R E L A T Ó R I O E C O N T A S 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "R E L A T Ó R I O E C O N T A S 2011"

Transcrição

1 1 R E L A T Ó R I O E C O N T A S 2011

2 2 Se tem metas para um ano, plante arroz. Se tem metas para 10 anos, plante uma árvore. Se tem metas para 100 anos, eduque uma criança. Se tem metas para 1000 anos, então preserve o meio ambiente. (Confúcio)

3 3 Índice Mensagem do Presidente do Conselho de Administração... 4 Apresentação da ADC, EM... 6 Enquadramento Jurídico... 6 Dados da Empresa... 7 Órgãos Sociais... 8 Áreas de intervenção da ADC... 9 O sistema de abastecimento... 9 O sistema de drenagem de águas residuais Resíduos Urbanos e Limpeza Urbana Parques e Jardins Análise Económico-Financeira Análise Económica Análise Financeira Resultado do Exercício Rácios e Indicadores Objectivos para Proposta de aplicação dos Resultados Considerações Finais Anexos I Quadro e Gráficos de Actividades Documentos de Prestação de Contas... 47

4 4 Mensagem do Presidente do Conselho de Administração A continuação da recuperação económico-financeira da empresa foi o principal objectivo alcançado em 2011, na sequência da estratégia definida e prosseguida desde anos anteriores, através de um processo de contenção de despesas e de reestruturação. A consolidação passou pela adaptação da estrutura da empresa e dos seus recursos humanos aos novos desafios de manutenção e conservação, e de pequenas ampliações da rede, bem como actividades de fiscalização e combate à fraude, no sentido de um maior aproveitamento dos recursos endógenos da empresa, nomeadamente utilizando melhor os meios próprios, quer humanos quer materiais. A verticalização do sector, no âmbito do Município da Covilhã continuou garantida, com a ligação à ICOVI, E.E.M. e à AdS, S.A., gestoras dos sistemas em alta, respectivamente de água e de saneamento. Os objectivos foram mantidos, na linha preconizada, continuando: 1. O saneamento financeiro da empresa; 2. O controlo orçamental permanente, nos termos do artigo 19º dos estatutos; 3. A optimização dos processos para controlo e redução das perdas de água na rede, com a definição apurada dos patamares de pressão e, quer através da rápida reparação de roturas, quer da substituição de contadores; 4. O controlo da qualidade da água de consumo humano, de acordo com o Programa de Controlo de Qualidade de Água, aprovado pela ERSAR; 5. Adequação de processos para manutenção da rede de drenagem dos esgotos e, para o controlo das descargas dos esgotos domésticos e industriais, na rede pública de drenagem de água residuais; 6. A optimização dos circuitos da recolha dos resíduos sólidos urbanos; 7. A reformulação dos espaços verdes e dos jardins da cidade;

5 5 Durante o ano foi iniciada a aplicação dos novos Regulamentos de Abastecimento de Água, de Águas Residuais e de Resíduos Sólidos, aprovados e publicados no Diário da República durante o ano anterior, tendo daí resultado um novo tarifário, que considerou pela primeira vez a existência de consumidores com captação própria, nas diversas tipologias e, uma distribuição mais equitativa do esforço por todos os consumidores do concelho abastecidos pela empresa. O resultado operacional relativo ao exercício de 2011, evidencia o esforço desenvolvido e os resultados alcançados ao nível da gestão, tendo sido obtido um valor positivo contrariamente ao verificado nos anos anteriores, cujo valor atingiu ,68 euros, devido quer à redução de custos com o pessoal em cerca de euros quer ao aumento do valor de vendas e de serviços prestados. O resultado líquido, melhorou de 538,12m (negativo) para 622,77m (positivo), concretizando o esforço da empresa em atingir resultados líquidos positivos, de forma a retirar a empresa da fase de constrangimento económico-financeiro. O desempenho da empresa não teria sido possível, sem o empenho e a colaboração dos seus sócios, o Município da Covilhã e a AGS-Hidurbe, no entendimento necessário à aplicação de soluções adequadas e, sem o empenho dos colaboradores e dos clientes da empresa, cujo papel foi imprescindível e fundamental, para a melhoria dos resultados operacionais e de gestão da empresa durante mais este ano de actividade. O Presidente do Conselho de Administração José António Afonso Calmeiro, Eng.º

6 6 Apresentação da ADC, EM Enquadramento Jurídico A ADC Águas da Covilhã, E.M., é uma empresa pública municipal, constituída em 1 de Abril de 2006, ao abrigo da Lei n.º 58/98, de 18 de Agosto (Lei das Empresas Municipais), com o número único de pessoa colectiva e de matrícula na Conservatória do Registo Comercial da Covilhã, com sede na Rua Conde da Ericeira, Apartado 552, Covilhã, que, por delegação do Município da Covilhã, faz a gestão e exploração dos serviços municipais do ambiente e que tem como actividade principal a Distribuição de Água (CAE 36002). Em 23 de Junho de 2008, por via de uma operação de cisão, o capital social foi reduzido para euros. Nesta operação foram destacadas da empresa as infraestruturas de saneamento básico e espaços verdes. A 10 de Julho de 2008, foi assinado um contrato entre o Município da Covilhã e a AGS HIDURBE Serviços Ambientais, SA., cedendo, o Município da Covilhã à AGS HIDURBE Serviços Ambientais, SA., 49% do capital estatutário da ADC Águas da Covilhã, EM. Em Janeiro de 2009, foi deliberado pelo Município da Covilhã, proceder ao parqueamento da participação social de 51% do capital social da ADC Águas da Covilhã, EM. na ICOVI Infra-estruturas e Concessões da Covilhã, EEM.,com capital 100% do Município da Covilhã.

7 7 Dados da Empresa Enquadramento da actividade Apesar da crise que tem vindo a criar maior incerteza quanto à evolução futura da economia, esta Empresa Municipal, conseguiu, dentro do possível, dar continuidade a obras no sector do ambiente, que estavam em curso, nomeadamente, ampliações, beneficiações e remodelações de água e de saneamento nas diversas freguesias do concelho, e apostou numa maior eficiência dos circuitos da recolha de resíduos e limpeza urbana, e também na beneficiação e modernização de espaços verdes. Internamente prosseguiu um processo de reorganização da gestão com a adopção de medidas visando a melhoria da eficiência e eficácia nos vários sectores administrativo/financeiro, comercial e operativo racionalizando os meios humanos e os equipamentos disponíveis para uma mais rápida e melhor satisfação do cliente/consumidor, visando a progressiva redução de água perdida e não facturada, com a implementação de acções preventivas e correctivas e reduzindo o tempo de resposta nas intervenções diárias. Indicadores Gerais ANO 2011 ANO 2010 Capital Social , ,00 Água Facturada (m 3 ) N.º de Trabalhadores Económico-Financeiros ANO 2011 ANO 2010 Volume de Negócios , ,25 Resultado Líquido , ,41 Activo Líquido , ,59 Passivo , ,45 Capital Próprio , ,14 Cash - Flow , ,79 Autonomia Financeira 27,23% 24,19% De notar a melhoria da situação económico-financeira da empresa, confirmada nos quadros dos indicadores.

8 8 Órgãos Sociais Assembleia-Geral: - David António Esteves Fontes Neves Presidente da Mesa; - Filipa Pinto Basto de Sousa Macedo Ravasco Mendes Secretária Conselho de Administração: - José António Afonso Calmeiro Presidente - António José Lobo Guerra Vogal executivo - Luís Manuel Carreira Fiadeiro Vogal não executivo; - José Curto Pereirinha Vogal não executivo; - Luís Francisco Trocado Gonzalez Briz Vogal não executivo Fiscal Único: - Cruz Martins & Pega Magro S.R.O.C, representada por João Alberto da Cruz Martins; - Fernando José Pega Magro Fiscal único suplente

9 9 Áreas de intervenção da ADC Os diversos sectores da empresa, água, saneamento, resíduos urbanos e espaços verdes, são apoiados por prestações de serviços externas, cujo objectivo é a optimização dos resultados operacionais e a racionalização de custos. O sistema de abastecimento No que respeita ao abastecimento de água, os objectivos que nortearam a actividade da ADC, EM, em 2011, foram os de continuar a garantir o normal abastecimento de água para consumo humano, com fiabilidade e com a qualidade adequada. O abastecimento de água no concelho da Covilhã é feito através de 14 sistemas: 11 geridos pela ADC e 3 geridos pelas respectivas Juntas de Freguesia de Cortes do Meio, Erada e Unhais da Serra. Os sistemas da ADC abastecem 93% da população concelhia. O maior sistema de abastecimento tem como captação principal a Albufeira da Cova do Viriato e fornece água a 53% dos habitantes do concelho. Os outros sistemas dependem de captações de água subterrâneas: poços e minas. Em 2011 o volume de água distribuído, medido à saída dos reservatórios de distribuição foi de m3 sendo 30% de origem superficial e 70% de origem subterrânea. Toda a água captada para abastecimento da população sofre tratamentos físicoquímicos, de forma a assegurar a sua potabilidade. A desinfecção da água é garantida pelas 11 ETA s e pelos 42 postos de cloragem que funcionam como reforço. A regularidade do fornecimento da água é assegurada pelos 87 reservatórios em serviço, que possuem uma capacidade total de armazenamento de m3. A ADC é responsável pela exploração e manutenção de 11 sistemas públicos de abastecimento de água no concelho da Covilhã que no total englobam 23 zonas de abastecimento para as quais é elaborado, anualmente um programa de qualidade de água (PCQA) sujeito à aprovação da ERSAR.

10 10 Em relação ao cumprimento do PCQA, e à semelhança dos anos anteriores, foram executadas todas as análises previstas representando assim uma taxa de execução de 100%, sendo de 99,82% a percentagem de análises realizadas com cumprimento do valor paramétrico. O sistema de drenagem de águas residuais A actividade deste sector consiste na: Desobstrução de redes públicas de drenagem de esgoto doméstico e/ou pluvial; Limpeza de fossas sépticas; Reparação de caixas de visita ou de ramais e subida das mesmas ao nível do pavimento; Reparação ou substituição das tampas das caixas de visita e ramal; Construção de colectores e ramais; Reparação de sarjetas ou sumidouros; Manutenção das 9 estações elevatórias e do tamisador nas Penhas da Saúde; Manutenção das 2 ETAR s (Quinta Branca e Minas da Panasqueira), não concessionadas. Resíduos Urbanos e Limpeza Urbana Resíduos Urbanos As tarefas diárias consistem na: Recolha indiferenciada de Resíduos Urbanos; Recolha selectiva de materiais recuperáveis e de objectos volumosos fora de uso, vulgo monstros ; Reparação, substituição e lavagem de contentores; Fiscalização das descargas ilegais de resíduos;

11 11 Limpeza Urbana As tarefas diárias consistem na: Limpeza de valetas e desobstrução de sarjetas; Corte de ervas e silvas em taludes; Lavagem de passeios e arruamentos; Remoção de cartazes publicitários afixados; Desratização e desbaratização na cidade; Captura de cães vadios e apoio logístico ao Canil. No ano de 2011 foram recolhidas toneladas de resíduos indiferenciados, 586 de vidro, 424 de papel e cartão, 172 de mistura de embalagens, 58 de sucata metálica, 361 de monstros, 2 de pilhas usadas e 11 de pneus. Parques e Jardins A ADC, EM é responsável pela requalificação e manutenção de espaços públicos, incluindo a rega com água não tratada, que passa pela manutenção de poços/reservatórios e da respectiva rede de distribuição. No Viveiro Municipal são produzidas muitas das espécies utilizadas nos espaços verdes do concelho, através da produção por estacaria e sementeira de várias espécies de árvores e arbustos. É no Viveiro Municipal que também é feita a repicagem de amoresperfeitos e petúnias, para colocação nos canteiros e floreiras da cidade.

12 12 Análise Económico-Financeira Análise Económica ACTIVO NÃO CORRENTE Activos fixos tangíveis No decorrer do ano de 2011 foram realizados investimentos em activos fixos tangíveis no montante de ,14 euros, destacando-se os seguintes: ANO 2011 Ampliação/ Remodelação de redes de água Conservação e equipamentos reservatórios Equipamento de transporte Contadores Equipamentos RSU's Programas de computador Outros investimentos TOTAL Os investimentos realizados contribuíram para a manutenção da fiabilidade dos serviços prestados e para a adequação dos meios à actividade da empresa. ACTIVO CORRENTE Inventários As existências de materiais apresentavam no final de 2011 um valor de ,22 euros, destacando-se as matérias-primas para o sector da água com ,48 euros e as matérias-primas de saneamento com ,43 euros. As perdas por imparidade nos inventários registavam, à data de 31 de Dezembro, o montante de ,83 euros. Clientes O valor das dívidas de clientes apresentava a 31 de Dezembro de 2011 um saldo de ,34 euros, sendo ,68 euros de clientes da facturação de água e de prestações de serviços e ,66 euros referentes a clientes de cobrança duvidosa, para os quais está contabilizada uma perda por imparidade de igual montante.

13 13 Outras contas a receber O valor de ,12 euros apresentado no Balanço, respeita fundamentalmente à contabilização na rubrica Devedores por acréscimos de rendimentos, dos subsídios à exploração devidos pelo Município da Covilhã, e respeitantes aos anos de 2009, 2010 e 2011, no montante global de ,00 euros, e ainda ao registo do valor de ,34 euros relativos à compensação do valor a receber da ADS -Águas da Serra, SA, por via da antecipação dos dividendos a receber pelo Município da Covilhã, (por deter 30% do capital social daquela empresa). Caixa e depósitos bancários Em 31 de Dezembro de 2011 o valor registado em Caixa e Depósitos Bancários ascendia a ,26 euros, estando constituídos depósitos no valor de ,17 euros para assegurar a liquidação do montante de 50% das facturas da Resiestrela, assim que seja assinado o contrato de recolha e tratamento com a referida empresa. PASSIVO NÃO CORRENTE Financiamentos obtidos O valor apresentado de ,00 euros respeita ao empréstimo bancário contraído por esta empresa municipal em Novembro de 2010, no montante de ,00 euros e ao valor de suprimentos do accionista privado, igualmente de ,00 euros, efectuados aquando da aquisição dos 49% do capital social desta empresa. Outras contas a pagar O montante de ,92 euros reflectido nesta rubrica, encontra-se coberto com protocolos de acordo desta empresa com factoring contratado por fornecedores e empreiteiros, sendo pago com amortizações mensais. É de salientar que no ano de 2011 foram liquidados ,84 euros, que, levando em linha de conta a conjuntura local e nacional, representou um enorme esforço de redução do passivo.

14 14 PASSIVO CORRENTE Fornecedores Nesta rubrica importa salientar que, cerca de 79% do seu valor se encontra concentrado em três fornecedores, a saber: ,16 euros de dívida à ADS Águas da Serra, SA, referente à concessão do serviço de saneamento em alta; ,14 euros à Águas do Zêzere e Côa e; ,10 euros à Resiestrela, SA.. A ADC liquidou até Maio (inclusivé) de 2011, e mensalmente 50% do valor das facturas à Resiestrela. Este procedimento resulta da expectativa de, em breve, a empresa vir finalmente a acordar com a Resiestrela numa metodologia de compensação pelos investimentos e custos incorridos com a recolha dos resíduos sólidos urbanos, e por consequência aderir ao sistema multimunicipal. No entanto, desde Junho de 2011que a ADC, EM deixou de liquidar 50% do valor das facturas a esta entidade, assegurando, contudo, em depósitos bancários os montantes correspondentes. Outras contas a pagar Nesta rubrica estão reflectidos ,61 euros referentes às amortizações mensais dos protocolos de acordo com factoring contratado por fornecedores e empreiteiros, que se vencem em De salientar ainda o montante ,17 euros contabilizados em Credores por acréscimos de gastos. A empresa decidiu contabilizar o acréscimo de férias e subsídio de férias, a vencer em 2012, por resultarem dúvidas quanto à obrigatoriedade ou não da entrega dos valores respectivos nos cofres do Estado. O valor mais significativo registado nesta rubrica, ,70 euros respeita ao gasto com a assistência técnica de gestão devido à AGS Hidurbe.

15 15 Está também incluído o valor de ,31 euros relativos à dívida por depósito de garantia, respeitante às garantias da execução de obras pelos empreiteiros, em função dos valores contratados. Atividade Comercial ANO 2011 N.º Clientes no início do ano N.º Clientes fim do ano Nota: inclui contratos de consumos próprios que no início de ano eram 214 e no final de 2011 o número ascendia a 220. Número e consumo por tipo de cliente Tipo de cliente Número m3 facturados Domésticos Domésticos idosos Comercial Industrial Administração local Administração central Instituições s/fins lucrativos Obras Rega Hotelaria/Grandes Superficies Subtotal Consumos próprios Total Os clientes desta empresa são maioritariamente domésticos, representando estes, cerca de 91% do total. Recursos Humanos No final do ano de 2011, a ADC Águas da Covilhã, EM, era gerida por cinco Administradores, dois dos quais executivos, e registava um universo de 125 colaboradores, dos quais 119 com contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado, e em regime de mobilidade geral, por cedência de interesse público nesta empresa, 1 com contrato de trabalho sem termo e 5 com contrato de trabalho a termo certo.

16 16 Distribuição por grupo profissional

17 17 Análise Financeira Rendimentos As vendas de água apresentam um valor de ,49 euros (já deduzido do valor do desconto do cartão do idoso de ,43 euros). As prestações de serviços apresentam um valor líquido de ,10 euros, sendo ,84 euros do sector da água; ,75 euros do sector do saneamento e ,04 euros do sector dos resíduos sólidos. O valor do desconto do cartão do idoso afecto às prestações de serviços foi de ,06 euros. Os serviços diversos prestados a terceiros desde reparações de rupturas nas redes públicas de distribuição de água, limpeza de colectores de esgoto e fossas sépticas, entre outros, apresentavam no final do exercício um valor de ,09 euros. A tarifa de encargos de cobrança registou um valor de ,44euros. O desconto do idoso apresentou um valor global de ,49 euros. O valor registado em Subsídios à Exploração respeita aos Contratos de Gestão para o ano de O montante de ,00 euros foi contabilizado por contrapartida de Devedores por acréscimos de rendimentos. Na rubrica de Outros rendimentos e ganhos importa salientar o valor de ,00 euros referente à compensação do valor a pagar à ADS -Águas da Serra, SA, por via da antecipação dos dividendos a receber pelo Município da Covilhã por deter 30% do capital social daquela empresa e respeitantes ao ano de Foi contabilizado o montante de ,40 euros resultantes da transferência dos subsídios ao investimento de Outras variações no capital próprio - Subsídios na proporção da amortização dos bens subsidiados. Em 2011, o total dos rendimentos obteve um aumento de ,01 euros, correspondendo a um crescimento de 9,70%.

18 18 Para uma melhor compreensão apresentamos a seguinte análise das rubricas de Rendimentos: Peso na Rubricas Ano 2011 Ano 2010 Variações estrutura Venda de água ,13% 23,05% Prestações de Serviços ,16% 64,98% Trabalhos para a própria empresa ,62% 0,35% Subsídios à Exploração ,42% 6,78% Reversões ,42% 0,03% Outros rendimentos e ganhos ,13% 4,43% Juros, dividendos e outros rendimentos ,69% 0,38% Total ,70% 100,00% Sendo a prestação de serviços proveniente das seguintes sub-rubricas: Rubricas Ano 2011 Ano 2010 Variações Peso na estrutura Sector Água , ,67 9,21% 26,93% Tarifa de disponibilidade , ,63 8,24% 23,66% Tarifa de ligação de contador , ,96 1,54% 1,47% Ramais , ,06 210,64% 1,17% Outras tarifas , ,02-35,76% 0,62% Sector de Saneamento , ,09 28,48% 53,78% Tarifa de saneamento , ,10 10,54% 45,93% Tarifa de disponibilidade ,73 0 6,90% Ramais , ,40 6,07% 0,27% Outras tarifas , , ,09% 0,68% Sector dos Resíduos Sólidos , ,38 20,90% 19,15% Desconto do cartão do idoso , ,62-67,93% -1,23% Outras tarifas e serviços diversos , ,94 0,30% 1,37% Total , ,46 25,16% 100,00%

19 19 Gastos A totalidade dos gastos decresceu em ,99 euros, representando 1,04% relativamente ao ano anterior. Para este decréscimo contribuíram as seguintes rubricas: custo das mercadorias e matérias consumidas ; gastos com pessoal e outros gastos e perdas. De salientar que houve apenas um aumento de 1,29% na rubrica fornecimentos e serviços externos, devido a encargos cujo montante está previsto em acordos/contratos celebrados, não assistindo ao Conselho de Administração a possibilidade de os alterar, por decorrerem de acordos accionistas, tais como: a tarifa de concessão AdS, a cedência das infra-estruturas Icovi, a assistência técnica e consultadoria AGS, estando estes dois últimos directamente relacionados com o valor da facturação. Este aumento, pelo referido, traduz uma política de contenção de custos profunda e sustentada, que tem sido levada a cabo sistematicamente. Os gastos com o pessoal foram no montante de ,04 euros e as amortizações do exercício no valor de ,98 euros. O acréscimo verificado em gastos e perdas de financiamento resulta, fundamentalmente, da subida das taxas euribor e dos juros do empréstimo bancário contraído em Novembro de 2010.

20 20 Para uma melhor compreensão apresentamos a seguinte análise das rubricas de Gastos: SNC Rubricas Ano 2011 Ano 2010 Variações Peso na estrutura 61 Custo mercadorias e matérias consumidas ,02% 4,81% 62 Fornecimentos serviços externos ,29% 59,50% 63 Gastos com pessoal ,40% 20,58% 64 Gastos de depreciação e de amortizações ,16% 8,26% 65 Perdas por imparidade ,38% 1,18% 67 Provisões do exercício ,46% 68 Outros gastos e perdas ,82% 0,55% 69 Gastos e perdas de financiamento ,89% 4,64% Total ,04% 100,00% Para uma análise da rubrica fornecimentos e serviços externos, sem a afectação dos encargos resultantes dos acordos/contratos acima referidos, apresenta-se o seguinte quadro, de que resulta que a redução efectiva dos gastos resultantes da gestão da empresa, relativamente ao ano anterior foi de 3,75%: SNC Rubricas Ano 2011 Ano 2010 Variações Peso na estrutura 61 Custo mercadorias e matérias consumidas ,02% 7,23% 62 Fornecimentos serviços externos ,93% 39,18% 63 Gastos com pessoal ,40% 30,91% 64 Gastos de depreciação e de amortizações ,16% 12,41% 65 Perdas por imparidade ,38% 1,78% 67 Provisões do exercício ,70% 68 Outros gastos e perdas ,82% 0,83% 69 Gastos e perdas de financiamento ,89% 6,97% Total ,75% 100,00%

21 21 Resultado do Exercício Resultado Líquido do Exercício Ano 2011 Resultado Líq. Exercício ,83 Os resultados apurados em 2011 foram de ,83 euros, registando em relação ao ano anterior um acréscimo de 215,73%, com mais ,24 euros. Esta variação positiva deve-se fundamentalmente ao aumento verificado nos rendimentos e à redução significativa dos gastos passíveis de políticas de contenção e restrição. Rácios e Indicadores Situação Financeira Solvabilidade Total 0,374 0,319 Autonomia Financeira 0,272 0,242 Liquidez Geral 0,318 0,352 Situação Económica Rentabilidade do Activo 0,021-0,018 Rentabilidade dos Capitais Próprios 0,077-0,073 Rentabilidade Líquida das Vendas 0,06-0,061 Cash-Flow , ,79

22 22 Objectivos para 2012 A Administração pretende comprometer-se com os seguintes objectivos para o ano de 2012, apesar das dificuldades económicas e financeiras que o país atravessa, e que impõem um grau de precaução muito significativo: Redução dos encargos com aquisições de materiais; Continuação da implementação de medidas tendentes à redução do volume total de perdas associadas à actividade comercial e à actividade de distribuição de água; Aquisição de uma viatura para o sector dos resíduos sólidos urbanos; Redução do volume de consumo de combustíveis; Manutenção do nível de serviço no sector de parques e jardins; Manutenção do nível de serviços no sector do saneamento; Concepção e implementação de campanhas de sensibilização da população relativas ao sector dos resíduos; Incremento da polivalência e multidisciplinaridade nos quadros da empresa; Execução de um conjunto de obras no valor de euros e de aquisição de equipamentos no montante de euros, o que totaliza uma previsão de investimento no valor global de euros; Renegociação dos protocolos de acordo de pagamentos a fornecedores; Continuação da execução do Plano de Formação; Continuação da renovação do parque informático.

23 23 Proposta de aplicação dos Resultados O Conselho de Administração da ADC, EM propõe que os Resultados Líquidos do Exercício no montante de ,83 euros sejam transferidos para Resultados Transitados.

24 24 Considerações Finais A Empresa Municipal ADC Águas da Covilhã, EM desenvolveu actividades necessárias para o crescimento e para a modernização do sector do ambiente no Município da Covilhã. O Conselho de Administração expressa o seu agradecimento a todas as entidades que deram o seu apoio e aos que prestaram colaboração na actividade desenvolvida, nomeadamente: - Ao Executivo Camarário e ao Accionista Privado pela colaboração prestada que permitiu que fossem atingidos os objectivos a prosseguir pela empresa; - Ao Presidente da ERSAR, pelo seu empenho e apoio demonstrado; - Aos Presidentes das Juntas de Freguesia pela ajuda na procura de soluções para resolver os problemas das populações; - Ao Presidente da Mesa da Assembleia-Geral e respectiva Secretária; - Ao Fiscal Único pelo sentido de exigência que manifestou e prontidão na sua intervenção; - A todos os funcionários e colaboradores da empresa, que com a sua dedicação e competência tornaram possível a concretização dos resultados definidos; - Às entidades financeiras pelo apoio e confiança depositados; - A todos os cidadãos em geral pelos alertas que nos transmitem, aquando da ocorrência de anomalias e pelo suporte dos incómodos provocados pelas obras realizadas pela empresa e, pela confiança relativa à fiabilidade dos serviços prestados. Covilhã, 1 de Março de 2012 O Conselho de Administração José António Afonso Calmeiro (Presidente do Conselho de Administração) António José Lobo Guerra (Administrador) Luís Gonzalez Bríz (Administrador) Luís Manuel Carreira Fiadeiro (Administrador) José Curto Pereirinha (Administrador)

25 25 Anexos I Quadro e Gráficos de Actividades

26 26 Sistema Geral de Abastecimento de Água ao Concelho da Covilhã Sistema Geral de Abastecimento de Água ao Concelho da Covilhã

27 m3 R e l a t ó r i o e C o n t a s Evolução de facturação Água ( m 3 ) Anos Facturação (ADC) Facturação Freguesias(EG) ,00 0, , , , , , , , , , , ,00 Facturação (ADC) Facturação Freguesias(EG) , , ,00 0,

28 28 Evolução da facturação de Saneamento Anos San (ADC) , , , , , , , , ,00 San (ADC) ,00 0, Evolução da facturação de RSU's RSU , , , , , RSU

29 Volumes [m3] R e l a t ó r i o e C o n t a s Evolução dos volumes de água para abastecimento Volumes captados Volumes distribuídos Volumes captados Volumes distribuídos Evolução dos volumes por tipo de origem de água Poço Minas e nascentes Barragem Poço Barragem Minas e nascentes

30 n.º de análises Taxa de cumprimento R e l a t ó r i o e C o n t a s Distribuição média anual dos volumes captados Poço 21,1% Minas e nascentes 45,3% Barragem 33,6% 33,6% 21,1% 45,3% Poço Minas e nascentes Barragem Controlo da qualidade da água - PCQA N.º de análises com VP n.º de incumprimentos % de cumprimentos 99,09% 99,36% 99,41% 99,82% 99,82% ,09% 99,36% 99,41% 99,82% 99,82% ,00% 99,00% 98,00% 97,00% 96,00% 95,00% 94,00% 93,00% 92,00% 91,00% 90,00% N.º de análises com VP % de cumprimentos n.º de incumprimentos

31 31 Consumos facturados por tipo de cliente % m 3 Adm.Central 5,59% Adm. Local 2,67% Cons. Comercial 6,93% Cons. Industrial 3,88% Cons. Obras 0,52% Cons. Próprios* 3,09% Cons. Rega 0,06% Domésticos 73,96% Inst.S/ Fins Luc. 3,31% Total 100,00% * Não facturados 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0%

32 32 Facturação Água ( ) % Adm.Central ,11 17% Adm. Local ,93 3% Cons. Comercial ,65 13% Cons. Industrial ,98 9% Cons. Obras ,62 1% Cons. Rega 4.104,84 0% Domésticos ,72 53% Inst.S/ Fins Luc ,07 3% Total (*) ,92 (*) Valores não deduzidos do desconto do idoso , , ,00 0,00 Evolução do número de consumidores Consumidores Anos Consumi

33 n.º de intervenções R e l a t ó r i o e C o n t a s Distribuição dos consumos por tipo de clientes Tipo tarifa % Nº contratos Domésticos 91,12% Comércio 5,37% Outros 3,50% 977 5,37% 3,50% Domésticos Comércio Outros Total 100,00% ,12% Evolução do número de avarias/reclamações do piquete Intervenções do piquete

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) Relatório Anual 2012 2 Relatório Anual 2012 3 Relatório Anual 2012 4 Relatório Anual 2012 5 Relatório

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A.

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. Exercício 2012 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 Balanço Individual em 31 de Dezembro de 2010 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 31

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 2013 Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 Índice 1. Mensagem do Presidente... 3 2. Demonstrações financeiras de 2013... 4 2.1. Situação patrimonial... 4 2.2. Demonstração de resultados... 5 2.3. Fluxos

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2012 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2012-2014... 6 3. PLANO DE GESTÃO PREVISIONAL 2012... 7 3.1. PLANO DE TESOURARIA... 8 3.2.

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) RelatórioAnual 2014 2 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MINIGOLFE UPD FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MINIGOLFE UPD BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade.

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade. 01 -IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE A ASSOCIACAO ENTRE FAMILIA - BRAGANÇA é uma sociedade Anónima, constituída a 13-08-2009, com sede em RUA EMIDIO NAVARRO TRAS IGREJA, BRAGANCA, 5300-210, BRAGANCA, e tem como

Leia mais

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 Índice Balanço... 3 Demonstração dos Resultados por Naturezas... 4 Demonstração dos Fluxos de Caixa...

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo CASA DO POVO DA ALAGOA Demonstrações Financeiras e Anexo em 31 de Dezembro de 2014 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RUBRICAS ACTIVO Euros DATAS 31-12-2014 31-12-2013 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

Relatório e Contas 2011 Relatório e Contas 2011 Safira 18 Balanço do Exercício em 31 de Dezembro de 2011 e 2010 (Montantes expressos em euros) ACTIVO Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM SNC

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM SNC BOLETIM INFORMATIVO N.º 2/2012 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM SNC (Este boletim destina-se a ser distribuído a clientes e colaboradores e a informação nele contida é prestada de forma geral e abstrata, não

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

«APCAS- Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal» Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014

«APCAS- Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal» Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 «APCAS- Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal» Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 30 de Junho de 2015 Nos termos da Portaria nº 105/2011 de 14 de Março, as divulgações a efetuar

Leia mais

MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas

MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas Tema: As Marcas e o Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Orador: Pedro Aleixo Dias Senior Partner da BDO Membro da Comissão Executiva

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço

III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço 1 1.2.1.Demonstração de Resultados por Naturezas 2 1.3.Demonstração de Fluxos de Caixa 3 1.4.Demonstração das Alterações no Capital Próprio 4 1. Identificação

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade PATRIMÓNIO DOS POBRES DA FREGUESIA DE ÍLHAVO 1.2 Sede Av. Manuel da Maia 3830 050 Ílhavo 1.3 NIPC 500876789 1.4 Natureza

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova os modelos para várias demonstrações financeiras para microentidades A O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para microentidades, prevendo a

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade IDFG Instituto D. Francisco Gomes - Casa dos Rapazes 1.2 Sede Bom João 8000-301 Faro 1.3 NIPC 500868395

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS 2014 1 Nome: SEDE: Rua Infante D. Henrique - Beja NIF: 500875030 Instituição Particular de Solidariedade Social RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS Índice RELATÓRIO DE GESTÃO... 3 2 BALANÇO EM 31 DE

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Agenda Evolução de mapas legais Obrigado AGENDA Evolução do Normativo Contabilístico Nacional SNC Demonstrações Financeiras A nova terminologia Dificuldades de transição Siglas SNC: Sistema de Normalização

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS 3. RECURSOS HUMANOS 4. ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA. Balanço

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS 3. RECURSOS HUMANOS 4. ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA. Balanço 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS 3. RECURSOS HUMANOS 4. ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA Balanço Demonstração dos Resultados Gastos Rendimentos Resultados 5. FACTOS RELEVANTES OCORRIDOS APÓS O

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

NCRF 27 Instrumentos financeiros

NCRF 27 Instrumentos financeiros NCRF 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 - Instrumentos Financeiros: Apresentação, IAS 39 - Instrumentos

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM 2012 RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM LAZEREEM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3 - Demonstração

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos Contabilidade Financeira Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos 3º TESTE INTERMÉDIO NOME: NÚMERO: Atenção

Leia mais

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Formação Eventual Sistema de Normalização Contabilística Exemplos práticos 14Set2009 a 14Out2009 1 de 142 Sistema de Normalização Contabilística Exemplos práticos

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 18 Rédito, adoptada pelo Regulamento (CE)

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Relatório e Contas 2012

Relatório e Contas 2012 Relatório e Contas 2012 Índice Temático Relatório de Gestão - Balanço e Contas (Balanço, Demonstração de Resultados, Demonstração de Fluxos de Caixa e Mapa de Demonstração das alterações do Capital Próprio)

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO ANEXO 13 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Concelho da Batalha, PCUP 1.2 Sede: Batalha 2440-117 Batalha 1.3 - Natureza da actividade:

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

LIVRO SNC CONTABILIDADE FINANCEIRA: SUA APLICAÇÃO

LIVRO SNC CONTABILIDADE FINANCEIRA: SUA APLICAÇÃO LIVRO SNC CONTABILIDADE FINANCEIRA: SUA APLICAÇÃO P. 2 Sistema de Normalização Contabilística Prático SNC Contabilidade Financeira: sua aplicação CAPÍTULO 1 CONTABILIDADE E O SEU PAPEL PARTE I P. 28 (QUESTÃO

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Contas do Exercício e Anexos

Contas do Exercício e Anexos Contas do Exercício e Anexos As melhores vistas da cidade Contas do Exercício e Anexos 126 Índice 7 CONTAS DO EXERCÍCIO 130 8 OUTRA INFORMAÇÃO 190 8.1 PAINEL DE INDICADORES DE ATIVIDADE 190 8.2 PAINEL

Leia mais

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9.

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9. ÍNDICE (parágrafos) Objectivo 1 e 2 Âmbito 3 Considerações Gerais 4 e 5 Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8 Período de Relato 9 Balanço 10 a 31 Demonstração dos Resultados 32 a 38 Demonstração

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montante expressos em euros) As notas que se seguem foram preparadas de acordo com as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro

Leia mais

Relatório e Contas Individuais

Relatório e Contas Individuais Relatório e Contas Individuais 2010 Portugal Telecom, SGPS, S.A. Sociedade aberta Avenida Fontes Pereira de Melo, 40 1069 300 Lisboa Capital social: 26.895.375 Euros Matrícula na Conservatória do Registo

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO Anexo 10 de Março de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 4 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais Políticas Contabilísticas...

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: ASSOCIAÇÃO SOCIAL CULTURAL ESPIRITUALISTA Morada:

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013 Entida:ANIPB - Associação Nacional s Industriais Prefabricação em Betão BALANÇO EM 31 Dezembro 2013 Nº Contribuinte: 0084421 RUBRICAS 31 Dez 2013 31 Dez 2012 ATIVO Ativo Não Corrente Ativos Fixos Tangíveis

Leia mais