INSTRUMENTOS DE GESTÃO DO SUAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUMENTOS DE GESTÃO DO SUAS"

Transcrição

1 1º CONGRESSO REGIONAL DE POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL UBERABA INSTRUMENTOS DE GESTÃO DO SUAS 18/03/2011

2 PARA DISCUTIR SOBRE OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO FAZ- SE NECESSÁRIO ENTENDER SOBRE A GESTÃO DO SUAS O que é e objetivos Envolve Gestão A mobilização e o trabalho de pessoas; É o processo pelo qual uma ou mais ações são planejadas, organizadas, dirigidas, coordenadas, executadas, monitoradas e avaliadas. Busca: o uso racional e a economia de recursos (eficiência), a realização dos objetivos planejados (eficácia) e, a produção dos impactos esperados sobre a realidade do seu público-alvo (efetividade). A organização de estruturas institucionais, O embate de idéias e a construção de consensos, O uso de tecnologias e instrumentos informacionais, necessários à tomada de decisão e à implementação das ações.

3 A GESTÃO DO SUAS O SUAS é um sistema composto de um conjunto de ações: serviços, programas, projetos, benefícios e transferências de renda. A gestão do SUAS, portanto, está relacionada ao: a. processo técnico e político por meio do qual as ações acima referidas são formuladas e implementadas; b. modelo de organização institucional e distribuição de responsabilidades entre atores, instituições e unidades da federação quanto ao processo de planejamento, financiamento, execução, monitoramento e avaliação da política pública; c. conjunto de mecanismos jurídicos e políticos, instrumentos técnicos, ferramentas informacionais e processos administrativos, mobilizados pelos diversos atores que atuam na área gestores, técnicos, conselheiros etc. visando garantir a efetividade das ações e o seu controle pela sociedade

4 OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DO SUAS De acordo com a NOB/SUAS, os instrumentos de gestão são ferramentas de planejamento técnico e financeiro do SUAS, tendo como parâmetros o diagnóstico social e os eixos da PSB e PSE. são eles: 1. O Plano de Assistência social 2. o orçamento e o financiamento 3. A Gestão da informação 4. O monitoramento e a Avaliação 5. O Relatório Anual de Gestão

5 O PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - PAS O QUE E? é um instrumento: técnico, político e operacional, que organiza, regula e norteia a execução da Política de Assistência social e define as ações prioritárias a serem desenvolvidas; Planejamento estratégico, dirigido para a implantação de um sistema de ações articuladas, sistemáticas, contínuas, com direção definida e comando Único; referência capaz de viabilizar a inserção da Política de Assistência social no sistema de planejamento global a que se refere referência capaz de possibilitar a oferta dos serviços socioassistenciais conforme as reais necessidades das famílias e indivíduos QUEM ELABORA? É o gestor. QUEM DELIBERA? Conselho de Assistência Social QUAL ESTRUTURA? objetivos gerais/específicos, diretrizes e prioridades, ações e estratégias de implantação, metas e período de execução, resultados e impactos, recursos materiais e financeiros, fontes de financiamento, cobertura da rede prestadora de serviços, indicadores de monitoramento e avaliação.

6 O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PAS exige o conhecimento das características sociais, políticas, econômicas, culturais, locais e regionais, bem como das necessidades e demandas sociais da população-alvo; exige a formulação de estratégias políticas e a identificação dos meios técnicos necessários ao enfrentamento e superação das necessidades sociais identificadas; exige o conhecimento da rede socioassistencial existente, constituída pelos serviços, programas, projetos e benefícios da assistência social, das ações de transferências de renda e dos serviços de outras políticas públicas presentes no território; pauta-se nos marcos normativos, na legislação, em documentos oficiais da Política de Assistência social, nas deliberações das conferências e dos conselhos de Assistência social.

7 A PERIODICIDADE DO PAS É elaborado para o prazo de uma administração, estabelecendo diretrizes, metas e ações, que deverão ser realizadas durante esse período. Deve ser desdobrado, anualmente, em Plano de Ação O Plano de Ação é deliberado pelo CAS. Materializa o planejamento físico e financeiro anual, com lançamento e validação das informações necessárias ao funcionamento do Sistema Municipal de Assistência Social, contendo ainda a fontes de recursos do cofinanciamento dos serviços socioassistenciais.

8 PLANO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL Estrutura do Plano 1 Identificação do Plano 1.1 Dados da Prefeitura Municipal 1.2 Dados do Órgão Gestor da Assistência Social 1.3 Dados do FMAS 1.4 Dados do CMAS 2 Diagnóstico - Conhecimento da Realidade Caracterização do Órgão Gestor da Assistência Social 2.2 Composição da Equipe do Órgão Gestor 2.3 Composição do CMAS 2.4 Conferência Municipal de Assistência Social Conhecimento da realidade socioeconômica 2.6 Conhecimento dos problemas do município/assistência social 3 - Mapeamento e Cobertura da Rede Prestadora de Serviços 3.1 Unidade: Equipamentos Sociais Municipais da Assistência Social 3.2 Proteção Social Básica (PSB) Proteção Social Especial (PSE)

9 PLANO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL Estrutura do Plano 4 - Quadro de Execução da Rede de Proteção Social Básica 5 Quadro de Execução da Rede de Proteção Social Especial 6 - Quadro de Ações, Objetivos, Metas, Atividades e Prazos 7 Financiamento Planejamento orçamentário da Assistência Social com base no P.P.A 2010/ Planejamento Orçamentário da Assistência Social com base no P.P.A 2010/2013/ Detalhamento das Fontes e Elementos de Despesas 7.3 Metas Físicas e Financeiras / Monitoramento e Avaliação

10 DIAGNÓSTICO - CONHECIMENTO DA REALIDADE Composição da Equipe do Órgão Gestor Vínculo Funcional Trabalhadores na Assistência Assistente Social Psicólogo Pedagogo Outros técnicos de nível superior Motorista Serviços Gerais Total Representação Efetivos CLT Cargo em comis são Composição do Conselho Municipal de Assistência Social Titular Titularidade Outros Suplente Total Conferência Municipal de Assistência Social Data da última Conferência Municipal de Assistência Social: / / Total de participantes: Governamental Não Governamental Usuário Trabalhador Entidades Deliberações:

11 DIAGNÓSTICO - CONHECIMENTO DA REALIDADE (CONT.) FONTES OFICIAIS DE DADOS, INFORMAÇÕES E INDICADORES SOCIAIS IBGE Cidades: - Dados populacionais; Contagem da População mais recente; Área da unidade territorial (Km²); Serviços de Saúde; Morbidades hospitalares; Dados Educacionais taxam de analfabetismo, evasão escolar, perfil de escolaridade, matrículas, docentes e rede escolar; Estatísticas do Registo Civil; Mapa de Pobreza e Desigualdade; ATLAS do Desenvolvimento Humano no Brasil:http://www.pnud.org.br/atlas/tabelas - Características dos Municípios; Saúde; Educação; Renda; Moradia; População; CEOSUAS:http://aplicacoes.mds.gov.br/geosuas/assistentes.php - mapas e gráficos por município e variáveis selecionadas; SUASweb:http://aplicacoes.mds.gov.br/suasnob/login.jsp - montante de recursos transferidos para o FMAS pelo governo federal, estadual e municipal, nas abas do Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Financeiro; CADÚNICO:base de dados cadastrais municipal das famílias com renda per capta de até meio salário mínimo; SISFAF-MG: - montante de recursos transferidos para o FMAS pelo governo estadual e municipal, no Plano de Serviço; SIM:http://www.simsuasmg.mg.gov.br/sim/ - controle e monitoramento dos serviços estaduais de assistência social; CRAS e CREAS - base de dados a partir dos registros de atendimento, identificando as especificidades da realidade social da população referenciada de cada território, conhecendo a incidência de situações de vulnerabilidade e risco, tais como: a existência de comunidades indígenas, quilombolas, assentamentos rurais e irregulares urbanos, população com algum tipo de deficiência, população de rua, entre outros.

12 DIAGNÓSTICO - CONHECIMENTO DA REALIDADE (CONT.) Equipamentos Sociais Municipais da Assistência Social Proteção Social Básica PSB Unidade (Equipamento Social) Quantidade Proteção Social Especial PSE Outros itens (se necessário) Execução da Rede de Proteção Social Básica Modalidade de atendimento Em Execução (Nº atendimentos Indivíduos Famílias Serviços de Proteção e Atendimento Integral a Família-PAIF Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Crianças até 6 anos Crianças e Adolescentes de 6 a 15 anos Adolescentes e Jovens de 15 a 17 anos Idoso Serviços no Domicílio para Pessoa com Deficiência e Idoso Programa Bolsa Família Programa de Geração de Trabalho e Renda Ações de Enfrentamento a Pobreza Inserir outros itens (se necessário)

13 DIAGNÓSTICO - CONHECIMENTO DA REALIDADE (CONT.) Execução da Rede de Proteção Social Especial - Média Complexidade Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos PAEFI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Serviço Especializado em Abordagem Social Serviço de Proteção a Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa de Liberdade Assistida (LA) e Prestação de Serviços à Comunidade (PSC) Serviço p/ Pessoa com Deficiência, Idoso e suas Famílias Serviço Especializado p/pessoas em Situação de Rua Inserir outros itens (se necessário) Em Execução (Nº atendimentos Indivíduos Famílias Execução da Rede de Proteção Social Especial - Alta Complexidade Abrigo Casa-Lar Serviço de Acolhimento Institucional Casa de Passagem Residência Inclusiva Em Execução (Nº atendimentos Indivíduos Famílias Serviço de Acolhimento em República Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora Serviço de Proteção em Situações de Calamidades Públicas e de Emergências Inserir outros itens (se necessário)

14 DIAGNÓSTICO - CONHECIMENTO DA REALIDADE (CONT.) REDE SOCIOASSISTENCIAL Serviços, Programas, Projetos e Benefícios Entidades Parceiros/Órgãos Governamentais

15 AÇÕES, OBJETIVOS, METAS, ATIVIDADES E PRAZOS Eixo Ação/ Programa/Projeto/ Benefício Objetivos Metas Atividades Prazo Gestão PSB PSE Inserir outros itens (se necess ário)

16 FINANCIAMENTO Planejamento orçamentário da Assistência Social com base no PPA 2010/2013 Ano Planejamento Orçamentário do Município (em reais) Orçamento da Assistência Social (em reais) Percentual da Assistência Social em relação ao Orçamento do Município (%) 2010 R$ R$ 2011 R$ R$ 2012 R$ R$ 2013 R$ R$ Planejamento Orçamentário da Assistência Social com base no P.P.A 2010/2013/ Detalhamento das Fontes e Elementos de Despesas Planejamento Orçamentário (em reais) Secretaria Municipal de Assistência Social ou equivalente Fonte Despesas Correntes Despesas de Capital Total Geral Municipal Estadual Federal Total Geral

17 FINANCIAMENTO (CONT.) PSB - Modalidade de atendimento Serviços de Proteção e Atendimento Integral a Família-PAIF Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Crianças até 6 anos Crianças e Adolescentes de 6 a 15 anos Adolescentes e Jovens de 15 a 17 anos Idoso Serviços no Domicílio para Pessoa com Deficiência e Idoso Programa Bolsa Família Programa de Geração de Trabalho e Renda Ações de Enfrentamento a Pobreza Inserir outros itens (se necessário) Em Execução (Nº atendimentos Indivíduos Famílias Valor PSE - Média Complexidade - Modalidade de atendimento Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos PAEFI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Serviço Especializado em Abordagem Social Serviço de Proteção a Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa de Liberdade Assistida (LA) e Prestação de Serviços à Comunidade (PSC) Em Execução (Nº atendimentos Indivíduos Famílias Valor Serviço p/ Pessoa com Deficiência, Idoso e suas Famílias Serviço Especializado p/pessoas em Situação de Rua Inserir outros itens (se necessário)

18 FINANCIAMENTO (CONT.) Modalidade de Financiamento Custeio R$ Financiamento Geral do SUAS 2010 Recursos Município Estado União Outras Fontes Valor em R$(reais) Capital R$ Custeio R$ Capital R$ Custeio R$ Capital R$ Custeio R$ Capital R$ Custeio R$ Capital R$ Gestão PSB PSE Manutenção do CMAS Manutenção do órgão Gestor Total Geral (R$)

19 Monitoramento e Avaliação DO PAS Trata-se de comprovar a eficiência e eficácia dos serviços e ações programadas, bem como a efetividade na aplicação do gasto publico RESULTADO. Deve ser previsto um sistema de acompanhamento e avaliação para o plano como um todo; indicadores comuns a todos os programas como, por exemplo: acesso a serviços, protagonismo, autonomização, participação, etc.; indicadores específicos para cada programa e ações, adequados aos objetivos que se quer atingir em cada um, como ganho de habilidades especificas, ampliação de renda e outros.

20 A GESTÃO DA INFORMAÇÃO É um dos instrumentos imprescindíveis para consolidação do SUAS e tem como objetivo produzir condições estruturais para as operações de gestão, monitoramento e avaliação do SUAS. Possui a capacidade de produzir, registrar e disseminar a informação. É um mecanismo de registro, processamento e disseminação de informações relevantes, racionaliza os processos e fluxos necessários à tomada de decisão e torna públicas as informações relevantes ao exercício do controle social da Política de Assistência social. É desempenhada pelo processamento de dados provenientes de múltiplas fontes, acionada por sistemas tecnológicos capaz de gerar informação relevante e útil para a gestão.

21 A GESTÃO DA INFORMAÇÃO Os aplicativos da RedeSuas opera a gestão dos dados e dos fluxos de informação do SUAS, utilizando a produção, o armazenamento, a organização, a classificação e disseminação de dados, possibilitando o monitoramento e avaliação: Este aplicativos abarcam as áreas de gestão, ao financiamento e a controle social da política, ou seja, demonstram o processo de organização do SUAS. Outros: Cadastro Único, SIGPBF e do PBC Atenção: A alimentação dos sistemas de informações do SUAS é obrigação institucional de todos os entes federados, devendo os gestores responsabilizar-se pelas qualidade e fidedignidades das informações neles inseridas.

22 FERRAMENTAS INFORMACIONAIS DE SUPORTE GERENCIAL SUAS WEB GEOSUAS CADSUAS Registra as informações relativas: a) ao Plano de Ação Anual; b) ao Demonstrativo sintético Físico Financeiro para gestores com saldos, C/C, beneficiários do BPC, parcelas pagas, contendo ordem bancária, data do pagamento, etc. Comporta o sistema de Gerenciamento do Programa de erradicação do trabalho Infantil (SISPETI) e Carteira do Idoso. Resulta da integração de dados e mapas que servem de base à construção de indicadores. Desenvolvido com a finalidade de subsidiar a tomada de decisão no processo de gestão da Política de Assistência social. Sistema que coleta, processa e geri dados sobre a rede socioassistencial, órgãos governamentais, conselhos, fundos, trabalhadores do SUAS e outros dados cadastrais necessários a gestão do sistema Censo SUAS, SISJOVEM e SISPETI

23 FERRAMENTAS INFORMACIONAIS DE SUPORTE FIMNANCERIO SISFAF SIGCOM SISCON Registra as informações relativas aos procedimentos de repasse de recursos do FNAS E FEAS para os fundos municipais. Operacionaliza os repasses por intermédio de transferências automatizadas de arquivos para o SIAFI. Sistema de Gestão de convênio ou instrumento similar destinados ao cofinanciamento estadual dos serviços socioassistenciais. Registra as informações relativas ao gerenciamento de convênios operados pelo FNAS, acompanhando todo o trâmite desde o preenchimento dos planos de trabalho, formalização do convênio e prestação de contas.

24 FERRAMENTAS INFORMACIONAIS DE SUPORTE AO CONTROLE SOCIAL INFOSUAS Sistema espelho das operações do SUASWEB e dos sistemas de gestão financeira (SISFAF E SIAORC). Aberto à população, é ferramenta fundamental para a ação do controle social e para a transparência da gestão da Política de Assistência social, na medida em que: disponibiliza informações sobre os repasses financeiros do FNAS para os FAS, classificando os repasses pelos serviços da PSB e PSE (de alta e média complexidade) por regiões, estados e municípios. SICNASWEB Sistema de gestão de processos do CNAS. Tem como finalidade inscrever e cadastrar entidades com o intuito de fornecer diversos documentos como certificados, certidões, entre outros. Além disso, permite a racionalização do trabalho interno do CNAS, na medida em que agiliza o trâmite de processos e documentos, a publicação de decisões do plenário facilita também o controle social sobre esses procedimentos e a gestão de eventos e conferências. Permite acesso à base de dados dos pagamentos realizados em anos anteriores, hierarquizados pelos tipos de intervenção organizadas no período

25 O MONITORAMENTO E A AVALIAÇÃO MONITORAMENTO É o acompanhamento contínuo, cotidiano, dos gestores e gerentes, do desenvolvimento dos serviços, programas, projetos, benefícios e das políticas em relação a seus objetivos e metas. É uma função inerente à gestão com capacidade de gerar informações aos gestores, possibilitando executar ajustes necessários para melhoria de sua operacionalização. É realizado por meio de indicadores, construídos a partir de diversas fontes de dados a fim de disponibilizar aos gestores informações sobre o desenvolvimento das ações implantadas. esse procedimento possibilita verificar em que medida os objetivos e metas das ações monitoradas estão sendo atingidos AVALIAÇÃO É realizada por meio de estudos específicos que analisam aspectos como relevância, eficácia, eficiência, efetividade, resultados, impactos de programas e políticas Geralmente, são realizadas por instituições externas, tendo como características: eficácia: grau em que se alcançam objetivos e metas do projeto na população beneficiaria em determinado período de tempo, independentemente dos custos implicados. Elementos básicos: a meta e o tempo. eficiência: Aspectos financeiros, o recurso destinado deve ter o menor custo possível, atingindo maior número de beneficiados. efetividade:avaliação do impacto social produzido através do cálculo entre resultados e objetivos.

26 O MONITORAMENTO DO SUAS NACIONAL ESTADUAL MUNICIPAL Conjunto de indicadores, que permitam acompanhar a qualidade e o volume de oferta dos serviços de PSB e PSE, assim como o desempenho da gestão. Conjuga a captura e verificação de informações in loco e a utilização de dados secundários, fornecidos pelos indicadores do sistema nacional e estadual de informação do SUAS, bem como de evidencias. Deve basear-se, prioritariamente, na captura e verificação de informações in loco, junto às unidades da rede socioassistencial pública e conveniada.

27 OS INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO são medidas quantitativas ou qualitativas usados para quantificar ou operacionalizar a gestão do SUAS. É um valor usado para medir e acompanhar a evolução de algum fenômeno ou os resultados de processos sociais. São produzidos regularmente, com base em diferentes fontes de dados, que dão aos gestores informações regulares sobre o desempenho dos programas e das políticas, permitindo verificar se os objetivos e as metas estão sendo alcançados. INDICADORES QUANTITATIVOS Expressam variações quantificáveis, utilizam unidades de medida: número absoluto de pessoas atendidas, montante recursos, valores, médias, proporções, porcentagens. INDICADORES QUALITATIVOS Expressam dimensões não quantificáveis, como: participação, valores, atitudes, liderança, autoestima, protagonismo.

28 DE MANEIRA GERAL, OS INDICADORES DE MONITORAMENTO VISAM MENSURAR AS DIMENSÕES: Estrutura ou Insumos Valores relativos à estrutura física financeira, a infra-estrutura, etc. Exemplo:quantidade de assistentes sociais contratados; gerentes treinados, microcomputadores comprados e instalados, percentual de recursos financeiros executados. Processos ou Atividades Pontos que favorecem ou dificultam os processos de implementação da política ou do programa, incluídos seus desenho, suas dimensões organizacionais e institucionais. Produtos ou Resultados Valores relativos ao alcance de metas dos programas. Exemplo:mudanças na situação dos beneficiários, provocadas diretamente pelo programa o monitoramento e avaliação são processos distintos, porém complementares, indissociáveis e em permanente interação. os indicadores de monitoramento e avaliação devem ser criados a partir dos eixos estruturantes da Política de Assistência social com foco principal na: centralidade da família. concepção territorialidade; Financiamento; controle social; Recursos humanos; Gestão e funcionamento dos conselhos de Assistência social

29 PARA A REALIZAÇÃO DO MONITORAMENTO É NECESSÁRIO A estruturação de áreas e definição de responsabilidades e competências nas secretarias municipais de assistência social que sejam responsáveis pelo monitoramento da rede serviços estatal e privada vinculadas ao SUAS. A atividade de monitoramento, principalmente no que se refere à mensuração e acompanhamento da qualidade e do volume dos serviços ofertados, deve ocorrer de forma integrada com a Vigilância Social, a quem compete acompanhar a observância dos padrões de qualidade na oferta dos serviços socioassistencias e analisar a adequação entre a oferta de serviços e as necessidades de proteção social da população.

30 O RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO É o instrumento que apresenta os resultados alcançados na Política de Assistência social e orienta eventuais redirecionamentos que se fizerem necessários, sendo avaliados: cumprimento das realizações; dos resultados ou produtos obtidos em função das metas prioritárias estabelecidas no PAS; aplicação dos recursos. É elaborado pelo gestor e submetido ao CMAS.

31 O RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO É considerado um meio de controle e avaliação do PAS. Objetiva apresentar os resultados alcançados, comprovar as aplicações de recursos repassados ao FAS e relacionar os ajustes necessários ao plano e a programação subseqüente. Na elaboração do relatório deve ser considerados os seguintes requisitos: Clareza e objetividade; Os objetivos, as diretrizes e as metas do PAS, onde é recomendado que a apresentação seja formulada de acordo com os eixos adotados no PAS (Gestão, PSB, PSE, informação e monitoramento e rede); As ações e metas anuais definidas e alcançadas no PAS; Os recursos orçamentários previstos e executados; As observações específicas relativas às ações programadas; A análise da execução do PAS, a partir das ações e metas, tanto daquelas estabelecidas, quanto das não previstas; e As recomendações para o PAS do ano seguinte e eventuais ajustes no PAS vigente.

32 O RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO Para a organização do Relatório Anual de Gestão, sugere-se como estrutura: Introdução, com a apresentação de dados e caracterização da esfera de gestão correspondente; resolução que aprovou o PAS; e registro de compromissos técnico-político julgados necessários - Gestão e as suas prioridades (no máximo em 3 ou 4 parágrafos); Quadro sintético com o demonstrativo do orçamento (recomenda-se a apresentação do quadro seja elaborado segundo definição legal); Análise da execução da PAS, com a avaliação do alcance das ações e metas no ano e a sua correspondência com os objetivos do PAS; explicação acerca de eventuais mudanças ocorridas no cumprimento das ações e metas; avaliação do cumprimento dos compromissos contidos nos pactos federativos e outros estabelecidos; e Recomendações relativas à PAS do ano seguinte e eventuais ajustes no PAS vigente, com a explicação das razões para tal. E como anexo sugere-se inserir a ata de aprovação do respectivo Conselho de Assistência Social.

33 Muito Obrigada! Maria Juanita Godinho Pimenta Superintendente de Política de Assistência Social da SEDESE Contatos: (31)

REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS.

REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS. REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS. OFICINA 2 Ofertas da Assistência Social: Serviços por níveis de proteção básica e especial de média

Leia mais

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS COMPONENTES HISTÓRICOS DA NORMATIZAÇÃO LEGAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MARCO LEGAL 1988 - Constituição Federal 1993 - Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) 1998

Leia mais

Questionário Rede Privada

Questionário Rede Privada MONITORAMENTO SUAS CENSO SUAS 2010 Questionário Rede Privada O Censo Rede Privada 2010, tem como finalidade proporcionar subsídios para a construção e manutenção de indicadores de monitoramento e avaliação

Leia mais

Políticas Públicas II. Avaliação de Políticas Públicas e pressupostos. Professora: Geralda Luiza de Miranda

Políticas Públicas II. Avaliação de Políticas Públicas e pressupostos. Professora: Geralda Luiza de Miranda Políticas Públicas II Avaliação de Políticas Públicas e pressupostos Professora: Geralda Luiza de Miranda Setembro/2011 Classificação de avaliações Momento em que são realizadas (já vista) Procedência

Leia mais

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Campo Grande-MS Mudanças na Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social e

Leia mais

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)?

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? CREAS - Institucional O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? Considerando a definição expressa na Lei nº 12.435/2011, o CREAS é a unidade pública estatal de abrangência

Leia mais

Oficina de Planejamento Participativo

Oficina de Planejamento Participativo Oficina de Planejamento Participativo 2010 Facilitadora Laura Maria Pedrosa de Almeida Planejamento - planejar significa pensar antes de agir; - planejar não é adivinhar ou predizer o futuro, e sim, calcular,

Leia mais

SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social

SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social I. Como o Brasil chegou ao modelo de Sistema Único adotado na política de Assistência Social? II. O que é e como funciona o SUAS? III.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

A necessária abordagem interdisciplinar: a importância da equipe de referência da Assistência Social

A necessária abordagem interdisciplinar: a importância da equipe de referência da Assistência Social A necessária abordagem interdisciplinar: a importância da equipe de referência da Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS - 2004 SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS REDE

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade

CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta

Leia mais

Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua Telma Maranho- SNAS/MDS

Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua Telma Maranho- SNAS/MDS I Seminário Nacional sobre Consultórios na Rua e Saúde Mental na Atenção Básica: novas tecnologias e desafios para a gestão do cuidado Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua

Leia mais

Política Nacional de Assistência Social. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social/GPSE/SAS

Política Nacional de Assistência Social. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social/GPSE/SAS Política Nacional de Assistência Social Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social/GPSE/SAS SEADES Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social A SEADES é o Órgão Gestor

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social (SNAS) Departamento de Gestão do SUAS (DGSUAS) Coordenação Geral da Rede SUAS (CGRS)

Secretaria Nacional de Assistência Social (SNAS) Departamento de Gestão do SUAS (DGSUAS) Coordenação Geral da Rede SUAS (CGRS) Secretaria Nacional de Assistência Social (SNAS) Departamento de Gestão do SUAS (DGSUAS) Coordenação Geral da Rede SUAS (CGRS) Banco de Dados, Sistemas de Informação e Georreferenciamento na Assistência

Leia mais

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS O ACOMPANHAMENTO E APOIO NO ÂMBITO DO SUAS LINHA DO TEMPO Acompanhamento e Apoio Técnico no SUAS 2005 2007 2008 NOB-SUAS Prevê a habilitação

Leia mais

Conselho Nacional de Assistência Social CNAS

Conselho Nacional de Assistência Social CNAS As Conferências Municipais da Assistência Social de 2007 avaliarão as metas aprovadas nas Conferências de 2005, identificando os avanços, as dificuldades e os desafios a serem enfrentados nos próximos

Leia mais

SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS

SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS Perguntas encaminhadas pelas DRADS e municípios e orientações sobre o SCFV. São Paulo-SP, 2014. Prezados diretores e técnicos, A Equipe de Proteção Social

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18, 5 DE JUNHO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 18, 5 DE JUNHO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 18, 5 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre expansão e qualificação do Serviço de Proteção Social aos Adolescentes em Cumprimento de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto de Liberdade Assistida

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS Curso de capacitação para o provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS e implementação de ações do plano Brasil sem Miséria Maria Luiza João Pessoa - PB TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS

Leia mais

Gestão Orçamentária e Financeira no SUAS

Gestão Orçamentária e Financeira no SUAS Gestão Orçamentária e Financeira no SUAS SUAS - DEFINIÇÃO SUAS é a forma de gestão da politica de assistência social. SUAS é constituído pelo conjunto de serviços, programas, projetos e benefícios de assistência

Leia mais

Desenvolvimento Social

Desenvolvimento Social Desenvolvimento Social Assistência Social A Assistência Social integra o sistema de seguridade social do país, junto com a saúde e a previdência social, e tem como objetivo regulamentado pela Lei Orgânica

Leia mais

TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA Neste terceiro momento do nosso estudo iremos aprofundar as mudanças

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL STDS Área de Gestão do SUAS e Assessoramento aos Municípios

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL STDS Área de Gestão do SUAS e Assessoramento aos Municípios GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL STDS Área de Gestão do SUAS e Assessoramento aos Municípios O SUAS NO CEARÁ Março - 2012 1' ' Apresentação O presente documento

Leia mais

X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 01/2015. Conteúdos da X Conferência Nacional de Assistência Social

X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 01/2015. Conteúdos da X Conferência Nacional de Assistência Social X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 01/2015 Conteúdos da X Conferência Nacional de Assistência Social 1 X CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Tema: Consolidar o SUAS de

Leia mais

TEXTO 4. 2. Realizar o planejamento das ações do Programa, definir as ações a serem executadas e as

TEXTO 4. 2. Realizar o planejamento das ações do Programa, definir as ações a serem executadas e as TEXTO 4 PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO ACESSO AO MUNDO DO TRABALHO - ACESSUAS TRABALHO GESTÃO. No texto anterior vimos o fluxo do ACESSUAS TRABALHO a partir se seus três eixos de ação: articulação, mobilização

Leia mais

Mulheres. As mulheres e a Política de Assistência Social no Estado de SC

Mulheres. As mulheres e a Política de Assistência Social no Estado de SC 2016 2015 IV Conferência ncia Estadual de Políticas para Mulheres As mulheres e a Política de Assistência Social no Estado de SC Diretoria de Assistência Social Camila Magalhães Nélsis Fevereiro - 2016

Leia mais

Planos de Assistência Social

Planos de Assistência Social Planos de Assistência Social A Construção do Plano Municipal de Assistência Social: Componentes Básicos A seguir apresentam-se os componentes básicos que integram o Plano Municipal de Assistência Social

Leia mais

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite.

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite. O SUAS E AS AGENDAS ESTRATÉGICAS DE GOVERNO: O FORTALECIMENTO DO COMBATE À POBREZA, AOS RISCOS E ÀS VULNERABILIDADES SOCIAIS: Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer!

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social Subsecretaria de Assistência Social

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social Subsecretaria de Assistência Social São instrumentos de gestão financeira e orçamentária do SUAS: O Orçamento da Assistência Social Fundos de Assistência Social Expressa o planejamento financeiro das funções da gestão e da prestação de serviços,

Leia mais

Maiêutica - Serviço Social

Maiêutica - Serviço Social A CIDADANIA NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES INTEGRADOS NO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PETI: ABORDANDO A COOPERAÇÃO, RESPEITO, DIÁLOGO E SOLIDARIEDADE NA CONVIVÊNCIA

Leia mais

ORGÃO RESPONSAVEL: SECRETARIA DO TRABALHO E DA ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL

ORGÃO RESPONSAVEL: SECRETARIA DO TRABALHO E DA ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL OBJETIVO: 0108- Promover os serviços, programas e benefícios de proteção social, por meio de capacitação, monitoramento, co-financiamento, implantação e orientação,

Leia mais

Atualizações das Leis Municipais Encontro Estadual dos Gestores e Técnicos da Assistência Social da Bahia

Atualizações das Leis Municipais Encontro Estadual dos Gestores e Técnicos da Assistência Social da Bahia Atualizações das Leis Municipais Encontro Estadual dos Gestores e Técnicos da Assistência Social da Bahia DIREITO Normativas Política Pública # direito LOAS atualizada Elaboração Âncoras Nacional Universalidade

Leia mais

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 PLANO ESTADUAL DE CAPACITAÇÃO CONTINUADA DE RECURSOS HUMANOS PARA A ÁREA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 Estrutura do SUAS no Plano Brasil Sem Miséria Secretarias Estaduais

Leia mais

ção o do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais

ção o do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais Programa de Erradicaçã ção o do Trabalho Infantil Ministério Ministério do do Desenvolvimento Social Social e e Combate àà Fome SUBSÍDIOS IMPORTANTES PARA A CONSTRUÇÃO DE DIRETRIZES PARA O PETI PNAS, NOB/SUAS

Leia mais

Gestão e Operacionalização do Sistema Único de Assistência Social- SUAS

Gestão e Operacionalização do Sistema Único de Assistência Social- SUAS 1988 Constituição Federal Política Pública MARCO LEGAL Novos atores 1993 Lei Orgânica da Assistência Social- Novas estratégias Novas práticas LOAS 2004 Política Nacional de Assistência Social- PNAS Reordenamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08, DE 18 DE ABRIL DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 08, DE 18 DE ABRIL DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 08, DE 18 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre as ações estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI no âmbito do Sistema Único da Assistência Social SUAS e o critério de

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

CAPACITAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA ASSISTENCIA SOCIAL - MUNICÍPIOS DA REGIÃO DA ARDOCE

CAPACITAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA ASSISTENCIA SOCIAL - MUNICÍPIOS DA REGIÃO DA ARDOCE CAPACITAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA ASSISTENCIA SOCIAL - MUNICÍPIOS DA REGIÃO DA ARDOCE TEMA: Cofinanciamento, Demonstrativo Financeiro (Sim/Suas), e Sistema Suas. Junho/2013 1 1988: Constituição

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social. Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social. Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social Sistema Único de Assistência Social Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social SUAS SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL O QUE É: O SUAS é uma ferramenta de gestão da Política

Leia mais

Financiamento no Sistema Único de Assistência Social

Financiamento no Sistema Único de Assistência Social Financiamento no Sistema Único de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social SUAS- FNAS SUAS MÉDIA COMPLEXIDADE ALTA COMPLEXIDADE BÁSICO abrigos albergues Cuidado no domicílio CENTRAIS DE

Leia mais

Expediente. Produção Técnica: Esta é uma publicação técnica da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania do Município de Parnaíba.

Expediente. Produção Técnica: Esta é uma publicação técnica da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania do Município de Parnaíba. CARTILHA do CRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PARNAÍBA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA - PSB SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E CIDADANIA Prefeitura Municipal de Parnaíba

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

- Indicadores Sociais -

- Indicadores Sociais - Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social - Indicadores Sociais - Construir o novo sistema de respeitar a cidadania significa criar uma nova tradição em que alteramos

Leia mais

O SUAS-SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

O SUAS-SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL O SUAS-SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL HISTÓRICO DA POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL SEGURIDADE SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL SAÚDE PREVIDÊNCIA

Leia mais

CREAS Recursos Humanos

CREAS Recursos Humanos Como deve ser a composição da equipe de referência do CREAS? Os recursos humanos constituem elemento fundamental para a efetividade do trabalho do CREAS. A vinculação dos profissionais do CREAS com a família/indivíduo

Leia mais

D E C R E T A: Art. 2º Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, retroagindo seus efeitos a 29 de junho de 2007.

D E C R E T A: Art. 2º Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, retroagindo seus efeitos a 29 de junho de 2007. PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1510, DE 26 DE JUNHO DE 2008. Aprova o Regimento Interno da Secretaria Municipal de Assistência Social - SEMAS, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

NOTA TÉCNICA PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI. ASSUNTO: Consulta do município de Sarandi Implantação, Orçamento e Valor Bolsa

NOTA TÉCNICA PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI. ASSUNTO: Consulta do município de Sarandi Implantação, Orçamento e Valor Bolsa 1 NOTA TÉCNICA PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI ASSUNTO: Consulta do município de Sarandi Implantação, Orçamento e Valor Bolsa O Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI é um

Leia mais

Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único

Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único Encontro Estadual da Assistência Social: Gestão dos Recursos Financeiros - IGDSUAS e IGDPBF Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único COORDENAÇÃO-GERAL DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DEOP

Leia mais

PRÊMIO DE PRÁTICAS EXITOSAS DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS COEGEMAS/CE

PRÊMIO DE PRÁTICAS EXITOSAS DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS COEGEMAS/CE EDITAL COEGEMAS/CE Nº 01/ 2016 PRÊMIO DE PRÁTICAS EXITOSAS DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS COEGEMAS/CE A Diretoria Executiva do Colegiado Estadual de Gestores Municipais de Assistência Social

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE - MS SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS E AÇÕES SOCIAIS E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE - MS SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS E AÇÕES SOCIAIS E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE - MS SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS E AÇÕES SOCIAIS E CIDADANIA MANUAL DE PARÂMETROS PARA O COFINANCIAMENTO DE ENTIDADES E ORGANIZAÇÕES DA ASSISTÊNCIA SOCIAL MANUAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01, DE 09 DE JANEIRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 01, DE 09 DE JANEIRO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 01, DE 09 DE JANEIRO DE 2012 Publica as deliberações da VIII Conferência Nacional de Assistência Social. O CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CNAS, no uso das competências que lhe confere

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO -

- REGIMENTO INTERNO - - REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Assistência Social Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.634/06, nº 13.239/07, nº 15.181/11, 15.454/12 e nº 15.581/12 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 Luis Otavio Farias Coordenador Geral dos Serviços de Vigilância Social Departamento de Gestão do SUAS Secretaria Nacional de Assistência

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

A Inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único. Encontro Regional do Congemas NORTE Natal, 23 e 24 de março de 2016

A Inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único. Encontro Regional do Congemas NORTE Natal, 23 e 24 de março de 2016 A Inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único Encontro Regional do Congemas NORTE Natal, 23 e 24 de março de 2016 Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social BPC Direito constitucional

Leia mais

Briefing para Produção de Material - Assessoria de Comunicação SEDESE - ASSCOM

Briefing para Produção de Material - Assessoria de Comunicação SEDESE - ASSCOM SECRETARIA DE TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Subsecretaria de Assistência Social Diretoria de Proteção Especial Briefing para Produção de Material - Assessoria de Comunicação SEDESE - ASSCOM 1. Descrição:

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 532, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009. DOE. nº 1371, de 19/11/2009

LEI COMPLEMENTAR Nº 532, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009. DOE. nº 1371, de 19/11/2009 LEI COMPLEMENTAR Nº 532, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009. DOE. nº 1371, de 19/11/2009 Cria a Secretaria de Estado de Assistência Social, altera dispositivos da Lei Complementar nº 224, de 4 de janeiro de 2000,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 4/2014

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 4/2014 Solicitação de Trabalho nº 252/2014 CONOF Solicitante: Deputado Pauderney Avelino ESTUDO TÉCNICO Nº 4/2014 ASPECTOS ORÇAMENTÁRIOS E FINANCEIROS SOBRE A INCLUSÃO DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR COMO DESPESA DE MANUTENÇÃO

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. SMCAIS Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. SMCAIS Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SMCAIS Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social Evento UNICAMP DESAFIOS SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DE CAMPINAS, E POR CONSEGUINTE DA REGIÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Brasília, outubro de 2011

PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Brasília, outubro de 2011 PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Brasília, outubro de 2011 PLANEJAMENTO DA SAÚDE INTEGRADO: ASPECTOS CONSIDERADOS PRESSUPOSTOS INSTRUMENTOS Plano de Saúde, Programação Anual de saúde e Programação

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

CT03.07 - Departamento de Gestão Social Fevereiro/2013 Atualizado em março/2014 CARTA TÉCNICA

CT03.07 - Departamento de Gestão Social Fevereiro/2013 Atualizado em março/2014 CARTA TÉCNICA CARTA TÉCNICA Nome do Certificado: INSCRIÇÃO NO CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ENTIDADES QUE DEVEM REALIZAR O REGISTRO: Entidades de Assistência Social ORGÃO RESPONSÁVEL PELA EMISSÃO: Conselho

Leia mais

A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES

A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES Alana da Silva SIQUIÉRI 1 Dayana Klebis da SILVA 2 RESUMO:

Leia mais

A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET)

A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET) A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET) I Encontro de Apoio Técnico Estadual a Gestão Descentralizada do Suas: Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Leia mais

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS?

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? DOCUMENTO DESCRIÇÃO DO DOCUMENTO SOLICTADO Requerimento assinado pelo O modelo do requerimento pode ser obtido no anexo I desta relação representante

Leia mais

A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE

A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE Título: A Proteção Socioassistencial para Usuários de Crack e Outras Drogas e suas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Secretaria Nacional de Assistência Social

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Secretaria Nacional de Assistência Social MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social Instrução Operacional nº 01/SNAS/MDS. Brasília, 6 de abril de 2015. Assunto: Orientar estados, municípios

Leia mais

SAS P R E F E I T U R A M U N I C I PA L S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A

SAS P R E F E I T U R A M U N I C I PA L S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A SAS S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A CCI Vovó Zizá P R E F E I T U R A M U N I C I PA L DE CAMPO GRANDE SAS S E C R E TA R I A M

Leia mais

DECRETO Nº 8.679, DE 23 DE AGOSTO DE 2012

DECRETO Nº 8.679, DE 23 DE AGOSTO DE 2012 DECRETO Nº 8.679, DE 23 DE AGOSTO DE 2012 Aprova o novo REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de Feira de Santana, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Feira

Leia mais

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei.

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 945/2010 Institui o Programa Vida Melhor e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria-Executiva Diretoria de Projetos Internacionais - DPI

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria-Executiva Diretoria de Projetos Internacionais - DPI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria-Executiva Diretoria de Projetos Internacionais - DPI CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência no Plano de

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 02/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 02/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 02/2013 Aos: Senhores(as) Secretários(as) Municipais de Assistência Social e Conselheiros Municipais de Assistência Social. Referente: Elaboração do Plano Municipal de Assistência

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

A importância do diagnóstico municipal e do planejamento para a atuação dos Conselhos dos Direitos do Idoso. Fabio Ribas Recife, março de 2012

A importância do diagnóstico municipal e do planejamento para a atuação dos Conselhos dos Direitos do Idoso. Fabio Ribas Recife, março de 2012 A importância do diagnóstico municipal e do planejamento para a atuação dos Conselhos dos Direitos do Idoso Fabio Ribas Recife, março de 2012 Uma pauta para nosso diálogo: 1)Desafios para o fortalecimento

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO...9 2. JUSTIFICATIVA...12 3.OBJETIVO GERAL...14 4.OBJETIVOS ESPECÍFICOS...14 5.REFERENCIAL DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO...

1. APRESENTAÇÃO...9 2. JUSTIFICATIVA...12 3.OBJETIVO GERAL...14 4.OBJETIVOS ESPECÍFICOS...14 5.REFERENCIAL DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO... Sumário 1. APRESENTAÇÃO...9 2. JUSTIFICATIVA...12 3.OBJETIVO GERAL...14 4.OBJETIVOS ESPECÍFICOS...14 5.REFERENCIAL DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO...14 6.COMPETÊNCIAS DA GERÊNCIA DE GESTÃO DE MONITORAMENTO

Leia mais

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS Planejamento Regional Integrado Brasília DF, novembro de 2014 LEGISLAÇÃO ANTERIOR AO DECRETO - VIGENTE Lei 8142/90-1º. art. 1 A Conferência de Saúde reunir-se-á

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Sub-E I X O 4-4ª C N S T

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Sub-E I X O 4-4ª C N S T Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador PLANEJAMENTO DO SUS Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador FINANCIAMENTO DA

Leia mais

SUAS e População em Situação de Rua. O SUAS e a implementação em território nacional da Política Nacional para População em Situação de Rua.

SUAS e População em Situação de Rua. O SUAS e a implementação em território nacional da Política Nacional para População em Situação de Rua. O SUAS e a implementação em território nacional da Política Nacional para População em Situação de Rua. 28 de novembro de 2013 Assistência Social Política pública de Seguridade Social, não-contributiva,

Leia mais

CADERNO DO IGDM - PBF

CADERNO DO IGDM - PBF CADERNO DO IGDM - PBF MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Departamento de Operação Coordenação Geral de Apoio à Gestão Descentralizada MANUAL

Leia mais

MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Governo do Estado de Alagoas Secretaria de Estado de Assistência e Desenvolvimento Social Teotônio Brandão Vilela Filho GOVERNADOR DO ESTADO Solange Bentes Jurema SECRETÁRIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA E

Leia mais

PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ

PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ Mauricio Pastor dos Santos 1 PUCPR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome O Brasil assume o desafio de acabar com a miséria O Brasil assume o desafio de acabar com a

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA COFINANCIAMENTO DO SUAS O Sistema Único de Assistência

Leia mais

PROJETO ESCOLA DE FÁBRICA

PROJETO ESCOLA DE FÁBRICA PROJETO APRESENTAÇÃO O projeto Escola de Fábrica é uma iniciativa do Governo Federal, através do e da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, que pretende possibilitar a inclusão social de jovens

Leia mais

CURSO DE GESTÃO PÚBLICA COM HABILITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO D EPOLÍTICAS SOCIAIS MÓDULO BÁSICO: DISCIPLINAS E EMENTAS

CURSO DE GESTÃO PÚBLICA COM HABILITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO D EPOLÍTICAS SOCIAIS MÓDULO BÁSICO: DISCIPLINAS E EMENTAS CURSO DE GESTÃO PÚBLICA COM HABILITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO D EPOLÍTICAS SOCIAIS MÓDULO BÁSICO: DISCIPLINAS E EMENTAS 1. Introdução a Educação à Distância (20h) Concepções de educação a distância.

Leia mais

Programas Orçamentários para Execução de Parcerias

Programas Orçamentários para Execução de Parcerias Programas Orçamentários para Execução de Parcerias Os Programas Orçamentários para Execução de Parcerias com pessoas jurídicas do setor privado ou pessoas físicas serão executados nas 08 Macrorregiões

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.332, DE 19 DE OUTUBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Apoio à gestão descentralizada do Sistema Único da Assistência Social - SUAS

Apoio à gestão descentralizada do Sistema Único da Assistência Social - SUAS Título do Projeto: Número do projeto: Duração Prevista: Agência Executora: Valor Total do Projeto: Origem dos Recursos: Resumo: Apoio à gestão descentralizada do Sistema Único da Assistência Social - SUAS

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2 MINISTÉRIO DA CULTURA Diretoria de Infraestrutura Cultural Secretaria Executiva Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 3000m 2 1. Objetivos A Praça do PAC é de

Leia mais

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 3.477 DATA: 14 de agosto de 2008. SÚMULA: Altera e acresce dispositivos da Lei nº 3.025, de 18 de janeiro de 2005, alterada pela Lei nº 3.264, de 19 de setembro de 2006, que Dispõe sobre a reestruturação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem-Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem-Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Especial de Média Complexidade Serviço Especializado de Abordagem Social Administração: Rodrigo Antonio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social:

Leia mais

Rede de Mobilizadores Curso Elaboração de Projetos Sociais

Rede de Mobilizadores Curso Elaboração de Projetos Sociais Rede de Mobilizadores Curso Elaboração de Projetos Sociais Atividade Final: Elaboração de pré-projeto Aluna: Maria Adélia Alves Sousa 1. Identificação do Projeto Título do projeto: Fomento para Horta Comunitária

Leia mais

ENCONTRO REGIONAL DO CONGEMAS REGIÃO NORTE

ENCONTRO REGIONAL DO CONGEMAS REGIÃO NORTE Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social ENCONTRO REGIONAL DO CONGEMAS REGIÃO NORTE Apresentação dos principais pontos da Portaria MDS nº 113/2015. DO QUE TRATA A

Leia mais