Campinas, 18 de outubro de 2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Campinas, 18 de outubro de 2010"

Transcrição

1 Resolução Nº 56 Seção IX Relatório de Teste Número: CertLab-WIF-63--Rev Equipamento sob Ensaio Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 8 de outubro de Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE/INMETRO de acordo com a NBR ISO/IEC 725 sob o número CRL 347. Este Relatório de ensaio só deve ser reproduzido completo. Reprodução de partes requer aprovação escrita do CertLab. Os resultados deste relatório são válidos apenas para a amostra ensaiada, nas condições especificadas, não sendo extensível a quaisquer lotes. s informações contidas neste documento são confidenciais, de propriedade do solicitante descrito acima e não podem ser divulgadas sem sua autorização. REL-LB-46-WI-FI-82.b-g-n-n4-a-[REV.3]

2 Laboratório de Ensaios Nome Endereço CertLab Laboratório de Ensaios Elétricos e Magnéticos Rua Maestro Francisco Manuel da Silva, 7 Santa Genebra CEP: 38-9, Campinas (SP) Telefone/Fax: (9) Mapa Signatários utorizados - provações Luiz Paulo de Oliveira Santos Gerente de Suporte Técnico Danilo Lara Carielo Gerente Técnico Data Revisão Motivo lteração 8// Emissão Inicial Histórico deste Documento OBS: última versão cancela e substitui todas as versões anteriores. Sugestões / Reclamações / Comentários Favor encaminhar para: CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 2 / 4

3 Índice Página. Objetivo Lista de Ensaios Definições e breviaturas Equipamento Sob Ensaio (ESE) Informações Gerais Data de realização dos ensaios Condições mbientais Comentário dicional Resultado dos Ensaios Verificação da Faixa de Operação (rt. 39) Largura de Faixa a 6 db (rt. 4-I) Potência de Pico Máxima de Saída (rt. 4-II) Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz (rt. 4-III e IV) Emissões de Espúrios (rt. 44) Incerteza de Medição Equipamentos Utilizados Comentário Final... 4 CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 3 / 4

4 . Objetivo presentar os resultados dos ensaios da tecnologia Wi-Fi realizados no equipamento descrito no item 4 conforme resolução descrita abaixo: Documento de Referência e Métodos de Ensaio Resolução nº 56 Regulamento para certificação de equipamentos de radiocomunicação de radiação restrita Data /7/8 Requisitos técnicos e procedimentos de ensaios aplicáveis à certificação de produtos para telecomunicação de categoria I e II Nota: Requisitos publicados pela natel e disponíveis na página Web da gência Determinada pela OCD/Cliente na contratação do serviço Tabela Normas utilizadas 2. Lista de Ensaios rt. 39 rt. 4 item I rt. 4 item II rt. 4 itens III e IV rt. 44 Resolução nº 56 - Seção IX Faixa de operação Largura de Faixa a 6 db Potência de Pico Máxima de saída Pico da Densidade de potência Emissão de Espúrios Tabela 2 Ensaios realizados. 3. Definições e breviaturas ESE: Equipamento sobre ensaio N/: Não plicável N/S: Não Solicitado N/C: Não consta CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 4 / 4

5 4. Equipamento Sob Ensaio (ESE) ESPECIFICÇÕES GERIS Item Modelo Parte do ESE 63- #6 Transceptor 63- #7 P-48ML Fonte de limentação 63- #8 N/C daptador POE Tabela 3 Descrição do equipamento sob ensaio. Figura Foto Geral do ESE Figura 2 Foto do ESE Figura 3 Foto Etiqueta do ESE CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 5 / 4

6 Figura 4 Foto do ESE Figura 5 Foto do ESE Figura 6 Foto do ESE Figura 7 Foto do ESE Figura 8 Foto do ESE Figura 9 Foto do ESE CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 6 / 4

7 Figura Foto da Fonte Figura Foto Etiqueta da Fonte Figura 2 Foto do daptador POE 5. Informações Gerais 5. Data de realização dos ensaios Data do recebimento da amostra: 6/9/ Data de início dos ensaios: 4// Data de Término dos ensaios: 5// 5.2 Condições mbientais s condições ambientais estão definidas junto aos resultados de ensaio. 5.3 Comentário dicional N/. CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 7 / 4

8 6. Resultado dos Ensaios Configuração de Teste (Set-up) utilizado nos ensaios: Figura 3 Set-up utilizado nos ensaios O ESE é conectado diretamente ao nalisador de espectro através de cabo RF. s medições são realizadas de forma conduzida no ponto de conexão padrão de RF disponibilizado pelo fabricante. É estabelecida comunicação entre o ESE e um Equipamento uxiliar. Para garantir máxima carga, o ESE é ensaiado conectado a fonte de alimentação fornecida pelo fabricante. Os ensaios foram realizados com o ESE operando nas seguintes condições: 82.a: Modulação: 64QM; Taxa de transmissão: 52 Mbits; 82.n: Modulação: 64QM; Taxa de transmissão: 3 Mbits; 82.n4: Modulação: 64QM; Taxa de transmissão: 3 Mbits. largura de banda, a faixa de freqüência, tempo de varredura e configuração dos filtros de vídeo são ajustados conforme norma aplicada para o ensaio. Procedimento de ensaio: Os ensaios são realizados de acordo com o procedimento descrito na resolução nº 56 e no procedimento interno PROC-LB-39-ENSIO WI-FI. CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 8 / 4

9 6. Verificação da Faixa de Operação (rt. 39) Definição do Ensaio: Com o transmissor ajustado para a máxima potência e sinal modulado, o analisador de espectro é ajustado para verificar toda a faixa de operação do ESE conforme referenciado na documentação técnica do produto. O ESE é configurado para operar nos canais inicial, central e final. Resultado do ensaio: Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW MHz * VBW 3 MHz SWT ms Start GHz 2.5 MHz/ Stop 5.85 GHz Date: 4.OCT. 8:48:32 Gráfico Verificação da faixa de operação 82.a (OFDM) CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 9 / 4

10 Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW MHz * VBW 3 MHz SWT ms Marker [T ] dbm GHz Start GHz 2.5 MHz/ Stop 5.85 GHz Date: 5.OCT. 9:: Gráfico 2 Verificação da faixa de operação 82.n () Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW MHz * VBW 3 MHz SWT ms Start GHz 2.5 MHz/ Stop 5.85 GHz Date: 5.OCT. 9:32:32 Gráfico 3 Verificação da faixa de operação 82.n (4) CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. / 4

11 6.2 Largura de Faixa a 6 db (rt. 4-I) Definição do Ensaio: Este artigo estabelece que a largura de faixa a 6 db deve ser, no mínimo, 5 khz. Com a potência máxima e transmitindo sinal modulado na maior taxa de transmissão mede-se o valor de largura de faixa a 6 db do valor de pico. O ESE é configurado para operar nos canais inicial, central e final. Resultado do ensaio: Norma plicada nexo à Resolução Nº 56 Item Ensaiado Largura de Faixa a 6 db 82.a (OFDM) Temperatura mbiente (ºC) Umidade Relativa (%) Item da Norma rt. 4 inciso I da Seção IX Data da realiz. Executor do Ensaio do Ensaio #6 a #8 24,5 45,6 Thiago 4// Canal Freqüência central Largura do Canal a do canal (MHz) 6dB (MHz) Registro ,82 Gráfico ,73 Gráfico ,73 Gráfico 6 Tabela 4 Resultado de Largura de Faixa a 6 db 82.a (OFDM) Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT ms Marker [T ] dbm GHz 3 T ndb [T] 6. db BW MHz Temp [T ndb] dbm GHz Temp 2 [T ndb] -2.4 dbm GHz T Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Date: 4.OCT. 7:53:6 Gráfico 4 Largura de faixa a 6 db no canal inicial CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. / 4

12 Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT ms Marker [T ] dbm GHz 3 ndb [T] 6. db BW MHz Temp [T ndb] -2.4 dbm GHz Temp 2 [T ndb] dbm GHz T T Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Date: 4.OCT. 7:57:28 Gráfico 5 Largura de faixa a 6 db no canal central Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT ms Marker [T ] dbm GHz 3 ndb [T] 6. db BW MHz Temp [T ndb] -6.6 dbm GHz Temp 2 [T ndb] dbm GHz T T Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Date: 4.OCT. 8::56 Gráfico 6 Largura de faixa a 6 db no canal final CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 2 / 4

13 Norma plicada nexo à Resolução Nº 56 Item Ensaiado Largura de Faixa a 6 db 82.n () Temperatura mbiente (ºC) Umidade Relativa (%) Item da Norma rt. 4 inciso I da Seção IX Data da realiz. Executor do Ensaio do Ensaio #6 a #8 25,6 44,3 Lara 5// Canal Freqüência central Largura do Canal a do canal (MHz) 6dB (MHz) Registro ,2 Gráfico ,2 Gráfico ,98 Gráfico 9 Tabela 5 Resultado de Largura de Faixa a 6 db 82.n () Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT ms Marker [T ] dbm GHz 3 ndb [T] 6. db BW MHz Temp [T ndb] dbm GHz Temp 2 [T ndb] -.64 dbm GHz T T Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Date: 5.OCT. 9:5:2 Gráfico 7 Largura de faixa a 6 db no canal inicial CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 3 / 4

14 Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT ms Marker [T ] dbm GHz 3 ndb [T] 6. db BW MHz Temp [T ndb] -3.9 dbm GHz Temp 2 [T ndb] -2. dbm GHz T T Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Date: 5.OCT. 9:5:42 Gráfico 8 Largura de faixa a 6 db no canal central * RBW khz Marker [T ] * VBW khz dbm Ref 3 dbm * tt 4 db SWT ms GHz 3 ndb [T] 6. db BW MHz Temp [T ndb] dbm GHz Temp 2 [T ndb] -3.9 dbm GHz T T Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Date: 5.OCT. 8:42:3 Gráfico 9 Largura de faixa a 6 db no canal final CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 4 / 4

15 Norma plicada nexo à Resolução Nº 56 Item Ensaiado Largura de Faixa a 6 db 82.n (4) Temperatura mbiente (ºC) Umidade Relativa (%) Item da Norma rt. 4 inciso I da Seção IX Data da realiz. Executor do Ensaio do Ensaio #6 a #8 25,6 44,3 Lara 5// Canal Freqüência central Largura do Canal a do canal (MHz) 6dB (MHz) Registro ,3 Gráfico , Gráfico Tabela 6 Resultado de Largura de Faixa a 6 db 82.n (4) Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT ms Marker [T ] dbm GHz 3 ndb [T] 6. db BW MHz Temp [T ndb] dbm GHz Temp 2 [T ndb] dbm GHz - T T2-7 Center GHz 6 MHz/ Span 6 MHz Date: 5.OCT. :4:3 Gráfico Largura de faixa a 6 db no canal inicial CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 5 / 4

16 Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT ms Marker [T ] -2.7 dbm GHz 3 ndb [T] 6. db BW MHz Temp [T ndb] dbm GHz Temp 2 [T ndb] -8.5 dbm GHz T T Center GHz 6 MHz/ Span 6 MHz Date: 5.OCT. ::8 Gráfico Largura de faixa a 6 db no canal final CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 6 / 4

17 6.3 Potência de Pico Máxima de Saída (rt. 4-II) Definição do Ensaio: Este artigo estabelece que a potência de pico máxima de saída do transmissor não pode ser superior a Watt (3 dbm). Com a potência máxima e transmitindo sinal modulado na maior taxa de transmissão mede-se o valor de potência através do nalisador de Espectro. O ESE é configurado para operar nos canais inicial, central e final. Resultado do ensaio: Potência de Pico Máxima de Saída 82.a (OFDM) Norma plicada nexo à Resolução Nº 56 Item Ensaiado Temperatura mbiente (ºC) Umidade Relativa (%) Item da Norma rt. 4 inciso II da Seção IX Executor do Ensaio Data da realiz. do Ensaio #6 a #8 24,5 45,6 Thiago 4// Canal Freqüência central Potência de Pico do canal (MHz) Máxima (dbm) Registro ,95 Gráfico ,8 Gráfico , Gráfico 4 Tabela 7 Resultado de Potência de Pico Máxima de Saída 82.a (OFDM) Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW MHz * VBW MHz SWT ms - Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Tx Channel Bandwidth 6.82 MHz Power 2.95 dbm Date: 4.OCT. 8:5:56 Gráfico 2 Potência de Pico Máxima de Saída no canal inicial CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 7 / 4

18 Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW MHz * VBW MHz SWT ms - Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Tx Channel Bandwidth 6.73 MHz Power 2.8 dbm Date: 4.OCT. 8:9:44 Gráfico 3 Potência de Pico Máxima de Saída no canal central Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW MHz * VBW MHz SWT ms - Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Tx Channel Bandwidth 6.73 MHz Power 2. dbm Date: 5.OCT. :2:3 Gráfico 4 Potência de Pico Máxima de Saída no canal final CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 8 / 4

19 Potência de Pico Máxima de Saída 82.n () Norma plicada nexo à Resolução Nº 56 Item Ensaiado Temperatura mbiente (ºC) Umidade Relativa (%) Item da Norma rt. 4 inciso II da Seção IX Executor do Ensaio Data da realiz. do Ensaio #6 a #8 25,6 44,3 Lara 5// Canal Freqüência central Potência de Pico do canal (MHz) Máxima (dbm) Registro ,86 Gráfico ,9 Gráfico ,93 Gráfico 7 Tabela 8 Resultado de Potência de Pico Máxima de Saída 82.n () Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW MHz * VBW MHz SWT ms - 3 MHz/ Center GHz Span 3 MHz Tx Channel Bandwidth 8.2 MHz Power 2.86 dbm Date: 5.OCT. 9:6:8 Gráfico 5 Potência de Pico Máxima de Saída no canal inicial CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 9 / 4

20 Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW MHz * VBW MHz SWT ms - 3 MHz/ Center GHz Span 3 MHz Tx Channel Bandwidth 8.2 MHz Power 2.9 dbm Date: 5.OCT. 9:7:38 Gráfico 6 Potência de Pico Máxima de Saída no canal central Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW MHz * VBW MHz SWT ms - 3 MHz/ Center GHz Span 3 MHz Tx Channel Bandwidth 7.98 MHz Power 9.93 dbm Date: 5.OCT. 8:46:5 Gráfico 7 Potência de Pico Máxima de Saída no canal final CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. / 4

21 Potência de Pico Máxima de Saída 82.n (4) Norma plicada nexo à Resolução Nº 56 Item Ensaiado Temperatura mbiente (ºC) Umidade Relativa (%) Item da Norma rt. 4 inciso II da Seção IX Executor do Ensaio Data da realiz. do Ensaio #6 a #8 25,6 44,3 Lara 5// Canal Freqüência central Potência de Pico do canal (MHz) Máxima (dbm) Registro ,5 Gráfico ,73 Gráfico 9 Tabela 9 Resultado de Potência de Pico Máxima de Saída 82.n (4) Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW MHz * VBW MHz SWT ms - Center GHz 6 MHz/ Span 6 MHz Tx Channel Bandwidth 37.3 MHz Power 2.5 dbm Date: 5.OCT. ::4 Gráfico 8 Potência de Pico Máxima de Saída no canal inicial CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 2 / 4

22 Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW MHz * VBW MHz SWT ms - 6 MHz/ Center GHz Span 6 MHz Tx Channel Bandwidth 37. MHz Power.73 dbm Date: 5.OCT. ::6 Gráfico 9 Potência de Pico Máxima de Saída no canal final CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 22 / 4

23 6.4 Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz (rt. 4- III e IV) Definição do Ensaio: Este artigo no inciso III estabelece que o pico da densidade espectral de potência, em qualquer faixa de 3 khz durante qualquer intervalo de tempo de transmissão contínua, não deve ser superior a 8 dbm. O inciso IV descreve que para os sistemas operando na faixa ,5 MHz, cujas estações utilizem potência e.i.r.p. igual ou inferior a 4 mw, em localidades com população superior a 5. habitantes, o pico da densidade espectral de potência, em qualquer faixa de 3 khz durante qualquer intervalo de tempo de transmissão contínua, não deve ser superior a 4 dbm. Com a potência máxima e transmitindo sinal modulado na maior taxa de transmissão mede-se o pico da densidade de potência, em qualquer faixa de 3 khz durante qualquer intervalo de tempo de transmissão continua. O ESE é configurado para operar nos canais inicial, central e final. Resultado do ensaio: Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz 82.a (OFDM) Norma plicada nexo à Resolução Nº 56 Item Ensaiado Temperatura mbiente (ºC) Umidade Relativa (%) Item da Norma rt. 4 incisos III e IV da Seção IX Executor do Ensaio Data da realiz. do Ensaio #6 a #8 24,5 45,6 Thiago 4// Canal Freqüência central do canal (MHz) Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz (dbm) Registro , Gráfico ,62 Gráfico ,38 Gráfico 22 Tabela Resultado de Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz 82.a (OFDM) CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 23 / 4

24 * RBW 3 khz * VBW 3 khz Ref 3 dbm * tt 4 db * SWT 8.4 s Marker [T ] -4. dbm GHz Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Date: 4.OCT. 8::7 Gráfico Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz no canal inicial * RBW 3 khz * VBW 3 khz Ref 3 dbm * tt 4 db * SWT 8.4 s Marker [T ] dbm GHz Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Date: 4.OCT. 8:23:45 Gráfico 2 Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz no canal central CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 24 / 4

25 * RBW 3 khz * VBW 3 khz Ref 3 dbm * tt 4 db * SWT 8.4 s Marker [T ] dbm GHz Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Date: 4.OCT. 8:29:7 Gráfico 22 Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz no canal final CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 25 / 4

26 Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz 82.n () Norma plicada nexo à Resolução Nº 56 Item Ensaiado Temperatura mbiente (ºC) Umidade Relativa (%) Item da Norma rt. 4 incisos III e IV da Seção IX Executor do Ensaio Data da realiz. do Ensaio #6 a #8 25,6 44,3 Lara 5// Canal Freqüência central do canal (MHz) Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz (dbm) Registro ,27 Gráfico ,99 Gráfico ,69 Gráfico 25 Tabela Resultado de Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz 82.n () CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 26 / 4

27 * RBW 3 khz * VBW 3 khz Ref 3 dbm * tt 4 db * SWT 8.4 s Marker [T ] dbm 5.75 GHz Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Date: 5.OCT. 9:4: Gráfico 23 Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz no canal inicial * RBW 3 khz * VBW 3 khz Ref 3 dbm * tt 4 db * SWT 8.4 s Marker [T ] dbm GHz Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Date: 5.OCT. 9:2:43 Gráfico 24 Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz no canal central CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 27 / 4

28 * RBW 3 khz * VBW 3 khz Ref 3 dbm * tt 4 db * SWT 8.4 s Marker [T ] dbm GHz Center GHz 3 MHz/ Span 3 MHz Date: 5.OCT. 8:56:4 Gráfico 25 Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz no canal final CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 28 / 4

29 Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz 82.n (4) Norma plicada nexo à Resolução Nº 56 Item Ensaiado Temperatura mbiente (ºC) Umidade Relativa (%) Item da Norma rt. 4 incisos III e IV da Seção IX Executor do Ensaio Data da realiz. do Ensaio #6 a #8 25,6 44,3 Lara 5// Canal Freqüência central do canal (MHz) Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz (dbm) Registro ,6 Gráfico ,57 Gráfico 27 Tabela 2 Resultado de Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz 82.n (4) * RBW 3 khz * VBW 3 khz Ref 3 dbm * tt 4 db * SWT 8.4 s Marker [T ] -3.6 dbm GHz Center GHz 6 MHz/ Span 6 MHz Date: 5.OCT. :2:34 Gráfico 26 Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz no canal inicial CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 29 / 4

30 * RBW 3 khz * VBW 3 khz Ref 3 dbm * tt 4 db * SWT 8.4 s Marker [T ] dbm GHz Center GHz 6 MHz/ Span 6 MHz Date: 5.OCT. :5:3 Gráfico 27 Pico da Densidade Espectral de Potência a 3 khz no canal final CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 3 / 4

31 6.5 Emissões de Espúrios (rt. 44) Definição do Ensaio: Este artigo estabelece que a potência de radiofreqüência produzida, em qualquer largura de faixa de khz fora de qualquer uma das faixas na qual o sistema esteja operando, conforme estabelecido nesta Seção, deve estar, no mínimo, db abaixo da potência máxima produzida num intervalo de khz dentro da faixa de operação. Com o ESE operando no canal central, na potência máxima e transmitindo sinal modulado na maior taxa de transmissão mede-se o nível do sinal para ser utilizada como referência e posteriormente são medidas as emissões espúrias, a qualquer largura de faixa de KHz fora de qualquer uma das faixas na qual o sistema esteja operando. Resultado do ensaio: Emissões de Espúrios 82.a (OFDM) Norma plicada Item da Norma nexo à Resolução Nº 56 Item Ensaiado Temperatura mbiente (ºC) Umidade Relativa (%) rt. 44 da Seção IX Executor do Ensaio Data da realiz. do Ensaio #6 a #8 24,5 45,6 Thiago 4// Canal Freqüência (MHz) Nível Espúrio (dbc) Registro ESE operando no canal central, ,6 Gráfico Sinal Referência Gráfico ,96 Gráfico ,9 Gráfico 3 Tabela 3 Resultado de Emissões de Espúrios 82.a (OFDM) CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 3 / 4

32 Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT 58 ms Delta 2 [T FXD] db GHz 3 Marker [T FXD] dbm GHz FXD.778 dbm FXD Start khz MHz/ Stop GHz Date: 4.OCT. 8:34:39 Gráfico 28 Emissões de Espúrios na faixa de khz a 5,725 GHz Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT ms Delta 2 [T FXD]. db. Hz 3 Marker [T FXD].78 dbm GHz FXD.778 dbm FXD Start GHz 2.5 MHz/ Stop 5.85 GHz Date: 4.OCT. 8:33:46 Gráfico 29 Emissões de Espúrios (Sinal de Referência) ESE operando no canal central CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 32 / 4

33 Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT 5 ms Delta 2 [T FXD] db MHz 3 Marker [T FXD] dbm 5.85 GHz FXD.778 dbm - 2 FXD -7 Start 5.85 GHz 5 MHz/ Stop 7 GHz Date: 4.OCT. 8:35:8 Gráfico 3 Emissões de Espúrios na faixa de 5,85 GHz a 7GHz Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT. s Delta 2 [T FXD] -4.9 db GHz 3 Marker [T FXD] dbm 7. GHz FXD.778 dbm - 2 FXD -7 Start 7 GHz. GHz/ Stop 8 GHz Date: 4.OCT. 8:36: Gráfico 3 Emissões de Espúrios na faixa de 7 GHz a 8 GHz CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 33 / 4

34 Emissões de Espúrios 82.n () Norma plicada Item da Norma nexo à Resolução Nº 56 Item Ensaiado Temperatura mbiente (ºC) Umidade Relativa (%) rt. 44 da Seção IX Executor do Ensaio Data da realiz. do Ensaio #6 a #8 25,6 44,3 Lara 5// Canal Freqüência (MHz) Nível Espúrio (dbc) Registro ESE operando no canal central, ,6 Gráfico Sinal Referência Gráfico ,26 Gráfico ,84 Gráfico 35 Tabela 4 Resultado de Emissões de Espúrios 82.n () Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT 58 ms Delta 2 [T FXD] db GHz 3 Marker [T FXD] dbm GHz FXD.548 dbm FXD Start khz MHz/ Stop GHz Date: 5.OCT. 9:2: Gráfico 32 Emissões de Espúrios na faixa de khz a 5,725 GHz CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 34 / 4

35 Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT ms Marker [T FXD].55 dbm GHz 3 Delta 2 [T FXD]. db. Hz FXD.548 dbm FXD Start GHz 2.5 MHz/ Stop 5.85 GHz Date: 5.OCT. 9::35 Gráfico 33 Emissões de Espúrios (Sinal de Referência) ESE operando no canal central Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT 5 ms Delta 2 [T FXD] db MHz 3 Marker [T FXD] dbm 5.85 GHz FXD.548 dbm - 2 FXD -7 Start 5.85 GHz 5 MHz/ Stop 7 GHz Date: 5.OCT. 9:2:36 Gráfico 34 Emissões de Espúrios na faixa de 5,85 GHz a 7GHz CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 35 / 4

36 Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT. s Delta 2 [T FXD] db GHz 3 Marker [T FXD] dbm 7. GHz FXD.548 dbm - 2 FXD -7 Start 7 GHz. GHz/ Stop 8 GHz Date: 5.OCT. 9:3:26 Gráfico 35 Emissões de Espúrios na faixa de 7 GHz a 8 GHz CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 36 / 4

37 Emissões de Espúrios 82.n (4) Norma plicada Item da Norma nexo à Resolução Nº 56 Item Ensaiado Temperatura mbiente (ºC) Umidade Relativa (%) rt. 44 da Seção IX Executor do Ensaio Data da realiz. do Ensaio #6 a #8 25,6 44,3 Lara 5// Canal Freqüência (MHz) Nível Espúrio (dbc) Registro ESE operando no canal central, 5725,3 Gráfico Sinal Referência Gráfico ,9 Gráfico ,68 Gráfico 39 Tabela 5 Resultado de Emissões de Espúrios 82.n (4) Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT 58 ms Delta 2 [T FXD].3 db GHz 3 Marker [T FXD] dbm GHz FXD -.25 dbm FXD Start khz MHz/ Stop GHz Date: 5.OCT. 9:48:3 Gráfico 36 Emissões de Espúrios na faixa de khz a 5,725 GHz CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 37 / 4

38 Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT ms Marker [T FXD] -.2 dbm GHz 3 Delta 2 [T FXD]. db. Hz FXD -.25 dbm FXD Start GHz 2.5 MHz/ Stop 5.85 GHz Date: 5.OCT. 9:47:44 Gráfico 37 Emissões de Espúrios (Sinal de Referência) ESE operando no canal central Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT 5 ms Delta 2 [T FXD] -4.9 db MHz 3 Marker [T FXD] dbm 5.85 GHz FXD -.25 dbm - 2 FXD -7 Start 5.85 GHz 5 MHz/ Stop 7 GHz Date: 5.OCT. 9:48:38 Gráfico 38 Emissões de Espúrios na faixa de 5,85 GHz a 7GHz CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 38 / 4

39 Ref 3 dbm * tt 4 db * RBW khz * VBW khz SWT. s Delta 2 [T FXD] db GHz 3 Marker [T FXD] dbm 7. GHz FXD -.25 dbm - 2 FXD -7 Start 7 GHz. GHz/ Stop 8 GHz Date: 5.OCT. 9:49:5 Gráfico 39 Emissões de Espúrios na faixa de 7 GHz a 8 GHz CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 39 / 4

40 7. Incerteza de Medição s incertezas expandidas, dos resultados de medição dos ensaios, estão apresentadas na Tabela 6. Esta incerteza expandida foi calculada após multiplicação da incerteza combinada pelo fator de abrangência K. O Certlab adota como nível padrão de confiança 95%, K=,96. Todas as incertezas foram calculadas conforme procedimento interno PROC-LB-6. Tipo de Ensaio Mensurando Estimativa Incerteza (±) Unidade Medição de Potência 2,4 GHz mplitude,57 db Medição de Potência 5,8 GHz mplitude,59 db Medição de Freqüência 2,4 GHz Largura de Faixa 2,4 GHz Medição de Freqüência 5,8 GHz Largura de Faixa 5,8 GHz Freqüência 32 Hz Freqüência 64 Hz Medição de Espúrio mplitude 2,5 db Tabela 6 - Incerteza associada aos ensaios 8. Equipamentos Utilizados Cód. CertLab Equipamento 5 nalisador de Espectro 227 Termo higrômetro 74 tenuador Tabela 7 Equipamentos Utilizados 9. Comentário Final Os resultados deste relatório são válidos apenas para a amostra ensaiada, nas condições especificadas, não sendo extensível a quaisquer lotes. O CertLab não se responsabiliza por outros resultados do mesmo modelo. Conforme definido na Resolução nº 323 da natel, este relatório apresenta resultados dos ensaios sem parecer conclusivo ou qualquer julgamento que possa influenciar a análise dos resultados, cuja responsabilidade é do Organismo de Certificação Designado (OCD). CertLab-WIF-63--Rev 8// Pág. 4 / 4

Campinas, 4 de outubro de 2011

Campinas, 4 de outubro de 2011 Anexo à Resolução Nº 506 Relatório de Ensaio Número: CertLab WIF 4454 11 01 Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 4 de outubro de 2011. Este Relatório de ensaio só

Leia mais

Campinas, 24 de maio de 2010

Campinas, 24 de maio de 2010 Estação Terminal de Acesso ETSI TS 151 010-1 V6.5.0 (2005-11) Relatório de Teste Número: CertLab-E18-0899-10-01-Rev1 Equipamento sob Ensaio Modelo: Nome: Solicitante Wireless Solutions Limited. Endereço:

Leia mais

Campinas, 7 de janeiro de 2014

Campinas, 7 de janeiro de 2014 Resolução Nº 442 Relatório de Ensaio Número: CertLab-EMC-80118-13-01-Rev0 Empresa Solicitante Nome: Sonus Networks, Inc. Campinas, 7 de janeiro de 2014 Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE de acordo

Leia mais

Campinas, 1 de dezembro de 2016

Campinas, 1 de dezembro de 2016 Anexo à Resolução Nº 506 Anexo ao Ato N. 1135 Relatório de Ensaio Número: CERTLAB-S09-91690-15-05A-Rev0 Campinas, 1 de dezembro de 2016 O CertLab é um laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE de acordo

Leia mais

Campinas, 16 de setembro de 2010

Campinas, 16 de setembro de 2010 Resolução Nº 442 Relatório de Ensaio Número: CertLab-EMC-1631-10-01-Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 16 de setembro de 2010 Laboratório de ensaio acreditado pela

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N o 1135 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013. O SUPERINTENDENTE DE RADIOFREQÜÊNCIA E FISCALIZAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL, no uso das atribuições

Leia mais

Campinas, 20 de março de 2013

Campinas, 20 de março de 2013 Resolução Nº 442 Relatório de Ensaio Número: CertLab-EMC-6124-12-01-Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Technologies Corporation Campinas, 20 de março de 2013 Laboratório de ensaio acreditado

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética Segundo Anexo Res. ANATEL 442

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética Segundo Anexo Res. ANATEL 442 A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation LET-EMC-RE 1644-0900-01-C 01.00 (Pt) de 29-Nov-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 54, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Atribuir a faixa de radiofrequências de 4.910 MHz a 4.940 MHz também ao Serviço Móvel, manter a atribuição da faixa

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

Campinas, 1 de dezembro de 2016

Campinas, 1 de dezembro de 2016 Relatório de Identificação Número: CertLab IDE 91690 15 04ARev0 Empresa Solicitante Razão Social: DIGI INTERNATIONAL Campinas, 1 de dezembro de 2016 O CertLab é um laboratório de ensaio acreditado pela

Leia mais

Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico. Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet

Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico. Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet 1 Palestrante: Kleber de Albuquerque Brasil Mini Curriculum 1997 E.T.F.

Leia mais

Laboratório de Ensaio. Relatório de ensaio do equipamento CNC, fabricante MCS Engenharia, modelo Proteo

Laboratório de Ensaio. Relatório de ensaio do equipamento CNC, fabricante MCS Engenharia, modelo Proteo Página: 1 de 39 Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE/INMETRO de acordo com a ABNT NBR ISO/IEC 17025, sob o número CRL 0363 Este documento contém 39 páginas e não poderá ser reproduzido, distribuído,

Leia mais

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek 6.5. Caracterização da saturação do LNBF A verificação de nível de saturação no LNBF foi feita com o aumento do nível de sinal de TX até que se observasse frequências espúrias no analisador de espectro.

Leia mais

Campinas, 7 de janeiro de 2013

Campinas, 7 de janeiro de 2013 Relatório de Ensaio Número: CertLab-CAM-8967-12-01-Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Campinas, 7 de janeiro de 2013 Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE de acordo com a ABNT NBR ISO/IEC

Leia mais

0932 INF 01/12. Pág. 1 de 8

0932 INF 01/12. Pág. 1 de 8 Pág. 1 de 8 LABORÓRIO Laboratóro de ensaios da TÜV RHEINLAND DO BRASIL Técnico responsável Gerente Técnico do Laboratório Laboratório...: TÜV Rheinland do Brasil Ltda. Endereço...: Rua dos Comerciários,

Leia mais

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz.

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. NORMA Nº 15/96 CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. 1-OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer a canalização e as condições

Leia mais

Campinas, 1 de dezembro de 2016

Campinas, 1 de dezembro de 2016 Relatório de Identificação Número: CertLab IDE 91690 15 05ARev0 Empresa Solicitante Razão Social: DIGI INTERNATIONAL Campinas, 1 de dezembro de 2016 O CertLab é um laboratório de ensaio acreditado pela

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento RELATÓRIO TÉCNICO Código RT-020.00/RA2/004 Emissão O.S. 15/08/13 Folha 10 de 12 Rev. A Emitente Resp. Técnico Emitente 15/08/13 Verificação / São Paulo Transporte Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos

Leia mais

Computador de Vazão modelo Floboss 407. Relatório de Ensaios de Vibração

Computador de Vazão modelo Floboss 407. Relatório de Ensaios de Vibração Confidencial NMi / Emerson Process Laboratório de ensaio credenciado pela CGCRE/INMETRO de acordo com a NBR/ISO IEC 17025 sob o número CRL 0143 Fernando Graziani Barbarini Coordenador Técnico (19) 3845-5965

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

0310 INF 01/10. Pág. 1 de 8

0310 INF 01/10. Pág. 1 de 8 Pág. 1 de 8 LABORÓRIO Laboratório de ensaios da TÜV RHEINLAND DO BRASIL Técnico responsável Gerente Técnico do Laboratório Laboratório...: TÜV Rheinland do Brasil Ltda. Endereço...: Rua dos Comerciários,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 TIPO DE INSTALAÇÃO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 TIPO DE INSTALAÇÃO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO EXEMPLO MP LTDA. TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE Largura

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DIGITAIS PARA O SERVIÇO FIXO EM APLICAÇÕES PONTO- MULTIPONTO NAS FAIXAS DE FREQUÊNCIAS

Leia mais

Campinas, 7 de março de 2016

Campinas, 7 de março de 2016 Relatório de Identificação Número: CERTLAB IDE 89965 15 01 Rev0 Empresa Solicitante Razão Social: CITRIX SYSTEMS, INC. Campinas, 7 de março de 2016 O CertLab é um laboratório de ensaio acreditado pela

Leia mais

CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO Nº 0362/2009 Pág. 1 de 9

CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO Nº 0362/2009 Pág. 1 de 9 CERTIFICDO DE CLIBRÇÃO Nº 0362/2009 Pág. 1 de 9 1. SOLICITNTE: Cliente: VEGTRON SSISTÊNCI TÉCNIC LTD Endereço: Rua Teerã, 989 - Vl. Hamburguesa - São Paulo - SP 2. CRCTERÍSTICS DO INSTRUMENTO: calibrado:

Leia mais

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 Muitas vezes ao longo das investigações de Tecnovigilância de acidentes relacionados com equipamentos médico-hospitalares, principalmente quando

Leia mais

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA - - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - Acreditação Nº 474 Data da Acreditação 27/09/2010 Data de Validade do Certificado Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do Laboratório Situação 27/09/2016

Leia mais

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel.

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Rádios Licenciados O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Qual é a vantagem: 1 Os canais em uso são registrados pela Anatel e a base de

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Subtransmissão / Departamento de Automação e Telecomunicação Especificação Técnica ETD 00.042 Rádio Comunicação Móvel VHF Dados e Voz Versão:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation de 11-Set-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos Segundo ISO 7779 Acoustics Measurement of airborne

Leia mais

Radiodifusão Sonora Digital

Radiodifusão Sonora Digital 1 Radiodifusão Sonora Digital Lúcio Martins da Silva AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL ASSUNTO: A ADOÇÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA PARA

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 01-15 de abril de 2013 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Carlos Evangelista Gerência de Outorga e Licenciamento de Estações - ORLE Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR Agência Nacional de Telecomunicações

Leia mais

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Boletim Informativo Espectro - 03/2015 Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Versão 2.2 Fevereiro 2015 Gestão de Espectro de Radiofrequências AF Telecomunicações

Leia mais

RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES

RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES SOLICITANTE: EQUIPAMENTO: TÜV Rheinland do Brasil Ltda. Relé de Segurança MODELO: DPX 256 Nº DO RELATÓRIO: VERSÃO: 02 INPE/LIT.PX.055/ Este relatório substitui na

Leia mais

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Regulamento de Convivência SBTVD x 4G LTE Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações 737ª Reunião do Conselho Diretor Brasília, 09/04/2014 Atribuição e Destinação Condições

Leia mais

A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation

A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation de 14-Jun-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos Segundo ISO 7779 Acoustics Measurement of airborne

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

CALILAB - LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS RBC - REDE BRASILEIRA DE CALIBRAÇÃO.

CALILAB - LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS RBC - REDE BRASILEIRA DE CALIBRAÇÃO. da TOTAL ner SAFETY CALILAB Laboratório de Calibração RBC - REDE BRASILEIRA DE CALIBRAÇÃO. CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO Na: RBC3-9319-482 1- CLIENTE/ EQUIPAMENTO Data da calibração: Processo: Nome: Labor

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: MEDIÇÃO DE TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA Revisão

Leia mais

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Antonio Vivaldi Rodrigues Diretor de Engenharia CelPlan 2/32 Í N D I C E 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 2. INTRODUÇÃO... 6 3. SETUP

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 11.934, DE 5 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre limites à exposição humana a campos elétricos, magnéticos e eletromagnéticos; Mensagem de veto altera a Lei n o 4.771, de 15 de setembro de 1965; e dá

Leia mais

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Marco A O Tavares Gerente Operacional de Planejamento Engenharia do Espectro tavares@anatel.gov.br Agenda A Anatel neste Contexto Passos Percorridos E para

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS. Prancha Alisadora

RELATÓRIO DE ENSAIOS. Prancha Alisadora Página 1 de 8 RELATÓRIO DE ENSAIOS Prancha Alisadora Modelo: Turmaline Infrared LI-45 Página 2 de 8 1- Objetivo Este relatório apresenta os resultados dos ensaios de conformidade quanto a Potência e Segurança

Leia mais

RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES

RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES SOLICITANTE: EQUIPAMENTO: Desotec Comércio e Indústria de Equipamento Eletrônicos Ltda. Diversos MODELO: # 1 Nº DO RELATÓRIO: VERSÃO: 01 INPE/LIT.OT.031/11 SIGNATÁRIO

Leia mais

Fundamentos para medição de potência de pulso de radar

Fundamentos para medição de potência de pulso de radar Fundamentos para medição de potência de pulso de radar Rodrigo Schneiater Engenheiro do Marketing Técnico Tipos de Sistemas de Radar RADAR Primário RADAR clássico baseado na geração de um sinal e medição

Leia mais

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO OBJETIVO Demonstrar a documentação básica necessária para atender aos requisitos de acreditação para ensaios. ISO 9001 X ISO 17025 Abordagem Abrangência

Leia mais

RUÍDOS. São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte:

RUÍDOS. São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte: RUÍDOS São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte: Ruído externo: quando a fonte é externa ao sistema de telecomunicações

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 24 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE CERTIFICAÇÕES BRASILEIRO S/A. / CERTLAB

Leia mais

Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC

Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC Grupo de Radiodifusão Março de 2006 Universidade de Brasília Departamento de Engenharia Elétrica Prefácio A Anatel

Leia mais

SOLUÇÃO MensorNet Datasheet Concentrador MLCON-RF3

SOLUÇÃO MensorNet Datasheet Concentrador MLCON-RF3 SOLUÇÃO MensorNet Datasheet Concentrador MLCON-RF3 Por favor, leia totalmente estas instruções antes de ligar o equipamento. Manual de Operação Descrição do Sistema O equipamento MLCON-RF3 é parte integrante

Leia mais

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 7 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 19/09/14 ELABORAÇÃO: Volnei VERIFICAÇÃO:

Leia mais

USO DA SUBFAIXA DE 2,4 GHz Radiação Restrita

USO DA SUBFAIXA DE 2,4 GHz Radiação Restrita USO DA SUBFAIXA DE 2,4 GHz Radiação Restrita Esclarecimentos quanto às condições de uso de RF na subfaixa de 2.400 2.483,5 MHz por transceptores de radiação restrita ÍNDICE Conceituação Regulamentação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010. Regulamenta a Lei nº 11.934, de 5 de maio de 2009, no que se refere aos limites à exposição humana a campos

Leia mais

Novos Desafios à Monitorização e Controlo do Espectro na Perspetiva dos Sistemas de Medida

Novos Desafios à Monitorização e Controlo do Espectro na Perspetiva dos Sistemas de Medida 5.º Congresso do Comité Português da URSI ''Deteção e medição de sinais rádio no futuro das radiocomunicações'' Novos Desafios à Monitorização e Controlo do Espectro na Perspetiva dos Sistemas de Medida

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013 Página 1 de 6 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul LABELO - Laboratórios Especializados em Eletroeletrônica Calibração e Ensaios Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios Laboratório

Leia mais

EXERCÍCIOS Introdução

EXERCÍCIOS Introdução FACULDADE PITÁGORAS Curso Superior em Tecnologia: Redes de Computadores REDES SEM FIO Prof. Ulisses Cotta Cavalca EXERCÍCIOS Introdução Belo Horizonte/MG 2015 1. A tecnologia

Leia mais

9 khz a 3 GHz A nova família de produtos da Rohde & Schwarz

9 khz a 3 GHz A nova família de produtos da Rohde & Schwarz Analisador de Espectro FS300 9 khz a 3 GHz A nova família de produtos da Rohde & Schwarz Instrumento de teste Profissional para laboratório, serviços e produção O FS300 é um analisador de espectro de alta

Leia mais

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO 1. ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIAS O espectro radioelétrico ou de radiofrequências é uma riqueza da humanidade. Sua exploração de forma disciplinada permite o estabelecimento

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

Certificado de Calibração

Certificado de Calibração 1 Calibração Número: 01000/2011 Data da Calibração: 11/12/2011 1.Empresa 2.Equipamento Código : MUL001 Descrição: Multimetro digital de 4000 contagens Faixa Nominal : 0...600 Vcc, 0...600 Vca, 0...400

Leia mais

Serviço Radiodifusão

Serviço Radiodifusão Parte normativa Serviço Radiodifusão a) Interfaces aplicações SAP-SAB PORTUGAL Especificações Interfaces Radio Aplicações SAP/SAB - Câmaras sem fios [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Nr Parâmetro Descrição

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES

HISTÓRICO DAS REVISÕES PSQM-DO-007 03 Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 1/6 HISTÓRICO DAS REVISÕES Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica Aprovação 01 Emissão Inicial Assessora da Qualidade 02 4 Gestão

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia 6 Calibração de Sistemas de Medição Fundamentos de Metrologia Motivação definição do mensurando procedimento de medição resultado da medição condições ambientais operador sistema de medição Posso confiar

Leia mais

PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL

PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL EDIÇÃO 2002 ... em branco... AGÊNCIA NACIONAL DE TELECO MUNICAÇÕ ES AT O N o 23.577, DE 6 DE MARÇO DE 2002 O CONSELHO DIRETO

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00. COMPANHIA ESTADUAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS Especificações Técnicas Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.058 Cod.

Leia mais

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada Relatório Preliminar do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria 1ª rodada Relatório Final do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria - 1ª rodada ENSAIO DE PROFICIÊNCIA EM ESPECTROFOTOMETRIA 1ª

Leia mais

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem o objetivo definir os requisitos sobre a participação de laboratórios

Leia mais

DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB)

DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB) DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB) Revisto a 30 de janeiro de 2015 A tecnologia UWB permite o desenvolvimento de uma vasta variedade de novos dispositivos de curto

Leia mais

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação INTRODUÇÃO Jeff Roberts and Mark Weber Corrente de magnitude surpreendentemente elevadas podem circular nos cabos de comunicação metálicos

Leia mais

Tecnologia de faixa para falha

Tecnologia de faixa para falha Tecnologia de faixa para falha Por Tom Bell e John Nankivell Índice 1. Introdução 1 2. Equipamento de teste / processo de teste de PIM existente 2 3. Nova análise de RTF / limitações técnicas 3 4. Fluxograma

Leia mais

Decisão ERC (98)25. Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico. Aprovada em 23 de novembro de 1998

Decisão ERC (98)25. Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico. Aprovada em 23 de novembro de 1998 Decisão ERC (98)25 Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico Aprovada em 23 de novembro de 1998 Alterada em 1 de junho de 2012 ERC/DEC(98)25 Página 2

Leia mais

Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA. Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO.

Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA. Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO. Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO. Comparação entre módulos LNB comerciais e modificados para a situação de convivência entre sistemas terrestres

Leia mais

= P ( 10 db EIRP EIRP = EIRP = Effective Isotropic Radiated Power. EIRP. = Effective Isotropic Radiated Power

= P ( 10 db EIRP EIRP = EIRP = Effective Isotropic Radiated Power. EIRP. = Effective Isotropic Radiated Power Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Conceito de E.I.R.P Seção IX Seção X Sinalização de Torres Conclusões EIRP = Effective

Leia mais

ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA.

ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA. ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA. Laboratório pertencente à RBLE. Relatório de Ensaios de Produtos (REP): n. 1403054-2/03 Emissão: 28.07.2014 Solicitante: Endereço: Fabricante: Eletrocal Indústria

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 23 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO BRASILEIRO DE DE CONFORMIDADE LTDA IBEC. INSTITUTO BRASILEIRO DE DE CONFORMIDADE LTDA. CRL 0143 INFORMAÇÃO_

Leia mais

WirelessHART Manager

WirelessHART Manager Descrição do Produto O uso de tecnologias de comunicação de dados sem fio em sistemas de automação industrial é uma tendência em crescente expansão. As vantagens do uso de tecnologia sem fio são inúmeras

Leia mais

1 de 6 25/08/2015 10:22

1 de 6 25/08/2015 10:22 1 de 6 25/08/2015 10:22 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano Termo de Adjudicação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE A reprodução deste documento não pode ser parcial e depende da aprovação por escrito do laboratório; O conteúdo e as conclusões aqui apresentadas são da exclusiva responsabilidade do(s) autor(es) e não

Leia mais

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM A Física por trás da Tecnologia RFID Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM 2 Espectro electromagnético 3 Espectro de frequência para o sistema RFID Tamanho da antena Existe uma razão de proporção

Leia mais

96040A. Fonte de referência com baixo ruído de fase. Dados técnicos. Simplifique seu sistema de calibração de RF. Principais benefícios

96040A. Fonte de referência com baixo ruído de fase. Dados técnicos. Simplifique seu sistema de calibração de RF. Principais benefícios 96040A Fonte de referência com baixo ruído de fase Dados técnicos Simplifique seu sistema de calibração de RF A Fonte de referência de RF Fluke Calibration 96040A permite simplificar seu sistema de calibração

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA Revisão 00-11 de outubro 2011 Fol. 1 de 11 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO N o 527, DE 8 DE ABRIL DE 2009 Aprova o Regulamento sobre Condições de Uso de Radiofreqüências por Sistemas de Banda Larga por meio de Redes de Energia Elétrica.

Leia mais

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite Decisão ECC (09)02 Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite aprovada em 26 de junho de 2009 alterada em 02 de novembro de 2012

Leia mais

SRD s. a) Interfaces Alarmes. PORTUGAL Especificações Interfaces Radio SRD - Alarmes [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010]

SRD s. a) Interfaces Alarmes. PORTUGAL Especificações Interfaces Radio SRD - Alarmes [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Parte normativa SRD s a) Interfaces Alarmes PORTUGAL Especificações Interfaces Radio SRD - Alarmes [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Nr Parâmetro Descrição Comentários 1 Serviço de Radiocomunicações Exclusivamente

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA ÁREA DE ELETRICIDADE NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 30 de OUTUBRO de 2015

Leia mais

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast)

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Yapir Marotta Gerente Geral

Leia mais

Σ Nº de Municípios Garantia para execução dos Compromissos de Abrangência (R$) Nº de Municípios Garantia para execução dos Compromissos de Abrangência (R$) Nº de Municípios Garantia

Leia mais

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless!

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! AirWIRE é um dispositivo versátil para interconexão de equipamentos através de uma rede wireless de alta velocidade

Leia mais

Descrição TM-10. Fone de Cabeça HS-10. Base Discadora TS-10. Aparelho para Telemarketing TM-10, composto por: - Base Discadora TS-10

Descrição TM-10. Fone de Cabeça HS-10. Base Discadora TS-10. Aparelho para Telemarketing TM-10, composto por: - Base Discadora TS-10 Rev.03 Descrição TM-10 Aparelho para Telemarketing TM-10, composto por: - Fone de Cabeça HS-10 - Base Discadora TS-10 Fone de Cabeça HS-10 1 3 7 2 8 4 9 5 10 6 01- Bocal do Microfone 02- Tubo do Microfone

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

DET NORSKE VERITAS CERTIFICADO DE CONFORMIDADE

DET NORSKE VERITAS CERTIFICADO DE CONFORMIDADE Produto: Product/Producto Tipo / Modelo: Type Model/Tipo Modelo Solicitante: Applicant/Solicitante MEDIDOR DE VAZÃO ELETROMAGNÉTICO Optiflux 2000 F e Optiflux 4000 F CONAUT CONTROLES AUTOMÁTICOS LTDA.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO Nº 8385, DE 03 DE MAIO DE 2017

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO Nº 8385, DE 03 DE MAIO DE 2017 Boletim de Serviço Eletrônico em 05/05/2017 DOU de 05/05/2017, Seção 1, Página 6 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO Nº 8385, DE 03 DE MAIO DE 2017 O SUPERINTENDENTE DE OUTORGA E RECURSOS À PRESTAÇÃO

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 10 Testes e certificação Configuração de teste de campo para cabos de par trançado de 100 ohms Teste de Canal: Inclui os 90m do cabeamento horizontal, o patch cord do equipamento

Leia mais