O jogo teatral e a formação do sujeito. Tecnologia e escola: Inte(g)rações. Sequestro do CO 2. Reflexões sobre a leitura.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O jogo teatral e a formação do sujeito. Tecnologia e escola: Inte(g)rações. Sequestro do CO 2. Reflexões sobre a leitura."

Transcrição

1 1

2 2

3 revista de educação editada e produzida pelo colégio medianeira ISSN Diretor Pe. Rui Körbes, S.J. Vice-diretor Prof. Adalberto Fávero Coordenador Administrativo e Financeiro Gilberto Vizini Vieira Coord. Comunitário e de Esporte Prof. Francisco Alexandre Faigle Coordenação Editorial e Revisão Nilton Cezar Tridapalli Luciana Nogueira Nascimento (MTB 2927/82v) Projeto Gráfico e Diagramação Sonia Oleskovicz Ilustrações Kelly Tavares Viviane Vallim Sonia Oleskovicz (montagens e tratamento) Colaboraram nesta edição André Tezza, Carlos Renato Monteiro, Eduardo Túlio Baggio, Fabiana Hitomi Ono Ishiruji, Francisco Carlos Rehme, Geraldo Vieira de Magalhães, Gladimir Nascimento, Juliana Cavassin, Juliana Cristina Heleno, Marcelo Weber e Maria Célia Martirani. Tiragem 3000 exemplares Papel Reciclato Suzano 90g/m2 (miolo) Reciclato Suzano 240 g/m2 (capa) Número de Páginas 48 EQUIPE PEDAGÓGICA Educação Infantil e Ensino Fundamental de 1ª à 4ª séries Coordenadora Profª Silvana do Rocio Andretta Ribeiro Ensino Fundamental de 5ª e 6ª séries Coordenadora Profª Eliane Dzierwa Zaionc Ensino Fundamental de 7ª e 8ª séries Coordenadora Profª Roberta Uceda Ensino Médio Coordenador Prof. Marcelo Pastre Coordenador de Pastoral Pe. Guido Valli, S.J. Marketing Luciana Nogueira Nascimento Coordenador de Midiaeducação Nilton Cezar Tridapalli O jogo teatral e a formação do sujeito Juliana Cavassin... 5 Água: reuso, redução do uso ou conservação? Gladimir Nascimento... 9 As vozes do documentário Michaud: entre os crocodilos e as serpentes Eduardo Tulio Baggio Tecnologia e escola: Inte(g)rações Nilton Cezar Tridapalli Sequestro do CO 2 Fabiana Hitomi Ono Ishiruji Reflexões sobre a leitura Juliana Cristina Heleno Em cena: o leitor Maria Célia Martirani A infância por um fio Geraldo Vieira de Magalhães A filosofia enquanto exercício do cotidiano Carlos Renato Moiteiro Relativismo cultural e o filme Quem quer ser um milionário André Tezza Itupava: úmidas e silenciosas, pedras que contam história Francisco Carlos Rehme Os artigos publicados são de inteira responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião dos editores e do Colégio Nossa Senhora Medianeira. A reprodução parcial ou total dos textos é permitida desde que devidamente citada a fonte e autoria. CRÔNICA Prefação Marcelo Weber Linha Verde Av. José Richa, Prado Velho Curitiba Paraná fone / fax

4 Ler ou não ler, eis a questão!? Na verdade, não deveria haver questão ou dúvida quando se trata de leitura. Ela é imprescindível para a formação de sujeitos críticos, reflexivos e capazes de compreender seu contexto e agir a partir dele para a transformação da sociedade. Ler é construir, elaborar, alimentar e realimentar corpo, mente e alma. É ato de pesquisar constantemente as tramas da história, do ser humano e do futuro que queremos para nós e nossos filhos. Ler é caminhar na contramão da massificação, do desrespeito a diversidade e do preconceito. Quem nos fala sobre isto nesta edição é a professora Juliana Heleno e também a escritora Maria Célia Martirani quando trata da relação entre o leitor e seu livro. Não existe livro ou autor sem o leitor. Ler é sentir e permitir ser sentido, é troca e reciprocidade entre leitor, autor e a própria obra. Nesta mesma linha de relações passa o trabalho do Teatro e do jogo teatral, importante no relacionamento do sujeito consigo mesmo, seja ele ator, diretor ou plateia. O cinema, outra forma de leitura de contexto, está nas análises do filme "Quem quer ser um milionário?" e do documentário "Michaud: entre os crocodilos e as serpentes". Para completar o círculo de mídia e comunicação, a tecnologia, mocinha e vilã do contexto escolar no qual estão inseridas diferentes gerações, enfrenta uma realidade de interações que precisa ser constantemente revista e atualizada, sob o risco de se falar linguagens que se opõem, que não conversam, em um mesmo ambiente, em um mesmo contexto. Partindo para outro extremo, mas que não deixa de envolver a leitura, veremos maneiras simples de conservar o meio ambiente voltando nossas ações para o reuso, redução e conservação da água e para o seqüestro de carbono - termo que ainda causa estranhamento e dúvidas entre a maioria das pessoas. E, a partir desta edição, publicamos uma seqüência de crônicas do artista e historiador Marcelo Weber que se aventura em uma mistura de humor, ideias e receitas. Delicioso. Aproveite tudo e depois de saborear, experimentar, construir, refletir, desconstruir... escreva para nós: Boa leitura. Luciana Nogueira Nascimento A respeito do artigo sobre eblogs, de autoria das Profªs Letícia e Luciane, gostaria de manifestar a minha admiração pelo trabalho. O conteúdo dos três blogs apresentados é vasto e muito estimulante para os jovens aprendizes. Nota-se que, mais do que consistir de um artefato tecnológico, o blog tem o poder de ampliar ilimitadamente as dimensões da sala de aula, tornando a experiência dos alunos ainda mais motivadora. Parabéns às Professoras "blogueiras" pela proatividade em buscar novas ferramentas didáticas. Aproveito a oportunidade para sugerir ao Colégio Medianeira que fomente esta expansão para o espaço cibernético no seu meio acadêmico, tomando medidas, tais como: efetuar uma enquete entre todos os professores visando obter informações de blogs de outros Professores do colégio, bem como de suas sugestões; criar uma página, dentro do site do colégio, com links para os blogs dos seus professores, além de links com sugestões dos mesmos; criar uma oficina de construção de blogs para os Professores que desejarem desenvolver também a sua ferramenta de comunicação. Um abraço que transfoma Alberto Heitor Molinari Sempre aluno (Colégio Medianeira) Graduado em Bacharelado em Informatica (UFPR) Especialista em Tecnologia da Informação (UFPR) Mestrando em Informática Industrial (UTFPR) E o mais importante: Pai do Davi e do Caio (1º ano e 3ª série) 4

5 O jogo TEATRAL e a formação do sujeito Por Juliana Cavassin Além de sermos homo sapiens, somos também homo ludens, e isso diz respeito à nossa capacidade lúdica para o jogo. Veja como o jogo teatral é importante para o relacionamento do sujeito consigo mesmo e com o outro, seja ele ator, diretor, plateia... 5

6 Dentre algumas das metodologias do ensino do Teatro, uma de grande importância é a denominada "Jogos Teatrais", da norte-americana Viola Spolin ( ). Além da contribuição para o ensino e a prática da arte cênica, as técnicas abrangem o campo da arte-educação. Também conhecido como método de teatro improvisacional (Improvisação para teatro é o nome do primeiro livro publicado no Brasil, em 1979, pela editora Perspectiva), no que se refere à aplicação para atores e diretores/professores, tem-se nele o auxilio técnico de todas as fases do processo de ensaio de uma peça: seleção, escolha de elenco, harmonia, aquecimento, criação de espaço cênico, superação de ansiedade de estreia, amadurecimento e integração de participantes ao projeto teatral... No que diz respeito ao campo da arte-educação, pode-se apontar o quanto a metodologia é capaz de influenciar na formação emocional, social e cognitiva não só de atores, mas de qualquer participante, o que contribui amplamente para a formação do sujeito. METODOLOGIA DO JOGO TEATRAL Nos Jogos de Viola Spolin, sempre se têm bem definidos para diretor/professor os objetivos que apontam o principal resultado que se espera obter para resolver questões da pessoa, do grupo e/ou do ensaio da peça (como dificuldades de relacionamento, projeção de voz, unidade, cena, foco, etc). Esse último, especificamente, tem uma importância fundamental em todos os jogos, já que é o foco que permite ao jogador manter o olho mental vivo como um atleta o mantém na bola em movimento. Ele também garante o envolvimento de todos os participantes em cada momento durante o processo. O foco coloca o Jogo em movimento e todos se tornam parceiros na medida em que prestam atenção aos mesmos problemas a partir de diferentes pontos de vista; todos os jogadores devem confiar no foco e deixá-lo trabalhar como se fosse a bola de um jogador de futebol. Mas o Jogo Teatral, ao contrário do futebol, não possui um "foco material", "físico" como levar a bola ao gol. As regras são específicas para cada Jogo, dadas através da instrução do professor/diretor, e levam os jogadores a resolverem o problema com consciência, criatividade e uso do corpo. Deve-se responder a situação proposta de forma cênica, mantendo claramente para a plateia (também considerada, junto ao professor/diretor, como "jogadora") os princípios da unidade dramática: quem, onde e o que está acontecendo. Enquanto ocorre o Jogo, o professor/diretor emite as instruções para abrir espaço de tempo, movimento e transformação. São expressões simples e diretas que surgem espontaneamente no momento em que os jogadores estão em ação, mas cujo vocabulário elimina a orientação autoritária e a síndrome da aprovação/desaprovação. Por exemplo, fala-se "compartilhe sua voz com a plateia" ao invés de "projete sua voz!" A instrução deve gerar ou manter a energia crescente, pois é o apoio entre jogadores e diretor/professor para atingir o organismo total do que se processa. Mesmo assim, apesar da instrução, cada indivíduo deve encontrar seu próprio caminho através do esforço pessoal e consequente harmonia coletiva. Com a prática, jogar se torna cada vez mais lúdico, orgânico e 6

7 espontâneo, principais fundamentos do método spoliniano; Na medida em que o valor do jogo e do próprio ato de jogar tornavam-se mais claros, a palavra "jogo" substituiu a expressão "solução de problemas". As explicações sobre técnicas, intenções, etc. tornaramse desnecessárias. A procura lógica e racional dessas informações tinha sido ultrapassada pelo foco do jogo teatral. (SPOLIM, p. 15, 2001) Ao fim de cada Jogo, plateia, professor/diretor e jogadores de palco participam de uma avaliação. Nela, discute-se se a proposta foi realizada de maneira efetiva, as dificuldades que surgiram e como foram resolvidas, se o foco se manteve, as oportunidades, outros jogos e ideias relacionados, etc. Enfim, nesse momento, todo o grupo revela o que foi aprendido, percebido e/ou realizado no curso do Jogo. A FORMAÇÃO DO SUJEITO Percebe-se que, no contexto da arte-educação, a importância dos Jogos se aplica à educação estética pelo teatro, às demais linguagens artísticas (que sempre se relacionam) e também à aprendizagem cognitiva, afetiva e psicomotora, uma vez que se tratam de experiências que envolvem o grupo, o corpo e a mente para responder os desafios. Maior divulgadora de Viola Spolim no Brasil, a pesquisadora Ingrid Koudela (ECA/USP) apresenta estudos que revelam o desenvolvimento humano que os jogos proporcionam de acordo com o modelo piagetiano de desenvolvimento intelectual. Os estudos mostram que a criatividade dramática proporciona um meio de atividade adaptativa para a criança que influencia na descentralização cognitiva, social e moral. No desafio intelectual do criador, ator, plateia e/ou crítico, utilizam-se esquemas cognitivos e afetivos para a estruturação da realidade objetiva; ao jogar, o individuo e/ou grupo precisam efetivar a passagem do teatro concebido como ilusão para a uma realidade cênica. Essa passagem é a quebra do egocentrismo do indivíduo e seu mundo particular para que se transforme em jogo socializador, ou seja, é a transformação da subjetividade pessoal em objetividade coletiva, um pressuposto do ser sujeito e cidadão. Isso porque resolver os problemas propostos no jogo exige além das habilidades racionais: exercita-se, com o jogo, a emoção e a intuição. A intuição emerge no lado direito do cérebro, na mente metafórica, área x, a área do conhecimento que está além das restrições de cultura, raça, educação, psicologia e idade; ela é mais profunda do que as máscaras de maneirismos, preconceitos, intelectualismos que a maioria de nós veste no cotidiano. (SPOLIM, p.18, 2001). Dessa forma, intuir também implica estar livre de opiniões, atitudes, preconceitos e julgamentos pré-concebidos para vivenciar soluções no momento presente. É por isso que o ato de jogar requer presença "aqui e agora"; é necessário viver no tempo presente e não no tempo da memória, já que o jogo só acontece no tempo presente. Nesse sentido, Spolim diferencia o estar à espera (permitir que o desconhecido se aproxime: momento de arte/vida) do esperar por (passado/futuro) no ato do Jogo, e, consequentemente, na vida. A autora afirma: Como indivíduos, somos isolados uns dos outros, cheios de limitações, medos, tensões, competitividade, preconceitos e atitudes preconcebidas. Se a nossa abertura for mais do que apenas uma esperança, um sentimento, uma palavra, então certas condições deverão ser atendidas. A primeira delas deveríamos chamar de mutualidade ou confiança. O verdadeiro jogo produzirá confiança. (SPOLIM,p.18, 2001) Então, vemos que as relações intra, extra e interpessoais são desenvolvidas, pois a prática dos Jogos possibilita a aproximação de si mesmo e dos outros jogadores, exercitando o pensar, agir e sentir e revelando que a técnica é sim 7

8 muito importante, mas o processo é tão amplo, dinâmico e lúdico no que se refere às relações humanas que vão além da metodologia e do teatro: são parte da comunicação e relacionamento humanos, princípio básicos para que o indivíduo se desenvolva plenamente como sujeito. (Comente este artigo em REFERÊNCIA: Juliana Cavassin é formada em Educação Artística - Artes Cênicas (FAP) e Jornalismo (PUCPR), com especialização em Fundamentos do Ensino das Artes (FAP) e Mestrado em Educação (PUCPR). É ex-aluna e professora de Teatro desde 2003 do Colégio Medianeira; também é professora do curso de Licenciatura em Teatro da Faculdade de Artes do Paraná (2007) e presta serviços na área de Artes, Educação e Comunicação para várias instituições como SENAC-PR, ITDE e UFPR. SPOLIM, V. O jogo teatral no livro do diretor. Perspectiva, JOGOS TEATRAIS - O FICHÁRIO DE VIOLA SPOLIN VIOLA SPOLIN Editora Perspectiva Viola Spolin figura seguramente entre os maiores professores de teatro, não só nos Estados Unidos. Onde quer que seu método e seus ensinamentos tenham chegado, não importando o país ou a língua, eles fizeram escola. 'Improvisação para o teatro', sua famosa coleção de jogos, exercícios de atuação e comentários, continua tão atual hoje quanto na época de sua aparição inicial, assim como sua crescente difusão na rede escolar brasileira vem comprovando. Para melhor instrumentá-la na prática de sua aplicação, Viola Spolin fez uma seleção especial de jogos teatrais, dispostos em fichas separadas em uma caixa, servindo ao trabalho em sala de aula. Por meio de 'Jogos Teatrais', professores e alunos podem viver a experiência teatral, com grande benefício para seu ensino e aprendizado. O JOGO TEATRAL NO LIVRO DO DIRETOR VIOLA SPOLIN Editora Perspectiva Este livro é uma aplicação prática do famoso método pelo qual Viola Spolin foi chamada 'a grã-sacerdotisa do teatro improvisacional'. A autora mostra, de forma lúdica, como suas técnicas podem ser utilizadas em larga variedade de situações, e também para o amadurecimento e a integração dos participantes do projeto teatral. 8

9 ÁGUA: reuso, REDUÇÃO DO USO ou conservação? Por Gladimir Nascimento Muitas vezes a tecnologia tem sido vista como instrumento redentor de todos os problemas. Em muitos casos, no entanto, outras soluções se tornam mais eficazes e econômicas, desde que acompanhadas por conscientização e mudança de pequenos hábitos. Com dados e contas surpreendentes, este artigo nos revela formas simples de economia de água. 9

10 A coisa chata sobre a pesquisa é que frequentemente ela nos desaponta, ao comprovar o oposto daquilo que acreditávamos ser verdade. O método científico não tem charme, nem senso de humor, nem compromisso com as nossas convicções, e pouco se lhe dá se o resultado da investigação é sem graça, contrário às nossas expectativas ou uma completa afronta ao senso comum. Lamento-me dessa maneira porque investi dois anos em uma pesquisa para comprovar que o reuso de águas servidas (água que sai da pia, do chuveiro, das lavadoras e tanques) é uma alternativa viável e até mesmo imprescindível contra a escassez de água em Curitiba e região metropolitana. Era uma ideia arraigada e a pesquisa deveria servir simplesmente para embasá-la, assim como pretendia defender a lei municipal que tornou esse reuso de água obrigatório para novas construções em Curitiba. Bem, esse era o resultado esperado, porém... Porém o fato é que a defesa do reuso de água chega a ser uma ingenuidade, quando o consideramos no contexto da nossa cidade e dos municípios vizinhos. Há aqui uma pergunta: por que sempre imaginamos uma solução tecnológica para os problemas ambientais? Será uma desculpa para nosso comportamento poluidor? Será, ao contrário, uma punição autoimposta? (pois um "remédio" como o reuso de água equivale à autoflagelação). Será que não queremos enxergar o simples e o necessário, então nos pomos a divagar sobre soluções radicais? Reaproveitar a água é nobre, mas a tecnologia para fazê-lo, embora sedutora, não se justifica enquanto não tomarmos muitas outras medidas urgentes e óbvias no nosso contexto. Então vamos ao contexto: em 1970, a população da região metropolitana de Curitiba era de 1 milhão de habitantes; em três décadas e meia, ela triplicou. A maior parte desses moradores instalou-se justamente nas áreas que pressionam os mananciais de onde tiramos nossa água de beber. É um problema parecido com aquele da cobra que engole o próprio rabo: quanto mais população, maior o volume de água necessário, e menor o volume disponível, já que esses habitantes degradam justamente as nascentes, rios, matas ciliares e áreas de aquífero. Este fato deve ser o alvo prioritário das políticas públicas, leis, debates, aulas, pesquisas e todo tipo de esforço contra a falta de água potável. O problema é grave e caro. Baseada em um estudo dos engenheiros Osvaldo Dalarmi e Cléverson Andreolli (que, aliás, é pai de uma aluna do Medianeira), a Sanepar elaborou um imenso e imensamente dispendioso plano de investimentos, a ser cumprido até o ano de Os dois engenheiros acreditam que entre 2025 e 2050 atingiremos o limite da exploração dos recursos hídricos mais próximos. Depois teremos de captar água a mais de 50 quilômetros de distância e a uma altitude 500 metros abaixo do planalto curitibano, com um custo de bombeamento 10 vezes maior que o atual, que corresponde a 10% da tarifa, aproximadamente. Portanto, o que pagamos hoje na conta de água vai dar somente para o bombeamento. E não é apenas porque a população vai crescendo, mas principalmente porque vai crescendo em cima dos mananciais. Logo, cada centavo que deixamos de gastar na conservação desses mananciais será cobrado com juros altíssimos quando tivermos de procurar água em outra freguesia. Reuso é a medida adequada para regiões onde a água praticamente não existe. No deserto da Namíbia, por exemplo, onde foi pela primeira vez praticado inclusive para fornecer água "potável". Não é o nosso caso, nossa região tem água, só precisamos cuidar bem dela. Nosso problema é que não damos a mínima para os recursos naturais. Se as coisas continuarem assim, então de fato um dia só nos restará beber a água com a qual já tomamos banho. Os recursos hídricos devem ser compreendidos no conjunto de cada bacia hidrográfica e gerenciados de maneira integrada, considerando: Conservação dos mananciais; Educação conservacionista; Melhores práticas na captação, tratamento e distribuição da água; 10

11 Combate metódico ao desperdício; Lógica tarifária e Generalização do uso de dispositivos e métodos economizadores nas edificações. Vamos checar? O que a nossa valorosa companhia de saneamento investe na conservação dos mananciais dos quais tira água e dinheiro? No ano passado, esse valor cresceu um pouco, graças aos recursos federais do PAC (Plano de Aceleração do Crescimento), mas, descontando esse reforço, vemos que no ano de 2005, por exemplo, a Sanepar investiu em Meio Ambiente R$ 1,9 milhão. No ano seguinte, R$ 1,2 milhão e em 2007 R$ 2,5 milhões, dos quais somente R$ 51 mil viriam de recursos próprios. Para dar uma ideia de como são míseros esses recursos, basta mostrar a Ata da 43ª Assembleia Geral Ordinária da Sanepar, que avaliou o balanço de 2006 da companhia, distribuiu aos acionistas o lucro de R$ 49,7 milhões e provisionou, para remuneração dos conselheiros e administradores, para o exercício de 2007, o valor de R$ 4,3 milhões. Ou seja, a empresa destinou para remuneração dos conselheiros e administradores 70% mais do que todo o seu investimento em Meio Ambiente. E o combate ao desperdício? Em julho de 2007, a diretoria da Sanepar apresentou as obras da Estação de Tratamento de Água Miringuava, que custou R$ 143 milhões. Ela adiciona ao sistema mil litros de água por segundo. Com a conclusão de obras complementares, chegará a 2 mil litros por segundo, o que representa um aumento de 25% na oferta de água tratada, que antes do Miringuava encontrava-se em torno de 8 mil litros por segundo. Recapitulando: a companhia investiu R$ 143 milhões, pagos por nós, para aumentar o fornecimento em 25%. E sabe quanto ela deixa vazar na própria rede distribuidora? 32%. As perdas nas redes de abastecimento ocorrem em todo o mundo e a média brasileira é de assustadores 42%. Existe um limite técnico para além do qual não se consegue impedir o vazamento, porém falar de reuso de água quando um terço de toda a água captada e tratada simplesmente é jogado fora antes de chegar aos imóveis é, no mínimo, um desvio de prioridade. E a educação conservacionista? Você já foi atingido por algum programa desse tipo? Seus filhos foram? Qual foi o resultado? Qual foi a insistência? E as tecnologias economizadoras, elas foram divulgadas para você? Existe alguma em sua casa? A companhia de Saneamento estimulou você a adotá-las? Pelo menos informou a respeito? E a lógica tarifária? Se fôssemos pagar pelo que a água realmente custa, não daríamos conta. Só conseguimos pagar a fatura todo mês porque não estão incluídos ali os custos ambientais da operação. Mas esses custos existem, e, como sabem os contabilistas, não dá para esconder custos por muito tempo. Em algum ponto a dívida será cobrada. Reuso de água é um recurso interessante para indústrias e alguns tipos específicos de construções. Hotéis, por exemplo. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, o Brasil possui aproximadamente 25 mil hotéis e pousadas. Um hotel com 100 apartamentos, usados em média 10 horas por dia, consome diariamente cerca de 15 mil litros de água. Curitiba tem 18 mil leitos de hospedagem. Admitindo-se 2 leitos por apartamento, chega-se a um consumo diário de água no setor hoteleiro na cidade em torno de 8,226 milhões de litros. Considerando uma ocupação média de 70%, reduz-se para 5,758 milhões de litros. O reuso, desde que combinado com outras tecnologias economizadoras, pode baixar em 50% o consumo de um hotel, o que teoricamente significaria poupar 2,879 milhões de litros por dia. Cada curitibano consome, em média, 240 litros por dia, ou litros por mês; logo, a economia de 2,879 milhões de litros na rede de hotéis substituiria o consumo de curitibanos. É como economizar toda a água consumida pelo bairro do Atuba, por exemplo, que, segundo o IBGE, tem 12,6 mil habitantes. Ou suprimir o consumo da população do Tingui, que é de 11,6 mil pessoas. Uma economia interessante. Porém, fora dessas edificações especiais, como os hotéis, o reuso é a última medida tecnológica em uma lista que tem 6 itens e que está 11 11

12 no quadro a seguir. Ele ilustra de modo rudimentar as vantagens relativas entre dispositivos economizadores simples, como os aeradores de torneiras e os redutores de vazão, e aqueles que exigem mudanças no sistema hidráulico: uso de água de chuva e reuso de águas servidas. CONSIDERARAM-SE TRÊS NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO POSITIVOS: BOM = ÓTIMO= EXCELENTE= E TRÊS NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO NEGATIVOS: RUIM = PÉSSIMO= PROIBITIVO= A aplicação desses três níveis sobre cada diferente aspecto de cada uma das tecnologias consideradas permite uma comparação simplificada entre elas, sendo o conceito resultante de cada medida um posicionamento numérico direto em relação às demais. Os conceitos, no entanto, são atribuídos pelo Autor, considerados um em relação aos outros, e naturalmente admitem avaliações destoantes. COMPARAÇÃO DE TECNOLOGIAS ECONOMIZADORAS DE ÁGUA CUSTO POTENCIAL DE ECONOMIA DIFICULDADE TÉCNICA RESISTÊNCIA CULTURAL RETORNO DE INVESTIMENTO MANUTENÇÃO CONCEITO FINAL AERADORES DE TORNEIRAS 18 REDUTORES DE VAZÃO 18 DESCARGA DE CAIXA ACOPLADA 14 CAVALETES INDIVIDUAIS 14 ÁGUA DE CHUVA 5 REUSO DE ÁGUA -8 (3 = excelente; 2 = ótimo; 1 = bom; -1 = ruim; -2 = péssimo; -3 = proibitivo ) 12

13 Senhores, apresento-lhes o aerador de torneiras, o redutor de vazão e a descarga de caixa acoplada. Juntas, essas 3 tecnologias tremendamente simples e baratas têm um efeito economizador comparável ao do dispendioso, complexo e temerário reuso de água. A descarga acoplada todo mundo conhece, é aquela que tem uma caixa sobre o assento sanitário, em vez da válvula Hydra (mas cuidado, sem manutenção ela acaba tendo vazamentos terríveis). Aerador é aquela peneirinha que se coloca na ponta da torneira e redutor de vazão é uma espécie de registro que se instala no encanamento e que regula a pressão da água nos nossos chuveiros, por exemplo. O uso dessas geringonças é altamente positivo. Melhor que isso, para economizar, só mesmo o conselho do meu encanador: nada de banho gostoso. Para ter uma ideia do que custa um único banho demorado, use uma banheira e feche a saída. Ao final do banho compare o que ficou estancado, multiplique pelo número de moradores da sua casa e pelo número de dias do mês. O resultado é um volume de água e um peso na consciência que não tem reuso que resolva. Para concluir, resta dizer que a utilidade do reuso de água é a de ser uma ameaça. Não é solução, mas sim a punição que infalivelmente virá para os que não fizeram o dever de casa. Que ele nos sirva como advertência para que acabemos com o desperdício em nossas próprias residências e locais de trabalho e lazer. E, principalmente, que sirva de instrumento de pressão sobre nossos políticos e gestores públicos, para que levem a sério esse problema explosivo que é a progressiva escassez de água em Curitiba e nas cidades vizinhas. (Comente este artigo em Gladimir Nascimento é jornalista profissional (UFPR), mestre em Tecnologia e Meio Ambiente (UTFPR) e especialista em Sistema de Gestão Ambiental (PUC-PR). É pai de dois alunos e dois ex-alunos do Medianeira e um dos idealizadores da nova webradio A ÁGUA JOSÉ GALIZIA TUNDISI TAKAKO MATSUMURA A água é cada vez mais um recurso estratégico para a humanidade, pois mantém a vida no planeta Terra, sustenta a biodiversidade e a produção de alimentos e suporta todos os ciclos naturais. As grandes civilizações dependem e dependerão da água para sua sobrevivência econômica e biológica, e para o desenvolvimento econômico e cultural. Folha Explica A Água aborda, de forma didática, questões como as propriedades essenciais de água, seus usos múltiplos, os impactos nos recursos hídricos e suas consequências. A ÁGUA - UM DIREITO HUMANO FUNDAMENTAL JOÃO MARCOS ADEDE Y CASTRO Editora Nuria Fabris A presente obra referese aos direitos humanos e direitos fundamentais referidos ou não na Constituição Federal. Ela traça panorama histórico da legislação ambiental brasileira, com ênfase aos recursos hídricos, examina a legislação constitucional e infraconstitucional, a legislação esparsa sobre águas e incursiona sobre o direito internacional das águas. Com isto, permite o conhecimento sobre a legislação, mas chama o leitor para refletir sobre a importância da água como elemento de dignidade, desenvolvimento sustentável e, sem sombra de dúvida, como direito humano fundamental. Ou seja, rompe o paradigma de exame exclusivamente legal para propor uma discussão de caráter social, humano e sistêmico. 13

14 As vozes do documentário MICHAUD: ENTRE OS CROCODILOS E AS SERPENTES Por Eduardo Tulio Baggio Um dos gêneros cinematográficos mais desenvolvidos no Brasil, o documentário mostra inúmeros meios de mostrar a sua voz. Acompanhe algumas reflexões sobre isso a partir do documentário paranaense Michaud: entre os crocodilos e as serpentes. 14

15 As teorias do cinema documentário tratam constantemente das vozes ou estilos dos filmes. Esses conceitos buscam demonstrar quais as opções discursivas dos filmes e, por consequência, seus pressupostos éticos e suas características de linguagem. Este texto propõe uma observação - sob o ponto de vista dos quatro principais estilos do cinema documentário - de um filme roteirizado e dirigido por mim, que se chama Michaud: entre os crocodilos e as serpentes. Esse documentário foi idealizado a partir da análise das possibilidades de estratégias e estilos desenvolvidas no decorrer da história do cinema documentário. Desde os primeiros filmes de Robert Flaherty, Joris Ivens, John Grierson, Dziga Vertov, Alberto Cavalcanti, Paul Rotha, Basil Wright, e outros pioneiros, o documentarismo busca colocar-se ideologicamente. Essa busca constante por uma colocação que seja ideologicamente interessante, dadas as circunstâncias e o contexto em que o documentarista está inserido, geraram maneiras diferentes de relação do documentarista com o tema e com o público. Bill Nichols diz que o documentário usa estratégias de estilo variadas, que mudam com o passar do tempo, e que nesse sentido sua evolução ocorre da mesma forma que a evolução do filme ficcional, que também mudou e muda de estratégias dentro de sua história. E mudam em grande parte pelas mesmas razões: os modos dominantes do discurso expositivo mudam, assim como a arena de debate ideológico. O realismo confortavelmente aceito por uma geração parece um artifício para a geração seguinte. Novas estratégias precisam ser constantemente elaboradas para representar "as coisas como elas são", e outras para contestar essa representação (2005, p.47). Segundo Nichols, a história do documentário apresenta quatro estilos principais e cada um deles tem suas características próprias quanto à forma e no que diz respeito às posturas ideológicas. Esses estilos têm seu ponto central marcadamente determinado pela "voz". Frame do vídeo documentário Michaud: entre os crocodilos e as serpentes (...) na evolução do documentário a disputa entre formas centrou-se na questão da "voz". Por "voz" refirome a algo mais restrito que o estilo: aquilo que, no texto, nos transmite o ponto de vista social, a maneira como ele nos fala ou como ele organiza o material que nos apresenta. Nesse sentido, "voz" não se restringe a um código ou característica, como o diálogo ou o comentário narrado. Voz talvez seja algo semelhante àquele padrão intangível, formado pela interação de todos os códigos de um filme, e se aplica a todos os tipos de documentário (NICHOLS, 2005, p.50). A primeira dessas vozes é a do estilo de discurso da tradição griersoniana 1, também conhecida como "voz de Deus". A segunda, a do Cinema Direto 2, que "prometia um aumento do 'efeito verdade' graças à objetividade, ao imediatismo e à impressão de capturar fielmente acontecimentos ocorridos na vida cotidiana de determinadas pessoas." (NICHOLS, 2005, p.48). A terceira voz é representada pelos filmes de entrevistas, "às vezes profundamente reveladores, às vezes fragmentados e incompletos, esses filmes forneceram o modelo para o documentário contemporâneo." (NICHOLS, 2005, p.49) Por fim, Nichols cita o que seria a voz mais recente do documentário, a voz do estilo autorreflexivo. "Esse novo documentário autorreflexivo mistura passagens observacionais com entrevistas, a voz sobreposta do diretor com intertítulos, deixando patente o que esteve implícito o tempo todo: o 15

16 documentário sempre foi uma forma de re-presentação, e nunca uma janela aberta para a 'realidade'." (NICHOLS, 2005, p.49). Nichols ainda apresenta a condição evolutiva desses estilos ao tentarem corrigir problemas encontrados em seus antecessores: "o cinema direto e suas variantes procuraram resolver certas limitações da tradição 'voz de Deus'. O filme de entrevistas buscou resolver as limitações de grande parte do cinema direto ( )" (NICHOLS, 2005, p.64). possíveis enquanto mediadores, é que as vozes do cinema documentário foram pensadas para o documentário Michaud: entre os crocodilos e as serpentes. A principal intenção deste documentário era mostrar o encontro da equipe de realização do documentário com as pessoas que são as herdeiras de um momento histórico tão particular como foi a colonização da então península de Superagui (após a abertura do Canal do Varador, a península tornou-se uma ilha). Sendo assim, a voz que foi utilizada como estilo principal do documentário foi a voz do Cinema Verdade, ou do documentário interativo, pois o vídeo documentário trabalha fundamentalmente com o deslocamento, as conversas e entrevistas e a condução da equipe. A forma como foi constituída a equipe, que viajou para fazer as captações de imagens e sons para o documentário, demonstra a intenção de trabalhar essencialmente como no Cinema Verdade. Os registros foram feitos em duas câmeras que eram dispostas de forma livre, em movimento, e permitindo que uma fizesse o registro da outra e ambas mostrassem a equipe. Da mesma forma, um fotógrafo still fez parte da equipe e registrou imagens estáticas que fazem parte do vídeo. Tais imagens demonstram em muitos momentos a atividade da equipe e enfatizam a intenção de marcar e abrir para o público o processo de realização do documentário. Frame do vídeo documentário Michaud: entre os crocodilos e as serpentes Essa é uma forma típica da evolução paradigmática, em busca da razão a partir de pressupostos que negam a razão de quem anteriormente procurou estabelecer seus princípios. Neste sentido, as teorias do cinema documentário enfrentam-se entre si e geram uma contraposição que Fernão Pessoa Ramos chamou de um "diálogo de surdos" (2000). As vozes dos documentários são as suas marcas características. Mais ainda, são o registro das posturas dos documentaristas, das suas intenções, das suas perspectivas teóricas e, principalmente, das suas proposições enquanto mediadores e a consequente responsabilidade ética dos condutores desse processo. Partindo desse princípio, das proposições Porém, a sequência inicial do vídeo tem características que remetem a duas vozes distintas. Por um lado, mostra a equipe se reunindo para a viagem que resultaria no vídeo documentário, características típica da voz do documentário interativo, ou Cinema Verdade. Por outro lado, exibe textos explicativos sobre a vida de William Michaud, o que caracteriza um procedimento do Documentário Clássico ou Documentário Expositivo É possível notar também pequenos trechos do vídeo, especificamente de fotografias estáticas, em que aparecem marcas do documentário de observação, ou do Cinema Direto, através do registro cotidiano da vida dos morado- 16

17 FICHA TÉCNICA DO VÍDEO res de Superagui; mas essas são menos numerosas e representativas. Posso então concluir que o vídeo Michaud: entre os crocodilos e as serpentes é um documentário de múltiplas vozes, como são muitos outros documentários. Mas, mais do que isso, que a definição dessas vozes reflete o caminho ético proposto pelos realizadores no sentido de expor os processos de realização, marcar a característica de mediação e criar um discurso aberto e não absoluto. Esses são pressupostos típicos do Cinema Verdade e que foram entrecortados em alguns poucos momentos pelos pressupostos do Documentário Clássico e do Cinema Direto. (Comente este artigo em Roteiro Direção Pesquisa e Assistência de Direção Direção de Fotografia Assistência de Câmera e Microfonista Fotografias Câmera Adicional Produção Assistência de Produção Edição Assistência de Edição Trilha Sonora Adriano Justino e Eduardo Baggio Eduardo Baggio Adriano Justino Vinícius Sguarezi e Osvaldo Santos Lima Ricardo Brown de Oliveira Osvaldo Santos Lima Adriano Justino Diana Moro Cleiton Saviski Eduardo Baggio Heloísa Todeschini Paisagem Progressiva #1 Frames do vídeo documentário Michaud: entre os crocodilos e as serpentes 17

18 Eduardo Baggio é graduado em Jornalismo pela UFPR, especialista em Comunicação Audiovisual pela PUCPR e mestre em Comunicação e Linguagens pela UTP. Trabalhou em televisões, rádios, agências de publicidade e produtoras de cinema. Teve seus vídeos e filmes independentes exibidos em festivais nacionais e internacionais, com mais de 10 prêmios no Brasil e no exterior. É professor de cinema. NOTAS 1 John Grierson foi diretor e produtor de documentários. Líder da Escola Inglesa de documentários, desenvolveu, junto com seus colegas, uma forma descritiva e didática de compor seus filmes. 2 Escola de documentários norteamericana que teve muito impacto por sua observação distanciada da realidade. Os principais diretores foram Robert Drew, Albert e David Maysles, Richard Leacock, D.A. Pennebaker e Frederick Wiseman. O Colégio Medianeira dispõe de uma cópia do documentário discutido neste artigo (Michaud - entre crocodilos e serpentes) e pode ser emprestado à sua comunidade de alunos, pais e educadores. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS NICHOLS, Bill. A Voz do Documentário. In: RAMOS, Fernão Pessoa. (org). Teoria Contemporânea do Cinema (Volume II). São Paulo : Editora Senac, p PENAFRIA, Manuela. O Filme Documentário: história, identidade, tecnologia. Lisboa : Edições Cosmos, O plano-sequência é a utopia - O paradigma do filme-zapruder. In: Congresso de Pós-Graduação em Comunicação, RAMOS, Fernão Pessoa. O que é documentário? In: Estudos de Cinema SOCI- NE. Editora Sulina e FAMECOS, Cinema Verdade no Brasil. In: TEIXEIRA, Francisco Elinaldo. (org). Documentário no Brasil: tradição e transformação. São Paulo : Summus, p DOCUMENTÁRIO NO BRASIL FRANCISCO ELINALDO TEIXEIRA (organizador) Editora Summus Uma coletânea exclusivamente voltada para um domínio importante na cultura audiovisual contemporânea: o campo do documentário cinematográfico. Trata-se da primeira iniciativa deste gênero no Brasil. Embora com uma vasta e rica cinematografia documentária, nossa cultura carece inteiramente de obras de referência para os estudiosos do assunto e o público em geral. O livro reúne textos de doze especialistas no tema, de São Paulo e do Rio de Janeiro, recobrindo cerca de oitenta anos de nossa produção documental. 18

19 Sainte-Chapelle, Paris Tecnologia e escola: INTE(G)RAÇÕES Por Nilton Cezar Tridapalli O avanço tecnológico no campo das comunicações torna indispensável e urgente que a escola integre esta nova linguagem audiovisual - que é a linguagem dos alunos - sob pena de perder o contato com as novas gerações (Maria Luiza Belloni) 19

20 A foto do vitral da página anterior é da belíssima Sainte-Chapelle, localizada em Paris e construída no século XIII, por Luís IX - depois, São Luís. Trata-se de uma capela de dois andares. Isso mesmo; existe uma capela sobre a outra e ao conjunto se deu o nome de Sainte-Chapelle, que, numa tradução literal, é Santa Capela. Esse é apenas um exemplo dos inúmeros vitrais espalhados pelo mundo e pelo tempo, e que tiveram seu apogeu na Europa e durante a Idade Média. Fascinante. Visitar um lugar desses mais de sete séculos depois de edificado é um maravilhamento para os olhos. E, se os olhos forem mesmo a janela da alma... Essa louca mistura entre arte e religiosidade, entretanto, não se dava apenas por motivos estéticos. Os vitrais tiveram, na maioria dos casos, uma função na sociedade para a qual foram idealizados e construídos. Não havia, como hoje há, a noção de que a arte deveria ser livre de funções pedagógicas. Com um forte controle da Igreja, os vitrais serviram para fins didáticos e tinham - de forma mais ou menos convencional - uma estrutura narrativa, geralmente a serviço de histórias bíblicas. Sim, as Bíblias existiam, mas quem as poderia ler? Uma multidão de analfabetos constituía a grande parte dos povos medievais. Com pregações em latim e com a palavra inacessível, qual seria um meio eficaz de levar a público o que a Igreja julgava interessante para o espírito dos pobres pecadores? Mais do que capricho, mais do que a utilização em si dos murais, eles contribuíram, com sua função pedagógica, para a educação religiosa de uma população sem acesso à linguagem escrita por parte de quem controlava os conteúdos julgados apropriados. As edificações góticas, com suas torres apontadas virtualmente para o infinito, bem como as igrejas barrocas e seus virtuosismos rebuscados e tamanhos descomunais, fazem do homem um ser apequenado perante a grandeza e beleza de algo infinitamente maior do que ele. Pergunta: faz sentido querer saber se, ao entrarmos em uma dessas igrejas, o que nos arrebata é a forma ou o conteúdo delas? Os conteúdos, com suas narrativas bíblicas ou suas torres pontiagudas ou seus anjos rebuscados, são a sua própria forma. E funcionam como meios de fazer algo chegar até alguém; se, de um lado, como no exemplo, vemos a Igreja querendo dizer algo a alguém, ela se utiliza de meios - com forma e conteúdo em um pacote único e indissociável - para chegar a esse alguém. Utiliza-se, portanto, de recursos mediatos, e não imediatos, já que há algo - no nosso caso, vitrais e edificações - servindo de interface que traduz o interesse de um grupo para outro grupo. Se interface é, segundo o Dicionário de Comunicação de Barbosa & Rabaça, a "união física e geralmente também lógica entre dois sistemas que não poderiam ser conectados diretamente", esses me parecem bons exemplos do que queremos dizer. A história das religiões é um prato cheio de exemplos para mostrar aquilo que Marshall McLuhan, em parceria com Quentin Fiore, vai falar em 1967, na obra The medium is the message. É claro, porém, que o espectador é mais do que espectador, já que ele não apenas recebe (à tabula rasa) a intenção do meio. Ele interage com ela e lhe empresta significados. Porque se a linguagem funcionasse linearmente, e em sentido único, todos entenderiam a suposta Mensagem da mesma forma. E ninguém teria morrido na fogueira ou carnavalizado os dogmas eclesiásticos... A seguir por esse raciocínio, chegamos à conclusão de que mídia é algo que conjuga forma e conteúdo e que remonta aos tempos de antanho na História da humanidade. Poder-se-ia dizer até aos tempos da Pré-História, já que mídia é qualquer interface que se interponha entre duas ou mais instâncias da comunicação, com o objetivo, em tese, de facilitar o contato que seria difícil de acontecer de forma imediata. O mediato pode, em muitos casos, ser um facilitador de contatos na impossibilidade ou dificuldade de a comunicação se dar de forma imediata. Não podemos ter nosso articulista preferido do jornal diretamente na nossa casa o tempo todo. Mas queremos lê-lo. Para isso, existe uma mídia (ou o jornal impresso, ou o rádio, ou a TV, ou o jornal do site de notícias etc) que dá condições e facili- 20

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira Como criar um artigo em 1h ou menos Por Natanael Oliveira 1 Como escrever um artigo em 1h ou menos Primeira parte do Texto: Gancho Inicie o texto com perguntas ou promessas, algo que prenda atenção do

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE.

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. Resumo XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. OLIVEIRA, Vanessa Duarte de PUCPR vane_do@hotmail.com CARVALHO, João Eloir PUCPR j.eloir@uol.com.br Eixo Temático: Educação, arte e movimento Agência

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

Filme: O Lobisomem e o Coronel

Filme: O Lobisomem e o Coronel Filme: O Lobisomem e o Coronel Gênero: Animação Diretor: Elvis K. Figueiredo, Ítalo Cajueiro Ano: 2002 Duração: 10 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1518

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

Fazendo cinema na escola

Fazendo cinema na escola Fazendo cinema na escola Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Alex Moletta FAZENDO CINEMA NA ESCOLA Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Copyright 2014 by Alex Moletta Direitos desta

Leia mais

Introdução à Arte da Ciência da Computação

Introdução à Arte da Ciência da Computação 1 NOME DA AULA Introdução à Arte da Ciência da Computação Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 15 minutos Principal objetivo: deixar claro para os alunos o que é a ciência da computação e

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Engenharia e Meio Ambiente

Engenharia e Meio Ambiente Engenharia e Meio Ambiente 1. ECOLOGIA 2. MEIO AMBIENTE 3. HABITAT E NICHO ECOLÓGICO 4. POTENCIAL BIÓTICO 5. RESISTÊNCIA AMBIENTAL 6. PEGADA ECOLÓGICA O QUE É ECOLOGIA? 1. Ciência que estuda as relações

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Elaine Aparecida Ramos elaineramos89@gmail.com Taison Luiz de Paula Braghiroli taisonbrag@gmail.com Resumo:

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica.

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica. PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA SISTEMA CANTAREIRA DATA DE APLICAÇÃO 09 a 13/03/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Cristiane e Felipe 1. SUGESTÕES DE PONTOS QUE PODEM SER ABORDADOS 1.1. A importância da água 1.2.

Leia mais

Projeto Água Nossa de Cada Dia

Projeto Água Nossa de Cada Dia Projeto Água Nossa de Cada Dia http://pixabay.com/pt/gota-%c3%a1gua-macro-628142/ Público alvo: O projeto é destinado a todos os alunos da escola, devendo ser estendido também aos pais e comunidade escolar.

Leia mais

Um ensino forte e bilíngue é o passaporte do seu filho para um mundo de oportunidades. É por isso que propomos uma cultura internacional, com

Um ensino forte e bilíngue é o passaporte do seu filho para um mundo de oportunidades. É por isso que propomos uma cultura internacional, com Um ensino forte e bilíngue é o passaporte do seu filho para um mundo de oportunidades. É por isso que propomos uma cultura internacional, com disciplinas ministradas em português e inglês, e uma metodologia

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

Pesquisas e seminários Como fazer?

Pesquisas e seminários Como fazer? +++ + COLÉGIO DOS SANTOS ANJOS Avenida Iraí, 1330 - Planalto Paulista - Telefax: 5055.0744 04082-003 - São Paulo - e-mail: colsantosanjos@colegiosantosanjos.g12.br Site: www.colegiosantosanjos.g12.br Q

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Um projeto tem como objetivo transformar idéias e aspirações em ações concretas que possam aproveitar oportunidades, solucionar problemas, atender a necessidades

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO 190 RELATÓRIO FINAL BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO Uma das características mais marcantes da chamada sociedade da informação é o extraordinário desenvolvimento

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

Você já deve ter lido varias vezes sobre, Gatilhos Mentais, pois bem, hoje vamos falar sobre isso...

Você já deve ter lido varias vezes sobre, Gatilhos Mentais, pois bem, hoje vamos falar sobre isso... Olá, tudo bem?! Nesse Mini E-book eu vou lhe passar a 1º Sacada da semana, pretendo toda semana compartilhar informações com você, pois sei bem o que é ficar na internet buscando informações e nunca encontrar

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO 3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO Fazer vídeos hoje em dia já não é o bicho de 7 cabeças que realmente foi a pouco tempo atrás. Nesse e-book você vai começar a aprender

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR Introdução: Aqui nesse pequeno e-book nós vamos relacionar cinco super dicas que vão deixar você bem mais perto de realizar o seu sonho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Poluição do rio Tietê

Poluição do rio Tietê Poluição do rio Tietê Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Terra e Universo Tema Água e vida; uso dos recursos naturais / a ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental / desenvolvimento

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

Aula 10 COMO CONSTRUIR UM BLOG. Patrícia Soares de Lima. META Aprender a construir e utilizar um Blog.

Aula 10 COMO CONSTRUIR UM BLOG. Patrícia Soares de Lima. META Aprender a construir e utilizar um Blog. Aula 10 COMO CONSTRUIR UM BLOG META Aprender a construir e utilizar um Blog. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através desse tipo de ferramenta, criar um ambiente de socialização de materiais

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

Filme: Ilha das Flores

Filme: Ilha das Flores Filme: Ilha das Flores Gênero: Documentário, Experimental Diretor: Jorge Furtado Elenco: Ciça Reckziegel Ano: 1989 Duração: 13 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=647

Leia mais

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Aula: A água em números Alexandre Resende Tofeti Brasília - DF 23 de Agosto de 2013 CFI Dados sobre a Água no Mundo e na América do Sul Reservas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de início da operação com etanol da Usina Termelétrica Juiz de Fora

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de início da operação com etanol da Usina Termelétrica Juiz de Fora , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de início da operação com etanol da Usina Termelétrica Juiz de Fora Juiz de Fora - MG, 19 de janeiro de 2010 Bem, primeiro, meus companheiros, eu vou passar por

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA ELAINE CRISTINA TOMAZ SILVA (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA). Resumo A Oficina Palavra Mágica de Leitura e Escrita, desenvolvida pela Fundação Palavra Mágica, é um

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

Filmes com muitas vontades

Filmes com muitas vontades Filmes com muitas vontades Clarisse Alvarenga Desde a década de 1970, vêm sendo empreendidas algumas tentativas ainda autorais e incipientes, partindo de cineastas brasileiros, como Andrea Tonacci e Aluysio

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

FAZENDO TEATRO NA ESCOLA

FAZENDO TEATRO NA ESCOLA Ministério da Cultura e Grupo EcoRodovias apresentam: FAZENDO TEATRO NA ESCOLA Índice Jogos teatrais, criação e dramaturgia...4 Jogos teatrais como ferramenta lúdica e pedagógica...6 Direção de elenco...7

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA Maria Inês Franco Motti Sonia Maria José Bombardi Fundacentro Fundação Jorge Duprat de Segurança e Medicina do Trabalho O mundo

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

EMPREENDEDORISMO 2013

EMPREENDEDORISMO 2013 COLÉGIO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone 2942-1499 Tatuapé ORIENTAÇÕES AO PROJETO DE EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO 2013 APRESENTAÇÃO Empreendedorismo é o estudo

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA Getúlio Góis de Araújo getulio_araujo @nacionalnet.com.br Colégio Nacional Ensino Fundamental II Relato de Experiência

Leia mais

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Competência pedagógica do professor universitário Copyright 2003, 2012 by Marcos Tarciso Masetto Direitos desta edição reservados

Leia mais

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil Richard Uchôa C. Vasconcelos CEO LEO Brasil O tema hoje é engajamento, vamos falar de dez maneiras de engajar o público em treinamentos a distância. Como vocês podem ver, toda a minha apresentação está

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 Resumo: Delane Santos de Macedo 2 Universidade Federal do Recôncavo da Bahia delayne_ba@hotmail.coml Gilson Bispo de Jesus

Leia mais

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA SANTOS, Jéssica Paula. UFG/REGIONAL/CATALÃO jessica-g-ts@hotmail.com SANTOS, Marina da Silva. UFG/REGIONAL/CATALÃO marinaavlis@hotmail.com Orientador: Dr.ª

Leia mais

GUIA DO ALUNO EAD EAD DO GUIA ALUNO

GUIA DO ALUNO EAD EAD DO GUIA ALUNO GUIA DO ALUNO EAD GUIA DO ALUNO EAD Guia do Aluno Seja bem-vindo(a) às disciplinas EAD! Agora que você já está matriculado na disciplina online, chegou o momento de ficar por dentro de informações muito

Leia mais

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Autor: Regis Mesquita Blog Nascer Várias Vezes - http://www.nascervariasvezes.com/ "Não ser autêntico é uma forma de evitar aquilo

Leia mais

Atividades. Caro professor, cara professora,

Atividades. Caro professor, cara professora, Atividades Caro professor, cara professora, Apresentamos mais uma nova proposta de atividade sobre alguns dos temas abordados pelo programa Escravo, nem pensar!, da ONG Repórter Brasil*. Ela inaugura a

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são:

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são: PROVA DE CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1 Segundo Piaget toda criança passa por estágios do desenvolvimento. Assinale a alternativa que indica a qual estágio corresponde a idade em que o pensamento da criança

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais