LEI 691/84 RESPONSABILIDADE (ART. 14), e leis 1.044/87, 5.133/09 RESPONSÁVEIS PELO ISS OBSERVAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEI 691/84 RESPONSABILIDADE (ART. 14), e leis 1.044/87, 5.133/09 RESPONSÁVEIS PELO ISS OBSERVAÇÃO"

Transcrição

1 LEI 691/84 RESPONSABILIDADE (ART. 14), e leis 1.044/87, 5.133/09 construtores, os empreiteiros principais e os administradores de obras dos subempreiteiros, exclusivamente de mão-de-obra de encostas) administradores de obras titulares de direitos sobre prédios ou os contratantes de obras e serviços locadores de máquinas, aparelhos e equipamentos instalados as empresas proprietárias de aparelhos, máquinas e equipamentos instalados em estabelecimentos de terceiros sob contrato de co-exploração os titulares dos estabelecimentos onde se instalarem máquinas, aparelhos e equipamentos os que permitirem em seus estabelecimentos ou domicílios exploração de atividade tributável relativo à mão-de-obra, inclusive de subcontratados, ainda que o pagamento dos serviços seja feito diretamente pelo dono da obra ou contratante dos construtores ou empreiteiros Dos locatários estabelecidos no Município e relativo à exploração desses bens (substituição tributária) OBS: suspenso pelo decreto nº / NFSe devido sobre a parcela da receita bruta auferida pelo co-explorador; dos respectivos proprietários não estabelecidos no Município, e relativo à exploração desses bens Itens 7.02, 7.05, 7.15 (obra, reforma e contenção Itens 7.02, 7.05, 7.15 (obra, reforma e contenção de encostas) Quando não identificarem os construtores ou os empreiteiros SALVO: Se for pessoa natural, o prédio for na área A ou B da tabela XIV-A, residencial, até 3 unidades de até 100 m2 ao faturar o preço do serviço, a empresa locadora incluirá no documento fiscal a cobrança do imposto calculado sobre um valor correspondente ao aluguel devido pela locatária, acrescido de: - 30%: equipamento para reprografia; - 40%: equipamento para processamento de dados ou computação eletrônica de qualquer natureza; - 50%: equipamento para jogos e diversões, inclusive eletrônicos. Leg. Trib. 10 Respons. v.02 1 / 5

2 sem estar o prestador do serviço inscrito no órgão fiscal competente os que efetuarem pagamentos de serviços a terceiros não identificados os que utilizarem serviços de empresas, pelo imposto incidente sobre as operações administradoras de cartões de créditos Dos estabelecimentos filiados localizados no Município Quando não exigirem dos prestadores documento fiscal idôneo Quando pagos através de cartão de crédito por elas emitido OBS: Não ocorrerá responsabilidade tributária, quando os prestadores de serviços forem sociedades submetidas a regime de pagamento de imposto por alíquota fixa mensal ou que gozem de isenção ou imunidade tributárias. companhias de aviação planos de saúde ou de assistência médica e hospitalar empresas que explorem serviços médicos, hospitalares e odontológicos, mediante pagamento prévio de planos de assistência Sobre as comissões pagas às agências de viagens e operadoras turísticas, relativas às vendas de passagens aéreas dos serviços a elas prestados por: a) empresas que agenciem, intermedeiem ou façam corretagem dos referidos planos junto ao público; b) hospitais, clínicas, sanatórios, laboratórios de análises, de patologia, de eletricidade médica e assemelhados, ambulatórios, pronto-socorros, manicômios, casas de saúde, de repouso e de recuperação e congêneres; c) bancos de sangue, de pele, de olhos, de sêmen e congêneres; d) empresas que executem remoção de doentes; imposto devido sobre as comissões pagas às empresas que agenciem, intermedeiem ou façam a corretagem desses planos junto ao público; Leg. Trib. 10 Respons. v.02 2 / 5

3 hospitais e clínicas privados Dos serviços a eles prestados: a) por empresas de guarda e vigilância e de conservação e limpeza de imóveis; b) por laboratórios de análises, de patologia e de eletricidade médica e assemelhados, quando a assistência a seus pacientes se fizer sem intervenção das empresas das atividades referidas no inciso anterior; c) por bancos de sangue, de pele, de olhos, de sêmen e congêneres, bem como por empresas que executem remoção de pacientes, quando seu atendimento se fizer na forma referida na alínea anterior; estabelecimentos particulares de ensino empresas de rádio e televisão bancos e demais entidades financeiras administradoras de bingos e quaisquer outras modalidades de jogos, apostas ou sorteios concessionárias de serviços públicos de telecomunicações Dos serviços a eles prestados pelas empresas de guarda e vigilância e de conservação e limpeza de imóveis Dos serviços a eles prestados de: guarda e vigilância; conservação e limpeza de imóveis; locação e leasing de equipamentos; fornecimento de cast de artistas e figurantes; serviços de locação de transporte rodoviário de pessoas, materiais e equipamentos; Das empresas de guarda e vigilância, de transporte de valores e de conservação e limpeza de imóveis De suas contratantes, pessoas físicas ou jurídicas, autorizadas a explorar tais atividades; incidente sobre a cota repassada às empresas administradoras ou promotoras de apostas ou sorteios Leg. Trib. 10 Respons. v.02 3 / 5

4 Empresas que operem na revelação Das empresas que agenciem o de filmes serviço de revelação (substituição tributária) as empresas imobiliárias, incorporadoras e construtoras empresas seguradoras empresas e entidades que explorem loterias e outros jogos permitidos, inclusive apostas OBS: suspenso pelo decreto nº / NFSe Das comissões pagas às empresas corretoras de imóveis devido sobre as comissões das corretoras de seguro e sobre os pagamentos às oficinas mecânicas, relativos ao conserto de veículos sinistrados; devido sobre as comissões pagas aos seus agentes, revendedores ou concessionários; ao faturar o seu serviço a empresa de revelação incluirá no documento fiscal o ISS do agente, calculado sobre 50% do preço líquido da revelação. operadoras turísticas agências de propaganda as empresas de reparos navais Lei 5.133/09 devido sobre as comissões pagas a seus agentes e intermediários; devido pelos prestadores de serviços classificados como produção externa; devido pelos respectivos subempreiteiros ou fornecedores de mão-de-obra. Durante o período de 5 anos a partir de 23/12/2009, os serviços do subitem da lista, quando vinculados à construção ou à operação de complexo siderúrgico na Zona Oeste Lei 5.133/09 Durante o período de 5 anos do início da operação do complexo siderúrgico da Zona Oeste, os serviços de que tratam os subitens 7.09, 7.12, 14.01, 14.02, e da lista, quando vinculados a essa operação Leg. Trib. 10 Respons. v.02 4 / 5

5 1) tomador do serviço, se 2) se o tomador não é do Rio: intermediário do serviço, se 3) tomador do serviço, localizado fora do Município do Rio de Janeiro; 4) intermediário do serviço, localizado fora do Município do Rio de Janeiro; Nas hipóteses de serviços que deslocam o domicílio tributário (art. 42 VII), quando o prestador não é Rio de Janeiro 1) tomador do serviço, 2) intermediário do serviço, quando impossível exigir do tomador; Devido na operação Devido pelo prestador do serviço pessoa jurídica que emite NF de outro município no caso de serviços provenientes do exterior do País ou cuja prestação se tenha iniciado no exterior do País (importação de serviços) Se o prestador não houver fornecido à SMF as informações exigidas no regulamento (CEPOM) OBS: 2º - a responsabilidade é inerente a pessoas físicas ou jurídicas, ainda que imunes ou isentas. 5º - Nas referências constantes deste artigo nas quais se atribui responsabilidade ao intermediário, entende-se como intermediário aquele que não seja o usuário final do serviço mas atue como primeiro contratante deste e o preste, no todo ou em parte, em seu próprio nome, a um terceiro, usuário final ou não, aplicando-se a responsabilidade ao crédito tributário correspondente à prestação ao terceiro. Leg. Trib. 10 Respons. v.02 5 / 5

SEÇÃO IV DOS CONTRIBUINTES E DOS RESPONSÁVEIS

SEÇÃO IV DOS CONTRIBUINTES E DOS RESPONSÁVEIS SEÇÃO IV DOS CONTRIBUINTES E DOS RESPONSÁVEIS Art. 109. O contribuinte do imposto é o prestador de serviço. Redação dada pelo artº 1º da Lei nº 16.933 de 30/12/2003. Art. 109. Contribuinte do imposto é

Leia mais

DECRETO Nº13.112, DE 08 DE AGOSTO DE 2002.

DECRETO Nº13.112, DE 08 DE AGOSTO DE 2002. DECRETO Nº13.112, DE 08 DE AGOSTO DE 2002. REGULAMENTA A LEI COMPLEMENTER Nº 13 DE 21/05/2002 QUE INSTITUI HIPOTESES DE RESPONSABILIDADE PELO PAGAMENTO DO ISS (IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS) E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Jari Terra de lutas e conquistas

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Jari Terra de lutas e conquistas LEI N.º 2.130 DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 LEI: Regulamenta o parágrafo 6º, do Art. 21, da Lei 579 de 09 de dezembro de 2003, instituindo os substitutos tributários. O Prefeito Municipal no uso de suas atribuições

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE NITERÓI DECRETA E EU SANCIONO E PROMULGO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE NITERÓI DECRETA E EU SANCIONO E PROMULGO A SEGUINTE LEI: Lei nº 1.766/99 Legislação Tributária de Niterói Publicada no DO de 24/11/1999 Atribui Responsabilidade Tributária às empresas que desempenham várias atividades econômicas no Município e autoriza o Executivo

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1

LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1 Institui hipótese de responsabilidade pelo pagamento do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 013, DE 21 DE MAIO DE 2002.

LEI COMPLEMENTAR Nº 013, DE 21 DE MAIO DE 2002. LEI COMPLEMENTAR Nº 013, DE 21 DE MAIO DE 2002. DISPÕE SOBRE A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RELATICA AO ISSQN IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA. A CAMARA MUNICIPAL DE ANAPOLIS aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

APRESENTAÇÃO AO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - NOTA SALVADOR - 19/11/13

APRESENTAÇÃO AO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - NOTA SALVADOR - 19/11/13 APRESENTAÇÃO AO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - NOTA SALVADOR - 19/11/13 BENEFICIÁRIOS BENEFICIÁRIOS CRÉDITO DO ISS PAGO 30% 10% 5% REGISTRO DE NOTAS SEM IDENTIFICAÇÃO DO COMPRADOR PARTICIPAÇÃO EM

Leia mais

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Mendes Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella RESPONSABILIDADE

Leia mais

O POVO DA CIDADE DO RECIFE, POR SEUS REPRESENTANTES DECRETA E EU, EM SEU NOME, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

O POVO DA CIDADE DO RECIFE, POR SEUS REPRESENTANTES DECRETA E EU, EM SEU NOME, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEGISLAÇO COMPLEMENTAR DE Nº 15.939/94 DE 19 DE AGOSTO DE 1994. (Publicada no DOM de 23/24 de 09 de 1994) EMENTA: Introduz alterações na Lei nº 15.563, de 27 de dezembro de 1991, que instituiu o Código

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 Define as regras e os prestadores de serviços e substitutos tributários do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza obrigados a efetuar a Declaração Eletrônica Mensal

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Declaração Mensal de Serviços Tomados Londrina-PR

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Declaração Mensal de Serviços Tomados Londrina-PR Declaração Mensal de Serviços Tomados Londrina-PR 20/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 4. Conclusão... 8 5. Informações

Leia mais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais 05/08/2014 Pergunte à CPA ISS Regras Gerais Apresentação: Samyr Henrique Muniz Qbar ISS Legislação básica Art. 156, III da C.F./88 Lei Complementar 116/2003 (lista de serviços) Lei Ordinária de cada município

Leia mais

INTRODUÇÃO 1. DO FATO GERADOR DO IMPOSTO 2. ALÍQUOTAS DO ISS

INTRODUÇÃO 1. DO FATO GERADOR DO IMPOSTO 2. ALÍQUOTAS DO ISS ISS - Alíquotas - Tratamento no Distrito Federal (Publicado no Contadez Boletim nº 16/2008-11/04/2008 a 17/04/2008) Raquel Raab Ramos Consultora Contadez - Tributos Indiretos Sumário Introdução 1. Do Fato

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires DECRETO Nº 5.204, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 Regulamenta a Lei Municipal nº 2533/1998 Código Tributário Municipal e Leis que a complementam, no que diz respeito à escrituração fiscal e ao registro de serviços

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 2, DE 17 DE DEZEMBRO DE 1991. Dispõe sobre o Código Tributário e de Rendas do Município de João Pessoa e dá outras providências.

LEI COMPLEMENTAR Nº 2, DE 17 DE DEZEMBRO DE 1991. Dispõe sobre o Código Tributário e de Rendas do Município de João Pessoa e dá outras providências. LEI COMPLEMENTAR Nº 2, DE 17 DE DEZEMBRO DE 1991. Dispõe sobre o Código Tributário e de Rendas do Município de João Pessoa e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA, FAÇO SABER QUE

Leia mais

Sumário. Prefácio. Capítulo 1 Aspectos constitucionais dos tributos municipais 1

Sumário. Prefácio. Capítulo 1 Aspectos constitucionais dos tributos municipais 1 Prefácio XV Capítulo 1 Aspectos constitucionais dos tributos municipais 1 1 Princípios gerais constitucionais 1 2 Limitações constitucionais ao poder de tributar dos Municípios 12 3 Substituição tributária

Leia mais

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenções na Fonte Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenção na Fonte IRPJ (1,5% ). Fato Gerador - O imposto de renda na fonte

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARAGOJIPE GABINETE DA PREFEITA

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARAGOJIPE GABINETE DA PREFEITA PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 001/2013, DE 01 DE ABRIL DE 2013 ACRESCE E MODIFICA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº. 027/2003, E SUAS RESPECTIVAS ALTERAÇÕES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS SUJEITOS AO IR FONTE - PESSOA JURIDICA. Tipos de Serviços Prestados por Pessoa Juridica Incidência do IR Fonte Fund.

TABELA DE SERVIÇOS SUJEITOS AO IR FONTE - PESSOA JURIDICA. Tipos de Serviços Prestados por Pessoa Juridica Incidência do IR Fonte Fund. Administração de bens ou negocios em geral art. 647 RIR/1999 Advocacia art. 647 RIR/1999 Aluguel do movel ou imovel entre pessoas juridicas art. 647 RIR/1999 Ambulatorio art. 647 RIR/1999 Analise clinica

Leia mais

CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Os condomínios comerciais e residenciais devem proceder à retenção e o recolhimento do Imposto Sobre Serviços

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93 . DECRETO Nº 1.763 DE 18 DE MARÇO DE 2014. PREFEITO MUNICIPAL DE BAMBUÍ, em vigor, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔNICO DE GESTÃO DO ISSQN

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ISS Apuração e Retenção Concomitantes

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ISS Apuração e Retenção Concomitantes ISS 09/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Regra Geral ISS do Município do Prestador... 4 3.2 Exceção -ISS Devido

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

DECRETO Nº 183 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1999

DECRETO Nº 183 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1999 REGULAMENTA OS SERVIÇOS DIVERSÕES PÚBLICAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIA. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACAJU, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto no artigo 98 item 60 da Lei n. 1547, de

Leia mais

Lei Complementar nº 116/2003 que dispõe sobre o ISS com alterações propostas pelo PLC nº 386

Lei Complementar nº 116/2003 que dispõe sobre o ISS com alterações propostas pelo PLC nº 386 Lei Complementar nº 116/2003 que dispõe sobre o ISS com alterações propostas pelo PLC nº 386 Art. 1º O Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, de competência dos Municípios e do Distrito Federal,

Leia mais

Imersão no ISS Aprimoramento em Imposto Indireto

Imersão no ISS Aprimoramento em Imposto Indireto Imersão no ISS Aprimoramento em Imposto Indireto Município de Duque de Caxias Expositora :Maria Inês Oliveira 29/MAR/2014 1 29/MAR/2014 2 ISS Histórico Legislação Torna-se necessário lembrar um pouco da

Leia mais

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês;

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês; Créditos Dos valores de Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins apurados, a pessoa jurídica submetida à incidência não-cumulativa poderá descontar créditos, calculados mediante a aplicação das alíquotas

Leia mais

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR N 11 de 13 de dezembro de 2007

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR N 11 de 13 de dezembro de 2007 LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR N 11 de 13 de dezembro de 2007 ALTERA E ACRESCENTA DISPOSITIVOS NA LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL Nº 001, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1991 (CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL), ADEQUANDO À LEGISLAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA AUDITORIA-GERAL DO ESTADO COORD. DE PROCEDIMENTOS E CAPACITAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE Elaboração:

Leia mais

SERVIÇOS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

SERVIÇOS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA PARECER QUANTO A DEDUTIVIDADE DA BASE DE CÁLCULO, BEM COMO DA EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS PELOS TERCEIROS VINCULADOS AOS SERVIÇOS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Na caracterização da atividade de publicidade

Leia mais

ISSQN Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza

ISSQN Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza ISSQN Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza 1 Competência 2 Fato Gerador 3 Base de Cálculo 4 Alíquota 5 Sujeição Passiva 6 Lançamento de ofício e por Homologação COMPETÊNCIA O ISSQN éum imposto de

Leia mais

SOLUÇÃO DE CONSULTA SF/DEJUG nº 27, de 27 de outubro de 2014

SOLUÇÃO DE CONSULTA SF/DEJUG nº 27, de 27 de outubro de 2014 SOLUÇÃO DE CONSULTA SF/DEJUG nº 27, de 27 de outubro de 2014 ISS. Subitens 1.07, 7.06, 7.10, 14.01, 14.06, 14.13 e 24.01 da Lista de Serviços da Lei nº 13.701, de 24 de dezembro de 2003. Serviços executados

Leia mais

A Câmara Municipal de Uruaçu, Estado de Goiás, aprova e eu, Prefeita Municipal, sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de Uruaçu, Estado de Goiás, aprova e eu, Prefeita Municipal, sanciono a seguinte Lei: Lei nº 1.265 /2003 Uruaçu-Go., 11 de dezembro de 2003. Altera e dá nova redação a dispositivos da Lei nº 1000, de 16.12.97, e dá outras providências A Câmara Municipal de Uruaçu, Estado de Goiás, aprova

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como considerar o campo Tributação de uma NFS-e para serviços prestados fora do país 02/10/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como considerar o campo Tributação de uma NFS-e para serviços prestados fora do país 02/10/14 serviços prestados fora do país 02/10/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 2.1 Lei Complementar 116 de 2003... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Lei

Leia mais

LEI 1.089, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. (*)

LEI 1.089, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. (*) LEI 1.089, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. (*) DISPÕE sobre os regimes de substituição tributária e responsabilidade solidária para retenção na fonte e recolhimento do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza

Leia mais

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Ainda que a pessoa jurídica esteja submetida ao regime de incidência não-cumulativa, as receitas constantes do art. 8º da Lei nº 10.637, de 2002,

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1 Apresentação Prefácio à 11ª edição Prefácio à 10ª edição Prefácio à 9ª edição Prefácio à 8ª edição Prefácio à 7ª edição Prefácio à 6ª edição Nota à 5ª edição Prefácio Planejamento tributário como técnica

Leia mais

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL N.º 1.209, DE 02 DE MAIO DE 2014, QUE INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, A DECLARAÇÃO ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Instrução Normativa SMF nº 001, de 03 de novembro de 2010

Instrução Normativa SMF nº 001, de 03 de novembro de 2010 Instrução Normativa SMF nº 001, de 03 de novembro de 2010 DISCIPLINA A COBRANÇA E O RECOLHIMENTO DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA ISS INCIDENTE SOBRE SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE EXERCÍCIOS

Leia mais

MANUAL - UTILIZAÇÃO DE CRÉDITO PARA ABATIMENTO DE IPTU - INDICAÇÃO DE IMÓVEL

MANUAL - UTILIZAÇÃO DE CRÉDITO PARA ABATIMENTO DE IPTU - INDICAÇÃO DE IMÓVEL MANUAL - UTILIZAÇÃO DE CRÉDITO PARA ABATIMENTO DE IPTU - INDICAÇÃO DE IMÓVEL 1 Sumário 1. Introdução... 4 2. Créditos... 4 2.1. Geração de Crédito... 4 2.1.1. Exemplo do cálculo do crédito de uma NFS-e

Leia mais

http://www.merchant.com.br

http://www.merchant.com.br DOU de 29.10.2004 Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas de direito privado a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços. O SECRETÁRIO

Leia mais

MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE

MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE 1 MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE 2 3 1. INTRODUÇÃO 4 2. IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 4 2.1. Dispensa de efetuar a retenção 5 2.2. Prazo de recolhimento 6 2.3. Situações específicas para

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal de Serviço Intermediário Operadora de Plano de Saúde

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal de Serviço Intermediário Operadora de Plano de Saúde Nota Fiscal de Serviço Intermediário Operadora de Plano de Saúde 06/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 4. Conclusão...

Leia mais

PIS e Cofins para supermercados e hipermercados. 2015. Produzido por: Brasil Tributário e Francisco Laranja Consultoria

PIS e Cofins para supermercados e hipermercados. 2015. Produzido por: Brasil Tributário e Francisco Laranja Consultoria PIS e Cofins para supermercados e hipermercados. 2015 Produzido por: Brasil Tributário e Francisco Laranja Consultoria PIS e Cofins: introdução e conceitos Tributação sobre itens: IPI, ICMS, PIS e Cofins

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

RETENÇÃO NA FONTE. IMPOSTO DE RENDA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PIS/PASEP e COFINS INSS ISS INSTRUTOR: VALMIR DE BRITO Redator e consultor

RETENÇÃO NA FONTE. IMPOSTO DE RENDA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PIS/PASEP e COFINS INSS ISS INSTRUTOR: VALMIR DE BRITO Redator e consultor RETENÇÃO NA FONTE IMPOSTO DE RENDA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PIS/PASEP e COFINS INSS ISS INSTRUTOR: VALMIR DE BRITO Redator e consultor. 1 RETENÇÃO NA FONTE FATO GERADOR O imposto de renda na fonte tem como

Leia mais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais 14/11/2013 Pergunte à CPA ISS Regras Gerais Apresentação: José A. Fogaça Neto ISS Legislação básica Art. 156, III da C.F./88 Lei Complementar 116/2003 (lista de serviços) Lei Ordinária de cada município

Leia mais

Até aqui, os comentários foram extraídos do nosso livro Manual do ISS de São Paulo. A parte seguinte, porém, não consta dessa obra.

Até aqui, os comentários foram extraídos do nosso livro Manual do ISS de São Paulo. A parte seguinte, porém, não consta dessa obra. Comentários às ressalvas na lista de serviços Ricardo J. Ferreira Conforme a Lei Complementar nº 116/03, ressalvadas as exceções expressas na lista, os serviços nela mencionados não ficam sujeitos ao Imposto

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS. Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015

RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS. Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015 RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015 Programa Retenções na Fonte ISSQN, IRRF, - Fato Gerador; - Tipos de Serviços; - Responsável Tributário; - Apuração

Leia mais

RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS POR PESSOA JURÍDICA APLICAÇÃO: SETOR PRIVADO E PÚBLICO 1 - INCIDÊNCIA 2 - SERVIÇOS ABRANGIDOS 2.1 - LISTA DE SERVIÇOS 2.2 FACTORING E ASSEMELHADOS

Leia mais

Decreto 4524 de 17/12/2002, atualizado pelas Leis 10637/2002 (PIS-PASEP) e 10833/2003 (COFINS), que tratam da modalidade não cumulativa.

Decreto 4524 de 17/12/2002, atualizado pelas Leis 10637/2002 (PIS-PASEP) e 10833/2003 (COFINS), que tratam da modalidade não cumulativa. TRATAMENTO CONTÁBIL DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL (PIS) INSTITUÍDA PELA LEI COMPLEMENTAR 07/1970 e PARA O PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO (PASEP) INSTITUÍDA

Leia mais

CURSO SOBRE TRIBUTAÇÃO MUNICIPAL PANORAMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MUNICIPAL

CURSO SOBRE TRIBUTAÇÃO MUNICIPAL PANORAMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MUNICIPAL CURSO SOBRE TRIBUTAÇÃO MUNICIPAL PANORAMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MUNICIPAL FUNÇÃO DOS TRIBUTOS FUNÇÃO FISCAL OU ARRECADATÓRIA; FUNÇÃO EXTRAFISCAL OU REGULATÓRIA NECESSIDADE ARRECADATÓRIA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS

Leia mais

Retenção de Tributos Chaves

Retenção de Tributos Chaves o I SUMÁRIO 1 Imposto de Renda sobre Rendimentos de Residentes ou Domiciliados no País, 1 1.1 Introdução, 1 1.2 Contribuinte, obrigações tributárias e responsável, 1 1.3 Imposto de Renda, 8 1.3.1 Da competência,

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E PREMISSAS

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E PREMISSAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E PREMISSAS 1.1 Justificativa - p. 51 1.2 Objetivo - p. 53 1.3 Pressuposto metodológico e delimitação do objeto - p. 54 1.4 O fenômeno jurídico - p. 58 1.4.1 Direito e regra jurídica

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis Locacao 03/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Lei Complementar 116/2003... 3 3.2. Mensagem 362/2003... 4 3.3.

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO SUMÁRIO: 1. Serviços Prestados por Pessoas Jurídicas 1.1. Incidência 1.2. Serviços de Limpeza e Conservação

Leia mais

ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 43/2014

ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 43/2014 ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 43/2014 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE IMPORTÂNCIAS PAGAS OU CREDITADAS PELAS PESSOAS JURÍDICAS A COOPERATIVAS DE TRABALHO... Pág. 608

Leia mais

Orientação Técnica 002/2014 INCIDÊNCIA ISS EM EVENTOS TEMPORÁRIOS

Orientação Técnica 002/2014 INCIDÊNCIA ISS EM EVENTOS TEMPORÁRIOS Orientação Técnica 002/2014 INCIDÊNCIA ISS EM EVENTOS TEMPORÁRIOS A gama de ISS envolvida em eventos temporários é extensa, com a intenção de orientar os promotores de eventos, elaboramos esta orientação

Leia mais

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres;

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres; LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: Estabelece normas de incidência do ISS, relativas às operações efetuadas com cartões de crédito e de débito, e dá outras providências. AUTORIA: Poder Executivo A Câmara Municipal

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

Tabela de Benefícios Fiscais

Tabela de Benefícios Fiscais 001 002 003 004 005 006 007 L. 691/84 - Isenção - associações de classe, sindicatos e as respectivas federações e confederações. Art. 12, inciso II da. Não se aplica esta isenção às receitas decorrentes

Leia mais

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 38, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2013 ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE

Leia mais

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 186 - Cosit Data 29 de julho de 2015 Processo *************** Interessado *************** CNPJ/CPF *************** ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O

Leia mais

Estudo SCD 15/2015 - ISS

Estudo SCD 15/2015 - ISS Estudo SCD 15/2015 - ISS Serviços de administração de cartões de crédito e débito A incidência do ISS sobre os serviços de administração de cartões de crédito e débito já tem previsão na Lei Complementar

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ISS Devido na Apuração e Retenção Concomitantes

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ISS Devido na Apuração e Retenção Concomitantes ISS 06/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Regra Geral ISS do Município do Prestador... 5 3.2 Exceção ISS Devido

Leia mais

As distribuidoras de energia elétrica e o ISS

As distribuidoras de energia elétrica e o ISS As distribuidoras de energia elétrica e o ISS Introdução Como se sabe, a produção, a importação, a circulação, a distribuição ou o consumo de energia elétrica podem provocar a incidência do ICMS, exceto

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

DECRETO Nº 20.587, de 19 de fevereiro de 2010

DECRETO Nº 20.587, de 19 de fevereiro de 2010 DOM DE 20 A 22/02/2010 Alterado pelo Dec. 21.542, de 18/01/2011 DECRETO Nº 20.587, de 19 de fevereiro de 2010 Regulamenta a substituição tributária do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza ISS, e

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

CODIGO DA LISTA SERVIÇOS CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF DESCRIÇÃO DO CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF ALÍQUOTA

CODIGO DA LISTA SERVIÇOS CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF DESCRIÇÃO DO CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF ALÍQUOTA CODIGO DA LISTA SERVIÇOS CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF DESCRIÇÃO DO CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF ALÍQUOTA 101 10100001 Análise e desenvolvimento de sistemas 5,00% 102 10200001 Programação 5,00% 103 10300001

Leia mais

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE?

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? SUMÁRIO I O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? I.1 - RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA... 23 II SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS II.1 - IRRF - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS... 29 II.1.1 - Hipóteses

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Legislação tributária municipal

Maratona Fiscal ISS Legislação tributária municipal Maratona Fiscal ISS Legislação tributária municipal 1. Uma determinada pessoa é possuidora direta de um imóvel, localizado na zona urbana do município de São Paulo, cuja edificação se encontra em ruínas.

Leia mais

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS Base Constitucional: PIS E COFINS PIS: Art. 149 e 239 da Constituição Federal COFINS: Art. 195 da Constituição Federal 1 COFINS Art. 195. A seguridade social

Leia mais

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Page 1 Da base de tributação Page 2 Alteração do art. 3º da Lei nº 9.718/98 Art. 52 A Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, passa a vigorar com as seguintes

Leia mais

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties ALUGUÉIS Retenção do Imposto Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties A legislação tributária prevê que constituem rendimento bruto sujeito ao Imposto de Renda

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

MANUAL Processo Simples Nacional

MANUAL Processo Simples Nacional 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: Conforme combinação com a Equipe Teorema Joinville teríamos que criar uma tabela de Receitas, uma tabela com as alíquotas por faturamento com data inicial final de validade,

Leia mais

ISS Prováveis Alterações na Lista de Serviços e Outras Novidades para 2014 Comentário * www.plantaofiscal.net

ISS Prováveis Alterações na Lista de Serviços e Outras Novidades para 2014 Comentário * www.plantaofiscal.net ISS Prováveis Alterações na Lista de Serviços e Outras Novidades para 2014 Comentário * www.plantaofiscal.net O Projeto de Lei Complementar nº 366/2013 que está em tramitação na Câmara dos Deputados já

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 605/2015

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 605/2015 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 605/2015 Referência : Correio eletrônico, de 12/3/2015. Protocolo AUDIN-MPU nº 932/2015. Assunto

Leia mais

PASSO A PASSO PARA A EMISSÃO DA NOTA CARIOCA

PASSO A PASSO PARA A EMISSÃO DA NOTA CARIOCA PASSO A PASSO PARA A EMISSÃO DA NOTA CARIOCA 1º PASSO Certificado Digital ou Senha Web? Existem duas formas de acessar o sistema para a emissão da NFS-e, uma com o Certificado Digital e a outra pela Senha

Leia mais

Declaração do Plano de Saúde - DPS. Versão 1.2

Declaração do Plano de Saúde - DPS. Versão 1.2 Declaração do Plano de Saúde - DPS Versão 1.2 Declaração do Plano de Saúde - DPS Versão do Manual: 1.2 pág. 2 Manual da Declaração do Plano de Saúde - DPS ÍNDICE 1. Considerações Gerais... 3 1.1. Definição...

Leia mais

3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5. 4.1.1 ALÍQUOTA E DEDUÇÕES (Item alterado) 5

3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5. 4.1.1 ALÍQUOTA E DEDUÇÕES (Item alterado) 5 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 5 2 INTRODUÇÃO 5 3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4 CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5 4.1.1 ALÍQUOTA E DEDUÇÕES (Item alterado)

Leia mais

DECRETO Nº 1358, DE 08 DE JUNHO DE 2015 D E C R E T A: DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

DECRETO Nº 1358, DE 08 DE JUNHO DE 2015 D E C R E T A: DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 1358, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Regulamenta a Lei 9.499, de 26 de novembro de 2014, que instituiu o Programa Nota GYN, no Município de Goiânia e dispôs sobre a geração e

Leia mais

I quando o prestador de serviços estabelecido no Município do Rio de Janeiro executar serviço;

I quando o prestador de serviços estabelecido no Município do Rio de Janeiro executar serviço; DECRETO N.º 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. [Publicado no D.O. Rio de 12.05.2010.] [Alterado pelo Decreto nº 32.549, de 20.07.2010, publicado no D.O. Rio de 21.07.2010.] [Alterado pelo Decreto nº 32.601,

Leia mais

Nova sistemática de cálculo da contribuição previdenciária patronal;

Nova sistemática de cálculo da contribuição previdenciária patronal; Nova sistemática de cálculo da contribuição previdenciária patronal; Até a Lei 12.546/11 a empresa contribuía para o financiamento da Seguridade Social através dos 20% sobre a folha de pagamento. Após

Leia mais

SUJEIÇÃO PASSIVA NO ISSQN E SUAS INTERCORRÊNCIAS DOUTRINÁRIAS E JURISPRUDENCIAIS

SUJEIÇÃO PASSIVA NO ISSQN E SUAS INTERCORRÊNCIAS DOUTRINÁRIAS E JURISPRUDENCIAIS SUJEIÇÃO PASSIVA NO ISSQN E SUAS INTERCORRÊNCIAS DOUTRINÁRIAS E JURISPRUDENCIAIS 1. INTRODUÇÃO CONTRIBUINTE é o prestador do serviço, ou seja, aquele que deve cumprir a obrigação tributária, nos termos

Leia mais

TABELA DE RETENÇÃO NA FONTE DAS CONTRIBUIÇÕES - PIS/COFINS/CSLL. SIM (ADI n 10/2004) SIM

TABELA DE RETENÇÃO NA FONTE DAS CONTRIBUIÇÕES - PIS/COFINS/CSLL. SIM (ADI n 10/2004) SIM Serviços/Atividades - PJ Prestadora de Serviços Adiantamento (por conta de aquisições de bens ou prestação de serviços para entrega futura) Administração de bens ou negócios Administração de obras, elaboração

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior IRRF de 23/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Incidência do Imposto de Renda Sobre Locação de Imóveis... 5 3.2

Leia mais

BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO DEDUÇÃO IR

BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO DEDUÇÃO IR BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO DEDUÇÃO IR LUCRO REAL: Benefício direto no IR e na Contribuição Social, pois a locação é classificada como despesa na hora de recolher os tributos. Além disso, se a empresa calcular

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ GABINETE DO PREFEITO C.N.P.J : 05.251.632/0001-41

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ GABINETE DO PREFEITO C.N.P.J : 05.251.632/0001-41 LEI Nº 8.549, de 15 de dezembro de 2009. Dispõe sobre alteração da base de cálculo e alíquotas constantes das Tabelas I e VI de que tratam os artigos 198 e 223 do Código Tributário Municipal e dá outras

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA REMUNERAÇÃO INDIRETA - TRATAMENTO TRIBUTÁRIO Introdução - Cômputo na Remuneração do Beneficiário

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 Disciplina os procedimentos referentes aos benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA,

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo.

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo. SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Carlos Alberto Freitas Barreto CHEFE DO CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias COORDENADOR DE PREVISÃO E ANÁLISE Raimundo Eloi

Leia mais

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015 Vicente Sevilha Junior setembro/2014 Compreender como funciona o SIMPLES Entender quais atividades podem ou não optar pelo SIMPLES Analisar as tabelas e percentuais do SIMPLES

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

O ISS e a importação e exportação de serviços

O ISS e a importação e exportação de serviços O ISS e a importação e exportação de serviços Alberto Macedo Bacharel, Mestre e Doutor USP Presidente do Conselho Municipal de Tributos de São Paulo ÍNDICE 1. Exportação de Serviços 2. Importação de Serviços

Leia mais