OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO"

Transcrição

1 OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO Dário Fernando Treméa Kubiak 1 Jesus N. Durgant Alves 2 Mara Regina Nieckel da Costa 3 RESUMO Este artigo objetiva oferecer uma reflexão sobre os fatores que contribuem para a permanência de dependentes químicos no tratamento, levando em consideração a trajetória e as experiências de vida, enquanto usuários de drogas. A caracterização das drogas, sejam elas lícitas ou ilícitas, não foi considerada como premissa para o estudo do objeto. A relevância do estudo justifica-se pela importância da identificação de fatores que mantém os sujeitos em tratamento e podem também ser considerados como protetores na sua reintegração à sociedade. PALAVRAS CHAVES: drogas; dependentes químicos; reintegração social. O uso de drogas está relacionado com as transformações sociais decorrentes do processo de civilização e modernização da sociedade ocidental. O crescimento desta problemática está sendo verificado nos últimos anos e suas conseqüências na vida do indivíduo e da sociedade é considerado, hoje, um problema de saúde pública. A situação vem se tornando cada vez mais alarmante e com grande impacto social. Estudar a dependência de drogas, bem como os fatores que venham a contribuir para a reintegração do indivíduo usuário ao convívio social é importante porque visa trazer à discussão desde as formas de comportamento relacionadas à porta de entrada do consumo de drogas - a experimentação e o uso eventual até a identificação dos fatores que possam ser considerados como protetores para retorno a sociedade. Nesse contexto, inicialmente, foram privilegiadas as relações familiares, com o objetivo de analisar como as experiências vividas no cotidiano influenciam no processo de singularizarão do indivíduo e no seu comportamento diante dos desafios da vida em geral. 1 Acadêmico do Curso de Psicologia da Universidade Luterana do Brasil, Unidade Guaíba RS. 2 Acadêmico do Curso de Psicologia da Universidade Luterana do Brasil, Unidade Guaíba RS. 3 Professora Orientadora do Curso de Psicologia da Universidade Luterana do Brasil, Unidade Guaíba RS.

2 2 O conceito de drogas remete ao campo da farmacologia. O termo é utilizado para designar apenas as substâncias psicoativas, que quando absorvidas pelo organismo por diferentes vias (oral, endovenosa, inalada, etc...) e que alteram o funcionamento do Sistema Nervoso Central (S.N.C.). Essas alterações provocam mudanças no estado de consciência e no senso de percepção do usuário, uma vez que as referidas substâncias podem atuar como depressoras, como estimulantes ou como perturbadoras do S.N.C (LIMA, 1997). As substâncias psicoativas são classificadas, segundo Aquino (1998), de acordo seus efeitos no organismo: 1. Estimulantes: Tabaco, Anfetaminas, Ecstasy - MDMA (Metileno Dióxido Metanfetamina), Cocaína, Crack, Cafeínas e Xantinas. 2. Depressores: Álcool, Tranqüilizantes e Barbitúricos, Heroína. 3. Alucinógenos e Perturbadores: L.S.D. (Dietilamida do Ácido Lisérgico), Maconha, Inalantes também chamados de solventes. Quanto aos termos uso e abuso de drogas, é importante esclarecer sobre a diferença do significado de cada um deles. Usar drogas significa consumir algum tipo de substância psicoativa de forma eventual ou recreacional. Como exemplos, podem ser citados o consumo de bebidas alcoólicas em determinadas ocasiões, o uso de psicofármacos por recomendação médica, o uso de algumas ervas em rituais religiosos, ou ainda, o uso esporádico de drogas consideradas ilícitas (maconha, cocaína, etc...). Já o abuso de drogas refere-se ao consumo excessivo de qualquer substância psicoativa que acarrete danos físicos, psicológicos e/ou sociais para o indivíduo. Cabe chamar atenção, ainda, para a classificação das drogas em lícitas e ilícitas. Os dois termos são constantemente utilizados por profissionais e pesquisadores do campo das toxicomanias. No entanto, não se prendem fundamentalmente a critérios técnicos, farmacológicos ou científicos, e podem variar de significado de acordo com o contexto sociocultural (LIMA, 1997). No Brasil, freqüentemente, são consideradas ilícitas as drogas cujo comércio e os consumos são proibidos por lei (maconha, cocaína, heroína, crack, etc...), e como lícitas aquelas cuja lei permite que sejam comercializadas e consumidas (álcool e psicofármacos). No entanto, essa classificação não é muito bem definida, uma vez que algumas substâncias, cujo comércio é permitido (éter, cola de sapateiro, benzina, etc...), podem ser usadas para fins

3 3 diferentes daqueles para os quais foram produzidas e com o propósito de alterar a consciência do indivíduo. Sendo assim, no presente trabalho, estão sendo considerados drogas lícitas apenas o álcool e os psicofármacos. Para os aspectos individuais da drogadição e da dependência química, Freud (1904, apud KALINA, 1999) considerava as toxicomanias e o alcoolismo como sucedâneos da masturbação, que, para ele constituía o hábito primário. Algum tempo depois e com referência específica ao álcool, afirma que o homem adulto, ao fazer uso da bebida, passa a comportar-se como criança que encontra o prazer, podendo entregar-se livremente ao curso de seus pensamentos, sem submeter-se as compulsões da lógica. Ou seja, já em 1904, Freud considerava que o alcoolismo manifestava impulsos regressivos que permitiam acreditar que o álcool, primariamente, era um substituto de necessidades infantis. E, na medida em que relaciona às diferentes formas de drogadição com a satisfação de necessidades infantis primárias, Freud explica que as origens da toxicomania devem ser procuradas na fase oral do desenvolvimento. Em conseqüência, a partir uma perspectiva rigorosamente freudiana, a drogadição pode ser interpretada em termos de fixação oral. É por isso que a grande contribuição de Freud, neste campo, relaciona-se com a teoria da dinâmica da oralidade, com respeito a qual salientou aspectos fundamentais, como a intolerância à espera na satisfação do desejo e a importância da fixação da regressão etc... A escola kleiniana tenta explicar a significação da adição às drogas a partir de outra perspectiva. Em lugar de focalizar a causa do fenômeno em termos de prazer orgástico e oralidade, adota um ponto de vista que sublinha a importância da fuga a dor e da tentativa de escapar à depressão e ao que é sentido como persecutório. Esta teoria descreve de maneira satisfatória o dinamismo dos processos que levam à idealização da droga, que adquire especial intensidade nos indivíduos que se encontram fixados no seu objeto primário no nível que classicamente é designado como posição esquizoparanóide. Esta fixação seria o resultado de uma separação exageradamente hostil da criança do seio materno. Segundo Melanie Klein (apud KALINA, 1999), o toxicômano dificilmente poderá tolerar o ingresso na posição depressiva. Com a droga, justamente, o que ele tenta é evitar cair nessa posição. Isto por ser a interrupção da posição depressiva vivenciada por ele como uma incorporação perigosíssima de seus aspectos dissociados, o que implicaria a desintegração total de seu ego, isto é, a psicose. Quanto mais intensa a fixação e mais profunda a dissociação entre um objeto persecutório e outro muito idealizado, tanto maior será dificuldade para elaborar depois a

4 4 posição depressiva, da qual depende a capacidade do indivíduo para aceitar as frustrações sem sentir que essa aceitação acarrete a perda do objeto bom. O problema de pesquisa que norteou o estudo em questão foi a busca de resposta ao seguinte questionamento: Quais os principais fatores que contribuem para permanência de dependentes químicos no tratamento? Para tanto, o estudo foi desenvolvido a partir da abordagem qualitativa, privilegiando entrevistas com indivíduos em tratamento por consumo de drogas lícitas e/ou ilícitas e profissionais que os acompanham em duas instituições de tratamento no Município de Guaíba/RS. De uma forma geral, os principais fatores que contribuem para a manutenção do tratamento, encontrados no estudo, referem-se a: manutenção da abstinência e mudança de hábitos, reconstrução da vida familiar e profissional, recuperação da auto-estima e cuidados com a saúde física e mental, valorização da vida espiritual e social e capacitação para projetar o futuro. Além destas conclusões, os dados da pesquisa também levantaram outras questões, dentro do campo das toxicomanias. Ficou evidente a necessidade de se considerar nesse contexto: as relações de poder; a dimensão da violência gerada a partir da "ilegalidade" de algumas substâncias; os interesses políticos e econômicos envolvidos na problemática; a "utilidade" das drogas como "instrumento" de alienação; o "lugar" da droga enquanto "promessa" de "prazer ilimitado"; a posição hipócrita da mídia que, direcionada aos interesses capitalistas, incentiva o consumo das drogas lícitas (álcool e tabaco) e se posiciona de forma "terrorista" e "medíocre" frente às drogas ilícitas, como se o prejuízo humano e social acarretado pelo abuso das drogas, estivesse ligado à "legalidade" ou "ilegalidade" das mesmas; a visão equivocada e preconceituosa da sociedade, que rotula todos os usuários de drogas ilícitas como marginais, bandidos, violentos ou doentes, o que, por vezes, acaba banalizando o uso abusivo de outras drogas. CONCLUSÃO Conclui-se, nesta pesquisa que:

5 5 a) As relações sujeito-droga, estabelecidas pelos diferentes indivíduos são de uso constante e caracterizando, portanto, como dependência. b) Para que se entenda melhor como determinadas pessoas usam drogas e, diferentemente de outras, fazem com essas drogas uma relação de dependência, é necessário que se leve em consideração as experiências vividas por essas pessoas em seu cotidiano. c) As relações de responsabilidade e limites exigidas e apoiadas no tratamento para um comportamento de responsabilidade consigo mesmo e com aqueles de seu convívio impulsiona a pessoa para o processo decisório de busca pelo tratamento. d) Entendendo a forma como as relações influenciam no "processo de singularização" dos indivíduos, poderemos ter uma visão menos equivocada, menos preconceituosa, menos "padronizada", mais flexível e mais compreensiva sobre o fenômeno do consumo de drogas, que tanto tem mobilizado, atualmente, os profissionais de saúde, os educadores, as famílias, as autoridades públicas, a sociedade como um todo e com a visão voltada para sua reintegração. Assim, conclui-se este relato, afirmando que o objetivo dessa proposta foi apenas apontar para alguns fatores de permanência em tratamento pelo grupo investigado e que contribuíram para que esses indivíduos, com experiências de dependência de drogas lícitas e/ou ilícitas, optassem pelo tratamento e se mantivessem motivados pelos resultados benéficos encontrados. Outros estudos podem ser desenvolvidos, levando-se em consideração outras comunidades e também diferentes peculiaridades sócio-econômicas e culturais dos pesquisados, com o intuito de comparar com os achados da presente pesquisa. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AQUINO, M.T.C. "A Mulher e a Droga: motivação para o uso, efeitos diferenciados1997. KALINA, E. & GRYNBERG, H. "Aos Pais de Adolescentes". Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1992.

6 6 LIMA, E. "Existe um paradigma epidemiológico para o fenômeno da drogadição?". In Toxicomanias: Uma Abordagem Multidisciplinar. Rio de Janeiro, NEPAD/UERJ, Sette Letras, 1997.

Neste texto você vai estudar:

Neste texto você vai estudar: Prevenção ao uso de drogas Texto 1 - Aspectos gerais relacionados ao uso de drogas Apresentação: Neste texto apresentamos questões gerais que envolvem o uso de drogas com o objetivo de proporcionar ao

Leia mais

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Conceitos Básicos ObjeBvos DiscuBr os conceitos básicos de substâncias psicoabvas (SPA) Conhecer as

Leia mais

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A Sociedade muda (acentuando o problema das drogas nos últimos 30 anos) Ao

Leia mais

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas PÚLBLICO ALVO: Toda a comunidade escolar e a sociedade local de modo geral. APRESENTAÇÃO: Todos concordam que a Escola tem um papel fundamental em nossa sociedade,

Leia mais

Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO

Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO Moreira, Izadora Cristina; Aquino, Valdirene Silva Rocha; RAMALHO, Letícia Carneiro; CUNHA, Marielton Passos; PINHEIRO,

Leia mais

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Es>mulantes do SNC Obje>vos Conhecer as formas de apresentação e de uso Compreender o mecanismo de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado do Rio de Janeiro RELATÓRIO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado do Rio de Janeiro RELATÓRIO RELATÓRIO Evento: Discutindo a Classificação Indicativa: Mídia e Drogas Data: 15 de outubro de 2010 das 14h às 19h Local: Sala Macunaíma Anexo II do Ministério da Justiça, sala 425 Brasília-DF Convite:

Leia mais

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Introdução. O abuso de drogas é considerado, atualmente, um dos maiores problemas da nossa sociedade. A situação vem se agravando cada

Leia mais

INTOXICAÇÃO POR NOVAS DROGAS

INTOXICAÇÃO POR NOVAS DROGAS Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro Grupamento de Socorro de Emergência Seção de Desastres INTOXICAÇÃO POR NOVAS DROGAS Edna Maria de Queiroz Capitão Médica CBMERJ Médica HUAP / UFF

Leia mais

ANESTESIA NO PACIENTE SOB EFEITO DE DROGAS SINTÉTICAS. ECSTASY

ANESTESIA NO PACIENTE SOB EFEITO DE DROGAS SINTÉTICAS. ECSTASY ANESTESIA NO PACIENTE SOB EFEITO DE DROGAS SINTÉTICAS. ECSTASY Oscar César Pires 29/04/12 14h:40-15h:00 Diretor Departamento Científico SBA / Responsável pelo CET do HMSJC SP Doutor em Anestesiologia/

Leia mais

AULA 23 Drogas: produtos alucinógenos ou substância tóxicas que leva a dependência; Drogas psicoativas: entra na corrente sanguínea e atinge o SNC; Ação depressiva: diminui a atividade das células nervosas.

Leia mais

Palavras-chave: práticas educativas; formação docente; prevenção às drogas; representações sociais.

Palavras-chave: práticas educativas; formação docente; prevenção às drogas; representações sociais. O PAPEL DA ESCOLA, AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E O CONSUMO DE DROGAS ENTRE ALUNAS DO CURSO DE PEDAGOGIA Resumo Luci Mara Bertoni Andressa Mendes da Silva Dias Antonio Xavier da Silva Universidade Estadual

Leia mais

Triagem de drogas em urina

Triagem de drogas em urina Triagem de drogas em urina Maconha A maconha é o nome utilizado popularmente no Brasil para denominar a planta Cannabis sativa Linnaeus. Estima-se que existem mais de 400 compostos naturais na planta,

Leia mais

PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS

PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS Coordenação geral: Prof. Dr. Paulo Eduardo M. Rodrigues da Silva, Pro-Reitor de Desenvolvimento Universitário/UNICAMP Assessores

Leia mais

DROGAS DE ABUSO. Carlos Eduardo Biólogo Neuropsicólogo Mestre-Farmacologia UFC

DROGAS DE ABUSO. Carlos Eduardo Biólogo Neuropsicólogo Mestre-Farmacologia UFC DROGAS DE ABUSO Carlos Eduardo Biólogo Neuropsicólogo Mestre-Farmacologia UFC DROGAS DE ABUSO Substância Psicoativa qualquer substância química que, quando ingerida, modifica uma ou várias funções do SNC,

Leia mais

Combate às Drogas: Fracasso Anunciado

Combate às Drogas: Fracasso Anunciado Combate às Drogas: Fracasso Anunciado Um mundo sem droga ONU, 1998 - Uma Utopia? José Mauro Braz de Lima Professor Associado da Faculdade de Medicina UFRJ. Diretor Geral do HESFA Hospital Escola São Francisco

Leia mais

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO Freud explica em seus textos

Leia mais

4. Mulheres, drogas e tratamento

4. Mulheres, drogas e tratamento 4. Mulheres, drogas e tratamento Apesar do consumo de drogas por mulheres vir aumentando nos últimos anos, dados do I Levantamento Domiciliar Sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil realizado por

Leia mais

INSTALAÇÕES FIXAS INCÊNDIO DETEÇÃO GASES & ALCOOLÉMIA

INSTALAÇÕES FIXAS INCÊNDIO DETEÇÃO GASES & ALCOOLÉMIA 3 Drogas de Abuso Despistagem em Fluidos Orais Sistema Alere TM DDS 2 CONCEITO Define-se como droga qualquer substância química não produzida pelo organismo, que tenha a propriedade de atuar sobre um ou

Leia mais

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ).

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Titulo 03: Droga, Álcool e cidadania Paulo de Lima (Mestrando em Educação

Leia mais

DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS. Vulnerabilidades, riscos e formas de prevenção

DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS. Vulnerabilidades, riscos e formas de prevenção DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS Vulnerabilidades, riscos e formas de prevenção DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS DROGAS qualquer substância capaz de modificar a função dos organismos vivos, resultando em mudanças fisiológicas

Leia mais

Michele Borsoi Telerreguladora de Enfermagem Telessaúde /MS

Michele Borsoi Telerreguladora de Enfermagem Telessaúde /MS Michele Borsoi Telerreguladora de Enfermagem Telessaúde /MS Para início de conversa... A presença das bebidas alcoólicas e outras substâncias psicoativas na cultura brasileira. A estigmatização associada

Leia mais

DROGAS, INDIVÍDUO E FAMÍLIA: UM ESTUDO DE RELAÇÕES SINGULARES

DROGAS, INDIVÍDUO E FAMÍLIA: UM ESTUDO DE RELAÇÕES SINGULARES DROGAS, INDIVÍDUO E FAMÍLIA: UM ESTUDO DE RELAÇÕES SINGULARES Zelia Freire Caldeira Orientador: Jeni Vaitsman Co-Orientador: Regina Benevides Dissertação apresentada à Escola Nacional de Saúde Pública

Leia mais

Orientação ao(à) Cursista

Orientação ao(à) Cursista Prezados (as) Colegas, Com o objetivo de propiciar a todos(as) os participantes do Programa de Prevenção a Dependência Química, elaboramos um cuidado roteiro de estudos e orientações, incluindo questões

Leia mais

Drogas de Abuso. Equipe de Biologia

Drogas de Abuso. Equipe de Biologia Drogas de Abuso Equipe de Biologia Drogas Qualquer substância capaz de alterar o funcionamento do organismo ilícitas lícitas Drogas de abuso Drogas utilizadas sem indicação médica, tendo por objetivo alterar

Leia mais

Essas drogas podem ser absorvidas de várias formas: por injecção, por inalação, via oral ou injeção intravenosa.

Essas drogas podem ser absorvidas de várias formas: por injecção, por inalação, via oral ou injeção intravenosa. Droga Droga (do francês drogue, provavelmente do neerlandês droog, "seco, coisa seca"), narcótico, entorpecente ou estupefaciente são termos que denominam substâncias químicas que produzem alterações dos

Leia mais

CONCEITOS A EXPLORAR. Drogas e substâncias químicas. Estruturas químicas. Direito: Estado e aplicação da lei. Ética: moral e valores sociais.

CONCEITOS A EXPLORAR. Drogas e substâncias químicas. Estruturas químicas. Direito: Estado e aplicação da lei. Ética: moral e valores sociais. Filhos da droga CONCEITOS A EXPLORAR Q uímica Drogas e substâncias químicas. Estruturas químicas. I F nglês ilosofia Gramática das orações e do texto: tempo verbal, uso de pronomes, uso adequado da pontuação.

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DROGADIÇÃO

SERVIÇO SOCIAL E DROGADIÇÃO SERVIÇO SOCIAL E DROGADIÇÃO Matheus de Oliveira Ribeiro Serviço Social Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Stephanie Suellen Santos da Silva Serviço Social Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS

Leia mais

CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Pedro Henrique Marques Andreo 1 ; Thyemi

Leia mais

Conteúdos Atividades de revisão da 2ª avaliação do 4º bimestre - Ciências da Natureza

Conteúdos Atividades de revisão da 2ª avaliação do 4º bimestre - Ciências da Natureza Conteúdos Atividades de revisão da 2ª avaliação do 4º bimestre - Ciências da Natureza Conteúdos 2ª Avaliação do 4º bimestre Área de Ciências da Natureza Habilidades Revisar os conteúdos da Área de Ciências

Leia mais

Contexto. 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados.

Contexto. 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados. Contexto 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados. Empregados sob efeito de droga utilizam, em média, 67% da capacidade de trabalho, tem o triplo de probabilidade de chegar atrasado ou faltar

Leia mais

Dependência Química na cidade de Taubaté

Dependência Química na cidade de Taubaté NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICO-SOCIAIS NUPES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO. PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E RELAÇÕES COMUNITÁRIAS UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Dependência Química na cidade

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 JUSTIÇA TERAPÊUTICA: UMA ALTERNATIVA MAIS HUMANA AO ATUAL SISTEMA PENAL Kerlin Patricia Greter 1 Andressa Barbieri 2 Daniel PulcherioFensterseifer 3 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 DADOS SOBRE O CONSUMO DE DROGAS.

Leia mais

O que são drogas? Drogas Naturais Drogas Sintéticas Drogas Semi-sintéticas. Drogas. Prof. Thiago Lins do Nascimento. tiagolinsnasc@gmail.

O que são drogas? Drogas Naturais Drogas Sintéticas Drogas Semi-sintéticas. Drogas. Prof. Thiago Lins do Nascimento. tiagolinsnasc@gmail. Drogas Prof. Thiago Lins do Nascimento tiagolinsnasc@gmail.com 2014 1 / 41 Sumário O que são drogas? 1 O que são drogas? O que são drogas? 2 Maconha Nicotina 3 Ecstasy Anfetaminas 4 Cocaína Crack Krokodil

Leia mais

Aspectos da Consciência

Aspectos da Consciência Consciência Aspectos da Consciência Consciência Muitos livros definem a consciência como a percepção atual do indivíduo em relação a estímulos externos e internos isto é, de eventos do ambiente e de sensações

Leia mais

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Cartilha Informativa sobre Drogas (Publicação em fascículos nas edições 557, 558, 559, 560, 561, 562, 563 e 564 da Revista A

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MANDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MANDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MANDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA NA RECUPERAÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMICO Nívia da Silva Rodrigues de Mattos Orientador: Celso Sanchez Rio

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL BARTOLOMEU MITRE DISCIPLINA DE QUÍMICA PROFESSORAS BEATRIZ HEIM TOMASI E MARIA LÚCIA PROJETO

COLÉGIO ESTADUAL BARTOLOMEU MITRE DISCIPLINA DE QUÍMICA PROFESSORAS BEATRIZ HEIM TOMASI E MARIA LÚCIA PROJETO COLÉGIO ESTADUAL BARTOLOMEU MITRE DISCIPLINA DE QUÍMICA PROFESSORAS BEATRIZ HEIM TOMASI E MARIA LÚCIA PROJETO PRÁTICA PEDAGÓGICA EDUCATIVA DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS Mensagem Aula de Química é espaço de

Leia mais

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD Renato Diniz Silveira 1 Allisson Vasconselos Oliveira 2 Cláudio Alves Taioba Júnior

Leia mais

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12 O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde CENTRO DE APOIO SOLIDARIED AIDS É organização da sociedade civil, sem fins lucrativos fundada em 1996. Objetivo: Apoiar, atender, prevenir e promover

Leia mais

Abuso de drogas. Algumas drogas ilegais podem ser consumidas legalmente se forem receitadas por um médico.

Abuso de drogas. Algumas drogas ilegais podem ser consumidas legalmente se forem receitadas por um médico. Abuso de drogas Introdução Uma pessoa abusa de drogas quando toma drogas ilegais ou quando toma medicamentos de uma forma que não é a recomendada pelo médico ou fabricante. Torna-se toxicodependente a

Leia mais

Dependência Química. Informação é grande aliada dos amigos e familiares.

Dependência Química. Informação é grande aliada dos amigos e familiares. Dependência Química Informação é grande aliada dos amigos e familiares. O QUE É DROGA-DEPENDÊNCIA? Droga-dependência é um transtorno psiquiátrico que se caracteriza pelo uso impulsivo e descontrolado de

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador JARBAS VASCONCELOS I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador JARBAS VASCONCELOS I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 187, de 2009, do Senador Sérgio Zambiasi, que altera o art. 33 da Lei nº

Leia mais

Constituição, Ayahuasca e o Conad: um novo caminho por: Jair Araújo Fagundes

Constituição, Ayahuasca e o Conad: um novo caminho por: Jair Araújo Fagundes Constituição, Ayahuasca e o Conad: um novo caminho por: Jair Araújo Fagundes 1. A Constituição da República Federativa do Brasil, já em seu preâmbulo, reconhece a liberdade como pressuposto de sociedade

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A TOXICOMANIA ATRAVÉS DE UM GRUPO PSICOTERAPÊUTICO.

UM ESTUDO SOBRE A TOXICOMANIA ATRAVÉS DE UM GRUPO PSICOTERAPÊUTICO. UM ESTUDO SOBRE A TOXICOMANIA ATRAVÉS DE UM GRUPO PSICOTERAPÊUTICO. GOMES, Katia Varela. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Pesquisadora do LAPSO Laboratório de Estudos em Psicanálise

Leia mais

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA 1 ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA Périsson Dantas do Nascimento RESUMO O trabalho tem como objetivo principal elaborar um diálogo entre a Psicossomática e a Análise Bioenergética,

Leia mais

PERFIL DOS ADOLESCENTES E SUA RELAÇAO COM AS DROGAS

PERFIL DOS ADOLESCENTES E SUA RELAÇAO COM AS DROGAS PERFIL DOS ADOLESCENTES E SUA RELAÇAO COM AS DROGAS Sandra Heloisa A. Putzke; Elizabeth Maria Lazzarotto, Alcy Aparecida Leite Sousa, Fernando Kami Dell Aringa. E-mail: fernando_kami@hotmail.com Universidade

Leia mais

CONHECIMENTO DE UM GRUPO DE PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO SOBRE DROGAS PSICOTRÓPICAS

CONHECIMENTO DE UM GRUPO DE PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO SOBRE DROGAS PSICOTRÓPICAS CONHECIMENTO DE UM GRUPO DE PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO SOBRE DROGAS PSICOTRÓPICAS Carla Cristina de Araujo 1 Flávia Nogueira e Ferreira 1 Gleyton Gomes Porto 1 Rodrigo Santos de Queiroz

Leia mais

Casa de Apoio Médico e Psicológico

Casa de Apoio Médico e Psicológico ÍNDICE INTRODUÇÃO 02 I CONCEITO 03 II FASES DE PROGRESSÃO DA DEPENDÊNCIA 04 QUÍMICA III TRATAMENTO 05 IV PROCESSO DE RECUPERAÇÃO 06 V RECAÍDA 08 VI CO-DEPENDÊNCIA 11 1 A Dependência Química (DQ) é uma

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Sistema único de Assistência Social

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC Nº 952 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA NÚCLEO COMUM Análise do comportamento O método experimental na análise das relações comportamentais complexas:

Leia mais

CRACK PRÁTICAS EDUCATIVAS E CULTURAIS NA VIDA DE UM DEPENDENTE

CRACK PRÁTICAS EDUCATIVAS E CULTURAIS NA VIDA DE UM DEPENDENTE CRACK PRÁTICAS EDUCATIVAS E CULTURAIS NA VIDA DE UM DEPENDENTE Tereza Maria da Silva Ferreira; Lia Machado Fiuza Fialho; Camila Saraiva de Matos; José Gerardo Vasconcelos. Universidade Federal do Ceará,

Leia mais

Uso de substancias psicotrópicas - parte1

Uso de substancias psicotrópicas - parte1 Uso de substancias psicotrópicas - parte1 Mulheres usuárias de crack COMPORTAMENTO DE RISCO DE MULHERES USUÁRIAS DE CRACK EM RELAÇÃO ÀS DST/AIDS INTRODUÇÃO Crack é a forma de base livre da cocaína, podendo

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

DROGAS - CONCEITOS E PRECONCEITOS - RELATO DA ATIVIDADE REALIZADA COM AS PRIMEIRAS SÉRIES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIOESTE/TOLEDO

DROGAS - CONCEITOS E PRECONCEITOS - RELATO DA ATIVIDADE REALIZADA COM AS PRIMEIRAS SÉRIES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIOESTE/TOLEDO DROGAS - CONCEITOS E PRECONCEITOS - RELATO DA ATIVIDADE REALIZADA COM AS PRIMEIRAS SÉRIES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIOESTE/TOLEDO Adriel José de Quadros 1 Ana Cláudia dos Santos 2 Sérgio Luiz Gondaski

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a atuação de um psicólogo em equipe 57 O casal em psicoterapia deverá ser treinado a identificar seus multidisciplinar de saúde de um órgão público e as normas éticas

Leia mais

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA:

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS SIM PARA A VIDA, NÃO ÀS DROGAS AUTORES: Nadyeshka Sales Araújo (nadyeshka.saq@bol.com.br), Edgar Vieira do Nascimento (edgarvn@bol.com.br), Hérika Dantas Modesto (herikamodesto@bol.com.br),

Leia mais

Introdução à Psicologia

Introdução à Psicologia Introdução à Psicologia O QUE É PSICOLOGIA? É o estudo científico do comportamento e dos processos mentais. Está interessada nos comportamentos funcionais e disfuncionais (normais e patológicos) Engloba

Leia mais

LEVANTAMENTO SOCIODEMOGRÁFICO DO USO/ABUSO DO CRACK E ADICTOS EM TRATAMENTO

LEVANTAMENTO SOCIODEMOGRÁFICO DO USO/ABUSO DO CRACK E ADICTOS EM TRATAMENTO LEVANTAMENTO SOCIODEMOGRÁFICO DO USO/ABUSO DO CRACK E ADICTOS EM TRATAMENTO Brena Luiza Gomes de CASTRO 1, Lucíola Galvão Gondim Corrêa FEITOSA 2, Cláudia Karine Carmo de NORONHA 3, Perla Maria Antão de

Leia mais

RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO

RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO Renata Juliana Pereira de Moraes Trindade Crislene Kelly Guedes Lopes Luiza Jamila Silva da Costa Maria

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Programa Nacional de Saúde Ocupacional Assunto: Intervenção dos Serviços de Saúde do Trabalho no âmbito da prevenção do consumo de substâncias psicoativas em meio laboral DATA: 13.05.2013 Para: Médicos

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Atividade física e prevenção às drogas.

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Atividade física e prevenção às drogas. Conteúdo: Atividade física e prevenção às drogas. Habilidades: Perceber a alienação das drogas e alcoolismo como destruidores da convivência e dignidade humana. Drogas O que são drogas? São substâncias,

Leia mais

USUÁRIOS DE CRACK: INTERNAÇÃO INVOLUNTÁRIA VERSUS COMPULSÓRIA

USUÁRIOS DE CRACK: INTERNAÇÃO INVOLUNTÁRIA VERSUS COMPULSÓRIA USUÁRIOS DE CRACK: INTERNAÇÃO INVOLUNTÁRIA VERSUS COMPULSÓRIA Roselaine da Cunha Barros 1, Maria do Carmo Tito Teixeira 2, Josmar Furtado de Campos 3, Dayanne Vieira de Campos 4, Nelimar Ribeiro de Castro

Leia mais

MÃES MULHERES ENCARCERADAS: A PENA É DUPLICADA

MÃES MULHERES ENCARCERADAS: A PENA É DUPLICADA MÃES MULHERES ENCARCERADAS: A PENA É DUPLICADA Eveline Franco da Silva O Sistema Penitenciário Nacional apresentou uma população carcerária em 2010 de 496.251 indivíduos. (1) Os estados brasileiros que

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS

CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS Existem várias maneiras de classificarmos as drogas. Uma primeira, que é bastante utilizada e citada, tem como finalidade estabelecer se o porte, o transporte e o uso da droga

Leia mais

Obesidade: um sintoma convertido no corpo. Os sentidos e os destinos do sintoma em indivíduos que se submeteram à cirurgia bariátrica.

Obesidade: um sintoma convertido no corpo. Os sentidos e os destinos do sintoma em indivíduos que se submeteram à cirurgia bariátrica. Obesidade: um sintoma convertido no corpo. Os sentidos e os destinos do sintoma em indivíduos que se submeteram à cirurgia bariátrica. REI, Vivian Anijar Fragoso [1] ; OLIVEIRA, Paula Batista Azêdo de

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II 929 CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II Ana Paula Fernandes de Lima Demarcina Weinheimer Jussara Terres Larissa Medeiros Tarlise Jardim Vanessa Campos Camila Jacques

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK Contextualização Social Economia Capitalista Transformações sociais Alterações nos padrões de comportamento

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E DROGAS

ADOLESCÊNCIA E DROGAS O DILEMA DAS DROGAS ADOLESCÊNCIA E DROGAS Segundo Valdi Craveiro Para uma abordagem do uso de drogas na perspectiva da REDUÇÃO DE DANOS, devemos antes de tudo proceder com duas ações: 1) redefinir 2) contextualizar

Leia mais

DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS. Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas

DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS. Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS São substancias psicoativas que agem no Sistema Nervoso Central. Produz

Leia mais

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Uma Resposta ao Uso de Drogas: Prevenção Área Temática de Educação Resumo A droga em si não é nem boa

Leia mais

Perfil dos serviços de atendimento a alcoolistas no Estado do Rio de Janeiro e a Política de Redução de Danos

Perfil dos serviços de atendimento a alcoolistas no Estado do Rio de Janeiro e a Política de Redução de Danos Perfil dos serviços de atendimento a alcoolistas no Estado do Rio de Janeiro e a Política de Redução de Danos SALETTE FERREIRA 1 BRUNA SOARES 2 ROSA OLIVEIRA 3 GABRIELA PINTO 4 VANICE SILVA 5 LUCIANA BECKER

Leia mais

PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS POR ADOLESCENTES EM CAMPINA GRANDE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS POR ADOLESCENTES EM CAMPINA GRANDE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS POR ADOLESCENTES EM CAMPINA GRANDE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Tatianne Da Costa Sabino¹; Ana Cristina Martins de Lemos²; Sabrina Silva Antunes 3 ; Rosângela Vidal de Negreiros

Leia mais

e suas contribuições para a psicanálise atual

e suas contribuições para a psicanálise atual CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE SANTO ANDRÉ Ana Paula Sampaio Valera RA 2135001778 Damaris Lima de Oliveira.. RA 2120208661 Maria Anália de Souza Kuball RA 2121215410 Meire de Lima Araújo RA 2135001818

Leia mais

ESTUDO DA DROGADIÇÃO ENTRE ADOLESCENTES DE INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES (RJ)

ESTUDO DA DROGADIÇÃO ENTRE ADOLESCENTES DE INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES (RJ) ESTUDO DA DROGADIÇÃO ENTRE ADOLESCENTES DE INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES (RJ) Torquato Ferreira Pinheiro 1, Ingrid Ribeiro da Gama Rangel 2, Rodrigo Maciel Lima 3 1 Instituto

Leia mais

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 3 Você já deve ter percebido que a família é a base de tudo, tendo papel decisivo na formação do sujeito e da própria sociedade. Sabendo da relevância do

Leia mais

DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. Departamento de Proteção Social Especial Juliana M.

DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. Departamento de Proteção Social Especial Juliana M. DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS Departamento de Proteção Social Especial Juliana M. Fernandes Pereira Marcos importantes para o trabalho social com a questão das drogas

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 2007/2212(INI) 4.2.2008 ALTERAÇÕES 1-34 Anna Záborská (PE400.281v01-00) Livro Verde sobre o papel da sociedade civil

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAD Nº /2014

MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAD Nº /2014 MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAD Nº /2014 Regulamenta, no âmbito do Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas (SISNAD), as entidades que realizam o acolhimento de pessoas com problemas decorrentes do

Leia mais

Transtornos relacionados ao uso de substâncias

Transtornos relacionados ao uso de substâncias Transtornos relacionados ao uso de substâncias ARTHUR GUERRA DE ANDRADE Professor Associado do Departamento de Psiquiatria, Faculdade de Medicina USP Professor Titular de Psiquiatria e Psicologia Médica,

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) ANATOMIA HUMANA CH 102 (2372) Estudo morfológico dos órgãos e sistemas que constituem o organismo humano, com ênfase para os

Leia mais

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS *Elenilson F. Alves 1 (PQ), *Clarissa M. Sousa 2 (FM), *Juliana O. Ehlers 1 (IC), *Tais B.

Leia mais

O CONSUMO DE CRACK É UMA QUESTÃO PARA A REDE DE SAÚDE MENTAL

O CONSUMO DE CRACK É UMA QUESTÃO PARA A REDE DE SAÚDE MENTAL O CONSUMO DE CRACK É UMA QUESTÃO PARA A REDE DE SAÚDE MENTAL Aline Godoy Terapeuta Ocupacional. Mestranda em Cuidados em Saúde (USP) Heitor Martins Pasquim Professor de Educação Física. Doutorando em Cuidados

Leia mais

Drogas de abuso. Maxwell Santana

Drogas de abuso. Maxwell Santana Drogas de abuso Maxwell Santana Drogas de abuso Qualquer substância ou preparação, com pouco uso médico usada primariamente pelos seus efeitos gratificantes! Englobam substância psicoativas e psicotrópicas!

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO TOXICODEPENDÊNCIA EM CUIDADOS DE SAUDE PRIMÁRIOS

CURSO DE FORMAÇÃO TOXICODEPENDÊNCIA EM CUIDADOS DE SAUDE PRIMÁRIOS PROGRAMA Uma iniciativa de Fonseca Cat Peniche Formação com base na Mala da Prevenção Prevenção do Mau uso e Abuso de Substâncias Psicoactivas e de Comportamentos de Risco Direcção de Luís. Médico Psiquiatra.

Leia mais

DIRETRIZES DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES

DIRETRIZES DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES DIRETRIZES DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES INTRODUÇÃO Para a seleção e contratação de Empresas Fornecedoras e Prestadoras de Serviços e em todas as relações aplicáveis aos negócios, as Empresas Alibem/Agra

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE AS SATISFAÇÕES NAS RELAÇÕES HOMOSSEXUAIS: ESTUDO DE CASOS

UM ESTUDO SOBRE AS SATISFAÇÕES NAS RELAÇÕES HOMOSSEXUAIS: ESTUDO DE CASOS UM ESTUDO SOBRE AS SATISFAÇÕES NAS RELAÇÕES HOMOSSEXUAIS: ESTUDO DE CASOS Mário Pereira da Costa Júnior Universidade Luterana do Brasil- Ulbra Campus Guaíba-RS Orientadora: Ms. Kléria Isolde Hirschfeld

Leia mais

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas Colégio I.L.Peretz Setembro/2011 Qual o lugar da Família nesta reflexão? Profa. Dra. Elizabeth Polity Penso que vivemos um momento

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD Geraldo Mendes de Campos ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD OBJETIVOS: - impedir ou retardar

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO CONTRIBUIDORA PARA O APRIMORAMENTO DA INTERAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO DE CASO 1

A RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO CONTRIBUIDORA PARA O APRIMORAMENTO DA INTERAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO DE CASO 1 A RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO CONTRIBUIDORA PARA O APRIMORAMENTO DA INTERAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO DE CASO 1 BACH, Cláudia 2 ; MARTINS, Ana 3, GODOY, Leoni 4 1 Artigo apresentado no XV Simpósio de Ensino,

Leia mais

Legalização da maconha

Legalização da maconha Legalização da maconha Secretaria de Transparência Coordenação de Controle Social Serviço de Pesquisa DataSenado Julho de 2014 www.senado.leg.br/datasenado 1 57% dos brasileiros apoiam a legalização da

Leia mais

COMPORTAMENTOS ADITIVOS 3ª Edição LISBOA PÓS-GRADUAÇÃO EM INÍCIO 14 DE JANEIRO DESTINATÁRIOS// OBJETIVOS// COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR//

COMPORTAMENTOS ADITIVOS 3ª Edição LISBOA PÓS-GRADUAÇÃO EM INÍCIO 14 DE JANEIRO DESTINATÁRIOS// OBJETIVOS// COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR// PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPORTAMENTOS ADITIVOS 3ª Edição INÍCIO 14 DE JANEIRO LISBOA CERTIFICAÇÕES PARCERIAS \\ DESTINATÁRIOS// Estudantes Universitários e Licenciados nas áreas da Psicologia, Criminologia,

Leia mais

Psicodinâmica de usuários de drogas: contribuições da avaliação psicológica. Rodrigo Cesar Martins

Psicodinâmica de usuários de drogas: contribuições da avaliação psicológica. Rodrigo Cesar Martins UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FFCLRP DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO PROGRAMA DE POS GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Psicodinâmica de usuários de drogas: contribuições da avaliação psicológica Rodrigo Cesar

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais