O Laboratório de Mudança. Uma Ferramenta de Desenvolvimento Colaborativo para o Trabalho e a Educação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Laboratório de Mudança. Uma Ferramenta de Desenvolvimento Colaborativo para o Trabalho e a Educação."

Transcrição

1 Jaakko VIRKKUNEN yellehs MA

2 O Laboratório de Mudança Uma Ferramenta de Desenvolvimento Colaborativo para o Trabalho e a Educação.

3 Jaakko Virkkunen & Denise Shelley Newnham O Laboratório de Mudança Uma Ferramenta de Desenvolvimento Colaborativo para o Trabalho e a Educação. Belo Horizonte 2015

4 Série Ciência, Tecnologia e Sociedade Gênese e Desenvolvimento de um Fato Científico Ludwik Fleck O Golem O que você deveria saber sobre ciência (2 a edição) Harry Collins e Trevor Pinch O Golem à Solta O que você deveria saber sobre tecnologia Harry Collins e Trevor Pinch Doutor Golem Como pensar a medicina Harry Collins e Trevor Pinch Mudando a Ordem Replicação e indução na prática científica Harry Collins Repensando a Expertise Harry Collins e Rob Evans A Forma das Ações O que os humanos e as máquinas podem fazer Harry Collins e Martin Kusch Especialistas Artificiais Conhecimento social e máquinas inteligentes Harry Collins A Internet Uma crítica filosófica à educação a distância e ao mundo virtual (2 a edição) Hubert L. Dreyfus Expertise Intuitiva Para além do pensamento analítico Hubert L. Dreyfus e Stuart E. Dreyfus Ciência, verdade e sociedade Contribuições para um diálogo entre a sociologia e a filosofia da ciência Michelangelo Giotto Santoro Trigueiro Série Trabalho e Sociedade Trabalho e o Poder de Agir Yves Clot Engenheiros no Cotidiano Etnografia da atividade de projeto e de inovação Dominique Vinck (org.) O Curso da Ação Método elementar Ensaio de Antropologia enativa e concepção ergonômica Jacques Theureau Análises do Trabalho Leda Leal Ferreira O Laboratório de Mudança - Uma Ferramenta de Desenvolvimento Colaborativo para o Trabalho e a Educação. Jaakko Virkkunen & Denise Shelley Newnham Série Confiabilidade Humana O Acidente e a Organização Michel Llory e René Montmayeul

5 Série Trabalho e Sociedade Organizadores Francisco de Paula Antunes Lima Rodrigo Ribeiro

6 EDITORES Prof. Rodrigo Ribeiro Universidade Federal de Minas Gerais Prof. Francisco de Paula Antunes Lima Universidade Federal de Minas Gerais COnselhO editorial MEMBROS Prof. Antonio Arellano Hernández Universidad Autónoma del Estado de México Prof. David Hess Rensselaer Polytechnic Institute Prof. Dominique Vinck Université Pierre Mendès France de Grenoble Prof. Harry Collins Cardiff University Prof. Henrique Luiz Cukierman Universidade Federal do Rio de Janeiro Prof. Ivan da Costa Marques Universidade Federal do Rio de Janeiro Prof. João Porto de Albuquerque Universidade de São Paulo Dr. José Marçal Jackson Filho Fundacentro RJ Profa. Léa Maria Leme Strini Velho Universidade Estadual de Campinas Profa. Maíra Baumgarten Universidade Federal do Rio Grande Dra. Maria Cristina Guimarães Fundação Oswaldo Cruz FIOCRUZ Profa. Maria Elizabeth Antunes Lima Universidade Federal de Minas Gerais Profa. Maria Lúcia Álvares Maciel Universidade Federal do Rio de Janeiro Prof. Mário Sérgio Salerno Universidade de São Paulo Prof. Michel Jean Marie Thiollent Universidade Federal do Rio de Janeiro Prof. Michelangelo Trigueiro Universidade de Brasília Prof. Rob Evans Cardiff University Prof. Thales Haddad Novaes de Andrade Universidade Federal de São Carlos Prof. Wiebe Bijker Maastricht University Prof. Yves Schwartz Université de Provence

7 2013. Sense Publishers 2015 da tradução brasileira Fabrefactum Editora Ltda. Licenciado por Sense Publishers Todos os direitos da tradução e desta edição reservados à Fabrefactum Editora. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida por qualquer meio, sem a prévia autorização, por escrito, da Fabrefactum Editora Ltda. Título original: The Change Laboratory Custeio parcial decorrente de acordo judicial firmado nos autos da Ação Civil Pública nº , ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho em face da KSPG AUTOMOTIVE BRAZIL LTDA. Virkkunen, Jaakko V818. O laboratório de mudança: uma ferramenta de desenvolvimento colaborativo para o trabalho e a educação / Jaakko Virkkunen & Denise Shelley Newnham; tradução de Pedro Vianna Cava. - Belo Horizonte: Fabrefactum, p. ( Série: Trabalho e Sociedade ) Título Original: The Change Laboratory ISBN: Trabalhador - Saúde e segurança. 2. Acidente de trabalho - Prevenção. 3. Trabalho e educação. I. Newnham, Denise Shelley. II. Cava, Pedro Vianna. III. Título. Elaborada por: Maria Aparecida Costa Duarte CRB/ CDD: CDU: Fabrefactum Editora Ltda. Rua Tomé de Souza,860/sala 1604 Belo Horizonte Minas Gerais CEP Brasil Telefone: 0(XX) E mail: Tradução Pedro Vianna Cava Revisão Técnica Marco Pereira Querol Projeto Gráfico Genial Box Comunicação Editoração Genial Box Comunicação Capa Daniela Luz Apoio Produção Vera Pessoa Impressão Prol Editora Gráfica LTDA

8 Jaakko Virkkunen & Denise Shelley Newnham O LABORATÓRIO DE MUDANÇA Uma ferramenta de desenvolvimento colaborativo para o trabalho e a educação

9 i Sumário SUMÁRIO...i LISTA DE FIGURAS E TABELAS...vii LISTA DE QUADROS...x APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA...xii PREFÁCIO: INTERVENÇÕES FORMATIVAS PARA A APRENDIZAGEM EXPANSIVA...xviii PREFÁCIO DOS AUTORES...xxiv AGRADECIMENTOS...xxviii INTRODUÇÃO...xxx 1. ENFRENTANDO OS NOVOS DESAFIOS DA APRENDIZAGEM NO TRABALHO...43 Mudança histórica em desafios e formas de aprendizagem relativa ao trabalho...43 A necessidade de um novo método de intervenção em atividades de trabalho...47 O conceito de intervenção...47 A diferença entre uma intervenção de mudança e uma intervenção formativa do laboratório de mudança...53 Resultados de intervenções formativas do laboratório de mudança O LABORATÓRIO DE MUDANÇA UM INSTRUMENTO DE ENCORAJAMENTO DE AÇÃO E DE APRENDIZAGEM EXPANSIVA...63 Descrição do método do laboratório de mudança...63

10 ii O contexto e as ferramentas do laboratório de mudança...63 O processo de laboratório de mudança...66 Processos sociocognitivos necessários no laboratório de mudança...69 O plano de fundo histórico do método do laboratório de mudança.73 A metodologia de pesquisa em desenvolvimento do trabalho A BASE TEÓRICA DO MÉTODO DO LABORATÓRIO DE MUDANÇA...81 O sistema de atividade como objeto da intervenção...82 Visão dialética do desenvolvimento...82 A atividade humana como sistema cultural...86 Um sistema de atividade na divisão social de trabalho...90 A estrutura hierárquica da atividade humana...92 Os mediadores culturais da ação como generalizações...95 A interação entre o situacional e o cultural na ação humana...95 Níveis e tipos de artefatos culturais mediadores...97 Os conceitos como mediadores do pensar e do agir...99 O desenvolvimento humano enquanto re-mediação Pensamento criativo concreto A re-mediação enquanto processo de transformação de um artefato em um instrumento o processo de estimulação dupla A dinâmica de desenvolvimento expansivo em um sistema de atividade Tipos históricos de trabalho PREPARANDO A INTERVENÇÃO DO LABORATÓRIO DE MUDANÇA Os três níveis de planejamento de uma intervenção do laboratório de mudança Negociando o comando da intervenção do laboratório de mudança e enraizando-a no contexto organizacional Preparando o processo do laboratório de mudança Envolvendo os participantes no processo do laboratório de mudança Coletando dados para o processo do laboratório de mudança Delineando a sequência das sessões do laboratório de mudança PREPARANDO E REALIZANDO AS SESSÕES DO LABORATÓRIO DE MUDANÇA Os três aspectos do planejamento das sessões...153

11 iii As tarefas dos participantes nas sessões do laboratório de mudança A estrutura das tarefas nas sessões do laboratório de mudança Planejando tarefas para estimular os participantes a realizar ações questionadoras de aprendizagem expansiva Planejando tarefas para estimular os participantes a analisar seu sistema de atividade Planejando tarefas para estimular os participantes a modelar a nova forma da atividade Planejando tarefas para estimular os participantes a examinar e testar o novo modelo Planejando tarefas para estimular os participantes a implementar experimentalmente o novo modelo Planejando tarefas para estimular os participantes a refletir sobre o processo de aprendizagem Planejando tarefas para estimular os participantes a consolidar e generalizar a nova prática Dirigindo a aprendizagem discursiva e o processo de desenvolvimento nas sessões do laboratório de mudança Os diversos papéis do pesquisador-interventor na condução do trabalho das sessões do laboratório de mudança Fomentando a dinâmica do processo de aprendizagem expansiva..194 A dialética do pensamento coletivo no laboratório de mudança Introdução dos exemplos de caso UM LABORATÓRIO DE MUDANÇA EM UMA ESCOLA EM BOTSUANA A revolução tci um desafio de desenvolvimento escolar Tecnologia de comunicação e informação digital uma revolução de mídia A aplicação de tci nas escolas O laboratório de mudança na escola secundária superior Molefi Preparando o processo do laboratório de mudança Executando a fase de análise e design do processo do laboratório de mudança Primeira sessão Segunda sessão Terceira sessão Quarta sessão...246

12 iv Quinta sessão Sexta sessão Sétima sessão Os comentários dos participantes sobre os processos de análise e design Avaliação do processo do laboratório de mudança UM LABORATÓRIO DE MUDANÇA NA UNIDADE CIRÚRGICA CENTRAL DO HOSPITAL DA UNIVERSIDADE DE OULU A atividade da unidade cirúrgica central A intervenção do laboratório de mudança Coleta de dados anterior à intervenção O plano de intervenção Primeira sessão Uma teleconferência entre os pesquisadores e a administração Segunda sessão Terceira sessão Quarta sessão Reunião de funcionários Quinta sessão Acompanhamento da implementação experimental do novo modelo Consequências a longo prazo do novo modelo Aspectos metodologicamente interessantes no processo do laboratório de mudança da unidade cirúrgica central A diferença entre os conceitos de tarefa organizacional e objeto de atividade Mudanças na estrutura de estimulação dupla no processo do laboratório de mudança Superando a divisa administração-profissional na transformação da atividade Aspectos específicos da implementação da intervenção Colaboração multifacetada e contínua entre pesquisadores, administradores e profissionais da unidade cirúrgica central Escrevendo um documento do novo modelo de administração e organização Acompanhamento contínuo e colaboração pesquisador-profissional...306

13 v 8. UM LABORATÓRIO DE MUDANÇA INTERFRONTEIRAS EM UMA FIRMA DE SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO A organização e a atividade A produção de celulose e os dois níveis de sua automação As diferentes lógicas do fornecimento de sistemas básicos de automação e de automação de otimização O propósito e o plano da intervenção Características específicas de um laboratório de mudança interfronteiras Coleta preparatória de dados Participantes e planejamento de sessões do laboratório de mudança interfronteiras Efetuando a intervenção Análise das causas dos problemas nas atividades Os resultados da análise histórica Desenvolvimento do novo modelo A implementação do novo modelo e os resultados do laboratório de mudança COMPARAÇÃO ENTRE OS TRÊS EXEMPLOS DE CASOS Diferenças na realização prática das três intervenções do laboratório de mudança Uma perspectiva da teoria de atividade sobre as diferenças entre as três intervenções do laboratório de mudança A relação das observações feitas nas três intervenções para com as discussões teóricas relacionadas O FUTURO DO MÉTODO DO LABORATÓRIO DE MUDANÇA O laboratório de mudança como uma nova fase no desenvolvimento da metodologia de pesquisa de desenvolvimento em trabalho O ciclo de criação da metodologia de pesquisa em desenvolvimento do trabalho O ciclo da atividade de pesquisa em desenvolvimento do trabalho baseada no laboratório de mudança Estudos de aspectos da aprendizagem expansiva em laboratórios de mudança Formação de conceitos Dimensões e formas de expansão na aprendizagem expansiva em laboratórios de mudança...363

14 Manifestações de contradições internas no sistema de atividade dos participantes do laboratório de mudança em suas discussões no laboratório de mudança Mudança na maneira de pensar dos participantes Ciclos de ações de aprendizagem expansiva no laboratório de mudança O desenvolvimento da atuação transformadora dos profissionais no laboratório de mudança A zona de desenvolvimento proximal da pesquisa em desenvolvimento do trabalho baseada no laboratório de mudança Apêndice 1: folha de planejamento de sessões Apêndice 2: diário de perturbações Apêndice 3: culturas de tratamento de perturbações e problemas em organizações Apêndice 4: métodos de coleta de dados históricos de espelho Apêndice 5: matriz de mudanças Referências Índice vi

15 vii Lista de Figuras e Tabelas Figura 1. Intervenções formativas no campo de pesquisa em ciências sociais Figura 1.1. Quatro tipos de intervenção e métodos de intervenção Figura 1.2. A diferença relativa aos processos de resolução de problemas em uma intervenção de mudança e uma intervenção do Laboratório de Mudança Figura 2.1. Um esquema prototípico e os instrumentos do espaço do Laboratório de Mudança Figura 2.2. As fases de um processo do Laboratório de Mudança Figura 2.3. O uso das superfícies de representação em um curso possível de análise e desgin no Laboratório de Mudança Figura 2.4. Processos sociocognitivos necessários no Laboratório de Mudança Figura 3.1. O primeiro passo na transição da forma animal de atividade para a forma humana de atividade Figura 3.2. A organização do sistema de atividade humana Figura 3.3. Um sistema de atividade como núcleo em uma rede de sistemas funcionalmente interdependentes de atividade Figura 3.4. Dois sistemas de atividade envolvidos na coconstrução de um objeto potencialmente compartilhado Figura 3.5. A organização hierárquica da atividade humana Figura 3.6. O modelo de ciclo de aprendizagem expansiva

16 Figura 3.7. O ciclo de transformação expansiva de um sistema de atividade Figura 3.8. Tipos históricos de trabalho Figura 4.1. Três abordagens ao desenvolvimento de uma atividade Figura 4.2. Ações de aprendizagem expansiva no processo do Laboratório de Mudança Figura 4.3. Implementação experimental do novo modelo mediante um novo tipo de ação produtiva no sistema da atividade Figura 5.1. Fluxo e dinâmica possíveis da ação questionadora Figura 5.2. Uma sequência possível de operações na análise histórica Figura 5.3. Diferentes modos de colaboração Figura 5.4. Uma possível estrutura da ação de aprendizagem expansiva que é a análise empírica atual Figura 5.5. Tipos históricos de trabalho e organização Figura 5.6. Uma possível sequência de passos na construção do novo modelo Figura 5.7. Uma possível sequência de passos na execução de ações de aprendizagem expansiva de reflexão sobre o processo Figura 6.1. Alegrias, frustrações e novas experiências inspiradoras e frustrantes dos professores Figura 6.2. Modelando o sistema atual da atividade dos professores Figura 6.3. As preocupações dos estudantes Figura 6.4. A capa e o conteúdo dos cadernos de dois estudantes Figura 6.5. O Espelho/Presente na forma de matriz de mudanças nos elementos do sistema de atividade Figura 6.6. Uma definição preliminar de um objeto de desenvolvimento como um agrupamento de ideias com ligações tênues Figura 6.7. As ideias de novas soluções localizadas preliminarmente no modelo do sistema de atividade dos professores Figura 7.1. Uma sessão do Laboratório de Mudança na Unidade Cirúrgica Central, Hospital da Universidade de Oulu Figura 7.2. Os sistemas de atividade na Unidade Cirúrgica Central e suas contradições internas viii

17 viv Figura 7.3. Um modelo idealizado da estrutura de matriz baseada em processos da Unidade de Resultados para Cirurgia e Tratamento Intensivo Figura 7.4. O modelo proposto para a nova organização da unidade Figura 8.1. O plano do Laboratório de Mudança Interfronteiras na Metso Automation Figura 8.2. Uma reunião de revisão entre representantes da firma fornecedora e a da fábrica de celulose sobre o funcionamento do software de otimização na fábrica Figura 8.3. Os novos elementos propostos para a atividade em relação à extensão da escala e ampliação do escopo da atividade Figura A direção de transformação em atividades de trabalho nos primeiros projetos de PDT Figura As direções das transformações de atividades de trabalho após a década de 90 Figura Tipos de Laboratórios de Mudança Figura A Zona de desenvolvimento proximal da atividade de pesquisa em desenvolvimento do trabalho Figura no Apêndice 3: Quatro tipos de culturas organizacionais de tratamento de problemas Tabela 1.1. A diferença entre intervenções de mudança e intervenções formativas do Laboratório de Mudança Tabela 3.1 Dois tipos de conceitos e as operações intelectuais relacionadas Tabela 4.1. Um exemplo de uma estrutura de sessão possível acerca da fase de análise e projeto de uma intervenção do Laboratório de Mudança Tabela 6.1. O plano das sessões do Laboratório de Mudança na Escola Molefi Tabela 7.1. O plano das sessões do Laboratório de Mudança na Unidade Cirúrgica Central Tabela 9.1. Comparação da realização prática de três intervenções Tabela 9.2. Comparação de processos expansivos de aprendizagem nos três casos

18 x Lista de Quadros Quadro 2.1.A interrelação entre a confrontação emocional e a análise intelectual em uma sessão do Laboratório de Mudança Quadro 2.2. O primeiro estudo de PDT, no começo da década de 80 Quadro 3.1. Compreendendo os sistemas viventes Quadro 3.2. Uma discrepância entre o objetivo e as operações para sua execução Quadro 3.3. A contradição enquanto desafio à resolução criativa de problemas Quadro 3.4. O experimento da situação sem sentido Quadro 3.5. Identificando e superando uma contradição interna no sistema de atividade de uma equipe Quadro 3.6. Um exemplo histórico de aprendizagem expansiva Quadro 4.1. Criação de conhecimento nas negociações preparatórias Quadro 4.2. Análise e design em cinco sessões do Laboratório de Mudança Quadro 4.3. Usando os dados especulares para construir o objeto da intervenção em conjunto com a gerência Quadro 4.4. Grupo de planejamento Quadro 4.5. A coleta de dados já pode funcionar como uma intervenção Quadro 4.6. O mesmo cliente, mas conceituações diferentes do objeto da atividade Quadro 4.7. Um exemplo de processo de trabalho como espelho da prática corrente Quadro 4.8. Uma situação problemática dramática como espelho da atividade

19 xi Quadro 4.9. Um processo alternativo do Laboratório de Mudança Quadro 5.1. Induzindo a experimentação entre os participantes do Laboratório de Mudança Quadro 5.2. Diferentes culturas de lidar com problemas Quadro 5.3. Uma linha do tempo vivente como modo de coletar dados sobre a história Quadro 5.4. A recordação coletiva como forma de coletar dados referentes à história Quadro 5.5. Adotando uma perspectiva histórica quanto às perturbações atuais Quadro 5.6. Condições de cooperação Quadro 5.7. Um modelo dos tipos históricos da atividade enquanto ferramenta analítica Quadro 5.8. Benchmarking como forma de auxiliar a axpansão moral-ideológica Quadro 5.9. Modelando a visão futura da atividade Quadro O uso de benchmarking crítico na busca por um novo modelo Quadro Examinando o novo modelo organizacional Quadro A relação entre reflexão, consolidação e generalização da nova prática Quadro A interrelação entre significado social e sentimento pessoal na análise e na mudança do sistema da atividade conjunta Quadro Um desvio com relação ao roteiro dos pesquisadores-interventores Quadro A concorrência entre o antigo princípio e o novo Quadro As operações lógicas no pensamento criativo Quadro 6.1. Usando o Laboratório de Mudança para auxiliar professores a reconceituar o objeto e a forma de sua atividade educacional Quadro As difusões internacionais do método do Laboratório de Mudança Quadro Pragas não respeitam fronteiras Um Laboratório de Mudança Interfronteiras entre produtores de tomate e pepino

20 xii Apresentação da Edição Brasileira É com muita satisfação que apresentamos a primeira edição do Livro Laboratório de Mudança uma ferramenta para o desenvolvimento colaborativo e aprendizado no trabalho de autoria de Jaakko Virkkunen, professor aposentado da Universidade de Helsinque e Denise Shelley Newnham professora do Departamento de Educação da Universidade de Bath, Inglaterra. O livro foi publicado pela primeira vez em 2013, em inglês pela editora Sense Publishers e sai agora no Brasil pela Editora Fabrefactum, ofertando aos leitores da língua portuguesa uma rica oportunidade de conhecer esta importante metodologia de intervenção formativa que vimos tentando conhecer e aplicar ajustando a ao nosso contexto sócio cultural. Nosso contato com a metodologia teve início em 2010, quando Marco Querol terminava seus estudos de doutorado na Universidade de Helsinque, Finlândia, e se prontificou a nos ajudar na elaboração do projeto temático 1 que tem como um dos objetos a implantação do LM em atividades de trabalho com a finalidade de prevenir acidentes. Conseguimos por este intermédio iniciar uma promissora cooperação com os pesquisadores da Finlândia especialmente com a 1 Acidente de Trabalho: da análise sócio técnica à construção social de mudanças. Proc. 2012/

21 xiii equipe do Centro de Pesquisa em Atividade, Desenvolvimento e Aprendizagem (CRADLE) daquela Universidade. Em 2012 conseguimos realizar na Faculdade de Saúde Pública (FSP.USP) um curso de capacitação de uma semana no método do Laboratório de Mudança (LM), que foi ministrado pelo Professor Jaakko Virkkunen, que na ocasião estava finalizando o Livro, despertando nosso interesse na publicação de uma edição brasileira. Com uma ampla experiência em intervenções formativas, ele nos apresentou no curso os aspectos teóricos conceituais e o passo a passo da metodologia, mostrando um amplo domínio de sua aplicação em vários contextos e diferentes países. O livro traz um dos principais produtos do CRADLE, mostrando a consistência e amadurecimento desse Centro, que possui uma longa tradição em pesquisas baseadas na teoria da atividade histórico-cultural (CHAT), que se baseia nos trabalhos de L. S. Vygostky e seus seguidores. O professor Jaakko Virkkunen, juntamente com pesquisadores do CRADLE, vem desenvolvendo e aprimorando a metodologia desde os anos 90, constituindo-se atualmente uma ferramenta já consolidada, aplicada em vários processos produtivos tanto públicos como privados, em vários países e em diferentes setores de atividade produtiva como escolas, hospitais, produção agrícola, mídia, telecomunicações etc. Aspectos teóricos, o passo a passo que inclui a demanda e as negociações iniciais, o trabalho preliminar de campo, o planejamento detalhado de cada seção bem como exemplos de casos de aplicação da metodologia estão apresentados no livro. No capitulo introdutório dedicado aos aspectos conceituais são mencionadas as diferenças com outros métodos de intervenção e de pesquisas participativas.

22 xiv Em projetos de pesquisa anteriores apoiados pela FAPESP 2, dedicados a desenvolver e implementar um sistema de vigilância de acidentes, utilizamos a abordagem da ergonomia da atividade associada à analise em profundidade dos acidentes usando o Modelo de Análise e Prevenção de Acidentes (MAPA) 3 em processos de trabalho patogênicos e perigosos. Nossa experiência mostrou que conseguimos avançar obtendo bons diagnósticos, mas sem conseguir levar adiante efetivas transformações que alterassem os determinantes organizacionais escondidos atrás dos agravos à saúde dos trabalhadores. Um dos problemas é que os diagnósticos foram construtos dos pesquisadores que agiam na condição de especialistas que ao final dos estudos entregavam as recomendações aos atores que permaneceram na condição de espectadores e não sujeitos dos processos de transformação. Foi então que nos demos conta da necessidade de outras ferramentas que conseguissem ampliar a comunidade de pesquisa e envolver e transformar os atores em protagonistas para mudança da situação, de modo a aumentar o impacto das nossas intervenções. O esforço de busca e de construção dessa perspectiva não foi em vão. Foram dois anos de reflexão e amadurecimento do grupo que resultou na elaboração e aprovação do terceiro projeto de pesquisa, agora no formato de um projeto temático, cujo principal objeto é construir, testar e implantar metodologia de diagnóstico articulado com a mudança de situações perigosas prioritárias. Um dos muitos desafios colocados foi o de como implicar os diferentes atores de modo que as intervenções sejam duradouras, mudem a representação dos agentes sobre o trabalho e sobre o controle dos riscos, alterem a maneira de compreender os acidentes e doenças, as ferramentas habituais de análise e de gestão de saúde e segurança, e consequentemente empoderem os trabalhadores e demais atores sociais de modo a aumentar o seu 2 Vilela RAG. Ações interinstitucionais para o diagnóstico e prevenção de acidentes do trabalho: aprimoramento de uma proposta para a Região de Piracicaba. Relatório de Pesquisa em Políticas Públicas. FAPESP, Processo 06/ , Almeida IM, Vilela RAG. Modelo de Análise e Prevenção de Acidentes MAPA, CEREST, Piracicaba. 2010

23 xv poder de agir. Estávamos então diante do desafio de mudar e não remediar o sistema de atividade, que envolve muito mais que mudanças pontuais em elementos do sistema, mas mudanças profundas que superem as principais contradições que se encontram por detrás dos efeitos que emergem no sistema como acidentes, doenças, baixa qualidade e outras anomalias que geralmente andam juntas num processo produtivo patológico. Ao aliar um processo participativo com uma forte teoria do aprendizado, o LM se constitui então em uma ferramenta potente para a transformação. A mudança advém não de um processo mágico, ou uma intervenção externa de um especialista, de um consultor ou agente fiscalizador do estado. Ela é uma conquista dos atores, pelos atores, em processo colaborativo, pedagógico de mediação entre os praticantes e os pesquisadores intervencionistas. Sob a ótica do LM, crises, dilemas e conflitos na atividade não são entendidos apenas em relação ao comportamento dos indivíduos e aos recursos disponíveis, mas em relação a todo um sistema de elementos da atividade que precisa ser compreendido tanto no seu estágio atual como historicamente. O processo de aprendizado tem início com a compreensão da manifestação de problemas existentes, percorre um processo de análise das contradições que dão origem aos distúrbios, e progressivamente os participantes avançam em busca de soluções para reprojetar a atividade futura de modo a equacionar as contradições encontradas. A intervenção é completada com o teste e implantação destas soluções em processo cíclico e continuo. Os nossos primeiros ensaios no Brasil com a metodologia já mostram resultados animadores. Aplicado de forma piloto para remodelar a atividade do CEREST Piracicaba, já sentimos na equipe desse serviço outro clima e varias saídas estão sendo construídas para superar dificuldades encontradas nas atividades de vigilância e atenção integral. Entre as raízes dos problemas e dificuldades sentidas pelos atores, foi desvelado pelos participantes a existência de contradições importantes como uma demanda crescente de problemas de saúde do trabalhador originada dos processos de trabalho existentes no territórios versus uma inadequação de meios associada a uma cobrança quantitativa de ações pontuais e

24 xvi fragmentadas, que não conseguem alcançar os determinantes causais de modo a obter bons resultados preventivos. Em outra intervenção, o LM foi utilizado em uma grande obra de ampliação de um aeroporto no estado de SP e possibilitou que os participantes construíssem a linha do tempo dos principais eventos e intercorrências na obra e elaborassem o circulo vicioso do empreendimento, mostrando caminhos para superação de contradições entre a complexidade de uma obra empreendida a toque de caixa, com projeto inacabado, com empresas sem expertise na área, em pressão temporal extrema, determinada pelo calendário eleitoral e pela agenda da Copa do Mundo em Consideramos que o livro chega em ótimo momento. Ele será importante para alavancar entre nós a centralidade da intervenção nos campos do ensino, pesquisa e extensão, uma vez que a academia, especialmente nas áreas aplicadas, não pode a nosso ver se contentar com diagnósticos, dando as costas à dura realidade da população que sustenta a própria universidade pública. Nesses terrenos, a intervenção formativa é essencial pois, como afirmou o Professor Jaakko 4, o diagnóstico sem a intervenção será sempre incompleto e parcial, pois deixa de lado a resistência do real e pior, deixa como espectadores os principais protagonistas que podem fazer e sustentar mudanças duradouras e significativas. Por fim, gostaríamos de agradecer ao Procurador Dr. Silvio Beltramelli Junior e aos seus colegas da Procuradoria do Ministério Público do Trabalho da 15 a Região que possibilitou o financiamento da edição, que inclui também a disponibilização em formato eletrônico, a impressão de 1000 exemplares, tudo isso sem custo para os interessados. Esta fonte de apoio tem sido também crucial para a manutenção de outras iniciativas de pesquisa e extensão como as do Fórum de Acidentes, pelos quais todos nós agradecemos. 4 Virkkunen J, Vilela RAG, Querol MAP, Lopes MGR. O Laboratório de Mudança como ferramenta para transformação colaborativa de atividades de trabalho: uma entrevista com Jaakko Virkkunen. Saúde Soc 2014; 23(1):

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Colégio Cenecista Dr. José Ferreira QUADRINHOS NA CIÊNCIAS Área de Concentração: Ciências Naturais Disciplina de Concentração: Ciências Professores: Maria José Lima, Polyana Noronha e Thaianne Lopes Uberaba

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Métodos qualitativos:

Métodos qualitativos: Métodos AULA 11 qualitativos: Pesquisa-Ação Quando iniciou-se a pesquisa-ação? Para Susman e Evered (1978), o termo pesquisa-ação foi introduzido por Kurt Lewin em 1946 para denotar uma abordagem pioneira

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Educação Especial

Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Educação Especial Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Educação Especial FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS DE ALTO NÍVEL EM EDUCAÇÃO ESPECIAL* Deisy das Graças de Souza e Nivaldo Nale** Quando foi proposto, em 1977, o Programa

Leia mais

APLICAÇÃO DE MAPAS MENTAIS DURANTE O BRAINSTORM DE UM JOGO DIGITAL

APLICAÇÃO DE MAPAS MENTAIS DURANTE O BRAINSTORM DE UM JOGO DIGITAL APLICAÇÃO DE MAPAS MENTAIS DURANTE O BRAINSTORM DE UM JOGO DIGITAL Davi Shinji Mota Kawasaki (PIBIC/Fundação Araucária), José Augusto Fabri (Orientador), e-mail: davishinjik@gmail.com; fabri@utfpr.edu.br.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Comunidades de prática

Comunidades de prática Comunidades de prática Objetivos (Henrique Bizzarria para o site Ebah) Comunidades de praticas! O que são?! Para que servem?! Porquê falar delas? Comunidades de prática! O termo "comunidade de prática"

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Introdução às relações internacionais

Introdução às relações internacionais Robert Jackson Georg Sørensen Introdução às relações internacionais Teorias e abordagens Tradução: BÁRBARA DUARTE Revisão técnica: ARTHUR ITUASSU, prof. de relações internacionais na PUC-Rio Rio de Janeiro

Leia mais

Pesquisa Etnográfica

Pesquisa Etnográfica Pesquisa Etnográfica Pesquisa etnográfica Frequentemente, as fontes de dados têm dificuldade em dar informações realmente significativas sobre a vida das pessoas. A pesquisa etnográfica é um processo pelo

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

34 respostas. Resumo. 1. Qual sua principal ocupação ou vínculo institucional? 2. Como tomou conhecimento desta oficina? 1 of 7 15-06-2015 17:22

34 respostas. Resumo. 1. Qual sua principal ocupação ou vínculo institucional? 2. Como tomou conhecimento desta oficina? 1 of 7 15-06-2015 17:22 opensocialsciences@gmail.com 34 respostas Publicar análise Resumo 1. Qual sua principal ocupação ou vínculo institucional? Estudante d Estudante d Professor e Professor ou Trabalho e Funcionário Profissional

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Desenvolvendo Capacidades de PDSA

Desenvolvendo Capacidades de PDSA Desenvolvendo Capacidades de PDSA Karen Martin Como com qualquer habilidade, desenvolver as capacidades do PDSA (planejar fazer estudar agir) tem tudo a ver com a prática. Para conquistar a disciplina

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

LIÇÕES DE ANÁLISES DE ACIDENTES APOIADAS NO MODELO DE ANÁLISE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES - MAPA

LIÇÕES DE ANÁLISES DE ACIDENTES APOIADAS NO MODELO DE ANÁLISE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES - MAPA LIÇÕES DE ANÁLISES DE ACIDENTES APOIADAS NO MODELO DE ANÁLISE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES - MAPA Ildeberto Muniz de Almeida São Paulo, 27 a 29 de Agosto de 2014 O QUE É O MAPA? O Que é o MAPA Ferramenta de

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Elaboração e Gestão de Projetos Educacionais

Elaboração e Gestão de Projetos Educacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB CURSO DE PEDAGOGIA Elaboração e Gestão de Projetos Educacionais Profa. Aline Sobrinho Fevereiro/2014 Por que trabalhar com projetos?

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

A pesquisa e suas classificações FACULDADE DE COSTA RICA Prof.ª NELIZE A. VARGAS. nelizevargas@hotmail.com O que é pesquisa? MINAYO (l993,p.23), vendo por um prisma mais filósofico, considera a pesquisa

Leia mais

contexto escolar: o contributo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para o Uso Racional de Medicamentos

contexto escolar: o contributo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para o Uso Racional de Medicamentos Projeto: Educação e promoção da saúde no contexto escolar: o contributo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para o Uso Racional de Medicamentos Supervisão Maria José Delgado Fagundes Ana Paula

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais