ção o do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ção o do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais"

Transcrição

1 Programa de Erradicaçã ção o do Trabalho Infantil Ministério Ministério do do Desenvolvimento Social Social e e Combate àà Fome SUBSÍDIOS IMPORTANTES PARA A CONSTRUÇÃO DE DIRETRIZES PARA O PETI PNAS, NOB/SUAS Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferência de Renda Estudo Quantitativo e Qualitativo do PETI

2 TEMAS EM DESTAQUE CAPÍTULO I TRABALHO INFANTIL 1.1 As causas do trabalho infantil 1.2 As conseqüências do trabalho infantil 1.3 O conceito de trabalho infantil e a proteção contra exploração CAPÍTULO II O PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL NO SUAS 2.1 Fundamentação legal e gênese do PETI Marcos legais Aspectos históricos do PETI 2.2 O PETI no SUAS PETI e Proteção Social Especial PETI e Proteção Social Básica Articulação intersetorial no enfrentamento do trabalho infantil 2.4 Controle social 2.5 Os sistemas informatizados de apoio à gestão CAPÍTULO III PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO PETI NO SUAS 3.1 Organização e funcionamento 3.2 Enfrentamento ao trabalho infantil 1- Identificação 2 - Registro no CadÚnico 3 - Acompanhamento familiar 4 - Transferência de renda 5 - Inserção da criança/adolescente no SCFV ou na rede 6 Acesso a direitos e sua garantia 7 - Gestão da informação 3.3 Desligamento da família do PETI 3.4 Cancelamento do PETI no município CAPÍTULO IV Indicadores de Acompanhamento, Monitoramento e Avaliação Marco Protetivo A definição do conceito de trabalho infantil no Brasil está relacionada com os limites de idade mínima para o trabalho, e isso demonstra uma preocupação em relação à proteção dos direitos das crianças e adolescentes que se encontram em situação de trabalho infantil. Constituição da República Federativa do Brasil, arts. 7º, XXX e 277. Estatuto da Criança e do Adolescente, arts. 60 a 69. CLT - Consolidação das Leis do Trabalho, arts. 402 e segs. Convenção n. 138, da Organização Internacional do Trabalho, sobre limites de idade mínima para o trabalho. Convenção n. 182, da Organização Internacional do Trabalho, sobre as piores formas de trabalho infantil. Lei n , de 19 de dezembro de 2000, regulamenta a aprendizagem. Decreto n , 12 de junho de 2008, define a lista das piores formas de trabalho infantil.

3 Causas do trabalho infantil no Brasil A exploração do trabalho infantil no Brasil tem causas complexas, são variados os motivos que levam ao recurso da mão-de-obra infanto-juvenil. No entanto, existem três causas que predominam: A necessidade econômica de manutenção da família A reprodução cultural dos mitos sobre trabalho infantil e Falta de universalização das políticas públicas. Mitos criados em torno do trabalho infantil As crianças e adolescentes trabalham, em grande parte, em razão dos mitos criados em torno do trabalho infantil, decorrente de uma cultura de concordância que legitima e reproduz a exploração e exclusão social. São os chamados fatores culturais do trabalho infantil. Segue situações ilustrativas: O trabalho da criança ajuda a família! É melhor trabalhar do que ficar nas ruas! É melhor trabalhar do que roubar! A criança que trabalha fica mais esperta! Quem começa a trabalhar cedo garante o futuro!

4 Desconstrução desses mitos O trabalho da criança ajuda a família! 48% das crianças e adolescentes trabalhadores não recebem qualquer tipo de remuneração pelos serviços prestados. As demais crianças e adolescentes recebem valores insuficientes para alterar a sua própria condição de vida, quanto mais a de sua família. É melhor trabalhar do que ficar nas ruas! Atribui ao espaço público um caráter unicamente negativo, despolitizando os espaços comunitários abandonando o desafio de re-significar o território para que possa ser reapropriado como um lugar de lazer, socialização e integração. É melhor trabalhar do que roubar! O mito reforça no imaginário social a antiga concepção: menoridade + rua + ócio = delinqüência. Matriz teórica do pensamento autoritário que legitimou o estabelecimento das práticas repressivas durante o século XX no Brasil e que colheu como resultados a reprodução da violência e o controle repressivo disciplinar sobre a infância e a adolescência. O mito favorece uma idéia preconceituosa e negativa sobre a infância ao deduzir que criança ou adolescentes não-trabalhadores estariam propensos à criminalidade. A criança que trabalha fica mais esperta! Antecipar as etapas de desenvolvimento da criança e do adolescente pela via do trabalho infantil subtrai algo que não pode ser recuperado que é o direito universal de todos de ter uma infância. A responsabilidade precoce com o trabalho, geralmente repetitivo, autômato é castrador da criatividade, significa ceifar as possibilidades de desenvolvimento integral. Quem começa a trabalhar cedo garante o futuro Os trabalhos disponibilizados à criança e ao adolescente geralmente são muito precários e com baixo nível de qualificação. As crianças e adolescentes normalmente não escolhem a atividade, mas são forçadas a trabalhar em qualquer tarefa.

5 Conseqüências do trabalho infantil O trabalho infantil tem efeitos complexos principalmente nas condições econômicas, sociais, educacionais, bem como, ao desenvolvimento físico, psíquico e cognitivo das crianças e adolescentes: Crianças e adolescentes geralmente realizam suas atividades em detrimento da educação, e isso futuramente acresce o número de trabalhadores com qualificação educacional insuficiente para as exigências do mercado de trabalho; O trabalho infantil impacta diretamente no acesso às oportunidades e desempenho escolar com qualidade; Exposição à insalubridade, à periculosidade, às doenças, afetando a saúde em ambientes desfavoráveis, violando e retardando o desenvolvimento físico, psíquico e cognitivo; A limitação de viver os momentos de brincadeiras e a expressão dos desejos e interesses, dimensões essenciais para garantir um desenvolvimento saudável, impede o pleno exercício das etapas de vida; Trabalho infantil limita o direito de brincar e da manifestação do lúdico essencial para o desenvolvimento do afeto e da afetividade; Trabalho infantil obriga criança e o adolescentes a assumir responsabilidades incompatíveis com as etapas de desenvolvimento apresentando conseqüências na fragilização de vínculos familiares e participação cidadã; Tipos de exploração do trabalho infantil Destaque no documento para inclusão no PETI das formas consideradas como piores formas de trabalho infantil: exploração sexual, trabalho infantil doméstico, atividades ilícitas, trabalho escravo, dentre outros: Trabalho na agricultura familiar (locus ambiente privado, exige mobilização da sociedade forma de captura de denúncia); trabalho realizado nas ruas; Trabalho infantil doméstico (locus ambiente privado, exige mobilização da sociedade forma de captura de denúncia); Trabalho em atividades ilícitas; Trabalho informal; Trabalho eventual; Trabalho noturno; Trabalho perigoso e insalubre; Trabalho prejudicial à moralidade; Trabalho em comunidades específicas (comunidades tradicionais, as instituições instituídas e/ou legitimadas devem ser articuladas para o processo de identificação e acesso ao PETI)

6 Segundo Capítulo - CONCEPÇÃO DO PETI Programa que atua no enfrentamento do TI INTERGOVERNAMENTAL: com participação da União, Estados, Distrito Federal e Municípios ARTICULADO: propulsor para a integração de serviços e benefícios no SUAS para o enfrentamento do trabalho infantil INTERSETORIAL E COM ENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE CIVIL Resgate Histórico Implantação em 1996 em Mato Grosso do Sul, com o apoio da OIT, atendendo demandas articuladas pelo Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação; Foco nas piores formas de trabalho infantil e faixa etária de 7 a 14 anos, exceto exploração sexual até 15 anos; Jornada ampliada; Integração PETI PBF /2006 permite a universalização do PETI, ampliou a faixa etária até 16 anos, passou a atender todas as formas de TI. Transferência de renda às famílias ( PETI e PBF); atividades socioeducativa de convivência - substitui a jornada ampliada; PETI Sistema Único de Assistência Social - SUAS Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo - SCFV incorporou as atividades socioeducativa e de convivência, conforme Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais,aprovada pela resolução no. 109/2009 do CNAS; Trabalho Social com famílias por meio dos níveis de Proteção Social Básica (Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família PAEFI ofertado no CRAS) e Proteção Social Especial (Serviço de Proteção e Atendimento Especializado à Família e Indivíduos PAEFI ofertado no CREAS.

7 PRESSUPOSTOS IMPORTANTES PARA O PETI Reconhecimento da criança e do adolescente como sujeitos de direito e pessoas em condição peculiar de desenvolvimento que não podem, em hipótese nenhuma, vivenciar em sua infância situações de trabalho, devendo a todo momento ser protegidas desta prática; Desenvolvimento integral da criança e do adolescente retirado da prática do trabalho infantil; Reconhecimento que todas as formas de trabalho infantil são práticas que violam direitos, exigindo a eficaz e imediata intervenção pública para a interrupção, não reincidência e prevenção desta situação Mobilização e sensibilização da sociedade quanto à exploração do trabalho infantil; Controle social e garantia de espaços de participação da sociedade civil no enfrentamento do trabalho infantil; Intersetorialidade, envolvendo diferentes segmentos governamentais e não governamentais no enfrentamento do trabalho infantil; Gratuidade e universalidade do acesso das famílias com crianças e adolescentes em situação de trabalho à transferência de renda e ao SCFV bem como à rede socioassistencial Responsabilidades dos entes federados - Assistência Social MDS - Coordena o PETI no âmbito nacional Promove um amplo movimento de sensibilização e mobilização de setores do governo e da sociedade, no âmbito nacional, em torno da problemática do trabalho infantil Institui diretrizes e normas para a execução do PETI Apóia tecnicamente os Estados, Distrito Federal e Municípios na gestão e operacionalização Realiza processos de monitoramento e avaliação do programa, em conjunto com os Estados, para acompanhamento das ações desenvolvidas pelo Distrito Federal e Municípios, permitindo um panorama nacional das situações de trabalho infantil, ações de enfrentamento do PETI e impacto proporcionado Apóia o Estado, Distrito Federal e Municípios na capacitação dos trabalhadores do SUAS que atuam no enfrentamento do trabalho infantil Co-financia as ações do PETI Compõe a CONAETI

8 Estado Coordenam o PETI no âmbito estadual Promovem um amplo movimento de sensibilização e mobilização de setores do governo e da sociedade, no âmbito estadual, em torno da problemática do trabalho infantil Assessoram os municípios, juntamente com o MDS, na gestão e operacionalização do PETI Realizam processos de monitoramento e avaliação do programa, em conjunto com o MDS, permitindo um panorama estadual das situações de trabalho infantil, ações de enfrentamento do PETI e impacto proporcionado Realizam articulação regional e intersetorial para as formas de trabalho infantil que necessitarem de intervenções regionalizadas Apóiam o Distrito Federal e Municípios na capacitação dos trabalhadores do SUAS que atuam no enfrentamento do trabalho infantil Instituem e apóiam as Comissões Estaduais de Erradicação do Trabalho Infantil co-financiam as ações do PETI. O Distrito Federal e Municípios Coordenam o PETI no âmbito municipal Promovem um amplo movimento de sensibilização e mobilização de setores do governo e da sociedade, no âmbito municipal, em torno da problemática do trabalho infantil Identificam e cadastram todas as situações de trabalho infantil, inclusive as classificadas como piores formas Operacionalizam a gestão e execução do PETI Cumprem todos os procedimentos operacionais relacionados ao PETI, dentro dos prazos estipulados Realizam processos de monitoramento e avaliação do programa, permitindo um panorama municipal das situações de trabalho infantil, ações de enfrentamento do PETI e impacto proporcionado Buscam soluções regionais e intersetoriais, em conjunto com o Estado, para as formas de trabalho infantil que necessitarem de intervenções regionalizadas Realizam capacitação dos trabalhadores do SUAS que atuam no enfrentamento do trabalho infantil Instituem e apóiam as Comissões Municipais de Erradicação do Trabalho Infantil Adotam formalmente a denominação de Programa de Erradicação do Trabalho Infantil -PETI em todos os documentos, materiais de divulgação, campanhas publicitárias e situações similares, sempre que forem desenvolvidas quaisquer atividades relativas ao PETI co-financiam as ações do PETI.

9 Cofinanciamento Responsabilidade da União, Estados e Municípios. Cada município e o Distrito Federal com marcação nos campos específicos de trabalho infantil no CadÚnico processadas, passam a receber o valor do co-financimento federal do Piso Variável de Média Complexidade vigente, para garantir a inserção no SCFV e outros serviços da rede de promoção e proteção aos direitos da criança e do adolescente) Ação orçamentária da PSE - Alocado recursos PETI; Piso por grupo de 20 C/A ( R$500,00) base CadÚnico SCFV ofertado pela PSB; A gestão do PETI é conduzida pelo gestor da Assistência Social no município ou Distrito Federal As ações de enfrentamento ao trabalho infantil conduzidas pela coordenação do PETI devem se concentrar na: interrupção e retirada da criança/adolescente da prática do trabalho apoio à família (Fortalecimento de Vínculos Familiares e Comunitários) para que restabeleça sua função protetiva, por meio de beneficio e de serviço da PSE e PSB inserção das crianças e adolescentes retirados do trabalho infantil em serviços de convivência e fortalecimento de vínculos, e/ ou em outros serviços da rede de promoção e proteção dos direitos de crianças e adolescentes (Educação Integral, Mais Educação, Segundo Tempo, Ponto de Cultura, entre outros) próximo do local de moradia. inserção/reinserção da criança/adolescente na escola, de forma a garantir sua permanência e sucesso encaminhamento prioritário das crianças de até 6 anos para freqüência a creches e,ou pré-escolas em tempo integral. atuação efetiva sobre os focos e territórios de incidência do trabalho infantil, agindo além da intervenção individual. A retirada do trabalho infantil, em certas situações e contextos, não se dá de forma imediata, devendo ser construído um processo gradativo, com estratégias eficazes, para a interrupção da atividade precoce.

10 Pontos importantes para a construção do processo de retirada do trabalho infantil através do PETI: 1. IDENTIFICAÇÃO Possibilidade de vários atores, setores, serviços. O PETI como ação de retaguarda à identificação. Destaque para: MTE, MPT, Conselho Tutelar e SEAS. 2. REGISTRO NO CADÚNICO A obrigatoriedade do registro para acesso ao PETI. 3. TRANSFERÊNCIA DE RENDA Destaque para universalização do PETI. 4. ACOMPANHAMENTO FAMILIAR Através do CRAS, CREAS, PAIF, PAEFI, equipes especializadas da PSB e PSE. CREAS: a) atendimento especializado a famílias, indivíduos em situação de risco ou com direitos violados; b) famílias em descumprimento de condicionalidades relacionadas a não retirada do TI (Protocolo); c) sempre que houver identificação de TI CRAS: a) quando retomado o cumprimento de condicionalidades e interrompido o TI; b) encaminhar para o CREAS quando reincidência 5. INSERÇÃO DA CRIANÇA E ADOLESCENTE NO SCFV OU EM ATIVIDADES EXTRACURICULARES Ampliando o SCFV 6. ACESSO A DIREITOS E SUA GARANTIA 7. GESTÃO DA INFORMAÇÃO CadÚnico, SIBEC, SISPETI, SICON SISPETI Aplicativo do SUASWEB Acessado pelo município e DF, que alimentam o sistema, pelo Estado e União, para visualização e consulta Opera a gestão da condicionalidade da freqüência das crianças/adolescentes retiradas do trabalho no SCFV e/ou em outros serviços da rede Vincula crianças/adolescentes a núcleos e registra a freqüência mensal É base: para o repasse do recurso do co-financimento do Piso Variável de Média Complexidade Para os efeitos de repercussão nos benefícios das famílias do PBF com identificação de trabalho infantil Sua base de dados é alimentada pelo CadÚnico e SIBEC (liberado e bloqueado)

11 Ações compartilhadas da PSB e PSE no enfrentamento do TI através da identificação, oferta de serviços e transferência de renda, sendo a condução maior das ações de: OFERTA DO SCFV PSB OFERTA DE SERVIÇOS DE PROTEÇÃO E PROMOÇÃO PARA A CRIANÇAS/ADOLESCENTES Rede OFERTA DE SERVIÇOS PARA AS FAMÍLIAS PSB e PSE TRANSFERÊNCIA DE RENDA PSE e PBF Programa de Erradicação do Trabalho Infantil no Sistema Único de Assistência Social PETI Enfrentamento ao Trabalho Infantil Identificação Conselho Tutelar SRT MPT PSB (PAIF e SCFV) PSE (SEAS e PAEFI) Outros: Conselho dos Direitos da Criança Adolescente, Educação, Saúde, ONG s Gestor da AS PSE (PETI) ENCAMINHAMENTOS/ARTICULAÇÃO

12 ENCAMINHAMENTOS/ARTICULAÇÃO Cadastramento Serviços Transferência de Renda Repassar recursos às famílias via PBF ou PETI CADÚNICO Marcação do campo 270 Família Criança/ Adolescente PSE Inserir família no PAEFI (no mínimo 3 meses) Acompanhar cumprimento e descumprimento condicionalidades (violação de direitos/pse) Ações Intersetoriais: com ênfase no Sistema de Garantia de Direitos PSB Inserir família no no PAIF (após contra refer~encia) Acompanhar cumprimento e descumprimento condicionalidade s (Quando não violação de direitos/pse) Ações Intersetoriais: com ênfase na Política de Educação, Saúde e Trabalho PSB Ofertar o SCFV Disponibilizar informações de freqüência para a PSE alimentar o SISPETI PSE Alimentar o SISPETI e acompanhar os casos de descumprimento de condicionalidades do PETI Serviços Intersetoriais *Inclusão digital *Educação *Cultura *Esporte *Lazer *Projetos Sociais Disponibilizar informações de freqüência para a PSE alimentar o SISPETI ALIMENTAR ABA ACOMPANHAMENTO FAMILIAR - SICON Calendário PSE município, DF inserem dados no SISPETI Fechamento do Sistema Atuação SICON Cobertura do PETI crianças/adolescentes incluídas no SCFV; municípios núcleos orientadores sociais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Diretrizes Operacionais Ministério Ministério do do Desenvolvimento Social Social e e Combate à à Fome 1. CONTEXTUALIZAÇÃO Estudo Quantitativo e Qualitativo

Leia mais

A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET)

A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET) A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET) I Encontro de Apoio Técnico Estadual a Gestão Descentralizada do Suas: Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08, DE 18 DE ABRIL DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 08, DE 18 DE ABRIL DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 08, DE 18 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre as ações estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI no âmbito do Sistema Único da Assistência Social SUAS e o critério de

Leia mais

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)?

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? CREAS - Institucional O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? Considerando a definição expressa na Lei nº 12.435/2011, o CREAS é a unidade pública estatal de abrangência

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18, 5 DE JUNHO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 18, 5 DE JUNHO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 18, 5 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre expansão e qualificação do Serviço de Proteção Social aos Adolescentes em Cumprimento de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto de Liberdade Assistida

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem-Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem-Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Especial de Média Complexidade Serviço Especializado de Abordagem Social Administração: Rodrigo Antonio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social:

Leia mais

TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA Neste terceiro momento do nosso estudo iremos aprofundar as mudanças

Leia mais

REGIÃO CENTRO OESTE. Grupo 1 TRABALHO INFORMAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Educação. Esporte e Lazer

REGIÃO CENTRO OESTE. Grupo 1 TRABALHO INFORMAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Educação. Esporte e Lazer REGIÃO CENTRO OESTE Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Conscientizar os envolvidos sobre o que é trabalho infantil e quais suas consequências. Grupo

Leia mais

Política Nacional de Assistência Social. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social/GPSE/SAS

Política Nacional de Assistência Social. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social/GPSE/SAS Política Nacional de Assistência Social Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social/GPSE/SAS SEADES Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social A SEADES é o Órgão Gestor

Leia mais

Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua Telma Maranho- SNAS/MDS

Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua Telma Maranho- SNAS/MDS I Seminário Nacional sobre Consultórios na Rua e Saúde Mental na Atenção Básica: novas tecnologias e desafios para a gestão do cuidado Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 PLANO ESTADUAL DE CAPACITAÇÃO CONTINUADA DE RECURSOS HUMANOS PARA A ÁREA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 Estrutura do SUAS no Plano Brasil Sem Miséria Secretarias Estaduais

Leia mais

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Campo Grande-MS Mudanças na Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social e

Leia mais

CREAS Recursos Humanos

CREAS Recursos Humanos Como deve ser a composição da equipe de referência do CREAS? Os recursos humanos constituem elemento fundamental para a efetividade do trabalho do CREAS. A vinculação dos profissionais do CREAS com a família/indivíduo

Leia mais

O Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) e os Novos Desafios

O Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) e os Novos Desafios O Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) e os Novos Desafios Heder Sousa Equipe Estadual de Erradicação do Trabalho Infantil PETI O que é Trabalho Infantil? Trabalho infantil

Leia mais

SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social

SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social I. Como o Brasil chegou ao modelo de Sistema Único adotado na política de Assistência Social? II. O que é e como funciona o SUAS? III.

Leia mais

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS O ACOMPANHAMENTO E APOIO NO ÂMBITO DO SUAS LINHA DO TEMPO Acompanhamento e Apoio Técnico no SUAS 2005 2007 2008 NOB-SUAS Prevê a habilitação

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF)

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Por: Maria das Graças Rua 1 Este relatório descreve o novo modelo do Programa de Erradicação

Leia mais

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite.

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite. O SUAS E AS AGENDAS ESTRATÉGICAS DE GOVERNO: O FORTALECIMENTO DO COMBATE À POBREZA, AOS RISCOS E ÀS VULNERABILIDADES SOCIAIS: Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer!

Leia mais

CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade

CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS PROGRAMA BPC TRABALHO PASSO A PASSO O QUE É O Programa de Promoção

Leia mais

ZILIOTTO CONSULTORIA SOCIAL LTDA. FEBRAEDA

ZILIOTTO CONSULTORIA SOCIAL LTDA. FEBRAEDA . FEBRAEDA OFICINA DE TRABALHO SOBRE A CONSTRUÇÃO DA METODOLOGIA DA SÓCIO APRENDIZAGEM PROFª: MARIA CECILIA ZILIOTTO 26 DE MAIO DE 2014 CAMP - PINHEIROS . Construindo a Metodologia da Socioaprendizagem

Leia mais

NOTA TÉCNICA PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI. ASSUNTO: Consulta do município de Sarandi Implantação, Orçamento e Valor Bolsa

NOTA TÉCNICA PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI. ASSUNTO: Consulta do município de Sarandi Implantação, Orçamento e Valor Bolsa 1 NOTA TÉCNICA PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI ASSUNTO: Consulta do município de Sarandi Implantação, Orçamento e Valor Bolsa O Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI é um

Leia mais

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Enfrentamento ao trabalho infantil no Sistema Único de Assistência Social - SUAS 12 de junho de 2013 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome

Leia mais

DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. Departamento de Proteção Social Especial Juliana M.

DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. Departamento de Proteção Social Especial Juliana M. DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS Departamento de Proteção Social Especial Juliana M. Fernandes Pereira Marcos importantes para o trabalho social com a questão das drogas

Leia mais

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS Curso de capacitação para o provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS e implementação de ações do plano Brasil sem Miséria Maria Luiza João Pessoa - PB TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS

Leia mais

Questionário Rede Privada

Questionário Rede Privada MONITORAMENTO SUAS CENSO SUAS 2010 Questionário Rede Privada O Censo Rede Privada 2010, tem como finalidade proporcionar subsídios para a construção e manutenção de indicadores de monitoramento e avaliação

Leia mais

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma: CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATORES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:» Intersetorial: com os responsáveis

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil A Rede de Proteção e os Fóruns de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil.

Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil A Rede de Proteção e os Fóruns de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil. Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil A Rede de Proteção e os Fóruns de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil. Realidade e Desafios Considerações Iniciais O Trabalho Infantil

Leia mais

Atualizações das Leis Municipais Encontro Estadual dos Gestores e Técnicos da Assistência Social da Bahia

Atualizações das Leis Municipais Encontro Estadual dos Gestores e Técnicos da Assistência Social da Bahia Atualizações das Leis Municipais Encontro Estadual dos Gestores e Técnicos da Assistência Social da Bahia DIREITO Normativas Política Pública # direito LOAS atualizada Elaboração Âncoras Nacional Universalidade

Leia mais

PREFEITURA DE MEDIANEIRA Estado do Paraná Secretaria Municipal de Assistência Social

PREFEITURA DE MEDIANEIRA Estado do Paraná Secretaria Municipal de Assistência Social PLANO MUNICIPAL DE AÇÕES ESTRATÉGICAS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PETI MEDIANEIRA 2015 1 Ricardo Endrigo Prefeito Delcir Berta Aléssio Secretária Interina de Assistência Social Rosmari

Leia mais

SAS P R E F E I T U R A M U N I C I PA L S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A

SAS P R E F E I T U R A M U N I C I PA L S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A SAS S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A CCI Vovó Zizá P R E F E I T U R A M U N I C I PA L DE CAMPO GRANDE SAS S E C R E TA R I A M

Leia mais

Briefing para Produção de Material - Assessoria de Comunicação SEDESE - ASSCOM

Briefing para Produção de Material - Assessoria de Comunicação SEDESE - ASSCOM SECRETARIA DE TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Subsecretaria de Assistência Social Diretoria de Proteção Especial Briefing para Produção de Material - Assessoria de Comunicação SEDESE - ASSCOM 1. Descrição:

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

A Inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único. Encontro Regional do Congemas NORTE Natal, 23 e 24 de março de 2016

A Inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único. Encontro Regional do Congemas NORTE Natal, 23 e 24 de março de 2016 A Inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único Encontro Regional do Congemas NORTE Natal, 23 e 24 de março de 2016 Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social BPC Direito constitucional

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO DO SUAS

INSTRUMENTOS DE GESTÃO DO SUAS 1º CONGRESSO REGIONAL DE POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL UBERABA INSTRUMENTOS DE GESTÃO DO SUAS 18/03/2011 PARA DISCUTIR SOBRE OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO FAZ- SE NECESSÁRIO ENTENDER SOBRE A GESTÃO DO SUAS

Leia mais

Guias e Manuais. Guia para Acompanhamento das Condicionalidades. do ProgramaBolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Guia para Acompanhamento das Condicionalidades. do ProgramaBolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Guia para Acompanhamento das Condicionalidades do ProgramaBolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Guia para Acompanhamento

Leia mais

Manual do Usuário SISPETI. Sistema de Controle e Acompanhamento da Freqüência no Serviço Socioeducativo do PETI - SISPETI

Manual do Usuário SISPETI. Sistema de Controle e Acompanhamento da Freqüência no Serviço Socioeducativo do PETI - SISPETI Manual do Usuário SISPETI Sistema de Controle e Acompanhamento da Freqüência no Serviço Socioeducativo do PETI - SISPETI 2 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME- SECRETARIA NACIONAL DA

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO -

- REGIMENTO INTERNO - - REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Assistência Social Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.634/06, nº 13.239/07, nº 15.181/11, 15.454/12 e nº 15.581/12 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e

Leia mais

O Centro de Referência de Assistência Social CRAS como Unidade de Gestão Local do SUAS

O Centro de Referência de Assistência Social CRAS como Unidade de Gestão Local do SUAS O Centro de Referência de Assistência Social CRAS como Unidade de Gestão Local do SUAS XIV Encontro Nacional do CONGEMAS Fortaleza, 21 a 23 de março de 2012 Política Pública de Seguridade Social não contributiva

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Secretaria Nacional de Assistência Social MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Secretaria Nacional de Assistência Social MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Instrução Operacional Conjunta MDS - MS 1. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social. Discutindo as diferenças entre Atendimento e Acompanhamento

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social. Discutindo as diferenças entre Atendimento e Acompanhamento Discutindo as diferenças entre Atendimento e Acompanhamento Defina: O que é Acompanhamento e Atendimento no âmbito do PAIF? O desenvolvimento do trabalho social com famílias do PAIF pode ocorrer por meio

Leia mais

Programa Bolsa Família

Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Transferência condicionada de renda Objetivos Focalizado Condicionado Entrega de recursos diretamente à família por intermédio de cartão magnético 1) Alívio

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PORTARIA Nº 458, DE 4 DE OUTUBRO DE 2001* Estabelece Diretrizes e Normas do Programa de Erradicação do Trabalho

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social - CRAS Unidade pública estatal de base territorial, localizada em áreas de vulnerabilidade social

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família ENAP, 1 de abril de 2005 Criação do Bolsa Família Medida Provisória nº 132 de 20 de

Leia mais

Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 A Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas tem por finalidade estabelecer princípios, diretrizes

Leia mais

Manual do Usuário SISPETI. Sistema de Controle e Acompanhamento da Freqüência no Serviço Socioeducativo do PETI - SISPETI

Manual do Usuário SISPETI. Sistema de Controle e Acompanhamento da Freqüência no Serviço Socioeducativo do PETI - SISPETI Manual do Usuário SISPETI Sistema de Controle e Acompanhamento da Freqüência no Serviço Socioeducativo do PETI - SISPETI 2 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME- SECRETARIA NACIONAL DA

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES - Monitor de Marcenaria, Monitor de Artesanato, Monitor de Música e/ou Violão e Monitor de Patinação e/ou Dança Ministrar aulas teóricas e práticas, conforme a atividade

Leia mais

ENCONTRO REGIONAL DO CONGEMAS REGIÃO NORTE

ENCONTRO REGIONAL DO CONGEMAS REGIÃO NORTE Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social ENCONTRO REGIONAL DO CONGEMAS REGIÃO NORTE Apresentação dos principais pontos da Portaria MDS nº 113/2015. DO QUE TRATA A

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2004

PROJETO DE LEI N O, DE 2004 PROJETO DE LEI N O, DE 2004 (Do Sr. Wladimir Costa) Dispõe sobre o atendimento educacional especializado em classes hospitalares e por meio de atendimento pedagógico domiciliar. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS CRAS Centro de Referência de Assistência Social PÚBLICO-ALVO: A PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA B DO SUAS Famílias, seus membros e indivíduos em situação de vulnerabilidade social

Leia mais

CNAS. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Especial dos Direitos Humanos (2007-2015) 2015)

CNAS. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Especial dos Direitos Humanos (2007-2015) 2015) Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária (2007-2015) 2015) MARCO LEGAL A CRIANÇA E O ADOLESCENTE COMO SUJEITOS DE DIREITOS

Leia mais

O SUAS-SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

O SUAS-SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL O SUAS-SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL HISTÓRICO DA POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL SEGURIDADE SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL SAÚDE PREVIDÊNCIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01, DE 09 DE JANEIRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 01, DE 09 DE JANEIRO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 01, DE 09 DE JANEIRO DE 2012 Publica as deliberações da VIII Conferência Nacional de Assistência Social. O CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CNAS, no uso das competências que lhe confere

Leia mais

SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS

SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS Perguntas encaminhadas pelas DRADS e municípios e orientações sobre o SCFV. São Paulo-SP, 2014. Prezados diretores e técnicos, A Equipe de Proteção Social

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV).

INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV). INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV). Maria Mabel Nunes de Morais; Raiany Augusto Carvalho; Samara Pereira de Sousa; Édja Larissa Simão de Lacerda; Maria

Leia mais

A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES

A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES Alana da Silva SIQUIÉRI 1 Dayana Klebis da SILVA 2 RESUMO:

Leia mais

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS COMPONENTES HISTÓRICOS DA NORMATIZAÇÃO LEGAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MARCO LEGAL 1988 - Constituição Federal 1993 - Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) 1998

Leia mais

GESTÃO DE CONDICIONALIDADES

GESTÃO DE CONDICIONALIDADES PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GESTÃO DE CONDICIONALIDADES PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Programa de transferência de renda diretamente às famílias pobres, que vincula o recebimento do auxílio financeiro ao cumprimento

Leia mais

A problematização do adolescente em situação de vulnerabilidade social e o mercado de trabalho

A problematização do adolescente em situação de vulnerabilidade social e o mercado de trabalho 1 A problematização do adolescente em situação de vulnerabilidade social e o mercado de trabalho VIEIRA, Ariane Lopes OLIVEIRA de Juliene Aglio RESUMO: Este artigo tem como finalidade fazer uma articulação

Leia mais

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon Encontro Regional do Congemas Região Nordeste Camaçari, 31 de outubro de 2012 Programa Bolsa Família Transferência de renda

Leia mais

Programas Orçamentários para Execução de Parcerias

Programas Orçamentários para Execução de Parcerias Programas Orçamentários para Execução de Parcerias Os Programas Orçamentários para Execução de Parcerias com pessoas jurídicas do setor privado ou pessoas físicas serão executados nas 08 Macrorregiões

Leia mais

Redesenho do PETI e Ações Estratégicas

Redesenho do PETI e Ações Estratégicas ENCONTRO INTERSETORIAL DAS AÇÕES ESTRATÉGICAS DO PETI Região Centro-Oeste Redesenho do PETI e Ações Estratégicas MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência

Leia mais

ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA

ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA Este documento se propõe a estabelecer normas de inserção e execução de estágio em Serviço Social no Projeto Viva a Vida, de acordo com a Resolução 533/2008

Leia mais

DECLARAÇÃO DE GENEBRA 1924

DECLARAÇÃO DE GENEBRA 1924 LEVANTAMENTO DO MARCO LÓGICO E LEGAL DAS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS - UNIDADE DE INTERNAÇÃO 1. Marco Lógico Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE GENEBRA 1924 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS

Leia mais

X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 01/2015. Conteúdos da X Conferência Nacional de Assistência Social

X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 01/2015. Conteúdos da X Conferência Nacional de Assistência Social X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 01/2015 Conteúdos da X Conferência Nacional de Assistência Social 1 X CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Tema: Consolidar o SUAS de

Leia mais

ORGÃO RESPONSAVEL: SECRETARIA DO TRABALHO E DA ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL

ORGÃO RESPONSAVEL: SECRETARIA DO TRABALHO E DA ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL OBJETIVO: 0108- Promover os serviços, programas e benefícios de proteção social, por meio de capacitação, monitoramento, co-financiamento, implantação e orientação,

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MUNÍCIPIO DE PALMEIRA-PR

CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MUNÍCIPIO DE PALMEIRA-PR CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MUNÍCIPIO DE PALMEIRA-PR RODRIGUES, Tatielle Adams (estagio I); e-mail: adams.tati@gmail.com; RIFFERT, Gracieli Aparecida (supervisora), e-mail:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURSO DE FORMAÇÃO EM ATENDIMENTO ESPECIALIZADO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE COM DEFICIÊNCIA

Leia mais

Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social

Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social Ms. Waleska Ramalho Ribeiro - UFPB A concepção republicana do SUAS requer

Leia mais

A quem se destina a aprendizagem industrial

A quem se destina a aprendizagem industrial Instituto da Aprendizagem Política pública de Estado, convergência de políticas de inserção do jovem no mercado de trabalho, resultado de ações multilaterais e internacionais de combate à exploração do

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014 Programa 2037 - Fortalecimento do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) 0561 - Renda Mensal Vitalícia por Idade Tipo: Operações Especiais Número de Ações 15 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social

Leia mais

Conselho Nacional de Assistência Social CNAS

Conselho Nacional de Assistência Social CNAS As Conferências Municipais da Assistência Social de 2007 avaliarão as metas aprovadas nas Conferências de 2005, identificando os avanços, as dificuldades e os desafios a serem enfrentados nos próximos

Leia mais

- Indicadores Sociais -

- Indicadores Sociais - Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social - Indicadores Sociais - Construir o novo sistema de respeitar a cidadania significa criar uma nova tradição em que alteramos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL STDS Área de Gestão do SUAS e Assessoramento aos Municípios

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL STDS Área de Gestão do SUAS e Assessoramento aos Municípios GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL STDS Área de Gestão do SUAS e Assessoramento aos Municípios O SUAS NO CEARÁ Março - 2012 1' ' Apresentação O presente documento

Leia mais

Rede de Atenção à. Pessoa em Situação de Violência

Rede de Atenção à. Pessoa em Situação de Violência Rede de Atenção à Pessoa em Situação de Violência AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Art. 198 da CF/ 1988: A ações e os serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem

Leia mais

Rio Negro da Cidadania Indígena - AM

Rio Negro da Cidadania Indígena - AM Matriz de Ações 2013 As ações constantes neste relatório estão sendo executadas no Território da Cidadania: Rio Negro da Cidadania Indígena - AM Matriz de Ações 2013 1 Min. do Desenvolvimento Social -

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013 Programa 2037 - Fortalecimento do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) 0561 - Renda Mensal Vitalícia por Idade Tipo: Operações Especiais Número de Ações 16 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social

Leia mais

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a Portaria/MDS nº 551, de 9 de novembro de 2005, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Centro de de Referência Especializado Assistência Social CREAS Brasília 2011 03 - livreto_perguntas_respostascreas.indd 1 15/12/2011 10:41:43 EXPEDIENTE Presidenta da República Federativa

Leia mais

Cibelle do Carmo Rodrigues 1 Elaine Aparecida de Souza 2 Luciana Pavowski Franco Silvestre 3 Tailana Lia Sebastião 4

Cibelle do Carmo Rodrigues 1 Elaine Aparecida de Souza 2 Luciana Pavowski Franco Silvestre 3 Tailana Lia Sebastião 4 ENCONTRO DOS TRABALHADORES DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DA REGIONAL DE PONTA GROSSA 2014 COMO RESULTADO DO PROCESSO DE ASSESSORIA E MONITORAMENTO Cibelle do Carmo Rodrigues 1 Elaine Aparecida

Leia mais

TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1.

TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1. TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1. Com base no estudo do texto anterior, pode-se constatar que o Bolsa Família pode ser compreendido

Leia mais

SUAS e População em Situação de Rua. O SUAS e a implementação em território nacional da Política Nacional para População em Situação de Rua.

SUAS e População em Situação de Rua. O SUAS e a implementação em território nacional da Política Nacional para População em Situação de Rua. O SUAS e a implementação em território nacional da Política Nacional para População em Situação de Rua. 28 de novembro de 2013 Assistência Social Política pública de Seguridade Social, não-contributiva,

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a portaria GM/MDS nº 321, de 29 de setembro de 2008, e dá outras

Leia mais

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR Este projeto visa investir na melhoria da infraestrutura escolar, por meio de construção, ampliação e reforma, bem como dotá-las com equipamentos e mobiliários

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD)

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Autores

Leia mais

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de

Leia mais

NORMATIVAS INTERNACIONAIS

NORMATIVAS INTERNACIONAIS LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DE MSE LIBERDADE ASSISTIDA 1. Marco Lógico Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE GENEBRA 1924 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração

Leia mais

NOTA DE REPÚDIO ou sob o regime de tempo parcial, a partir de quatorze anos

NOTA DE REPÚDIO ou sob o regime de tempo parcial, a partir de quatorze anos NOTA DE REPÚDIO A presente Nota faz considerações referentes à Proposta de Emenda Constitucional PEC nº 18 de 2011, de autoria do Deputado Federal Dilceu Sperafico e outros, que propõe o seguinte texto

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011

SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011 SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011 Institui parâmetros nacionais para o registro das informações relativas aos serviços ofertados

Leia mais