MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado do Rio de Janeiro RELATÓRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado do Rio de Janeiro RELATÓRIO"

Transcrição

1 RELATÓRIO Evento: Discutindo a Classificação Indicativa: Mídia e Drogas Data: 15 de outubro de 2010 das 14h às 19h Local: Sala Macunaíma Anexo II do Ministério da Justiça, sala 425 Brasília-DF Convite: Secretaria Nacional de Justiça Objetivo: A reunião que conta com a parceria da Secretaria Nacional de Políticas sobre drogas (SENAD) fará parte da série de eventos de atualização democrática do modelo brasileiro de Classificação Indicativa. Inicialmente, foi informado que a consulta pública relativa à classificação indicativa deve ocorrer a partir do final do mês de outubro ou início do mês de novembro deste ano. Foi, ainda, ressaltada a necessidade de interação das políticas públicas estabelecidas pelo DEJUS e pela SENAD no contexto em questão. Dando início à reunião, foram feitas as apresentações de todos os presentes. Após, pelo DEJUS, foi realizada breve exposição, em que foi apresentada a base legal da classificação indicativa. Foi ressaltada pelo DEJUS a necessidade de unificação das Portarias existentes, a partir da consulta pública a ser realizada, bem como de atualização do tema. Foram também relatadas as oficinas que vêm sendo realizadas com emissoras, produtores etc. Pelo DEJUS foi destacada a importância de debater, na reunião, sobre as seguintes questões/dúvidas: se as análises para fins de classificação indicativa, na forma apresentada, estão de acordo com as etapas de desenvolvimento da infância e adolescência; qual a melhor forma de avaliação quando o contexto do consumo de drogas ilícitas seja de condenação; se há maior motivação de consumo por crianças e adolescentes quando este é feito por alguém da mesma faixa etária ou por um ídolo;

2 avaliação quanto à separação entre drogas lícitas e ilícitas, leves ou pesadas; se crianças e adolescentes estão preparados para discussão de questões relativas ao tráfico de drogas; e se, de fato, o maior impacto são de cenas de ficção ou de cenas realísticas e jornalísticas. Neste contexto, foi apresentado o Guia Prático do DEJUS que derivou do Manual de Classificação Indicativa, visando facilitar o dia a dia da classificação. Foi afirmado que o referido Guia não significa uma revogação do Manual. Transcreve-se, abaixo, o texto do Guia Prático relativo ao critério Drogas: CRITÉRIO: DROGAS CLASSIFICAÇÃO: LIVRE São admitidos conteúdos que apresentem: a) CONSUMO MODERADO DE DROGAS LÍCITAS - A tendência é aplicada quando são apresentadas cenas irrelevantes para a trama com consumo moderado de drogas lícitas em situações sociais, sem que se apresentem efeitos relacionados ao consumo das drogas (embriaguez e abstinência). EXEMPLO: Cigarro em happy hour, espumante no ano novo, vinho no jantar etc. b) CONSUMO REGULAR DE MEDICAMENTOS - A tendência é aplicada quando são apresentadas cenas em que personagem consome medicamentos devidamente receitados. EXEMPLO: Homem consome remédio para dor e fica claro por diálogos, imagens ou contextos que houve prescrição médica. c) CONSUMO INSINUADO DE DROGAS LÍCITAS - A tendência é aplicada quando são apresentadas cenas em que as drogas ambientam a cena, mas não se mostra consumo explícito. EXEMPLO: São apresentados bares, ambientes esfumaçados, copos e taças com bebidas que, infere-se, são alcoólicas. d) DESCRIÇÕES VERBAIS COMEDIDAS DE DROGAS LÍCITAS - A tendência é aplicada quando são apresentadas cenas com diálogos, narrações e cartelas gráficas com descrições superficiais, comedidas e irrelevantes para a trama sobre conteúdo de drogas lícitas.

3 EXEMPLO: Estou de ressaca. Bebi muito ontem. CLASSIFICAÇÃO: NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS a) DESCRIÇÕES VERBAIS DO CONSUMO DE DROGAS LÍCITAS - A tendência é aplicada quando há diálogos, narrações ou cartelas gráficas com descrição do consumo de drogas lícitas. EXEMPLO: Ontem estava calor, abri uma cerveja geladinha e bebi numa golada só. Depois, acendi um cigarro e fumei, enquanto bebia outra cerveja... b) DISCUSSÃO SOBRE O TEMA TRÁFICO DE DROGAS - A tendência é aplicada quando existe imagens, diálogos ou contextos que apresentem o tema tráfico de drogas, com causa, consequência ou soluções pertinentes ao caso, com um discurso equilibrado sobre as questões sociais que o tema engloba. EXEMPLO: personagens debatem sobre as possíveis penas para traficantes de drogas. CLASSIFICAÇÃO: NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS a) CONSUMO DE DROGAS LÍCITAS - A tendência é aplicada quando há cenas em que sejam exibidos consumos de cigarros de nicotina e bebidas alcoólicas. EXEMPLO: Personagem chega em casa, acende um cigarro e o consome sentado no sofá. b) INDUÇÃO AO USO DE DROGAS LÍCITAS - A tendência é aplicada quando há cenas em que personagem oferece a outro ou o estimula a consumir cigarro de nicotina, bebida alcoólica ou medicamentos de forma irregular. EXEMPLO: Homem dá a outro remédio para controlar um mal, mulher oferece um cigarro. c) CONSUMO IRREGULAR DE MEDICAMENTOS / AUTOMEDICAÇÃO

4 - A tendência é aplicada quando há cenas em que sejam exibidos consumos de medicamentos sem prescrição médica ou com a receita, mas consumido de forma irregular (em dose excessiva, por exemplo). EXEMPLO: Personagem consome analgésicos, anfetaminas ou tranqüilizante para sentir-se melhor, mas sem ter consultado médico. d) USO MEDICINAL DE DROGAS ILÍCITAS - A tendência é aplicada quando há cenas em que personagem consome drogas, consideradas ilícitas no Brasil, como maconha, para fins medicinais, quando for apresentado contexto adequado. EXEMPLO: Personagem que vive em país onde o consumo de maconha para fins medicinais é lícito, usa a droga para atenuar a dor do câncer. CLASSIFICAÇÃO: NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS a) INSINUAÇÃO DO CONSUMO DE DROGAS ILÍCITAS - A tendência é aplicada quando se apresenta cena em que, por imagens, diálogos ou contexto, entende-se que houve consumo de drogas ilícitas. EXEMPLO: Personagem apresentando alucinação. b) DESCRIÇÕES VERBAIS DO CONSUMO DE DROGAS ILÍCITAS - A tendência é aplicada quando se apresenta cena em que personagem revela que consumiu droga ilícita. EXEMPLO: Ontem cheguei em casa e fumei um baseado. c) POSSE OU CONSUMO DE DROGAS LEVES - A tendência é aplicada quando se apresenta cena em que personagem consome drogas ilícitas ditas leves, como maconha e haxixe. EXEMPLO: Homem acende cigarro de maconha e o traga. d) DISCUSSÃO SOBRE O TEMA LIBERAÇÃO DO USO, COMÉRCIO, POSSE OU PRODUÇÃO DE DROGAS ILÍCITAS - A tendência é aplicada quando se apresentam diálogos entre personagens gerando um debate sobre a liberalização de drogas (desde a produção até o consumo), deixando claras as causas, consequências e soluções pertinentes ao caso, com um discurso equilibrado sobre as questões sociais e de saúde que o tema engloba.

5 EXEMPLO: Dois amigos discutem sobre a liberalização da maconha. CLASSIFICAÇÃO: NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS a) PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE QUALQUER DROGA ILÍCITA - A tendência é aplicada quando se apresenta cena com a produção e/ou comercialização de drogas consideradas ilícitas no Brasil. EXEMPLO: Apresenta-se a produção de cocaína, uma plantação de maconha ou a compra de haxixe. b) POSSE E CONSUMO DE DROGAS PESADAS - A tendência é aplicada quando se apresenta cena com porte ou consumo das drogas ditas pesadas, como cocaína, merla, crack e drogas sintéticas. EXEMPLO: Homem inala cocaína. c) CRIANÇA(S) E/OU ADOLESCENTE(S) ENVOLVIDO(S) NA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO, POSSE OU CONSUMO DE QUALQUER DROGA LÍCITA - A tendência é aplicada quando se apresenta cena em que criança ou adolescente participa diretamente de algumas das etapas de produção, comercialização, porte ou consumo de qualquer droga lícita. EXEMPLO: Criança compra cerveja. CLASSIFICAÇÃO: NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS a) APOLOGIA OU INDUÇÃO AO USO DE DROGAS ILÍCITAS - A tendência é aplicada quando se apresenta imagem, diálogos ou contextos em que se estimule o consumo de qualquer droga ilícita. EXEMPLO: Homem oferece a outro cigarro de maconha. Homem discursa sobre os benefícios da cocaína. b) CONSUMO EXPLÍCITO E REPETIDO DE DROGAS ILÍCITAS DE QUALQUER NATUREZA - A tendência é aplicada quando se apresenta consumo constante e detalhado de drogas ilícitas. EXEMPLO: Personagem injeta heroína em várias cenas de um filme.

6 c) CRIANÇAS OU ADOLESCENTES ENVOLVIDOS NA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO, POSSE OU CONSUMO DE QUALQUER DROGA ILÍCITA - A tendência é aplicada quando se apresenta cena em que criança ou adolescente participa diretamente de etapas citadas no enunciado, de qualquer droga ilícita. EXEMPLO: Adolescente inala cocaína. Foi feita a análise da página 33 do Guia Prático, na qual são explicitadas as tendências de classificação livre que não estão no Manual, mas que vêm sendo aplicadas, fazendo-se a apresentação de exemplos práticos com cenas de filmes. Também foram apresentados exemplos, em relação à classificação de 10 e 12 anos páginas 34 e 35 do Guia. Foi ressaltado que os critérios apresentados tratam-se apenas de indicativos. Isto significa que apenas uma cena especificamente não determina a classificação como tal. Classificação 14 anos páginas 35 e 36 do Guia Prático. Classificação 16 anos foram apresentados os critérios para tal classificação. Pelo DEJUS foi dito que há dúvida se, quando tem crianças e adolescentes envolvidos na produção, comercialização, posse ou consumo de qualquer droga ilícita já se deve encaminhar a classificação para 16 anos, afastando um público de idade menor que teria interesse nesta discussão. Classificação 18 anos -página 37 do Guia Prático. Foram destacadas também as páginas 39 e seguintes nas quais constam as tendências atenuantes e agravantes, levando-se em consideração a importância do contexto. Atenuantes específicos. Agravantes páginas 43 a 45 do Guia Prático. Debates: Dúvida sobre inserção de uso de drogas lícitas ou ilícitas em rituais religiosos o DEJUS informou que tal situação é inserida no aspecto cultural item d, atenuantes gerais página 39 do Guia. Por presentes, foi afirmada a necessidade de maior esclarecimento deste aspecto. Questionou-se também sobre doping e se já houve alguma reflexão sobre conteúdo na internet. Foi levantada a necessidade de inclusão de anfetaminas para emagrecimento na questão drogas. Pela representante da SENAD: Afirmou que a lei brasileira não

7 separa droga leve ou pesada, ou é lícita ou ilícita, entendendo que não caberia ao DEJUS fazer a distinção. Ressaltou a importância da consideração do contexto em que o uso da droga está inserido, já que muitos filmes utilizam o tema com o caráter pedagógico. Fez a ponderação de que o tema sobre o uso de drogas não pode ser tabu, para não cair no viés moralista da discussão. O cuidado deve ser quanto a não estimular o consumo, mas não evitar o debate. A discussão não pode ser fundamentalista nem banalizadora. Deve-se tentar o equilíbrio. Entende que os critérios estão adequados; destacou os seguintes aspectos: a) há forte identificação entre pares em razão da uniformização de comportamento; b) não poderia haver separação entre drogas leves e pesadas; c) alguns programas jornalísticos acabam sendo bem mais drásticos do que a ficção, com cenas humilhantes e grotescas, sendo mais impactantes de forma negativa do que filmes. Pelo representante da ANDI foi dito que a preocupação é válida, mas por certo os programas jornalísticos não devem ser objeto de classificação indicativa, devendo ter encaminhamentos de outro tipo, junto às emissoras e ao Ministério Público. Pelo DEJUS foi dito que não há qualquer encaminhamento no sentido de classificação indicativa de programas jornalísticos. O Guia Prático não tem mudanças substanciais em relação ao Manual, mas sim abrange as situações mais recorrentes. Não consta mais avaliação quanto a percentual, por exemplo, de quantidade de cenas de droga na obra etc. Com certeza vão surgir na consulta pública temas que não são propriamente da classificação indicativa, como publicidade e merchandising, mas que serão encaminhados para discussão nos setores competentes do Governo. Quanto à internet, o DEJUS afirmou que há grande dificuldade de regulação pela instantaneidade da informação, mas pode-se caminhar no sentido de responsabilização, conforme é a diretriz do marco civil. Pela representante do Conselho Federal de Psicologia: Afirmou que, além de se levar em conta o contexto de condenação do uso de drogas, deveria haver outros critérios, de caráter mais qualitativos. Afirmou, ainda, que o uso de imagem dos ídolos impacta mais do que a imagem dos iguais. Pelo representante da Campanha Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania - destacou que há dúvida quanto a caber, ao lado da indicação, uma recomendação do tipo: desde que acompanhados de pais e responsáveis ou no sentido de que os pais promovam o debate sobre tema. Deveria ser incentivado o debate por emissoras em relação ao tema.

8 Pela SENAD foi destacada a preocupação de interferir no poder familiar com este tipo de recomendação. Pelo representante da UnB: Questionou-se o que é o não uso moderado de drogas para fins de classificação. Preocupação com a estigmatização de usuários de drogas que muitas vezes, na verdade, são pessoas que trabalham, tem vida normal etc. Pela representante do instituto ALANA preocupação quanto ao merchandising e à questão da TV por assinatura. Pelo representante da UNIFESP: manifestou preocupação quanto ao caráter preventivo destacou ser importante criar classificação sobre contexto do uso e de acordo com a utilização do tema de maneira positiva. Destacou que há filmes que acabam não sendo objeto de trabalho preventivo com menores em virtude da classificação estipulada, apesar da relevância do tema ser trabalhado com esses menores. Pelo representante do VIVA RIO manifestou preocupação quanto à necessidade de conteúdo equilibrado na tendência do item b para 10 anos. Acha que não deve haver classificação em propagandas, mas é importante que as campanhas sejam feitas de forma adequada; destacou a questão das propagandas de cerveja. Pela representante da SENAD foi dito que, em relação à questão da cerveja, há um projeto de lei para que se modifique o conteúdo do que é bebida alcoólica, em razão da questão do teor. Atualmente, a cerveja não está enquadrada neste parâmetro. Pelo DEJUS foi dito que, em relação ao uso moderado, há dificuldade entre objetividade e subjetividade. Em relação à questão da TV por assinatura, verifica-se que a lei do vchip não funcionou e é uma das bases da classificação indicativa (afirmou que a classificação indicativa acabou se firmando porque a lei do vchip não apresentou eficácia). Disse que é preciso melhorar esse controle e que o DEJUS está realizando reuniões com as respectivas Associações de Tvs por assinatura. Afirmou, ainda, que há necessidade da discussão pública para validar eventuais alterações em relação às Tvs por assinatura. O Diretor do DEJUS afirmou ser relevante o uso de filmes com menores visando o caráter preventivo. Acha que tem que ser usado, com autorização dos pais. Informou que existe, inclusive, formulário na página do DEJUS para fins de autorização dos pais para que seus filhos assistam aos filmes de classificação superior a suas respectivas idades. Pelo representante da UnB destacou ser relevante incluir na discussão da consulta pública a questão da redução de danos por meio de videos educativos. Questionou ainda como é feita a transposição de novelas para a internet,

9 se é informada a classificação etc. Destacou a necessidade de estimular que o anúncio da classificação seja oral também nas televisões, para fins de acessibilidade às pessoas com deficiência visual. Apresentou, ainda, questionamento quanto ao que vem sendo pensado em termos de rádio Pela representante do Conselho Federal de Psicologia foi destacado que, em relação à redução de danos, há muito a se aprender e a se entender neste aspecto, citando, inclusive, o exemplo de pesquisa em que houve a redução do uso de crack com a administração da maconha. Pelo representante da Campanha Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania foi destacada a realização de TACs pelo MP de Pernambuco em relação a propagandas de cachaça, em rádio, que teriam causado grande aumento de consumo de álcool. Pelo DEJUS, ao final, foi dito que a reunião teve como objetivo fazer um chamado para participação na consulta pública e q divulgação do debate público, visando a qualidade das contribuições a serem apresentadas. Eis, em síntese, o relato dos temas abordados na reunião. Marcia Morgado Miranda Procuradora da República

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO Dário Fernando Treméa Kubiak 1 Jesus N. Durgant Alves 2 Mara Regina Nieckel da Costa 3 RESUMO Este artigo objetiva

Leia mais

Sumário. 8. Relacionamento com a Comunidade e com o Meio Ambiente. 9. Relacionamento com os Lojistas. 10. Relacionamento com os Fornecedores

Sumário. 8. Relacionamento com a Comunidade e com o Meio Ambiente. 9. Relacionamento com os Lojistas. 10. Relacionamento com os Fornecedores Manual de Conduta ntrodução O Shopping Recife é um empreendimento imobiliário tipo shopping center, sendo primordial que nossos colaboradores atuem com base em valores e objetivos comuns. A postura ética

Leia mais

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas PÚLBLICO ALVO: Toda a comunidade escolar e a sociedade local de modo geral. APRESENTAÇÃO: Todos concordam que a Escola tem um papel fundamental em nossa sociedade,

Leia mais

São Paulo, domingo, 27 de junho de 2010. É claro que as drogas merecem atenção, mas as pesquisas mostram que o grande problema é o álcool

São Paulo, domingo, 27 de junho de 2010. É claro que as drogas merecem atenção, mas as pesquisas mostram que o grande problema é o álcool São Paulo, domingo, 27 de junho de 2010 GILBERTO DIMENSTEIN Porres da elite É claro que as drogas merecem atenção, mas as pesquisas mostram que o grande problema é o álcool Um bar em São Paulo, próximo

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

Infância e Comunicação Direitos, Democracia e Desenvolvimento

Infância e Comunicação Direitos, Democracia e Desenvolvimento Infância e Comunicação Direitos, Democracia e Desenvolvimento Classificação Indicativa: Informação e Liberdade de Escolha Março, 2013 Mídia e Impacto Todo indivíduo pode ser influenciado pelo que vê nas

Leia mais

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A Sociedade muda (acentuando o problema das drogas nos últimos 30 anos) Ao

Leia mais

Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015

Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015 Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015 SENHOR DO BONFIM - BAHIA 2015 1 ATIVIDADES: DESCRIÇÃO A correta utilização

Leia mais

Conteúdos Atividades de revisão da 2ª avaliação do 4º bimestre - Ciências da Natureza

Conteúdos Atividades de revisão da 2ª avaliação do 4º bimestre - Ciências da Natureza Conteúdos Atividades de revisão da 2ª avaliação do 4º bimestre - Ciências da Natureza Conteúdos 2ª Avaliação do 4º bimestre Área de Ciências da Natureza Habilidades Revisar os conteúdos da Área de Ciências

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA SUMÁRIO 1 ÉTICA...03 2 APRESENTAÇÃO...04 3 APLICAÇÃO...05 4 FINALIDADES...06 5 DEFINIÇÕES...07 6 CULTURA ORGANIZACIONAL...08 6.1 MISSÃO...08 6.2 VISÃO...08 6.3 VALORES...08 6.4

Leia mais

Valorizamos as relações respeitosas, responsáveis e confiáveis com os diferentes públicos, interno e externo, em que não há espaço para:

Valorizamos as relações respeitosas, responsáveis e confiáveis com os diferentes públicos, interno e externo, em que não há espaço para: Introdução A BRMALLS é uma empresa que atua em diversos estados e para manter unida nossa companhia, nossos funcionários devem agir com base em valores e objetivos comuns. Isso se reflete nas atitudes

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Leia o texto a seguir e responda à questão 13. Apontar não é falta de educação A apontação na língua de sinais brasileira faz parte da língua. Ela serve para diferentes

Leia mais

DE VILA VELHA DE CÂIVIARA MUNICIPAL AVISO. Dra. Maria do Carmo de Jesus Amaro Sequeira, Presidente da

DE VILA VELHA DE CÂIVIARA MUNICIPAL AVISO. Dra. Maria do Carmo de Jesus Amaro Sequeira, Presidente da DE VILA VELHA DE CÂIVIARA MUNICIPAL AVISO REGULAMENTO INTERNO DE E CONTROLO DE ALCOOLISMO Dra. Maria do Carmo de Jesus Amaro Sequeira, Presidente da Municipal de Vila Velha de faz saber que: Foi aprovado

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO TÉCNICO PARA A PROPAGANDA DE BEBIDAS ALCOÓLICAS

MINUTA DE REGULAMENTO TÉCNICO PARA A PROPAGANDA DE BEBIDAS ALCOÓLICAS MINUTA DE REGULAMENTO TÉCNICO PARA A PROPAGANDA DE BEBIDAS ALCOÓLICAS Resolução da Diretoria Colegiada - RDC n. de de 2006. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Legalização da maconha

Legalização da maconha Legalização da maconha Secretaria de Transparência Coordenação de Controle Social Serviço de Pesquisa DataSenado Julho de 2014 www.senado.leg.br/datasenado 1 57% dos brasileiros apoiam a legalização da

Leia mais

A MATEMÁTICA E A SUSTENTABILIDADE COMO QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA PARA AS FUTURAS GERAÇÕES

A MATEMÁTICA E A SUSTENTABILIDADE COMO QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA PARA AS FUTURAS GERAÇÕES A MATEMÁTICA E A SUSTENTABILIDADE COMO QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA PARA AS FUTURAS GERAÇÕES José Erildo Lopes Júnior 1 (juniormat2003@yahoo.com.br) RESUMO: Este trabalho apresenta o resultado de um pôster

Leia mais

TRATAMENTO DE DADOS: PESQUISA SOBRE O NÚMERO DE FUMANTES NO CAMPUS DA ULBRA DE GUAÍBA

TRATAMENTO DE DADOS: PESQUISA SOBRE O NÚMERO DE FUMANTES NO CAMPUS DA ULBRA DE GUAÍBA TRATAMENTO DE DADOS: PESQUISA SOBRE O NÚMERO DE FUMANTES NO CAMPUS DA ULBRA DE GUAÍBA Ismael Bridi 1 Carine B. Loureiro 2 Paulo Samarani 3 RESUMO Em pesquisa realizada entre os alunos do campus da ULBRA

Leia mais

MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP

MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP 1 Código de Ética e Conduta da Argus MENSAGEM DO PRESIDENTE Este Código de Ética e Conduta foi elaborado com a finalidade de explicitar

Leia mais

Subcomissão Técnica de Licitação - Concorrência Nº AA 01/2014 BNDES

Subcomissão Técnica de Licitação - Concorrência Nº AA 01/2014 BNDES MEMO Subcomissão Técnica Nº 02/2014 De: Para: Subcomissão Técnica de Licitação - Concorrência Nº AA 01/2014 BNDES Comissão Especial de Licitação - Concorrência Nº AA 01/2014 BNDES Priscila Lisboa Nascimento

Leia mais

Histórico. O Projeto surgiu para atender à cláusula de um CCT (Implementação de programa de prevenção ao uso de drogas).

Histórico. O Projeto surgiu para atender à cláusula de um CCT (Implementação de programa de prevenção ao uso de drogas). Histórico O Projeto surgiu para atender à cláusula de um CCT (Implementação de programa de prevenção ao uso de drogas). Convênio com o SESI Programa PREVDROGAS, extensão para a Comunidade Portuária. Objetivo

Leia mais

Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer?

Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer? Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer? O educador pode contribuir para prevenir o abuso de drogas entre adolescentes de duas formas básicas: incentivando a reflexão e a adoção de

Leia mais

Consumo de bebidas alcoólicas e seus efeitos

Consumo de bebidas alcoólicas e seus efeitos Comissão Especial Bebidas Alcoólicas Câmara dos Deputados Consumo de bebidas alcoólicas e seus efeitos Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Consumo per capita de litros puros de álcool entre adultos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES MANUAL DE GOVERNANÇA 2015 ABA MANUAL DE GOVERNANÇA I. INTRODUÇÃO É norma e política da Associação Brasileira de Anunciantes ("ABA"), o estrito cumprimento de todas

Leia mais

A N C I N E. ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria cinematográfica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE

A N C I N E. ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria cinematográfica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE A N C I N E ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria cinematográfica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE 1 ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria

Leia mais

a) a locução Lei de Incentivo ao Esporte Prefeitura de São Paulo ;

a) a locução Lei de Incentivo ao Esporte Prefeitura de São Paulo ; manual de DIVULGAÇÃO da lei municipal de incentivo ao esporte APLICAÇÃO DA MARCA LEI E DECRETO Lei nº 15.928/13 Art. 32. Em todos os projetos incentivados por esta lei deverá constar claramente de todo

Leia mais

Sugestão de Atividades Pedagógicas: Projeto Maria da Penha vai às Escolas

Sugestão de Atividades Pedagógicas: Projeto Maria da Penha vai às Escolas Sugestão de s Pedagógicas: Projeto Maria da Penha vai às Escolas Ficha Técnica GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS GOVERNADOR DO ESTADO Antonio Augusto Junho Anastasia VICE- GOVERNADOR DO ESTADO Alberto

Leia mais

Verificação do Cumprimento e Avaliação dos Indicadores do Compromisso Nacional para Aperfeiçoar as Condições de Trabalho na Indústria da Construção

Verificação do Cumprimento e Avaliação dos Indicadores do Compromisso Nacional para Aperfeiçoar as Condições de Trabalho na Indústria da Construção Verificação do Cumprimento e Avaliação dos Indicadores do Compromisso Nacional para Aperfeiçoar as Condições de Trabalho na Indústria da Construção JUSTIFICATIVA O método de verificação e avaliação dos

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A LEI EM PAÍSES DA EUROPA

COMENTÁRIOS SOBRE A LEI EM PAÍSES DA EUROPA COMENTÁRIOS SOBRE A LEI EM PAÍSES DA EUROPA ESPANHA A Espanha foi um dos primeiros países europeus a descriminalizar uso de marijuana e um dos últimos a programar a troca de agulhas. O governo espanhol

Leia mais

RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO

RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO Renata Juliana Pereira de Moraes Trindade Crislene Kelly Guedes Lopes Luiza Jamila Silva da Costa Maria

Leia mais

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) foi criada pela Lei estadual 14.028 de março de 2010 e tem como uma de suas finalidades executar a Política

Leia mais

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Introdução. O abuso de drogas é considerado, atualmente, um dos maiores problemas da nossa sociedade. A situação vem se agravando cada

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA Ordem de Serviço: 03/2014/CGM-AUDI Unidade Auditada: Contrato de Gestão nº 001/2013 Celebrado entre a Fundação Theatro Municipal de São Paulo e o Instituto Brasileiro de Gestão Cultural

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 Nota Técnica nº /2009/SID/MinC Em, de abril de 2009 Ao Sr. Chefe de Gabinete CG/SE/MinC

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA PARCEIROS EM AÇÃO

REGULAMENTO PROGRAMA PARCEIROS EM AÇÃO REGULAMENTO PROGRAMA PARCEIROS EM AÇÃO 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1. As presentes disposições visam regulamentar o Programa Parceiros em Ação, instituído pela Área de Responsabilidade Social do BANCO

Leia mais

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ).

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Titulo 03: Droga, Álcool e cidadania Paulo de Lima (Mestrando em Educação

Leia mais

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O piano ou a Aninha

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O piano ou a Aninha Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O piano ou a Aninha Sumário Sobre a série... 3 Material de apoio... 3 Roteiro para uso dos vídeos em grupos... 4 Orientações para o facilitador... 4

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD Geraldo Mendes de Campos ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD OBJETIVOS: - impedir ou retardar

Leia mais

10.207.232/0001-79, 1970 5 CEP: 04565-907, 1) PRÊMIO INSTITUTO CLARO

10.207.232/0001-79, 1970 5 CEP: 04565-907, 1) PRÊMIO INSTITUTO CLARO REGULAMENTO Realizadora: Instituto Claro, CNPJ: 10.207.232/0001-79, com sede na Rua Flórida, 1970 andar 5 CEP: 04565-907, Cidade Monções São Paulo/SP. 1) PRÊMIO INSTITUTO CLARO 1.1. O Prêmio Instituto

Leia mais

Estudo sobre Comportamentos de Risco

Estudo sobre Comportamentos de Risco quadernsquadernsanimacio.netnº10;julhode2009animacio.netnº10;julhode2009 quadernsanimacio.net nº11;janeirode2010 EstudosobreComportamentosdeRisco ResultadosdeInquéritonumaPerspectiva depromoçãodasaúde

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

O que os olho. a empresa sen. 28 JULHO/AGOSTO/SETEMBRO 2005 diga lá nº 44 ILUSTRAÇÃO ALÊ ABREU

O que os olho. a empresa sen. 28 JULHO/AGOSTO/SETEMBRO 2005 diga lá nº 44 ILUSTRAÇÃO ALÊ ABREU a empresa sen O que os olho ILUSTRAÇÃO ALÊ ABREU 28 JULHO/AGOSTO/SETEMBRO 2005 diga lá nº 44 Uma epidemia ainda invisível atinge a força de trabalho sem que a maior parte das empresas brasileiras perceba.

Leia mais

Uso de Substâncias Psicoativas

Uso de Substâncias Psicoativas Uso de Substâncias Psicoativas X Direção Veicular ALOISIO ANDRADE Psiquiatra e Homeopata XI Jornada Mineira de Medicina de Tráfego Belo Horizonte - MG 18 e 19/07/2014 I-Dados Estatísticos - O Brasil ocupa

Leia mais

APROVADO EM: I APRECIAÇÃO

APROVADO EM: I APRECIAÇÃO INTERESSADO(A): Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso SEDUC EMENTA : Projeto Reorganização da Trajetória Escolar para alunos com Distorção idade/ano escolar RELATOR(A) : Consª Carmen Lúcia de

Leia mais

NORMA PARA PARCERIAS E DEMAIS ATIVIDADES DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE CONTEÚDO INFORMATIVO NOR 215

NORMA PARA PARCERIAS E DEMAIS ATIVIDADES DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE CONTEÚDO INFORMATIVO NOR 215 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO COD. 200 ASSUNTO: PARCERIAS E DEMAIS ATIVIDADES DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE CONTEÚDO INFORMATIVO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 89, de 14/09/2015. VIGÊNCIA:

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 5.269, DE 2001 (Apensos os Pls. 2.134/96, 2.415/96, 3.046/97, 3.422/97, 4.052/98, 4.360/98, 1.568/99, 2.029/99, 2.089/99, 2.507/00, 3.573/00, 3.235/00,

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Enfª. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva do PRPPG - UFES VITÓRIA 2015 Nessa aula

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA BC CONSULT Página 1 de 9 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PRINCÍPIOS... 4 INTEGRIDADE... 4 DISCRIMINAÇÃO... 4 CONFLITO DE INTERESSE... 4 CONFIDENCIALIDADE DE INFORMAÇÕES... 5 PROTEÇÃO AO

Leia mais

TESTE DE TRIAGEM (ASSIST V3.1)DO ENVOLVIMENTO COM BEBIDAS

TESTE DE TRIAGEM (ASSIST V3.1)DO ENVOLVIMENTO COM BEBIDAS TESTE DE TRIAGEM (ASSIST V3.1)DO ENVOLVIMENTO COM BEBIDAS ALCOÓLICAS,FUMO E FÀRMACOS NOME DO CLÍNICO CLINICA IDENTIFICAÇÃO OU DATA NOME DO CLIENTE INTRODUCÃO (Por favor leia ao cliente. Pode ser adaptado

Leia mais

Consumo problemático de álcool Resumo de diretriz NHG M10 (maio 2005)

Consumo problemático de álcool Resumo de diretriz NHG M10 (maio 2005) Consumo problemático de álcool Resumo de diretriz NHG M10 (maio 2005) Meerkerk GJ, Aarns T, Dijkstra RH, Weisscher PJ, Njoo K, Boomsma LJ traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014

Leia mais

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS *Elenilson F. Alves 1 (PQ), *Clarissa M. Sousa 2 (FM), *Juliana O. Ehlers 1 (IC), *Tais B.

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO)

SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO) A Superintendência de Fomento é o setor responsável na ANCINE pela análise, aprovação e acompanhamento dos projetos audiovisuais que pretendem utilizar recursos oriundos

Leia mais

EDITAL DO CONCURSO Nº 01/2016 SEDF

EDITAL DO CONCURSO Nº 01/2016 SEDF MODALIDADE: CONCURSO 2º FESTIVAL DE FILMES DE CURTA-METRAGEM DAS ES COLAS PÚBLICAS DE BRASÍLIA Homenageado Cineasta Sérgio Moriconi REGIME DE EXECUÇÃO: PREMIAÇÃO PROCESSO N O : 460.000.076/2016. INTERESSADO:

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo POLÍTICA REVISÃO Nº ANO DA ELABORAÇÃO 00 26/06/2009 2009 ELABORADO APROVADO Diretoria SUMÁRIO 1 RESUMO... 3 2 HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3 OBJETIVO... 3 4 APLICAÇÃO... 3

Leia mais

CAMPANHA PARA EXPRESSAR A LIBERDADE, UMA NOVA LEI PARA UM NOVO TEMPO

CAMPANHA PARA EXPRESSAR A LIBERDADE, UMA NOVA LEI PARA UM NOVO TEMPO CAMPANHA PARA EXPRESSAR A LIBERDADE, UMA NOVA LEI PARA UM NOVO TEMPO Princípios e objetivos O novo marco regulatório deve garantir o direito à comunicação e a liberdade de expressão de todos os cidadãos

Leia mais

Valores, inovação e tecnologia. Saúde

Valores, inovação e tecnologia. Saúde Valores, inovação e tecnologia Saúde Novas Tecnologias para o cuidar: Incontinência Urinária Alessandra Cristiane da Silva Cuidados ao Cliente com Incontinência Urinária. Aspectos Etiopatogênicos e Fisiopatológicos.

Leia mais

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir O consumidor e o direito do autor O que você pode e o que não pode reproduzir a lei de direitos autorais permite diversos tipos de cópias. Mas as restrições são muito exageradas. Direito autoral não quer

Leia mais

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD Renato Diniz Silveira 1 Allisson Vasconselos Oliveira 2 Cláudio Alves Taioba Júnior

Leia mais

O Talento Está no Sangue Colsan/Unifesp 1

O Talento Está no Sangue Colsan/Unifesp 1 O Talento Está no Sangue Colsan/Unifesp 1 Gabriel NASCIMENTO 2 João Batista Freitas CARDOSO 3 IMES - Universidade Municipal de São Caetano do Sul, São Caetano do Sul, SP RESUMO Doar sangue é sinônimo de

Leia mais

Políticas Públicas e Legislação sobre Drogas

Políticas Públicas e Legislação sobre Drogas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências da Saúde Centro de Estudos e Pesquisas sobre Álcool e outras Drogas Políticas Públicas e Legislação sobre Drogas Enfª. Camila Barcelos Vieira Mestranda

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ 1. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) A importância do TCLE. A Resolução CNS 196/96 afirma

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DEPENDÊNCIA E TRATAMENTO DO CONSUMO DE TABACO Andréia Souza Grespan

Leia mais

Cartilha para orientação sobre o atendimento aos alunos pela equipe de saúde do CEFET-MG

Cartilha para orientação sobre o atendimento aos alunos pela equipe de saúde do CEFET-MG Cartilha para orientação sobre o atendimento aos alunos pela equipe de saúde do CEFET-MG Cartilha para orientação sobre o atendimento aos alunos pela equipe de saúde do CEFET-MG Quando a família participa

Leia mais

O uso correto do texto alternativo

O uso correto do texto alternativo O uso correto do texto alternativo Tradução livre do texto Appropriate Use of Alternative Text [http://webaim.org/techniques/alttext/] O texto alternativo é, como o nome diz, uma alternativa aos elementos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG. GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG. GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho SECRETÁRIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Renata Maria Paes de Vilhena SUBSECRETÁRIA DE

Leia mais

9 SOLUÇÕES EM VIAGENS guia de identidade visual As regras de aplicação em fundos evitam choque de cores e perda da legibilidade. Marca a traço/positivo FUNDOS Negativo SOLUÇÕES EM VIAGENS SOLUÇÕES EM VIAGENS

Leia mais

REGULAMENTO PORTAL RIC TV RECORD

REGULAMENTO PORTAL RIC TV RECORD REGULAMENTO PORTAL RIC TV RECORD O portal RIC TV RECORD BLUMENAU E ITAJAÍ tem como principal objetivo a diversão e interação com o telespectador, onde o mesmo, ao fazer uma ligação para o portal de voz,

Leia mais

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO Ana Karla Pereira de MIRANDA Universidade Federal do Mato Grosso do Sul PPGMEL ak_miranda@hotmail.com Resumo:

Leia mais

CONTEÚDOS DO PERÍODO LÍNGUA PORTUGUESA. 3) Consulte o texto e escreva (R) para os materiais recicláveis e (N) para os materiais não recicláveis.

CONTEÚDOS DO PERÍODO LÍNGUA PORTUGUESA. 3) Consulte o texto e escreva (R) para os materiais recicláveis e (N) para os materiais não recicláveis. 20 - Roteiro de tarefas- semana de 24 a 28 de agosto COLÉGIO EXTERNATO SÃO JOSÉ Goiânia, de de 2015. Nome: Nº: Turma: Professor (a): 3º Ano ROTEIRO DE TAREFAS SEMANA DE 24 A 28 DE AGOSTO ACESSO AO ROTEIRO

Leia mais

COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES

COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES PRINCÍPIOS DO PACTO GLOBAL Princípios de Direitos Humanos 1. Respeitar e proteger os direitos humanos; 2. Impedir violações de direitos humanos; COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES Reeleita como membro integrante

Leia mais

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT INSTRUÇÃO NORMATIVA SCS Nº 002/2012, DE 31 DE OUTUBRO DE 2012. Versão nº 01 Aprovação em: 31/10/2012 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 053/2012 Unidade Responsável: Departamento de Comunicação I -

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Helton Andrade Canhamaque/UFES heltongeoufes@hotmail.com Júlio de Souza Santos/UFES juliogeoufes@hotmail.com INTRODUÇÃO O trabalho em questão

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação)

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a inclusão digital, instalando computadores nas escolas públicas de ensino fundamental

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. Institui o Projeto Qualidade de Vida dos Profissionais de Segurança Pública e Agentes Penitenciários.

Leia mais

AS DROGAS INVISÍVEIS

AS DROGAS INVISÍVEIS 1 AS DROGAS INVISÍVEIS Autor: Cristino Cesário Rocha BSB/Abril de 2014. Há drogas que afetam o sistema nervoso central, produzem perdas de peso, de equilíbrio, trabalho, estudos, dignidade, amigos, parentes

Leia mais

DIRETRIZES PARA A CONSTRUÇÃO DE UM MARCO REGULATÓRIO DO VÍDEO SOB DEMANDA Minuta de resolução do Conselho Superior de Cinema Dezembro de 2015

DIRETRIZES PARA A CONSTRUÇÃO DE UM MARCO REGULATÓRIO DO VÍDEO SOB DEMANDA Minuta de resolução do Conselho Superior de Cinema Dezembro de 2015 DIRETRIZES PARA A CONSTRUÇÃO DE UM MARCO REGULATÓRIO DO VÍDEO SOB DEMANDA Minuta de resolução do Conselho Superior de Cinema Dezembro de 2015 (1) No último semestre, o Conselho Superior do Cinema realizou

Leia mais

DROGAS - CONCEITOS E PRECONCEITOS - RELATO DA ATIVIDADE REALIZADA COM AS PRIMEIRAS SÉRIES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIOESTE/TOLEDO

DROGAS - CONCEITOS E PRECONCEITOS - RELATO DA ATIVIDADE REALIZADA COM AS PRIMEIRAS SÉRIES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIOESTE/TOLEDO DROGAS - CONCEITOS E PRECONCEITOS - RELATO DA ATIVIDADE REALIZADA COM AS PRIMEIRAS SÉRIES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIOESTE/TOLEDO Adriel José de Quadros 1 Ana Cláudia dos Santos 2 Sérgio Luiz Gondaski

Leia mais

FGV Online/ CTAE. Profº Leopoldo Antonio de Oliveira Neto. Junho de 2010. São Paulo

FGV Online/ CTAE. Profº Leopoldo Antonio de Oliveira Neto. Junho de 2010. São Paulo Percepções de alunos sobre uma experiência colaborativa baseada no software colaborativo wiki, em um ambiente de formação educacional presencial de pós-graduação FGV Online/ CTAE Profº Leopoldo Antonio

Leia mais

PERFIL DOS ADOLESCENTES E SUA RELAÇAO COM AS DROGAS

PERFIL DOS ADOLESCENTES E SUA RELAÇAO COM AS DROGAS PERFIL DOS ADOLESCENTES E SUA RELAÇAO COM AS DROGAS Sandra Heloisa A. Putzke; Elizabeth Maria Lazzarotto, Alcy Aparecida Leite Sousa, Fernando Kami Dell Aringa. E-mail: fernando_kami@hotmail.com Universidade

Leia mais

PAPO LEGAL CONVERSANDO COM JOVENS SOBRE PREVENÇÃO AO USO ABUSIVO DE DROGAS

PAPO LEGAL CONVERSANDO COM JOVENS SOBRE PREVENÇÃO AO USO ABUSIVO DE DROGAS PAPO LEGAL CONVERSANDO COM JOVENS SOBRE PREVENÇÃO AO USO ABUSIVO DE DROGAS APRESENTAÇÃO: A Secretaria de Assistência Social e Cidadania (SASC) por meio da Diretoria de Programas sobre Drogas (DPSD) do

Leia mais

NORMATIVA DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

NORMATIVA DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE NUTRIÇÃO NORMATIVA DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO

Leia mais

Secretaria de Acompanhamento Econômico. Contribuição à consulta pública "MINUTA DE INSTRUÇÃO NORMATIVA QUE

Secretaria de Acompanhamento Econômico. Contribuição à consulta pública MINUTA DE INSTRUÇÃO NORMATIVA QUE MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Brasília, de agosto de 2006. Contribuição à consulta pública "MINUTA DE INSTRUÇÃO NORMATIVA QUE REGULAMENTA A ELABORAÇÃO, A APRESENTAÇÃO E O

Leia mais

No ano passado. lannoy Dorin SUPLEMENTO DO PROFESSOR. Elaborado por Fernanda Baruel

No ano passado. lannoy Dorin SUPLEMENTO DO PROFESSOR. Elaborado por Fernanda Baruel SUPLEMENTO DO PROFESSOR No ano passado lannoy Dorin Elaborado por Fernanda Baruel A adolescência é um período conturbado. Além das mudanças no corpo, muitos e novos são os sentimentos e as sensações. Por

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS 2015

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS 2015 EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS 2015 1 JUSTIFICATIVA O Fórum Permanente instituído pela Lei nº5701/2012 representado pelas seguintes entidades: Associação do Ministério Público do Rio Grande do Sul, da Câmara

Leia mais

PROGRAMA OI DE PATROCÍNIO CULTURAL INCENTIVADO EDITAL DE SELEÇÃO 2015/2016 SELEÇÃO NACIONAL DE PROJETOS CULTURAIS

PROGRAMA OI DE PATROCÍNIO CULTURAL INCENTIVADO EDITAL DE SELEÇÃO 2015/2016 SELEÇÃO NACIONAL DE PROJETOS CULTURAIS A OI e o OI FUTURO tornam público, para conhecimento dos interessados, que receberá inscrições para o Processo de Seleção Nacional de Projetos Culturais 2015/2016. A Seleção Nacional de Projetos Culturais

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador JARBAS VASCONCELOS I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador JARBAS VASCONCELOS I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 187, de 2009, do Senador Sérgio Zambiasi, que altera o art. 33 da Lei nº

Leia mais

Cristina Almeida. Psicóloga escolar

Cristina Almeida. Psicóloga escolar Cristina Almeida Psicóloga escolar Preven Porque falar? Tema atual interfere direta e indiretamente na qualidade de vida. UNODC (Organização das Nações Unidas- Escritório contra Drogas e Crime Global Illicit

Leia mais

Dependência Química na cidade de Taubaté

Dependência Química na cidade de Taubaté NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICO-SOCIAIS NUPES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO. PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E RELAÇÕES COMUNITÁRIAS UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Dependência Química na cidade

Leia mais

Combate às Drogas: Fracasso Anunciado

Combate às Drogas: Fracasso Anunciado Combate às Drogas: Fracasso Anunciado Um mundo sem droga ONU, 1998 - Uma Utopia? José Mauro Braz de Lima Professor Associado da Faculdade de Medicina UFRJ. Diretor Geral do HESFA Hospital Escola São Francisco

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 1 ÍNDICE CRONOGRAMA ------------------------------------------------------------------------------- 3 CATEGORIAS -------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Respeito às pessoas idosas. Respeito às pessoas idosas

Respeito às pessoas idosas. Respeito às pessoas idosas Respeito às pessoas idosas Respeito às pessoas idosas Gostaria de contribuir com as pessoas idosas..., mas acredito que preciso conhecer o Estatuto do Idoso. Posso ajudar você, dando lhe algumas dicas!

Leia mais

Textos e imagens / Mónica G. Zoppi Fontana. Caro Aluno:

Textos e imagens / Mónica G. Zoppi Fontana. Caro Aluno: 1 Caro Aluno: Essa atividade pós-exibição é a quarta, de um conjunto de 7 propostas, que têm por base o segundo episódio do programa de áudio Hora de Debate. As atividades pós-exibição são compostas por

Leia mais

GU-0017-15BF-Codigo-Etica2.indd 1

GU-0017-15BF-Codigo-Etica2.indd 1 GU-0017-15BF-Codigo-Etica2.indd 1 07/12/15 17:39 GU-0017-15BF-Codigo-Etica2.indd 2 07/12/15 17:39 APRESENTAÇÃO Carta do Presidente do Conselho de Administração Pessoas e equipes são valorizadas na Concessionária

Leia mais

Acesso Público. Programa de apoio a iniciativas culturais, educativas e sociais da REDE MINAS

Acesso Público. Programa de apoio a iniciativas culturais, educativas e sociais da REDE MINAS Acesso Público Programa de apoio a iniciativas culturais, educativas e sociais da REDE MINAS Sumário Definição e objetivos 4 Comitê 5 Política de aprovação 7 Premissas para seleção 8 Critérios de avaliação

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAD Nº /2014

MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAD Nº /2014 MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAD Nº /2014 Regulamenta, no âmbito do Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas (SISNAD), as entidades que realizam o acolhimento de pessoas com problemas decorrentes do

Leia mais

Escola de Administração Fazendária

Escola de Administração Fazendária O Programa Nacional de Educação Fiscal para a Cidadania PNEF Escola de Administração Fazendária http://www.esaf.fazenda.gov.br PNEF: A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCO DA CIDADANIA I CONTEXTUALIZAÇÃO 1 -

Leia mais

Concurso para criação da logomarca do PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UFRRJ SOBRE O PIBID/UFRRJ

Concurso para criação da logomarca do PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UFRRJ SOBRE O PIBID/UFRRJ Ministério da Educação Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Graduação Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID/UFRRJ Edital de seleção da logomarca PIBID/UFRRJ

Leia mais