BREVES NOTAS SOBRE O SEMINÁRIO INTERNACIONAL PERSECUCIÓN PENAL NACIONAL DE CRÍMENES INTERNACIONALES DESDE UNA PERSPECTIVA COMPARADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BREVES NOTAS SOBRE O SEMINÁRIO INTERNACIONAL PERSECUCIÓN PENAL NACIONAL DE CRÍMENES INTERNACIONALES DESDE UNA PERSPECTIVA COMPARADA"

Transcrição

1 BREVES NOTAS SOBRE O SEMINÁRIO INTERNACIONAL PERSECUCIÓN PENAL NACIONAL DE CRÍMENES INTERNACIONALES DESDE UNA PERSPECTIVA COMPARADA Maria Thereza Rocha de Assis Moura * Realizou-se em Montevideo, nos dias 27 e 28 de fevereiro deste ano, o Seminário Internacional Persecución penal nacional de crímenes internacionales desde uma perspectiva comparada, organizado pelo Instituto Max-Planck para o Direito Penal Estrangeiro e Internacional e pela Fundação Konrad Adenauer Programa Estado de Direito para América do Sul, sob os auspícios da Faculdade de Direito Universidade da República (Uruguai). Onze países da América Latina estiveram representados, a saber: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colombia, Costa Rica, El Salvador, México, Peru e Uruguai. A apresentação do Seminário coube ao Prof. Dr. Dr. mult. h. c. Albin Eser, do Instituto Max-Plank. Salientou que o objetivo do Projeto é incentivar e dar impulso às reformas internas com vistas à implementação do Estatuto de Roma, que foi ratificado, até agora, por 89 países. Lembrou que, de acordo com o contido no parágrafo sexto do Preâmbulo, é dever de cada Estado exercer a respectiva jurisdição penal sobre os responsáveis por crimes internacionais, daí porque o Tribunal Penal Internacional só deve atuar, de acordo com o princípio da complementariedade, quando se frustrar a persecução no Estado-Parte. Isto significa que, primeiramente, deve prevalecer a jurisdição nacional, sendo a Corte subsidiária (art. 17). O projeto deve desenvolver-se em duas etapas: na primeira, cada país apresentou, para este Seminário, seu informe nacional, analisando: 1) em que medida as formas de comportamento criminalizadas no Estatuto de Roma e no Direito Internacional Consuetudinário (genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra) são puníveis; 2) quais são os crimes perseguidos; 3) quais são os elementos de conexão aplicáveis (princípio da territorialidade, etc); 4) quais são as causas de justificação aplicáveis no Direito Penal interno (legítima defesa, obediência devida, etc.); 5) o que dispõem as regras especiais, tais como imunidades, prescrição e competência; 6) em que medida a persecução penal interna dos crimes internacionais é efetiva; 7) em que * 2ª Vice-Presidente do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais IBCCRIM; advogada e professora doutora de direito processual penal da Universidade de São Paulo, Brasil. 1

2 medida o país desenvolve uma reforma penal nacional para a implementação do Estatuto. A segunda etapa consistirá em análise comparativa dos informes. Em seguida, o Prof. Dr. Kai Ambos, do Instituto Max-Planck e da Universidade de Göttingen, introduziu o tema Obrigação e modelos de implementação do Estatuto de Roma. Como regra, o Estatuto não obriga os Estados-Partes a implementar suas disposições. A exceção vem prevista no art. 70, inciso 4.a: os crimes contra a Administração da Justiça devem ser objeto da legislação interna da cada país. O Estatuto pressupõe, porém, a colaboração dos Estados, nos moldes do estabelecido no art. 87. A implementação do Estatuto faz-se porém necessária para que a persecução penal dos crimes internacionais se dê de maneira eficaz, daí decorrendo que cada Estado deve legislar internamente sobre a matéria. Embora os países participantes do Projeto sejam signatários de instrumentos internacionais de proteção de direitos humanos, as reformas se fazem necessárias em face do princípio nullum crimen sine lege, sendo imprescindível tipificar as condutas dos crimes internacionais (genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra) e suas respectivas penas, para que a persecução penal possa ser realizada no âmbito de cada Estado-Parte. Vários e conhecidos são os problemas a serem enfrentados, sobressaindo, dentre outros, a aplicação dos princípios da jurisdição universal, da culpabilidade, da legalidade e da certeza; prisão perpétua; extradição e entrega; imunidade, sem se falar nos acordos bilaterais firmados entre os Estados Unidos da América e o Estado-Parte, que obrigam este último a não entregar os nacionais dos EUA à Corte sem a concordância expressa daquele país 1. Os onze países que se fizeram representar no Seminário apresentaram seus informes e deram notícias sobre a implementação do Estatuto de Roma no direito interno. Chile e México não ratificaram o Estatuto. El Salvador sequer subscreveu o Estatuto. 1 Discutiu-se no Seminário acerca da validade do acordo bilateral firmado entre os EUA e um Estado-parte que já tenha ratificado o Estatuto, com tal propósito. O entendimento firmado foi no sentido de que, a partir do momento em que o Estado-Parte ratifique o Estatuto, não é mais possível firmar o acordo, sem que reste violado o dever de cooperação imposto no art. 96. A invocação do art. 98 só será possível se o tratado for anterior à ratificação. Por esse motivo, a Resolução de julho de 2002, das Nações Unidas, que concede imunidade aos soldados americanos pelo prazo de um ano, deslegitima todo o sistema internacional. 2

3 Entendeu-se, no Chile, que a ratificação do Estatuto requer uma reforma constitucional. Os únicos crimes que existem na ordem interna são certos crimes de guerra. A Lei Penal Militar, de 1926, constitui um completo direito penal especial, mas antiquado: fala em estado de guerra, mas não diz se guerra externa ou interna. Não há descrição típica para genocídio e crimes contra a humanidade. Já, o México tem um duplo discurso sobre o Tribunal Penal Internacional. O país tem um compromisso com os direitos humanos, mas não tomou as medidas necessárias para ser Estado-Parte, sob o argumento de que isto reduziria as garantias hoje existentes na Constituição (entrega de nacionais ao Tribunal; pena perpétua, por exemplo). É certo que em 7 de setembro de 2000 firmou ad referendum o Estatuto, mas isto significa que a posterior ratificação fica submetida ao Senado da República. Entendeu-se que o art. 21 da Constituição necessitava ser mudado, mas até hoje o Estatuto não foi ratificado, desconhecendo-se que, de acordo com o art. 120 do Estatuto, não é possível fazer reservas, exceção feita à prevista no art. 124 (crimes de guerra). El Salvador não subscreveu o Estatuto devido a problemas constitucionais. Entende-se que há incompatibilidade com a Constituição do país, no tocante à prisão perpétua, que seria considerada tratamento degradante. Há forte influência dos Estados Unidos da América, existindo um vazio no que diz respeito à persecução nacional de crimes internacionais. Existe a tipificação do crime de genocídio, mas não com as características do standard internacional, sendo a pena similar à do delito de sequestro. Também não há crimes contra a humanidade previstos no direito interno. O país subscreveu a Convenção sobre Apartheid, mas não existe qualquer tipo penal autônomo no direito interno. Há crimes de guerra previstos. A reforma do Código Penal de 1998 incorporou delitos contra a humanidade (tortura, desaparecimento forçado, incluindo forma culposa), punidos com 3 a 6 anos de prisão e inabilitação para função pública, mas não há no Código de Processo Penal procedimento específico para crimes internacionais. Não há qualquer projeto e nem se discute a subscrição do Estatuto de Roma. O Uruguai ratificou o Estatuto e em 17 de janeiro deste ano o Poder Executivo enviou ao Legislativo projeto contendo normas de implementação ao Estatuto, estabelecendo penas de 2 a 30 anos de prisão para os crimes internacionais. Dentre as críticas feita ao projeto sobreleva a de que ele remete ao Estatuto de forma única e genérica, sem possibilidade de introduzir melhoras, como, por exemplo, 3

4 a que prevê, no art. 8, b, xxvi, ser crime de guerra o recrutamento de menores de 15 anos nas forças armadas nacionais, enquanto que o Uruguai ratificou instrumentos internacionais que garantem proteção até os 18 anos. O Código Penal uruguaio em vigor não contempla nenhuma figura sobre genocídio, embora aquele país tenha ratificado a Convenção sobre Genocídio. Não possui, também, normas penais que permitem a persecução de crimes de lesa humanidade. Há problemas para a aplicação automática do Estatuto, embora o Uruguai tenha ratificado os tratados sobre tortura e desaparição forçada e as Convenções de Genebra, porque não há pena estabelecida. Em síntese, o Uruguai não tem nenhuma disposição legal que o ampare em alguma denúncia de crimes internacionais. O Código Penal da Venezuela contempla os tipos penais de escravidão, tortura e desaparição forçada, embora com conotação diversa da prevista no Estatuto de Roma. Há projeto de reforma do Código Penal, para adaptá-lo às normas do Tribunal Penal Internacional, mas não há vontade política para mudar a Parte Geral. A reforma penal faz-se necessária para incluir a tipologia prevista no Estatuto de Roma. A Argentina participou do processo de elaboração do Estatuto de Roma, mas ainda não o implementou, fazendo-se necessária reforma no direito interno. Embora os tratados internacionais se incorporem automaticamente no direito interno, não existem normas penais que tipifiquem os crimes internacionais, valendo-se o direito interno dos tipos de direito penal clássico. Não há sanções previstas para crimes internacionais, portanto há impedimento para a sua aplicação. É que, embora as normas internacionais que digam respeito aos direitos fundamentais prevaleçam sobre as normas constitucionais, o princípio nullum crimen é de aplicação estrita, inclusive para os crimes internacionais. Portanto, não há nas leis argentinas, crimes internacionais, exceto algumas condutas tipificadas no Código Penal Militar. Há um projeto que prevê vários crimes internacionais, nos moldes feitos pela Alemanha, ou seja, a implementação deve se dar por um lei especial. A Bolívia ratificou o Estatuto, mas não houve um debate político para a sua implementação. Existe anteprojeto que tipifica a desaparição forçada, porém em outro contexto do que o do Estatuto. A última reforma do Código Penal, em 1997, não tipificou a figura da desaparição forçada, não obstante a Bolívia já tivesse ratificado instrumentos internacionais sobre tal conduta. O genocídio, por seu turno, é tipificado no Código Penal. 4

5 A Costa Rica introduziu em seu Código Penal, no ano 2002, duas figuras: crimes contra a humanidade e crimes de guerra. Contempla os crimes de genocídio; lesa humanidade; escravidão e guerra. O crime de agressão não existe, mas há a figura de atos hostis. Adota o princípio da justiça universal em relação aos direitos humanos e o ne bis in idem. O Brasil ratificou o Estatuto de Roma em 2002, sendo certo que, antes mesmo da ratificação, no ano 2001, o Ministro da Justiça constituiu uma Comissão de juristas para apresentar anteprojeto de lei, que define o crime de genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra e dispõe sobre a cooperação com o Tribunal Penal Internacional. A Comissão apresentou, em outubro de 2002, texto que se acha em fase de colheita de sugestões, com vistas à elaboração do texto definitivo, que deverá ser apresentado pelo Poder Executivo ao Congresso Nacional. O Brasil tem tipificados, no direito interno, os crimes de genocídio e tortura, além de alguns crimes de guerra, estes últimos previstos no Código Penal Militar. Mas todas as condutas são previstas como crimes individuais e não no contexto do Estatuto de Roma. O Peru ratificou o Estatuto em 16 de setembro de 2001, após influência exercida pela Anistia Internacional, pela Cruz Vermelha e por organizações não-governamentais. De início se entendeu que a ratificação poderia trazer perigo para o Governo Fujimori, devido às violações de direitos humanos no Peru. Há anteprojeto de lei para alterar a Constituição, relativamente à imprescritibilidade; à impossibilidade de anistia e indulto, entrega e prisão perpétua. Faz-se necessário também efetuar reforma do Código Penal para adequá-lo ao Estatuto, já que não é possível adotar-se imediatamente os tratados internacionais em matéria criminal, ainda que se trate de normas de direitos humanos. No direito interno há o tipo penal de genocídio, introduzido em 1991, mas com déficit de certeza, porque não se conceitua o que seja grupo social, previsto no tipo penal. Há também algumas formas de crimes contra a humanidade (tortura, desaparição forçada e algumas formas de discriminação), crimes de guerra e crime de agressão. O Código de Justiça Militar é a base para aplicação dos crimes de caráter internacional e crimes de guerra. Reforma efetuada em 2002 neste diploma legal passou a tipificar crimes relevantes, previstos no Estatuto de Roma. O princípio básico para a persecução penal é o da territorialidade. O princípio da jurisdição universal subsidiária ao direito penal interno não é expresso na lei peruana, mas deve ser adotado por razões teóricas. O direito peruano não prevê a imprescritibilidade dos crimes, 5

6 e no tocante à prisão perpétua, lei que entrou em vigor neste último mês prevê a possibilidade de revisão após 35 anos de seu cumprimento. Finalmente, a Colômbia também ratificou o Estatuto, autorizada por ato legislativo. No direito interno, os crimes de genocídio e crimes contra a humanidade estão previstos no Código Penal, dispondo o art. 2º deste Estatuto que as normas de direitos humanos previstas na Constituição e nos tratados fazem parte do Código. O genocídio político é regulado no Código Penal, mas tem-se por inconstitucional, porque fala na destruição de grupo que atue dentro do marco da lei, o que tornaria permitido o genocídio praticado contra grupos fora da lei. O Governo colombiano invocou o art. 124 do Estatuto para dizer que, nos próximos sete anos não perseguirá crimes de guerra, tendo em vista, sob sua ótica, que a relação entre o Estatuto e a paz não está muito clara, havendo, nesse período, a possibilidade de novas negociações com a guerrilha em busca de processo de paz, aplicando-se inclusive os institutos da anistia e indulto. O Seminário contou também com exposições sobre temas particulares, a saber: i) a tipificação dos crimes internacionais, com especial referência à legislação espanhola foi abordada pela Prof. Dra. Alicia Gil Gil, da UNED, Madrid. Sobre os crimes contra a humanidade, importa ressaltar quais os bens jurídicos protegidos pelo Direito Internacional. Para a tipificação das condutas previstas no art. 7º, é necessário que o ataque seja generalizado ou sistemático (a interpretação é disjuntiva) e que o agente aja com dolo, não sendo necessário, sob a ótica da professora, que ele tenha conhecimento de todos os detalhes da operação, admitindo, assim, o dolo eventual, não obstante haja posicionamentos contrários de doutrinadores alemães e austríacos, no sentido de que o dolo deve ser específico; ii) no que diz respeito ao crime de genocídio, salientou que o art. 6º do Estatuto não pretende castigar fatos cometidos por motivos racistas, mas proteger a existência de determinado grupo estável. Os atos enumerados naquele dispositivo devem ser praticados com a intenção de destruir grupo nacional, étnico, racial ou religioso, enquanto tal, sendo indiferente o móvil do delito. Perfecciona-se com a consumação antecipada (fora do tipo objetivo), podendo haver destruição de parte do grupo. Admite-se a consumação formal a partir da primeira morte do grupo cometida com a intenção de destrui-lo. A morte do líder do grupo não é necessária para a consumação. A prática do crime de genocídio deveria possibilitar a punição do agente em concurso de delitos com crimes contra a humanidade. Há um 6

7 concurso ideal de crimes em relação ao genocídio e um concurso real de delitos (genocídio e crime contra a humanidade), pois há a violação de bens jurídicos individuais e supra individuais. ii) Aut dedere aut judicare : A prática Argentina foi o tema abordado pelo Juiz da Câmara Federal de La Plata Dr. Leopoldo Schiffrin. A dilema sobre entregar ou julgar; entregar ou castigar já era posto por Grocius, que dizia que o Direito Penal é o direito de todos os indivíduos a tomar satisfação de toda violação à sua pessoa por outras pessoas. Assim, se o Estado onde a pessoa está refugiada não o extradita, deveria ser obrigado a julgá-lo de acordo com suas leis. Mas há a consideração de que é melhor julgar o agente onde os fatos foram ocorridos. A Argentina não quer que seus nacionais sejam entregues à justiça internacional, passando a entender que, a partir de cartas rogatórias internacionais, deveria abrir ou reabrir as investigações no direito interno. A jurisdição universal é plenamente admitida pela jurisprudência, estabelecendo a Constituição Federal que a lei dirá qual Tribunal julgará crimes internacionais ( ius gentium ). iii) A imprescritibilidade em Direito Penal Internacional foi tema exposto e debatido por Ruth Kok, da Universidade de Amsterdam. Expôs as diferenças entre prescrição em crimes comuns e crimes internacionais. A impossibilidade de efetiva persecução em nível nacional; os interesses comuns de Estados e a extrema gravidade dos crimes são fatores importantes para o estabelecimento de critérios diversos. Se o conhecimento da verdade e o julgamento do passado é importante, deve-se indagar o porquê se invoca a prescrição. Há vários argumentos que a legitimam, como o esquecimento, a diminuição da necessidade de expiação, conforme o tempo passa; a maior dificuldade de obtenção da verdade. Mas em nível internacional, há vários instrumentos que declaram imprescritíveis os crimes internacionais, dentre eles o art. 29 do Estatuto de Roma, devendo ser indagado a partir de quando se deve considerar imprescritíveis os crimes no Direito Internacional Costumeiro: desde 1968, 1998 ou 1º de julho de A expositora defendeu, em posição que admitiu ser conservadora, a imprescritibilidade a partir da 1º de julho de 2002, quando se deu o início da vigência do Estatuto de Roma. iv) A adaptação do direito penal nacional com motivo da implementação do Estatuto de Roma. Considerações provisórias no exemplo da desaparição forçada de pessoas foi o tema exposto por Christoph Grammer, do Instituto Max-Planck. Analisou os elementos da desaparição forçada e as indagações 7

8 sobre a existência de obrigação internacional de castigar penalmente tal conduta, e se é necessário um tipo penal independente. Deve-se entender por desaparição forçada a privação de liberdade (ações contra o desaparecido); ocultamento da privação de liberdade, tais como denegação de informação, impedimento de busca (ações contra terceiros); e a participação estatal, direta ou indireta, com intenção de suspender a proteção legal do desaparecido. Quanto à obrigação internacional, o interesse é próprio dos Estados em relação ao Estatuto de Roma, já que vige o princípio da complementariedade; mas a obrigação de castigar penalmente, sem exceção, é universal que deriva das fontes gerais do Direito Internacional, sendo de se realçar que tal obrigação, para os países da América Latina, resulta da Convenção Interamericana. Sobre a indagação de ser necessário um tipo penal independente, é de se verificar quais os bens jurídicos afetados pela desaparição forçada: lesão da liberdade e a colocação em perigo total. O resultado final, frequentemente, é o sumiço do desaparecido. Isto significa violação múltipla e continuada dos direitos postos na Convenção. A participação do Poder estatal específico e o ocultamento sistemático afetam bens jurídicos em três níveis: a) do desaparecido; b) dos parentes e outras pessoas próximas (a desaparição gera frustração, impotência, sofrimento e insegurança) e c) de bens coletivos (a impunidade afeta a segurança pública e Estado de Direito, já que gera medo e temor à sociedade, que deixa o indivíduo sem nenhuma proteção). Portanto, tem-se um injusto sistemático, que supera a soma dos bens individualmente considerados. A persecução penal, neste crime, até agora é limitada ao primeiro nível: só se perseguem os crimes que levem à privação da liberdade do desaparecido. O segundo e o terceiro nível não são levados em conta para a tipicidade, o que justifica a necessidade de um tipo penal independente, para que se castigue o injusto sistemático. Efetuou, finalmente, a interpretação do tipo dentro do Estatuto de Roma (art. 7º). O Seminário foi concluído pelo Prof. Dr. mult. h.c. Albin Eser, que enfatizou ter o debate atingido sua finalidade, isto é, discutir a persecução nacional dos crimes internacionais e o que cada país pode fazer para persegui-los, uma vez que a responsabilidade é do direito interno, possuindo o Estatuto caráter subsidiário. O importante é que cada país modifique sua legislação para estar em condições de perseguir tais crimes. Salientou, outrossim, que o Estatuto de Roma é um passo muito importante para o estabelecimento de um equilíbrio entre os direitos das vítimas e do imputado. De um lado, a luta contra crimes internacionais objetiva conseguir o fortalecimento dos direitos humanos e do papel das vítimas; e de outro, os direitos 8

9 humanos do imputado perante a Corte também devem ser preservados (devido processo legal). A Fundação Konrad Adenauer, que organizou o evento junto com o Instituto Max-Planck, fará publicar na íntegra, ainda este ano, os relatórios dos informes nacionais e, tendo em vista a importância do tema, o grupo de trabalho, criado informalmente e integrado por representantes dos onze países presentes ao evento, deverá provavelmente se reunir em São Paulo, Brasil, no próximo ano, para dar continuidade à discussão de temas relacionados à persecução de crimes internacionais e à implementação do Estatuto de Roma na América Latina. 9

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO *

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * Aprovada e proposta para assinatura e ratificação ou adesão pela resolução 260 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de Dezembro

Leia mais

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito Internacional Penal Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Conclusão e assinatura: Nova Iorque EUA, 09 de dezembro de

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

AG/RES. 2577 (XL-O/10) PROMOÇÃO DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL 1/2/ (Aprovada na quarta sessão plenária, realizada em 8 de junho de 2010)

AG/RES. 2577 (XL-O/10) PROMOÇÃO DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL 1/2/ (Aprovada na quarta sessão plenária, realizada em 8 de junho de 2010) AG/RES. 2577 (XL-O/10) PROMOÇÃO DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL 1/2/ (Aprovada na quarta sessão plenária, realizada em 8 de junho de 2010) A ASSEMBLÉIA GERAL, RECORDANDO as resoluções AG/RES. 1619 (XXIX-O/99),

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo

Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo Professor: Almiro de Sena Soares Filho 1. Introdução A declaração de direitos humanos da Organização das Nações Unidas de 1948 significou um divisor de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012 RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS TEORIA 38 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Ricardo S. Pereira Organização e Diagramação: Mariane dos Reis 1ª

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO Os Estados Partes nesta Convenção, Tendo presente os propósitos e princípios da Carta da Organização dos Estados Americanos e da Carta das Nações Unidas; Considerando

Leia mais

Os limites da soberania do Estado e a efetividade dos Direitos Humanos

Os limites da soberania do Estado e a efetividade dos Direitos Humanos Os limites da soberania do Estado e a efetividade dos Direitos Humanos Érika Maria Rodrigues de Castro Faculdade Direito CCHSA erikamrcastro@hotmail.com Resumo: O presente resumo tem por objetivo principal

Leia mais

AG/RES. 2293 (XXXVII-0/07) PROMOÇÃO E RESPEITO DO DIREITO INTERNACIONAL HUMANITÁRIO

AG/RES. 2293 (XXXVII-0/07) PROMOÇÃO E RESPEITO DO DIREITO INTERNACIONAL HUMANITÁRIO AG/RES. 2293 (XXXVII-0/07) PROMOÇÃO E RESPEITO DO DIREITO INTERNACIONAL HUMANITÁRIO (Aprovada na quarta sessão plenária, realizada em 5 de junho de 2007) A ASSEMBLÉIA GERAL, RECORDANDO as resoluções AG/RES.

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22 Proteção Internacional de Direitos Humanos Coordenação: Profa. Dra. Cristina Figueiredo Terezo Resumo O pioneiro projeto de extensão visa capacitar os discentes para acionar a jurisdição do Sistema Interamericano

Leia mais

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes)

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) Dispõe sobre o conceito de trabalho análogo ao de escravo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Para fins desta Lei, a expressão "condição análoga à

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Internacional Professor Diego Machado Data: 06/09/2009. 1.

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Internacional Professor Diego Machado Data: 06/09/2009. 1. TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 1: Nacionalidade, Estrangeiro 1. Nacionalidade É um direito fundamental, é um Direito Humano que tem a previsão na previsão na Declaração de Direitos Humanos de 48, portanto,

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas.

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA IMPEACHMENT Fernando França Caron Especialista em Direito Constitucional pela Faculdade Damásio de Jesus Docente do Curso de Direito da UNILAGO RESUMO A Constituição Federal de

Leia mais

MATERIAL DE APOIO. Prof. Márcio Luís de Oliveira Direito Constitucional, Direito Internacional e Direito Eleitoral TEMA: TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL

MATERIAL DE APOIO. Prof. Márcio Luís de Oliveira Direito Constitucional, Direito Internacional e Direito Eleitoral TEMA: TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL MATERIAL DE APOIO 1. Material do Professor: Tribunal Penal Internacional Prof. Márcio Luís de Oliveira Direito Constitucional, Direito Internacional e Direito Eleitoral TEMA: TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Concurso Delegado de Polícia Federal 2012 Prof. Leopoldo Canal Leopoldo Canal, advogado, assessor e procurador do consulado da República da Guiné no Rio de Janeiro, diretor

Leia mais

Exploremos o Direito Humanitário

Exploremos o Direito Humanitário Exploremos o Direito Humanitário www.cicr.org pág. 1 de 9 Muitos termos e expressões são usadas em Exploremos o Direito Humanitário no seu sentido especializado. Por exemplo, o sentido em que se usa ato

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

Territorial! Asilo lato sensu (perseguição que impede continuar onde reside)! Asilo político! Diplomático!

Territorial! Asilo lato sensu (perseguição que impede continuar onde reside)! Asilo político! Diplomático! Territorial! Asilo lato sensu (perseguição que impede continuar onde reside)! Asilo político! Refúgio! Diplomático! Militar! Asilo e Refúgio: semelhanças, diferenças e perspectivas André de Carvalho Ramos

Leia mais

Crimes Contra Humanidade nas Américas: Uma dívida pendente de reparação

Crimes Contra Humanidade nas Américas: Uma dívida pendente de reparação 1 Crimes Contra Humanidade nas Américas: Uma dívida pendente de reparação Rui Aurélio de Lacerda Badaró 1 Rei Creonte: E te atreveste a desobedecer às leis? Antígona: Mas Zeus não foi o arauto delas para

Leia mais

CONCURSO DE DESENHO DE CARTAZ COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS

CONCURSO DE DESENHO DE CARTAZ COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS CONCURSO DE DESENHO DE CARTAZ COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS REGRAS DO CONCURSO COM AS MODIFICAÇÕES REALIZADAS EM MAIO DE 2009 1. Objeto do Concurso Em abril

Leia mais

ESTRUTURA JURÍDICA DA EXTRADIÇÃO NO PERU

ESTRUTURA JURÍDICA DA EXTRADIÇÃO NO PERU ESTRUTURA JURÍDICA DA EXTRADIÇÃO NO PERU Doutor Alberto Huapaya Olivares Estrutura constitucional A Constituição oferece-nos um quadro específico com disposições que regulamentam diretamente essa instituição

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015)

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) Acrescenta inciso V ao art. 3º da Lei 9.474, de 22 de agosto de 1997, e inciso VI e parágrafo único ao art. 7º da Lei nº 6.815,

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

Lei de introdução ao Código Penal internacional 1. de 26 de junho 2002

Lei de introdução ao Código Penal internacional 1. de 26 de junho 2002 Lei de introdução ao Código Penal internacional 1 de 26 de junho 2002 O Parlamento Federal aprovou a seguinte lei: Artigo 1 Código Penal internacional (VStGB) Parte 1 Regras gerais 1 Âmbito de aplicação

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista 1 SUMÁRIO DEDICATÓRIAS E AGRADECIMENTOS 02 CARTA DE APRESENTAÇÃO 03 O QUE SERIA O SOFRIMENTO FÍSICO? 04 E O SOFRIMENTO MENTAL? 04 TORTURA-PROVA 05 TORTURA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 220 /2008 - WG PROCESSO MPF Nº 1.00.000.006569/2008-99 ORIGEM: 1ª VARA FEDERAL DE CAMPINAS/SP RELATOR: WAGNER GONÇALVES EMENTA PEÇAS

Leia mais

Questão 1. Sobre os diversos âmbitos do Direito Internacional, assinale a alternativa verdadeira:

Questão 1. Sobre os diversos âmbitos do Direito Internacional, assinale a alternativa verdadeira: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre os diversos âmbitos do Direito Internacional, assinale a alternativa verdadeira: a) O Direito Internacional Público

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO JURÍDICA EM MATÉRIA PENAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A CONFEDERAÇÃO SUÍÇA

TRATADO DE COOPERAÇÃO JURÍDICA EM MATÉRIA PENAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A CONFEDERAÇÃO SUÍÇA TRATADO DE COOPERAÇÃO JURÍDICA EM MATÉRIA PENAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A CONFEDERAÇÃO SUÍÇA A República Federativa do Brasil e A Confederação Suíça (doravante denominados Estados Contratantes),

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

CASOS PRÁTICOS DA COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL EM MATÉRIA PENAL TIAGO SANTOS FARIAS

CASOS PRÁTICOS DA COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL EM MATÉRIA PENAL TIAGO SANTOS FARIAS CASOS PRÁTICOS DA COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL EM MATÉRIA PENAL TIAGO SANTOS FARIAS BASE NORMATIVA DA COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL TRATADOS BILATERAIS E MULTILATERAIS RECIPROCIDADE DIREITO INTERNO

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I

TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I Recordando as conclusões e recomendações adotadas pelo Colóquio realizado no México sobre Asilo

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 199. A assistência à saúde é livre à iniciativa privada. 1º As instituições

Leia mais

Informação de referência. Mortes violentas de mulheres por razões de gênero (femicidio/feminicídio)

Informação de referência. Mortes violentas de mulheres por razões de gênero (femicidio/feminicídio) Informação de referência Mortes violentas de mulheres por razões de gênero (femicidio/feminicídio) Conceito de femicidio/feminicídios A expressão femicidio foi cunhada nos anos 1970 por Diana Russell para

Leia mais

1.2. Ratificação da Convenção: Decreto Legislativo nº 152/2002, de 25 de junho de 2002.

1.2. Ratificação da Convenção: Decreto Legislativo nº 152/2002, de 25 de junho de 2002. Relatório Terceira Reunião da Comissão de Peritos do Mecanismo de Seguimento da Convenção Interamericana Contra a Corrupção, realizado em Washington D.C., de 10 a 13 de fevereiro de 2003. 1. Questões formais

Leia mais

DIREITO PENAL MILITAR

DIREITO PENAL MILITAR DIREITO PENAL MILITAR Objetivos: Definir direito penal e direito penal militar; Distinguir direito penal militar das demais denominações do direito e dos demais direitos e ciências afins; Distinguir lei

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador ANTONIO ANASTASIA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador ANTONIO ANASTASIA PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 237, de 2013, que define crime conexo, para fins do disposto no art. 1º, 1º, da Lei nº 6.683,

Leia mais

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990.

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990. A NOVA DISCIPLINA DA PROGRESSÃO DE REGIME TRAZIDA PELA LEI Nº 11.464/07. MAURICIO MAGNUS FERREIRA JUIZ DE DIREITO DO TJ/RJ No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação

Leia mais

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia.

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia. Justiça Militar estadual e Justiça de Transição Justiça Militar no Império Conselho Supremo Militar e de Justiça Decreto de 1º de abril de 1808. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas

Leia mais

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA Em nome de seus Povos, os Governos representados naconferência Interamericana para a Manutenção da Paz e da Segurança no Continente, animados pelo desejo

Leia mais

Primeiras impressões sobre o feminicídio Lei nº 13.104/2015. César Dario Mariano da Silva Promotor de Justiça SP

Primeiras impressões sobre o feminicídio Lei nº 13.104/2015. César Dario Mariano da Silva Promotor de Justiça SP Primeiras impressões sobre o feminicídio Lei nº 13.104/2015. César Dario Mariano da Silva Promotor de Justiça SP A Lei nº 13.104, de 09 de março de 2015 criou em nossa legislação a figura do feminicídio,

Leia mais

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014;

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Projeto de resolução da Seção IV Preâmbulo: Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Baseados no

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.007, DE 8 DE MARÇO DE 2004. Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança referente à venda

Leia mais

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO E NO

Leia mais

Prova: PC-SP - 2011 - PC-SP - Delegado de Polícia Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura;

Prova: PC-SP - 2011 - PC-SP - Delegado de Polícia Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura; Prova: FGV - 2012 - OAB - Exame de Ordem Unificado - IX - Primeira Fase Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura; Com relação à Convenção Interamericana

Leia mais

CASO AVENA E OUTROS NACIONAIS MEXICANOS (MEXICO v. UNITED STATES OF AMERICA) Professor Fabrício Pasquot Polido

CASO AVENA E OUTROS NACIONAIS MEXICANOS (MEXICO v. UNITED STATES OF AMERICA) Professor Fabrício Pasquot Polido CASO AVENA E OUTROS NACIONAIS MEXICANOS (MEXICO v. UNITED STATES OF AMERICA) Professor Fabrício Pasquot Polido Fatos do caso 1. Em 09 de janeiro de 2003 o Governo do México iniciou procedimento contencioso

Leia mais

Estupro de vulnerável consentido: uma absolvição polêmica

Estupro de vulnerável consentido: uma absolvição polêmica Estupro de vulnerável consentido: uma absolvição polêmica Plínio Gentil 1 Introdução Recente decisão da 7ª Câmara do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, absolvendo réu acusado de praticar estupro

Leia mais

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO Significado: Terminar, acabar. Importância: Termo inicial da prescrição e na competência territorial (não esquecer da teria da ubiqüidade quanto ao

Leia mais

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV Proposta de Recomendações GT dos Trabalhadores da CNV DOS CRIMES CONTRA A HUMANIDADE 1. Reconhecer e acatar as normas do direito internacional sobre crimes contra a humanidade. Ratificação da Convenção

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO Os Governos dos Estados Membros da Organização dos Estados Americanos, desejosos de estabelecer uma Convenção sobre Asilo Diplomático, convieram nos seguintes artigos:

Leia mais

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: LEI DOS CRIMES HEDIONDOS Dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal, e determina outras

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

Direitos Humanos na Administração da Justiça

Direitos Humanos na Administração da Justiça Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos em cooperação com a International Bar Association Direitos Humanos na Administração da Justiça Série de Formação Profissional n. o 09 MANUAL

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41

Sumário. Lista de abreviaturas 25. Apresentação 31. Introdução 35. 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 Sumário Lista de abreviaturas 25 Apresentação 31 Introdução 35 1. Origens e precedentes históricos do instituto. A legislação comparada 41 1.1. Do surgimento do Instituto 41 1.2. O Instituto na legislação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

[Aguarda cumprimento de procedimentos legais para a entrada em vigor.]

[Aguarda cumprimento de procedimentos legais para a entrada em vigor.] [Aguarda cumprimento de procedimentos legais para a entrada em vigor.] TRATADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DO SURINAME SOBRE ASSISTÊNCIA JURÍDICA MÚTUA EM

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94):

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94): Thiago d Ávila Membro da Advocacia-Geral da União. Procurador Federal. Procurador do INCRA em Natal/RN. Ex-Procurador do INSS. Ex-Procurador do Órgão de Arrecadação da Procuradoria-Geral Federal. Dedica-se

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres 01- A prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes, o terrorismo e os crimes definidos como hediondos podem ser imputados, com

Leia mais

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 DUDH Artigo 5º Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante. ART. 5º DA CF Inciso III Ninguém será submetido à tortura nem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.310, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2006. (Do Sr. Ivo José) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N O, DE 2006. (Do Sr. Ivo José) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N O, DE 2006 (Do Sr. Ivo José) Regulamenta o inciso LI do Art. 5º da Constituição Federal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 o Esta lei regulamenta o inciso LI do Art. 5º da Constituição

Leia mais

EFICÁCIA DA LEI PENAL NO ESPAÇO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

EFICÁCIA DA LEI PENAL NO ESPAÇO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES EFICÁCIA DA LEI PENAL NO ESPAÇO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 INTRODUÇÃO Sabendo que um fato punível pode, eventualmente, atingir os interesses de 2 ou mais Estados soberanos (percorrer mais de um país),

Leia mais

LEI ANTIDISCRIMINAÇÃO

LEI ANTIDISCRIMINAÇÃO MODULAR AVANÇADO Disciplina: Legislação Penal Especial Tema: Racismo e Estatuto do Idoso. Profa.: Patrícia Vanzolini Data: 30 e 31/05/2007 LEI ANTIDISCRIMINAÇÃO 7716/89 INTRODUÇÃO 1) HISTÓRICO LEGISLATIVO

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 07 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a vida; ; Homicídio simples Art. 121 CP. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ DIREITO PROCESSUAL PENAL Professor Armando Antonio Sobreiro Neto

FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ DIREITO PROCESSUAL PENAL Professor Armando Antonio Sobreiro Neto DIREITO PENAL MILITAR NOÇÕES PREAMBULARES Conformação Constitucional: Lei Federal nº 6.880-09.12.80 - Estatuto dos Militares: Art. 14 - A hierarquia e a disciplina são a base institucional das Forças Armadas.

Leia mais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais Capítulo II Princípios penais e político-criminais Sumário 1. Princípio da legalidade penal: 1.1. Previsão; 1.2. Origem; 1.3. Denominação e alcance; 1.4. Funções 2. Princípio da fragmentariedade 3. Princípio

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Asilo político! Territorial! Diplomático! Militar!

Asilo político! Territorial! Diplomático! Militar! Asilo lato sensu (perseguição que impede continuar onde reside)! Asilo político! Refúgio! Territorial! Diplomático! Militar! Asilo em sentido amplo! Do sentido antigo e medieval: defesa de criminosos comuns,

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO Professor Márcio Widal 1. Introdução. A perseguição do crime pelo Estado não pode ser ilimitada no tempo, por força, inclusive, da garantia da presunção de inocência. Além disso, o Estado deve

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

Capítulo I - Dos Direitos e deveres individuais e coletivos (art. 5º) Diferenciação entre Direitos, Garantias e Remédios Constitucionais.

Capítulo I - Dos Direitos e deveres individuais e coletivos (art. 5º) Diferenciação entre Direitos, Garantias e Remédios Constitucionais. Diferenciação entre Direitos, Garantias e Remédios Constitucionais. Direitos: Declarações que limitam a atuação do Estado ou dos cidadãos. Garantias: Blindagem que envolve o Direito, evitando sua violação.

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO 13 Congresso Brasileiro de Direito Ambiental Mesa Redonda IX DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO Presidente: Damásio de Jesus Relator Geral: Eladio Lecey

Leia mais

Estatutos da RIICOTEC

Estatutos da RIICOTEC ESTATUTO DA REDE INTERGOVERNAMENTAL IBEROAMERICANA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS INTEGRAIS PARA AS PESSOAS IDOSAS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA (RIICOTEC) 1 (Com as modificações

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais