SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) AUTO POSTO INCONDIDENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) AUTO POSTO INCONDIDENTES"

Transcrição

1 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) AUTO POSTO INCONDIDENTES INCONFIDENTES MG 2013

2 6º PERÍODO DE GESTÃO AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) AUTO POSTO INCONDIDENTES Trabalho apresentado como pré-requisito da disciplina de Gerenciamento Ambiental do curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Inconfidentes, para a obtenção do título de Tecnólogo em Gestão Ambiental. Orientador: Prof. D.Sc. Éder Clementino dos Santos INCONFIDENTES MG 2013

3 PREFÁCIO Foi realizado por 9 alunos de graduação tecnológica em Gestão Ambiental do Instituto Federal do Sul de Minas (IFSM) Campus Inconfidentes um plano de atividade para a implementação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA), Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e um Sistema de Gestão de Qualidade para o empreendimento Auto Posto Inconfidentes. Visando assim diagnosticar os riscos físicos, químicos e biológicos mais agravantes tanto para os funcionários quando para o meio ambiente, tendo como objetivo corrigi-los de maneira contínua, melhorando a dinâmica de serviço/trabalho. Nos dias de hoje vem ficando cada vez mais claro a busca das organizações em relação a um compromisso com o meio ambiente, pois as mesmas vêm percebendo que o compromisso com o meio ambiente é significado de confiança para os empreendimentos, fazendo que com busquem a implantarem um Sistema de Gestão Ambiental. Contudo as sociedades junto às organizações estão se voltando para a proteção da natureza de maneira mais consolidada, na busca de um processo que gira em torno de questões relacionadas com a qualidade do meio ambiente.

4 SUMÁRIO (fazer por último)

5 Lista de Tabelas

6 1. INTRODUÇÃO Novo século, novas formas de pensar. Hoje, não há como não conciliar qualquer atividade sem seus cuidados ao meu ambiente. Sendo essa atividade passível de impacto ambiental. A preservação dos recursos naturais passou a ser preocupação mundial e nenhum país tem o direito de fugir dessa responsabilidade. A necessidade de proteção ambiental é arcaica, surgindo quando o homem passou a valorizar a natureza, inicialmente de forma mais amena, e atualmente, de forma mais acentuada. Primordialmente, se dava a importância à natureza por ser uma criação divina. Depois, que o homem começou a reconhecer a interação dos componentes bióticos e abióticos que interagem no ecossistema é que efetivamente sua responsabilidade aumentou. Dentre esses impactos, deve-se avaliar não apenas os prejuízos financeiros e humanos imediatos, mas também as consequências de médios e longos prazos que podem advir da perda de imagem no mercado, requerendo gestão específica sobre as atividades envolvidas, visando a prevenir a ocorrência de eventos indesejados. Portanto, muitas empresas buscam alternativas visando caminhos que possam evitar ou minimizar esses impactos, como o Sistema de Gestão Ambiental SGA. O SGA, sob o ponto de vista empresarial, significa um modelo operacional que uma determinada organização adota para geri-la, administrá-la. Esse modelo de gerenciamento ambiental torna-se um comprometimento e responsabilidade da empresa. A Norma ISO especifica requisitos relativos a um Sistema de Gestão Ambiental, permitindo a uma organização formular uma política e objetivos que levem em conta os aspectos legais e as informações referentes aos impactos significativos. O foco deste trabalho é a implementação deste modelo para o Auto Posto Inconfidentes, com a intenção do mesmo servir como apoio e uma ferramenta para o empreendimento conseguir alcançar determinados objetivos que visam a sua sustentabilidade e assim realce a sua imagem como ambientalmente responsável. A implementação do SGA, portanto, sugere padrões de sistemas de gestão que assegurem a previsibilidade desejada e será sempre vantajosa para o presente negócio. Para isso é necessária uma avaliação ambiental inicial e estabelecer junto ao SGA um Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA e um Sistema de Gestão de Qualidade, sendo de fundamental importância e assim garantir a sustentabilidade na utilização dos 5

7 recursos naturais, promovendo a busca permanente de melhoria da qualidade dos serviços, produto, ambiente de trabalho, meio ambiente e a segurança durante todo processo. 2. OBJETIVOS E METAS (apenas reformular) 2.1. Objetivos Desenvolver uma cartilha com as informações necessárias para auxiliar quanto ao uso e manuseio do Equipamento de Proteção Individual, juntamente com uma planilha de controle do uso dos EPIs.; Avaliação e controle dos riscos existentes e que possam surgir, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores do Auto Posto Inconfidentes LTDA, consequentemente melhorar as condições ambientais e deixar seguro o local de trabalho. Desenvolver melhorias na infraestrutura do empreendimento, com intuito de estabelecer segurança aos colaboradores e frequentadores do ambiente; Realizar um diagnóstico das condições físicas, químicas, biológicas, acidentais e ergonômicas do empreendimento Auto Posto Inconfidentes; Determinar as medidas preventivas e corretivas para cada risco Metas Estabelecer a redução no uso de água após a implantação do SGA; Estabelecer treinamentos semestrais abordando as diretrizes necessárias para realizar a aquisição de matérias primas e melhorias no processo de licitação; Realizar mudanças na infraestrutura de maneira a se adequar a legislação; Fazer com que todos os colaboradores recebam o equipamento de proteção individual e tenham plano de saúde e todos os exames periódicos após o primeiro semestre de implantação do SGA. 3. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 6

8 Referências Normativas toda vez que for mencionar alguma norma durante o trabalho, citar ela aqui!...leis, normas, NRs, NBRs, resoluções, etc) NR 6 EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL As empresas são obrigadas a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes circunstâncias. NR 7 PROGRAMAS DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Todas as empresas e instituições, que admitam trabalhadores como empregados, a obrigatoriedade da elaboração e implementação do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO, com o objetivo de promoção e preservação da saúde do conjunto de seus trabalhadores. NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Todas as empresas e instituições, que admitam trabalhadores como empregados, a obrigatoriedade da elaboração e implementação do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA, visando a preservação da saúde e integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. NR 11 TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DOS MATERIAIS Estabelece normas de segurança para armazenamento e manuseio de materiais. NR 17 ERGONOMIA Estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicos dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente. NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS - Define os parâmetros para o armazenamento de combustíveis e inflamáveis, sendo de extrema importância, pois busca assegurar que medidas sejam executadas de forma que se por ventura um incidente ocorra de vazamento, o empreendimento tenha forma de controles para que um mal maior não ocorra. 7

9 NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Todas as empresas devem exigir a todos os empregadores a adoção de medidas preventivas de incêndios, utilizando Equipamentos de Proteção Coletiva, como extintores. NR 25 RESÍDUOS INDUSTRIAIS - Trata-se da eliminação dos resíduos gasosos, sólidos, líquidos de alta toxidade, periculosidade,ou insalubridade. Remete às disposições contidas na NR15 e legislações pertinentes nos níveis federal, estadual e municipal. NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA Devem ser adotadas sinalização de segurança nos estabelecimentos, a fim de indicar e advertir acerca dos riscos existentes. ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE - É adequada para qualquer organização que busca melhorar a forma como trabalha e como é gerenciada, independentemente de tamanho ou setor. Entretanto, os melhores retornos sobre o investimento são obtidos pelas companhias que estão preparadas para implementá-la em toda a organização, ao invés de fazê-lo em localidades específicas, departamentos ou divisões. A ISO 9001 é uma dentre as normas da série de sistemas de gestão da qualidade. Ela pode ajudar a alavancar o melhor de sua organização ao lhe permitir entender seus processos de entrega de seus produtos/serviços a seus clientes. ISO 14001:2004 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - Tem por objetivo evoluir bem como buscar sua certificação por uma organização externa competente; fazer a verificação da política ambiental implementada por esta entidade quanto à sua conformidade com a realidade do empreendimento e ainda servir de subsídio para uma análise intra ou externamente da conformidade entre esta certificação e uma autodeclaração de um empreendimento, e por fim, mas não menos importante, tem como objetivo dar as diretrizes para a confirmação de sua conformidade frente a algum requisito pré-estabelecido por algum cliente. NBR POSTO DE SERVIÇO - Estabelece as exigências mínimas para fabricação de tanques cilíndricos de parede simples ou dupla, construídos em resina termofixa reforçada com fibras de vidro, para instalação subterrânea em posição horizontal, operando à pressão atmosférica, destinados ao armazenamento de combustíveis líquidos de postos revendedores, postos de abastecimento e instalação de sistema retalhista. NBR ARMAZENAMENTO DE LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS - Estabelece os requisitos gerais para fabricação de tanques cilíndricos de parede simples, soldados, empregando chapa ou bobina, de aço-carbono, para instalação 8

10 subterrânea em posição horizontal, operando à pressão atmosférica, destinados a posto revendedor. NBR SEGURANÇA DE MÁQUINAS - Estabelece valores para distâncias de segurança, de modo a impedir o acesso e obstruir o livre acesso a zonas de perigo pelos membros inferiores de pessoas com idade superior ou igual a 14 anos. Estes valores são baseados em experiência prática, que se concluiu serem adequados para este grupo de pessoas. NBR DETECÇÃO DE VAZAMENTO EM POSTOS DE SERVIÇO - Estabelece critérios para seleção de métodos necessários para a detecção de vazamentos e ensaios de estanqueidade em sistemas de armazenamento subterrâneo de combustíveis (SASC). NBR POSTO DE SERVIÇO - Estabelece os princípios gerais para seleção dos equipamentos para sistemas subterrâneos de armazenamento e distribuição de combustíveis líquidos destinados a postos de serviço. NBR SISTEMA DE DRENAGEM OLEOSA - Estabelece parâmetros para projeto, metodologia de dimensionamento de vazão, instalação, operação e manutenção do sistema de drenagem oleosa em postos revendedor veicular (serviço). NBR CÂMARAS E CONTENÇÃO CONSTRUÍDAS EM POLIETILENO - Define os parâmetros mínimos para desempenho e ensaios de câmaras de contenção de produto derramado instaladas em sistema de armazenamento subterrâneo de combustíveis (SASC) de posto revendedor. NBR DISPOSITIVO PARA DESCARGA SELADA - Estabelece os parâmetros para desempenho e ensaios do dispositivo para descarga selada, instalados em sistema de armazenamento subterrâneo de combustíveis (SASC) ou aéreo (SAAC) destinado a posto revendedor, posto de abastecimento, posto flutuante e instalações de sistema retalhistas, para operações de descargas de combustíveis por gravidade ou quando o sistema de bombeamento está após o dispositivo. NBR VÁLVULA DE RETENÇÃO INSTALADA EM LINHAS DE SUCÇÃO - Estabelece os parâmetros mínimos para desempenho e os ensaios de válvulas de retenção instaladas em linhas de sucção, utilizadas em sistema de armazenamento subterrâneo de combustíveis (SASC) destinado a posto revendedor e posto de abastecimento. 9

11 COPAM 108 LICENCIAMENTOS AMBIENTAIS DE POSTOS REVENDEDORES - Estabelece os parâmetros mínimos para desempenho e os ensaios de válvulas de retenção instaladas em linhas de sucção, utilizadas em sistema de armazenamento subterrâneo de combustíveis (SASC) destinado a posto revendedor e posto de abastecimento. LEI 6.938/81 POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - Tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar, no País, condições ao desenvolvimento socioeconômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 273/00 - Estabelece diretrizes para o licenciamento ambiental de postos de combustíveis e serviços e dispõe sobre a prevenção e controle da poluição.esta Resolução determina a obrigatoriedade do licenciamento ambiental para localização, construção, instalação, modificação, ampliação e operação de postos revendedores, postos de abastecimento, instalação de sistemas retalhistas e postos flutuantes de combustível. RESOLUÇÃO CONAMA nº 319/02 - Dispõe sobre a prevenção e controle da poluição em postos de combustíveis e serviços. 4. TERMOS E DEFINIÇÕES 4.1. Auditor Pessoa com competência para conduzir uma auditoria. O auditor pode ser externo ou interno. [ABNT NBR ISSO 9000:2000] Melhoria Contínua Processo recorrente de se avançar o sistema de gestão ambiental com o propósito de atingir o aprimoramento do desempenho ambiental, coerente com a política ambiental da organização. NOTA: Não é necessário que o processo seja aplicado simultaneamente a todas as áreas da atividade Ação Corretiva 10

12 Ação para eliminar a causa de uma não conformidade identificada Documento Informação e o meio no qual está contido. NOTA 1: O meio físico pode ser papel, magnético, disco de computador de leitura ótica ou eletrônica, fotografia ou amostra padrão, ou ainda uma combinação destes. NOTA 2: Adaptado da ABNT NBR ISO 9000: Meio Ambiente Circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo-se ar, água, solo, recursos naturais, fauna, flora, seres humanos e SUS inter-relações. NOTA: Neste contexto, circunvizinhança estende-se do interior de uma organização para o sistema global Aspecto Ambiental Elemento das atividades, produtos e serviços de uma organização que pode interagir com o meio ambiente. NOTA: Um aspecto ambiental significativo é aquele que tem ou pode ter um impacto ambiental significativo Impacto Ambiental Qualquer alteração no meio ambiente, que seja adversa ou benéfica, que resulte no todo, ou em parte, dos aspectos legais de uma organização Sistema de Gestão Ambiental SGA A parte de um sistema de gestão de uma organização usada para desenvolver e implementar a política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. 11

13 NOTA 1: Um sistema de gestão é um conjunto de elementos inter-relacionados usado para estabelecer a política, os objetivos e para atingir os mesmos. NOTA 2: Um sistema de gestão inclui estrutura organizacional, atividades de planejamento, responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos Objetivo Ambiental Propósito ambiental geral, decorrente da política ambiental, que um a organização se propõe a atingir Desempenho Ambiental Resultados mensuráveis da Gestão de uma organização sobre seus aspectos ambientais. NOTA: No contexto dos sistemas de gestão ambiental, os resultados podem ser medidos com base na política ambiental da organização e outros requisitos de desempenho ambiental Política Ambiental Intenções e princípios gerais de uma organização em relação ao seu desempenho ambiental, conforme formalmente expresso pela Alta Administração. NOTA: A política ambiental provê uma estrutura de ação e definição de seus objetivos ambientais e metas ambientais Meta Ambiental Requisito de desempenho detalhado, aplicável a organização ou a parte dela, resultante dos objetivos ambientais. Tal requisito precisa ser estabelecido e atendido para que seus objetivos sejam atendidos Parte Interessada 12

14 organização. Indivíduo ou grupo interessado ou afetado pelo desempenho ambiental de uma Auditoria Interna Processo sistemático, independente e documentado para obter evidência e avaliá-la objetivamente a fim de determinar a extensão na qual os critérios de auditoria do sistema de gestão ambiental estabelecidos pela organização são atendidos. NOTA: Em muitos casos, em especial nas organizações menores, a independência pode ser demonstrada pela isenção de responsabilidade em relação à atividade auditada Não- Conformidade Não atendimento de um requisito [ABNT NBR ISSO 9000:2000] Organização Empresa, corporação, firma, empreendimento, autoridade ou instituição, ou parte de uma combinação desses, incorporada ou não, pública ou privada, que tenha funções e administração próprias. NOTA: Para organizações que tenham mais de uma unidade operacional, uma única unidade desta pode ser definida como uma organização Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de uma possível não-conformidade Prevenção de poluição Uso de processos, práticas, técnicas, materiais, produtos, serviços ou energia para evitar, reduzir ou controlar (de forma separada ou combinada) a geração, emissão ou descarga de qualquer tipo de poluente ou rejeito, para reduzir os impactos ambientais adversos. 13

15 NOTA: A prevenção da poluição pode incluir redução ou eliminação de suas fontes, alterações de processo, produto ou serviço, uso eficiente de recursos, materiais e substituição de energia, reutilização, recuperação, reciclagem, regeneração e tratamento Procedimento Forma específica para executar uma atividade ou um processo. NOTA1: Os procedimentos podem ser documentados ou não. NOTA2: Adaptado da ABNT NBR ISSO 9000: Registro Documento que apresenta resultados obtidos ou fornece evidências de atividades realizadas. NOTA. Adaptado da ABNT NBR ISSO 9000: O EMPREENDIMENTO O Auto Posto Inconfidentes - LTDA, pertencente ao município de Inconfidentes-MG, mesorregião do Sul de Minas, sob as coordenadas geográficas sul, oeste Identificação da Empresa Nome: Auto Posto Inconfidentes LTDA. CNPJ: / Atividade Principal: Revenda de Combustíveis e Lubrificantes. Endereço: Avenida Alvarenga Peixoto, nº 970 Bairro Monjolinho, Inconfidentes MG. CEP: Telefone: (35) Horário de Funcionamento: 06 horas às 22 horas. 14

16 Data do levantamento: 14 de janeiro de Nome do informante: Tadeu Castilho. Número de empregados: Atividades da empresa Foi realizado um levantamento quanto aos serviços prestados no Auto Posto Inconfidentes, sendo dividido cada serviço por setor. Foram divididos em seis setores: Escritório, Depósito, Lanchonete, Troca de Óleo, Lava-Jato e Área de Abastecimento Escritório O escritório possui um amplo espaço, composto por duas mesas de trabalho, sendo a primeira utilizada pelo dono do empreendimento e a segunda, usada pela auxiliar administrativa. São realizadas atividades relacionadas a contabilidade e administração do empreendimento Depósito Neste, são armazenados produtos de limpeza, produtos de automóveis (como graxas e flanelas) e água. Não possui janelas, sendo a circulação de ar precária Lanchonete No Posto há uma loja de conveniência denominada Lanchonete, na qual produz bebidas, salgados, almoços e marmita diariamente. Esta possui uma área de atendimento e a cozinha Área de atendimento Nesta área são feitas as atividades relacionadas a pagamento dos consumos e dos produtos comprado por terceiros. Também possui uma geladeira de vidro transparente contendo bebidas e refrigerantes e próximo a geladeira, possui um freezer contendo sorvetes. 15

17 Cozinha A cozinha possui um espaço pequeno, contendo a pia de louças, alguns produtos como refrigerantes e bebidas ainda lacrados e produtos usados na lavagem do piso e louças. Os utensílios para o cozimento da comida são colocadas num armazém aberto no chão, como mostra a figura tal Escritório O escritório possui um amplo espaço, composto por duas mesas de trabalho, sendo a primeira utilizada pelo dono do empreendimento e a segunda, usada pela secretária. Possui boa circulação de ar, devido as três janelas grandes Troca de Óleo Este possui cobertura, situado ao lado da lanchonete. Neste local são feitas as atividades relacionadas à troca de óleo, armazenamento de óleo queimado e outras embalagens e calibragem de pneu. em tanques Armazenamento de óleo usado O óleo quando é velho, queimado do carter do automóvel, é extraído e armazenado Calibragem de pneu Neste local possui um compressor de ar para calibragens de pneu de automóveis. Como mostra a figura (isso será depois, quando tiver nossa página de anexo com figuras) Lava-Jato Os automóveis são lavados a todo o período, sendo gastos 20 minutos por automóvel. A mangueira possui comprimento de 12 metros, utilizando-se também na lavagem shampoo e aditivado. 16

18 Área de Abastecimento O local é dividido em duas partes, sendo uma coberta de 427m² e outra não coberta de 341,29m². Na área coberta com boa circulação de ar, as atividades decorrentes são: abastecimento dos automóveis, extintores de incêndio/venda de extintores, caixa, bebedouro e banheiros a disposição Abastecimento dos automóveis Quanto ao abastecimento, este é feito apenas por gasolina, etanol, diesel disponíveis em tanques, localizados junto a bomba de abastecimento os extintores de incêndio. O abastecimento dos tanques é realizado por dois caminhões (contendo 15 mil litros cada) de uma empresa terceirizada Pró-Ambiental duas vezes por semana Extintor de Incêndio No mesmo local realizado o abastecimento dos automóveis esta inserido a aproximadamente 1,60 os extintores de incêndio, próximo ao local realiza-se a venda de extintores. No que se refere ao uso do extintor de incêndio, este é indispensável para um Posto de Combustível, de acordo com a NR 23 ele está disposto de maneira parcialmente correta, visto que a norma regulamentadora prega o seguinte: Localização e Sinalização dos Extintores: Os extintores deverão ser colocados em locais: a) de fácil visualização; b) de fácil acesso; c) onde haja menos probabilidade de o fogo bloquear o seu acesso. Os locais destinados aos extintores devem ser assinalados por um círculo vermelho ou por uma seta larga, vermelha, com bordas amarelas; 17

19 Deverá ser pintada de vermelho uma larga área do piso embaixo do extintor, a qual não poderá ser obstruída por forma nenhuma. Essa área deverá ser no mínimo de 1,00m x 1,00m (um metro x um metro); Os extintores não deverão ter sua parte superior a mais de 1,60m (um metro e sessenta centímetros) acima do piso. Os baldes não deverão ter seus rebordos a menos de 0,60m (sessenta centímetros) nem a mais de 1,50m (um metro e cinquenta centímetros) acima do piso; Os extintores não deverão ser localizados nas paredes das escadas; Os extintores sobre rodas deverão ter garantido sempre o livre acesso a qualquer ponto de fábrica; Os extintores não poderão ser encobertos por pilhas de materiais; Caixa É realizado o pagamento no caixa, ocupando uma área de 2m². No caixa encontra-se um computador sem acento Banheiros Possui dois banheiros, separados por masculino e feminino Bebedouro Este fica em fácil acesso, próximo aos tanques de combustível. A água é tratada e registrada pela Copasa Caixas de gordura Todo o óleo utilizado no Posto é escoado através de canaletas até as caixas de gordura, as quais se dividem em esgoto de óleos e esgoto doméstico (banheiro e cozinha). Sendo o primeiro constituído de óleo e lama, coletado pela empresa Pró-Ambiental a cada 2 meses. E o segundo lançado diretamente em corpos hídricos. 18

20 Lavagem A lavagem na área da pista é feita semanalmente, utilizando apenas água. Não há um responsável específico nessa atividade, sendo feita por qualquer frentista que estiver disponível. 19

21 6. Capítulo I Sistema de Gestão Ambiental (SGA) 6.1. PREFÁCIO Os impactos causados por postos revendedores de combustíveis são evidentes, exigindo assim uma maior fiscalização dos órgãos exigindo que todas as medidas previstas em lei estejam adequadas. Faltam fiscalizadores e muitos desses empreendimentos estão funcionando em desrespeito com progresso social e ambiental, haja vista que é perceptível a incapacidade que o meio tem de absorver a decorrência dos impactos gerados. A implantação de um Sistema de Gestão Ambiental irá proporcionar incalculáveis benefícios socioeconômicos e ambientais, haja vista que os de forma clara e objetiva os aspectos e impactos serão evidenciados tornando possível a aplicação de medidas preventivas e corretivas mitigando os problemas causados pelo empreendimento, contribuindo de forma positiva com o meio ambiente, e com a sociedade de forma direta e indireta, melhorando o bem estar de seus colaboradores, oferecendo produtos e serviços com qualidade, respeitando o meio ambiente, ganhando competitividade e satisfação de todas as pessoas envolvidas direta e indiretamente INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento industrial, diversos empreendimentos se evidenciam como grandes geradores de impactos, tanto sociais como ambientais, dentre eles destacam-se os postos de gasolina como é conhecido, que na verdade chamam-se postos revendedores de combustível, onde revende gasolina, álcool, diesel, gás natural, e prestam serviços como troca de óleo, lavagem dos veículos, e lojas de conveniência. Cabe ainda dizer que os empregos destes postos estão situados em diversos lugares como nos centros urbanos, nas rodovias e no meio rural, todos eles apresentam em suas atividades um grande potencial poluidor independentemente do porte que este se encontra. O posto de revenda de combustíveis, caracterizado como empreendimento de pequeno a médio porte, pode gerar inúmeros impactos ao meio ambiente, relacionados à sua instalação, operação e descomissionamento, exemplo: vazamentos não intencionais (acidentes); derramamentos durante a operação de transferência de produto para o tanque; vazamentos no 20

22 sistema devido à corrosão; falhas estruturais do tanque ou da tubulação conectada ao tanque ou então devido à instalação inadequada. A atividade de posto revendedor foi considerada potencialmente poluidora através da Resolução CONAMA n 273 de 29 de novembro de No entanto, a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (FECOMBUSTÍVEIS), considerava que independente dos aspectos de riscos de segurança e de impactos ambientais envolvidos com essa atividade, dever-se-ia isentá-la dos diplomas legais de licenciamento ambiental, pois não havia nenhuma evidência que esta pudesse ser uma atividade com potencial de causar danos ao ambiente. Portanto, com a implantação do SGA busca-se demonstrar como funciona aplicação da ferramenta de avaliação dos aspectos e impactos ambientais que as atividades destes empreendimentos remetem ao meio social, econômico e ambiental. Sendo assim, fornecendo ao órgão ambiental competente toda uma documentação com informações de como as atividades estão sendo executadas e monitoradas a fim de prever possíveis passivos ambientais futuros. Para implantação do SGA é preciso atender os requisitos da ISO 14001:2004, a qual especifica os requisitos para que um sistema da gestão ambiental que irá capacitar o empreendimento a desenvolver e implementar política e objetivos que levem em consideração requisitos legais e informações sobre aspectos ambientais significativos. A base desta abordagem está representada no PDCA (Planejar, Executar, Verificar e Agir). O sucesso do sistema depende do comprometimento de todos os níveis e funções e especialmente da alta administração. Um sistema deste tipo permite ao empreendimento desenvolver uma política ambiental, estabelecer objetivos e processos para atingir os comprometimentos da política, agir, conforme necessário, para melhorar seu desempenho e demonstrar a conformidade do sistema com os requisitos desta Norma. A finalidade geral desta Norma é equilibrar a proteção ambiental e a prevenção de poluição com as necessidades socioeconômicas. Deve-se notar que muitos desses requisitos podem ser abordados simultaneamente ou reapreciados a qualquer momento REQUISITOS DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Requisitos Gerais 21

23 No Auto Posto será estabelecido, documentado e implementado o Sistema de Gestão Ambiental que deverá ser mantido continuamente em conformidade com os requisitos da norma NBR ISO 14001: Política Ambiental O Auto Posto Inconfidentes tem como política ambiental o seu comprometimento com a minimização dos impactos causados por suas atividades no meio, visando o bem estar de seus funcionários e proporcionando a sociedade garantias de um futuro onde haja equilíbrio entre o homem e o meio, fazendo valer a constituição vigente, onde todos tem o direito de obter qualidade nas esferas do ar, água e solo, cabe ainda dizer que o Auto Posto Inconfidentes adota como princípios básicos as seguintes práticas: I. Estar de acordo com a legislação vigente da Lei 6.938/81 no seu Art. 10 que concerne ao licenciamento ambiental e amparadas com as Resoluções nº 273, de 29/11/2000, e nº 319, de 4/12/2002, ambas do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), tratam do licenciamento prévio para localização, construção, instalação, modificação, ampliação e operação do empreendimento; II. Buscar melhoria contínua do desempenho ambiental através do cumprimento de objetivos e metas; III. Adquirir bens e serviços de fornecedores que atribuíram boas práticas ambientais em seu empreendimento, respeitando o tripé da sustentabilidade, assim como os que são praticados no Auto Posto Inconfidentes; IV. Buscar comunicação efetiva com as partes interessadas tanto a interna quanto as externas sobre as questões ambientais; V. Utilizar novas tecnologias e métodos de trabalho que previnam, reduzam, ou controlem impactos negativos; VI. O Auto Posto Inconfidentes aplicará novas ideias de projetos de pesquisa e inovações tecnológicas que resultem o seu uso eficiente dos recursos naturais Planejamento O planejamento é a primeira etapa que deve ser seguida do PDCA, sem planejar o empreendimento não consegue realizar qualquer atividade, esta etapa exige que a alta direção 22

24 estabeleça como serão realizadas as atividades, os objetivos e metas a serem definidos e como será traçado o caminho para atingir os resultados esperados, lembrando que todos eles devem estar intrinsecamente ligados a política ambiental, sempre amparados pelos requisitos legais. A política ambiental, os objetivos e metas, preceitos legais pertinentes estão sugeridos no corpo do trabalho, alem do diagnóstico do empreendimento juntamente com planilhas de gerenciamento e controle de diversas fazes do SGA, subsídios estes necessários para o planejamento, ficando a cargo da alta direção as datas de execução de cada etapa. A tabela 1 a seguir mostra o cronograma de execução, necessário para que o planejamento não perca a sua continuidade, inviabilizando o seu êxito no período almejado. Tabela 1 - Cronograma de implantação do SGA. Cronograma de implantação Meses Planejamento Implantação Certificação Diagnóstica X Requisitos legais e outros 1. Aspectos ambientais X x x x 2. Requisitos legais e outros X x 3. Controle de documentos X 4. Documentação x x x x 5. Controle de registros X x x 6. Comunicações x x x 7. Política ambiental x x x 8. Objetivos e metas ambientais x x 9. Estrutura e responsabilidade x x x 10. Programa de gestão ambiental x x x 11. Preparação resposta a emergência X x x x x x x x 12. Treinamento, conscientização e X x x x x x x x 23

25 competência 13. Controle operacional x x x x 14. Medição e monitoramento x x x x 15. Não-conformidade, ação corretiva e preventiva x x x x 16. Auditorias internas do SGA ajustes x x x x x 17. Revisão crítica pela Alta administração x x x x x Cursos\Seminários 1. Seminários sobre SGA X 2. ISO e Aspectos/Impactos ambientais X 3. Auditores internos de SGA x 4. Seminários sobre SGA x x x Auditores Externas 1. Auditoria inicial x 2. Auditoria principal (certificação) x Aspecto Ambiental De acordo com a ISO 14001:2004 o empreendimento deve estabelecer, implementar e manter procedimentos para identificar os aspectos ambientais de suas atividades, produtos e serviços, dentro do escopo definido de seu sistema da gestão ambiental, que a organização possa controlar e aqueles que ela possa influenciar, levando em consideração os desenvolvimentos novos ou planejados, as atividades, produtos e serviços novos ou modificados, e determinar os aspectos que tenham ou possam ter impactos significativos sobre o meio ambiente (isto é, aspectos ambientais significativos). Foi realizada uma matriz de aspecto e impacto ambiental no Auto Posto Inconfidentes. Abaixo segue os elementos que compõem essa matriz, de acordo com as tabela de 2 a 10, sendo eles: 24

26 Situação operacional ( N ) Normal - sendo parte da rotina de operação; ( A ) Anormal deve ser prevenido, grande potencial de causar um impacto. Responsabilidade ( D ) Direta aspecto gerado pelo Auto Posto Inconfidentes; ( I ) Indireta aspecto relacionado a pessoas e empresas terceirizadas. Classe de Impacto ( B ) Benéfico impacto positivo ao meio; ( A ) Adverso impacto negativo ao meio. Temporalidade ( P ) Passado identificado no presente, sendo uma atividade decorrida do passado; ( A ) Atual - decorrente da atividade que está sendo exercida atualmente; ( F ) Futura impacto previsto, decorrente de alterações a serem implementadas no futuro. Avaliação da Significância de Impacto de acordo com Abrangência, Gravidade, Frequência e Probabilidade Abrangência ( 1 ) Pontual atinge só a área de bacia de contenção do posto; ( 2 ) Local atinge entre a bacia de contenção e os limites do posto; ( 3 ) Regional/ Global atinge áreas fora dos limites do posto. Gravidade ( 1 ) Baixa danos pouco significativos, reversíveis em curto prazo; 25

27 ( 2 ) Médio danos consideráveis, reversíveis em médio prazo; ( 3 ) Alta danos severos, irreversíveis em médio prazo. Frequência/ Probabilidade ( 1 ) Baixo ocorre uma vez por mês ou menos; ( 3 ) Médio ocorre duas ou mais vezes por mês; ( 5 ) Alto ocorre uma ou mais vezes por dia. Classificação do Impacto Ambiental É o somatório dos pesos obtidos na abrangência, gravidade, frequência e probabilidade, resultando no grau de significância. Grau de Significância ( D ) Desprezível soma dos pontos iguais a 3; ( M ) Moderado soma dos pontos entre 5 e 7; ( C ) Crítico soma dos pontos entre 9 e 15; Classificação da Significância ( S ) Significativo grau de relevância crítico; grau de relevância moderado; ( NS ) Não Significativo grau de relevância desprezível ou benéfico. Tabela 2 - Matriz de Identificação dos Aspectos e Impactos Ambientais - Setor de Manutenção. IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTO E IMPACTOS - MANUTENÇÃO AVALIAÇÃO DA SIGNIFICÂNCIA DO IMPACTO 26

28 Situação responsabilidade classe temporalidade abrangência gravidade frequência/probabilidade grau de relevância classificação da significância Aspecto Impacto Canaletas de drenagem direcionadas para via pública Comprometimento da qualidade das águas superficiais A D A A C S Transbordamento da caixa SAO na pista Contaminação das águas superfiais e solo A D A A/F M S Vazamento de combustível devido à instalação inadequada de equipamentos ou falta de manutenção Comprometimento da qualidade do solo, água e atmosfera A D A A/F M S Transbordamento da canaleta de drenagem por obstrução causados por sujidades Alteração das propriedades da água superficial e solo A D A A/F C S Transbordamento por falta de limpeza na caixa de esgoto Comprometimento da qualidade das águas superficiais e solo A D A A/F M S Descarte inadequado do resíduo utilizado no teste de estanqueidade Alteração da qualidade das águas superficiais e solo A D A A M S 27

29 Rupturas nas tubulações devido aos atritos da movimentação dos veículos no piso do posto Comprometimento da qualidade do solo, águas superficiais, atmosférico e sonoro N/A D A A/F M S Descarte inadequado de resíduos provenientes da limpeza da caixa SAO Alterações das propriedades naturais do solo e água A D A A C S Falta de manutenção e limpeza da caixa SAO fazendo com que a mesma não torne tão efetiva o seu processo Comprometimento das águas superficiais e solo A D A A/F C S Descarte inadequado de resíduos contaminados por óleos Comprometimento das águas superficiais e solo A D A A C S Descarte inadequado do óleo usado no box de troca de óleo Comprometimento das águas superficiais, solo e água subterrâneas A D A A/F C S Vazamento de combustível durante a limpeza ou manutenção dos tanques Comprometimento da qualidade das águas subterrâneas e solo A D A A/F M S Vazamento de combustível, provenientes do processo de coleta análise e armazenamento de amostras Comprometimento da qualidade do solo e águas superficiais A D A A/F D NS Tabela 3 - Matriz de Identificação dos Aspectos e Impactos Ambientais - Setor de Armazenamento. 28

30 Situação responsabilidade classe temporalidade abrangência gravidade frequência/probabilidade grau de relevância classificação da significância IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTO E IMPACTOS - ARMAZENAMENTO AVALIAÇÃO DA SIGNIFICÂNCIA DO IMPACTO Aspecto Impacto Emissão de compostos orgânicos voláteis VOC's Alteração das propriedades da atmosfera N D/I A A C S Descarte de água contaminada forma imprópria Comprometimento da qualidade das águas subterrâneas e artificiais A D/I A A C S Grande vazamento de combustíveis entre os tanques subterrâneos e o tanque de abastecimento Comprometimento da qualidade do solo e águas subterrâneas A D A A/F C S Pequeno vazamento de combustível entre os tanques subterrâneos e o tanque de abastecimento Comprometimento da qualidade do solo e águas subterrâneas A D A A/F M S Vazamento de combustível entre os tanques subterrâneos com as bombas subterrâneas Comprometimento da qualidade do solo e águas subterrâneas A D A A/F C S Pequeno vazamento de combustível devido à corrosão do tanque subterrâneo Comprometimento das propriedades naturais do solo, águas subterrâneas e águas superficiais A D A A/F C S 29

31 Situação responsabilidade classe temporalidade abrangência gravidade frequência/probabilidade grau de relevância classificação da significância Grande vazamento de combustível devido a corrosão do tanque subterrâneo Comprometimento das propriedades naturais do solo, águas subterrâneas e águas superficiais A D A A/F C S Vazamento de combustível devido a medição do nível tanque Contaminação do solo A D A A/F D NS Tabela 4 - Matriz de Identificação dos Aspectos e Impactos Ambientais - Setor de Distribuição. IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTO E IMPACTOS - DISTRIBUIÇÃO AVALIAÇÃO DA SIGNIFICÂNCIA DO IMPACTO Aspecto Impacto Fissura nas conexões dos tanques ou tubulações de tanques de combustível Comprometimento da qualidade do solo, da água subterrânea, atmosférico e sonoro A D/I A A/F C S Vazamento de combustível devido à desconexão da válvula da mangueira Comprometimento atmosférico e solo A D A A/F M S Gotejamento de combustível na bomba de abastecimento Comprometimento da estrutura química e física do solo A D A A D NS 30

32 situação responsabilidad e Classe temporalidade abrangência gravidade frequência/prob abilidade grau de relevância classificação da significância Emissões de compostos orgânicos voláteis (VOC's) no compartimento durante o carregamento Pequena quantidade de vazamento de combustível no abastecimento do veículo Grande quantidade de vazamento de combustível no abastecimento do veículo Atmosférico N I A A C S Solo/ águas superficiais A D A A D NS Solo/ águas superficiais A D A A D NS Vazamento de combustível devido à colisão de uma bomba com a outra Solo/ águas subterrâneas A I A A/F C S Pagamento de impostos Melhorias para a comunidade N I B A C NS Instalações de novos empreendimentos comerciais Geração de emprego N I B A M S Contratação de novos profissionais (frentistas) Melhoria na renda da comunidade N D B A C NS Tabela 5 - Matriz de Identificação dos Aspectos e Impactos Ambientais Setor de lavagem de Veículos. IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTO E IMPACTOS - LAVAGEM DE VEÍCULOS AVALIAÇÃO DA SIGNIFICÂNCIA DO IMPACTO Aspecto Impacto 31

33 situação Responsabilidade classe temporalidade abrangência gravidade frequência/probabilidade grau de relevância classificação da significância Geração de efluente líquido com mistura oleosa e detergente Comprometimento da qualidade das águas subterrâneas e superficiais N A A A C S Geração de resíduo sólido, como estopa e pano com resíduo oleoso Comprometimento da qualidade do solo N D A A C S Transbordamento da canaleta de retenção por obstrução de fluxo Comprometimento das águas superficiais e solo A D A A/F C S Geração de ruídos Alteração da sensibilidade sonora das pessoas ao entorno do local N D A A/F C S Tabela 6 - Matriz de Identificação dos Aspectos e Impactos Ambientais Setor Troca de Óleo. IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTO E IMPACTOS - TROCA DE ÓLEO - BOX DE LUBRIFICAÇÃO AVALIAÇÃO DA SIGNIFICÂNCIA DO IMPACTO Aspecto Impacto 32

34 situação Responsabilidade classe temporalidade abrangência gravidade frequência/probabilidade grau de relevância classificação da significância Pequeno derramamento de óleo Transbordamento da canaleta de drenagem por obstrução do fluxo Comprometimento da qualidade do solo, águas subterrâneas e águas superficiais Comprometimento da qualidade do solo, águas subterrâneas e águas superficiais N D A A D NS A D A A M S Tabela 7 - Matriz de Identificação dos Aspectos e Impactos Ambientais Setor Lanchonete. IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTO E IMPACTOS - LANCHONETE AVALIAÇÃO DA SIGNIFICÂNCIA DO IMPACTO Aspecto Impacto Geração de emprego Melhor desenvolvimento econômico da comunidade N D B A C S Geração de resíduos sólidos Comprometimento da qualidade do solo N D A A/F M S Destinação dos resíduos de forma inadequada Geração de efluentes líquidos provenientes dos sanitários Comprometimento da qualidade do solo e águas superficiais Comprometimento do solo e das águas subterrâneas e superficiais N D A A/F C S N D A A C S Tabela 8 - Matriz de Identificação dos Aspectos e Impactos Ambientais Setor Depósito. 33

35 situação Responsabilidade classe temporalidade abrangência gravidade frequência/probabilidade grau de relevância classificação da significância situação Responsabilidade classe temporalidade abrangência gravidade frequência/probabilidade grau de relevância classificação da significância IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS - DEPÓSITO AVALIAÇÃO DA SIGNIFICÂNCIA DO IMPACTO Aspecto Impacto Postura inadequada no levantamento de material Produtos armazenados aberto Produtos químicos armazenados com produtos alimentícios Ergonomia do trabalhador A D A A C S Contaminação do solo e outros produtos presentes no depósito Prejuízo à saúde do consumidor dos produtos alimentícios A D A A M S A D A A C S Tabela 9 - Matriz de Identificação dos Aspectos e Impactos Ambientais Setor Administrativo. IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTO E IMPACTOS - ÁREA ADIMINISTRATIVA AVALIAÇÃO DA SIGNIFICÂNCIA DO IMPACTO Aspecto Impacto Descarte inadequado de materiais Comprometimento da qualidade do solo e águas superficiais A D A A C S 34

36 situação responsabilidade Classe temporalidade abrangência gravidade frequência/probabilidade grau de relevância classificação da significância Falta de equipamentos para melhorar a ergonomia Comprometimento do bem estar do trabalhador A D A A C S Tabela 10 - Matriz de Identificação dos Aspectos e Impactos Ambientais Outras atividades. IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS - OUTRAS ATIVIDADES AVALIAÇÃO DA SIGNIFICÂNCIA DO IMPACTO Aspecto Impacto Calibração de pneus Sonoro N D A A M S Pequeno vazamento de nitrogênio no calibrador eletrônico de pneu Pequena alteração do meio atmosférico N D A A/F D S Requisitos legais e outros As leis e normas regulamentadoras têm como fim auxiliar, nortear o empreendimento de modo que este em suas atividades proporcione ao colaborador e a sociedade um bem estar, cabe ainda dizer na contribuição ao meio ambiente, tendo em vista que o mesmo é responsável por atividade de grande potencial poluidor, explicando a necessidade de estar amparado a normas e leis, para conduzir as operações da melhor forma possível gerando menos impacto. Um check list foi elaborado a fim de estar realizando o controle dos aspectos fora do atendimento aos quesitos legais, como pode ser observado em anexo: Objetivos, Metas e Melhoria Contínua Objetivos 35

37 Gerenciar de forma adequada os resíduos gerados das atividades e serviços do empreendimento segundo o modelo estabelecido pela Feam; Reduzir o desperdício de energia; Reduzir o consumo água; Diminuir a quantidade de poluentes residuários lançados nos corpos d ' água; Capacitar os trabalhadores na realização de suas respectivas atividades Metas Reduzir 60 % os resíduos destinados ao aterro controlado municipal até Janeiro de 2014; Reduzir 3 % de consumo de energia elétrica; Reduzir em 20 % o consumo de água potável até Janeiro de 2014; Reduzir 40 % da utilização de poluentes residuários até Janeiro de 2014; Conscientizar 100% dos colaboradores até Janeiro de Melhoria Contínua Conscientizar os colaboradores sobre a importância da redução na geração de resíduos e, orienta - los da acuidade na coleta seletiva para que a mesma seja efetiva, por meio de treinamentos específicos; Promover cursos de educação ambiental, cursos técnicos em segurança no trabalho; qualidade e produtividade oferecida por terceiros, com o propósito de melhorar a qualificação técnica dos funcionários e com isso por consequência diminuir os impactos causados pelas atividades e serviços realizados no empreendimento; Utilização de produtos biodegradáveis os quais reduzem o potencial poluidor; Fornecer questionários de qualidade que visem o melhor atendimento do colaborador junto ao cliente e folders com informações de boas práticas socioambientais; 6.4. Implementação e operação Recursos, funções responsabilidades e autoridades A alta direção deve nomear pessoas específicas para cada atividade fazendo com que as mesmas assumam responsabilidades, sendo assim fica mais fácil assegurar que os 36

38 requisitos do sistema de gestão ambiental sejam estabelecidos, cabe ainda dizer que deve assegurar a disponibilidade de recursos essenciais para estabelecer, implementar, manter e melhorar o sistema de gestão ambiental. Abaixo podem ser observados as tabelas 11, 12, 13 e 14 com funções, recursos e habilidades especializadas de cada área do empreendimento: Tabela 11 - Recursos e habilidades especializadas Setor Escritório. Tabela 12 - Recursos e habilidades especializadas Setor Lanchonete. Tabela 13 - Recursos e habilidades especializadas Setor Abastecimento. 37

39 Tabela 14 - Recursos e habilidades especializadas Setor Segurança. Na tabela abaixo, é apresentado o quadro de horário de cada colaborador de acordo com seu setor de trabalho. Tabela 15 - Horário das atividades dos colaboradores. 38

40 Competência, treinamento e conscientização De acordo com a ISO , a organização deve assegurar que qualquer pessoa que, para ela ou em seu nome, realize tarefas que tenham o potencial de causar impactos ambientais significativos identificados pela organização, seja competente com base em formação apropriada, treinamento ou experiência, devendo reter os registros associados. Vale ressaltar que o empreendimento deve identificar as necessidades de treinamento associadas com seus aspectos ambientais e seu sistema da gestão ambiental. Ela deve prover treinamento ou tomar alguma ação para atender a essas necessidades, devendo manter os registros associados. A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimentos para fazer com que as pessoas que trabalhem para ela ou em seu nome estejam conscientes da importância de se estar em conformidade com a política ambiental e com os requisitos do sistema da gestão ambiental, dos aspectos ambientais significativos e respectivos impactos reais ou potenciais associados com seu trabalho e dos benefícios ambientais proveniente da melhoria do desempenho pessoal, de suas funções e responsabilidades em atingir a conformidade com os 39

41 requisitos do sistema da gestão ambiental, e das potenciais consequências da inobservância de procedimentos especificados. Esse controle pode ser realizado através de questionário que irão evidenciar a qualidade dos treinamentos, e satisfação das pessoas envolvidas, abaixo pode ser observado um modelo nas tabelas 16 e 17, de como serão realizados esse controle. Tabela 16 - Solicitação de Treinamento. Tabela 17 - Auto Avaliação do treinamento após a conclusão da carga horária previamente exigida. 40

42 A Tabela 18 mostra a distribuição destes cursos ao longo dos meses, onde há um revezamento entre os colaboradores, para que o serviço não fique prejudicado com a ausência destes. Na tabela é classificado três tipos de cursos: SST= cursos de saúde e segurança no trabalho; EA= cursos de educação ambiental; Esp= cursos específicos de cada setor. Tabela 18 - Escala de cursos para cada colaborador Comunicação A comunicação deve ser feita em todos os níveis do empreendimento, a fim de estabelecer e garantir uma comunicação eficiente entre a alta direção e os colaboradores, a comunicação será feita através do relato das atividades, e questionários de satisfação dos clientes, ainda sim será mantido uma caixa de sugestões e reclamações, cabe ainda dizer que a comunicação será ainda mais efetiva através da implicação de sinalização, quadros de aviso que será disponível tanto para clientes quanto para colaboradores. Para que se possa manter o bom funcionamento das funções, sem apresentar riscos aos colaboradores, clientes e equipamentos é importante a instrução de trabalho especifica de cada função, descrita passo a passo em local visível próximo a função desempenhada. A seguir é mostrada uma planilha nas tabelas 19 e 20 com alguns equipamentos onde a instrução de trabalho pode ajudar no desempenho da função e na vida útil do equipamento e uma planilha contendo cada função de trabalho com sua instrução. 41

43 Tabela 19 - Planilha de Instrução de trabalho por equipamento. Equipamento Bomba de abastecimento Lava-jato Computador Fogão Luz Forma de uso (descrição) Tabela 20 - Planilha de Instrução de trabalho por serviço. Serviço Abastecimento Troca de óleo Lava-jato Calibração dos pneus Preparo e manuseio de alimentos Limpeza Instrução de trabalho (descrição) A comunicação externa será através da manutenção de todas as licenças ambientais e comerciais em dia com a exposição dos respectivos alvarás, certificados e licenças. Abaixo, na tabela 21, uma demonstração de um questionário para melhor satisfação do cliente, este, proporciona uma melhor visão dos terceiros em relação ao empreendimento, fazendo com que o mesmo se torne um diferencial em relação aos outros empreendedores, que consequentemente como resposta positiva tem um ganho no mercado. Tabela 21 - Questionário de Qualidade ao Atendimento Questionário de Qualidade ao Atendimento ATENDIMENTO [ ] Excelente [ ] Bom [ ] Regular [ ] Ruim Sugestões e Reclamações: 42

44 CLAREZA DAS INFORMAÇÕES [ ] Excelente [ ] Bom [ ] Regular [ ] Ruim Sugestões e Reclamações: AGILIDADE NO ATENDIMENTO [ ] Excelente [ ] Bom [ ] Regular [ ] Ruim Sugestões e Reclamações: CONHECIMENTO TÉCNICO DA EQUIPE [ ] Excelente [ ] Bom [ ] Regular [ ] Ruim Sugestões e Reclamações: CORDIALIDADE DOS ATENDENTES [ ] Excelente [ ] Bom [ ] Regular [ ] Ruim Sugestões e Reclamações: ORGANIZAÇÃO DO LOCAL [ ] Excelente [ ] Bom [ ] Regular [ ] Ruim Sugestões e Reclamações: LIMPEZA DO LOCAL [ ] Excelente [ ] Bom [ ] Regular [ ] Ruim Sugestões e Reclamações: QUALIDADE DOS SERVIÇOS OFERECIDOS [ ] Excelente [ ] Bom [ ] Regular [ ] Ruim Sugestões e Reclamações: VARIEDADES DOS PRODUTOS E SERVIÇOS [ ] Excelente [ ] Bom [ ] Regular [ ] Ruim Sugestões e Reclamações: Documentação e Controle de Documentos Todas as atividades e procedimentos devem ser documentadas, para facilitar em caso de auditorias ou acesso por algum órgão competente quando exigida, estas devem estar armazenadas de forma digital devidamente identificados e com cópia de segurança, cabe ainda dizer que estas para um melhor controle e acessibilidade devem estar em forma de arquivo morto devidamente separado por pastas com identificação 43

45 Vale lembrar que alguns responsáveis devem ser designados para o controle e organização destes documentos, para que não haja o extravio, no caso do Auto Posto Inconfidentes estes ficarão na responsabilidade do proprietário, da secretária e do colaborador externo, que este é responsável pela documentação e regularização do empreendimento junto aos órgãos ambientais competentes Controle Operacional O controle operacional no Auto Posto Inconfidentes é de extrema importância, pois este irá contribuir na forma de melhoria contínua das atividades, pois fica possível verificar os indicadores ambientais e os requisitos legais se estão sendo cumpridos. O check list de qualidade como acima já mencionado será utilizada também como uma forma de controle da qualidade dos serviços oferecidos. Com os processos devidamente controlados como consequência se tem um melhor desempenho ambiental. O controle ambiental deve estar em concordância com a Política Ambiental, objetivos e metas, este será realizado através de check list, treinamentos, e outros. Abaixo, nas tabelas 22, 23 e 24, segue algumas formas de controle operacional para atender todos os quesitos acima descritos. Tabela 22 - Questionário para necessidade de Realização da Investigação Passivo Ambiental - COPAM 108 Tipo de Dado Ambiental Problemas Reportados Característica Ambiental 1. Histórico ou Indícios de vazamentos ou derrames 2. Perdas anormais de produto (Controle de Estoques) 3. Explosividade em caixas de concessionárias (raio de 100m) Resposta Sim 3 Não sabe 3 Não 0 Sim 1 Não sabe 1 Não 0 10% LEL 2 Não sabe 2 <10% LEL 0 4. Reparos em Sim 1 Peso Marcar "x" 44

46 Atividade Facilidades Existentes Condições Hidrogeológicas SASC Não sabe 1 5. Tanque desativado 6. Tempo desde a primeira instalação do SASC 7. Tipo de tubulação subterrânea 8. Pavimentações em concreto nas áreas de abastecimento 9. Vala de troca de óleo 10. Sistema de drenagem oleosa com SAO (pista de abastecimento, troca de óleo e lavagem) 11. Profundidade das águas subterrâneas 12. Permeabilidade do solo 13. Medição da malha de COV Não 0 Sim 1 Não 0 >20 anos 2 10 a 20 anos 1 <10 anos 0 Metálica 1 Não sabe 1 PEAD 0 Não 2 Com defeito que compromete a impermeabilidade 1 Sim 0 Permeável 2 Impermeável 1 Não tem 0 Não 1 Sim 0 < 5 metros 1 > 5 metros cm/s 2 entre 10-3 e 10-5 cm/s cm/s 0 Somatória dos 3 maiores valores > 1500 ppm Somatória dos três maiores 1000 ppm valores Somatória dos três maiores valores < 1000 ppm

47 Risco Relacionado ao Entorno 14. Classificação do posto segundo a tabela 1-A da ABNT-NBR Classe 3 2 Classe 2 ou 1 1 Classe 0 0 Total de Pontos 0 DECISÃO Orientações para Preenchimento SASC "Marcar x" "Total de Pontos" Decisão "Característica Ambiental" 1. Histórico ou Indícios de vazamentos ou derrames 2. Perdas anormais de produto (Controle de Estoques) 3. Explosividade em caixas de concessionárias (raio de 100m) 4. Reparos em SASC 5. Tanque desativado Deverá ser marcado um e somente um dos "Pesos" indicados para cada campo "Característica Ambiental". Soma dos pontos marcados em cada campo "Característica Ambiental". Será necessário realizar a Investigação Ambiental Complementar - Fase 2 caso o "Total de Pontos" seja maior ou igual a 12. Caso contrário, se o "total de Pontos" for menor que 12, a Investigação de Passivo Ambiental estará concluída com a apresentação da Investigação Ambiental Preliminar. Orientações Indica se já ocorreu vazamentos ou derrames de produto ou mesmo se existem indícios de que isso aconteceu, por exemplo: manchas de produto no solo, reclamação de vizinhos, etc. Perdas maiores que 0,6% da movimentação de combustíveis acumuladas em períodos de, pelo menos, 30 dias. Indicativo de condição de risco devido a existência de vapores em caixas subterrâneas de concessionárias de telefone, energia elétrica, etc. Indica se já foram realizados reparos no SASC, tais como em tubulações furadas, conexões, etc. Tanque subterrâneo inutilizado com areia, água ou mesmo vazio que não tenha mais condição de uso. 46

48 6. Tempo desde a primeira instalação do SASC 7. Tipo de tubulação subterrânea 8. Pavimentações em concreto nas áreas de abastecimento 9. Vala da troca de óleo 10. Sistema de drenagem oleosa com SAO (pista de abastecimento, troca de óleo e lavagem) 11. Profundidade das águas subterrâneas Tempo decorrido desde a primeira instalação de equipamentos subterrâneos de combustíveis, podendo ser verificado pelo primeiro alvará, documentos dos primeiros tanques ou através de pessoas que conheçam seu funcionamento desde a fundação. Material de fabricação da tubulação da instalação. Onde PEAD (Polietileno de Alta Densidade) representa as tubulações de material plástico. Quando a instalação contiver tubos metálicos e tubos de PEAD marcar apenas "Metálica". A comprovação do tipo de material das linhas para instalações subterrâneas deverá ser feita através de inspeção visual no interior da bomba. As tubulações metálicas são interligadas à sucção da bomba de abastecimento e/ou filtro através de conexões em aço galvanizado, geralmente uniões. As tubulações não metálicas são interligadas à sucção da bomba de abastecimento e/ou filtro através de flexíveis, que unem a extremidade da linha subterrânea à bomba. Indica se a pista de abastecimento foi construída com concreto. Outros materiais possíveis são: asfalto, solo compactado, blocos de concreto, etc. Nesses casos deve-se marcar "Não". Os defeitos que comprometem a impermeabilidade são trincas, afundamentos, rachaduras, dentre outros. Indica se existe no empreendimeto alguma depressão no solo destinada a troca de óleo, onde o operador se posiciona de pé sob o veículo. Marcar "Impermeável" Somente se a vala for revestida de material que impeça a infiltração de líquidos no solo. Indica se as três áreas apontadas possuem piso de concreto e tem seus efluentes líquidos coletados através de canaletes e direcionados a um sistema de separação de água e óleo (SAO). Se pelo menos uma das áreas não satisfazer a estas condições, a resposta deverá ser NÃO Indica se a profundidade do lençol subterrâneo é superior a 5 m. Esse dado pode ser obtido através de sondagem, medição direta de poço tubular existente ou estudo geológico/hidrogeológico existente. 12. Permeabilidade do solo Dado obtido através de bibliografia de acordo com a composição predominante do solo, avaliado em campo 47

49 durante a sondagem. 13. Medição da malha de COV 14. Classificação do posto segundo a tabela 1-A da ABNT-NBR Resultado da soma dos três maiores valores encontrados nos pontos da malha de COV (Compostos Organicos Voláteis). Esses valores deverão ser obtidos em três diferentes pontos da malha, independente da profundidade em que foram encontrados. Dessa forma, para efeitos desse critério, não poderão ser somados mais de um valor do mesmo ponto. Classificação do posto de acordo com a norma citada. Essa classificação varia de acordo com os vizinhos encontrados em um raio de 100m à partir do perímetro da instalação. Tabela 23 - Planilha de Controle de Resíduos. Denominação Resíduos Origem Taxa de geração no período Transportador Empresa receptora Forma de disposição Final(*) Lodo e areia da caixa SÃO Lavagem de carro e pista de abastecimento A cada 60 dias Pró Ambiental Pró Ambiental Embalagens e EPI's contaminados Troca de Óleo A cada 60 dias Pró Ambiental Pró Ambiental Óleo usado Troca de Óleo 30 a 60 dias Estopa Lavagem de carros,troca de óleo e abastecimento A cada 60 dias Pró Ambiental Pró Ambiental Filtro de óleo e Filtra de ar Troca de Óleo e Troca de ar A cada 60 dias Pró Ambiental Pró Ambiental Papel Área administrativa, Lanchonete 2 em 2 dias Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Papelão Depósito, Lanchonete 2 em 2 dias Catadores Catadores Plástico Depósito, Lanchonete,Área Adm. 2 em 2 dias Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal 48

50 Rejeito Sanitários 2 em 2 dias Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Resíduo Orgânico Lanchonete Diariamente Tratadores de animais Tratadores de animais Lâmpadas 2 em 2 dias Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal (*) 1 - Reutilização 2 - Reciclagem 3 - Aterro sanitário 4 - Aterro industrial 5 Incineração 6 - Co-processamento 7 - Aplicação no solo 8 - Estocagem temporária (informar quantidade estocada) 9 Refino de óleo 10 - Outras (especificar ) Referência Empresa: Pró Ambiental Soluções em Resíduos Endereço: Rodovia Fernão Dias - BR 381, Km Lavras-MG - Telefone: (35) Prefeitura Municipal de Inconfidentes Endereço: R. Eng. Álvares Maciel, 190 Inconfidentes - MG - Telefone: (35) Tabela 24 - Cronograma de Atividades Preparação e Respostas às Emergências 49

51 Dentre todas as etapas que se faz necessário seguir na norma, esta está relacionada intrinsecamente com os riscos que as atividades podem trazer, é preciso que a alta direção proporcione aos colaboradores treinamentos de primeiros socorrros, cursos específicos para cada atividade a fim de estabelecer um controle para ações preventivas e corretivas de aspectos ambientais, cabe ainda dizer que é preciso o uso de questionários como acima já mencionados, para um controle efetivo de como estão sendo as percepções dos colaboradores junto ao aprendizado fornecido Administração deve implementar treinamentos de primeiros socorros e simulações de emergência Verificação Monitoramento e medições Os monitoramentos e medições serão realizados de acordo com as medidas de controle como já foram mencionadas de forma que efetivem os objetos e metas a serem alcançados, serão realizados os monitoramentos do consumo de água, geração de resíduos, monitoramento das condições insalubres e outros Avaliação do atendimento aos requisitos legais e outros Com o controle operacional e todos as pessoas envolvidas comprometidas, o atendimento aos requisitos legais se torna fácil. Cabe ainda dizer que o presente estudo fez a caracterização do empreendimento, evidenciando a relação de suas atividades como meio, e ainda assim levantou medidas para serem tomadas para que o mesmo se cumpra a legislação vigente Não conformidade, ação corretiva e ação preventiva. Toda organização deve fazer o levantamento das atividades de todos os setores do empreendimento, para saber se estas estão em conformidade com a legislação, sendo assim, a partir desse levantamento podemos definir ações a serem tomadas para melhorar o controle das atividades e adequação ambiental. Como pode ser observado nas tabelas de 25 a 32 abaixo: Tabela 25 - Não Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva. Setor Depósito. 50

52 Tabela 26 - Não Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva. Setor Distribuição. Não Conformidade NR Ação Corretiva Ação Preventiva Pequena quantidade de vazamento de combustível no abastecimento do veículo 15 Realização da limpeza imediata das áreas afetadas Risco ergonômico 17 Revezamento dos frentistas nas atividades para que o mesmo não fique muito tempo em pé Utilização de EPI, e sempre orientar os Frentistas na forma correta de abastecer Fornecimento de cadeiras para uma melhor para intervalos de repouso Ausência do uso de EPI s 06 Exigir para cada funcionário que utilize o seu EPI (bota de segurança, óculos, máscara, avental impermeável, etc.), fornecidos pelo empreendimento Falta de sinalização 26 Sinalizar de acordo com o mapa de risco Treinamento da importância em se utilizar EPI Tabela 27 - Não Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva. Setor Administrativo. Não Conformidade NR Ação Corretiva Ação Preventiva Risco ergonômico 17 Utilização de equipamentos que melhores a postura Ginástica laboral para os colaboradores, realizar intervalos de 51

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

zeppini@zeppini.com.br www.zeppini.com.br Estrada Sadae Takagi, 665 CEP 09852-070 Fone (11) 4393-3600 Fax (11) 4393-3609 Zeppini Comercial Ltda

zeppini@zeppini.com.br www.zeppini.com.br Estrada Sadae Takagi, 665 CEP 09852-070 Fone (11) 4393-3600 Fax (11) 4393-3609 Zeppini Comercial Ltda + Sideraço Industrial do Brasil Ltda Rua Francisco Reis, 785-3º Distrito Industrial CEP 88311-710 Itajaí - SC Fone (47) 3341-6700 Fax (47) 3341-6717 vendas@sideraco.com.br www.sideraco.ind.br Zeppini Comercial

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE

AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE Conforme a Lei Estadual nº 1., de de embro de 200, FORMULÁRIO PARA EMPREENDIMENTOS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO NOME: IDENTIDADE: ENDEREÇO: ÓRGÃO EXPEDIDOR:

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UM POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS (PRC) NA CIDADE DE NATAL/RN

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UM POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS (PRC) NA CIDADE DE NATAL/RN DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UM POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS (PRC) NA CIDADE DE NATAL/RN Cleciana Raylle Lopes Ferreira¹ ; Dayanne Costa da Silva²; Estefhany Marreiros de Lima³; Robson Garcia da Silva

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

III - ANEXO I e ANEXO II (Conforme Resolução CONAMA n. 273/2000)

III - ANEXO I e ANEXO II (Conforme Resolução CONAMA n. 273/2000) III - ANEXO I e ANEXO II (Conforme Resolução CONAMA n. 273/2000) 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO Nome: Endereço: CEP: CPF: RG: e-mail: 2. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Nome Fantasia:

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS

CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS REQUERENTE SEÇÃO 1: DADOS DE IDENTIFICAÇÃO RAZÃO SOCIAL PRINCIPAL ATIVIDADE LOCAL DA ATIVIDADE BAIRRO CEP NOME DO REPRESENTANTE CARGO TEL. E RAMAL SEÇÃO 2: DADOS ADMINISTRATIVOS

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 O Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA, no uso das competências que lhe foram conferidas pela Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Normas da ABNT precisam ser seguidas

Normas da ABNT precisam ser seguidas Normas da ABNT precisam ser seguidas Além das leis ambientais e toda a burocracia que o negócio da revenda exige, o revendedor precisa realizar os procedimentos de acordo com as normas da Associação Brasileira

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

CADASTRO 3 - Comércio varejista de combustível

CADASTRO 3 - Comércio varejista de combustível CADASTRO 3 - Comércio varejista de combustível 1. Identificação Empresa/Interessado: Nome fantasia: para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Fone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do

Leia mais

CADASTRO 6- Garagens de ônibus, transportadoras e similares

CADASTRO 6- Garagens de ônibus, transportadoras e similares CADASTRO 6- Garagens de ônibus, transportadoras e similares 1. Identificação Empresa/Interessado: para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Fone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento:

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

POSTOS E SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTÍVEIS ROTEIRO PARA POSTOS NOVOS REFORMA E AMPLIAÇÕES PROCEDIMENTOS PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE POSTOS E SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTÍVEIS CAD ADASTRO ASTRO

Leia mais

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014.

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. Estabelece os critérios e as diretrizes que deverão ser considerados para execução das auditorias ambientais, no Estado do Rio Grande do Sul. O DIRETOR PRESIDENTE da FUNDAÇÃO

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES

CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES Material disponibilizado pelo Fecombustíveis para a verificação do atendimento das principais demandas relativas à regulamentação da atividade e fiscalização. 1) Informações

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

Módulo 6. NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios

Módulo 6. NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios Módulo 6 NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios 2 - Referências normativas Relação da ISO 14001:2000 com ISO 14004:2000 Não há referências normativas indicadas

Leia mais

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS LICENÇA PRÉVIA - Documentação necessária 1. Requerimento Padrão definido pelo IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Cadastro do empreendimento, definido

Leia mais

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO -

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - INTRODUÇÃO Conforme a Resolução CONAMA 273 de 2000, postos de revenda e de consumo de combustíveis devem ser dotados de sistema de drenagem

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso Página 1 NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) INTRODUÇÃO 1 ESCOPO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 4.0. Generalidades

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003.

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. http://www.ibamapr.hpg.ig.com.br/14001iso.htm ii Índice INTRODUÇÃO...3

Leia mais

CÓPIA PARA TREINAMENTO

CÓPIA PARA TREINAMENTO CÓPIA PARA TREINAMENTO NBR ISO 14001:2004 Sumário Página Prefácio IV - 2 Introdução V- 2 1 Objetivo e campo de aplicação 5 2 Referências normativas 5 3 Termos e definições 5 4 Requisitos do Sistema de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a.

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a. DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a. Contextualização A preocupação por parte das organizações com seus impactos ambientais tornou-se uma componente constante

Leia mais

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Alexsandro da Silva Cardoso (UERJ) asc@csn.com.br Doninzeti Ferreira de Oliveira (UERJ) doninzeti@csn.com.br Edson

Leia mais

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO Sumário NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO 1 Objetivos e campo de aplicação 2 Referências normativas 3 Definições 4 Requisitos do sistema de gestão ambiental

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 O Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA, no uso das competências que lhe foram conferidas pela Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

Relatório de Avaliação de Fornecedores

Relatório de Avaliação de Fornecedores Relatório de Avaliação de Fornecedores 1. Dados da organização Razão Social: Techfive Comércio e Gestão de Equipamentos de Telec LTDA CNPJ nº 09203925/0001 04 Endereço Rua Wilton Reis Costa, 165 - Condomínio

Leia mais

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS Introdução Este documento é um guia orientativo aos associados da Abmaco que desejem efetuar a disposição adequada de tambores e embalagens de resina poliéster

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

ROTEIRO ORIENTATIVO. anteriores, com as medidas de controle ambiental e condicionantes determinadas para a operação.

ROTEIRO ORIENTATIVO. anteriores, com as medidas de controle ambiental e condicionantes determinadas para a operação. ROTEIRO ORIENTATIVO POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS, POSTO DE ABASTECIMENTO E INSTALAÇÕES DE SISTEMA RETALHISTA LICENÇA PRÉVIA LP 1, LICENÇA DE INSTALAÇÃO LI 2 e LICENÇA DE OPERAÇÃO LO 3 Documentos GERAIS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

ANÁLISE DOS RISCOS AMBIENTAIS EM POSTO DE REVENDA DE COMBUSTÍVEIS

ANÁLISE DOS RISCOS AMBIENTAIS EM POSTO DE REVENDA DE COMBUSTÍVEIS Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 124 ANÁLISE DOS RISCOS AMBIENTAIS EM POSTO DE REVENDA DE COMBUSTÍVEIS Fernando Henrique Camargo Jardim¹ 1 Engenheiro

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Módulo 3. NBR ISO 14001:2004 Interpretação dos requisitos

Módulo 3. NBR ISO 14001:2004 Interpretação dos requisitos Módulo 3 NBR ISO 14001:2004 Interpretação dos requisitos 2. Referências Normativas Não há referências normativas indicadas na norma, mas é importante entender que: As norma ISO 14001 e ISO 14004 são um

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 09.00 GRUPO/ATIVIDADES 09.07 Postos de Revenda de Combustíveis e Derivados de Petróleo com ou sem lavagem e ou lubrificação de veículos PPD M AGRUPAMENTO NORMATIVO

Leia mais

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ON LINE PARA RENOVAÇÃO DE LICENÇAS DE OPERAÇÃO PARA COMÉRCIO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

SISTEMA DE LICENCIAMENTO DE POSTOS II - Quadros de Exigências para o Licenciamento Ambiental de Postos e Sistemas Retalhistas de Combustíveis

SISTEMA DE LICENCIAMENTO DE POSTOS II - Quadros de Exigências para o Licenciamento Ambiental de Postos e Sistemas Retalhistas de Combustíveis A = Aplicável NA = Não Aplicável Quadro 1 Documentação Necessária para obtenção de LP e LI SASC SAAC* GNV Item Descritivo Reforma Condição Novo Reforma Condição Novo*** C.Mínimas C.Mínimas Completa Intermed.

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO SOBRE LOGÍSTICA REVERSA DE ÓLEOS LUBRIFICANTES Lei Federal 12.305/2010 PNRS e Resolução Conama 362/2005 DIRETRIZES PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DAS ATIVIDADES LIGADAS AOS OLUCs 13 de

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS De que trata cada Norma Regulamentadora (NR), urbanas e rurais. Nos links (sublinhados), você pode conferir o texto original das Normas, direto no site do Ministério do Trabalho

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN PUBLICAÇÃO CDTN 931 Sistema de Gestão Ambiental SGA de acordo com as Normas NBR ISO 14001 e 14004, da

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 273, de 29 de novembro de 2000 Publicada no DOU n o 5, de 8 de janeiro de 2001, Seção 1, páginas 20-23

RESOLUÇÃO CONAMA nº 273, de 29 de novembro de 2000 Publicada no DOU n o 5, de 8 de janeiro de 2001, Seção 1, páginas 20-23 LICENCIAMENTO AMBIENTAL Por atividade RESOLUÇÃO CONAMA nº 273 de 2000 RESOLUÇÃO CONAMA nº 273, de 29 de novembro de 2000 Publicada no DOU n o 5, de 8 de janeiro de 2001, Seção 1, páginas 20-23 Correlações:

Leia mais

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL TÍTULO : SAÚDE E SEGURANÇA 1. OBJETIVO: Informar, conscientizar e instruir os colaboradores, sobre possíveis riscos inerentes as funções desempenhadas em seu dia a dia do trabalho.

Leia mais

ABNT/ONS 34 Organismo de Normalização Setorial de Petróleo

ABNT/ONS 34 Organismo de Normalização Setorial de Petróleo ATA DE REUNIÃO PLENÁRIA CE-34:000.04 - COMISSÃO DE ESTUDO DE DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEIS - CEDAC ATA da (111) 3ª REUNIÃO de 2012 DATA: 12/07/2012 INÍCIO: 13h30min TÉRMINO: 16h00 LOCAL:

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 189,de 17 de novembro de 2004. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 1 1. O Programa de Gestão Ambiental O Programa de Gestão Ambiental da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000

RESOLUÇÃO Nº 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 RESOLUÇÃO Nº 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 O Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA, no uso das competências que lhe foram conferidas pela Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

NBR ISSO 14004 Sistemas de gestão ambiental Diretrizes gerais sobre princípios, sistemas e técnicas de apoio

NBR ISSO 14004 Sistemas de gestão ambiental Diretrizes gerais sobre princípios, sistemas e técnicas de apoio Sumário NBR ISSO 14004 Sistemas de gestão ambiental Diretrizes gerais sobre princípios, sistemas e técnicas de apoio 1 Objetivo e campo de aplicação 2 Referências normativas 3 Definições 4 Princípios e

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Orientação para os Estudos de Caso Para a realização de uma auditoria é necessário que o auditor tenha conhecimentos teóricos e práticos e para que você obtivesse este conhecimento

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

A GESTÃO AMBIENTAL EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS 1

A GESTÃO AMBIENTAL EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS 1 A GESTÃO AMBIENTAL EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS 1 LORENZETT, Daniel Benitti 2 ; ROSSATO, Marivane Vestena 2 ; NEUHAUS, Mauricio 3 1 Trabalho de Pesquisa _UFSM 2 Curso de Ciências Contábeis (UFSM), Santa Maria,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 185,de 04 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 Correlação: Revoga a Resolução CONAMA nº 334/2003 Dispõe sobre os requisitos

Leia mais

ABNT NBR ISO 14001 NORMA BRASILEIRA. Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso

ABNT NBR ISO 14001 NORMA BRASILEIRA. Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 14001 Segunda edição 31.12.2004 Válida a partir de 31.01.2005 Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso Environmental management systems - Requirements

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

POSTOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS. A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas desta instrução normativa.

POSTOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS. A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas desta instrução normativa. IN-05 POSTOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS INSTRUÇÕES GERAIS A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas desta instrução normativa. Sempre que julgar necessário a FMMA

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais