 Poder Judiciário Justiça do Trabalho TRT - 11ª Região (AM/RR) Acordo de Nível

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE INCIDENTES COM AS PRÁTICAS ITIL

GERENCIAMENTO DE INCIDENTES COM AS PRÁTICAS ITIL FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Felipe Tanji Caldas GERENCIAMENTO DE INCIDENTES COM AS PRÁTICAS ITIL São Paulo 2011 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Felipe Tanji Caldas GERENCIAMENTO DE INCIDENTES

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 Gerenciamento de Serviços de TI Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 A Informática, ou Tecnologia da Informação, antigamente era vista como apenas mais um departamento, como um apoio à empresa. Hoje, qualquer

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC Configurador Automático e Coletor de Informações Computacionais GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO software livre desenvolvido pela Dataprev Sistema de Administração

Leia mais

Gerenciamento Incidentes, Problemas e de Nível de Serviço. Treinamento OTRS ITSM

Gerenciamento Incidentes, Problemas e de Nível de Serviço. Treinamento OTRS ITSM Gerenciamento Incidentes, Problemas e de Nível de Serviço Treinamento OTRS ITSM Sumário Gerenciamento de Incidentes e Problemas...3 Cadastro de Serviços...4 Tipo de Serviço...4 Criticidade (Criticalidade)...4

Leia mais

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO 2015 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas

Leia mais

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens:

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens: Introdução: Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível montar uma rede sem fio em casa ou no escritório sem usar um roteador de banda larga ou um ponto de acesso (access point),

Leia mais

Como montar uma rede Wireless

Como montar uma rede Wireless Como montar uma rede Wireless Autor: Cristiane S. Carlos 1 2 Como Montar uma Rede Sem Fio sem Usar um Roteador de Banda Larga Introdução Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em Information Technology Infrastructure Library (ITIL)V3.

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em Information Technology Infrastructure Library (ITIL)V3. TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em 1. OBJETO Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em conceitos da biblioteca ITIL V3 - Infrastructure

Leia mais

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos.

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos. ITIL V3 Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender o gerenciamento de riscos. Porquê Governança? Porque suas ações e seus requisitos

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Prof. Walter Cunha. Segurança da Informação. Não-Escopo. Escopo. Prof. Walter Cunha Rede LFG

Prof. Walter Cunha. Segurança da Informação. Não-Escopo. Escopo. Prof. Walter Cunha Rede LFG Segurança da Informação Prof. Walter Cunha Rede LFG Prof. Walter Cunha Contatos: E-mail: falecomigo@waltercunha.com timasters@yahoogoups.com Atividades: http://www.waltercunha.com/blog/ http://twitter.com/timasters/

Leia mais

CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies

CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies CUSTOMER SUCCESS STORY CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies EMPRESA A CPD Informática atua com a venda de soluções, serviços, planejamento e gestão de TI, contribuindo

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção Este procedimento corresponde ao fluxo de trabalho de Indexação de OCR com separação de código de correção no programa de treinamento do Capture Pro Software. As etapas do procedimento encontram-se na

Leia mais

Benefícios da ITIL para Gestão dos Serviços de TI

Benefícios da ITIL para Gestão dos Serviços de TI Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 24 08 de outubro de 2014 Benefícios da ITIL para Gestão dos Serviços de TI Eyler Bryan Rodrigues Vieira Santos

Leia mais

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO TRIBUNAL DE JUSTIÇÃO DO ESTADO DE MATO GROSSO. Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação - CTI

ESTADO DE MATO GROSSO TRIBUNAL DE JUSTIÇÃO DO ESTADO DE MATO GROSSO. Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação - CTI ESTADO DE MATO GROSSO TRIBUNAL DE JUSTIÇÃO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 02/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº xxxx em / / Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação

Leia mais

Curso Fundamentos de Gerenciamento de Serviços de TI baseado no ITIL V3

Curso Fundamentos de Gerenciamento de Serviços de TI baseado no ITIL V3 Curso Fundamentos de Gerenciamento de Serviços de TI baseado no ITIL V3 Todos nossos cursos são preparados por profissionais certificados e reconhecidos no mercado de Gerenciamento de Serviços de TI. Os

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

Rotina de Discovery e Inventário

Rotina de Discovery e Inventário 16/08/2013 Rotina de Discovery e Inventário Fornece orientações necessárias para testar a rotina de Discovery e Inventário. Versão 1.0 01/12/2014 Visão Resumida Data Criação 01/12/2014 Versão Documento

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Lista de Exercícios 01: ITIL Prof. Fernando Pedrosa

Lista de Exercícios 01: ITIL Prof. Fernando Pedrosa Lista de Exercícios 01: ITIL Prof. Fernando Pedrosa Canais: fpedrosa@gmail.com http://tinyurl.com/ycekmjv INMETRO - Infraestrutura - (CESPE 2009) 81 Gerenciamento de nível de serviço é uma forma de entrega

Leia mais

Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM

Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM Fernando Pires Barbosa, Carlos Roberto Gressler, Marcio Andre Dell Aglio Frick, Daniel Michelon de Carli, Giséli Bastos, Henrique

Leia mais

OUTSOURCING NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Como gerir sem supervisionar? OUTSOURCING NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE

OUTSOURCING NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Como gerir sem supervisionar? OUTSOURCING NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE FATTO Consultoria e Sistema OUTSOURCING NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Como gerir sem supervisionar? OUTSOURCING NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Outsourcing no desenvolvimento

Leia mais

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes:

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes: Gerência de Redes: - Gerência de redes é o monitoramento de qualquer estrutura física e/ou lógica de uma rede. É de extrema importância esse gerenciamento para que se obtenha um bom fluxo no tráfego das

Leia mais

GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI

GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 8 GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 É na Operação de Serviço que se coordena e realiza as atividades e processos necessários para fornecer e gerenciar serviços em níveis acordados com o usuário e clientes

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Unidade 3 3.1 Introdução 3.2. Definições 3.3. Motivações 3.4. Problemas 3.5. Desafios 3.6. Padronização e Arquitetura 3.7. Gerência

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS GUIA DE BOAS PRÁTICAS Sumário Requisitos para um bom funcionamento...3 Menu Configurações...7 Como otimizar o uso da sua cota...10 Monitorando o backup...8 Manutenção de arquivos...12 www.upbackup.com.br

Leia mais

A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI

A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI A era da informação Informação, palavra derivada do verbo latim "informare", que significa "disciplinar", "ensinar", "instruir", juntamente com o seu significado

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA ÁGUA E ESGOTO

INFLUÊNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA ÁGUA E ESGOTO INFLUÊNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA ÁGUA E ESGOTO Paulo Mailson Vieira da Mota Graduando em Sistemas de Informação e Técnico em Informática, Analista de TI do SAAE de Iguatu-CE. Endereço

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

MBA: Master in Project Management

MBA: Master in Project Management Desde 1968 MBA: Master in Project Management Projetos e Tecnologia da Informação FMU Professor: Marcos A.Cabral Projetos e Tecnologia da Informação Professor Marcos A. Cabral 2 Conceito É um conjunto de

Leia mais

RESPOSTA AO QUESTIONAMENTO FORMULADO POR EMPRESA INTERESSADA NO CERTAME.

RESPOSTA AO QUESTIONAMENTO FORMULADO POR EMPRESA INTERESSADA NO CERTAME. RESPOSTA AO QUESTIONAMENTO FORMULADO POR EMPRESA INTERESSADA NO CERTAME. Brasília, 10 de fevereiro de 2010. Pregão n 062/2009 Lote 1: Lote 2: Operação, Gerenciamento de Redes, Servidores, Storage & Archive,

Leia mais

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll! Os parâmetros para decisão do auditor.! Tipos de planos de amostragem estatística em auditoria. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

ITIL - Information Technology Infraestructure Library

ITIL - Information Technology Infraestructure Library ITIL Biblioteca de infra estrutura de TI (do Inglês, Information Technology Infraestructure Library) e ISO/IEC 20.000 ITIL - Information Technology Infraestructure Library Foi criado no fim dos anos 80

Leia mais