BREVES NOTAS SOBRE O SEMINÁRIO INTERNACIONAL PERSECUCIÓN PENAL NACIONAL DE CRÍMENES INTERNACIONALES DESDE UNA PERSPECTIVA COMPARADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BREVES NOTAS SOBRE O SEMINÁRIO INTERNACIONAL PERSECUCIÓN PENAL NACIONAL DE CRÍMENES INTERNACIONALES DESDE UNA PERSPECTIVA COMPARADA"

Transcrição

1 BREVES NOTAS SOBRE O SEMINÁRIO INTERNACIONAL PERSECUCIÓN PENAL NACIONAL DE CRÍMENES INTERNACIONALES DESDE UNA PERSPECTIVA COMPARADA Maria Thereza Rocha de Assis Moura * Realizou-se em Montevideo, nos dias 27 e 28 de fevereiro deste ano, o Seminário Internacional Persecución penal nacional de crímenes internacionales desde uma perspectiva comparada, organizado pelo Instituto Max-Planck para o Direito Penal Estrangeiro e Internacional e pela Fundação Konrad Adenauer Programa Estado de Direito para América do Sul, sob os auspícios da Faculdade de Direito Universidade da República (Uruguai). Onze países da América Latina estiveram representados, a saber: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colombia, Costa Rica, El Salvador, México, Peru e Uruguai. A apresentação do Seminário coube ao Prof. Dr. Dr. mult. h. c. Albin Eser, do Instituto Max-Plank. Salientou que o objetivo do Projeto é incentivar e dar impulso às reformas internas com vistas à implementação do Estatuto de Roma, que foi ratificado, até agora, por 89 países. Lembrou que, de acordo com o contido no parágrafo sexto do Preâmbulo, é dever de cada Estado exercer a respectiva jurisdição penal sobre os responsáveis por crimes internacionais, daí porque o Tribunal Penal Internacional só deve atuar, de acordo com o princípio da complementariedade, quando se frustrar a persecução no Estado-Parte. Isto significa que, primeiramente, deve prevalecer a jurisdição nacional, sendo a Corte subsidiária (art. 17). O projeto deve desenvolver-se em duas etapas: na primeira, cada país apresentou, para este Seminário, seu informe nacional, analisando: 1) em que medida as formas de comportamento criminalizadas no Estatuto de Roma e no Direito Internacional Consuetudinário (genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra) são puníveis; 2) quais são os crimes perseguidos; 3) quais são os elementos de conexão aplicáveis (princípio da territorialidade, etc); 4) quais são as causas de justificação aplicáveis no Direito Penal interno (legítima defesa, obediência devida, etc.); 5) o que dispõem as regras especiais, tais como imunidades, prescrição e competência; 6) em que medida a persecução penal interna dos crimes internacionais é efetiva; 7) em que * 2ª Vice-Presidente do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais IBCCRIM; advogada e professora doutora de direito processual penal da Universidade de São Paulo, Brasil. 1

2 medida o país desenvolve uma reforma penal nacional para a implementação do Estatuto. A segunda etapa consistirá em análise comparativa dos informes. Em seguida, o Prof. Dr. Kai Ambos, do Instituto Max-Planck e da Universidade de Göttingen, introduziu o tema Obrigação e modelos de implementação do Estatuto de Roma. Como regra, o Estatuto não obriga os Estados-Partes a implementar suas disposições. A exceção vem prevista no art. 70, inciso 4.a: os crimes contra a Administração da Justiça devem ser objeto da legislação interna da cada país. O Estatuto pressupõe, porém, a colaboração dos Estados, nos moldes do estabelecido no art. 87. A implementação do Estatuto faz-se porém necessária para que a persecução penal dos crimes internacionais se dê de maneira eficaz, daí decorrendo que cada Estado deve legislar internamente sobre a matéria. Embora os países participantes do Projeto sejam signatários de instrumentos internacionais de proteção de direitos humanos, as reformas se fazem necessárias em face do princípio nullum crimen sine lege, sendo imprescindível tipificar as condutas dos crimes internacionais (genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra) e suas respectivas penas, para que a persecução penal possa ser realizada no âmbito de cada Estado-Parte. Vários e conhecidos são os problemas a serem enfrentados, sobressaindo, dentre outros, a aplicação dos princípios da jurisdição universal, da culpabilidade, da legalidade e da certeza; prisão perpétua; extradição e entrega; imunidade, sem se falar nos acordos bilaterais firmados entre os Estados Unidos da América e o Estado-Parte, que obrigam este último a não entregar os nacionais dos EUA à Corte sem a concordância expressa daquele país 1. Os onze países que se fizeram representar no Seminário apresentaram seus informes e deram notícias sobre a implementação do Estatuto de Roma no direito interno. Chile e México não ratificaram o Estatuto. El Salvador sequer subscreveu o Estatuto. 1 Discutiu-se no Seminário acerca da validade do acordo bilateral firmado entre os EUA e um Estado-parte que já tenha ratificado o Estatuto, com tal propósito. O entendimento firmado foi no sentido de que, a partir do momento em que o Estado-Parte ratifique o Estatuto, não é mais possível firmar o acordo, sem que reste violado o dever de cooperação imposto no art. 96. A invocação do art. 98 só será possível se o tratado for anterior à ratificação. Por esse motivo, a Resolução de julho de 2002, das Nações Unidas, que concede imunidade aos soldados americanos pelo prazo de um ano, deslegitima todo o sistema internacional. 2

3 Entendeu-se, no Chile, que a ratificação do Estatuto requer uma reforma constitucional. Os únicos crimes que existem na ordem interna são certos crimes de guerra. A Lei Penal Militar, de 1926, constitui um completo direito penal especial, mas antiquado: fala em estado de guerra, mas não diz se guerra externa ou interna. Não há descrição típica para genocídio e crimes contra a humanidade. Já, o México tem um duplo discurso sobre o Tribunal Penal Internacional. O país tem um compromisso com os direitos humanos, mas não tomou as medidas necessárias para ser Estado-Parte, sob o argumento de que isto reduziria as garantias hoje existentes na Constituição (entrega de nacionais ao Tribunal; pena perpétua, por exemplo). É certo que em 7 de setembro de 2000 firmou ad referendum o Estatuto, mas isto significa que a posterior ratificação fica submetida ao Senado da República. Entendeu-se que o art. 21 da Constituição necessitava ser mudado, mas até hoje o Estatuto não foi ratificado, desconhecendo-se que, de acordo com o art. 120 do Estatuto, não é possível fazer reservas, exceção feita à prevista no art. 124 (crimes de guerra). El Salvador não subscreveu o Estatuto devido a problemas constitucionais. Entende-se que há incompatibilidade com a Constituição do país, no tocante à prisão perpétua, que seria considerada tratamento degradante. Há forte influência dos Estados Unidos da América, existindo um vazio no que diz respeito à persecução nacional de crimes internacionais. Existe a tipificação do crime de genocídio, mas não com as características do standard internacional, sendo a pena similar à do delito de sequestro. Também não há crimes contra a humanidade previstos no direito interno. O país subscreveu a Convenção sobre Apartheid, mas não existe qualquer tipo penal autônomo no direito interno. Há crimes de guerra previstos. A reforma do Código Penal de 1998 incorporou delitos contra a humanidade (tortura, desaparecimento forçado, incluindo forma culposa), punidos com 3 a 6 anos de prisão e inabilitação para função pública, mas não há no Código de Processo Penal procedimento específico para crimes internacionais. Não há qualquer projeto e nem se discute a subscrição do Estatuto de Roma. O Uruguai ratificou o Estatuto e em 17 de janeiro deste ano o Poder Executivo enviou ao Legislativo projeto contendo normas de implementação ao Estatuto, estabelecendo penas de 2 a 30 anos de prisão para os crimes internacionais. Dentre as críticas feita ao projeto sobreleva a de que ele remete ao Estatuto de forma única e genérica, sem possibilidade de introduzir melhoras, como, por exemplo, 3

4 a que prevê, no art. 8, b, xxvi, ser crime de guerra o recrutamento de menores de 15 anos nas forças armadas nacionais, enquanto que o Uruguai ratificou instrumentos internacionais que garantem proteção até os 18 anos. O Código Penal uruguaio em vigor não contempla nenhuma figura sobre genocídio, embora aquele país tenha ratificado a Convenção sobre Genocídio. Não possui, também, normas penais que permitem a persecução de crimes de lesa humanidade. Há problemas para a aplicação automática do Estatuto, embora o Uruguai tenha ratificado os tratados sobre tortura e desaparição forçada e as Convenções de Genebra, porque não há pena estabelecida. Em síntese, o Uruguai não tem nenhuma disposição legal que o ampare em alguma denúncia de crimes internacionais. O Código Penal da Venezuela contempla os tipos penais de escravidão, tortura e desaparição forçada, embora com conotação diversa da prevista no Estatuto de Roma. Há projeto de reforma do Código Penal, para adaptá-lo às normas do Tribunal Penal Internacional, mas não há vontade política para mudar a Parte Geral. A reforma penal faz-se necessária para incluir a tipologia prevista no Estatuto de Roma. A Argentina participou do processo de elaboração do Estatuto de Roma, mas ainda não o implementou, fazendo-se necessária reforma no direito interno. Embora os tratados internacionais se incorporem automaticamente no direito interno, não existem normas penais que tipifiquem os crimes internacionais, valendo-se o direito interno dos tipos de direito penal clássico. Não há sanções previstas para crimes internacionais, portanto há impedimento para a sua aplicação. É que, embora as normas internacionais que digam respeito aos direitos fundamentais prevaleçam sobre as normas constitucionais, o princípio nullum crimen é de aplicação estrita, inclusive para os crimes internacionais. Portanto, não há nas leis argentinas, crimes internacionais, exceto algumas condutas tipificadas no Código Penal Militar. Há um projeto que prevê vários crimes internacionais, nos moldes feitos pela Alemanha, ou seja, a implementação deve se dar por um lei especial. A Bolívia ratificou o Estatuto, mas não houve um debate político para a sua implementação. Existe anteprojeto que tipifica a desaparição forçada, porém em outro contexto do que o do Estatuto. A última reforma do Código Penal, em 1997, não tipificou a figura da desaparição forçada, não obstante a Bolívia já tivesse ratificado instrumentos internacionais sobre tal conduta. O genocídio, por seu turno, é tipificado no Código Penal. 4

5 A Costa Rica introduziu em seu Código Penal, no ano 2002, duas figuras: crimes contra a humanidade e crimes de guerra. Contempla os crimes de genocídio; lesa humanidade; escravidão e guerra. O crime de agressão não existe, mas há a figura de atos hostis. Adota o princípio da justiça universal em relação aos direitos humanos e o ne bis in idem. O Brasil ratificou o Estatuto de Roma em 2002, sendo certo que, antes mesmo da ratificação, no ano 2001, o Ministro da Justiça constituiu uma Comissão de juristas para apresentar anteprojeto de lei, que define o crime de genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra e dispõe sobre a cooperação com o Tribunal Penal Internacional. A Comissão apresentou, em outubro de 2002, texto que se acha em fase de colheita de sugestões, com vistas à elaboração do texto definitivo, que deverá ser apresentado pelo Poder Executivo ao Congresso Nacional. O Brasil tem tipificados, no direito interno, os crimes de genocídio e tortura, além de alguns crimes de guerra, estes últimos previstos no Código Penal Militar. Mas todas as condutas são previstas como crimes individuais e não no contexto do Estatuto de Roma. O Peru ratificou o Estatuto em 16 de setembro de 2001, após influência exercida pela Anistia Internacional, pela Cruz Vermelha e por organizações não-governamentais. De início se entendeu que a ratificação poderia trazer perigo para o Governo Fujimori, devido às violações de direitos humanos no Peru. Há anteprojeto de lei para alterar a Constituição, relativamente à imprescritibilidade; à impossibilidade de anistia e indulto, entrega e prisão perpétua. Faz-se necessário também efetuar reforma do Código Penal para adequá-lo ao Estatuto, já que não é possível adotar-se imediatamente os tratados internacionais em matéria criminal, ainda que se trate de normas de direitos humanos. No direito interno há o tipo penal de genocídio, introduzido em 1991, mas com déficit de certeza, porque não se conceitua o que seja grupo social, previsto no tipo penal. Há também algumas formas de crimes contra a humanidade (tortura, desaparição forçada e algumas formas de discriminação), crimes de guerra e crime de agressão. O Código de Justiça Militar é a base para aplicação dos crimes de caráter internacional e crimes de guerra. Reforma efetuada em 2002 neste diploma legal passou a tipificar crimes relevantes, previstos no Estatuto de Roma. O princípio básico para a persecução penal é o da territorialidade. O princípio da jurisdição universal subsidiária ao direito penal interno não é expresso na lei peruana, mas deve ser adotado por razões teóricas. O direito peruano não prevê a imprescritibilidade dos crimes, 5

6 e no tocante à prisão perpétua, lei que entrou em vigor neste último mês prevê a possibilidade de revisão após 35 anos de seu cumprimento. Finalmente, a Colômbia também ratificou o Estatuto, autorizada por ato legislativo. No direito interno, os crimes de genocídio e crimes contra a humanidade estão previstos no Código Penal, dispondo o art. 2º deste Estatuto que as normas de direitos humanos previstas na Constituição e nos tratados fazem parte do Código. O genocídio político é regulado no Código Penal, mas tem-se por inconstitucional, porque fala na destruição de grupo que atue dentro do marco da lei, o que tornaria permitido o genocídio praticado contra grupos fora da lei. O Governo colombiano invocou o art. 124 do Estatuto para dizer que, nos próximos sete anos não perseguirá crimes de guerra, tendo em vista, sob sua ótica, que a relação entre o Estatuto e a paz não está muito clara, havendo, nesse período, a possibilidade de novas negociações com a guerrilha em busca de processo de paz, aplicando-se inclusive os institutos da anistia e indulto. O Seminário contou também com exposições sobre temas particulares, a saber: i) a tipificação dos crimes internacionais, com especial referência à legislação espanhola foi abordada pela Prof. Dra. Alicia Gil Gil, da UNED, Madrid. Sobre os crimes contra a humanidade, importa ressaltar quais os bens jurídicos protegidos pelo Direito Internacional. Para a tipificação das condutas previstas no art. 7º, é necessário que o ataque seja generalizado ou sistemático (a interpretação é disjuntiva) e que o agente aja com dolo, não sendo necessário, sob a ótica da professora, que ele tenha conhecimento de todos os detalhes da operação, admitindo, assim, o dolo eventual, não obstante haja posicionamentos contrários de doutrinadores alemães e austríacos, no sentido de que o dolo deve ser específico; ii) no que diz respeito ao crime de genocídio, salientou que o art. 6º do Estatuto não pretende castigar fatos cometidos por motivos racistas, mas proteger a existência de determinado grupo estável. Os atos enumerados naquele dispositivo devem ser praticados com a intenção de destruir grupo nacional, étnico, racial ou religioso, enquanto tal, sendo indiferente o móvil do delito. Perfecciona-se com a consumação antecipada (fora do tipo objetivo), podendo haver destruição de parte do grupo. Admite-se a consumação formal a partir da primeira morte do grupo cometida com a intenção de destrui-lo. A morte do líder do grupo não é necessária para a consumação. A prática do crime de genocídio deveria possibilitar a punição do agente em concurso de delitos com crimes contra a humanidade. Há um 6

7 concurso ideal de crimes em relação ao genocídio e um concurso real de delitos (genocídio e crime contra a humanidade), pois há a violação de bens jurídicos individuais e supra individuais. ii) Aut dedere aut judicare : A prática Argentina foi o tema abordado pelo Juiz da Câmara Federal de La Plata Dr. Leopoldo Schiffrin. A dilema sobre entregar ou julgar; entregar ou castigar já era posto por Grocius, que dizia que o Direito Penal é o direito de todos os indivíduos a tomar satisfação de toda violação à sua pessoa por outras pessoas. Assim, se o Estado onde a pessoa está refugiada não o extradita, deveria ser obrigado a julgá-lo de acordo com suas leis. Mas há a consideração de que é melhor julgar o agente onde os fatos foram ocorridos. A Argentina não quer que seus nacionais sejam entregues à justiça internacional, passando a entender que, a partir de cartas rogatórias internacionais, deveria abrir ou reabrir as investigações no direito interno. A jurisdição universal é plenamente admitida pela jurisprudência, estabelecendo a Constituição Federal que a lei dirá qual Tribunal julgará crimes internacionais ( ius gentium ). iii) A imprescritibilidade em Direito Penal Internacional foi tema exposto e debatido por Ruth Kok, da Universidade de Amsterdam. Expôs as diferenças entre prescrição em crimes comuns e crimes internacionais. A impossibilidade de efetiva persecução em nível nacional; os interesses comuns de Estados e a extrema gravidade dos crimes são fatores importantes para o estabelecimento de critérios diversos. Se o conhecimento da verdade e o julgamento do passado é importante, deve-se indagar o porquê se invoca a prescrição. Há vários argumentos que a legitimam, como o esquecimento, a diminuição da necessidade de expiação, conforme o tempo passa; a maior dificuldade de obtenção da verdade. Mas em nível internacional, há vários instrumentos que declaram imprescritíveis os crimes internacionais, dentre eles o art. 29 do Estatuto de Roma, devendo ser indagado a partir de quando se deve considerar imprescritíveis os crimes no Direito Internacional Costumeiro: desde 1968, 1998 ou 1º de julho de A expositora defendeu, em posição que admitiu ser conservadora, a imprescritibilidade a partir da 1º de julho de 2002, quando se deu o início da vigência do Estatuto de Roma. iv) A adaptação do direito penal nacional com motivo da implementação do Estatuto de Roma. Considerações provisórias no exemplo da desaparição forçada de pessoas foi o tema exposto por Christoph Grammer, do Instituto Max-Planck. Analisou os elementos da desaparição forçada e as indagações 7

8 sobre a existência de obrigação internacional de castigar penalmente tal conduta, e se é necessário um tipo penal independente. Deve-se entender por desaparição forçada a privação de liberdade (ações contra o desaparecido); ocultamento da privação de liberdade, tais como denegação de informação, impedimento de busca (ações contra terceiros); e a participação estatal, direta ou indireta, com intenção de suspender a proteção legal do desaparecido. Quanto à obrigação internacional, o interesse é próprio dos Estados em relação ao Estatuto de Roma, já que vige o princípio da complementariedade; mas a obrigação de castigar penalmente, sem exceção, é universal que deriva das fontes gerais do Direito Internacional, sendo de se realçar que tal obrigação, para os países da América Latina, resulta da Convenção Interamericana. Sobre a indagação de ser necessário um tipo penal independente, é de se verificar quais os bens jurídicos afetados pela desaparição forçada: lesão da liberdade e a colocação em perigo total. O resultado final, frequentemente, é o sumiço do desaparecido. Isto significa violação múltipla e continuada dos direitos postos na Convenção. A participação do Poder estatal específico e o ocultamento sistemático afetam bens jurídicos em três níveis: a) do desaparecido; b) dos parentes e outras pessoas próximas (a desaparição gera frustração, impotência, sofrimento e insegurança) e c) de bens coletivos (a impunidade afeta a segurança pública e Estado de Direito, já que gera medo e temor à sociedade, que deixa o indivíduo sem nenhuma proteção). Portanto, tem-se um injusto sistemático, que supera a soma dos bens individualmente considerados. A persecução penal, neste crime, até agora é limitada ao primeiro nível: só se perseguem os crimes que levem à privação da liberdade do desaparecido. O segundo e o terceiro nível não são levados em conta para a tipicidade, o que justifica a necessidade de um tipo penal independente, para que se castigue o injusto sistemático. Efetuou, finalmente, a interpretação do tipo dentro do Estatuto de Roma (art. 7º). O Seminário foi concluído pelo Prof. Dr. mult. h.c. Albin Eser, que enfatizou ter o debate atingido sua finalidade, isto é, discutir a persecução nacional dos crimes internacionais e o que cada país pode fazer para persegui-los, uma vez que a responsabilidade é do direito interno, possuindo o Estatuto caráter subsidiário. O importante é que cada país modifique sua legislação para estar em condições de perseguir tais crimes. Salientou, outrossim, que o Estatuto de Roma é um passo muito importante para o estabelecimento de um equilíbrio entre os direitos das vítimas e do imputado. De um lado, a luta contra crimes internacionais objetiva conseguir o fortalecimento dos direitos humanos e do papel das vítimas; e de outro, os direitos 8

9 humanos do imputado perante a Corte também devem ser preservados (devido processo legal). A Fundação Konrad Adenauer, que organizou o evento junto com o Instituto Max-Planck, fará publicar na íntegra, ainda este ano, os relatórios dos informes nacionais e, tendo em vista a importância do tema, o grupo de trabalho, criado informalmente e integrado por representantes dos onze países presentes ao evento, deverá provavelmente se reunir em São Paulo, Brasil, no próximo ano, para dar continuidade à discussão de temas relacionados à persecução de crimes internacionais e à implementação do Estatuto de Roma na América Latina. 9

AG/RES. 2293 (XXXVII-0/07) PROMOÇÃO E RESPEITO DO DIREITO INTERNACIONAL HUMANITÁRIO

AG/RES. 2293 (XXXVII-0/07) PROMOÇÃO E RESPEITO DO DIREITO INTERNACIONAL HUMANITÁRIO AG/RES. 2293 (XXXVII-0/07) PROMOÇÃO E RESPEITO DO DIREITO INTERNACIONAL HUMANITÁRIO (Aprovada na quarta sessão plenária, realizada em 5 de junho de 2007) A ASSEMBLÉIA GERAL, RECORDANDO as resoluções AG/RES.

Leia mais

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito Internacional Penal Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Conclusão e assinatura: Nova Iorque EUA, 09 de dezembro de

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO *

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * Aprovada e proposta para assinatura e ratificação ou adesão pela resolução 260 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de Dezembro

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ O Tribunal Penal Internacional Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ Conceitos Básicos É o primeiro tribunal penal internacional permanente Os tribunais internacionais criados até então

Leia mais

DIREITO PENAL MILITAR

DIREITO PENAL MILITAR DIREITO PENAL MILITAR Objetivos: Definir direito penal e direito penal militar; Distinguir direito penal militar das demais denominações do direito e dos demais direitos e ciências afins; Distinguir lei

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados.

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. DECRETO Nº 5.006, DE 8 DE MARÇO DE 2004. Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

Teresina, 08 de junho de 2015.

Teresina, 08 de junho de 2015. Faculdade Estácio CEUT Coordenação do Curso de Bacharelado em Direito Disciplina: História do Direito Professor: Eduardo Albuquerque Rodrigues Diniz Turma: 1 B Alunas: Alice Brito, Larissa Nunes, Maria

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

Prova: PC-SP - 2011 - PC-SP - Delegado de Polícia Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura;

Prova: PC-SP - 2011 - PC-SP - Delegado de Polícia Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura; Prova: FGV - 2012 - OAB - Exame de Ordem Unificado - IX - Primeira Fase Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura; Com relação à Convenção Interamericana

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2006. (Do Sr. Ivo José) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N O, DE 2006. (Do Sr. Ivo José) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N O, DE 2006 (Do Sr. Ivo José) Regulamenta o inciso LI do Art. 5º da Constituição Federal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 o Esta lei regulamenta o inciso LI do Art. 5º da Constituição

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL 1 DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL Edson Ribeiro De acordo com a Convenção de Viena (1969), os tratados internacionais são acordos internacionais firmados entre Estados, na forma

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

EXMO. SR. PRESIDENTE DO INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS

EXMO. SR. PRESIDENTE DO INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS EXMO. SR. PRESIDENTE DO INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS Ref. Indicação n. 107/2006 Assunto: projeto de Lei 7.404/96 Autor do Parecer: Membro da Comissão Permanente de Direito Constitucional Dra Leila

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Validade, Vigência, Eficácia e Vigor. 38. Validade, vigência, eficácia, vigor

Validade, Vigência, Eficácia e Vigor. 38. Validade, vigência, eficácia, vigor Validade, Vigência, Eficácia e Vigor 38. Validade, vigência, eficácia, vigor Validade Sob o ponto de vista dogmático, a validade de uma norma significa que ela está integrada ao ordenamento jurídico Ela

Leia mais

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA Convenção 135 SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho

Leia mais

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO E NO

Leia mais

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia.

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia. Justiça Militar estadual e Justiça de Transição Justiça Militar no Império Conselho Supremo Militar e de Justiça Decreto de 1º de abril de 1808. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas

Leia mais

Questão 1. Sobre os diversos âmbitos do Direito Internacional, assinale a alternativa verdadeira:

Questão 1. Sobre os diversos âmbitos do Direito Internacional, assinale a alternativa verdadeira: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre os diversos âmbitos do Direito Internacional, assinale a alternativa verdadeira: a) O Direito Internacional Público

Leia mais

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, RECOMENDAÇÃO 190 SOBRE PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO Aprovadas em 17/06/1999. No Brasil, promulgada pelo Decreto 3597de 12/09/2000. A Conferência

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 Altera a Lei de Execução Penal e o Código Penal para criminalizar o diretor do estabelecimento penal ou o agente público competente pela não atribuição de trabalho

Leia mais

SOBRE A PROTEÇÃO DO DIREITO DE SINDICALIZAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA DEFINIR AS CONDIÇÕES DE EMPREGO NO SERVIÇO PÚBLICO*

SOBRE A PROTEÇÃO DO DIREITO DE SINDICALIZAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA DEFINIR AS CONDIÇÕES DE EMPREGO NO SERVIÇO PÚBLICO* Convenção 151 SOBRE A PROTEÇÃO DO DIREITO DE SINDICALIZAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA DEFINIR AS CONDIÇÕES DE EMPREGO NO SERVIÇO PÚBLICO* A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada

Leia mais

AMMPL (BME) Código de Conduta

AMMPL (BME) Código de Conduta AMMPL (BME) Código de Conduta 1 Código de Conduta da AMMPL (BME) I Introdução A Association Materials Management, Purchasing and Logistics (Associação de Gestão de Materiais, Compras e Logística, AMMPL

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função:

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS 1. Princípios do Direito do Trabalho 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: a) Função informativa/inspiradora: informam

Leia mais

Conselho de Segurança

Conselho de Segurança Nações Unidas S Conselho de Segurança Distribuição: Geral S/RES/1267 (1999) 15 de Outubro de 1999 RESOLUÇÃO 1267 (1999) Adoptada pelo Conselho de Segurança na sua 4051ª sessão, em 15 de Outubro de 1999

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Abertura ao capital estrangeiro na oferta de serviços de saúde

Abertura ao capital estrangeiro na oferta de serviços de saúde Abertura ao capital estrangeiro na oferta de serviços de saúde Lenir Santos 1 O título destas breves notas é o do capítulo XII do Projeto de Lei de Conversão n. 18, de 2014, da Medida Provisória n. 656,

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22 Proteção Internacional de Direitos Humanos Coordenação: Profa. Dra. Cristina Figueiredo Terezo Resumo O pioneiro projeto de extensão visa capacitar os discentes para acionar a jurisdição do Sistema Interamericano

Leia mais

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas.

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA IMPEACHMENT Fernando França Caron Especialista em Direito Constitucional pela Faculdade Damásio de Jesus Docente do Curso de Direito da UNILAGO RESUMO A Constituição Federal de

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.310, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, convocada em S. Francisco pelo conselho de administração

Leia mais

AG/RES. 2577 (XL-O/10) PROMOÇÃO DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL 1/2/ (Aprovada na quarta sessão plenária, realizada em 8 de junho de 2010)

AG/RES. 2577 (XL-O/10) PROMOÇÃO DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL 1/2/ (Aprovada na quarta sessão plenária, realizada em 8 de junho de 2010) AG/RES. 2577 (XL-O/10) PROMOÇÃO DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL 1/2/ (Aprovada na quarta sessão plenária, realizada em 8 de junho de 2010) A ASSEMBLÉIA GERAL, RECORDANDO as resoluções AG/RES. 1619 (XXIX-O/99),

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15

SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15 SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15 DIREITO ADMINISTRATIVO...17 Fernando Ferreira Baltar Neto e Ronny Charles Lopes de Torres 1. Direito Administrativo e o Regime Jurídico-Administrativo...17

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

PANORAMA ATUAL DOS PLANOS DE SAÚDE

PANORAMA ATUAL DOS PLANOS DE SAÚDE Boletim Informativo Saúde nº 04, outubro/2003 PANORAMA ATUAL DOS PLANOS DE SAÚDE Rachel Pachiega preocupantes eventos. Os profissionais da área de saúde vêm passando por uma série de Vinda da alta cúpula

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em maio/2015 TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Nas relações internacionais do

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

Acordo sobre o Aquífero Guarani

Acordo sobre o Aquífero Guarani Acordo sobre o Aquífero Guarani A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Animados pelo espírito de cooperação e de integração

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta: 1 Projeto de Lei do Senado nº., de 2007 Dispõe sobre a obrigatoriedade de patrocínio, pela União, de traslado de corpo de brasileiro de família hipossuficiente falecido no exterior. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Concurso Delegado de Polícia Federal 2012 Prof. Leopoldo Canal Leopoldo Canal, advogado, assessor e procurador do consulado da República da Guiné no Rio de Janeiro, diretor

Leia mais

Projeto de Lei nº DE 2011. (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá)

Projeto de Lei nº DE 2011. (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Projeto de Lei nº DE 2011. (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Disciplina a obrigatoriedade de manifestação e os efeitos da participação dos órgãos consultivos da advocacia pública em processos administrativos

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 3.966, DE 2004 Modifica a Lei nº 9.609, de 1998, que dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador. Autor:

Leia mais

*C38FEB74* PROJETO DE LEI

*C38FEB74* PROJETO DE LEI ** PROJETO DE LEI Altera a Lei nº 12.850, de 2 de agosto de 2013, e a Lei nº 10.446, de 8 de maio de 2002, para dispor sobre organizações terroristas. O CONGRESSO NACIONAL decreta: alterações: Art. 1º

Leia mais

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL:

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: Nos termos do art. 20 do Regulamento do Concurso para Ingresso na Carreira do Ministério Público, na correção da prova escrita levar-se-á em conta o saber

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2015

PROJETO DE LEI Nº DE 2015 PROJETO DE LEI Nº DE 2015 Incluir Sinais de Tvs a Cabo ao 3º do art. 155, do Decreto Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Inclua-se sinais de Tvs à cabo ao 3º,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015)

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) Acrescenta inciso V ao art. 3º da Lei 9.474, de 22 de agosto de 1997, e inciso VI e parágrafo único ao art. 7º da Lei nº 6.815,

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO Os Governos dos Estados Membros da Organização dos Estados Americanos, desejosos de estabelecer uma Convenção sobre Asilo Diplomático, convieram nos seguintes artigos:

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ FOLHETO Marko Kokic/CICV DISPONIBILIDADE DE ARMAS: O CUSTO HUMANO Todos os anos, devido à disponibilidade generalizada

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA * Luis Fernando da Silva Arbêlaez Júnior ** Professora Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A Constituição Federal

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA C O N T E Ú D O : N O Ç Õ E S D E D I R E I T O : I N T R O D U Ç Ã O A O E S T U D O D O D I R E I T O A M B I E N T A L C A R A C T E R Í S T I C A S D A L E G I S L

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 199. A assistência à saúde é livre à iniciativa privada. 1º As instituições

Leia mais

Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações

Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações 1 CONVENÇÃO N. 148 Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações I Aprovada na 63ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1977), entrou em vigor no plano internacional em 11.7.79. II Dados referentes

Leia mais

MATERIAL DE APOIO. Prof. Márcio Luís de Oliveira Direito Constitucional, Direito Internacional e Direito Eleitoral TEMA: TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL

MATERIAL DE APOIO. Prof. Márcio Luís de Oliveira Direito Constitucional, Direito Internacional e Direito Eleitoral TEMA: TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL MATERIAL DE APOIO 1. Material do Professor: Tribunal Penal Internacional Prof. Márcio Luís de Oliveira Direito Constitucional, Direito Internacional e Direito Eleitoral TEMA: TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro., vem, auxiliado pela Amaerj Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro, com fulcro na jurisprudência e legislação

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO Os Estados Partes nesta Convenção, Tendo presente os propósitos e princípios da Carta da Organização dos Estados Americanos e da Carta das Nações Unidas; Considerando

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA DA TUNÍSIA

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA DA TUNÍSIA CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA TUNÍSIA DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República da Tunísia, doravante designadas conjuntamente por "Partes" e separadamente

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

Estupro de vulnerável consentido: uma absolvição polêmica

Estupro de vulnerável consentido: uma absolvição polêmica Estupro de vulnerável consentido: uma absolvição polêmica Plínio Gentil 1 Introdução Recente decisão da 7ª Câmara do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, absolvendo réu acusado de praticar estupro

Leia mais

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012 RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS TEORIA 38 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Ricardo S. Pereira Organização e Diagramação: Mariane dos Reis 1ª

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais