Nivel de Lisina nas Rações de Frangos de Corte Exigência de Lisina Atualizada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nivel de Lisina nas Rações de Frangos de Corte Exigência de Lisina Atualizada"

Transcrição

1 Nivel de Lisina nas Rações de Frangos de Corte Exigência de Lisina Atualizada Disponível em nosso site: A atualização das exigências dos nutrientes nas formulações de rações é importante em função da produtividade e mantença dos frangos de corte, que são alterados devido ao melhoramento genético das aves. Vários são os fatores que alteram os níveis de aminoácidos na formulação da dieta de frangos de corte, dentre eles estão os fatores dietéticos como: nível de energia metabolizável, e a proteína bruta da ração. Além da idade da ave, sexo, linhagem que modificam o requerimento em aminoácidos das aves. Outro fator que exerce um efeito indireto é a temperatura, pois a variação da temperatura não aumenta nem diminui as exigências em aminoácidos; entretanto, quando o consumo da ração é alterado pela temperatura, é necessário também um ajuste em todos os nutrientes das rações. Na Tabela 1 são mostrados as recomendações da Ajinomoto Biolatina (2003), para os níveis de lisina nas rações de frangos de corte. Tabela 1 Recomendação dos níveis de lisina digestível para frangos de corte Fases (dias) Ajinomoto Biolatina (2003) Lisina Digestível, % Tabelas Brasileiras (2000)* EM (kcal/kg) ,25-1,30 1, ,15-1,20 1, ,00-1,05 1, ,95-1,00 0, * Y = 0,4102-0,0025X, onde X = idade média das aves (dias) e Y = % de lisina digestível por 1,0 Mcal de EM/kg As novas recomendações são baseadas em uma série de experimentos que estão sendo realizados na Universidade Federal de Viçosa por Rostagno et al. (2003 dados não publicados). Pode-se verificar que os experimentos estão sendo realizados em fases diferentes dos anteriores, e o mais relevante é o número de dias diminuidos para cada fase, principalmente para a fase de crescimento, significando uma maior otimização na formulação e menos disperdício de nutrientes nas rações. 01

2 Na Tabela 1 também foi compararado as exigências de lisina digestível das Tabelas Brasileiras para Aves e Suínos (2000), considerando a mesma fase de criação e energia da ração. Podemos verificar que houve um aumento dos níveis de lisina para a fase inicial de 11% (1 11 dias) e 12% (12 22 dias). Entretanto, para a fase de crescimento as exigências permaneceram as mesmas. Os aminoácidos lisina, treonina e os sulfurados são conhecidos por exibir efeitos na composição da carcaça de frangos de corte. Vários pesquisadores demonstraram que a suplementação de lisina, com nível superior ao do requerimento para máxima taxa de crescimento, têm efeito significativo na composição da carcaça, pricipalmente no rendimento de peito. Entretanto, o maior intuito no aumento dos níveis de lisina na dieta seria na melhora que eles proporcionam na conversão alimentar, consequentemente, uma diminuição no custo alimentar. Além disto há o aumento no crescimento muscular e diminuição na gordura abdominal das aves. Pois o requerimento de lisina para melhor conversão alimentar é bem próximo do requerimento para maior rendimento de peito. Em paralelo aos experimentos sobre exigência de lisina, a Ajinomoto Biolatina está fazendo um levantamento dos níveis de lisina das rações de frangos de corte no Brasil. Até o momento foram analisadas 95 amostras de rações de frangos de corte, e os resultados são mostrados na figura 1. Figura 1 Níveis de lisina analisadosnas rações de frangos de corte Pré-Inicial 1,298% (1,190-1,475) Inicial 1,214% (1,124-1,437) S = 0,114 Média Lisina Total, % Engorda 1,070% (0,815-1,259) Final 0,964% (0,798-1,194) S = 0,109 (mínimo - máximo) S = desvio 02

3 Pelos resultados podemos notar que, níveis de lisina abaixo do requerimento (ou exigência) das aves são utilizados em algumas rações de frangos de corte. Níveis abaixo do requerimento podem estar afetando o desempenho das aves, bem como, proporcionando um aumento no custo alimentar. Na Tabela 2 considerando 88% de digestibilidade da lisina das rações analisadas, obtemos os valores em lisina digestível. Se utilizarmos as equações dos últimos trabalhos referentes a resposta ao nível de lisina recomendado e analisado para a conversão alimentar temos os valores abaixo. Tabla 2 Comparação da conversão alimentar utilizando os níveis de lisina analisado e recomendado Fases (dias) Requerimento Equações CA (%) Y= 1,800-0,4733X 1,25 R r2 =0,88 1,208 1,14 A 1, Y= 1,588-0,143X 1,15 R r2 =0,93 1,424 1,07 A 1, Y= 6,119-8,566X + 4,167X 2 1,00 R R2 = 0,94 1,720 0,94 A 1, Y= 2,595-0,453X 0,96 R r2 = 0,92 2,165 0,85 A 2,210 R= recomendado e A= analisado. Y= CA e X= % de lisina digestível da ração. Neste exemplo da Tabela 2 observamos a melhora de 1 (0.011) a 5 (0.052) pontos na conversão alimentar, com o aumento dos níveis de lisina das rações (usando os níveis recomendados). A conversão alimentar é muito discutida pelos pesquisadores, mas atualmente é o parâmetro mais prático para avaliar economicamente as dietas para frangos de corte. 03

4 Nivel de Lisina nas Rações de Frangos de Corte Exigência de Lisina Atualizada Disponível em nosso site: A atualização das exigências dos nutrientes nas formulações de rações é importante em função da produtividade e mantença dos frangos de corte, que são alterados devido ao melhoramento genético das aves. Vários são os fatores que alteram os níveis de aminoácidos na formulação da dieta de frangos de corte, dentre eles estão os fatores dietéticos como: nível de energia metabolizável, e a proteína bruta da ração. Além da idade da ave, sexo, linhagem que modificam o requerimento em aminoácidos das aves. Outro fator que exerce um efeito indireto é a temperatura, pois a variação da temperatura não aumenta nem diminui as exigências em aminoácidos; entretanto, quando o consumo da ração é alterado pela temperatura, é necessário também um ajuste em todos os nutrientes das rações. Na Tabela 1 são mostrados as recomendações da Ajinomoto Biolatina (2003), para os níveis de lisina nas rações de frangos de corte. Tabela 1 Recomendação dos níveis de lisina digestível para frangos de corte Fases (dias) Ajinomoto Biolatina (2003) Lisina Digestível, % Tabelas Brasileiras (2000)* EM (kcal/kg) ,25-1,30 1, ,15-1,20 1, ,00-1,05 1, ,95-1,00 0, * Y = 0,4102-0,0025X, onde X = idade média das aves (dias) e Y = % de lisina digestível por 1,0 Mcal de EM/kg As novas recomendações são baseadas em uma série de experimentos que estão sendo realizados na Universidade Federal de Viçosa por Rostagno et al. (2003 dados não publicados). Pode-se verificar que os experimentos estão sendo realizados em fases diferentes dos anteriores, e o mais relevante é o número de dias diminuidos para cada fase, principalmente para a fase de crescimento, significando uma maior otimização na formulação e menos disperdício de nutrientes nas rações. 01

5 Na Tabela 1 também foi compararado as exigências de lisina digestível das Tabelas Brasileiras para Aves e Suínos (2000), considerando a mesma fase de criação e energia da ração. Podemos verificar que houve um aumento dos níveis de lisina para a fase inicial de 11% (1 11 dias) e 12% (12 22 dias). Entretanto, para a fase de crescimento as exigências permaneceram as mesmas. Os aminoácidos lisina, treonina e os sulfurados são conhecidos por exibir efeitos na composição da carcaça de frangos de corte. Vários pesquisadores demonstraram que a suplementação de lisina, com nível superior ao do requerimento para máxima taxa de crescimento, têm efeito significativo na composição da carcaça, pricipalmente no rendimento de peito. Entretanto, o maior intuito no aumento dos níveis de lisina na dieta seria na melhora que eles proporcionam na conversão alimentar, consequentemente, uma diminuição no custo alimentar. Além disto há o aumento no crescimento muscular e diminuição na gordura abdominal das aves. Pois o requerimento de lisina para melhor conversão alimentar é bem próximo do requerimento para maior rendimento de peito. Em paralelo aos experimentos sobre exigência de lisina, a Ajinomoto Biolatina está fazendo um levantamento dos níveis de lisina das rações de frangos de corte no Brasil. Até o momento foram analisadas 95 amostras de rações de frangos de corte, e os resultados são mostrados na figura 1. Figura 1 Níveis de lisina analisadosnas rações de frangos de corte Pré-Inicial 1,298% (1,190-1,475) Inicial 1,214% (1,124-1,437) S = 0,114 Média Lisina Total, % Engorda 1,070% (0,815-1,259) Final 0,964% (0,798-1,194) S = 0,109 (mínimo - máximo) S = desvio 02

6 Pelos resultados podemos notar que, níveis de lisina abaixo do requerimento (ou exigência) das aves são utilizados em algumas rações de frangos de corte. Níveis abaixo do requerimento podem estar afetando o desempenho das aves, bem como, proporcionando um aumento no custo alimentar. Na Tabela 2 considerando 88% de digestibilidade da lisina das rações analisadas, obtemos os valores em lisina digestível. Se utilizarmos as equações dos últimos trabalhos referentes a resposta ao nível de lisina recomendado e analisado para a conversão alimentar temos os valores abaixo. Tabla 2 Comparação da conversão alimentar utilizando os níveis de lisina analisado e recomendado Fases (dias) Requerimento Equações CA (%) Y= 1,800-0,4733X 1,25 R r2 =0,88 1,208 1,14 A 1, Y= 1,588-0,143X 1,15 R r2 =0,93 1,424 1,07 A 1, Y= 6,119-8,566X + 4,167X 2 1,00 R R2 = 0,94 1,720 0,94 A 1, Y= 2,595-0,453X 0,96 R r2 = 0,92 2,165 0,85 A 2,210 R= recomendado e A= analisado. Y= CA e X= % de lisina digestível da ração. Neste exemplo da Tabela 2 observamos a melhora de 1 (0.011) a 5 (0.052) pontos na conversão alimentar, com o aumento dos níveis de lisina das rações (usando os níveis recomendados). A conversão alimentar é muito discutida pelos pesquisadores, mas atualmente é o parâmetro mais prático para avaliar economicamente as dietas para frangos de corte. 03

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 USO DE TREONINA NA DIETA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 2 Introdução Objetivo No relatório

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

Programas de Alimentação Frangos de Corte

Programas de Alimentação Frangos de Corte PRINCÍPIOS EM NUTRIÇÃO DE AVES Programas de Alimentação Frangos de Corte Prof. Dr. Luciano Hauschild Msc. Jaqueline de Paula Gobi Disciplina: Nutrição de Monogástricos Jaboticabal - junho 2016 INTRODUÇÃO

Leia mais

Nutrição de Poedeiras

Nutrição de Poedeiras Nutrição de Poedeiras Edney Silva Zootecnista Nutrição de Poedeiras Breve introdução Modelos utilizados na tabela brasileira Utilização de software Objetivo Programa Alimentar 0-6 semanas 7-12 e 13 a 18

Leia mais

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE Data: Setembro/2002 PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE A evolução genética que vem ocorrendo nos Frangos de Corte trás como conseqüência, além da natural melhoria nos parâmetros

Leia mais

Alimentação do Frango Colonial

Alimentação do Frango Colonial Alimentação do Frango Colonial Alimentação Para os sistemas mais rudimentares e em pequena escala recomenda-se adquirir a ração de fornecedor idôneo, de preferência certificado para Boas Práticas de Fabricação-BPF.

Leia mais

Princípios da Nutrição de Frangos de Corte

Princípios da Nutrição de Frangos de Corte Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Princípios da Nutrição de Frangos de Corte Allan Reis Troni allan_troni@yahoo.com.br Introdução Contínua evolução das linhagens

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS - CCR DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DZ LABORATÓRIO DE AVICULTURA - LAVIC DISCIPLINA DE AVICULTURA RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE

Leia mais

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Alunos: Juliana Pinto Ferreira Vitor Augusto Oliveira Milho O principal componente das rações de aves e suínos é o milho, cujo custo tem sido

Leia mais

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais FRANGOS. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais FRANGOS. An Aviagen Brand AMÉRICA LATINA FRANGOS ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais 2017 An Aviagen Brand Introdução Nas seguintes tabelas são mostradas as especificações nutricionais para frangos de corte, considerando

Leia mais

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte Suplemento: Desempenho e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta metas de desempenho e rendimento para os seus frangos de corte Cobb500, juntamente

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Níveis de Energia Metabolizável e Relação Lisina Digestível por Caloria em Rações para Suínos Machos Castrados em Terminação

Leia mais

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³.

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³. Inclusão de enzimas em rações de poedeiras semipesadas para diminuição dos custos de produção e seus efeitos sobre o desempenho. Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz

Leia mais

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Professor Carlos Bôa-Viagem Rabello Departamento de Zootecnia Universidade Federal Rural de Pernambuco Recife Pernambuco

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE Rayleiane Cunha Lima¹; Rubens Fausto da Silva² ¹ Aluna do curso de zootecnia

Leia mais

AviagenBrief. Nutrição para Máxima Rentabilidade - Faça suas Contas. Resumo

AviagenBrief. Nutrição para Máxima Rentabilidade - Faça suas Contas. Resumo AviagenBrief September Janeiro/2011 2010 Nutrição para Máxima Rentabilidade - Faça suas Contas Marc de Beer, PhD Chefe de Serviços de Nutrição Mundial, Aviagen, Inc., USA. Resumo Introdução Os nutricionistas

Leia mais

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007 Especificações Nutricionais para Frangos de Corte Junho 2007 Introdução Nas tabelas seguintes são apresentadas as especificações nutricionais para frangos de corte, considerando situações diversas de produção

Leia mais

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves O Brasil é o décimo maior produtor mundial de arroz e fora do continente Asiático o Brasil é o maior produtor de arroz. O volume de produção na safra

Leia mais

FRANGO Objetivos de Desempenho

FRANGO Objetivos de Desempenho FRANGO Objetivos de Desempenho Junho 2007 Introdução Este encarte contém os objetivos de performance para o frango Ross 308 e deve ser utilizado em conjunto com o Manual de Manejo de Frangos Ross. Performance

Leia mais

Curva de crescimento e consumo alimentar em suínos em crescimento e terminação. Estratégia para atingir a melhor conversão alimentar

Curva de crescimento e consumo alimentar em suínos em crescimento e terminação. Estratégia para atingir a melhor conversão alimentar 1 Curva de crescimento e consumo alimentar em suínos em crescimento e terminação. Estratégia para atingir a melhor conversão alimentar É difícil determinar uma estratégia ou gestão alimentar ideal para

Leia mais

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand 1 AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém as recomendações nutricionais para a matriz Ross 308 AP (AP95) de empenamento lento

Leia mais

Uso da Ora-Pro-Nobis para Codornas Japonesas em Fase de Postura

Uso da Ora-Pro-Nobis para Codornas Japonesas em Fase de Postura Uso da Ora-Pro-Nobis para Codornas Japonesas em Fase de Postura Juliano José de Oliveira COUTINHO 1 ; Jeferson Éder Ferreira de OLIVEIRA 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3 ; 1 Bacharelando em Zootecnia DCA/IFMG/Bambuí/

Leia mais

Instruções de uso do Avinesp

Instruções de uso do Avinesp Instruções de uso do Avinesp Nesse manual constam informações relacionadas ao uso operacional do software. Maiores informações da teoria, descrição e avaliação do modelo podem ser encontradas no site do

Leia mais

PROTEÍNA. Lisina (ARC 1981) Aminoácidos Essenciais. Aminoácidos Essenciais - suínos. Fenilalanina Arginina

PROTEÍNA. Lisina (ARC 1981) Aminoácidos Essenciais. Aminoácidos Essenciais - suínos. Fenilalanina Arginina omposição de um Protetor Hepático comercial PROTEÍNA Fórmula: Aspartato de L-ornitina...2,0 g loridrato de L-arginina...7,5 g L-citrulina...0,5 g Acetil metionina...1,0 g loridrato de colina...1,0 g Levulose...10,0

Leia mais

2 DAPSA - FMVA - UNESP. 1 Mestranda da FMVA - UNESP (Bolsa CAPES). 3 e-mail:shvperri@fmva.unesp.br 4 Agradecimento FAPESP pelo apoio financeiro.

2 DAPSA - FMVA - UNESP. 1 Mestranda da FMVA - UNESP (Bolsa CAPES). 3 e-mail:shvperri@fmva.unesp.br 4 Agradecimento FAPESP pelo apoio financeiro. Modelos de superfície de resposta aplicados na formulação não linear de ração para frangos de corte Camila Angelica Gonçalves 1 Max José de Araujo Faria Júnior 2 Sílvia Helena Venturoli Perri 2,3 Manoel

Leia mais

Efeito da Tecnologia do Consórcio Probiótico (TCP) na eficiência de alimentação e metabólitos séricos em frangos com a Suplementação Bokashi

Efeito da Tecnologia do Consórcio Probiótico (TCP) na eficiência de alimentação e metabólitos séricos em frangos com a Suplementação Bokashi Efeito da Tecnologia do Consórcio Probiótico (TCP) na eficiência de alimentação e metabólitos séricos em frangos com a Suplementação Bokashi Sumário Os objetivos deste estudo foram testar a eficiência

Leia mais

Coprodutos da industrialização do arroz na alimentação de cães e gatos

Coprodutos da industrialização do arroz na alimentação de cães e gatos II SIMPÓSIO DE NUTRIÇÃO DE ANIMAIS DE COMPANHIA IISINPET 26 e 27 de setembro de 2014 Coprodutos da industrialização do arroz na alimentação de cães e gatos M. Sc. Gabriel Faria Estivallet Pacheco Z o o

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GRANULOMETRIA DO MILHO NA AMOSTRA NATURAL X AMOSTRA SECA

PROJETO DE PESQUISA GRANULOMETRIA DO MILHO NA AMOSTRA NATURAL X AMOSTRA SECA PROJETO DE PESQUISA GRANULOMETRIA DO MILHO NA AMOSTRA NATURAL X AMOSTRA SECA 1 SCHMITT, Clederson Idenio; ²Jorgens, Elbio Nallen; ³ZANOTTO, Dirceu L. Palavras Chaves: Granulometria, Milho, DGM. Introdução

Leia mais

Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Standar Manual de Padr ds Manual ões de Desempenho

Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Standar Manual de Padr ds Manual ões de Desempenho Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Manual de Padrões Standards de Desempenho Manual Resumo do Desempenho Viabilidade Fêmea, 1 18 semanas 94% Viabilidade Fêmea, 19 75 semanas 90% Viabilidade Macho,

Leia mais

PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE

PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE PRODUÇÃO DE 1. Características das aves para corte 2. Metas do Desempenho 3. Linhagens 4. Tipos de frangos de acordo com o mercado 5. Resultados obtidos a campo (Empresa) Profa.

Leia mais

Quem vence é o que melhor se adapta

Quem vence é o que melhor se adapta Quem vence é o que melhor se adapta Tecnologia dos Óleos Funcionais em Ruminantes Dra Juliane Diniz Magalhães Gerente de Ruminantes da Oligo Basics Região Sul São Paulo-SP Junho de 2016 Perfil dos confinamentos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES

AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES Banco de dados de digestibilidade dos nutrientes de ingredientes tradicionais e novos para nutrição de Truta e Striped Bass F.T. Barrows 1, T.G.

Leia mais

Substituição de farinhas de origem animal por ingredientes de origem vegetal em dietas para frangos de corte

Substituição de farinhas de origem animal por ingredientes de origem vegetal em dietas para frangos de corte Ciência Rural, Substituição Santa Maria, de farinhas v.35, de n.3, origem p.671-677, animal mai-jun, por ingredientes 2005 de origem vegetal em dietas para frangos de corte. ISSN 0103-8478 671 Substituição

Leia mais

Desempenho de frangos de corte machos de dois cruzamentos. genéticos consumindo dietas com três níveis protéicos ideais

Desempenho de frangos de corte machos de dois cruzamentos. genéticos consumindo dietas com três níveis protéicos ideais UNIVERSIDADE DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE E AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA Desempenho de frangos de corte machos de dois cruzamentos genéticos consumindo dietas com três níveis protéicos

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO. Recria - Gestação Lactação. Cachaço 08/06/2014. Levar em consideração: Exigências nutricionais de fêmeas suínas

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO. Recria - Gestação Lactação. Cachaço 08/06/2014. Levar em consideração: Exigências nutricionais de fêmeas suínas NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO Recria - Gestação Lactação Cachaço Msc. Daniela Junqueira Rodrigues Exigências nutricionais de fêmeas suínas 1. Linhagem 2. Estágio de desenvolvimento do animal 3. Consumo de ração

Leia mais

Renata Pires Gonçalves 1 Lucas Monteiro Chaves 2 Taciana Villela Savian 3 Fabyano Fonseca e Silva 4 Crysttian Arantes Paixão 5.

Renata Pires Gonçalves 1 Lucas Monteiro Chaves 2 Taciana Villela Savian 3 Fabyano Fonseca e Silva 4 Crysttian Arantes Paixão 5. Estimador não paramétrico para modelos de platô de resposta via regressão isotônica aplicado a dados de deposição de Zn no dedo médio de aves fêmeas da linhagem Hubbard Renata Pires Gonçalves 1 Lucas Monteiro

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Cobb 0 Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte Introdução Este suplemento apresenta as metas

Leia mais

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Objetivos de Desempenho FRANGOS. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Objetivos de Desempenho FRANGOS. An Aviagen Brand AMÉRICA LATINA FRANGOS ROSS 308 AP (AP95) Objetivos de Desempenho An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém os objetivos de desempenho para o frango Ross 308 AP (AP95) e deve ser utilizado em conjunto

Leia mais

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves...... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Gustavo J. M. M. de Lima 1 1 Eng.Agr o., Ph.D., Embrapa Suínos e Aves, gustavo@cnpsa.embrapa.br.

Leia mais

Substituição de farinhas de origem animal por ingredientes de origem vegetal em dietas para frangos de corte

Substituição de farinhas de origem animal por ingredientes de origem vegetal em dietas para frangos de corte Substituição de farinhas de origem animal por ingredientes de origem vegetal em dietas para frangos de corte Substitution of animal by-product meals by vegetable ingredients in diets for broilers Claudio

Leia mais

EFEITOS DA INCLUSÃO DE FARINHA DE FOLHAS DE MANDIOCA SOBRE O DESEMPENHO EM FRANGOS DE CORTE EM CRESCIMENTO

EFEITOS DA INCLUSÃO DE FARINHA DE FOLHAS DE MANDIOCA SOBRE O DESEMPENHO EM FRANGOS DE CORTE EM CRESCIMENTO EFEITOS DA INCLUSÃO DE FARINHA DE FOLHAS DE MANDIOCA SOBRE O DESEMPENHO EM FRANGOS DE CORTE EM CRESCIMENTO Autores : Marli Terezinha Dalmolin KOCK, Rita de Albernaz Gonçalves da SILVA. Identificação autores:

Leia mais

MARIA TERESA POLCARO SILVA

MARIA TERESA POLCARO SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI MARIA TERESA POLCARO SILVA DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE TRÊS GENÓTIPOS COMERCIAIS DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIFERENTES DIETAS

Leia mais

Uso de diferentes formas físicas e quantidades de ração pré-inicial para frangos de corte 1

Uso de diferentes formas físicas e quantidades de ração pré-inicial para frangos de corte 1 Revista Ciência Agronômica, v. 40, n. 2, p. 293-300 abr-jun, 2009 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE www.ccarevista.ufc.br ISSN 1806-6690 Uso de diferentes formas

Leia mais

Níveis de Lisina para Frangos de Corte nos Períodos de 22 a 42 e de 43 a 49 Dias de Idade, Mantendo a Relação Metionina + Cistina 1

Níveis de Lisina para Frangos de Corte nos Períodos de 22 a 42 e de 43 a 49 Dias de Idade, Mantendo a Relação Metionina + Cistina 1 Níveis de Lisina para Frangos de Corte nos Períodos de 22 a 42 e de 43 a 49 Dias de Idade, Mantendo a Relação Metionina + Cistina 1 Valene da Silva Amarante Júnior 2, Fernando Guilherme Perazzo Costa 3,

Leia mais

ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE RAÇÃO PARA FRANGOS DE CORTE MACHOS DE UMA EMPRESA DO SUL DE SANTA CATARINA.

ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE RAÇÃO PARA FRANGOS DE CORTE MACHOS DE UMA EMPRESA DO SUL DE SANTA CATARINA. ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE RAÇÃO PARA FRANGOS DE CORTE MACHOS DE UMA EMPRESA DO SUL DE SANTA CATARINA. Felipe ALANO MILANEZ UNESC- Universidade do Extremo Sul Catarinense. Nova Veneza Santa Catarina

Leia mais

Energia: medidas e. necessidade

Energia: medidas e. necessidade Energia: medidas e necessidade Bioenergética Energia é quantitativamente o item mais importante da dieta do animal. Todos os padrões alimentares se baseiam nas necessidades energéticas. Definição => energia

Leia mais

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I:

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I: Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS Unidade I: 0 Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS ESTUDO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS

Leia mais

MANUAL TOPIGS PARA ALIMENTAÇÃO DE FÊMEAS

MANUAL TOPIGS PARA ALIMENTAÇÃO DE FÊMEAS MANUAL TOPIGS MANUAL TOPIGS 1. Introdução 2. Objetivos do manual 3. Características das linhagens maternas TOPIGS 4. Requerimentos nutricionais 5. Rações Milho / Soja 5.1. Gestação 5.1.1. Introdução 5.1.2.

Leia mais

Programas nutricionais e seus efeitos sobre os índices produtivos

Programas nutricionais e seus efeitos sobre os índices produtivos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ZOOTECNIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS RENATA BARBIERI TREVISAN Programas nutricionais e seus efeitos sobre os índices produtivos e econômicos de frangos de corte Pirassununga

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Avaliação do efeito da inclusão da farinha do mesocarpo do babaçu sobre o rendimento de carcaça, rendimento de cortes nobres e composição corporal de frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Luciana

Leia mais

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Nesta aula iremos aprender sobre o conceito, as causas e as consequências da obesidade e a importância da atividade física para a prevenção e controle desta

Leia mais

Aplicação do conceito de proteína ideal em dietas com diferentes níveis protéicos para frangos de corte

Aplicação do conceito de proteína ideal em dietas com diferentes níveis protéicos para frangos de corte LEANDRO CÉSAR MILAGRES RIGUEIRA Aplicação do conceito de proteína ideal em dietas com diferentes níveis protéicos para frangos de corte Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 04

RELATÓRIO DE PESQUISA - 04 LISINA, PROTEÍNA & ARGININA AVES JOVENS 1990 RELATÓRIO DE PESQUISA - 04 REQUERIMENTOS DE LISINA EM AVES JOVENS DE ACORDO COM A PROTEÍNA DA DIETA E NÍVEIS DE ARGININA Objetivo Delineamento experimental

Leia mais

Custo de Oportunidade do Capital

Custo de Oportunidade do Capital Custo de Oportunidade do Capital É o custo de oportunidade de uso do fator de produção capital ajustado ao risco do empreendimento. Pode ser definido também como a taxa esperada de rentabilidade oferecida

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA, CRESCIMENTO E ATIVIDADE DE ENZIMAS DIGESTIVAS EM JUVENIS DE ROBALO-PEVA Centropomus paralellus EM DIFERENTES SALINIDADES

SOBREVIVÊNCIA, CRESCIMENTO E ATIVIDADE DE ENZIMAS DIGESTIVAS EM JUVENIS DE ROBALO-PEVA Centropomus paralellus EM DIFERENTES SALINIDADES SOBREVIVÊNCIA, CRESCIMENTO E ATIVIDADE DE ENZIMAS DIGESTIVAS EM JUVENIS DE ROBALO-PEVA Centropomus paralellus EM DIFERENTES SALINIDADES Laboratório de Piscicultura Marinha - LAPMAR, Departamento de Aqüicultura

Leia mais

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

1º Trimestre. SIGA - Sistema Integrado de Gestão de Atendimento

1º Trimestre. SIGA - Sistema Integrado de Gestão de Atendimento 1º Trimestre 2013 SIGA - Sistema Integrado de Gestão de Atendimento Índice... 2 Médio de Espera... 2 Taxa de Desistências... 3 Total de Contribuintes Atendidos... 3 Médio de Atendimento... 4 Serviços de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RACTOPAMINA NA DIETA DE SUÍNOS¹. Introdução

UTILIZAÇÃO DE RACTOPAMINA NA DIETA DE SUÍNOS¹. Introdução 601 UTILIZAÇÃO DE RACTOPAMINA NA DIETA DE SUÍNOS¹ Camila Oliveira Silveira 2, Ronaldo Oliveira Silveira³, Cíntia da Cunha Abreu 3, Mariana Costa Fausto 4 Resumo: Destacando-se no mercado internacional

Leia mais

Additional details >>> HERE <<<

Additional details >>> HERE <<< Additional details >>> HERE

Leia mais

SUBPRODUTOS DA MAMONA NA ALIMENTAÇÃO DE AVES 1. Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais / Montes Claros MG.

SUBPRODUTOS DA MAMONA NA ALIMENTAÇÃO DE AVES 1. Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais / Montes Claros MG. SUBPRODUTOS DA MAMONA NA ALIMENTAÇÃO DE AVES 1 Daniel Emygdio de Faria Filho 2, Adélio Nunes Dias 3, Camila Ferreira Delfim Bueno 4, João Batista Matos Júnior 4 e Felipe Amorim Paes do Couto 5 Instituto

Leia mais

Página 2 de 10 Valor estimado: R$ ,5000 para: SOLUTION AGRONEGOCIOS LTDA - ME - ME, pelo melhor lance de R$ ,0000. Itens do grupo: 12 - R

Página 2 de 10 Valor estimado: R$ ,5000 para: SOLUTION AGRONEGOCIOS LTDA - ME - ME, pelo melhor lance de R$ ,0000. Itens do grupo: 12 - R Página 1 de 10 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Camboriú Termo de Adjudicação do

Leia mais

MANUAL TERMINADOS TALENT

MANUAL TERMINADOS TALENT MANUAL TERMINADOS TALENT Índice 1. Introdução... 1 2. Objetivo... 1 3. Características do reprodutor Talent... 2 4. Requerimentos nutricionais da progênie Talent... 3 4.1 Variáveis consideradas... 3 4.2.

Leia mais

Avaliação nutricional do paciente

Avaliação nutricional do paciente Avaliação nutricional do paciente Muito gordo ou muito magro? O que fazer com esta informação? Avaliação nutricional do paciente 1) Anamnese (inquérito alimentar) 2) Exame físico 3) Exames laboratoriais

Leia mais

Parâmetros da Curva de luz/fotossíntese. IOB-127 Fitoplâncton e Produção Primária

Parâmetros da Curva de luz/fotossíntese. IOB-127 Fitoplâncton e Produção Primária Parâmetros da Curva de luz/fotossíntese IOB-127 Fitoplâncton e Produção Primária Fatores que afetam a Produção Primária. Luz : a fotossíntese só é possível quando a luz atinge a célula algal acima de uma

Leia mais

Additional information >>> HERE <<<

Additional information >>> HERE <<< Additional information >>> HERE

Leia mais

Revista Brasileira de Zootecnia 2007 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN impresso: ISSN on-line:

Revista Brasileira de Zootecnia 2007 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN impresso: ISSN on-line: Revista Brasileira de Zootecnia ISSN impresso: 1516-3598 ISSN on-line: 1806-9290 www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.36, suplemento especial, p.295-304, 2007 Avanços metodológicos na avaliação de alimentos

Leia mais

Introdução. Acta Scientiarum. Animal Sciences Maringá, v. 25, no. 2, p , 2003

Introdução. Acta Scientiarum. Animal Sciences Maringá, v. 25, no. 2, p , 2003 Utilização de diferentes níveis de levedura (Saccharomyces cerevisiae) em dietas e seus efeitos no desempenho, rendimento da carcaça e gordura abdominal em frangos de cortes Josefa Deis Brito Silva 1,

Leia mais

DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIFERENTES PERFIS DE AMINOÁCIDOS DIGESTÍVEIS

DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIFERENTES PERFIS DE AMINOÁCIDOS DIGESTÍVEIS ANTONIO CARLOS PEDROSO DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIFERENTES PERFIS DE AMINOÁCIDOS DIGESTÍVEIS Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau

Leia mais

Respostas de frangos de corte fêmeas de duas linhagens a dietas com diferentes perfis protéicos ideais

Respostas de frangos de corte fêmeas de duas linhagens a dietas com diferentes perfis protéicos ideais Ciência Rural, Respostas Santa Maria, de frangos v.37, de n.6, corte p.1753-1759, fêmeas de nov-dez, duas linhagens 2007 a dietas com diferentes perfis protéicos ideais. ISSN 0103-8478 1753 Respostas de

Leia mais

Híbridos de. Os híbridos de sorgo Dow AgroSciences apresentam um portifólio completo com liderança marcante no mercado.

Híbridos de. Os híbridos de sorgo Dow AgroSciences apresentam um portifólio completo com liderança marcante no mercado. Híbridos de SORGO Os híbridos de sorgo Dow AgroSciences apresentam um portifólio completo com liderança marcante no mercado. 1G233 Estabilidade produtiva, com qualidade de grãos Altura: 1,15m semiaberta

Leia mais

EFEITOS DA SUBSTITUIÇÃO DO MILHO PELA RASPA DE MANDIOCA NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE, DURANTE AS FASES DE ENGORDA E FINAL 1

EFEITOS DA SUBSTITUIÇÃO DO MILHO PELA RASPA DE MANDIOCA NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE, DURANTE AS FASES DE ENGORDA E FINAL 1 EFEITOS DA SUBSTITUIÇÃO DO MILHO PELA RASPA DE MANDIOCA NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE, DURANTE AS FASES DE ENGORDA E FINAL 1 Effect of substituition of corn to cassava meal in diets of growing and

Leia mais

NÍVEIS DE FITASE EM DIETAS COM DIFERENTES VALORIZAÇÕES E SEUS EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS SEMI-PESADAS.

NÍVEIS DE FITASE EM DIETAS COM DIFERENTES VALORIZAÇÕES E SEUS EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS SEMI-PESADAS. Bambuí/MG - 2008 NÍVEIS DE FITASE EM DIETAS COM DIFERENTES VALORIZAÇÕES E SEUS EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS SEMI-PESADAS. Leonardo Almeida SANTOS¹; Adriano GERALDO²;, Cátia

Leia mais

Avaliação da curva de crescimento de frangos de corte e índices zootécnicos no sistema de produção do IFMG campus Bambuí

Avaliação da curva de crescimento de frangos de corte e índices zootécnicos no sistema de produção do IFMG campus Bambuí Avaliação da curva de crescimento de frangos de corte e índices zootécnicos no sistema de produção do IFMG campus Bambuí Chrystiano Pinto de RESENDE 1 ; Everto Geraldo de MORAIS 2 ; Marco Antônio Pereira

Leia mais

Influência da forma física e do nível de energia da ração no desempenho e na composição de frangos de corte

Influência da forma física e do nível de energia da ração no desempenho e na composição de frangos de corte Influência da forma física e do nível de energia da ração no desempenho e na composição de frangos de corte J. L. Lecznieski, A. M. L. Ribeiro*, A. M. Kessler e A. M. Penz Jr. Departamento de Zootecnia,

Leia mais

POTENCIALIDADE DA GORDURA DE FRANGO COMO MATÉRIA PRIMA PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL

POTENCIALIDADE DA GORDURA DE FRANGO COMO MATÉRIA PRIMA PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL POTENCIALIDADE DA GORDURA DE FRANGO COMO MATÉRIA PRIMA PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL Kênia Ferreira Rodrigues 1 Antonio Carlos Fraga 2 Pedro Castro Neto 3 José Antonio da Silva Maciel 4 Osvaldo Candido

Leia mais

RENDIMENTO DE CARCAÇA E CORTES EM FRANGOS DE CORTE FÊMEAS DE DUAS LINHAGENS SUBMETIDAS A DIFERENTES NÍVEIS NUTRICIONAIS 1

RENDIMENTO DE CARCAÇA E CORTES EM FRANGOS DE CORTE FÊMEAS DE DUAS LINHAGENS SUBMETIDAS A DIFERENTES NÍVEIS NUTRICIONAIS 1 RENDIMENTO DE CARCAÇA E CORTES EM FRANGOS DE CORTE FÊMEAS DE DUAS LINHAGENS SUBMETIDAS A DIFERENTES NÍVEIS NUTRICIONAIS 1 Marcella Machado Antunes 1*, João Paulo Rodrigues Bueno 1, Marina Cruvinel Assunção

Leia mais

Use of Animal By-Products in Diets Formulated Based on Crude and Ideal Protein Fed to Broilers from 22 to 42 Days of Age

Use of Animal By-Products in Diets Formulated Based on Crude and Ideal Protein Fed to Broilers from 22 to 42 Days of Age Utilização R. Bras. Zootec., de Subprodutos v.34, n.2, de Origem p.535-540, Animal 2005 em Dietas para Frangos de Corte de 1 a 21 dias de Idade... 535 Utilização de Subprodutos de Origem Animal em Dietas

Leia mais

Milheto na alimentação de poedeiras Trabalho avalia efeitos da suplementação do grão alternativo como fonte energética nas rações

Milheto na alimentação de poedeiras Trabalho avalia efeitos da suplementação do grão alternativo como fonte energética nas rações Milheto na alimentação de poedeiras Trabalho avalia efeitos da suplementação do grão alternativo como fonte energética nas rações Autores: Ana Flávia Quiles Marques Garcia, Alice Eiko Murakami, Antonio

Leia mais

Como a aparência da cor muda com a mudança da fonte de luz?

Como a aparência da cor muda com a mudança da fonte de luz? Como a aparência da cor muda com a mudança da fonte de luz? Como visto na página 7, fontes de iluminação diferentes fazem as cores parecerem diferentes. Para a medição de cor, a CIE definiu as características

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software For evaluation only.

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software  For evaluation only. Controle de Qualidade na Produção de Rações Gerência + funcionários habilitados + Controle = QUALIDADE Aspectos extrínsecos a produção: Ł Redução de custos Ł Atender as exigências nutricionais (categoria,

Leia mais

Nova Estratégia para a Melhoria do Desenvolvimento de. Frangos de Corte.

Nova Estratégia para a Melhoria do Desenvolvimento de. Frangos de Corte. Data: Junho /2007 Nova Estratégia para a Melhoria do Desenvolvimento de Frangos de Corte. Nas últimas décadas, o desenvolvimento corporal de frangos de corte tem sido acelerado, visando atender a demanda

Leia mais

NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS

NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS IMPORTÂNCIA Conhecer fundamentos básicos de nutrição avaliar dietas e alimentos Interações entre nutrientes e o animal Exigências Cães e gatos Quantidade diária de nutrientes Manejo

Leia mais

Desempenho de frangos de corte suplementados com complexo multienzimático

Desempenho de frangos de corte suplementados com complexo multienzimático Desempenho de frangos de corte suplementados com complexo multienzimático Anderson Luiz de Assis INÁCIO 1, Israel Marques da SILVA 2, Adriano GERALDO 3, Clara Costa Zica GONTIJO 3, Joyce Augusta FERREIRA

Leia mais

Nutrição Animal. Aula 2 Classificação dos Alimentos. Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto

Nutrição Animal. Aula 2 Classificação dos Alimentos. Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto Nutrição Animal Aula 2 Classificação dos Alimentos Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto Passos para a formulação de uma dieta: - Conhecer as exigências nutricionais de uma categoria animal (idade,

Leia mais

Exigências de valina para frangos de corte

Exigências de valina para frangos de corte UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E PRODUÇÃO ANIMAL NAYARA TAVARES FERREIRA Exigências de valina para frangos de corte PIRASSUNUNGA-SP 2011

Leia mais

Atualização da proteína ideal para frangos de corte: arginina, isoleucina, valina e triptofano

Atualização da proteína ideal para frangos de corte: arginina, isoleucina, valina e triptofano Revista Brasileira de Zootecnia 2012 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Atualização da proteína ideal para frangos de corte: arginina, isoleucina, valina e triptofano Anastácia

Leia mais

Revista Agrarian ISSN:

Revista Agrarian ISSN: Níveis de fósforo digestível para frangos de corte tipo caipira Levels of digestible phosphorus for free-range broiler chickens Gabriela Puhl Rodrigues 1, Charles Kiefer 1*, Karina Márcia Ribeiro de Souza

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta as metas de peso para os seus Frangos de Corte Cobb 700, juntamente com

Leia mais

Artigo Número 5 UTILIZAÇÃO DA FARINHA DE PENA NA ALIMENTAÇÃO DE ANIMAIS MONOGÁSTRICOS. Introdução

Artigo Número 5 UTILIZAÇÃO DA FARINHA DE PENA NA ALIMENTAÇÃO DE ANIMAIS MONOGÁSTRICOS. Introdução Artigo Número 5 UTILIZAÇÃO DA FARINHA DE PENA NA ALIMENTAÇÃO DE ANIMAIS MONOGÁSTRICOS Tatiana Cristina da Rocha teytis@yahoo.com.br Bruno Alexander Nunes Silva balexandersilva@bol.com.br Introdução Nos

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

Incremento da qualidade da forragem

Incremento da qualidade da forragem Incremento da qualidade da forragem e a relação com as maquinas utilizadas. Ing Agr. Pablo Cattani Hay & Forage Latin America Relação Preço x Custo Preço Custo 14 4 Redução de custo da alimentação Grande

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Colegiado dos Cursos de Pós-graduação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Colegiado dos Cursos de Pós-graduação UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Colegiado dos Cursos de Pós-graduação REDUÇÃO DO TEOR DE PROTEÍNA BRUTA EM DIETAS SUPLEMENTADAS OU NÃO COM L-GLICINA PARA FRANGOS DE CORTE CARLOS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO BEWI-SPRAY DESCRIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO BEWI-SPRAY DESCRIÇÃO BEWI-SPRAY-20-20 1. DESCRIÇÃO Bewi-20-20 é um excelente produto utilizado na alimentação de leitões. Consiste na combinação de proteína de soro de alta qualidade, proteína de glúten de trigo rica em Glutamina,

Leia mais

Considerações práticas sobre o uso de enzimas em Poedeiras Comerciais

Considerações práticas sobre o uso de enzimas em Poedeiras Comerciais Considerações práticas sobre o uso de enzimas em Poedeiras Comerciais Jeffersson Lecznieski Gerente Técnico DSM Produtos Nutricionais Brasil Introdução Devido aos altos e crescentes custos das matérias

Leia mais

Helena M. F. da SILVA 1 ; Fábio R. ALMEIDA 1 ; Marcos L. DIAS 1 ; Gustavo F. RODRIGUES 1 ; Letícia G. M. AMARAL 2 ; Níkolas O.

Helena M. F. da SILVA 1 ; Fábio R. ALMEIDA 1 ; Marcos L. DIAS 1 ; Gustavo F. RODRIGUES 1 ; Letícia G. M. AMARAL 2 ; Níkolas O. VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DE RACTOPAMINA EM RAÇÕES PARA SUÍNOS EM TERMINAÇÃO DE DIFERENTES POTENCIAIS GENÉTICOS PARA GANHO DE PESO OU SÍNTESE DE CARNE MAGRA Helena M. F. da SILVA 1 ; Fábio R. ALMEIDA

Leia mais

Uso de diferentes recomendações nutricionais na formulação de rações práticas para suínos em crescimento e terminação

Uso de diferentes recomendações nutricionais na formulação de rações práticas para suínos em crescimento e terminação Uso de diferentes recomendações nutricionais na formulação de rações práticas para suínos em crescimento e terminação Ivan Moreira 1 *, Diovani Paiano 1, Alessandro Luis Fraga 2, Antonio Cláudio Furlan

Leia mais

Alimentação e nutrição de suínos

Alimentação e nutrição de suínos Alimentação e nutrição de suínos Alimentação e nutrição de suínos As rações devem: Ter boa aceitabilidade Granulometria adequada Atender as exigências nutricionais dos animais PB Aminoácidos Energia Vitaminas

Leia mais

A nutrição esportiva visa aplicar os conhecimentos de nutrição, bioquímica e fisiologia na atividade física e no esporte. A otimização da recuperação

A nutrição esportiva visa aplicar os conhecimentos de nutrição, bioquímica e fisiologia na atividade física e no esporte. A otimização da recuperação NUTRIÇÃO ESPORTIVA A nutrição esportiva visa aplicar os conhecimentos de nutrição, bioquímica e fisiologia na atividade física e no esporte. A otimização da recuperação pós-treino, melhora do desempenho

Leia mais

Exigência de lisina digestível para frangos de corte machos de 1 a 42 dias de idade 1

Exigência de lisina digestível para frangos de corte machos de 1 a 42 dias de idade 1 Revista Brasileira de Zootecnia ISSN impresso: 1516-3598 ISSN on-line: 1806-9290 www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.37, n.5, p.876-882, 2008 Exigência de lisina digestível para frangos de corte machos

Leia mais