PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO"

Transcrição

1 PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-0 APROVADA EM MAR/20 Nº 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico das Revisões 5 Prazo para a implementação 6 Siglas 7 Definições Anexo 1 Preços dos Serviços de Acreditação de Organismos de Certificação e Inspeção e Sistemática de Cobrança, válidos a partir de Anexo 2 Preços dos Serviços de Acreditação de Organismos de Certificação e Inspeção e Sistemática de Cobrança, que estará em vigor até OBJETIVO Esta Norma estabelece a sistemática para a formação dos preços e o procedimento para a execução da cobrança dos valores dos serviços referentes ao processo de acreditação de organismos de certificação e de inspeção realizado pela Cgcre. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma aplica-se à Dicor, Diois e à Secre. 3 RESPONSABILIDADE A responsabilidade pela revisão desta Norma é da Secre. 4 HISTÓRICO DA REVISÃO 4.1 Foi revisado o item Considerações Gerais. 4.2 Foram alterados os preços relacionados ao pagamento de avaliadores e a transferência para o OAC da responsabilidade de fornecer hospedagem aos avaliadores/especialistas. Foi eliminada a cobrança de diárias para os avaliadores/especialistas, tendo sido aumentado o valor do homem dia. 4.3 Foram inseridos os Anexos 1 e 2 nesta revisão nº. 5 PRAZO PARA A IMPLEMENTAÇÃO O prazo para a implementação desta revisão é 1º de abril de 20, com exceção do item 1.15 do Anexo 1, cuja implementação será a partir de 1º de agosto de SIGLAS CCT Cgcre CIPP Dicor Diois GRU Inmetro INPC OAC OIA-PP Secre UO Certificado de Capacitação Técnica Coordenação Geral de Acreditação Certificado de Inspeção para o Transporte de Produtos Perigosos Divisão de Acreditação de Organismos de Certificação Divisão de Acreditação de Organismos de Inspeção Guia de Recolhimento da União Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Índice Nacional de Preços ao Consumidor Organismo de Avaliação da Conformidade Organismo de Inspeção Produtos Perigosos Seção de Apoio à Acreditação Unidade Organizacional

2 NIE-CGCRE-0 02/09 7 DEFINIÇÕES Para fins desta Norma, são adotadas as definições contidas na ABNT NBR ISO/IEC e as estabelecidas neste item. 7.1 Concessão da Acreditação Processo executado para conceder uma acreditação. 7.2 Equipe Avaliadora (ou Equipe de Avaliação) Equipe designada pela Cgcre para realizar a avaliação ou parte de uma avaliação. 7.3 Extensão da acreditação Processo de ampliação do escopo de acreditação 7.4 Reavaliação Avaliação similar à avaliação para concessão da acreditação, na qual é levada em consideração a experiência obtida durante as avaliações anteriores. 7.5 Supervisão Conjunto de atividades, exceto reavaliação, visando monitorar a conformidade continuada a requisitos de acreditação por parte dos OAC acreditados. Nota: A supervisão inclui tanto a avaliações de supervisão no local, quanto outras atividades de supervisão, tais como: a) pedidos de informação do organismo de acreditação ao OAC, concernentes a aspectos da acreditação; b) análise crítica das declarações do OAC em relação às atividades cobertas pela acreditação; c) solicitações ao OAC de fornecimento de documentos e registros (ex: relatórios de auditoria, resultados do controle interno da qualidade para verificação da validade dos serviços do OAC, registros de reclamações, registros das análises críticas pela direção); d) monitoramento do desempenho do OAC (tais como resultados da participação em ensaios de proficiência). 7.6 Testemunha da Auditoria Observação da Cgcre enquanto o OAC executa os serviços de avaliação de conformidade dentro do seu escopo de acreditação. 7.7 Avaliador Líder do Processo Avaliador a quem é atribuída a responsabilidade geral sobre todas as atividades das avaliações de um processo de acreditação. 7.8 Avaliador Líder da Avaliação Avaliador a quem é atribuída a responsabilidade sobre atividades de avaliação especificas. 7.9 Avaliador Pessoa designada por um organismo de acreditação para realizar, sozinho ou como parte de uma equipe de avaliação, a avaliação de um OAC Especialista Pessoa designada pelo organismo de acreditação para prover conhecimento específico ou especializado, com respeito ao escopo de acreditação a ser avaliado. / ANEXO 1

3 NIE-CGCRE-0 03/09 ANEXO 1 PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO 1 CONDIÇÕES GERAIS 1.1 Os preços referentes aos serviços para concessão e manutenção da acreditação poderão ser atualizados, no mês de março de cada ano, pelo INPC, relativo ao ano anterior, ou por outro índice que o substitua. 1.2 Os custos dos serviços prestados pela Cgcre são calculados pela Secre e encaminhados aos OAC através de GRU, que deverá ser paga, no máximo, 23 (vinte e três dias após a data de sua emissão. Após o vencimento, o OAC está sujeito a multa de 2% (dois por cento) sobre o valor devido, acrescido de juros de mora de 1% (um por cento) ao mês. 1.3 Os custos referentes aos avaliadores em treinamento são de responsabilidade da Cgcre. 1.4 A cobrança anual por cada tipo de acreditação e escopo acreditado corresponde a cada atividade declarada no anexo ao certificado de acreditação, de acordo com os requisitos de uma determinada norma, guia, regulamento técnico, especificação de produto, serviço ou área de ocupação profissional. 1.5 Será cobrado um valor relativo à análise da documentação. O pagamento será feito da seguinte forma: a) Serviço executado por avaliadores do quadro de pessoal do Inmetro O pagamento será feito através da Guia de Recolhimento da União GRU, cabendo exclusivamente à Secre/Cgcre conduzir todo o processo de cálculo e de comunicação prévia ao OAC dos valores a serem pagos; b) Serviço executado por avaliadores externos ao quadro de pessoal do Inmetro. O pagamento deverá ser feito diretamente em conta bancária do avaliador e/ou do especialista, no caso de ser ele autônomo, ou na conta bancária da entidade a qual ele esteja vinculado, cabendo exclusivamente à Secre/Cgcre conduzir todo o processo de cálculo e de comunicação prévia ao OAC dos valores a serem pagos e das informações necessárias para execução do pagamento correspondente. 1.6 A cobrança relativa à análise da documentação ocorrerá em duas etapas, a saber: a) Verificação da completeza da documentação e análise crítica da solicitação no valor de R$ 270,00 (duzentos e setenta reais), que deverá ser pago antecipadamente à atividade; b) Análise da documentação e emissão do RAD (Relatório de Análise de Documentação) no valor de R$ 540,00 (quinhentos e quarenta reais), que deverá ser pago imediatamente após a emissão do relatório. 1.7 O OAC deve enviar cópia dos comprovantes de pagamento das etapas citadas acima, para a Dicor e Diois. 1.8 O valor do homem/dia nacional é de R$ 637,00 (seiscentos e trinta e sete reais) para o avaliador/especialista. O OAC se responsabiliza pela hospedagem.

4 NIE-CGCRE-0 04/ O valor do homem/dia internacional é de US$ 637,00 (seiscentos e trinta e sete dólares americanos) para o avaliador/especialista. O OAC se responsabiliza pela hospedagem da equipe O OAC deve viabilizar com o avaliador líder da avaliação a hospedagem a ser utilizada pela equipe bem como realizar o pagamento das despesas de hospedagem que devem ser oferecidas, no mínimo, em unidades individuais com climatização. A (s) confirmação (ões) da (s) reserva (s) deve (m) ser encaminhada (s) via à equipe avaliadora O OAC é responsável pelo transporte aéreo da equipe avaliadora, devendo encaminhar bilhete eletrônico aos avaliadores/especialistas com cópia para a Divisão de Acreditação pertinente O OAC é responsável pela locomoção da equipe durante o período da avaliação (residência/aeroporto/empresa/hotel/residência), Nota: A locomoção pode ocorrer por meio de disponibilização de transporte próprio ou contratado pelo OAC ou mediante comprovação de pagamento de táxi por parte dos avaliadores / especialistas O pagamento ao avaliador e/ou especialista externo ao Inmetro deve se dar como segue: a) A divisão responsável, quando da formalização da equipe nas suas respectivas áreas de competência, deve informar ao OAC o mecanismo (Nota Fiscal ou RPA) segundo o qual o avaliador/especialista deve ser pago; b) O pagamento do homem/dia deve ser efetuado pelo OAC, em até 15 dias após a avaliação, diretamente em conta bancária do avaliador e/ou do especialista, no caso de ser ele autônomo (RPA), ou na conta bancária da entidade a qual ele esteja vinculado (nota fiscal), cabendo exclusivamente à Secre/Cgcre conduzir todo o processo de cálculo e de comunicação prévia ao OAC dos valores a serem pagos e das informações necessárias para execução do pagamento correspondente; c) O OAC deve enviar cópia do comprovante do pagamento, em até 15 dias corridos após a avaliação para o d) O OAC pode solicitar ao avaliador/especialista documentos, de acordo com a legislação pertinente, para que o pagamento seja efetivado; e e) O referido pagamento incidirá na cobrança dos impostos, conforme legislação pertinente. 1. Adicionalmente ao pagamento do homem/dia referente aos serviços prestados pelo avaliador/especialista é cobrado para a preparação da avaliação e análise das ações corretivas, o seguinte: - 01 homem/dia para o avaliador líder da avaliação - 0,75 homem/dia para o avaliador - 0,5 homem/dia para o especialista 1.15 Adicionalmente ao estabelecido no item 1.10 é cobrado um valor relativo ao trabalho desempenhado pelo avaliador líder do processo para a realização da análise crítica dos relatórios de análise da documentação, da avaliação, testemunha de auditoria e da resolução das não conformidades. Esta cobrança só é feita para avaliações para fins de acreditação ou de extensão da acreditação e reavaliações. No estabelecimento deste valor é considerado o número de profissionais envolvidos na avaliação, conforme tabela a seguir.

5 NIE-CGCRE-0 05/09 O pagamento deve ser feito em 15 dias após a conclusão do processo. Número de pessoas Número de Homem/Dia A partir de PREÇOS DA ACREDITAÇÃO E SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DA ANUIDADE 2.1 Preços da Acreditação Valor anual por tipo de acreditação - R$ 6.552,00 (seis mil quinhentos e cinquenta e dois reais) Valor anual por cada escopo acreditado - R$ 3.120,00 (três mil cento e vinte reais) Verificação da completeza da documentação e análise crítica da solicitação R$ 270,00 (duzentos e setenta reais). O pagamento deverá ser efetuado após a solicitação e o envio da documentação correspondente; Nota: Somente será realizada a atividade de análise da solicitação e da completeza da documentação após a confirmação do pagamento desta cobrança Valor da análise da documentação R$ 540,00 por avaliador ou especialista envolvido nesta etapa. O pagamento deverá ser efetuado em até 15 (quinze) dias após a emissão do RAD (Relatório de Análise de Documentação) Nota: A Verificação da completeza da documentação e análise crítica da solicitação poderá ser realizada por profissionais do quadro de pessoal do Inmetro ou por avaliadores externo ao quadro de pessoal do Inmetro. 2.2 Sistemática de pagamento das Anuidades O pagamento das despesas pertinentes, relativas às atividades acreditadas deve ser efetuado pelo Organismo através de GRU ou quando autorizado pela Cgcre, através de depósito bancário Para os Organismos já acreditados, a primeira parcela deve ser cobrada no mês de março e as demais nos meses subsequentes do exercício vigente. Sendo que os pagamentos poderão ser efetuados em até 06 (seis) parcelas mensais e iguais Para as novas acreditações e extensões, a primeira parcela será cobrada 30 dias após a concessão da acreditação ou da extensão e as demais nos meses subsequentes do exercício vigente. Sendo que os pagamentos poderão ser efetuados em até seis parcelas mensais e iguais As cobranças das anuidades serão encaminhadas aos organismos acreditados, que deverão efetuar os pagamentos dentro do exercício vigente.

6 NIE-CGCRE-0 06/ O não pagamento das cobranças, após 60 dias do seu vencimento, acarretará no envio de Notificação e demais sanções, conforme previsto na NIE-Cgcre Caso a acreditação seja cancelada, a cobrança da anuidade será feita proporcional ao período da vigência da acreditação do OAC Quando houver redução/extensão de escopo, a cobrança da anuidade será feita proporcional à data da recomendação da UO responsável No caso de suspensão por decisão da Cgcre ou por solicitação do OAC as condições financeiras permanecem inalteradas. 3 CERTIFICADOS FORNECIDOS PELA CGCRE (CIPP e CCT) 3.1 O custo por certificado (CCT) será de R$1,50 (um real e cinquenta centavos). A emissão da GRU e o envio dos certificados são realizados pela Secre, após comprovação dos respectivos pagamentos. Em caso de haver pendências financeiras, a cobrança e o envio serão feitos após a regularização. 3.2 Os OIA - PP, após a concessão da acreditação devem solicitar à Secre a liberação dos Certificados de Inspeção para o Transporte de Produtos Perigosos (CIPP). 3.3 O custo por certificado (CIPP) será de R$ 1,50 (um real e cinquenta centavos). A emissão da GRU e o envio dos certificados são realizados pela Secre, após comprovação pelos OIA-PP dos respectivos pagamentos. Em caso de haver pendências financeiras, a cobrança e o envio serão feitos após a regularização. / ANEXO 2

7 NIE-CGCRE-0 07/09 ANEXO 2 PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO 1 CONDIÇÕES GERAIS 1.1 Os preços referentes aos serviços para concessão e manutenção da acreditação poderão ser atualizados, no mês de março de cada ano, pelo INPC, relativo ao ano anterior, ou por outro índice que o substitua. 1.2 Os custos dos serviços prestados pela Cgcre são calculados pela Secre e encaminhados aos OAC através de GRU, que deverá ser paga, no máximo, 23 (vinte e três dias após a data de sua emissão. Após o vencimento, o OAC está sujeito a multa de 2% (dois por cento) sobre o valor devido, acrescido de juros de mora de 1% (um por cento) ao mês. 1.3 O OAC é responsável pelo transporte aéreo da equipe avaliadora, bem como pela locomoção da equipe ao local de realização da avaliação (residência/aeroporto/empresa/hotel/residência), durante o período da avaliação. Nota: A locomoção pode ocorrer por meio de disponibilização de transporte próprio ou contratado pelo Organismo, ou mediante comprovação de pagamento de táxi por parte dos avaliadores. 1.4 Os valores das diárias nacionais são estabelecidas pelo Governo Federal, através do Decreto nº 6.907, de 21 de julho de 2009 e variam de valor, dependendo do local da avaliação. Cada dia de deslocamento corresponde a 01 (uma) diária, com exceção do 1º dia que somente é considerado ½ (meia) diária, por avaliador. 1.5 O OAC deve arcar com os custos da alimentação dos avaliadores durante a avaliação, no caso dos avaliadores que não receberem diárias. 1.6 Os valores das diárias internacionais são estabelecidas através de Portaria Inmetro Presi Nº 79, de 20 de fevereiro de 2013 e variam dependendo do país onde o OAC está situado. 1.7 O pagamento a avaliador e/ou especialista externo ao Inmetro deve se dar como segue: a) a Dicor e Diois, quando da formalização da equipe nas suas respectivas áreas de competência, deve informar ao OAC o mecanismo segundo o qual o avaliador deve ser pago; b) o pagamento das diárias e homem/dia deve ser efetuado pelo OAC, em até 05 dias úteis após a avaliação, diretamente em conta bancária do avaliador e/ou do especialista, no caso de ser ele autônomo, ou na conta bancária da entidade a qual ele esteja vinculado, cabendo exclusivamente à Secre/Cgcre conduzir todo o processo de cálculo e de comunicação prévia ao OAC dos valores a serem pagos e das informações necessárias para execução do pagamento correspondente; e c) o OAC deve enviar à Secre/Cgcre, para o cópia do comprovante do pagamento, em até 05 dias úteis após a avaliação, devendo constar a identificação do número do da Secre que informou o valor a ser pago. 1.8 Os custos referentes aos avaliadores em treinamento são de responsabilidade da Cgcre. 1.9 No cálculo de cobrança para realização de avaliação será acrescido 1 (um) homem/dia para o avaliador-líder, referente à preparação da avaliação e elaboração do Relatório da Avaliação.

8 NIE-CGCRE-0 08/ Para os especialistas utilizados nas avaliações dos organismos de inspeção, deve ser acrescido ao custo da avaliação, ½ (meio) homem/dia para a elaboração de Relatório A cobrança anual por cada tipo de acreditação e escopo acreditado corresponde a cada atividade declarada no anexo ao certificado de acreditação, de acordo com os requisitos de uma determinada norma, guia, regulamento técnico, especificação de produto, serviço ou área de ocupação profissional Será cobrado um valor relativo à análise da documentação. O pagamento será feito da seguinte forma: a) Serviço executado por avaliadores do quadro de pessoal do Inmetro: - O pagamento será feito através da Guia de Recolhimento da União GRU, cabendo exclusivamente à Secre/Cgcre conduzir todo o processo de cálculo e de comunicação prévia ao OAC dos valores a serem pagos; b) Serviço executado por avaliadores externos ao quadro de pessoal do Inmetro: - O pagamento deverá ser feito diretamente em conta bancária do avaliador e/ou do especialista, no caso de ser ele autônomo, ou na conta bancária da entidade a qual ele esteja vinculado, cabendo exclusivamente à Secre/Cgcre conduzir todo o processo de cálculo e de comunicação prévia ao OAC dos valores a serem pagos e das informações necessárias para execução do pagamento correspondente Este valor será abatido na primeira cobrança do valor anual do escopo a ser acreditado A cobrança relativa à análise da documentação ocorrerá em duas etapas, a saber: a) Análise da solicitação e de completeza documentação que deverá ser pago antecipadamente à atividade. b) Análise técnica da documentação e emissão do RAD (Relatório de Análise de Documentação) que deverá ser pago imediatamente após a emissão do relatório O OAC deve enviar cópia dos comprovantes de pagamento das etapas citadas acima, para a Dicor e Diois. 2 PREÇOS DA ACREDITAÇÃO E SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DA ANUIDADE 2.1 Preços da Acreditação Valor anual por tipo de acreditação - R$ 6.552,00 (seis mil, quinhentos e cinquenta e dois reais) Valor anual por cada escopo acreditado - R$ 3.120,00 (três mil, cento e vinte reais) Valor do homem/dia dos serviços prestados por avaliador/especialista - R$ 432,00 (quatocentos e trinta e dois reais) para qualquer tipo de acreditação Valor da análise da solicitação e da completeza da documentação R$ 270,00 (duzentos e setenta reais). O pagamento deverá ser efetuado após a solicitação e o envio da documentação correspondente. Nota: Somente será realizada a atividade de análise da solicitação e da completeza da documentação após a confirmação do pagamento desta cobrança.

9 NIE-CGCRE-0 09/ Valor da análise técnica da documentação R$ 540,00 (quinhentos e quarenta reais) por avaliador ou especialista envolvido nesta etapa. O pagamento deverá ser efetuado em até 10 (dez) dias após a emissão do RAD (Relatório de Análise de Documentação) Nota: A análise da solicitação e da completeza da documentação e a análise da documentação poderá ser realizada por profissionais do quadro de pessoal do Inmetro ou por avaliadores externo ao quadro de pessoal do Inmetro. 2.2 Sistemática de pagamento das Anuidades O pagamento das despesas pertinentes, relativas às atividades acreditadas deve ser efetuado pelo Organismo através de GRU ou quando autorizado pela Cgcre, através de depósito bancário Para os Organismos já acreditados, a primeira parcela deve ser cobrada no mês de março e as demais nos meses subsequentes do exercício vigente. Sendo que os pagamentos poderão ser efetuados em até 06 (seis) parcelas mensais e iguais Para as novas acreditações e extensões, a primeira parcela será cobrada 30 dias após a concessão da acreditação ou da extensão e as demais nos meses subsequentes do exercício vigente. Sendo que os pagamentos poderão ser efetuados em até seis parcelas mensais e iguais As cobranças das anuidades serão encaminhadas aos organismos acreditados, que deverão efetuar os pagamentos dentro do exercício vigente O não pagamento das cobranças, após 30 dias do seu vencimento, acarretará no envio de Notificação e, caso esta não seja atendida, o OAC poderá ser suspenso ou ter sua acreditação cancelada ou seu processo de concessão e/ou extensão ser arquivado Caso a acreditação seja cancelada, a cobrança da anuidade será feita proporcional ao período da vigência da acreditação do OAC Quando houver redução/extensão de escopo, a cobrança da anuidade será feita proporcional à data da recomendação da UO responsável. 3 CERTIFICADOS FORNECIDOS PELA CGCRE (CIPP e CCT) 3.1 O custo por certificado (CCT) será de R$ 1,50 (um real e cinquenta centavos). A emissão da GRU e o envio dos certificados são realizados pela Secre, após comprovação dos respectivos pagamentos. Em caso de haver pendências financeiras, a cobrança e o envio serão feitos após a regularização. 3.2 Os OIA - PP, após a concessão da acreditação devem solicitar à Secre a liberação dos Certificados de Inspeção para o Transporte de Produtos Perigosos (CIPP). 3.3 O custo por certificado (CIPP) será de R$ 1,50 (um real e cinquenta centavos). A emissão da GRU e o envio dos certificados são realizados pela Secre, após comprovação pelos OIA-PP dos respectivos pagamentos. Em caso de haver pendências financeiras, a cobrança e o envio serão feitos após a regularização.

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA NORMA Nº NIT-DICLA-011 APROVADA EM JUL/2014 Nº 01/08 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-140 APROVADA EM DEZ/2015 Nº 01/07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS NORMA Nº NIT-DICLA-011 APROVADA EM OUT/2009 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico da revisão 5 Prazo para

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

Portaria nº 255, de 03 de julho de 2007.

Portaria nº 255, de 03 de julho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 255, de 03 de julho de 2007.

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº NIE-CGCRE-017 APROVADA EM JUN/2011 REV Nº 01/10

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO PARÁ - ACEPA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ - CESUPA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO PARÁ - ACEPA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ - CESUPA ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO PARÁ - ACEPA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ - CESUPA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DE AUTORES BRASILEIROS NO EXTERIOR

EDITAL DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DE AUTORES BRASILEIROS NO EXTERIOR EDITAL DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DE AUTORES BRASILEIROS NO EXTERIOR A Fundação Biblioteca Nacional torna público que oferecerá apoio financeiro a editoras estrangeiras com o objetivo de promover a participação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº XX/2014

RESOLUÇÃO Nº XX/2014 RESOLUÇÃO Nº XX/2014 Fixa o valor da anuidade para o exercício de 2015, formas de pagamento e percentuais de desconto, criação da campanha de estímulo ao pagamento antecipado. O CONSELHO PLENO DA ORDEM

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Portaria n.º 040, de 29 de janeiro de 2007. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 040, de 29 de janeiro de 2007. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 040, de 29 de janeiro de

Leia mais

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento:

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/2007

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS PROCEDIMENTO INDUSTRIAL OI-L3-704-SAM-BR(IND)-1764 Revisão: 10 Data de publicação: 17/09/2014 Data

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

PROTEÇÃO ACIDENTES PESSOAIS SOB MEDIDA

PROTEÇÃO ACIDENTES PESSOAIS SOB MEDIDA PROTEÇÃO ACIDENTES PESSOAIS SOB MEDIDA Í N D I C E 1. ACIONAMENTO DO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA.... 2 2. INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SUA ASSISTÊNCIA 24 HORAS.... 2 3. ASSISTÊNCIA FUNERAL INDIVIDUAL. (LIMITADO

Leia mais

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Documentos Complementares 3 Siglas e Definições 4 Condições Gerais 5 Mecanismo de Avaliação da Conformidade 6 Alterações

Leia mais

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições:

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições: CONTRATO DE MÚTUO Prelo presente instrumento particular, [O Estudante, pessoa física proponente de empréstimo com determinadas características ( Proposta )], identificado e assinado no presente contrato

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos

Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos Elisa Rosa dos Santos Assessora Técnica na Divisão de Acreditação de Laboratórios Divisão de Acreditação de Laboratórios DICLA/Cgcre Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos Acreditação de Laboratórios

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270 DECRETO Nº 13.270 Regulamenta o parcelamento e pagamento de créditos do município de Vitória e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Vitória, Capital do, no uso de suas atribuições legais, e

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS

REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS Art. 1º. A Bradesco Vida e Previdência S.A., doravante denominada EAPC, institui o Plano de Pecúlio por Morte, estruturado no Regime

Leia mais

A proposta técnico-comercial nº 23.CP.XXX/2013 passa a fazer parte integrante deste Contrato, doravante designada apenas como Proposta.

A proposta técnico-comercial nº 23.CP.XXX/2013 passa a fazer parte integrante deste Contrato, doravante designada apenas como Proposta. A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, entidade privada sem fins lucrativos, reconhecida de utilidade com sede nesta Cidade de São Paulo, à Rua Minas Gerais nº 190 - Higienópolis, inscrita no CNPJ

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. Fixa os critérios para cobrança das anuidades, serviços e multas a serem pagos pelas pessoas físicas e jurídicas registradas no Sistema Confea/Crea, e dá

Leia mais

CONSIDERANDO que muitas destas Organizações Contábeis não têm condições de arcar com o pagamento da anuidade integralmente;

CONSIDERANDO que muitas destas Organizações Contábeis não têm condições de arcar com o pagamento da anuidade integralmente; RESOLUÇÃO CRC-BA Nº 406-A/2002 DISPÕE SOBRE A ANUIDADE DO EXERCÍCIO DE 2003, CONCESSÃO DE REDUÇÃO E DE PARCELAMENTO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS, AD REFERENDUM DO PLENÁRIO. O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE

Leia mais

RESPOSTAS A PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA SOCIEDADE (inciso VI do art. 8º da Lei nº 12.527/2011) SUMÁRIO. 1. Registro Profissional...

RESPOSTAS A PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA SOCIEDADE (inciso VI do art. 8º da Lei nº 12.527/2011) SUMÁRIO. 1. Registro Profissional... SUMÁRIO 1. Registro Profissional... 2 2. Isenção de Anuidade... 3 3. Transferência de Regional... 4 4. Cancelamento de Registro (Pessoa Física)... 5 5. Reativação de Registro Profissional... 6 6. Parcelamento

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.833 DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 DISPÕE SOBRE O IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO E SOBRE A TAXA DE COLETA, REMOÇÃO E DESTINAÇÃO DO LIXO PARA O EXERCÍCIO DE 2010, CONCEDE ISENÇÕES E DÁ OUTRAS

Leia mais

Orientações para Inscrição dos Candidatos à Bolsa de Estágio Pós-Doutoral do Programa CAPES/ NUFFIC

Orientações para Inscrição dos Candidatos à Bolsa de Estágio Pós-Doutoral do Programa CAPES/ NUFFIC Orientações para Inscrição dos Candidatos à Bolsa de Estágio Pós-Doutoral do Programa CAPES/ NUFFIC 1. APRESENTAÇÃO As orientações, a seguir, buscam esclarecê-lo(a) com relação aos aspectos práticos do

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC NORMA Nº: NIT-DICOR-007 APROVADA EM FEV/2010 01/07 SUMÁRIO 1 1 Objetivo 2 Campo de

Leia mais

Previdência 2011: Novos Valores do Salário de Contribuição e Salário- Família 2011 03/01/2011

Previdência 2011: Novos Valores do Salário de Contribuição e Salário- Família 2011 03/01/2011 Previdência 2011: Novos Valores do Salário de Contribuição e Salário- Família 2011 03/01/2011 A Portaria Interministerial 568 MPS-MF, de 31-12-2010, publicada no Diário Oficial de 3-1-2011, reajustou em

Leia mais

Esta Carta-Circular entra em vigor nesta data, podendo ser atendidos os financiamentos contratados até 30 de junho de 2003.

Esta Carta-Circular entra em vigor nesta data, podendo ser atendidos os financiamentos contratados até 30 de junho de 2003. - 6-16. VIGÊNCIA Esta Carta-Circular entra em vigor nesta data, podendo ser atendidos os financiamentos contratados até 30 de junho de 2003. Para fins de controle de comprometimento dos recursos, o BNDES

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre a documentação para regularização de equipamentos médicos das Classes de Risco I e II. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

do momento em que for validado o aluno, você assume como verdadeiras as informações cadastradas pela Instituição de ensino (colégio).

do momento em que for validado o aluno, você assume como verdadeiras as informações cadastradas pela Instituição de ensino (colégio). Os termos e condições a seguir (doravante denominados simplesmente acordo ) regulam o fornecimento dos materiais impressos do(s) Programa(s) Educacional(s) SE e BE (doravante denominados material(is) ),

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Nome do Participante/Assistido: Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Valor do Empréstimo: Quantidade de Prestações: Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: Valor liquido

Leia mais

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014.

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO Resolução nº 004, de 25 de março de 2015 Estabelece requisitos a serem observados para obtenção de apoio financeiro ou institucional junto ao CRMV-PE.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO N 02-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

PROCESSO SELETIVO N 02-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PROCESSO SELETIVO N 02-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL A unidade nacional do Sescoop Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo, personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA - MINAS GERAIS SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS EDITAL N.º 016 DE 22 DE FEVEREIRO DE 2008 CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

VIPMAIS. CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Mais Versão Out./12

VIPMAIS. CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Mais Versão Out./12 VIPMAIS 2 VIP MAIS MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A que protege a sua família, caso algum

Leia mais

Eletrobras. índice. Elet~~clear

Eletrobras. índice. Elet~~clear ~ i.\ Elet~~clear VIGI:NCIA ORIGINAL 25/09/2008 NORMATIV A DATA DE EMISSÃO 3 OSET.2010 DISTRIBUiÇÃO A AuxíLIO ÓCULOS/LENTES DE CONTATO índice 1 FINALIDADE.. 2 2 ABRANGÊNCIA...2 3 DIRETRIZES, 2 3.1 CRITÉRIOS

Leia mais

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8 PORTARIA JUCERJA N.º 1.408, DE 25 DE AGOSTO DE 2015. APROVA REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PERITOS GRAFOTÉCNICOS, NO ÂMBITO DA JUCERJA. O PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 320, de 2 de março de 2006.

CIRCULAR SUSEP N o 320, de 2 de março de 2006. CIRCULAR SUSEP N o 320, de 2 de março de 2006. Dispõe sobre a concessão, pelas entidades abertas de previdência complementar e sociedades seguradoras de assistência financeira a participante de plano de

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 102 - PLANO OI MAIS CELULAR Requerimento de Homologação Nº 11514 (R1), 11488(R2) e 11490 (R3) 1. Aplicação Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável

Leia mais

REGULAMENTO COMPLETO

REGULAMENTO COMPLETO REGULAMENTO COMPLETO 1) PROGRAMA INDIQUE UM AMIGO INTERSEPT (REGULAMENTO CLIENTES DO SETOR DE MONITORAMENTO) 1. DEFINIÇÕES 1.1. Neste REGULAMENTO: a) PROGRAMA significa PROGRAMA INDIQUE UM AMIGO INTERSEPT

Leia mais

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre a regularização de parcelamentos do solo e de edificações no Município de Belo Horizonte e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

Manual de Uso da Logomarca C- 15

Manual de Uso da Logomarca C- 15 ÉTICA, COMPETÊNCIA E IMPARCIALIDADE Manual de Uso da Logomarca C-15 REGRAS GERAIS Manual de Uso da Logomarca - C-15 - REGRAS GERAIS Revisão 4 26/05/2015, Página 1 Histórico de Alterações REV.0-07/11/2008

Leia mais

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO Proposto por: Núcleo de Apoio ao Sistema de Gestão (NUAGES) Analisado por: Chefe da Assessoria de Desenvolvimento Institucional (ADI) Aprovado por: Presidente do TRT/RJ 1

Leia mais

A Fundação concederá apenas bolsas de estudo integrais (100%).

A Fundação concederá apenas bolsas de estudo integrais (100%). ENEM 1 - Quando serão feitas as inscrições para o Enem 2014? Do dia 12 de maio até às 23h59 do dia 23 de maio, observado o horário oficial de Brasília-DF. 2 - Quando será a aplicação das provas do Enem

Leia mais

PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS

PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS A Resolução da Secretária da Fazenda nº 108, publicada do DOE de hoje, institui o parcelamento especial dos débitos fiscais relativos ao ICMS decorrentes de fatos geradores

Leia mais

a) MORTE POR ACIDENTE Garante aos beneficiários do segurado o pagamento do valor do capital contratado;

a) MORTE POR ACIDENTE Garante aos beneficiários do segurado o pagamento do valor do capital contratado; TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum Controle de alterações 10 de março de 2008 emissão inicial 1 ÍNDICE 0. Condições Gerais... 3 1. Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 2. Abertura de Processo... 5 3. Processo Técnico Reconhecimento

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO: PREVER DÁ SORTE

REGULAMENTO PROMOÇÃO: PREVER DÁ SORTE REGULAMENTO PROMOÇÃO: PREVER DÁ SORTE DADOS DA PROMOTORA DA PROMOÇÃO PREVER SERVIÇOS POSTUMOS LTDA Rua Dr. Saulo Porto Virmond, 223 Sala 01 Chácara Paulista / Maringá/PR CEP: 87005-090 CNPJ: 02.995.385/0001-08

Leia mais

A Coordenação de Estágios informa:

A Coordenação de Estágios informa: A Coordenação de Estágios informa: I Informações gerais e Dúvidas frequentes sobre o Estágio: Tudo que você precisa saber sobre a nova lei de estágio 1. O que é o estágio? A Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

PAAR - Consultoria & Treinamentos

PAAR - Consultoria & Treinamentos CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Pelo presente instrumento particular, de um lado PINKO E MILER TREINAMENTOS LTDA, com sede na Rua Miranda, 893 Liberdade CEP 93330 390 Novo Hamburgo RS,

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

1. Registro com valor declarado DISCRIMINAÇÃO (R$) OFICIAL ESTADO CARTEIRA REG CIVIL T JUSTIÇA TOTAL

1. Registro com valor declarado DISCRIMINAÇÃO (R$) OFICIAL ESTADO CARTEIRA REG CIVIL T JUSTIÇA TOTAL 1. Registro com valor declarado a De até 986,00 66,70 18,96 14,04 3,51 3,51 106,72 b 986,01 até 2.462,00 107,03 30,43 22,53 5,63 5,63 171,25 c 2.462,01 até 4.104,00 192,01 54,57 40,42 10,11 10,11 307,22

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.276, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.276, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.276, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Autoriza o Poder Executivo a conceder parcelamento de débitos fiscais relacionados com o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários:

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários: REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 Este Regulamento normatiza o funcionamento das Bibliotecas da Universidade do Vale do Sapucaí Univás, mantida pela Fundação de Ensino Superior

Leia mais

PORTARIA ABHA Nº 002/2015, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

PORTARIA ABHA Nº 002/2015, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 PORTARIA ABHA Nº 002/2015, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre concessão de diária, ou custeio, e transporte em viagem a serviço ao funcionário da Associação Multissetorial de Usuários de Recursos Hídricos

Leia mais

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 REGRAS E CRITÉRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DAS OPERAÇÕES DE CONTAS A PAGAR ATRAVÉS DA FADEX TERESINA PI, FEVEREIRO DE 2012 INSTRUÇÃO

Leia mais

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização da jornada de trabalho dos servidores técnico-administrativos

Leia mais

A revisão 1 foi feita para contemplar as mudanças necessárias, em função da publicação das novas regras para utilização de identidade visual.

A revisão 1 foi feita para contemplar as mudanças necessárias, em função da publicação das novas regras para utilização de identidade visual. CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC NORMA Nº: NIT-DICOR-007 APROVADA EM JUL/07 /07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL RESOLUÇÃO - RE Nº 05, DE 24 DE AGOSTO DE 2000 (*) Padroniza documentos para processo de impugnações ao

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO N 0 53, DE 30 DE ABRIL DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami Tel.: +55 11 3848 588o Rua Major Quedinho 90 Fax: + 55 11 3045 7363 Consolação São Paulo, SP - Brasil www.bdobrazil.com.br 01050-030 0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro

Leia mais

FGTS ASSUNTOS TRABALHISTAS ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 03/2009

FGTS ASSUNTOS TRABALHISTAS ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 03/2009 ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 03/2009 FGTS FGTS EM ATRASO - RECOLHIMENTO - TABELAS DE COEFICIENTES PARA CÁLCU- LOS - JANEIRO/2009 - VALIDADE: 12.01.2009 A 09.02.2009 Recolhimento

Leia mais

PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI

PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI LEI N.º 064/2013. Dispõe sobre a Reorganização do Fundo Municipal para os Direitos da Criança e do Adolescente-FMDCA de Aracati, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas

Leia mais

LEI FEDERAL DO VALE TRANSPORTE

LEI FEDERAL DO VALE TRANSPORTE LEI FEDERAL DO VALE TRANSPORTE A LEI FEDERAL NÃO SE APLICA AOS SERVIDORES MUNICIPAIS LEI 7418/ 1985 Art. 1º Fica instituído o vale-transporte, (Vetado) que o empregador, pessoa física ou jurídica, antecipará

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP 20 ANOS MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900585/2015-60

Leia mais

Programa de Pós Graduação Profissional - Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública ( Programa )

Programa de Pós Graduação Profissional - Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública ( Programa ) Programa de Pós Graduação Profissional - Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública ( Programa ) 1 - ESCOPO O Instituto Unibanco ( Instituto ) acredita na importância do desenvolvimento

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: 1 Gabinete do Prefeito LEI Nº 9416, DE 14 DE MAIO DE 2014. Institui o Programa de Parcelamento Incentivado - PPI e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A.

PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A. PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A. 1. OBJETIVO DO PLANO O Plano de Opções de Compra de Ações ( Plano ) tem por objetivo a outorga de Opções de compra de ações de emissão da WEG S.A. ( Companhia

Leia mais

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ DECRETO Nº DE DE DE 2015 Dispõe sobre regulamentação da Lei Complementar nº. 3.766, de 4 de dezembro de 2014, que criou o Passe Livre Estudantil, gratuidade no sistema de transporte coletivo aos estudantes

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

Pagamento de Despesa por Meio de Adiantamento. DNT/SSSCI/SF Março 2013

Pagamento de Despesa por Meio de Adiantamento. DNT/SSSCI/SF Março 2013 Meio de Adiantamento DNT/SSSCI/SF Março 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Fabri Monique Junqueira Ferraz

Leia mais

DIRF 2012 (Ano base 2012) Entrega e Prazo. Da Obrigatoriedade de Entrega

DIRF 2012 (Ano base 2012) Entrega e Prazo. Da Obrigatoriedade de Entrega DIRF 2012 (Ano base 2012) A RFB (Receita Federal do Brasil) divulgou as regras para o preenchimento e o envio da Dirf (Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte) 2013. A Instrução Normativa nº 1.297/2012

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Quinta-feira, 15 de Março de 2012 Ano XVIII - Edição N.: 4030 Poder Executivo Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Informação - Secretaria Municipal Adjunta de Recursos Humanos INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU PLANO

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO

PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO I - DOS OBJETIVOS 1. Possibilitar o crescimento acadêmico de alunos do Curso, tanto do Aluno/Monitor quanto dos alunos por ele assistidos; 2. Oferecer

Leia mais

PORTARIA Nº1006/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARA, no exercício de suas atribuições legais, e

PORTARIA Nº1006/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARA, no exercício de suas atribuições legais, e PORTARIA Nº1006/2009 Estabelece procedimentos administrativos para gestão das receitas obtidas com a venda de Selos de Autenticidade Extrajudicial e para concessão de subsídios aos cartórios de Registro

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS ESTUDOS DA CAPES MESTRADO e DOUTORADO EDITAL 1º/2013

PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS ESTUDOS DA CAPES MESTRADO e DOUTORADO EDITAL 1º/2013 UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS ESTUDOS

Leia mais

TABELA II DOS OFÍCIOS DE REGISTRO DE IMÓVEIS

TABELA II DOS OFÍCIOS DE REGISTRO DE IMÓVEIS TABELA II DOS OFÍCIOS DE REGISTRO DE IMÓVEIS Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo ARISP. Em vigor a partir de 7 de janeiro de 2011. Lei 11.331,

Leia mais

SOCIEDADE CIVIL ESPÍRITO SANTO

SOCIEDADE CIVIL ESPÍRITO SANTO EDITAL PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO/ADMISSÃO DE ALUNOS PARA ATIVIDADES EXTRACURRICULARES NO COLÉGIO SANTA MARIA/2016. A Diretoria Geral da e a Diretoria Geral do Colégio Santa Maria estabelecem as normas

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 317, DE 27 DE SETEMBRO DE 2002. PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO MÓVEL PESSOAL PGMQ-SMP

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 317, DE 27 DE SETEMBRO DE 2002. PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO MÓVEL PESSOAL PGMQ-SMP ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 317, DE 27 DE SETEMBRO DE 2002. PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO MÓVEL PESSOAL PGMQ-SMP Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de

Leia mais

RN 006/2002. Programa de Estímulo à Fixação de Recursos Humanos de Interesse dos Fundos Setoriais - PROSET

RN 006/2002. Programa de Estímulo à Fixação de Recursos Humanos de Interesse dos Fundos Setoriais - PROSET Revogada Pela RN-028/07 RN 006/2002 Programa de Estímulo à Fixação de Recursos Humanos de Interesse dos Fundos Setoriais - PROSET O Presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Leia mais

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO Revisão 01 24 de julho de 2015 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Texto Aprovado CONSU Nº 2008-02 - Data:02/04/2008 Texto Revisado e Atualizado CONSU PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Nº 2011-05 - Data: 24/03/11 2012-29 de 29/11/2012 REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS PODER EXECUTIVO

MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS PODER EXECUTIVO EDITAL Nº 012/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS NO MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS O Município de Três Passos/RS, torna público a abertura de inscrições para Processo Seletivo

Leia mais

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria n.º 175, de 02 de agosto de 1993. O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE MASSA NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 00 01 de DEZEMBRO de 2015 1. INTRODUÇÃO

Leia mais