O tratamento do adjetivo atributivo na Head-driven Phrase Structure Grammar (HPSG)*

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O tratamento do adjetivo atributivo na Head-driven Phrase Structure Grammar (HPSG)*"

Transcrição

1 O tratamento do adjetivo atributivo na Head-driven Phrase Structure Grammar (HPSG)* Albano Dalla Pria Faculdade de Ciências e Letras - Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Caixa Postal cep Araraquara - SP - Brasil Abstract. The syntactic and semantic behaviors of attributive adjectives are not well described by the functional view of generative grammars. The phenomenon is, therefore, looked into from a lexical view of generative grammars, specifically the HPSG. It is concluded this approach does not aggregate the syntactic knowledge described by the functional view and it is proposed a revision of the model. Keywords. Atributive adjective; syntax; semantics; HPSG. Resumo. Os comportamentos sintáticos e semânticos dos adjetivos atributivos não estão bem descritos pelas gramáticas gerativas de enfoque funcionalista. O fenômeno é, portanto, averiguado em uma gramática gerativa de enfoque lexicalista, especificamente a HPSG. Conclui-se que esta abordagem não agrega ao modelo o conhecimento sintático descrito pelo enfoque funcionalista e propõe-se uma revisão do modelo. Palavras-chave. Adjetivo atributivo; sintaxe; semântica; HPSG. 1. Introdução Os trabalhos até agora produzidos no âmbito das gramáticas gerativas de enfoque funcionalista parecem não ter chegado à uma teoria da estrutura sintagmática satisfatória para os adjetivos atributivos (CHOMSKY, 1995:242, nota 22). Desta forma, este trabalho apresenta sistematizações de um conjunto de conhecimentos sintáticos e semânticos sobre os adjetivos (Seção 2) e averigua como uma gramática de enfoque lexicalista, a HPSG, representa esses conhecimentos (Seção 3). Observadas as deficiências da HPSG, propõe-se a ampliação do modelo para a descrição do adjetivo atributivo no inglês e no português (Seção 4). 2. Sistematização de conhecimento lingüístico sobre o adjetivo 2.1. Sistematização do conhecimento sintático Vários autores argumentam a favor de três subclasses adjetivais mais amplas para o inglês e o português. Para a primeira língua, citam-se Lucas (1971), Teyssier (1968) Coates (1971), Bosque;Picalo (1996) e Kemmerer (2000). Para a segunda língua, citam-se Neves (2000), Borba (1996) e Silva;Pria (2002). Em Pria (2004), a síntese desses trabalhos resulta em uma proposta de classificação aplicável às duas línguas. São previstos três grupos de adjetivos: os Estudos Lingüísticos XXXIV, p , [ 1069 / 1074 ]

2 avaliativos, os determinativos e os classificadores. Os avaliativos podem desempenhar as funções predicativa (the man is big/o homem é grande) e atributiva (the big man/o homem grande) nas duas línguas. No inglês, podem ser coordenados (his big and fat man), graduados (the biggest man) e admitem comparação (this man is bigger than that) e intensificação (the very big man). No português, ocorrem nas posições pré e pós-nominal (o homem grande; o grande homem), na função atributiva. Admitem gradação (uma mulher belíssima), intensificação (uma mulher muito bonita), comparação (uma mulher mais bonita do que a outra) e coordenação (uma mulher bonita e alta), quando na posição pós-nominal. Os determinativos só desempenham a função atributiva e só ocorrem antepostos ao nome (certas palavras), no português. Nas duas línguas, esses adjetivos apresentam comportamento semelhante a quantificadores e determinantes (certain diseases). Os classificadores desempenham apenas a função atributiva e só ocorrem pospostos ao nome, no português. Nas duas línguas, subcategorizam o núcleo que modificam (a presidential election; uma eleição presidencial), não admitem intensificação (*a very presidential election; uma eleição muito presidencial) ou gradação (*the most presidential election; *a eleição presidencialíssima). Eles também não denotam propriedades, apenas relacionam entidades, classificando-as Sistematização do conhecimento semântico O estudo da semântica lexical dos adjetivos, surgido no contexto da semântica formal, começou com Montague (1970), que adotou uma abordagem puramente intensional ao considerar todos os adjetivos como funções de propriedades para propriedades. O significado do adjetivo former/antigo, por exemplo, era tratado como uma função que mapeava o significado de owner/proprietário dentro de former owner/antigo proprietário. Assim, former/antigo pode ser interpretado como uma função que transforma a propriedade ser um proprietário na propriedade ser um antigo proprietário. A partir do trabalho de Montague (1970), vários autores têm argumentado a favor de, basicamente, três comportamentos semânticos para a categoria adjetival. Citam-se Partee (2001), Kamp (1975) e Kamp;Partee (1995). Chierchia;McConnell- Ginet (1990) resumem esses trabalhos e classificam os três comportamentos como: intersectivo, subsectivo ou não-predicativo. Os não-predicativos apresentam comportamento intensional, operam como funções de propriedades para propriedades, como em former owner/antigo proprietário. Assim, para a regra sintática = inglês [ SN Adj N] e = português [ SN Adj N] 1, tem-se a interpretação semântica = [Adj(N)]. Para os intersectivos, prevê-se que a denotação da estrutura adjetivo-nome é a intersecção das denotações do nome e do adjetivo, como, por exemplo, em red car/carro vermelho. Nesse caso, o resultado da semântica do adjetivo será algo como [red car] = red car. 2 Assim, para a regra sintática = inglês[ SN Adj N] e português [ SN N Adj], tem-se a interpretação semântica 3 = x [Adj(x) N(x)]. Os subsectivos são de alguma forma como os intersectivos, ambos produzem um sintagma nominal cuja extensão é um subconjunto do nome modificado. Para os subsectivos, prevê-se que a denotação da estrutura adjetivo-nome é a subsecção das denotações do nome e do adjetivo. Em big car/carro grande, por exemplo, o resultado da semântica do adjetivo será algo como [big car] car. A regra sintática e a Estudos Lingüísticos XXXIV, p , [ 1070 / 1074 ]

3 interpretação semântica dos adjetivos subsectivos são semelhantes àquelas propostas para adjetivos intersectivos. A diferença está na inserção do índice n para especificar a classe de predicados à qual o adjetivo está associado 4, daí a interpretação semântica = x [Adj n (x) N(x)]. 3. A HPSG e o adjetivo atributivo A HPSG é uma teoria lingüística formal comprometida com descrições lexicalistas, formalmente precisas e não-transformacionais dos fenômenos das línguas naturais. Sua linguagem formal está baseada em um sistema de estruturas de traços tipadas que modelam todas as entidades lingüísticas. A ontologia da gramática constituise de uma hierarquia de tipos (Figura 1), que introduzem restrições sobre os objetos lingüísticos através de estruturas de traços atributo-valor organizadas em matrizes de atributo-valor (Figura 2). Tanto as regras sintagmáticas quanto as entradas lexicais são descritas em termos de estruturas de traços (POLLARD;SAG, 1994). object head sign content substantive functional phrase word nominal-object Figura 1: Representação de uma hierarquia de herança em forma de grafo. Os adjetivos atributivos são tratados, na HPSG, como adjuntos dentro do SN (Figura 2). A entrada lexical de um adjetivo especifica, através do valor do traço MOD (a etiqueta 3), qual o núcleo sintático por ele modificado. O valor do traço HEAD do SN tem ocorrência idêntica (a etiqueta 1) ao valor do traço HEAD do núcleo sintático (X) e o valor do traço CONT do SN tem ocorrência idêntica (representada por 2) ao valor do traço CONT do núcleo semântico do sintagma. Nesse caso, o adjetivo-adjunto seleciona seus núcleos e introduz o valor semântico do SN (Pollard;Sag, 1994). SN psoa HEAD 1 CONT 2 verb noun adjective... 3 X (núcleo) HEAD noun 1 CONT 4 X-adjunto HEAD adjective [MOD 3] CONT 2 Figura 2: Esquema de Dominância Imediata para estruturas de adjunção (Pollard; Sag, 1994:56). A HPSG não dispõe de restrições para representar demais comportamentos sintáticos e semânticos dos adjetivos (Seção 2). É necessário, portanto, ampliar a gramática para torná-la eficiente na descrição da categoria adjetival. 4. Proposta A sistematização de propostas de classificação sintática e semântica (Seção 2), parece contribuir para a extensão do sistema de tipos da HPSG. Estudos Lingüísticos XXXIV, p , [ 1071 / 1074 ]

4 A classificação determinativo, avaliativo e classificador (SILVA;PRIA, 2002) parece contribuir para a extensão do tipo adjective. Essa extensão possibilita a introdução de um conjunto de restrições sintáticas sobre os adjetivos. À hierarquia de tipos, são introduzidos os tipos determinative, avaliative e classifying correspondentes às três categorias, respectivamente. substantive verb noun adjective determinative evaluative classifying Figura 3: Extensão do tipo adjective. A classificação intersectivo, subsectivo e não-predicativo (CHIERCHIA;McCONNELL-GINET, 1990) parece contribuir para a extensão do tipo psoa 5. Essa extensão possibilita a introdução de um conjunto de restrições sintáticas sobre os adjetivos. À hierarquia de tipos, são introduzidos os tipos intersective, subsective e nonpredicative correspondentes aos três comportamentos, respectivamente. content psoa nominal-object nonpredicative intersective subsective Figura 4: Extensão do tipo psoa. A Figura 5 ilustra uma hierarquia de heranças múltiplas parcial 6 para os adjetivos great/grande, big/grande, former/antigo e ancient/antigo nos sintagmas nominais great man/grande homem, big man/homem grande, former smoker/antigo fumante e ancient smoker/fumante antigo, respectivamente. object head functional substantive content adjective verb noun sign nominal-object psoa determinative evaluative classifying word phrasal nonpredicative intersective subsective great/grande big/grande former/antigo ancient/antigo Figura 5: Hierarquia de heranças múltiplas para os adjetivos great/grande, big/grande, former/antigo e ancient/antigo. Essa abordagem teórica permite a descrição de aspectos sintáticos e semânticos dos adjetivos, no inglês e português, através de uma hierarquia de heranças múltiplas. Estudos Lingüísticos XXXIV, p , [ 1072 / 1074 ]

5 Sua vantagem está na concisão das informações especificadas e na generalização de informações comuns a grupos de objetos cujos comportamentos são semelhantes nos níveis sintático e semântico-lexical. 5. Conclusão A incursão pelo tratamento do adjetivo na HPSG demonstra que essa abordagem não agrega ao modelo o conhecimento sintático descrito pelo enfoque funcionalista e propõe-se uma ampliação para o modelo. Assim, propõe-se uma extensão da hierarquia de tipos da teoria a fim de permitir a introdução de restrições sobre adjetivos que compartilham dos mesmos comportamentos sintáticos e semânticos. Notas * Capítulo da minha dissertação de mestrado, sob a orientação do professor Bento Carlos Dias-da-Silva, a quem agradeço pelo incentivo. Agradeço também ao William Ramos pelos comentários sobre o material aqui apresentado. Este trabalho teve o apoio da FAPESP (processo 02/ ). 1. O delta representa um fragmento da estrutura sintática e o representa a estrutura semântica. 2. Essa leitura está sendo considerada para qualquer mundo w e em qualquer tempo i. O mesmo se aplica à interpretação semântica de adjetivos subsectivos e não-predicativos. 3. O processo de mapear uma expressão para sua forma lógica é chamado interpretação semântica (ALLEN, 1994). 4. Os subsectivos são propriedades altamente dependentes de contexto. Ser grande é relativo a uma propriedade contextual, por exemplo, ser uma formiga ou ser um navio, e assim por diante. 5. Os estados-de-coisas parametrizados ou psoa (do inglês, parametrized state of affair), correspondem aproximadamente a fórmulas atômicas de lógica de predicado. 6. A hierarquia é parcial porque não descreve todas as propriedades que podem ser herdades pelos adjetivos em análise. Referências ALLEN, J. Natural Language Understanding. 2. ed. The Benjamin/Cummings Publishing Company, BORBA, F. S. Uma gramática de valências para o português. São Paulo: Ática, BOSQUE, I.; PICALLO, C. Postnominal adjective in Spanish DPs. Journal of linguistics, n. 32, p , CHIERCHIA, G.; MCCONNELL-GINET, S. Meaning and grammar. Cambridge: The MIT Press, CHOMSKY, N. The minimalist program. Massachusetts: The MIT Press, COATES, J. Denominal adjectives: a study in syntactic relationships between modifier and head. Lingua, n. 27, p , Estudos Lingüísticos XXXIV, p , [ 1073 / 1074 ]

6 KAMP, H.; PARTEE, B. Prototype theory and compositionality. Cognition, v. 57, p KAMP, J. A. W. Two theories about adjectives. In: KEENAN, E. L. Formal semantics of natural language. Cambridge: Cambridge University Press, KEMMERER, D. Selective impairment of knowledge underlying prenominal adjective order: evidence for the autonomy of grammatical semantics. Journal of neurolinguistics, n. 13, p , LUCAS, M. The syntactic classes of antenominal adjectives in English. Lingua, n. 35, p , MONTAGUE, R. English as a formal language. Linguaggi nella Societá e nella technical. Milão: Editione di Communitá, NEVES, M. H. de M. Gramática de usos do português. São Paulo: EDUNESP, PARTEE, B. H. Privative adjectives: subsective plus coercion. ZIMMERMANN, T.E. (Ed.) Studies in Presupposition (no prelo) Disponível em: Acesso em: 10 out POLLARD, C.; SAG, I. Head-driven phrase structure grammar. Standford: CSLI/The University of Chicago Press, PRIA, A. D. A não delimitação de subgrupo via adjetivos avaliativos. Alfa revista de lingüística, v. 48, n. 1, p , SILVA, A. da; PRIA, A. D. A correlação entre a expressão do adjetivo no grupo nominal do inglês e do português. Estudos Lingüísticos, v. 31, TEYSSIER, J. Notes on the syntax of the adjective in modern english. Lingua, n. 20, p , Estudos Lingüísticos XXXIV, p , [ 1074 / 1074 ]

UMA PROPOSTA DE DESCRIÇÃO FORMAL DE ADJETIVOS INTERSECTIVOS, SUBSECTIVOS E NÃO-PREDICATIVOS NO INGLÊS E NO PORTUGUÊS 1

UMA PROPOSTA DE DESCRIÇÃO FORMAL DE ADJETIVOS INTERSECTIVOS, SUBSECTIVOS E NÃO-PREDICATIVOS NO INGLÊS E NO PORTUGUÊS 1 16 UMA PROPOSTA DE DESCRIÇÃO FORMAL DE ADJETIVOS INTERSECTIVOS, SUBSECTIVOS E NÃO-PREDICATIVOS NO INGLÊS E NO PORTUGUÊS 1 Albano Dalla Pria (UNEMAT) RESUMO: Este trabalho investiga aspectos semânticos

Leia mais

A Distribuição dos Adjetivos no Sintagma Nominal do Inglês e do Português e o Processamento Automático de Línguas Naturais

A Distribuição dos Adjetivos no Sintagma Nominal do Inglês e do Português e o Processamento Automático de Línguas Naturais A Distribuição dos Adjetivos no Sintagma Nominal do Inglês e do Português e o Processamento Automático de Línguas Naturais Albano Dalla Pria Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara Universidade Estadual

Leia mais

Private Adjectives: Initial Analysis

Private Adjectives: Initial Analysis Adjetivos Privativos: Análise Inicial Professora da Universidade Severino Sombra, Centro de Letras, Ciências Sociais Aplicadas e Humanas, Curso de Letras, dedilene@yahoo.com.br Resumo. Este artigo tem

Leia mais

PREDICADOS COMPLEXOS. Maria José Foltran* Preliminares

PREDICADOS COMPLEXOS. Maria José Foltran* Preliminares ESTUDOS LINGÜÍSTICOS PREDICADOS COMPLEXOS Maria José Foltran* Preliminares T? ste artigo tem um caráter eminentemente descritivo. Nosso proposito B J é mostrar que os chamados predicados complexos englobam

Leia mais

O processo de identificação de itens ambíguos Nome ou Adjetivo por falantes adultos do PB

O processo de identificação de itens ambíguos Nome ou Adjetivo por falantes adultos do PB O processo de identificação de itens ambíguos Nome ou Adjetivo por falantes adultos do PB Raquel Fellet Lawall (UFJF) a Maria Cristina Name (UFJF) b RESUMO: Investiga-se o papel de diferentes propriedades

Leia mais

Paulo Roberto da Silva Cidade. A Nominalização Infinitiva: Um estudo de Nominalizações Gerundivas e Derivados Nominais no português e no inglês

Paulo Roberto da Silva Cidade. A Nominalização Infinitiva: Um estudo de Nominalizações Gerundivas e Derivados Nominais no português e no inglês Paulo Roberto da Silva Cidade A Nominalização Infinitiva: Um estudo de Nominalizações Gerundivas e Derivados Nominais no português e no inglês Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Nize Paraguassu Endereço Acadêmico: Departamento de Lingüística - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Universidade

Leia mais

Linguagem: produtividade e sistematicidade

Linguagem: produtividade e sistematicidade Linguagem: produtividade e sistematicidade Referências: Chomsky, Noam, Syntactic Structures, The Hague, Mouton, 1957. Chomsky, Noam, Aspects of the Theory of Syntax, Cambridge (Mas.), The MIT Press, 1965.

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO SINTÁTICO E SEMÂNTICO DOS ADVÉRBIOS EM - MENTE Coordenador/E-mail: Gessilene Silveira Kanthack/

Leia mais

Estudo comparativo dos padrões de lexicalização do português e do inglês: os Verbos de Movimento 1

Estudo comparativo dos padrões de lexicalização do português e do inglês: os Verbos de Movimento 1 Estudo comparativo dos padrões de lexicalização do português e do inglês: os Verbos de Movimento 1 Helio Roberto de Moraes * * Centro de Estudos Lingüísticos e Computacionais da Linguagem (CELiC)- Faculdade

Leia mais

A NATUREZA DOS ADJETIVOS PRÉ- E PÓS-NOMINAIS

A NATUREZA DOS ADJETIVOS PRÉ- E PÓS-NOMINAIS SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO A NATUREZA DOS ADJETIVOS PRÉ- E PÓS-NOMINAIS Cristina de Souza Prim 1 RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar algumas das contribuições e limitações

Leia mais

1 DESENVOLVIMENTO CONCEPTUAL E DESENVOLVIMENTO LINGUÍSTICO

1 DESENVOLVIMENTO CONCEPTUAL E DESENVOLVIMENTO LINGUÍSTICO 3384 O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE ADJETIVOS E POSSESSIVOS NO PB INTRODUÇÃO Flávia Carvalho Faria (UFJF) Maria Cristina Lobo Name (UFJF) A proposta deste trabalho consiste em traçar um paralelo entre os processos

Leia mais

Léxico na interface sintático-semântica: Perspectivas e Limitações Computacionais

Léxico na interface sintático-semântica: Perspectivas e Limitações Computacionais CNPQ Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico Léxico na interface sintático-semântica: Perspectivas e Limitações Computacionais ANA MARIA TRAMUNT IBAÑOS JORGE CAMPOS DA COSTA 1. Caracterização do

Leia mais

A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL

A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL Fábio Flores A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Estudos da Linguagem do Departamento

Leia mais

As alternâncias de diátese e a expressão da estrutura de argumentos no português

As alternâncias de diátese e a expressão da estrutura de argumentos no português As alternâncias de diátese e a expressão da estrutura de argumentos no português Helio Roberto de Moraes 1, Bento Carlos Dias-da-Silva 2 1,2 Centro de Estudos Lingüísticos e Computacionais da Linguagem

Leia mais

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS RESUMO Profa. Dra. Cinthya Torres de Melo (Universidade Federal de Pernambuco - NELFE - Campus do Agreste UFPE/CAA) Maria Sirleidy

Leia mais

Breves considerações acerca de modificadores nominais (rentaishuushokugo) da língua japonesa, segundo Yamada a Watanabe

Breves considerações acerca de modificadores nominais (rentaishuushokugo) da língua japonesa, segundo Yamada a Watanabe Breves considerações acerca de modificadores nominais (rentaishuushokugo) da língua japonesa, segundo Yamada a Watanabe Junko Ota Centro de Estudos Japoneses Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Leia mais

Comunicação Científica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS SIGNIFICADOS DO SÍMBOLO = NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS DO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Comunicação Científica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS SIGNIFICADOS DO SÍMBOLO = NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS DO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Comunicação Científica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS SIGNIFICADOS DO SÍMBOLO = NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS DO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Emerson dos Santos Pinheiro de Matos- UFRB n0sreme@hotmail.com

Leia mais

Dissertação de Mestrado

Dissertação de Mestrado Dissertação de Mestrado A SINTAXE DE ADJETIVOS NAS POSIÇÕES PRÉ- E PÓS-NOMINAL Cristina de Souza Prim Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Linguística CRISTINA DE SOUZA PRIM

Leia mais

Hierarquias de Conceitos para um Ambiente Virtual de Ensino Extraídas de um Corpus de Jornais Populares

Hierarquias de Conceitos para um Ambiente Virtual de Ensino Extraídas de um Corpus de Jornais Populares Hierarquias de Conceitos para um Ambiente Virtual de Ensino Extraídas de um Corpus de Jornais Populares Maria José Bocorny Finatto 1, Lucelene Lopes 2, Renata Vieira 2, Aline Evers 3 1,3 Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Luiz Arthur Pagani Programa resumido Analisadores gramaticais são procedimentos para se executar

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

SINTAXE E PROSÓDIA NA ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA FRASAL DO PORTUGUÊS: UM ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO SINTÁTICA ENTRE ADVÉRBIOS E COMPLEMENTOS 1

SINTAXE E PROSÓDIA NA ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA FRASAL DO PORTUGUÊS: UM ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO SINTÁTICA ENTRE ADVÉRBIOS E COMPLEMENTOS 1 SINTAXE E PROSÓDIA NA ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA FRASAL DO PORTUGUÊS: UM ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO SINTÁTICA ENTRE ADVÉRBIOS E COMPLEMENTOS 1 335 Gabriel de Ávila Othero * Introdução Neste artigo, veremos alguns

Leia mais

A EXPRESSÃO DA GENERICIDADE NO PORTUGUÊS DO BRASIL *

A EXPRESSÃO DA GENERICIDADE NO PORTUGUÊS DO BRASIL * A EXPRESSÃO DA GENERICIDADE NO PORTUGUÊS DO BRASIL * Ana Müller ** Introdução O objetivo deste trabalho é investigar a semântica das expressões de referência a espécie e das sentenças genéricas no Português

Leia mais

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD 1 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD São Luís MA Maio/2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: D / Meso: H / Micro: M Natureza:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS SI LANG

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS SI LANG PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS SI LANG ESTUDO SINTÁTICO-SEMÂNTICO DAS POSIÇÕES DE ADJETIVOS NO PORTUGUÊS E MANDARIM PORTO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE ARARAQUARA FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE ARARAQUARA FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS Unidade: Curso: Disciplina: Faculdade de Ciências e Letras UNESP - Campus de Araraquara Pós-Graduação em Letras Linguística e Língua Portuguesa TÓPICOS DE GRAMÁTICA DO PORTUGUÊS SOB A ÓTICA FUNCIONALISTA-

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE O SINTAGMA ADJETIVAL E O ADJETIVO A PARTIR DAS AULAS DE SINTAXE DO PROFESSOR ATALIBA TEXEIRA DE CASTILHO

UMA REFLEXÃO SOBRE O SINTAGMA ADJETIVAL E O ADJETIVO A PARTIR DAS AULAS DE SINTAXE DO PROFESSOR ATALIBA TEXEIRA DE CASTILHO UMA REFLEXÃO SOBRE O SINTAGMA ADJETIVAL E O ADJETIVO A PARTIR DAS AULAS DE SINTAXE DO PROFESSOR ATALIBA TEXEIRA DE CASTILHO Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLET-UFRGS) acssuems@gmail.com Resumo:

Leia mais

Albano Dalla Pria e Gislaine Aparecida de Carvalho

Albano Dalla Pria e Gislaine Aparecida de Carvalho O projeto ONTOGOV-MT: contribuições lingüístico-tecnológicas para a implementação de e-gov services Albano Dalla Pria e Gislaine Aparecida de Carvalho UNEMAT-Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil

Leia mais

3 Pressupostos Teóricos

3 Pressupostos Teóricos 3 Pressupostos Teóricos 3.1 Os princípios teóricos de Harris 3.1.1 A aceitabilidade como fonte do conhecimento sintático A sustentação metodológica de referência para o desenvolvimento desta pesquisa é

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

Protégé Desenvolvimento de contologias

Protégé Desenvolvimento de contologias Protégé Desenvolvimento de contologias Joel Luis Carbonera jlcarbonera@inf.ufrgs.br Protégé Desenvolvimento de contologias Ontologias Ontologias Termo do domínio da Filosofia A disciplina filosófica preocupada

Leia mais

MORFOLOGIA CATEGORIAL: UM OLHAR SEMÂNTICO SOBRE A MORFOLOGIA

MORFOLOGIA CATEGORIAL: UM OLHAR SEMÂNTICO SOBRE A MORFOLOGIA MORFOLOGIA CATEGORIAL: UM OLHAR SEMÂNTICO SOBRE A MORFOLOGIA LIVY REAL (Universidade Federal do Paraná) ABSTRACT: This work points a semantic approach (strongly based on Bayer (1997)) to the morphological

Leia mais

EXTRAÇÃO DE INFORMAÇÕES LÓGICO-CONCEITUAIS DE DICIONÁRIOS PARA A ELABORAÇÃO DE LÉXICOS COMPUTACIONAIS

EXTRAÇÃO DE INFORMAÇÕES LÓGICO-CONCEITUAIS DE DICIONÁRIOS PARA A ELABORAÇÃO DE LÉXICOS COMPUTACIONAIS EXTRAÇÃO DE INFORMAÇÕES LÓGICO-CONCEITUAIS DE DICIONÁRIOS PARA A ELABORAÇÃO DE LÉXICOS COMPUTACIONAIS Ariani DI FELIPPO (Universidade Estadual Paulista/ Campus Araraquara) Bento Carlos DIAS-DA-SILVA (Universidade

Leia mais

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO O objeto de estudo dessa pesquisa são os sintagmas preposicionados

Leia mais

Uma breve abordagem histórica da classe dos adjetivos

Uma breve abordagem histórica da classe dos adjetivos Estudos da Língua(gem) Uma breve abordagem histórica da classe dos adjetivos A brief historical approach of the class of adjectives Roberto Santos de Carvalho* Gessilene Silveira Kanthack* Universidade

Leia mais

4 As estruturas de DP e a pré-modificação em língua inglesa

4 As estruturas de DP e a pré-modificação em língua inglesa 4 As estruturas de DP e a pré-modificação em língua inglesa Este capítulo abordará a estrutura e os tipos de DP em língua inglesa que serão o foco desta pesquisa. Os sintagmas de interesse para este trabalho

Leia mais

Aula6 TALKING ABOUT THE TIME. Fernanda Gurgel Raposo

Aula6 TALKING ABOUT THE TIME. Fernanda Gurgel Raposo Aula6 TALKING ABOUT THE TIME META Complementar as aulas anteriores, apresentando as formas de informar as horas em inglês, telling the time; revisando as preposições relacionadas a tempo; as estações do

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso

UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso REFLEXÕES SOBRE A DESCRIÇÃO DE SUBSTANTIVOS E ADJETIVOS EM LIVROS DIDÁTICOS

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

DO MUNDO EXTERIOR PARA O "MUNDO" INTERIOR: A TRAJETÓRIA DE RE> DE DICTO NA EMERGENCIA DE FUNÇÕES GRAMATICAIS

DO MUNDO EXTERIOR PARA O MUNDO INTERIOR: A TRAJETÓRIA DE RE> DE DICTO NA EMERGENCIA DE FUNÇÕES GRAMATICAIS DO MUNDO EXTERIOR PARA O "MUNDO" INTERIOR: A TRAJETÓRIA DE RE> DE DICTO NA EMERGENCIA DE FUNÇÕES GRAMATICAIS 1. batroduçio Maria Alice TAVARES (PCI-UFSC)' Trato aqui de um fenómeno de gramaticalização

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Compreensão/Expressão oral

Compreensão/Expressão oral ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º C.E.B DISCIPLINA: Português ANO: 7º ANO : 2011/2012 SEQUÊNCIA 1 COMPETÊNCIAS/ Compreensão/Expressão oral Dispor-se a escutar. LEITURA

Leia mais

Palavras-chaves: paradoxos sorites; vagueza; ambiguidade; relatividade; teoria epistêmica.

Palavras-chaves: paradoxos sorites; vagueza; ambiguidade; relatividade; teoria epistêmica. OBSERVAÇÕES INTRODUTÓRIAS SOBRE OS PARADOXOS SORITES E O FENÔMENO DA VAGUEZA NA LINGUAGEM NATURAL Eduardo Dayrell de Andrade Goulart Universidade Federal de Minas Gerais Resumo: O objetivo deste artigo

Leia mais

SMC: Uma Ferramenta Computacional para apoio ao Ensino dos Movimentos Circulares. SMC: A Computational Tool for the Circular Movement Teaching

SMC: Uma Ferramenta Computacional para apoio ao Ensino dos Movimentos Circulares. SMC: A Computational Tool for the Circular Movement Teaching 5 SMC: Uma Ferramenta Computacional para apoio ao Ensino dos Movimentos Circulares SMC: A Computational Tool for the Circular Movement Teaching Carlos Vitor de Alencar Carvalho 1 Janaina Veiga Carvalho

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

1 Introdução. Componentes Usuários. Provedor de Serviços. Figura 1.1 Ambiente de oferecimento de serviços

1 Introdução. Componentes Usuários. Provedor de Serviços. Figura 1.1 Ambiente de oferecimento de serviços 1 Introdução Nos últimos anos, houve um aumento notável de demanda por plataformas com suporte a diferentes mídias. Aplicações manipulando simultaneamente texto, vídeo e áudio são cada vez mais comuns.

Leia mais

Renata Aparecida de Freitas

Renata Aparecida de Freitas as escolhas linguísticas revelando decisões: uma breve aplicação de conceitos da gramática sistêmico-funcional como instrumento de análise Renata Aparecida de Freitas Renata Aparecida de Freitas Doutoranda

Leia mais

PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE

PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE CO~CA~AOCOORDENADA PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE DAFALA Edson Campos MAlA (UNICAMP) ABSTRACT: This paper aims at investigating certain syntactic restrictions such as pronominal

Leia mais

Vera F. Rezende Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo- UFF. Todas as cidades são comuns, complexas e diversas. Esse é o argumento que

Vera F. Rezende Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo- UFF. Todas as cidades são comuns, complexas e diversas. Esse é o argumento que Ordinary Cities: Between Modernity and Development Jennifer Robinson New York: Routledge, 2006, 204 p. Vera F. Rezende Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo- UFF Todas as cidades são comuns,

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Relevância do tema

1 Introdução. 1.1 Relevância do tema 1 Introdução A semântica dos compostos nominais em língua inglesa tem sido objeto de investigação de muitas pesquisas no âmbito da Linguística e fora dela também. A interpretação das relações semânticas

Leia mais

Um problema formal na interpretação dos sintagmas preposicionados. Luiz Arthur Pagani (UFPR)

Um problema formal na interpretação dos sintagmas preposicionados. Luiz Arthur Pagani (UFPR) Um problema formal na interpretação dos sintagmas preposicionados Luiz Arthur Pagani (UFPR) 1 1 Introdução Diculdade em relação à interpretação dos sintagmas preposicionados que não recebeu muita atenção

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

LUIZA UJVARI PABST LIÇÕES DE SINTAXE DO PORTUGUÊS BRASILEIRO PARA ESTRANGEIROS

LUIZA UJVARI PABST LIÇÕES DE SINTAXE DO PORTUGUÊS BRASILEIRO PARA ESTRANGEIROS 0 LUIZA UJVARI PABST LIÇÕES DE SINTAXE DO PORTUGUÊS BRASILEIRO PARA ESTRANGEIROS PORTO ALEGRE 2014 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS ÁREA:

Leia mais

o objetivo deste projeto 6 propor a analise e implementacao de urn "parser

o objetivo deste projeto 6 propor a analise e implementacao de urn parser PARSER: UM ANALISADOR SINTATICO E SEMANTICO PARA SENTEN«;AS DO PORTUGlltS Joao Luis Garcia ROSA (PUCCAMP) ABSTRACT: This work aims at the analysis and implementation 0/ a semantic parser for oral portuguese

Leia mais

Teoria da Contingência

Teoria da Contingência Teoria da Contingência Eduardo de Oliveira Fargnoli Etel Maria Mendes de Almeida Gustavo Diniz Palhares Keiliane Souza Silvério Raphaela Gomes Marques RESUMO O objetivo principal de presente ensaio é demonstrar

Leia mais

Vantagens da integração de dicionários de palavras compostas em sistemas de PLN

Vantagens da integração de dicionários de palavras compostas em sistemas de PLN AVALON 2003 Encontro de Avaliação Conjunta de Sistemas de Processamento Computacional do Português Faro, 28 de Junho de 2003 Vantagens da integração de dicionários de palavras compostas em sistemas de

Leia mais

A Criação de um Corpus de Sentenças Através de Gramáticas Livres de Contexto

A Criação de um Corpus de Sentenças Através de Gramáticas Livres de Contexto A Criação de um Corpus de Sentenças Através de Gramáticas Livres de Contexto Tiago Martins da Cunha 1, Paulo Bruno Lopes da Silva 2 1 Instituto de Humanidades e Letras Universidade da Integração Internacional

Leia mais

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR Poline Fernandes

Leia mais

SOBRE A AQUISIÇÃO TARDIA DE COMPLEMENTOS INFINITIVOS DE VERBOS PERCEPTIVOS E CAUSATIVOS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

SOBRE A AQUISIÇÃO TARDIA DE COMPLEMENTOS INFINITIVOS DE VERBOS PERCEPTIVOS E CAUSATIVOS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO 1738 SOBRE A AQUISIÇÃO TARDIA DE COMPLEMENTOS INFINITIVOS DE VERBOS PERCEPTIVOS E CAUSATIVOS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO 0 Introdução Gustavo Andrade Nunes Freire UNICAMP A complementação infinitiva de verbos

Leia mais

AQUISIÇÃO DE L2: o contexto da pessoa surda i Ronice Müller de Quadros ii

AQUISIÇÃO DE L2: o contexto da pessoa surda i Ronice Müller de Quadros ii QUADROS, Ronice Muller de. Aquisição de L2: o contexto da pessoa surda. In: III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LINGÜÍSTICA, 1996, Porto Alegre. Anais do III Seminário Internacional e Lingüística. Porto Alegre:

Leia mais

UMA ABORDAGEM SISTÊMICO-FUNCIONAL DA CATEGORIA GRAMATICAL DE SUJEITO

UMA ABORDAGEM SISTÊMICO-FUNCIONAL DA CATEGORIA GRAMATICAL DE SUJEITO 1 Doutorando do Programa de Pós-graduação em Linguística da UFPB, João Pessoa, Brasil, cleberataide@gmail.com 2 Este artigo é um recorte da dissertação O comportamento sintático-semântico da categoria

Leia mais

CAUSATIVAS SINTÉTICAS NO DIALETO MINEIRO: NOVAS EVIDÊNCIAS A FAVOR DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP?

CAUSATIVAS SINTÉTICAS NO DIALETO MINEIRO: NOVAS EVIDÊNCIAS A FAVOR DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP? CAUSATIVAS SINTÉTICAS NO DIALETO MINEIRO: NOVAS EVIDÊNCIAS A FAVOR DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP? Yara Rosa Bruno da SILVA Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC - MG) RESUMO Este artigo

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa

Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa Abstract: The main goal of this research project is the characterization of the semantic values of the Portuguese prepositions a,

Leia mais

A semântica dos adjetivos do domínio jurídico e o seu uso para extração de informação Web

A semântica dos adjetivos do domínio jurídico e o seu uso para extração de informação Web Proceedings of the International Joint Conference IBERAMIA/SBIA/SBRN 2006-4th Workshop in Information and Human Language Technology (TIL 2006), Ribeirão Preto, Brazil, October 23 28, 2006. CD-ROM. ISBN

Leia mais

Práticas musicais no contexto urbano de João Pessoa

Práticas musicais no contexto urbano de João Pessoa Práticas musicais no contexto urbano de João Pessoa Luis Ricardo Silva Queiroz Universidade Federal da Paraíba e-mail: luisrsq@uol.com.br Anne Raelly Pereira de Figueirêdo Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

Correlação quando uma Variável é Nominal

Correlação quando uma Variável é Nominal Correlação quando uma Variável é Nominal Em geral, quando uma das duas variáveis é do tipo categórica e puramente nominal (isto é, não pode nem ser ordenada) não se pode fazer um estudo de correlação.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS

DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS Coordenadoras: Karla da Costa Seabra (Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Educação) Susana Engelhard Nogueira (Instituto Federal

Leia mais

Um estudo no COMPARA: a semântica dos compostos nominais. Lílian Figueiró Teixeira e Rove Luiza de Oliveira Chishman

Um estudo no COMPARA: a semântica dos compostos nominais. Lílian Figueiró Teixeira e Rove Luiza de Oliveira Chishman Capítulo 6 Um estudo no COMPARA: a semântica dos compostos nominais Lílian Figueiró Teixeira e Rove Luiza de Oliveira Chishman Luís Costa, Diana Santos e Nuno Cardoso, editores, Perspectivas sobre a Linguateca

Leia mais

Sobre a Estrutura Interna das Small Clauses Livres do Português Brasileiro

Sobre a Estrutura Interna das Small Clauses Livres do Português Brasileiro Sobre a Estrutura Interna das Small Clauses Livres do Português Brasileiro (On the Brazilian Portuguese Free Small Clauses Internal Structure) Marcelo Amorim Sibaldo 1 1 Unidade Acadêmica de Serra Talhada

Leia mais

O VALOR ASPECTUAL NAS METÁFORAS VERBAIS: (RE)CONHECENDO UM MUNDO CONHECIDO 1

O VALOR ASPECTUAL NAS METÁFORAS VERBAIS: (RE)CONHECENDO UM MUNDO CONHECIDO 1 583 O VALOR ASPECTUAL NAS METÁFORAS VERBAIS: (RE)CONHECENDO UM MUNDO CONHECIDO 1 Thabyson Sousa Dias (UFT) thabyson.sd@uft.edu.br Este estudo tem por objetivo analisar e descrever metáforas com verbo de

Leia mais

A categorização semântica dos compostos nominais técnicos em língua inglesa e os resultados tradutórios em português

A categorização semântica dos compostos nominais técnicos em língua inglesa e os resultados tradutórios em português Paula Santos Diniz A categorização semântica dos compostos nominais técnicos em língua inglesa e os resultados tradutórios em português Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial

Leia mais

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Lucas Indrusiak, Renato Azevedo, Giovani R. Librelotto UNIFRA Centro Universitário Franciscano Rua dos Andradas, 1614 97.010-032 Santa

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

Programa da Unidade Curricular

Programa da Unidade Curricular Unidade Curricular: ECTS: Carga horária: Ano Lectivo: Semestre(s): Docente(s): O Estudo da Linguagem Humana 6 ECTS 4h/semana 2014-2015 S1 Marina Vigário Objectivos de aprendizagem: Esta disciplina visa

Leia mais

Cyrino, S.M.L. (2001) "O objeto nulo no português do Brasil e no português de Portugal" Boletim da ABRALIN 25: 173-181.

Cyrino, S.M.L. (2001) O objeto nulo no português do Brasil e no português de Portugal Boletim da ABRALIN 25: 173-181. Cyrino, S.M.L. (2001) "O objeto nulo no português do Brasil e no português de Portugal" Boletim da ABRALIN 25: 173-181. O OBJETO NULO NO PORTUGUÊS DO BRASIL E NO PORTUGUÊS DE PORTUGAL Sonia Maria Lazzarini

Leia mais

EVIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP NA LÍNGUA TENETEHÁRA

EVIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP NA LÍNGUA TENETEHÁRA EIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO P NA LÍNGUA TENETEHÁRA Introdução Quesler Fagundes Camargos / FALE - UFMG Fábio Bonfim Duarte / FALE - UFMG Neste trabalho, temos por objetivo investigar o estatuto

Leia mais

Estudo entoacional focalizando o sotaque estrangeiro: o caso do francês canadense

Estudo entoacional focalizando o sotaque estrangeiro: o caso do francês canadense Estudo entoacional focalizando o sotaque estrangeiro: o caso do francês canadense Sara Farias da Silva 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC- DLLE) sarafolie@hotmail.com Resumo. Este estudo

Leia mais

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ )

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) Ediene Pena-Ferreira Marcela de Lima Gomes Universidade Federal do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 12 de Novembro de 2013. Revisão aula anterior Modelagem orientada a objetos com UML Software: Astah Community

Leia mais

INTERFACE ASPECTUAL EM VERBOS DE MOVIMENTO DO

INTERFACE ASPECTUAL EM VERBOS DE MOVIMENTO DO SAMPAIO, Thiago O. M.; FRANÇA, Aniela Improta. Interface aspectual em verbos de movimento do Português Brasileiro. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. Vol. 6, n. 10, março de 2008. ISSN 1678-8931

Leia mais

Ontologia dos Eventos Jurídicos: contribuições da semântica verbal

Ontologia dos Eventos Jurídicos: contribuições da semântica verbal Ontologia dos Eventos Jurídicos: contribuições da semântica verbal Carolina Müller 1, Rove Chishman 2 1 Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada - UNISINOS 2 Professora do Programa

Leia mais

Análise e Projeto de Software

Análise e Projeto de Software Análise e Projeto de Software 1 Mundo Real Modelagem Elicitação Análise Problemas Soluções Gap Semântico Mundo Computacional Elicitação de Requisitos Análise de Requisitos Modelagem dos Requisitos 2 Projeto

Leia mais

Veredas atemática Volume 18 nº 2 2014

Veredas atemática Volume 18 nº 2 2014 Veredas atemática Volume 18 nº 2 2014 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- O sinal e a estrutura argumental da Língua

Leia mais

Ontologias na Computação

Ontologias na Computação Ontologias na Computação Claudio Akio Namikata, Henrique Sarmento, Marcio Valença Ramos cjnamikata90@hotmail.com, rique-182@hotmail.com, maxtr3m3@hotmail.com Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

GRAMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROBLEMAS DE CONTEÚDO E DE CONCEITOS

GRAMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROBLEMAS DE CONTEÚDO E DE CONCEITOS Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul GRAMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROBLEMAS DE CONTEÚDO E DE CONCEITOS Prof. Dr. Juliano Desiderato ANTONIO (UEM) ABSTRACT: This paper

Leia mais

Palavras-Chave: Fusão e Aquisição, Comportamento do Consumidor, Produto, Satisfação, Lealdade.

Palavras-Chave: Fusão e Aquisição, Comportamento do Consumidor, Produto, Satisfação, Lealdade. Nome do Aluno: Clara Montagnoli Neves Nome do Orientador: Carla Ramos Tema: Estudo do impacto no comportamento do consumidor resultante de fusão ou aquisição de empresas. Palavras-Chave: Fusão e Aquisição,

Leia mais

Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1

Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1 RESUMO Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1 Ailanda Ferreira Tavares 2 Alciane Ayres da Mota 3 Raimunda Monteiro 4 Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, Pará O livro-reportagem

Leia mais

TSL - Uma linguagem para autoria de tradutores

TSL - Uma linguagem para autoria de tradutores TSL - Uma linguagem para autoria de tradutores Abstract. The objective of this article is to present the TSL (Translator Specification Language), a specification language for traslation virtual systems

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER)

GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER) GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER) Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd Projeto de BD Uma Visão Panorâmica Página 2 Projeto Conceitual

Leia mais

Pronomes resumptivos e identidade temática em sentenças possessivas

Pronomes resumptivos e identidade temática em sentenças possessivas Pronomes resumptivos e identidade temática em sentenças possessivas Juanito Avelar Instituto de Estudos da Linguagem Universidade Estadual de Campinas juanitoavelar@uol.com.br Resumo. À luz da Morfologia

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (465-469) A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Elaine Teresinha Costa CAPELLARI (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) ABSTRACT:

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Loremi Loregian-Penkal 1 1 Departamento de Letras Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO) Rua Holanda, 293 84500-000 Irati PR

Leia mais

ENSINO MÉDIO. Sondagem 2014 1ª SÉRIE. Língua Portuguesa

ENSINO MÉDIO. Sondagem 2014 1ª SÉRIE. Língua Portuguesa ENSINO MÉDIO O processo de sondagem do Colégio Sion busca detectar, no aluno, prérequisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente na série pretendida. As disciplinas de e são os recursos utilizados

Leia mais