Aspectos e Impactos Ambientais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aspectos e Impactos Ambientais"

Transcrição

1 PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser controlados, a fim de determinar os que tenham ou possam vir a ter impacto significativo sobre o meio ambiente. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Este procedimento abrange todos os processos, atividades e tarefas da empresa. 3 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Legislação Ambiental - conjunto de dispositivos legais e outros requisitos específicos aplicáveis às questões ambientais das atividades, produtos ou serviços. Meio Ambiente circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo ar, água, solo, recursos naturais, flora, fauna, seres vivos e suas inter relações. ASPECTO - elemento das atividades, produtos ou serviços de uma organização, que pode interagir com o Ambiente Interno ou Externo (referência ISO 14001). IMPACTO - qualquer modificação no Meio Ambiente e / ou nas condições de Segurança e Saúde Ocupacional, adversa ou benéfica, que resulte no todo ou em parte das atividades, produtos ou serviços do cliente (referência ISO 14001). Onde se lê: Aspecto(s), entenda-se: Aspecto(s) e Perigo(s). Onde se lê: Aspecto(s) e Impacto(s), entenda-se: Aspecto(s), Impacto(s); 4 PROCEDIMENTO 4.1 DEMANDA DA IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO DE IMPACTOS A identificação se faz necessário: Na implantação do plano de controle ambiental; Sempre que houver alterações de processos, produtos ou serviços e aquisição de novos equipamentos; Sempre que houver alteração em lay-out, tecnologia ou/e legislação; Sempre que houver alteração importante em qualquer elemento do filtro de significância. Etapas da aplicação do levantamento de aspectos e análise dos impactos ambientais: - Elaborar um fluxo da área/ setor com identificação das entradas e saídas; - Identificação dos aspectos ambientais associados às atividades;

2 PÁGINA: 2/18 - Identificação e caracterização dos impactos ambientais associados aos aspectos identificados; - Avaliação dos impactos ambientais significativos; - Estabelecimento do Gerenciamento dos impactos ambientais significativos; 4.2 IDENTIFICAÇÃO DOS PROCESSOS A equipe de implantação deve selecionar os processos e atividades desenvolvidas nas áreas. Estabelecer conforme seqüência do processo, todas as atividades, operações, produtos e serviços realizados na área que geram ou possam gerar aspectos ambientais preenchendo o campo na planilha LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. Para cada atividade do processo, produto ou serviço em análise, devem ser identificados os aspectos ambientais relacionados, preenchendo na planilha. Aspectos Ambientais Relacionados que podem ser considerados: - - energéticos; - Utilização de materiais perigosos; - Geração de efluentes líquidos; - - líquidos; - Geração de calor; - Geração de ruídos; - Emissão atmosférica; - Transbordamento; - Vazamento de líquidos; - Vazamento de gases; - Incêndio; - Explosão. 4.3 CRITÉRIOS REFERENTES AOS ASPECTOS: - Situação Operacional - Incidência - Freqüência / probabilidade

3 PÁGINA: 3/ Situação Operacional: São abordadas as seguintes situações, em que os aspectos ocorrem ou possam ocorrer:

4 PÁGINA: 4/18 SITUAÇÃO Normal (N) Anormal (A) Risco (R) DESCRIÇÃO Indica se o aspecto é gerado quando a tarefa está sendo realizada conforme planejado. Ex. contaminação da água na lavagem de telas. Indica se o aspecto é gerado quando uma tarefa esta sendo realizada em situação não planejada (manutenção,reformas). Ex. vazamento de água contaminada da lavagem da tela Indica se o aspecto é gerado quando a tarefa está sendo realizada em situação de emergência (acidentes, falha operacional, manifestação da natureza, etc). Ex. água contaminada sendo descartada no solo Incidência: Indica o qual diretamente um aspecto está associado às atividades, produtos e/ou serviços do cliente e sob seu controle, classificando-se em: INCIDÊNCIA Direta (D) Indireta (I) DESCRIÇÃO Quando a mesma for decorrente de atividade da empresa ou de firma contratada sob gerência da própria empresa. Quando a mesma for decorrente de atividade de terceiros ou empresas que a empresa possui influência.

5 PÁGINA: 5/ Freqüência / Probabilidade (Aspecto): No quadro abaixo são apresentados os critérios para pontuação da FREQÜÊNCIA / PROBABILIDADE de ocorrência dos aspectos. FREQÜÊNCIA /PROBABILIDADE pts CRITÉRIO Baixa - Que podem ocorrer em menos de 10% das vezes 1 Aspectos decorrentes de atividades/tarefas de baixa freqüência/probabilidade, ou que apesar das atividades/tarefas terem uma alta freqüência/probabilidade de ocorrência, os aspectos ocorrem ou podem ocorrer em menos de 10% das vezes. Média - Que podem ocorrer m em até 50% das vezes 3 Aspectos decorrentes de atividades/tarefas com média ou alta freqüência/probabilidade de ocorrência, porém, correm ou podem ocorrer em até 50% das vezes em que estão presentes os aspectos. Alta - Que podem ocorrer em mais de 50% das vezes 5 Aspectos decorrentes de atividades/tarefas com alta freqüência/probabilidade de ocorrência, porém, ocorrem ou podem ocorrer em mais de 50% das vezes em que estão presentes os aspectos..

6 PÁGINA: 6/18 FREQÜÊNCIA / PROBABILIDADE Ptos CRITÉRIO 4.4 CRITÉRIOS REFERENTES AOS IMPACTOS: - Classe - Temporalidade - Abrangência - Freqüência - Severidade - Partes Interessadas - Importância - Significância Classe: Indica se o resultado do impacto referente é Benéfico (B) ou Adverso (A). CLASSE DEFINIÇÃO Benéfico (B) Não causa danos ao Meio Ambiente. Adverso (A) Causa danos ao Meio Ambiente Temporalidade:Indica o período de ocorrência da atividade/aspecto, da qual decorre ou possa decorrer o impacto. TEMPORALIDADE Passado (P) Atual (A) Futuro (F) DESCRIÇÃO Impacto identificado no presente, porém decorrente de atividade desenvolvida no passado. Ex. Fossa séptica desativada Impacto decorrente de atividade atual. Ex. Possibilidade de contaminação da água. Impacto previsto decorrente de alterações nas atividades a serem implementadas no futuro. Ex. Possibilidade de contaminação do solo com a instalação de uma nova unidade.

7 PÁGINA: 7/ Abrangência: A Abrangência indica a delimitação do espaço (área / processo) atingido ou que possa ser atingido pelo impacto ou sujeito ao mesmo.

8 PÁGINA: 8/18 ABRANGÊNCIA PONTUAÇÃO Restrito a área / local de trabalho e/ou contido no processo; 1 Restrito a área da empresa 3 Extrapola a área da empresa (externo a empresa) Freqüência / Probabilidade (Impacto): No quadro abaixo são apresentados os critérios para pontuação da FREQÜÊNCIA / PROBABILIDADE de ocorrência do impacto. É considerada na avaliação a freqüência/probabilidade de ocorrência dos aspectos. Esta avaliação serve de base para determinação da Importância. FREQÜÊNCIA / PROBABILIDADE Baixa CRITÉRIO PONTOS Impactos decorrentes de aspectos de baixa freqüência/probabilidade, ou que apesar dos aspectos terem uma alta freqüência/probabilidade de ocorrência, os impactos 1 ocorrem ou podem ocorrer em menos de 10% das vezes. Média Alta Impactos decorrentes de aspectos com média ou alta freqüência/probabilidade de ocorrência, porém, ocorrem ou podem ocorrer em até 50% das vezes em que estão presentes 3 os aspectos. Impactos decorrentes de aspectos com alta freqüência/probabilidade de ocorrência, porém, ocorrem ou podem ocorrer em mais de 50% das vezes em que estão 5 presentes os aspectos Severidade: A Severidade indica a gravidade do Impacto causado conforme definido no quadro abaixo. GRAVIDADE DESCRIÇÃO PONTOS Leve Impacto no meio ambiente não chega a comprometer espécie de vida ou recursos naturais, podendo ser recuperado através de pequenas ações. 1

9 PÁGINA: 9/18 Moderado Impacto no meio ambiente pode comprometer alguma espécie de vida ou recursos naturais, e a recuperação poderá depender de maiores recursos. 3

10 PÁGINA: 10/18 GRAVIDADE DESCRIÇÃO PONTOS Severo Impacto no meio ambiente compromete espécie de vida ou recursos naturais, e a recuperação pode ser impossível ou depender de recursos especiais PARTES INTERESSADAS: Indica a existência de alguma demanda (reclamação) registrada ou conhecida de partes interessadas, tais como, ONG s, órgãos públicos, acionistas, empregados, clientes, comunidade, relativa a algum aspecto/impacto. A existência ou não de Partes Interessadas é descrita como: S (Sim) ou N (Não), respectivamente. 4.6 IMPORTÂNCIA: É o fator principal para determinação da Significância dos aspectos e a priorização do estabelecimento ou melhoria de medidas de controle. A Importância é determinada pelo somatório da Freqüência/Probabilidade de ocorrência do Impacto e da Severidade (Importância = Freqüência/Probabilidade Severidade). 4.7 SIGNIFICÂNCIA: A Significância define a necessidade de estabelecimento ou melhoria de medidas de controle disponíveis. Determinação da Significância Um impacto é considerado significativo quando fora aplicável ao mesmo tempo, pelo menos um dos seguintes requisitos, denominados filtros de significância: - Requisitos legais: quando incidir sobre o aspecto ou impacto algum regulamento de lei federal, estadual ou municipal, ou ainda estiver relacionado com alguma condicionante de licenças expedidas por órgãos ambientais. - Partes interessadas: quando houver associado aos aspectos ou impactos, demanda registrada ou conhecida de partes interessadas. - Importância: quando a importância do impacto for igual ou superior a 5, em qualquer situação. 4.8 LEGISLAÇÃO:

11 PÁGINA: 11/18 Indica a existência ou não de requisito legal ou outro requisito regulando o assunto pertinente aos aspectos/impactos (perigos/riscos) levantados e avaliados.

12 PÁGINA: 12/ GERENCIAMENTO DOS ASPECTOS SIGNIFICATIVOS: Indicação das medidas, ações, controles disponíveis ou existentes para mitigação e/ou eliminação dos aspectos e perigos levantados e analisados. Exemplo: Procedimentos internos, instruções de trabalho, equipamentos, etc Aspectos/Impactos e Perigos - Não Significativos N Para os aspectos considerados Não Significativos, durante a avaliação, não há a necessidade de se estabelecer medidas de controle Aspectos/Impactos e Perigos - Significativos S Situação Normal (N) e Anormal (A). Para os aspectos considerados Significativos cuja Importância seja menor que 10 (I < 10), devem ser estabelecidas, quando possível, medidas de controle, de forma a prevenir, mitigar e/ou eliminar a possibilidade de ocorrência dos aspectos/impactos. Para os aspectos considerados Significativos cuja Importância seja igual a 10 (I = 10), deverão ser estabelecidos, quando possível, ações concretas que representem uma redução do impacto real ou potencial Situação de Risco R Para os aspectos considerados Significativos cuja Importância seja menor que 10 (I < 10) e a Severidade menor que 5 (S < 5), devem ser estabelecidas, quando possível, medidas de controle, de forma a prevenir, mitigar e/ou eliminar o impacto real ou potencial, em procedimentos da própria área. Quando a avaliação resultar em Importância igual a 10, deve ser analisada a possibilidade de paralisação das atividades, para tomada imediata das ações necessárias para mitigar e/ou eliminar o impacto. Após a implementação das ações necessárias, deve ser promovida novamente a avaliação dos aspectos/ impactos e Perigos/Riscos CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES Havendo necessidade de implementação de medidas/ações para prevenir, mitigar e/ou eliminar o aspecto e Perigos, devem ser priorizadas as situações em que o grau de importância seja maior e ainda: 1 A existência de Requisitos Legais

13 PÁGINA: 13/18 2 A Abrangência do Impacto 3 A existência de Partes Interessadas Levantamento de LAIA - AGM INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE EMBALAGENS LTDA - 06/05/2015 Área Atividade Aspecto Impacto Modo de Ocorrência Controle Operacional Administrativo Processos administrativos em geral Geração de Resíduo tipo toner decorrente de impressão. PGRS. Administrativo Processos administrativos em geral sólidos em decorrência da atividade. Instrução de trabalho PGRS Administrativo Processos administrativos em geral Incêndio; Incêndio. Plano de Emergência Vazamento de líquidos; Almoxarifado Armazenamento de líquidos. Derrames; Em processos de armazenamento ou descarregamento é possível haver Vazamento de líquidos ou de materiais. Plano de Emergência PGRS Explosão; Incêndio; Destruição da flora; Destruição da fauna; Almoxarifado Armazenamento de matéria prima e suprimentos Contaminação atmosférica; incêndio em ambiente de estocagem. Plano de Emergência Derrames; Contaminação atmosférica; Almoxarifado Armazenamento de produtos químicos Vazamento de gases; Vazamento em decorreria do armazenamento de produtos químicos. FISPQ Instrução de Trabalho. Plano de Gerenciamento de Almoxarifado Carpintaria. No armazenamento concerto e descarte de paletes de madeira.

14 PÁGINA: 14/18 Construção e Reforma Executar trabalhos de alvenaria, concreto e outros materiais de construção civil. nos trabalhos de alvenaria, concreto e outros materiais de construção civil. Resíduos Solidos Construção e Reforma Executar trabalhos de alvenaria, concreto e outros materiais de construção civil. sólidos nos trabalhos de alvenaria, concreto e outros materiais de construção civil, Construção e Reforma Executar trabalhos de alvenaria, concreto e outros materiais de construção civil. Vazamento de líquidos; Possível vazamento de líquidos decorrente da execução de trabalhos em alvenaria. Expedição/Separa ção Separação e embarque de cargas Utilização de matéria prima para embalagem de produto acabado. Expedição/Separa ção Separação e embarque de cargas Explosão; Incêndio; Geração de calor; Contaminação atmosférica; incêndio na separação, armazenagem e embarque de cargas. Plano de Emergência. Expedição/Separa ção Separação e embarque de cargas Descarte incorreto de resíduos proveniente de embalagens. Expedição/Separa ção Separação e embarque de cargas Descarte incorreto de resíduos proveniente de embalagens. Expedição/Separa ção Separação e embarque de cargas Descarte incorreto de resíduos proveniente de embalagens. Extrusão Fabricação de filme plástico termoencolhivel Geração de ruídos; Poluição sonora; Em decorrência da utilização de maquinas extrusoras. PPRA PCMSO ASO EPI Extrusão Fabricação de filme plástico termoencolhivel Explosão; Incêndio; Contaminação atmosférica; Explosão ou incêndio em decorrência da fabricação de filme plástico termoencolhivel. Plano de Emergência. Extrusão Fabricação de filme

15 PÁGINA: 15/18 plástico termoencolhivel industriais provenientes da fabricação de filme plástico termoencolhivel. Instrução de Trabalho. Extrusão Fabricação de filme plástico termoencolhivel naturais na fabricação de filme plástico termoencolhivel com defeito. Resíduos. Extrusão Extrusão Fabricação de filme plástico termoencolhivel Geração de calor; Contaminação atmosférica; Fabricação de filme plástico termoencolhivel Vazamento de líquidos; Derrames; Geração de calor na fabricação de filme plástico termoencolhivel. Derrame ou vazamento de líquidos na fabricação de filme plástico termoencolhivel Instrução de trabalho, Manutenção preventiva. Instrução de Trabalho. Vazamento de líquidos; Contaminação dos recursos hídricos; Limpeza Manter a limpeza dos setores da empresa Derrames; Possível derramamento de produtos para limpeza PGRS Limpeza Manter a limpeza dos setores da empresa Consumo de água em limpeza. PGRS Limpeza Manter a limpeza dos setores da empresa Recolhimento de resíduos solido. Contaminação atmosférica; Logística Formulação e encaminhamento de cargas Incêndio; incêndio no setor Plano de Emergência Logística Formulação e encaminhamento de cargas Consumo se insumos na formulação e encaminhamento de cargas Resíduos. Logística Formulação e encaminhamento de cargas Geração de Resíduos na formulação e encaminhamento de cargas Resíduos. Manutenção Limpeza de peças por diesel Geração de efluentes líquidos; Contaminação dos recursos hídricos; Ocorrência de resíduos ao efetuar limpeza de peças com óleo diesel Instrução de trabalho, resíduos. Manutenção Maçarico Emissão atmosférica; Geração de calor; Contaminação atmosférica; Geração de calor na manipulação de maçarico ao realizar manutenção em maquinas e equipamentos. Manutenção Prover manutenção preventiva e corretivas em maquinas e Vazamento de líquidos; vazamento ao realizar manutenção preventiva ou PGRS Plano de Emergência

16 PÁGINA: 16/18 Manutenção equipamentos na unidade da empresa. Prover manutenção preventiva e corretivas em maquinas e equipamentos na unidade da empresa. Incêndio; Contaminação atmosférica; corretiva em maquinas e equipamentos na unidade da empresa. Incêndio ao realizar manutenção preventiva ou corretiva em maquinas e equipamentos na unidade da empresa. Plano de Emergência. Manutenção Solda tipo eletrodo ao realizar manutenção em maquinas e equipamentos. Plástico Bolha Fabricação de plástico bolha Geração de Resíduos decorrente da fabricação de plástico bolha Instrução de trabalho Plano de gerenciamento de resíduos sólidos Plástico Bolha Fabricação de plástico bolha naturais decorrente da fabricação de plástico bolha Instrução de trabalho Plano de gerenciamento de resíduos sólidos Plástico Bolha Fabricação de plástico bolha Geração de ruídos; Poluição sonora; Poluição sonora decorrente da Geração de ruídos do equipamento de fabricação de plástico bolha PPRA PCMSO ASO Plástico Bolha Fabricação de plástico bolha Incêndio; Contaminação atmosférica; Incêndio decorrente da fabricação de plástico bolha Instrução de trabalho Plano de Emergência. Portaria Controle de acesso. sólidos em decorrência de suas atividades. Resíduos Sólidos Qualidade Inspeção e verificação dos padrões de qualidade dos produtos fabricados pela empresa. naturais na impressão de documentos. Instrução de trabalho PGRS Qualidade Rebobinadeira Inspeção e verificação dos padrões de qualidade dos produtos fabricados pela empresa. Rebobinar e concertar bobinas plástica. Geração de ruídos; Poluição sonora; Possível geração de resíduos sólidos Geração de ruído ao manipular maquinas e equipamentos para concertar bobinas plástica. Instrução de trabalho Plano de Gerenciamento de PPRA PCMSO ASO Rebobinadeira Rebobinar e concertar bobinas plástica. Consumo de energia ao concertar bobinas plástica com defeito.

17 PÁGINA: 17/18 Rebobinadeira Rebobinar e concertar bobinas plástica. Explosão; Incêndio; Contaminação atmosférica; Incêndio ao manipular maquinas e equipamentos para concertar bobinas plástica. Plano de Emergência. Contaminação atmosférica; Rebobinadeira Rebobinar e concertar bobinas plástica. Incêndio; Ocorrência de Incêndio ao concertar bobinas plástica. Plano de Emergência. Rebobinadeira Rebobinar e concertar bobinas plástica. ao concertar bobinas plástica. Recursos humanos Contratação e gestão de pessoas Possível sólidos nos processos de impressão Resíduos Sólidos Recursos humanos Contratação e gestão de pessoas Consumo de papel Resíduos Sólidos Recursos humanos SESMT SESMT Contratação e gestão de pessoas Incêndio; Destruição da flora; Gerenciar praticas de saude e segurança no trabalho Gerenciar praticas de saude e segurança no trabalho Incêndio Possível geração de resíduos sólidos consumo de Papel Plano de emergência Instrução de trabalho Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Instrução de trabalho Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Strech Fabricação de filme tipo strech naturais Resíduos Sólidos Strech Fabricação de filme tipo strech sólidos decorrente da fabricação de filme tipo strech Resíduos Sólidos Strech Fabricação de filme tipo strech Geração de ruídos; Poluição sonora; Ruído decorrente da fabricação de filme tipo strech PPRA PCMSO ASO Strech Fabricação de filme tipo strech Incêndio; Destruição da flora; incêndio Plano de emergência T.I. Aplicação de sistemas e programas de informática Possível destinação inadequada de resíduos de informática. Resíduos Sólidos T.I. Aplicação de sistemas e programas de informática Incêndio Destruição da flora; incêndio Plano de Emergência

18 PÁGINA: 18/18 Tornearia Manutenção terceirizada de peças em equipamento tipo torno sólidos em equipamento tipo torno Tubetes Corte e manutenção de tubos de papelão. Incêndio; Destruição da flora; incêndio. Plano de Emergência. Tubetes Corte e manutenção de tubos de papelão. sólidos dos cortes dos tubos Tubetes Corte e manutenção de tubos de papelão. Geração de ruídos; Geração de ruídos ao cortar tubos de papelão. PPRA PCMSO ASO

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS

IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS Versão: 02 Página 1 de 5 1. OBJETIVO: Definir a metodologia para identificar e avaliar os aspectos e impactos ambientais, a fim de determinar as medidas necessárias para controle. 2. APLICAÇÃO: Este procedimento

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a.

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a. DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a. Contextualização A preocupação por parte das organizações com seus impactos ambientais tornou-se uma componente constante

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Alexsandro da Silva Cardoso (UERJ) asc@csn.com.br Doninzeti Ferreira de Oliveira (UERJ) doninzeti@csn.com.br Edson

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS

LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS LEVATAMETO DE APECTO E IMPACTO AMBIETAI º DOCUMETO DATA Pág. 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento para identificar e avaliar os aspectos e impactos ambientais associados às atividades, instalações,

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios

Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios Registros de aspectos ambientais Três fases podem ser

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos Segurança com Produtos Químicos Assuntos a serem Abordados 1. Conceitos e Definições; 2. Pré Avaliação do Produto Químico (Compra); 3. Armazenamento de Produto Químico; 4. Resíduo / Licença Ambiental;

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL São Paulo, 26/09/2011 VALÉRIA APARECIDA FARIA Bióloga Especialização em Gestão Ambiental pela Faculdade

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental Ferramentas de Análise: abordagens iniciais Gestão Ambiental Gestão Ambiental: por onde começar? NORTH (1992) recomenda as seguintes abordagens: Verificar o Posicionamento da empresa em relação ao desafio

Leia mais

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 Nos termos e para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 110.º do Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A, de 15 de novembro, que estabelece

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

7.7. PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

7.7. PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR 7.7. PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR 7.7.1. Justificativa Este programa justifica-se pela importância em se desenvolver e implementar ações que visem garantir a manutenção

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais Agosto/2015 Fazer obras e serviços para transmissão, distribuição e uso de energia. Contribuir para o bem estar e o desenvolviment

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Cartilha de Meio Ambiente

Cartilha de Meio Ambiente Cartilha de Meio Ambiente O objetivo desta cartilha é apresentar os principais procedimentos adotados pela AES Sul para eliminar ou minimizar os impactos ambientais gerados em suas atividades operacionais

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12 1. FORNECIMENTOS Fornecimentos 1.1 - Ácido Clorídrico Comercial Licença da Polícia Federal 1.2 - Hidróxido de Sódio Licença da Polícia Federal 1.3 Produtos químicos em geral 1.4 - Gases Industriais 1.5

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: SAÚDE 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função: 2.Informações

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Prof.MSc.Gonçalo Siqueira Santos / SP Segurança no trabalho Qual a sua atividade? Esta frase é uma das mais utilizadas entre os médicos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ Página 1 de 8 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Poliótimo Oirad - Código interno de identificação do produto: LP 010 - Produto Notificado na ANVISA / MS: - Nome da empresa: POLICLEAN

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ Página 1 de 8 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Detergente Concentrado Oirad - Código interno de identificação do produto: LG 010 - Produto Notificado na ANVISA / MS: - Nome da

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos

Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos PROCESSOS VERDES Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos anteriormente, mas podemos iniciar o processo

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO Agosto/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa Brigada de Emergência O que é a Brigada de Emergência? A

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS INTERNATIONAL PAPER DO BRASIL LTDA. Unidade Florestal PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece

Leia mais

Relatório de Avaliação de Fornecedores

Relatório de Avaliação de Fornecedores Relatório de Avaliação de Fornecedores 1. Dados da organização Razão Social: Techfive Comércio e Gestão de Equipamentos de Telec LTDA CNPJ nº 09203925/0001 04 Endereço Rua Wilton Reis Costa, 165 - Condomínio

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental nas Micro e Pequenas Empresas

Sistema de Gestão Ambiental nas Micro e Pequenas Empresas Sistema de Gestão Ambiental nas Micro e Pequenas Empresas Prof. Dr. Alcides Lopes Leão alcidesleao@fca.unesp.br UNESP Campus de Botucatu RESIDUALL - Laboratório de Resíduos Sólidos e Compósitos Palestrante

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. OGX Procedimento de Gestão PG.SMS.004 Denominação: Gestão de Mudanças SUMÁRIO Este procedimento estabelece as condições que permitam identificar, avaliar e controlar os riscos inerentes as mudanças, desde

Leia mais

II.7.7 PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE SMS DO TRABALHADOR II.7.7 PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE SMS DO TRABALHADOR 1. Introdução e justificativa Este programa justifica-se pela importância em se desenvolver e implementar ações que visem garantir

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA n.º 20 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

NORMA REGULAMENTADORA n.º 20 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS NORMA REGULAMENTADORA n.º 20 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS SUMÁRIO 20.1 Introdução 20.2 Abrangência 20.3 Definições 20.4 Classificação das Instalações 20.5 Projeto da Instalação

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) Nos termos do Artigo 32º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida

Leia mais

Técnico de Segurança do Trabalho

Técnico de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação 02

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Orientação para os Estudos de Caso Para a realização de uma auditoria é necessário que o auditor tenha conhecimentos teóricos e práticos e para que você obtivesse este conhecimento

Leia mais

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Sustentabilidade Para garantir um futuro próspero às próximas gerações, nós fomentamos a Sustentabilidade como um pilar fundamental para o

Leia mais

AS ATIVIDADES DO GESTOR AMBIENTAL

AS ATIVIDADES DO GESTOR AMBIENTAL AS ATIVIDADES DO GESTOR AMBIENTAL MICHEL EPELBAUM Nós só começamos a aprender Geologia na manhã seguinte a um terremoto. Ralph Waldo Emerson (1803-1882) Escritor americano Nesta edição, trataremos das

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais