EXPERIÊNCIAS. verão 15/16

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXPERIÊNCIAS. verão 15/16"

Transcrição

1 EXPERIÊNCIAS verão 15/16 Rio de Janeiro 2014

2 2014. SENAI Departamento Nacional SEBRAE Nacional É proibida a reprodução de qualquer parte desta obra sem prévia autorização do autor. Material para fins didáticos. Distribuição gratuita. Esta publicação foi desenvolvida pela REDE SENAI TÊXTIL E CONFECÇÃO, com o apoio do SENAI Departamento Nacional e SEBRAE Nacional, para ser utilizado no Projeto Moda: Desenvolvimento de Ações Criativas para Fortalecimento da Competitividade Industrial. Ficha catalográfica S491n Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Departamento Nacional. Inova moda: tecnologia: experiências: verão / Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Departamento Nacional; SEBRAE Nacional Rio de Janeiro : SENAI CETIQT, p. il. ISBN Inclui: 4 painéis de referências de textura; 7 mapas de modelagem; 1 bloco; 4 folhas para ilustração sem impressão; 1 estojo; 1 borracha; 2 lápis; 1 apontador; 1 caneta esferográfica; 6 potes de tinta guache; 2 pincéis; 1 jogo de caneta hidrográfica; 1 bolsa; 1 nécessaire. 1. Moda 2. Design de moda 3. Verão I. SEBRAE. II. REDE SENAI TÊXTIL E CONFECÇÃO. III. Título CDU: 391 SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SGAS Quadra 605 Conjunto A Brasília DF, CEP (0xx61) / / SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Nacional SBNQ Quadra 1 Bloco C Edifício Roberto Simonsen Brasília DF, CEP Tel.: (0xx61) / Fax: (0xx61)

3 SENAI DEPARTAMENTO NACIONAL CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Educação e Tecnologia - DIRET Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti Diretor de Educação e Tecnologia Julio Sergio de Maya Pedrosa Moreira Diretor Adjunto de Educação e Tecnologia Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI Robson Braga de Andrade Presidente do Conselho Nacional SENAI - Departamento Nacional Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti Diretor Geral Gustavo Leal Sales Filho Diretor de Operações UNIDADE DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA - UNITEC Jefferson de Oliveira Gomes Gerente-Executivo Mateus Simões Freitas Gerente Sheila Maria Souza Leitão Analista de Desenvolvimento Industrial

4 SEBRAE NACIONAL PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL Roberto Simões DIRETOR PRESIDENTE Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho DIRETOR TÉCNICO Carlos Alberto dos Santos DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS José Cláudio dos Santos GERENCIA UNIDADE ATENDIMENTO COLETIVO INDÚSTRIA Kelly Cristina Valadares de Pinho Sanches Gerente Fausto Ricardo Keske Cassemiro Gerente Adjunto COORDENAÇÃO NACIONAL INDÚSTRIA DA MODA Juliana Ferreira Borges Lucia Santana Leão Buson Roberta Aviz de Brito Fernandes

5 O Caderno INOVA MODA - Tecnologia tem como objetivo desmitificar o dilema de que processo criativo e tecnologia são temas distintos. Criando experimentos acessíveis às indústrias do segmento da Moda, traz informações que mostram como a ciência e a engenharia, unidas à arte e ao design, são capazes de influenciar a concepção e a estética, transformar processos, otimizar recursos e melhorar a funcionalidade dos produtos de moda, possibilitando aos consumidores uma nova experiência de consumo. Seu conteúdo é composto por temas da atualidade, informações sobre materiais cujos avanços tecnológicos têm propiciado uma verdadeira revolução estética e, ainda, sugestões para a interpretação tridimensional da forma, ou seja, formas criativas e inovadoras para o desenvolvimento da modelagem de produtos. O desafio está lançado: estamos prontos para vivenciar, juntos, novas EXPERIÊNCIAS para expandir a INOVAÇÃO no campo da MODA. ÍNDICE DESIGN, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MATERIAIS E ASPECTOS FICHA TÉCNICA MODELAGEM GLOSSÁRIO TÊXTIL REFERÊNCIAS

6

7 DESIGN, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

8 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O desenvolvimento sustentável tem sido amplamente discutido no Brasil e no mundo, desde a década de 60, em função das mudanças climáticas globais causadas pela ação predatória do homem no meio ambiente. Essa discussão é valida, sobretudo no momento em que há, globalmente, uma consciência crescente de que o modelo da sociedade industrial não poderá se manter em longo prazo com padrões de produção e consumo baseados no uso irracional de energia não renovável, degradação ambiental, marginalização social e política de grupos sociais e, por fim, exploração de mão de obra. Segundo as Nações Unidas (1987), o desenvolvimento sustentável visa suprir as necessidades do presente sem afetar a habilidade das gerações futuras de suprirem as próprias necessidades. Além disso, em 1999, o Secretário Geral das Nações Unidas propôs um Acordo Global para humanizar o mercado global, conduzindo os líderes empresariais a abraçar, apoiar e aprovar um conjunto de valores fundamentais nas áreas de direitos humanos, normas de trabalho e práticas ambientais.. Até então, o modelo adotado para a implantação do desenvolvimento sustentável se baseava na mensuração de impactos econômicos, ecológicos e sociais (Tripé da Sustentabilidade - em inglês, The Triple Bottom Line), porém, este modelo tornou-se questionável, uma vez que suas normas, valores e ideologias estavam associados diretamente aos preceitos da economia capitalista que prioriza a eficiência e o crescimento. Diante desse problema, um novo modelo de desenvolvimento sustentável foi criado. Não mais baseado em preceitos econômicos ou na mensuração de impactos isolados, mas com foco na centralização da prática social e na subdivisão conceitual do social em quatro diferentes domínios: econômico, ecológico, político e cultural. Esse novo e atual modelo é denominado Círculos da Sustentabilidade. O domínio econômico é definido como o conjunto das atividades associadas com a produção, consumo, organização e distribuição de bens e serviços. Está relacionado com o uso racional de matérias-primas e aspectos ligados à produtividade, transformando as vantagens comparativas em vantagens competitivas. Esse domínio não pode ficar alheio ao meio ambiente, já que é dele que extrai a matéria-prima e a energia das quais depende de maneira crucial. Considera-se que o ecológico corresponde à interseção entre as práticas sociais e ambientais, focado no compromisso humano com o planeta, ou seja, diretamente ligado a todo bem material (artesanal, manufaturado ou industrializado) ou serviço que possui o processo produtivo limpo e apropriado, com uso de matéria-prima natural renovável, reaproveitada e/ou reciclada, com baixo consumo energético para sua fabricação, menor carga residual sobre o meio ambiente, e possibilidade máxima de recuperação ou reciclagem. O domínio político prioriza a igualdade de acesso aos recursos sociais. É baseado nas atividades realizadas por cada organização, suas regras, normas e práticas dedicadas à vida em comunidade. Como exemplo, podemos citar os programas de saúde preventiva, segurança no trabalho, concessão de benefícios trabalhistas adicionais aos previstos por lei como bolsas de estudo e incentivos à educação, além do não uso de mão de obra infantil. E por fim, mas não menos importante, o domínio cultural é definido em termos de práticas, discursos e objetos que expressam pontos em comum e diferenças, continuidade e descontinuidade de significados ao longo do tempo. Ele envolve a interação positiva com a comunidade, a fim de desenvolver ações para preservar a cultura local. 8

9 RESÍDUOS SÓLIDOS A preocupação com questões sustentáveis, principalmente no que se refere ao domínio ecológico dos Círculos de Sustentabilidade, tem mobilizado indústrias ao redor do mundo a repensar as formas de criação e produção (otimização de processos, melhoramento de design e maior controle das operações), com base no uso de fontes de energia limpas e renováveis, na criação de políticas de redução, reuso, reciclagem e descarte de resíduos sólidos, com o intuito de diminuir o desperdício de matéria-prima e desenvolver produtos com baixo consumo de energia. Diante do atual cenário, em agosto de 2010 foi promulgada a Lei nº /10, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Essa Lei prevê a prevenção e a redução da geração de resíduos, tendo como proposta a prática de hábitos de consumo sustentável e um conjunto de instrumentos para propiciar o aumento da reciclagem¹ e da reutilização² desses resíduos e a destinação ambientalmente adequada dos rejeitos³. Entende-se por Resíduo Sólido todo material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, que pode ser descartado nos es- ²reutilização: processo de aproveitamento dos resíduos sólidos sem sua transformação biológica, física ou físico-química, obsertados sólido ou semissólido, como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d água (lagos, rios e mares), ou exijam para isso soluções técnicas ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível (POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, 2010). Para se chegar à época em que a sustentabilidade estará completamente integrada aos negócios, é necessário afastar-se cada vez mais da visão da operação como uma parte distinta da cadeia de valor, para se assumir maior responsabilidade em um sistema completo de insumos com novas formas de colaboração e parcerias com fornecedores e distribuidores. Pensando nisso, esta edição do CADERNO TECNOVAÇÃO vem dedicar espaço a modelos de negócios que prezam a não geração, redução, reutilização, reciclagem e/ou tratamento de resíduos sólidos. Soluções já previstas como objetivos da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). ¹reciclagem: processo de transformação dos resíduos sólidos que envolve a alteração de suas propriedades físicas, físico-químicas ou biológicas, com vistas à transformação em insumos ou novos produtos, observadas as condições e os padrões estabelecidos pelos órgãos competentes do Sisnama e, se couber, do SNVS e do Suasa. vadas as condições e os padrões estabelecidos pelos órgãos competentes do Sisnama e, se couber, do SNVS e do Suasa. ³rejeitos: resíduos sólidos que, depois de esgotadas todas as possibilidades de tratamento e recuperação por processos tecnológicos disponíveis e economicamente viáveis, não apresentem outra possibilidade que não a disposição final ambientalmente adequada. 9A

10 "Humanidade e natureza são um só corpo. Siga as nossas dicas e preserve vidas."

11 CÍRCULOS DA SUSTENTABILIDADE ECONOMIA Produção & Recurso Troca & Transferência Contabilidade & Regulamento Consumo & Uso Trabalho & Bem-estar Tecnologia & Infra-estrutura Riqueza & Distribuição 4 Organização & Governo Lei & Justiça Comunicação & Movimento Representação & Negociação Segurança & Acordo Diálogo & Reconciliação Ética & Responsabilidade POLÍTICA

12 ECOLOGIA Materiais & Energia Ar & Água Flora & Fauna Habitat & Comida Lugar & Espaço Construções & Assentamentos Emissão & Desperdício CULTURA Compromisso & Identidade Recreação & Criatividade Memória & Projeção Crença & Significado Gênero & Gerações Inquérito & Aprendizagem Saúde & Bem-estar Vibrante Bom Altamente Satisfatório Satisfatório + Satisfatório Satisfatório - Altamente Insatisfatório Ruim Crítico

13 9

14 Um dos vestidos mais representativos do conceito de Zero Waste, por Mark Liu. 2. Casaco com o máximo de aproveitamento do tecido na etapa de modelagem. 3. Técnica de Subtraction de Julian Roberts. Modelagem com Zero Desperdício (em inglês, Zero Waste ) Recortes e sobras de tecidos não costumam ser aproveitados pela indústria de confecção. Zero Desperdício significa projetar e gerenciar produtos e processos para evitar e eliminar sistematicamente a produção de resíduos, conservando e recuperando todos os recursos e, assim, reduzindo o volume de resíduos materiais, evitando sua queima ou aterramento. PRÓS Forma de raciocinar o projeto de moda; Eliminação do descarte de resíduos têxteis na natureza. CONTRAS Aumento do número de costuras; Aumento do tempo de produção; Aumento de gasto de energia, dentre outros custos. 10

15 Seleção de peças 2. Forum Redress 3. Desfile Seção fotográfica - Hong Kong 2012 ECOCHIC DESIGN AWARDS Ecochic é uma competição de design de moda sustentável com objetivo de criar roupas comerciais, usando o mínimo de materiais e gerando o mínimo de resíduos. Os designers participantes são educados com teorias e técnicas como modelagem zero desperdício, up-cycling e reconstrução. O desafio é melhorar, educar e permitir a adoção de uma indústria da moda mais sustentável, de modo a minimizar impactos negativos da indústria da moda na sociedade e no meio ambiente. A competição conta com a colaboração de uma ampla gama de partes interessadas, incluindo designers de moda, indústrias têxteis e de confecção, marcas e varejistas, escolas e universidades, organizações multilaterais, ONGs, instituições financeiras e organizações de mídia. 11

16 3 Imagens da campanha da marca retiradas do site. NIKE REUSE-A-SHOE O sistema Reuse-a-Shoe da Nike tem por objetivo reciclar tênis antigos da marca, assim como restos do seu processo de produção, em produtos diversos. O tênis velho é fatiado, separado e moído em um material chamado Nike Grind, que é então usado para criar pisos para academias e playgrounds, quadras de basquete e tênis, gramas sintéticas, assim como diversos produtos da marca. 12

17 Garrafas PET 2. Camisa Nike em tecido Dry- -Fit de Poliéster reciclado. 3. Extrusão do PET 4. Flocos de PET A garrafa PET que virou moda. Quando o mercado de fibras descobriu a verdadeira fonte de matéria-prima contida nas embalagens PET, a resina reciclada passou a ser empregada na indústria têxtil. A fibra de poliéster reciclado foi a grande redescoberta do plástico e a mais nova solução para redução do impacto ambiental que a embalagem de PET causa no mundo todo. A garrafa PET é coletada por cooperativas de catadores, separada por cor, triturada, transformada em flocos, extrudada e fiada. O resultado é um produto de qualidade final igual àquele confeccionado com matéria-prima não reciclada, mas com uma diferença fundamental: tem um valor social e ecológico agregado sem precedentes. 13

18 Couro utilizado na fabricação da Hermès. 2. Moldura da Petit H fabricada com resíduo de aviamentos de metal. PETIT H A Hermès, famosa por seus produtos de luxo, traz para o público a Petit H, criada para promover a reflexão sobre sustentabilidade ambiental pelo uso criativo de diferentes materiais. A marca cria objetos de design com os resíduos de materiais descartados na produção. A ideia é fazer com que as tiras de couro virem objetos como molduras de espelho, bichos de pelúcia, bolsas e carteiras. Para a criação dos produtos da Petit H, foram recrutados as costureiras e os artesãos mais experientes da Hermès. 14

19 Filme da Patagônia sobre consumo consciente. 2. Campanha sobre como conservar peças antigas. Worn Wear A Patagonia, marca de agasalhos para esportes outdoor, produz jaquetas e casacos de alta tecnologia com fibras ambientalmente consciente. A empresa se preocupa com o impacto que sua atividade produtiva causa em consumidores, funcionários, comunidade e meio ambiente. Pensando em levar consciência sustentável aos consumidores, junto com o dia do consumismo frenético que ocorre no Black Friday, a marca promove uma festa chamada Worn Wear Party, aonde o cliente leva roupas antigas em boas condições e troca por créditos para aquisição de novas peças. 3. Site da marca explicando como fazer reparos nas peças. 4. Programa da marca sobre parcerias com seus fornecedores. 15

20 Toalha de mesa de algodão desfibrado verde. 2. Moletom listrado em poliéster e algodão desfibrado reciclado. Algodão Desfibrado Retalhos e pontas de peças, ou seja, subprodutos de confecções e malharias, são resíduos sólidos que apresentam dificuldade para sua destinação. Uma pequena parte desses resíduos é utilizada em artesanato e também, depois de serem processados (desfibramento), na produção de fios grossos, normalmente destinados à fabricação de redes e outras aplicações mais rústicas. Além de evitar esses resíduos sólidos na natureza, o fato de já serem coloridos permite economia da água que seria necessária para o tingimento dos fios ou dos tecidos. A reciclagem de algodão é baseada em um processo simples. Depois do recebimento do refugo de produção das indústrias de confecção, ou seja, as sobras, aparas e peças com defeito, inicia-se o sistema de destruição do tecido, que retorna, posteriormente, à condição de fio. O fio de algodão desfibrado revela no tecido os pontos brancos (neps) que dão característica de rusticidade à peça. 16

21 1 2 17A 8 1. Camisa Dudalina 2. Kit Retalhos com botão, linha de costura e retalhos. 3. Kit Retalhos com linha de costura e retalhos. Projeto Geração de Renda 3 A Dudalina é um grupo de moda famoso pelas camisas da marca homônima, que produz quatro coleções por ano, gerando, desta forma, retalhos, aparas e off-cortes. Pensando em como utilizar as sobras de tecido, em parceria com o Instituto Adelina coordenador do projeto, a empresa desenvolveu um projeto de responsabilidade socioambiental. O Instituto Adelina (nome inspirado na fundadora da Dudalina), com mais de 600 entidades presentes em todo o Brasil, foi criado em 2007 para coordenar as ações de responsabilidade socioambiental para o público externo da Dudalina. No projeto, os resíduos (sobras de tecidos) provenientes da produção de camisas são usados na confecção de artigos de patchwork (retalhos) desenvolvidos por grupos de geração de renda. Estes grupos recebem capacitação na técnica de patchwork, kits de retalhos compostos por pequenos recortes de 8x8cm ou 6x6cm e dois cones de linha de costura como, também, resíduos de embalagem de rolos de tecido que servem de forro para a confecção das sacolas sociais mais conhecidas como ecobags, um produto para substituir as sacolas plásticas descartáveis. Para incentivar o trabalho das entidades participantes e fechar o ciclo sustentável, a Dudalina recompra as ecobags para utilizar em ações de venda e eventos.

22

23 TCX Warm Gray 3 C TCX 143 C TCX 7581 C SUSTENTABILIDADE TCX 1795 C TCX 7668 C TCX 5743 C Uma toalha manchada de café, outra de vinho, uma peça de roupa encardida de terra, uma calçada suja de amora madura... Na hora do almoço, uma beterraba tinge nosso prato e a salada de repolho roxo fica cor-de-rosa ao ser molhada com limão... (Fonte: Publicado por Ricardo Bartolato em 14 janeiro 2014; O tingimento com a utilização de vegetais é uma técnica milenar que durante muitos anos foi utilizada como a única alternativa para atribuir cores tanto para tecidos quanto para alimentos. Esta cartela é baseada em cores obtidas a partir de processos de tingimento com a utilização de corantes naturais TCX 432 C TCX 5185 C TCX 7617 C TCX Black 7 C As cores e/ou nomes aqui indicados pertencem ao sistema MODA+CASA. As cores podem não ser exatamente iguais com os padrões identificados como. Consulte as publicações atuais das Cores MODA+CASA, para visualizar a cor exata. e outras marcas Pantone são de propriedade da Pantone LLC. Pantone é uma subsidiária da X-Rite Incorporated, sendo inteiramente de sua propriedade. Pantone LLC, 2014

24 TCX Warm Gray 3 C TCX Warm Gray 3 C TCX Warm Gray 3 C TCX Warm Gray 3 C TCX Warm Gray 3 C TCX Warm Gray 3 C TCX 143 C TCX 143 C TCX 143 C TCX 143 C TCX 143 C TCX 143 C TCX 7581 C TCX 7581 C TCX 7581 C TCX 7581 C TCX 7581 C TCX 7581 C TCX 1795 C TCX 1795 C TCX 1795 C TCX 1795 C TCX 1795 C TCX 1795 C TCX 7668 C TCX 7668 C TCX 7668 C TCX 7668 C TCX 7668 C TCX 7668 C TCX 5743 C TCX 5743 C TCX 5743 C TCX 5743 C TCX 5743 C TCX 5743 C TCX 432 C TCX 432 C TCX 432 C TCX 432 C TCX 432 C TCX 432 C TCX 5185 C TCX 5185 C TCX 5185 C TCX 5185 C TCX 5185 C TCX 5185 C TCX 7617 C TCX 7617 C TCX 7617 C TCX 7617 C TCX 7617 C TCX 7617 C TCX Black 7 C TCX Black 7 C TCX Black 7 C TCX Black 7 C TCX Black 7 C TCX Black 7 C

25 17

26 18

27 MATERIAIS E ASPECTOS 19

28 PROJETO VERÃO Natê irregular com fio tinto clássico com superfície texturizada ganha um ar de contemporaneidade. 20

29 Voil bordado com paetês e estampado estampa aplicada sobre o paetê. Textura e brilho fugaz. 21

30 COMER COM OS OLHOS Tiras de não tecido usadas como fios em padrão geométrico fusão do natural e do plástico. 22

31 Linho estampado resinado para uma sensação de reflexo molhado. 23

32 TEMPEROS Jacquard com relevo, tecnicamente espesso para engenhosas decorações. 24

33 Laise decorada com foil prateado. 25

34 SUSTENTÁVEL 1 Eco Jeans 2 Malha PET 3 Lona PET 4 Gabardine Aberta 70% Algodão reciclado 30% Poliéster PET 50% Algodão 50% Poliéster 70% Algodão reciclado 30% Poliéster PET 100% Linho 5 EcoPET Bouclê 6 Gaze 88% Poliéster PET 12% Linho 100% Seda Primitiva 7 Gabardine 8 Voil Duplo 69% Algodão 31% Cânhamo 100% Linho 26

35

36 SUSTENTÁVEL Mistura delicada de algodão e poliéster para construção de um jeans irregular. 28

37 Malha piquê de estrutura bem definida, flexível porém compacta. 29

38 30 FICHA TÉCNICA

39 FICHA DE CRIAÇÃO FICHA DE CRIAÇÃO COLEÇÃO REF. DESCRIÇÃO DO MODELO DATA DESCRIÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES FRENTE LATERAL COSTAS BASE ESC. 1:7,5 31

40 FICHA DE CRIAÇÃO FICHA DE CRIAÇÃO COLEÇÃO REF. DESCRIÇÃO DO MODELO DATA DESCRIÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES FRENTE LATERAL COSTAS BASE ESC. 1:7,5 32

41 GRADE DO MODELO PP P M G GG XXG TECIDO DESCRIÇÃO COMPOSIÇÃO RENDIMENTO % DE ELASTICIDADE HORIZONTAL X VERTICAL CORES FORNECEDOR AVIAMENTOS DESCRIÇÃO COMPOSIÇÃO RENDIMENTO CONS. PEÇA CORES FORNECEDOR BENEFICIAMENTOS/OBSERVAÇÕES AMOSTRAS 33

42 FICHA DE CRIAÇÃO FICHA DE CRIAÇÃO COLEÇÃO REF. DESCRIÇÃO DO MODELO DATA DESCRIÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES FRENTE LATERAL COSTAS BASE ESC. 1:5 34

43 GRADE DO MODELO pp p m g gg RN 3m 6m 9m 12m 1a 2a 3a 4a 6a 8a 10a 12a 14a TECIDO DESCRIÇÃO COMPOSIÇÃO RENDIMENTO % DE ELASTICIDADE HORIZONTAL X VERTICAL CORES FORNECEDOR AVIAMENTOS DESCRIÇÃO COMPOSIÇÃO RENDIMENTO CONS. PEÇA CORES FORNECEDOR BENEFICIAMENTOS/OBSERVAÇÕES AMOSTRAS 35

44 36 MODELAGEM

45 UM OLHAR PARA A FORMA Marcada pelo conceito de Sustentabilidade, esta edição voltou nosso olhar para a reutilização das partes componentes das modelagens e a possibilidade de redução do acúmulo de papel com a aceleração do desenvolvimento de novas propostas de modelos. Fazendo o paralelo entre o Chef de Cozinha e o Modelista, apresentamos tanto modelagens que podem ser utilizadas como massa-base de qualquer receita, como modelagens que podem ser combinadas de formas diversas e servir como prato assinatura de cada profissional. Unindo os dois conceitos, da Sustentabilidade e da Gastronomia, que nos proporcionam novas experiências, chegamos à ideia da correta utilização da modelagem dentro da indústria têxtil e de confecção, onde os moldes aprovados são reutilizados em diversas composições de modelos, o que reduz o acúmulo de modelagens e aumenta a velocidade da concretização dos produtos. Sendo assim, compomos a publicação em dois grupos distintos de modelagens: a Modelagens Básicas Fazendo o paralelo com as experiências gastronômicas, essas modelagens são as massas-base de qualquer prato. Neste caso, estamos atendendo aos segmentos: lingerie, fitness, uniformes profissionais e moda praia. Moda praia: conjunto biquíni (tamanho 40), sunga adulto (tamanho M), sunga infantil (tamanho M ou 8 anos) e bermuda surf masculina (tamanho 44); Lingerie: calcinha (tamanho 40), 02 sutiãs (tamanho 40), cueca boxer adulto (tamanho M) e cueca boxer infantil (tamanho M ou 8 anos); b Uniformes profissionais: calça profissional com o cós tipo meio-elástico (tamanho 44), camiseta gola careca (tamanho M) e camisa polo (tamanho M); Fitness: conjunto top e calça em tecidos elásticos (tamanho 40). Modelagens de Moda Fazendo o mesmo paralelo com as experiências gastronômicas, essas modelagens são as receitas que os Chefs modelistas estão constantemente recriando, combinando infinitamente os ingredientes ou, no caso, as partes componentes das modelagens. Por combinarem, as partes componentes dos modelos similares possuem encaixes comuns, mas refletem os três temas de formas da publicação principal. Neste caso estamos atendendo ao segmentos: moda feminina, moda infantil e moda masculina. Moda feminina: 03 camisas (tamanho 40); Moda infantil: 03 vestidos (tamanho 8 anos); Moda masculina: 03 bermudas (tamanho 44). MONTE SUA RECEITA 37

46 Juntamente com todas as modelagens, tanto básicas como de moda, seguem na publicação fichas com desenhos técnicos que guiarão o destaque das modelagens impressas em formato de mapas. Todos os moldes estão numerados e seus números são descritos nas fichas correspondentes, que indicam em qual folha os mesmos se encontram. As modelagens servirão como material-base do que será desenvolvido nas Oficinas da Forma. Os participantes entenderão como chegar àqueles moldes, interpretando os produtos e combinando as partes componentes como desejarem. Abaixo, um exemplo das possíveis combinações das modelagens das camisas femininas. Monte suas receitas!

47 Bases de Uniformes Camiseta Gola Careca 1 Ingredientes 13 Tira de acabamento de 0,7cm A Manga Cortar 1 par 2A Frente Cortar 1x 3A Costas Cortar 1x 2 Modo de Preparo Frente Copiar moldes da Folha 1 - Modelagens Básicas - Uniformes Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 0,5cm; Margem de costura para bainhas de manga e barra: 2,5cm Sugestão de materiais: Tecido principal: meia malha fio 30, de algodão; Gola: ribana de algodão; Linha: nº120 ou 140 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº180 (TEX18). Largura ribana pronta: 2,0 cm. Ribana com 2cm 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 200g Consumo estimado ribana: 30g Bainha com 2,5cm 51 Costas 39

48 Bases de Uniformes Camiseta Gola Polo 1 Ingredientes 15 Tira de acabamento de 0,7cm 19 1B Peitilho Cortar 2x Tecido 2x Entretela B Manga Cortar 1 par 3B Frente Cortar 1x 4B Costas Cortar 1x 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 1 - Modelagens Básicas - Uniformes Os moldes de manga, frente e costas estão dobrados. Todos os moldes já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 0,5cm; Margem de costura para bainha da barra: 2,5cm. Frente Sugestão de materiais: Tecido principal: malha piquet, de algodão; Gola e punhos: utilizar partes prontas de malha punho; Linha: nº120 ou 140 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº180 (TEX18). 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 200g Bainha com 2,5cm 50 Costas 40

49 8C 1C 1C 8C 7C 7C 1C 1C Bases de Uniformes Calça Profissional 1 Ingredientes CALÇA PROFISSIONAL - CÓS ESQUERDO CORTAR 1X TECIDO - T. 44 7C 1C 7C 8C 8C 9C 3C 3C 3C 3C CALÇA PROFISSIONAL - BOLSO TRASEIRO CORTAR 2X TECIDO - T. 44 6C 6C 6C CALÇA PROFISSIONAL - BRAGUILHA CORTAR 1X TECIDO - T. 44 2C 5C 5C 5C 5C CALÇA PROFISSIONAL - PERTINGAL CORTAR 1X TECIDO - T. 44 9C 2C 9C 2C 2C Unir 9C e 10C 9C CALÇA PROFISSIONAL - BOLSO DIANTEIRO CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 44 9C 9C Unir 9C e 10C 4C 4C CALÇA PROFISSIONAL - CÓS DIREITO CORTAR 1X TECIDO - T. 44 4C 4C x Unir 11C e 12C x Unir 11C e 12C 44 CALÇA PROFISSIONAL - PALA CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 44 CALÇA PROFISSIONAL - PASSADOR CORTAR 1X TECIDO - T. 44 1C Bolso Frente Cortar 1 par 2C Cós Direito Cortar 1x 3C Cós Esquerdo Cortar 1x 4C Passador Cortar 1x 5C Pertingal Cortar 1x 6C Braguilha Cortar 1x 11C CALÇA PROFISSIONAL - FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T C 12C 12C CALÇA PROFISSIONAL - COSTAS CORTAR 1 PAR TECIDO - T C 10C 11C 11C 12C 12C 115 7C Bolso Traseiro Cortar 1 par 10C CALÇA PROFISSIONAL - COSTAS CORTAR 1 PAR TECIDO - T C CALÇA PROFISSIONAL - FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 44 8C Pala Cortar 1 par 9C e 10C Frente Cortar 1 par 11C e 12C Costas Cortar 1 par Frente 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 1 - Modelagens Básicas - Uniformes Os moldes já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 1 cm; Margem de costura para bainha do bolso frente e da barra: 4 cm (vira 2 e vira 2); Margem de costura para virada de elástico de 4 cm. Sugestão de materiais: Tecido principal: sarja de algodão ou mista; Linha: nº80 (TEX40) para fechamento e pespontos. 86 Sugestão para bitola de elástico: 4cm x 44cm 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 1,50m Costas 41

50 Bases de PRAIA Sunga Masculina 1 Ingredientes 30 2A 2A 1A 1A 2A SUNGA INFANTIL - COSTAS CORTAR 1X TECIDO E 1X FORRO - T. M OU 8 ANOS DOBRA 1A SUNGA INFANTIL - FRENTE CORTAR 1X TECIDO E 1X FORRO - T. M OU 8 ANOS DOBRA 20 1A 1A 1A Frente Cortar 1x Tecido 1x Forro 2A 2A 2A Costas Cortar 1x Tecido 1x Forro 9,5 Frente 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 2 - Modelagens Básicas - Praia Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 0,5cm; Margem de costura para bainha de cava: 0,8cm; Margem de costura para bainha de cós: 2cm. Costas Sugestão de materiais: Tecido principal: malha (LYCRA) de poliamida com 18% a 20% de elastano; Forro: 100% poliéster; Linha: nº120 ou 140 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº180 (TEX18). 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 50g 42

51 Bases de PRAIA Biquíni Feminino 1 Ingredientes 3B 3B 2B 1B 2B 2B 1B 1B 1,5 BIQUINI - FRENT CORTAR 1 X TECIDO E 1X FORRO- BIQUINI - COS CORTAR 1 X TECIDO E 1X FORRO- DOBR 1B Costas Cortar 1x Tecido 1x Forro 2B Frente Cortar 1x Tecido 1x Forro 1B Frente Cortar 4x Tecido 2 Modo de Preparo Frente Copiar moldes da Folha 2 - Modelagens Básicas - Praia Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 0,5cm; Margem de costura para bainha de cavas (perna): 0,8cm; Margem de costura para bainha do cortininha: 1,5cm. Sugestão de materiais: Tecido principal: malha (LYCRA) de poliamida com 18% a 20% de elastano; Forro: 100% poliéster; Linha: nº120 ou 140 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº180 (TEX18). 2,5 3 Observações 4,0 Consumo estimado tecido principal: 100g Biquini fechado em overloque. Viés de 2,5cm e com sumo de 1m. 7,0 Costas 43

52 Bases de PRAIA Sungão Masculino 1 Ingredientes 1C 1C 2C 2C 32 1C SUNGÃO MASCULINO - FRENTE CORTAR 1 X TECIDO E 1X FORRO - T. M 1C Frente Cortar 1x Tecido 1xForro 1C DOBRA 2C 2C Frente Cortar 1x Tecido 1x Forro SUNGÃO MASCULINO - FRENTE CORTAR 1 X TECIDO E 1X FORRO - T. M 2C DOBRA 3C 3C SUNGÃO MASCULINO - FUNDO CORTAR 1 X TECIDO E 1X FORRO - T. M DOBRA 3C 3C 3C Fundilho Cortar 1x Tecido 1x Forro 11 Frente 20 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 2 - Modelagens Básicas - Praia Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 0,5cm; Margem de costura para bainha de cava: 0,8cm; Margem de costura para bainha de cós: 2cm. Sugestão de materiais: Tecido principal: malha (LYCRA) de poliamida com 18% a 20% de elastano; Forro: 100% poliéster; Linha: nº120 ou 140 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº180 (TEX18). Costas 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 70g 44

53 1D 1D BERMUDA SURF MASCULINA - COS CORTAR 2X TECIDO - T. 44 1D DOBRA 1D 2D 2D 3D 3D BERMUDA SURF MASCULINA - ABA BOLSO CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 44 3D 3D 2D 2D 5D 5D 5D 4D 4D 5D 5D Unir 4D e 5D Unir 4D e 5D 5D 4D 5D 4D 5D Bases de PRAIA Bermuda Surf Masculina 1 Ingredientes 44 BERMUDA SURF MASCULINA - BOLSO TRASEIRO CORTAR 1X TECIDO - T. 44 2D Bolso Cortar 1x BERMUDA SURF MASCULINA - FRENTE E COSTAS - CORTAR 1 PAR TECIDO - T BERMUDA SURF MASCULINA - FRENTE E COSTAS CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 44 1D Cós Cortar 2x Tecido 3D Aba Bolso 4D e 5D Frente e Costas 31 2 Modo de Preparo Frente Copiar moldes da Folha 1 - Modelagens Básicas - Uniformes Os moldes de manga, frente e costas estão dobrados. Todos os moldes já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 0,5cm; Margem de costura para bainha da barra: 2,5cm. Sugestão de materiais: Tecido principal: malha piquet, de algodão; Gola e punhos: utilizar partes prontas de malha punho; Linha: nº120 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos. 3 Observações Costas Consumo estimado tecido principal: 200g 45

54 Bases Lingerie Cueca Boxer Masculina 1 Ingredientes 4,0 2A 1A 2A 1A BOXER MASCULINA CORTAR 1 PAR TECIDO- T. M 1A DOBRA 3A BOXER MASCULINA - TACO FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO- T. M 3A BOXER MASCULINA - TACO COSTAS CORTAR 1 X TECIDO- T. M 1,5 3A 1A 1A 3A 2A 1A Frente e Costas 1A 2A Taco Costas Cortar 1x 3A Taco Frente Frente 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 3 - Modelagens Básicas - Lingerie Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 0,5cm; Margem de costura para bainha de perna: 1,5cm; Largura pronta de cós: 4cm. Sugestão de materiais: Tecido principal: malha cotton-lycra com 8% a 10% de elastano; Linha: nº120 ou 140 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº180 (TEX18). Costas 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 200g 46

55 Bases Lingerie Cueca Boxer Infantil 1 Ingredientes 3,0 DOBRA 1,0 1B BOXER INFANTIL - TACO FRENTE CORTAR 1X TECIDO- 8 ANOS OU T.M BOXER INFANTIL - FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO- 8 ANOS OU T.M 1B 1B 1B Taco Cortar 1x 2B 2B 2B 2B DOBRA 2B 3B BOXER INFANTIL - COSTAS CORTAR 1X TECIDO- 8 ANOS OU T.M 3B 3B 3B 3B 2B Frente 3B Costas Cortar 1x Frente 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 3 - Modelagens Básicas - Lingerie Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 0,5cm; Margem de costura para bainha de perna: 1cm; Largura pronta de cós: 3cm. Sugestão de materiais: Tecido principal: malha cotton-lycra com 8% a 10% de elastano; Linha: nº120 ou 140 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº180 (TEX18). Costas 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 80g 47

56 Bases Lingerie Calcinha e Sutiã Feminino 1 Ingredientes 3C 2C 3C 3C 1C 2C 2C DOBRA 1C CALCINHA FEMININA - FUNDO CORTAR 1X TECIDO E 1X FORRO- T.40 1C CALCINHA FEMININA - FRENTE CORTAR 1X TECIDO- T.40 DOBRA CALCINHA FEMININA - COSTAS CORTAR 1X TECIDO- T.40 DOBRA 1C Fundilho Cortar 1x Tecido 1x Forro 2C 2C Frente Cortar 1x 2C 3C 3C Costas Cortar 1x 3C 1D DOBRA 1D 1D 2D 2D 3D SUTIÃ 01 - BOJO SUPERIOR CORTAR 1 PAR TECIDO - T.40 SUTIÃ 01 - BOJO INFERIOR CORTAR 1 PAR TECIDO - T.40 3D SUTIÃ 01 - CORPO CORTAR 1X TECIDO - T.40 1D 2D 3D 1D Corpo Cortar 1x Tecido 2D Bojo 3D Bojo Frente 1D 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 3 - Modelagens Básicas - Lingerie Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 0,5cm; Margem de costura para bainha de perna: 1cm; Largura pronta de cós: 3cm. Sugestão de materiais: Tecido principal: malha cotton-lycra com 8% a 10% de elastano; Linha: nº120 ou 140 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº180 (TEX18). 4,0 3 Observações Costas 7,0 Consumo estimado tecido principal: 80g 48

57 Bases Lingerie Sutiã Feminino 1 Ingredientes 3E 1E 1E 2E SUTIÃ 02 - CORPO CORTAR 1 PAR TECIDO - T.40 SUTIÃ 02 - BOJO CORTAR 1 PAR TECIDO - T.40 1E 1E 1E 2E 2E SUTI Ã 02 - CENTRO CORT AR 1X TECIDO - T.40 2E 2E 2E 3E 3E 3E 1E Bojo 2E Centro Cortar 1x 3E Corpo Frente 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 3 - Modelagens Básicas - Lingerie Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 0,5cm; Margem de costura para bainhas: 0,8cm. Sugestão de materiais: Tecido principal: malha com 8% a 10% de elastano; Linha: nº120 ou 140 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº180 (TEX18). Costas 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 80 g 49

58 1A 1A 1A 1A 2A 2A 1A 2A 2A 1A Bases Fitness Calça Feminina 1 Ingredientes 31 CALÇA FEMININA - FRENTE E COSTAS CORTAR 1 PAR TECIDO- T. 40 CALÇA FEMININA - CÓS CORTAR 2 PARES TECIDO- T. 40 1A Frente e Costas 2A Cós Cortar 4x 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 4 - Modelagens Básicas - Fitness Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 0,5cm; Margem de costura para bainha de perna: 1,5cm. Frente Sugestão de materiais: Tecido principal: malha cotton-lycra com 8% a 10% de elastano; Linha: nº120 ou 140 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº180 (TEX18). 3 Observações 78 Consumo estimado tecido principal: 250g Costas 50

59 Bases Fitness Top Feminino 1 Ingredientes 35 3B 3B 2B 3B 2B 1B 1B TOP FEMININO - CÓS CORTAR 1 PAR TECIDO- T. 40 1B 1B 2B 2B TOP FEMININO - FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO- T. 40 2B 3B 3B TOP FEMININO - COSTAS CORTAR 1X TECIDO- T. 40 3B 3B 1B Cós Cortar 2x 2B Frente 3B Costas Cortar 1x Frente 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 3 - Modelagens Básicas - Lingerie Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 0,5cm; Margem de costura para bainha de perna: 1,5cm; Largura pronta de cós: 4cm. 30 Sugestão de materiais: Tecido principal: malha cotton-lycra com 8% a 10% de elastano; Linha: nº120 ou 140 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº180 (TEX18). Costas 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 150g 51

60 4A 1A 1A 4A 4A 4A 1A 1A 4A CAMISA FEMININA - FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 40 4A 4A 5A 5A 5A 3A 3A 3A 5A DOBRA CAMISA FEMININA - COSTAS CORTAR 1X TECIDO - T. 40 CAMISA FEMININA - MANGA CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 40 5A 5A 3A 3A Moda Feminina Camisa Tema 1 (Temperos) 1 CAMISA FEMININA - GOLA CORTAR 2X TECIDO E 2X ENTRETELA - T. 40 Ingredientes 2A CAMISA FEMININA - COLARINHO 2A CORTAR 2X TECIDO E 2X ENTRETELA - T A Gola Cortar 2x Tecido 1x Entretela 2A Colarinho Cortar 2x Tecido 2x Entretela 3A Manga 12, ,5 12,5 51 Bainha com 3 cm 4A Frente 5A Costas Cortar 1x Frente 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 5 - Modelagens Moda - Tema 1 Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 1cm. Sugestão de materiais: Tecido principal: tecido plano tipo tricoline; Entretela colante fina; Botões de poliéster com 1,2cm de diâmetro; Linha: nº120 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº80 (TEX18) Costas 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 1,50m. 52

61 4B 4B 1B 1B 4B 1B 1B 4B 4B 1B 2B 2B VESTIDO INFANTIL - LIMPEZA MANGA CORTAR 1 PAR TECIDO T. 8 ANOS 5B 5B 5B 5B 2B 6B 2B 3B 3B 6B VESTIDO INFANTIL - GOLA CORTAR 2X TECIDO E 1X ENTRETELA - T. 8 ANOS 3B 6B 3B 3B 3B 7B 7B 7B 7B Moda Infantil Vestido Tema 1 (Temperos) 1 Ingredientes Gola com 3cm DOBRA VESTIDO INFANTIL - COSTAS CORTAR 1X TECIDO - T. 8 ANOS DOBRA VESTIDO INFANTIL - COSTAS CORTAR 1X TECIDO - T. 8 ANOS VESTIDO INFANTIL - FRENTE CORTAR 1X TECIDO - T. 8 ANOS Carcela com 2cm 20 1B Costas Cortar 1x 2B Costas Cortar 1x 3B Frente Cortar 1x 29 VESTIDO INFANTIL - PEITILHO CORTAR 2X TECIDO E 2X ENTRETELA - T. 8 ANOS VESTIDO INFANTIL - MANGA CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 8 ANOS 4B Manga 5B Limpeza Manga 6B Gola Cortar 2x Tecido 1x Entretela 7B Peitilho Cortar 2x Tecido 2x Entretela Frente 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 5 - Modelagens Moda - Tema 1 Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 1cm. Sugestão de materiais: Tecido principal: tecido plano; Entretela colante fina; Linha: nº120 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº80 (TEX18); Botões de poliéster com 1cm de diâmetro Observações Costas Consumo estimado tecido principal: 0,80m 53

62 1C 1C 7C 7C DOBRA 1C 1C BERMUDA MASCULINA - VISTA BOLSO TRAS CORTAR 2X TECIDO - T. 44 7C 7C 3C 3C 9C 9C 2C 2C 8C 3C 8C 8C 9C 9C 2C 3C 3C 4C 4C 4C 4C 5C 5C 5C 6C 6C 6C Moda Masculina Bermuda Tema 1 (Temperos) 1 Ingredientes BERMUDA MASCULINA - CÓS CORTAR 1X TECIDO - T. 44 BERMUDA MASCULINA - VISTA BOLSO CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 44 2C Espelho Bolso BERMUDA MASCULINA - FORRO BOLSO TRAS CORTAR 1 PAR FORRO - T.44 BERMUDA MASCULINA - FORRO BOLSO TRAS CORTAR 1 PAR FORRO - T.44 1C Cós Cortar 1x BERMUDA MASCULINA - FORRO BOLSO CORTAR 1 PAR FORRO - T. 44 3C e 4C Forro Bolso BERMUDA MASCULINA - FORRO BOLSO CORTAR 1 PAR FORRO - T. 44 5C e 6C Espelho Bolso C 11C 10C 10C 7C Vista Bolso BERMUDA MASCULINA - BRAGUILHA CORTAR 1X TECIDO - T. 44 8C Braguilha Cortar 1x 10C 10C 11C 30 BERMUDA MASCULINA - PERTINGAL CORTAR 1X TECIDO - T C BERMUDA MASCULINA - FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T C 11C BERMUDA MASCULINA - COSTAS CORTAR 1 PAR TECIDO - T C Frente 9C Pertingal Cortar 1x 10C Frente 11C Costas 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 5 - Modelagens Moda - Tema 1 Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 1cm. Sugestão de materiais: Tecido principal e forro: tecido plano; Entretela colante fina; Linha: nº120 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº80 (TEX18); Botões de poliéster com 1,5cm de diâmetro. Costas Bainha com 4cm 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 1,10m Consumo estimado forro: 0,30m 54

63 5A 5A 5A 5A 2A 2A 2A 6A 6A 2A 2A 6A 3A 3A 6A 6A 3A 7A 3A 7A 3A 7A 7A 4A 4A 4A 4A 4A 4A Moda Feminina Camisa Tema 2 (Comer com os Olhos) 1 1A CAMISA FEMININA - GOLA 1A CORTAR 2X TECIDO E 1X ENTRETELA - T. 40 1A Gola Cortar 2x Tecido 1x Entretela Ingredientes DOBRA CAMISA FEMININA - COSTAS CORTAR 1X TECIDO - T. 40 2A Pala Cortar 2x DOBRA CAMISA FEMININA - COSTAS CORTAR 1X TECIDO - T. 40 3A Frente CAMISA FEMININA - LATERAL FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 40 4A Lateral Frente , ,5 12,5 51 CAMISA FEMININA - FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 40 CAMISA FEMININA - MANGA CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 40 CAMISA FEMININA - MANGA CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 40 Frente 5A Frente 6A e 7A Manga 2 Modo de Preparo 20 13,5 Copiar moldes da Folha 6 - Modelagens Moda - Tema 2 62 Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 1cm. 37 Sugestão de materiais: Tecido principal: tecido plano tipo tricoline; Entretela colante fina; Botões de poliéster com 1,2cm de diâmetro; Linha: nº120 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº80 (TEX18). Costas 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 1,50m 55

64 1B 5B 5B 1B 1B 5B 5B 6B 6B 6B 2B 6B 2B 2B 2B 6B 6B 6B 6B 7B 7B 3B 3B 7B 3B 3B 7B 7B 7B 8B 8B 4B 8B 4B 4B VESTIDO INFANTIL - MANGA CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 8 ANOS 4B 9B 9B 9B Moda Infantil Vestido Tema 2 (Comer com os Olhos) 1 Ingredientes VESTIDO INFANTIL - GOLA CORTAR 2X TECIDO E 1X ENTRETELA - T. 8 ANOS VESTIDO INFANTIL - COLARINHO CORTAR 2X TECIDO E 1X ENTRETELA - T. 8 ANOS VESTIDO INFANTIL - VISTA CORTAR 2X TECIDO E 2X ENTRETELA - T. 8 ANOS Prega de 1,5cm B Gola Cortar 2x Tecido 1x Entretela 2B Colarinho Cortar 2x Tecido 1x Entretela 3B Vista Cortar 2x Tecido 2x Entretela 4B Manga 5B Limpeza Manga VESTIDO INFANTIL - LIMPEZA MANGA CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 8 ANOS VESTIDO INFANTIL - COSTAS CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 8 ANOS VESTIDO INFANTIL - FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 8 ANOS VESTIDO INFANTIL - MARTINGALE CASAS CORTAR 2X TECIDO - T. 8 ANOS 8B e 9B Mantingale Cortar 2x VESTIDO INFANTIL - MARTINGALE BOTÕES CORTAR 2X TECIDO - T. 8 ANOS Carcela com 3cm 50 6B Costas 7B Frente Frente 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 6 - Modelagens Moda - Tema 2 29 Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 1cm. 4 Sugestão de materiais: Tecido principal: tecido plano; Entretela colante fina; Linha: nº120 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº80 (TEX18); Botões de poliéster com 1cm de diâmetro Observações Prega de 12cm Pf Costas Consumo estimado tecido principal: 0,80m 56

65 1C 8C 9C 1C 8C 9C DOBRA 1C 1C BERMUDA MASCULINA - BRAGUILHA CORTAR 1X TECIDO - T. 44 BERMUDA MASCULINA - PERTINGAL CORTAR 1X TECIDO - T. 44 9C 8C 9C 2C 2C 2C 3C 3C 3C 3C 3C 4C 4C 4C 4C 5C 5C 5C 6C 6C 6C 7C 7C 7C 7C Moda Masculina Bermuda Tema 2 (Comer com os Olhos) 1 Ingredientes BERMUDA MASCULINA - CÓS CORTAR 1X TECIDO - T BERMUDA MASCULINA - FORRO BOLSO CORTAR 1 PAR FORRO - T. 44 BERMUDA MASCULINA - FORRO BOLSO CORTAR 1 PAR FORRO - T BERMUDA MASCULINA - FORRO BOLSO TRAS CORTAR 1 PAR FORRO - T.44 BERMUDA MASCULINA - FORRO BOLSO TRAS CORTAR 1 PAR FORRO - T.44 1C Cós Cortar 1x BERMUDA MASCULINA - VISTA BOLSO CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 44 2C Espelho Bolso 3C, 4C, 5C e 6C Forro Bolso BERMUDA MASCULINA - VISTA BOLSO TRAS CORTAR 2X TECIDO - T. 44 7C Vista Bolso C 11C 11C 10C 10C 8C Braguilha Cortar 1x 10C 10C 11C 12C 12C Bolsão sobreposição Frente 30 12C 9C Pertinga Cortar 1x 10C BERMUDA MASCULINA - FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T C Frente 10C 11C BERMUDA MASCULINA - COSTAS CORTAR 1 PAR TECIDO - T C Costas 11C 12C BERMUDA MASCULINA - BOLSO FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T C Bolso 12C 13C 13C Limpeza Bolso 13C BERMUDA MASCULINA - LIMPEZA BOLSO CORTAR 1 PAR - T C 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 6 - Modelagens Moda - Tema 2 Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 1cm. Sugestão de materiais: Tecido principal e forro: tecido plano; Entretela colante fina; Linha: nº120 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº80 (TEX18); Botões de poliéster com 1,5cm de diâmetro. Costas Bainha com 4cm 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 1,10m Consumo estimado forro: 0,30m 57

66 6A 1A 6A 6A 6A 6A 7A 7A 7A 7A 8A 3A 8A 3A 8A 3A 3A 3A 8A 8A 3A 3A 4A 9A 4A 9A 9A 9A 4A 4A 5A 5A 5A 5A 5A 20 Moda Feminina Camisa Tema 3 (Projeto Verão) 1 Ingredientes CAMISA FEMININA - GOLA CORTAR 1 PAR TECIDO E 1X ENTRETELA - T. 40 1A 1A 2A CAMISA FEMININA - COLARINHO 2A CORTAR 2X TECIDO E 2X ENTRETELA - T. 40 CAMISA FEMININA - FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 40 CAMISA FEMININA - LATERAL FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 40 DOBRA CAMISA FEMININA - CENTRO COSTAS CORTAR 1X TECIDO - T A Gola Cortar 2x Tecido 1x Entretela 2A Colarinho Cortar 2x Tecido 1x Entretela 3A Frente 4A Lateral Frente 5A Costas Cortar 1x 10A 12, CAMISA FEMININA - PATE FRENTE CORTAR 2X TECIDO E 2X ENTRETELA - T A 10A CAMISA FEMININA - LATERAL COSTAS CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 40 CAMISA FEMININA - COSTAS CORTAR 1X TECIDO - T. 40 DOBRA CAMISA FEMININA - PUNHO CORTAR 2X TECIDO E 2X ENTRETELA - T A CAMISA FEMININA - MANGA CORTAR 1 PAR TECIDO - T A 7 14,5 12,5 48 Distância entre os botões 3cm, entre os blocos 8cm 6A Lateral 7A Costas Cortar 1x 8A Punho 9A Vista 10A Manga Frente 2 Modo de Preparo 26 Copiar moldes da Folha 7 - Modelagens Moda - Tema 3 Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 1cm Sugestão de materiais: Tecido principal: tecido plano tipo tricoline; Entretela colante fina; Botões de poliéster com 1,2cm de diâmetro; Linha: nº120 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº80 (TEX18) Observações Costas Consumo estimado tecido principal: 1,50m. 58

67 VESTIDO INFANTIL DECOTE COSTAS CORTAR 1 PAR TECIDO T. 8 ANOS VESTIDO INFANTIL - DECOTE FRENTE CORTAR 1X TECIDO - T. 8 ANOS DOBRA Moda Infantil Vestido Tema 3 (Projeto Verão) 1 1B 1B Ingredientes 2B 2B 2B 3B 3B 4B 4B 4B B 2B 62 4B VESTIDO INFANTIL - LATERAL COSTAS CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 8 ANOS 4B 3B VESTIDO INFANTIL - LATERAL COSTAS CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 8 ANOS 3B 2B VESTIDO INFANTIL - LATERAL FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 8 ANOS 2B 1B VESTIDO INFANTIL - FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 8 ANOS 1B 1B e 2B Frente 3B e 4B Costas 5B 7B 6B 7B 6B VESTIDO INFANTIL - CAVA COSTAS CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 8 ANOS VESTIDO INFANTIL - CAVA FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 8 ANOS 8B 8B 9B 9B 126 5B VESTIDO INFANTIL - NESGA CORTAR 8X TECIDO - T. 8 ANOS 5B Nesgas Cortar 8x 5B 6B 6B 6B Cava Costas 7B 7B 7B Cava Frente 8B 8B 8B Decote Costas 9B 9B 9B Decote Frente Nesga com 19cm Frente Recorte com 12,5cm 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 7 - Modelagens Moda - Tema 3 15 Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 1cm. Sugestão de materiais: Tecido principal: tecido plano; Entretela colante fina; Linha: nº120 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº80 (TEX18); Botões de poliéster com 1cm de diâmetro Observações Consumo estimado tecido principal: 0,80m Costas 59

68 1C 1C 7C DOBRA 7C 1C 1C 7C 7C 2C 2C 9C 9C 8C 8C 2C 8C 9C 9C 4C 4C 4C 4C 3C 3C 3C 3C 3C 5C 5C 5C 6C 6C 6C Moda Masculina Bermuda Tema 3 (Projeto Verão) 1 Ingredientes BERMUDA MASCULINA - CÓS CORTAR 1X TECIDO - T BERMUDA MASCULINA - FORRO BOLSO CORTAR 1 PAR FORRO - T. 44 BERMUDA MASCULINA - FORRO BOLSO CORTAR 1 PAR FORRO - T. 44 BERMUDA MASCULINA - VISTA BOLSO CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 44 BERMUDA MASCULINA - VISTA BOLSO TRAS CORTAR 2X TECIDO - T. 44 BERMUDA MASCULINA - FORRO BOLSO TRAS CORTAR 1 PAR FORRO - T.44 BERMUDA MASCULINA - FORRO BOLSO TRAS CORTAR 1 PAR FORRO - T C Cós Cortar 1x 2C Espelho Bolso 3C, 4C, 5C e 6C Forro Bolso 62 11C 11C 10C 10C BERMUDA MASCULINA - BRAGUILHA CORTAR 1X TECIDO - T C 7C Vista Bolso 8C Braguilha Cortar 1x 10C 11C 30 BERMUDA MASCULINA - PERTINGAL CORTAR 1X TECIDO - T. 44 BERMUDA MASCULINA - FRENTE CORTAR 1 PAR TECIDO - T C BERMUDA MASCULINA - COSTAS CORTAR 1 PAR TECIDO - T. 44 Frente 10C 11C 11C 9C Pertingal Cortar 1x 10C Frente 11C Costas 2 Modo de Preparo Copiar moldes da Folha 7 - Modelagens Moda - Tema 3 Os moldes estão dobrados e já estão com margem de costura: Margem de costura para montagem: 1cm. Sugestão de materiais: Tecido principal e forro: tecido plano; Entretela colante fina; Linha: nº120 (TEX27 ou TEX24) para fechamento e pespontos; Fio: nº80 (TEX18); Botões de poliéster com 1,5cm de diâmetro. 3 Observações Consumo estimado tecido principal: 1,10m Consumo estimado forro: 0,30m Costas Bainha com 4cm 60

FICHA TÉCNICA DATA: 18-05-12 FARDAMENTO ALUNO TÉCNICO

FICHA TÉCNICA DATA: 18-05-12 FARDAMENTO ALUNO TÉCNICO 1 FICHA TÉCNICA FARDAMENTO ALUNO TÉCNICO DATA: 18-05-12 DESCRIÇÃO: CAMISETA COM RECORTES LATERAIS, MANGA MEIA CAVA COM RECORTE NO CORPO DA CAMISETA, GOLA EM ESTILO MANDARIM COM ABERTURA EM ZÍPER E PUNHO

Leia mais

FICHAS REFERENCIAIS UNIFORMES SENAC

FICHAS REFERENCIAIS UNIFORMES SENAC FICHAS REFERENCIAIS UNIFORMES SENAC RECEPÇÃO - SECRETARIA ESCOLAR - CENTRAL DE MATRÍCULA CAIXAS - CONTACT CENTER - BIBLIOTECA FEMININO - INVERNO 01 RECEPÇÃO - SECRETARIA ESCOLAR - CENTRAL DE MATRÍCULA

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 2.004 MANUAL DE QUALIDADE - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 2.004 MANUAL DE QUALIDADE - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS VERSÃO 10 PAG: 1 / 24 Esta Instrução visa definir tipos, formas e locais para fixação das etiquetas de preços, uniformizando a apresentação visual dos produtos e impedindo ainda que essas etiquetas danifiquem

Leia mais

UNIFORME SESI. Especificação Técnica

UNIFORME SESI. Especificação Técnica UNIFORME SESI Especificação Técnica 2015 SUMÁRIO 1. CAMISETA MANGA CURTA 3 2. CAMISETA MANGA LONGA 10 3. REGATA 17 4. POLO MASCULINA 24 5. POLO FEMININA 32 6. JAQUETA MASCULINA - TACTEL 40 7. JAQUETA MASCULINA

Leia mais

ANEXO V PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA PREGÃO N. 038/2010

ANEXO V PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA PREGÃO N. 038/2010 À DME Distribuição S/A - DMED PREGÃO N. 038/2010 A empresa..., inscrita no CNPJ/MF sob o n..., estabelecida à Av./Rua..., n..., bairro..., na cidade de..., CEP..., telefone..., fax..., e-mail..., vem pela

Leia mais

Uniformização das Unidades de Atendimento Integrado

Uniformização das Unidades de Atendimento Integrado Uniformização das Unidades de Atendimento Integrado 1 POSTOS UAI - PROJETO DE UNIFORMIZAÇÃO ARTIGO COD. PAG FUNÇÃO AGASALHO FEMININO BEGE T- 11/ T-12 58 COPEIRA AGASALHO FEMININO PRETO T-13 13 ATEN. RECEPÇÃO,

Leia mais

ANEXO IX ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Referente ao Pregão nº 038/2010

ANEXO IX ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Referente ao Pregão nº 038/2010 ANEXO IX ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Referente ao Pregão nº 038/2010 LOTE 01: ESPECIFICAÇÕES DO ITEM 1: Blusa para usuários do sexo feminino, colarinho, com pence de busto no sentido horizontal frente e pence

Leia mais

COMO TIRAR MEDIDAS. Na modelagem industrial, as medidas são padronizadas, mas é sempre bom saber como elas são tiradas.

COMO TIRAR MEDIDAS. Na modelagem industrial, as medidas são padronizadas, mas é sempre bom saber como elas são tiradas. COMO TIRAR MEDIDAS Na modelagem industrial, as medidas são padronizadas, mas é sempre bom saber como elas são tiradas. MEDIDAS HORIZONTAIS OU DE CIRCUNFERÊNCIA. 1. PESCOÇO OU DEGOLO: passe a fita métrica

Leia mais

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo Amanda Aroucha de Carvalho Reduzindo o seu resíduo 1 Índice 1. Apresentação 2. Você sabe o que é Educação Ambiental? 3. Problemas Ambientais 4. Para onde vai o seu resíduo? 5. Soluções para diminuir a

Leia mais

TG Triturador de Garrafas Pet. José Ricardo Lyra Palmeiro Evandro Luiz dos Santos Lopes. Átila Henrique Ferreira Jones Vasconcelos Freitas da Silva

TG Triturador de Garrafas Pet. José Ricardo Lyra Palmeiro Evandro Luiz dos Santos Lopes. Átila Henrique Ferreira Jones Vasconcelos Freitas da Silva Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho TG Triturador de Garrafas Pet Áreas Meio Ambiente Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores José

Leia mais

TÉCNICAS DE ARTESANATO Tita Mascarenhas CURSO BÁSICO DE BORDADOS BORDADO À MÃO PONTOS BÁSICOS

TÉCNICAS DE ARTESANATO Tita Mascarenhas CURSO BÁSICO DE BORDADOS BORDADO À MÃO PONTOS BÁSICOS TÉCNICAS DE ARTESANATO Tita Mascarenhas CURSO BÁSICO DE BORDADOS BORDADO À MÃO PONTOS BÁSICOS Bordado é uma forma de criar desenhos e figuras ornamentais em um tecido, utilizando para este fim diversos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIFORME EXECUTIVO PARA ATENDENTE COMERCIAL

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIFORME EXECUTIVO PARA ATENDENTE COMERCIAL ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIFORME EXECUTIVO PARA ATENDENTE COMERCIAL 1. PALETÓ MASCULINO 30039 Paletó padrão alfaiataria, três botões, 03 (três) bolsos embutidos (externo) 01 (um) bolso embutido (interno)

Leia mais

Tipos de Pontos de Costura

Tipos de Pontos de Costura Tipos de Pontos de Costura São Paulo 2009 2009 Equipe responsável Elaboração Maria Luiza Veloso Mariano Joveli Ribeiro Rodrigues Diagramação Joveli Ribeiro Rodrigues Ficha catalográfica MARIANO, Maria

Leia mais

DESCRIÇÃO UNIFORMES BLAZER FEMININO

DESCRIÇÃO UNIFORMES BLAZER FEMININO DESCRIÇÃO UNIFORMES BLAZER FEMININO Blazer padrão alfaiataria, acinturado, modelo tradicional com três botões bolsos com lapelas. Tecido composto c/ 100% poliéster, (padrão Sanyotex ou Superior); Sanyotex:

Leia mais

Colocamos a disposição para melhor orientação a tabela do IPI, onde você irá encontrar as Nomenclaturas referidas de acordo com o seu produto.

Colocamos a disposição para melhor orientação a tabela do IPI, onde você irá encontrar as Nomenclaturas referidas de acordo com o seu produto. Colocamos a disposição para melhor orientação a tabela do IPI, onde você irá encontrar as Nomenclaturas referidas de acordo com o seu produto. Observe que para as Indústrias de Confecções que trabalham

Leia mais

Capítulo 62 Vestuário e seus acessórios, exceto de malha

Capítulo 62 Vestuário e seus acessórios, exceto de malha Capítulo 62 Vestuário e seus acessórios, exceto de malha Notas. 1.- O presente Capítulo compreende apenas os artefatos confeccionados de qualquer matéria têxtil, com exclusão das pastas ("ouates") e dos

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 14/0005-PG REGISTRO DE PREÇOS ANEXO I DESCRIÇÕES DOS ITENS

PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 14/0005-PG REGISTRO DE PREÇOS ANEXO I DESCRIÇÕES DOS ITENS PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 14/0005-PG REGISTRO DE PREÇOS ANEXO I DESCRIÇÕES DOS ITENS Item Uso Interno (RCMS) Descrição Sesc Administração Sesc Deodoro QUANTIDADE ESTIMADA Sesc Turismo Sesc Saúde Sesc

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2008/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2008/1 1 1 CRIATIVIDADE Fase: 1ª Carga Horária: 60h Créditos: 04 Conceitos de criatividade. Criação e moda. Linguagem, identidade e estilo. Processo criativo. Desenvolvimento da capacidade da análise e percepção

Leia mais

Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás

Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás PRATIQUE COLETA SELETIVA Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) tem a missão de defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses

Leia mais

Projeto de Uniformização. Gerente: Mara Nogueira Machado Consultor: Sidney Araújo

Projeto de Uniformização. Gerente: Mara Nogueira Machado Consultor: Sidney Araújo Projeto de Uniformização Gerente: Mara Nogueira Machado Consultor: Sidney Araújo DETALHE Camisa Fem Tradicional TECIDO: Tricoline Elastano TECIDO DETALHE: Microleve COR: Branco COR DETALHES: 10 Verde Bandeira

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DOS UNIFORMES SESI-SP / EDUCAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DOS UNIFORMES SESI-SP / EDUCAÇÃO PADRONIZAÇÃO DOS UNIFORMES SESI-SP / EDUCAÇÃO Anexo a instrução de serviço 05/08 de novembro de 2008 Índice Jaqueta...5 Calça Forrada...10 Camiseta - Decote Careca...15 Camiseta Polo...17 Camiseta Regata...20

Leia mais

Atividades: Aprendendo a reutilizar o lixo

Atividades: Aprendendo a reutilizar o lixo : Aprendendo a reutilizar o lixo Introdução A quantidade de lixo produzido no mundo é enorme. Para você ter uma idéia dessa quantidade, basta saber que cada brasileiro gera entre 500 gramas a 2 quilos

Leia mais

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case Informações cadastrais a) Identificação: FUJIRO b) Nome: FUJIRO ECOTÊXTIL c) Setor/Atividades:

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Pesquisa e planejamento. Conceituação. Concepção de produtos de moda voltada para o mercado de acessórios. 2 ATIVIDADES COMPLRES Fase: -x- Carga

Leia mais

Página 1 de 6 KIT ENXOVAL PARA RECÉM-NASCIDOS COMPOSTO DE: - 01 cobertor; - 02 macacões curto tipo short; - 02 conjuntos tipo pagão;

Página 1 de 6 KIT ENXOVAL PARA RECÉM-NASCIDOS COMPOSTO DE: - 01 cobertor; - 02 macacões curto tipo short; - 02 conjuntos tipo pagão; KIT ENXOVAL PARA RECÉM-NASCIDOS COMPOSTO DE: - 01 cobertor; - 02 macacões curto tipo short; - 02 conjuntos tipo pagão; - 02 gorros de moletom; - 02 calças compridas; - 02 pares de meia recém-nascido; -

Leia mais

Estudo sobre o grau de incorporação nacional

Estudo sobre o grau de incorporação nacional Estudo sobre o grau de incorporação nacional Fileira Moda Têxtil e Vestuário Vila Nova de Famalicão, 19 de dezembro de 2014 2014/710/T&E-EP/F/Rev.3 DG-016/01 ÍNDICE 1. OBJETIVO E ÂMBITO... 3 2. METODOLOGIA...

Leia mais

Plano de Aula CIÊNCIAS. Reciclando

Plano de Aula CIÊNCIAS. Reciclando Plano de Aula CIÊNCIAS Reciclando Reciclando. 09 p.; il. (Série Plano de Aula; Ciências) ISBN: 1. Ensino Fundamental - Ciências 2. Ciências Naturais 3. Terra e Universo I. Título II. Série CDU:373.3:5

Leia mais

PLANO DE SUSTENTABILIDADE E LEGADOS FEIRA DO EMPREENDEDOR 2015

PLANO DE SUSTENTABILIDADE E LEGADOS FEIRA DO EMPREENDEDOR 2015 PLANO DE SUSTENTABILIDADE E LEGADOS PLANO DE SUSTENTABILIDADE E LEGADOS FEIRA DO EMPREENDEDOR APRESENTAÇÃO FEIRA DO EMPREENDEDOR Este documento representa o planejamento das ações de sustentabilidade a

Leia mais

CONSIDERANDO que cabe às OS o fornecimento dos insumos e equipamentos para as Unidades de Saúde sob contrato de Gestão com a SMSDC;

CONSIDERANDO que cabe às OS o fornecimento dos insumos e equipamentos para as Unidades de Saúde sob contrato de Gestão com a SMSDC; Circular S/SUBPAV/SAP n.º 08/2011. Rio de Janeiro, 09 de maio de 2011. Aos Coordenadores das A.P.s com vistas às Organizações Sociais e às Unidades Primárias de Saúde Assunto: Uniformes para as Equipes

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST DESIGN DE MODA MÓDULO I INTRODUÇÃO AO DESIGN EMENTA: Conceituação e dimensionamento do design, aspectos éticos, legais e postura profissional do designer. História do

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO E QUANTIDADE DO OBJETO

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO E QUANTIDADE DO OBJETO ANEXO I ESPECIFICAÇÃO E QUANTIDADE DO OBJETO LOTE 0 Item DESCRIÇÃO DO MATERIAL Código Quant. Unid. 2 3 4 5 6 7 8 9 0 CURTA, GOLA CARECA, IMPRESSÃO EM SILK SCREEN, TAMANHO P (66CM X 46 CM), CONFORME LAY-OUT

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015 Apresentação Os desafios da PNRS Outubro de 2015 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

APÊNDICE V. Modelos de Uniforme e Crachá

APÊNDICE V. Modelos de Uniforme e Crachá APÊNDICE V Modelos de Uniforme e Crachá MARÇO DE 2016 1 23 ÍNDICE 1.1. Apresentação...3 1.2. Tecidos...3 2.1. Gerente Feminino...5 2.2. Atendente Feminino...7 2.3. Gestante...9 2.4. Orientador Feminino...

Leia mais

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROCESSO N.º: 2015-0.109.508-7 EDITAL N.º: 004/SEME/2016 MODALIDADE: Pregão Eletrônico Sistema BEC TIPO: Menor preço por lote OBJETO: Constituição

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

Coordenadoria Geral de Licitações ATA PUBLICADA DOC 16/08/2007 PÁG. 63/64. Anexo I MEMORIAL DESCRITIVO

Coordenadoria Geral de Licitações ATA PUBLICADA DOC 16/08/2007 PÁG. 63/64. Anexo I MEMORIAL DESCRITIVO ATA UBLICADA DOC 16/08/2007 Á. 63/64 Anexo I EORIAL DESCRITIVO I DA DESCRIÇÃO DO OBJETO 1 O presente emorial presta-se a DESCRIÇÃO DE UNIFORES ARA O USO DE SERVIDORES JUNTO AS RAÇAS DE ATENDIENTO DAS SUBREFEITURAS,

Leia mais

MANUAL DE PRODUÇÃO PADRONIZAÇÃO DOS UNIFORMES ESCOLARES DA SATC

MANUAL DE PRODUÇÃO PADRONIZAÇÃO DOS UNIFORMES ESCOLARES DA SATC MANUAL DE PRODUÇÃO PADRONIZAÇÃO DOS UNIFORMES ESCOLARES DA SATC CALÇA ADIDAS MASCULINA Tecido: Elanca 28% Algodão e 72% Poliéster Pantone Verde: 190415 ESPECIFICAÇÃO DOS DETALHES: Largura do Cós: Elástico

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO. 1 Usefashion é um dos principais portais de pesquisa de moda do Brasil.

RESUMO EXECUTIVO. 1 Usefashion é um dos principais portais de pesquisa de moda do Brasil. RESUMO EXECUTIVO Esse relatório apresenta as tendências de moda infantil para o verão 2012/13, segundo interpretação da Usefashion 1. Essas tendências foram organizadas em 3 temas, são eles: Romantismo

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 02.008 MANUAL DE QUALIDADE - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 02.008 MANUAL DE QUALIDADE - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS VERSÃO 5 PAG: 1 / 7 Esta Instrução tem por objetivo determinar os padrões de conformidade para as informações legais obrigatórias que devem estar contidas nas etiquetas internas de composição e conservação

Leia mais

Experiências comunitárias: consultoria de moda na Serra Gaúcha.

Experiências comunitárias: consultoria de moda na Serra Gaúcha. Experiências comunitárias: consultoria de moda na Serra Gaúcha. Profa. Dra. Evelise Anicet Ruthschilling Bolsista Cristiane Maria Medeiros Schmidt Elmo Muller, Coordenador do Convênio SEBRAE/FAURGS/UFRGS

Leia mais

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR www.rehau.com.br Construção Automotiva Indústria DESIGN PARA MÓVEIS DA REHAU: SOLUÇÕES INOVADORAS DE SISTEMAS NO MESMO LOCAL A REHAU se estabeleceu como a principal

Leia mais

LOTE 1 CALÇAS E CAMISAS SOCIAIS Quantidade Geral

LOTE 1 CALÇAS E CAMISAS SOCIAIS Quantidade Geral ADENDO N. 01 PREGÃO Nº 09/2014 PUSP-SC PROCESSO N. 2014.1.499.52.3 OBJETO: Aquisição de uniformes para diversas seções da PUSP-SC. DATA E HORA DA SESSÃO DO PREGÃO PRESENCIAL: Dia 25/07/2014, as 09h00min.

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva. Redação Inara Vieira. MINISTRO DA CULTURA Juca Ferreira. Revisão Graça Mendes

PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva. Redação Inara Vieira. MINISTRO DA CULTURA Juca Ferreira. Revisão Graça Mendes PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO DA CULTURA Juca Ferreira PRESIDENTE DO IPHAN Luiz Fernando de Almeida CHEFE DE GABINETE Fernanda Pereira PROCURADORA-CHEFE FEDERAL Lúcia Sampaio

Leia mais

PRATICANDO OS 3R s. 1. Introdução

PRATICANDO OS 3R s. 1. Introdução PRATICANDO OS 3R s América SANTIAGO 1 Barbara Baumgarten Baião PEREIRA 2 Faida Denise RODRIGUES 3 Patrícia Cardoso BRÍGIDO 2 Thaise Domingos Martins de SOUZA 1 Tamires CEOLIN 1 RESUMO: Este artigo tem

Leia mais

Reciclagem. Projetos temáticos

Reciclagem. Projetos temáticos Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Educação infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos Educação Infantil Data: / / Nível: Escola: Nome: Reciclagem Justificativa Este projeto tem como foco

Leia mais

Aos Coordenadores das A.P.s com vistas às Organizações Sociais e às Unidades Primárias de Saúde Assunto: Uniformes para as Equipes de Saúde da Família

Aos Coordenadores das A.P.s com vistas às Organizações Sociais e às Unidades Primárias de Saúde Assunto: Uniformes para as Equipes de Saúde da Família Circular S/SUBPAV/SAP n.º 07/2011. Rio de Janeiro, 15 de abril de 2011. Aos Coordenadores das A.P.s com vistas às Organizações Sociais e às Unidades Primárias de Saúde Assunto: Uniformes para as Equipes

Leia mais

Meio ambiente: a conscientização começa pela educação. Implementação. Coleta Seletiva Solidária

Meio ambiente: a conscientização começa pela educação. Implementação. Coleta Seletiva Solidária Meio ambiente: a conscientização começa pela educação Implementação da Coleta Seletiva Solidária A guardiã da natureza Judith Cortesão "... Quem conhece ama, quem ama protege. Uma das descobertas mais

Leia mais

NATAL SUSTENTÁVEL: UMA PROPOSTA PRÁTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA PELO PROEJA EDIFICAÇÕES.

NATAL SUSTENTÁVEL: UMA PROPOSTA PRÁTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA PELO PROEJA EDIFICAÇÕES. 1 NATAL SUSTENTÁVEL: UMA PROPOSTA PRÁTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA PELO PROEJA EDIFICAÇÕES. FREITAS, Samylla Tassia Ferreira de¹; SILVA, Thariny Alves²; SOUSA, Leticia Ferreira de³; OLIVEIRA, Sandra

Leia mais

TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS

TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS AUTOR(ES):

Leia mais

BARRO ALTO. Resíduos sólidos preocupam

BARRO ALTO. Resíduos sólidos preocupam BARRO ALTO Resíduos sólidos preocupam Semana do Meio Ambiente de Barro Alto enfocou reaproveitamento de materiais descartáveis para a fabricação de aquecedores solares caseiros, tapetes plásticos e até

Leia mais

DESPERDÍCIO TÊXTIL NA INDÚSTRIA DA MODA RE-CÍRCULO. Roberta Lapertosa. Re-Círculo. Falar sobre o desperdício de tecido;

DESPERDÍCIO TÊXTIL NA INDÚSTRIA DA MODA RE-CÍRCULO. Roberta Lapertosa. Re-Círculo. Falar sobre o desperdício de tecido; . Falar sobre o desperdício de tecido;.quantidade de dinheiro que a moda movimenta;.15 a 20% do tecido é desperdiçado em média para cada peça cortada.. DESPERDÍCIO TÊXTIL NA INDÚSTRIA DA MODA RE-CÍRCULO

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

MANUAL IPPON SPORTS Kimono Jiu-Jitsu Série PRO Tamanhos: Kimono de Jiu-Jitsu Série Slim Tamanhos: Kimono de Jiu-Jitsu ECO Tamanhos:

MANUAL IPPON SPORTS Kimono Jiu-Jitsu Série PRO Tamanhos: Kimono de Jiu-Jitsu Série Slim Tamanhos: Kimono de Jiu-Jitsu ECO Tamanhos: Kimono Jiu-Jitsu Série PRO é super resistente e confortável, com costuras reforçadas e acabamento superior, ideal pra atletas profissionais e Casaco: Material 100% algodão trançado de alta resistência

Leia mais

Comunicação e consumo

Comunicação e consumo Comunicação e consumo Consumo e comunicação Publicidade: sistema de comunicação com fins de mercado. Base de sustento para a lógica do consumo. Trabalha em cima dos valores propostos pelo consumo: identidade,

Leia mais

RESULTADO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 689/2010 SES/SENAI PR

RESULTADO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 689/2010 SES/SENAI PR RESULTADO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 689/2010 SES/SENAI PR A Comissão de Licitações do Sistema FIEP, instituída pela Portaria nº 06/2010, informa o RESULTADO do Pregão Presencial nº 689/2010: Protocolo: 6018/2010

Leia mais

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 3

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 3 LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 3 O Colégio Objetivo fornece aos seus alunos todos os Cadernos de Atividades necessários ao trabalho desenvolvido nas diversas áreas. Esses cadernos são elaborados

Leia mais

O quadro abaixo tem as indicações de agulhas, linhas e comprimento de pontos adequados aos vários tipos de tecidos:

O quadro abaixo tem as indicações de agulhas, linhas e comprimento de pontos adequados aos vários tipos de tecidos: Relação de Tecido, Agulha, Linha e Ponto Para obter os melhores resultados, escolha sempre uma agulha de número e ponta adequados ao tecido. A agulha mais fina é de nº 9 e a mais grossa é de nº 18. Quanto

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

APRESENTAÇÃO O DESIGN É HOJE UM RECURSO ESTRATÉGICO FUNDAMENTAL PARA AUMENTAR O POTENCIAL COMPETITIVO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

APRESENTAÇÃO O DESIGN É HOJE UM RECURSO ESTRATÉGICO FUNDAMENTAL PARA AUMENTAR O POTENCIAL COMPETITIVO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. O QUE É DESIGN APRESENTAÇÃO O design ocupa grande parte do cotidiano das pessoas e das empresas, representado por uma infinidade de produtos e serviços. Ele é o meio que as empresas utilizam para transformar

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MFI 02.007 ESPECIFIAÇÕES TÉCNICAS ETIQUETAS DE MARCA PRÓPRIA

MANUAL DO FORNECEDOR MFI 02.007 ESPECIFIAÇÕES TÉCNICAS ETIQUETAS DE MARCA PRÓPRIA BORDD MNUL DO FORNECEDOR MFI 02.007 PG: 1/ 10 ESPECIFIÇÕES TÉCNICS S DE MRC PRÓPRI VIGÊNCI: 1. LYOUT E DIMENSÕES DS S Marca é a soma intangível dos atributos do produto, de seu nome, sua embalagem, sua

Leia mais

Qualidade na Confecção dos Uniformes Andréia Garcia MISSÃO Criar moda para o mercado corporativo através de uniformes adequados e modernos para identificar, padronizar e promover a marca da empresa cliente.

Leia mais

MODA CONSCIENTE: MOULAGE E ZERO WASTE

MODA CONSCIENTE: MOULAGE E ZERO WASTE MODA CONSCIENTE: MOULAGE E ZERO WASTE Conscious Fashion: Draping and Zero Waste Jensen, Beatriz; Pós-Graduanda; Centro Universitário SENAC, biajensen@hotmail.com Resumo O presente trabalho aborda as etapas

Leia mais

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Introdução O objetivo desse trabalho é ajudar as Escolas e demais instituições na implantação do programa da coleta seletiva do lixo e do lixo eletrônico.

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS TÊXTEIS ATRAVÉS DA COLAGEM TÊXTIL

REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS TÊXTEIS ATRAVÉS DA COLAGEM TÊXTIL REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS TÊXTEIS ATRAVÉS DA COLAGEM TÊXTIL Anne ANICET 1, Pedro BESSA 2, Ana Cristina BROEGA 3 1 Doutoranda em Design na Universidade de Aveiro 2 Doutor em Design na Universidade de

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional. Projeto Cultive esta ideia

Ideal Qualificação Profissional. Projeto Cultive esta ideia Ideal Qualificação Profissional Projeto Cultive esta ideia Objetivo A produção e a difusão de conhecimentos são pilares básicos da escola, é por meio da educação que se formam cidadãos conscientes de seu

Leia mais

Dicas e orientações sobre o e-commerce de roupas e acessórios

Dicas e orientações sobre o e-commerce de roupas e acessórios Boas Práticas em Moda Online Dicas e orientações sobre o e-commerce de roupas e acessórios Boas Práticas em Moda Online 1 Expediente 2015 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

Leia mais

Altenburg Sustentável

Altenburg Sustentável Altenburg Sustentável Sustentabilidade, Branding e Resultado: Uma sinergia possível Estudo de Caso Malha Eco 90 anos 1.200 colaboradores 3 unidades fabris 9.000 clientes por 9 anos consecutivos recebe

Leia mais

Missão. Quem somos: Promover o conceito de Gerenciamento Integrado do Resíduo Sólido Municipal; Promover a reciclagem pós-consumo;

Missão. Quem somos: Promover o conceito de Gerenciamento Integrado do Resíduo Sólido Municipal; Promover a reciclagem pós-consumo; Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo. Missão Promover o conceito de Gerenciamento

Leia mais

Apresentação. Vinicius Lino Ventorim Diretor da Politintas

Apresentação. Vinicius Lino Ventorim Diretor da Politintas Apresentação Seriedade, comprometimento e ética na condução de seus negócios. Esses são os princípios que regem a conduta da Politintas desde sua inauguração até os dias de hoje. Para que esses ideais

Leia mais

MANUAL DE PRODUÇÃO PADRONIZAÇÃO DOS UNIFORMES ESCOLARES DA SATC

MANUAL DE PRODUÇÃO PADRONIZAÇÃO DOS UNIFORMES ESCOLARES DA SATC MANUAL DE PRODUÇÃO PADRONIZAÇÃO DOS UNIFORMES ESCOLARES DA SATC CALÇA MASCULINA Tecido: Elanca (PA) ou Seletel Pantone Verde: 190415 (Beckauser) ESPECIFICAÇÃO DOS DETALHES: Largura do Cós: Elástico de

Leia mais

ATIVIDADE COMEMORATIVA DA SEMANA NACIONAL DE CIDADANIA E SOLIDARIEDADE

ATIVIDADE COMEMORATIVA DA SEMANA NACIONAL DE CIDADANIA E SOLIDARIEDADE ATIVIDADE COMEMORATIVA DA SEMANA NACIONAL DE CIDADANIA E SOLIDARIEDADE Mudando o Planeta CONTEÚDO Cidadania Consciência Ambiental Ação Política Meio Ambiente COMPETÊNCIAS E HABILIDADES Competência: Ampliar

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE) ANOS LETIVOS. B) TEMPO ÚTIL (Carga Horária) = 3.000 H/AULA CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE) ANOS LETIVOS. B) TEMPO ÚTIL (Carga Horária) = 3.000 H/AULA CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: MODA Graduação: BACHARELADO Regime: SERIADO ANUAL - NOTURNO Duração: 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

CONFECÇÃO DO VESTUÁRIO SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

CONFECÇÃO DO VESTUÁRIO SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL CONFECÇÃO DO VESTUÁRIO SENAI, SUA CONQUISTA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos COSTUREIRO DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL 1. TÍTULO 7632-15 Preparar profissionais para operar máquinas de costura

Leia mais

PASSARELA FENNEARTE: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA PELO CURSO DESIGN DE MODA DA FACULDADE SENAC

PASSARELA FENNEARTE: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA PELO CURSO DESIGN DE MODA DA FACULDADE SENAC PASSARELA FENNEARTE: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA PELO CURSO DESIGN DE MODA DA FACULDADE SENAC Isa Maria Meira Rocha de LIMA, Faculdade Senac Pernambuco, Professora. fac-design@pe.senac.br Introdução A Feira

Leia mais

Aliança Resíduo Zero Brasil

Aliança Resíduo Zero Brasil Aliança Resíduo Zero Brasil carta de adesão 1. Introdução A extensão dos problemas socioambientais, envolvendo o consumo e a geração de resíduos no Brasil, originam-se em grande parte nas questões econômicas,

Leia mais

NUPEV NÚCLEO DE PESQUISAS DO VESTUÁRIO MONITORAMENTO SÓCIOECONÔMICO DO SETOR DO VESTUÁRIO NO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS N U P E V

NUPEV NÚCLEO DE PESQUISAS DO VESTUÁRIO MONITORAMENTO SÓCIOECONÔMICO DO SETOR DO VESTUÁRIO NO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS N U P E V Divinópolis, 17 de fevereiro de 2012 MONITORAMENTO SÓCIOECONÔMICO DO SETOR DO VESTUÁRIO NO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS N U P E V O monitoramento do desempenho do setor do vestuário da cidade de Divinópolis

Leia mais

Este informativo tem como objetivo apresentar aos pais e responsáveis as características e o

Este informativo tem como objetivo apresentar aos pais e responsáveis as características e o Educar-se é impregnar de sentido cada momento da vida, cada ato do cotidiano. PAULO FREIRE Este informativo tem como objetivo apresentar aos pais e responsáveis as características e o funcionamento do

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

Dicas para orientar a cliente na escolha de biquínis e da roupa mais adequada para cada tipo de corpo.

Dicas para orientar a cliente na escolha de biquínis e da roupa mais adequada para cada tipo de corpo. Dicas para orientar a cliente na escolha de biquínis e da roupa mais adequada para cada tipo de corpo. Biquíni Ideal Aquelas que têm seios grandes precisam antes de tudo de sustentação. Tops com alças

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Lixo, Bicho É

Mostra de Projetos 2011. Lixo, Bicho É Mostra de Projetos 2011 Lixo, Bicho É Mostra Local de: Ivaiporã. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: APAE - MARILANDIA DO SUL. Cidade: MARILANDIA

Leia mais

Linhas, Agulhas e Costuras

Linhas, Agulhas e Costuras Linhas, Agulhas e Costuras Normalmente as linhas de costura representam aproximadamente 2% do total do custo de produção. As empresas têm investido muito em maquinários e mão de obra, sendo que geralmente

Leia mais

Isadora Ribeiro Graduanda do curso Moda na Universidade Estadual de Maringá

Isadora Ribeiro Graduanda do curso Moda na Universidade Estadual de Maringá Isadora Ribeiro Graduanda do curso Moda na Universidade Estadual de Maringá Pricila Fernanda Cancelier Soranso Graduanda do curso de Design e Marketing de Moda na Universidade do Minho Ronaldo Salvador

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UMA AÇÃO EDUCATIVA DO JARDIM BOTÂNICO DE SÃO PAULO: ECOBRINQUEDOTECA.

AVALIAÇÃO DE UMA AÇÃO EDUCATIVA DO JARDIM BOTÂNICO DE SÃO PAULO: ECOBRINQUEDOTECA. AVALIAÇÃO DE UMA AÇÃO EDUCATIVA DO JARDIM BOTÂNICO DE SÃO PAULO: ECOBRINQUEDOTECA. Ana Carolina Guglielmello de Andrade ( ¹ ), Aparecida Amaro da Silveira ( ¹ ), Fernanda Miranda Lima ( ¹ ), Tania Maria

Leia mais

MUNICIPIO DE ERECHIM PREFEITURA MUNICIPAL

MUNICIPIO DE ERECHIM PREFEITURA MUNICIPAL ADITIVO Nº 419/2014 ADITIVO AO CONTRATO ADMINISTRATIVO N.º 197/2014 ADITIVO AO CONTRATO ADMINISTRATIVO N. 197/2014 PROCESSO N.º 13443/2013 PREGÃO PRESENCIAL N.º 199/2013 AQUISIÇÃO DE EPIs - DIVERSAS SECRETARIAS

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 02.016 MANUAL DE QUALIDADE - MÉTODOS DE ENSAIO

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 02.016 MANUAL DE QUALIDADE - MÉTODOS DE ENSAIO VERSÃO 1 PAG: 1 / 5 Esta instrução visa especificar critérios para medição e avaliação de artigos têxteis quanto à variação dimensional (encolhimento ou alargamento), torção e surgimento de manchas, por

Leia mais

Ideal Work Uniformes e EPI s Ltda. Rua Pio XI, 824 - Alto da Lapa São Paulo - SP - CEP: 05060-000 Fone: (11) 3833-0264 - duplor@idealwork.com.

Ideal Work Uniformes e EPI s Ltda. Rua Pio XI, 824 - Alto da Lapa São Paulo - SP - CEP: 05060-000 Fone: (11) 3833-0264 - duplor@idealwork.com. www.centraldecatalogos.com.br - (11) 3723-5566 Ideal Work Uniformes e EPI s Ltda. Rua Pio XI, 824 - Alto da Lapa São Paulo - SP - CEP: 05060-000 Fone: (11) 3833-0264 - duplor@idealwork.com.br www.idealwork.com.br

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NAS CONCESSIONÁRIAS FIAT

SUSTENTABILIDADE NAS CONCESSIONÁRIAS FIAT SUSTENTABILIDADE NAS CONCESSIONÁRIAS FIAT EDITORIAL Desenvolvimento sustentável não é um tema novo para o Grupo Fiat. Atentas para o importante papel ocupado na sociedade e para os impactos causados pela

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES UNIDADE MÉIER

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES UNIDADE MÉIER UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES UNIDADE MÉIER ÉTICA AMBIENTAL DISCIPLINA: PODER, LIDERANÇA E ÉTICA. PROF ª: MICHELI GARGALHONE ALUNOS: FERNANDA KNOPP LEAL JULIANA CARVALHO SANTOS LUANA ROCHA DE BIASE MARCELINE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Código N 70. UNIFORMES E EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA Revisão: 02

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Código N 70. UNIFORMES E EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA Revisão: 02 1 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Código N 70 UNIFORMES E EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA Revisão: 02 CAMISA POLO DE ALTA VISIBILIDADE CLASSE 2 Manga Curta Fiscalização Data: 11/08/2015 Páginas: 16 1. PREÂMBULO Aquisição

Leia mais

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR RESUMO Este artigo defende a idéia de que na nova economia as empresas precisam incorporar a experiência do cliente a seus

Leia mais

CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2011 RECURSOS SOLÍDOS AQUECEDOR SOLAR COM MATERIAIS RECICLAVEIS

CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2011 RECURSOS SOLÍDOS AQUECEDOR SOLAR COM MATERIAIS RECICLAVEIS CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2011 RECURSOS SOLÍDOS AQUECEDOR SOLAR COM MATERIAIS RECICLAVEIS Tapera-RS 2012 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. NOME DA AABB: Programa AABB Comunidade Tapera 1.2. TÍTULO: Aquecedor

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula RECICLANDO. Anos iniciais. 4º ano. Ciências. Ser Humano e Saúde. 2 aulas (50 minutos cada) Educação Presencial

TÍTULO: Plano de Aula RECICLANDO. Anos iniciais. 4º ano. Ciências. Ser Humano e Saúde. 2 aulas (50 minutos cada) Educação Presencial Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: RECICLANDO Nível de Ensino: Ensino Fundamental / Anos iniciais Ano/Semestre de estudo Componente Curricular: Tema: Duração da Aula: Modalidade de Ensino: 4º ano Ciências

Leia mais

Eixo Temático ET-13-026 - Educação Ambiental

Eixo Temático ET-13-026 - Educação Ambiental 552 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 Eixo Temático ET-13-026 - Educação Ambiental AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO E ENVOLVIMENTO DOS ALUNOS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Condições Gerais para Apresentação de Proposta Comercial para Compras

Condições Gerais para Apresentação de Proposta Comercial para Compras FUNDAÇÃO ZERBINI EDITAL DE CONVITE n CV 005/13 PROCESSO n 019/13 DATA LIMITE PARA ENTREGA DOS ENVELOPES: /04/2013 até 10:00 hrs. DATA DE ABERTURA DOS ENVELOPES: /04/2013 às 10:00 hrs. Condições Gerais

Leia mais

Revista Digital. Equipe: Giovanni Canivier - nº18; Larissa Martins - nº30; Luiza Guariza - nº 33; Paola Pupo - nº 39. 2º C Batel.

Revista Digital. Equipe: Giovanni Canivier - nº18; Larissa Martins - nº30; Luiza Guariza - nº 33; Paola Pupo - nº 39. 2º C Batel. Revista Digital Equipe: Giovanni Canivier - nº18; Larissa Martins - nº30; Luiza Guariza - nº 33; Paola Pupo - nº 39 2º C Batel. Garrafa Pet. A embalagem PET é 100% reciclável. O processos de reciclagem

Leia mais

102 - Puppet Noel Confeiteiro. Quantidade: 4. 4 (quatro) malhas de suplex.

102 - Puppet Noel Confeiteiro. Quantidade: 4. 4 (quatro) malhas de suplex. 102 - Puppet Noel Confeiteiro. Quantidade: 4. 4 (quatro) malhas de suplex. 103 - Bolacha Puppet. Quantidade: 8. 8 (oito) meias. 104 - Boneca Fantástica Fábrica. Quantidade: 8. Reformas e ajustes necessários.

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA INDÚSTRIA TÊXTIL

SUSTENTABILIDADE NA INDÚSTRIA TÊXTIL SUSTENTABILIDADE NA INDÚSTRIA TÊXTIL CASO DA MALWEE ACIJS Jaraguá do Sul Eng. Cassiano Ricardo Minatti Coordenador Ambiental Setembro/2012 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Empresa têxtil, especializada na fabricação

Leia mais

História do vidro no Brasil

História do vidro no Brasil História do vidro no Brasil A fabricação do vidro brasileiro teve seu início após a Revolução de 30, liderada por Getúlio Vargas, e foi intensificada pela conjuntura mundial da época centralizada nos problemas

Leia mais