Treinamento Técnico Wireless 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Treinamento Técnico Wireless 2015"

Transcrição

1

2 Treinamento Técnico Wireless 2015

3 TERMINAL CELULAR FIXO TCF-100D 1 - Torre com pára-raios e bom aterramento (vide norma NBR-5419). Sistema SPDA - Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas 2 - Possibilita a extensão da linha telefônica externa (Phone), através de cabo com terminais RJ11, em até 600m, com proteção. 3 - Antena externa e seu posicionamento.

4 TERMINAL CELULAR FIXO TCF-100D EXEMPLO DE UTILIZAÇÃO REMOTA COM ANTENA EXTERNA

5 SISTEMA CEL-FI REFORÇADOR DE SINAL 3G Usando uma antena externa e seu posicionamento. - Separação da Unidade de Cobertura (UC) e da Unidade Window (UW) Conector para Antena externa Unidade Window - Realimentação entre a UC e a antena externa

6 REFORÇADOR DE SINAL CELULAR GSM / DCS / WCDMA-3G / LTE-4G Torre Antena Servidora 1 - Torre com pára-raios e bom aterramento (vide norma NBR-5419) Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas; 2 - Antena externa e seu posicionamento; 3 - Distanciamento, isolação e Direcionamento entre antenas 4 - Utilização dos atenuadores (chaves) 5 - Divisores e Combinadores (aplicações e sua utilização) Sinal da ERB Antena Doadora H Reforçador

7 REFORÇADOR DE SINAL CELULAR DIAGRAMA DE BLOCOS Exemplo: REDE GSM800 Freq. DownLink: MHz Freq. UpLink: MHz

8 INSTALAÇÃO DO REFORÇADOR COM ANTENA OMNIDIRECIONAL INTERNA (RUBBER) ESTAÇÃO RÁDIO-BASE (ERB) ANTENA DOADORA ANTENA OMNIDIRECIONAL INTERNA (RUBBER) REFORÇADOR COM ANTENA OMNI INTERNA (RUBBER)

9 ESTAÇÃO RÁDIO-BASE-ERB INSTALAÇÃO DO REFORÇADOR ANTENA DOADORA COM ANTENAS DE TETO / PAREDE E DIVISORES DE POTÊNCIA ANTENA DOADORA ANTENA OMNIDIRECIONAL DE TETO ANTENA DIRECIONAL DE PAREDE O REFORÇADOR PODE TAMBÉM SER INSTALADO MAIS LONGE DA ANTENA DOADORA, DEPENDENDO DO NÍVEL DE SINAL RECEBIDO

10 REPETIDOR DE SINAL CELULAR 1- Torre com pára-raios e bom aterramento (vide norma NBR-5419); Sistema SPDA - Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas; 2 - Antena externa e sua orientação; 3 - Distanciamento, isolação e Direcionamento entre antenas; 4 - Divisores e Combinadores (aplicações e sua utilização); 5 - Software de Gerenciamento Local (Local Test) e Remoto (NMS); 6 - Alimentação através de Painel Solar GSM / DCS / WCDMA-3G / LTE-4G

11 ALIMENTAÇÃO DO REPETIDOR COM ENERGIA SOLAR O sistema contém uma unidade de controle de potência e uma unidade de armazenamento. Este armazenamento de energia é feito por baterias, utilizando um dispositivo para controlar a carga e a descarga na bateria. Para alimentação do repetidor (tensão alternada VCA) deve ser utilizado um inversor. Montagem em Poste Montagem em suportes metálicos Montagem em Abrigos Placa de Energia Solar A Suporte de instalação Ângulo de Instalação

12 REPETIDOR DE SINAL CELULAR DIAGRAMA DE BLOCOS Exemplo: REDE GSM800 Freq. DownLink: MHz Freq. UpLink: MHz

13 INSTALANDO O REPETIDOR APLICAÇÃO TÍPICA- PLANO 1. Nível de sinal de -65dBm, via medidor móvel; 2. Altura da torre: > 25m normalmente; 3. Nível de sinal de 40dBm: potência de saída do repetidor, desconsiderando as perdas no cabo.

14 INSTALANDO O REPETIDOR COBERTURA DE ÁREA RESIDENCIAL

15 APLICAÇÕES OUTDOOR OBSTÁCULOS NATURAIS

16 CONCEITO DE LINK DOWNLINK SENTIDO DIRETO ERB transmite, AC recebe GSM MHz ESTAÇÃO RADIO-BASE (OPERADORA) ERB UPLINK SENTIDO REVERSO AC envia, ERB recebe GSM MHz ÁREA DE COBERTURA AC

17 CONCEITO DE ACOPLAMENTO MODOS DE TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA 1. Acoplamento sem fio (Wireless) 2. Acoplamento direto ACOPLAMENTO SEM FIO (1) ESTAÇÃO RÁDIO-BASE (ERB REPETIDOR REPETIDOR REPETIDOR ACOPLAMENTO DIRETO (2)

18 CONCEITO DE OSCILAÇÃO Em termos práticos, sistemas com repetidores podem oscilar quando a diferença entre a isolação e o ganho for menor que 15 db. Em outras palavras, a isolação antena-a-antena no mesmo repetidor, para garantir uma operação segura, deve ser igual ou superior a 15 db mais o ganho do repetidor. Por exemplo, um sistema com 95 db de isolação pode admitir um ganho de até 80 db (95-15 = 80). Isolação (min) antena-antena > Ganho do repetidor + 15dB ANTENA EXTERNA (outdoor) Analisador de espectro c/ Tracking ou outra fonte de sinal ANTENA(S) INTERNA(S) REPETIDOR Testando a isolação entre as antenas Ganho excessivo não melhora o desempenho do repetidor podendo apresentar ruídos excessivos nos receptores.

19 CONCEITO DE FADING / INTERFERÊNCIAS INDESEJÁVEIS Ao se propagar, as ondas de rádio estão sujeitas a reflexões no solo e na atmosfera provocando alterações na sua amplitude, no caminho percorrido, ocasionando variações na potência do sinal recebido. Estas variações são chamadas de desvanecimento (fading). Pode ser causado também por obstáculos na linha de visada direta, ou por atenuação devido à chuvas. Lóbulo principal da antena direcional (yagi) Importância de uma antena direcional na redução de níveis potenciais de interferências indesejáveis Girando-se levemente a antena direcional fora do centro pode-se diminuir o ganho dos lóbulos secundários e traseiro da antena a fim de reduzir os níveis de interferências. Edifícios próximos Celulares próximos Edifícios afastados Caixa D água (torre)

20 PARÂMETROS PRINCIPAIS DO REPETIDOR (1/4) Faixa de Frequência Faixa de frequência é um intervalo que o repetidor trabalha numa característica linear de frequência. O repetidor pode ser usado numa parte ou em toda a faixa. Potência de Saída Nominal (máx.) A potência de saída nominal (máx.) é a potência máxima quando o repetidor operar na área linear de trabalho (ganho máximo). Veja o método de medição abaixo:

21 PARÂMETROS PRINCIPAIS DO REPETIDOR (2/4) Ganho O ganho de um repetidor celular é expresso em função da diferença de níveis de RF, em db, entre a antena receptora e a antena transmissora no mesmo sentido. É função basicamente do ganho global do repetidor menos as perdas nos componentes passivos. Automatic Level Control (ALC) Quando o repetidor operar no máximo ganho e máxima potência de saída, com o aumento do nível do sinal de entrada, o repetidor controlará o nível do sinal de saída. Automatic Gain Control (AGC) O controle automático de ganho consiste em um laço de realimentação que atua sobre o ganho de um amplificador de forma manter a amplitude de saída do sinal dentro de uma faixa de valores ou, ainda, em um valor constante pré-determinado. O AGC pode ser eficaz na prevenção da auto-oscilação.

22 PARÂMETROS PRINCIPAIS DO REPETIDOR (3/4) Faixa de Frequências UpLink e DownLink das Redes GSM / DCS / WCDMA-3G e LTE-4G e Tabela de Potências (W/dBm) Frequência Central Largura de Banda a -3dB

23 PARÂMETROS PRINCIPAIS DO REPETIDOR (4/4) INTERMODULAÇÃO Interação ou mistura de frequências fundamentais (f1, f2) de entrada do repetidor e dos sinais espúrios adicionais de sáida (fim), devido a não-linearidade dos amplificadores. f IM = mf 1 ±nf 2 m+n é a ordem da intermodulação f IM3 = 2 * f 1 - f 2 = = 890 f 1 f 2 A intermodulação de 3 a ordem é sempre o pior caso!!! f IM3 é próxima da portadora Sua amplitude é a mais alta f IM3 Rx Tx f IM3 IM * f1 - f2 2 * f2 f1 f (MHz)

24 TIPOS DE REPETIDORES Canal Seletivo Single Band Banda Seletiva Dual Band Repetidor de RF Banda Larga Dual Band TriBand Canal Seletivo REPETIDORES Repetidor de Fibra Óptica Banda Seletiva Canal Seletivo Micro Repetidor/ Reforçador Banda Larga Shift Repeater c/ Link Banda Seletiva Banda Larga

25 REPETIDOR DE RF GENÉRICO O repetidor atua como um retransmissor entre a Estação Rádio-Base-ERB e a área a ser coberta. Ele recebe o sinal de baixa potência da ERB, via antena Doadora, amplifica-o linearmente e o retransmite via antena Servidora para a área com sinal fraco.

26 REPETIDOR DE RF CANAL SELETIVO ESPAÇAMENTO 200kHz ou 1,23MHz ou 5MHz Uplink 200kHz ou 1,23MHz ou 5MHz DownLink Fu1 Fu2 Fd1 Fd2 Fu1: Frequência inicial de UpLink Fu2: Frequência final de UpLink Fd1: Frequência inicial de DownLink Fd2: Frequência final de DownLink

27 REPETIDOR DE RF CANAL SELETIVO DIAGRAMA DE BLOCOS

28 REPETIDOR DE RF - BANDA SELETIVA SINGLE BAND ESPAÇAMENTO UpLink DownLink ajustável ajustável Fu1 Fu2 Fd1 Fd2 Fu1: Frequência inicial UpLink Fu2: Frequência final UpLink Fd1: Frequência inicial DownLink Fd2: Frequência final DownLink

29 REPETIDOR DE RF - BANDA SELETIVA SINGLE BAND DIAGRAMA DE BLOCOS

30 REPETIDOR DE RF - BANDA SELETIVA DUAL BAND DIAGRAMA DE BLOCOS Banda 1 Banda 2 ajustável F1 F2

31 REPETIDOR DE RF - BANDA LARGA ESPAÇAMENTO UpLink DownLink largura de banda pode ser personalizada mas não ajustada largura de banda pode ser personalizada mas não ajustada Fu1 Fu2 Fd1 Fd2 Fu1: Frequência inicial UpLink Fu2: Frequência final UpLink Fd1: Frequência inicial DownLink Fd2: Frequência final DownLink

32 REPETIDOR DE RF - BANDA LARGA DUAL BAND

33 COBERTURA DE SINAL EM EDIFÍCIOS

34 REPETIDOR SHIFT REPEATER C/ LINK 1,5MHz Distância Max. 20Km MASTER SLAVE

35 FIBRA ÓPTICA (opção 1) C/ACOPLAMENTO DIRETO ERB P/COBERTURA DE PEQUENAS ÁREAS MASTER Distância Max. 20Km SLAVE

36 FIBRA ÓPTICA (opção 2) C/ACOPLAMENTO DIRETO ERB P/COBERTURA INTERNA - INDOOR Distância Max. 20Km

37 FIBRA ÓPTICA (opção 3) C/ACOPLAMENTO POR RF P/COBERTURA INTERNA - INDOOR OPERADORA MASTER SLAVE

38 FIBRA ÓPTICA (opção 4) UNIDADES REMOTAS MÚLTIPLAS

39 APLICAÇÕES: BAIXA CAPACIDADE - GRANDES ÁREAS Antena Doadora ERB - OPERADORA REPETIDOR Repetidor Indoor e Outdoor Infraestrutura pequena DC Acoplador Direcional Div. Pot 1x3 Escritório Div. Pot 1x2 Estacionamento Sub-Solo

40 APLICAÇÕES: BAIXA CAPACIDADE - PEQUENAS ÁREAS Antena Doadora ERB - OPERADORA Div.Pot. 1x2 Utiliza um Reforçador de Sinal Indoor Fácil Instalação Tamanho Compacto e Peso Reduzido REFORÇADOR Pequenos Escritórios

41 APLICAÇÕES: ALTA CAPACIDADE - GRANDES ÁREAS (1) Layout de uma Aplicação Típica OPERADORAS Div.Pot. TX Duplexador Acoplador Híbrido Div. Potência 1x3 Escritório GSM_A ERB RX TX Duplexador A H Div. Potência 1x2 A D GSM_B ERB DCS ERB RX TX Duplexador RX TX TPX Triplexador Div Pot. Acoplador Direcional Div. Pot Div. Potência 1x3 Hall de Entrada Duplexador WCDMA ERB RX POI Div. Pot. Ponto de Interconexões (Point of Interconnects POI) Div. Potência 1x2 Estacionamento Subsolo

42 APLICAÇÕES: ALTA CAPACIDADE - GRANDES ÁREAS (2) Layout de uma Aplicação Típica Fibra Óptica Unidade Remota Sistema de Distribuição de Antenas Fibra Óptica Unidade Remota Sistema de Distribuição de Antenas Site da Operadora Fibra Óptica Unidade Remota Sistema de Distribuição de Antenas Unidade Master Fibra Óptica Unidade Remota Sistema de Distribuição de Antenas Divisor Sistema de Distribuição de Antenas Unidade Remota Sistema de Distribuição de Antenas

43 APLICAÇÕES: ALTA CAPACIDADE - GRANDES ÁREAS (3) COM AMPLIFICADOR DE LINHA Triplexador Banda Larga Amp Linha Triplexador Banda Larga Unidade Remota Sistema de Distribuição de Antenas Amp Linha Sistema de Distribuição de Antenas Site da Operadora Unidade Remota Sistema de Distribuição de Antenas Unidade Remota Sistema de Distribuição de Antenas Unidade Master Unidade Remota Sistema de Distribuição de Antenas Divisor Sistema de Distribuição de Antenas Unidade Remota Sistema de Distribuição de Antenas

44 SISTEMA DE COBERTURA MULTI-BANDA Evita investimentos na duplicação IBS (In-Building Solutions) no mesmo edifício por diferentes operadoras e, efetivamente, integra multi-sinais para o mesmo sistema de distribuição de antenas (DAS) com baixa perda de inserção e baixo custo. Three Operators, Three DAS Three Operators, One Multi-System DAS Ponto de Interconexões 3 (tres) Operadoras DAS 3 (tres) Operadoras DAS (Multi-Sistema)

45 APLICAÇÕES DOS ACESSÓRIOS Antena Painel; Antena Setorial; Antena Omnidirecional; Antena Direcional B. Larga; Antena Yagi; Antena Parabólica; Divisor de Potência. Imagens ilustrativas

46 ANALISADOR DE ESPECTRO PORTÁTIL Analisador de Espectro Portátil para levantamento de campo, localização da ERB e identificação da frequência de operação. Especificações: Faixas de Frequência: Radio Module #1 (24G): MHz Radio Module #2 (WSUB3G): MHz Frequência Span: 112 khz 100 MHz Tela LCD pixels, grande visibilidade externa Retroiluminação p/ grande visibilidade interna 2 Conectores padrão SMA 50 Ohms para as 2 antenas inclusas Antena telescópica Sub-GHz Wideband Nagoya NA-773 e antena helicoidal 2.4GHz Resolução de Amplitude: 0.5 dbm Faixa Dinâmica: Left SMA port (24G): -105 dbm a -15 dbm Right SMA port (WSUB3G): -110dBm a -10dBm Potência de Entrada Max. Absoluta: Left SMA port (24G): -5 dbm Right SMA port (WSUB3G): +30dBm Nível de Ruído Médio (típico): -110 dbm Estabilidade de Frequência e precisão (típica): ±10 ppm Estabilidade de Amplitude e precisão (típica): ±6 dbm Resolução de Frequência: 1 khz Resolução de Largura de Banda (RBW): 2.6 khz a 600 khz automat. Dimensões: 113 x 70 x 25 mm Peso: 85 g

47 PALESTRANTE: Carlos Alberto Teixeira

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

5 - especificação TÉCNiCA

5 - especificação TÉCNiCA 5 - especificação TÉCNiCA ESPECIFICAÇÕES DO REPETIDOR RP-860 Frequência UL DL 824-849 MHz 869-894 MHz Especificações elétricas Potência de saída (dbm) DL: 10dBm, 15dBm, 17dBm UL: 10dBm Ganho máximo (db)

Leia mais

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição 4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição Neste capítulo são descritos o sistema de transmissão, recepção e aquisição de dados utilizados no experimento. São descritas, ainda, a metodologia utilizada

Leia mais

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução 5 Setup de Medidas 5.1. Introdução Para realização desse trabalho foi montada uma configuração de setup de medidas em UHF, mais precisamente no canal 42, freqüência central de 641 MHz em acordo com o Plano

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE COMPOSIÇÃO DA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25 A estação repetidora digital P25 será composta pelos seguintes equipamentos:

Leia mais

Antena omni vs. antena direcional

Antena omni vs. antena direcional Antena omni vs. antena direcional Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Definições básicas e conceitos da antena Efeitos internos Prós e contras da antena Omni Prós

Leia mais

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 Versão 1.01 Infinium Automação Industrial Ltda contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O rádio modem RMC-900 foi projetado para utilização em sistemas

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

Atualmente é Agente Fiscal Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Amazonas (CREA-AM).

Atualmente é Agente Fiscal Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Amazonas (CREA-AM). Instalação de Repetidor Celular em Atalaia do Norte - AM Esta Série Especial de Tutoriais apresenta os trabalhos premiados no III Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) 2007. O conteúdo

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

Na implantação de um projeto de rede sem fio existem dois personagens:

Na implantação de um projeto de rede sem fio existem dois personagens: Redes Sem Fio Instalação Na implantação de um projeto de rede sem fio existem dois personagens: O Projetista é o responsável: Cálculo dos link e perdas Site survey (levantamento em campo das informações)

Leia mais

5 Metodologias de medidas dos níveis de radiação das ERBs de um sistema celular

5 Metodologias de medidas dos níveis de radiação das ERBs de um sistema celular 61 5 Metodologias de medidas dos níveis de radiação das ERBs de um sistema celular As medidas dos níveis de radiação serão feitas através de duas metodologias. Na metodologia de medidas 1, o principal

Leia mais

Campinas, 24 de maio de 2010

Campinas, 24 de maio de 2010 Estação Terminal de Acesso ETSI TS 151 010-1 V6.5.0 (2005-11) Relatório de Teste Número: CertLab-E18-0899-10-01-Rev1 Equipamento sob Ensaio Modelo: Nome: Solicitante Wireless Solutions Limited. Endereço:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410 Revisão C SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA - TI GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

Tecnologia de faixa para falha

Tecnologia de faixa para falha Tecnologia de faixa para falha Por Tom Bell e John Nankivell Índice 1. Introdução 1 2. Equipamento de teste / processo de teste de PIM existente 2 3. Nova análise de RTF / limitações técnicas 3 4. Fluxograma

Leia mais

TE155-Redes de Acesso sem Fios Cabos e Acessórios

TE155-Redes de Acesso sem Fios Cabos e Acessórios Cabos e Acessórios Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Cabos e Assessórios Cabos Coaxiais Conectores e Pigtails Cabos Coaxiais Irradiantes

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

Estudo e Definição de Redes Locais Sem Fio para Aplicação em Pátios de Subestações e Usinas de Energia Elétrica

Estudo e Definição de Redes Locais Sem Fio para Aplicação em Pátios de Subestações e Usinas de Energia Elétrica 1 Estudo e Definição de Redes Locais Sem Fio para Aplicação em Pátios de Subestações e Usinas de Energia Elétrica G. Preger, FURNAS, M. G. Castello Branco, CPqD e C. R. S. Fernandes, CPqD Resumo-Este trabalho

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Guia de instalação AC 2014 AC 2017

Guia de instalação AC 2014 AC 2017 Guia de instalação AC 2014 AC 2017 Antena Yagi Dual Band AC 2014 AC 2017 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este guia foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

Projeto Repetidor Indoor: Conceitos e Recomendações

Projeto Repetidor Indoor: Conceitos e Recomendações Projeto Repetidor Indoor: Conceitos e Recomendações Este tutorial apresenta conceitos e características de um projeto de Repetidor Celular Indoor (interno) para redes celulares que utilizam a tecnologia

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

96040A. Fonte de referência com baixo ruído de fase. Dados técnicos. Simplifique seu sistema de calibração de RF. Principais benefícios

96040A. Fonte de referência com baixo ruído de fase. Dados técnicos. Simplifique seu sistema de calibração de RF. Principais benefícios 96040A Fonte de referência com baixo ruído de fase Dados técnicos Simplifique seu sistema de calibração de RF A Fonte de referência de RF Fluke Calibration 96040A permite simplificar seu sistema de calibração

Leia mais

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel.

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Rádios Licenciados O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Qual é a vantagem: 1 Os canais em uso são registrados pela Anatel e a base de

Leia mais

Aparelho Celular. Estudo elaborado com intuito de facilitar a compreensão do funcionamento de um aparelho celular através de uma linguagem simples.

Aparelho Celular. Estudo elaborado com intuito de facilitar a compreensão do funcionamento de um aparelho celular através de uma linguagem simples. Aparelho Celular Estudo elaborado com intuito de facilitar a compreensão do funcionamento de um aparelho celular através de uma linguagem simples. O Diagrama em bloco do aparelho celular apresentado é

Leia mais

5 VIATURA DE MEDIDAS, PLANEJAMENTO E OS TESTES DE CAMPO

5 VIATURA DE MEDIDAS, PLANEJAMENTO E OS TESTES DE CAMPO 5 VIATURA DE MEDIDAS, PLANEJAMENTO E OS TESTES DE CAMPO A viatura de medidas é equipada para o levantamento com mastro retrátil de até 10 m de altura, um conjunto de instrumentos de medida e de armazenamento

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DIGITAIS PARA O SERVIÇO FIXO EM APLICAÇÕES PONTO- MULTIPONTO NAS FAIXAS DE FREQUÊNCIAS

Leia mais

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM-

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM- Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Componentes essenciais para uma comunicação Wireless Uso permitido por Luciano Valente Franz luciano@computech.com.br Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena

Leia mais

NETCOM 2007 PALESTRA:

NETCOM 2007 PALESTRA: NETCOM 2007 PALESTRA: SOLUÇÕES DE COBERTURA INDOOR PARA APLICAÇÕES WIMAX Marcelo Yamaguchi RFS Radio Frequency Systems Página 1 de (6) INTRODUÇÃO A demanda cada vez maior por portabilidade, mobilidade,

Leia mais

Circuitos de Comunicação Introdução

Circuitos de Comunicação Introdução Circuitos de Comunicação Introdução Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Circuitos de Comunicação Objetivo: Estudar os blocos funcionais eletrônicos e de processamento digital de sinais que são utilizados nas comunicações

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação apresenta experimentos planejados para desenvolver comunicações eletrônicas fundamentais. O é

Leia mais

Cobertura de RF em Redes WI-FI

Cobertura de RF em Redes WI-FI Cobertura de RF em Redes WI-FI Este tutorial apresenta as alternativas para estender a área de cobertura de redes locais sem fio com ênfase na utilização de cabos irradiantes. Marcelo Yamaguchi Pós-graduado

Leia mais

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL Broadband Wireless Access -Visualização da linha de produtos BreezeACCESS VL- Solução completa ponto multiponto para comunicação Wireless em ambiente que não tenha linda de visada direta, utiliza a faixa

Leia mais

Projeto RuralMAX. Soluções para massificação do acesso à Internet em Banda Larga para Áreas Rurais

Projeto RuralMAX. Soluções para massificação do acesso à Internet em Banda Larga para Áreas Rurais Projeto RuralMAX Soluções para massificação do acesso à Internet em Banda Larga para Áreas Rurais Rural Connectivity Forum 2011 15 a 17/11 - Maputo - Moçambique NEGER Tecnologia e Sistemas Fundada em 1987

Leia mais

CATÁLOGO DE SOLUÇÕES

CATÁLOGO DE SOLUÇÕES Esteja sempre em casa. Mesmo quando não estiver! CATÁLOGO DE SOLUÇÕES Nós, da KMD temos o prazer de apresentar o mais novo conceito em supervisão residencial e comercial. Trazemos para você empreendedor:

Leia mais

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID -

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Os dispositivos de identificação por meio de rádio frequência têm atingido já desde alguns anos um estado de difusão aplicacional e comercial

Leia mais

Repetidores Celulares

Repetidores Celulares Repetidores Celulares Este tutorial apresenta os repetidores celulares, como alternativa econômica na solução de reforço de cobertura dentro de uma célula, ou como ampliação da área externa dessa célula.

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

3 Metodologia de calibração proposta

3 Metodologia de calibração proposta Metodologia de calibração proposta 49 3 Metodologia de calibração proposta A metodologia tradicional de calibração direta, novamente ilustrada na Figura 22, apresenta uma série de dificuldades e limitações,

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO ESTÉREO PERSONALIZADO PSM 300

SISTEMA DE MONITORAMENTO ESTÉREO PERSONALIZADO PSM 300 Sistemas de monitoramento pessoal PSM 300 SISTEMA DE MONITORAMENTO ESTÉREO PERSONALIZADO PSM 300 O sistema de monitoramento estéreo personalizado PSM 300 oferece áudio digital definido de 24 bits e liberdade

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

57)Assinale a alternativa que não representa o nome de um oscilador: A ( ) A cristal B ( ) De relaxação C ( ) Zener D ( ) Colpetts E ( ) Hartley

57)Assinale a alternativa que não representa o nome de um oscilador: A ( ) A cristal B ( ) De relaxação C ( ) Zener D ( ) Colpetts E ( ) Hartley LIGA DE AMADORES BRASILEIROS DE RADIO EMISSÃO LABRE/RN SEDE: CAIC de Lagoa Nova Vila das Federações Cx. Postal 251, Natal/RN, 59010-970) Home Page http://www.ps7aa.kit.net Tel. 3086 2140 (Ed PS7DX) e-mail:

Leia mais

PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL

PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE LOGÍSTICA E FINANÇAS DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL FLORIANÓPOLIS JULHO

Leia mais

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores FWA

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores FWA Capa Redes de Acesso à Internet Móvel Perspectiva dos operadores FWA Sonaecom Engenharia de Acesso Rádio Tecnologias Wireless Leiria, 3 de Maio de 2006 Sonaecom EAR / TW I David Antunes I 03/Maio/2006

Leia mais

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas Página: 2 / 5 Telemetria para Medição de Consumo Introdução Este documento apresenta as características técnicas da solução de telemetria do consumo de água, gás e energia (e outros medidores com saída

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg.

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg. UFSM-CTISM Comunicação de Dados - Exemplos práticos Aula-05 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Meio de é o caminho físico entre o transmissor e o receptor. Como visto numa aula anterior

Leia mais

Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro

Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Negação Convenções Compreendendo o monte

Leia mais

Tabela de Preços Wi-Fi

Tabela de Preços Wi-Fi Tabela de Preços Wi-Fi Antenas Paineis Setoriais 2.4-2.5 GHz (Polarização Vertical e Horizontal) N.01/2012 Janeiro Linha profissional em aço INOX EMC WF 15 EMC WF-15/RFL EMC WF-15 Homologação Anatel N.

Leia mais

Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges

Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges Como a luz, uma onda de rádio, perderia-se no espaço, fora do nosso planeta, se não houvesse um fenômeno que provocasse sua curvatura para

Leia mais

FAMÍLIA DE ANTENAS RFID DA MOTOROLA

FAMÍLIA DE ANTENAS RFID DA MOTOROLA COMPLETO PORTFÓLIO DE ANTENAS RFID PARA MÚLTIPLAS E VARIADAS NECESSIDADES DE APLICAÇÃO FAMÍLIA DE ANTENAS RFID DA MOTOROLA A família de antenas de Identificação por Radiofrequência (RFID) da Motorola oferece

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Transmissão sem Fio Pessoas cada vez mais dependente das redes; Alguns especialistas afirmam

Leia mais

1 INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO

1 INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO Sumário Capítulo 1 INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO... 3 1.1 Sobre este manual... 3 1.2 Instruções de segurança... 3 1.3 Instruções de instalação... 3 1.3.1 Fixação... 3 1.3.2 Proteção contra umidade... 4 1.3.3

Leia mais

CGW-P Gateway ISDN GSM

CGW-P Gateway ISDN GSM Interface de conexão TDM entre PABX e rede Celular Interconecte seu PABX ou Switch TDM com a rede celular GSM O gateway CGW-P é um dispositivo que interconecta seu PABX ou switch de voz com as redes celulares

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Tudo o que necessita é total integração PREXISO. Sistema de posicionamento completo: Receptor Controladora Software

Tudo o que necessita é total integração PREXISO. Sistema de posicionamento completo: Receptor Controladora Software Tudo o que necessita é total integração PREXISO Sistema de posicionamento completo: Receptor Controladora Software O completo, totalmente GPS integrado O GPS Prexiso é tudo o que precisa um sistema de

Leia mais

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Módulos sem fio para Smart Metering Por Peder Martin Evjen, M.Sc.E.E., Managing Director, Radiocrafts AS A tendência em AMR e Smart Metering é utilizar tecnologia

Leia mais

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00. COMPANHIA ESTADUAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS Especificações Técnicas Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.058 Cod.

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

MANUAL RÁDIO MODEM SPREAD SPECTRUM RMSS-900 V2

MANUAL RÁDIO MODEM SPREAD SPECTRUM RMSS-900 V2 MANUAL RÁDIO MODEM SPREAD SPECTRUM RMSS-900 V2 Versão 2.03 Infinium Automação Industrial Ltda Site: email: contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O Rádio modem RMSS-900V2 foi projetado para utilização

Leia mais

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas.

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas. 1/8 Visão Geral: Instalação e configuração simplificada. Alta capacidade de armazenamento de registros e usuários. Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras

Leia mais

MOTO LINK VÍDEO MONITORAMENTO DIGITAL. Divisão Relm Monitoramento. Divisão Relm Monitoramento

MOTO LINK VÍDEO MONITORAMENTO DIGITAL. Divisão Relm Monitoramento. Divisão Relm Monitoramento MOTO LINK VÍDEO MONITORAMENTO DIGITAL 3G NOV/2014 MULTI-APLICAÇÕES OPERADORA CDMA/EDGE/GPRS/3G INTERNET CENTRAL DE MONITORAMENTO Evento / Foto ilustrativa Evento / Foto ilustrativa Software de Reprodução

Leia mais

SpinCom Telecom & Informática

SpinCom Telecom & Informática Rastreador GPS/GSM modelo Com as fortes demandas por segurança e gestão de frota, a SpinCom, acaba de lançar o rastreador GPS/GSM modelo. O rastreador é indicado para aplicações de rastreamento de automóveis,

Leia mais

Cabos, Guias de Onda e Combinadores de RF

Cabos, Guias de Onda e Combinadores de RF Cabos, Guias de Onda e Combinadores de RF WORKSHOP PARCERIAS SIRIUS Amplificadores em estado sólido Claudio Pardine CNPEM - Grupo de RF Amplificadores 476 MHz 50 kw Instalados no anel Módulo amplificador

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Estações de Radiocomunicação - Licença de Operação

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

Estação Hidrológica Automática Mod. EHA-2

Estação Hidrológica Automática Mod. EHA-2 Estação Hidrológica Automática Mod EHA-2 Fabricantes: JCTM Ltda Xi an Chinastar A Estação Hidrológica Automática EHA-2 é composta por: 01 Sensor Pluviométrico Mod SP-3 (JCTM); 01 Sensor Linimétrico Mod

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA APLICAÇÃO: 14/9/2014

PADRÃO DE RESPOSTA APLICAÇÃO: 14/9/2014 DISSERTAÇÃO Espera-se que o candidato redija texto dissertativo acerca da evolução das redes de comunicação e da infraestrutura destinada para a provisão de novos serviços, abordando, necessariamente,

Leia mais

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos 1 de 6 8/8/2007 18:40 PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE 80 A 120 QUESTÕES DE ESCOLHA SIMPLES Assinale X entre os parênteses que indicar

Leia mais

Manual do Usuário. Reforçador de Sinal Celular. Modelo AT 800ID-20Ci /AT800ID-23Bi

Manual do Usuário. Reforçador de Sinal Celular. Modelo AT 800ID-20Ci /AT800ID-23Bi Manual do Usuário Reforçador de Sinal Celular Modelo AT 800ID-20Ci /AT800ID-23Bi Índice 1. DESCRIÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO PRODUTO... 1 3. COMPOSIÇÃO DO SISTEMA... 2 4. INSTALAÇÃO... 3 5. VERIFICAÇÃO E

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Decisão EEC de 1 de Dezembro de 2006 sobre a harmonização de sistemas GSM a bordo de aeronaves nas faixas de frequências 1710 1785 e 1805 1880 MHz (EEC/DEC/(06)07)

Leia mais

DESCRITIVO SISTEMA SEVEN PLUS

DESCRITIVO SISTEMA SEVEN PLUS DESCRITIVO SISTEMA SEVEN PLUS O Sistema SEVEN PLUS foi configurado para possibilitar sinalização do paciente no Posto de Enfermagem, de acordo com as Normas Técnicas da ABNT NBR 5410 e da Agência Nacional

Leia mais

2.1 Características Técnicas

2.1 Características Técnicas 2.1 Características Técnicas 2.1.1 Tensão da alimentação auxiliar... 2.1-2 2.1.2 Cargas... 2.1-2 2.1.3 Entradas de corrente... 2.1-2 2.1.4 Entradas de tensão... 2.1-2 2.1.5 Freqüência... 2.1-2 2.1.6 Exatidão

Leia mais

Antenas YAGI. Tânia Fernandes 08-10-2010. Curso EFA 2010/2011 de redes informáticas Turma S12 E-mail do autor: taniac2010@gmail.

Antenas YAGI. Tânia Fernandes 08-10-2010. Curso EFA 2010/2011 de redes informáticas Turma S12 E-mail do autor: taniac2010@gmail. Antenas YAGI Tânia Fernandes 08-10-2010 Curso EFA 2010/2011 de redes informáticas Turma S12 E-mail do autor: taniac2010@gmail.com 0 Antenas Yagi Antena Yagi-Uda é um tipo de rádio-antena desenvolvido por

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Receptor HD ISDB-T

MANUAL DO USUÁRIO. Receptor HD ISDB-T MANUAL DO USUÁRIO Receptor HD ISDB-T Painel Frontal e Traseiro Painel Frontal: USB CH- CH+ POWER 1 2 3 4 Painel Traseiro: RF IN RF OUT COAXIAL R L VIDEO DC IN HD 5 6 7 8 9 10 11 12 1. Porta USB 2.0: Entrada

Leia mais

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Profº Alexsandro M. Carneiro alexsandro@ucdb.br Bacharelado em Sistemas de Informação AULA 06 Bacharelado em Sistemas de Informação UCBD SG - 2005 Tópicos Abordados Camada Física:

Leia mais

FREQUENCÍMETRO DE ALTA RESOLUÇÃO 2.4GHz VELLEMAN DVM13MFC2

FREQUENCÍMETRO DE ALTA RESOLUÇÃO 2.4GHz VELLEMAN DVM13MFC2 FREQUENCÍMETRO DE ALTA RESOLUÇÃO 2.4GHz VELLEMAN DVM13MFC2 MANUAL DO UTILIZADOR 1. Introdução & Características Para todos os residentes da União Europeia Importante informação ambiental sobre este produto.

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Automação. Regime de Origem do Acordo Mercosul-Chile

Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Automação. Regime de Origem do Acordo Mercosul-Chile Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Automação Regime de Origem do Acordo Mercosul-Chile APÊNDICE 4 DO ANEXO 13 DO ACE - 35 REGIME DE ORIGEM PARA O SETOR DE INFORMÁTICA

Leia mais

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada 9V RMS Tweeter CH Crossover /octave 2K, 4K, 6K, 8K Mid CH Crossover /octave Low: 0, 0, 0Hz em Flat High:,, 1,Hz Mid Bass Crossover /octave

Leia mais

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL Baseados em nossa experiência em aplicações de GPS e Telemetria, e devido às pequenas dimensões (70x40x20 mm) do GT PERSONAL GPS este dispositivo portátil executa o

Leia mais

Testando interferências com analisadores de espectros de mão. Nota de aplicação

Testando interferências com analisadores de espectros de mão. Nota de aplicação Testando interferências com analisadores de espectros de mão Nota de aplicação Conteúdo Introdução... 3 Sistemas wireless e interferências... 4 Duplexação de radiofrequências... 6 Half-duplex... 6 Full-duplex...

Leia mais

*27A20829* User Guide. Le Guide de l Utilisateur. Bedienungsanleitung. Manuale d uso. Guia del Usuario. Guida dell Utente. Gebruikershandleiding

*27A20829* User Guide. Le Guide de l Utilisateur. Bedienungsanleitung. Manuale d uso. Guia del Usuario. Guida dell Utente. Gebruikershandleiding Wireless Accessory UA864 User Guide Le Guide de l Utilisateur Bedienungsanleitung Manuale d uso Guia del Usuario Guida dell Utente Gebruikershandleiding Руководство пользователя Pengguna Panduan 取 扱 説

Leia mais

Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado. A camada Física

Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado. A camada Física Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado A camada Física Largura de banda Compartilhada ou shared bandwidth Comutada ou switched bandwidth Banda base e banda larga Banda base existe a possibilidade

Leia mais

GT LOCATION RASTREAMENTO VIA CÉLULA

GT LOCATION RASTREAMENTO VIA CÉLULA GT LOCATION RASTREAMENTO VIA CÉLULA Esta tecnologia torna possível o rastreamento de veículos como, autos, motos, caminhões, tratores, pick ups, embarcações, conforme a área de cobertura, que ao ser acionado

Leia mais

Rastreador RST-VT RST. Manual do Usuário. Versão 1.3 RST-VT

Rastreador RST-VT RST. Manual do Usuário. Versão 1.3 RST-VT Rastreador RST Manual do Usuário Versão 1.3 Rastreador Emissão: Revisão 1.4 Data: 12/03/2012 Número de Páginas 24 Histórico de Revisões DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 06/10/2011 1.3 05/10/2011 1.2 19/09/2011

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA Muito se tem falado sobre os receptores de conversão direta, mas muita coisa ainda é desconhecida da maioria dos radioamadores sobre tais receptores.

Leia mais

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT 1. Pré Requisitos Com base no que foi proposta, a rede wireless do Bloco K da Colina deve atender aos seguintes requisitos: Padrão IEEE

Leia mais

6 Simulação do Canal de TV Digital

6 Simulação do Canal de TV Digital 6 Simulação do Canal de TV Digital 6.1. Simulação com os Programas SIRCIM e SMRSIM O Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD) irá operar basicamente em duas configurações: - Antena transmissora externa

Leia mais

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio.

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Manual de Operação do Century BR2014 Slim O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de TV via satélite.

Leia mais

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo Tendências para a próxima geração celular - 5G Juliano J. Bazzo Agenda Motivação Roadmap: do 4G ao 5G Principais Tecnologias Tecnologia Nacional 4G/LTE Conclusão Evolução histórica Substituição de importações

Leia mais

PORTARIA Nº 4773, DE 05 DE OUTUBRO DE 2004 RESOLVE:

PORTARIA Nº 4773, DE 05 DE OUTUBRO DE 2004 RESOLVE: PORTARIA Nº 4773, DE 05 DE OUTUBRO DE 2004 A Diretora Geral do CENTRO DE RECURSOS AMBIENTAIS CRA, no exercício da competência que lhe foi delegada pela Lei Estadual nº 7.799/01, regulamentada pelo Decreto

Leia mais