SISCOSERV. Workshop. Diretoria & Auditoria CLM Controller

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISCOSERV. Workshop. Diretoria & Auditoria CLM Controller"

Transcrição

1 SISCOSERV Workshop Diretoria & Auditoria CLM Controller

2 É o Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que produzem Variações no Patrimônio das Entidades. Esse sistema funcionará, mutatis mutandis, nos mesmos moldes do SISCOMEX. Esse nome foi necessário porque no Brasil, por motivos legais, os serviços se distinguem dos intangíveis e das outras operações que produzem variações no patrimônio das entidades. Assim, por exemplo, são típicos: a) Serviços: a.1) serviços jurídicos, de contabilidade e de auditoria; a.2) serviços de engenharia e; a.3) serviços de despachantes aduaneiros; b) Intangíveis: b.1) licenciamento de patentes e de marcas; b.2) exploração de direitos sobre cultivares; e b.3) licenciamento de direitos do autor; c) Outras operações que produzam Variações no Patrimônio: c.1) fornecimento de refeições; c.2) arrendamento mercantil operacional; e c.3) cessão de direitos sobre topografia de circuitos integrados.

3 Situações Excepcionais: 1) Às Pessoas Jurídicas que, na última declaração, tenham utilizado mais de uma forma de apuração do lucro, ou tenham realizado algum evento de reorganização societária, será aplicada a multa da alínea b do quadro acima. 2) A multa prevista no item 1 acima será reduzida à metade, quando a declaração, demonstrativo ou escrituração digital for apresentado após o prazo, mas antes de qualquer procedimento de ofício. 3) Se a pessoa jurídica for optante pelo Simples Nacional, os valores e o percentual referidos nos itens 2 e 3 acima serão reduzidos em 70% (setenta por cento). Diante do exposto, cabe ressaltar que, em relação à antiga regra, a multa por atraso (item 1) foi reduzida (de R$ 5.000,00 para R$ 1.500,00 ou R$ 500,00) e a multa por informação inexata, incompleta ou omitida teve seu percentual reduzido de forma expressiva, passando de 5% do valor das transações comerciais ou das operações financeiras, próprias da pessoa jurídica, ou de terceiros aos quais seja responsável tributário, para 0,2% do faturamento do mês anterior ao da entrega da declaração, mantido o piso (R$ 100,00). Fonte: FIRJAN

4 Lei nº , de Lei que instituiu a obrigação de prestar informações ao MDIC; Decreto nº 7.708, de Decreto que instituiu a Nomenclatura Brasileira de Serviços e as Notas Explicativas; Portaria Conjunta RFB/SCS nº 1908, de Institui o Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que produzam Variações no Patrimônio (SISCOSERV); Portaria Conjunta RFB/SCS nº 1.965, de Aprova os Manuais Informatizados dos Módulos Venda e Aquisição do Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que produzam Variações no Patrimônio (SISCOSERV); Portaria MDIC nº 261, de Altera os prazos para transmissão dos registros e valores mínimos para registro das operações relativas às Pessoas Físicas; Observação: toda a base legal que instituiu a obrigação do SISCOSERV encontra-se no site do MDIC:

5 Poder Legislativo aprovou, em 27 de dezembro de 2012, a Lei nº , que, em seu artigo 8º, determina a revisão dos valores das multas estabelecidas no artigo 57 da Medida Provisória nº , de 24 de agosto de As multas referem-se aos casos de descumprimento das disposições previstas no SISCOSERV. O sujeito passivo que não apresentar, dentro dos prazos fixados, declaração, demonstrativo ou escrituração digital exigidos, ou que os fizer com incorreções ou omissões, será intimado a apresentá-los ou a prestar esclarecimentos à Secretaria da Receita Federal do Brasil, ficando, ainda, sujeito ao pagamento de multas. As principais alterações estão sintetizadas no quadro a seguir:

6 Infração Situação da Nova Lei Situação da Antiga Lei 1- Por Atraso¹ ²: a) Pessoas jurídicas que na última declaração tenham apurado lucro presumido. Multa de R$ 500,00 por mês/calendário ou fração. b) Pessoas jurídicas que na última declaração tenham apurado lucro real ou que tenham optado pelo autoarbitramento. Multa de R$ 1.500,00 por mês/calendário ou fração. Multa de R$ 5.000,00 por mês-calendário ou fração. Por não atendimento à intimação da Receita Federal³ 3- Por Informação Inexata³: Multa de R$ 1.000,00 por mês-calendário. Multa de 0,2% sobre o faturamento do mês anterior ao da entrega da declaração. Valor mínimo da multa: R$ 100,00. Multa de 5% do valor das transações comerciais ou das operações financeiras, próprias da Pessoa Jurídica, ou de terceiros aos quais seja responsável tributário. Valor mínimo da multa: R$ 100,00.

7 Qual é o público alvo do SISCOSERV? O público alvo do Sistema são as pessoas físicas, jurídicas e entes despersonalizados domiciliados no país, que realizam operações de comercialização de serviços, intangíveis e outras operações que produzam variações no patrimônio das pessoas físicas, das pessoas jurídicas ou dos entes despersonalizados, com residentes ou domiciliados no exterior, dentre as quais as operações de exportação e importação de serviços. Quem está dispensado de realizar o Registro? a) As Pessoas Jurídicas optantes pelo Simples, nas operações que não tenham utilizado mecanismos públicos de apoio ao comércio exterior de serviços, de intangíveis e demais operações; e b) Pessoas Físicas residentes do País que, em nome individual não explorem, habitual e profissionalmente, qualquer atividade econômica de natureza civil ou comercial, com fim especulativo de lucro, mediante venda a terceiro de bens ou serviços, desde que não realizem operações em valor superior a USD ,00 no mês.

8 Nos precisos termos do Art. 26, da Lei nº , de 14 de Dezembro de 2011: i. Pessoas Jurídicas optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Simples Nacional e os Microempreendedores Individuais nº 123, de ; ii. Pessoas Físicas residentes no País que, em nome individual, não explorem, habitual e profissionalmente, qualquer atividade econômica de natureza civil ou comercial com o fim especulativo de lucro, desde que não realizem operações em valor superior a USD ,00 ou o equivalente em outra moeda, no mês. A obrigação de registro não se estende às transações envolvendo serviços e intangíveis incorporados aos bens e mercadorias importados, registrados no Sistema Integrado de Comércio Exterior SISCOMEX. Os serviços de frete, seguro e de agentes externos, bem como demais serviços relacionados às operações de comércio exterior de bens e mercadorias, serão objeto de registro no SISCOSERV, por não serem incorporados aos bens e mercadorias.

9 O que é a NBS? A Nomenclatura Brasileira de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que produzam Variação no Patrimônio (NBS), é um classificador de 09 dígitos, para serviços em geral, com estrutura semelhante a da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM). Os dados inseridos nesse ambiente serão amplamente monitorados pela RFB. 1º Dígito Diferencial 2º e 3º Dígitos Capítulo NBS 4º e 5º Dígitos Posição NBS 6º e 7º Dígitos Subposição 8º Dígito Item 9º Dígito Subitem

10

11 1º de agosto de 2012: Capítulo 1 Serviços de construção; Capítulo 7 Serviços postais; serviços de coleta, remessa ou entrega de documentos (exceto cartas) ou de pequenos objetos; serviços de remessas expressas; Capítulo 20 Serviços de manutenção, reparação e instalação (exceto construção). 1º de outubro de 2012: Capítulo 3 Fornecimento de alimentação e bebidas e serviços de hospedagem; Capítulo 13 Serviços jurídicos e contábeis; Capítulo 14 Outros serviços profissionais; Capítulo 21 Serviços de publicação, impressão e reprodução; Capítulo 26 Serviços pessoais. 1º de dezembro de 2012: Capítulo 2 Serviços de distribuição de mercadorias; serviços de despachante aduaneiro; Capítulo 10 Serviços imobiliários; Capítulo 18 Serviços de apoio às atividades empresariais. 1º de fevereiro de 2013: Capítulo 9 Serviços financeiros e relacionados; securitização de recebíveis e fomento comercial; Capítulo 15 Serviços de tecnologia da informação.

12 1º de abril de 2013: Capítulo 4 Serviços de transporte de passageiros; Capítulo 5 Serviços de transporte de cargas; Capítulo 6 Serviços de apoio aos transportes. 1º de julho de 2013: Capítulo 11 Arrendamento mercantil operacional, propriedade intelectual, franquias empresariais e exploração de outros direitos; Capítulo 12 Serviços de pesquisa e desenvolvimento; Capítulo 25 Serviços recreativos, culturais e desportivos; Capítulo 27 Cessão de direitos de propriedade intelectual. 1º de outubro de 2013: Capítulo 8 Serviços de transmissão e distribuição de eletricidade; serviços de distribuição de gás e água; Capítulo 17 Serviços de telecomunicação, difusão e fornecimento de informações; Capítulo 19 Serviços de apoio às atividades agropecuárias, silvicultura, pesca, aquicultura, extração mineral, eletricidade, gás e água; Capítulo 22 Serviços educacionais; Capítulo 23 Serviços relacionados à saúde humana e de assistência social; Capítulo 24 Serviços de tratamento, eliminação e coleta de resíduos sólidos, saneamento, remediação e serviços ambientais.

13 Quanto à prestação de serviços: a. Comércio transfronteiriço Modo de Prestação 1: serviços prestados por uma empresa em um país a um consumidor (qualquer pessoa física ou jurídica que receba ou utilize os serviços). Exemplos: serviços de telecomunicações, transporte transfronteiriço ou de corretagem de ações feitas por corretor localizado em outro país, serviço vendido na internet, serviços de projeto e desenvolvimento de páginas eletrônicas; b. Consumo Modo de Prestação 2: serviços prestados com o movimento do consumidor através da fronteira, tais como: turismo, educação, serviços médicos, capacitação no Brasil de funcionários de PJ no exterior; c. Presença Comercial Modo de Prestação 3: serviços prestados por uma PJ a uma outra PJ considerando a relação entre filiais, sucursais, controladas. (em vigor somente em 2014); d. Movimento temporário de profissionais Modo de Prestação 4: o prestador de serviços vai até o território consumidor do mesmo e lá presta o serviço. Exemplos: consultores, jogadores de futebol e outros desportistas, músicos, empreiteiros, advogados, etc.

14 A que se referem os Módulos Venda e Aquisição do SISCOSERV? No Módulo Venda serão registradas as operações de venda de serviços, intangíveis e outras operações que produzam variações no patrimônio, por residentes ou domiciliados no País à residentes ou domiciliados no exterior (lembrando que esses serviços devem guardar relação com o CNAE). A presença comercial no exterior está inserida nesse módulo. Registros: Registro de Venda e Registro de Faturamento (decorrentes de RVS prévio). No Módulo Aquisição serão registradas as operações de aquisição de serviços, intangíveis e outras operações que produzam variações no patrimônio, adquiridos por residentes ou domiciliados no País de residentes ou domiciliados no exterior. Registros: Registro de Aquisição e Registro de Pagamento (RAS prévio).

15 Quais são os módulos e submódulos de VENDA e de AQUISIÇÃO? O SISCOSERV contém dois módulos: Venda e Aquisição de serviços, intangíveis e outras operações que produzam variações no patrimônio. O Módulo Venda do SISCOSERV está subdividido em três submódulos: a. Submódulo Comercial: há o registro de venda do serviço (RVS = Registro de Venda de Serviço) para inclusão de dados referentes a serviços, intangíveis ou outras operações que produzam variação no patrimônio, prestados à residente ou domiciliado no exterior; b. Submódulo Faturamento: há o registro de faturamento (RF = Registro de Faturamento) para inclusão de dados referentes ao faturamento decorrente de venda de objeto prévio no RVS; c. Submódulo Presença Comercial (presente somente no Módulo de VENDA): há o registro de presença comercial (RPC = Registro de Presença Comercial) para inclusão de dados referentes às operações realizadas por meio de Presença Comercial no Exterior, descrita na alínea d do Art. XXVIII do GATS (Acordo Geral sobre Comercial de Serviços), aprovado pelo Decreto nº de 1994.

16 Módulo de Venda Prestador de Serviços Módulo de Aquisição Tomador de Serviços PF ou PJ, residente ou domiciliada no Brasil, que adquire o intangível, inclusive os direitos de propriedade intelectual, por meio de cessão, concessão, licenciamento ou por quaisquer outros meios admitidos em direito; PF ou PJ ou o responsável legal do ente despersonalizado, residente ou domiciliado no Brasil, que realize outras operações que produzam variação no patrimônio; Os órgãos da Administração Pública, direta e indireta, da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal.

17 Características do Registro de Serviços: Independe da contratação do câmbio, do meio do pagamento (ainda que os valores sejam mantidos no exterior) ou da exigência de um contrato formal; Deverão ser registradas as operações de venda e de aquisição de serviços, intangíveis e demais operações, iniciadas e não concluídas antes das datas do Anexo Único da Portaria 1.908/12. Para essas operações, deverá ser registrada como data aquela indicada no retrocitado Anexo Único, por capítulo NBS, e como valor da operação, o saldo remanescente a faturar; As operações iniciadas e concluídas antes das datas constantes do Anexo Único retrocitado não deverão ser registradas, independentemente de terem sido ou não faturadas; Não há possibilidade de registro das operações antes que as mesmas sejam iniciadas; Observação: A responsabilidade do registro no Módulo Venda é do residente ou domiciliado no País que mantenha relação contratual com residente ou domiciliado no exterior para prestação de serviços, transferência de intangível ou realização de outra operação, ainda que essa transação preveja a subcontratação de residente ou domiciliado no País ou de sua filial, sucursal ou controlado no exterior.

18 Características do Registro de Venda de Serviços: Cada RVS ou RAS destina-se a apenas um contrato de prestação de serviço, de transferência de intangível e/ou de realização de operações que produzam variação no patrimônio. Cada contrato poderá conter uma ou mais operações em mesmo RVS, desde que todas as operações sejam cursadas com o mesmo adquirente; Caso o contrato envolva mais de um adquirente, deverá ser registrado um RVS ou RAS por adquirente. Por exemplo, quando um contrato for assinado com uma empresa matriz e suas filiais em países diferentes (diversos adquirentes) e o faturamento for efetuado por empresa, e não apenas para a matriz, deverão ser registrados tantos RVS ou RAS quantos sejam os adquirentes ou tomadores; O aditivo poderá ser feito quando houver nova operação, nos termos do contrato; O valor pode ser retificado para zero; PRAZO PARA RVS ou RAS: Até , o prazo será o último dia útil do 6º mês subsequente ao da data de início da prestação de serviços; e De 1º a , o prazo será o último dia útil do 3º mês subsequente ao da data de início da prestação de serviços.

19 Registro de Faturamento Dados necessários: data de emissão e o número da Nota Fiscal ou documento equivalente, o valor faturado (valor parcial ou total do contrato, na moeda constante do RVS), valor a ser mantido no exterior etc; Como a Nota Fiscal pode ser emitida em relação a mais de um negócio, ou seja, a mais de um RVS, deverá ser feito um RF para cada RVS, ainda que seja informado o mesmo número de nota fiscal. Prazo para o Registro de Faturamento Existem 2 prazos, dependendo da data de emissão da Nota Fiscal ou documento equivalente: 1. Quando a Nota Fiscal ou documento equivalente forem emitidos após o início da prestação de serviços, da comercialização de intangível ou da realização da operação que produza variação no patrimônio, o usuário deverá efetuar o RF até o último dia útil do mês subsequente ao da emissão da Nota Fiscal (ou documento equivalente); 2. Quanto a Nota Fiscal ou documento equivalente forem emitidos antes do início da prestação de serviço, da comercialização de intangível ou da realização da operação que produza variação no patrimônio, o usuário deverá efetuar o RF até o último dia útil do mês subsequente ao da inclusão do RVS. Cancelamento do Registro de Faturamento Cancelamento da Nota Fiscal de Serviço ou documento equivalente; Erro no preenchimento dos campos Código NBS ou Moeda.

20 Documento de Suporte Com a flexibilização das regras do Banco Central do Brasil para o fechamento de câmbio, houve no mercado a supressão de etapas importantes para o enquadramento das operações. A não exigência de contrato entre as partes e, consequentemente, a não exigência da anuência prévia do BACEN para que o fechamento de câmbio se concretizasse fez com que as empresas abrissem mão da elaboração de contratos que visam não somente a fundamentar economicamente as operações, mas também à proteção da relação negocial. Para que possamos atribuir corretamente a natureza do câmbio e, dessa forma, determinar quais tributos estarão envolvidos na operação, é indispensável que tenhamos em mãos o máximo de informações possíveis. Existem, ainda, operações relacionadas com intangíveis, como pagamento pela cessão de uso de licença de software (aquisição de software), que são extremamente controversas e, como tais, só podem ter suas nuances devidamente esclarecidas se tivermos em mãos documentos capazes de motivar-nos à atribuição da natureza do câmbio, determinação dos tributos corretos, classificação junto à NBS, dentre outras providências.

21 Mudanças no RMCCI Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais De acordo com a Circular nº 3.626, de , a partir de 1º o Capítulo 8 será revogado e substituído pelo 8-A, que ampliará a abrangência dos serviços contemplados pelo referido dispositivo. As mudanças estão especificamente nos códigos da seção 2, subseções 2 a 10 e 18. O objetivo é padronizar o entendimento sobre as situações cobertas pelos códigos, de forma a facilitar a classificação e melhorar a confiabilidade das informações prestadas, sobretudo no tocante à eventual possibilidade de cruzamento de dados. As explicações contidas não são exaustivas e não substituem, sob nenhuma hipótese, os comandos do RMCCI ou de outras normas sobre o assunto. Da mesma forma, a existência de um código de classificação não representa, por si só, a regularidade de determinada operação, devendo sempre ser observada a legalidade da transação, tendo como base a fundamentação econômica e as responsabilidades definidas na respectiva documentação.

22 Principais Naturezas que sofrerão alterações: a. Natureza: Serviços Diversos Outros Atualmente utilizada para o fechamento de câmbio destinado ao pagamento/recebimento de despesas (reembolso de despesas). Não mais existirá, sendo certo, a fundamentação econômica de cada operação deverá ser levada em consideração, o que, por via de consequência, culminará em uma mudança na tributação, desdobramento lógico, também, a atribuição da NBS. Hoje temos diversas naturezas fechadas dentro desse código, tais como: Salários; Software adquirido por companhias estrangeiras e cobrado dentro dessa rubrica de suas filiais; Alimentação, hospedagem, propagandas, entre outras.

23 b. Natureza: Direitos Autorais sobre Programas de Computador Sofrerá alterações substanciais e terá, para cada caso, codificações diferenciadas, tais como: Direitos autorais 47551: Licença para cópia e distribuição de programas de computador Pagamento ou recebimento por licença para cópia e distribuição de programa de computador : Licença para cópia e distribuição outros Pagamento ou recebimento por licença para cópia e distribuição de outras obras sujeitas a direitos autorais. Inclui, entre outros: Licença para cópia e distribuição de livros, imagens, filmes, músicas, programas de rádio e televisão; licença para transmissão de eventos esportivos.

24 b. Natureza: Direitos Autorais sobre Programas de Computador (continuação) 47575: Cessão ou uso de programas de computador Pagamento ou recebimento por cessão, aquisição ou uso de programas de computador. A cessão ou a aquisição representa a transferência definitiva da propriedade do software, incluindo o direito de cópia e distribuição. O uso representa a utilização, por tempo limitado ou não, sem direito de reprodução ou distribuição. Inclui, entre outros: Software pronto para uso, não customizado e entregue digitalmente; renovação periódica de licença de uso de software.

25 b. Natureza: Direitos Autorais sobre Programas de Computador (continuação) 47582: Cessão ou uso outros Pagamento ou recebimento por cessão, aquisição ou uso de outras obras sujeitas a direitos autorais. A cessão ou a aquisição representa a transferência definitiva da propriedade intelectual da obra, incluindo o direito de reprodução e distribuição. O uso representa a utilização, por tempo limitado ou não, sem direito de reprodução ou distribuição.

26 b. Natureza: Direitos Autorais sobre Programas de Computador (continuação) 47025: Serviços de computação Pagamento ou recebimento por serviço relacionado a tecnologia da informação. Inclui, entre outros: Desenvolvimento, produção, documentação, venda ou licenciamento de software customizado; consultoria em hardware e software, incluindo a gestão terceirizada de serviços de computação; instalação, manutenção e reparo de sistema de software e hardware; serviço de armazenamento e processamento de dados; serviço de hospedagem de aplicação, inclusive web page; fornecimento de aplicação online. Não inclui: Software pronto para uso, não customizado e adquirido em meio físico (ver Comércio Exterior); software pronto para uso, não customizado e entregue digitalmente (ver Direitos Autorais); renovação periódica de licença de uso de software; curso e treinamento em tecnologia da informação não desenvolvido especificamente para a empresa; serviço de acesso a banco de dados.

27 c. Natureza: Pequenos Compromissos Atualmente, os valores que não ultrapassem o valor de USD 3.000,00 (ou outra moeda equivalente) são finalizados através dessa codificação. Todavia, cumpre-nos informar que tal conduta já não reflete a realidade exigida pelo Banco Central do Brasil que indica essa natureza para os casos nos quais não há outra fundamentação econômica e que não ultrapassem esse valor. Porém, a maior parte dos fechamentos ocorre levando-se em conta apenas e tão somente o valor dessas operações.

28 d. Construção 47300: No País Pagamento ou recebimento por serviço de construção executado no Brasil por empresa residente no exterior. Inclui, entre outros: Construção de edifício, estrada, represa, ponte; execução de etapa específica de obra de engenharia civil, como preparação do terreno, demolição, instalação de encanamento e pintura; arrendamento de equipamento de construção com operadores; reparo executado em edificação; montagem e instalação de máquina e de equipamento : No exterior Pagamento ou recebimento por serviço de construção executado no exterior por empresa brasileira. Inclui, entre outros: Construção de edifício, estrada, represa, ponte; execução de etapa específica de obra de engenharia civil, como preparação do terreno, demolição, instalação de encanamento e pintura; arrendamento de equipamento de construção com operadores; reparo executado em edificação; montagem e instalação de máquina e de equipamento.

29 Agradecemos a sua participação e colocamo-nos à disposição para quaisquer outros serviços relacionados à consultoria de classificação de serviços, treinamento para a operacionalização do SISCOSERV e assessoria na implementação consultiva de seu cliente final.

30 Contato Rua João Anes, 122 Alto da Lapa São Paulo SP Brasil CEP Tel.: Fax: Marcos Ribeiro

Prezado Cliente, 1. FINALIDADE DO SISCOSERV

Prezado Cliente, 1. FINALIDADE DO SISCOSERV Prezado Cliente, Tem o presente, a finalidade de informa-los e orienta-los quanto à nova obrigação criada pela Receita Federal do Brasil o SISCOSERV (Portaria Conjunta RFB/SCS nº 1.908, de 19.07.2012).

Leia mais

SISCOSERV. Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e de Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio

SISCOSERV. Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e de Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio SISCOSERV Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e de Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio Origem e Finalidade Temas a serem analisados: Obrigatoriedade e Dispensa

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS (SISCOSERV) Daniel de Oliveira Braga 08 de outubro de 2012

SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS (SISCOSERV) Daniel de Oliveira Braga 08 de outubro de 2012 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS (SISCOSERV) Daniel de Oliveira Braga 08 de outubro de 2012 SISCOSERV Base Legal Lei nº 12.546 de 14/12/2011, em seus artigos 25 a 27, institui a obrigação

Leia mais

SISCOSERV. Marcia Hashimoto

SISCOSERV. Marcia Hashimoto SISCOSERV Marcia Hashimoto Como detectar se sua empresa está enquadrada nesta obrigatoriedade? O que é Quem Onde Quando Como Porquê Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras

Leia mais

Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços - ENAServ. Dinâmica 1: Siscoserv e NBS Dúvidas e Propostas. São Paulo, 25 de junho de 2013

Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços - ENAServ. Dinâmica 1: Siscoserv e NBS Dúvidas e Propostas. São Paulo, 25 de junho de 2013 Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços - ENAServ Dinâmica 1: Siscoserv e NBS Dúvidas e Propostas São Paulo, 25 de junho de 2013 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS

Leia mais

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (SISCOSERV)

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (SISCOSERV) Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (SISCOSERV) Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior O Brasil

Leia mais

MARIA ILENE IMLAU WINTER Palestrante

MARIA ILENE IMLAU WINTER Palestrante MARIA ILENE IMLAU WINTER Palestrante 1. Definição 2. Obrigatoriedade 3. Dispensa 4. Forma de Apresentação 5. Prazo de Entrega 6. Módulos do Siscoserv 6.1. Módulo Venda 6.2. Módulo Aquisição 7. Penalidades

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZAM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO - SISCOSERV

SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZAM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO - SISCOSERV SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZAM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO - SISCOSERV (versão 2, em 29/10/2013) 1. O QUE É O SISCOSERV? O Sistema Integrado

Leia mais

5. Nomenclatura Brasileira de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (NBS)... 66. 6. Glossário...

5. Nomenclatura Brasileira de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (NBS)... 66. 6. Glossário... Sumário 1. Sobre o Siscoserv... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Base Legal do Siscoserv... 3 1.3 Módulos Venda e Aquisição do Siscoserv... 3 1.4 Registros no Módulo Venda... 4 1.5 Registros no Módulo Aquisição...

Leia mais

Como adequar a área fiscal e contábil aos aspectos do SISCOSERV.

Como adequar a área fiscal e contábil aos aspectos do SISCOSERV. Como adequar a área fiscal e contábil aos aspectos do SISCOSERV. Como adequar a área fiscal e contábil de sua empresa aos aspectos legais e operacionais do SISCOSERV. Para saber mais sobre o tema www.mdic.gov.br

Leia mais

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio SISCOSERV

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio SISCOSERV Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio SISCOSERV Origem Acordo de cooperação técnica firmado entre a Secretaria de Comércio

Leia mais

Empresas de Diversos Segmentos

Empresas de Diversos Segmentos Empresas de Diversos Segmentos Empresas da Cadeia Logística de Comércio Exterior Empresas Importadoras e Exportadoras Base legal: IN RFB Nº 1.277, de 28 de Junho de 2012 Lei nº 12.546, de 14 de Dezembro

Leia mais

Area : Fiscal Data: 11/08/2015 Autor : Sueli Sousa Revisor : Sueli Sousa

Area : Fiscal Data: 11/08/2015 Autor : Sueli Sousa Revisor : Sueli Sousa 2015-08/02 - Boletim Informativo SISCOSERV Area : Fiscal Data: 11/08/2015 Autor : Sueli Sousa Revisor : Sueli Sousa IRKO Organização Contábil Ltda. Rua Dom Jose de Barros, 177 2º andar São Paulo - Fone:

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS (SISCOSERV) O Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços (Siscoserv)

A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS (SISCOSERV) O Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços (Siscoserv) A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS (SISCOSERV) O Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços (Siscoserv) Com implantação realizada o primeiro dia de agosto do corrente

Leia mais

III Mesa de Debates ABEAD

III Mesa de Debates ABEAD III Mesa de Debates ABEAD SISCOSERV Principais aspectos e desafios Roberta Folgueral roberta@canaladuaneiro.com.br 11-3419-1737 Skype: r.folgueral Twitter: @folgueral SOBRE A INSTRUTORA Contato: roberta@canaladuaneiro.com.br

Leia mais

NEW SOFT INTELLIGENCE

NEW SOFT INTELLIGENCE NEW SOFT INTELLIGENCE Tecnologia e informação aplicadas ao comércio exterior Apresenta: S I S C O S E R V Apresentações 1 2 3 NSI New Soft Intelligence WTM do Brasil Apresentador 4 Dúvidas e Expectativas

Leia mais

WTM do Brasil. Facilitador. 4 Dúvidas e Expectativas

WTM do Brasil. Facilitador. 4 Dúvidas e Expectativas 1 2 3 WTM do Brasil Facilitador Participantes/Empresa/Função 4 Dúvidas e Expectativas É um novo sistema criado pela RFB e pelo MDIC no qual os contribuintes residentes no Brasil precisam informar todas

Leia mais

3. Procedimentos relativos ao registro no Módulo Aquisição... 10

3. Procedimentos relativos ao registro no Módulo Aquisição... 10 Sumário 1. Sobre o Siscoserv... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Base Legal do Siscoserv... 3 1.3 Módulos Venda e Aquisição do Siscoserv... 3 1.4 Registros no Módulo Venda... 3 1.5 Registros no Módulo Aquisição...

Leia mais

SISCOSERV LEGISLAÇÃO. Que operações deverão ser registradas no Siscoserv?

SISCOSERV LEGISLAÇÃO. Que operações deverão ser registradas no Siscoserv? SISCOSERV Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e outras Operações que produzam Variações ao Patrimônio. Coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, da Indústria e do Comércio

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SISCOSERV Agosto/2013

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SISCOSERV Agosto/2013 OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SISCOSERV Agosto/2013 O QUE É O SISCOSERV? O Siscoserv é um sistema informatizado, desenvolvido pelo Governo Federal como ferramenta para o aprimoramento das ações de estímulo,

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 39/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 39/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 39/2013 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA DECLARAÇÃO DE ESPÓLIO - CONSIDERAÇÕES GERAIS... Pág. 537 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA SISCOSERV

Leia mais

3. Procedimentos relativos ao registro no Módulo Venda... 13

3. Procedimentos relativos ao registro no Módulo Venda... 13 Sumário 1. Sobre o Siscoserv... 4 1.1 Introdução... 4 1.2 Base Legal do Siscoserv... 4 1.3 Módulos Venda e Aquisição do Siscoserv... 4 1.4 Registros no Módulo Venda... 4 1.5 Registros no Módulo Aquisição...

Leia mais

SISCOSERV MANUAL INFORMATIZADO MÓDULO VENDA

SISCOSERV MANUAL INFORMATIZADO MÓDULO VENDA SISCOSERV MANUAL INFORMATIZADO MÓDULO VENDA 3 Acesse o site: www.siscoserv.mdic.gov.br 3 Vá até Escolha um dos serviços disponíveis; 3 Em Sistemas, escolha a opção SISCOSERV - Módulo Venda; 3 Em seguida

Leia mais

3. Procedimentos relativos ao registro no Módulo Venda... 12

3. Procedimentos relativos ao registro no Módulo Venda... 12 Sumário 1. Sobre o Siscoserv... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Base Legal do Siscoserv... 3 1.3 Módulos Venda e Aquisição do Siscoserv... 3 1.4 Registros no Módulo Venda... 3 1.5 Registros no Módulo Aquisição...

Leia mais

O Canal Aduaneiro é uma empresa de consultoria, auditoria e treinamentos, nas áreas de comércio exterior, fiscal e tributária.

O Canal Aduaneiro é uma empresa de consultoria, auditoria e treinamentos, nas áreas de comércio exterior, fiscal e tributária. Quem somos O Canal Aduaneiro é uma empresa de consultoria, auditoria e treinamentos, nas áreas de comércio exterior, fiscal e tributária. Contando com profissionais de diversos segmentos (contadores, advogados,

Leia mais

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e de outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e de outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e de outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio Legislação PwC (DC0) Informação Pública Legislação Lei Federal nº 12.546/2011:

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Presidente: Claudio Avelino Mac-Knight Filippi Gestão: 2014-2015

Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Presidente: Claudio Avelino Mac-Knight Filippi Gestão: 2014-2015 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Presidente: Claudio Avelino Mac-Knight Filippi Gestão: 2014-2015 Resenha de Matérias Técnicas Nº. 856, de 10 12 2015 Matéria Especial: SISCOSERV:

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOSERV) SERVIÇOS (1), INTANGÍVEIS (2) E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZAM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO SISCOSERV

SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOSERV) SERVIÇOS (1), INTANGÍVEIS (2) E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZAM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO SISCOSERV SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOSERV) SERVIÇOS (1), INTANGÍVEIS (2) E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZAM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO SISCOSERV Domingos de Torre 20.12.2012 BASE LEGISLATIVA E FONTE

Leia mais

3. Procedimentos relativos ao registro no Módulo Aquisição... 11

3. Procedimentos relativos ao registro no Módulo Aquisição... 11 Sumário 1. Sobre o Siscoserv... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Base Legal do Siscoserv... 3 1.3 Módulos Venda e Aquisição do Siscoserv... 3 1.4 Registros no Módulo Venda... 3 1.5 Registros no Módulo Aquisição...

Leia mais

No dia 01/08/2012 entrará em operação o Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços (SISCOSERV).

No dia 01/08/2012 entrará em operação o Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços (SISCOSERV). Prezados Senhores, No dia 01/08/2012 entrará em operação o Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços (SISCOSERV). Vale lembrar que o projeto foi iniciado em 17 de dezembro de 2008, com a assinatura

Leia mais

3. Procedimentos relativos ao registro no Módulo Aquisição... 11

3. Procedimentos relativos ao registro no Módulo Aquisição... 11 Sumário 1. Sobre o Siscoserv... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Base Legal do Siscoserv... 3 1.3 Módulos Venda e Aquisição do Siscoserv... 3 1.4 Registros no Módulo Venda... 4 1.5 Registros no Módulo Aquisição...

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 66 - Data 14 de março de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF XXXX.XXXXXX/XXXX-XX XXXXXXXXXXXXXXXX XX.XXX.XXX/XXXX-XX Assunto: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 226 - Data 29 de outubro de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS SISCOSERV. AQUISIÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE

Leia mais

3. Procedimentos relativos ao registro no Módulo Aquisição... 10

3. Procedimentos relativos ao registro no Módulo Aquisição... 10 Sumário 1. Sobre o Siscoserv... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Base Legal do Siscoserv... 3 1.3 Módulos Venda e Aquisição do Siscoserv... 3 1.4 Registros no Módulo Venda... 4 1.5 Registros no Módulo Aquisição...

Leia mais

Encontros Técnicos SISCOSERV. Novembro de 2009. Secretaria de Comércio e Serviços

Encontros Técnicos SISCOSERV. Novembro de 2009. Secretaria de Comércio e Serviços Encontros Técnicos SISCOSERV Novembro de 2009 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZEM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO DAS ENTIDADES Sistema que possibilitará

Leia mais

SISCOSERV A experiência da KPMG. Abril de 2013

SISCOSERV A experiência da KPMG. Abril de 2013 A experiência da KPMG Abril de 2013 Histórico no Brasil 1) Acordo Geral sobre Comércio de Serviços GATS ( General Agreement on Trade in Services OMC/1994) 2) Acordo de Cooperação Técnica n 13/2008 SRF

Leia mais

46 KPMG Business Magazine. Siscoserv inspira cuidados

46 KPMG Business Magazine. Siscoserv inspira cuidados 46 KPMG Business Magazine Siscoserv inspira cuidados Novo sistema eletrônico demanda dados até então não sistematizados pelas empresas, elevando os riscos ao compliance da norma Em meio a um emaranhado

Leia mais

SISCOSERV. Professor: Lisandro Vieira WTM do Brasil

SISCOSERV. Professor: Lisandro Vieira WTM do Brasil SISCOSERV Professor: Lisandro Vieira WTM do Brasil Serviços no Brasil e no Mundo Exportação Serviços Brasil 2014: US$ 39,8 Bilhões > 6,3% x 2013 (15% das exportações de mercadoria) Importação Serviços

Leia mais

SOLUÇÃO DE CONSULTA COSIT (COORDENAÇÃO-GERAL DE TREIBUTAÇÃO DA RECEITA FEDERAL) Nº 226, DE 2015 COMENTÁRIOS

SOLUÇÃO DE CONSULTA COSIT (COORDENAÇÃO-GERAL DE TREIBUTAÇÃO DA RECEITA FEDERAL) Nº 226, DE 2015 COMENTÁRIOS SOLUÇÃO DE CONSULTA COSIT (COORDENAÇÃO-GERAL DE TREIBUTAÇÃO DA RECEITA FEDERAL) Nº 226, DE 2015 COMENTÁRIOS Os comentários feitos aqui dizem respeitos aos tópicos: AQUISIÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE INTERNACIONAL

Leia mais

Importaçãoe Exportaçãode Serviçose o SISCOSERV

Importaçãoe Exportaçãode Serviçose o SISCOSERV Importaçãoe Exportaçãode Serviçose o SISCOSERV O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

Informa vo Dascam 008-16 de abril de 2014

Informa vo Dascam 008-16 de abril de 2014 Para alguns a Informa zação da Burocracia para outros Excesso de informações ao Governo mas o fato é que o Siscoserv já está em funcionamento há aproximadamente 20 meses, com mais de 5 milhões de registros

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Relatório. Data 22 de abril de 2015 Processo *** Interessado *** CNPJ/CPF ***

Relatório. Data 22 de abril de 2015 Processo *** Interessado *** CNPJ/CPF *** 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 105 - Cosit Data 22 de abril de 2015 Processo *** Interessado *** CNPJ/CPF *** ASSUNTO: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS SUBSCRIÇÃO E INTEGRALIZAÇÃO DE CAPITAL

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Orientadoras. Objetivo CURSO. Andréa Giungi

Orientadoras. Objetivo CURSO. Andréa Giungi CURSO Siscoserv (Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio) Atualizado com a 9ª versão dos Manuais Informatizados Orientadoras

Leia mais

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped.

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped. 001 O que é a EFD-Contribuições? A EFD-Contribuições é a Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição

Leia mais

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFTN/1989 - ADAPTADA) Apurando-se o dano ou avaria: a)

Leia mais

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais;

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais; Ref.: nº 26/2015 esocial 1. Conceito O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações descritas em seu objeto, armazenando-as em Ambiente Nacional, possibilitando aos órgãos participantes,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 257 - Data 26 de setembro de 2014 Processo ***** Interessado ***** CNPJ/CPF ***** Assunto: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS SISCOSERV. SERVIÇO DE TRANSPORTE

Leia mais

Data 10 de junho de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF

Data 10 de junho de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF 1 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 9ª RF Solução de Consulta nº 106 - SRRF09/Disit Data 10 de junho de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS SISCOSERV.

Leia mais

26ª Reunião do Conselho Nacional de Turismo SISCOSERV. Brasília, 24 de setembro de 2009.

26ª Reunião do Conselho Nacional de Turismo SISCOSERV. Brasília, 24 de setembro de 2009. 26ª Reunião do Conselho Nacional de Turismo SISCOSERV Brasília, 24 de setembro de 2009. 1 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZEM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO

Leia mais

www.pwc.com SISCOSERV Apresentação em 28 e 29.08.2013 (DC0) Informação Pública

www.pwc.com SISCOSERV Apresentação em 28 e 29.08.2013 (DC0) Informação Pública www.pwc.com SISCOSERV Apresentação em 28 e 29.08.2013 Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e de outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio Principais desafios Principais

Leia mais

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Cenário do comércio exterior de serviços: Déficits crescentes na conta de serviços do balanço de pagamentos Carência de informações detalhadas

Leia mais

ANO XXIV - 2013-2ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2013

ANO XXIV - 2013-2ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2013 ANO XXIV - 2013-2ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2013 IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS - SISCOSERV III - MODOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS - MÓDULO

Leia mais

EFD. Contribuições Atualização. Abril 2013. Elaborado por: Antônio Sérgio de Oliveira

EFD. Contribuições Atualização. Abril 2013. Elaborado por: Antônio Sérgio de Oliveira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS 1. Introdução 2. Obrigatoriedade e dispensa 3. Periodicidade e prazo de entrega (Alterações IN nº 1.305/2012 e ADE Cofis nº 65/2012) 4. Dispensa do Dacon 5. Forma

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI. Dulcineia L. D. Santos

Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI. Dulcineia L. D. Santos Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI Dulcineia L. D. Santos Sistema Público de Escrituração Digital SPED Decreto n. 6.022, de 22/01/2007. Objetivos do SPED: unificar as atividades de recepção, validação,

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires DECRETO Nº 5.204, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 Regulamenta a Lei Municipal nº 2533/1998 Código Tributário Municipal e Leis que a complementam, no que diz respeito à escrituração fiscal e ao registro de serviços

Leia mais

ANO XXV - 2014-2ª SEMANA DE MARÇO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 11/2014

ANO XXV - 2014-2ª SEMANA DE MARÇO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 11/2014 ANO XXV - 2014-2ª SEMANA DE MARÇO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 11/2014 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA DECLARAÇÃO DE BENEFÍCIOS FISCAIS (DBF) - 2014 OBSERVAÇÕES... Pág. 200 DECLARAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Instrução Normativa RFB n 1.353/13 MAIO DE 2.013

Instrução Normativa RFB n 1.353/13 MAIO DE 2.013 Instrução Normativa RFB n 1.353/13 MAIO DE 2.013 PRINCIPAIS CONSIDERAÇÕES O Art. 1 da IN RFB n 1353/13 instituiu a Escrituração Fiscal Digital do Imposto sobre a Renda e da Contribuição Social sobre o

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 PERGUNTAS E RESPOSTAS Este documento é de caráter meramente

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

SPED. EFD CONTRIBUIÇÕES (Palestra) ANTONIO SÉRGIO DE OLIVEIRA WWW.PORTALDOSPED.COM.BR

SPED. EFD CONTRIBUIÇÕES (Palestra) ANTONIO SÉRGIO DE OLIVEIRA WWW.PORTALDOSPED.COM.BR SPED EFD CONTRIBUIÇÕES (Palestra) ANTONIO SÉRGIO DE OLIVEIRA WWW.PORTALDOSPED.COM.BR ANTONIO SÉRGIO DE OLIVEIRA Contador, Administrador de Empresas, Pós Graduado em Gestão Pública, Técnico em Contabilidade,

Leia mais

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos Professor Apresentação: 1. Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal

Leia mais

EFD Contribuições Empresas do Lucro Real, Presumido e Arbitrado. EFD Contribuições PIS/COFINS/Previdência

EFD Contribuições Empresas do Lucro Real, Presumido e Arbitrado. EFD Contribuições PIS/COFINS/Previdência Espaço EFD EFD Contribuições Empresas do Lucro Real, Presumido e Arbitrado EFD Contribuições PIS/COFINS/Previdência Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/PASEP, da COFINS e da Contribuição

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF 05/05/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Time da Eficiência Comercial... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Comparativo

Leia mais

SISCOSERV. Devout Auditoria e Consultoria Empresarial S/S Ltda. ões Contábeis; ria; Auditoria nas Demonstrações Cont.

SISCOSERV. Devout Auditoria e Consultoria Empresarial S/S Ltda. ões Contábeis; ria; Auditoria nas Demonstrações Cont. SISCOSERV (INSS, PIS / COFINS, CSLL, IRPJ); ões Contábeis; ria; rio; Devout Auditoria e Consultoria Empresarial S/S Ltda. (INSS, Produtos: Auditoria nas Demonstrações Cont Revisão Contábil e Tributária;

Leia mais

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica recursos para inovação Centro de Conhecimento recursos para inovação Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica Lei 11.196/05 (Lei do Bem) Estratégia Incentivos Fiscais e Recursos Educação e Cultura

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 12 - Importação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 12 - Importação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre: a) o pagamento de importações brasileiras a prazo de até 360 dias; b) a multa de que trata a Lei n 10.755, de 03.11.2003, tratada na seção

Leia mais

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Baião & Filippin Advogados Associados Adv.: João Paulo de Mello Filippin Lei Complementar n.º 123/2006 Desburocratização;

Leia mais

DO REPES. Dos Benefícios do REPES

DO REPES. Dos Benefícios do REPES DECRETO Nº 5.712, DE 2 DE MARÇO DE 2006 Regulamenta o Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação - REPES, instituído pelos arts. 1º a 11 da Lei

Leia mais

LEI 12.973/2014 E SPED: ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS

LEI 12.973/2014 E SPED: ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS LEI 12.973/2014 E SPED: ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS Visão geral dos impactos das novas evidenciações e diferenças de práticas contábeis advindas da IN 1.515. Subcontas. ECF e suas implicações.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 20 19 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 117 - Data 12 de maio de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014 Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT Claudio Yano 20 de maio de 2014 DIPJ 2014 Prazo de entrega Programa Gerador aprovado pela IN RFB 1.463/14; Prazo para entrega:

Leia mais

Memorando Construção Civil e Instalações

Memorando Construção Civil e Instalações Memorando Construção Civil e Instalações Desoneração da Folha de Pagamento Setembro de 2013 Publicada em 19 de julho, a nova Lei nº 12.844, alterando a Lei nº 12.546, ampliou de forma definitiva o rol

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Projeto SPED de A a Z

Projeto SPED de A a Z Consultoria e Treinamentos Apresentam: Projeto SPED de A a Z SPED Decreto nº 6.022 22/01/07 Instituir o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Promover a integração dos fiscos; Racionalizar e uniformizar

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no 2º do artigo 10, do Código Tributário do Município de Caucaia,

CONSIDERANDO o disposto no 2º do artigo 10, do Código Tributário do Município de Caucaia, DECRETO Nº 319, DE 04 DE OUTUBRO DE 2011 Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica, dispõe sobre a escrituração eletrônica de serviços, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CAUCAIA, no

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

I N F O R M A T I V O

I N F O R M A T I V O I N F O R M A T I V O J U R Í D I C O T R I B U T Á R I O n º 10/ 2 0 1 3 I. TRIBUTOS FEDERAIS 1. REMUNERAÇÃO DE DIRIGENTES DE ENTIDADES IMUNES DE TRIBUTOS FEDERAIS A Lei nº 12.868, de 15/10/2013 - DOU

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 259 - Data 26 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS RETENÇÃO. SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO,

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*)

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) DOU de 24.5.2005 Dispõe sobre o Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais (Dacon) relativo a fatos geradores ocorridos no ano-calendário

Leia mais

À Coordenação-Geral de Tributação da Receita Federal do Brasil (COSIT) REF: Regulamentação da Lei nº 13.097/2015 Tributação de Bebidas Frias

À Coordenação-Geral de Tributação da Receita Federal do Brasil (COSIT) REF: Regulamentação da Lei nº 13.097/2015 Tributação de Bebidas Frias São Paulo, 21 de maio de 2015 À Coordenação-Geral de Tributação da Receita Federal do Brasil (COSIT) REF: Regulamentação da Lei nº 13.097/2015 Tributação de Bebidas Frias Prezados Senhores, Dando seguimento

Leia mais

Ofício nº 2608 (SF) Brasília, em 5 de dezembro de 2013.

Ofício nº 2608 (SF) Brasília, em 5 de dezembro de 2013. Ofício nº 2608 (SF) Brasília, em 5 de dezembro de 2013. A Sua Excelência o Senhor Deputado Marcio Bittar Primeiro-Secretário da Câmara dos Deputados Assunto: Projeto de Lei do Senado à revisão. Senhor

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes

Relatório dos Auditores Independentes Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 JRS/NMT/ SAD Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO Agosto de 2015 Palestra DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA NA AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS INTRERESTADUAIS Tributação do ICMS nas entradas de outra Unidade da Federação

Leia mais

TUTORIAL LUCRO PRESUMIDO BLOCO 0 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

TUTORIAL LUCRO PRESUMIDO BLOCO 0 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) TUTORIAL LUCRO PRESUMIDO BLOCO 0 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) A Escrituração Contábil Fiscal (ECF) é uma nova obrigação imposta às pessoas jurídicas estabelecidas no Brasil. O sujeito passivo deverá

Leia mais

Escrituração Contábil Digital (ECD) Escrituração Contábil Fiscal (ECF)

Escrituração Contábil Digital (ECD) Escrituração Contábil Fiscal (ECF) Escrituração Contábil Digital (ECD) Escrituração Contábil Fiscal (ECF) José Jayme Moraes Junior Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil Supervisor Nacional da ECD e da ECF Escrituração Contábil Digital

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93 . DECRETO Nº 1.763 DE 18 DE MARÇO DE 2014. PREFEITO MUNICIPAL DE BAMBUÍ, em vigor, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔNICO DE GESTÃO DO ISSQN

Leia mais

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA (RTU) - HABILITAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE INTERVENIENTES - NORMAS GERAIS Introdução

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL. Socorro Oliveira 11.MARÇO.2010

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL. Socorro Oliveira 11.MARÇO.2010 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL Socorro Oliveira 11.MARÇO.2010 DECRETO Nº 6.022-22/01/07 Eliminar a redundância de informações por meio da padronização das Obrigações Acessórias Uniformizar as

Leia mais

MULTAS pelo descumprimento de obrigações acessórias Como evitar? 27 de novembro de 2012

MULTAS pelo descumprimento de obrigações acessórias Como evitar? 27 de novembro de 2012 MULTAS pelo descumprimento de obrigações acessórias Como evitar? 27 de novembro de 2012 MULTAS pelo descumprimento de obrigações acessórias ao ICMS - RJ Art. 59 da Lei 2.657/96 Deixar de entregar, no prazo

Leia mais

O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED?

O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED? SPED PIS/COFINS Teoria e Prática O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED? E v e l i n e B a r r o s o Maracanaú - CE Março/2 0 1 2 1 2 Conceito O SPED é instrumento que unifica as atividades

Leia mais

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso Sistema Questor SPED PIS E COFINS SPED Sistema Público de Escrituração Digital EFD Escrituração Fiscal Digital Instrutor: - Jocenei Friedrich Apoio: - Sejam todos bem-vindos Objetivos do Curso Conhecer

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais