DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE"

Transcrição

1 DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE Rayleiane Cunha Lima¹; Rubens Fausto da Silva² ¹ Aluna do curso de zootecnia ;Campus de Araguaína ; ² Orientador Rubens Fausto da Silva; Campus de Araguaína; RESUMO: O objetivo do presente trabalho foi avaliar o desempenho técnico e econômoco de frangos linhagem Label Rouge na fase inicial (1 a 28 dias), submetidas a dietas com diferentes níveis de substituição de milho por torta de babaçu. O experimento foi conduzido no Setor de Avicultura do Campus de Araguaína da Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia. Foram utilizados 250 pintos, distribuídos em delineamento inteiramente casualizado, com cinco tratamentos, 0, 8, 16, 24 e 32% níveis de substituição de milho por torta de babaçu e 05 repetições de 10 aves cada. Foi realizado a sistematização dos parâmetros, consumo de ração (CR), ganho de peso (GP) e conversão alimentar (CA). O GP das aves reduziu a partir de 16% de substituição milho de soja pela torta de babaçu, podendo-se observar que a ausência de efeito sobre o CR, associada à redução no GP, resultou em piora na CA, a partir do nível de inclusão de 8%. Na análise de custo da alimentação, a maior margem bruta foi obtida com os frangos alimentados com 0% de torta de babaçu, em função do menor custo da alimentação. Palavras chave: Alimento alternativo; desempenho; inclusão; tratamento. INTRODUÇÃO Não somente no Brasil, mas em todo o mundo, o consumo da carne de frango tem se expandido de forma significativa. Na busca por alimentos alternativos para frango de corte, tem-se trabalhado com a utilização de subprodutos do coco babaçu para atender as exigências nutricionais dos animais, além de promover uma diminuição dos custos da ração para o produtor. Portanto, a utilização de matérias primas disponíveis regionalmente, para substituir parcialmente o milho e o farelo de soja nas rações, pode ser uma opção para a atividade avícola. Nascimento et al. (2005) descreve os custos elevados de produção, em função das rações à base de milho e soja, que contribui para que os preços praticados no mercado final inibam a dinamização da comercialização e, consequentemente, a geração de renda para o produtor familiar. Assim, objetivou-se nesse trabalho, avaliar a viabilidade técnica e econômica da substituição de

2 níveis crescentes do milho pela torta de babaçu, em rações para frangos Label Rouge, de 01 a 28 dias de idade. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido setor de avicultura da Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade federal do Tocantins (EMVZ-UFT), campus de Araguaína TO. Utilizou-se 250 pintinhos de corte Label Rouge, de 1 a 28 dias de idade distribuídos em gaiolas de arame galvanizado (1,00x1,00x0,40m), cada uma contendo um comedouro e um bebedouro tipo calha. Utilizou-se delineamento experimental inteiramente casualizado, conforme Sakomura & Rostagno (2007), com cinco tratamentos (níveis de substituição do milho pela torta de babaçu de 0, 8, 16, 24 e 32%) e 05 repetições de 10 aves cada (cinco machos e cinco fêmeas). Os custos com a alimentação foram determinados considerando-se os tratamentos cujos sistemas de produção demandavam os mesmos insumos, diferindo apenas quanto as rações fornecidas, utilizando-se então, para quantificar o diferencial de custos entre um tratamento e outro, somente o cálculo das despesas na alimentação das aves (PEREIRA et al., 2003). Para comparar a eficiência econômica entre as rações experimentais determinou-se o custo com alimentação por kg de frango produzido como segue: CFi = (QRi x CRi) / GPi; com i = 1, 2, 3, 4. Em que CFi = custo da alimentação por kg de frango produzido com a utilização do i-ésimo nível de substituição do farelo de soja pela torta de babaçu (R$/kg), QRi = quantidade de ração consumida no i-ésimo nível de substituição do farelo de soja pela torta de babaçu (kg), CRi = custo da ração contendo o i-ésimo nível de 44 substituição do farelo de soja pela torta de babaçu (R$/kg) e GPi = é o ganho de peso das aves que receberam o i-ésimo nível de substituição do farelo de soja pela torta de babaçu (kg). A margem bruta em relação ao custo da alimentação por kg de frango para cada nível de substituição do farelo de soja pela torta de babaçu nas rações foi calculada pela expressão: MBi = PVF CFi; em que MBi = margem bruta em relação ao custo da alimentação por kg de frango obtida com a utilização do i-ésimo nível de substituição do farelo de soja pela torta de babaçu (R$); PVF = preço de venda do frango vivo (R$/kg) e CFi = custo por kg de frango produzido com a utilização do i-ésimo nível de substituição do farelo de soja pela torta de babaçu (R$/kg). A ração (Tabelas 2 e 3) foi ofertada à vontade e o consumo calculado considerando-se a ração fornecida

3 e as sobras no final do período experimental. Tabela 2 - Composição das rações experimentais com níveis crescentes de substituição do milho pela torta de babaçu. Ingrediente Níveis de substituição (%) Milho grão 46,97 38,97 30,97 22,97 Farelo de Soja 45,21 45,21 45,21 45,21 Torta de Babaçu 0,00 8,00 16,00 24,00 Óleo de Soja 4,05 4,05 4,05 4,05 Fosfato bicálcico 1,82 1,82 1,82 1,82 Calcário 0,89 0,89 0,89 0,89 Cloreto de Sódio 0,51 0,51 0,51 0,51 Metionina 0,23 0,23 0,23 0,23 Cloreto de colina 0,13 0,13 0,13 0,13 Premix vitamínico 0,10 0,10 0,10 0,10 Premix minerais 0,10 0,10 0,10 0,10 Os dados das variáveis avaliadas foram submetidos aos testes de Normalidade (Cramer Von Mises) e Homocedasticidade (Levene). Tabela 3 - Atendimento das exigências nutricionais de frangos Label Rouge, de 1-28 dias de idade. Nutriente Níveis de substituição (%) Arginina Total 1,68 1,65 1,62 1,59 1,56 Cálcio 0,91 0,92 0,93 0,95 0,96 Energia Metabolizável Fibra Bruta 3,25 5,48 7,70 9,92 12,14 Fósforo disponível 0,45 0,46 0,47 0,48 0,50 Lisina Total 1,36 1,34 1,32 1,30 1,28

4 Met + Cistina Total 0,96 0,94 0,91 0,88 0,85 Metionina Total 0,59 0,58 0,56 0,55 0,54 Proteína Bruta 24,50 25,34 26,19 27,03 27,87 Sódio 0,21 0,21 0,21 0,21 0,21 Treonina Total 0,95 0,92 0,90 0,87 0,85 Triptofano total 0,31 0,30 0,30 0,29 0,29 Valina Total 1,16 1,13 1,10 1,06 1,03 As médias dos tratamentos foram comparadas pelo teste Student Newman Keuls (SNK) considerando um nível de 24 significância igual ou inferior a 5%. As análises estatísticas foram realizadas com o auxílio do Software SAS 9.0 (2002).Para a obtenção do ganho de peso das aves, utilizou-se da diferença entre peso inicial e final durante o período experimental. No cálculo do consumo de ração, levou-se em consideração a ração fornecida e as sobra e a Conversão alimentar foi obtida pela razão entre o total de ração consumida e o ganho de peso durante toda o período do experimento. RESULTADOS E DISCUSSÃO Observou-se que a substituição do milho pela torta de babaçu influenciou (P<0,05) o ganho de peso (GP) e a conversão alimentar (CA) das aves aos 28 dias de idade, não havendo efeito (P>0,05) sobre o consumo de ração (CR) (Tabela 1). O GP das aves reduziu a partir de 16% de substituição milho de soja pela torta de babaçu, podendo-se observar que a ausência de efeito sobre o CR, associada à redução no GP, resultou em piora na CA, a partir do nível de inclusão de 8%. Tabela 4 - Valores médios de consumo de ração (CR), ganho de peso (GP), e conversão alimentar (CA) de frangos Label Rouge, aos 28 dias de idade, de acordo com o nível de substituição do milho pela torta de babaçu. Variáveis Níveis de substituição de farelo de milho pela torta de babaçu CV 1 CR 1,185 1,205 1,192 1,187 1,219 3,92 GP 0,721ª 0,694ª 0,698 a 0,653b 0,590c 4,16 CA 1,644ª 1,737b 1,707b 1,823b 2,067c 5,09 1 Coeficiente de Variação (%) 2 Probabilidade segundo o teste F (P<0,05) Médias seguidas de letras diferentes na mesma linha diferem pelo teste SNK (P<0,05)

5 Em relação à análise de custo da alimentação, a maior margem bruta foi obtida com os frangos alimentados com 0% de torta de babaçu, em função do menor custo da alimentação (Tabela5). Tabela 5 Ganho de peso (g), custo da alimentação (R$/kg), custo da alimentação por kg de ganho de peso (R$/kg), margem bruta (R$/kg) de frangos de corte de 1 a 28 dias, Variáveis Níveis de substituição do milho pela torta de babaçu (%) Ganho de peso (g) 0,721 0,694 0,698 0,653 0,590 Custo da alimentação¹ (R$/kg) 1,077 1,086 1,095 1,104 1,107 Custo da alimetação por kg de GP (R$/kg) 1,788 1,873 1,877 2,023 2,245 Margem bruta2 (R$/kg) 3,212 3,127 3,123 2,977 2,755 1 Considerando os seguintes preços: milho = R$0,59/kg; Farelo de soja = R$ 1,30/kg; Torta de babaçu = R$ 0,70/kg; Fosfato bicálcico = R$ 2,77/kg; Óleo de soja = R$ 2,49/kg; Calcário = R$ 0,43/kg; Cloreto de sódio = 0,80/kg; DL-metionina = R$ 11,87/kg; Cloreto de colina = R$ 6,67/kg Suplemento mineral e vitamínico = R$ 9,00/kg.2 Considerando o preço do frango vivo pago em 17/02/2012 de R$ 5,0/kg, na praça de Araguaína A substituição crescente do milho pela torta concorreu para diminuição também crescente da margem bruta, em função do preço da torta ser superior ao preço do milho. Para as condições. com base nos preços dos insumos utilizados no presente experimento, fica inviável substituir milho pela torta de babaçu. LITERATURA CITADA NASCIMENTO, G. A. J.; COSTA, F. G. P.; AMARANTE JÚNIOR, V. S.; BARROS, L. R. Efeitos da substituição do milho pela raspa de mandioca na alimentação de frango de corte, durante as fases de engorda e final. Revista Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v.29, n.1, p , PEREIRA, J.C.; SILVA, P.R.C.; CECON, P.R.; RESENDE FILHO, M.A.; OLIVEIRA, R.L. Cama de frango e suplemento à base de microbiota ruminal em dietas de novilhas leiteiras: desempenho produtivo e avaliação econômica. Revista Brasileira de Zootecnia, v.32, n.3, p , SAKOMURA, N. K.; ROSTAGNO, H. S. Métodos de pesquisa em nutrição de monogástricos. Jaboticabal, SP: Funep, p. AGRADECIMENTOS "O presente trabalho foi realizado com o apoio da UFT. Agradeço também ao professor Dr. Rubens Fausto da Silva pela orientação, ao discentes do curso de Zootecnia Hugo Rabelo, Luan, Edna e a Nágylla Barros pelo apoio na realização do presente trabalho.

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

Alimentação do Frango Colonial

Alimentação do Frango Colonial Alimentação do Frango Colonial Alimentação Para os sistemas mais rudimentares e em pequena escala recomenda-se adquirir a ração de fornecedor idôneo, de preferência certificado para Boas Práticas de Fabricação-BPF.

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Avaliação do efeito da inclusão da farinha do mesocarpo do babaçu sobre o rendimento de carcaça, rendimento de cortes nobres e composição corporal de frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Luciana

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Avaliações de parâmetros hematológicos e bioquímicos do sangue de frango de corte na fase de 22 a 42 dias alimentados com diferentes níveis de farinha do mesocarpo do babaçu Ariane de Sousa Rodrigues 1

Leia mais

PRODUÇÃO DE AVES CAIPIRAS RECEBENDO RAÇÕES COM DIFERENTES NÍVEIS DO RESÍDUO DA RASPA DA MANDIOCA COM E SEM URUCUM

PRODUÇÃO DE AVES CAIPIRAS RECEBENDO RAÇÕES COM DIFERENTES NÍVEIS DO RESÍDUO DA RASPA DA MANDIOCA COM E SEM URUCUM PRODUÇÃO DE AVES CAIPIRAS RECEBENDO RAÇÕES COM DIFERENTES NÍVEIS DO RESÍDUO DA RASPA DA MANDIOCA COM E SEM URUCUM Antonio Hugo Rabelo de Castro 1 ; Kênia Ferreira Rodrigues 2 ; 1 Aluno do Curso de Zootecnia;

Leia mais

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³.

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³. Inclusão de enzimas em rações de poedeiras semipesadas para diminuição dos custos de produção e seus efeitos sobre o desempenho. Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL Leide Karla Ribeiro Loureiro 1 ; Glauco Mora Ribeiro 2 ; 1 Aluno do Curso de

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS - CCR DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DZ LABORATÓRIO DE AVICULTURA - LAVIC DISCIPLINA DE AVICULTURA RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE

Leia mais

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite. VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, VII Jornada Científica ou I Mostra de Extensão, 21 a 23 de outubro de 2014. Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 USO DE TREONINA NA DIETA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 2 Introdução Objetivo No relatório

Leia mais

Carla Fonseca Alves 1 ; Roberta Gomes Marçal Vieira Vaz 2 ; Lília Alves da Cruz 3

Carla Fonseca Alves 1 ; Roberta Gomes Marçal Vieira Vaz 2 ; Lília Alves da Cruz 3 Avaliações de parâmetros histomorfométricos de fígado e intestino delgado de frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade, alimentados com diferentes níveis de farinha do mesocarpo do babaçu Carla

Leia mais

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Professor Carlos Bôa-Viagem Rabello Departamento de Zootecnia Universidade Federal Rural de Pernambuco Recife Pernambuco

Leia mais

EFEITOS DA INCLUSÃO DE FARINHA DE FOLHAS DE MANDIOCA SOBRE O DESEMPENHO EM FRANGOS DE CORTE EM CRESCIMENTO

EFEITOS DA INCLUSÃO DE FARINHA DE FOLHAS DE MANDIOCA SOBRE O DESEMPENHO EM FRANGOS DE CORTE EM CRESCIMENTO EFEITOS DA INCLUSÃO DE FARINHA DE FOLHAS DE MANDIOCA SOBRE O DESEMPENHO EM FRANGOS DE CORTE EM CRESCIMENTO Autores : Marli Terezinha Dalmolin KOCK, Rita de Albernaz Gonçalves da SILVA. Identificação autores:

Leia mais

Página 2 de 10 Valor estimado: R$ ,5000 para: SOLUTION AGRONEGOCIOS LTDA - ME - ME, pelo melhor lance de R$ ,0000. Itens do grupo: 12 - R

Página 2 de 10 Valor estimado: R$ ,5000 para: SOLUTION AGRONEGOCIOS LTDA - ME - ME, pelo melhor lance de R$ ,0000. Itens do grupo: 12 - R Página 1 de 10 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Camboriú Termo de Adjudicação do

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia META-ANÁLISE DA RELAÇÃO DA LEVEDURA DESIDRATADA COM DESEMPENHO DE SUÍNOS EM CRESCIMENTO Bruno Neutzling Fraga 1*, Cheila Roberta Lehnen 1, Ines Andretta 1, Eloiza Lanferdini 2, Tais Regina Taffarel 2 1*

Leia mais

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte Suplemento: Desempenho e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta metas de desempenho e rendimento para os seus frangos de corte Cobb500, juntamente

Leia mais

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS Larissa O. CARVALHO 1 ; Renata M. de SOUZA²; Alexandre T. FERREIRA 3 ; Jonathan MENDES 4 ; Hemerson J. ALMEIDA 5 RESUMO Foi realizado experimento

Leia mais

Helena M. F. da SILVA 1 ; Fábio R. ALMEIDA 1 ; Marcos L. DIAS 1 ; Gustavo F. RODRIGUES 1 ; Letícia G. M. AMARAL 2 ; Níkolas O.

Helena M. F. da SILVA 1 ; Fábio R. ALMEIDA 1 ; Marcos L. DIAS 1 ; Gustavo F. RODRIGUES 1 ; Letícia G. M. AMARAL 2 ; Níkolas O. VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DE RACTOPAMINA EM RAÇÕES PARA SUÍNOS EM TERMINAÇÃO DE DIFERENTES POTENCIAIS GENÉTICOS PARA GANHO DE PESO OU SÍNTESE DE CARNE MAGRA Helena M. F. da SILVA 1 ; Fábio R. ALMEIDA

Leia mais

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007 Especificações Nutricionais para Frangos de Corte Junho 2007 Introdução Nas tabelas seguintes são apresentadas as especificações nutricionais para frangos de corte, considerando situações diversas de produção

Leia mais

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Alunos: Juliana Pinto Ferreira Vitor Augusto Oliveira Milho O principal componente das rações de aves e suínos é o milho, cujo custo tem sido

Leia mais

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos Felipe Evangelista PIMENTEL¹, Luiz Carlos

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa / Departamento de Zootecnia / Castro-PR. Palavras chaves: Avicultura, Lactobacillus sp, probióticos.

Universidade Estadual de Ponta Grossa / Departamento de Zootecnia / Castro-PR. Palavras chaves: Avicultura, Lactobacillus sp, probióticos. BIOMETRIA E ph DO TRATO DIGESTÓRIO DE FRANGOS DE CORTE SOB DESAFIO DE CAMA REUTILIZADA E ALTA DENSIDADE Liliane Heuert (PROVIC/UEPG), Bruno Machado, Kátia Nagano, Shivelly Galetto, Bruna Fittkau, Felipe

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ MANZKE, Naiana Enhardt¹; BRUM JR, Berilo de Souza²; VALENTE, Beatriz Simões³; HENRICH, Leomar¹; SCHEUERMANN, Bruna¹; PALUDO, Bianca¹; PITONI,

Leia mais

Energia metabolizável para aves dos farelos de soja das variedades convencionais e geneticamente modificada

Energia metabolizável para aves dos farelos de soja das variedades convencionais e geneticamente modificada Energia metabolizável para aves dos farelos de soja das variedades convencionais e geneticamente modificada Poultry metabolizable energy of soybean meal from conventional and genetically modified varieties

Leia mais

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES Victor Hugo Pedraça Dias 1 1 Engº Agrônomo - Esp. Geografia e Gestão Ambiental Prof. Substituto de Zootecnia e Nutrição Animal - IFRN CONCEITO Formular rações

Leia mais

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand 1 AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém as recomendações nutricionais para a matriz Ross 308 AP (AP95) de empenamento lento

Leia mais

Programas de Alimentação Frangos de Corte

Programas de Alimentação Frangos de Corte PRINCÍPIOS EM NUTRIÇÃO DE AVES Programas de Alimentação Frangos de Corte Prof. Dr. Luciano Hauschild Msc. Jaqueline de Paula Gobi Disciplina: Nutrição de Monogástricos Jaboticabal - junho 2016 INTRODUÇÃO

Leia mais

Introdução. Acta Scientiarum. Animal Sciences Maringá, v. 25, no. 2, p , 2003

Introdução. Acta Scientiarum. Animal Sciences Maringá, v. 25, no. 2, p , 2003 Utilização de diferentes níveis de levedura (Saccharomyces cerevisiae) em dietas e seus efeitos no desempenho, rendimento da carcaça e gordura abdominal em frangos de cortes Josefa Deis Brito Silva 1,

Leia mais

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE Data: Setembro/2002 PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE A evolução genética que vem ocorrendo nos Frangos de Corte trás como conseqüência, além da natural melhoria nos parâmetros

Leia mais

Composição química e valor energético de alimentos de origem animal utilizados na alimentação de codornas japonesas 1

Composição química e valor energético de alimentos de origem animal utilizados na alimentação de codornas japonesas 1 Revista Brasileira de Zootecnia 2011 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Composição química e valor energético de alimentos de origem animal utilizados na alimentação de codornas

Leia mais

Avaliação da curva de crescimento de frangos de corte e índices zootécnicos no sistema de produção do IFMG campus Bambuí

Avaliação da curva de crescimento de frangos de corte e índices zootécnicos no sistema de produção do IFMG campus Bambuí Avaliação da curva de crescimento de frangos de corte e índices zootécnicos no sistema de produção do IFMG campus Bambuí Chrystiano Pinto de RESENDE 1 ; Everto Geraldo de MORAIS 2 ; Marco Antônio Pereira

Leia mais

Replacement of soybean meal with babassu meal in rations for broilers from 22 to 42 days old

Replacement of soybean meal with babassu meal in rations for broilers from 22 to 42 days old DOI: 0.5433/679-0359.205v36n2p099 Substituição do farelo de soja pela torta de babaçu em rações para frangos de corte dos 22 aos 42 dias de idade Replacement of soybean meal with babassu meal in rations

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 36

RELATÓRIO DE PESQUISA - 36 RELATÓRIO DE PESQUISA - 36 2003 EFEITO DA RELAÇÃO VALINA:LISINA DURANTE A LACTAÇÃO SOBRE O DESEMPENHO DE MATRIZ E LEITÕES Introdução Pesquisas na Kansas State University realizadas por Richert et al (1996)

Leia mais

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais FRANGOS. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais FRANGOS. An Aviagen Brand AMÉRICA LATINA FRANGOS ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais 2017 An Aviagen Brand Introdução Nas seguintes tabelas são mostradas as especificações nutricionais para frangos de corte, considerando

Leia mais

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves O Brasil é o décimo maior produtor mundial de arroz e fora do continente Asiático o Brasil é o maior produtor de arroz. O volume de produção na safra

Leia mais

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN ) VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DE FITASE EM RAÇÕES PARA CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN ) VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DE FITASE EM RAÇÕES PARA CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA 58 GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984-3801) VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DE FITASE EM RAÇÕES PARA CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA Heder José D'Avila Lima * ; Sergio Luiz de Toledo Barreto 1 ; Fernanda

Leia mais

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea cobb-vantress.com

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea cobb-vantress.com Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea matrizes cobb-vantress.com Introdução Este Suplemento de Manejo de Matrizes Cobb deve ser utilizado em conjunto com o Manual de Manejo de Matrizes

Leia mais

RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE INTOXICADOS COM AFLATOXINAS E SUBMETIDOS A CONCENTRAÇÃO DE 0,25 E 0,50% DE ADTOX NA DIETA.

RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE INTOXICADOS COM AFLATOXINAS E SUBMETIDOS A CONCENTRAÇÃO DE 0,25 E 0,50% DE ADTOX NA DIETA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DEARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE AVICULTURA E LAEMI RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO DESEMENHO DE FRANGOS DE CORTE INTOXICADOS COM AFLATOXINAS

Leia mais

Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste. Prova de Resultado Lactance Terneira

Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste. Prova de Resultado Lactance Terneira Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste Prova de Resultado Lactance Terneira Desempenho de bezerros alimentados à base de ração peletizada x farelada Desempenho de bezerros alimentados

Leia mais

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Wederson Leandro Ferreira 1 3 Naje Clécio Nunes da Silva 1 3 Augusto Ramalho de Morais 2 3 1 Introdução Segundo Wolp

Leia mais

Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características de carcaça

Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características de carcaça Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013. Belo Horizonte Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características

Leia mais

Nova Estratégia para a Melhoria do Desenvolvimento de. Frangos de Corte.

Nova Estratégia para a Melhoria do Desenvolvimento de. Frangos de Corte. Data: Junho /2007 Nova Estratégia para a Melhoria do Desenvolvimento de Frangos de Corte. Nas últimas décadas, o desenvolvimento corporal de frangos de corte tem sido acelerado, visando atender a demanda

Leia mais

ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE RAÇÃO PARA FRANGOS DE CORTE MACHOS DE UMA EMPRESA DO SUL DE SANTA CATARINA.

ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE RAÇÃO PARA FRANGOS DE CORTE MACHOS DE UMA EMPRESA DO SUL DE SANTA CATARINA. ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE RAÇÃO PARA FRANGOS DE CORTE MACHOS DE UMA EMPRESA DO SUL DE SANTA CATARINA. Felipe ALANO MILANEZ UNESC- Universidade do Extremo Sul Catarinense. Nova Veneza Santa Catarina

Leia mais

Inclusão da farinha do mesocarpo de babaçu em rações de frangos de corte na fase de crescimento/terminação (22 a 42 dias)

Inclusão da farinha do mesocarpo de babaçu em rações de frangos de corte na fase de crescimento/terminação (22 a 42 dias) Inclusão da farinha do mesocarpo de babaçu em rações de frangos de corte na fase de crescimento/terminação (22 a 42 dias) Inclusion ofmesocarpbabassu flour in broilers diets in growing/ finishing stage

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO FERREIRA, F.O.B. 1 ; BARBOSA, K.A. 1 ; SENE, G.A. 1 ; JAYME, D.G.

Leia mais

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc.

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc. Classificação de Suplementos Bruno Marson Zootecnista MSc. CLASSIFICAÇÕES DOS PRODUTOS DESTINADOS A NUTRIÇÃO ANIMAL (IN Nº 12 2004 / IN Nº 15 2009) Suplementos Suplemento Mineral Suplemento Mineral Com

Leia mais

RASPA DA MANDIOCA PARA CODORNAS EM POSTURA

RASPA DA MANDIOCA PARA CODORNAS EM POSTURA RASPA DA MANDIOCA PARA CODORNAS EM POSTURA [Cassava scrapings in diets of quails laying] Adriana Aparecida Pereira 1, Diogo Augusto Ferreira 2, Dirceu Neutzling Griep Júnior 3, Carolyny Batista Lima 1,

Leia mais

Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Standar Manual de Padr ds Manual ões de Desempenho

Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Standar Manual de Padr ds Manual ões de Desempenho Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Manual de Padrões Standards de Desempenho Manual Resumo do Desempenho Viabilidade Fêmea, 1 18 semanas 94% Viabilidade Fêmea, 19 75 semanas 90% Viabilidade Macho,

Leia mais

Níveis de energia metabolizável e de metionina em rações para coturnix japonica) ) em postura

Níveis de energia metabolizável e de metionina em rações para coturnix japonica) ) em postura Acta Scientiarum 20(3):407-411, 1998. ISSN 1415-6814. Níveis de energia metabolizável e de metionina em rações para codornas (Coturnix ( coturnix japonica) ) em postura José Henrique Stringhini*, Nadja

Leia mais

RAÇÃO ALGOMIX SUÍNOS PRÉ-INICIAL

RAÇÃO ALGOMIX SUÍNOS PRÉ-INICIAL Classificação do Produto: Ração para suínos pré-inicial. Indicação do Produto: Ração pronta para alimentação de suínos em fase pré-inicial (07 a 35 dias de idade). Espécie animal a que se destina: Suínos.

Leia mais

O problema da ração suína: Um estudo de caso

O problema da ração suína: Um estudo de caso O problema da ração suína: Um estudo de caso Pablo Garcia de Oliveira 1, Flávio Lucio de Paula Gonzaga Júnior 2, Alexandre Bartoli Monteiro 3 Ricardo Silveira Sousa 4 1. Graduando do curso Superior em

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FEIJÃO (Phaseolus vulgaris L.) PARTIDO COMO INGREDIENTE EM ALIMENTOS EXTRUSADOS PARA GATOS

AVALIAÇÃO DO FEIJÃO (Phaseolus vulgaris L.) PARTIDO COMO INGREDIENTE EM ALIMENTOS EXTRUSADOS PARA GATOS AVALIAÇÃO DO FEIJÃO (Phaseolus vulgaris L.) PARTIDO COMO INGREDIENTE EM ALIMENTOS EXTRUSADOS PARA GATOS Autora: Bruna Ponciano Neto Orientador: Prof. Dr. Ricardo Souza Vasconcellos Introdução Arroz e feijão

Leia mais

AVALIAÇÃO MORFOMÉTRICA DE BEZERROS LEITEIROS NA FASE DE RECRIA ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE INCLUSÃO DE LEVEDURA SECA DE CANA

AVALIAÇÃO MORFOMÉTRICA DE BEZERROS LEITEIROS NA FASE DE RECRIA ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE INCLUSÃO DE LEVEDURA SECA DE CANA AVALIAÇÃO MORFOMÉTRICA DE BEZERROS LEITEIROS NA FASE DE RECRIA ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE INCLUSÃO DE LEVEDURA SECA DE CANA SILVEIRA, M.A.¹; JAYME D.G.²; GONÇALVES T.¹; RODRIGUES V.H.C.¹; CAMILO

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE TOURINHOS NELORE ALIMENTADOS COM DIETAS À BASE DE FUBÁ OU MILHO DESINTEGRADO COM PALHA E SABUGO (MDPS) Introdução

CUSTO DE PRODUÇÃO DE TOURINHOS NELORE ALIMENTADOS COM DIETAS À BASE DE FUBÁ OU MILHO DESINTEGRADO COM PALHA E SABUGO (MDPS) Introdução 137 CUSTO DE PRODUÇÃO DE TOURINHOS NELORE ALIMENTADOS COM DIETAS À BASE DE FUBÁ OU MILHO DESINTEGRADO COM PALHA E SABUGO (MDPS) Rivânia Ferreira Moreira¹, Daniene Aparecida Pereira 2, Marco Túlio Lopes

Leia mais

Panorama do primeiro ano de funcionamento do setor de Cunicultura do IFMG - Bambuí

Panorama do primeiro ano de funcionamento do setor de Cunicultura do IFMG - Bambuí Panorama do primeiro ano de funcionamento do setor de Cunicultura do IFMG - Bambuí Bruna Pontara Vilas Boas RIBEIRO¹; Luiz Carlos MACHADO² 1 Aluna do curso de Zootecnia e bolsista PIBIC FAPEMIG. 2 Professor

Leia mais

EFEITO DO ESTRATO ALCOÓLICO DE PRÓPOLIS SOBRE O DESEMPENHO DE COELHOS JOVENS 1

EFEITO DO ESTRATO ALCOÓLICO DE PRÓPOLIS SOBRE O DESEMPENHO DE COELHOS JOVENS 1 EFEITO DO ESTRATO ALCOÓLICO DE PRÓPOLIS SOBRE O DESEMPENHO DE COELHOS JOVENS 1 Dranka, Bruno Alcimar 2 ; Martins, Carlos Eduardo Nogueira 3 ; Silva, Aryadne Cristina 2 INTRODUÇÃO A demanda de carne de

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE METIONINA + CISTINA DIGESTÍVEIS E LISINA DIGESTÍVEL EM DIETA PARA CODORNAS JAPONESAS NA FASE PRÉ- INICIAL

RELAÇÃO ENTRE METIONINA + CISTINA DIGESTÍVEIS E LISINA DIGESTÍVEL EM DIETA PARA CODORNAS JAPONESAS NA FASE PRÉ- INICIAL RELAÇÃO ENTRE METIONINA + CISTINA DIGESTÍVEIS E LISINA DIGESTÍVEL EM DIETA PARA CODORNAS JAPONESAS NA FASE PRÉ- INICIAL Heder José D Avila Lima 1, Sergio Luiz de Toledo Barreto 2, Débora Lacerda Ribeiro

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RAÇÕES NO GANHO DE PESO DE CODORNAS JAPONESAS

AVALIAÇÃO DE RAÇÕES NO GANHO DE PESO DE CODORNAS JAPONESAS AVALIAÇÃO DE RAÇÕES NO GANHO DE PESO DE CODORNAS JAPONESAS Antônio Pasqualetto 1, Adriano Póvoa Ribeiro 2, Carlos André R. Araújo 2, Mário Zanin Netto 2, Melissa T. Gonçalves 2 Resumo Objetivou-se determinar

Leia mais

Uso de farinhas de origem animal na alimentação de frangos de corte

Uso de farinhas de origem animal na alimentação de frangos de corte RPCV (2012) 111 (581-582) 69-73 R E V I S T A P O R T U G U E S A DE CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Uso de farinhas de origem animal na alimentação de frangos de corte Use of animal meal in broilers feed Carolina

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS DA AMÉRICA LATINA ANÁLISE APROXIMADA (SISTEMA DE WEENDE), COM BASE NA MATÉRIA SECA AO AR. Gordura % Prot.

COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS DA AMÉRICA LATINA ANÁLISE APROXIMADA (SISTEMA DE WEENDE), COM BASE NA MATÉRIA SECA AO AR. Gordura % Prot. COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS DA AMÉRICA LATINA ANÁLISE APROXIMADA (SISTEMA DE WEENDE), COM BASE NA MATÉRIA SECA AO AR ALIMENTOS Seca Prot. Gordura Fibra ENN Cinza Cálcio 2.1 Fósforo ALFAFA, farinha de 88,0

Leia mais

Vinhaça como aditivo na alimentação de suínos

Vinhaça como aditivo na alimentação de suínos Vinhaça como aditivo na alimentação de suínos Estefânia Ferreira Dias¹, Silvana Lúcia dos Santos Medeiros², Sandra Regina Faria³, Maria Eduarda Medeiros Oliveira Cunha 4 ¹ Graduanda em Zootecnia pelo IFMG

Leia mais

Aferição da composição química das Rações Comerciais para Coelhos

Aferição da composição química das Rações Comerciais para Coelhos III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Aferição da composição química das Rações Comerciais para Coelhos Elizângela Roberta de Assis

Leia mais

Formulação de rações Programação Linear X Estocástica

Formulação de rações Programação Linear X Estocástica Universidade Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias AZ 753 Tópicos em Produção Animal Formulação de rações Programação Linear X Estocástica Prof. Vladimir de Oliveira DZDR/CCA

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Cobb 0 Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte Introdução Este suplemento apresenta as metas

Leia mais

Determinação da composição química e dos valores energéticos de alguns alimentos para aves

Determinação da composição química e dos valores energéticos de alguns alimentos para aves Determinação da composição química e dos valores energéticos de alguns alimentos para aves Fernanda Marcussi Tucci 1, Antônio Carlos Laurentiz 1, Estácio Alves Dos Santos 1, Carlos Boa-Viagem Rabello 2,

Leia mais

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P.

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P. CONFINAMENTO Tecnologias, Núcleos e Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: PRODUÇÃO DE AVES NA MEDICINA VETERINÁRIA Código da Disciplina: VET246

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: PRODUÇÃO DE AVES NA MEDICINA VETERINÁRIA Código da Disciplina: VET246 PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: PRODUÇÃO DE AVES NA MEDICINA VETERINÁRIA Código da Disciplina: VET246 Curso: MEDICINA VETERINÁRIA Semestre de oferta da disciplina: 7 período Faculdade responsável: MEDICINA

Leia mais

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO Juntamente com a Fiagril e o Summit Agricultural Group, a F&S Agri Solutions foi criada para produzir etanol de milho e coprodutos na cidade de Lucas do Rio Verde, MT. A Fiagril e o Summit Agricultural

Leia mais

SUBPRODUTOS DA MAMONA NA ALIMENTAÇÃO DE AVES 1. Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais / Montes Claros MG.

SUBPRODUTOS DA MAMONA NA ALIMENTAÇÃO DE AVES 1. Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais / Montes Claros MG. SUBPRODUTOS DA MAMONA NA ALIMENTAÇÃO DE AVES 1 Daniel Emygdio de Faria Filho 2, Adélio Nunes Dias 3, Camila Ferreira Delfim Bueno 4, João Batista Matos Júnior 4 e Felipe Amorim Paes do Couto 5 Instituto

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO DE CARCAÇA, BIOMETRIA DO TRATO INTESTINAL E PESO REALTIVO DAS VISCERAS DE DUAS LINHAGENS CAIPIRA ABATIDAS AOS 85 DIAS DE IDADE

AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO DE CARCAÇA, BIOMETRIA DO TRATO INTESTINAL E PESO REALTIVO DAS VISCERAS DE DUAS LINHAGENS CAIPIRA ABATIDAS AOS 85 DIAS DE IDADE AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO DE CARCAÇA, BIOMETRIA DO TRATO INTESTINAL E PESO REALTIVO DAS VISCERAS DE DUAS LINHAGENS CAIPIRA ABATIDAS AOS 85 DIAS DE IDADE Aline Ferreira Amorim 1, Joana Patrícia Lira de Sousa

Leia mais

Artigo Número 34 FARELO DE BABAÇU: VALOR NUTRITIVO E UTILIZAÇÃO NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL

Artigo Número 34 FARELO DE BABAÇU: VALOR NUTRITIVO E UTILIZAÇÃO NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL Artigo Número 34 FARELO DE BABAÇU: VALOR NUTRITIVO E UTILIZAÇÃO NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL Leonardo Augusto Fonseca Pascoal 1, Ana Patrícia Almeida Bezerra 2, Josemir de Souza Gonçalves 3 Introdução O Babaçu

Leia mais

Nutrição Animal. Aula 2 Classificação dos Alimentos. Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto

Nutrição Animal. Aula 2 Classificação dos Alimentos. Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto Nutrição Animal Aula 2 Classificação dos Alimentos Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto Passos para a formulação de uma dieta: - Conhecer as exigências nutricionais de uma categoria animal (idade,

Leia mais

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI.

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Luiz Carlos MACHADO 2 ; Diego

Leia mais

EFEITO DA FORMA FÍSICA DA RAÇÃO SOBRE O DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE

EFEITO DA FORMA FÍSICA DA RAÇÃO SOBRE O DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE EFEITO DA FORMA FÍSICA DA RAÇÃO SOBRE O DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE Carla Heloisa de Faria Domingues Patrícia de Cássia Andrade Sarah Sgavioli Maria Fernanda Ferreira Menegucci Praes Karina Ferreira

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia 1 ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES EM CRECHE: UMA META-ANÁLISE Eloiza Lanferdini 1*, Paulo Alberto Lovatto 1, Ines Andretta 1, Raquel Melchior 1, Bruno Neutzling Fraga 1 Setor de Suínos, Universidade

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Comparativo entre suínos castrados pelo método tradicional (castração cirúrgica ) e o método imunocastração. Palavras-chave: suínos imunocastrados, vacina anti-gnrh, castração cirúrgica.

Leia mais

Avaliação Nutricional do Farelo de Glúten 21% para galinhas poedeiras caipiras

Avaliação Nutricional do Farelo de Glúten 21% para galinhas poedeiras caipiras Avaliação Nutricional do Farelo de Glúten 21% para galinhas poedeiras caipiras Almir Ferreira da Silva 1, Carlos Bôa-Viagem Rabello 2, Cláudia da Costa Lima 3 Rafael Santos de Aquino 4, Tayara Soares de

Leia mais

2 DAPSA - FMVA - UNESP. 1 Mestranda da FMVA - UNESP (Bolsa CAPES). 3 e-mail:shvperri@fmva.unesp.br 4 Agradecimento FAPESP pelo apoio financeiro.

2 DAPSA - FMVA - UNESP. 1 Mestranda da FMVA - UNESP (Bolsa CAPES). 3 e-mail:shvperri@fmva.unesp.br 4 Agradecimento FAPESP pelo apoio financeiro. Modelos de superfície de resposta aplicados na formulação não linear de ração para frangos de corte Camila Angelica Gonçalves 1 Max José de Araujo Faria Júnior 2 Sílvia Helena Venturoli Perri 2,3 Manoel

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE SORGO E MILHO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE. RESUMO

ESTUDO COMPARATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE SORGO E MILHO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE. RESUMO 1 ESTUDO COMPARATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE SORGO E MILHO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE. ANA FLÁVIA FREITAS OLIVEIRA 1 ; EVANDRO DE ABREU FERNANDES 2 ;DANIEL TEIXEIRA V. BERNARDES 3 RESUMO O

Leia mais

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00016/2011

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00016/2011 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari Termo de Homologação

Leia mais

Revista Agrarian ISSN:

Revista Agrarian ISSN: Níveis de fósforo digestível para frangos de corte tipo caipira Levels of digestible phosphorus for free-range broiler chickens Gabriela Puhl Rodrigues 1, Charles Kiefer 1*, Karina Márcia Ribeiro de Souza

Leia mais

GENERAL SAMPAIO. Área 205,810 km 2. Instalado 01/03/1957. Plantel Aves Caipira

GENERAL SAMPAIO. Área 205,810 km 2. Instalado 01/03/1957. Plantel Aves Caipira População 6.218 hab. Área 205,810 km 2 Bioma Caatinga Instalado 01/03/1957 Zona Rural Distância 950 hab. 152 Km Plantel Aves Caipira 20.000 Famílias Produtoras 80 50 Inicio da Atividade 2005 Parceria/Sebrae

Leia mais

PROTEÍNA. Lisina (ARC 1981) Aminoácidos Essenciais. Aminoácidos Essenciais - suínos. Fenilalanina Arginina

PROTEÍNA. Lisina (ARC 1981) Aminoácidos Essenciais. Aminoácidos Essenciais - suínos. Fenilalanina Arginina omposição de um Protetor Hepático comercial PROTEÍNA Fórmula: Aspartato de L-ornitina...2,0 g loridrato de L-arginina...7,5 g L-citrulina...0,5 g Acetil metionina...1,0 g loridrato de colina...1,0 g Levulose...10,0

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NA ESTAÇÃO SECA: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 7 FORMULAÇÃO DA DIETA

ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NA ESTAÇÃO SECA: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 7 FORMULAÇÃO DA DIETA ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NA ESTAÇÃO SECA: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 7 FORMULAÇÃO DA DIETA Uma ração balanceada a quantidade do alimento capaz de prover, para um animal, os diversos nutrientes, numa proporção

Leia mais

Níveis de lisina em rações para frangos de corte determinados com base em uma abordagem econômica

Níveis de lisina em rações para frangos de corte determinados com base em uma abordagem econômica Revista Brasileira de Zootecnia 2011 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Níveis de lisina em rações para frangos de corte determinados com base em uma abordagem econômica Jefferson

Leia mais

Uso da Ora-Pro-Nobis para Codornas Japonesas em Fase de Postura

Uso da Ora-Pro-Nobis para Codornas Japonesas em Fase de Postura Uso da Ora-Pro-Nobis para Codornas Japonesas em Fase de Postura Juliano José de Oliveira COUTINHO 1 ; Jeferson Éder Ferreira de OLIVEIRA 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3 ; 1 Bacharelando em Zootecnia DCA/IFMG/Bambuí/

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas UFSC

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas  UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas www.aqi.ufsc.br UFSC Tópicos a serem abordados Necessidade do conhecimento das exigências nutricionais

Leia mais

DIGESTIBILIDADE DE DIETAS CONTENDO NÍVEIS DE FARINHA DE MINHOCAS (Eisenia foetida) PARA CODORNAS (Coturnix sp.).

DIGESTIBILIDADE DE DIETAS CONTENDO NÍVEIS DE FARINHA DE MINHOCAS (Eisenia foetida) PARA CODORNAS (Coturnix sp.). DIGESTIBILIDADE DE DIETAS CONTENDO NÍVEIS DE FARINHA DE MINHOCAS (Eisenia foetida) PARA CODORNAS (Coturnix sp.). VALENTE, Beatriz Simões 1 ; MANZKE, Naiana Einhardt 2 ; BRUM JR, Berilo de Souza 3 ; JAHNKE,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico

Leia mais

Comparação dos modelos de Gompertz e Verhulst no ajuste de dados de uma variedade de feijão

Comparação dos modelos de Gompertz e Verhulst no ajuste de dados de uma variedade de feijão Comparação dos modelos de Gompertz e Verhulst no ajuste de dados de uma variedade de feijão 1 Introdução Laís Mesquita Silva 1 Allan Alves Fernandes 2 Filipe Rizzo 3 Augusto Ramalho de Morais 4 O feijoeiro-comum

Leia mais

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: qualidade dos ovos

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: qualidade dos ovos Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: qualidade dos ovos Diego Henrique MIRANDA¹; Luiz Carlos MACHADO²; Tiago Antônio dos SANTOS³;

Leia mais

Desempenho de frangos de corte suplementados com complexo multienzimático

Desempenho de frangos de corte suplementados com complexo multienzimático Desempenho de frangos de corte suplementados com complexo multienzimático Anderson Luiz de Assis INÁCIO 1, Israel Marques da SILVA 2, Adriano GERALDO 3, Clara Costa Zica GONTIJO 3, Joyce Augusta FERREIRA

Leia mais

EFEITOS DA SUBSTITUIÇÃO DO MILHO PELA RASPA DE MANDIOCA NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE, DURANTE AS FASES DE ENGORDA E FINAL 1

EFEITOS DA SUBSTITUIÇÃO DO MILHO PELA RASPA DE MANDIOCA NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE, DURANTE AS FASES DE ENGORDA E FINAL 1 EFEITOS DA SUBSTITUIÇÃO DO MILHO PELA RASPA DE MANDIOCA NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE, DURANTE AS FASES DE ENGORDA E FINAL 1 Effect of substituition of corn to cassava meal in diets of growing and

Leia mais

Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS

Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS p. 1/6 Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS Vivian Feddern a *, Angélica Riqueli Laux b, Gustavo Júlio Mello Monteiro Lima

Leia mais

NÍVEIS DE FITASE EM DIETAS COM DIFERENTES VALORIZAÇÕES E SEUS EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS SEMI-PESADAS.

NÍVEIS DE FITASE EM DIETAS COM DIFERENTES VALORIZAÇÕES E SEUS EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS SEMI-PESADAS. Bambuí/MG - 2008 NÍVEIS DE FITASE EM DIETAS COM DIFERENTES VALORIZAÇÕES E SEUS EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS SEMI-PESADAS. Leonardo Almeida SANTOS¹; Adriano GERALDO²;, Cátia

Leia mais

Resumos do VIII Congresso Brasileiro de Agroecologia Porto Alegre/RS 25 a 28/11/2013

Resumos do VIII Congresso Brasileiro de Agroecologia Porto Alegre/RS 25 a 28/11/2013 14449 - Desempenho e análise econômica de aves de corte Isa Label criadas em sistema agroecológico Performance of Isa Label broilers in agro ecosystem MACCHI, Paloma de Matos 1 ; COSTA, Monik Kelly de

Leia mais

SORGO GRÃO INTEIRO OU MOÍDO EM SUBSTITUIÇÃO AO MILHO EM RAÇÕES DE FRANGOS DE CORTE

SORGO GRÃO INTEIRO OU MOÍDO EM SUBSTITUIÇÃO AO MILHO EM RAÇÕES DE FRANGOS DE CORTE SORGO GRÃO INTEIRO OU MOÍDO EM SUBSTITUIÇÃO AO MILHO EM RAÇÕES DE FRANGOS DE CORTE Letícia Souza Silva Carvalho 1*, Naiara Simarro Fagundes 1, Fernanda Heloisa Litz 1, Anna Gabriella Lima Saar 2, Evandro

Leia mais

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 Capítulo7Métodos para formular rações e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 3. Métodos de balanceamento de rações... 263 3.1. Breve histórico sobre a formulação de

Leia mais

Utilização de fosfatos comerciais para frangos de corte na fase inicial

Utilização de fosfatos comerciais para frangos de corte na fase inicial Utilização de fosfatos comerciais para frangos de corte na fase inicial Livya Stefane Borges de Queiroz, Antonio Gilberto Bertechini, Paulo Borges Rodrigues e Mário César Guerreiro Universidade Federal

Leia mais