Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E."

Transcrição

1 Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E.

2 Índice 1. Identificação da Organização Visão e Missão da Organização Modelo de Negócio a Descrição do mercado/área de actuação b. Descrição das actividades desenvolvidas c. Descrição do modelo operacional Fase do Ciclo de vida das Actividades Descrição dos mecanismos de definição e medição dos objectivos a Da Organização b Por Actividade/Projecto c Resultados Atingidos Análise SWOT da Organização Coordenação de actividades com outras entidades Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/2011 2

3 1. Identificação da Organização Natureza Legal: A Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal E.P.E. é uma pessoa colectiva de direito público com natureza empresarial, dotada de autonomia administrativa, financeira e patrimonial e dos poderes de autoridade pública administrativa inerentes à prossecução do seu objecto, estando sujeita à superintendência do membro do Governo responsável pela área da economia, em articulação com o membro do Governo responsável pela área dos negócios estrangeiros, regendo-se pelo disposto no Decreto-Lei nº 245/2007. Localização: Dispõe de uma estrutura em Portugal, com sede no Porto e os restantes serviços localizados em Lisboa. A sua estrutura no estrangeiro encontra-se distribuída por quatro continentes, apresentando um grau de maior concentração na Europa. As estruturas no estrangeiro: Em estreita articulação com os órgãos e serviços do Estado no estrangeiro, particularmente com a rede diplomática e consular, em sintonia com orientações estratégicas estabelecidas com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, e visando o reforço da eficácia da representação externa de Portugal, os pontos de rede da AICEP actuam em três áreas: Comércio, Investimento e Turismo (neste caso, mediante protocolo específico com o Turismo de Portugal). Em função das prioridades nos mercados, algumas representações externas asseguram os três domínios, enquanto outras apenas operam num deles. Em diferentes mercados por todo o mundo, os Centros de Negócios, os Escritórios e as Representações da AICEP posicionam-se como centros de dinamização de negócios internacionais e apoio local às empresas portuguesas. No que respeita à organização interna, a rede AICEP articula-se segundo um modelo com três tipologias de pontos de rede, correspondendo à importância dos mercados: Centros de Negócio, Escritórios e Representações. A rede da AICEP acha-se como indicado na tabela seguinte, sendo, sempre que possível, co-localizada em estruturas de representação externa do Estado Português. A modalidade de co-localização é prevalecente, com uma expressão de cerca de 70%. ÁFRICA Centro de Negócios em Angola Centro de Negócios de Moçambique AMÉRICA DO NORTE Angola (CN) Moçambique (CN) Joanesburgo (R) Praia (E) Centro de Negócios em Nova Iorque Nova Iorque (CN) São (E) Francisco Cidade México (E) do Toronto (E) Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/2011 3

4 AMÉRICA DO SUL Centro de Negócios em São Paulo São (CN) Paulo Santiago Chile (R) do Buenos Aires (R) Caracas (R) ÁSIA E PACÍFICO Centro de Negócios em Singapura Singapura (CN) Tóquio (E) Kuala Lumpur (R) Jacarta (R) Centro de Negócios em Pequim Pequim (CN) Xangai (E) Macau (E) Nova Deli (E) EUROPA OCIDENTAL Centro de Negócios em Madrid Madrid (CN) Barcelona (E) Mérida (R) Vigo (R) Centro de Negócios em Paris Paris (CN) Haia (E) Bruxelas (E) Centro de Negócios em Berlim Berlim (CN) Viena (E) Zurique (E) Centro de Negócios em Londres Londres (CN) Dublin (R) Centro de Negócios em Milão Milão (CN) Centro de Negócios Estocolmo Estocolmo (CN) Copenhaga (R) Helsínquia (R) Atenas (R) Istambul (E) Ancara (R) EUROPA CENTRAL E ORIENTAL Centro de Negócios na Varsóvia Varsóvia (CN) Budapeste (E) Praga (E) Bucareste (E) Centro de Negócios em Moscovo Moscovo (CN) MAGREB E MÉDIO ORIENTE Centro de Negócios em Rabat Rabat (CN) Argel (E) Tunis (E) Tripoli (R) Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/2011 4

5 Abu Dhabi (E) CN - (Cento de Negócios) E - (Escritório) R - (Representação) O grupo AICEP Portugal Global inclui ainda uma Sociedade de Capital de Risco e uma Sociedade Gestora de Parques Industriais. A AICEP Capital Global toma participações no capital social de empresas com projectos sustentáveis, promovidos por empreendedores com capacidade, que se enquadrem nos objectivos de desenvolvimento da Economia Nacional, intervindo em operações de internacionalização das empresas e fomento da respectiva capacidade exportadora, com especial destaque para as Pequenas e Médias Empresas. A AICEP Capital Global dá prioridade à promoção de investimentos de consolidação do tecido económico, nomeadamente a projectos de expansão e operações de reestruturação e concentração de empresas. A AICEP Global Parques procura ser reconhecida como a empresa/parceira nacional de referência, no apoio a estratégias e acções de localização empresarial. Esta empresa gere actualmente a Zona Industrial e Logística de Sines, o parque Bluebiz em Setúbal e o Albiz, em Albarraque. A Global Parques disponibiliza serviços de apoio à localização empresarial: o Global Find e o Global Force. Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/2011 5

6 2. Visão, Missão e Elementos Chave da Actuação da Organização Constituir-se referência para o desenvolvimento de um ambiente de negócios competitivo que contribua para a inserção internacional das empresas portuguesas é a visão da AICEP. A missão da Agência é contribuir para o aumento da competitividade e da notoriedade de Portugal, através da dinamização de investimento estruturante e da internacionalização das empresas, com especial destaque para as pequenas e médias. Quanto ao modo de actuação da Agência, os seus elementos distintivos e as diferentes etapas que o integram e caracterizam podem ser subsumidos na figura que adiante se apresenta. Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/2011 6

7 3. Modelo de Negócio 3.a Descrição do mercado/área de actuação A AICEP, na vertente de promoção da internacionalização de empresas portuguesas, actua como descrito na figura seguinte: Como ilustrado, a AICEP proporciona um acompanhamento integrado aos processos de internacionalização das empresas Portuguesas, visando os seguintes objectivos estratégicos: Diversificar os mercados de destino dos produtos e serviços nacionais; Alargar a base exportadora portuguesa, integrando cada vez mais PME s nas carteiras de clientes e nos processos de internacionalização; Facilitar o aprofundamento das actividades das empresas nos mercados externos, em particular as de produtos e serviços de elevado valor acrescentado tecnológico. Para assegurar o cumprimento de tais objectivos, a actividade da AICEP associada à vertente de internacionalização passa pelo acompanhamento personalizado das empresas, pela realização de acções de capacitação e conhecimento, pela promoção de iniciativas que visam maior e melhor penetração internacional dos bens e serviços Portugueses e ainda pela dinamização de programas de apoio, designadamente financeiro (Incentivos e Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/2011 7

8 instrumentos Financeiros) e de qualificação de recursos humanos (Inov Contacto, Inov Export). Adicionalmente, a AICEP apoia associações empresariais e outros agentes institucionais (câmaras do comércio, pólos de competitividade, etc.) nas suas iniciativas nos mercados externos, quer através do seu conhecimento sobre mecanismos de funcionamento dos mercados e listas de potenciais clientes, quer através de apoio logístico da sua rede externa presente em cerca de 50 locais em todo o mundo. Através dos Sistemas de Incentivos, designadamente da medida SI Qualificação e Internacionalização de PME (Projectos Conjuntos de Internacionalização), a AICEP tem também apoiado financeiramente os projectos de internacionalização das associações. Finalmente, a AICEP apoia a organização da vertente económica das iniciativas realizadas por órgãos de Soberania Portugueses nos mercados externos, bem como de missões de órgãos de Soberania Estrangeiros a Portugal. No que respeita ao investimento, a AICEP promove o País como destino de projectos de investimento estrangeiro e proporciona um serviço integrado aos processos de decisão de investimento, através do acolhimento, apoio e acompanhamento do investidor, desde a intenção de investir até à concretização do investimento, assegurando todas as fases do ciclo de vida do projecto, como adiante ilustrado: Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/2011 8

9 A atracção e desenvolvimento de investimento estruturante acham-se focados nas empresas produtoras de bens e serviços internacionalmente transaccionáveis, susceptíveis de contribuir para o aumento das exportações e para a criação de emprego e/ou com capacidade de arrastamento de empresas locais, possibilitando o aumento do valor acrescentado nacional. Assim, os objectivos estratégicos que a AICEP prossegue na vertente de investimento são: Aumentar o investimento contratado e os postos de trabalho por este gerados; Reforçar o posicionamento estratégico de Portugal como destino de projectos de investimento; Promover estratégias de crescimento das empresas Portuguesas, designadamente através da cooperação inter-empresarial, que proporcionem um aumento do valor acrescentado nacional. De salientar as sinergias entre as vertentes de investimento e de internacionalização. Com efeito, verifica-se que os maiores exportadores são, simultaneamente, os maiores investidores, pelo que, reforçando o investimento em sectores de bens e serviços transaccionáveis, se alcança também o aumento das exportações. Complementarmente, fomentar o negócio entre as empresas e a eficiência colectiva dos clusters nacionais, proporciona não apenas o aumento do valor acrescentado nacional, mas também o reforço da competitividade das empresas nacionais e, consequentemente, da sua capacidade de afirmação nos mercados internacionais. Este funcionamento interligado e em rede pode ser visualizado pela figura junta: 3.b. Descrição das actividades desenvolvidas No âmbito do apoio à internacionalização das empresas Portuguesas, as principais actividades desenvolvidas encontram-se vertidas na figura seguinte: Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/2011 9

10 Na vertente de promoção do investimento, as principais actividades desenvolvidas são: Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/

11 Para além destas actividades dirigidas à comunidade empresarial Portuguesa e aos investidores internacionais, a AICEP realiza ou co-organiza eventos institucionais em Portugal e no estrangeiro, prestando também o seu apoio às iniciativas das associações empresariais. Adicionalmente, visando a dinamização de inteligência competitiva, promovemos, na área do conhecimento e em conjunto com Universidades e Pólos Tecnológicos, inúmeras iniciativas com vista à qualificação profissional das empresas e dos intervenientes no processo de internacionalização, à criação de condições para a partilha de conhecimento e ao estabelecimento de redes de contactos entre empresas. Paralelamente, no âmbito do grupo de trabalho constituído ao abrigo do Acordo de Parceiros entre a AICEP e o GPEARI do Ministério das Finanças, a Agência integra o mecanismo de acompanhamento das multilaterais financeiras, que pretende garantir adequado retorno para a economia nacional da participação do Estado no capital das Instituições Financeiras Internacionais. Pretende ainda afirmar-se como dinamizador das oportunidades de negócio geradas pela intervenção das multilaterais financeiras, nos diferentes mercados. De realçar ainda que, mediante um conjunto de suportes comunicacionais, a AICEP procura responder de forma eficiente e pró-activa à necessidade de informação dos seus stakeholders. Neste contexto destacam-se algumas actividades desenvolvidas: Assessoria de Imprensa; Revista digital PortugalGlobal Edição mensal, dedicada aos temas actuais da actividade económica e empresarial, do investimento nacional e estrangeiro, da Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/

12 internacionalização das empresas, das exportações portuguesas, do comércio e de mercados, bem como das actividades da AICEP em Portugal e no estrangeiro; PortugalNews clipping noticioso diário, adaptado ao perfil de cada utilizador; NewsRoom (com envio de newsletter semanal) edição e divulgação semanal das notícias editadas em língua estrangeira, com particular atenção à divulgação de marcas portuguesas e casos de sucesso de empresas portuguesa no estrangeiro; Canais Web (Portal, Facebook e Twitter); Comunicação Interna. Finalmente, salientamos que, no sentido de promover uma maior mobilização para a internacionalização da Economia Portuguesa, a AICEP, em 2010, concebeu o Programa Internacionalizar para Crescer lançado no Porto dia 27 de Outubro: Este programa contém um conjunto de iniciativas específicas, apresentadas na figura abaixo: 3.c. Descrição do modelo operacional Enquanto Entidade Pública Empresarial, a AICEP é constituída pelos seguintes órgãos sociais: A Assembleia Geral No caso do capital da AICEP Portugal Global ser detido por outras entidades públicas, para além do Estado, seria constituída uma mesa da Assembleia Geral composta por um presidente e um secretário. Não se verificando a constituição da mesa da Assembleia Geral Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/

13 (como é o caso hoje em dia), as respectivas competências serão exercidas mediante despacho conjunto dos Ministros das Finanças e da Economia. O Conselho de Administração O conselho de administração da AICEP Portugal Global é composto pelo presidente e oito vogais. O presidente e os vogais do conselho de administração são nomeados mediante resolução do Conselho de Ministros. A Comissão Executiva O conselho de administração delega a gestão corrente da AICEP Portugal Global numa comissão executiva, constituída por cinco administradores. O presidente do conselho de administração é por inerência o presidente da comissão executiva. O Fiscal Único A fiscalização da AICEP Portugal Global cabe a um Fiscal único, que deve ser Revisor Oficial de Contas ou Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, designado pelo Ministro das Finanças. A organização encontra-se estruturada de acordo com o seguinte organograma funcional: Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/

14

15 Abaixo apresentamos a descrição das responsabilidades de cada unidade orgânica: Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/

16 Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/

17 Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/

18 De referir ainda que a organização rege-se pelos valores de orientação para a Empresa, Selectividade e Excelência.

19 4. Ciclo de Vida das Actividades Vertente de Internacionalização A AICEP, enquanto entidade pública empresarial responsável pela promoção da oferta nacional e pela captação de investimento, tendo em vista o reforço da internacionalização da economia Portuguesa, desenvolveu e aprofundou em 2010 um conjunto de iniciativas em Portugal e no estrangeiro. De salientar, desde logo, o lançamento do Programa Internacionalizar para Crescer, em 27 de Outubro, o qual estabelece uma estratégia mobilizadora para que mais empresas exportem, para mais mercados e com mais valor acrescentado. Paralelamente, e apesar do cenário de contenção orçamental, a Agência, em 2010, manteve a sua política de elevada proximidade às empresas Portuguesas e às oportunidades que os mercados externos proporcionam, numa lógica de dinamização de negócios em rede. Neste contexto, e reconhecendo a vital importância da Rede Externa, foram realizados alguns ajustes na sua configuração, orientados por objectivos de racionalização de custos e de adaptação à nova geografia da economia mundial. No que respeita ao apoio prestado aos clientes em Portugal, especialmente às PME, em 2010 introduzimos inovações com impacto positivo no acompanhamento das empresas. Na base destas melhorias estão diversos projectos estruturantes, sendo o principal, a criação de um novo canal de relacionamento com as PME: as Lojas da Exportação. De facto, ao abrigo da RCM nº 115/2009, de 15 de Dezembro, o Governo determinou a criação de 14 Lojas da Exportação, espalhadas pelo país. Nestes termos, entre finais de Março e meados de Maio foram abertas lojas em Aveiro, Braga, Bragança, Coimbra, Covilhã, Évora, Faro, Guarda, Leiria, Lisboa, Porto, Viseu, Torres Novas e Sines. A AICEP tem nestas Lojas um colaborador com funções de apoio técnico e informativo ao processo de Internacionalização. As Lojas da Exportação têm como clientes-alvo as empresas não exportadoras ou em fase inicial do processo de exportação permitindo, assim, uma maior proximidade a este segmento com vista ao alargamento da base exportadora nacional. Neste contexto, foi reestruturada a segmentação dos clientes e reorganizada a carteira de clientes. Refira-se que o conceito das Lojas de Exportação mereceu da Comissão Europeia a distinção como boa prática internacional no apoio a PME. Com a criação deste novo canal de relacionamento com os clientes encetou-se também uma reformulação da nossa oferta de produtos e serviços, aplicando-se uma lógica integrada do ciclo de vida do processo de internacionalização, assente em 4 fases: Saber, Agir, Promover e Vender. Por fim, e num sentido de assegurar um acompanhamento personalizado e contínuo ao longo de dois anos, no âmbito do programa Internacionalizar para Crescer, foi desenvolvido o serviço pme mais mercados, o qual apoia empresas na elaboração e implementação de um Plano de Negócios para 3 novos mercados de diversificação. Este serviço foi desenhado para empresas com volume de exportação anual superior a 600 mil euros. Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/

20 No âmbito das Grandes Empresas, foi dada continuidade ao processo de acompanhamento e colaboração com as empresas, realizando reuniões e visitas com as empresas clientes, no sentido de promover os produtos e serviços disponibilizados pela Agência, quer em acções realizadas em Portugal quer no estrangeiro, procurando apoiá-las no desenvolvimento de novas oportunidades de negócio internacional e ajudando-as a solucionar situações perturbadoras do seu normal funcionamento. Aprofundou-se o Programa Qualificar para Exportar, que tem como principal objectivo criar condições para que as empresas nacionais possam competir internacionalmente visando a promoção das exportações e substituição das importações. O programa passa pela cooperação entre grandes empresas, portuguesas ou multinacionais a operar em Portugal, com fornecedores nacionais (maioritariamente PMEs). Destaque-se como exemplo a parceria com a CGD e a Mota-Engil. Na vertente de Capacitação refira-se que em 2010 se iniciou um novo paradigma, direccionando a sua actividade para uma abordagem mais técnica e focalizada para realidades específicas dos mercados, desenvolveram-se novos produtos que, não obstante continuarem a ter nas PME o seu alvo tradicional, enveredam por outro tipo de aproximação ao cliente, privilegiando a fase do processo de internacionalização em que aqueles se encontram. Os novos produtos são o Mais Exportadores para... direccionado para empresas não exportadoras, o Encontros AICEP acções de capacitação preparatórias de missões empresariais, e o Encontro com o Embaixador, aquando da nomeação do dignitário para um novo cargo. Quanto aos produtos já consolidados (ABC Mercado, Conhecer Mais Mercado e Como Vender em), evoluíram do conceito de produto massivo e genérico para uma oferta desenvolvida segundo as especificidades e necessidades de cada empresa que pretende iniciar/consolidar um processo coerente e sustentado de internacionalização. De referir também, que foram realizadas, pela primeira vez, acções sobre Itália, Canadá, Malásia, Indonésia, São Tomé e Príncipe e Guiné Equatorial, com base em potenciais oportunidades de negócio identificadas. No que respeita à actividade promocional, o ano de 2010 foi de intensa actividade. De salientar, desde logo, que em 2010 testámos um novo formato de acções promocionais. Estas acções consubstanciaram-se na vinda a Portugal de importadores de referência dos mercados externos e decorreram durante o 2º semestre de 2010, tendo abrangido o mercado da Rússia. Dada a boa receptividade do formato e na sequência da estratégia definida no Programa Internacionalizar para Crescer, no sentido de aproximar a procura dos mercados externos à oferta nacional, em 2011 estamos a aprofundar estas acções, que passaram a assumir a designação Mais Procura. Ainda no tocante à actividade promocional, desenvolvemos, também em 2010, diversos eventos de cariz sectorial, especialmente orientados para fileiras de elevada incorporação tecnológica, designadamente Automóvel e Aeronáutica. De salientar, a participação no 1º Encontro Ibérico do Sector Aeronáutico (Sevilha), em que estiveram presentes cerca de 90 empresas portuguesas e andaluzas, a Feira Internacional Aeronáutica de Farnborough (Reino Unido) com a participação de 41 entidades portuguesas e a Feira Automóvel IZB (Alemanha) em que participaram 11 empresas, fornecedoras de 1ª e 2ª linha no âmbito da Indústria automóvel. Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/

21 Paralelamente, mantivemos a aposta na organização da participação oficial portuguesa em 3 feiras multisectoriais, cujos certames constituem em cada um dos mercados de realização, o evento de natureza comercial com maior expressão. A saber, Feira Internacional de Argel (FIA), onde estiveram representadas 30 empresas portuguesas de distintos sectores de actividade com especial enfoque na área da consultoria, serviços de engenharia e bens de equipamento; Feira Internacional de Luanda (FILDA), na qual participaram 105 empresas portuguesas, em representação de mais de 20 sectores de actividade; Feira Internacional de Moçambique (FACIM) onde participámos com um pavilhão nacional que contou com a representação de 40 empresas e 3 associações empresariais. Pelo segundo ano consecutivo, o Pavilhão de Portugal foi galardoado com a melhor representação oficial estrangeira. Apresenta-se de seguida o quadro resumo de avaliação da participação das empresas nas 5 feiras referidas: Nº total de Empresas e entidades Participantes Grau de Satisfação do ponto de vista Comercial (Média) % de empresas participantes com negócio perspectivado na feira % de empresas com negócios efectuados na feira Grau de satisfação com a organização da AICEP ,6% 71,4% 12,8% 74,0% Nota: Universo médio de respostas aos questionários de avaliação 67% Adicionalmente, sempre em complemento das acções promovidas pelas Associações e quando identificada uma falha de mercado, a AICEP desenvolve as suas próprias acções de promoção que visam dar maior notoriedade às marcas e serviços nacionais, em especial, em mercados de diversificação. No que respeita a missões empresariais, a AICEP realizou uma missão empresarial ao México, que contou com a participação de 14 empresas para as quais foram preparados programas individuais de encontros com potenciais clientes, tendo em conta a especificidade de cada empresa, e uma missão empresarial à África do Sul, que envolveu 12 empresas de vários sectores, no âmbito da qual foram organizados um seminário económico e uma bolsa de contactos bilaterais em Joanesburgo. Para além dos Escritórios da AICEP em Maputo e Joanesburgo, a organização desta missão contou ainda com a colaboração da Whatana, entidade com a qual a AICEP mantém um protocolo de cooperação. Das diversas acções promocionais desenvolvidas pela Rede Externa em 2010, destacamos as seguintes: Seis importadores russos deslocaram-se ao nosso país para contactarem bilateralmente 49 produtores portugueses; Um importador passou a comprar a Portugal e prevê-se que mais três importadores comecem a comprar ao nosso país ainda em A semana de produtos portugueses organizada numa cadeia de hipermercados em Budapeste e nas principais cidades da Hungria contou com a participação de 20 empresas portuguesas; para 17 destas 20 empresas, a acção representou a primeira abordagem ao mercado. A acção teve uma excelente adesão e visibilidade (por exemplo, mais de 1 milhão de lares receberam informação do nosso país e da oferta portuguesa) e congratulamo-nos com o facto de haver três empresas que Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/

22 começaram a vender no hipermercado, prevendo-se que o número possa aumentar significativamente. A participação, com um Pavilhão Nacional, na EXPO 2010 SHANGHAI. Pela 1ª vez no âmbito de uma Exposição Mundial, o Pavilhão Nacional contou com um Centro de Negócios que funcionou como uma plataforma de informação e de divulgação de marcas e de empresas portuguesas para um público especializado chinês; a AICEP assumiu a dinamização dos 14 eventos temáticos aí realizados ao longo de 6 meses, chegando a convidados chineses (decisores, opinion leaders, especialistas em cada tema abordado), para além dos visitantes da exposição de Design Três conferências Innovating Portugal realizadas no Reino Unido. Ainda, neste mercado, organizou-se dois outros seminários: Doing Business in Portugal e Business in Portuguese. O seminário Sociedade de Informação e Inclusão Digital As boas práticas em Portugal que teve lugar em Varsóvia, com o objectivo de dar a conhecer à Polónia a oferta portuguesa em sectores da alta-tecnologia, nomeadamente energias renováveis, e-government e e-learning. O seminário teve uma excelente adesão, contando com 150 participantes. Baseando-se na experiência portuguesa, as autoridades polacas pretendem em 2011 avançar com um projecto de 240 MEUROS em e-learning, encontrando-se as empresas portuguesas particularmente bem posicionadas Diversos encontros sectoriais de energia e obras públicas com decisores marroquinos foram organizados, no quais participaram 25 empresas portuguesas. Adicionalmente organizou-se um encontro com decisores marroquinos do projecto TGV Marrocos onde participaram 8 empresas nacionais, bem como dinamizou-se o conhecimento sobre o projecto de reabilitação duma zona de Rabat. No âmbito da colaboração institucional entre a AICEP e a Gauteng Economic Development Agency, esta entidade sul-africana realizou uma missão a Portugal, no âmbito da qual participou num seminário económico na AICEP e manteve contactos com cerca de 25 empresas e entidades nacionais, com vista ao aproveitamento de oportunidades comerciais e de investimento na África do Sul. Um dos maiores grupos empresariais turcos, a Zorlu, cuja facturação equivale a 7% do PIB do nosso país, deslocou-se a Portugal, numa visita organizada pelo Escritório em Istambul, contactando com vários dos mais destacados agentes económicos e institucionais portugueses ligados às energias renováveis. Foram realizados 12 seminários em Espanha que tiveram uma enorme adesão por parte de empresários espanhóis e portugueses, bem como figuras relevantes do Estado Português: salientando-se o "I Forum Ibérico de Barcelona", subordinado ao tema "O Mercado Ibérico da Energia", que reuniu 450 participantes e contou ainda com a presença de S. Exa. o Presidente da República Portuguesa. O Portugal Inovador, sobre os sectores Aeronáutica e TICs foi outra das iniciativas que permitiu mostrar Portugal moderno e teve uma larga adesão dos principais intervenientes Espanhóis nestes sectores. Em Portugal, destacamos a participação na 4ª edição do Portugal Tecnológico, em conjunto com as Participadas, onde divulgámos às empresas os produtos e serviços da AICEP. No âmbito da cooperação com outras entidades e com o objectivo de proporcionar às empresas portuguesas, a informação e contactos necessários ao seu processo de exportação a AICEP participou também na 5ª edição do Portugal Exportador. Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/

23 No que respeita aos apoios financeiros dirigidos ao tecido empresarial Português, sublinhese que, em 2010, a operacionalização da 1ª edição do Programa INOV-EXPORT, colocando 165 estagiários em 125 empresas, na sequência da medida aprovada em Conselho de Ministros de 19 de Novembro de Adicionalmente, deu-se continuidade à realização do INOV-Contacto, assegurando a realização de duas edições em 2010, com cerca de 550 estagiários cada. Em 2010 foram contratualizados em 67,3 milhões de euros de incentivo à internacionalização, correspondentes a um volume de investimento da ordem dos 173 milhões de euros (dos quais 142 milhões de euros de investimento elegível). Registe-se a introdução de alterações aos Concursos do Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME, visando: i) implementar as Estratégias de Eficiência Colectiva; ii) focalizar os apoios nas actividades transaccionáveis e nas empresas exportadoras; iii) a promoção da internacionalização das PME. No âmbito dos serviços de informação disponibilizados pela Agência, sublinhe-se os milhares de respostas a pedidos de Informação sobre potenciais importadores e o apoio prestado pela rede externa na abordagem e/ou consolidação nos mercados. Apresentamos de seguida um quadro resumo, com os principais indicadores referentes à actividade desenvolvida em 2010 e no anterior, permitindo-nos assim uma análise comparativa a 2 anos. Área Indicador (%) Apoio a empresas portuguesas ,9 Rede Externa Oportunidades de negócio ,2 Contactos com importadores ,9 Apoio a Associações ,3 Nº de Empresas com Gestor de Cliente ,2 Comercial Reuniões/ Visitas a Empresas em Portugal ,8 Nº de Listas de Clientes Estrangeiros entregues às Empresas ,4 Informação Oportunidades comerciais divulgadas ,8 Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/

24 Promoção Número de acções de promoção (Feiras Internacionais, Missões ao estrangeiro e autosustentáveis) ,0 Número de participações em acções de promoção ,0 Número mercados abrangidos ,0 Institucionais Nº de acções institucionais em Portugal ,0 Nº de Missões institucionais ao estrangeiro ,0 Número de acções ,2 Capacitação Número de participações ,2 Número mercados abrangidos ,9 Inov Contacto Número estagiários aceites ,2 Número estágios integrados ,7 Número projectos individuais ,1 Incentivos à Internacionalizaç ão Número projectos conjuntos ,3 Investimento promocional contratado (Milhões Euros) ,7 Incentivo concedido (Milhões Euros) ,3 Vertente de investimento Apesar das questões de enquadramento macro-económico, as condições de atractividade a nível micro continuam a ser favoráveis e a justificar o arranque de um número significativo de processos de avaliação de Portugal como possível destino de investimento. A disponibilidade de recursos humanos qualificados, a competitividade global em custos, a disponibilidade e qualidade das infra-estruturas e o nosso posicionamento geo-estratégico continuam a atrair a atenção de potenciais investidores estrangeiros. Em 2010, no âmbito da actividade de Angariação, é de assinalar o aumento das respostas a pedidos de informação para efeitos de competição de Portugal como destino possível da expansão de multinacionais, bem como a preparação e acompanhamento de visitas de potenciais investidores ao nosso País. A situação de incerteza quanto à evolução da zona Euro, associada à percepção global sobre a situação em Portugal, teve como consequência uma morosidade acrescida nos processos de decisão por parte dos investidores. Para alguns destes projectos ainda se mantém uma perspectiva de concretização em Em 2010 aprofundou-se a colaboração com os gabinetes de apoio ao investimento dos municípios e as entidades gestoras de parques empresariais, de que resultou uma melhoria Reunião com Grupo Trabalho Despacho 9224/

1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização

1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização 1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização Faro, 7 de Maio de 2009 Índice Posicionamento AICEP AICEP - Produtos e Serviços Apoios à Internacionalização Posicionamento AICEP Posicionamento

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO Programas de Estimulo e Medidas de Apoio

INTERNACIONALIZAÇÃO Programas de Estimulo e Medidas de Apoio INTERNACIONALIZAÇÃO Programas de Estimulo e Medidas de Apoio Viseu, 18 de Junho de 2012 A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza

Leia mais

A AICEP e os Apoios à Internacionalização. Porto, 27 de maio de 2014

A AICEP e os Apoios à Internacionalização. Porto, 27 de maio de 2014 A AICEP e os Apoios à Internacionalização Porto, 27 de maio de 2014 Índice 1. A aicep Portugal Global 2. Produtos e serviços AICEP 3. O Processo de Internacionalização A aicep Portugal Global A aicep Portugal

Leia mais

Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011. Lisboa, 2 de Junho de 2011

Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011. Lisboa, 2 de Junho de 2011 Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011 Lisboa, 2 de Junho de 2011 1. A aicep Portugal Global 2. Rede Nacional e Lojas da Exportação 3. Rede Externa 4.

Leia mais

Uma aposta na Internacionalização

Uma aposta na Internacionalização Uma aposta na Internacionalização Mercados Emergentes Que Oportunidades? Seminário Engenharia e Arquitectura Futuro da Prestação de Serviços 13 de Abril 2011 Índice A aicep Portugal Global Produtos e Serviços

Leia mais

A importância da internacionalização no desenvolvimento de base tecnológica e industrial de defesa nacional

A importância da internacionalização no desenvolvimento de base tecnológica e industrial de defesa nacional A importância da internacionalização no desenvolvimento de base tecnológica e industrial de defesa nacional Lisboa, 25 de Janeiro de 2013 A crescente influência dos Estados nas economias emergentes. A

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza empresarial, cuja Atrair investimento

Leia mais

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas. Porto, 25 de Setembro de 2012

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas. Porto, 25 de Setembro de 2012 A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas Porto, 25 de Setembro de 2012 A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza empresarial,

Leia mais

Seminário 2013. Mercado de Tintas

Seminário 2013. Mercado de Tintas Seminário 2013 Mercado de Tintas Luso - 22 de Março de 2013 Transferência de riqueza do Ocidente para o Oriente Evolução do Consumo da Classe Média 2000 a 2050 Outros países 2012 União Europeia EUA Japão

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 7 de Novembro de 2014 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora Enquadramento Evolução Recente Comércio

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais 24 de maio de 2012 Auditório ISEGI - UNL Patrocínio Principal Apoios Patrocinadores Globais APDSI A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas Lisboa,

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

A AICEP e os Apoios à Internacionalização

A AICEP e os Apoios à Internacionalização A AICEP e os Apoios à Internacionalização Guimarães, 12 de junho de 2015 Índice 1. Enquadramento / Desafios 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP 4. O Processo de Internacionalização

Leia mais

Internacionalização Empresarial e Atração de Investimento. Valença, 12 de Julho de 2012

Internacionalização Empresarial e Atração de Investimento. Valença, 12 de Julho de 2012 Internacionalização Empresarial e Atração de Investimento Valença, 12 de Julho de 2012 A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS

EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS 1.º Encontro Jovem Produtor de Queijo Serra da Estrela Gouveia, 14 de Dezembro de 2011 Enquadramento A aicep Portugal Global Canais de

Leia mais

Apoios à Internacionalização. Lisboa, 27 de Março de 2014

Apoios à Internacionalização. Lisboa, 27 de Março de 2014 Apoios à Internacionalização Lisboa, 27 de Março de 2014 Tópicos Sistemas de Incentivos às Empresas (QREN) Novo Quadro (2014-2020) Gestão do Risco Instrumentos de Financiamento Multilaterais Financeiras

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A AICEP E O IDE, IP-RAM

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A AICEP E O IDE, IP-RAM PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A AICEP E O IDE, IP-RAM A Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E., doravante designada AICEP, pessoa coletiva nº 506320120, com sede no Porto e

Leia mais

Barreiras à Exportação: Quem Faz o Quê? ALIMENTARIA

Barreiras à Exportação: Quem Faz o Quê? ALIMENTARIA Barreiras à Exportação: Quem Faz o Quê? ALIMENTARIA Lisboa, 29 de Março de 2011 1. A aicep Portugal Global 2. Acompanhamento Integrado 3. Intervenção da aicep A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Incentivos às empresas Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Os Incentivos na estratégia do IAPMEI para as PME Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias de

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 16 de Novembro de 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS INSTITUTO DIPLOMÁTICO VAGAS PARA ESTÁGIOS SERVIÇOS EXTERNOS 2º SEMESTRE DE 2012/2013

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS INSTITUTO DIPLOMÁTICO VAGAS PARA ESTÁGIOS SERVIÇOS EXTERNOS 2º SEMESTRE DE 2012/2013 VAGAS PARA ESTÁGIOS SERVIÇOS EXTERNOS 2º SEMESTRE DE 2012/2013 SERVIÇO VAGAS PERFIL DO ESTAGIÁRIO DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES A DESEMPENHAR OBSERVAÇÕES Consulado Geral de Portugal em Londres VagaE-1/2S/1213

Leia mais

Apoio à Internacionalização

Apoio à Internacionalização Apoio à Internacionalização Incentivos QREN Castelo Branco, 4 de outubro 2012 YUNIT Corporate: João Esmeraldo QREN - Sistema Incentivos Empresas I&DT - Investigação e Desenvolvimento Qualificação - Investimentos

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME PROJECTOS CONJUNTOS RELATÓRIO INTERCALAR DE EXECUÇÃO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME PROJECTOS CONJUNTOS RELATÓRIO INTERCALAR DE EXECUÇÃO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME PROJECTOS CONJUNTOS RELATÓRIO INTERCALAR DE EXECUÇÃO PROJECTO Nº 16/852 AAC nº02i/si/2010 SI Qualif. PME (Conjuntos / Intern.) POFC ENTIDADE(S)

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E.

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. DIPLOMA / ATO : Decreto-Lei n.º 229/2012 NÚMERO : 208 SÉRIE I EMISSOR: Ministério dos Negócios Estrangeiros SUMÁRIO: Aprova

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio.

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio. Missão Empresarial Moçambique 28 agosto 3 setembro 2014 Moçambique: porta de entrada na África Austral Moçambique é hoje um mercado em expansão com mais de 24 milhões de consumidores, que tem vindo a registar

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias ÍNDICE Introdução...2 Capítulo I Programa Formação Ação para PME...3 I.1 Objetivos...3 I.2 Metodologia de Intervenção...4 I.3 Equipas de Intervenção...11

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA - CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI) E A A ELO - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

1º TRIMESTRE EXPORTAR A 1ª VEZ MISSÕES EMPRESARIAIS. Condições de participação ARGÉLIA CHINA E MACAU MARROCOS TURQUIA FEVEREIRO MARÇO

1º TRIMESTRE EXPORTAR A 1ª VEZ MISSÕES EMPRESARIAIS. Condições de participação ARGÉLIA CHINA E MACAU MARROCOS TURQUIA FEVEREIRO MARÇO FEVEREIRO MARÇO ARGÉLIA CHINA E MACAU MARROCOS TURQUIA ÁFRICA DO SUL E MOÇAMBIQUE COLÔMBIA E CHILE ÍNDIA ISRAEL Condições de participação CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO 1 AS são uma ação financiada pelo FEDER,

Leia mais

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS Plano de Actividades e Orçamento Exercício de 2012 Plano de Actividades e Orçamento para o exercício de 2012 Preâmbulo: O Plano de Actividades do ano de 2012 foi concebido com a prudência que resulta da

Leia mais

ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO

ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO O papel da Assistência Empresarial do IAPMEI António Cebola Sines, 11 de Dezembro de 2009 MISSÃO DO IAPMEI Promover a inovação e executar políticas de estímulo

Leia mais

20 Junho 2008. 13.Outubro.2008

20 Junho 2008. 13.Outubro.2008 20 Junho 2008 13.Outubro.2008 A Pool-net tem como objecto principal a Gestão e Coordenação do Pólo de Competitividade Engineering & Tooling, enquanto instrumento de operacionalização do Plano Estratégico

Leia mais

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Victor Francisco Responsável Unidade Gestão e Promoção da Inovação [victor.francisco@ctcv.pt] Seminário Gestão da Inovação - ACIB 25 de Março 2010 1 Sumário

Leia mais

PROGRAMA STEP BY STEP

PROGRAMA STEP BY STEP PROGRAMA STEP BY STEP A Nossa Dica para um Processo de Internacionalização com Sucesso Antes de decidir exportar ou internacionalizar conheça primeiro o mercado. Todos sabemos que hoje o desígnio nacional

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS?

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O ISQ e a ASK querem ajudar empreendedores e empresários à procura de financiamento a obterem o apoio de que necessitam para lançar ou desenvolver os seus

Leia mais

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008 1. INTRODUÇÃO Em apenas 5 anos os OPEN DAYS Semana Europeia das Regiões e Cidades tornaram-se um evento de grande importância para a demonstração da capacidade das regiões e das cidades na promoção do

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Homologo. Homologo. Secretária de Estado da Igualdade /alter Lemos Secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO

Leia mais

associados do Mukhero

associados do Mukhero Oportunidades e Desafios do Comércio Externo em Moçambique Principais serviços do IPEME que contribuem formalização dos associados do Mukhero Por: Adriano Claire Zimba, Director Geral 27 de Maio de 2014

Leia mais

Contexto das PME s em Moçambique

Contexto das PME s em Moçambique MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Conferência sobre Fontes Alternativas de Financiamento às Contexto das em Moçambique Por Claire Zimba, Director Geral Indy Village, 09:30Hrs, 21 de Maio de 2015, Cidade

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Nota Conceitual da FIEI 2013 Ponto de negócio e oportunidade de investimento Maputo Contexto Quadro orientador O Programa Quinquenal do Governo (PQG) prevê no âmbito do Vector Económico

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

AVISO Nº 01/SI/2014 - INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS PME PROJETOS CONJUNTOS INTERNACIONALIZAÇÃO

AVISO Nº 01/SI/2014 - INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS PME PROJETOS CONJUNTOS INTERNACIONALIZAÇÃO AVISO Nº 01/SI/2014 - Janeiro de 2015 Objetivo Estratégico Beneficiários Ações globais do Programa Abrir novos horizontes às PME nacionais, fomentando a sua entrada no mercado-alvo de África do Sul e impulsionado

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

50 the International Paris Air Show

50 the International Paris Air Show Cluster Aeroespacial Nacional Pavilhão de Portugal 50 the International Paris Air Show Paris - Le Bourget 17 a 23 de Junho de 2013 www.salon-du-bourget.fr ENQUADRAMENTO e OBJECTIVO Na continuidade das

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2012

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2012 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2012 I - INTRODUÇÃO A ANETIE, enquanto Associação Empresarial apostada na defesa dos interesses dos seus associados, desenvolveu ao longo de 2012 um conjunto

Leia mais

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT?

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Cosme 1 O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Neste EU Report abordamos, em particular, o COSME, o novo programa quadro europeu para a competitividade das Empresas e das PME (pequenas e médias

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Principais objectivos

Principais objectivos Âmbito A Exponor vai realizar o Time2Export com o objectivo de fomentar networking, partilhar informação e preparar as empresas para melhor explorarem as oportunidades de negócios que a economia global

Leia mais

MISSÕES EMPRESARIAIS

MISSÕES EMPRESARIAIS EXPORT 2º SEMESTRE 2014 1º SEMESTRE 2015 MISSÕES EMPRESARIAIS ÁFRICA MOÇAMBIQUE ARGÉLIA TUNÍSIA ÁSIA AMÉRICA CHINA PERU EQUADOR CUBA ESTADOS UNIDOS EUROPA POLÓNIA CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO 3 CUSTOS: MOÇAMBIQUE

Leia mais