Campinas, 7 de janeiro de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Campinas, 7 de janeiro de 2014"

Transcrição

1 Resolução Nº 442 Relatório de Ensaio Número: CertLab-EMC Rev0 Empresa Solicitante Nome: Sonus Networks, Inc. Campinas, 7 de janeiro de 2014 Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE de acordo com a ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 sob o número CRL Este Relatório de ensaio só deve ser reproduzido completo. Reprodução de partes requer aprovação escrita do CertLab. Os resultados deste relatório são válidos apenas para a amostra ensaiada, nas condições especificadas, não sendo extensível a quaisquer lotes. As informações contidas neste documento são confidenciais, de propriedade do solicitante descrito acima e não podem ser divulgadas sem sua autorização. CÓDIGO DO TEMPLATE NOME DO TEMPLATE REVISÃO RELA-LAB-002 RELATÓRIO ENSAIO DE EMC 18

2 Relatório de Ensaio de Laboratório de Ensaios Nome CertLab Laboratório de Ensaios Elétricos e Magnéticos Endereço Rua Maestro Francisco Manoel da Silva, 71 Santa Genebra - CEP: , Campinas (SP) - Telefone/Fax: (19) Mapa Responsável pelo Documento 07/01/2014 Revisado e Aprovado por (Documento assinado digitalmente) X Adriano Savian Osório Signatário Autorizado ADRIANO SAVIAN OSORIO: Assinado de forma digital por ADRIANO SAVIAN OSORIO: DN: c=br, o=icp-brasil, ou=secretaria da Receita Federal do Brasil - RFB, ou=rfb e-cpf A3, ou=(em BRANCO), ou=autenticado por AR Insurance, cn=adriano SAVIAN OSORIO: Dados: :07:20-02'00' Histórico de Revisões Data Revisão 7/1/ Motivo Alteração Emissão Inicial OBS: A última versão cancela e substitui todas as versões anteriores. Sugestões / Reclamações / Comentários Favor encaminhar para: CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 2 / 16

3 Índice Página 1. Objetivo Definições e Abreviaturas Informações Gerais Condições Ambientais Comentário Adicional Equipamento Sob Ensaio (ESE) Resultado dos Ensaios Emissão Conduzida (Art. 6º 1º) Comentário Final CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 3 / 16

4 1. Objetivo Apresentar os resultados dos ensaios de compatibilidade eletromagnética realizados no equipamento descrito no item 4 conforme resolução descrita abaixo: Documento de Referência e Métodos de Ensaio Data Resolução nº Regulamento para certificação de equipamentos de telecomunicações quanto aos aspectos de compatibilidade eletromagnética. 21/07/2006 Requisitos técnicos e procedimentos de ensaios aplicáveis à certificação de produtos para telecomunicação. Nota: Requisitos publicados pela Anatel e disponíveis na página Web da Agência. Determinada pela OCD/Cliente na contratação do serviço Tabela 1 Normas utilizadas 2. Definições e Abreviaturas ESE: N/A: Equipamento Sob Ensaio Não Aplicável 3. Informações Gerais 3.1 Condições Ambientais As condições ambientais estão definidas junto aos resultados de ensaio. 3.2 Comentário Adicional N/A. CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 4 / 16

5 4. Equipamento Sob Ensaio (ESE) Item Tipo Identificação do ESE #01 Terminal Figura #17 Fonte de Alimentação AC Figura #18 Fonte de Alimentação AC Figura #06 ao #09 Gebic Figura 22, 24, 26 e #04 e #05 Gebic Figura 18 e 20 Tabela 2 Descrição do equipamento sob ensaio. Item Tipo Identificação do ESE #01 Terminal Figura #02 Fonte de Alimentação DC Figura #03 Fonte de Alimentação DC Figura #06 ao #09 Gebic Figura 22, 24, 26 e #04 e #05 Gebic Figura 18 e 20 Tabela 3 Descrição do equipamento sob ensaio. Figura 1 Localização da Etiqueta de Identificação Figura 2 Detalhe da Etiqueta CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 5 / 16

6 Figura 3 Foto do ESE (parte frontal) Figura 4 Foto do ESE (parte traseira) Figura 5 Foto do ESE (parte inferior) Figura 6 Foto do ESE (parte superior) Figura 7 Foto do ESE (parte lateral) Figura 8 Foto do ESE (parte lateral) CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 6 / 16

7 Figura 9 Foto da Fonte de Alimentação DC Figura 10 Foto Etiqueta da Fonte de Alimentação DC Figura 11 Foto da Fonte de Alimentação DC Figura 12 Foto Etiqueta da Fonte de Alimentação DC Figura 13 Foto da Fonte de Alimentação AC Figura 14 Foto Etiqueta da Fonte de Alimentação AC CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 7 / 16

8 Figura 15 Foto da Fonte de Alimentação AC Figura 16 Foto Etiqueta da Fonte de Alimentação AC Figura 17 Foto do Gebic Figura 18 Foto Etiqueta do Gebic Figura 19 Foto do Gebic Figura 20 Foto Etiqueta do Gebic CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 8 / 16

9 Figura 21 Foto do Gebic Figura 22 Foto Etiqueta do Gebic Figura 23 Foto do Gebic Figura 24 Foto Etiqueta do Gebic Figura 25 Foto do Gebic Figura 26 Foto Etiqueta do Gebic CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 9 / 16

10 Figura 27 Foto do Gebic Figura 28 Foto Etiqueta do Gebic CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 10 / 16

11 5. Resultado dos Ensaios 5.1 Emissão Conduzida (Art. 6º 1º) Definição do Ensaio Relatório de Ensaio de O ESE é disposto sobre uma mesa não condutiva a 80 cm do plano terra horizontal (GRP) e a 40 cm do Plano Terra Vertical (VRP). O mesmo é conectado a LISN principal através do cabo de energia, onde são medidas as emissões conduzidas do ESE na faixa de 150 khz a 30 MHz. Em caso de utilização de algum equipamento periférico o mesmo é disposto conforme configuração de teste mostrada na Figura 29. Os limites para as emissões conduzidas emitidas pelo ESE dependem da sua classe conforme mostra a Tabela 4. Faixa de Frequência Limites classe A *dbμv+ Limites classe B *dbμv+ [MHz] Quase-Pico Médio Quase-Pico Médio 0,15 a 0, a 56 (*) 56 a 46 (*) 0,5 a a (*) Decresce linearmente com o log. da frequência Configuração do Ensaio Tabela 4 Limites para equipamento classe A e B Figura 29 Configuração para o ensaio de Emissão Conduzida CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 11 / 16

12 Resultado do Ensaio EMI Receiver LISN 1 LISN 2 Executor do Ensaio Adriano S. Osório Testador Radiocomun. Data Temp. Máxima [ C] Tabela 5 Resultado do Ensaio de Emissão Conduzida Umidade Máxima [%] Temp. Mínima [ C] Umidade Mínima [%] 05/01/14 26,2 C 45,1% 24,9 C 42,2% Antena N/A 0227 N/A N/A Classe do ESE A Nº 127 VAC Freq. [MHz] QP [dbµv] Méd. [dbµv] QP [dbµv] Méd. [dbµv] QP [dbµv] Méd. [dbµv] * * * * * * * * * * Classe do ESE A Nº Item(ns) Ensaiado(s) Incerteza (±) 4,7 Termohigrômetro Alimentação Alimentação 220 VAC Freq. Vide Tabela 2 Resultado Resultado EMISSÃO CONDUZIDA Norma Aplicada Anexo a Resolução ANATEL nº 442 Art. 6º 1º Dados Gerais Equipamentos Utilizados (Código CertLab) Unidade db Incerteza de Medição Resultado do Ensaio Condição de Operação durante a realização do Ensaio Limite Medidas de Média e Quase-pico Limite Nível padrão de confiança [MHz] QP [dbµv] Méd. [dbµv] QP [dbµv] Méd. [dbµv] QP [dbµv] Méd. [dbµv] * * * * * * * * * * *Se os valores de Pico medidos forem inferiores ao limite de Average, não são feitas medidas de Quase-Pico e Média (anexo B da IEC/CISPR 22) 95% Delta (Limite Result.) K - Fator de abrangência Para a realização do ensaio, as portas Ethernet Mídia 0 e Mídia 1 foram exercitadas por comando Ping. As interfaces ópticas foram configuradas em modo loopback. Adicionalmente realizado uma chamada IP entre os dois PCs através do software Kapanga Sftphone. Medidas de Média e Quase-pico Condição de Operação durante a realização do Ensaio Delta (Limite Result.) Linha Linha 1,96 Comentários Para a realização do ensaio, as portas Ethernet Mídia 0 e Mídia 1 foram exercitadas por comando Ping. As interfaces ópticas foram configuradas em modo loopback. Adicionalmente realizado uma chamada IP entre os dois PCs através do software Kapanga Sftphone. Comentários CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 12 / 16

13 Figura 30 Resultado do Ensaio de Emissão Conduzida 127 VAC Figura 31 Resultado do Ensaio de Emissão Conduzida 220VAC CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 13 / 16

14 Resultado do Ensaio EMI Receiver LISN 1 LISN 2 Executor do Ensaio Adriano S. Osório Testador Radiocomun. Data Temp. Máxima [ C] Tabela 6 Resultado do Ensaio de Emissão Conduzida Umidade Máxima [%] Temp. Mínima [ C] Umidade Mínima [%] 05/01/14 26,2 C 49,9% 25,6 C 43,1% Antena N/A 0227 N/A N/A Classe do ESE A Nº Item(ns) Ensaiado(s) Termohigrômetro Alimentação -48 VDC Freq. Vide Tabela 3 EMISSÃO CONDUZIDA Norma Aplicada Anexo a Resolução ANATEL nº 442 Art. 6º 1º Dados Gerais Equipamentos Utilizados (Código CertLab) Incerteza de Medição Incerteza (±) Unidade Nível padrão de confiança K - Fator de abrangência 4,7 db 95% 1,96 Resultado do Ensaio Condição de Operação durante a realização do Ensaio Para a realização do ensaio, as portas Ethernet Mídia 0 e Mídia 1 foram exercitadas por comando Ping. As interfaces ópticas foram configuradas em modo loopback. Adicionalmente realizado uma chamada IP entre os dois PCs através do software Kapanga Sftphone. Medidas de Média e Quase-pico Resultado Limite Delta (Limite Result.) [MHz] QP [dbµv] Méd. [dbµv] QP [dbµv] Méd. [dbµv] QP [dbµv] Méd. [dbµv] 1 1, ,5 43, ,5 16,4 VA 2 1,355 57,9 43, ,1 16,8 VB Se os valores de Pico medidos forem inferiores ao limite de Average, não são feitas medidas de Quase-Pico e Média (anexo B da IEC/CISPR 22) Linha Comentários CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 14 / 16

15 Figura 32 Resultado do Ensaio de Emissão Conduzida - -48VDC CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 15 / 16

16 6. Comentário Final Os resultados deste relatório são válidos apenas para a amostra ensaiada, nas condições especificadas, não sendo extensível a quaisquer lotes. O CertLab não se responsabiliza por outros resultados do mesmo modelo. Conforme definido na Resolução nº 323 da Anatel, este relatório apresenta resultados dos ensaios sem parecer conclusivo ou qualquer julgamento que possa influenciar a análise dos resultados, cuja responsabilidade é do Organismo de Certificação Designado (OCD). CertLab-EMC Rev0 7/1/2014 Pág. 16 / 16

Campinas, 20 de março de 2013

Campinas, 20 de março de 2013 Resolução Nº 442 Relatório de Ensaio Número: CertLab-EMC-6124-12-01-Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Technologies Corporation Campinas, 20 de março de 2013 Laboratório de ensaio acreditado

Leia mais

Campinas, 16 de setembro de 2010

Campinas, 16 de setembro de 2010 Resolução Nº 442 Relatório de Ensaio Número: CertLab-EMC-1631-10-01-Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 16 de setembro de 2010 Laboratório de ensaio acreditado pela

Leia mais

Campinas, 4 de outubro de 2011

Campinas, 4 de outubro de 2011 Anexo à Resolução Nº 506 Relatório de Ensaio Número: CertLab WIF 4454 11 01 Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 4 de outubro de 2011. Este Relatório de ensaio só

Leia mais

Campinas, 18 de outubro de 2010

Campinas, 18 de outubro de 2010 Resolução Nº 56 Seção IX Relatório de Teste Número: CertLab-WIF-63--Rev Equipamento sob Ensaio Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 8 de outubro de Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE/INMETRO

Leia mais

Campinas, 7 de março de 2016

Campinas, 7 de março de 2016 Relatório de Identificação Número: CERTLAB IDE 89965 15 01 Rev0 Empresa Solicitante Razão Social: CITRIX SYSTEMS, INC. Campinas, 7 de março de 2016 O CertLab é um laboratório de ensaio acreditado pela

Leia mais

Campinas, 7 de janeiro de 2013

Campinas, 7 de janeiro de 2013 Relatório de Ensaio Número: CertLab-CAM-8967-12-01-Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Campinas, 7 de janeiro de 2013 Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE de acordo com a ABNT NBR ISO/IEC

Leia mais

Campinas, 24 de maio de 2010

Campinas, 24 de maio de 2010 Estação Terminal de Acesso ETSI TS 151 010-1 V6.5.0 (2005-11) Relatório de Teste Número: CertLab-E18-0899-10-01-Rev1 Equipamento sob Ensaio Modelo: Nome: Solicitante Wireless Solutions Limited. Endereço:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética Segundo Anexo Res. ANATEL 442

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética Segundo Anexo Res. ANATEL 442 A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation LET-EMC-RE 1644-0900-01-C 01.00 (Pt) de 29-Nov-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética

Leia mais

RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES

RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES SOLICITANTE: EQUIPAMENTO: TÜV Rheinland do Brasil Ltda. Relé de Segurança MODELO: DPX 256 Nº DO RELATÓRIO: VERSÃO: 02 INPE/LIT.PX.055/ Este relatório substitui na

Leia mais

A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation

A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation de 14-Jun-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos Segundo ISO 7779 Acoustics Measurement of airborne

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation de 11-Set-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos Segundo ISO 7779 Acoustics Measurement of airborne

Leia mais

Laboratório de Ensaio. Relatório de ensaio do equipamento CNC, fabricante MCS Engenharia, modelo Proteo

Laboratório de Ensaio. Relatório de ensaio do equipamento CNC, fabricante MCS Engenharia, modelo Proteo Página: 1 de 39 Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE/INMETRO de acordo com a ABNT NBR ISO/IEC 17025, sob o número CRL 0363 Este documento contém 39 páginas e não poderá ser reproduzido, distribuído,

Leia mais

RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES

RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES SOLICITANTE: EQUIPAMENTO: Desotec Comércio e Indústria de Equipamento Eletrônicos Ltda. Diversos MODELO: # 1 Nº DO RELATÓRIO: VERSÃO: 01 INPE/LIT.OT.031/11 SIGNATÁRIO

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO MAGLAB - LABORATÓRIO DE ELETROMAGNETISMO E COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO MAGLAB - LABORATÓRIO DE ELETROMAGNETISMO E COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 13 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO MAGLAB - LABORATÓRIO DE ELETROMAGNETISMO E COMPATIBILIDADE

Leia mais

0932 INF 01/12. Pág. 1 de 8

0932 INF 01/12. Pág. 1 de 8 Pág. 1 de 8 LABORÓRIO Laboratóro de ensaios da TÜV RHEINLAND DO BRASIL Técnico responsável Gerente Técnico do Laboratório Laboratório...: TÜV Rheinland do Brasil Ltda. Endereço...: Rua dos Comerciários,

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: MEDIÇÃO DE TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA Revisão

Leia mais

0310 INF 01/10. Pág. 1 de 8

0310 INF 01/10. Pág. 1 de 8 Pág. 1 de 8 LABORÓRIO Laboratório de ensaios da TÜV RHEINLAND DO BRASIL Técnico responsável Gerente Técnico do Laboratório Laboratório...: TÜV Rheinland do Brasil Ltda. Endereço...: Rua dos Comerciários,

Leia mais

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento RELATÓRIO TÉCNICO Código RT-020.00/RA2/004 Emissão O.S. 15/08/13 Folha 10 de 12 Rev. A Emitente Resp. Técnico Emitente 15/08/13 Verificação / São Paulo Transporte Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 01-15 de abril de 2013 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética Segundo Anexo Res. ANATEL 442

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética Segundo Anexo Res. ANATEL 442 A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation LET-EMC-RE 1644-0900-02-C 01.00 (Pt) de 29-Nov-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética

Leia mais

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO OBJETIVO Demonstrar a documentação básica necessária para atender aos requisitos de acreditação para ensaios. ISO 9001 X ISO 17025 Abordagem Abrangência

Leia mais

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 Muitas vezes ao longo das investigações de Tecnovigilância de acidentes relacionados com equipamentos médico-hospitalares, principalmente quando

Leia mais

CALILAB - LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS RBC - REDE BRASILEIRA DE CALIBRAÇÃO.

CALILAB - LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS RBC - REDE BRASILEIRA DE CALIBRAÇÃO. da TOTAL ner SAFETY CALILAB Laboratório de Calibração RBC - REDE BRASILEIRA DE CALIBRAÇÃO. CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO Na: RBC3-9319-482 1- CLIENTE/ EQUIPAMENTO Data da calibração: Processo: Nome: Labor

Leia mais

Computador de Vazão modelo Floboss 407. Relatório de Ensaios de Vibração

Computador de Vazão modelo Floboss 407. Relatório de Ensaios de Vibração Confidencial NMi / Emerson Process Laboratório de ensaio credenciado pela CGCRE/INMETRO de acordo com a NBR/ISO IEC 17025 sob o número CRL 0143 Fernando Graziani Barbarini Coordenador Técnico (19) 3845-5965

Leia mais

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 7 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 19/09/14 ELABORAÇÃO: Volnei VERIFICAÇÃO:

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 010 Certificate issued in according

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013 Página 1 de 6 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul LABELO - Laboratórios Especializados em Eletroeletrônica Calibração e Ensaios Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios Laboratório

Leia mais

Histórico das Revisões

Histórico das Revisões PSQM-DO-007 05 Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 1/15 Histórico das Revisões Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica/Aprovação Data 01 Emissão Inicial Assessora da Qualidade Executivo

Leia mais

ENH908-NWY. Manual do Usuário

ENH908-NWY. Manual do Usuário ENH908-NWY Manual do Usuário O dispositivo é um poderoso switch Fast Ethernet de alto desempenho, com todas as portas capazes de realizarem operações de negociação automática (NWay) de 10 ou 100 Mbps,

Leia mais

ENH916-NWY. Manual do Usuário

ENH916-NWY. Manual do Usuário ENH916-NWY Manual do Usuário Aviso da FCC Este equipamento foi testado e se encontra em conformidade com os limites de dispositivo digital de Classe B, de acordo com a Parte 15 das Regras de FCC. Estes

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA Revisão 00-11 de outubro 2011 Fol. 1 de 11 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA - - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - Acreditação Nº 474 Data da Acreditação 27/09/2010 Data de Validade do Certificado Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do Laboratório Situação 27/09/2016

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo Notas de Aplicação Utilizando ZAP500 com Encoders HI Tecnologia Documento de acesso publico / corporativo ENA.00015 Versão 1.01 dezembro-2013 HI Tecnologia Utilizando ZAP500 com Encoders Apresentação Esta

Leia mais

Diário Oficial Nº 833/2015 Segunda-feira, 27 de Julho de 2015 - Prefeitura Municipal De Camamu - Governo do Estado da Bahia

Diário Oficial Nº 833/2015 Segunda-feira, 27 de Julho de 2015 - Prefeitura Municipal De Camamu - Governo do Estado da Bahia Diário Oficial O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vai realizar concurso para 600 novas vagas em todo o país. A seleção foi autorizada pelo Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão

Leia mais

1. EZ300 GENESIS II - 1 -

1. EZ300 GENESIS II - 1 - EZ300 GENESIS II 1. EZ300 GENESIS II O EZ300 GENESIS II é uma solução competitiva para acesso a serviços de terminal Windows, Linux e a emuladores terminais diversos. Possui um desenho arrojado e formato

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

PA-200 Hardware Reference Guide. 8/31/11 Esboço de Revisão Final - Palo Alto Networks CONFIDENCIAL DA EMPRESA

PA-200 Hardware Reference Guide. 8/31/11 Esboço de Revisão Final - Palo Alto Networks CONFIDENCIAL DA EMPRESA PA-200 Hardware Reference Guide 8/31/11 Esboço de Revisão Final - Palo Alto Networks CONFIDENCIAL DA EMPRESA Palo Alto Networks, Inc. www.paloaltonetworks.com Copyright 2011 Palo Alto Networks. Todos os

Leia mais

MANUAL DE SOLICITAÇÃO DE RENOVAÇÃO DE E-CPF A3 ONLINE

MANUAL DE SOLICITAÇÃO DE RENOVAÇÃO DE E-CPF A3 ONLINE MANUAL DE SOLICITAÇÃO DE RENOVAÇÃO DE E-CPF A3 ONLINE A renovação online do certificado somente poderá ser feita uma única vez em sistema operacional Windows XP utilizando navegador Internet Explorer,

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 2010 Certificate issued in according

Leia mais

HXM 500. Módulo de Expansão Híbrido para as famílias ZAP900/ZAP91X. Apresentação. Diagrama esquemático. Dados Técnicos

HXM 500. Módulo de Expansão Híbrido para as famílias ZAP900/ZAP91X. Apresentação. Diagrama esquemático. Dados Técnicos Módulo de Expansão Híbrido para as famílias ZAP900/ZAP91X Apresentação O módulo HXM500 é uma placa de expansão híbrida desenvolvida para as famílias de controladores ZAP900 e ZAP91X. Disponibiliza 17 pontos

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

O PAPEL DO AVALIADOR

O PAPEL DO AVALIADOR O PAPEL DO AVALIADOR Ref: CTAL 1/15 Evolução do comportamento de avaliadores e auditores Anos 80 A partir dos 90 2/15 A condução da avaliação segue o estabelecido na NIT- DICLA-005 - Condução da avaliação

Leia mais

CLP s9300. CLP s9300 revisão 1 - Página 1 de 8

CLP s9300. CLP s9300 revisão 1 - Página 1 de 8 CLP s9300 CLP s9300 revisão 1 - Página 1 de 8 Controlador Lógico Programável s9300 Descrição: O CLP s9300 (Controlador Lógico Programável) é o módulo que possui um alto nível de integração entre seus componentes.

Leia mais

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem o objetivo definir os requisitos sobre a participação de laboratórios

Leia mais

Novos desafios na interpretação de seus requisitos

Novos desafios na interpretação de seus requisitos Novos desafios na interpretação de seus requisitos Com a evolução tecnológica, principalmente no campo da tecnologia da informação, e o constante processo de normalização em diversas disciplinas relacionadas

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES

HISTÓRICO DAS REVISÕES PSQM-DO-007 03 Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 1/6 HISTÓRICO DAS REVISÕES Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica Aprovação 01 Emissão Inicial Assessora da Qualidade 02 4 Gestão

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº 61828/2014-1.0-A

Relatório de Ensaio Nº 61828/2014-1.0-A Nº 61828/2014-10-A Processo Comercial Nº 1316/20141 Dados do Cliente Contratante: Solicitante: CNPJ / CPF: 48819619/0001-59 IE / RG: 407001159117 Endereço: Rua Londrina, 587 - Vila Maringá - Município:

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO Programa PEP REDE 1401 Rodada 021/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003,

Leia mais

RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Informações do Equipamento sob Ensaio

RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Informações do Equipamento sob Ensaio INSTITUTO DE PESQUISAS ELDORADO Laboratório de Ensaios e Testes LET laboratorio@eldorado.org.br de 26-Fev-2014 RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Informações do Equipamento sob Ensaio Modelo: GENESIS

Leia mais

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação Acreditação de Laboratórios Acreditação Acreditação de Laboratórios Como Acreditar Laboratórios Vantagens da Acreditação Documentos Básicos para Acreditação Reconhecimento Internacional Acreditação A acreditação

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4 INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA DISPOSITIVO INTEGRADO A BASE Página 1 de 20 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4 6. QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais Série 4060

Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais Série 4060 Especificações Técnicas Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais A de Geradores de Funções/Arbitrários são capazes de gerar formas de onda senoidais, quadradas, triangulares, pulsadas e arbitrárias

Leia mais

Referência: PDF.102600-FQG Revisão: 1 Arquivo : PDF10260002.doc Atualizado em: 07/07/2008

Referência: PDF.102600-FQG Revisão: 1 Arquivo : PDF10260002.doc Atualizado em: 07/07/2008 Descritivo Funcional MFB600-FQG - Módulo Gerador de Pulso e Freqüência Programável Referência: PDF.102600-FQG Revisão: 1 Arquivo : PDF10260002.doc Atualizado em: 07/07/2008 Índice 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2

Leia mais

Referência: PDF.102600-EAB Revisão: 1 Arquivo : PDF10260005.doc Atualizado em: 07/07/2008

Referência: PDF.102600-EAB Revisão: 1 Arquivo : PDF10260005.doc Atualizado em: 07/07/2008 Descritivo Funcional MFB600-EAB Interface para Encoder Absoluto Referência: PDF.102600-EAB Revisão: 1 Arquivo : PDF10260005.doc Atualizado em: 07/07/2008 Índice 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. Definições...2

Leia mais

Interferências Eletromagnéticas em Data Centers

Interferências Eletromagnéticas em Data Centers Interferências Eletromagnéticas em Data Centers Dr. Paulo S. Marin, Engº. www.paulomarin.com 1 Objetivo avaliar o nível de emissões dentro do data center a interferência eletromagnética ambiente proveniente

Leia mais

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel.

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Rádios Licenciados O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Qual é a vantagem: 1 Os canais em uso são registrados pela Anatel e a base de

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação CONVERSOR HPNA 3.1 CTS3600EC-F Versão 1.0 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta documentação pode ser reproduzida sob qualquer forma, sem a autorização da CIANET.

Leia mais

WL4i Smart. WL4i Smart. Manual do Usuário. Manual do Usuário. 4-Port Enterprise UHF RFID Reader

WL4i Smart. WL4i Smart. Manual do Usuário. Manual do Usuário. 4-Port Enterprise UHF RFID Reader WL4i Smart Capítulo 1 - Introdução ao rádio WaveLabs WL4i O rádio WaveLabs WL4i é um leitor RFID UHF Gen 2 fixo de 4 canais com conectividade cabeada (Ethernet) ou sem fio (WiFi) com o sistema empresarial.

Leia mais

abb Características Ficha técnica IDM 96 Multimedidor Três displays de LED

abb Características Ficha técnica IDM 96 Multimedidor Três displays de LED Ficha técnica IDM 96 Multimedidor Multimedidor para sistemas trifásicos ou monofásicos com medição de 56 variáveis elétricas. Possui medição de harmônicas até a 63ª ordem, THD para corrente e captura de

Leia mais

Descrição TM-10. Fone de Cabeça HS-10. Base Discadora TS-10. Aparelho para Telemarketing TM-10, composto por: - Base Discadora TS-10

Descrição TM-10. Fone de Cabeça HS-10. Base Discadora TS-10. Aparelho para Telemarketing TM-10, composto por: - Base Discadora TS-10 Rev.03 Descrição TM-10 Aparelho para Telemarketing TM-10, composto por: - Fone de Cabeça HS-10 - Base Discadora TS-10 Fone de Cabeça HS-10 1 3 7 2 8 4 9 5 10 6 01- Bocal do Microfone 02- Tubo do Microfone

Leia mais

ITSCAM ITSLUX/SUPERLUX GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA

ITSCAM ITSLUX/SUPERLUX GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA ITSCAM ITSLUX/SUPERLUX GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA Versão 2.0 Julho 2013 linhas 300 a 411 GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA - ITSCAM-ITSLUX/SUPERLUX Para a instalação rápida da ITSCAM-ITSLUX/SUPERLUX, devem-se seguir

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 54, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Atribuir a faixa de radiofrequências de 4.910 MHz a 4.940 MHz também ao Serviço Móvel, manter a atribuição da faixa

Leia mais

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT Pág. Nº 1/8 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Siglas 4 Marcas e certificados da ABNT Certificadora 5 Requisitos Gerais 6 Requisitos específicos para sistemas certificados

Leia mais

8200-1104-0104 B0. Gravador de vídeo de rede HOLNVR04100 HOLNVR04200 HOLNVR04400 Guia de início rápido

8200-1104-0104 B0. Gravador de vídeo de rede HOLNVR04100 HOLNVR04200 HOLNVR04400 Guia de início rápido 8200-1104-0104 B0 Gravador de vídeo de rede HOLNVR04100 HOLNVR04200 HOLNVR04400 Guia de início rápido Aviso Leia este manual completamente e guarde-o para uso posterior antes de tentar conectar ou operar

Leia mais

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação Procedimento de concessão e acompanhamento da atribuição da Marca ACSS-Software Certificado a produtos de software para utilização nas instituições e Unidade Operacional de Normalização e Certificação

Leia mais

POLÍTICA DE CERTIFICADO DA SERASA AUTORIDADE CERTIFICADORA GLOBAL PARA CERTIFICADOS DE SERVIDOR

POLÍTICA DE CERTIFICADO DA SERASA AUTORIDADE CERTIFICADORA GLOBAL PARA CERTIFICADOS DE SERVIDOR POLÍTICA DE CERTIFICADO DA SERASA AUTORIDADE CERTIFICADORA GLOBAL PARA CERTIFICADOS DE SERVIDOR (PC SERASA AC GLOBAL) Autor: Serasa S.A. Edição: 20/01/2009 Versão: 1.3 1 INTRODUÇÃO 1.1 Visão Geral Esta

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição Estadual: 90.111.008-53

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05 de julho de 2011.

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05 de julho de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05

Leia mais

II Seminário de Compatibilidade Eletromagnética e Avaliação da Confomidade Cientec Set 2012

II Seminário de Compatibilidade Eletromagnética e Avaliação da Confomidade Cientec Set 2012 II Seminário de Compatibilidade Eletromagnética e Avaliação da Confomidade Cientec Set 2012 2011 Underwriters Laboratories Inc. Visão do Organismo de Certificação Histórico EMC - Brasil Portaria nº 170

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 21 Certificate issued in according

Leia mais

Nota de Prorrogação do Prêmio UPB Educação: Iniciativas que transformam

Nota de Prorrogação do Prêmio UPB Educação: Iniciativas que transformam Nota de Prorrogação do Prêmio UPB Educação: Iniciativas que transformam A UPB torna pública a prorrogação do prazo, até o dia 30/06/2014, das inscrições dos relatos de iniciativa para concorrerem ao Prêmio

Leia mais

Manual Logomarca ITAC Sistemas de Gestão

Manual Logomarca ITAC Sistemas de Gestão Pág.: 1/5 Elaboração Análise Crítica Aprovação Representante da Direção Gerente de Certificação Executivo Sênior Alterações - Revisão 06 Alteração do item 5 1. ESCOPO Este manual aplica-se às empresas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N o 1135 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013. O SUPERINTENDENTE DE RADIOFREQÜÊNCIA E FISCALIZAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL, no uso das atribuições

Leia mais

HI Tecnologia. Notas de Aplicação. Diferenças no módulo HXM500 para leitura de temperatura. ENA.00060 Versão 1.01 fevereiro-2011

HI Tecnologia. Notas de Aplicação. Diferenças no módulo HXM500 para leitura de temperatura. ENA.00060 Versão 1.01 fevereiro-2011 Notas de Aplicação Diferenças no módulo HM500 para leitura de temperatura HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00060 Versão 1.01 fevereiro-2011 Documento desenvolvido pela HI Tecnologia Página

Leia mais

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA NORMA Nº NIT-DICLA-011 APROVADA EM JUL/2014 Nº 01/08 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO. Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014. MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre

Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO. Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014. MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre Divisão de Acreditação de Laboratórios DICLA/Cgcre Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014 MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre A Coordenação Geral

Leia mais

Manual do usuário RC9010/RC8010/RC1810

Manual do usuário RC9010/RC8010/RC1810 Manual do usuário RC9010/RC8010/RC1810 RC9010/RC8010/RC1810 Repetidor Celular GSM Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O Repetidor Celular RC9010/RC8010/RC1810,

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para compra

Descrição do Produto. Dados para compra Descrição do Produto A funcionalidade e versatilidade da linha de Inversores de Freqüência NXL da Altus fazem dela a solução ideal para as mais diversas aplicações. Visa atingir motores com menores potências

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 Sabará, 11 de setembro de 2014 RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 A Prefeitura Municipal de Sabará, por meio da Secretaria Municipal de Administração, resolve, por questões administrativas, retificar

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Processador 02 5.2. Memória 03 5.3. Periféricos Inclusos 03 5.4. Unidades

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Manual do usuário. Intelbras isic5 Tablet - ipad

Manual do usuário. Intelbras isic5 Tablet - ipad Manual do usuário Intelbras isic5 Tablet - ipad Intelbras isic5 Tablet - ipad Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual irá auxiliá-lo na instalação

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

MUDANÇA DO PAPEL DO AVALIADOR LÍDER

MUDANÇA DO PAPEL DO AVALIADOR LÍDER MUDANÇA DO PAPEL DO AVALIADOR LÍDER Gloria Maria Pereira da Silva Chefe do Núcleo de Avaliação de Laboratórios de Calibração Divisão de Acreditação de Laboratórios Objetivo da Apresentação Apresentar o

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL Autor: Maurício André Garcia: Cargo atual: Coordenador Técnico de Micromedição e Uso Racional Formação:

Leia mais

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda.

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda. Rua das Cerejeiras, 80 Ressacada CEP 88307-330 Itajaí SC Fone/Fax: (47) 3349 6850 Email: vendas@ecr-sc.com.br Guia de instalação, operação e manutenção do sistema de monitoramento de poços ECR. Cuidados

Leia mais

Guia de instalação WOM 5000

Guia de instalação WOM 5000 Guia de instalação WOM 5000 Roteador Wireless WOM 5000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O WOM 5000 com antena integrada de 12 dbi fornece uma solução completa

Leia mais

Rede Autónoma Wireless Owlet Controlador de Luminária LuCo-AD 1-10V/DALI Ficha Técnica

Rede Autónoma Wireless Owlet Controlador de Luminária LuCo-AD 1-10V/DALI Ficha Técnica Descrição O LuCo-AD é um controlador inteligente e autónomo preparado para ser instalado numa luminária de exterior com aplicação residencial, viária e urbana. LuCo-AD controla o Driver/Balastro através

Leia mais

Leiaute dos Certificados Digitais da Secretaria da Receita Federal do Brasil

Leiaute dos Certificados Digitais da Secretaria da Receita Federal do Brasil Leiaute dos Certificados Digitais da Secretaria da Receita Federal do Brasil Versão 4.1 Sumário 1. Leiaute do Certificado de Autoridade Certificadora... 3 1.1. Requisitos de Certificado... 3 1.2. Extensões

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

Microterminal. ...j Terminal do eleitor. D Midias

Microterminal. ...j Terminal do eleitor. D Midias ,-','. Tribunal Superior Eleitoral Acompanhamento da execução do Plano de Teste 1 Informações gerais Protocolo do Plano de Teste 22.814/2009 Instituição Proponente Pessoa Física Responsável pela equipe

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas anexo à Portaria Inmetro nº. 79 de 8 de maio de 200 Certificate issued in according

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais