A FAMÍLIA NA PERSPECTIVA DE ADOLESCENTES DAS CAMADAS MÉDIAS DE BELO HORIZONTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FAMÍLIA NA PERSPECTIVA DE ADOLESCENTES DAS CAMADAS MÉDIAS DE BELO HORIZONTE"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CURSO DE PSICOLOGIA UNIDADE SÃO GABRIEL A FAMÍLIA NA PERSPECTIVA DE ADOLESCENTES DAS CAMADAS MÉDIAS DE BELO HORIZONTE Luciana Viana Bossi e Lima Belo Horizonte Novembro/2006

2 Luciana Viana Bossi E Lima A FAMÍLIA NA PERSPECTIVA DE ADOLESCENTES DAS CAMADAS MÉDIAS DE BELO HORIZONTE Monografia apresentada ao Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, unidade São Gabriel, como requisito parcial para obtenção do título de Psicólogo. Orientadora: Márcia Stengel. Belo Horizonte Novembro/2006

3 AGRADECIMENTOS Aos meus pais, à minha extensa família, a todos amigos, pois o apoio destes é que me fez continuar e me deu força para conseguir alcançar o objetivo final. À minha orientadora, profa. Márcia Stengel, pela oportunidade de participar deste projeto e pelo crescimento acadêmico.

4 ... Se dar e às vezes se jogar a um desconhecido qualquer, num gosto antídoto, intenso. Gostar do atrevimento e do profundo irrompendo. Fazendose viver realmente em dobro. Perceber o que não se fazia perceber. É um cisco provisório demais. Não ser radical e inteiro ao que pode o bem. O bom mesmo é viver a generosidade da entrega. Vanessa da Mata

5 RESUMO Este trabalho pretende discutir a significação construída por adolescentes sobre a família contemporânea. É preciso conhecer tal realidade a fim de re-pensar e projetar os novos arranjos familiares. O pressuposto teórico no qual pauta esta pesquisa é a psicologia social. Realizou-se entrevistas semi-estruturadas com quatro adolescentes de camadas médias de Belo Horizonte que, posteriormente, foram analisadas através da análise de conteúdo. A adolescência se apresenta como uma fase de mudanças fisiológicas e biológicas, tal como também ocorrem transformações que são construções humanas. Estas se caracterizam por conceitos que são produções sociais construídas ao longo das formações familiares, culturais, históricas, econômicas, políticas, entre outros atravessamentos. A família representa um mecanismo primordial de difusão da cultura, sendo que os primeiros contatos com o mundo social do ser humano se devem a ela, tal como aquisição de linguagem. Nesse sentido, entende-se como necessária a investigação da percepção do adolescente sobre sua família de origem e da família pensada futuramente. Percebeu-se neste trabalho que a visão do adolescente da camada média tende a reproduzir os valores específicos desta parcela da sociedade, sendo o amor romântico e a estabilidade financeira os que mais apareceram. Portanto, o intuito é o de acrescentar mais visões sobre este universo da adolescência, da família brasileira e da camada média na atualidade. Palavras-chave: Família, adolescência, camada média, amor romântico, casamento.

6 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO ARRANJOS FAMILIARES: Uma perspectiva a partir do cenário brasileiro O QUE É A ADOLESCÊNCIA: Uma discussão teórica ANÁLISE DE DADOS: O ideal da família de origem e da futura família CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...41

7 7 INTRODUÇÃO A adolescência se apresenta por conceitos que são produções sociais construídas ao longo das formações familiares, culturais, históricas, econômicas, políticas, entre outros atravessamentos. Caracteriza-se como uma fase de mudanças fisiológicas e biológicas, mas também ocorrem transformações que são construções humanas. Por a adolescência ser uma criação humana, está intimamente ligada às diferenças culturais existentes. Aparecem intensas questões sobre o que é não ser mais criança e ao mesmo tempo não ser um adulto, ou seja, o que é ser adolescente?. O tempo da adolescência é mais do que um tempo cronológico, ele é o momento da realização das tarefas psíquicas que levam os adolescentes à elaboração de nova identidade: a identidade de adulto (STENGEL, 2004, p. 46). Essa vivência da adolescência além de passar por questões psíquicas é também marcada pelas questões sociais. O que estes adolescentes experienciam no âmbito social se correlaciona com as experiências do meio familiar, juntamente com as transformações biológicas e psíquicas. Todos estes atravessamentos interagem de uma forma que produz variados modos de viver e ser adolescente. Nesse sentido, pode-se pensar que a reprodução dos modelos sociais e familiares, tal como os conflitos que perpassam a adolescência dizem de uma busca por afirmações, questionamentos e mudanças por parte dos adolescentes. Isso pode ser visto pela ótica de que estes adolescentes saem da infância e se deparam com exigências e problemas antes só direcionados aos adultos. Junto às mudanças psíquicas e sociais, aparece também a sexualidade que é aflorada não por se tratar somente de uma questão

8 8 biofisiológica, mas igualmente pela interação de todos estes mecanismos que compõe a adolescência. O âmbito familiar pode tornar-se um gerador de conflitos ou de reprodução do modelo proposto pela família na adolescência, sendo que novas dinâmicas familiares acabam por surgir, pois os filhos não são mais crianças e suas cobranças, desejos e comportamentos atingem diretamente aos pais de uma forma diferente do que acontecia na infância. Os pais, tal como os adolescentes que vivem lutos nessa fase transitória, vivenciam também o luto pela função parental infantil, do corpo do adulto que está envelhecendo e pela sua identidade (Knobel, 1992). Portanto, a maneira como os pais passaram por suas próprias adolescências remete ao modo como imaginam as experiências que seus filhos irão ter e, conseqüentemente, na maneira como agirão como pais destes adolescentes. Nessa perspectiva, a família que é entendida aqui como uma formação variante, uma vez que pensa-se não existir um modelo único de família. Na verdade a família poderia ser vista como uma linha entre as famílias hierárquicas e as igualitárias, nessa linha teriam variadas formas de constituições familiares. A família, nesse sentido, aparece como a mola propulsora para as construções da identidade dos adolescentes, uma vez que cada modelo de família comunga de hábitos que se diferem. No entanto, estas variações familiares podem também se encontrar em algum ponto de convergência. Essas possibilidades são igualmente um meio de troca do âmbito social com o familiar, entende-se que há uma contínua relação entre ambos e estes atravessamentos que dão caráter diferente à família, a sociedade e a própria construção da adolescência. Portanto, diante destes vários modelos familiares, como o adolescente percebe as construções familiares? Qual o papel deste adolescente frente às mudanças ao longo dos tempos nas formações familiares? E como estes adolescentes pensam a família de origem e a futura família? Entende-se, então, que essas questões orientam esta pesquisa

9 9 e serão respondidas ao longo deste trabalho baseado nos referenciais teóricos juntamente com as entrevistas realizadas com os adolescentes. Optou-se por dividir os capítulos começando por uma historização da família brasileira (capítulo 1). Em seguida foram abordadas as características da adolescência (capítulo 2). Ao final será apresentada uma análise de dados baseada nas entrevistas na tentativa de correlacionar a temática da família pela ótica dos adolescentes (capítulo 3).

10 10 CAPÍTULO 1 - ARRANJOS FAMILIARES: UMA PERSPECTIVA A PARTIR DO CENÁRIO BRASILEIRO Tal como demonstra Cerveny (2000), os conceitos de família apresentados no dicionário Aurélio (FERREIRA, 1986, p. 287) são os de pessoas aparentadas, que vivem em geral na mesma casa, particularmente o pai, a mãe e os filhos; pessoas do mesmo sangue; ascendência, linhagem, estirpe. São estes conceitos que embasam o construto inicial do entendimento de família. A partir destas formas conceituais, pode-se pensar nas construções familiares que seguem este padrão e/ou as que fogem dele, uma vez que a família brasileira passou por construções e reconstruções na sua forma. Existem variados modos de formações familiares, tal como a família a nuclear, as monoparentais femininas, as monoparentais masculinas, as reconstruídas, entre outras tantas formas que intercalam entre as dinâmicas hierárquicas e as igualitárias. No entanto, pode-se perceber modelos que correspondem ao formato mais comum considerado como ideal, tal como as nucleares, onde a tríade pai, mãe, filho se constitui como a base do modo que as famílias são compreendidas. Neste modelo, os papéis são definidos a partir de relações embasadas nas diferenças de hierarquia, gênero e idade. Em contrapartida, as famílias podem também aparecer como nucleares, mas com os conceitos não de uma família hierárquica, mas nos moldes igualitários. Neste ponto, pode-se criar diversas formas que conseqüentemente dão um lugar e uma possibilidade de construção identitária a seus membros, a partir de regras estabelecidas nessas relações. A família brasileira, que teve sua construção herdada de um modelo colonial português, incorporou os métodos e modos destas famílias portuguesas. Estas, por sua

11 11 vez, estavam embasadas em modelos patriarcais, que buscavam preservar tradições e acima de tudo procuravam conservar a propriedade e consolidar as posses. A partir daí é que se começa a estruturação da conjuntura familiar brasileira (SAMARA, 1998). De acordo com a literatura, a família brasileira seria o resultado da transplantação e adaptação da família portuguesa ao nosso ambiente colonial, tendo gerado um modelo com características patriarcais e tendências conservadoras em sua essência (SAMARA, 1998, p. 7). Diante disso, percebe-se que as formações familiares brasileiras se confundem com a colonização portuguesa e os modelos trazidos por ela no período colonial. As casas-grandes abrigavam não só a família nuclear, mas também parentes sanguíneos mais distantes, afilhados, empregados e escravos. E estas eram consideradas como famílias patriarcais e extensas. Essa conjuntura se deu bastante devido ao status que era empreendido aos patriarcas pela idéia de conservação da família, pelo grande número de pessoas dependentes de seus mandos e pela possibilidade de ascensão política. A anexação desses elementos e a manutenção de relações entre seus diversos componentes estavam basicamente relacionadas com laços de sangue, parentesco fictício e um complexo sistema de direitos e deveres. Dada a sua importância, a vinculação a esses agrupamentos permitia uma maior participação política, social e econômica na ordem paternalista (SAMARA, 1998, p. 14). Juntamente a este modelo estava a idéia de que o papel da mulher neste contexto era a de aceitar e realizar os deveres referentes a cuidados da casa e dos filhos. As mulheres depois de casadas passavam da tutela do pai para a do marido, cuidando dos filhos e da casa no desempenho da função doméstica que lhe estava reservada (SAMARA, 1998, p. 14). Esse modelo de família foi repassado e reproduzido de tal forma até o século XIX que as mulheres passaram a ser vistas como subordinadas e os homens como soberanos na hierarquia familiar.

12 12 Ao passar da história nota-se que as relações sociais, econômicas, políticas, entre outras, serviram como propulsoras de mudanças para novas constituições familiares. Tal como mostra Samara (1998), as famílias extensas e patriarcais do começo da colonização brasileira não eram modelos únicos, existindo também famílias nucleares, que eram em sua maioria constituídas por filhos ilegítimos de concubinas ou filhos de pais solteiros. Na sociedade brasileira, especialmente no século XIX, os matrimônios se realizavam num círculo limitado e estavam sujeitos a certos padrões e normas que agrupavam os indivíduos socialmente em função da origem e da posição sócio-econômica ocupada. Tal fato, entretanto, não chegou a eliminar a fusão dos grupos sociais e raciais, que ocorreu paralelamente através das uniões esporádicas e da concubinagem (SAMARA, 1998, p. 42). Isso trouxe outra faceta da sociedade brasileira, a de que a mulher não era tão submissa, tendo um lugar ainda restrito, porém com alguma autonomia, já que eram mães solteiras e/ou viviam em concubinagem. Houve como conseqüência mulheres sendo chefes de família, uma vez que era referência para seus filhos e que os pais pouco ou nunca participavam da criação e do provento econômico dos filhos. [...] a própria natureza do sistema patriarcal e a divisão de incumbências, no casamento, criaram condições para a afirmação da personalidade feminina, dada a sua influência direta junta à família (SAMARA, 1998, p. 57). A autora usa dados históricos da cidade de São Paulo para demonstrar que o que ocorria nos modelos familiares das áreas rurais do nordeste não acontecia da mesma forma na sociedade paulista, uma vez que apareciam formatos diferentes das famílias extensas e patriarcais. Em São Paulo mostravam-se características que fugiam desta noção de família, pois se começava a configurar modelos de família nucleares, monoparentais femininas e/ou masculinas. Diante disso, o que se pode perceber é que as famílias brasileiras que têm o conceito de ser predominantemente patriarcais foram

13 13 também estruturadas de forma tal que se esquivavam destes padrões e que trouxeram consigo novos modelos e maneiras de construção familiar. Atualmente esta constituição patriarcal é possivelmente percebida como uma instituição familiar que também sofre mudanças na sua organização e no modo como as relações ocorrem e igualmente como são estabelecidas, já que são vistas formações que fogem ao modelo patriarcal, tal como também ocorreu na época da colonização brasileira. Nos dias atuais pode-se citar famílias em que o sustento provém da mulher, casais homossexuais que constroem famílias, pais e mães solteiros ou separados que criam seus filhos sozinhos, entre outros tantos modelos de família que vão se configurando no cenário da sociedade brasileira. A despeito da aprovação do divórcio em 1977, as relações conjugais não formalizadas legalmente generalizaram-se. As separações e os novos casamentos aumentaram o número de pessoas que viviam com parceiros que não eram os pais ou as mães dos próprios filhos. [...] Além dos casais homossexuais, conquistaram seu espaço as pessoas que viviam sós, livres de estigma de solteirões, as mães solteiras e os descasados de ambos os sexos que, juntamente com o exercício simultâneo de alguma atividade remunerada, assumiram a criação dos filhos sem a presença cotidiana de um parceiro (VAITSMAN, 1994, p. 13). Estes valores que vêm sendo reorganizados nas constituições familiares aparecem devido às possibilidades de escolha de como formar uma família, ou até mesmo pela probabilidade de não se constituir uma família nos moldes vistos como ideais. A família é um lugar onde os construtos sociais perpassam e com estes surgem novos arranjos familiares a partir das possibilidades de escolha, mesmo que estas famílias estejam carregadas de tradições e conceitos arcaicos. Também na modernidade as famílias foram se modificando e o conceito de indivíduo foi prevalecendo sobre o entendimento de família, sociedade e coletivismo. As relações passam a ser marcadas por construções que priorizam o individual, fazendo com

14 14 que a família também sofra modificações. Como demonstra DaMatta (1987), a família por ser mais um meio de correlação com a sociedade traz consigo não só a capacidade de individualização, mas também e principalmente de construção de valores. E estes que também se configuram nos aspectos da individualidade e liberdade de escolha. O desenvolvimento da individualidade vincula-se ao da sociedade moderna, com a eliminação de barreiras de status, religiosas, o declínio da autoridade paterna e a liberdade de mobilidade, seja social ou geográfica. Ampliou-se o círculo de pessoas que se tornaram passíveis de escolha como parceiros no casamento, ampliando também a liberdade de escolha (VAITSMAN, 1994, p. 34). Essa possibilidade de escolha faz com que os modos de se pensar e se fazer o casamento se transformem, podendo ser vistos a partir do amor e da vontade de cada indivíduo de querer ou não se casar. A probabilidade dos casamentos acontecerem e igualmente se desfazerem a partir da vontade de querer formar uma família é o que vai se configurar nesse cenário da sociedade moderna. Diante disso, houve uma crise na base da formação de família, uma vez que a probabilidade desse ser feito um para o outro poderia não dar certo, conseqüência de uma instabilidade causada por ideais de liberdade, individualidade e igualdade que se configuraram na modernidade. Ou seja, diante destes conceitos estabelecidos na sociedade moderna, a instabilidade do ideal de amor e conseqüentemente da noção de casamento tornam-se fatos, uma vez que os sujeitos já não tinham a certeza de que havia um outro que correspondesse a seus desejos à altura dos ideais ditados pela modernidade. Outros norteadores dessa crise do ideal de amor são citados por Vaitsman (1994, p. 35): O tipo moderno de família e casamento entrou em crise porque foram abalados seus fundamentos: a divisão sexual do trabalho e a dicotomia entre público e privado atribuída segundo o gênero.

15 15 A camada média sentiu com as transformações ocorridas não só no âmbito familiar, mas no contexto social, político, econômico, cultural entre outros uma mudança no modo como as concepções já estabelecidas estavam sendo reconstruídas e reformuladas. Essa pesquisa se baseia no recorte da camada média urbana belo horizontina, que se encaixa nos modelos que vivenciam essas mudanças. Nesse aspecto, Vaitsman (1994, p. 13) pontua que Estas transformações difundiram-se entre homens e mulheres urbanos, portadores de valores individualistas, antiautoritários e igualitários, que geralmente cursaram a universidade, comparte um certo discurso e fazem parte de segmentos sociais com uma certa identidade sóciocultural. Nota-se que a camada média urbana vive estas transformações justamente por estas características sócio-econômicas-culturais que a cercam e que a diferenciam de outras camadas da sociedade brasileira, uma vez que o modo como se vivenciam essas mudanças estão intimamente ligadas aos valores de individualidade. Existe neste entendimento uma divisão entre o que é público Χ privado e o que é social Χ subjetivo. DaMatta (1997) faz uma analogia que exemplifica essa dicotomia entre o público e o privado, o social e o subjetivo quando traz a noção de rua e casa. Para DaMatta (1997), a rua é a amostra da dinamização e de novas criações da sociedade, já a casa tem o caráter de reprodutor de modelos e padrões. De fato, a categoria rua indica basicamente o mundo, com seus imprevistos, acidentes e paixões, ao passo que casa remete a um universo controlado, onde as coisas estão em seus devidos lugares. Por outro lado, a rua implica movimento, novidade, ação, ao passo que a casa subentende harmonia e calma: local de calor (como revela a palavra de origem latina lar, utilizada em português para casa) e afeto. E mais, na rua se trabalha, em casa se descansa [...] Na casa, temos associações regidas e formadas pelo parentesco e relações de sangue; na rua, as relações têm um caráter indelével de escolha, ou implicam essa possibilidade (DAMATTA, 1997, p , grifos do autor).

16 16 Frente a essa formulação sobre o público e o privado de DaMatta (1997), formam-se famílias baseadas nessas dicotomias que, por sua vez, geram valores e modelos considerados modernos e que buscam igualdade entre os gêneros em todos âmbitos. Ocorre, então, uma busca por divisões igualitárias não só no contexto familiar (a casa), mas também no âmbito social (a rua), mercado de trabalho, nas escolas, entre outros. A sociedade oferece um modelo de família a ser seguido e reproduzido, ao mesmo tempo em que gera transformações vindas do vai e vem das ruas. Da mesma forma, as famílias vêm também se reconfigurando e modificando a partir da convivência no cotidiano dentro da própria casa e de seus entrelaços com as construções sociais. Acontecem, portanto, várias concepções de família, mas que, contudo, estão embasadas nas mudanças ocorridas desde a época colonial brasileira. Pois, não se pode pensar em modelos familiares substituindo uns aos outros, mas sim em interpretações diferentes ao modo de se relacionar enquanto família. [...] nas condições de vida atuais não existe mais um modelo dominante de famílias, pois nenhuma estrutura ou ideologia surgiu para substituir a família moderna (STACEY apud VAITSMAN, 1994, p. 52). Portanto, pode-se perceber que a família, na sociedade brasileira, é como pontua DaMatta (1997) o local do aconchego, minha casa é o local da minha família, da minha gente ou dos meus, como falamos coloquialmente no Brasil (DAMATTA, 1997, p. 93), mas é da mesma forma o local onde [...] a casa, como uma totalidade, revela um conjunto de espaços onde uma maior ou menor intimidade é permitida, possível ou abolida (DAMATTA, 1997, p. 91). Isso deixa clara a relação entre a influência das transformações sociais e as mudanças nos modelos familiares. No entrelace ocorrem novos arranjos e possibilidades para um entendimento e vivência de família. Nesse aspecto a adolescência é vista como uma produção deste âmbito familiar e das relações ocorridas nas interações com a sociedade e a cultura. Desta forma, entende-se como necessária um estudo sobre a adolescência e a influência que esta

17 17 família de origem tem na constituição deste adolescente e igualmente na extensão que pode acarretar na idealização de uma futura família.

18 18 CAPÍTULO 2 - O QUE É A ADOLESCÊNCIA: UMA DISCUSSÃO TEÓRICA Na modernidade a idéia de adolescência se transformou, uma vez que com ela veio o ideal de independência, de individualidade e conseqüentemente de uma busca por uma identidade do adolescente. Essas características dos adolescentes são compatíveis aos ideais que perpassam na família e na sociedade, já que em ambas, na modernidade, estes ideais estão presentes. Para Calligaris (2000), instigar os jovens a se tornarem indivíduos independentes é uma peça-chave da educação moderna. A interação entre a subjetividade dos adolescentes com as construções sociais faz com que cada experiência vivenciada por estes tenha um significado diferente, uma vez que os contextos culturais, sociais, econômicos e políticos têm uma importância nos valores, na moral e na ética construídos. Há também variações em aspectos que tangem a classe, o gênero, a raça/etnia, a construção do âmbito familiar, entre outras questões que perpassam a subjetividade dos adolescentes. No entanto, como essa adolescência criada na modernidade é vista pela sociedade? Como se estabelece o que é a adolescência? Onde ela inicia e como acaba? Existem vários autores que priorizam uma visão generalista e universalista que categoriza a adolescência como uma fase necessária para uma passagem entre a infância e a fase adulta. Porém, podemos pensar a adolescência [...] como efeito de uma relação/ação e não como uma substância dada a priori, com características internas e psicológicas dadas, mas construídas a partir de um olhar adultocêntrico sobre ele e das respostas dadas pelos jovens a esse tipo de olhar (MAYORGA, 2005, p.23).

19 19 A partir deste olhar, pode-se entender a adolescência como algo construído socialmente, ou seja, este conceito veio ao longo da história se modificando de acordo com as construções ocorridas no meio social, cultural, familiar, político e econômico. Diante disso, tem-se uma idéia dessa fase que entende que são nas interações sociais que são construídos os modos de ser adolescente. A adolescência, por sua vez, é uma atitude cultural, é uma postura do ser humano durante uma fase de seu desenvolvimento, que deve refletir as expectativas da sociedade sobre as características deste grupo. A adolescência, portanto, é um papel social. E esse papel social de adolescente pode ser ou não simultâneo à puberdade. Erikson (1987), para explicar o momento de incerteza quanto às mudanças que se fazem presentes na adolescência, postula o conceito de crise de identidade, que é reconhecida como um momento característico do desenvolvimento humano. Apesar de identificar oito estágios psicossociais de desenvolvimento, onde a aquisição de novas habilidades e atitudes são vividas como crises de aprendizagem e de interação social, é na adolescência que ocorre a integração da identidade psicossocial. Essa integração faz com que haja uma repetição das quatro crises vivenciadas na infância, assim como dá base para as três crises que ocorrerão na idade adulta. Diante disso, Erikson (1987) formula o conceito de moratória, que é o período onde o adolescente pode aguardar a liberação dos adultos enquanto se prepara para exercer outros papéis na idade adulta. Nesse sentido Erikson (1987) postula que os adolescentes buscam por uma continuação do que já havia aprendido, contudo existe agora uma maturidade sexual. Isso pode acarretar em um retorno as crises da infância para que estes adolescentes possam incluir novos ídolos e ideais de uma identidade que pretendem que seja a que finalize as crises. Diante disso Erikson (1987) diz que os adolescentes necessitam da experiência da moratória como uma forma de integrar estes elementos da identidade que se embaralharam na transição da infância para a adolescência. Erikson (1987) entende que

20 20 a moratória seria uma forma de elaborar as exigências que vêm dos âmbitos familiares e sociais. No estado de moratória, os comprometimentos são postergados e os adolescentes debatem-se com temas profissionais ou ideológicos, pois estão passando por uma crise de identidade e não definiram suas escolhas. Eles precisam, sobretudo, de uma moratória para a integração dos elementos de identidade atribuídos nas páginas precedentes às fases da infância; só que, agora, uma unidade mais vasta, indefinida em seus contornos e, no entanto, imediata em suas exigências, substitui o meio infantil: a sociedade. Uma recapitulação desses elementos é também uma lista de problemas adolescentes (ERIKSON,1987, p. 129). Segundo Erikson (1987), o jovem da modernidade se depara com uma permanência mais prolongada na adolescência, uma vez que a sociedade impõe um maior tempo de escolaridade e preparação profissional. Isso acarreta em uma mudança de vivência das fases, pois de acordo com a abordagem eriksoniana os jovens passam a reviver os conflitos do início da adolescência num momento em que se deveria viver o final desta. Isto porque há uma intensificação e conscientização dos seus conflitos juntamente com as mudanças fisiológicas e hormonais. Para uns adolescentes, esta passagem, os acontecimentos de crescimento e esquecimento passam a ser tão difíceis de aceitar que alguns deles continuam agarrados ao ideal de uma juventude eterna, aquela da criança todo-poderosa e triunfante (HUERRE, 1998, p.17). Segundo Erikson (1987) os adolescentes buscam estabelecer suas vontades livremente, decidir sobre os caminhos a serem tomados, uma vez que não pretendem ser forçados a ir por um rumo que possa fazer com que eles passem por experiências que os envergonhem ou que os coloque em situações desagradáveis. Calligaris (2000) pontua que a adolescência teria um começo bem enfatizado se pensássemos somente na puberdade, que é uma mudança fisiológica, como o início da adolescência. Na puberdade, ocorrem transformações no corpo do adolescente, há um

21 21 amadurecimento dos órgãos sexuais e também mudanças hormonais. Já na adolescência, podem acontecer estas mudanças fisiológicas, contudo é também caracterizada por mudanças psicossociais. De fato, a transformação trazida pela puberdade é considerável. Tanto do ponto de vista fisiológico quanto da imagem de si que deve se adaptar a essa mudança. Basta lembrar a chegada dos desejos sexuais (que já existiam, mas que são agora reconhecidos como tais pelos próprios sujeitos) e, aos poucos, a descoberta de uma competição possível com os adultos, tanto na sedução quanto no enfrentamento (CALLIGARIS, 2000, p. 20). No entanto, a adolescência não tem um tempo definido para seu fim, se caracteriza por um tempo de transformações que não se sabe ao certo quando irão acabar; a única certeza presente na adolescência é a de que estes adolescentes perdem a segurança que tinham quando criança e já não têm a garantia do amor e do reconhecimento dos seus pais. A partir disso, formulam novas formas de ser, procurando se encaixar nos referenciais da sua infância e do desejo de seus pais. Essa insegurança pode acarretar em comportamentos que busquem este reconhecimento que tinham quando criança na tentativa de ter um papel bem delimitado em sua família. As exigências da sociedade de uma ruptura dos jovens com as experiências da adolescência/infância e para a passagem definitiva para a fase adulta geram, do mesmo modo, uma revivência pelos conflitos da infância para a adolescência. Esses conflitos são gerados por uma moratória imposta pelos adultos aos adolescentes, uma vez que na infância prepara-se este sujeito para tarefas que só poderão ser realizadas (sem ser marginalizadas) depois da adolescência. Diante disso, ocorre uma embaraçosa noção de que há um dilema entre o que os adultos idealizam sobre a adolescência e o que os próprios adolescentes pensam para suas vidas. Este dilema aparece no sentido do que é ser um sujeito com possibilidades de amar, trabalhar e produzir, porém a moratória imposta faz com que essas possibilidades advindas da maturação corporal do

22 22 adolescente sejam barradas e freadas. Isto leva os adolescentes aos conflitos nesse tempo de moratória. Enfim, esse aprendizado mínimo está solidamente assimilado. Seus corpos, que se tornaram desejantes e desejáveis, poderiam lhes permitir amar, copular, e gozar, assim como se reproduzir. Suas forças poderiam assumir qualquer tarefa de trabalho e começar a levá-los na direção de invejáveis sucessos sociais. Ora, logo nesse instante, lhes é comunicado que não está bem na hora ainda (CALLIGARIS, 2000, p. 15). A adolescência, tal como entende Calligaris (2000), é um tempo de moratória, pois os adolescentes ficam entre realizar o que a sociedade moderna prega como ideal que é a liberdade de expressão, independência e individualidade e ao mesmo tempo, esperar pelo tempo que a mesma sociedade moderna entende como certo, pois há o entendimento de que existe a maturação do corpo, mas não se percebe que há maturidade nos adolescentes. Por entender a adolescência como um tempo de moratória, pode-se pensar num momento em que há uma transição entre o que é ser criança e o que é ser adulto. Entretanto, a adolescência é carregada por idealizações por parte de uma sociedade moderna que prega valores que às vezes se tornam inacessíveis aos jovens. Desta forma, cria-se uma idéia de que a adolescência seria uma fase passageira e de que os conflitos e dilemas tidos nela não passariam ou atingiriam a fase adulta. No entanto, esta idéia da adolescência formou-se cheia de incertezas e arbitrariedade. Em outras palavras, há um sujeito capaz, instruído e treinado por mil caminhos pela escola, pelos pais, pela mídia para adotar os ideais da comunidade. Ele se torna um adolescente quando, apesar de seu corpo e seu espírito estarem prontos para a competição, não é reconhecido como adulto. Aprende que, por volta de mais dez anos, ficará sob a tutela dos adultos, preparando-se para o sexo, o amor e o trabalho, sem produzir, ganhar ou amar: ou então produzindo, ganhando, amando, só que marginalmente (CALLIGARIS, 2000, p ).

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Duas faces, uma só Pessoa

Duas faces, uma só Pessoa P á g i n a 3 Duas faces, uma só Pessoa ANA LUÍSA RIBEIRO DOS SANTOS Ana Santos P á g i n a 4 FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Ana Santos TITULO: Duas faces, uma só pessoa AUTORA: Ana Santos IMAGEM DA CAPA: Capa:

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O TRABALHO NA TERCEIRA IDADE: A CONTINUAÇÃO DE UMA IDENTIDADE SOCIAL? Rosimeire de Oliveira Sueli Galego de carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, Brasil Resumo O número de idosos tem

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA.

TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA. Culturas e Conhecimentos Disciplinares Débora Barreiros TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA. Numa sociedade em que o discurso sobre o respeito à diferença ganha cada

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

Casa do Bom Menino. Manual do Voluntario

Casa do Bom Menino. Manual do Voluntario Manual do Voluntario Apresentação A Casa do foi fundada em novembro de 1962 e hoje acolhe provisoriamente e excepcionalmente crianças e adolescentes afastados do convívio familiar. A instituição assume

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

?- Período em que participavam das aulas.

?- Período em que participavam das aulas. Iniciativa Apoio como foi a campanha HISTÓRIAS EX ALUNOS 1997 2013 as perguntas eram relacionadas ao:?- Período em que participavam das aulas. - Impacto que o esporte teve na vida deles. - Que têm feito

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates 1º ano do Ensino Fundamental I O que você gosta de fazer junto com a sua mã e? - Dançar e jogar um jogo de tabuleiro. - Eu gosto de jogar futebol

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

GERAÇÃO CANGURU : UMA NOVA CONFIGURAÇÃO DA FAMÍLIA CONTEMPORÂNEA

GERAÇÃO CANGURU : UMA NOVA CONFIGURAÇÃO DA FAMÍLIA CONTEMPORÂNEA GERAÇÃO CANGURU : UMA NOVA CONFIGURAÇÃO DA FAMÍLIA CONTEMPORÂNEA Bruna Gonzalez Machado 1 Juliana Carmona Predebon 2 RESUMO O presente artigo aborda o tema da Geração Canguru com o objetivo de conhecer

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução O SER MULHER, MÃE E TRABALHADORA: a maternidade sob a ótica da mulher atual Márcia Marrocos Aristides Barbiero Orientadora: Katia Fernanda Alves Moreira RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo estudar

Leia mais

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA Yrismara Pereira da Cruz 3, Ana Raquel Holanda Barros¹, Indira Siebra Feitosa¹. Correspondência para: yrismaracruz@hotmail.com

Leia mais

O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é:

O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é: O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é: a capacidade individual ou social para manter uma orientação constante, imutável, qualquer que seja a complexidade de uma situação

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Família nuclear casal e filhos solteiros.

Família nuclear casal e filhos solteiros. Família Uma família é um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE?

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? Rafael chegou em casa um tanto cabisbaixo... Na verdade, estava muito pensativo. No dia anterior tinha ido dormir na casa de Pedro, seu grande amigo, e ficou com a cabeça

Leia mais

Adolescência. i dos Pais

Adolescência. i dos Pais i dos Pais Adolescência Quem sou eu? Já não sou criança, ainda não sou adulto, e definitivamente não sou apenas um filho, pareço ser outra coisa que assume um lugar social! É a questão colocada por muitos

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO FAMÍLIA NA PERSPECTIVA SOCIOLÓGICA DISCIPLINA: SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR FAMÍLIA NA PERSPECTIVA SOCIOLÓGICA Como instituição social, a família é definida pelas funções sociais

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Relacionamento Amoroso

Relacionamento Amoroso CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Relacionamento Amoroso Luisa Guedes Di Mauro Natália Gióia Cípola

Leia mais

A consciência no ato de educar

A consciência no ato de educar Família e escola: somando forças para construir o futuro Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br A consciência no ato de educar Não se educa entre uma novela e outra. Não se educa nos finais de semana! Não

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

IBH Transtorno de personalidade dependente. Dra. Lislie Schoenstatt

IBH Transtorno de personalidade dependente. Dra. Lislie Schoenstatt IBH Transtorno de personalidade dependente Dra. Lislie Schoenstatt Transtorno de Personalidade Dependente - TPD É uma necessidade invasiva e excessiva de ser cuidado, que leva a um comportamento submisso

Leia mais

Violência Doméstica contra Crianças sob a

Violência Doméstica contra Crianças sob a Apresentação Maria Alice Barbosa de Fortunato Autores: Kássia Cristina C. Pereira* Maria Alice B. Fortunato* Marilurdes A. de M. Álvares* Orientadora: Lygia Maria Pereira da Silva** * Fiocruz CPQAM/ NESC

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

Subjetividade, afetividade, mídia 1

Subjetividade, afetividade, mídia 1 Subjetividade, afetividade, mídia 1 Edneuza Alves Universidade Católica de Brasília Nesta comunicação, analiso e discuto o relacionamento afetivo do homem moderno através da mídia, tomando como recorte

Leia mais

A ESCOLA DE HOMENS Trabalho realizado com autores de Violência Doméstica, no Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Nova Iguaçu

A ESCOLA DE HOMENS Trabalho realizado com autores de Violência Doméstica, no Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Nova Iguaçu A ESCOLA DE HOMENS Trabalho realizado com autores de Violência Doméstica, no Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Nova Iguaçu Por: Ana Keli Lourenço da Rocha Tomé Sob a supervisão do

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais