AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES Banco de dados de digestibilidade dos nutrientes de ingredientes tradicionais e novos para nutrição de Truta e Striped Bass F.T. Barrows 1, T.G. Gaylord 2, W. Sealey 2, S.D. Rawles 3 Estudo colaborativo entre as instituições: USDA-Agricultural Research Service National Program 1 - Aquaculture 1 Trout-Grains Project, Aberdeen and Hagerman ID and Bozeman, MT 3 H. K. Dupree Stuttgart National Aquaculture Research Center, Stuttgart, AR USDOI- Fish and Wildlife Service 2 Fish Technology Center, Bozeman Montana 1

2 Descrição do Projeto "A determinação das digesbilidades de nutrientes em ingredientes específicos para dietas de peixes tem sido uma área de pesquisa nas úl mas décadas. Os coeficientes de digesbilidade aparente (CDA), o percentual dos nutrientes de um ingrediente que está disponível para o peixe, é uma informação necessária para pesquisadores, produtores e fábricas de ração, para que as dietas sejam formuladas de acurada, de modo a atender as exigências dos animais sem excessos. Os CDA's também são necessários para determinar o valor nutricional e econômico de ingredientes alterna vos. Dados gerados por diferentes laboratórios de pesquisa foram compilados em publicações como a NRC (19) e frequentemente mostram uma extensa variabilidade. Sabe-se que existe muitos fatores que podem afetar o CDA de um ingrediente, incluindo formulação da dieta de basal, métodos de fabricação de alimentos (temperatura), método de coleta fecal, etc. Diferentes laboratórios usam uma mistura de métodos específicos. O projeto foi iniciado em 25 para determinar os CDA para macronutrientes, aminoácidos e minerais para ingrediente tradicionais e novos em Truta Arco-Íris e Stripped Bass, usando condições as mais padronizadas o possível. O banco de dados é frequentemente atualizado conforme os ingredientes adicionais vão sendo avaliados." Tanques experimentais para estudos de diges bilidade com truta em Bozeman. Fonte: h p:// H.K. Dupree Stu gart Na onal Aquaculture Research Center, Stu gart, Arkansas 2

3 Obje vo Obter a composição dos nutrientes e a diges bilidade de proteínas e energia do Concentrado Proteico de Soja da Selecta (X-SOY ) em trutas. O teste foi conduzido para oferecer informações nutricionais para atualizar a matriz de ingredientes úteis a formulação de dietas. Dieta Experimental Ingredientes Farinha de Lula Concentrado Proteico de Soja Glúten de milho Farelo de soja Farinha de Trigo Taurina Óleo de Peixe Premix Vitamínico Cloreto de Colina g.kg-¹ Resultados Composição Típica - SPC Composição Típica da proteína Bruta 12% 1% 1% 8,%,%,7% 8% 7%,% % 5% 2,% %,% % 2% 2% 58,% % Umidade Gordura Bruta Fibra Bruta Cinzas 5,% Proteína Bruta (matéria seca) Proteína Bruta (tal qual) 3

4 Manganês Energia Bruta e Diges vel 1 Energia Bruta (kcal/kg) Teor de Microminerais do SPC Ferro Cobre Energia digestível - Peixes (kcal/kg) Selênio 3 Zinco 3,% 2,5% 2,% 1,5% 1,%,5%,% ,2 Biotina,2% Teor de Macrominerais no SPC 2,1,57%,,88% 28,25% Cálcio Enxofre Fósforo Fósforo Disponível Colina 1,3,2% Perfil de Vitaminas do SPC Ácido Fólico Niacina Ácido pantotênico Vitamina B 2,9 2,52%,% Sódio Potássio Magnésio Riboflavina Tiamina 2, Vitamina E Teor Total de Ácidos Graxos do SPC (g/1g) Teor Total de Aminoácidos do SPC (g/1g),1,1,12,1,8,,,2,2 Láurico,,7,,11,99,3,,15,3,,22 Mirístico Ácido palmítico Ácido heptadecanóico Ácido esteárico Ácido miristoléico Ácido palmitoleico Ácido elágico Ácido linoleico Ácido linoleico Ácido y-linoleico Ácido α-linoleico ,2 7,5 Alanina Arginina 11, 18,8,3,7 2,8 Ácido Aspártico Ácido glutâmico Cistina Glicina Histidina 7,9,2 Isoleucina Leucina Lisina Metionina Fenilalanina 5,2 5,2 5,,1 Prolina Serina Treonina Triptófano Tirosina 3,8,8 Valina

5 Valor Energé co & Diges bilidade Vantagens do SPC da Selecta Alta Diges bilidade (Acima de 92%) Garan a de Disponibilidade e Fornecimento Recursos renováveis com capacidade de expansão Baixa variação de preços 99 Alanina Arginina Ácido Aspártico Ácido glutâmico Cistina Glicina Histidina Isoleucina Leucina Lisina Metionina Alto padrão de uniformidade, especialmente quando comparado com produtos de origem animal Fenilalanina Prolina Serina Treonina Triptófano Tirosina Valina Melhor subs tuto para a farinha de peixe diges bilidade de PB dos diferentes ingredientes para diversas espécies SPC Farelo de Peixe Farinhas de penas Farinha de dejetos de aves Conclusão Proteina Bruta de Aves de Suínos de Camarões de Peixes O Concentrado Proteico de Soja da Selecta tem um excelente perfil nutricional e alta diges bilidade de aminoácidos para peixes. Informações detalhadas sobre este teste estão disponíveis para download: h p:// Para informações técnicas adicionais por favor entrar em contato: 5

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand 1 AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém as recomendações nutricionais para a matriz Ross 308 AP (AP95) de empenamento lento

Leia mais

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais FRANGOS. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais FRANGOS. An Aviagen Brand AMÉRICA LATINA FRANGOS ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais 2017 An Aviagen Brand Introdução Nas seguintes tabelas são mostradas as especificações nutricionais para frangos de corte, considerando

Leia mais

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007 Especificações Nutricionais para Frangos de Corte Junho 2007 Introdução Nas tabelas seguintes são apresentadas as especificações nutricionais para frangos de corte, considerando situações diversas de produção

Leia mais

O OVO NA ALIMENTAÇÃO Prof. Eduardo Purgatto Faculdade de Saúde Pública USP 2016

O OVO NA ALIMENTAÇÃO Prof. Eduardo Purgatto Faculdade de Saúde Pública USP 2016 O OVO NA ALIMENTAÇÃO Prof. Eduardo Purgatto Faculdade de Saúde Pública USP 2016 INTRODUÇÃO O ovo é um alimento mundialmente conhecido e faz parte do hábito alimentar de diversas populações. Os hebreus

Leia mais

Página 2 de 10 Valor estimado: R$ ,5000 para: SOLUTION AGRONEGOCIOS LTDA - ME - ME, pelo melhor lance de R$ ,0000. Itens do grupo: 12 - R

Página 2 de 10 Valor estimado: R$ ,5000 para: SOLUTION AGRONEGOCIOS LTDA - ME - ME, pelo melhor lance de R$ ,0000. Itens do grupo: 12 - R Página 1 de 10 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Camboriú Termo de Adjudicação do

Leia mais

O OVO NA ALIMENTAÇÃO. Profa. Assoc. Elizabeth A F S Torres Faculdade de Saúde Pública USP 2015

O OVO NA ALIMENTAÇÃO. Profa. Assoc. Elizabeth A F S Torres Faculdade de Saúde Pública USP 2015 O OVO NA ALIMENTAÇÃO Profa. Assoc. Elizabeth A F S Torres Faculdade de Saúde Pública USP 2015 INTRODUÇÃO O ovo é um alimento mundialmente conhecido e faz parte do hábito alimentar de diversas populações.

Leia mais

ALBUMINA. Proteína do ovo como suplemento

ALBUMINA. Proteína do ovo como suplemento ALBUMINA Proteína do ovo como suplemento INTRODUÇÃO Composto 100% natural, obtido da pasteurização e da secagem instantânea da clara de ovo, sem qualquer tipo de conservantes. A proteína é o elemento fundamental

Leia mais

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte Suplemento: Desempenho e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta metas de desempenho e rendimento para os seus frangos de corte Cobb500, juntamente

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

Alimentação do Frango Colonial

Alimentação do Frango Colonial Alimentação do Frango Colonial Alimentação Para os sistemas mais rudimentares e em pequena escala recomenda-se adquirir a ração de fornecedor idôneo, de preferência certificado para Boas Práticas de Fabricação-BPF.

Leia mais

Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana. Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP

Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana. Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP Sub-ordem Caniformia Classe Mamíferos Ordem Carnivora Sub-ordem Feliformia Canedae Procyonidae

Leia mais

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves O Brasil é o décimo maior produtor mundial de arroz e fora do continente Asiático o Brasil é o maior produtor de arroz. O volume de produção na safra

Leia mais

PREÇO ÚNICO PARA REGISTRO DE PREÇO DE RAÇÃO INSUMOS E MATERIAL DE APICULTURA

PREÇO ÚNICO PARA REGISTRO DE PREÇO DE RAÇÃO INSUMOS E MATERIAL DE APICULTURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS APODI DIRETORIA DE GESTÃO DA UNIDADE AGRÍCOLA-ESCOLA Sítio Lagoa do Clementino, n 999, RN 233, Km

Leia mais

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea cobb-vantress.com

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea cobb-vantress.com Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea matrizes cobb-vantress.com Introdução Este Suplemento de Manejo de Matrizes Cobb deve ser utilizado em conjunto com o Manual de Manejo de Matrizes

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Cobb 0 Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte Introdução Este suplemento apresenta as metas

Leia mais

VEGESOY MILK. Extrato solúvel de soja em pó

VEGESOY MILK. Extrato solúvel de soja em pó VEGESOY MILK Extrato solúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por todas as populações e hoje existem diversos

Leia mais

NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS

NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS IMPORTÂNCIA Conhecer fundamentos básicos de nutrição avaliar dietas e alimentos Interações entre nutrientes e o animal Exigências Cães e gatos Quantidade diária de nutrientes Manejo

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

RAÇÃO ALGOMIX SUÍNOS PRÉ-INICIAL

RAÇÃO ALGOMIX SUÍNOS PRÉ-INICIAL Classificação do Produto: Ração para suínos pré-inicial. Indicação do Produto: Ração pronta para alimentação de suínos em fase pré-inicial (07 a 35 dias de idade). Espécie animal a que se destina: Suínos.

Leia mais

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Alunos: Juliana Pinto Ferreira Vitor Augusto Oliveira Milho O principal componente das rações de aves e suínos é o milho, cujo custo tem sido

Leia mais

Valor nutritivo dos alimentos utilizados na formulação de rações para peixes tropicais. Nutritive value of common feeds used in tropical fish diets

Valor nutritivo dos alimentos utilizados na formulação de rações para peixes tropicais. Nutritive value of common feeds used in tropical fish diets Revista Brasileira de Zootecnia ISSN 1516-3598 (impresso) ISSN 1806-9290 (on-line) www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.38, p.43-51, 2009 (supl. especial) Valor nutritivo dos alimentos utilizados na formulação

Leia mais

BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA

BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA INGREDIENTES Descrição Qtd kcal CHO PTN GORD ALC Farinha, de trigo 30,00 g 105,41 21,94 g 3,50 g 0,41 g Açúcar, refinado 30,00 g 119,64 29,91 g Fermento em pó, químico 1,00

Leia mais

AUTORAS CAMILA DUARTE FERREIRA

AUTORAS CAMILA DUARTE FERREIRA AUTORAS CAMILA DUARTE FERREIRA Graduada em Nutrição pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em Ciência de Alimentos pelo Programa de Pós-graduação em Ciência de Alimentos da UFBA. Nutricionista

Leia mais

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P.

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P. CONFINAMENTO Tecnologias, Núcleos e Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo,

Leia mais

EQUINOS. Tecnologias, suplementos, rações, Fator P.

EQUINOS. Tecnologias, suplementos, rações, Fator P. Tecnologias, suplementos, rações, Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo,

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Standar Manual de Padr ds Manual ões de Desempenho

Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Standar Manual de Padr ds Manual ões de Desempenho Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Manual de Padrões Standards de Desempenho Manual Resumo do Desempenho Viabilidade Fêmea, 1 18 semanas 94% Viabilidade Fêmea, 19 75 semanas 90% Viabilidade Macho,

Leia mais

Mais do que cuidado, carinho.

Mais do que cuidado, carinho. Mais do que cuidado, carinho. GRUPO SIMÕES O Grupo Simões, atuante nos setores de saúde humana, saúde animal, plástico, agronegócio e inovação, vem atingindo resultados expressivos, nos últimos anos, pelo

Leia mais

Programas de Alimentação Frangos de Corte

Programas de Alimentação Frangos de Corte PRINCÍPIOS EM NUTRIÇÃO DE AVES Programas de Alimentação Frangos de Corte Prof. Dr. Luciano Hauschild Msc. Jaqueline de Paula Gobi Disciplina: Nutrição de Monogástricos Jaboticabal - junho 2016 INTRODUÇÃO

Leia mais

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PELO SEU BEM ESTAR baixo teor de Gordura e Sódio; é rica em Vitamina B12; fonte de Vitamina D, Energia (Kcal) 83 Gordura (g) 1.4 Ác. gordos saturados (g) 0.2 Ác. gordos monoinsaturados (g) 0.4 Ác. gordos

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 USO DE TREONINA NA DIETA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 2 Introdução Objetivo No relatório

Leia mais

USO DE BACTÉRIAS ÁCIDO-LÁTICAS NA RAÇÃO DE CAMARÃO MARINHO

USO DE BACTÉRIAS ÁCIDO-LÁTICAS NA RAÇÃO DE CAMARÃO MARINHO USO DE BACTÉRIAS ÁCIDO-LÁTICAS NA RAÇÃO DE CAMARÃO MARINHO Klayton Natan MORAES 1, Camylla CAPELLARI 2, Jorge Pedro RODRIGUES-SOARES³, Adolfo JATOBÁ 4. 1 Bolsista 168/2014 PIBIC/CNPq 2 Bolsista 170/2014

Leia mais

A influência da matéria prima sobre o desempenho da levedura (a levedura é aquilo que ela come) Dr Silvio Roberto Andrietta

A influência da matéria prima sobre o desempenho da levedura (a levedura é aquilo que ela come) Dr Silvio Roberto Andrietta A influência da matéria prima sobre o desempenho da levedura (a levedura é aquilo que ela come) Dr Silvio Roberto Andrietta Introdução Desempenho da fermentação depende: Instalações e operação Microrganismo

Leia mais

Portaria Nº 30, de 13 de janeiro de 1998 (*)

Portaria Nº 30, de 13 de janeiro de 1998 (*) Ministério da Saúde Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde Portaria Nº 30, de 13 de janeiro de 1998 (*) A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas

Leia mais

disponibilidade de minerais e vitaminas

disponibilidade de minerais e vitaminas Capítulo4Metodologias para avaliar a disponibilidade de minerais e vitaminas 1. Disponibilidade biológica dos minerais...131 1.1. Introdução...131 1.2. Digestibilidade e disponibilidade dos minerais...131

Leia mais

Circular 168/2015 São Paulo, 15 de Maio de 2015.

Circular 168/2015 São Paulo, 15 de Maio de 2015. Circular 168/2015 São Paulo, 15 de Maio de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REGULAMENTO TÉCNICO DE COMPOSTOS DE NUTRIENTES E DE OUTRAS SUBSTÂNCIAS PARA NUTRIÇÃO ENTERAL Diário Oficial da União Nº 91,

Leia mais

Especificação Unid. Fornecedor Marca Ofer. Descto. (%) Preço Unitário NUTRIR NUTRIÇÃO ENTERAL E SUPLEMENTAÇÃO LTDA ME (4722)

Especificação Unid. Fornecedor Marca Ofer. Descto. (%) Preço Unitário NUTRIR NUTRIÇÃO ENTERAL E SUPLEMENTAÇÃO LTDA ME (4722) Página: 1/6 Especificação id. Fornecedor Marca Ofer. Descto. (%) Preço itário 1 FORMULA LACTEA INFANTIL 0 a 12 meses, de 800g. Ingredientes da formulação: Lactose, leite de vaca desnatado*, amido, oleína

Leia mais

PROTEÍNA. Lisina (ARC 1981) Aminoácidos Essenciais. Aminoácidos Essenciais - suínos. Fenilalanina Arginina

PROTEÍNA. Lisina (ARC 1981) Aminoácidos Essenciais. Aminoácidos Essenciais - suínos. Fenilalanina Arginina omposição de um Protetor Hepático comercial PROTEÍNA Fórmula: Aspartato de L-ornitina...2,0 g loridrato de L-arginina...7,5 g L-citrulina...0,5 g Acetil metionina...1,0 g loridrato de colina...1,0 g Levulose...10,0

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas UFSC

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas  UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas www.aqi.ufsc.br UFSC Tópicos a serem abordados Necessidade do conhecimento das exigências nutricionais

Leia mais

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO Dependência: PREFEITURA DO MUNICIPIO DE PORTO VELHO - PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO VELHO - (RO) Licitação: (Ano: 2013/ PREFEITURA DO MUNICIPIO DE PORTO VELHO / Nº Processo:

Leia mais

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc.

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc. Classificação de Suplementos Bruno Marson Zootecnista MSc. CLASSIFICAÇÕES DOS PRODUTOS DESTINADOS A NUTRIÇÃO ANIMAL (IN Nº 12 2004 / IN Nº 15 2009) Suplementos Suplemento Mineral Suplemento Mineral Com

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta as metas de peso para os seus Frangos de Corte Cobb 700, juntamente com

Leia mais

2016 Linha de produtos

2016 Linha de produtos Linha de produtos 2016 A Pets Life foi fundada em outubro de 2006 com o intuito de distribuir grandes marcas no Estado do Rio Grande do Sul. Desde a sua fundação a empresa vem fidelizando cada vez mais

Leia mais

GADO DE LEITE. Tecnologias, suplementos, e Fator P.

GADO DE LEITE. Tecnologias, suplementos, e Fator P. Tecnologias, suplementos, e Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto,

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS DA AMÉRICA LATINA ANÁLISE APROXIMADA (SISTEMA DE WEENDE), COM BASE NA MATÉRIA SECA AO AR. Gordura % Prot.

COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS DA AMÉRICA LATINA ANÁLISE APROXIMADA (SISTEMA DE WEENDE), COM BASE NA MATÉRIA SECA AO AR. Gordura % Prot. COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS DA AMÉRICA LATINA ANÁLISE APROXIMADA (SISTEMA DE WEENDE), COM BASE NA MATÉRIA SECA AO AR ALIMENTOS Seca Prot. Gordura Fibra ENN Cinza Cálcio 2.1 Fósforo ALFAFA, farinha de 88,0

Leia mais

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00016/2011

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00016/2011 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari Termo de Homologação

Leia mais

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES Victor Hugo Pedraça Dias 1 1 Engº Agrônomo - Esp. Geografia e Gestão Ambiental Prof. Substituto de Zootecnia e Nutrição Animal - IFRN CONCEITO Formular rações

Leia mais

Fichas Técnicas DR DUNNER

Fichas Técnicas DR DUNNER Fichas Técnicas DR DUNNER Ficha Técnica Produto Dr. Dunner, AG - Suiça Apresentação 120 cápsulas de 560 mg 67,2 g 240 cápsulas de 560 mg 134,4 g Ingredientes Gelatina de Peixe hidrolisada, agente de volume:

Leia mais

ANEXOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) /.. DA COMISSÃO

ANEXOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) /.. DA COMISSÃO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 25.9.2015 C(2015) 6507 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS do REGULAMENTO DELEGADO (UE) /.. DA COMISSÃO que completa o Regulamento (UE) n.º 609/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

SID - Diges bilidade Ileal Padronizada em Leitões Desmamados. Melhoria na diges bilidade da proteína e dos aminoácidos em cerca de 5%

SID - Diges bilidade Ileal Padronizada em Leitões Desmamados. Melhoria na diges bilidade da proteína e dos aminoácidos em cerca de 5% é o Concentrado Protéico de Soja (SPC) micronizado da Selecta produzido através da extração hidroalcóolica de flocos de soja desengordurados. Este processo remove os carboidratos solúveis, os fatores inibidores

Leia mais

VEGESOY ISOLATED. Proteína Isolada da Soja. Informações Técnicas

VEGESOY ISOLATED. Proteína Isolada da Soja. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY ISOLATED Proteína Isolada da Soja INTRODUÇÃO A soja é uma planta leguminosa que está na cadeia alimentar há 5 mil anos e tem sido parte essencial da dieta asiática há muitos

Leia mais

MACRONUTRIENTES III PROTEÍNAS

MACRONUTRIENTES III PROTEÍNAS MACRONUTRIENTES III PROTEÍNAS 1 PROTEÍNAS As proteínas são compostos orgânicos de estrutura complexa e massa molecular elevada, elas são sintetizadas pelos organismos vivos através da condensação de um

Leia mais

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PELO SEU BEM ESTAR Tem alto teor de Proteína; é rico em Cálcio, Fósforo e Vitamina B12; fonte de Vitaminas A, E e B2. Valores de referência do requeijão com 13% proteína Energia (Kcal) 187 Proteína (g)

Leia mais

Caixa com 15 sachês de 30g cada ou pote com 900g e 2000g. Sabores: baunilha, chocolate, kiwi e frutas vermelhas.

Caixa com 15 sachês de 30g cada ou pote com 900g e 2000g. Sabores: baunilha, chocolate, kiwi e frutas vermelhas. Descrição: É um alimento protéico para atletas produzido a partir das proteínas isoladas do soro do leite não desnaturado (WPI). O seu processo de fabricação proporciona alta digestibilidade e rápida absorção

Leia mais

APTAMIL PROEXPERT PEPTI

APTAMIL PROEXPERT PEPTI EXCLUSIVOS PREBIÓTICOS DANONE 0,8g/100mL de scgos/lcfos (9:1) 1 INDICAÇÃO: Alimentação de lactentes com Alergia ao Leite de Vaca (ALV) sem quadros diarreicos, desde o nascimento. DESCRIÇÃO: Fórmula infantil

Leia mais

Nutrição Animal. Aula 2 Classificação dos Alimentos. Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto

Nutrição Animal. Aula 2 Classificação dos Alimentos. Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto Nutrição Animal Aula 2 Classificação dos Alimentos Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto Passos para a formulação de uma dieta: - Conhecer as exigências nutricionais de uma categoria animal (idade,

Leia mais

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO Juntamente com a Fiagril e o Summit Agricultural Group, a F&S Agri Solutions foi criada para produzir etanol de milho e coprodutos na cidade de Lucas do Rio Verde, MT. A Fiagril e o Summit Agricultural

Leia mais

Em termos comparativos a chlorella possui proporcionalmente mais proteínas do que a soja, a carne bovina e o trigo.

Em termos comparativos a chlorella possui proporcionalmente mais proteínas do que a soja, a carne bovina e o trigo. O que é? A chlorella é uma alga unicelular de água doce existente na Terra há milhões de anos. A sua estrutura genética manteve-se intacta ao longo do tempo resultando numa grande concentração e variedade

Leia mais

LITERATURA COLÁGENO HIDROLISADO PEPTÍDEOS DE COLÁGENO PEPTAN COLAGENO DO TIPO I

LITERATURA COLÁGENO HIDROLISADO PEPTÍDEOS DE COLÁGENO PEPTAN COLAGENO DO TIPO I COLÁGENO HIDROLISADO PEPTÍDEOS DE COLÁGENO PEPTAN COLAGENO DO TIPO I Uso: Interno/Externo Fator de Correção: Não se aplica Fator de Equivalência: Não se aplica Conhecendo o Colágeno O colágeno é uma proteína

Leia mais

Forever Lite - Chocolate e Baunilha

Forever Lite - Chocolate e Baunilha GESTÃO DE PESO Cód.: 021 -Chocolate Cód.: 019 -Baunilha Forever Lite - Chocolate e Baunilha Para uma alimentação rápida, em que necessite de perder peso, ganhar músculo ou ter apenas um estímulo energético,

Leia mais

Forever Lite Ultra COM AMINOTEIN * BAUNILHA E CHOCOLATE INGREDIENTES CONTEÚDO MODO DE USAR. Ref. Produto: 324 (Vaunilha) e 325 (Chocolate)

Forever Lite Ultra COM AMINOTEIN * BAUNILHA E CHOCOLATE INGREDIENTES CONTEÚDO MODO DE USAR. Ref. Produto: 324 (Vaunilha) e 325 (Chocolate) Forever Lite Ultra COM AMINOTEIN * BAUNILHA E CHOCOLATE O Forever Lite Ultra com Aminoácido é o complemento perfeito para o estilo de vida saudável da Forever Living. O Forever Lite Ultra com Aminotein

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 36

RELATÓRIO DE PESQUISA - 36 RELATÓRIO DE PESQUISA - 36 2003 EFEITO DA RELAÇÃO VALINA:LISINA DURANTE A LACTAÇÃO SOBRE O DESEMPENHO DE MATRIZ E LEITÕES Introdução Pesquisas na Kansas State University realizadas por Richert et al (1996)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico

Leia mais

Dr. Thiago M. T. do Nascimento

Dr. Thiago M. T. do Nascimento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de ciências Agrárias e Veterinárias Dr. Thiago M. T. do Nascimento Espécie mais produzida no Brasil 2008 111 mil t

Leia mais

Ficha Técnica de Produtos ISOFORT ULTRA. Pote com 900g, nos sabores: baunilha, chocolate e frutas tropicais.

Ficha Técnica de Produtos ISOFORT ULTRA. Pote com 900g, nos sabores: baunilha, chocolate e frutas tropicais. Descrição: É um alimento proteico à base de proteína isolada e hidrolisada do soro do leite. Fornece alta concentração de proteínas ultra-puras 92%, mantendo um amplo espectro de frações bioativas como

Leia mais

Avanços na nutrição de camarões. João Manoel Cordeiro Alves, M.Sc. Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Grupo Guabi

Avanços na nutrição de camarões. João Manoel Cordeiro Alves, M.Sc. Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Grupo Guabi Avanços na nutrição de camarões João Manoel Cordeiro Alves, M.Sc. Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Grupo Guabi Introdução Produção de camarões cresceu muito na última década, atualmente

Leia mais

MODALIDADE. Elaborado em 07 de Junho de EMPRESA: COMERCIAL CEDRO EIRELI ME PREÇO ITEM QUANT UNID DISCRIMINAÇÃO MARCA

MODALIDADE. Elaborado em 07 de Junho de EMPRESA: COMERCIAL CEDRO EIRELI ME PREÇO ITEM QUANT UNID DISCRIMINAÇÃO MARCA MAPA DE ADJUDICAÇÃO Elaborado em 07 de Junho de 2016. EMPRESA: COMERCIAL CEDRO EIRELI ME Emitido: Em: MODALIDADE ( ) PREGÃO PRESENCIAL Nº /2016 ( ) INEXIGÍVEL LICITAÇÃO, ART. 25 INC. ( ) DISPENSA DE LICITAÇÃO

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE Rayleiane Cunha Lima¹; Rubens Fausto da Silva² ¹ Aluna do curso de zootecnia

Leia mais

MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA

MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA TRATAMENTO EM CANA-PLANTA objetivos oferecer produtos que estimulem a emissão de raízes iniciais do tolete; aumentar a velocidade de brotação

Leia mais

Nutrição de Animais de Zoológico. Carlos Eduardo do Prado Saad

Nutrição de Animais de Zoológico. Carlos Eduardo do Prado Saad Nutrição de Animais de Zoológico Carlos Eduardo do Prado Saad Ciência da Nutrição surgiu com Lavoisier no século XVIII (1743-1794), quando considerava-se que todos os alimentos mantinham um princípio nutritivo

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: RESOLUÇÃO RDC N.º 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DOU 23/09/05 Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE A INGESTÃO DIÁRIA RECOMENDADA (IDR) DE PROTEÍNA, VITAMINAS E MINERAIS" A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

Resolução da Diretoria Colegiada RDC Nº. 22, DE 13 DE MAIO DE 2015.

Resolução da Diretoria Colegiada RDC Nº. 22, DE 13 DE MAIO DE 2015. Resolução da Diretoria Colegiada RDC Nº. 22, DE 13 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o regulamento técnico de compostos de nutrientes e de outras substâncias para fórmulas para nutrição enteral e dá outras

Leia mais

Forever Lite BAUNILHA E CHOCOLATE INGREDIENTES CONTEÚDO MODO DE USAR. Ref. Produto: 019 (Vainilla) e 021 (Chocolate)

Forever Lite BAUNILHA E CHOCOLATE INGREDIENTES CONTEÚDO MODO DE USAR. Ref. Produto: 019 (Vainilla) e 021 (Chocolate) Forever Lite BAUNILHA E CHOCOLATE Para uma alimentação rápida, ou caso esteja a pensar em perder peso, ganhar músculo ou obter apenas um estímulo energético, o Forever Lite é a solução! Ao misturar com

Leia mais

Suplementos em Medicina Esportiva

Suplementos em Medicina Esportiva Os suplementos são indicados para atletas que fazem treinamento intensivo e não ingerem alimentos suficientes para suprir cerca de 3 mil calorias gastas diariamente. "Para um atleta que treina de manhã

Leia mais

1 de 6 23/07/ :10

1 de 6 23/07/ :10 1 de 6 23/07/2014 10:10 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS EMITIDO EM 23/07/2014 10:11 RELATÓRIO DE MATERIAIS/SERVIÇOS Grupo de Material:

Leia mais

Com vista à transposição de tais directivas comunitárias para a ordem jurídica nacional foi publicado o Decreto-Lei n.º 137/2005, de 17 de Agosto.

Com vista à transposição de tais directivas comunitárias para a ordem jurídica nacional foi publicado o Decreto-Lei n.º 137/2005, de 17 de Agosto. Nos termos do n.º 2 do artigo 4.º da Directiva n.º 89/398/CE do Conselho, de 3 de Maio de 1989, que estabelece as regras respeitantes aos géneros alimentícios destinados a uma alimentação especial, a Comissão

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre SPC. Índice 1 - PROCESSO DE FABRICAÇÃO 2 - COMO AVALIAR A QUALIDADE DA PROTEÍNA DO SPC?

Perguntas Frequentes sobre SPC. Índice 1 - PROCESSO DE FABRICAÇÃO 2 - COMO AVALIAR A QUALIDADE DA PROTEÍNA DO SPC? Índice 1 - PROCESSO DE FABRICAÇÃO 2 - COMO AVALIAR A QUALIDADE DA PROTEÍNA DO SPC? A - SOLUBILIDADE EM HIDRÓXIDO DE POTÁSSIO - KOH B - ÍNDICE DE DISPERSIBILIDADE DA PROTEINA - PDI C - FATORES ANTI-NUTRICIONAIS

Leia mais

PRODUÇÃO DE LEITE. Parte 2. Prof. Dr. André M. Jorge UNESP-FMVZ-Botucatu. Prof. Dr. André Mendes Jorge FMVZ-Unesp-Botucatu

PRODUÇÃO DE LEITE. Parte 2. Prof. Dr. André M. Jorge UNESP-FMVZ-Botucatu. Prof. Dr. André Mendes Jorge FMVZ-Unesp-Botucatu PRODUÇÃO DE LEITE Parte 2 Prof. Dr. André M. Jorge UNESP-FMVZ-Botucatu O búfalo na Itália 2 Granja Leiteira na Índia 3 O búfalo na Índia 4 Granja leiteira na China 5 O búfalo na China 6 Área de Produção

Leia mais

Alimentos fonte e importância de nutrientes na dieta. Deborah Bauer - Nutricionista Mestranda em Alimentos e Nutrição (UNIRIO)

Alimentos fonte e importância de nutrientes na dieta. Deborah Bauer - Nutricionista Mestranda em Alimentos e Nutrição (UNIRIO) Alimentos fonte e importância de nutrientes na dieta Deborah Bauer - Nutricionista Mestranda em Alimentos e Nutrição (UNIRIO) Alimentos x Nutrientes? Água Minerais Carboidratos Alimentos Vitaminas?Compostos

Leia mais

Determinação de cinzas em alimentos

Determinação de cinzas em alimentos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL DISCIPLINA: BROMATOLOGIA BÁSICA (FBA-201) Determinação de cinzas em alimentos Elizabete W

Leia mais

EFEITO DA FONTE PROTEICA E PROBIÓTICO NO TRATO INTESTINAL DO LITOPENAEUS VANNAMEI

EFEITO DA FONTE PROTEICA E PROBIÓTICO NO TRATO INTESTINAL DO LITOPENAEUS VANNAMEI EFEITO DA FONTE PROTEICA E PROBIÓTICO NO TRATO INTESTINAL DO LITOPENAEUS VANNAMEI Klayton Natan MORAES 1, Jorge Pedro RODRIGUES-SOARES 2, Felipe do Nascimento VIEIRA 2, Adolfo JATOBÁ³. 1 Bolsista 168/2014

Leia mais

revogada(o) por: Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005 atos relacionados: Resolução nº 18, 1994

revogada(o) por: Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005 atos relacionados: Resolução nº 18, 1994 título: Portaria nº 33, de 13 de janeiro de 1998 ementa não oficial: Adota valores como níveis de IDR para as vitaminas, minerais e proteínas publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

FICHA TÉCNICA WHEY ISO FAST 100% ISOLADA HIGH PROTEIN FAT FREE LOW SODIUM ZERO CARBOIDRATOS

FICHA TÉCNICA WHEY ISO FAST 100% ISOLADA HIGH PROTEIN FAT FREE LOW SODIUM ZERO CARBOIDRATOS FICHA TÉCNICA WHEY ISO FAST 100% ISOLADA HIGH PROTEIN FAT FREE LOW SODIUM ZERO CARBOIDRATOS WHEY ISO FAST AGE é obtido por meio de processo de microfiltragem, o que resulta em uma proteína mais pura, livre

Leia mais

GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO

GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto, cuidado,

Leia mais

ISO WHEY V3 AGE ISO WHEY V3 AGE

ISO WHEY V3 AGE ISO WHEY V3 AGE NEW 100% ISOLADA ISO WHEY V3 AGE é a forma molecular da Proteína do Soro de Leite Isolada (WPI), obtida por meio de processo de microfiltração. Sua formulação isenta de gorduras e com baixo teor de carboidratos,

Leia mais

Composição dos Alimentos mais consumidos pelos VEGANOS.

Composição dos Alimentos mais consumidos pelos VEGANOS. Composição dos Alimentos mais consumidos pelos VEGANOS. Onde está um ponto considerar uma vírgula, ex.: Niacina 12.066 significa 12,066 mg arredondando fica 12 mg. http://www.unifesp.br/dis/servicos/nutri/nutri.php?id=2024

Leia mais

Professor Antônio Ruas

Professor Antônio Ruas Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOLOGIA GERAL Aula 4 Professor Antônio Ruas 1. Temas: Macromoléculas celulares Produção

Leia mais

Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00012/2012 (SRP)

Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00012/2012 (SRP) 1 de 51 12/07/2012 19:35 Pregão Eletrônico 158459.122012.33493.4851.23029312.604 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciencia

Leia mais

Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº

Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº Dispõe sobre o regulamento técnico de compostos de nutrientes e de outras substâncias para fórmulas para nutrição enteral e dá outras providências. A Diretoria Colegiada

Leia mais

1 de 7 10/03/ :00

1 de 7 10/03/ :00 1 de 7 10/03/2016 15:00 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS EMITIDO EM 10/03/2016 15:00 RELATÓRIO DE MATERIAIS/SERVIÇOS Grupo de Material:

Leia mais

DESEMPENHO E CARACTERISTICAS DE CARCAÇAS DE FRANGOS DE CORTE RECEBENDO EXTRATO DE LEVEDURAS NA DIETA

DESEMPENHO E CARACTERISTICAS DE CARCAÇAS DE FRANGOS DE CORTE RECEBENDO EXTRATO DE LEVEDURAS NA DIETA Desempenho e caracteristicas de carcaças de frangos de corte recebendo extrato de leveduras na dieta 349 DESEMPENHO E CARACTERISTICAS DE CARCAÇAS DE FRANGOS DE CORTE RECEBENDO EXTRATO DE LEVEDURAS NA DIETA

Leia mais

Sergio Ricardo Queiroz Barbosa

Sergio Ricardo Queiroz Barbosa Sergio Ricardo Queiroz Barbosa A extração do óleo da mamona pode ser feita mecanicamente ou com a utilização de solventes, gerando a torta e o farelo de mamona respectivamente, sendo esses os dois principais

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 Objeto: Alimento e Suplemento para Animais Processo: 23000.000155/2010-21 Seção Pública: 22/03/2010, segunda-feira às 09:00 hs À COMISSÂO DE PREGÃO PREZADOS SENHORES:

Leia mais

ENERGY VITA HORSE ELETROLÍTICO VITA OX X-PLOD. 500 ml. Óleo de Arroz + Gama orizanol + L Carnitina

ENERGY VITA HORSE ELETROLÍTICO VITA OX X-PLOD. 500 ml. Óleo de Arroz + Gama orizanol + L Carnitina ENERGY VITA HORSE Óleo de Arroz + Gama orizanol + L Carnitina Para suplementação energética de todas as raças equinas, nas fases de crescimento, reprodução, lactação e trabalho/treinamento esportivo. Aumento

Leia mais

18g de proteínas por barra

18g de proteínas por barra NEW 18g de proteínas por barra PROTEIN BAR AGE OUTSIDE é uma nutrição prática e deliciosa com 39% de Proteínas de Alto Valor Biológico, 22 Vitaminas e Minerais em uma só barra. MAIS VANTAGENS: PROTEIN

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FEIJÃO (Phaseolus vulgaris L.) PARTIDO COMO INGREDIENTE EM ALIMENTOS EXTRUSADOS PARA GATOS

AVALIAÇÃO DO FEIJÃO (Phaseolus vulgaris L.) PARTIDO COMO INGREDIENTE EM ALIMENTOS EXTRUSADOS PARA GATOS AVALIAÇÃO DO FEIJÃO (Phaseolus vulgaris L.) PARTIDO COMO INGREDIENTE EM ALIMENTOS EXTRUSADOS PARA GATOS Autora: Bruna Ponciano Neto Orientador: Prof. Dr. Ricardo Souza Vasconcellos Introdução Arroz e feijão

Leia mais

TASTE OF THE WILD DOG PACIFIC STREAM PUPPY SALMÃO FUMADO

TASTE OF THE WILD DOG PACIFIC STREAM PUPPY SALMÃO FUMADO TASTE OF THE WILD DOG PACIFIC STREAM PUPPY SALMÃO FUMADO É um alimento equilibrado e completo para cães em fase de crescimento de qualquer raça a partir dos 2 meses até aos 18 meses. Não contém cereais,

Leia mais

Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS

Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS p. 1/6 Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS Vivian Feddern a *, Angélica Riqueli Laux b, Gustavo Júlio Mello Monteiro Lima

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento D.O.U. - Nº 231, quinta-feira, 2 de dezembro de 2004 Pág. 4 SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12,DE 30 DE

Leia mais

Perfil de aminoácidos digestíveis para aves de farelos produzidos a partir de soja convencional e soja geneticamente modificada.

Perfil de aminoácidos digestíveis para aves de farelos produzidos a partir de soja convencional e soja geneticamente modificada. Perfil de aminoácidos digestíveis para aves de farelos produzidos a partir de soja convencional e soja geneticamente modificada. Poultry digestible amino acid profile for soybean meal of conventional and

Leia mais