Campinas, 24 de maio de 2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Campinas, 24 de maio de 2010"

Transcrição

1 Estação Terminal de Acesso ETSI TS V6.5.0 ( ) Relatório de Teste Número: CertLab-E Rev1 Equipamento sob Ensaio Modelo: Nome: Solicitante Wireless Solutions Limited. Endereço: SIM Technology Building, 633, Jinzhong Road, Changning District, Shanghai, PR China. Contato: Judy Zhu Campinas, 24 de maio de 2010 Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE/INMETRO de acordo com a NBR ISO/IEC sob o número CRL Este Relatório de ensaio só deve ser reproduzido completo. Reprodução de partes requer aprovação escrita do CertLab. Os resultados deste relatório são válidos apenas para a amostra ensaiada, nas condições especificadas, não sendo extensível a quaisquer lotes. As informações contidas neste documento são confidenciais, de propriedade do solicitante descrito acima e não podem ser divulgadas sem sua autorização. RELA-LAB-031-ETA-GSM-GPRS-1800-[REV.4]

2 Laboratório de Ensaios Nome Endereço CertLab Laboratório de Ensaios Elétricos e Magnéticos Rua Maestro Francisco Manuel da Silva, 71 Santa Genebra CEP: , Campinas (SP) Telefone/Fax: (19) Mapa Signatários Autorizados - Aprovações Luiz Paulo de Oliveira Santos Supervisão Técnica Danilo Lara Carielo Gerencia Técnica Histórico deste Documento Data Revisão Motivo Alteração 14/5/ Emissão Inicial 24/5/ Alteração do endereço do Solicitante. OBS: A última versão cancela e substitui todas as versões anteriores. Sugestões / Reclamações / Comentários Favor encaminhar para: CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 2 / 29

3 Índice Página 1. Objetivo Lista de Ensaios Definições e Abreviaturas Equipamento Sob Ensaio (ESE) Informações Gerais Data de realização dos ensaios Condições Ambientais Comentário Adicional Resultado dos Ensaios GSM Emissão de Espúrios Conduzidos Modo Alocado Emissão de Espúrios Conduzidos Modo Idle Erro de freqüência e fase Potência de saída de transmissão, controle de potência e tempo de burst GPRS Erro de freqüência e fase Potência de saída de transmissão na configuração GPRS Incerteza de Medição Equipamentos Utilizados Comentário Final CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 3 / 29

4 1. Objetivo Apresentar os resultados dos ensaios de estação terminal de acesso (GSM 1800 MHz) realizados no equipamento descrito no item 4 conforme resolução descrita abaixo: Documento de Referência e Métodos de Ensaio Data ETSI TS V6.5.0 ( ) (3GPP TS version Release 6) Digital cellular telecommunications system (Phase 2+); Mobile Station (MS) conformance specification; Part 1: Conformance specification Requisitos técnicos e procedimentos de ensaios aplicáveis à certificação de produtos para telecomunicação. Nota: Requisitos publicados pela Anatel e disponíveis na página Web da Agência. 11/2005 Determinada pela OCD/Cliente na contratação do serviço Tabela 1 Normas utilizadas 2. Lista de Ensaios Item Item ETSI TS V6.5.0 ( ) Emissão de espúrios conduzidos - terminal em comunicação Emissão de espúrios conduzidos - terminal inativo Item 13.1 Item 13.3 Item Erro de freqüência e fase Potência de saída de transmissão, controle de potência e tempo de burst Erro de freqüência e fase na configuração GPRS multislot Potência de saída de transmissão na configuração GPRS Item multislot (*) com exceção de variações de temperatura e de tensão de alimentação Tabela 2 Ensaios realizados. 3. Definições e Abreviaturas ESE: Equipamento sobre ensaio N/A: Não Aplicável N/S: Não Solicitado N/C: Não consta CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 4 / 29

5 4. Equipamento Sob Ensaio (ESE) ESPECIFICAÇÕES GERAIS Item Modelo Parte do ESE #1 Terminal #2 -EVB_V1.01_PCB Placa Auxiliar #3 P-050B Fonte Tabela 3 Descrição do equipamento sob ensaio. Figura 1 Foto Geral do ESE Figura 2 Foto do ESE Figura 3 Foto Etiqueta do ESE CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 5 / 29

6 Figura 4 Foto do ESE Figura 5 Foto do ESE Figura 6 Foto do ESE Figura 7 Foto do ESE Figura 8 Foto da Fonte Figura 9 Foto Etiqueta da Fonte Figura 10 Foto da Placa Auxiliar Figura 11 Foto Etiqueta Placa Auxiliar CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 6 / 29

7 5. Informações Gerais 5.1 Data de realização dos ensaios Data do recebimento da amostra: 28/04/2010 Data de início dos ensaios: 11/05/2010 Data de Término dos ensaios: 11/05/ Condições Ambientais As condições ambientais estão definidas junto aos resultados de ensaio. 5.3 Comentário Adicional N/A CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 7 / 29

8 6. Resultado dos Ensaios Configuração de Teste (Set-up) utilizado nos ensaios (Exceto Espúrios Conduzidos): Figura 12 Set-up utilizado nos ensaios (exceto espúrios conduzidos) O testador de Radiocomunicação é conectado diretamente ao ESE através do cabo de RF. É estabelecida uma chamada de teste entre o simulador e o ESE. As medições são realizadas no ponto de conexão padrão de RF disponibilizado pelo fabricante. Para garantir a máxima potência de saída, o ESE é ensaiado conectado a fonte de alimentação fornecida pelo fabricante visando manter a máxima carga da bateria. Configuração de Teste (Set-up) utilizado nos ensaios de Espúrios Conduzidos: Figura 13 Set-up utilizado nos ensaios de espúrios conduzidos O ESE é conectado a um splitter onde o sinal é dividido entre o Testador de Radiocomunicação e o Analisador de Espectro. As medições realizadas na entrada do analisador de espectro levam em consideração as perdas dos cabos e do splitter. Um filtro rejeita faixa é utilizado para atenuar a freqüência da portadora do canal sob ensaio, visando garantir a correta medição dos sinais espúrios. A largura de banda, a faixa de freqüência, tempo de varredura e configuração dos filtros de vídeo são ajustados conforme norma aplicada para o ensaio. Procedimento de ensaio: Os ensaios são realizados de acordo com o procedimento descrito na norma ETSI TS V6.5.0 ( ) e procedimento interno PROC-LAB-044-ENSAIO DE APARELHO CELULAR - TECNOLOGIA (GSM_GPRS_EDGE). CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 8 / 29

9 6.1 GSM Emissão de Espúrios Conduzidos Modo Alocado Definição do Ensaio: Emissão de espúrios conduzidos, quando o ESE está alocado em um canal, são emissões medidas de forma conduzida no ponto de conexão padrão de RF disponibilizado pelo fabricante na faixa de 100 khz a 12,75 GHz, excluindo as freqüências associadas à portadora do canal a ser testado e a faixa de freqüência de recepção. Resultado do ensaio: Espúrios Conduzidos Modo Alocado Norma Aplicada Item da Norma ETSI TS V Item Ensaiado Temp. [ºC] Umid. [%] Executor do Ensaio Data #01, #03 21,5 51,2 Daniel 11/05/10 Banda Canal Freq. Canal [MHz] Banda Transm. [MHz] Banda Recep. [MHz] Inicial Final Inicial Final , Medições (maior medida) Faixa Freq. Inicial Freq. Final Limite RBW [MHz] [MHz] [dbm] [dbm] [MHz] Registro 1 0, khz ,05 0,10 Gráfico khz ,63 500, MHz ,29 500, MHz , , MHz , ,09 Gráfico khz , , khz , , ,8 100 khz , , , khz , , ,6 1753,8 30 khz , ,82 Gráfico , khz , , khz , , khz , , (*) 1815(*) 1880 N/A N/A N/A N/A N/A MHz , , MHz , ,58 Gráfico 4 (*) Faixas não testadas por estarem dentro da Banda de Recepção Tabela 4 Resultado do ensaio de Espúrios Conduzidos Modo Alocado CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 9 / 29

10 Ref 10 dbm * Att 10 db * RBW 10 khz * VBW 30 khz SWT 500 ms Marker 1 [T1 ] dbm khz 10 Offset 8.6 db 1 PK VIEW 0-10 A LVL DB Start 100 khz 4.99 MHz/ Stop 50 MHz Date: 11.MAY :31:01 Gráfico 1 Espúrios Conduzidos Modo Alocado (Evidência do resultado na Faixa 1) Ref 10 dbm * Att 10 db * RBW 1 MHz * VBW 3 MHz SWT 2.5 ms Marker 1 [T1 ] dbm GHz 10 Offset 8.6 db 1 PK VIEW 0-10 A LVL DB Start 1.68 GHz 1 MHz/ Stop 1.69 GHz Date: 11.MAY :31:23 Gráfico 2 Espúrios Conduzidos Modo Alocado (Evidência do resultado na Faixa 5) CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 10 / 29

11 Ref 10 dbm * Att 10 db * RBW 30 khz * VBW 100 khz SWT 20 ms Marker 1 [T1 ] dbm GHz 10 Offset 8.6 db 1 PK VIEW 0-10 A LVL DB Start GHz 420 khz/ Stop GHz Date: 11.MAY :31:50 Gráfico 3 Espúrios Conduzidos Modo Alocado (Evidência do resultado na Faixa 10) Ref 10 dbm * Att 10 db * RBW 3 MHz * VBW 3 MHz SWT 60 ms Marker 1 [T1 ] dbm GHz 10 Offset 8.6 db 1 PK VIEW 0-10 A LVL DB Start 2.5 GHz GHz/ Stop GHz Date: 11.MAY :32:17 Gráfico 4 Espúrios Conduzidos Modo Alocado (Evidência do resultado na Faixa 16) CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 11 / 29

12 6.1.2 Emissão de Espúrios Conduzidos Modo Idle Definição do Ensaio: Emissão de espúrios conduzidos, quando o ESE está inativo (idle mode), são emissões medidas de forma conduzida no ponto de conexão padrão de RF disponibilizado pelo fabricante na faixa de 100 khz a 12,75 GHz. Quando se diz terminal inativo, significa que o ESE está sincronizado com a Estação Rádio-Base, mas não está em ligação. Resultado do ensaio: Item Ensaiado #01, #03 Banda 1800 Espúrios Conduzidos Modo Idle Norma Aplicada Item da Norma ETSI TS V Temp. [ºC] Umid. [%] Executor do Ensaio Data 21,5 51,2 Daniel 11/05/10 Canal Freq. Canal [MHz] ,80 Medições (maior medida) Faixa Freq. Inicial Freq. Final Limite RBW [MHz] [MHz] [dbm] [dbm] [MHz] Registro 1 0, khz ,16 0,10 Gráfico khz ,59 828, khz ,01 902,44 Gráfico khz ,11 984, khz , ,34 Gráfico khz , , khz , ,77 Gráfico 8 Tabela 5 Resultado do ensaio de Espúrios Conduzidos Modo Idle CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 12 / 29

13 Ref 10 dbm * Att 10 db * RBW 10 khz * VBW 30 khz SWT 500 ms Marker 1 [T1 ] dbm khz 10 Offset 8.6 db 1 PK VIEW 0-10 A LVL DB Start 100 khz 4.99 MHz/ Stop 50 MHz Date: 11.MAY :32:39 Gráfico 5 Espúrios Conduzidos Modo Idle (Evidência do resultado na Faixa 1) Ref 10 dbm * Att 10 db * RBW 100 khz * VBW 300 khz SWT 15 ms Marker 1 [T1 ] dbm MHz 10 Offset 8.6 db 1 PK VIEW 0-10 A LVL DB Start 880 MHz 3.5 MHz/ Stop 915 MHz Date: 11.MAY :32:50 Gráfico 6 Espúrios Conduzidos Modo Idle (Evidência do resultado na Faixa 3) CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 13 / 29

14 Ref 10 dbm * Att 10 db * RBW 100 khz * VBW 300 khz SWT 75 ms Marker 1 [T1 ] dbm GHz 10 Offset 8.6 db 1 PK VIEW 0-10 A LVL DB Start 1 GHz 71 MHz/ Stop 1.71 GHz Date: 11.MAY :33:01 Gráfico 7 Espúrios Conduzidos Modo Idle (Evidência do resultado na Faixa 5) Ref 10 dbm * Att 10 db * RBW 100 khz * VBW 300 khz SWT 1.1 s Marker 1 [T1 ] dbm GHz 10 Offset 8.6 db 1 PK VIEW 0-10 A LVL DB Start GHz GHz/ Stop GHz Date: 11.MAY :33:12 Gráfico 8 Espúrios Conduzidos Modo Idle (Evidência do resultado na Faixa 7) CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 14 / 29

15 6.1.3 Erro de freqüência e fase Definição do Ensaio: Erro de freqüência é a diferença de freqüência entre o sinal de transmissão de RF da estação móvel (ESE) e: o sinal de transmissão RF da Estação Rádio Base (ERB); ou a freqüência nominal do canal (ARFCN) usado. Erro de fase é a diferença de fase entre o sinal de transmissão de RF da estação móvel (ESE) e a transmissão teórica de acordo com a modulação pretendida. Resultado do ensaio: Erro de Freqüência Norma Aplicada Item da Norma ETSI TS V Item Ensaiado Temp. [ºC] Umid. [%] Executor do Ensaio Data #01, #03 22,8 52,3 Rodrigo 11/05/10 Banda Canal Limite Normativo Medições [Hz] Freq. [MHz] (ARFCN) ppm Hz Pot. Máx Pot. Mín ,4 ± 0,1 ± 171,04-30,00-13, Banda 1800 Banda ,8 ± 0,1 ± 174,78-23,00-11, ,6 ± 0,1 ± 178,46-21,00-14,00 Erro de Fase RMS Freq. [MHz] Limite Normativo Medições [graus] Pot. Máx Pot. Mín ,4 ± 5 graus 1,80 1, ,8 ± 5 graus 1,80 1, ,6 ± 5 graus 1,80 1,80 Erro de Fase PICO Freq. [MHz] Limite Normativo Medições [graus] Pot. Máx Pot. Mín ,4 ± 20 graus 6,10-6, ,8 ± 20 graus -5,60 5, ,6 ± 20 graus 5,80 5,50 Tabela 6 Resultado do ensaio de Erro de freqüência e Fase Canal (ARFCN) Canal (ARFCN) CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 15 / 29

16 6.1.4 Potência de saída de transmissão, controle de potência e tempo de burst Definição do Ensaio: Potência de saída de transmissão é a média dos valores de nível medidos no ponto de conexão padrão de RF disponibilizado pelo fabricante, em um tempo superior ao tempo que a informação de um sinal de burst é transmitida. Tempo de burst é a máscara temporal a ser respeitada durante a transmissão de um sinal de burst. O controle de potência é a habilidade do transmissor do ESE ajustar a potência de saída de acordo com comandos recebidos da estação Radio Base (ERB). Este ensaio visa verificar se: 1. A potência máxima de saída está dentro dos limites normativo; 2. Todos os níveis de controle de potência (PCL), relativos à classe do ESE, estão implementados e dentro dos limites; 3. A diferença de nível entre PCL s consecutivos estão dentro dos limites; 4. A potência e o tempo quando o ESE envia um sinal burst normal atende aos limites normativos; 5. A potência e o tempo quando o ESE envia um sinal burst de acesso atende aos limites normativos. Resultado do ensaio: Controle de Potência Norma Aplicada Item da Norma ETSI TS V Item Ensaiado Temp. [ºC] Umid. [%] Executor do Ensaio Data #01, #03 22,8 52,3 Rodrigo 11/05/10 Tolerância Limite Normativo Diferença entre Medições [dbm] admissível PCL PCL Nível [dbm] [db] [db] Canal 513 Canal 700 Canal ,28 29,06 28, ,12 27,92 27, ,18 25,95 25, ,17 23,95 23, ± 3 22,13 21,89 21, ,05 19,83 19, ,03 17,84 17,80 0, ,04 15,87 15,83 e ,10 14,03 13,95 3, ,23 12,10 12, ,10 9,88 9, ± 4 8,28 8,11 8, ,43 6,26 6, ,44 4,24 4, ,06 2,82 2,68 ± ,06-0,18-0,41 Tabela 7 Resultado do ensaio de Controle de Potência CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 16 / 29

17 Tempo de Burst Normal Norma Aplicada Item da Norma ETSI TS V Item Ensaiado Temp. [ºC] Umid. [%] Executor do Ensaio Data #01, #03 22,8 52,3 Rodrigo 11/05/10 Limite Normativo PCL Nível Medições [dbm] [dbm] Canal 513 Registro Canal 700 Registro Canal 884 Registro ,28 Gráfico 9 29,06 Gráfico 11 28,92 Gráfico ,12 27,92 27, ,18 25,95 25, ,17 23,95 23, ,13 21,89 21, ,05 19,83 19, ,03 17,84 17, ,04 15,87 15, ,10 14,03 13, ,23 12,10 12, ,10 9,88 9, ,28 8,11 8, ,43 6,26 6, ,44 4,24 4, ,06 2,82 2, ,06 Gráfico 10-0,18 Gráfico 12-0,41 Gráfico 14 Tabela 8 Resultado do ensaio de Tempo de Burst Normal CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 17 / 29

18 Gráfico 9 Evidência do Resultado Tempo de Burst (Canal Inicial PCL máximo) Gráfico 10 Evidência do Resultado Tempo de Burst (Canal Inicial PCL mínimo) CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 18 / 29

19 Gráfico 11 Evidência do Resultado Tempo de Burst (Canal Central PCL máximo) Gráfico 12 Evidência do Resultado Tempo de Burst (Canal Central PCL mínimo) CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 19 / 29

20 Gráfico 13 Evidência do Resultado Tempo de Burst (Canal Final PCL máximo) Gráfico 14 Evidência do Resultado Tempo de Burst (Canal Final PCL mínimo) CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 20 / 29

21 Norma Aplicada ETSI TS V6.5.0 Tempo de Burst Acesso Item da Norma 13.3 Item Ensaiado Temp. [ºC] Umid. [%] Executor do Ensaio Data #01, #03 22,8 52,3 Rodrigo 11/05/10 Limite Normativo PCL Nível [dbm] Tolerância Diferença entre Medições [dbm] admissível [db] PCL [db] Canal 700 Registro ,13 Gráfico , , , ± 3 21, , ,91 0, ,94 e ,00 3, , , ± 4 8, , , ,86 ± ,20 Gráfico 16 Tabela 9 Resultado do ensaio de Tempo de Burst de Acesso CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 21 / 29

22 Gráfico 15 Evidência do Resultado Tempo de Burst de Acesso (Canal Central PCL máx) Gráfico 16 Evidência do Resultado Tempo de Burst de Acesso (Canal Central PCL mín) CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 22 / 29

23 6.2 GPRS Erro de freqüência e fase Definição do Ensaio: Erro de freqüência é a diferença de freqüência entre o sinal de transmissão de RF da estação móvel (ESE) e: o sinal de transmissão RF da Estação Rádio Base (ERB); ou a freqüência nominal do canal (ARFCN) usado. Erro de fase é a diferença de fase entre o sinal de transmissão de RF da estação móvel (ESE) e a transmissão teórica de acordo com a modulação pretendida. Resultado do ensaio: Erro de Freqüência GPRS Norma Aplicada Item da Norma ETSI TS V Item Ensaiado Temp. [ºC] Umid. [%] Executor do Ensaio Data #01, #03 22,8 52,3 Rodrigo 11/05/10 Banda Canal Limite Normativo Medições [Hz] Freq. [MHz] (ARFCN) ppm Hz Pot. Máx Pot. Mín ,4 ± 0,1 ± 171,04-59,00 9, ,8 ± 0,1 ± 174,78-11,00-12, ,6 ± 0,1 ± 178,46-22,00-14,00 Erro de Fase RMS GPRS Banda Canal Medições [graus] Freq. [MHz] Limite Normativo (ARFCN) Pot. Máx Pot. Mín ,4 ± 5 graus 1,90 2, ,8 ± 5 graus 1,80 1, ,6 ± 5 graus 1,90 1,80 Erro de Fase PICO GPRS Banda Canal Medições [graus] Freq. [MHz] Limite Normativo (ARFCN) Pot. Máx Pot. Mín ,4 ± 20 graus -6,10 6, ,8 ± 20 graus 6,00-6, ,6 ± 20 graus 5,70 5,90 Tabela 10 Resultado do ensaio de Erro de freqüência e Fase na configuração GPRS CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 23 / 29

24 6.2.2 Potência de saída de transmissão na configuração GPRS Definição do Ensaio: Potência de saída de transmissão é a média dos valores de nível medidos no ponto de conexão padrão de RF disponibilizado pelo fabricante, em um tempo superior ao tempo que a informação de um sinal de burst é transmitida. Tempo de Burst é a máscara temporal a ser respeitada durante a transmissão de um sinal de burst. O controle de potência é a habilidade do transmissor do ESE ajustar a potência de saída de acordo com comandos recebidos da estação Radio Base (ERB). Este ensaio visa verificar se: 1. A potência máxima de saída configuração GPRS multislot está dentro dos limites normativo; 2. Todos os níveis de controle de potência (PCL), relativos à classe do ESE, estão implementados na configuração GPRS multislot e se estão dentro dos limites; 3. O ESE suporta a potência máxima de saída em cada slot na configuração GPRS multislot; 4. A diferença entre os níveis entre PCL s consecutivos estão dentro dos limites na configuração GPRS multislot; 5. A potência e o tempo quando o ESE na configuração GPRS multislot envia um sinal burst normal atende aos limites normativos. CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 24 / 29

25 Controle de Potência na configuração GPRS multislot Norma Aplicada Item da Norma ETSI TS V Item Ensaiado Temp.[ºC] Umid. [%] Executor do Ensaio Data #01, #03 22,8 52,3 Rodrigo 11/05/10 Canal ARFCN Freq.[MHz] Nº de timeslots Redução máxima permitida [db] (R99) Inicial ,4 2 0 a 3 Tolerância Limite Normativo Diferença entre Medições [dbm] admissível PCL PCL Nível [dbm] [db] [db] 1º slot 2º slot 3º slot 4º slot ,26 29,24 N/A N/A ,87 27,83 N/A N/A ,15 26,12 N/A N/A ,5 e 24,16 24,14 N/A N/A 4 22 ± 3 3,5 22,07 22,06 N/A N/A ,99 19,99 N/A N/A ou ,98 17,97 N/A N/A e 15,97 15,99 N/A N/A ,5 14,06 14,07 N/A N/A 9 12 (para os PCL 12,17 12,13 N/A N/A reduzidos de ,05 10,08 N/A N/A acordo com o 11 8 ± 4 R99) 8,37 8,34 N/A N/A ,43 6,39 N/A N/A ,41 4,40 N/A N/A ,00 3,03 N/A N/A ± ,02 0,06 N/A N/A CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 25 / 29

26 Canal ARFCN Freq.[MHz] Nº de timeslots Redução máxima permitida [db] (R99) Central ,8 2 0 a 3 Limite Normativo Tolerância Diferença entre Medições [dbm] admissível PCL PCL Nível [dbm] [db] [db] 1º slot 2º slot 3º slot 4º slot ,03 28,99 N/A N/A ,61 27,57 N/A N/A ,87 25,89 N/A N/A ,5 e 23,90 23,94 N/A N/A 4 22 ± 3 3,5 21,86 21,86 N/A N/A ,78 19,77 N/A N/A ou ,81 17,78 N/A N/A e 15,81 15,82 N/A N/A ,5 13,89 13,92 N/A N/A 9 12 (para os PCL 12,01 12,02 N/A N/A reduzidos de ,94 9,92 N/A N/A acordo com o 11 8 ± 4 8,06 8,06 N/A N/A R99) ,23 6,23 N/A N/A ,17 4,16 N/A N/A ,79 2,76 N/A N/A ± ,21-0,25 N/A N/A Canal ARFCN Freq.[MHz] Nº de timeslots Redução máxima permitida [db] (R99) Final ,6 2 0 a 3 Tolerância Limite Normativo Diferença entre Medições [dbm] admissível PCL PCL Nível [dbm] [db] [db] 1º slot 2º slot 3º slot 4º slot ,89 28,87 N/A N/A ,75 27,73 N/A N/A ,81 25,77 N/A N/A ,5 e 23,83 23,82 N/A N/A 4 22 ± 3 3,5 21,75 21,72 N/A N/A ,75 19,73 N/A N/A ou ,70 17,69 N/A N/A e 15,73 15,73 N/A N/A ,5 13,86 13,81 N/A N/A 9 12 (para os PCL 11,95 11,94 N/A N/A reduzidos de ,82 9,80 N/A N/A acordo com o 11 8 ± 4 8,08 8,08 N/A N/A R99) ,10 6,07 N/A N/A ,04 4,01 N/A N/A ,64 2,64 N/A N/A ± ,42-0,44 N/A N/A Tabela 11 Resultado do ensaio de Controle de Potência na configuração GPRS CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 26 / 29

27 Tempo de Burst na configuração GPRS (MÁX MÁX MÁX MÁX) Norma Aplicada Item da Norma ETSI TS V Item Ensaiado Temp. [ºC] Umid. [%] Executor do Ensaio Data #01, #03 22,8 52,3 Rodrigo 11/05/10 Limite Normativo Canal ARFCN Freq. [MHz] Medições [dbm] 1º slot 2º slot 3º slot 4º slot Registro Inicial ,4 29,26 29,24 N/A N/A Central ,8 29,03 28,99 N/A N/A Gráfico 17 Final ,6 28,89 28,87 N/A N/A Tabela 12 Resultado do ensaio de tempo de burst na configuração GPRS Gráfico 17 Evidência do Resultado Tempo de Burst GPRS (MÁX MÁX MÁX MÁX) CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 27 / 29

28 Tempo de Burst na configuração GPRS (MÁX MÍN MÁX MÁX) Norma Aplicada Item da Norma ETSI TS V Item Ensaiado Temp. [ºC] Umid. [%] Executor do Ensaio Data #01, #03 22,8 52,3 Rodrigo 11/05/10 Limite Normativo Canal ARFCN Freq. [MHz] Medições [dbm] 1º slot 2º slot 3º slot 4º slot Registro Inicial ,4 29,26 0,49 N/A N/A Central ,8 29,04 0,35 N/A N/A Gráfico 18 Final ,6 28,94 0,21 N/A N/A Tabela 13 Resultado do ensaio de tempo de burst na configuração GPRS Gráfico 18 Evidência do Resultado Tempo de Burst GPRS (MÁX MÍN MÁX MÁX) CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 28 / 29

29 7. Incerteza de Medição As incertezas expandidas, dos resultados de medição dos ensaios, estão apresentadas na Tabela 14. Esta incerteza expandida foi calculada após multiplicação da incerteza combinada pelo fator de abrangência K. O CertLab adota como nível padrão de confiança 95%, K=1,96. Todas as incertezas foram calculadas conforme procedimento interno PROC-LAB-016. Tipo de Ensaio Mensurando Estimativa Incerteza (±) Unidade Medição de Espúrio GSM Amplitude 2,6 db Potência de saída de Transmissão e Controle de Potência GSM/GPRS Amplitude 0,72 db Erro de Freqüência GSM/GPRS (GMSK) Freqüência 34 Hz Erro de Fase RMS GSM/GPRS (GMSK) Fase 0,7 Graus Erro de Fase PICO GSM/GPRS (GMSK) Fase 2,3 Graus 8. Equipamentos Utilizados Cód. CertLab Equipamento 066 Analisador de Espectro Tabela 14 - Incerteza associada aos ensaios 050 Testador de Radiocomunicações 055 Splitter 063 Filtros 027#01 Atenuadores 163 Termohigrômetro 9. Comentário Final Tabela 15 Equipamentos Utilizados Os resultados deste relatório são válidos apenas para a amostra ensaiada, nas condições especificadas, não sendo extensível a quaisquer lotes. O CertLab não se responsabiliza por outros resultados do mesmo modelo. Neste documento foram evidenciados alguns registros de ensaio a nível ilustrativo, porém o CertLab mantém todos os registros salvos de todas as medições realizadas e referenciadas no relatório. Caso seja necessário a consulta de algum registro em específico o CertLab estará apto a fornecer. Conforme definido na Resolução nº 323 da Anatel, este relatório apresenta resultados dos ensaios sem parecer conclusivo ou qualquer julgamento que possa influenciar a análise dos resultados, cuja responsabilidade é do Organismo de Certificação Designado (OCD). CertLab-E Rev1 24/5/2010 Pág. 29 / 29

Campinas, 18 de outubro de 2010

Campinas, 18 de outubro de 2010 Resolução Nº 56 Seção IX Relatório de Teste Número: CertLab-WIF-63--Rev Equipamento sob Ensaio Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 8 de outubro de Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE/INMETRO

Leia mais

Campinas, 4 de outubro de 2011

Campinas, 4 de outubro de 2011 Anexo à Resolução Nº 506 Relatório de Ensaio Número: CertLab WIF 4454 11 01 Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 4 de outubro de 2011. Este Relatório de ensaio só

Leia mais

Campinas, 7 de janeiro de 2014

Campinas, 7 de janeiro de 2014 Resolução Nº 442 Relatório de Ensaio Número: CertLab-EMC-80118-13-01-Rev0 Empresa Solicitante Nome: Sonus Networks, Inc. Campinas, 7 de janeiro de 2014 Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE de acordo

Leia mais

Campinas, 1 de dezembro de 2016

Campinas, 1 de dezembro de 2016 Anexo à Resolução Nº 506 Anexo ao Ato N. 1135 Relatório de Ensaio Número: CERTLAB-S09-91690-15-05A-Rev0 Campinas, 1 de dezembro de 2016 O CertLab é um laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE de acordo

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

Campinas, 7 de janeiro de 2013

Campinas, 7 de janeiro de 2013 Relatório de Ensaio Número: CertLab-CAM-8967-12-01-Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Campinas, 7 de janeiro de 2013 Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE de acordo com a ABNT NBR ISO/IEC

Leia mais

Campinas, 16 de setembro de 2010

Campinas, 16 de setembro de 2010 Resolução Nº 442 Relatório de Ensaio Número: CertLab-EMC-1631-10-01-Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 16 de setembro de 2010 Laboratório de ensaio acreditado pela

Leia mais

Campinas, 20 de março de 2013

Campinas, 20 de março de 2013 Resolução Nº 442 Relatório de Ensaio Número: CertLab-EMC-6124-12-01-Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Technologies Corporation Campinas, 20 de março de 2013 Laboratório de ensaio acreditado

Leia mais

Treinamento Técnico Wireless 2015

Treinamento Técnico Wireless 2015 Treinamento Técnico Wireless 2015 TERMINAL CELULAR FIXO TCF-100D 1 - Torre com pára-raios e bom aterramento (vide norma NBR-5419). Sistema SPDA - Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas 2 - Possibilita

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DIGITAIS PARA O SERVIÇO FIXO EM APLICAÇÕES PONTO- MULTIPONTO NAS FAIXAS DE FREQUÊNCIAS

Leia mais

Campinas, 1 de dezembro de 2016

Campinas, 1 de dezembro de 2016 Relatório de Identificação Número: CertLab IDE 91690 15 04ARev0 Empresa Solicitante Razão Social: DIGI INTERNATIONAL Campinas, 1 de dezembro de 2016 O CertLab é um laboratório de ensaio acreditado pela

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 00-24 de novembro de 2014 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

Campinas, 7 de março de 2016

Campinas, 7 de março de 2016 Relatório de Identificação Número: CERTLAB IDE 89965 15 01 Rev0 Empresa Solicitante Razão Social: CITRIX SYSTEMS, INC. Campinas, 7 de março de 2016 O CertLab é um laboratório de ensaio acreditado pela

Leia mais

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO Revisão 01 24 de julho de 2015 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução 5 Setup de Medidas 5.1. Introdução Para realização desse trabalho foi montada uma configuração de setup de medidas em UHF, mais precisamente no canal 42, freqüência central de 641 MHz em acordo com o Plano

Leia mais

96040A. Fonte de referência com baixo ruído de fase. Dados técnicos. Simplifique seu sistema de calibração de RF. Principais benefícios

96040A. Fonte de referência com baixo ruído de fase. Dados técnicos. Simplifique seu sistema de calibração de RF. Principais benefícios 96040A Fonte de referência com baixo ruído de fase Dados técnicos Simplifique seu sistema de calibração de RF A Fonte de referência de RF Fluke Calibration 96040A permite simplificar seu sistema de calibração

Leia mais

Anexo I do Edital de Pregão Amplo nº 20/2008 Detalhamento dos Serviços de Calibração

Anexo I do Edital de Pregão Amplo nº 20/2008 Detalhamento dos Serviços de Calibração Anexo I do Edital de Pregão Amplo nº 20/2008 ÍDICE GERAL 1.Introdução... 3 2.Fases de Implementação e Prazos...4 3.Prazos e Sanções Previstas para Atrasos... 10 4.Especificação dos Serviços de Calibração...11

Leia mais

4 Normas e limites de exposição a campos eletromagnéticos

4 Normas e limites de exposição a campos eletromagnéticos 49 4 Normas e limites de a campos eletromagnéticos As normas de internacionais são elaboradas para proteger os vários segmentos da população contra todos os danos identificados causados pela energia de

Leia mais

Tecnologia de faixa para falha

Tecnologia de faixa para falha Tecnologia de faixa para falha Por Tom Bell e John Nankivell Índice 1. Introdução 1 2. Equipamento de teste / processo de teste de PIM existente 2 3. Nova análise de RTF / limitações técnicas 3 4. Fluxograma

Leia mais

Campinas, 1 de dezembro de 2016

Campinas, 1 de dezembro de 2016 Relatório de Identificação Número: CertLab IDE 91690 15 05ARev0 Empresa Solicitante Razão Social: DIGI INTERNATIONAL Campinas, 1 de dezembro de 2016 O CertLab é um laboratório de ensaio acreditado pela

Leia mais

Fundamentos para medição de potência de pulso de radar

Fundamentos para medição de potência de pulso de radar Fundamentos para medição de potência de pulso de radar Rodrigo Schneiater Engenheiro do Marketing Técnico Tipos de Sistemas de Radar RADAR Primário RADAR clássico baseado na geração de um sinal e medição

Leia mais

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008)

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETO LEI Nº 11.484/2007 CAPÍTULO II PATVD I INTRODUÇÃO O presente roteiro orienta a elaboração

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Decisão EEC de 1 de Dezembro de 2006 sobre a harmonização de sistemas GSM a bordo de aeronaves nas faixas de frequências 1710 1785 e 1805 1880 MHz (EEC/DEC/(06)07)

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 23 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO BRASILEIRO DE DE CONFORMIDADE LTDA IBEC. INSTITUTO BRASILEIRO DE DE CONFORMIDADE LTDA. CRL 0143 INFORMAÇÃO_

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Roteiro de Estudo: Telefonia Celular - Tecnologias Básicas I O Portal Teleco passa a apresentar periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Modulação por Pulsos

Modulação por Pulsos Modulação por Pulsos Propriedades Amostragem de sinais Modulação por amplitude de pulso (PAM) Modulação por pulso codificado (PCM) Modulação por largura de pulso (PWM) Modulação por posição de pulso (PPM)

Leia mais

As outorgas de TV Digital no Brasil

As outorgas de TV Digital no Brasil As outorgas de TV Digital no Brasil Eng.Jayme Marques de Carvalho Neto Secretaria de Serviços de Comunicação Eletrônica Jayme.carvalho@mc.gov.br Santiago- Chile Setembro de 2010 A Secretaria de Serviços

Leia mais

Exposição Humana a Campos Eletromagnéticos na Faixa de Radiofrequências

Exposição Humana a Campos Eletromagnéticos na Faixa de Radiofrequências Exposição Humana a Campos Eletromagnéticos na Faixa de Radiofrequências Marconi Thomaz de Souza Maya Superintendente de Outorga e Recursos à Prestação Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL Comissão

Leia mais

Histo rico da Revisa o. Data Versão Descrição Autor 11/07/2012 1.0 Versão Inicial Marcus Vinícius. MAXTRACK Industrial Ltda Manual MXT-14x

Histo rico da Revisa o. Data Versão Descrição Autor 11/07/2012 1.0 Versão Inicial Marcus Vinícius. MAXTRACK Industrial Ltda Manual MXT-14x Histo rico da Revisa o Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 11/07/2012 1.0 Versão Inicial Marcus Vinícius 2 Histórico da Revisão Conteu do 2 Conteúdo HISTÓRICO DA REVISÃO... 2 CONTEÚDO... 3

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética Segundo Anexo Res. ANATEL 442

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética Segundo Anexo Res. ANATEL 442 A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation LET-EMC-RE 1644-0900-01-C 01.00 (Pt) de 29-Nov-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N o 1135 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013. O SUPERINTENDENTE DE RADIOFREQÜÊNCIA E FISCALIZAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL, no uso das atribuições

Leia mais

5 - especificação TÉCNiCA

5 - especificação TÉCNiCA 5 - especificação TÉCNiCA ESPECIFICAÇÕES DO REPETIDOR RP-860 Frequência UL DL 824-849 MHz 869-894 MHz Especificações elétricas Potência de saída (dbm) DL: 10dBm, 15dBm, 17dBm UL: 10dBm Ganho máximo (db)

Leia mais

Portaria n.º 357, de 01 de agosto de 2014.

Portaria n.º 357, de 01 de agosto de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 357, de 01 de agosto de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica Comunicação de Dados Aula 5 Transmissão Analógica Sumário Modulação de sinais digitais Tipos de Modulação Taxa de transmissão x Taxa de modulação Modulação por amplitude Modulação por freqüência Modulação

Leia mais

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada Relatório Preliminar do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria 1ª rodada Relatório Final do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria - 1ª rodada ENSAIO DE PROFICIÊNCIA EM ESPECTROFOTOMETRIA 1ª

Leia mais

Evolução Telefonia Móvel

Evolução Telefonia Móvel 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação

Leia mais

3 Metodologia de calibração proposta

3 Metodologia de calibração proposta Metodologia de calibração proposta 49 3 Metodologia de calibração proposta A metodologia tradicional de calibração direta, novamente ilustrada na Figura 22, apresenta uma série de dificuldades e limitações,

Leia mais

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas Página: 2 / 5 Telemetria para Medição de Consumo Introdução Este documento apresenta as características técnicas da solução de telemetria do consumo de água, gás e energia (e outros medidores com saída

Leia mais

O SECRETARIO NACIONAL DE COMUNICAÇÕES DO MINISTÉRIO DA INFRA-ESTRUTURA, no uso de suas atribuições e,

O SECRETARIO NACIONAL DE COMUNICAÇÕES DO MINISTÉRIO DA INFRA-ESTRUTURA, no uso de suas atribuições e, 0 MINISTÉRIO D INFRESTRUTUR Portaria nº 052 de 04 de junho de 1991 O SECRETRIO NCIONL DE COMUNICÇÕES DO MINISTÉRIO D INFRESTRUTUR, no uso de suas atribuições e, Considerando: a expressa autorização concedida

Leia mais

Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais Série 4060

Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais Série 4060 Especificações Técnicas Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais A de Geradores de Funções/Arbitrários são capazes de gerar formas de onda senoidais, quadradas, triangulares, pulsadas e arbitrárias

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+ Teoria de Fourier Domínio da Freqüência e Domínio do Tempo A teoria de Fourier estabelece que uma forma de onda periódica pode ser decomposta em harmônicos relacionados; senos ou cossenos em diferentes

Leia mais

Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro

Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Negação Convenções Compreendendo o monte

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO Versão 5 Outubro de 2015 INDICE 1 Introdução 2 Utilização das Marcas de Conformidade no Produto 3 Utilização das

Leia mais

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA - - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - Acreditação Nº 474 Data da Acreditação 27/09/2010 Data de Validade do Certificado Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do Laboratório Situação 27/09/2016

Leia mais

Art. 2º Para os efeitos desta Resolução serão considerados os seguintes conceitos e definições:

Art. 2º Para os efeitos desta Resolução serão considerados os seguintes conceitos e definições: RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta a Lei nº 11.934, de 5 de maio de 2009, no que se refere aos limites à exposição humana a campos elétricos e magnéticos originários de

Leia mais

AS CONSEQUÊNCIAS DA DESTINAÇÃO DA FAIXA DE 700 MHz, NO BRASIL, ATUALMENTE OCUPADA PELA TV ABERTA, PARA SERVIÇOS DE BANDA LARGA MÓVEL 4G

AS CONSEQUÊNCIAS DA DESTINAÇÃO DA FAIXA DE 700 MHz, NO BRASIL, ATUALMENTE OCUPADA PELA TV ABERTA, PARA SERVIÇOS DE BANDA LARGA MÓVEL 4G SENADO FEDERAL AS CONSEQUÊNCIAS DA DESTINAÇÃO DA FAIXA DE 700 MHz, NO BRASIL, ATUALMENTE OCUPADA PELA TV ABERTA, PARA SERVIÇOS DE BANDA LARGA MÓVEL 4G Brasília DF, 19 de novembro de 2013 HISTÓRICO: CONSULTA

Leia mais

5 Metodologias de medidas dos níveis de radiação das ERBs de um sistema celular

5 Metodologias de medidas dos níveis de radiação das ERBs de um sistema celular 61 5 Metodologias de medidas dos níveis de radiação das ERBs de um sistema celular As medidas dos níveis de radiação serão feitas através de duas metodologias. Na metodologia de medidas 1, o principal

Leia mais

5 VIATURA DE MEDIDAS, PLANEJAMENTO E OS TESTES DE CAMPO

5 VIATURA DE MEDIDAS, PLANEJAMENTO E OS TESTES DE CAMPO 5 VIATURA DE MEDIDAS, PLANEJAMENTO E OS TESTES DE CAMPO A viatura de medidas é equipada para o levantamento com mastro retrátil de até 10 m de altura, um conjunto de instrumentos de medida e de armazenamento

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO ESTÉREO PERSONALIZADO PSM 300

SISTEMA DE MONITORAMENTO ESTÉREO PERSONALIZADO PSM 300 Sistemas de monitoramento pessoal PSM 300 SISTEMA DE MONITORAMENTO ESTÉREO PERSONALIZADO PSM 300 O sistema de monitoramento estéreo personalizado PSM 300 oferece áudio digital definido de 24 bits e liberdade

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012 ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012 PROCEDIMENTOS PARA LICENCIAMENTO DE ESTAÇÕES DE RADIOCOMUNICAÇÃO ASSOCIADAS À PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DESTINADO AO USO DO PÚBLICO EM GERAL - STFC

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

FREQUENCÍMETRO DE ALTA RESOLUÇÃO 2.4GHz VELLEMAN DVM13MFC2

FREQUENCÍMETRO DE ALTA RESOLUÇÃO 2.4GHz VELLEMAN DVM13MFC2 FREQUENCÍMETRO DE ALTA RESOLUÇÃO 2.4GHz VELLEMAN DVM13MFC2 MANUAL DO UTILIZADOR 1. Introdução & Características Para todos os residentes da União Europeia Importante informação ambiental sobre este produto.

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 540 / 13

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 540 / 13 Folha 1/6 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Saint-Gobain do Brasil Produtos Ind. e para Construção Ltda. Pedido n º 103/13 Divisão Weber Quartzolit Endereço:

Leia mais

manual de instalação VTR300 rev02

manual de instalação VTR300 rev02 manual de instalação VTR300 rev02 Vermelho - 12/24 volts Preto - negativo (-) Verde - saída negativa para rele de bloqueio. ( fig 1) Azul - saída positiva para acionamento de sirene até 0,5A ( fig 2) Branco

Leia mais

Rastreador RST-VT RST. Manual do Usuário. Versão 1.3 RST-VT

Rastreador RST-VT RST. Manual do Usuário. Versão 1.3 RST-VT Rastreador RST Manual do Usuário Versão 1.3 Rastreador Emissão: Revisão 1.4 Data: 12/03/2012 Número de Páginas 24 Histórico de Revisões DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 06/10/2011 1.3 05/10/2011 1.2 19/09/2011

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

PAC 13. Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo

PAC 13. Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo PAC 13 Página 1 de 8 PAC 13 Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo PAC 13 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Soluções e Inovações R&S para a cadeia metrológica da FAB - 02.07.2015 -

Soluções e Inovações R&S para a cadeia metrológica da FAB - 02.07.2015 - Soluções e Inovações R&S para a cadeia metrológica da FAB - 02.07.2015 - Agenda ı Estrutura de vendas, engenharia e suporte no Brasil ı Estrutura disponível na Alemanha ı Novidades em produtos e soluções

Leia mais

Laboratório de Ensaio. Relatório de ensaio do equipamento CNC, fabricante MCS Engenharia, modelo Proteo

Laboratório de Ensaio. Relatório de ensaio do equipamento CNC, fabricante MCS Engenharia, modelo Proteo Página: 1 de 39 Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE/INMETRO de acordo com a ABNT NBR ISO/IEC 17025, sob o número CRL 0363 Este documento contém 39 páginas e não poderá ser reproduzido, distribuído,

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento RELATÓRIO TÉCNICO Código RT-020.00/RA2/004 Emissão O.S. 15/08/13 Folha 10 de 12 Rev. A Emitente Resp. Técnico Emitente 15/08/13 Verificação / São Paulo Transporte Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410 Revisão C SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA - TI GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AOS PÓLOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

PROGRAMA DE APOIO AOS PÓLOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 1 O presente relatório refere-se as atividades de pesquisa desenvolvidas no período de abril de 2005 a abril de 2006. Neste período foi desenvolvido, entre outras atividades constantes

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre a documentação para regularização de equipamentos médicos das Classes de Risco I e II. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek 6.5. Caracterização da saturação do LNBF A verificação de nível de saturação no LNBF foi feita com o aumento do nível de sinal de TX até que se observasse frequências espúrias no analisador de espectro.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comissão de Segurança da Informação Núcleo de Governança Corporativa de TIC Setor de Segurança da Informação Revisão: 1.1 Vigência: 12/02/2016 Classificação:

Leia mais

Testes de Interferências do LTE na TV Digital

Testes de Interferências do LTE na TV Digital Testes de Interferências do LTE na TV Digital Prof. Gunnar Bedicks Laboratório de Pesquisas em TV Digital Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, 13.02.2014 Metodologia dos Estudos de Interferência

Leia mais

Notas de Aplicação. Interface Controlador HI com Leitor de Código de Barras. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Interface Controlador HI com Leitor de Código de Barras. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Interface Controlador HI com Leitor de Código de Barras HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00029 Versão 1.01 agosto-2006 HI Tecnologia Interface Controlador HI com Leitor

Leia mais

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria 1. Apresentação O OnixMiniSpy é um rastreador portátil que utiliza a tecnologia de comunicação de dados GPRS (mesma tecnologia de telefone celular) para conectar-se com a central de rastreamento e efetuar

Leia mais

EDITAL Nº 0059/2014 UNESCO

EDITAL Nº 0059/2014 UNESCO UNESCO Brasília Office Representação da UNESCO no Brasil EDITAL Nº 0059/2014 UNESCO Desenvolvimento de um sistema de informações para a realização da atividade de gestão estratégica em nível governamental

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Tendo em vista os questionamentos recebidos na consulta pública informamos que:

Tendo em vista os questionamentos recebidos na consulta pública informamos que: Do processo nº. 2006-0.327.118-5 REFERENTE: CONSULTA PÚBLICA Nº 0019/2006 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA MÓVEL, ACESSO À E-MAIL CORPORATIVO E APLICAÇÕES DEDICADAS UTILIZANDO

Leia mais

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE 1 1,QVWUXomRGH7UDEDOKR ^'_a`cbdegfihkj lgmndm opmnqir>stdumkfihtj vkw xymz_g{} ~wabdj! ƒu ˆ Š Œ iž ƒ u i %šœ, Ÿž u SUMÁRIO 3 DEFINIÇÕES 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

SUMÁRIO PlugSec Guardian ST100 PlugSec Guardian ST100

SUMÁRIO PlugSec Guardian ST100 PlugSec Guardian ST100 SUMÁRIO 1. Introdução 3 2. Para sua Segurança 3 3. Conteúdo da Embalagem 3 4. Funcionamento Básico 4 5. Compatibilidade 4 6. Modelos 4 7. Conhecendo o PlugSec Guardian ST100 5 8. Instalando Passo a Passo

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Transdutor de Resistência Transdutor de Temperatura W151 / W152. Revisão I

MANUAL DO USUÁRIO. Transdutor de Resistência Transdutor de Temperatura W151 / W152. Revisão I MANUAL DO USUÁRIO Transdutor de Resistência Transdutor de Temperatura W151 / W152 Índice Capítulo Página Introdução 3 Termo de Garantia 3 Características Técnicas 4 Esquemas de Ligação 6 Saída Analógica

Leia mais

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria Inmetro /Dimel n.º 260, de 14

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 1 ICQ BRASIL OCA Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Ambiental, acreditado pelo INME- TRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 14000, a ser usada

Leia mais

CGW-P Gateway ISDN GSM

CGW-P Gateway ISDN GSM Interface de conexão TDM entre PABX e rede Celular Interconecte seu PABX ou Switch TDM com a rede celular GSM O gateway CGW-P é um dispositivo que interconecta seu PABX ou switch de voz com as redes celulares

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

389320.262014.4074.4561.466756822.679

389320.262014.4074.4561.466756822.679 389320.262014.4074.4561.466756822.679 Conselho Federal de Enfermagem Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00026/2014 Às 09:02 horas do dia 30 de julho de 2014, reuniram se o Pregoeiro Oficial deste

Leia mais

Visando atender as diferentes realidades de seus jurisdicionados, o sistema LicitaCon contará com dois módulos para o recebimento das informações.

Visando atender as diferentes realidades de seus jurisdicionados, o sistema LicitaCon contará com dois módulos para o recebimento das informações. Manual e Validador De TCERS WIKI Conteúdo 1 Apresentação 1.1 Informações Gerais 1.2 Requisitos mínimos de hardware e software 1.3 Leiaute dos Arquivos 2 Instalação do Aplicativo 2.1 Instalação do Java

Leia mais