ANAIS DA CERSC RIO DE JANEIRO 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS DA CERSC RIO DE JANEIRO 2009"

Transcrição

1 ANAIS DA CERSC RIO DE JANEIRO 2009

2 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO Brasília SBN Quadra 1 Bloco B n o 14, 15 o ao 18 o andar Edifício Confederação Nacional do Comércio CEP PABX (61) Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP Rio de Janeiro Tel.: (21) Fax (21) Web site: Publicação Projeto gráfico: Coordenação de Documentação e Informação/Unidade de Programação Visual Produção: Divisão Sindical Impressão: Gráfica MCE CNC. Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Anais da Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Rio de Janeiro: Confederação Nacional do Comércio, p. 1. Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio. I Confederação Nacional do Comércio

3 APRESENTAÇÃO A Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio CERSC, criada em 1991, cumpre, no âmbito do Sistema Confederativo da Representação Sindical do Comércio Sicomercio, função antes exercida pela Comissão de Enquadramento Sindical do Ministério do Trabalho, extinta com o advento da Constituição da República de 1988, que vedou a interferência do Estado (leia-se Poder Executivo) na organização sindical. Como órgão auxiliar do sistema, a CERSC responde a consultas de empresas e entidades sindicais do comércio, realizando, no primeiro caso, enquadramento individual e, no segundo, enquadramento coletivo. Opina também a CERSC, quando consultada, acerca de conflitos de representação revelados por entidades integrantes do SICOMERCIO. A CERSC é constituída de sete membros efetivos e sete suplentes, com mandato de três anos, designados pelo Presidente da Diretoria da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. Em 08 de julho de 2008 foram empossados os membros titulares e suplentes que integrarão a Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio no triênio 2008/2011. São eles: Titulares: Carlos Fernando Amaral (Presidente), Natan Schiper (Vice-Presidente), Daniel Mansano, Francisco Valdeci de Sousa Cavalcante, Lázaro Luiz Gonzaga, Luciano Figliolia (in memoriam), Joel Carlos Köbe e Walace Garroux Sampaio. Suplentes: Edno Bressan, Edy Elly Bender Kohnert Siedler, João de Barros e Silva, José Domingues Vinhal, José Epaminondas Costa, Luso Soares da Costa e Manoel Jorge Vieira Colares.

4 A Divisão Sindical da CNC, órgão de assessoramento da CERSC, promove suporte administrativo e técnico, inclusive, por meio da elaboração de pareceres e estudos técnicos, com vistas a subsidiar a Comissão no referente à apreciação e resposta às consultas formuladas. Divisão Sindical

5 SUMÁRIO PARECERES 1. Processo nº Enquadramento sindical de supermercados Processo nº Enquadramento sindical de empresa de locação de mão-de-obra (analistas de sistemas e programadores), serviços e desenvolvimento de software Processo nº Enquadramento sindical de incorporadora de empreendimento imobiliário Processo nº Enquadramento sindical de empresa que administra empreendimentos imobiliários (administração de centros comerciais) Processo nº Enquadramento sindical de empresa que comercializa resíduos e sucata metálica Processo nº Enquadramento sindical de empresa que comercializa aparelhos para surdez, recuperação e apoio das funções vitais humanas Processo nº Conflito de representação entre sindicato estadual específico e sindicato municipal eclético Processo nº Enquadramento sindical da atividade de comercialização de equipamentos de informática e conflito de representação Processo nº Enquadramento sindical de empresa prestadora de serviços de filmagem Processo nº Enquadramento sindical de empresa de turismo... 65

6 11. Processo nº Enquadramento sindical de flats, flats-hotéis, hotéis-residence, lofts, apart-hotéis, apart services condominiais, condohotéis e similares Processo nº Enquadramento sindical de empresa que administra centro de convenções Processo nº Enquadramento sindical de empresa que comercializa produtos capilares Processo nº Enquadramento sindical de empresa distribuidora de cartões telefônicos Processo nº Enquadramento sindical (coletivo) de entidade representante de empresas locadoras de veículos automotores ANEXOS Glossário Quadro de Atividades e Profissões * (art. 577 da CLT) Índice Remissivo * Recepcionado pela Constituição Federal de 1988 (STF Ac. de no RMS , in Rev. LTr., São Paulo, jan. 1992, págs. 13 e 14).

7 Processo CERSC nº Origem: Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de Janeiro (SINDILOJAS-RIO) Rio de Janeiro, 14 de novembro de Assunto: consulta. Enquadramento sindical de supermercados. R E L A T Ó R I O O SINDICATO DOS LOJISTAS DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO (SINDILOJAS-RIO) encaminha consulta acerca do enquadramento sindical de supermercados no município do Rio de Janeiro. Noticia o consulente que muitas empresas, no município do Rio de Janeiro, como Carrefour, Sendas, Extra e Wall Mart, deixaram de se limitar a comercializar gêneros alimentícios, passando a atuar como verdadeiras lojas de departamentos, já que vendem, dentro do mix de produtos, entre outros, artigos de vestuário, adornos e acessórios, bem como louças finas, artigos de cama, mesa e banho e congêneres, que, de acordo com o quadro a que se refere o artigo 577 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, integram a categoria econômica dos lojistas do comércio, do 2º grupo, comércio varejista, do plano da Confederação Nacional do Comércio CNC (grifos nossos). Com base em precedente da CERSC, o consulente indaga ainda, se a hipótese em tela seria de múltiplo enquadramento, tendo em conta que as atividades desempenhadas pelas referidas empresas estariam enquadradas em, pelo menos, 2 (duas) categorias ANAIS DA CERSC 7

8 econômicas distintas do 2º grupo do plano do comércio comércio varejista, quais sejam: 1) comércio varejista de gêneros alimentícios; e 2) lojistas do comércio. P A R E C E R À luz da Constituição da República (art. 8º, II), o enquadramento deve ser feito por categoria profissional ou econômica, observado o Quadro de Atividades e Profissões a que se refere o art. 577 da CLT, no qual as atividades estão distribuídas por diversos grupos. Convém lembrar que o Quadro de Atividades e Profissões que complementa a CLT foi recepcionado pela Carta Política, conforme decidiu o Supremo Tribunal Federal (RMS DF, Tribunal Pleno, Rel. Min. Marco Aurélio, RTJ 137, pág. 1131/1135). No ponto, é importante ressaltar que a consulta em questão foi formulada em tese e, portanto, nesse sentido se dará o enquadramento em questão. Vale dizer, não está se tratando de empresa específica (caso concreto), hipótese em que seria possível o exame de seu contrato social, notadamente do objeto social com vistas à definição do enquadramento sindical. Pelo contrário, foram citadas algumas empresas Carrefour, Wall Mart, Extra, Sendas como forma de exemplificar a atividade que se pretende enquadrar, qual seja, a atividade desempenhada pelas empresas de supermercados. Na esteira desses fatos, passamos à análise acerca do enquadramento sindical dessa espécie de empresa supermercado. Em primeiro plano, é preciso definir a atividade praticada por essas empresas. Para tanto, trazemos à colação o conceito de supermercado extraído do Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Editora Objetiva, 1ª Edição, 2001: Supermercado: grande estabelecimento comercial de autoserviço onde se exibem à venda mercadorias variadas (gêneros ali- 8 ANAIS DA CERSC

9 mentícios, artigos para limpeza doméstica e higiene pessoal, bebidas, artigos para casa etc.). Segundo a ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SUPERMERCADOS (ABRAS), hoje, há três tipos de classificações para supermercado: 1) Compacto: com área de vendas de 250 a metros quadrados, 7 mil itens, de 2 a 7 check-outs, e com as seções de mercearia, hortifruti, açougue, frios e laticínios e bazar; 2) Convencional: de a metros quadrados de área de vendas, média de 12 mil itens, de 8 a 20 check-outs, e com as seções de mercearia, hortifruti, açougue, frios e laticínios, peixaria, padaria e bazar; e 3) Grande: de a metros quadrados de área de vendas, média de 20 mil itens, e de 21 a 30 check-outs, com as seções de mercearia, hortifruti, açougue, frios e laticínios, peixaria, padaria, bazar e eletroeletrônicos. (Informações extraídas do site Ainda com base nos dados fornecidos pela ABRAS, temos o conceito de hipermercado: Loja de auto-serviço que tem uma área de vendas superior a metros quadrados, mais de 50 check-outs e uma média de 45 mil itens à venda. Contando com as seções de mercearia, hortifruti, açougue, frios e laticínios, peixaria, padaria, bazar, eletroeletrônicos e têxteis. A corroborar, transcrevemos os conceitos de supermercados, lojas de departamentos ou de variedades lojas que comercializam um mix de produtos extraídos da monografia Sistema de Informação para Gestão Econômica no Comércio Varejista: um Estudo dos Principais Modelos de Decisões Envolvidos; de Antônio Carlos Machado; Universidade de São Paulo: Supermercados são lojas que exploram o auto-serviço, onde o próprio consumidor se encarrega de escolher os produtos nas prateleiras (gôndolas), mantendo relacionamento com os funcionários ANAIS DA CERSC 9

10 de estabelecimento somente no momento do acerto de contas no caixa. Os supermercados se caracterizam ainda, por comercializarem, basicamente, produtos alimentícios, e por imprimirem uma significativa velocidade no giro dos estoques com o objetivo de compensarem a estreita rentabilidade sobre as vendas (em média 2%). Estes tipos de estabelecimentos varejistas dispõem de uma grande variedade de produtos, chegando em média, a 19,75 mil itens de venda. Uma derivação do conceito de supermercados são os hipermercados. São instalações físicas semelhantes, onde também se aplica o auto-serviço, porém, há uma ampliação nos tipos de itens à venda com a introdução de eletrodomésticos, eletroeletrônicos, áudio e vídeo, vestuário, entre outros. Os hipermercados normalmente se instalam em grandes avenidas ou às margens de rodovias, afastando-se assim, dos centros comerciais e, indiretamente, provocando uma seleção do seu público-alvo. Departamentos são lojas onde há, também, uma grande variedade de itens à venda, com menor ou praticamente nula participação dos produtos alimentícios. Os produtos são dispostos de forma departamentalizada, podendo ser praticado tanto o autoserviço, como o atendimento personalizado ao consumidor. Variedades são lojas onde se comercializam miudezas em geral. Os produtos deste comércio se caracterizam pelo baixo valor unitário. A forma de apresentação das lojas segue os conceitos das lojas departamentalizadas. Pelo exame dos conceitos trazidos à colação, resta claro que a atividade preponderante dos supermercados é a comercialização no varejo de gêneros alimentícios. O enquadramento sindical tem por base a atividade preponderante desempenhada pela empresa. Entende-se por atividade preponderante a que caracterizar a unidade do produto, operação ou objetivo final, para cuja obtenção todas as demais atividades convirjam, exclusivamente, em regime de conexão funcional ( 2º do art. 581, CLT). 10 ANAIS DA CERSC

11 Observa-se que, a par do mix de produtos oferecidos, os supermercados ainda se caracterizam por comercializarem, basicamente, gêneros alimentícios. A comercialização desses outros produtos constitui atividade complementar. Esses itens podem ser acrescentados e até posteriormente, suprimidos, vez que isso em nada altera ou desnatura a atividade efetivamente praticada pela empresa (preponderante). É importante notar que a distinção entre os diversos tipos de supermercados compacto, convencional, grande e até entre os supermercados e as demais empresas do segmento do comércio varejista de gêneros alimentícios quitandas, mercearias, mercados se dá em razão de seu porte e não da natureza da atividade. Todas essas empresas têm como atividade preponderante a comercialização no varejo de gêneros alimentícios e, por isso, integram a categoria econômica comércio varejista de gêneros alimentícios, distinguindo-se, apenas, no referente à quantidade e à variedade dos itens postos à venda, ao número de caixas etc. No entanto, cumpre frisar mais uma vez que esses dados diferenciadores não servem de critério para descaracterizar a atividade preponderante das empresas de supermercados. Servem tão somente como indicadores de seu porte. Tanto é assim que podemos ter mini, super e até hipermercados. Desse modo, não há que se falar em múltiplo enquadramento em pelo menos, 2 (duas) categorias econômicas distintas do 2º grupo do plano do comércio comércio varejista, quais sejam: 1) comércio varejista de gêneros alimentícios; e 2) lojistas do comércio, como sugerido pelo consulente. No caso, resta claro que a comercialização no varejo de gêneros alimentícios constitui a atividade preponderante dos supermercados. A comercialização de outros itens é atividade meramente complementar (atividade absorvida) pelo comércio varejista de gêneros alimentícios (atividade preponderante). ANAIS DA CERSC 11

12 Por fim, merece destaque ainda o fato de que não se trata sequer de categoria autônoma o que poderia ensejar possibilidade de dissociação, nos termos do art. 571 da CLT, haja vista que supermercado não constitui categoria econômica, mas sim simples porte de empresa que pratica o comércio varejista de gêneros alimentícios. Esse foi o posicionamento firmado pela CERSC nos autos dos seguintes processos: 1) nº 1018, pedido de registro no SICOMERCIO do Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios, Mercados, Minimercados, Supermercados e Hipermercados de Curitiba, Região Metropolitana de Curitiba e Litoral do Paraná, decisão proferida em 26/01/2000, deferindo o registro pleiteado; 2) nº 1186, consulta formulada pela Federação do Comércio do Estado do Pará, decisão proferida em 08/10/2002; e 3) nº 1151, pedido de registro no SICOMERCIO do Sindicato dos Supermercados do Distrito Federal, decisão proferida em 16/ 09/2003, não acolhendo o referido pleito, visto que supermercado não constitui categoria econômica, mas sim simples porte de empresa que prática o comércio varejista de gêneros alimentícios. Ante o exposto, os supermercados (considerados aqui os autoserviços, mini, hipermercados etc.) estão inseridos na categoria econômica comércio varejista de gêneros alimentícios, integrante do 2º grupo do plano da CNC comércio varejista. C O N C L U S Ã O Em face do exposto, no que toca ao enquadramento sindical das empresas de supermercados, considerando 1) que a consulta em questão foi formulada em tese; e 2) que a atividade preponderante dessa espécie de empresa é a comercialização no varejo de gêneros alimentícios; sugerimos seu enquadramento na categoria 12 ANAIS DA CERSC

13 econômica comércio varejista de gêneros alimentícios, integrante do 2º grupo do plano da CNC comércio varejista. É o parecer, S.M.J. Lidiane Duarte Nogueira Advogada ANAIS DA CERSC 13

14 Processo CERSC nº 1400 Origem: Federação do Comércio do Estado de Minas Gerais Rio de Janeiro, 27 de dezembro de Assunto: enquadramento sindical de empresa de locação de mãode-obra de analista de sistemas e programadores, serviços e desenvolvimento de software duplo enquadramento 3º Grupo Plano da CNC Agentes Autônomos do Comércio. R E L A T Ó R I O A FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO ESTADO DE MINAS GE- RAIS Fecomércio/MG solicita consulta à Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio CERSC sobre o enquadramento sindical da empresa TTY2000 Tecnologia e Sistemas Ltda. cuja atividade seria a de locação de mão de obra de analista de sistemas e programadores, prestação de serviços de informática, consultoria e representação de programas, desenvolvimento de software para uso próprio ou de terceiros, equipamentos e acessórios para computação sem o emprego de peças ou materiais (fls. 01). Informa, ainda, a Fecomércio/MG que, no estado de Minas Gerais, existe o Sindicato das Empresas de Processamento de Dados, Informática, Software e Serviços em Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais SINDINFOR/MG, representando a categoria econômica das empresas de processamento de dados, informática, software e serviços em tecnologia da informação. 14 ANAIS DA CERSC

15 Esta assessoria, verificando a ausência do contrato social, bem assim de outras informações que permitissem melhor análise da consulta formulada, solicitou que a Fecomércio/MG diligenciasse junto à empresa no sentido de que fosse anexado seu contrato social, bem assim que a mesma respondesse algumas perguntas por nós formuladas (fls. 02). Posteriormente, a Fecomércio/MG repassou as respostas prestadas pela empresa (fls. 05), esclarecendo, posteriormente, que, muito embora o contrato social ainda não tinha sido remetido, pelas informações atualizadas da Junta Comercial de Minas Gerais, o objeto social estava de acordo com aquele por ela informado (fls. 07). P A R E C E R O enquadramento sindical, à luz da Constituição da República CR (art. 8º, II), deve ser feito por categoria profissional ou econômica, observado o Quadro de Atividades e Profissões a que se refere o art. 577 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, no qual as atividades estão distribuídas por diversos grupos. Convém lembrar que o referido Quadro de Atividades e Profissões que complementa o art. 577 da CLT foi recepcionado pela Constituição da República, conforme decidiu o Supremo Tribunal Federal (RMS DF, Tribunal Pleno, Rel. Min. Marco Aurélio, RTJ 137, pág. 1131/1135). Além disso, o enquadramento sindical deve obedecer a critérios próprios, inclusive tendo como base as atividades exercidas pela empresa, não se coadunando, portanto, com a manifestação de vontade do interessado em integrar esta ou aquela categoria. Daí porque o mesmo deve ser definido em função do que a empresa realmente desenvolve como atividade. Nesse passo, tal definição somente é obtida com a confrontação de seus atos constitutivos, notadamente de seu objeto social, com aquela que seria a atividade por ela exteriorizada. ANAIS DA CERSC 15

16 A informação prestada pela Fecomércio/MG nos dá conta de que a empresa autodenominada TTY2000 Tecnologia e Sistemas Ltda. exerce a atividade econômica de: locação de mão de obra de analista de sistemas e programadores, prestação de serviços de informática, consultoria e representação de programas, desenvolvimento de software para uso próprio ou de terceiros, equipamentos e acessórios para computação sem o emprego de peças ou materiais. Muito embora a consulta não tenha sido acompanhada do contrato social, (apesar de diligência nesse sentido fls. 01) o fato é que, diante das respostas repassadas à CERSC pela Fecomércio/ MG e obtidas junto à empresa, entendemos que sua falta, salvo engano, não impedirá o estudo para fins de enquadramento sindical, principalmente diante dos termos das respostas a seguir transcritas: 1. Existe, dentre as arroladas, atividade principal? Sim, o desenvolvimento de sistemas específicos para os clientes. 2. Em caso contrário, as atividades são exercitadas concomitantemente ou existe regime de preponderância entre cada uma delas? As de maior volume são: locação de mão-de-obra de analistas de sistema e programadores e o desenvolvimento de sistemas específicos. 3. No que pertine ao desenvolvimento de software o mesmo se dá para posterior venda a terceiros? Não, como eu já disse, são específicos: levantamos as necessidades do cliente, desenvolvemos e implantamos o sistema sob medida. 4. Existe venda de software pronto para terceiros? Não, não temos produtos de prateleira (ou seja, softwares prontos). 16 ANAIS DA CERSC

17 5. Esclarecer o sentido da expressão equipamentos e acessórios para computação sem o emprego de peças ou materiais. Seria o caso de venda? Não, apenas de representação. 6. Informar, se possível, o percentual financeiro correspondente a cada atividade secundária, dentre as atividades citadas na consulta. Atualmente, 100% do faturamento está estribado nas atividades listadas na pergunta 2. Com efeito, desde logo podemos afirmar que a empresa em questão exerce, efetivamente, de forma maciça uma vez que corresponde a 100% (cem) por cento de seu faturamento as atividades de locação de mão-de-obra de analistas de sistema e programadores e o desenvolvimento de sistemas específicos (software). Nesse caso, o critério de preponderância foi encontrado, na medida em que, ao se conjugar as informações atinentes ao faturamento da empresa com a natureza das funções efetivamente exercidas, uma vez que caracterizaram a unidade do produto, da operação ou do objetivo final, para o qual todas as demais atividades arroladas convergem, exclusivamente, em regime de conexão funcional o fornecimento de serviços de mão-de-obra e o desenvolvimento de software (sistemas específicos) para terceiros espécies de prestação de serviços voltados para o mercado de informática. Contudo, o enquadramento sindical será realizado levando-se em consideração essas duas atividades que, como bem salientado na resposta à questão de número 6 (seis), correspondem a 100% (cem por cento) do faturamento da empresa objeto de consulta. A atividade de locação de mão-de-obra de analistas de sistema e programadores, apesar de merecer enquadramento sindical, não se encontra expressamente prevista no Quadro de Atividades e Profissões que complementa o art. 577 da CLT, o ANAIS DA CERSC 17

18 que não permite o enquadramento pelo critério da especificidade (art. 570, da CLT). A locação de mão-de-obra é uma espécie de prestação de serviço que se exterioriza através de um contrato regulamentado pela Lei nº 6.019/74 que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dá outras providências. Pela exegese do artigo 1º da referida lei, podemos considerar que existe a locação de mão-de-obra, quando uma empresa locadora coloca seus empregados à disposição da locatária para executar trabalhos temporários, em local por esta determinada. Observe que o pessoal locado continua mantendo a condição de empregado na locadora, sendo por esta remunerada. Contudo, como anteriormente asseverado, a referida atividade não se encontra contemplada no Quadro de Atividades e Profissões, muito embora o Decreto nº /74 que regulamenta a Lei nº 6.019/74, em seu artigo 40, expressamente determinava que: Mediante proposta da Comissão de Enquadramento Sindical do Departamento Nacional de Trabalho, o Ministro do Trabalho incluirá as empresas de trabalho temporário e os trabalhadores temporários em categorias existentes ou criará categorias específicas no Quadro de Atividades e Profissões a que se refere o art. 577 da Consolidação das Leis do Trabalho. Desse modo, utilizaremos o critério da conexão ou similaridade, nos termos previstos no parágrafo único do art. 570 da CLT, para fins de verificar a possibilidade de integrar tal atividade em alguma das categorias econômicas integrantes do Plano do Comércio identificadas no dito Quadro de Atividades e Profissões. Vejamos os conceitos de conexão e similaridade extraídos da publicação Enquadramento Sindical no SICOMERCIO: CONEXIDADE (CONEXÃO) (v. similaridade): critério utilizado supletivamente para proceder ao enquadramento sindical de atividades não arroladas expressamente no Quadro de Atividades e Profissões (art. 511, 1º, CLT). 1. Conexas são as atividades que, não sendo semelhantes, complementam-se, como as várias atividades 18 ANAIS DA CERSC

19 existentes na construção civil, por exemplo: alvenaria hidráulica, esquadrias, pastilhas, pintura, parte elétrica etc. (Sergio Pinto Martins); 2. A conexidade pressupõe a complementariedade das notas definidoras de duas ou mais realidades (Wilson de Souza Campos Batalha); 3. Por conexa, entende-se uma relação observada nos fatos da vida real entre pessoas que concorrem para o mesmo fim (Evaristo de Moraes Filho). (...) SIMILARIDADE (v. conexidade): Critério utilizado supletivamente para proceder ao enquadramento sindical de atividades não arroladas expressamente no Quadro de Atividades e Profissões (art. 511, 1º, CLT). 1) Similares são as atividades que se assemelham, como as que numa categoria pudessem ser agrupadas por empresas que não são do mesmo ramo, mas de ramos que se parecem. (Sergio Pinto Martins); 2) A similaridade pressupõe que sejam as mesmas algumas notas definidoras de duas ou mais realidades, desde que sejam relevantes e não meramente acidentais. (Wilson de Souza Campos Batalha); 3) Com similar, quer se significar a existência de uma certa analogia entre as profissões. (Evaristo de Moraes Filho). Ressalvamos, ainda, que a atividade de locação de mão-deobra de analistas de sistema e programadores não está necessariamente vinculada àquela relativa ao desenvolvimento de software para uso próprio ou de terceiros. Isto porque em pesquisa no endereço eletrônico da empresa < restou esclarecido que a mesma dispõe de um banco de dados onde estão catalogados profissionais possibilitando a composição de equipes para atender as mais diversas necessidades, de acordo com o perfil solicitado pelo cliente. (documento anexo) Vale dizer, a empresa disponibiliza mão-de-obra especializada para desenvolver, manter e implantar o software nas instalações do cliente e/ou executar trabalhos temporários dentro das necessidades contratadas pelo terceiro. ANAIS DA CERSC 19

20 Levando-se em conta o fato de que a atividade de locação de mão-de-obra de analistas de sistema e programadores constitui prestação de serviços disponibilizado para aquele que contrata seus serviços, merece enquadramento, por similaridade, na categoria econômica empresas de assessoramento, perícias, informações e pesquisas, integrante do 3º grupo agentes autônomos do comércio do plano da CNC. Inúmeras decisões da extinta Comissão de Enquadramento Sindical CES, citada por José Carlos Arouca no seu Dicionário de Enquadramento Sindical, LTr., Vol. II, página 18, analisando casos análogos corroboram as assertivas anteriormente lançadas, senão vejamos: No atual Quadro de Atividades e Profissões a que se refere o art. 577 da CLT não existe especificamente a atividade de locadora de serviços ; entretanto, à luz do disposto no parágrafo único do citado artigo e considerando o critério de categorias similares ou conexas, possível sua integração na categoria econômica empresas de assessoramento, perícias, informações e pesquisas, do 3º grupo agentes autônomos do comércio (Proc. MTb /72, Rel. Paulo Roberto de Carvalho, DOU , pág ). Considerando que a empresa tem como objetivo social a locação de mão-de-obra, seu enquadramento faz-se na categoria econômica empresas de assessoramento, perícias, informações e pesquisas (Proc. MTb /82, Rel. Lúcio Henriques de Menezes, DOU , pág ). Já com relação a atividade de desenvolvimento de software (sistemas específicos) para uso próprio ou de terceiros podemos constatar, pelas respostas às indagações formuladas que o software é elaborado sob medida e diretamente para o consumidor final. Convém destacar, a título de esclarecimento, que a atividade de informática é dividida em dois segmentos: hardware (máquinas e equipamentos) e software (programas ou aplicativos que orientam o funcionamento do computador). 20 ANAIS DA CERSC

21 O desenvolvimento do software pela empresa em questão abrange o estudo e sua elaboração dentro das especificações ditadas por aquele que o encomendou, o que não deixa de caracterizar uma espécie de prestação de serviço, uma vez que o programa somente é criado em função da necessidade do cliente. A hipótese específica difere da revenda de programa pré-elaborado a consumidor indeterminado (comércio atacadista) ou a venda do mesmo diretamente para o consumidor final (comércio varejista) sendo que, para fins de maior aprofundamento na questão, recomendamos a leitura de Trabalho Técnico elaborado por essa Divisão Sindical, intitulado: A Informática e seu Enquadramento Sindical, que segue em anexo ao presente parecer. Nesse caso em se tratando de software elaborado sob medida e diretamente para consumidor final, a atividade está enquadrada na categoria econômica empresa de processamento de dados, integrante do 3º grupo agentes autônomos do comércio do plano da CNC. Definido o duplo enquadramento sindical da empresa TTY2000 Tecnologia e Sistemas Ltda., cabe-nos tecer algumas considerações sobre o Sindicato das Empresas de Processamento de Dados, Informática, Software e Serviços em Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais SINDINFOR/MG. Referida entidade sindical, originalmente denominava-se Sindicato das Empresas de Processamento de Dados do Estado de Minas Gerais, representante da categoria econômica das empresas de processamento de dados, com registro obtido junto ao Ministério do Trabalho e Emprego MTE, sem impugnação, em (data da publicação no DOU). Em foi protocolado seu pedido de registro de alteração estatutária a fim de contemplar sua denominação atual: Sindicato das Empresas de Processamento de Dados, Informática, Software e Serviços em Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais SINDINFOR/MG e ampliação de representação para a categoria econômica das empresas de ANAIS DA CERSC 21

22 processamento de dados, informática, software e serviços em tecnologia da informação, registro esse obtido, sem impugnação, em (data da publicação DOU), conforme demonstram os inclusos documentos obtidos no endereço eletrônico do MTE. Cabe aqui salientar, por oportuno, que não existe registro formalizado do aludido sindicato perante o Sicomercio, tão pouco até a presente data não se tem notícia de que o mesmo está filiado à Federação do Comércio do Estado de Minas Gerais. C O N C L U S Ã O Nessas condições, podemos concluir que a empresa TTY2000 Tecnologia e Sistemas Ltda. tem seu enquadramento definido no 3º grupo agentes autônomos do comércio do plano da CNC da seguinte forma: 1. Na categoria econômica das empresas de assessoramento, perícias, informações e pesquisas, relativamente a atividade de locação de mão-de-obra de analistas de sistema e programadores. 2. Na categoria econômica de empresa de processamento de dados, relativamente à atividade de desenvolvimento de software para uso próprio ou de terceiros. É o parecer S.M.J. Roberto Lopes Advogado 22 ANAIS DA CERSC

23 Processo CERSC nº Origem: Coimex Capital Empreendimentos Imobiliários Ltda. Rio de Janeiro, 23 de janeiro de Assunto: consulta. Enquadramento sindical. Atividade preponderante. Incorporação imobiliária. R E L A T Ó R I O A empresa Coimex Capital Empreendimentos Imobiliários Ltda., formula consulta acerca de seu enquadramento sindical. Inicialmente, afirmou-se que a sua atividade principal seria a incorporação de empreendimento imobiliário (fls. 02). A fim de obter maiores esclarecimentos, em 12 de dezembro de 2007, por meio eletrônico, solicitamos o encaminhamento de seus atos constitutivos, ou de seu alvará de licença de localização, possibilitando, assim, o exame de seu objeto social e a correta análise da questão ora suscitada (fls. 01). Em resposta, no dia 8 de janeiro de 2008 foi remetida cópia do contrato social da empresa (fls.03/06), no qual constam como objeto social da empresa as seguintes atividades: a) incorporação e construção de empreendimentos imobiliários constituídos de unidades autônomas, na forma da Lei nº 4.591/64 e do Código Civil em vigor, em imóveis próprios ou de terceiros, e a alienação a terceiros de unidades autônomas que o comporão; b) estudo, pesquisa e desenvolvimento de projetos imobiliários para realização de empreendimentos imobiliários; ANAIS DA CERSC 23

24 c) estruturação de projetos financeiros, envolvendo a realização de empreendimentos imobiliários e alienação a terceiros das unidades que o comporão; d) administração e gerenciamento de projetos e empreendimentos imobiliários, incluindo a administração da carteira de recebíveis; e) compra e venda de bens imóveis destinados à realização de empreendimentos imobiliários e alocação de bens imóveis; e f) participação em outras sociedades, como sócia ou acionista. Ante o rol de atividades que integram o objeto social, em 15 de janeiro de 2008, para exata identificação de sua atividade preponderante, foram formuladas as seguintes questões à consulente (fls. 07/08): 1) A Coimex desenvolve todas as atividades arroladas no citado art. 4º? 2) Em caso negativo, qual a atividade efetivamente praticada pela empresa? 3) A empresa desempenha atividade ligada ao setor da construção civil? Em resposta à citada diligência extraída, por meio eletrônico, no referente ao seu objeto social, restou esclarecido que: 1) A Coimex não desenvolve todas as atividades arroladas no citado art. 4º; 2) Dos itens do artigo 4º, a Coimex não pratica: (i) a construção civil (item a ) e (ii) o estudo, pesquisa e desenvolvimento de projetos imobiliários para realização de empreendimentos imobiliários (item b ); e que realiza todos os demais; 3) A empresa não desempenha atividade ligada ao setor da construção civil; e 4) A incorporação imobiliária é a atividade preponderante da Coimex Capital. 24 ANAIS DA CERSC

25 Por derradeiro, para regular instrução do processo, realizamos busca no site do GRUPO COIMEX, constituído dentre outras empresas, pela consulente COIMEX CAPITAL, ora consulente. Conforme noticiado no referido site, essa empresa é voltada para a incorporação imobiliária. Vejamos: Somados, os fatores resultaram na criação da mais nova empresa do Grupo, a Coimex Capital, voltada para a incorporação imobiliária. Com a missão de desenvolver empreendimentos imobiliários com padrão de qualidade, sem deixar de lado a responsabilidade sócio-ambiental e as boas práticas de governança corporativa, a Coimex Capital tem como foco os mercados do Espírito Santo e de São Paulo (Grupo Coimex investe no segmento imobiliário 26/02/2007). P A R E C E R À luz da Constituição Federal (art. 8º, II), o enquadramento deve ser feito por categoria profissional ou econômica, observado o Quadro de Atividades e Profissões a que se refere o art. 577 da CLT, no qual as atividades estão distribuídas por diversos grupos. Convém lembrar que o Quadro de Atividades e Profissões que complementa a CLT foi recepcionado pela Constituição da República, conforme decidiu o Supremo Tribunal Federal (RMS DF, Tribunal Pleno, Rel. Min. Marco Aurélio, RTJ 137, pág. 1131/ 1135). O que define o enquadramento sindical é a atividade preponderante da empresa, nos termos do disposto no 2º do art º Entende-se por atividade preponderante a que caracterizar a unidade de produto, operação ou objetivo final, para cuja obtenção todas as demais atividades convirjam, exclusivamente em regime de conexão funcional. ANAIS DA CERSC 25

26 Desse modo, para que se proceda ao enquadramento sindical da consulente, primeiro, é preciso definir a atividade preponderante por ela desempenhada pela empresa consulente. Para tanto, cumpre-nos, em primeiro plano, verificar, qual seu objeto social: a) incorporação e construção de empreendimentos imobiliários constituídos de unidades autônomas, na forma da Lei nº 4.591/64 e do Código Civil em vigor, em imóveis próprios ou de terceiros, e a alienação a terceiros de unidades autônomas que o comporão; b) o estudo, pesquisa e desenvolvimento de projetos imobiliários para realização de empreendimentos imobiliários; c) a estruturação de projetos financeiros, envolvendo a realização de empreendimentos imobiliários e alienação a terceiros das unidades que o comporão; d) administração e gerenciamento de projetos e empreendimentos imobiliários, incluindo a administração da carteira de recebíveis; e) a compra e venda de bens imóveis destinados à realização de empreendimentos imobiliários e alocação de bens imóveis; e f) a participação em outras sociedades, como sócia ou acionista. Pelo que se depreende dessa análise bem como das diligências constantes dos autos, observa-se que a empresa consulente tem por atividade preponderante a realização de empreendimentos imobiliários, notadamente a incorporação imobiliária. Saliente-se, no ponto, que para identificar a atividade preponderante da consulente, deve-se levar em conta, além do seu objeto social, as informações prestadas pelo seu patrono às fls. 07/08. Vê-se que o patrono da consulente é claro ao afirmar que a Comiex Empreendimentos Imobiliários Ltda. não pratica 1) construção civil e 2) estudo, pesquisa e desenvolvimento de proje- 26 ANAIS DA CERSC

27 tos imobiliários para realização de empreendimentos imobiliários, atividades constantes dos itens a e b do seu objeto social. Por outro lado, ressalva que a empresa realiza todas as demais atividades arroladas no contrato social da empresa quais sejam: 1) a incorporação de empreendimentos imobiliários constituídos de unidades autônomas, na forma da Lei nº 4.591/64 e do Código Civil em vigor, em imóveis próprios ou de terceiros, e a alienação a terceiros de unidades autônomas que o comporão; 2) a estruturação de projetos financeiros, envolvendo a realização de empreendimentos imobiliários e alienação a terceiros das unidades que o comporão; 3) a administração e gerenciamento de projetos e empreendimentos imobiliários, incluindo a administração da carteira de recebíveis; 4) a compra e venda de bens imóveis destinados à realização de empreendimentos imobiliários e alocação de bens imóveis; e 5) a participação em outras sociedades, como sócia ou acionista. Ao final, conclui que: Desta forma, resta caracterizada a incorporação imobiliária como atividade preponderante da Coimex Capital. Como se vê, todas aquelas atividades elencadas no seu objeto social compra e venda de imóveis, estruturação de projetos financeiros, administração de projetos imobiliários convergem em regime de conexão funcional para a atividade preponderante que é a incorporação imobiliária. Vale dizer, todas essas atividades são absorvidas pela incorporação imobiliária. A par disso, tem-se ainda a informação extraída do site no sentido de que a empresa é voltada para a incorporação imobiliária. Identificada, portanto, a atividade preponderante da empresa incorporação imobiliária passamos a conceituar essa atividade econômica, a fim de definir seu enquadramento sindical. A atividade de incorporação imobiliária está disciplinada na Lei nº 4.591/64, que dispõe sobre o condomínio em edificações e as incorporações imobiliárias. ANAIS DA CERSC 27

28 O art. 28 do citado diploma legal determina que considera-se incorporação imobiliária a atividade exercida com o intuito de promover e realizar a construção, para alienação total ou parcial, de edificações ou conjunto de edificações compostas de unidades autônomas. Como se depreende do texto legal, a incorporação imobiliária constitui um conjunto de atividades através das quais uma pessoa física ou jurídica constrói uma edificação e promove a alienação total ou parcial das unidades autônomas que a compõem. Por conta disso, tem-se como incorporadora a empresa que promove ou administra incorporações imobiliárias atividade essa praticada de forma preponderante pela consulente. A corroborar com essa assertiva, trazemos à colação o conceito de incorporação extraído da obra Vocabulário Jurídico, de Plácido e Silva, Editora Forense, 2001: Incorporação. Na terminologia dos negócios é aplicada a expressão para designar a iniciativa tomada por alguém com o intuito de realizar a construção do edifício de apartamentos sob o regime de condomínio, promovendo a colocação dos mesmos apartamentos entre pessoas que se mostrem interessadas em sua aquisição. A incorporação, neste aspecto, mostra-se em realidade, a instituição de prédio em condomínio apresentando-se o encarregado dessa incorporação verdadeiro fundador ou instituidor, em similar situação ao incorporador da sociedade anônima. Ocorre que a atividade econômica em foco incorporação imobiliária, apesar de merecer enquadramento sindical, não se encontra expressamente prevista no Quadro de Atividades e Profissões que complementa o art. 577 da CLT, o que não permite o enquadramento pelo critério da especificidade (art. 570, da CLT). Todavia, considerando o critério de conexão previsto no parágrafo único do art. 570 da CLT, pode-se enquadrar a atividade de incorporação imobiliária na categoria econômica empresas de compra, venda, locação e administração de imóveis residenciais e 28 ANAIS DA CERSC

29 comerciais, integrante do 5º grupo do plano do comércio turismo e hospitalidade. No ponto, merece destaque o conceito de conexão constante da publicação Enquadramento Sindical no SICOMERCIO: CONEXIDADE (CONEXÃO) (v. similaridade): critério utilizado supletivamente para proceder ao enquadramento sindical de atividades não arroladas expressamente no Quadro de Atividades e Profissões (art. 511, 1º, CLT). 1. Conexas são as atividades que, não sendo semelhantes, complementam-se, como as várias atividades existentes na construção civil, por exemplo: alvenaria hidráulica, esquadrias, pastilhas, pintura, parte elétrica etc. (Sergio Pinto Martins); 2. A conexidade pressupõe a complementariedade das notas definidoras de duas ou mais realidades (Wilson de Souza Campos Batalha); 3. Por conexa, entende-se uma relação observada nos fatos da vida real entre pessoas que concorrem para o mesmo fim (Evaristo de Moraes Filho). Desse modo, tendo em conta os conceitos trazidos à colação atinentes à incorporação imobiliária, e, ressalvado o fato de que a empresa não pratica atividade ligada à construção civil afeta ao plano da indústria, vê-se que a atividade em questão apesar de não estar prevista de forma expressa no Quadro de Atividades e Profissões a que se refere o art. 577 da CLT pode ser enquadrada por conexão na categoria econômica empresas de compra, venda, locação e administração de imóveis residenciais e comerciais. Frise-se, por oportuno, que essa atividade já vem sendo contemplada pelos sindicatos que representam a citada categoria econômica. No SICOMERCIO, por exemplo, com registro deferido, temos 2 (dois) sindicatos representativos da categoria empresas de compra, venda, locação e administração de imóveis residenciais e comerciais, que também representam a atividade de incorporação imobiliária: 1) Processo CERSC nº 147 referente ao Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação, Administração, Incorporação e ANAIS DA CERSC 29

30 Loteamentos de Imóveis e dos Edifícios em Condomínios Residenciais e Comerciais do Paraná SECOVI-PR. Decisão proferida em 8 de outubro de 2002, deferindo a alteração de denominação e representação da entidade representante da categoria econômica empresas de compra, venda, locação e administração de imóveis próprios ou de terceiros e de condomínios das incorporadoras de imóveis próprios ou de terceiros e condomínios das incorporadoras de imóveis das loteadoras, das urbanizadoras, dos edifícios em condomínios residenciais e comerciais e shopping centers, integrante do 5º grupo turismo e hospitalidade do plano da CNC; e 2) Processo CERSC nº referente ao Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação, Administração, Incorporação e Loteamentos de Imóveis e dos Edifícios em Condomínios Residenciais e Comerciais de Santa Catarina SECOVI-SC. Decisão proferida em 8 de janeiro de 2008, deferindo a alteração de denominação e representação da entidade representante da categoria econômica empresas de compra, venda, locação e administração de imóveis próprios ou de terceiros e condomínios das incorporadoras de imóveis, das loteadoras, das colonizadoras, das urbanizadoras, dos condomínios residenciais e comerciais e shopping centers, integrante do 5º grupo turismo e hospitalidade do plano da CNC. C O N C L U S Ã O Em face do exposto, considerando 1) que a atividade preponderante da consulente consiste na incorporação imobiliária; 2) que não há previsão expressa da atividade econômica por ela desenvolvida no Quadro de Atividades e Profissões, a que se refere o art. 577 da CLT; e 3) o critério de conexão, previsto no parágrafo único do art. 570 da CLT; sugerimos o enquadramento sindical da empresa Coimex Capital Empreendimentos Imobiliários Ltda. na categoria econômica empresas de compra, venda, locação e 30 ANAIS DA CERSC

31 administração de imóveis residenciais e comerciais integrante do 5º grupo do plano do comércio turismo e hospitalidade. É o parecer, S.M.J. Lidiane Duarte Nogueira Advogada ANAIS DA CERSC 31

32 Processo CERSC nº Origem: POLLOSHOP Participações e Empreendimentos Ltda. Rio de Janeiro, 24 de abril de Assunto: consulta. Enquadramento sindical. Shopping de descontos. Outlet. Empresas de compra, venda, locação e administração de imóveis residenciais e comerciais. R E L A T Ó R I O A empresa POLLOSHOP Participações e Empreendimentos Ltda., encaminha consulta acerca de seu enquadramento sindical. A consulta foi instruída com: 1. Cópia do cartão do CNPJ da empresa no qual consta como código e descrição da atividade econômica principal Incorporação de empreendimentos imobiliários; e 2. Cópia da cláusula quarta do contrato social pelo qual a sociedade tem por objeto: 1) promoção e administração de eventos comerciais e culturais; 2) venda de locação temporária de espaços físicos de dependências de terceiros, contratadas para tal fim; 3) participação em eventos e promoções de terceiros; empreendimentos comerciais; 4) serviços de promoção e organização de eventos e/ou cursos; 5) participação societária em empresas de idêntico objeto social; 6) administração de bens móveis e imóveis próprios ou de terceiros; Ante o rol de atividades que integram o objeto social da consulente, em 02 de abril de 2008, para exata identificação de 32 ANAIS DA CERSC

33 sua atividade preponderante, por meio eletrônico, foram formuladas as seguintes questões: 1. A Polloshop desenvolve todas as atividades arroladas no citado art. 4º? 2. Em caso negativo, qual a atividade efetivamente praticada pela empresa? 3. A empresa desempenha atividade ligada ao setor da construção civil? Em resposta à diligência extraída, em 10 de abril de 2008, a consulente esclareceu que: 1. Sim, todas as atividades lá descritas fazem parte daquelas desenvolvidas pelo Polloshop. Esclarecemos que algumas delas são bastante parecidas, mas, para uma maior abrangência são discriminadas de forma um pouco diferenciada. De toda forma, a atividade preponderante é locação temporária de espaços físicos de dependência comerciais próprias ou de terceiros e administração de centros comerciais (grifo nosso). 2. Prejudicada; 3. Não. É a Embrasad (outra empresa) que desenvolve atividade de construção civil. A par da diligência extraída, a fim de complementar a instrução do processo em análise, trazemos ainda à colação notícia extraída do site da empresa. Vejamos: A partir do início dos anos 90, graças a abertura do mercado nacional e ao advento da globalização, o perfil do consumidor brasileiro experimentou uma série de mudanças. Com o aumento da oferta de produtos e serviços, o consumidor, agora mais crítico e consciente, passou a optar por locais que aliassem variedade, qualidade, preço, comodidade e segurança. Com a difícil missão de oferecer tudo o que este novo consumidor exigia, em 29 de julho de 1995 foi inaugurado o PolloShop. O ANAIS DA CERSC 33

34 primeiro shopping de descontos do Paraná, com mais de 200 lojas em um amplo mix de produtos. Considerado pela imprensa especializada e por economistas do Paraná um fenômeno de público e de vendas, o PolloShop lota seus corredores desde quando inaugurou. Conquistando cada vez mais a confiança e a fidelidade de uma clientela selecionada, que encontra no variado mix, produtos de alta qualidade a preços menores, o PolloShop passou a ser visto como referência comercial para a população de Curitiba. A antiga fórmula usada pelos varejistas CUSTO + LUCRO = PREÇO, no PolloShop foi revista e transformada para PREÇO CUS- TO = LUCRO. Ou seja, o baixo custo de instalação e manutenção garante o lucro e permite ao lojista vender sempre mais barato, tornando seus produtos acessíveis a um maior público consumidor. (...) Para assegurar os melhores preços aos seus clientes, o empreendimento conta com um grande diferencial: a inexistência de custos obrigatórios dos shoppings tradicionais. (...) Outro diferencial do PolloShop é a relação de parceria entre os empreendedores e lojistas, cujo único objetivo é consolidar o sucesso de ambas as partes. Esta fórmula resulta na fidelização do cliente, comprovada ano a ano através de inúmeras pesquisas. P A R E C E R À luz da Constituição Federal (art. 8º, II), o enquadramento deve ser feito por categoria profissional ou econômica, observado o Quadro de Atividades e Profissões a que se refere o art. 577 da CLT, no qual as atividades estão distribuídas por diversos grupos. 34 ANAIS DA CERSC

35 Convém lembrar que o Quadro de Atividades e Profissões que complementa a CLT foi recepcionado pela Constituição da República, conforme decidiu o Supremo Tribunal Federal (RMS DF, Tribunal Pleno, Rel. Min. Marco Aurélio, RTJ 137, pág. 1131/ 1135). O que define o enquadramento sindical é a atividade preponderante da empresa, nos termos do disposto no 2º do art Desse modo, para que se proceda ao enquadramento sindical da consulente, primeiro, é preciso definir a atividade preponderante por ela desempenhada pela empresa consulente. Para tanto, cumpre-nos analisar seu objeto social: 1. Promoção e administração de eventos comerciais e culturais; 2. Venda de locação temporária de espaços físicos de dependências de terceiros, contratadas para tal fim; 3. Participação em eventos e promoções de terceiros; 4. Empreendimentos comerciais; 5. Serviços de promoção e organização de eventos e/ou cursos; 6. Participação societária em empresas de idêntico objeto social; 7. Administração de bens móveis e imóveis próprios ou de terceiros; Segundo informação prestada pela consulente, todas as atividades lá descritas fazem parte daquelas desenvolvidas pelo Polloshop. No entanto, afirma que a atividade preponderante é locação temporária de espaços físicos de dependência comerciais próprias ou de terceiros e administração de centros comerciais o que ensejaria o enquadramento na categoria econômica empresas de compra, venda, locação e adminis- ANAIS DA CERSC 35

Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio

Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Processo CERSC 1.398 Expediente DS nº 483/07 Origem: Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical O ENQUADRAMENTO SINDICAL DE EMPRESAS FRANQUEADORAS. Lidiane Duarte Nogueira Advogada

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical O ENQUADRAMENTO SINDICAL DE EMPRESAS FRANQUEADORAS. Lidiane Duarte Nogueira Advogada TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical O ENQUADRAMENTO SINDICAL DE EMPRESAS FRANQUEADORAS Lidiane Duarte Nogueira Advogada O presente estudo trata do enquadramento sindical de empresas franqueadoras. À luz

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS INTRODUÇÃO Dispõe o Art. 578 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que a contribuição devida aos sindicatos pelos que participam das categorias econômicas ou profissionais

Leia mais

PARECER JURÍDICO. ORIGEM: Departamento Jurídico. DESTINO: Diretor Titular da Secretaria de Finanças Prof. Amarildo Pedro Cenci

PARECER JURÍDICO. ORIGEM: Departamento Jurídico. DESTINO: Diretor Titular da Secretaria de Finanças Prof. Amarildo Pedro Cenci PARECER JURÍDICO ORIGEM: Departamento Jurídico DESTINO: Diretor Titular da Secretaria de Finanças Prof. Amarildo Pedro Cenci QUESTÃO: - A Contribuição Sindical de Professores que laboram em Instituições

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 22ª Vara do Trabalho de Porto Alegre

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 22ª Vara do Trabalho de Porto Alegre Fl. 1 Autor: Ministério Público do Trabalho Réu: Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio Grande do Sul VISTOS, ETC. Ministério Público do Trabalho ajuíza ação trabalhista contra Sindicato

Leia mais

TUXON SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA ME

TUXON SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA ME ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO MARCOS RODRIGO LIMA DO NASCIMENTO GOMES DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 04/2015 DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 04/2014 TUXON SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA EMENTA: Concurso público para o cargo de Supervisor Médico Pericial do INSS Em face das atividades desempenhadas pelo Supervisor médico pericial do INSS, podemos concluir que

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual 24/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 4 3. Análise da Legislação... 9 4. Conclusão... 10 5.

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 53850.000656/2015-72 Assunto: Restrição de acesso: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Não há

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana. Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana. Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER Nº 141/05 ENTIDADE SOLICITANTE: Procuradoria Jurídica ASSUNTO:

Leia mais

DESPACHO SEJUR N.º 520/2013

DESPACHO SEJUR N.º 520/2013 DESPACHO SEJUR N.º 520/2013 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 19/12 2013) Expediente n.º 10719/2013. Assunto: Análise jurídica quanto à possibilidade de dispensa/inexigibilidade de licitação para contratação

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 86 - Data 2 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ LUCRO PRESUMIDO. SERVIÇOS

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA EMENTA: A LEI Nº 6.839/80 CARACTERIZA A OBRIGAÇÃO DE REGISTRO NO CONSELHO RESPECTIVO EM RAZÃO DA ATIVIDADE PREPONDERANTE PRESTADA PELA EMPRESA. AS INSTITUIÇÕES MÉDICAS REGISTRADAS

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 312 - Data 6 de novembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS ATIVIDADE DE TREINAMENTO E

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/1/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/1/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/1/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério Público/Promotoria de Justiça

Leia mais

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PGT/CCR/ICP/2301/2012 ÓRGÃO OFICIANTE: PROCURADORA DO TRABALHO ELEONORA BORDINI COCA INTERESSADO 1: PRT INTERESSADO 2: SINDICATO DOS ENFERMEIROS DO ESTADO DE SÃO PAULO ASSUNTO:

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Instituto Educacional da Bahia Ltda. (IEB) UF: BA ASSUNTO: Credenciamento da Faculdade de Tecnologia de Valença,

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 60/10

PARECER CREMEB Nº 60/10 PARECER CREMEB Nº 60/10 (Aprovado em Sessão da 2ª Câmara de 28/10/2010) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 182.993/10 ASSUNTO: Registro de Clínicas Médicas em Conselhos fiscalizadores de profissões não médicas. RELATOR:

Leia mais

DESPACHO CFM nº 462/2012

DESPACHO CFM nº 462/2012 DESPACHO CFM nº 462/2012 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 06/02/2013) Expediente nº 8991/2012 Assunto: Registro de empresa nos Conselhos Regionais de Medicina. I DO RELATÓRIO Trata-se de consulta encaminhada

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-1189-64.2011.5.01.0037. A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/amf/ad/drs

PROCESSO Nº TST-RR-1189-64.2011.5.01.0037. A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/amf/ad/drs A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/amf/ad/drs RECURSO DE REVISTA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL FATO GERADOR CUMULAÇÃO DE REQUISITOS AUSÊNCIA DE EMPREGADOS ARTS. 109 E 114 DO CTN INTERPRETAÇÃO SISTEMÁTICA DA LEGISLAÇÃO

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 307/98 - Plenário - Ata 19/98 Processo TC nº 014.188/97-0 Interessado: Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados. Entidade:

Leia mais

- 1 - Exmo. Sr. Conselheiro:

- 1 - Exmo. Sr. Conselheiro: PARECER Nº : 089/CT/2008-1 - Exmo. Sr. Conselheiro: Versam os autos sobre consulta formulada pelo Presidente da Câmara Municipal de Mirassol D'Oeste, Sr. Francisco Amarante, que solicita parecer deste

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Despacho: Concordo. Envie-se a presente informação ao Senhor Diretor do Departamento Municipal de Gestão Urbanística, Arq. Duarte Lema. Anabela Moutinho Monteiro Chefe da Divisão Municipal

Leia mais

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012.

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012. OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012. Ao Senhor, CARLOS ALBERTO BEZERRA DE MIRANDA Diretor de Relações com Investidores da BAESA-ENERGETICA BARRA GRANDE S.A Avenida Madre

Leia mais

VALEC: Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro 1º CADERNO DE PERGUNSTAS E RESPOSTAS EDITAL PREGÃO N.º 007/07

VALEC: Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro 1º CADERNO DE PERGUNSTAS E RESPOSTAS EDITAL PREGÃO N.º 007/07 1º CADERNO DE PERGUNSTAS E RESPOSTAS EDITAL PREGÃO N.º 007/07 1) O ITEM 10.2.5, DO EDITAL, EXIGE DECLARAÇÃO DE VISTORIA A SER FEITA PELA LICITANTE, INFORMANDO NO MESMO ITEM O ENDEREÇO. A VISTORIA SERÁ

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR ELMO VAZ BASTOS DE MATOS, PRESIDENTE DA COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA CODEVASF.

ILUSTRÍSSIMO SENHOR ELMO VAZ BASTOS DE MATOS, PRESIDENTE DA COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA CODEVASF. ILUSTRÍSSIMO SENHOR ELMO VAZ BASTOS DE MATOS, PRESIDENTE DA COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA CODEVASF. PROCESSO Nº 59500.000938/2014-45 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 27/2014

Leia mais

V O T O. interposição deste recurso, foram observados os pressupostos gerais. de recorribilidade. Os documentos de folhas 43, 213 e 765 evidenciam

V O T O. interposição deste recurso, foram observados os pressupostos gerais. de recorribilidade. Os documentos de folhas 43, 213 e 765 evidenciam V O T O O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO (RELATOR) Na interposição deste recurso, foram observados os pressupostos gerais de recorribilidade. Os documentos de folhas 43, 213 e 765 evidenciam a regularidade

Leia mais

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil Interpretação do art. 966 do novo Código Civil A TEORIA DA EMPRESA NO NOVO CÓDIGO CIVIL E A INTERPRETAÇÃO DO ART. 966: OS GRANDES ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA DEVERÃO TER REGISTRO NA JUNTA COMERCIAL? Bruno

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06080/2009/RJ COGCE/SEAE/MF Referência: Ofício nº 7893/2008/SDE/GAB, de 02 de dezembro de 2008. Em 20 de fevereiro de 2009. Assunto:

Leia mais

PREGÃO 03/2015 ESCLARECIMENTOS. A quem possa interessar, apresentamos abaixo esclarecimentos face aos questionamentos feitos pela empresa a seguir:

PREGÃO 03/2015 ESCLARECIMENTOS. A quem possa interessar, apresentamos abaixo esclarecimentos face aos questionamentos feitos pela empresa a seguir: PREGÃO 03/2015 ESCLARECIMENTOS A quem possa interessar, apresentamos abaixo esclarecimentos face aos questionamentos feitos pela empresa a seguir: A) MACHADO LEITE E BUENO: 1- Informar a quantidade de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 772.818 - RS (2005/0132229-4) RELATOR : MINISTRO CASTRO FILHO RECORRENTE : LUCIANA GHELLER LUQUE ENGEL ADVOGADO : PAULO RICARDO DUARTE DE FARIAS E OUTRO RECORRIDO : BOURBON ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Acórdão-SE1 AT DEC 0000949-49.2012.5.12.0000

Acórdão-SE1 AT DEC 0000949-49.2012.5.12.0000 Acórdão-SE1 AT DEC 0000949-49.2012.5.12.0000 REPRESENTAÇÃO SINDICAL. CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS. CONDOMÍNIOS COMERCIAIS, MISTOS E DE SHOPPING CENTERS. SECOVI. O SECOVI é o representante sindical patronal

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP005258/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022823/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46219.010185/2011-77

Leia mais

- CÂMARA MUNICIPAL DE PINHEIROS EMENTA

- CÂMARA MUNICIPAL DE PINHEIROS EMENTA PROCESSO INTERESSADO ASSUNTO - TC-2073/2013 - CÂMARA MUNICIPAL DE PINHEIROS - CONSULTA EMENTA INTERPRETAÇÃO DO ARTIGO 29-A, 1º, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL - IMPOSSIBILIDADE DAS OBRIGAÇÕES PATRONAIS E ENCARGOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno

RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno 1. Processo nº: 12505/2011 (1 vol.) 2. Classe/Assunto: 3. Consulta / 5. Consulta acerca da legalidade do pagamento de despesas com internação de urgência do senhor João

Leia mais

Ilmos. Srs. VICAE VIÁRIO CONSTRUÇÕES, ARQUITETURA E EMPREEN-DIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. Av. Presidente Vargas nº 791 14401-110 - Franca - SP

Ilmos. Srs. VICAE VIÁRIO CONSTRUÇÕES, ARQUITETURA E EMPREEN-DIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. Av. Presidente Vargas nº 791 14401-110 - Franca - SP DEFINE A FUNÇÃO DOS CONSELHOS PROFISSIONAIS E A OBRIGATORIEDADE DE INSCRIÇÃO NO CRECI DE JURÍDICA ADMINISTRADORA DE IMÓVEIS Ilmos. Srs. VICAE VIÁRIO CONSTRUÇÕES, ARQUITETURA E EMPREEN-DIMENTOS IMOBILIÁRIOS

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO. Processo DC SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE SANTOS E REGIÃO,Carta Sindical: L017 P 033A, CNPJ/MF 58.238.536/0001-20,

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 104 Data 7 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico CIDE. PARTICIPAÇÃO EM

Leia mais

MÓDULO 12 OBRIGAÇÕES SINDICAIS 12.1 SINDICAL PATRONAL

MÓDULO 12 OBRIGAÇÕES SINDICAIS 12.1 SINDICAL PATRONAL MÓDULO 12 OBRIGAÇÕES SINDICAIS 12.1 CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. EXPEDIÇÃO: 23-12-2000 4ª EDIÇÃO SUMÁRIO ASSUNTO

Leia mais

2006-02-17 - PGT-CCR-67-2006

2006-02-17 - PGT-CCR-67-2006 Processo-PGT-CCR - 67/2006 Interessado 1: Ofícios de Uberlândia e Juiz de Fora(PRT 3ª Região) Interessado 2: PRT 3ª Região Assunto: Conflitos de atribuições entre Ofício e Sede (3ª Região) VOTO I - RELATÓRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/12/2007. (*) Portaria / MEC n 1.178, publicada no Diário Oficial da União de 06/12/2007. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

TEMÁTICA: A Modernização do Processo e a Ampliação da Competência da Justiça do Trabalho: Novas Discussões. AUTORA: Cinthia Maria da Fonseca Espada

TEMÁTICA: A Modernização do Processo e a Ampliação da Competência da Justiça do Trabalho: Novas Discussões. AUTORA: Cinthia Maria da Fonseca Espada TEMÁTICA: A Modernização do Processo e a Ampliação da Competência da Justiça do Trabalho: Novas Discussões AUTORA: Cinthia Maria da Fonseca Espada RESUMO A proposta deste trabalho é discutir vários aspectos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Porto Velho - Fórum Cível Av Lauro Sodré, 1728, São João Bosco, 76.803-686 e-mail:

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Porto Velho - Fórum Cível Av Lauro Sodré, 1728, São João Bosco, 76.803-686 e-mail: Vara: 1ª Vara Cível Processo: 0023257-48.2012.8.22.0001 Classe: Procedimento Ordinário (Cível) Requerente: Renata Terezinha Souza de Moraes Paschoal Rodrigues Requerido: Banco Bradescard S.A; Makro Atacadista

Leia mais

PARECER Nº 13.774. Superintendência do Porto de Rio Grande. Vale-refeição. Lei n. 10.002/93.

PARECER Nº 13.774. Superintendência do Porto de Rio Grande. Vale-refeição. Lei n. 10.002/93. PARECER Nº 13.774 Superintendência do Porto de Rio Grande. Vale-refeição. Lei n. 10.002/93. Provém da SUPERINTENDÊNCIA DO PORTO DE RIO GRANDE este processo administrativo que me foi distribuído para exame.

Leia mais

TIPO DE DECISÃO DETERMINARAM REGISTRO. NEGARAM REGISTRO. RESTABELECERAM A LEGALIDADE.

TIPO DE DECISÃO DETERMINARAM REGISTRO. NEGARAM REGISTRO. RESTABELECERAM A LEGALIDADE. Tipo Processo AUDITORIA DE ADMISSÃO Número 006431-02.00/10-1 Exercício 2009 Anexos 000000-00.00/00-0 Data 13/04/2011 Publicação 20/05/2011 Boletim 523/2011 Órgão Julg. TRIBUNAL PLENO Relator CONS. MARCO

Leia mais

DESPACHO SJ CFM n.º 106/2012

DESPACHO SJ CFM n.º 106/2012 Exp. CFM n.º 1678/2011 I DOS FATOS DESPACHO SJ CFM n.º 106/2012 Aprovado em Reunião de Diretoria 29/03/2012 Assunto: Registro. Empresa de Táxi Aéreo. Exercício da Medicina. Necessidade. Res. CFM n.º 1980/2011.

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório. Solução de Consulta Interna nº 11 Cosit Data 8 de maio de 2013 Origem

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório. Solução de Consulta Interna nº 11 Cosit Data 8 de maio de 2013 Origem Fl. 11 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 11 Data 8 de maio de 2013 Origem Coordenação Geral de Contencioso Administrativo e Judicial COCAJ Assunto: Imposto sobre a Renda

Leia mais

RELATÓRIO. Informações do MM. Juízo a quo, às fls. 55/56, comunicando a manutenção da decisão agravada.

RELATÓRIO. Informações do MM. Juízo a quo, às fls. 55/56, comunicando a manutenção da decisão agravada. RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL ALBERTO NOGUEIRA AGRAVANTE : FRANCISCO RECAREY VILAR ADVOGADO : MARCIO ANDRE MENDES COSTA AGRAVADO : FAZENDA NACIONAL ORIGEM : TERCEIRA VARA FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (200151015086382)

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 2ª SANTOS/SP Órgão Oficiante: DRA. GISELLE ALVES DE OLIVEIRA Interessado 1: SIGILOSO Interessado 2: NORTON NUMES RECUPERAÇÃO DE ATIVOS LTDA Assunto: TEMAS GERAIS 09.06.02.01. 09.06.03.01. JORNADA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/PP/Nº 3676/2013 ORIGEM: PTM DE SANTA MARIA - PRT 4ª REGIÃO PROCURADORA OFICIANTE: DRA. BRUNA IENSEN DESCONZI INTERESSADO 1: ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO INTERESSADO 2: SINDICATO DOS TRABALHADORES

Leia mais

São Paulo, 08 de novembro de 2013. À Comissão de Valores Mobiliários Superintendência de Relações com Empresas Sr. Fernando Soares Vieira

São Paulo, 08 de novembro de 2013. À Comissão de Valores Mobiliários Superintendência de Relações com Empresas Sr. Fernando Soares Vieira São Paulo, 08 de novembro de 2013. À Comissão de Valores Mobiliários Superintendência de Relações com Empresas Sr. Fernando Soares Vieira C/c: BM&FBovespa S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros At.:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06152/2009/RJ COGCE/SEAE/MF Referência: Ofício nº 147/2009/SDE/GAB, de 15 de janeiro de 2009. Em 31 de março de 2009 Assunto:

Leia mais

Apreciação de Recurso Administrativo Pregão Eletrônico nº. 24/2008

Apreciação de Recurso Administrativo Pregão Eletrônico nº. 24/2008 Processo: A 08/376 Interessado: Gerência de Recursos Humanos Assunto: Contratação de Empresa Especializada em administração, gerenciamento, emissão, distribuição e fornecimento de documentos de legitimação,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/05/2008 (*) Portaria/MEC nº 569, publicada no Diário Oficial da União de 12/05/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Pará

Tribunal de Contas do Estado do Pará RESOLUÇÃO Nº 16.769 (Processo nº. 2003/51606-1) Assunto: Consulta formulada pelo MINISTÉRIO PÚBLICO DO ES- TADO visando esclarecer se os valores correspondentes ao Imposto de Renda Retido na Fonte sobre

Leia mais

Aplicação de recursos do Fundo Especial de Royalties: possibilidades e vedações

Aplicação de recursos do Fundo Especial de Royalties: possibilidades e vedações Aplicação de recursos do Fundo Especial de Royalties: possibilidades e vedações CONSULTA N. 838.756 EMENTA: CONSULTA PREFEITURA MUNICIPAL I. RECURSOS DO FUNDO ESPECIAL DE ROYALTIES/ PETRÓLEO APLICAÇÃO

Leia mais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais Gestão Financeira de Entidades Sindicais Constituição Federal Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

Leia mais

SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO VAREJISTA DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS NO ESTADO DE GOIÁS - SECOM

SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO VAREJISTA DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS NO ESTADO DE GOIÁS - SECOM MINUTA DE REIVINDICAÇÃO SALARIAL APROVADA NA ASSEMBLEIA GERAL DA CATEGORIA PARA VIGORAR NO ANO 2013/2014, DATA BAS - 2013, OCORRIDA EM 15.03.2013. TERMO REIVINDICATÓRIO DE REAJUSTES E MELHORIAS SALARIAIS

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL OBRIGATORIEDADE

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL OBRIGATORIEDADE FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Os artigos 578 e 579 da CLT preveem que as contribuições devidas aos sindicatos, pelos que participem das categorias econômicas ou profissionais ou das profissões liberais representadas

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SR. PREGOEIRO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL UFFS. Pregão 068/2011 - Processo Administrativo n. 23205.

ILUSTRÍSSIMO SR. PREGOEIRO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL UFFS. Pregão 068/2011 - Processo Administrativo n. 23205. ILUSTRÍSSIMO SR. PREGOEIRO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL UFFS Pregão 068/2011 - Processo Administrativo n. 23205.008428/2011-14 O SEAC/SC - SINDICATO DAS EMPRESAS DE ASSEIO, CONSERVAÇÃO E SERVIÇOS

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA Ordem de Serviço: 03/2014/CGM-AUDI Unidade Auditada: Contrato de Gestão nº 001/2013 Celebrado entre a Fundação Theatro Municipal de São Paulo e o Instituto Brasileiro de Gestão Cultural

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 460.698-6 - 26.08.2004

APELAÇÃO CÍVEL Nº 460.698-6 - 26.08.2004 -1- EMENTA: ANULATÓRIA ADMINISTRADORAS DE CARTÃO DE CRÉDITO NÃO INTEGRAÇÃO AO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ENCARGOS LIMITAÇÃO CLÁUSULA MANDATO VALIDADE APORTE FINANCEIRO OBTIDO NECESSIDADE DE COMPROVAÇÃO.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 22 21 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 206 - Data 11 de julho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF REFORMA A SOLUÇÃO DE

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 18ª Junta de Recursos

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 18ª Junta de Recursos Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 18ª Junta de Recursos Número do Processo: 44232.470324/2015-48 Unidade de Origem: AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SÃO LEOPOLDO

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.939, DE 2015 (Do Sr. Weverton Rocha)

PROJETO DE LEI N.º 1.939, DE 2015 (Do Sr. Weverton Rocha) *C0054196A* C0054196A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.939, DE 2015 (Do Sr. Weverton Rocha) Dispõe sobre a criação e a estruturação do regime jurídico de Advogado de Empresa Estatal Federal e

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO 1.ª Vara do Trabalho de Joinville/SC.

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO 1.ª Vara do Trabalho de Joinville/SC. Reclamante: Thiago Ivo Pereira Reclamado: 1) Probank S.A (Em recuperação judicial). 2) Caixa Econômica Federal Aos 19 dias do mês setembro de 2011, na sala de audiências da 1.ª Vara do Trabalho de Joinville,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 19 18 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 262 - Data 26 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE NA PRESTAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977.

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO N o 18, DE 10.02.72, DO CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DE 27.03.72. CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

Leia mais

HOMOLOGADO EM 07/10/2002 1

HOMOLOGADO EM 07/10/2002 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: UF: MEC/Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação DF ASSUNTO: Consulta sobre a situação legal dos cursos de Odontologia,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO UNIFICADO: FORMAÇÕES SIG. Identificação

PROJETO PEDAGÓGICO UNIFICADO: FORMAÇÕES SIG. Identificação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PROJETO PEDAGÓGICO UNIFICADO: FORMAÇÕES SIG Campus: Reitoria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 14/01/2009 (*) Portaria/MEC nº 58, publicada no Diário Oficial da União de 14/01/2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Quadro comparativo sobre propostas de regulamentação da terceirização do trabalho

Quadro comparativo sobre propostas de regulamentação da terceirização do trabalho Quadro comparativo sobre propostas de regulamentação da terceirização do trabalho PL do deputado Sandro Mabel (PL 4.330/2004) Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/PP/Nº 10363/2013 ORIGEM: PRT 1ª REGIÃO PROCURADOR OFICIANTE: DR. SANDRO HENRIQUE FIGUEIREDO CARVALHO DE ARAUJO INTERESSADO 1: MPT INTERESSADO 2: COOPERATIVA DE PROFISSIONAIS DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes *

ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes * ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes * Pesquisas indicam que o desemprego é um dos maiores problemas, senão o maior, enfrentados pela população brasileira

Leia mais

Memorando nº 16/2015-CVM/SEP Rio de Janeiro, 19 de janeiro de 2015.

Memorando nº 16/2015-CVM/SEP Rio de Janeiro, 19 de janeiro de 2015. 1 de 5 27/02/2015 17:50 Memorando nº 16/2015-CVM/SEP Rio de Janeiro, 19 de janeiro de 2015. PARA: SGE DE: SEP Assunto: Recurso contra aplicação de multa cominatória COMPANHIA DE ÁGUAS DO BRASIL CAB AMBIENTAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 21/01/2008. (*) Portaria/MEC nº 107, publicada no Diário Oficial da União de 21/01/2008. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 01 /DMSC/DSST/SIT Brasília, 14 de janeiro de 2005.

NOTA TÉCNICA N.º 01 /DMSC/DSST/SIT Brasília, 14 de janeiro de 2005. NOTA TÉCNICA N.º 01 /DMSC/DSST/SIT Brasília, 14 de janeiro de 2005. ASSUNTO: Médico do Trabalho. Definição. INTERESSADO: Associação Nacional de Medicina do Trabalho - ANAMT EMENTA: Médico do Trabalho.

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-143700-45.2008.5.01.0343. A C Ó R D Ã O (3ª Turma) GMMGD/rmc/ef

PROCESSO Nº TST-RR-143700-45.2008.5.01.0343. A C Ó R D Ã O (3ª Turma) GMMGD/rmc/ef A C Ó R D Ã O (3ª Turma) GMMGD/rmc/ef AGRAVO DE INSTRUMENTO DO RECLAMANTE. RECURSO DE REVISTA. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO. INCLUSÃO DO NOME DO EMPREGADO EM LISTA DE RISCO. DANOS MORAIS. REFERÊNCIA

Leia mais

Processo Administrativo nº RJ 2008-1794. (Reg. Col. nº 5973/2008) RELATÓRIO

Processo Administrativo nº RJ 2008-1794. (Reg. Col. nº 5973/2008) RELATÓRIO Processo Administrativo nº RJ 2008-1794 (Reg. Col. nº 5973/2008) Interessado: MZ Consult Serviços e Negócios Ltda. Assunto: Consulta sobre a possibilidade de utilização de procuração digital de voto em

Leia mais

PREFEITURA DE TRÊS CORAÇÕES Terra do Rei Pelé

PREFEITURA DE TRÊS CORAÇÕES Terra do Rei Pelé Três Corações, 07 de Janeiro de 2016 Julgamento de Recurso Processo: 00294/2015 Pregão: 00163/2015 Objeto: Contratação de empresa especializada em confecção e fornecimento de cartões alimentação, processamento

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 82 81 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 319 - Data 17 de novembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS TRANSPORTE AÉREO - AFRETAMENTO

Leia mais

Brasília, 4 de dezembro de 2015. NOTA JURÍDICA. Assunto: Direito constitucional de greve. Lançamento de faltas injustificadas. Impossibilidade.

Brasília, 4 de dezembro de 2015. NOTA JURÍDICA. Assunto: Direito constitucional de greve. Lançamento de faltas injustificadas. Impossibilidade. Brasília, 4 de dezembro de 2015. NOTA JURÍDICA Assunto: Direito constitucional de greve. Lançamento de faltas injustificadas. Impossibilidade. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS PERITOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL,

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 5/4/2010, Seção 1, Pág. 44. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 5/4/2010, Seção 1, Pág. 44. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 5/4/2010, Seção 1, Pág. 44. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério Público Federal/Procuradoria da

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PODER JUDICIÁRIO Conselho da Magistratura

Estado do Rio de Janeiro PODER JUDICIÁRIO Conselho da Magistratura Processo nº: 0061537-72.2012.8.19.0001 Suscitante: Cartório do 9º Ofício de Registro de Imóveis da Capital/RJ Interessado: Octávio José Ferreira da Silva Relator: Desembargador MARCUS BASÍLIO REEXAME NECESSÁRIO.

Leia mais

5. A qualidade de segurado obrigatório está insitamente ligada ao exercício de atividade

5. A qualidade de segurado obrigatório está insitamente ligada ao exercício de atividade PROCURADOR FEDERAL 1998 (ADAPTADA) Com relação à certidão negativa de débito, julgue os seguintes itens. 1. A certidão negativa de débito, cujo o prazo de validade é de 180 dias, não será exigida das microempresas

Leia mais

ANÁLISE MARCELO BECHARA DE SOUZA HOBAIKA

ANÁLISE MARCELO BECHARA DE SOUZA HOBAIKA CONSELHEIRO RELATOR ANÁLISE NÚMERO E ORIGEM: 201/2013-GCMB DATA: 22/03/2013 MARCELO BECHARA DE SOUZA HOBAIKA 1. ASSUNTO Pedido formulado por BRASIL TELECOMUNICAÇÕES S/A, Concessionária do Serviço de TV

Leia mais

EXTRATO DE CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS

EXTRATO DE CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS EXTRATO DE CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS SCHULTZ-INGÁ TURISMO LTDA, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob o n.º 04.628.135/0001-57 com sede na cidade de Curitiba, estado do

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 04/2014 Rio de Janeiro, 17 de março de 2014. Ilmo Provedor / Presidente a/c: Recursos Humanos / Departamento Pessoal Complementando informações repassadas deste Sindicato e diante do volume de

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 17/11/2008 (*) Portaria/MEC nº 1.390, publicada no Diário Oficial da União de 17/11/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Relatório. Data 3 de julho de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF

Relatório. Data 3 de julho de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 4 - Cosit Data 3 de julho de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SUBSTITUTIVA.

Leia mais

uso in vitro são aceitos os seguintes documentos como comprovação do cumprimento das Boas Práticas de Fabricação e Controle:

uso in vitro são aceitos os seguintes documentos como comprovação do cumprimento das Boas Práticas de Fabricação e Controle: 1. Vamos registrar um contador hematológico. Gostaríamos de saber como registrar os reagentes de uso exclusivo para ele (tampão de diluição, solução de limpeza, lisante). Como devemos classificar estes

Leia mais

O presente caso pretende ser usado para elucidar os questionamentos quanto a dedutibilidade de despesas operacionais de acordo com o exposto.

O presente caso pretende ser usado para elucidar os questionamentos quanto a dedutibilidade de despesas operacionais de acordo com o exposto. 1 INTRODUÇÃO O presente caso pretende ser usado para elucidar os questionamentos quanto a dedutibilidade de despesas operacionais de acordo com o exposto. Através de um levantamento na legislação que trata

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 151 - Data 17 de junho de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SIMPLES NACIONAL. AGÊNCIAS DE PROPAGANDA E PUBLICIDADE.

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 343/93 - Plenário - Ata 33/93 Processo nº TC 008.731/93-4 Interessado: Ministro Jutahy Magalhães Júnior Órgão: Ministérios do Bem-Estar Social. Relator:

Leia mais

PARAMETRIZAÇÃO RMS RETAIL X LOJA ELETRÔNICA

PARAMETRIZAÇÃO RMS RETAIL X LOJA ELETRÔNICA PARAMETRIZAÇÃO RMS RETAIL X LOJA ELETRÔNICA RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos relacionados à atuação do auditor no âmbito do mercado de valores mobiliários

Assunto: Esclarecimentos relacionados à atuação do auditor no âmbito do mercado de valores mobiliários COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Rua Sete de Setembro, 111/2-5º e 23-34º Andares Centro Rio de Janeiro - RJ CEP: 20050-901 Brasil Tel.: (21) 3554-8686 - www.cvm.gov.br OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SNC/GNA/n.º 01/2016

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 123 - Data 28 de maio de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ LUCRO PRESUMIDO. VENDA

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 739/2012/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP

NOTA INFORMATIVA Nº 739/2012/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Pública Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais de Pessoal Coordenação-Geral de Elaboração, Orientação e Consolidação das Normas

Leia mais

3 ASSUNTOS CONTÁBEIS, DE CONTROLE INTERNO E DE GESTÃO

3 ASSUNTOS CONTÁBEIS, DE CONTROLE INTERNO E DE GESTÃO Vitória/ES, 12 de maio de 2016. Ofício do CRP16/ES Nº205/2016 A AUDILINK & CIA. AUDITORES Sra. Maria Elizabete Morais Assunto: Manifestação do CRP16/ES, referente ao Relatório de Auditoria do exercício

Leia mais