Recessão técnica: economia está há cinco trimestres sem crescer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recessão técnica: economia está há cinco trimestres sem crescer"

Transcrição

1 Sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Ano XIII Nº.968 R$,00 Paralisia Infantil A Secretaria de Estado da Saúde encerra nesta segunda-feira (31) a campanha de vacinação contra a paralisia infantil. Pais de crianças entre seis meses e cinco anos devem levar seus filhos para receber a vacina Sabin. Até o momento, 1,4 milhão de doses foram aplicadas em todo o Estado. A meta é vacinar,3 milhões de criança, o que representa 95% do público-alvo. O resultado do PIB do segundo trimestre de 015, divulgado pelo IBGE, mostra que a economia brasileira está há cinco trimestres consecutivos sem crescer. De abril a junho de 015, a soma das riquezas produzidas pelo Brasil caiu 1,9% em relação a janeiro, fevereiro e março, a maior queda desde o primeiro trimestre de 009. Nos três primeiros meses deste ano, a economia caiu 0,7% em relação aos últimos meses de 014. O segundo semestre do ano passado foi marcado por taxas estáveis. No quarto trimestre, não houve variação do PIB e, no terceiro, a economia variou positivamente 0,1%, o que não é considerado crescimento pelo IBGE. Já no segundo trimestre de 014, houve uma queda de 1,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior, o último de crescimento da economia brasileira, que subiu 0,7%. A coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca de La Rocque Palis, disse que todas as atividades econômicas foram afetadas. O PIB é a medida síntese da economia. Existe uma deterioração de praticamente todos os indicadores econômicos, destacou. Existe uma turbulência política e indicadores econômicos fracos que estão tendo impacto importante sobre praticamente todas as atividades econômicas, acrescentou. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o PIB caiu,6%, quinta retração seguida nos Reprodução Recessão técnica: economia está há cinco trimestres sem crescer números trimestrais e também a mais intensa desde o primeiro trimestre de 009. O indicador que mede investimentos feitos pela economia brasileira também registrou queda, pelo oitavo trimestre seguido, no segundo trimestre de 015. A Formação Bruta de Capital Fixo caiu 8,1% na comparação com o primeiro trimestre de 015 e 11,9% em relação ao segundo trimestre de 014. A retração registrada em relação a 014 foi a maior da série histórica do IBGE, que começou no primeiro trimestre de O resultado fez com que a taxa de investimentos caísse para 17,8% do PIB, contra 19,5% no ano anterior e 0,7% em 013. A coordenadora de contas nacionais do A retração da indústria foi mais intensa na construção civil, que apresentou desempenho 8,4% menor que no primeiro trimestre. IBGE, Rebeca de La Rocque Palis, explicou que a queda nos investimentos é influenciada por baixos índices de confiança, juros mais altos e crédito menos abundante. Vários bens que são considerados investimentos são bens de um preço unitário elevado e que dependem de um financiamento, disse (ABr). Dilma afirma que governo vai garantir a volta do crescimento São Paulo - Em cerimônia de entrega de unidades do Minha Casa Minha Vida, em Caucaia (CE), na sexta-feira (8), a presidente Dilma Rousseff voltou a afirmar que o Brasil é um país forte e que vai superar suas dificuldades. Tem uma minoria que aposta sempre no quanto pior, melhor. São pessoas que pescam em águas turvas e, quando as águas estão claras, nunca conseguem o que querem. Nós temos a clareza que o Brasil é um país forte, que vai crescer, vai superar suas dificuldades, que são momentâneas, afirmou. Dilma disse ainda que o Brasil tem muito o que preservar e que não vai permitir retrocessos, nem nos programas sociais nem na democracia. A presidente também falou sobre o cenário econômico, afirmando que o governo pensa em aumentar o emprego e garantir a volta do crescimento. Vocês acham que a situação está incerta, que a inflação está alta, vocês Roberto Stuckert Filho/PR Dilma Rousseff, durante visita à unidade habitacional em Caucaia/CE. temem perder o emprego, mas o meu governo pensa em aumentar o emprego e garantir a volta do crescimento, disse. Também queremos reduzir a inflação, porque sabemos que a inflação corrói a renda do trabalhador. Dilma recebeu apoio da plateia, que a saudou com gritos de Não vai ter golpe. Ela lembrou o projeto de interligação do Rio São Francisco e elogiou a visão do ex-governador Cid Gomes de garantir o abastecimento de água na região metropolitana de Fortaleza. Nos últimos treze anos o Nordeste brasileiro foi completamente transformado. Ainda falta muito a fazer, mas mostramos que juntos somos capazes, afirmou a presidente (AE). Emprego na construção cai pela 17ª vez O nível de emprego na construção civil brasileira registrou queda de 1,9% em julho, na comparação com o mês anterior. Considerando a sazonalidade, o indicador caiu 0,87%. Essa é a 17ª queda mensal consecutiva e representa corte de 486,6 mil postos de trabalho. Em 1 meses, houve redução de 414,1 mil vagas, com retração de 11,67%. Os dados são da pesquisa de emprego do SindusCon-SP, em parceria com a FGV, e com base em informações do Ministério do Trabalho. Os segmentos imobiliários apresentaram queda de 14,06%, já os de infraestrutura sofreram retração de 15,4%. Esses setores foram os que mais demitiram nos últimos 1 meses. O indicador de preparação de terreno surge na sequência, com declínio de 10,6%. O número de trabalhadores com carteira assinada na construção era 3,134 milhões no final de julho. De janeiro a julho deste ano, foram cortados 184,6 mil empregos (ABr). Aécio Neves: o pior ainda está por vir Brasília - O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), afirmou que o resultado do PIB traduz o desastre econômico em curso no Brasil. E que o País cresce menos que quase todos os países do mundo, tem uma das mais altas taxas de inflação entre as economias minimamente organizadas e pratica as maiores taxas de juros do planeta, disse, em nota. Para Aécio, o quadro recessivo permanecerá pelo menos por dois anos consecutivos - algo que não ocorre no País há mais de 80 anos. Quem fingiu não saber da crise, hoje finge que governa. Segundo o tucano, as estatísticas representam o cotidiano de dificuldades que os brasileiros enfrentam em seu dia a dia, como a alta dos preços e do desemprego em ascensão, queda na renda, aumento do endividamento recorde e do número de pedidos de falência das empresas. Ao mesmo tempo, com o arrocho recessivo, o governo dificulta o acesso a benefícios Divulgação Senador Aécio Neves sociais no momento em que os cidadãos mais precisam, especialmente os mais pobres, os que menos têm, disse Para o presidente do PSDB, o pior ainda está por vir. O olhar equivocado da presidente, apontando uma travessia, infelizmente, não enxerga e reconhece o deserto de oportunidades, de perspectivas e de esperança (AE). População brasileira cresce 7,1% em 5 anos e supera 04 milhões A população brasileira superou a marca dos 04 milhões de habitantes neste ano. Segundo estimativas do IBGE, o país tinha, em 1 de julho, habitantes. No ano passado, a população estimada era O estado mais populoso do país, São Paulo, tem 44,4 milhões de pessoas. Mais cinco estados têm populações que superam os 10 milhões de habitantes: Minas Gerais (0,87 milhões), Rio de Janeiro (16,55 milhões), Bahia (15, milhões), Rio Grande do Sul (11,5 milhões) e Paraná (11,16 milhões). Três estados têm populações menores do que 1 milhão: Roraima (505,7 mil), Amapá (766,7 mil) e Acre (803,5 mil). As demais unidades da Federação têm as seguintes populações: Pernambuco (9,34 milhões), Ceará (8,9 milhões), Pará (8,17 milhões), Maranhão (6,9 milhões), Santa Catarina (6,8 milhões), Goiás (6,61 milhões), Paraíba (3,97 milhões), Arquivo/ABr O estado de São Paulo é o mais populoso, com 44,4 milhões de habitantes. Amazonas (3,94 milhões), Espírito Santo (3,93 milhões), Rio Grande do Norte (3,44 milhões), Alagoas (3,34 milhões), Mato Grosso (3,6 milhões), Piauí (3, milhões), Distrito Federal (,91 milhões), Mato Grosso do Sul (,65 milhões), Sergipe (,4 milhões), Rondônia (1,77 milhão) e Tocantins (1,51 milhão) (ABr). Empresários reprovam o sistema tributário A Confederação Nacional da Indústria (CNI) informou, com base em pesquisa, que 70% das empresas reprovam o sistema tributário brasileiro. Os empresários consideram o sistema tributário complexo, pouco transparente, com estrutura tributária que não respeita os direitos, não oferece garantias aos contribuintes e traz insegurança jurídica. A sondagem abrangeu.6 empresários de todo o país. O levantamento mostra que o número de impostos foi o item com a pior avaliação: 90% dos entrevistados o consideraram ruim ou muito ruim. O item simplicidade teve 85% de respostas muito ruim ou ruim. O de estabilidade nas regras foi avaliado como muito ruim ou ruim por 8% dos empresários. A tributação excessiva, com 85% das menções registradas pelos empresários, lidera a lista de características negativas dos impostos brasileiros (ABr). Justiça nega liberdade a Champinha Pastore ataca proposta da CPMF e diz que governo é fraco Campos do Jordão - O expresidente do Banco Central (BC) Affonso Celso Pastore disse que se o governo eventualmente enviar a proposta para recriar a CPMF ao Congresso é porque acredita que a mesma será aprovada. Iremos rever algo que achei que estivesse extinto, disse no 7º Congresso Internacional de Mercados Financeiro e de Capitais, organizado pela BM&FBovespa. Pastore disse que o governo é fraco e não consegue cortar seus gastos. Os gastos são incompatíveis com as receitas, disse. Segundo ele, o governo é politicamente frágil e não consegue controlar a inflação, que na sua avaliação, continuará em alta. São Paulo - A Justiça de São Paulo decidiu manter mais uma vez a internação de Roberto Aparecido Alves, mais conhecido como Champinha, condenado por torturar e matar em 003, quando tinha 16 anos, Liana Friedenbach, de 16 anos, e Felipe Caffé, de 19 anos. A pedido da Defensoria Pública, esta foi a terceira vez Ruy Hiza Ex-presidente do BC, Affonso Celso Pastore. A sociedade vê economia em crise, desemprego crescendo, irritação crescendo e isso é uma pressão. Congresso deveria olhar para isso e ver que País estamos construindo, afirmou. Já o ex-ministro da Fazenda Delfim Netto, que participou do mesmo congresso, disse que o limite de sua tolerância com a presidente Dilma Rousseff foi quando o governo transformou a dívida pública em superávit primário. Ali eu parei. Era inútil, disse o ex-ministro ao ser questionado sobre o que teria feito a presidente perder o seu apoio. Questionado pela jornalista Ana Paula Padrão, sobre o porquê de o ex-ministro ter mudado de opinião a respeito do governo após ter sido consultor econômico de Dilma, Delfim respondeu com ironia: Você acredita no que escreve a imprensa? (AE). neste ano que o pedido de liberação de Champinha foi avaliado. Novos laudos psiquiátricos e psicossociais serão apresentados em março de 016. O processo corre em segredo de justiça. Champinha cumpriu três anos de internação psiquiátrica em uma unidade especial, mas não foi liberado após o fim da medida (AE). Viver é enfrentar um problema atrás do outro. O modo como você o encara é que faz a diferença. Benjamin Franklin ( ) Diplomata estadunidense BOLSAS O Ibovespa: -1,18% Pontos: ,86 Máxima de +0,33% : pontos Mínima de -1,8% : pontos Volume: 6,91 bilhões Variação em 015: -5,71% Variação no mês: -7,9% Dow Jones: -0,07% (18h00) Pontos: ,01 (18h00) Nasdaq: +0,3% Pontos: 4.88,33 Ibovespa Futuro: -1,87% Pontos: Máxima (pontos): Mínima (pontos): Global 40 Cotação: 894,547 centavos de dólar Variação: -1,91%. CÂMBIO Dólar comercial no balcão Compra: R$ 3,580 Venda: R$ 3,5830 Variação: +0,56% - Dólar Paralelo Compra: R$ 3,67 Venda: R$ 3,77 Variação: +0,6% - Dólar Ptax Compra: R$ 3,5784 Venda: R$ 3,5790 Variação: +0,66% - Dólar Turismo Compra: R$ 3,5500 Venda: R$ 3,7500 Variação: +1% - Dólar Futuro (setembro) Cotação: R$ 3.584,00 Variação: +0,73% - Euro (18h00) Compra: US$ 1,118 Venda: US$ 1,1185 Variação: -0,55% - Euro comercial Compra: R$ 4,0050 Venda: R$ 4,0070 Variação: -0,15% - Euro turismo Compra: R$ 3,9530 Venda: R$ 4,300 Variação: +0,95%. JUROS CDB prefixado de 30 dias, 14,15% ao ano. - Capital de giro, 15,14% ao ano. - Hot money, 1,53% ao mês. - CDI, 14,13% ao ano. - Over a 14,15%. OURO Ouro Cotação: US$ 1.134,00 a onçatroy (1 onça-troy equivale a 31,1035 gramas) Variação: +1,03% - Ouro BM&F (à vista) Cotação: 130,150 Variação: +1,68%.

2 Página Geral OPINIÃO Pequenas empresas e universidade: parceria necessária No Brasil a relação universidade-empresa nem sempre caminhou a bom termo Permeada de desconfianças de ambos os lados, todos perderam com a falta de entrosamento e principalmente o país. No caso das pequenas empresas o caso é mais grave ainda, pois estas nem sempre possuem o capital necessário para a contratação de consultorias para aperfeiçoarem seus processos de gestão ou implantarem novos sistemas que as tornariam mais competitivas. Embora nos últimos anos tenha havido melhoras, essa é uma parceria que está longe de atender às reais necessidades do país em termos de geração e disseminação de inovações. Sem essa parceria o que prevalece é o atraso, empresas pouco competitivas e com baixa produtividade e que não atendem às reais necessidades da demanda. O resultado é a quebra generalizada de pequenas empresas por falta de pesquisa e inovação. A partir deste ano, as pequenas empresas terão que enfrentar uma nova realidade, ainda mais dura para aquelas que estiverem despreparadas e que já estão integradas em cadeias de valor de grandes corporações, pois estas terão um prazo para se adequarem às novas normas de gestão da qualidade (ISO9001: 015) e a de gestão ambiental (ISO14001:015). Essas duas normas colocam novas questões em pauta, em particular nos processos de terceirização que envolvem toda a cadeia de valor. Isso aumenta a responsabilidade das pequenas empresas que terão de se adaptar às novas exigências, visando contemplar sua parceria estratégica com as de grande porte, que de modo geral se adaptam rapidamente, devido a necessidade da certificação para permanecerem competitivas no mercado internacional. A norma ISO14001, por exemplo, dá uma nova dimensão à parceria estratégica das pequenas com as grandes empresas. Estas tenderão a valorizar em manter na sua cadeia produtiva, fornecedores que se adaptem à nova realidade e que atinjam padrões elevados em termos de sustentabilidade. Assim, num futuro próximo, as pequenas empresas que não se Diretora Administrativa-Financeira Laurinda M. Lobato DRT/SP Editora Laura R. M. Lobato De Baptisti DRT/SP 4619 Marketing J. L. Lobato Diretor Comercial José Hamilton Mancuso André Souza Andressa Thomaz Antônio Delfim Netto Armando Rovai Cícero Augusto Cláudio Tomanini Dalcides Biscalquin Eduardo Moreira Geraldo Nunes Diretor Responsável: Reinaldo Dias (*) adaptarem deverão encontrar dificuldades na renovação de seus contratos. Adequação às normas ambientais e manter uma imagem de empresa sustentável não é mais uma opção, é uma condição para se manter competitiva. Neste contexto, as universidades podem contribuir enormemente fornecendo talentos que poderão se integrar aos quadros da empresa e trabalhar na adequação permanente às novas exigências ambientais, que virão de todos os lados: comunidade, governos e grandes empresas. Os talentos que as empresas buscam na universidade podem ser encontrados naqueles jovens que fazem a iniciação científica. São alunos diferenciados, que aprendem o método científico como um instrumento fundamental para a resolução de problemas. Esses estudantes constituem a elite das universidades, grupo diferenciado que deve ser recrutados pelas empresas que necessitam de pessoas com capacidade criativa para enfrentar crises e se adaptar às novas exigências. Muitos empresários Principalmente entre os pequenos confundem as coisas e julgam que a prática científica não se ajusta com a realidade do mercado. Puro engano. Principalmente nos cursos de administração, a prática científica tem desafiado estudantes a repensarem as práticas organizacionais adotadas no Brasil pelas pequenas empresas e a apresentarem propostas alternativas e de baixo custo para a melhoria dos sistemas de gestão. Ocorre que as portas das empresas às vezes não se abrem para esses jovens, e estes necessitando trabalhar abrem seus próprios negócios alimentando o processo de inovação no mercado, através dessa ação empreendedora. O empreendedorismo está se disseminando no Brasil, tardiamente é verdade, mas está avançando. As pequenas empresas devem adotar cada vez mais o empreendedorismo corporativo, incorporando esses jovens universitários talentosos que contribuirão para a inovação dos processos internos, mantendo a organização competitiva. (*) - É professor da Universidade Mackenzie Campinas. Doutor em Ciências Sociais, mestre em Ciência Política pela Unicamp e especialista em Ciências Ambientais. José Hamilton Mancuso DRT/SP Webmaster e TI: VillaDartes Editoração Eletrônica Marizete Souza Ricardo Souza Walter de Almeida Impressão LTJ- Gráfica Ltda Matrícula, SP-555 Colaboradores José Rubens D'Elia Dr. Lair Ribeiro Leslie Amendolara Luiz Flávio Borges D Urso Ralph Peter Rosângela Demetrio Sandra Falcone Sergio Monte Alegre Sergio Valezin Jornal Empresas & Negócios Ltda CNPJ: / Registro na JUCESP sob NIRE em 06/06 de 003 e matriculado no 3º Registro Civil da Pessoa Jurídica sob nº 103 Administração, Publicidade e Redação: Rua Boa Vista, 84-9º Andar - Conj. 909 Cep: Tel: FAX: site: Auditoria de tiragem: Cokinos Auditores e Consultores Serviço informativo editorial fornecido pela Agência Estado e Agência Brasil. Artigos e colunas assinados são de inteira responsabilidade de seus autores, que não recebem remuneração direta do jornal. Na série histórica iniciada em 1996, o desempenho apresentado no último trimestre só não é pior que o do quatro trimestre de Na avaliação do IBGE, influenciaram este resultado fatores como a inflação e o crescimento do crédito abaixo dela, além de níveis piores de emprego e renda na comparação com o ano passado. Essa conjuntura fez com que o consumo das famílias caísse, em especial na parte dos bens duráveis, analisou a coordenadora de contas nacionais do IBGE, Rebeca de La Rocque Palis. A queda da demanda interna Serra da Saudade é município menos populoso do país Serra da Saudade (MG), município menos populoso do país, tem 818 habitantes, segundo estimativa populacional de 015 divulgada pelo IBGE. Além dele, dois municípios têm menos de mil pessoas: Borá (SP), com 836, e Araguainha (MT), com 976. O mais populoso, São Paulo, tem 11,97 milhões de habitantes. O Rio de Janeiro é o único no país, além de São Paulo, que tem mais de 5 milhões de pessoas: 6,48 milhões. No total, 17 municípios do país têm mais de 1 milhão de residentes. Depois das duas capitais do Sudeste, os municípios mais populosos do país são: Salvador (,9 milhões), Brasília (,91 milhões), Fortaleza (,59 milhões), Belo Horizonte (,5 milhões), Manaus (,06 milhões), Curitiba (1,88 milhão), Recife (1,6 milhão) e Porto Alegre (1,48 milhão). Sem considerar as capitais, Guarulhos tem a maior população: 1,3 milhão de pessoas (ABr). A Aneel aprovou a redução de 18% no valor da tarifa da bandeira vermelha, o indicador que engloba os usuários que pagam o custo mais alto de energia. Com a decisão, o valor adicional para cada 100 kwh consumidos cai de R$ 5,50 para R$ 4,50. Para os consumidores, o novo valor corresponderá a uma redução de dois pontos percentuais no custo da conta de luz. A mudança vai até 31 de dezembro. A decisão foi adotada em razão da redução no custo de produção de energia decorrente do desligamento de 1 termelétricas, com custo variável unitário maior que R$ 600 MWh, aprovada no início deste mês. Apesar do pedido das distribuidoras para que o valor seja mantido, devido ao aumento dos custos de geração, a diretoria da Aneel entendeu que o Reprodução Divulgação A queda da demanda interna se refletiu também nas importações. Começou o prazo para a escolha dos livros didáticos que serão utilizados pelos alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental a partir do ano que vem. Professores, diretores e coordenadores educacionais das redes públicas de ensino têm até o dia 8 de setembro para indicar as obras mais adequadas ao projeto pedagógico de cada escola no sistema eletrônico do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Esta será a primeira vez que estudantes dos anos iniciais do ensino fundamental receberão livros de arte, como os alunos do ensino médio que já foram contemplados. Além disso, os professores terão duas opções em relação aos componentes de ciências, história e geografia. Podem optar por obras específicas de cada uma dessas disciplinas ou escolher a coleção integrada de ciências humanas e da natureza. Valter Campanato/ABr O novo valor corresponde a uma redução de dois pontos percentuais no custo da conta de luz. São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 A casa de um importante membro da máfia Camorra em Casal di Principe, a 30 km de Nápoles, recebe uma mostra dos mais célebres pintores do século XVII. Chamada A luz vence a escuridão, a exposição vai até o dia 1 de outubro e acontece em uma residência que costumava sediar reuniões da cúpula da organização para definir sentenças de morte e planejar novas atividades criminosas. A ideia partiu da Galleria degli Uffizi, o principal museu de Florença, que cedeu obras importantes de seu acervo, principalmente dos artistas Para veiculação de seus Balanços, Atas, Editais e Leilões neste jornal, consulte sua agência de confi ança, ou ligue para Consumo das famílias tem maior queda desde 1997 O consumo das famílias no Produto Interno Bruto do segundo trimestre (abril, maio e junho) de 015 teve a maior queda desde 1997 em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo o IBGE, mostrando uma retração de,7% em relação a 014 se refletiu também nas importações, assim como o câmbio, que teve uma desvalorização de 38% entre o segundo trimestre do ano anterior e os meses de abril, maio e junho deste ano. As importações caíram 11,7% no período, enquanto as exportações subiram 7,5%. A queda das importações se deu principalmente nos veículos automotores, nos equipamentos eletrônicos, nas máquinas e equipamentos e nas viagens e transportes. Por outro lado, as exportações cresceram com o desempenho dos setores de petróleo e carvão, siderurgia, metalurgia e veículos automotores (ABr). Escolas já podem escolher livros didáticos para 016 Professores das redes públicas de ensino têm até 8 de setembro para indicar as obras mais adequadas à cada escola. Como regra básica, devem ser selecionadas duas opções de cada disciplina, de editoras diferentes. Caso não seja possível a aquisição dos livros da editora da primeira opção, o FNDE negociará as obras da segunda. Caso o colégio não acesse o sistema ou não registre opção em nenhum Tarifa da bandeira vermelha na conta de luz cai 18% uso das bandeiras deve refletir o cenário de disponibilidade da geração e não os problemas de caixa das distribuidoras. Não podemos confundir o conceito do fundamento das bandeiras com o alívio de caixa. O valor arrecadado com as bandeiras deve cobrir o valor da geração termelétrica. Para outras razões de [alta de] custo existem outros mecanismos de Enfrentamento entre índios e agricultores no MS O senador Waldemir Moka (PMDB-MS) fez um alerta para o iminente enfrentamento entre índios e agricultores na zona rural de Antônio João, município a 300 km de Campo Grande. Os produtores fecharam rodovias em protesto contra a invasão de cerca de mil índios a cinco propriedades em 10 mil hectares de terras da região. Moka disse temer que o enfrentamento se torne violento, uma vez que indígenas e produtores rurais estão irredutíveis. Segundo o senador, os índios ocuparam um distrito de Antônio João, expulsando os moradores, com o argumento de aquelas seriam terras indígenas. A área, entretanto, seria produtiva e estaria nas mãos de famílias de agricultores há mais de 50 anos. O senador pediu ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e ao ministro da Defesa, Jaques Wagner, que intervenham na questão. Eu não tenho dúvida que se tiver enfrentamento, como já aconteceu, nós vamos ter perda de vidas e é o que estamos querendo evitar. É a nossa gente, é a minha gente. Eu fico realmente sensibilizado, disse. Waldemir Moka pediu ainda a aprovação no Senado da proposta que assegura indenizações por benfeitorias e pela terra nua aos donos de terra que sejam consideradas reservas indígenas. Ele acredita que a proposta poderia ajudar a resolver os conflitos em seu estado (Ag.Sendo). compensação, disse o diretor da Aneel Reive Barros dos Santos, relator do caso. Para o diretor Tiago Correia, os consumidores responderam ao instrumento das bandeiras, reduzindo o consumo e fazendo investimentos, como a substituição de lâmpadas incandescentes pelas de led, o que justifica a redução do valor da bandeira (ABr). momento, será encaminhado, compulsoriamente, um dos títulos aprovados para o PNLD 016 de cada componente curricular. A previsão é de comprar cerca de 50 milhões de exemplares, em benefício de 10,4 milhões de alunos dos anos iniciais do ensino fundamental. Instagram com fotos em novos formatos O Instagram, a maior rede social de imagens, divulgou uma nova mudança que vai deixar muitos usuários felizes. A plataforma passará a permitir que se publiquem fotos fora do tradicional formato quadrado. Agora, os usuários não precisarão colocar apenas imagens quadradas, mas também fotografias na vertical (retrato) e na horizontal (paisagem). A medida quer evitar que quem usa o Instagram precise cortar suas fotos e eliminar partes importantes delas para poder publicá-las. A novidade já está disponível para os sistemas Android e IOS na versão 7.5 do aplicativo. Atualmente, a rede social conta com mais de 300 mil usuários em todo mundo, sendo que 30% deles se concentram nos Estados Unidos. Todos os dias, mais de 70 milhões de fotos são publicadas, com uma média de,5 bilhões de curtidas (ANSA). Casa de membro da Camorra vira museu Luca Giordano, Mattia Preti e Artemisia Gentileschi, todos da escola napolitana. A casa foi rebatizada com o nome de um padre assassinado pela Camorra, Giuseppe Diana, em Casal di Principe. Até hoje, a cidade é um dos locais mais afetados pela máfia e feudo de poderosas famílias que juízes e polícias ainda não conseguiram erradicar. Jovens do município foram escolhidos para o papel de guias do novo museu, onde contarão também a dificuldade de crescer à sombra da delinquência e da ilegalidade (ANSA). TEL:

3 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Economia Página 3 Padilha e Temer desconhecem projeto para retorno da CPMF O ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha (PMDB), afirmou que tanto ele como o vice-presidente da República, Michel Temer, desconhecem por completo um suposto projeto do governo federal para propor o retorno da CPMF Em conversa com jornalistas, Padilha foi taxativo ao ser perguntado sobre o tema: Este assunto é absolutamente desconhecido por mim e também pelo presidente (do PMDB) Michel Temer. Nós não conhecemos o assunto e eu não posso opinar sobre o que eu não conheço, disse. Diante da possibilidade de o déficit nas contas públicas passar dos R$ 70 bilhões em 016, uma ala do governo defende a volta do imposto para garantir estabilidade fi scal. O ministro da Saúde, Arthur Chioro, chegou a anunciar que havia consenso para a criação de uma Contribuição Interfederativa da Saúde, que Divulgação A resolução do Codefat, que regulamenta a concessão do segurodesemprego ao empregado doméstico dispensado sem justa causa, foi publicada na edição de sexta-feira (8) do Diário Oficial da União. O benefício pago será de um salário mínimo por, no máximo, três meses. Para ter direito ao benefício, o empregado doméstico precisa ter trabalhado pelo menos 15 meses nos últimos 4 meses. O requerimento precisa ser apresentado no prazo de 7 a 90 dias contados da data da dispensa. É preciso levar a carteira de trabalho, termo de rescisão do contrato de trabalho atestando a dispensa sem justa causa, declaração de que não recebe benefício de prestação continuada exceto auxílio-acidente e pensão por morte e também declaração de que não tem renda suficiente para manter a família. O benefício será concedido pelo período máximo de três meses de forma contínua ou alternada, a cada período aquisitivo de 16 meses, contados da data da dispensa que originou habilitação anterior (ABr). A participação do agronegócio na balança comercial do Brasil está crescendo. De janeiro a julho deste ano, o setor representou 46,4% do total das exportações brasileiras. No ano passado, esse percentual foi de 44%, disse a secretária de Relações Internacionais do Agronegócio do Ministério da Agricultura, Tatiana Palermo, durante audiência pública da Comissão de Desenvolvimento Econômico da Câmara. Ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, e o vice-presidente da República, Michel Temer. funcionaria como uma nova CPMF, com a renda destinada exclusivamente à área da saúde. A proposta, que está Nos últimos 17 anos, acrescentou, o setor foi superavitário. De 011 a 014, o agronegócio teve saldos positivos, na ordem de US$ 80 bilhões, enquanto que, com poucas exceções, os outros setores tiveram saldos negativos, assinalou. No ano passado, ajudamos a amenizar o saldo negativo da balança comercial do país. Segundo a secretária, o Brasil participa com 1,% do comércio global. Na área do sendo estudada e que poderia ser apresentada ao Congresso, estabelece a cobrança de 0,38% sobre cada movimentação financeira. Temer afirmou que por enquanto só existe burburinho sobre um possível retorno da CPMF, mas admitiu que o governo precisa de medidas de austeridade. A primeira ideia é sempre de que não se deve aumentar tributo. Mas, por outro lado, há muitas vezes a necessidade de apoiar medidas de contenção. Não estou dizendo que nós vamos fazer isso. Por enquanto, é só burburinho e não está sendo examinado pelo governo, comentou em São Paulo (AE) Empregado doméstico já pode pedir seguro-desemprego Arquivo/ABr O benefício pago será de um salário mínimo por, no máximo, três meses. Aumenta participação do agronegócio na balança comercial agronegócio, esse percentual foi de quase 8% em 013 e 7% em 014. Entre os principais destinos das exportações do agronegócio brasileiro, estão a China, União Europeia, Rússia, Estados Unidos e Japão, enfatizou a secretária do Mapa. Esses mercados compram a metade do que o mundo compra em produtos agropecuários, mais de US$ 500 bilhões anuais, afirmou Tatiana (Mapa). O viajante corporativo do século XXI Os viajantes corporativos do século XXI já incorporaram a tecnologia e a mobilidade como parte fundamental e quase natural de seu dia a dia Diferentemente das gerações anteriores, essa caracteriza-se por buscar, em sua atividade corporativa, uma semelhança com sua vida pessoal. Isso significa uma experiência personalizada, construída com base naquilo já vivido, porém enriquecida pela grande quantidade de informações disponíveis em sua rede social. Por consequência, uma nova tendência está ganhando mais representatividade: bleisure. O termo é a fusão de business e leisure (em inglês) e refere-se ao desejo do viajante corporativo de estender sua estadia ou de combiná-la com atividades turísticas e de bem-estar, ao final da jornada. De acordo com o estudo da BridgeStreet Global, para 80% dos viajantes corporativos é gratificante realizar atividades de diversão depois do trabalho. Entre elas encontram-se: conhecer a cidade, assistir a eventos culturais ou esportivos, aproveitar a gastronomia local ou, simplesmente, fazer uma agradável pausa para descanso. Atualmente, a indústria de viagens corporativas está em pleno desenvolvimento no mundo todo, com um crescimento de 4,5% nos últimos anos. A América Latina, por sua vez, supera os índices globais com uma média de 7,%[1]. Nesse contexto, 14% das empresas no mundo têm incorporado o conceito de bleisure à sua cultura corporativa. Augusto Ohashi (*) O viajante corporativo do século XXI prioriza a conveniência (viagem sem perda de tempo, hotéis próximos aos locais de trabalho, informação em tempo real) respeitando suas preferências (escolha de horários e dias de voos, hotéis recomendados, serviços adicionais). Nesse contexto, as corporações têm o desafio de alinhar essas prioridades e preferências com o custo e com as políticas corporativas, sem deixar de oferecer um serviço extremamente personalizado. De acordo com o estudo Future Traveller Tribes 030 da Amadeus, o viajante corporativo pertence à tribo Obligation Meeters. Esse segmento agrupa aqueles cujas viagens atendem a um objetivo estabelecido. O crescimento e a evolução da indústria dos viajantes corporativos impulsionarão essa tribo. As ferramentas online são um ponto fundamental da prestação de serviços para este segmento. Elas trazem consigo uma grande oportunidade de melhorar a experiência do usuário, proporcionando a personalização e a flexibilidade desejadas sendo, ao mesmo tempo, instrumentos com enorme potencial para aumentar, de forma significativa, o respeito à política corporativa. O limite entre a vida profissional e pessoal do viajante corporativo vai se tornando menos nítido. Consequentemente, as corporações tornamse responsáveis por oferecer a utilização de ferramentas tecnológicas que garantam soluções personalizadas e assegurem, da mesma forma, o cumprimento dos objetivos corporativos. (*) - É diretor de Contas Globais para a América Latina. Para veiculação de seus Balanços, Atas, Editais e Leilões neste jornal, consulte sua agência de confi ança, ou ligue para TEL: A - Jovens de Valor O Pátria Investimentos, uma das maiores organizações brasileiras de gestão de investimentos alternativos e pioneiro em private equity no País, anuncia uma nova edição do programa Jovens de Valor 016, o seu programa de estágio que tem por objetivo recrutar, desenvolver e formar futuros profissionais de alto desempenho para atuação na empresa. Os interessados em uma das 16 vagas abertas deverão fazer as inscrições até 30 de setembro, através do site (www.ciadetalentos.com.br). Podem participar alunos dos cursos de administração, engenharia, contabilidade, estatística, economia, ciências atuariais, matemática e física. B - Mulheres Comuns Para a nova campanha da grife italiana Dolce & Gabbana, foi criada uma hashtag que celebra a beleza feminina: #dgwomenlovemakeup ( mulheres DG amam maquiagem ), que, ao invés de protagonistas modelos, escolhe mulheres de diversas nacionalidades e idades e que tenham em comum o amor pelas maquiagens da marca. Segundo a empresa, a nova campanha tomou forma de modo natural, a partir de inúmeras fotos de mulheres belíssimas nas redes. A busca por novas imagens continua, por meio da hashtag #dgwomenlovemakeup. A cada 15 dias, será publicada nos perfis da grife uma nova foto escolhida entre usuários do Instagram. C - Reprodutores e Matrizes A Secretaria de Agricultura do Estado realiza o tradicional Leilão de Reprodutores e Matrizes Linhagem IZ, no próximo dia 10, às 13h00,na Estação Experimental do IZ (Rod. Carlos Tonanni, SP-333, km 94) em Sertãozinho. Serão comercializados 87 touros: 5 da raça Nelore, 10 da raça Guzerá e 5 da raça Caracu; e 46 matrizes: 35 da raça Nelore e 11 da raça Caracu. A contribuição do IZ para a pecuária bovina nacional, reflete no aumento da produtividade e da renda do produtor, impactando diretamente na produção de carne do Brasil. Saiba mais em (www.iz.sp.gov.br). Informações tel. (16) ou D - Grand Voyages A MSC Cruzeiros, maior empresa privada de cruzeiros marítimos do mundo, anuncia sua primeira MSC Grand Voyage com destino à China. O roteiro será realizado pelo renovado MSC Lirica, que parte do Rio de Janeiro no dia 3 de março de 016 e, após cruzar todos os continentes em uma viagem de 60 dias, chegará a Xangai, maior cidade chinesa, em 1º de maio. Ao todo, serão oferecidas três versões diferentes da viagem de travessia que terá Xangai como destino final. Os hóspedes que desejarem chegar à cidade asiática a bordo do belíssimo navio da MSC poderão optar por embarcar no Rio de Janeiro, em Gênova, na Itália ou em Dubai, nos Emirados Árabes. Mais informações em (www. msccruzeiros.com.br). E - Congresso de Economia Sob o tema A Apropriação e a Distribuição da Riqueza Desafios para o século XXI, a 1ª edição do Congresso Brasileiro de Economia será realizada de 9 a 11 de setembro, em Curitiba. Promovido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná em parceria com o Conselho Federal de Economia, é considerado o maior evento de interesse dos economistas brasileiros. Profissionais da área, empresários, autoridades, estudantes de economia e representantes dos principais segmentos da sociedade estarão reunidos para debater temas fundamentais ao desenvolvimento sustentável do país. As inscrições podem ser feitas pelo site (www.cbe015.org.br). F - Desafios Globais A Danone alcançou a 14ª posição no ranking inédito da Fortune, Change the World (Mude o Mundo). O ranking elenca as 50 companhias globais que estão fazendo o bem para a sociedade. O objetivo do ranking é destacar as 50 companhias globais que, como parte de sua estratégia competitiva, têm gerado um relevante impacto nos desafios globais sociais ou ambientais. A empresa, além de ser a primeira do ranking no setor de alimentação, ficou na 3ª posição no mundo em relação ao impacto que produz na saúde pública e nutrição das pessoas. Com 900 milhões de consumidores no mundo inteiro, a Danone tem uma relevante pegada social por meio de sua missão. G - Encontro da Construção O vice-presidente, Michel Temer, confirmou sua presença no próximo Encontro Nacional da Indústria da Construção, que ocorre de 3 a 5 de setembro, em Salvador. A 87ª edição do evento, cujo tema é Brasil mais eficiente, País mais justo, visa discutir temas da atualidade que impactam diretamente o dia a dia na indústria da construção e promover o networking entre os empresários do setor. Participam dirigentes de construtoras, presidentes e diretores das entidades representativas do setor imobiliário, de obras públicas e infraestrutura, além de autoridades e representantes de diferentes organismos do governo. Informações (www.enic.org.br). H - Lei de Arbitragem Execução de Sentença Arbitral é o tema do painel da apresentação que Ana Beneti, do escritório Souza Cescon, fará durante o seminário Nova Arbitragem Brasileira: O que muda com a Lei 13.19/015, organizado pela Sage, multinacional líder no mercado global de softwares de gestão para PMEs. O evento acontece nesta quinta-feira (3). A Lei de Arbitragem é um importante instrumento para a resolução de conflitos de forma rápida, uma vez que ela torna desnecessária a apreciação da questão por um juiz. Mais informações em (www. souzacescon.com.br). I - Simpósio de Ciências A 11ª edição do Simpósio de Ciências da Unesp Dracena ocorre nos dias 3 e 4 de setembro, no Campus Experimental da Unesp de Dracena. A proposta do evento, com o tema Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária, é divulgar trabalhos de docentes, alunos e pesquisadores, da Unesp e de outras instituições, e promover debates que incentivem a melhoria do setor agropecuário. A palestra de abertura, sobre recursos hídricos, será apresentada pelo professor Jefferson Nascimento de Oliveira, da Unesp/Ilha Solteira. Mais informações em 015/sicud-015). J - Qualidade Automotiva A Qualidade na Retomada do Crescimento Como Concorrer nos Mercados Nacional e Internacional. Esse será o mote do 3º Fórum IQA da Qualidade Automotiva, que reunirá especialistas dos segmentos de autopeças, montadoras, governo e entidades setoriais para análise e definição de estratégias sobre os novos caminhos da qualidade no Brasil pós-crise. O encontro será realizado no próximo dia 1, a partir das 7h30, no Centro de Convenções Milenium. O evento objetiva o avanço de programas voltados para qualidade e certificação de componentes utilizados por montadoras e mercado de reposição. Mais informações em (www.iqa.org.br). K - Gestão e Negócios O Senac realiza, entre 1º de setembro e 30 de outubro, a 7ª edição da Jornada Senac de Gestão e Negócios. Com o tema central Desafios e Perspectivas para os Negócios, serão apresentados os novos rumos e cases nas áreas de administração geral, gestão de pessoas, logística, comércio exterior, marketing, vendas, finanças e contabilidade. Criado para promover a reflexão, o diálogo e a prática nos negócios, o evento destina-se aos micro e pequenos empresários, profissionais liberais, estudantes e interessados no tema. A participação é gratuita, Inscrições e mais informações em (www.sp.senac.br/jornadadegestao). L - Inovação e Empreendedorismo O Programa de Comércio Exterior Brasileiro da FIA (Fundação Instituto de Administração), sob coordenação dos professores Celso Cláudio de Hildebrand e Fábio Lotti Oliva, promove nesta quarta (), evento do Ciclo de Palestras sobre Temas Emergentes. Com tema Inovação e Empreendedorismo: Casos de Sucesso da SAP com seus clientes, o encontro contará com a participação de Cristina Palmaka, presidente da SAP Brasil. Os interessados em participar da palestra gratuita devem realizar inscrição prévia em: (https://www.onlinepesquisa.com/s/ palestrainovacaoempreendedorismo). Informações tel ou M - Estética e Beleza Inovadora no franchising, a +depil, que atua com fotodepilação e fototerapias já possui 0 franquias pelo país e a previsão é de que sejam inauguradas mais 10 unidades até o final do ano. A rede dispõe duas opções de franquias para quem pretende investir na marca a partir de R$ 8.500,00 (para o modelo de atendimento a domicílio) a R$ (modelo mais completo que abrange fotodepilação, fototerapias, depilação a cera e manicure). Seu prazo de retorno é de 8 a 18 meses, dependendo da franquia escolhida. A marca atua com equipamentos exclusivos de última geração com tecnologia que evitam a dor. Saiba mais e (www.maisdepil.com.br) N - Crimes Cibernéticos Nesta quinta-feira (3), o Instituto Valor e a Universidade Presbiteriana Mackenzie promovem o CSO Summit/1º Seminário Nacional de Cyber Segurança. O objetivo é criar uma visão compartilhada de como as empresas e cidadãos podem se proteger de ataques cibernéticos, aumentando a consciência e a compreensão dos líderes empresariais e do governo. Será o maior encontro de especialistas em Cyber Segurança realizado no Brasil. Estarão reunidos alguns dos mais representativos profissionais e pesquisadores do país e do exterior, dispostos a debater problemas e soluções. Inscrições e outras informações em (www. csosummit.org.br).

4 Página 4 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Política Saúde no Brasil: portas abertas para investimentos estrangeiros Nenhum grupo de hospitais tem o porte necessário para oferecer uma cobertura nacional Uma pesquisa realizada em janeiro, durante o São Paulo International Forum of Management and Trends for the Health Sector, apontou que mais da metade dos participantes do evento, entre eles 190 executivos da área de saúde, investidores e autoridades governamentais, acredita que a lei /15, que permitiu o investimento direto ou indireto, incluindo o controle, de empresas ou de capital estrangeiros no setor, irá favorecer o crescimento do segmento no Brasil. Com isso, está liberada a participação de capital externo (incluindo participações majoritárias), de modo direto ou indireto, em empresas brasileiras que operam hospitais gerais ou especializados, clínicas, juntamente com atividades de suporte à saúde, como laboratórios, produtores e distribuidores de medicamentos, patologia e diagnósticos por imagens. Antes da emenda à lei, investimentos estrangeiros em hospitais e clínicas eram limitados pela Constituição Federal, que considera a área de saúde como sendo um setor estratégico nacional, portanto, sem possibilidade de acesso por capitais estrangeiros com poucas exceções (ações de alívio vinculadas às operações das Nações Unidas e ações de apoio à saúde sem fins lucrativos). Essa nova manobra pode ser considerada um sinal claro dos esforços do governo brasileiro em reformar o sistema atual de saúde com uma visão de alcançar maior eficiência por meio de soluções financeiras ampliadas, levando, em última análise, a uma maior exposição às novas tecnologias (equipamentos médicos, soluções de negociação de ações, serviços de monitoramento médicopaciente integradas online), assim como concorrência entre os participantes. Espera-se que o investimento externo proporcione não apenas um efeito cascata na qualidade dos serviços para pacientes, mas Paulo Guilherme Coimbra e Marcos Bôscolo (*) que eles também influenciem as tomadas de decisões de alto nível por meio da melhoria da governança empresarial. Acredita-se que as mudanças da regulamentação resultem em oportunidades de investimentos no setor de saúde no Brasil já que, nos hospitais, a oferta não consegue alcançar o aumento da demanda. De acordo com a Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), cinco milhões de pacientes entraram no sistema de saúde, enquanto o número de leitos apresentou um decréscimo de 18%. Hoje, 46% do sistema são suportados pelo governo por meio do SUS e 54% pelo setor privado. Se por um lado, o governo reconhece a necessidade de mais instalações e de maior acesso à tecnologia advinda do setor privado, por outro, grupos privados têm interesse em ver seus investimentos serem empregados em uma base mais ampla de mercado. O que vimos é que, até o presente, nenhum grupo de hospitais tem o porte necessário para oferecer uma cobertura nacional. Além disso, 70% da população brasileira, atualmente, não é atendida por empresas privadas de segurossaúde, especialmente indivíduos que vivem nas regiões Norte e Nordeste. Os planos de saúde privados servem a 30% do mercado, mas não são considerados satisfatórios por seus clientes, alcançando o º lugar em reclamações do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC). Diante desse panorama, não há como negar que o crescimento do setor de saúde, combinado com a nova mudança regulatória, poderá trazer oportunidades de investimento sem precedentes para a indústria, seja seguindo os passos do BTG que adquiriu o Grupo D Or em 010, seja no fornecimento de tecnologia ou serviços médicos avançados como comunicação integrada de faturamento e cobrança e de comunicações, serviços de estoques terceirizados em grupo, dispositivos de rastreamento de suprimentos médicos para reduções de custos. (*) - São sócios da KPMG. Vínculo empregatício após aposentadoria voluntária A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aprovou, em caráter conclusivo, o projeto que garante que a aposentadoria voluntária do empregado não implica a rescisão de seu contrato de trabalho. Ou seja: ele terá os direitos preservados se optar por seguir na relação de emprego mesmo depois de se aposentar. A proposta, do ex-deputado Alceu Collares, recebeu parecer favorável da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ). Ela destaca que a proposta está em consonância com jurisprudência do STF, que em 007 declarou inconstitucional a regra da CLT em sentido contrário. Antes da decisão do STF, o empregado que se aposentava por iniciativa própria perdia os direitos rescisórios, como a multa de 40% sobre os saldos do FGTS, porque se considerava que a aposentadoria, nesse caso, extinguia seu contrato de trabalho. Caso ele continuasse trabalhando na mesma empresa, iniciava-se nova contagem de tempo a partir de então. Nos termos da decisão do Supremo, a aposentadoria voluntária não terá efeito sobre o contrato de trabalho. Dessa forma, se o aposentado optar por seguir Gustavo Lima Cristiane: proposta inclui em lei entendimento já expressado pelo STF. na relação de emprego, seus direitos estarão preservados. O projeto aprovado insere na lei o disposto na jurisprudência. Segundo a proposta, caso venha a ser demitido sem justa causa, o trabalhador terá direito à contagem de tempo anterior à aposentadoria. Se voltar a trabalhar para o mesmo empregador, mesmo após a aposentadoria voluntária, terá, igualmente, direito de computar o período anterior, a não ser que tenha sido demitido por justa causa ou se já tiver recebido a indenização correspondente (Ag.Câmara). Para veiculação de seus Balanços, Atas, Editais e Leilões neste jornal, consulte sua agência de confi ança, ou ligue para TEL: Câmara isenta do IRPF seguros que custeiem planos de saúde O Plenário da Câmara aprovou o projeto do deputado Lucas Vergílio (SDD-GO), que concede isenção tributária do IRPF à parte do dinheiro recebido de seguro de vida usada para pagar plano ou seguro de saúde Esse benefício valerá para o seguro de vida com cobertura por sobrevivência, aquele que o segurado recebe ainda em vida. A matéria será votada ainda pelo Senado. De acordo com o texto aprovado, um substitutivo do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), a isenção será somente para a parcela usada no pagamento de seguro ou plano de saúde a ser escolhido pelo contratante, mas a transferência do recurso para isso terá de ocorrer diretamente da operadora do seguro de vida para a operadora do plano ou seguro de saúde. A isenção valerá ainda para o pagamento de plano de saúde para dependentes. Além disso, outras despesas de saúde que não foram custeadas com a prestação do plano poderão continuar a ser descontadas normalmente da base de cálculo do IRPF na declaração anual de ajuste. Para o relator do projeto, as novas regras Reforma tributária que diminua a desigualdade O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) defendeu uma ampla reforma tributária para melhorar a arrecadação e diminuir as desigualdades no país. O senador apresentou oito pontos que considerou cruciais para essa reforma e que pretende defender durante os debates da Agenda Brasil. O primeiro deles é zerar os impostos sobre alimentos. Lindbergh ressalta que os impostos indiretos incidentes sobre os alimentos são cobrados igualmente de pobres e ricos, o que aumenta a injustiça social no país. Para compensar estados, a quem se destina arrecadação desses impostos, Lindbergh propõe a criação de IPVA para jatinhos, iates, lanchas e helicópteros. O senador explicou que o trabalhador que compra um carro popular paga, anualmente, o IPVA pelo veículo. Já quem compra um iate não precisa pagar nenhum imposto sobre o bem. Outra proposta é tributar lucros e dividendos recebidos por pessoa física. O senador justificou que, enquanto o trabalhador tem seu salário tributado na folha de pagamento, os empresários recebem sua remuneração na forma de lucros e dividendos, transferidos pelas empresas, livre de taxações. O mesmo acontece com a remessa de lucros das empresas para o exterior, que também não é tributada. Lindbergh propõe ainda aumentar a alíquota máxima cobrada sobre grandes heranças e doações, assim como criar o imposto sobre grandes fortunas e reformular o imposto territorial rural para que seja compatível com o tamanho e a produção de cada propriedade. Os últimos pontos defendidos pelo senador são a extinção dos juros sobre capital próprio, pago pela empresa aos sócios que reinvestiram seus lucros no negócio, e a reformulação do IRPF (Ag.Senado). A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara aprovou projeto que isenta veículos de duas rodas (como motos, motonetas e bicicletas) do pagamento de pedágio em rodovias federais em todo o território nacional. A proposta é de autoria da ex-deputada Laura Carneiro (RJ) e recebeu parecer favorável da relatora na comissão, Soraya Santos (PMDB-RJ). Ela apresentou uma emenda para determinar que a isenção só se iniciará após a assinatura ou renovação do contrato de concessão da rodovia com Alex Ferreira/Ag.Câmara Ferraço defende regulamentação do Uber O senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) defendeu a aprovação de projeto de sua autoria que regulamenta e organiza o sistema de transporte privado individual a partir de provedores de rede de compartilhamento. Esse serviço foi lançado pelo Uber em 010 e, como destacou Ferraço, está presente em 30 cidades de 58 países. O projeto inclui no Plano Nacional de Mobilidade Urbana essa modalidade, definida como serviço remunerado de transporte de passageiros não aberto ao público, por intermédio de veículos particulares, para a realização de viagens individualizadas, previamente contratado por meio digital ou não. Em vez de proibir, segundo ele, é preciso criar uma regra nacional, pois não é possível que cidade A tenha um serviço e cidade O deputado Eduardo Barbosa (PSDB-MG) presidiu audiência pública promovida pela Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara que debateu questões relacionadas ao dia a dia dos portadores da doença de Parkinson. Na opinião do parlamentar, a situação está muito mais próxima do cotidiano do que se imagina e a discussão foi primordial para apontar caminhos visando enfrentar os desafios relacionados ao tema. Precisamos valorizar essas questões e criar caminhos que deem mais qualidade de vida, conforto e segurança. Não só para aqueles que hoje vivenciam a doença, mas para futuras gerações que enfrentarão situações semelhantes, alertou. Segundo o tucano, um tema que merece destaque é a questão do Comissão aprova isenção de pedágio para motos Segundo a proposta aprovada, as novas regras estimularão os empregadores a custear planos de seguro em favor de seus empregados de baixa renda. estimularão os empregadores a custear planos de seguro em favor de seus empregados de baixa renda. Os seguros com cobertura por sobrevivência são parecidos com os planos de previdência, mas foram criados para atender populações de baixa renda. Por isso, têm tributação diferenciada e são regulados pela Susep. pedágio. O objetivo, segundo ela, é evitar que a isenção afete o equilíbrio econômicofinanceiro inicial do contrato de outorga. A proposição atende a uma camada social que traz pouco prejuízo às empresas que operam as concessões de rodovias, em função do baixo impacto no desgaste do asfalto, disse Soraya Santos. O projeto tramita apensado aos que tratam de matéria semelhante, em caráter conclusivo e será analisado agora na Comissão de Constituição e Justiça (Ag.Câmara). Edilson Rodrigues/Ag.Senado Divulgação O texto prevê que os aportes da empresa a seguros de vida com cobertura por sobrevivência em favor de seus empregados e dirigentes não serão considerados remuneração. Dessa forma, as contribuições trabalhistas, como o FGTS, e previdenciárias, não incidirão sobre esses valores colocados no seguro. A regra vale também Senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES). Deputado Eduardo Barbosa (PSDB-MG). cuidador. Conforme apontou, há projetos na Casa que buscam regulamentar a profissão e criar opções de financiamento para os que necessitem desses profissionais. O representante da Academia Brasileira de Neurologia, Nasser Allan, chamou atenção para a isenção de impostos e A CPI do Futebol, presidida pelo senador Romário (PSB- RJ), reúne-se na terça-feira (1º) para analisar uma pauta com 34 itens. Entre eles, solicitações aos procuradores de Justiça de todos estados para que remetam ao colegiado a documentação relacionada às investigações a cargo dos MPs sobre as federações estaduais de futebol e seus dirigentes. Investigar a CBF significa também investigar toda a rede de poder que se estabeleceu entre a direção dessa entidade e as entidades estaduais, alega o senador. Já na quinta-feira (3), a CPI se para a contribuição sindical. Se o trabalhador desejar usar a portabilidade, ou seja, trocar de seguradora ou de operadora de previdência complementar, aquela que ele escolher deve seguir as mesmas regras, com previsão de repasse direto dos recursos resgatados para o pagamento de plano de saúde (Ag. Câmara). B não o tenha. O senador afirmou compreender a angústia dos taxistas, categoria que, como disse, precisa ser incorporada ao diálogo sobre o projeto. O Em aparte, o senador João Capiberibe (PSB-AP) observou que os taxistas estão preocupados com a perda do mercado numa situação de crise. O parlamentar elogiou o governador do DF, Rodrigo Rollemberg, por formar uma comissão para discutir o problema, inclusive com a perspectiva de que os taxistas possam também entrar no Uber (Ag.Senado). Os desafios enfrentados pelos portadores de Parkinson de certos benefícios no imposto de renda, que precisam ser reformuladas por discriminarem uma série de patologias degenerativas semelhantes ao Parkinson e a demências. Elas não estão contempladas hoje e fazem com que os pacientes vivam um calvário para conseguir se enquadrar dentro da atual legislação, afirmou. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), há no mundo cerca de 4,7 milhões de pessoas portadoras da doença de Parkinson. No Brasil, estimase que essa população esteja em torno de 300 mil pacientes. A doença atinge principalmente a terceira idade e afeta diretamente as famílias dos seus portadores pelos cuidados especiais indispensáveis aos parkinsonianos (psdbnacamara). CPI do Futebol quer documentos sobre federações estaduais reúne com o jornalista escocês Andrew Jennings. Ele é o autor dos livros Foul! The Secret World of Fifa: Bribes, Vote-Rigging and Ticket Scandals e Omertà: Sepp Blatter s Fifa Organised Crime Family. Traduzidas no Brasil com os títulos de Jogo sujo e Um jogo cada vez mais sujo, foram as obras que, segundo o FBI (a Polícia Federal dos EUA), serviram como ponto de partida nas investigações que levaram à prisão alguns dos mais importantes dirigentes do futebol mundial. Entre eles, o ex-presidente da CBF, Jose Maria Marin (Ag.Senado).

5 Página 5 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO - PRIMEIRO SEMESTRE DE 015 Senhores acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos a publicação dos balanços patrimoniais em 30 de junho de 015 comparativo ao semestre encerrado em 30 de junho de 014, as demonstrações dos resultados, as demonstrações das mutações do patrimônio líquido e as demonstrações dos fluxos de caixa referentes aos semestres findos nessas mesmas datas, acompanhados do Relatório dos Auditores Balanços patrimoniais em 30 de junho (em milhares de reais, exceto quando indicado) Ativo Ativo circulante Disponibilidades Aplicações interfinanceiras de liquidez Outros créditos (nota 4) do Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Passivo circulante... 1 Outras obrigações (nota 5)... 1 Fiscais e previdenciárias... 1 Patrimônio Líquido (nota 6) Capital social - De domiciliados no país Reserva legal... 1 Reservas estatutárias do Passivo e do Patrimônio líquido Demonstrações do resultado em 30 de junho (em milhares de reais, exceto quando indicado) Receitas da intermediação financeira Resultado de operações com títulos e valores mobiliários (nota 7) Resultado bruto da intermediação financeira Outras receitas (despesas) operacionais... (1) (3) Despesas tributárias (nota 8)... (3) Outras despesas operacionais (nota 9)... (1) Resultado operacional... (1) 61 Resultado antes da tributação sobre o lucro e participações... (1) 61 Imposto de renda... (9) Lucro líquido do semestre... (1) 5 As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras. Demonstrações das mutações do patrimônio líquido (em milhares de reais, exceto quando indicado) As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras. Ajuste de Capital avaliação Reserva Reservas Lucros social patrimonial legal estatutárias acumulados Saldos em 01 de janeiro de Alteração do Capital pela Cisão... (6.914) Cisão Parcial... (76) (8.830) (40.847) (49.753) Lucro líquido do semestre Constituição de reservas... 5 (5) Saldos em 30 de junho de Saldos em 01 de janeiro de Lucro líquido do semestre... (1) (1) Utilização de reservas... (1) 1 Saldos em 30 de junho de As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras. Demonstrações dos fluxos de caixa em 30 de junho (em milhares de reais, exceto quando indicado) Apresentamos abaixo a Demonstração do fluxo de caixa elaborada pelo Método Indireto. Fluxo de caixa das atividades operacionais Lucro líquido dos semestres... (1) 5 Lucro líquido ajustado... (1) 5 Variação de ativos e passivos Redução (aumento) de outros créditos (6.766) Aumento (redução) de outras obrigações... (55) Caixa líquido proveniente/utilizado nas atividades operacionais (6.714) Aumento (Diminuição) de caixa e equivalente de caixa (6.714) Saldo Inicial de caixa e equivalente de caixa Saldo Final de caixa e equivalente de caixa Aumento (Diminuição) de caixa e equivalente de caixa (6.714) As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras. Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 30 de junho (Em milhares de reais, exceto quando indicado) 1 Contexto operacional As operações da Cifra S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Financeira ) são conduzidas no contexto de um conjunto de instituições financeiras que atuam integradamente no mercado financeiro, sendo que certas operações têm a co-participação ou a intermediação do Grupo Financeiro BMG. O beneficio dos serviços prestados entre essas instituições e os custos das estruturas operacional e administrativa são absorvidos, segundo a praticabilidade e razoabilidade de lhes serem atribuídos, em conjunto ou individualmente, sendo julgados adequados pela administração das instituições. A Financeira tem por objetivo a prática de operações permitidas às sociedades de crédito, financiamento e Investimento, autorizada a operar pelo Banco Central do Brasil (Bacen), com as normas legais e regulamentares, passando a fazer parte do conglomerado financeiro BMG. Em 18 de agosto de 011, o Banco BMG S.A. concluiu a aquisição do Banco BCV S.A.. A operação envolveu a transferência de 100% das ações representativas do capital social do Banco BCV para o Banco BMG. Além do Banco foram adquiridas as controladas Cifra S.A. Crédito Financiamento e Investimento e BCV Corretora C.C.V.M. Conforme descrito na nota 6, a Assembleia Geral Extraordinária de 30 de janeiro de 014 deliberou a cisão parcial do patrimônio líquido da Cifra Financeira S.A. de 31 de dezembro de 013. Em 31 de janeiro de 014 foi realizada cisão parcial da Cifra Financeira S.A pelo Banco Cifra S.A, alterando desta forma, o percentual de participação do Banco BMG S.A no Banco Cifra S.A. Apresentação das demonstrações financeiras e principais práticas contábeis.1. Apresentação das demonstrações financeiras As informações financeiras foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil (BACEN), que consideram as diretrizes contábeis emanadas da Lei nº 6.404/76, e as alterações introduzidas pelas Leis nºs / 07 e /09, para a contabilização das operações, associadas às normas e instruções do Conselho Monetário Nacional (CMN) e do Banco Central do Brasil (BACEN). O comitê de pronunciamentos Contábeis CPC emitiu pronunciamentos relacionados ao processo de convergência contábil internacional, porém nem todos homologados pelo Banco Central do Brasil (BACEN). Desta forma, a instituição na elaboração das demonstrações financeiras, adotou os seguintes pronunciamentos homologados pelo (BACEN): Resolução CMN nº 3.566/08 CPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de Ativos Resolução CMN nº 3.604/08 CPC 03 (R) - Demonstração dos Fluxos de Caixa Resolução CMN nº 3.750/09 CPC 05 (R1) - Divulgação sobre Partes Relacionadas Resolução CMN nº 3.989/11 CPC 10 (R1) - Pagamento Baseado em Ações Resolução CMN nº 4.007/11 CPC 3 - Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro Resolução CMN nº 3.973/11 CPC 4 - Evento Subsequente Resolução CMN nº 3.83/09 CPC 5 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes Resolução CMN nº 4.144/1 Pronunciamento Conceitual Básico (R1).. Descrição das principais políticas contábeis adotadas (a) Caixa e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa, conforme Resolução BACEN nº 3.604/08, incluem dinheiro em caixa, depósitos bancários, investimentos de curto prazo de alta liquidez, com risco insignificante de mudança de valor e limites, com prazo de vencimento igual ou inferior a 90 dias, na data de aquisição, que são utilizadas pelo Banco para gerenciamento de seus compromissos de curto prazo. (b) Apuração do resultado O resultado é apurado pelo regime contábil de competência. As operações com taxas prefixadas são registradas pelo valor final, e as receitas e despesas correspondentes ao período futuro são registradas em conta redutora dos respectivos ativos e passivos. As operações com taxas pós-fixadas ou indexadas em moedas estrangeiras são atualizadas até a data do balanço. (c) Aplicações interfinanceiras de liquidez As operações compromissadas realizadas com acordo de livre movimentação são ajustadas pelo valor de mercado. Os demais ativos são registrados ao custo de aquisição, acrescido dos rendimentos auferidos até a data do balanço, deduzidos de provisão para desvalorização, quando aplicável. (d) Títulos e valores mobiliários De acordo com a Circular BACEN nº 3.068/01 e regulamentação complementar, os títulos e valores mobiliários são classificados de acordo com a intenção de negociação pela administração em três categorias específicas e atendendo aos seguintes critérios de contabilização: (i) Títulos para negociação Incluem os títulos e valores mobiliários adquiridos com o objetivo de serem negociados freqüentemente e de forma ativa, contabilizados pelo valor de mercado, sendo os ganhos e as perdas sobre esses títulos, realizados e não realizados, reconhecidos na demonstração do resultado. (ii) Títulos disponíveis para venda Incluem os títulos e valores mobiliários utilizados como parte da estratégia para a administração do risco de variação nas taxas de juros; podem ser negociados como resultado dessas variações, por mudanças nas condições de pagamento ou outros fatores. Esses títulos são contabilizados pelo valor de mercado, sendo os seus rendimentos intrínsecos reconhecidos na demonstração de resultado e os ganhos e as perdas decorrentes das variações do valor de mercado ainda não realizados reconhecidos em conta específica do patrimônio líquido, Ajuste a Valor de Mercado Títulos disponíveis para venda, até a sua realização por venda, líquido dos correspondentes efeitos tributários, quando aplicável. Os ganhos e as perdas, quando realizados, são reconhecidos mediante a identificação específica na data de negociação, na demonstração do resultado, em contrapartida de conta específica do patrimônio líquido, líquido dos correspondentes efeitos tributários. (iii) Títulos mantidos até o vencimento Incluem os títulos e valores mobiliários para os quais a administração possui a intenção e a capacidade financeira de mantê-los até o vencimento, sendo contabilizados ao custo de aquisição, acrescidos dos rendimentos intrínsecos. A capacidade financeira é definida em projeções de fluxo de caixa, desconsiderando a possibilidade de resgate antecipado desses títulos. Os declínios no valor de mercado dos títulos e valores mobiliários mantidos para venda e mantidos até o vencimento, abaixo dos seus respectivos custos, relacionados a razões consideradas não temporárias, são refletidos no resultado como perdas realizadas, quando aplicável. (e) Operações de crédito e provisão para créditos de liquidação duvidosa Demonstrados pelos valores de realização, incluindo, quando aplicável, os rendimentos auferidos, em base pro rata dia, com base na variação do indexador e na taxa de juros pactuados. A atualização (accrual) das operações vencidas até o 59º dia de atraso é contabilizada em receitas e, a partir do 60º dia, deixa de ser apropriada, e o seu reconhecimento no resultado ocorre quando do efetivo recebimento das prestações, conforme determina o artigo 9º da Resolução BACEN nº.68/99. Conforme definido no Cosif as operações de crédito são apresentadas líquidas das rendas a apropriar que são apropriadas de forma pro-rata ao resultado do exercício. A provisão para créditos de liquidação duvidosa é constituída com base nos critérios definidos pela Resolução BACEN nº.68/99, sendo fundamentada na análise do saldo em aberto das operações procedida pela Administração, considerando ainda os valores das garantias, o histórico de perdas e os riscos da carteira. (f) Cessão de crédito As práticas contábeis estabelecidas pelo Banco Central do Brasil até 31 de dezembro de 011 determinavam que os créditos cedidos para outras instituições financeiras e fundos (com ou sem coobrigação) fossem baixados contabilmente no momento da venda e tivessem registrados imediatamente no resultado os ganhos oriundos destas operações, sendo que as cessões com coobrigação eram baixadas da carteira e registradas em contas de compensação. A partir de 1º de janeiro de 01, entrou em vigência a Resolução CMN nº 3.533/08 (postergada pelas Resoluções CMN nº 3.673/08 e 3.895/10) que alterou o registro das operações de cessões de crédito, realizadas a partir de 01, estabelecendo procedimentos para a classificação e divulgação das operações de venda ou de transferência de ativos financeiros. Conforme esse novo normativo, a manutenção ou baixa do ativo financeiro está relacionada à retenção substancial dos riscos e benefícios na operação de venda ou transferência. As operações de cessão de créditos em que existe retenção substancial dos riscos e benefícios pela Cifra permanecem registradas no ativo em sua totalidade. Os valores recebidos na operação são registrados no ativo com contrapartida no passivo referente à obrigação assumida. As receitas e despesas são apropriadas de forma segregada ao resultado do período pelo prazo remanescente da operação. (g) Outros ativos circulantes e realizáveis a longo prazo Demonstrados pelos valores de realização, incluindo, quando aplicável, os rendimentos auferidos, em base pro rata dia, deduzidos das correspondentes rendas a apropriar. (h) Outros valores e bens Despesas antecipadas Referem-se, sobretudo, à comissão sobre operações de crédito e correspondentes, além de comissão sobre captação de títulos e valores mobiliários no exterior, os quais estão de acordo com a vigência dos respectivos contratos. São representadas pelas aplicações de recursos em pagamentos antecipados, cujos direitos de benefícios ou prestação de serviços ocorrerão em períodos futuros, sendo registradas no resultado de acordo com o princípio da competência. Os custos incorridos que estão relacionados com ativos correspondentes, que gerarão receitas em períodos subsequentes, são apropriados ao resultado de acordo com os prazos e montantes dos benefícios esperados e baixados diretamente no resultado quando os bens e direitos correspondentes já não fizerem parte dos ativos da instituição ou quando não são mais esperados benefícios futuros. (i) Imobilizado de uso Correspondem aos direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das atividades da companhia ou exercidos com essa finalidade, inclusive os bens decorrentes de operações que transfiram à companhia os benefícios, riscos e controles desses bens. São demonstrados ao custo de aquisição, corrigido monetariamente até 31/1/1995, deduzidos da depreciação acumulada e da provisão para perdas por imparidade (impairment), quando aplicável. A depreciação do imobilizado foi calculada pelo método linear, que considera a vida útil dos bens estimada em sua utilidade econômica. A depreciação é considerada nas seguintes taxas anuais: máquinas, equipamentos, móveis e utensílios, instalações e sistema de comunicação - 10%; e veículos e equipamentos de processamento de dados - 0%. (j) Redução do valor recuperável de ativos (impairment) Uma perda é reconhecida caso existam evidências claras de que os ativos estão avaliados por valor não recuperável. Para averiguar a presença de impairment foram observados que os ativos não apresentaram obsolescência evidente e ou danos físicos e ainda desempenho econômico menor que a expectativa indicada. Levou em consideração também à comparação do valor contábil estabelecido no Balanço Patrimonial com valor líquido provável de venda dispostos no mercado ativo. Foi apontado o valor de venda como o maior valor entre os dois valores, o que não indicou uma perda de valor econômico. Em 30 de junho de 015 não existem indícios de redução do valor recuperável dos ativos. (k) Passivos circulante e exigíveis a longo prazo Demonstrados por valores conhecidos ou calculáveis, incluindo, quando aplicável, os encargos incorridos em base pro rata dia, deduzidos das correspondentes despesas a apropriar. (l) Imposto de renda e contribuição social A provisão para imposto de renda foi constituída à alíquota-base de 15% do lucro tributável, acrescida do adicional de 10%, e foi constituída provisão para contribuição social sobre o lucro líquido ajustado à alíquota de 15%, bem como os créditos tributários sobre diferenças temporárias e prejuízos fiscais e base negativa pelas respectivas alíquotas. Os créditos tributários de imposto de renda e contribuição social são constituídos sobre adições e exclusões temporárias e com base na legislação vigente à data de sua constituição. A realização destes créditos tributários ocorrerá quando da efetiva utilização e/ou reversão dos valores sobre os quais foram constituídos. O imposto de renda e contribuição social diferidos são reconhecidos usando-se o método do passivo sobre as diferenças temporárias decorrentes de diferenças entre as bases fiscais dos ativos e passivos e seus valores contábeis nas demonstrações financeiras. O imposto de renda e contribuição social diferidos são determinados, usando alíquotas de imposto promulgadas, ou substancialmente promulgadas, na data do balanço, e que devem ser aplicadas quando o respectivo imposto diferido ativo for realizado ou quando o imposto diferido passivo for liquidado. O imposto de renda e contribuição social diferidos ativo são reconhecidos somente na proporção da probabilidade de que lucro tributável futuro esteja previsto e contra o qual as diferenças temporárias possam ser usadas. Os impostos de renda diferidos ativos e passivos são compensados quando há um direito exequível legalmente de compensar os ativos fiscais correntes contra os passivos fiscais correntes e quando os impostos de renda diferidos ativos e passivos se relacionam com os impostos de renda incidentes pela mesma autoridade tributável sobre a entidade tributaria ou diferentes entidades tributáveis onde há intenção de liquidar os saldos numa base líquida. Foi conferido a Financeira o direito ao não pagamento da CSLL em face da inconstitucionalidade da Lei nº 7.689, de 15 de dezembro de 1988 ( Decisão TRF ). Tal decisão judicial foi proferida pelo Plenário do Tribunal Regional da Primeira Região em sede de Arguição de Inconstitucionalidade, transitando em julgado por decurso do prazo para interposição de recurso pela Procuradoria da Fazenda Nacional. (m) Ativos e passivos contingentes e obrigações legais - fiscais e previdenciárias São avaliados, reconhecidos e divulgados de acordo com as determinações estabelecidas na Resolução nº 3.83, de 16/1/009, do CMN e Carta Circular nº 3.49, de 11/0/010 do BACEN: Ativos Contingentes não são reconhecidos contabilmente, exceto quando a Administração possui total controle da situação ou quando há garantias reais ou decisões judiciais favoráveis, sobre as quais não cabem mais recursos, caracterizando o ganho como praticamente certo e pela confirmação da capacidade de sua recuperação por recebimento ou compensação com outro exigível. Os ativos contingentes cuja expectativa de êxito é provável são divulgados nas notas explicativas. Passivos Contingentes são reconhecidas nas demonstrações financeiras quando, baseado na opinião de assessores jurídicos e Administração, a natureza das ações, a similaridade com processos anteriores, a complexidade dos Tribunais, for considerado provável o risco de perda de uma ação judicial ou administrativa, com uma provável saída de recursos para a liquidação das obrigações e quando os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. Os passivos contingentes classificados como de perdas possíveis não são reconhecidos contabilmente, devendo ser apenas divulgados nas notas explicativas, quando individualmente relevantes, e os classificados como remotos não requerem provisão e nem divulgação. Obrigações Legais - Fiscais e Previdenciárias decorrem de processos judiciais relacionados a obrigações tributárias, cujo objeto de contestação é sua legalidade ou constitucionalidade, que, independentemente da avaliação acerca da probabilidade de sucesso, têm os seus montantes reconhecidos integralmente nas demonstrações financeiras. 3 Caixa e equivalentes de Caixa O caixa e equivalentes de caixa compreendem: Disponibilidades Outros créditos Impostos a compensar (i)... 1 Bloqueio judicial Circulante (i) O saldo de Impostos a compensar compreende os montantes desembolsados a título de antecipações de imposto de renda e contribuição social, efetuadas de acordo com a legislação fiscal vigente. 5 Outras obrigações (a) Fiscais e previdenciárias Provisão para imposto de renda e contribuição s/ lucros... 9 Outros impostos e contribuições a recolher Circulante Patrimônio líquido (a) Capital social O capital social em 30 de junho de 015 é de R$ 7.000, composto por ações, sendo ações ordinárias e igual número de ações preferenciais, nominativas, totalmente subscritas e integralizadas pelo acionista Banco BCV S.A. (Antigo Banco Schahin S.A.). A Assembleia Geral Extraordinária realizada em 30 de janeiro de 014 deliberou a cisão parcial do patrimônio líquido contábil em 31 de dezembro de 013 da Cifra S.A. Crédito, Financiamento e Investimento com a incorporação dessa parcela pelo Banco Cifra S.A. A composição dos saldos objeto da incorporação, são demonstrados abaixo: Ativo 31/1/013 Empréstimos Financiamentos Provisão para empréstimos... (39) Provisão para financiamentos... (49.503) Adiantamentos e antecipações salariais... 1 Créditos Tributários de impostos e contribuições Devedores por depósitos em garantia Impostos e contribuições a compensar Valores a receber de sociedades ligadas Devedores diversos Outros valores e bens Despesas antecipadas Ativo permanente do ativo Passivo Depósitos interfinanceiros Depósitos a Prazo IOF a recolher Dividendos e bonificações a pagar Impostos e contribuições sobre o lucro Provisão para impostos e contribuições sobre lucros Imposto e contribuições a recolher Provisão para riscos fiscais Provisão para impostos e contribuições diferidos Provisão para pagamento a efetuar Provisão para passivos contingentes Valores a pagar a sociedades ligadas Credores diversos do passivo Acervo líquido incorporado (b) Reservas Reservas de lucros: Legal: É constituída à base de 5% sobre o lucro líquido do exercício, limitada a 0% do capital social. Estatutária: É constituída com base no lucro líquido não distribuído após todas as destinações, permanecendo o seu saldo acumulado à disposição dos acionistas para deliberação futura em Assembleia Geral. (c) Dividendos e juros sobre capital próprio Os acionistas têm direito de receber como dividendo obrigatório, em cada exercício, importância não inferior a 5% (vinte e cinco por cento) do lucro líquido ajustado, conforme disposto na Lei das Sociedades por Ações. 7 Receitas e despesas da intermediação financeira Apresentamos abaixo a composição das receitas e despesas da intermediação financeira: Resultado de operações com títulos e valores mobiliários Aplicações interfinanceiras de liquidez Despesas tributárias PIS e COFINS Outras receitas e despesas operacionais Outras despesas operacionais Outras... (1)... (1) 10 Partes relacionadas As operações realizadas entre partes relacionadas são divulgadas em atendimento à Resolução BACEN nº 3.750, de 30/06/009, e do Pronunciamento Técnico CPC 05. Essas operações são efetuadas a valores, prazos e taxas médias usuais de mercado, vigentes nas respectivas datas, e em condições de comutatividade. (a) Transações com partes relacionadas As operações entre as empresas pertencentes ao Conglomerado BMG foram eliminadas nas demonstrações consolidadas do Banco BMG e empresas controladas. (b) Outros benefícios A Cifra CFI não possui benefícios de longo prazo, de pós-emprego, de contrato de trabalho para o seu pessoal-chave da Administração. (c) Outras informações Conforme legislação em vigor, as instituições financeiras não podem conceder empréstimos ou adiantamentos para seus acionistas controladores, empresas coligadas, administradores, ou parentes de seus administradores até o segundo grau. Dessa forma, não são efetuados pelas instituições financeiras empréstimos ou adiantamentos a qualquer subsidiária, membros do Conselho de Administração ou da Diretoria Executiva e seus familiares. Lei nº 1.973: em 14 de maio de 014 foi publicada a Lei nº 1.973, conversão da Medida Provisória nº 67, que altera a legislação tributária federal sobre IRPJ, CSLL, PIS e COFINS. A referida Lei nº 1.973/ 14 dispõe, entre outros assuntos, sobre: a revogação do Regime Tributário de Transição - RTT, instituído pela Lei nº , de 7 de maio de 009; a tributação da pessoa jurídica domiciliada no Brasil, com relação ao acréscimo patrimonial decorrente de participação em lucros auferidos no exterior por controladas e coligadas e de lucros auferidos por pessoa física residente no Brasil por intermédio de pessoa jurídica controlada no exterior. MP nº 675 A Medida Provisória nº 675, de 1 de maio de 015 ( MP ), elevou a alíquota da Contribuição Social para 0% com vigência a partir de 1º de setembro de 015. A MP ainda não foi convertida em Lei, estando pendente de apreciação e aprovação pelo Congresso Nacional. Considerando ainda a existência de varias emendas complementares ao projeto de conversão em Lei reduzindo ou elevando a alíquota a patamares diferentes do proposto pelo Executivo, não foi reconhecido qualquer efeito pela referida elevação da alíquota sobre créditos tributários em 30 de junho de Gestão de riscos Estrutura de Gerenciamento de Riscos e Capital Para o Conglomerado Prudencial do BMG, a gestão de riscos é essencial para a maximização da eficiência no uso do capital e para a escolha das oportunidades de negócios, bem como para garantir a preservação da integridade e a independência dos processos. Desta forma, a Companhia tem desenvolvido, com base nas melhores práticas de gerenciamento de riscos, políticas, sistemas e controles internos para a mitigação e controle de possíveis perdas decorrentes da exposição aos riscos aos quais suas atividades estão expostas, com um conjunto de processos e rotinas adequados às suas modalidades operacionais. Neste contexto, a Companhia gerencia seus riscos - de capital, de liquidez, de mercado, crédito e operacional - com ações específicas para cada um, descritas abaixo: 1.1 Gestão de Capital O Banco BMG optou pela constituição de estrutura de gerenciamento de capital centralizada para o Conglomerado Financeiro, nomeando um diretor responsável para toda a estrutura. O Comitê de Gestão do Capital é o principal responsável por promover discussões acerca do gerenciamento de capital. O comitê é conduzido pela Diretoria Executiva de Controladoria (DECONT) com o objetivo de apresentar ao Conselho de Administração e demais Diretorias o Índice de Basiléia atual bem como as projeções para os próximos 3 anos. Dentre as principais atividades do Comitê, destacamos: Promover discussões e decisões sobre temas relacionados às Políticas, procedimentos, metodologias e processos relacionados ao gerenciamento de capital e ao Plano de Capital, conforme estabelecidos nesta Política; Validar a Política de Gerenciamento de Capital e o Plano de Capital da Organização e submetê-los à aprovação da Diretoria e do Conselho de Administração; Submeter à Diretoria e ao Conselho de Administração deliberações do comitê que afetem a Política, e o Plano de Capital; Acompanhar o cumprimento da Política de Gerenciamento de Capital; Avaliar periodicamente, no mínimo a cada três meses, os resultados do processo de gestão de capital, seus pontos fortes e fracos, assim como a adequação de sua estrutura, buscando adequá-lo às necessidades da Organização; Acompanhar a efetividade do processo de gerenciamento de capital no âmbito da Organização, inclusive os possíveis impactos no capital, oriundos aos riscos associados às empresas não financeiras integrantes do consolidado econômico-financeiro; Reportar ao Conselho de Administração as variações significativas nas projeções financeiras e na necessidade futura de capital, bem como possíveis desenquadramentos e alterações relevantes em relação às estratégias adotadas, o montante de capital a ser alocado e os efeitos de testes de estresse no âmbito da Organização; Tomar conhecimento dos trabalhos executados pelas auditorias interna e externa pertinentes à gestão de capital; Posicionar regularmente o Conselho de Administração sobre as atividades do Comitê. A Superintendência de Planejamento Financeiro e RI Controladoria subordinada a Diretoria Executiva de Controladoria é a responsável pela projeção dos ativos, passivos, receitas e despesas do conglomerado financeiro BMG, assim como pela aplicação dos cenários de estresse sobre os saldos projetados. A Superintendência Contábil Fiscal subordinada a Diretoria Executiva de Controladoria é responsável pela apuração e projeção do Índice de Basiléia utilizando-se do orçamento (elaborado pela SUPLA) e cenários relativos aos Riscos de Crédito, Mercado e Liquidez. A Superintendência de Riscos (SURIC) sob a responsabilidade da Diretoria Executiva de Controladoria é a unidade responsável pelo gerenciamento do capital do conglomerado financeiro BMG assim como pela avaliação de possíveis impactos no capital oriundos dos riscos associados às empresas não financeiras integrantes do consolidado econômico-financeiro. 1. Risco de Mercado Os acionistas e administradores do Conglomerado Prudencial do BMG entendem que a gestão desse risco, aliada a um efetivo controle a partir das melhores práticas e ferramentas operacionais, garante que a instituição esteja adequadamente capitalizada e segura, sendo conhecedora de suas vantagens e desvantagens em termos de retorno e risco. Considera, ainda, que todos os níveis hierárquicos da instituição têm papéis e responsabilidades em relação à gestão do risco de mercado em suas atividades, para a eficácia dos controles. O Conglomerado Prudencial do BMG emprega uma política conservadora no gerenciamento do risco de mercado, supervisionando e controlando de forma eficaz cada fator para identificar e quantificar as volatilidades e correlações que venham impactar a dinâmica do preço do ativo. Estratégia do Grupo Financeiro Considerando o perfil e política da administração, o gerenciamento de riscos visa manter a estratégia da instituição, como segue: Relativamente ao risco de taxa de juros prefixada, a Diretoria Financeira poderá manter descasadas operações prefixadas calcada em expectativas favoráveis de mercado desde que atendido o nível mínimo do Índice de Basiléia desejável pela Alta Administração; Captações externas normalmente hedgeadas eliminando risco cambial. Posições de oportunidade em swaps de moedas; Eliminação do risco de índices de preços (notadamente IPCA e IGPM), através de contratação de swaps; Posições de oportunidade podem ser assumidas em diversos mercados de derivativos; Posições de oportunidade em derivativos podem ser assumidas tanto em mercados de balcão quanto padronizados, dentro dos limites estabelecidos. Mensuração do risco e realização de Testes: Determinar a sensibilidade da carteira aos impactos de movimentos extremos de mercado para taxa de juro, variação cambial em dólar e testes de aderência e backtesting. Carteira de Negociação (Trading Book) e Banking Book De acordo com a Circular nº 3.64/13, que estabelece os critérios mínimos para a classificação das operações das instituições financeiras na Carteira de Negociação (Trading Book) e fora da Carteira de Negociação (Banking Book), e a Circular nº 3.365/07, que dispõe sobre a mensuração do risco de taxas de juros das operações do Banking Book, o Conglomerado Prudencial do BMG segrega as operações classificadas na carteira de Banking Book das operações classificadas como Trading Book para cálculo do Risco de Mercado. O gerenciamento de risco de mercado busca garantir que os critérios de classificação na Carteira de Negociação (Trading) e Carteira de Não Negociação (Banking), sejam observados de maneira consistente, por meio do estabelecimento de controles que garantam a adequação da classificação e o monitoramento da rotatividade das operações na carteira de negociação. Processo de Gerenciamento A área de gerenciamento utiliza práticas e tecnologias para a mensuração e acompanhamento diário dos limites definidos, das sensibilidades e estresses às oscilações da exposição cambial, taxa de juro, preços de ações e mercadorias (commodities), prevendo, inclusive, os riscos inerentes a novas atividades e produtos, adequando os controles e procedimentos necessários. A área de gerenciamento do Risco de Mercado monitora o cumprimento dos limites e disponibiliza relatórios gerenciais de controle das posições, além de reporte e apresentações periódicas à Alta Administração. Os resultados da mensuração, envolvendo situações de normalidade e de estresse, e a realização dos testes de aderência, além da verificação do cumprimento dos limites estabelecidos, são divulgados através da Carta Mensal de Risco de Mercado a toda Diretoria Executiva e ao Comitê de Ativos e Passivos - ALCO. As operações de hedge executadas pela tesouraria devem, necessariamente, cancelar ou mitigar os riscos do descasamento de quantidades, prazos, moedas ou indexadores, das posições Trading e Banking. Relativamente ao risco da taxa de juro prefixada, a estratégia é no sentido de manter descasada somente até o limite do valor a carteira própria bancada. 1.3 Risco de Liquidez O gerenciamento do risco de liquidez tem por objetivo manter sistemas de controle estruturados em consonância com os perfis operacionais da instituição, periodicamente reavaliados, que permitam o acompanhamento permanente das posições assumidas em todas as operações praticadas nos mercados financeiros e de capitais, de forma a evidenciar e mitigar o risco de liquidez decorrente das atividades desenvolvidas. Define-se como risco de liquidez a ocorrência de desequilíbrios entre ativos negociáveis e passivos exigíveis - descasamentos entre pagamentos e recebimentos - que possam afetar a capacidade de pagamento da instituição, levando-se em consideração as diferentes moedas e prazos de liquidação de seus direitos e obrigações. Processo de Gerenciamento O Banco conta com estrutura de gerenciamento de riscos centralizada em uma única diretoria, com atribuições formalmente aprovadas pelo Conselho de Administração, visando a manter a liquidez em níveis aceitáveis, incluindo práticas, processos, procedimentos e reportes. A estrutura de gerenciamento é compatível com a natureza das operações, a complexidade dos produtos e a dimensão da exposição ao risco de liquidez da instituição, sendo que a gestão é centralizada na Gerência Corporativa de Riscos, subordinada à Diretoria Executiva de Riscos Corporativos e Cobrança. O gerenciamento do risco de liquidez busca utilizar as melhores práticas de maneira a evitar escassez de caixa e dificuldades em honrar os vencimentos a pagar. Mensuração e Controle do Risco A área de Risco é responsável principalmente pela preparação dos fluxos de caixa e pela análise diária de todas as posições mantidas em conjunto com a Tesouraria, bem como a avaliação da sua adequação em relação aos limites operacionais estabelecidos, e pela avaliação da liquidez dos ativos negociados e pelo impacto de cenários negativos no caixa. Continua... Demonstração do valor adicionado - DVA em 30 de junho (em milhares de reais, exceto quando indicado) Independentes sobre as demonstrações financeiras. Colocamo-nos à disposição de V.Sas. para quaisquer esclarecimentos adicionais. São Paulo, 1 de agosto de 015. DIRETORIA SEDE São Paulo - SP Cifra S.A. Crédito, Financiamento e Investimento CNPJ nº / BALANÇO PATRIMONIAL 1 Receitas Intermediação financeira Despesas da intermediação financeira Outras despesas operacionais Materiais e serviços adquiridos de terceiros 4 Valor adicionado bruto (1 3)... (1) 64 5 Depreciação e amortização 6 Valor adicionado líquido produzido pela entidade (4 5)... (1) 64 7 Valor adicionado a distribuir (6)... (1) Outras receitas 8 Distribuição do valor adicionado... (1) Impostos, contribuições e taxas Federais Remuneração de capitais próprios... (1) 5 Lucros retidos do semestre... (1) 5 As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras.

6 Página 6 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Armco do Brasil S.A. CNPJ/MF Nº / NIRE Nº EDITAL DE CONVOCAÇÃO - CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO De acordo com os termos do Estatuto da Armco do Brasil S.A., ficam todos os acionistas, convocados para AGE em 14/09/015 às 10 horas, para deliberar sobre renúncia dos diretores Marcos José Guzzo e Manoel Marcos Guimarães Lopes ocorrida em 03/08/015. Deverá ser publicado em jornal de grande circulação, para que todos os membros tenham pleno conhecimento, na forma da lei. São Paulo, 7 de Agosto de 015. Levon Kessadjikian - Conselho de Administração. (9/08, 01 e 0/09/15) 1. Data, hora e local: Dia 01 de julho de 015, às 10:00 horas, na sede social da Sociedade localizada na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek n.º 50 - conjunto 11 sala 01, São Paulo - SP CEP Presença: Giuseppe Giamundo Neto e Abrahão Buchatsky, representando a totalidade do capital social, ficando dispensada a convocação, nos termos do Artigo 14, 4º da Lei nº , de 15 de dezembro de 1976, e nos termos do Artigo 1.07, º da Lei nº , de 10 de janeiro de 00, conforme lista de presença de sócios que integra esta Ata como anexo ( Anexo I ) e que fica arquivada na sede da sociedade. 3. Mesa: A Reunião foi presidida pelo sócio Giuseppe Giamundo Neto, que indicou o sócio Abrahão Buchatsky para secretariá-lo. 4. Ordem do Dia: (i) transformação do tipo societário de sociedade empresária limitada em sociedade por ações; (ii) aprovação da nova redação do Estatuto Social; (iii) eleição dos membros da Diretoria. 5. Deliberações: O Sr. Presidente declarou instalada a Assembleia e, por unanimidade de voto dos presentes, e sem quaisquer restrições, resolveram: (a) Aprovar, independentemente de dissolução e liquidação, a transformação do tipo da sociedade, de sociedade empresária limitada SAINTER EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA., para sociedade por ações, que passará a ser denominada SAINTER EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S/A, não importando tal transformação em qualquer solução de continuidade, permanecendo em vigor os direitos e obrigações sociais, a mesma escrituração comercial e fiscal sem alteração do seu objeto social, de conformidade com a redação contida no Estatuto Social da Sociedade, aprovado nos termos do item (c) abaixo; (b) Em decorrência da transformação da Sociedade, nos termos do item (a) acima, aprovar a conversão do capital social, atualmente no valor de R$ ,00 (oito milhões e seiscentos mil reais) totalmente subscrito e integralizado, que passa a ser representado por (oitocentas e sessenta mil) ações ordinárias, nominativas, sem valor nominal, totalmente subscritas e integralizadas, conforme Boletim de Subscrição que é anexado a esta Ata ( Anexo II ); (c) Aprovar o Estatuto Social; (d) Aprovar a eleição dos membros da Diretoria, tendo sido eleitos pelos acionistas o Sr. Fabio Ragusa, brasileiro, casado, administrador, portador da cédula de identidade RG n.º SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob n.º , domiciliado na Rua Monte Alegre, 18 - Apartamento 3 - Perdizes - CEP São Paulo -SP, para ocupar o cargo de Diretor; e o Sr. André Guilherme Marques Porto Alegre, brasileiro, casado, jornalista, portador da cédula de identidade RG n.º SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob n.º , domiciliado na Rua Harmonia, n.º 539 Apartamento 144 A Sumarezinho São Paulo SP - CEP: , para ocupar o cargo de Diretor, com mandato até a Assembleia Geral Ordinária que eleger nova diretoria; (d.1) Os Diretores ora eleitos aceitaram os cargos para os quais foram nomeados, afirmando expressamente, sob as penas da lei, que não estão impedidos, por lei especial, de exercer a administração de sociedades, e nem condenados ou sob efeitos de condenação, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato; ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé pública ou a propriedade, e tomarão posse em seus respectivos cargos, nos termos da legislação aplicável, mediante assinatura do Termo de Posse, a ser lavrado em livro próprio; e; (e) Determinar que os Diretores ficarão incumbidos de ultimar as formalidades remanescentes para registro da transformação da Sociedade perante os órgãos competentes. 6. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, a Assembleia foi suspensa pelo tempo necessário para redação desta Ata, que, lida e achada conforme, foi por todos assinada. São Paulo, 01 de julho de 015. GIUSEPPE GIAMUNDO NETO, ABRAHÃO BUCHATSKY, FABIO RAGUSA, ANDRÉ GUILHERME MARQUES PORTO ALEGRE. Visto do advogado: Daniel Soares Zanelatto OAB/SP ESTATUTO SOCIAL SAINTER EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S/A. Denominação, Sede Social e Duração: Artigo 1º - A SAINTER EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S/A ( Companhia ) é uma sociedade por ações, regida pelo presente Estatuto Social e pelas disposições legais aplicáveis, em especial a Lei n.º 6.404, de 15 de dezembro de 1976 e suas respectivas alterações. Artigo º - A Companhia tem sua sede social na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek n.º 50 - conjunto 11 sala 01, São Paulo SP CEP Parágrafo único: Mediante deliberação da Assembleia Geral, e observados os termos deste Estatuto Social, a Companhia poderá abrir e manter filiais, escritórios, representações ou outros estabelecimentos em qualquer localidade do País ou do exterior. Artigo 3º - O prazo de duração da Companhia é indeterminado. Objeto Social: Artigo 4º - A Companhia tem por objeto social: (a) A administração de bens próprios, móveis e imóveis; (b) A locação, cessão, compra e venda de imóveis próprios; (c) A participação em empreendimentos em geral, e em outras sociedades. Capital Social e Ações: Artigo 5º- O capital social da Companhia, totalmente integralizado, em moeda corrente nacional, é de R$ ,00 (oito milhões e seiscentos mil reais) dividido em (oitocentas e sessenta mil) ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal. Parágrafo Primeiro: Cada ação ordinária dá direito a um (1) voto nas deliberações das Assembleias Gerais de Acionistas. Parágrafo Segundo: As ações são indivisíveis perante a Companhia, que reconhece apenas um (1) proprietário para cada uma delas. Parágrafo Terceiro: Os Acionistas terão direito de preferência para a subscrição de ações em aumentos de capital, na proporção das ações detidas pelos mesmos, observadas as disposições legais aplicáveis. Parágrafo Quarto: Em caso de alienação das ações, inter-vivos ou em decorrência do falecimento de qualquer um dos Acionistas, as ações deverão ser oferecidas previamente aos demais Acionistas, que terão direito de preferência na sua aquisição, na proporção das ações que possuírem, em igualdade de preço e condições, com a melhor oferta. As ações deverão ser ofertadas aos Acionistas, previamente, através de carta protocolada ou registrada, a qual conterá o preço por ação e as condições de pagamento, com prazo de trinta (30) dias para resposta. Caso não haja interesse por parte de qualquer acionista em adquirilas, as ações poderão ser alienadas a terceiros pelo respectivo titular. Parágrafo Quinto: Com a inscrição do nome do acionista no Livro de Ações nominativas, fica comprovada a respectiva propriedade das ações. Parágrafo Sexto: A transferência das ações operar-se-á por termos lançados em livro próprio da Companhia. Administração da Companhia: Artigo 6º - Observadas as disposições estabelecidas neste Estatuto Social, a Companhia será administrada por uma Diretoria composta por até seis (6) Diretores, sem designação específica, Acionistas ou não, residentes no País, eleitos por Acionistas representando a maioria do capital social, sendo permitida a recondução. Parágrafo Primeiro: A Assembleia Geral de Acionistas deverá estabelecer a remuneração global dos administradores e a sua distribuição. Parágrafo Segundo: Os membros da Diretoria estarão devidamente investidos na posse quando das assinaturas dos Termos de Posse, lavrados no livro próprio, permanecendo em seus respectivos cargos até a efetiva posse de seus sucessores. Parágrafo Terceiro: O mandato de cada Diretor será de (dois) anos, e será prorrogado até nova eleição e a investidura de seus sucessores. Parágrafo Quarto: Em caso de vacância do cargo ou de impedimento permanente de qualquer membro da Diretoria, os Acionistas elegerão um substituto, em Assembleia Geral especialmente convocada para este fim, a realizar-se dentro de trinta (30) dias contados da ocorrência do evento. O mandato do Diretor substituto encerrar-se-á na data em que expiraria o mandato do Diretor substituído. Artigo 7º - Compete à Diretoria a administração e gerência da Companhia e a execução de todos os atos de gestão, com os deveres e poderes a ela conferidos por lei e por este Estatuto Social, cumprindo e fazendo com que sejam cumpridas suas próprias deliberações e as da Assembleia Geral. Artigo 8º - Em acréscimo às atribuições legais inerentes à função de Diretor e observadas as disposições deste Estatuto Social, compete aos Diretores: (a) conduzir e superintender os negócios da Companhia, dando cumprimento ao objeto social; (b) aprovar os planos, os programas e as normas gerais de operação, administração e controle no interesse do desenvolvimento da Companhia; (c) convocar e presidir as SAINTER EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S/A CNPJ/MF / NIRE Ata da Assembleia Geral de Constituição por Transformação da Sainter Empreendimentos e Participações Ltda. Assembleias Gerais e Reuniões de Diretoria; (d) representar a Companhia perante quaisquer autoridades e entidades governamentais competentes e quaisquer terceiros; (e) cumprir com as atribuições a ele conferidas por lei, por este Estatuto Social, pelos Acionistas ou pela Diretoria; (f) desenvolver estratégias, orientações e procedimentos de negócios; e (g) preparar o relatório da administração, a serem submetidos aos Acionistas em Assembleia Geral Ordinária, instruídos com o balanço patrimonial e demonstrações financeiras legalmente exigidos em cada exercício, bem como com os respectivos pareceres do Conselho Fiscal, quando for o caso. Artigo 9º - Observadas as disposições deste Estatuto Social, a Companhia considerar-se-á obrigada pela: (a) assinatura conjunta de dois () Diretores da Companhia; (b) assinatura conjunta de um (1) Diretor da Companhia e um (1) procurador constituído na forma do Artigo 10, abaixo; e (c) assinatura conjunta de dois () procuradores constituídos na forma do Artigo 10, abaixo. Parágrafo Primeiro: Os Diretores, procuradores e Acionistas não poderão praticar atos estranhos ao objetivo social, nem oferecer, em nome da Companhia, fiança, aval, endosso ou demais garantias de favor a terceiros ou aos próprios Acionistas. Havendo violação deste dispositivo, os aludidos atos serão nulos de pleno direito perante a Companhia e seus Acionistas. Parágrafo Segundo: Para os atos de simples rotina, assim entendidos os que não envolvem obrigação ou responsabilidade pecuniária para a Companhia, bem assim como os atos de simples representação perante autoridades públicas em geral, participação em licitações públicas, a Companhia poderá ser representada por um (1) Diretor ou um (1) procurador. Artigo 10 - Para constituição de procuradores da Companhia, esta será representada pela assinatura de 0 (dois) Diretores. Parágrafo único: As procurações deverão especificar os poderes conferidos e, com exceção daquelas para fins judiciais, terão prazo de validade limitado. Artigo 11 - As Reuniões da Diretoria serão convocadas por quaisquer dos Diretores, sempre que o interesse social assim exigir, e serão instaladas com a presença de todos os membros eleitos e investidos em seus cargos. As deliberações somente serão válidas quando aprovadas por maioria dos seus membros eleitos e investidos em seus cargos, devendo tais resoluções constar de atas lavradas em livro próprio. Parágrafo Único: Qualquer membro da Diretoria poderá indicar, por escrito, outro Diretor para representá-lo nas Reuniões de Diretoria. Os membros serão considerados presentes às Reuniões quando expressarem sua opinião ou enviarem seu voto por carta, facsímile, telegrama ou correio eletrônico ( ). Das Assembleias Gerais: Artigo 1 - A Assembleia Geral reunir-se-á, ordinariamente, dentro dos 04 (quatro) meses seguintes ao término do exercício social da Companhia, a fim de serem discutidos os assuntos previstos em lei e, extraordinariamente, sempre que convocada, a fim de deliberar a respeito de assuntos de interesse da Companhia, ou ainda, quando as disposições do Estatuto Social ou da legislação vigente exigirem deliberações dos Acionistas, devendo ser convocada: I- pelo Conselho Fiscal; ou II - por quaisquer dos membros da Diretoria; ou, ainda III -pelos Acionistas, na forma prevista na lei. Parágrafo Primeiro: Todas as convocações deverão indicar a ordem do dia, explicitando ainda, no caso de reforma estatutária, a matéria objeto. Parágrafo Segundo: Serão consideradas como tendo sido devidamente convocadas as Assembleias Gerais a que compareçam todos os Acionistas da Companhia. Artigo 13 - A Assembleia Geral, seja ela ordinária ou extraordinária, será instalada e presidida por um dos membros da Diretoria, que convidará um dos presentes para secretariar os assuntos tratados. Parágrafo único: A representação do Acionista na Assembleia Geral se dará nos termos do 1º do artigo 16 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, desde que munido do respectivo instrumento de procuração, com poderes específicos, acompanhado de prova de representação do Acionista que outorgou o mandato. Artigo 14 - A Assembleia Geral tem poder para decidir todos os negócios relativos ao objeto da Companhia e tomar as decisões que julgar conveniente à sua defesa e desenvolvimento, observadas as competências específicas dos demais órgãos de administração da Companhia. Artigo 15 - Salvo se maior quorum for exigido por lei, as deliberações da Assembleia Geral serão tomadas por maioria de votos, não computados os votos em branco. Artigo 16 - À Assembleia Geral também competirá, além das atribuições previstas em lei: (a) tomar as contas dos Diretores da Companhia, examinar, discutir e votar as demonstrações financeiras; (b) deliberar sobre a destinação do lucro líquido do exercício e distribuição de dividendos; (c) eleger os membros do Conselho de Administração da Companhia; (d) eleger os membros do Conselho Fiscal da Companhia, se for o caso; (e) fixar a verba global destinada à remuneração dos Conselheiros no exercício em curso. Artigo 17 - As matérias abaixo somente poderão ser consideradas aprovadas em Assembleia Geral quando tiverem o voto favorável de Acionistas que representem, no mínimo, /3 (dois terços) das ações ordinárias emitidas pela Companhia: I alteração de quaisquer das disposições do Estatuto Social que envolva alteração do objeto social da Companhia, inclusive para a inclusão da prática de novas atividades econômicas; II operações de fusão, incorporação ou cisão da Companhia; III- resgate ou amortização de ações; IV dissolução da companhia; V deliberar sobre a solicitação de recuperação judicial ou extrajudicial ou pedido de autofalência pela Companhia e/ou decisão sobre a forma de exercício de seu direito de voto em Assembleias gerais/reunião de sócios de suas sociedades controladas a esse respeito. Do Conselho Fiscal - Artigo 18 - O Conselho Fiscal da Companhia, que terá caráter não permanente, será integrado por três (3) membros efetivos e igual número de suplentes, eleitos pela Assembleia Geral em que for instalado e funcionará com as atribuições e prazos de mandato previstos em lei. Parágrafo Único: O Conselho Fiscal somente será instalado nos exercícios fiscais em que for convocado pelos Acionistas, na forma da lei. Do Exercício Social, Demonstrações Financeiras e Destinação do Lucro - Artigo 19 - O exercício social da Companhia terminará em 31 de dezembro de cada ano, findo o qual serão elaboradas pela Diretoria as demonstrações financeiras do correspondente exercício, as quais serão apreciadas pela Assembleia Geral Ordinária em conjunto com a proposta de destinação do lucro líquido do exercício, bem como da distribuição de dividendos. Parágrafo Primeiro: A destinação do lucro líquido do exercício se dará da seguinte forma: I 5% (cinco por cento) será aplicado na constituição de reserva legal, observado que não poderá exceder 0% (vinte por cento) do capital social; II pagamento de dividendo mínimo obrigatório, no montante correspondente a 10% (dez por cento) do lucro do exercício ajustado nos termos da legislação em vigor. Parágrafo Segundo: O saldo remanescente, depois de atendidas as exigências legais, terá a destinação determinada pela Assembleia Geral. Parágrafo Terceiro: A Assembleia Geral poderá deliberar a distribuição de dividendo inferior ao obrigatório previsto no item, II, ou, ainda, a retenção lucros, respeitadas as formas e limites fixados na lei. Parágrafo Quinto: Por deliberação da Assembleia poderão ser pagos juros sobre o capital próprio, na forma da legislação em vigor. Artigo 0 - A Diretoria poderá determinar o levantamento de balanços e demonstrações trimestrais ou semestrais e, mediante deliberação da Assembleia Geral, poderá declarar dividendos baseados nos lucros apurados em tais balanços, observadas as disposições deste Estatuto Social. Parágrafo Primeiro: Observadas as disposições deste Estatuto Social, a Diretoria poderá, mediante deliberação da Assembleia Geral, determinar o levantamento de balanços e distribuir dividendos relativos a períodos inferiores, observados os limites legais. Parágrafo Segundo: Sem prejuízo do disposto neste Artigo, a Companhia poderá distribuir dividendos intermediários, mediante deliberação da Assembleia Geral, observadas as disposições deste Estatuto Social. Parágrafo Terceiro: Os dividendos distribuídos de acordo com este Artigo poderão ser considerados adiantamento do dividendo mínimo obrigatório estabelecido no Artigo 19, item II, acima. Da Liquidação: Artigo 1 - A Companhia entrará em liquidação nos casos previstos em lei ou por deliberação da Assembleia Geral, caso em que competirá aos Diretores determinar a forma de liquidação, nomear o liquidante, bem como fixar a remuneração do mesmo. Foro: Artigo - Fica eleito o Foro da Comarca de São Paulo, Estado de São Paulo, com renúncia de qualquer outro, por mais especial ou privilegiado que seja, como o único competente a conhecer e julgar qualquer questão ou causa que, direta ou indiretamente, derivem da celebração deste Estatuto Social ou da aplicação de seus preceitos. GIUSEPPE GIAMUNDO NETO, ABRAHÃO BUCHATSKY. Certificado o registro sob o NIRE e n.º e n.º /15-9 em 30 de julho de 015 Leilões RONALDO MILAN LEILOEIRO OFICIAL - JUCESP 66 INFORMAÇÕES: TEL.: (11) FAX: (11) ON LINE MILAN ON LINE LEILÃO PRESENCIAL e ONLINE LEILÃO PRESENCIAL e ONLINE LOCAL DO LEILÃO: RODOVIA RAPOSO TAVARES, KM 0 SÃO PAULO - SP. - LOCAL DO LEILÃO: RODOVIA RAPOSO TAVARES, KM 0 SÃO PAULO - SP. - 1ºLEILÃO:DIA 01 DE SETEMBRO DE 015 (TERÇA-FEIRA), ÀS 11:00h 1ºLEILÃO:DIA 01 DE SETEMBRO DE 015 (TERÇA-FEIRA), ÀS 10:30h ºLEILÃO:DIA 08 DE SETEMBRO DE 015 (TERÇA-FEIRA), ÀS 11:00h ºLEILÃO:DIA 09 DE SETEMBRO DE 015 (QUARTA-FEIRA), ÀS 10:30h BELO HORIZONTE/MG - APTO C/ 96,8185M². - BAIRRO DO CASTELO - Obs.: 1ºLeilão: R$ ,01 eºleilão: R$ ,69 Avenida Miguel Perrela, nº 600 Apto 30, localizado no 4º pavimento do Edifício Residencial Gaia. Matrícula nº do 3º Ofício do Registro de Imóveis de Belo Horizonte/MG Ocupado. BELO HORIZONTE/MG - APTO C/ 59,598M² BAIRRO CAMARGOS - Obs.: 1º Leilão: R$ ,44 e º Leilão: R$ 0.183,03 Rua Cláudio Oliveira Neves, nº 1 Aptoº 303, localizado no 3º pavimento do do Bloco 01 do Condomínio Residencial Dona Bella. Matrícula nº do 3º Ofício do Registro de Imóveis de Belo Horizonte/MG Ocupado. Edital de Citação - Prazo 0 dias Proc O Dr. Daniel Toscano,Juiz de Direito da 13º VC do Foro da Capital/SP. Faz Saber a José Valério da Silva, RG nº , CPF/ MF Nº que Sociedade Instrução E Socorros - Colégio Santo Agostinho, C.N.P.J/M.F. nº / lhes ajuizou ação Monitória para cobrança de R$ 9.156,19 referente ao contrato de prestação de serviços educacionais firmado entre as partes. Não localizado o representante legal, citado fica para que no prazo de 15 dias, a fluir após o prazo supra, pague o débito, ou embarque a ação (Art CPC), ficando isento de custas e honorários em caso de pagamento sob pena de conversão de mandato inicial em título executivo, presumindo-se como verdadeiros os fatos. Será o presente edital, afixado e publicado. São Paulo, 4 de Fevereiro de 015. (8 e 9) AGROPECUÁRIA JARINÃ S/A CNPJ. Nº / Edital de Convocação - Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária Ficam convocados os Srs. Acionistas para AGO/E que será realizada em 04/09/015, às 10h, na Rua Cubatão, nº 86, conjunto 1401, sala 01, CEP , nesta Capital, para deliberarem na AGO a seguinte Ordem do dia: i) exame e aprovação do relatório anual da Diretoria, do Balanço Patrimonial e das demais demonstrações financeiras relativas ao exercício social encerrado em ; ii) Fixação da verba global de remuneração da Diretoria; e iii) deliberação a cerca da destinação do lucro líquido do exercício, se apurado; e AGE a seguinte Ordem do dia: i) assuntos de interesse dos acionistas. São Paulo, Ubirajara Rodolpho Amorim - Diretor Presidente. (7, 8 e 9) Construção utiliza princípios do Lego Os princípios do Lego e do Meccano, dois dos mais famosos jogos de montar do mundo, foram aplicados em um novo sistema de construção faça você mesmo. A invenção, batizada de SpeedyBrick, é de Flavio Lanese, engenheiro de Aosta, na Itália, que obteve a aprovação do Escritório Europeu de Patentes. O sistema se baseia na montagem de blocos modulares para a edificação de paredes divisórias, muros ou outros itens em construções, móveis, criações artísticas, etc. O sistema de encaixe dos blocos permite que eles sejam montados de modo rápido e preciso. Elementos mecânicos ligam os blocos uns aos outros, formando uma armadura metálica que garante a resistência das construções, disse Lanese. Para conectar os artefatos a pisos, paredes e tetos pré-existentes, é previsto um sistema baseado em elementos de compressão, que podem ser utilizados sem conhecimentos técnicos. As construções realizadas com Speedy- Brick não requerem mãode-obra especializada e podem ser operadas por qualquer pessoa. O conjunto não prevê utilização de argamassa ou cola e não produz poeira, e os blocos não necessitam de revestimento ou tratamento, acrescentou. Entre as principais vantagens do sistema, está a reversibilidade das obras: rapidamente e sem sujeira, os muros podem ser desmontados e suas peças, reutilizadas. Além disso, os blocos já são predispostos para a instalação de redes elétricas e hidráulicas. Eles também podem ser produzidos utilizando uma grande variedade de materiais, como madeira e os mais diversos tipos de plástico, incluindo os reciclados (ANSA). Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 30 de junho (Em milhares de reais, exceto quando indicado) A mensuração do risco de liquidez ocorre da seguinte forma: Acompanhamento diário dos limites de liquidez estabelecido pela Administração; Projeções de Liquidez por meio de fluxo de Caixa; Modelagem e Construção de Cenários (Teste de Estresse); Comparativo e Análise de Variações (Backtesting); Plano de Contingência de Liquidez. A comunicação do processo de gerenciamento de risco de liquidez é realizada por meio de distribuição de relatórios às áreas envolvidas na gestão e no controle, bem como à Diretoria Executiva e ao Comitê de Ativos e Passivos - ALCO. Ainda, como parte do processo, são elaborados relatórios mensais sobre o gerenciamento do risco de liquidez, com detalhadas informações sobre as ocorrências do período. A principal política de mitigação de riscos de liquidez é a busca de recursos com prazos casados com os das operações efetuadas, sob a forma de cessões de crédito. Além disso, a organização busca captar a prazos compatíveis com os das aplicações e conta com plano de contingência adequado para os casos excepcionais. 1.4 Risco de Crédito O Conglomerado Prudencial do BMG possui política de gerenciamento do risco de crédito devidamente instituída com objetivo de garantir a integridade de seus ativos e níveis adequados de riscos e perdas, bem como os resultados esperados de seus negócios. Os acionistas e administradores do Conglomerado Prudencial do BMG entendem que esta política deve ser continuamente aperfeiçoada, contando com análises exaustivas dos fatores internos e externos que possam impactar a solvabilidade de obrigações financeiras pactuadas nos diversos segmentos e produtos com os quais opera. Estratégia de Crédito do Grupo Financeiro Em 9 de abril de 014, foi firmado acordo que aumenta a participação do Banco BMG para 40% e estabelece a unificação dos negócios de empréstimo consignado do Banco BMG e do Banco Itaú BMG Consignado, o que significa que todos os negócios relativos a empréstimo consignado passarão a ser feitos exclusivamente pelo Itaú BMG Consignado. Após operacionalização desse acordo, o Banco BMG passa a ter, como principais produtos: Cartão de Crédito Consignado, BMG Empresas, BMG Veículos, BMG Realiza (crédito pessoal com garantia de imóvel) e outros produtos com potencial de crescimento e rentabilidade. Cartão Consignado O cartão consignado do Banco BMG é um cartão de crédito internacional, com os mesmos benefícios dos cartões tradicionais, mas com a vantagem do desconto na folha de pagamento e de taxas atrativas. Para os convênios com os quais o Banco BMG possui acordo específico, o cartão tem margem consignável exclusiva. BMG Empresas O BMG atua no financiamento para empresas de médio e grande porte e para fornecedores de grandes grupos econômicos, por meio da plataforma BMG Empresas. O produto tem perspectivas de crescimento nos próximos anos, mantendo uma política de crédito conservadora e sempre observando o cenário macroeconômico. Veículos O BMG opera no financiamento de autos e motos, focado no nicho de mercado de veículos com idade média entre oito e treze anos, sendo que os veículos com idade mais elevada são operados com prazo médio e LTV (Loan to Value) menores. BMG Realiza Este produto consiste na concessão de crédito com garantia de imóvel. Com ticket médio de R$ 150 Mil, o cliente consegue até 50% do valor do imóvel em crédito e tem até 1 anos para pagar. Processo de Gerenciamento Considerando a estratégia de atuação do BMG, a carteira de crédito é distribuída dentro de percentuais definidos pelo Conselho de Administração. Esses limites são constantemente monitorados pela Diretoria responsável pelo gerenciamento de risco de crédito a quem cabe o acompanhamento e controle, devendo ainda assegurar que as definições neste âmbito não incentivem comportamentos incompatíveis com um nível de risco considerado prudente nas políticas e estratégias traçadas pelo Conglomerado Prudencial do BMG. Esse processo contínuo de monitoramento de distribuição percentual da carteira de crédito esta refletido em um planejamento financeiro completo e de longo prazo que permite tempestivamente a Diretoria e Conselho de Administração do grupo o redirecionamento de suas estratégias de mix de carteira de crédito. Esse trabalho coordenado permite antecipar impactos de PDD, necessidade de Capital, resultado e impactos regulatórios sobre a nossa carteira de crédito presente e futura. Mensuração e Controle do Risco A mensuração do risco de crédito da carteira é realizada utilizando-se a base de dados dos sistemas corporativos para calcular os índices de perdas realizadas, esperadas e inesperadas e do constante monitoramento dos níveis de provisão para créditos de liquidação duvidosa. A perda realizada da carteira deve refletir o nível de risco das operações de crédito em estoque e das cedidas com coobrigação e permitir o monitoramento do nível de sua exposição em comparação com as provisões para devedores duvidosos. A carteira de crédito é avaliada regularmente, em termos de qualidade e de sua capacidade de geração de resultados frente aos riscos incorridos, conforme critérios a seguir: Relatórios de Orçamento de Risco de Crédito - corresponde à projeção da PCLD (Provisão para Crédito de Liquidação Duvidosa) com a finalidade de compor o orçamento anual do Conglomerado Prudencial do BMG na forma de registro contábil; Acompanhamento dos limites de exposição de riscos definidos conforme regulamentação do CMN; Relatórios de Gestão do Risco de Crédito acompanhamento sistemático e projeções para a carteira de crédito sob diversas visões: perdas por convênio, acompanhamento de spreads praticados por produto e subprodutos, informações gerenciais sobre os maiores convênios ativos do Banco BMG, dentre outros; Realização de testes de estresse. A comunicação dos resultados do gerenciamento de risco de crédito é realizada por meio de distribuição de relatórios à Diretoria Executiva responsável pelo risco e às demais áreas envolvidas no processo. No âmbito do cartão de crédito consignado, a estratégia de mitigação do risco de crédito é, além dos cuidados preventivos observados na sua concessão, a investigação dos procedimentos operacionais que ocasionam a perda, com vistas a mitigar os riscos não detectados na sua origem. 1.5 Risco Operacional O Conglomerado Prudencial do BMG considera a gestão do risco operacional um instrumento essencial para a maximização da eficiência no uso do capital e na escolha das oportunidades de negócios, provendo o adequado entendimento quanto aos riscos associados aos seus negócios, de forma que qualquer evento que possa interferir adversamente o alcance dos objetivos seja identificado e tratado. Neste sentido, a reposta ao risco compreende em evitar, aceitar, mitigar, compartilhar ou transferir o risco, dentro dos parâmetros estabelecidos e avaliação do custo/benefício. Considera, ainda, que a responsabilidade pela gestão dos riscos deve ser exercida por todos os colaboradores, independente de seu nível hierárquico, que deve expressar preocupações quando identificada falhas de controles ou violações nas regras definidas pelo Conglomerado Prudencial do BMG. Estratégia do Grupo Financeiro A metodologia adotada abrange todo o Conglomerado Prudencial do BMG e serviços terceirizados relevantes para o funcionamento regular das atividades. A estratégia caracteriza-se pelo monitoramento de todos os riscos conhecidos e potenciais da instituição e das empresas prestadoras de serviços, visando à implementação de controles adequados, consideração o custo / benefício de cada item avaliado, conforme classificação do risco, numa escala de cinco níveis entre o Risco muito baixo a Risco muito alto, a fim de assegurar o alcance dos objetivos para remuneração do capital de seus acionistas. Continuação... Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos administradores e acionistas Cifra S.A. Crédito, Financiamento e Investimento Introdução Examinamos as demonstrações financeiras individuais da Cifra S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Financeira ) que compreendem o balanço patrimonial em 30 de junho de 015 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o semestre findo nessa data, assim como o resumo das principais políticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações financeiras A administração da Financeira é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou por erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelo auditor e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e das divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou por erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras da Financeira para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Financeira. Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião Em nossa opinião, as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Cifra S.A. Crédito, Financiamento e Investimento em 30 de junho de 015, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o semestre findo nessa data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Ênfase Conforme mencionado na nota 6 às demonstrações financeiras, na Assembleia Geral Extraordinária realizada em 30 de janeiro de 014 foi deliberada a cisão parcial do patrimônio líquido contábil em 31 de dezembro de 013 da Cifra S.A. Crédito, Financiamento e Investimento com a incorporação dessa parcela pelo Banco Cifra S.A. Nossa opinião não está ressalvada em relação a esse assunto. Outros assuntos Demonstração do valor adicionado Examinamos também a demonstração do valor adicionado (DVA) para o semestre findo em 30 de junho de 015, preparada sob a responsabilidade da administração da Instituição, cuja apresentação está sendo efetuada de forma voluntária pela Financeira. Essa demonstração foi submetida aos mesmos procedimentos de auditoria descritos anteriormente e, em nossa opinião, está adequadamente apresentada, em todos os seus aspectos relevantes, em relação às demonstrações financeiras tomadas em conjunto. São Paulo, 1 de agosto de 015 PricewaterhouseCoopers Luís Carlos Matias Ramos Auditores Independentes Contador CRC: 1SP171564/O-1 CRC SP000160/O-5 Cifra S.A. Crédito, Financiamento e Investimento CNPJ nº / BALANÇO PATRIMONIAL SEDE São Paulo - SP Todos os eventos de riscos que configurem perda operacional efetiva deverão ser controlados e contabilizados em agrupamento contábil específico, de forma a identificar, com facilidade, as ocorrências da espécie e a sua documentação, tanto para atendimento à alta administração no seu gerenciamento, quanto para subsidiar o fornecimento de informações às autoridades supervisoras. Processo de Gerenciamento e Mensuração do Risco O gerenciamento do Risco Operacional na Instituição encontra-se estruturado e definido considerando: Política de Risco Operacional - a política Institucional de Risco Operacional do BMG define diretrizes para o gerenciamento de riscos dos seus processos, produtos e serviços, de forma a assegurar que o cumprimento com as normas estabelecidas de governança e controle estejam de acordo com as orientações da Alta Administração. A metodologia adotada para esta gestão abrange a estrutura do Conglomerado BMG, aí inseridos o Banco BMG e demais empresas financeiras coligadas e serviços terceirizados relevantes para o funcionamento regular das atividades. Mapeamento dos Riscos das Atividades - a mais importante ferramenta utilizada pelo Conglomerado Prudencial do BMG para controle do Risco Operacional é a identificação dos riscos permite demonstrar a exposição do Conglomerado Prudencial do BMG frente aos riscos, a partir das análises da probabilidade versus impacto, consequências dos riscos e qualidade do controle interno. Testes da Qualidade do Controle - a avaliação da efetividade dos testes de controles tem como objetivo avaliar a efetividade/eficiência dos controles, a fim de verificar se estes estão sendo executados conforme descritos nas matrizes de risco e políticas internas. Cadastro de Incidente Operacional - os incidentes é a materialização do risco que ocorre de maneira inesperada, resultante da falha na execução das atividades. Nesse sentido, a apuração das perdas decorrente dos incidentes operacionais constitui fator importante para o cumprimento das exigências dos órgãos reguladores, além de prover ao Conglomerado informações consistentes, padronizadas e atualizadas para uma análise quantitativa e qualitativa no gerenciamento dos riscos. Controle Contábil - para garantir que todas as perdas sejam comunicadas e registradas, mensalmente a área de Risco Operacional solicita aos gestores a comunicação dos incidentes ocorridos no período e, posteriormente analisa os saldos das contas contábeis de registro de perdas operacionais. Esta dinâmica permite a validação periódica da consistência quanto à perda contabilizada em relação às registradas na base de risco (comunicada pelas áreas). Plano de Continuidade de Negócios: o Plano de Continuidade de Negócio (PCN) esta estruturado em duas frentes de atuação, uma voltada para formalização do plano de continuidade das áreas e outra focada nos testes de efetividade do plano de áreas classificadas como críticas. Processo de Comunicação O processo de comunicação, bem como os instrumentos utilizados para implementação do gerenciamento, têm como objetivo disseminar e consolidar a cultura de risco operacional no Conglomerado Prudencial do BMG, contemplando as principais ações para fortalecimento do tema, responsabilidades da estrutura e procedimentos a serem adotados no âmbito organizacional. Para divulgação dos dados apurados e as devidas ações de mitigação, são emitidos relatórios regulares de acordo com a Resolução nº 3.380/06, do cenário de risco, a partir do resultado do mapeamento dos riscos das atividades, além de relatórios específicos de acompanhamento de incidentes e principais indicadores. Este ciclo de informação permite o acompanhamento das ações tomadas e a definição de novas análises para aferição dos resultados obtidos. A integra da descrição da estrutura de gerenciamento de riscos está disponível no site de Relações com Investidores (http://www.bancobmg.com.br/ri/) A DIRETORIA CONTADOR RESPONSÁVEL RONALDO NUNES FARIA - CRC 1MG /O- S SP

7 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Página 7 Para veiculação de seus Balanços, Atas, Editais e Leilões neste jornal, consulte sua agência de confiança, ou ligue para TEL: ª Vara Cível Regional Santana. EDITAL DE CITAÇÃO - PRAZO DE 0 DIAS. PROCESSO Nº A MM. Juiza de Direito da 7ª Vara Cível, do Foro Regional I - Santana, Estado de São Paulo, Dra. Carina Bandeira Margarido Paes Leme, na forma da Lei, etc. FAZ SABER a MIKAELLA NAM, CPF , que lhe foi proposta uma ação Monitória sob nº por parte de FUNDAÇÃO SÃO PAULO, para recebimento da quantia de R$15.893,6 (janeiro/014), acrescidos de juros e correção monetária, oriundos da Prestação de Serviços Educacionais vencidos e não pagos. Encontrando-se a requerida em lugar incerto e não sabido, foi determinada a sua CITAÇÃO, por EDITAL, para que no prazo de 15 dias, que fluirá após o decurso do prazo do presente edital, pague o débito (ficando isenta de custas e honorários advocatícios) ou ofereça embargos, sob pena de conversão do mandado inicial em mandado executivo (art.110 do CPC). Será o presente edital, afixado e publicado na forma da lei. Processo Físico nº: Classe: Assunto: Monitória - Prestação de Serviços Requerente: União Social Camiliana Requerido: Tiago Ribeiro da Silva. Edital De Citação - Prazo de 0 dias. Processo Nº O(A) MM. Juiz(a) de Direito da 4ª Vara Cível, do Foro Regional IX - Vila Prudente, Estado de SP, Dr(a). Claudia Akemi Okoda Oshiro Kato, na forma da Lei, etc. Faz Saber a Tiago Ribeiro Da Silva, CPF/MF Nº , RG Nº /SSP-SP que União Social Camiliana, lhes ajuizou ação MONITÓRIA para cobrança de R$ 8.401,58, (maio/009), referente ao contrato de prestação de serviços educacionais firmado entre as partes e não foi cumprido, deixando de efetuar o pagamento das parcelas de Agosto a Dez/005. Estando o réu em local ignorado, foi expedido o presente edital, para que no prazo de 15 dias, a fluir após o prazo supra, pague o débito, ou embarque a ação (Art CPC), ficando isenta de custas e honorários em caso de pagamento, sob pena de conversão de mandato inicial em título executivo, presumindo-se como verdadeiros os fatos. Será o presente edital, afixado e publicado. São Paulo, 3 de Julho de 015. (8 e 9) Processo Físico nº: Classe: Assunto: Procedimento Ordinário - Marca Requerente: Adidas Ag e outros Requerido: Edson Jose Alves da Silva Comercio de Calçados Me e outros. Edital de Citação Prazo de 0 dias. Processo Nº O(A)MM. Juiz(a) de Direito da 44ª VC, do Foro Cível, Estado de SP, Dr(a).Guilherme Madeira Dezem, na forma da Lei, etc. Faz Saber a(o) Rodrigo Alves, Brasileiro, Fabio Honorato, Rua Antonio Honorio dos Santos, 870,- SP, Brasileiro, que lhe foi proposta uma ação de Procedi mento Ordinário por parte de Adidas Ag e outros, alegando em síntese: que os requeridos estão reproduzindo suas marcas Adidas e variações, para assinalar produtos falsificados. Encontrando-se os réus em lugar incerto e não sabido, foi determinada suas CITAÇÕES, por EDITAL, para os atos e termos da ação proposta e para que, no prazo de 15 dias, que fluirá após o decurso do prazo do presente edital, apresente resposta. Não sendo contestada a ação, presumir-se-ão aceitos, pelo(a)(s) ré(u)(s), como verdadeiros, os fatos articulados pelo(a)(s) autor(a)(es). Será o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei. NADA MAIS. Dado e passado nesta cidade de São Paulo, aos 03 de agosto de 015. (8 e 9) 4ª Vara Cível Regional Jabaquara. EDITAL DE CITAÇÃO - PRAZO DE 0 DIAS. PROCESSO Nº O(A) MM. Juiz(a) de Direito da 4ª Vara Cível, do Foro Regional III - Jabaquara, Estado de São Paulo, Dr(a). Fábio Fresca, na forma da Lei, etc. FAZ SABER a(o) WZT Transportes de Conveniência Ltda, CNPJ / , que lhe foi proposta uma ação Monitória por parte de POSTO ROTA OITENTA LTDA, referente a venda de combustível, representado pelas duplicatas nº 0547/09; 0708/09 e 0868/09 que o requerido não quitou, restando o débito com o requerente atualizado no importe de R$38.000,00. Encontrando-se o requerido em local incerto e não sabido foi deferida a citação por edital, para que em quinze dias, a fluir após o prazo de vinte dias contados a partir da publicação deste, ofereça embargos monitórios ou pague a importância supra, ficando ciente, outrossim, de que neste ultimo caso ficará isento de custas e honorários advocatícios e de que, na hipótese de não oferecimento de embargos, será constituído o título executivo judicial e convertido em mandado executivo prosseguindo em execução por quantia certa contra devedor solvente. Será o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei, sendo este Fórum localizado na Rua Joel Jorge de Melo, 44, Vila Mariana - CEP , Fone: (11) , São Paulo-SP A DIRETORIA CARLOS ALBERTO GIOLO SANTOS - T.C. CRC 1SP17139/O-6 - CPF nº Notas Receitas da intermediação nanceira Resultado de operações com títulos e valores mobiliários Resultado bruto da intermediação nanceira Outras receitas/ (despesas) operacionais (04) (.834) Receitas de prestação de serviços Despesas de pessoal 13 (78) (1.07) Outras despesas administrativas 1 (94) (1.899) Despesas tributárias (54) (39) Outras despesas operacionais 14 - (97) Outras receitas operacionais 1 66 Resultado antes IRPJ / CSLL 334 (.695) IRPJ 15 (47) - CSLL 15 (35) - Lucro / (Prejuízo) do semestre 5 (.695) Lucro / (Prejuízo) por lote de mil cotas em reais 8,54 (19,54) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. SAFDIÉ Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL em 30 de junho de 015 e de 014 (Valores expressos em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em 30 de junho de 015 (Em milhares de reais) DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO para os semestres ndos em 30 de junho de 015 e de 014 (Valores expressos em milhares de reais) DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO para os semestres ndos em 30 de junho de 015 e de 014 (Valores expressos em milhares de reais, exceto prejuízo por lote de mil cotas) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA para os semestres ndos em 30 de junho de 015 e de 014 (Valores expressos em milhares de reais) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. ATIVO Notas Ativo circulante Disponibilidades 3.c 3 60 Títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros derivativos Carteira própria - livre Carteira própria - vinculada Outros créditos Rendas a receber Diversos Outros valores e bens 3 4 Permanente Imobilizado de uso 9 8 Intangível 16 7 do ativo PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Notas Passivo circulante Outras obrigações Fiscais e previdenciárias Negociação e intermediação de valores 3 - Diversas Patrimônio líquido Capital social Ajuste a valor de mercado - (1) Prejuízos acumulados (18.619) (18.833) do passivo e patrimônio líquido Capital Ajuste de Lucros Notas realizado avaliação patrimonial (Prejuízos) acumulados Semestre ndo em 30 de junho de 014 Saldos em 01 de janeiro de (16.138) Ajuste a valor de mercado - TVM - - (1) - (1) Prejuízo líquido do semestre (.695) (.695) Saldos em 30 de junho de (1) (18.833) Mutações no semestre - - (1) (.695) (.696) Semestre ndo em 30 de junho de 015 Saldos em 01 de janeiro de (18.871) Aumento de capital: Lucro líquido do semestre Saldos em 30 de junho de (18.619) Mutações no semestre As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. Atividades operacionais Lucro / (prejuízo) líquido ajustado 61 (.657) Lucro / (prejuízo) líquido 5 (.695) Ajustes ao lucro líquido 9 38 Depreciações e amortizações 9 39 Ajuste valor de mercado - (1) Variação de ativos e passivos (9.010) (373) (Aumento) em TVM e instrumentos financeiros derivativos (9.156) 355 Redução em outros créditos 17 - (Aumento) outros valores e bens (0) - Aumento/ (redução) em outras obrigações 149 (78) Caixa gerado pelas atividades operacionais (8.749) (3.030) Atividades de nanciamento Aquisição / baixas de imobilizado de uso - 79 Aquisição / baixas de diferido/ intangível - 3 Caixa líquido aplicado em atividades de investimento Atividades de nanciamento Aumento de capital Caixa líquido (aplicado) / oriundo das atividades de nanciamento Aumento / (redução) de caixa e equivalentes de caixa (49) (.919) Caixa e equivalentes de caixa no final do semestre (nota 3.c) Caixa e equivalentes de caixa no início do semestre Aumento / Redução de caixa e equivalentes de caixa (49) (.919) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. Aos Diretores e Cotistas da Safdié Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Examinamos as demonstrações financeiras individuais da Safdié Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Instituição ), que compreendem o balanço patrimonial em 30 de junho de 015 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o semestre findo nessa data, assim como o resumo das principais políticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração sobre as demonstrações nanceiras: A Administração da Instituição é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil - BACEN e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes: Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e a adequada apresentação das demonstrações financeiras da Instituição para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia dos controles internos da Instituição. Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião: Em nossa opinião, as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Safdié Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. em 30 de junho de 015, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o semestre findo nessa data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Ênfase: Conforme mencionado na nota 1, foi homologado pelo Banco Central do Brasil (BACEN), em 03 de julho de 015, a troca de controle da Instituição, que passou a ser uma subsidiária integral do Banco Modal S.A., a partir dessa data. Em virtude desse fato, a empresa não estava em sua plena operação durante o semestre findo em 30 de junho de 015. Nossa opinião não está ressalvada em função desse assunto. Outros assuntos - auditoria dos valores correspondentes ao semestre anterior: Os valores correspondentes ao semestre findo em 31 de dezembro de 014, foram auditados por outros auditores independentes, que emitiram relatório de auditoria com data de 0 de março de 015, sem ressalvas. Rio de Janeiro, 8 de agosto de 015. PricewaterhouseCoopers Maria Salete Garcia Pinheiro Auditores Independentes Contadora CRC SP000160/O-5 F RJ CRC 1RJ048568/O-7 SAFDIÉ DTVM 1. Contexto operacional: A Safdié Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( SAFDIÉ DTVM ) tem por objeto social, entre outras atividades, comprar e vender títulos e valores mobiliários, por conta própria ou de terceiros, instituir, organizar e administrar fundos e clubes de investimentos e exercer outras atividades expressamente autorizadas pelo Banco Central do Brasil - BACEN e/ou pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Foi constituída em 17 de setembro de 00 e iniciou suas operações em 9 de novembro de 00. A sede social da SAFDIÉ DTVM está localizada na Avenida Angélica, nº 163, 1º andar, conjuntos 11 e 1 - Higienópolis - São Paulo - SP. A SAFDIÉ DTVM, conforme descrito na nota de Eventos Subsequentes, teve troca de controle já homologado pelo Banco Central do Brasil (BACEN) em 03 de julho de 015, passando a ser subsidiária integral do Banco Modal S.A. A nova denominação da SAFDIÉ DTVM será Modal Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. ( Modal DTVM ) e terá como foco principal de atuação o segmento de varejo, além de clientes institucionais que já operam com o grupo Modal por meio de parceiros comerciais. O início das operações está previsto para setembro de 015, tão logo seja publicada a decisão do BACEN no Diário Oficial da União, uma vez que toda a plataforma e exigências operacionais já estão concluídas e auditadas pela BM&FBovespa e Anbima. Em virtude desse fato, a empresa não estava em sua plena operação durante o semestre findo em 30 de junho de Apresentação e elaboração das demonstrações nanceiras:.1. Base de apresentação: As demonstrações financeiras foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil ( BACEN ), associadas às demais normas emitidas pelo BACEN, que incluem estimativas contábeis referentes à constituição de provisão para créditos de liquidação duvidosa e outras similares. Na elaboração das demonstrações financeiras foram utilizadas estimativas e premissas na determinação dos montantes de certos ativos, passivos, receitas e despesas de acordo com as práticas contábeis vigentes no Brasil. Essas estimativas e premissas foram consideradas na mensuração de provisões para perdas com operações de crédito e outros créditos, provisão para contingências, sempre que aplicável, impostos diferidos, na determinação do valor de mercado de instrumentos financeiros e na seleção do prazo de vida útil de certos ativos. Os resultados efetivos podem ser diferentes das estimativas e premissas adotadas. As demonstrações financeiras da SAFDIÉ DTVM foram concluídas e aprovadas pela Administração em 8 de agosto de Alterações nas normas contábeis brasileiras: Em decorrência do processo de convergência com as normas internacionais de contabilidade, algumas normas e suas interpretações foram emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), as quais serão aplicáveis às instituições financeiras somente quando aprovadas pelo BACEN. Os pronunciamentos já aprovados pelo BACEN são: Res /08 - redução do valor recuperável de ativos (CPC 01 - R1); Res /08 - demonstração do Fluxo de Caixa (CPC 03 - R); Res /09 - divulgação sobre partes relacionadas (CPC 05 - R1); Res. 3.83/09 - provisões, passivos contingentes e ativos contingentes (CPC 5); Res /11 - eventos subsequentes (CPC 4); Res /11 - pagamento baseados em ações (CPC 10 - R1); Res /11 - políticas contábeis, mudança de estimativa e retificação de erro (CPC 3); Res /1 - estrutura conceitual para elaboração e divulgação de relatório contábil-financeiro (Pronunciamento conceitual básico R1), exceto nas matérias não conflitantes com os dispositivos do BACEN; Res. 4.44/15 - registro contábil e evidenciação de benefícios a empregados (CPC 33 - R1). Atualmente não é possível estimar quando o BACEN irá aprovar os demais pronunciamentos contábeis do CPC e, nem tampouco, se a utilização dos mesmos será de forma prospectiva ou retrospectiva para a elaboração das demonstrações financeiras. 3. Principais práticas contábeis: As principais práticas contábeis adotadas para contabilização das operações e elaboração das demonstrações financeiras são: a) Apuração de resultado: As receitas e despesas são contabilizadas pelo regime de competência, observado o critério pro rata dia para as despesas e receitas de natureza financeira. b) Moeda funcional e moeda de apresentação: As demonstrações financeiras estão sendo apresentadas em milhares de reais, moeda funcional e de apresentação da SAFDIÉ DTVM. c) Caixa e equivalentes de caixa: Caixa e equivalentes de caixa são representados por disponibilidades em moeda nacional e reservas livres e são utilizados pela SAFDIE DTVM para gerenciamento de seus compromissos de curto prazo, conforme prevê a Resolução BACEN nº 3.604/08 e apresenta risco insignificante de mudança de valor justo. O caixa e equivalentes de caixa são representados por: Disponibilidades 3 60 Títulos e valores mobiliários d) Títulos e valores mobiliários e instrumentos nanceiros derivativos: Os títulos e valores mobiliários são classificados de acordo com a intenção da Administração, nas seguintes categorias: títulos para negociação; títulos disponíveis para venda; títulos mantidos até o vencimento. Os títulos classificados para negociação e os disponíveis para venda são avaliados, na data do balanço, pelo seu valor de mercado e os classificados como títulos mantidos até o vencimento são avaliados pelo seu custo de aquisição, acrescidos dos rendimentos auferidos até a data do balanço. Em 30 de junho de 015 o montante de R$ 1.697, correspondente a títulos públicos federais, estava classificado como títulos para negociação e o montante de R$ 9.16, também em títulos públicos federais, encontra-se vinculado em função da análise do aumento de capital pelo Banco Central do Brasil, conforme descrito nas Notas 4 e 10, o qual foi homologado em 0 de agosto de 015. O ajuste ao valor de mercado foi contabilizado em contrapartida à conta destacada do patrimônio líquido, quando aplicável, deduzido dos efeitos tributários, sob o título de ajuste de avaliação patrimonial, sendo transferido para o resultado do período quando da efetiva realização. Os instrumentos financeiros derivativos são contabilizados de acordo com os procedimentos específicos à sua natureza e apresentados pelo valor de mercado. Durante o semestre findo em 30 de junho de 015 e de 014, a SAFDIÉ DTVM não efetuou operações com instrumentos financeiros derivativos em aberto. e) Negociação e intermediação de valores: Demonstrado pelo saldo das operações de compra e/ou venda de títulos e valores mobiliários e cotas de fundos de investimento por conta de clientes, pendentes de liquidação dentro dos prazos regulamentares. f) Permanente: (i) Imobilizado - demonstrado ao custo de aquisição, deduzido da depreciação calculada pelo método linear, com base em taxas que contemplam a vida útil-econômica dos bens, sendo móveis e utensílios, máquinas e equipamentos - 10% e sistema de processamento de dados - 0%. (ii) Intangível - composto basicamente por licenças adquiridas de programas de computador e desenvolvimento de softwares, são amortizados pelo método linear com base em taxas que contemplam a vida útil estimada considerando os benefícios econômicos futuros a serem gerados. Conforme disposto na Resolução CMN nº 3.64/08, os ativos intangíveis devem corresponder aos direitos adquiridos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da atividade da instituição ou exercidos com esta finalidade. Os ativos intangíveis com vida útil definida são geralmente amortizados de forma linear no decorrer de um período estimado de benefício econômico, conforme Carta-Circular nº 3.357/08 do BACEN. g) Imposto de renda e contribuição social: A provisão para imposto de renda é constituída à alíquota de 15% sobre o lucro real, acrescida de adicional de 10% sobre o lucro real excedente a R$ 40 ao ano (R$10 no semestre). Em 30 de junho de 015, a SAFDIÉ DTVM possui créditos tributários de prejuízos fiscais e base negativa da contribuição social, não contabilizados, no montante total de R$ 7.88 (014 R$ 7.93), sendo R$4.555 (014 - R$4.558) e R$.733 (014 - R$.735), referentes a imposto de renda e contribuição social, respectivamente. Os referidos créditos tributários oriundos de prejuízos fiscais e base negativa da contribuição social não possuem prazos prescricionais e sua compensação está limitada a 30% dos lucros tributáveis apurados em cada período-base futuro. Em razão da incerteza quanto à realização desses créditos fiscais, os benefícios do imposto de renda (5%) e contribuição social (15%) no montante estimado de crédito tributário, serão reconhecidos quando efetivamente realizados ou quando as perspectivas para sua recuperação tornarem-se factíveis, de acordo com as regras estabelecidas pelo Banco Central do Brasil. Não obstante o descrito acima e conforme descrito na Nota, o BACEN aprovou a mudança de controle da SAFDIÉ DTVM e, nesse caso específico, conforme previsto na norma vigente, os créditos tributários oriundos de prejuízo fiscal e base negativa podem ser registrados contabilmente (Resolução 3.059/0 e alterações), o que ocorrerá ao longo do segundo semestre de 015. h) Perda no valor recuperável (impairment) de ativos: É reconhecida uma provisão para perda no valor recuperável de um ativo se o seu valor de registro ou de sua unidade geradora de caixa exceder seu valor recuperável. Uma unidade geradora de caixa é o menor grupo identificável de ativos que gera fluxos de caixa substancialmente independentes de outros ativos e grupos. Perdas no valor recuperável - impairment são reconhecidas no resultado do período. É efetuada uma revisão anual para determinar se há alguma indicação de perda no valor recuperável dos ativos ou classes de ativo e a respectiva provisão é constituída de acordo com o excesso apurado. Essa revisão foi efetuada em 30 de junho de 015, sem a necessidade de constituição de provisão. i) Ativos e passivos contingentes e obrigações legais: O reconhecimento, a mensuração e a divulgação dos ativos e passivos contingentes, e obrigações legais são efetuados de acordo com os critérios definidos na Resolução BACEN nº 3.83, de 16 de dezembro de 009, que aprovou o Pronunciamento Técnico CPC 5, aplicável a partir do exercício de 010, da seguinte forma: (i) ativos contingentes: não são reconhecidos nas demonstrações financeiras, exceto quando da existência de evidências que propiciem a garantia de sua realização, sobre as quais não cabem mais recursos. Não existem ativos contingentes para o exercício findo em 30 de junho de 015; (ii) contingências passivas: são reconhecidas nas demonstrações financeiras quando, baseado na opinião de assessores jurídicos e da Administração, for considerado provável o risco de perda de uma ação judicial ou administrativa e sempre que os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. Os passivos contingentes classificados como perdas possíveis pelos assessores jurídicos são divulgados em notas explicativas, enquanto aqueles classificados como perda remota não são passíveis de provisão ou divulgação. Não existem contingências passivas para o semestre findo em 30 de junho de 015; (iii) obrigações legais: referem-se a demandas administrativas ou judiciais nas quais estão sendo contestadas a legalidade e a constitucionalidade de alguns tributos e contribuições. Os montantes discutidos são integralmente registrados nas demonstrações financeiras e atualizados de acordo com a legislação vigente. Não existem demandas administrativas ou judiciais para o semestre findo em 30 de junho de 015. j) Outros ativos e passivos circulantes e de longo prazo: São demonstrados pelos valores de realização e/ou exigibilidade, incluindo os rendimentos e encargos incorridos até a data do balanço, calculados pro rata dia, e, quando aplicável, o efeito dos ajustes para reduzir o custo de ativos ao seu valor de mercado ou de realização. Os saldos realizáveis e exigíveis em até 1 meses são classificados no ativo e passivo circulantes, respectivamente. 4. Títulos e valores mobiliários Classi cação, valor de mercado e curva 015 Custo mais Ajuste Valor Títulos disponíveis para venda rendimentos a mercado contábil Letras Financeiras do Tesouro (LFT) Custo mais Ajuste Valor Títulos vinculados rendimentos a mercado contábil Letras Financeiras do Tesouro (LFT) Em 0 de agosto de 015 o BACEN homologou o aumento de capital, conforme descrito na Nota 10 e a SAFDIÉ DTVM solicitou a desvinculação dos títulos descritos acima. 014 Custo mais Ajuste Valor Títulos disponíveis para venda rendimentos a mercado contábil Letras Financeiras do Tesouro (LFT) (1) (1) O valor de mercado dos títulos e valores mobiliários é apurado com base nos preços dos ativos divulgados por fontes externas, como BM&FBOVESPA S.A., ANBIMA, etc. Os títulos são escriturais e estão registrados no Mercado Organizado (SELIC). Por vencimento Acima de 360 dias Letras Financeiras do Tesouro (LFT) em em Outros créditos - Rendas a receber A rubrica de rendas a receber no montante de R$ 17 (014 - R$ 115) refere-se basicamente aos valores a receber de prestação de serviços, conforme Nota Outros créditos - diversos Devedores por depósitos em garantia 13 - Impostos e contribuições a compensar Pagamentos a ressarcir A rubrica Devedores por Depósito em Garantia refere-se a depósito judicial para interposição de recursos contra a decisão de recolhimento previdenciário sobre o montante acordado em processo de natureza trabalhista com acordo judicial homologado pelo juízo e já liquidado entre as partes. Dada a contradição contida na sentença, que homologou a composição a título de danos morais (parcela de natureza indenizatória) e determinou o recolhimento da cota previdenciária, que não se aplica conforme jurisprudência existente, opusemos embargos declaratórios. Nossos consultores jurídicos entendem que o risco de improcedência no recurso ordinário impetrado pela SAFDIÉ DTVM, com o objetivo de combater o recolhimento previdenciário na situação descrita acima é remoto, baseado na jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho (TRT) que inclina-se em favor da dispensa do recolhimento quando a composição dá-se a título de indenização por dano moral. 7. Permanente Depreciação/ Custo amortização Saldo Saldo Instalações 41 (37) 4 8 Processamento de dados 5 (0) 5 0 Saldo imobilizado 66 (57) 9 8 Software 88 (7) 16 7 Saldo intangível 88 (7) 16 7 Permanente 154 (19) 5 55 O imobilizado da SAFDIÉ DTVM está integralmente localizado no Brasil e é empregado exclusivamente em suas operações. 8. Outras obrigações - diversas Provisão de férias, salários, honorários e encargos Provisão para despesas administrativas Obrigações scais e previdenciárias Impostos e contribuições sobre lucros 57 - Impostos e contribuições sobre serviços - Impostos e contribuições sobre salários 3 3 Outros Patrimônio líquido: Capital social: Conforme Ata de Reunião de Cotistas de 9 de janeiro de 015, houve aumento de capital no valor de R$8.700 com emissão de (oito milhões e setecentas mil), cotas com valor nominal de R$ 1,00 (um real). O aumento de capital descrito acima e a alteração na diretoria deliberada na 17ª alteração no contrato social da SAFDIÉ DTVM de 13 de abril de 015, foram homologadas pelo BACEN em 0 de agosto de 015. Em 30 de junho de 015 o capital social estava representado por cotas ( ), no valor nominal de R$ 1,00 cada, totalmente subscrito e integralizado. Distribuição de lucros: O resultado apurado no final de cada exercício social deverá ter o destino que vier a ser determinado pelos quotistas. A distribuição de lucros, se houver, será feita aos quotistas na proporção de sua participação no capital social, salvo deliberação em contrário tomada pela unanimidade dos quotistas. Não foram provisionados valores a título de Distribuição de Lucros por inexistir lucro líquido no semestre. 11. Receitas de prestação de serviços Taxa de administração - 9 Outros Serviços Corretagem A rubrica Outros Serviços, refere-se a prestação de serviços de indicação de clientes com rebate da receita gerada, conforme contrato assinado entre as partes. 1. Outras despesas administrativas Despesas de processamento de dados Despesas de serviços técnicos especializados (i) Despesas de seguros 0 0 Despesas de depreciação e amortização 9 39 Despesas de comunicações 5 57 Despesas de serviços do sistema financeiro 1 56 Despesas de acordos judiciais (ii) Despesas de manutenção e conservação Despesas de aluguéis continuação Despesas de condomínio - 14 Despesas de serviços de terceiros - 3 Despesas de viagens - 1 Outras despesas (i) Despesas de serviços técnicos especializados referem-se, substancialmente, a despesas com contratos de consultoria financeira e jurídica; (ii) As despesas de acordos judiciais correspondem a processos de natureza trabalhista, liquidados ao longo do primeiro semestre de Despesa de pessoal Despesas de proventos Despesas de encargos sociais Despesas com benefícios Despesas de treinamento Outras despesas operacionais: Não houve movimentação na rubrica outras despesas operacionais em 015 (R$97 em 014, que refere-se à prejuízo na alienação de bens do ativo imobilizado). 15. Imposto de renda e contribuição social Imposto de renda Contribuição social Resultado antes da tributação e após a participação estatutária sobre o lucro 334 (.695) 334 (.695) Despesas indedutíveis Base de cálculo antes das compensações de prejuízo fiscal e base negativa (30%) 335 (.695) 335 (.695) (-) Compensação de prejuízos fiscais e base negativa (100) - (100) - Base de cálculo 35 (.695) 35 (.695) Alíquotas efetivas: Imposto de renda corrente - 15% Adicional Imposto de renda - 10% Contribuição social corrente - 15% Resultado do imposto de renda e contribuição social Contingências: Os passivos contingentes decorrentes de litígios ou notificações das entidades fiscalizadoras são avaliados pela administração com o apoio dos consultores jurídicos da SAFDIÉ DTVM, considerando-se os conceitos definidos na Resolução nº 3.83/09 e reconhecidos nas demonstrações financeiras, quando considerado provável o risco de perda de uma ação judicial ou administrativa, gerando uma provável saída de recursos para a liquidação das obrigações e quando os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. Para os processos com avaliação de perda considerada possível, não é reconhecida provisão contábil sendo, entretanto, divulgadas em nota explicativa. No caso em que a avaliação de perda é considerada remota, não é reconhecida provisão ou feita divulgação em nota explicativa. Baseado nas informações prestadas por seus assessores jurídicos, a SAFDIÉ DTVM não está envolvida em nenhum processo de qualquer natureza judicial que tenha risco de perda possível ou provável. 17. Administração de fundos: Em 30 de junho de 015 não havia fundos de investimento sob a administração ou gestão da SAFDIÉ DTVM. 18. Limites operacionais: Em julho de 008, entraram em vigor as novas regras de mensuração do capital regulamentar. As instituições financeiras e entidades equiparadas têm que manter patrimônio líquido mínimo de 11% dos seus ativos, ponderados por graus de risco às exposições em ouro, moedas estrangeiras e operações sujeitas ao risco operacional e às variações: cambial; taxa de juros; do preço de commodities; e do preço de ações classificadas na carteira de negociação, conforme regras e instruções do BACEN. A Instituição estava enquadrada nesse limite operacional em 30 de junho de 015 e Gestão de riscos: O gerenciamento desses riscos é efetuado por meio de controles que permitem o acompanhamento diário de operações, quanto às diretrizes e aos limites estabelecidos pela Administração da SAFDIÉ DTVM. (i) Gestão de risco de mercado: relacionado às flutuações de preços e taxas, ou seja, às oscilações de mercados de taxas de juros dentro do País, que geram reflexos nos preços dos ativos e passivos negociados nos mercados. Em atendimento à Resolução CMN nº 3.464/07, foi implementada na SAFDIÉ DTVM uma estrutura para gerenciamento dos riscos de mercado e de suas operações, devidamente aprovada pela diretoria; (ii) gestão de risco operacional: em atendimento à Resolução CMN nº 3.380/06, foi implementada na SAFDIÉ DTVM uma estrutura específica para gerenciamento dos riscos nas atividades operacionais, devidamente aprovada pela diretoria; (iii) gestão de risco de crédito: possibilidade de ocorrência de perdas para a SAFDIÉ DTVM, associadas ao não cumprimento pela contraparte de operação financeira, de suas obrigações nos termos pactuados. Em atendimento à Resolução CMN nº 3.71/09, foi implementada na SAFDIÉ DTVM uma estrutura para gerenciamento dos riscos de crédito, devidamente aprovada pela diretoria; (iv) Gestão de risco de liquidez: relacionado ao descasamento de fluxos financeiros de ativos e passivos, com reflexos sobre a capacidade financeira da SAFDIÉ DTVM em obter recursos para honrar seus compromissos; (v) instrumentos financeiros: a SAFDIÉ DTVM mantém políticas e estratégias operacionais e financeiras visando liquidez, segurança e rentabilidade dos seus ativos. Desta forma, possui procedimentos de controle e acompanhamento das transações e saldos dos seus instrumentos financeiros, com o objetivo de monitorar os riscos e as taxas vigentes em relação às praticadas no mercado. (vi) Em 30 de junho de 015 e de 014, a Administração da SAFDIÉ DTVM, considerou como aceitável a exposição dos riscos, e não possui posições ou transações com instrumentos financeiros derivativos a serem informadas. 0. Partes relacionadas: Remuneração do pessoal-chave da Administração: A remuneração total do pessoal-chave da Administração, para o semestre findo em 30 de junho de 015, foi de R$ 9 (014 - R$ 446) de remuneração fixa considerada como benefício de curto prazo. A SAFDIÉ DTVM não concede planos de benefício pós-emprego, benefícios de rescisão de contrato de trabalho, outros benefícios de longo prazo ou remuneração baseada em ações para a diretoria e Administração. 1. Outras informações: Outros serviços prestados pelos auditores independentes: Informamos que a PricewaterhouseCoopers Auditores Independentes, empresa contratada para exame de auditoria das demonstrações financeiras da SAFDIÉ DTVM, não prestou no período outros serviços que não sejam de auditoria externa. A política adotada atende aos princípios que preservam a independência do auditor, de acordo com os critérios internacionalmente aceitos, onde o auditor não deve auditar o seu próprio trabalho e nem exercer funções gerenciais na SAFDIÉ DTVM ou promover o interesse deste. Em 1 de maio de 015, foi publicada a Medida Provisória nº 675 (MP 675/15) que elevou a alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido dos setores financeiro e segurador de 15% para 0% do lucro tributável, a partir de setembro de 015. A Distribuidora aguardará a conversão da MP 675/15 em Lei para uma análise mais profunda e conclusiva, uma vez que possíveis emendas à MP podem ser propostas pelo Congresso Nacional.. Evento Subsequente: Em 03 de julho de 015 o Banco Central do Brasil ( BACEN ) aprovou a transferência do controle societário da SAFDIE DTVM para o Banco Modal S.A. e as respectivas alterações contratuais que tratam dessa mudança, bem como da diretoria da SAFDIÉ DTVM, que passará a se chamar Modal Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários ( Modal DTVM ), foram protocoladas no BACEN no dia 10 de agosto de 015. Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo CNPJ / Edital para eleição ao Conselho Deliberativo O Presidente da Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo, usando de suas atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto Social, Faz Público que a eleição para renovação parcial do Conselho Deliberativo, correspondente a 6 (vinte e seis) membros, para o mandato de 016 a 01, realizar-se-á no dia 05 de dezembro de 015, na Sede Social, à Rua Dr. Bettencourt Rodrigues, 155-1º andar, das 9h às 17h, exceto quanto à votação dos associados do Interior que se realizará de conformidade com o artigo 8 e seguintes do Regimento Eleitoral. Torna público, ainda, que as inscrições dos candidatos serão recebidas no período de 0 de setembro a 0 de outubro de 015, no horário das 9h às 17h, no 8º andar do mesmo prédio na sala da Secretária da Presidência, exceto sábados, domingos e feriados, respeitando o disposto do artigo 104 do Estatuto Social. E, para conhecimento de todos os interessados, publica-se o presente Edital, afixando-se cópia nas dependências sociais da Capital, Unidades Regionais e Unidades de Lazer, no prazo legal. São Paulo, 9 de agosto de 015. a) Antônio Carlos Duarte Moreira - Presidente. Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo CNPJ / Edital O Presidente da Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto Social, Faz Público que foram escolhidos para Superintender a eleição do Conselho Deliberativo, que se realizará no dia 05 de dezembro de.015, na sede social, à Rua Dr. Bettencourt Rodrigues, 155-1º. andar, no horário das 9h às 17h, de acordo com o disposto no artigo 104, daquele diploma, os seguintes senhores: Pela Diretoria Executiva: Sérgio Ciquera Rossi (efetivo) e Alfredo Piani Lima (suplente); Pelo Conselho Deliberativo: Alexandre Teixeira Carsola (efetivo) e Helga Brandstatter (suplente); Pelo Conselho Fiscal: Antonio Bento de Melo (efetivo) e Nivaldo Antonio de Vida (suplente). E, para conhecimento de todos interessados, publica-se o presente Edital, afixando-se cópia nas dependências sociais da Capital, Unidades Regionais e Unidades de Lazer, no prazo legal. São Paulo, 9 de agosto de 015. a) Antônio Carlos Duarte Moreira - Presidente. Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo CNPJ / Edital de Eleições para Cargos da Diretoria Executiva e Conselho Fiscal O Presidente do Conselho Deliberativo da Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo, usando das disposições que lhe são conferidas pelo Estatuto Social, Faz Público que as eleições para os cargos de Presidente, 1º. e º. Vice- Presidentes, Diretor Econômico-Financeiro, 1º. e º. Tesoureiros e membros do Conselho Fiscal correspondente ao triênio 016/018, realizar-se-ão no dia 6 de novembro de 015, pelo Conselho Deliberativo, em Sessão Extraordinária Pública, conforme artigos 43 à 46 (Regimento Especial) e artigos 99 e 100 e seus respectivos parágrafos (Estatuto Social), a iniciar-se às 15h30, na sede social, à Rua Dr. Bettencourt Rodrigues, 155 3º. andar. Torna público, ainda, que as inscrições dos candidatos serão recebidas até o dia 6 de outubro de 015 (Regimento Especial artigo 44), no período das 9h00 às 17h00, no 4º. andar do mesmo prédio na sala da Secretaria do Conselho Deliberativo, exceto aos sábados, domingos e feriados. E, para conhecimento de todos os interessados, publica-se o presente Edital, afixando-se cópia nas dependências sociais da Capital, Unidades Regionais e Unidades de Lazer, no prazo legal. São Paulo, 9 de agosto de 015. a) Álvaro Gradim Presidente do Conselho Deliberativo. Estre Ambiental S.A. CNPJ/MF nº / NIRE Ata da Assembleia Geral de Debenturistas da ª Emissão de Debêntures Simples, Não Conversíveis em Ações, em Série Única, da Espécie Quirografária, com Garantias Adicionais Reais Garantia Adicional Fidejussória, para Distribuição Pública com Esforços Restritos de Colocação realizada em 30 de julho de Data, Hora e Local: 30/07/015, às 14 horas, na sede social.. Presença: (i) debenturistas detentores da totalidade das debêntures emitidas e em circulação da ª emissão de debêntures, conforme Instrumento Particular de Escritura da ª Emissão Pública de Debêntures Simples, Não Conversíveis em Ações, em Série Única, da Espécie Quirografária, com Garantias Adicionais Reais e Garantia Adicional Fidejussória, para Distribuição Pública com Esforços Restritos de Colocação, da Estre Ambiental S.A. ( Debenturistas, Debêntures, Emissão, Escritura e Emissora, respectivamente); (ii) representantes da Emissora; (iii) representante da Pentágono S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, inscrita no CNPJ/MF nº / ( Agente Fiduciário ); e (iv) representantes da Pilares Participações Ltda. ( Pilares ). 3. Convocação: Dispensada, em razão da presença da totalidade das Debêntures. 4. Mesa: Presidente: Danielle Fernandes Paolucci Mendes; Secretária: Diana Gandelman Weiss. 5. Ordem do Dia: Deliberar sobre: (a) a decretação ou não do vencimento antecipado das Debêntures em razão do descumprimento, pela Emissora, nos termos da cláusula (i) da Escritura, da obrigação estabelecida na AGD de 1/06/015, qual seja, a realização da Amortização Extraordinária, conforme Cláusula 4.1 da Escritura, no valor de R$ ,00 correspondente a um percentual do saldo do Valor Nominal Unitário, sem o pagamento do prêmio (flat) previsto na Cláusula 4.1. da Escritura, até 30/06/015; (b) a liberação da garantia fidejussória, na modalidade de fiança, outorgada pela LMG Participações Ltda. ( LMG Participações ), em garantia das obrigações assumidas pela Emissora na Escritura, tendo em vista que a Cisão e Incorporação da Pilares, conforme definida no Segundo Aditamento da Escritura, não foi formalizada; (c) a aprovação de ativo adicional apresentado pela Emissora, para fins de realização do Reforço de Garantia, conforme definido na Cláusula 1.3 do Instrumento Particular de Contrato de Cessão Fiduciária de Direitos Creditórios e Conta Bancária em Garantia, celebrado em 18/1/01 entre a Companhia, o Agente Fiduciário, a Estre Petróleo, Gás e Energia Ltda. e o Banco Itaú BBA S.A. ( Contrato ), de modo a recompor integralmente a garantia prestada por força do Contrato; (d) a decretação ou não do vencimento antecipado das Debêntures em razão do descumprimento, pela Emissora, da obrigação não pecuniária prevista no item ii da Cláusula 5.1 da Escritura; (e) a alteração da data de pagamento da 3ª parcela da comissão estabelecida na AGD de 7/04/015, qual seja, 03/07/015, para que os valores devidos sejam pagos em 30/09/015; (f) a declaração ou não do vencimento antecipado, conforme Cláusula (i) da Escritura em razão do não pagamento na data devida mencionado no item (e) acima; (g) a alteração da data de pagamento da segunda parcela da amortização do Valor Nominal Unitário das Debêntures e da terceira parcela do Pagamento de Juros Remuneratórios, qual seja, 9/07/015, conforme definido na AGD de 1/06/015, para que os valores devidos sejam pagos em 30/09/015; (h) a declaração ou não do vencimento antecipado, conforme Cláusula (i) da Escritura em razão do não pagamento na data devida mencionado no item (g) acima; e (i) a autorização para a Companhia e o Agente Fiduciário tomarem as providências necessárias para o cumprimento das deliberações aprovadas nesta AGD. 6. Deliberações: Discutidas as matérias da ordem do dia, os Debenturistas deliberaram, sem quaisquer ressalvas, o quanto segue: 6.1. Foi aprovada a não decretação de vencimento antecipado das Debêntures, nos termos da Cláusula (i) da Escritura, em razão do descumprimento, pela Emissora, da obrigação estabelecida na AGD de 1/06/015 de realização da Amortização Extraordinária, conforme Cláusula 4.1 da Escritura, no valor de R$ ,00 correspondente a um percentual do saldo do Valor Nominal Unitário, sem o pagamento do prêmio (flat) previsto na Cláusula 4.1. da Escritura, até 30/06/ Foi aprovada a liberação da prestação da garantia fidejussória, na modalidade de fiança, outorgada pela LMG Participações, tendo em vista que a Cisão e Incorporação da Pilares, conforme definida no Segundo Aditamento da Escritura, não foi formalizada. Referida liberação está condicionada à inclusão da Pilares como parte integrante da Escritura, na qualidade de Fiadora e principal pagadora, solidariamente responsável com os demais Fiadores e com a Emissora, pelo fiel, pontual e integral cumprimento das obrigações principais e acessórias, assumidas pela Emissora na Escritura Foi aprovada a realização da Recomposição de Garantia, a qual deverá ocorrer em 30 dias contados desta AGD ( Recomposição de Garantia ), por meio da cessão fiduciária, em favor dos Debenturistas, dos direitos creditórios decorrentes do contrato nº , celebrado entre a Emissora e a Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras ( Petrobras ), tendo como objeto a prestação de serviços de elaboração de projetos detalhados, implantação e operação de sistema de remediação de solo e águas subterrâneas em áreas da Unidade de Negócios da Refinaria Presidente Getúlio Vargas ( UN/REPAR ), no valor global de R$ ,38, sendo que o saldo a receber é de R$ ,97, tendo sido emitida Autorização de Serviços (AS) em 8/06/010 pela Petrobras, para a execução dos serviços Foi aprovada a não decretação de vencimento antecipado das Debêntures, nos termos da Cláusula (iv) da Escritura, em razão do descumprimento, pela Emissora, da obrigação não pecuniária estabelecida no item ii da Cláusula 5.1 da Escritura, qual seja, a publicidade dos dados econômico-financeiros da Emissora, nos termos exigidos pela Lei das S.A., promovendo a publicação das suas demonstrações financeiras referente ao balanço de dezembro de 014 nos termos exigidos pela legislação em vigor, em especial pelo artigo 17 da Instrução CVM Foi aprovada a alteração da data de pagamento da terceira parcela da comissão estabelecida na AGD de 7/04/015, qual seja, 03/07/015, para que os correspondentes valores remanescentes sejam pagos em 30/09/015, na forma estipulada na AGD de 7/04/015, bem como a não declaração do vencimento antecipado da Emissão, nos termos da cláusula (i) da Escritura, em razão da não realização do pagamento na data devida, conforme exposto Foi aprovada a alteração da data de pagamento da segunda parcela da amortização do Valor Nominal Unitário das Debêntures e da terceira parcela do Pagamento de Juros Remuneratórios, qual seja, 9/07/015, conforme definido na AGD de 1/06/015, para que os correspondentes valores remanescentes sejam pagos em 30/09/015, mantidos os percentuais de amortização e o fluxo programado na forma estabelecida na Escritura, bem como a não declaração do vencimento antecipado da Emissão, nos termos da cláusula (i) da Escritura, em razão da não realização do pagamento na data devida Foi aprovado que o período de capitalização: (a) correspondente à terceira parcela dos Juros Remuneratórios das Debêntures corresponderá aos juros incorridos no intervalo compreendido entre 14/1/014 (inclusive) e 30/09/015 (exclusive); e (b) da quarta parcela dos Juros Remuneratórios das Debêntures corresponderá aos juros incorridos no intervalo compreendido entre 30/09/015 (inclusive) e 14/1/015 (exclusive), mantidos os períodos subsequentes na forma estipulada na Escritura Ficam autorizados o Agente Fiduciário e a Companhia a tomarem todas as providências necessárias para o cumprimento das deliberações aprovadas nesta AGD, devendo: (i) o aditamento à Escritura; e (ii) o aditamento ao Contrato, refletindo as deliberações aprovadas nesta AGD; serem devidamente celebrados e protocolados, pela Companhia, para registro nos cartórios de títulos e documentos competentes em até 10 dias úteis contados da data de assinatura desta AGD, sem prejuízo da inscrição do aditamento à Escritura na JUCESP, nos termos da Cláusula.1..1 da Escritura de Emissão, sob pena de ocorrência de hipótese de vencimento antecipado nos termos da Cláusula (iv) da Escritura por descumprimento de obrigação não pecuniária. 7. Termos Definidos: Todos os termos que não definidos nesta ata de AGD devem ser interpretados conforme suas definições atribuídas na Escritura. 8. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a Assembleia, sendo lavrada a presente Ata. São Paulo, 30/07/015. Assinaturas: Mesa: Danielle Fernandes Paolucci Mendes, Presidente; Diana Gandelman Weiss, Secretária. Agente Fiduciário: Pentágono S.A. Distribuidora de títulos e valores mobiliários; Emissora: Estre Ambiental S.A.; Debenturistas: Itaú Unibanco S.A., Banco Santander (Brasil) S.A.. JUCESP Certifico o registro sob o nº /15-1 em 4/08/015. Flávia Regina Britto Secretária Geral. ª Vara da Família e Sucessões Regional VIII Tatuapé. EDITAL PARA CONHECIMENTO DE TERCEIROS, EXPEDIDO NOS AUTOS DE INTERDIÇÃO DE ANNIBAL MESQUITA, REQUERIDO POR ELZA CALÇADA MESQUITA - PROCESSO Nº A MMª Juíza de Direito da ª Vara da Família e Sucessões, do Foro Regional VIII - Tatuapé, Estado de São Paulo, Drª. Marilia Carvalho de Castro Melo, na forma da Lei, etc. FAZ SABER aos que o presente edital virem ou dele conhecimento tiverem que, por sentença proferida em 7/04/015, foi decretada a INTERDIÇÃO de ANNIBAL MESQUITA, CPF , declarando-o absolutamente incapaz de exercer pessoalmente os atos da vida civil e nomeando como CURADORA, em caráter DEFINITIVO, a Srª. ELZA CALÇADA MESQUITA. O presente edital será publicado uma vez e afixado na forma da lei. NADA MAIS. Dado e passado nesta cidade de São Paulo, aos 06 de agosto de 015.

8 Página 8 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Especial Fotos: Divulgação SÃO PAULO DE TODOS OS TEMPOS Geraldo Nunes* 50 anos depois a Jovem Guarda já é vista com melhores olhos A primeira transmissão do programa de TV, Jovem Guarda completou 50 anos. Foi em de agosto de 1965 que pela primeira vez Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa subiam ao palco juntos A proposta para a realização do programa surgiu a partir do final das transmissões esportivas ao vivo pela TV Record nos finais de tarde e se pensou em algo que pudesse arrebatar, assim como o futebol, uma grande audiência. A emissora procurou então, uma agência de publicidade, a Magaldi, Maia e Prosperi que ficou de bolar essa alternativa e o publicitário Carlito Maia, lembrou uma frase pronunciada por Vladimir Lênin que dizia, o futuro pertence à jovem guarda. Decidiram assim, colocar em cena jovens artistas que já tinham alguma evidência no meio musical, há pelo menos dois anos, e depois de escolhas que chegaram a girar em torno de Ronnie Cord e Celly Campello, os preferidos acabaram sendo o cantor Roberto Carlos, lançado no Rio de Janeiro pelo disc jóquei, Carlos Imperial e junto com ele Erasmo Carlos e Wanderléa. Elis Regina, Jorge Ben e Wilson Simonal se apresentam no palco da Jovem Guarda O programa começaria no mesmo horário do futebol, às 16h00 e o lugar escolhido foi o Teatro Paramount, que já servia de auditório para outros programas da Record. O sucesso foi quase imediato com Roberto lançando no final daquele ano um long play com o nome do programa, cujo carro chefe era a música Quero que vá tudo para o inferno, como que a promover a rebeldia da época. O crítico musical Julio Maria entende que a Jovem Guarda foi o maior fenômeno da música pop ocorrido no Brasil até hoje. Para o colunista do Estadão algumas pessoas que antes criticavam o movimento o chamando de retrógrado ou alienado, hoje reconhecem que houve um equívoco. Dizia-se, por causa da ditadura militar, que a Jovem Guarda não era contestadora, mas percebe-se agora que aconteceram mudanças no comportamento dentro de casa com a garotada ficando mais ousada ao pronunciar gírias como, é uma brasa mora, barra limpa, é papo firme. Também houve revolução de costumes, especialmente por causa da mini saia, marca registrada da época, ressalta Julio Maria, analisando que do ponto de vista musical a Jovem Guarda trouxe inovações inegáveis. O programa se tornou líder de audiência e Roberto Carlos, passou a ser chamado de Rei. Ele entrava em cena com anéis em todos os dedos e medalhão de ouro no peito, dobrava uma perna, esticava o braço e anunciava: Com vocês, o meu amigo Erasmo Carlos, para o delírio da plateia. Seu parceiro também ganhou um apelido, Tremendão, e Wanderléa, Ternurinha. Aos domingos, a Av. Brigadeiro Luiz Antonio, onde ficava o Teatro Paramount, era ocupada por centenas de jovens que, logo após a hora do almoço, buscavam de algum modo entrar no teatro para assistir as apresentações. Havia outros artistas convidados: Sérgio Murilo, Agnaldo Rayol, Martinha, Rosemary, Renato e seus Blue Caps, Os Golden Boys, The Jordans, Trio Esperança, Ary Sanches e os Vips, entre outros. O programa era assistido em outros Estados com atraso, em videoteipe, porque não havia transmissão por satélites como hoje e no Rio de Janeiro, uma versão carioca, ao vivo, passou a ser feita pela TV Rio, durante a semana com a direção de Carlos Manga. Outras emissoras passaram a promover programas semelhantes. Wanderley Cardoso, Vanusa e Jerry Adriani, por exemplo, se apresentavam na TV Excelsior, enquanto que Os Incríveis, Eduardo Araújo, Sérgio Reis e Silvinha na TV Tupi. A própria Record criou um concorrente: Ronnie Von que não foi colocado no mesmo programa com Roberto e Erasmo. Deram a ele o codinome Príncipe e um programa exclusivo, O Pequeno Mundo de Ronnie Von onde ele cantava e apresentava outros artistas em início de carreira entre os quais Caetano Veloso e Os Mutantes. Mas a fórmula não iria durar muito e no final de 1967 o próprio Jovem Guarda, começou perder audiência com o IBOPE apontando o Programa Silvio Santos como o novo líder das tardes de domingo. Roberto foi avisado que a sorte do programa estava selada, mas ficaria para sempre o carinho todo especial por aquele espaço na televisão, conforme a música Jovens Tardes de Domingo que o próprio Rei gravaria anos depois. Roberto Carlos faria suas despedidas do Jovem Guarda, em 17 de janeiro de 1968 prometendo voltar na programação da Record em um horário noturno. O programa continuaria ainda, mais algumas semanas, comandado por Erasmo e Wanderléa, mas todos sabiam que de fato o sonho começava chegar ao fim. O Jovem Guarda, entretanto, sobrevive nas lembranças daqueles que viveram a época. Em de agosto último, o radialista Antonio Aguillar promoveu uma festa comemorativa dos 50 anos aos participantes do movimento musical da Jovem Guarda, no Clube Homs, completamente lotado de fãs. A banda The Clevers acompanhou os artistas que fizeram, cada um deles, uma breve apresentação. Antes o grupo apresentou Era um Garoto que como Eu amava os Beatles e os Rolling Stones. Depois vieram Nilton Cesar, Jerry Adriani, Dick Danello e Ed Carlos que relembrou a mini guarda. Também se apresentaram Martinha, Claudio Fontana, Claudio Roberto, Cyro Aguiar, Jonas Backer, Os Jovens, Ary Sanches, Deny e Ronald, finalizando com Cauby Peixoto, um dos primeiros cantores brasileiros a gravar um rock, cuja gravação, de 1957, se chama Rock em Copacabana. Para fechar a festa, Wanderléa, aplaudidíssima, apagou a velinha dos 50 anos e todos cantaram Parabéns a você no embalo da banda The Clevers. Foi uma grande emoção para Antonio Aguillar, ainda ativo aos 86 anos, com seu programa de Jovem Guarda aos domingos na Rádio Capital. O público que compareceu ao Clube Homs certamente retornou feliz para casa. (*) Geraldo Nunes, jornalista e memorialista, integra a Academia Paulista de História. Estação 45 Jovens Tardes de Domingo (Roberto Carlos Erasmo Carlos) Eu me lembro com saudade O tempo que passou O tempo passa tão depressa Mas em mim deixou Jovens tardes de domingo Tantas alegrias Velhos tempos Belos dias Canções usavam formas simples Pra falar de amor Carrões e gente numa festa De sorriso e cor Jovens tardes de domingo Tantas alegrias Velhos tempos Belos dias Hoje os meus domingos São doces recordações Daquelas tardes de guitarras Sonhos e emoções O que foi felicidade Me mata agora de saudade Velhos tempos Belos dias Roberto Carlos na Joven Guarda Velhos tempos Belos dias Hoje os meus domingos São doces recordações Daquelas tardes de guitarras Flores e emoções O que foi felicidade Me mata agora de saudade Velhos tempos Belos dias Velhos tempos Belos dias Velhos tempos Belos dias (Vejam só em que festa de arromba Outro dia eu fui parar Vejam só em que festa de arromba Outro dia eu fui parar Vinha voando no meu carro Quando vi pela frente Na beira da calçada Um broto displicente Mas, vejam só em que festa de arromba Outro dia eu fui parar Vejam só em que festa de arromba Outro dia eu fui parar) Almoço Segunda a Sábado das 11h30 às 15h Nosso Bufê possui grande variedade de saladas, frutas e os mais deliciosos pratos quentes e frios. Música ao vivo aos Sábados Delivery Noite Quarta a Domingo a partir das 18h Divirta-se com seus amigos em nosso Happy hour ou traga sua família para experimentar uma de nossas massas ou pizzas mais saborosas da região. (quarta a domingo, das 18h às 3h30) / Rua Dr. Neto de Araújo, 45 - Vila Mariana

9 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Ciência e Tecnologia Página 9 Gerenciamento de bancos de dados na nuvem Em um artigo anterior, Migração de Bancos de Dados para a Nuvem, discuti alguns pontos importantes que você deve ter em mente ao pensar em migrar bancos de dados para a nuvem. Agora, é hora de falar sobre seu gerenciamento assim que estiverem na nuvem E aí você diz, Mas eu mudei para a nuvem justamente para não ter que gerenciar meu banco de dados! É verdade. Além de diversas outras vantagens discutidas previamente, hospedar seus bancos de dados na nuvem é um alívio para grande parte da demanda e pressão associadas ao gerenciamento da infraestrutura de banco de dados no dia a dia. Contudo, isso não significa que você está totalmente livre. Com isso em mente, estes são alguns pontos a serem levados em consideração: 1. Em última análise, você ainda é o responsável pelo desempenho. Embora transferir o controle de sua infraestrutura de banco de dados ao provedor de nuvem possa aliviar parte de sua carga em termos de tarefas administrativas e de configuração, você ainda é responsável pelo desempenho geral do banco de dados. É necessário estar atento a contenção de recursos, congestionamentos, ajuste de consultas, índices, planos de execução etc. Você pode precisar de novas ferramentas de análise de desempenho: mesmo que algumas funcionem bem, muitas delas não funcionam corretamente na nuvem.. Em última análise, você ainda é o responsável pela segurança. Existem tanto riscos de segurança reais quanto percebidos associados a bancos de dados na nuvem, e você não pode esperar que o provedor de serviços de nuvem cuide da segurança para você. É preciso pensar na segurança como um modelo compartilhado no qual você é responsável por acesso e governança, criptografia, monitoramento da segurança, backups e recuperação de desastres. A nuvem pode ser segura. Você só precisa ter um plano. Então, qual é exatamente o seu papel no gerenciamento de seu banco de dados baseado na nuvem? Veja algumas ideias: 1. Compreenda e gerencie as transferências de dados e a latência. Você precisará determinar onde seus dados estão efetivamente região e data center bem como elaborar planos para uso de várias zonas de disponibilidade, recuperação ativa e passiva de desastres ou localidades com alta disponibilidade. Será importante levar em conta a transferência de dados e a latência para backups e ter todos os bancos de dados em sincronia, especialmente se seu aplicativo precisar integrar-se com outro que não esteja na mesma implantação de nuvem. Alguns provedores de nuvem permitem que você lhes envie discos rígidos, outros têm conexões dedicadas de alta velocidade e outros ainda fornecem orientações arquitetônicas para ajudá-lo no processo de decisão.. Conheça a nuvem de seu provedor de serviços e fique em dia com as mudanças. É crucial que você reserve algum tempo extra para compreender seu provedor de serviços, já que eles tendem a evoluir rapidamente. Você deve estar sempre a par de novos serviços e recursos, entender seus SLAs, examinar sua arquitetura recomendada e estar ciente de manutenções programadas que possam Gerardo Dada (*) afetá-lo. Na parceria com a nuvem, você e o provedor de serviços precisam estar em sintonia. 3. Esteja ciente da estrutura de custos. É fácil dar os primeiros passos na nuvem, mas essa simplicidade pode rapidamente levar a um hábito caro. Procure entender todos os elementos que compõem o custo de executar seu banco de dados na nuvem como classe de instância, tempo de execução, armazenamento principal e backup, solicitações de E/S por mês e transferência de dados e suas expectativas de crescimento ao longo do tempo. Isso pode ajudá-lo a evitar excessos no provisionamento e utilizar os recursos da nuvem de forma mais eficiente. 4. Evite colocar todos os ovos na mesma cesta. Reflita, planeje e gerencie os requisitos necessários para backup e recuperação para não perder dados importantes caso ocorra uma falha ou interrupção no fornecedor. Faça isso mantendo uma cópia de seus dados com um fornecedor diferente, em uma localização diferente, de modo que fiquem em segurança e possam ser recuperados facilmente caso uma catástrofe venha a ocorrer. 5. Mantenha-se à frente da segurança. Quais são os requisitos de segurança de sua organização e com quais regulamentos você precisa estar em conformidade? A criptografia é apenas a ponta do iceberg. Existem considerações como quais chaves serão usadas, quem terá acesso a elas, qual algoritmo será usado na criptografia, como os dados serão protegidos quando armazenados, em trânsito e em backups. Além disso, quem irá monitorar o acesso ao banco de dados com relação ao acesso mal-intencionado ou não autorizado? Lembre-se de que a maioria das ameaças à segurança vem de dentro. Por fim, planeje-se para o pior e tenha um plano de ação documentado para o caso de violação de segurança ou perda de dados. 6. Monitore e otimize seu ambiente de nuvem. Se é importante monitorar e otimizar as implantações nas próprias instalações, isso é ainda mais importante na nuvem, devido à sua natureza dinâmica. Ferramentas de otimização de desempenho de bancos de dados podem fazer análises complexas do tempo de espera e correlação de recursos para acelerar significativamente as operações do banco de dados e reduzir os custos. Essas ferramentas também podem emitir alertas com base no desempenho de linha de base para identificar problemas antes que aumentem de proporção. Administradores de bancos de dados, desenvolvedores e equipes de operações podem se beneficiar de uma exibição compartilhada do desempenho dos sistemas de produção que lhes permita ver o impacto de seu código e isolar a causa raiz do que possa estar desacelerando o banco de dados, sejam consultas, sistemas de armazenamento, bloqueadores etc. Em conclusão, executar seu banco de dados na nuvem pode proporcionar maior flexibilidade e agilidade e, sim, também pode significar menos de seu tempo sendo gasto com a administração do banco de dados. No entanto, não caia na armadilha de pensar que você pode se livrar das responsabilidades de gerenciamento do banco de dados. Na verdade, você deve ver isso como uma oportunidade de passar mais tempo gerenciando o próximo nível aprimorando e otimizando o desempenho dos bancos de dados e aplicativos. (*) É vice-presidente de marketing e estratégia de produtos de bancos de dados da SolarWinds. Comunicação na equipe influencia nas vendas Uma boa comunicação entre todos os colaboradores de uma empresa é fundamental para o bom andamento dos negócios. Ao contrário do que muitas empresas e colaboradores possam imaginar, a comunicação vai muito além de dizer algo ou dar voz a uma ideia, mas sim, de fazer com que o outro lado compreenda aquilo que realmente queremos expressar, sem que haja ruídos e falhas neste processo TI Portal Mais Emprego Robson Dal Bó (*) Quando há uma boa comunicação entre os membros de uma equipe há também um melhor relacionamento e uma melhor interação de todo o grupo de trabalho. Sendo assim ideias, opiniões, sugestões, teorias, são compartilhadas e desse modo podem ser aprimoradas e colocadas em prática, quando necessário. Afinal, comunicação é o segredo para ter uma equipe alinhada e motivada. E tudo isso é essencial para conquistar bons resultados em vendas. Provavelmente, quando criança, você brincou de telefone sem fio, certo? E quase nunca o que foi dito no começo da brincadeira era dito no final? A mesma coisa acontece em empresas que não têm uma comunicação eficaz com seus colaboradores. E isso pode ocorrer tanto entre os funcionários, quanto de um líder para os funcionários. Se todos os colaboradores falam a mesma língua e trabalham efetivamente em equipe, ainda que em áreas distintas de uma mesma empresa, todos sabem o que acontece, os possíveis problemas e as melhores soluções para resolvê-los. E com certeza, esse alinhamento vai refletir para o cliente e para os resultados. Já pensou em trabalhar sem nunca ser informado sobre o que está acontecendo, nem de quais são os objetivos da empresa? Uma empresa emque você não tem liberdade para conversar com seus superiores ou expressar sua opinião? A comunicação é importante também para manter a equipe motivada a trabalhar e a buscar fazer sempre o melhor. E claro que a motivação ajuda nas vendas, pois uma equipe motivada vende mais e melhor. Uma pesquisa realizada pelo Zeno Group com 300 executivos americanos e mais de mil trabalhadores apontou que somente 19% dos gestores se sentem muito confiantes de que os profissionais de suas empresas e companhias conseguem comunicar as estratégias efetivamente e de forma eficiente para seus colaboradores. Em contrapartida um terço dos participantes disseram ser nada confiantes com a comunicação dentro dos negócios. Segundo dados do Sebrae e da ABF Associação Brasileira de Franchising divulgada no início deste ano, hoje, uma em cada quatro franquias brasileiras está fora das capitais e das regiões metropolitanas, o que faz do interior do estado um expressivo mercado a ser explorado por empreendedores. Por consequência, a comunicação destas empresas em crescimento não pode ser esquecida. Sejam grandes ou pequenas as equipes, é funda- mental que a boa comunicação esteja presente no ambiente de trabalho. Acredito que alguns pontos devem ser levados em consideração para uma boa comunicação, com ou entre a equipe, e que traz bons resultados para os negócios: Conheça melhor as pessoas Conversar corretamente, ser simpático, e lembrar-se dos nomes de seus colegas também são atitudes essenciais. É necessário praticar esses gestos e sempre que possível buscar feedback com amigos e colegas para saber como você está se saindo. Saiba escutar Para comunicar-se bem, é fundamental saber ouvir. Neste processo você pode aprender mais sobre o trabalho, conhecer novas ideias e sugestões de como conduzir os negócios. Saiba conversar Como dito anteriormente, se comunicar é diferente de apenas falar. Preocupar-se em como irá transmitir uma mensagem a sua equipe ou entre seus colegas é essencial. Fique atento a sua linguagem corporal, postura e entonação. A comunicação na equipe reflete o bem ou mal estar entre os colaboradores e isso pode se refletir nas vendas e nos resultados da empresa. Uma equipe que se comunica bem conhece melhor sua empresa e como ela funciona, desse modo, resultados positivos podem ser alcançados com mais facilidade. (*) É business coaching da ActionCOACH empresa líder mundial em business coaching para pequenas e médias empresas e primeira franquia de coachingno Brasil. Cinco motivos para abrir seu negócio em tempos de crise Segundo alguns indicadores do mercado, a economia não está em sua melhor fase e o cenário é de incertezas. No entanto, nem todos os números são ruins para os novos empresários. De acordo com dados do Serasa Experian, 800 mil empresas foram abertas no país entre janeiro e maio deste ano. O número é 69% maior ao verificado em 010, ano de maior crescimento econômico do país desde o início da crise, quando foram criadas aproximadamente 575 mil empresas no mesmo período. Além disso, de julho de 011 a julho de 015, houve um salto de 10,5% no número de profissionais que trabalham por conta própria, de acordo com dados da Pesquisa Mensal do Emprego divulgado nesta quinta-feira (0) pelo IBGE. Atualmente, o país tem 4,3 milhões de trabalhadores autônomos, que representam 19,3% da população ocupada. No comparativo com o mesmo mês do ano passado, o número de profissionais autônomos aumentou em 1,3%. De olho nesse quadro, o empreendedor Vitor Torres, fundador da Contabilizei, plataforma de contabilidade especializada em empresas prestadoras de serviço, listou cinco motivos para você abrir seu próprio negócio durante a crise. Confira! 1. Segurança social: Abrir um negócio próprio requer disposição para o risco, mas isso não significa que o empresário estará desprotegido. De início, cabe entender qual modalidade de empresa se adequa melhor a sua necessidade. Além do Microempreendedor Individual (MEI), para empresas com rendimentos de até R$ 60 mil por ano, há ainda a EIRELI e a LTDA. Seu consultor contábil é o profissional ideal para orientá-lo na melhor decisão. Também é preciso pensar na aposentadoria e na contribuição mínima de INSS.. Condições de crescimento: Após a tempestade vem a bonança, diz o dito popular. Se após todo movimento de crise se segue um ciclo de crescimento vertiginoso, essa é a hora de armar o negócio para quando a maré vir a seu favor. É durante o período de crise que o empreendedor tem que levantar as bases do seu negócio, para ter as condições de usufruir do crescimento quando ele vier. 3. Mercados aquecidos: Durante a crise, alguns mercados continuam bem aquecidos, como é o caso do setor de serviços. Hoje, o setor é responsável por 75% dos empregos formais no país e representa mais de 60% do PIB nacional, de acordo com o Serasa Experian. Portanto, é estratégico oferecer serviços que acompanham as atuais necessidades do mercado, especialmente com vista a atender as grandes empresas que procuram alternativas viáveis para reduzirem seus custos. 4. Corte de vagas: Os últimos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, do IBGE, apontam para 8,15 milhões de desempregados no trimestre que se encerrou em maio. Pior: a taxa de desemprego do período subiu para 8,1%. Uma leitura destes dados é que arriscado seria deixar de empreender para manter uma posição dentro de uma empresa. 5. Fim da burocracia: Nunca foi tão fácil abrir um empreendimento próprio. Em fevereiro, a presidente Dilma Rousseff assinou o decreto de lançamento do programa Bem Mais Simples, um pacote de medidas que visa aliviar parte da burocracia na abertura de micro e pequenas empresas. Além disso, recentemente a Receita Federal anunciou a criação de um sistema para facilitar a abertura, regularização e até fechamento das empresas. Serviços de contabilidade online também podem ser uma alternativa para agilizar todo o processamento e fluxo contábil para novos negócios. O Portal Mais Emprego ofereceu de janeiro a agosto de um total de vagas de emprego espalhadas por todas as unidades da federação. Hoje estão disponíveis aos trabalhadores vagas no Portal. O setor de Serviços foi o que mais ofereceu vagas de emprego. De janeiro a agosto foram postos de trabalho, seguido do Comércio, com 41.1 e Agropecuária, com.088. Nestes setores, estão disponíveis no Portal mil vagas em serviços, na agropecuária e 8.84 no comércio. O Portal é um serviço gratuito e permite que o próprio cidadão, seja trabalhador ou empregador, possa encontrar informações sobre emprego, oportunidades, dentre outras informações. Para se candidatar, basta acessar a plataforma digital em ou por meio da página do MTE.

10 Página 10 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Lazer & Cultura / Exposição Chão Divulgação Zélia Duncan Em sua sétima edição, o Projeto Sala de Estar convida Zélia Duncan, que traça sua carreira através de músicas que marcaram sua trajetória entremeadas por causos e histórias que fizeram parte destas composições. Serviço: Sesc Pompeia, R. Clelia, 93, Perdizes, tel Sexta (04) e sábado (05) às 1h e domingo (06) às 19h. Ingresso: R$ 50. Medo Obra da exposição Chão de Alexandre Brandão. A exposição Chão de Alexandre Brandão é a segunda exposição individual no espaço, onde o ele traz uma nova série de trabalhos, dando continuidade à sua exploração e fascínio pela fenomenologia das matérias primas e a sua transmutação quase alquímica. Se, em obras anteriores, o artista estudava a natureza impalpável da luz e as capacidades plásticas de materiais como açúcar, pedra, tinta e carvão, em Chão ele aprofunda a sua relação direta com as matérias primas que advêm, literal ou conceitualmente, da terra. Serviço: Galeria Leme, Av. Valdemar Ferreira, 130, Butantã, tel De terça a sexta das 10h às 19h e aos sábados das 10h às 17h. Entrada franca. Até 6/09. Inéditos A exposição Houyhnhnms de Nuno Ramos apresenta mais de 0 obras entre pinturas, relevos, desenhos e esculturas de grandes proporções produzidas ao longo de nove meses e que agora ocupam o quarto andar da Estação Pinacoteca. Com exceção de Cavaloporpierrô, já montada em 014 no Instituto Iberê Camargo de Porto Alegre, todos os trabalhos apresentados são inéditos. Serviço: Pinacoteca do Estado, Praça da Luz,, Luz, tel De terça a domingo das 10h às 17h30. Ingresso: R$ 6. Às quintas até as h, com entrada franca das 18h às h. Orquestra Brasileira de Música Jamaicana O novo trabalho da Orquestra Brasileira de Música Jamaicana, OBMJ Ataca, é uma homenagem ao gênero Sci Fi e tambem faz alusão ao filme Mars Attack, de Tim Burton. É Orquestra OBMJ. Divulgação o primeiro trabalho autoral da banda e inteiro instrumental. Com composições de Sergio Soffiatti e Felippe Pipeta, o novo e temático álbum sai em disco de vinil (LP), recheado dos dançantes ritmos jamaicanos Ska, Reggae e Rocksteady. Serviço: Sesc Pompeia, R. Clelia, 93, Perdizes, tel Sexta (04) e sábado (05) às 1h30. Ingresso: R$ 30. Um redator é sequestrado e tem como vigia um mendigo que já conhecia da rua, e começa a refletir sobre sua relação de homem de classe média com o mundo. A peça Até Que Deus É um Ventilador de Teto gira em torno de como o medo integra a vida dos brasileiros que, cercados pela violência e Coletivo Inominável A partir do clássico A Gaivota, de Anton Tchekhov, o Coletivo Inominável propõe uma montagem não realista e fortemente apoiada no sarcasmo onde o foco é investigar o fazer artístico como forma de evitar a morte. Entre o texto de Tchekhov, depoimentos pessoais, noções de física aplicada, astronomia, e os processos biológicos de decomposição do corpo, quatro atores refletem sobre o tempo, o teatro, e o ritual do suicídio. Com, Beatriz Cugnasca, Cezar Zabell, Ingrid Veríssimo e Jaqueline Chile. Serviço: Teatro Experimental Anhembi Morumbi, R. Dr. Almeida Lima, 993, Mooca, tel Sextas às 0h. Entrada franca. Até 18/09. Cena do espetáculo Até Que Deus É um Ventilador de Teto. MPB todo o imaginário que ela carrega, mudam suas relações, gerando preconceitos e dificultando aproximações mais humanas. Com Hugo Possolo e Raul Barreto. Serviço: Sesc Pompeia, R. Clelia, 93, Perdizes, tel Quintas, sextas e sábados às 1h e aos domingos às 19h. Ingresso: R$ 5. Até 13/09. Paulo Lepetit e Zeca Baleiro apresentam neste encontro uma sonoridade própria e celebram a riqueza da música popular em suas muitas vertentes. Serviço: Teatro Paulo Autran (SESC Pinheiros), R. Paes Leme, 195, Pinheiros. Sexta (04) e sábado (05) às 1h, domingo (06) e segunda (07) às 18h. Ingresso: R$ 40. Reflexões Reflexões EXPERIMENTE HOJE: Agradecer a Deus os benefícios da vida e valorizar os recursos do próprio corpo. Trabalhar e servir além do próprio dever, quanto lhe seja possível. Observar, ainda mesmo por instantes, a beleza da paisagem que lhe emoldura a presença. Nada reclamar. Comentar unicamente os assuntos edificantes. Refletir nas qualidades nobres de alguma pessoa com a qual os seus sentimentos ainda não se afinem. Falar sem azedume e sem agressividade na voz. Ler algum trecho construtivo. Praticar, pelo menos, uma boa ação, sem contar isso a pessoa alguma. Cultivar tolerância para com a liberdade dos outros sem atrapalhar a ninguém. Atendamos diariamente a semelhante receita de atitude e, em breve tempo, realizaremos a conquista da paz. André Luiz (De Busca e acharás, de Francisco Cândido Xavier Espíritos Emmanuel e André Luiz). Horóscopo Cícero Augusto - Na Internet: Esta segunda, o décimo oitavo dia da lunação é muito benéfico, mas nele devemos evitar as viagens. A Lua em Áries as 05h37 neste começo de semana dá uma forte energia para resolvermos com maior rapidez os impasses no trabalho. Procure realizar tudo usando criatividade, mas evite atividades e serviços monótonos. A rotina e a burocracia podem nos irritar. As tarefas longas, complexas e repetitivas nos fazem perder a paciência com facilidade, por isso o melhor é evita-las nesta segunda-feira. Sentimos certa necessidade em tomar providências para assuntos que vinham se arrastando. A tendência para o imediatismo nos faz querer agir por nossa própria conta, sem depender de ninguém. Áries (1/3 u 19/4) Câncer (/6 a /7) Libra (3/9 a /10) Capricórnio (/1 a 19/1) Defina o que deve ser focado para ser alcançado ainda neste mês de setembro, porém não faça nada precipitado. Terá definição dos rumos que sua vida deverá tomar antes do final do ano. Traça metas e objetivos para a semana neste feriado de segunda. 8/68 vermelho. O Sol na casa três provoca mudanças, viagens e lhe dá maior liberdade para novas conquistas. Saia um pouco da rotina e mude seus hábitos. Logo a vida financeira vai melhorar, saiba esperar. Terá boa capacidade para resolver problemas. 4/94 branco. Use a autoconfiança que aumenta a força do pensamento positivo. Algo novo deve ser preparado para depois do aniversário. Precisa ainda ter cuidado com confusões. Faça tudo bem pensado e espere chegar seu aniversário para começar a agir imediatamente. 66/766 azul. As emoções tendem a estar menos em evidência, já que o foco são os assuntos práticos e materiais com a Lua em Áries. Precisa conviver com amigos para realizar seus desejos comuns. Ouça opiniões antes de agir. Porém, fique atento para não atropelar o parceiro. 65/465 verde. Dicionário dos sonhos Touro (0/4 a 0/5) Leão (3/7 a /8) Escorpião (3/10 a 1/11) Aquário (0/1 a 18/) TARTARUGA - Vê-la, cuidado com situações difíceis. Andando, felicidade. Virada, problemas e atrasos. Nadando, novidades virão. Matá-la, dificuldade de dinheiro. Muitas juntas, felicidade no jogo durante a fase da Lua em que sonhou. Números da sorte: 13, 19, 4, 50 e 6. Simpatias que funcionam Trazer o amor de volta: Ingredientes: uma vela verde, duas folhas de árvores diferentes, um papel de seda verde. Como fazer: escreva no papel o pedido de desculpas e, ou o nome da pessoa três vezes e coloque em um envelope rosa (amor), azul (reconciliação) ou verde (esperança) Acenda a vela verde e reze o salmo 97 na Bíblia. Deixe em um lugar verde. Fase para dedicar-se a uma atividade que gere algum lucro. A influência da Lua ariana torna o dia positivo para traçar metas e usar a capacidade de liderança. Dê um novo rumo a sua vida, fazendo as concessões necessárias para não magoar pessoas queridas. 51/851 azul. Realize as tarefas de curto prazo, que dependem apenas de você. Não deixe nada para depois e prepare-se para mudar a vida e a rotina nesta semana, feliz divertindo-se ou adquirindo bens pessoais. Conflito nas relações ainda tendem a ocorrer nesta semana, controle-se. 8/98 amarelo. Esta segunda semana de setembro melhora suas boas intenções e dá mais ímpeto e força de vontade. Haverá um forte interesse pelo trabalho e atividades agradáveis. A Lua em Áries ajuda a planejar o futuro e focar as realizações pessoais. 77/877 verde. Precisa resolver relações de parceria no trabalho e conquistar novos aliados. Pode realizar um desejo através da compra de algo que trará conforto. As atitudes que tomar ou causam rompimentos ou admiração dos outros. Pense bem antes de tomar uma atitude. 31/631 vermelho. Gêmeos (1/5 a 1/6) Virgem (3/8 a /9) Sagitário (/11 a 1/1) Peixes (19/ a 0/3) Com Sol na casa da família haverá maior afetividade que garante bons momentos íntimos. O Sol em Virgem o aproxima das suas raízes e o leva a viagens curtas, passeios e encontros inesperados. Evite ser exigente demais nos detalhes. 88/388 amarelo. O Sol em seu signo acentua o seu interesse pela vida, pela relação a dois e as atividades financeiras. As portas podem se abrir diante das mudanças feitas. Mas evite negócio movido pelo otimismo, faço tudo bem pensado. De todo modo, ficará mais fácil apimentar o romance. 1/61 verde. Tenha muita calma ao lidar com suas emoções para evitar desentendimentos. Diálogos podem ser importantes para melhorar a convivência com alguém. Tendência a ser levado a situações de rompimento brusco com pessoa importante em sua vida. 98/498 violeta. As fortes emoções podem provocar situações tensas no trabalho e perdas. Por isso controle-se. Precisa aceitar todas as situações que surgirem mesmo as difíceis para poder resolvê-las. Evite qualquer coisa que não tenha sido bem pensada e planejada. 63/163 verde. Comemorações e aniversariantes do dia SEGUNDA 31 de Agosto de 015. Dia de São Raimundo Nonato, São Aristides, São Amado, e Dia do Anjo Leuviah, cuja virtude é a modéstia. Dia do Nutricionista. Hoje aniversaria o cantor e compositor Francis Hime que completa 76 anos, o ator Richard Gere que nasceu em 1949, a atriz Regiane Alves que faz 37 anos e a atriz Maria Flor que nasceu em O nativo do dia O nativo de Virgem deste dia e grau é uma pessoa honesta, amável e que suporta com resignação as adversidades da vida. Força de vontade e determinação são também suas qualidades. Incansável, determinada quer progredir através do seu trabalho, de bases sólidas. Com sorte e determinação transforma suas ideias criativas em trabalhos lucrativos. Tem inspiração poética e artística e em geral uma memória e inteligência acima do normal. No lado negativo tende a provocar infelicidade ser levado ao desespero e sofrer derrotas e perdas em várias situações. PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS Resultado do uso do filtro solar associado à boa alimentação e à ingestão de água Infecções (?): afligem o paciente com Aids Terra do Tio Sam A de convidados é checada à entrada na festa Sílvio Luiz, locutor Realizadas em etapas Efeito do trabalho manual contínuo Característica do faminto Qualidade da amizade entre Watson e Holmes (Lit.) (?) Eliot, Ritual que poeta e Nobel (EUA) precede a refeição do fiel Primata nativo de Bornéu e Sumatra Sim, em francês Ingrediente que dá amargor à cerveja País andino das Linhas de Nazca Substância que remove a cola de curativos Produto da compostagem Tempestade sobre o mar É indicada pelo acento grave (Gram.) Giga (símbolo) Bronco (fig.) Ellen Roche, atriz paulista Ondas Médias (abrev.) Citou como prova Sufixo de "luneta" O amigo mudo de Branca de Neve (Cin.) Material do asfalto Varredor de rua Green (?), sonho do imigrante ilegal Setor (?): agricultura, pesca e caça (Econ.) (?) de abóbora: é temperado com cravo Símbolo de e canela resistência elétrica Ernesto Nazaré, pianista carioca Revistas COQUETEL Pedido da plateia ao final de shows (?) Cruise, ator de "No Limite do Amanhã" Expressar alegria através da face Monograma de "Tânia" Bar Assistência financeira "caindo aos temporária concedida pedaços" ao trabalhador sem Tempo, em inglês ocupação Cada apêndice no dorso de Pégaso Precede o nome de médicos (abrev.) Alimentação do notebook Bebida inglesa Deus, em inglês Sentir profunda aversão por Número inteiro indeterminado (Mat.) BANCO 69 3/god oui. 4/card éter peru time. 6/lúpulo. 8/borrasca. Solução C D E O P O R T U N I S T A S E U A G P I C H E L I S T A G E M G E E A A L E G O U S L P E R U D R P A U L A T I N A S O U P D A C A R D A D U B O P A A E C A L O E R B I S V O R A C I D A D E E R O M T O M L E A L D A D E P T S R R I R P R E C E I I E O R A N G O T A N G O Adquira seu MAPA ASTRAL SINASTRIA PREVISÃO ANUAL (015) Saiba o SEXO DO BEBÊ fone (11) Pedidos também na Internet:

11 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Página 11 Debate mostra potencial das florestas comerciais A área de florestas plantadas no Brasil está perto de 8 milhões de hectares e a transformação de eucalipto e pinus, principalmente, em papel, celulose, carvão vegetal e painéis de madeira gerou uma receita bruta de R$ 60 bilhões em 014 Ao lado do resultado econômico do setor, também sua organização, avanço tecnológico e potencial no confisco de gases de efeito estufa chamaram a atenção dos senadores em debate realizado pelas Comissões de Agricultura e de Meio Ambiente. Investimentos em biotecnologia e engenharia genética para o cultivo de árvores colocaram o país no topo do ranking de produtividade, disse Elizabeth de Carvalhaes, presidente da Indústria Brasileira de Árvores (IBÁ), associação que reúne 70 empresas do setor. A produtividade brasileira, informou ela, é de 40 metros cúbicos de madeira por hectare/ano, distante do segundo colocado, o Chile, com 17 metros cúbicos por hectare/ano. Nos Estados Unidos, a produtividade é de 10 metros cúbicos por hectare/ano e na Europa, 7 metros cúbicos por hectare/ ano. Não temos concorrente no planeta. O Brasil é o país mais capacitado do mundo para oferecer produto de madeira ao mercado mundial. Oferecemos madeira três vezes mais rápido que o segundo colocado, frisou Carvalhaes. O senador Waldemir Moka (PMDB-MS), um dos autores do requerimento para realização do debate, destacou ainda a contribuição do setor na promoção de medidas de mitigação dos impactos das mudanças climáticas e na recuperação de áreas degradadas. Conforme dados citados pela presidente do IBÁ, as florestas plantadas estocam hoje 1,6 bilhão de toneladas e retiram anualmente da atmosfera 130 milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO), com a reposição das árvores cortadas. Elizabeth de Carvalhaes assegurou que o plantio comercial de árvores é feito em áreas já abertas, havendo ainda o compromisso de recomposição de matas nativas. Para cada Pedro França/Ag.Senado Ramires Junior, senadora Ana Amélia, Elizabeth de Carvalhaes e o deputado Newton Cardoso Junior, presidente da Frente Parlamentar da Silvicultura. hectare plantado, as empresas recuperam 0,7 hectare. O Brasil possui 7,7 milhões de hectares de florestas plantadas e quase 6 milhões de hectares de recuperação de florestas naturais em áreas degradadas. Se um dos compromissos do Brasil é combater o desmatamento, a indústria do setor faz isso, afirmou. Em resposta à senadora Ana Amélia (PP-RS), Elizabeth de Carvalhaes informou que, além do cultivo nas áreas das empresas, o setor tem hoje contratos de fomento com mil produtores rurais, fornecendo muda, tecnologia e manejo florestal. Nessas propriedades, disse, o plantio de árvores é uma atividade complementar a outras desenvolvidas pelo agricultor. A lógica de plantio de árvores é entrecortada pelas florestas naturais. E nossa política de fomento é incluir famílias rurais com múltiplos usos do território, não é de monocultura. Carvalhaes explicou que há um esforço do setor em certificar internacionalmente toda a área de floresta plantada, para que se possa utilizar o potencial da certificação na valorização dos produtos. Contam para a certificação aspectos como aproveitamento de áreas já abertas, recuperação de terras degradadas, integração com matas nativas, associação com produção agrícola e, principalmente, a origem legal da madeira. Na China, na Europa, nos Estados Unidos, o medo do comprador é de estar comprando um produto proveniente de madeira ilegal, disse, ao observar o impacto que pode gerar a notícia de que o produto de uma grande empresa seja embalado por papel fabricado com madeira ilegal. Ao responder a questionamento do senador Blairo Maggi (PR-MT), Luiz Ramires Junior, presidente da Câmara Setorial de Florestas Plantadas do Ministério da Agricultura, disse ser essencial a integração entre as áreas cultivadas e o segmento industrial. A exportação de madeira in natura não tem grande valor agregado, então é muito importante que a gente tenha a indústria interligada à floresta. Se a indústria cresce, com certeza a floresta vem atrás, disse Ramires. Conforme afirmou, o setor trabalha com a perspectiva de chegar a 15 milhões de hectares plantados até 030, o que representaria um incremento de área equivalente a 80% do compromisso de reflorestar 1 milhões de hectares, assumido pela presidente Dilma Rousseff em junho, durante viagem oficial aos Estados Unidos. Apesar do crescimento das florestas plantadas, o senador Jorge Viana (PT-AC) disse ser ainda insuficiente, apontando a necessidade de empoderamento das políticas para o setor. A redução das emissões de gases de efeito estufa se deu com a redução do desmatamento, mas poderia ser ampliada fortemente se nós ampliássemos as florestas. Um país como o nosso era para ter 30 milhões de hectares de florestas plantadas, observou, defendendo mais atenção do poder público ao cultivo de árvores no país (Agência Senado). 7 passos para gerar resultados e ser promovido É senso comum concluir que todos nós buscamos o caminho para o sucesso Dessa forma, é muito frequente ouvirmos executivos bem sucedidos falando sobre como chegaram lá. Alguns declaram que trabalham 0 horas por dia, outros que tomam decisões que envolvem milhões de reais em pouco tempo e acertam sempre. Mas, em minha opinião, a vida executiva tem pouco espaço para estes seres com superpoderes, que são mais interessantes nas telas de cinema do que em escritórios. Não creio que exista um manual de instruções para o sucesso profissional, até porque cada segmento da economia requer perfis de pessoas completamente diferentes. Mas, algumas características são comuns em todos os executivos de sucesso que eu conheci, em diferentes ramos de negócio. Vamos a elas: 1 São resilientes: possuem a capacidade de absorver impactos e voltar à forma original. Expostos a todo tipo de pressão (tempo, resultados, mudanças rápidas e cobrança), os executivos precisam digerir insucessos passageiros e continuar focando seus objetivos sem desânimo; São adaptáveis: a teoria darwiniana se adapta perfeitamente à vida profissional. Em um mundo que muda à velocidade da luz, adaptarse a novas situações rapidamente é um diferencial fundamental. 3 Trabalham duro: trabalhar duro não é trabalhar 4 horas por dia, mas sim, focar em resultados, sempre tendo compreensão das metas e da necessidade de cumpri-las no menor prazo possível; 4 Sabem trabalhar em grupo e individualmente: o trabalho em grupo é muito valorizado, pois grupos de pessoas com diferentes visões e experiências geram mais dados para se chegar a uma conclusão acertada. Mas, existem horas que o executivo precisa decidir sozinho quando está, por exemplo, na frente do cliente fechando um negócio, ou Arley Ribeiro (*) diante de uma oferta excelente de um fornecedor. Neste momento, ele precisa ter a autoconfiança para tomar a decisão e seguir em frente, sem despender tempo com consultas improdutivas; 5 Sabem escutar: quem sabe escutar consegue obter mais informações e aumenta as chances de obter bons resultados. É importante também aprender a hora de perguntar, pois os questionamentos fazem com que o outro lado fale mais e exponha seus pontos de vista, facilitando a elaboração de estratégias para um acordo; 6 Sabem lidar com pessoas: para atingir as metas, dependemos de gente. Pessoas são fundamentais para o nosso sucesso. A escolha de indivíduos certos para desempenhar cada função é também responsabilidade do líder, que deve contar com a percepção apurada para lidar com equipes dia após dia; 7 Possuem permanente insatisfação interna: o executivo TOP não está apenas preocupado com suas metas de hoje, mas como fará para atingir as metas do ano que vem, ou daqui a dois anos. O que é preciso fazer hoje para nos manter na trilha do sucesso amanhã? Se hoje o mercado está excelente e o bônus será gordo, este ambiente pode mudar e apenas os internamente insatisfeitos irão continuar atingindo os resultados. Isto não significa que o bom executivo nunca encontra realização, mas que está sempre se preparando para tempos futuros que podem não ser tão favoráveis. O sucesso não é simples de ser atingido e o topo da carreira executiva não pode ser conseguido por todos. Mas, aqueles que procuram integrar essas práticas, têm muito mais chances de sentar na cadeira mais confortável da empresa e também de permanecerem lá por muito tempo. (*) - É executivo e Engenheiro Químico, com experiência no setor de adesivos de consumo e industrial em países da América do Sul, México, EUA, Europa e Índia. CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL 14º Subdistrito - Lapa Juliana Patu Rebello Pinho - Oficial Proclamas de Casamentos O pretendente: MARCO AURELIO GOMES RODRIGUES, profissão: empresário, estado civil: solteiro, naturalidade: nesta Serventia - SP, data-nascimento: 08/06/1988, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, filho de Carlos Alberto Rodrigues e de Francisca Solange Gomes Rodrigues. A pretendente: MARIANA BEATRIZ DE CAMPOS FRATINI, profissão: analista de comércio exterior, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Serventia - SP, data-nascimento: 10/0/1989, residente e domiciliada em Pirituba, São Paulo - SP, filha de Wilson Fratini e de Maria de Lourdes de Campos Fratini. O pretendente: PAULO KAZUIUKI KANASHIRO, profi ssão: sushiman, estado civil: solteiro, naturalidade: Miracatu - SP, data-nascimento: 5/01/1950, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Silvio Kanashiro e de Tereza Toyoko Kanashiro. A pretendente: JOANA D ARC ANDRADE VIEIRA, profi ssão: do lar, estado civil: viúva, naturalidade: Passos - MG, data-nascimento: 03/09/1954, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de João Martimiano de Andrade e de Leonina Martins de Oliveira. Faço saber que os seguintes pretendentes apresentaram os documentos exigidos pelo Art. 155, do Código Civil Atual Brasileiro e desejam se casar: O pretendente: GUILHERME MASELLO FABBRI, profi ssão: gerente de vendas, estado civil: solteiro, naturalidade: Descalvado - SP, data-nascimento: /05/1981, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Renato Fabbri Junior e de Maria Tereza Schutzer Masello Fabbri. O pretendente: THIAGO ANTIQUEIRA DINI, profi ssão: engenheiro agrônomo, estado civil: solteiro, naturalidade: Piracicaba - SP, data-nascimento: 3/01/1984, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Gilmar Orestes Dini e de Marlene Antiqueira Dini. O pretendente: TIAGO PENHA MARQUES PEREZ, profissão: eletricista, estado civil: solteiro, naturalidade: nesta Serventia - SP, data-nascimento: 10/05/1986, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, filho de João Luiz Marques Perez e de Semiramis Tereza Penha. A pretendente: JACQUELINE DA SILVA SOUZA, profissão: do lar, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Saúde - SP, data-nascimento: 4/1/1989, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, filha de Jamilton Muniz de Souza e de Maria Antonia da Silva Souza. O pretendente: RENATO SILVA ARRUDA, profi ssão: educador físico, estado civil: solteiro, naturalidade: nesta Capital, Cerqueira Cesar - SP, data-nascimento: 17/05/1980, residente e domiciliado na Santa Cecília, São Paulo - SP, fi lho de Armando Cabral de Arruda e de Maria Helena da Silva Arruda. A pretendente: ALINNE BARICCA CORCELLI, profi ssão: educadora física, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Vila Mariana - SP, data-nascimento: 19/10/1987, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de Sérgio Corcelli e de Alessandra Baricca Corcelli. O pretendente: FELIPE ELIAS DE OLIVEIRA, profi ssão: publicitário, estado civil: solteiro, naturalidade: nesta Capital, Cerqueira César - SP, data-nascimento: 08/01/198, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Elias Barbosa de Oliveira e de Julia Pascoalina Leite. A pretendente: CAMILLA PANACHÃO, profi ssão: coordenadora de treinamento, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Cerqueira César - SP, data-nascimento: 1/07/1983, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de Francisco Panachão Neto e de Lidia Vasiliauskas. O pretendente: DOUGLAS CRISTIANO CALAÇA, profi ssão: analista de planejamento, estado civil: divorciado, naturalidade: São Paulo - SP, data-nascimento: 16/03/198, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Higino Carlos Calaça e de Elvira Maria Calaça. A pretendente: TATIANA GUMIERO, profi ssão: arquiteta, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Casa Verde - SP, data-nascimento: 0/10/1981, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de João Ademiro Gumiero e de Suelí de Barros Gumiero. O pretendente: DAITON ALCÂNTARA RIBEIRO, profi ssão: administrador de empresas, estado civil: solteiro, naturalidade: Itamarandiba - MG, data-nascimento: 03/11/1977, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Dario do Rosário Ribeiro e de Marta Maria Ribeiro. A pretendente: RENATA ROMAN ROSS, profi ssão: gerente de relacionamento, estado civil: solteira, naturalidade: Cajamar - SP, data-nascimento: 9/10/198, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de Adroir Pedro Roman Ross e de Hermenegilda Bernardon Ross. O pretendente: ALLAN SANTOS FREIRE, profi ssão: assistente administrativo, estado civil: solteiro, naturalidade: nesta Capital, Cerqueira Cesar - SP, data-nascimento: 01/05/1986, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Antonio Florencio Freire e de Ivonete Santos Freire. A pretendente: FERNANDA HIPOLITO DE SOUSA, profi ssão: analista comercial, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Perdizes - SP, data-nascimento: 09/06/1981, residente e domiciliada em Osasco - SP, fi lha de Manoel Hipolito de Sousa e de Maria José de Carvalho Sousa. O pretendente: FÁBIO AUGUSTO ALBINI BRAGA, profi ssão: analista de sistemas, estado civil: solteiro, naturalidade: nesta Capital, Bela Vista - SP, data-nascimento: 6/09/1989, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Pedro Augusto Attab Braga e de Sandra Albini Braga. A pretendente: PATRICIA YURIKO YAMASHITA, profi ssão: analista de sistemas, estado civil: solteira, naturalidade: Guarulhos - SP, data-nascimento: 7/03/1985, residente e domiciliada na Vila Antonieta, São Paulo - SP, fi lha de Rui Yutaka Yamashita e de Helena Fumiko Koga Yamashita. O pretendente: JOVENAL ALVES DA SILVA, profi ssão: marcineiro, estado civil: solteiro, naturalidade: Condeúba - BA, data-nascimento: 18/04/1989, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Salustiano Alves da Silva e de Neusa Vande Soares da Silva. A pretendente: GRASIELA ROCHA SANTANA, profi ssão: babá, estado civil: solteira, naturalidade: São João do Paraíso - MG, data-nascimento: 19/1/1991, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de Luciney Santana Sobrinho e de Maria Nilza Rocha Santana. O pretendente: CLECIO ROBERTO DE ALMEIDA, profi ssão: consultor de vendas, estado civil: divorciado, naturalidade: São Paulo - SP, data-nascimento: 01/06/1968, residente e domiciliado em Itaberaba - SP, fi lho de Francisco José de Almeida e de Josefi na Maria do Nascimento de Almeida. A pretendente: VANIA DE SÁ NASCIMENTO, profi ssão: gerente de RH, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Pari - SP, data-nascimento: 07/04/1967, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de Francisco Almeida do Nascimento e de Nilce de Sá Nascimento. O pretendente: ALEXANDRE CARLOS MARTINS FRANCISCO, profissão: gerente técnico de informação, estado civil: divorciado, naturalidade: São Bernardo do Campo - SP, data-nascimento: 11/04/1973, residente e domiciliado em Diadema - SP, filho de Carlos Martins Francisco e de Maria Aparecida Machado Martins. A pretendente: SUELI ALVES DE OLIVEIRA, profissão: representante comercial, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Saúde - SP, data-nascimento: 01/07/1970, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, filha de Lourivaldo Faustino de Oliveira e de Estelita Alves de Oliveira. O pretendente: ANDRÉ ASSAD MENESTRINO, profissão: administrador de empresas, estado civil: solteiro, naturalidade: Niterói - RJ, data-nascimento: 14/08/1985, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, filho de Ivanilo Partichelli Manestrino e de Ana Maria Assad Menestrino. A pretendente: TALITA CRISTINA PADOVANI RUSSO, profissão: engenheira de produção, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Consolação - SP, data-nascimento: 08/04/1988, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, filha de Antonio Carlos Ramos Russo e de Maria Cristina Padovani Russo. O pretendente: RAFAEL LEÃO PASCHOAL, profissão: advogado, estado civil: solteiro, naturalidade: Urupês - SP, data-nascimento: 1/04/1985, residente e domiciliado na Vila Leopoldina neste Subdistrito, São Paulo - SP, filho de Antonio de Pádua Paschoal e de Maria Antonieta Ferreira Leão. A pretendente: THAÍS HARUMI TEIXEIRA RICARDO YOSHIDA, profissão: advogada, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Jardim Paulista - SP, data-nascimento: 8/01/1987, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, filha de Fumicazu Yoshida e de Tânia Regina Teixeira Ricardo Yoshida. O pretendente: FELIPE MITSURU YNONYE, profissão: consultor, estado civil: solteiro, naturalidade: nesta Capital, Ermelino Matarazzo - SP, data-nascimento: 1/04/1985, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, filho de Jaime Ynonye e de Helena Akiko Kubo Ynonye. A pretendente: DENISE MIYAMURA, profissão: escrevente, estado civil: solteira, naturalidade: Suzano - SP, data-nascimento: 14/07/1986, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, filha de Nelson Yukinori Miyamura e de Margareth Matsumoto Miyamura. O pretendente: JUCÉLIO BRITO PEREIRA, profissão: carregador, estado civil: solteiro, naturalidade: Serra Branca - PB, data-nascimento: 18/04/1975, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, filho de José Estevo Pereira e de Rita Brito Pereira. A pretendente: ANDREA FERREIRA FARIAS, profissão: do lar, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Serventia - SP, data-nascimento: 1/08/1978, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, filha de Raimundo Narciso Farias e de Josefa Ferreira Farias. O pretendente: ROBERT DE ARAÚJO OLIVEIRA, profissão: consultor de vendas, estado civil: solteiro, naturalidade: Jandira - SP, data-nascimento: 31/05/1986, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, filho de Grimaldo Amâncio de Oliveira e de Edileuza Mendes de Araújo. A pretendente: KARINA REGINALDO TEIXEIRA, profissão: auxiliar administrativo, estado civil: solteira, naturalidade: Carapicuíba - SP, data-nascimento: 7/11/1987, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, filha de Francisco Aparecido Teixeira e de Rosangela Reginaldo Teixeira. O pretendente: JÚLIO DALPHORNO ROSSI, profi ssão: engenheiro civil, estado civil: solteiro, naturalidade: Guarulhos - SP, data-nascimento: 11/10/1985, residente e domiciliado no Parque Renato Maia, Guarulhos - SP, fi lho de Celso Rossi e de Sonia Regina Dalphorno Rossi. A pretendente: NATÁLIA TURRI LORENZO, profi ssão: arquiteta urbanista, estado civil: solteira, naturalidade: Guarulhos - SP, data-nascimento: /11/1987, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de Ricardo José Lorenzo e de Vanilde Borrone Turri Lorenzo. O pretendente: ROBERTO NEVES TOLEDO, profi ssão: engenheiro, estado civil: solteiro, naturalidade: Alfenas - MG, data-nascimento: 17/04/1985, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Thomaz Cambraia de Toledo Silva e de Maria Ediviges Neves Toledo. A pretendente: RAFAELA PEROZZA PERES, profi ssão: dentista, estado civil: solteira, naturalidade: Piracicaba - SP, data-nascimento: 1/1/1986, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de Marcelino Aparecido Peres e de Selma Aparecida Perozza Peres. O pretendente: JULIUS CESAR BONIFACIO BARANAUSKAS, profi ssão: médico, estado civil: solteiro, naturalidade: nesta Capital, Indianópolis - SP, data-nascimento: 14/1/1984, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Nelson Baranauskas e de Ada Bonifacio Baranauskas. A pretendente: NATALIA DE FREITAS JATENE, profi ssão: médica, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Ibirapuera - SP, data-nascimento: 11/04/1988, residente e domiciliada em Pinheiros, São Paulo - SP, fi lha de Marcelo Biscegli Jatene e de Regina Beatriz de Freitas Jatene. O pretendente: MARIO FERNANDO MARTINS MODÉ, profi ssão: administrador de empresas, estado civil: divorciado, naturalidade: nesta Capital, Cerqueira César - SP, data-nascimento: 9/10/1976, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Aluisio Dilermando Penteado Modé e de Maria Andréa Martins Modé. A pretendente: KAREN MARINI MORAES, profi ssão: relações públicas, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Bela Vista - SP, data-nascimento: 04/03/1988, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de Geraldo Moraes e de Maria Izilda Marini Moraes. O pretendente: HELENO DINIZ PEREIRA, profi ssão: comprador, estado civil: solteiro, naturalidade: Aiuruoca - MG, data-nascimento: 07/1/1976, residente e domiciliado na Barra Funda, São Paulo - SP, fi lho de Antônio Rosa Pereira e de Maria Ivone Diniz Pereira. A pretendente: KARINA MONTELEONE LACHOWSKI, profi ssão: dentista, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Bela Vista - SP, data-nascimento: 07/1/1981, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de Waldir Lachowski e de Suzana Monteleone Lachowski. O pretendente: ANDRÉ LUIZ DIPOLD PALMA, profi ssão: jornalista, estado civil: solteiro, naturalidade: nesta Capital, Bela Vista - SP, data-nascimento: 03/03/1989, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de José Luiz Rodrigues Palma e de Denize Dipold Palma. A pretendente: RENATA JOSE MATOS DOS SANTOS, profi ssão: auxiliar administrativo, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Indianópolis - SP, data-nascimento: 05/01/1991, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de Ricardo Matos dos Santos e de Marcia da Pureza Jose. O pretendente: VINICIUS ZIMBARDI DE MEDEIROS, profi ssão: corretor de seguros, estado civil: solteiro, naturalidade: nesta Capital, Itaquera - SP, data-nascimento: 09/1/1981, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Paulo Roberto Leite de Medeiros e de Geni Zimbardi de Medeiros. A pretendente: MARIA TATIANA FELIX, profi ssão: empresária, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Cerqueira César - SP, data-nascimento: 19/09/1976, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de Jorge Felix e de Maria Therezinha Cestari Felix. O pretendente: EDUARDO DE ABREU MARQUES, profi ssão: piloto de avião, estado civil: solteiro, naturalidade: nesta Capital, Perdizes - SP, data-nascimento: 14/09/1984, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Wanderley Marques e de Romilda de Abreu Marques. A pretendente: PRISCILA GUARDIA SOARES MA- THIAS, profi ssão: advogada, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Serventia - SP, data-nascimento: 1/05/1981, residente e domiciliada neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lha de Ailton Soares Mathias e de Maria Nanci Guardia Mathias. O pretendente: CARLOS ROBERTO RODRIGUES GUSMÃO, profi ssão: educador, estado civil: solteiro, naturalidade: nesta Serventia - SP, data-nascimento: 14/04/1987, residente e domiciliado neste Subdistrito, São Paulo - SP, fi lho de Nildo Correia Gusmão e de Valdina Rodrigues. A pretendente: BRUNA APARECIDA BUENO DE SOUZA, profi ssão: compradora, estado civil: solteira, naturalidade: nesta Capital, Jaraguá - SP, data-nascimento: 18/03/1991, residente e domiciliada no Jardim Brasília, São Paulo - SP, fi lha de Aparecido Dantas de Souza e de Natália Queiroz Bueno de Souza. Se alguém souber de algum impedimento, oponha-se na forma da lei. Lavro o presente, para ser afi xado no Ofi cial de Registro Civil e publicado na imprensa local Jornal Empresas & Negócios

12 Página 1 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Ingredientes colheres (sopa) de azeite 1 cebola média picada 5 batatas médias cozidas e cortadas em cubos 1 xícara (chá) de queijo prato cortado em cubinhos 4 ovos ligeiramente batidos sal, pimenta e cheiro-verde a gosto Oficina do sa Fritada de batata e queijo no forno Mensagem ao Procurador Talvez por mera curiosidade, ao dar um giro nos canais de TV, após o Jornal Hoje, da Globo, na 4a feita, parei na TV Senado e assisti por algumas horas a sabatina a que o procurador Rodrigo Janot Monteiro, foi submetido pelos senadores, sobre sua conduta à frete do Procuradoria Geral da República. Ele foi indicado pela presidente Dilma para mais uma gestão dois anos à frente da PGR, mas dependia da aprovação do senado! Adespeito de algumas perguntas capciosas e mal intencionadas, o procurador respondeu a todos com muita clareza e tranquilidade sem deixar dúvidas quanto ao seu comportamento, embora alguns parlamentares insistissem em saber o que não houve e não há de indevido ou incorreto do desempenho da sua nobre função. Jader Barbalho que no passado renunciou para não ser cassado, afirmando ser bacharel em direito contestou agressivamente a duração de algumas prisões preventivas e o fato dos delatores cumprirem prisão com tornozeleiras em seus domicílios, no que foi plenamente esclarecido. Mais uma vez Fernando Collor foi grosseiro ao questionar Modo de preparo abor Andressa Thomaz Aqueça o azeite e doure a cebola. Em uma tigela, misture todos os ingredientes e passe para um refratário médio. Leve ao forno, preaquecido em temperatura média, por 30 minutos ou até dourar. Sirva quente. Para sugestões, dúvidas ou críticas, enviar para Proclamas de Casamentos CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL 41º Subdistrito - Cangaíba Dr. Mario Luis Migotto - Oficial Faço saber que os seguintes pretendentes apresentaram os documentos exigidos pelo Art. 155, do Código Civil Atual Brasileiro e desejam se casar: O pretendente: DANILO COELHO MARQUES, estado civil solteiro, profi ssão instalador, nascido nesta Capital, Cangaíba - SP, no dia (1/10/1991), residente e domiciliado neste Subdistrito - SP, filho de Sandro Aparecido Marques e de Elisabete Pereira Coelho Marques. A pretendente: JESSICA DOS SANTOS NASCIMENTO, estado civil solteira, profi ssão costureira, nascida em Ferraz de Vasconcelos - SP, no dia (6/08/1991), residente e domiciliada neste Subdistrito - SP, fi lha de Sergio Felix do Nascimento e de Claudia Aline de Souza Santos. O pretendente: EDUARDO VITAL ALTRAN, estado civil solteiro, profi ssão manipulador, nascido nesta Capital, São Miguel Paulista - SP, no dia (8/11/1984), residente e domiciliado neste Subdistrito - SP, fi lho de Derço Altran e de Quiteria Vital da Silva. A pretendente: CRISTIANE FERNANDES VAZ, estado civil solteira, profi ssão analista de marketing jr., nascida nesta Capital, Cangaíba - SP, no dia (07/07/1986), residente e domiciliada neste Subdistrito - SP, fi lha de Antonio Santucci Vaz e de Noemia Fernandes Vaz. O pretendente: MARCELO LEONE ZECCHINATO, estado civil divorciado, profi ssão empresário, nascido em Assis - SP, no dia (7/04/1971), residente e domiciliado neste Subdistrito - SP, fi lho de Vitorio Leone Zecchinato e de Maria Benedito Molineiro Zecchinato. A pretendente: PATRICIA DE BARROS TONIOLO, estado civil solteira, profi ssão bancária, nascida nesta Capital, Cambuci - SP, no dia (14/10/1980), residente e domiciliada neste Subdistrito - SP, fi lha de Paulo Toniolo e de Marcia Aparecida de Barros Toniolo. O pretendente: LUCAS DE ANDRADE LINO, estado civil solteiro, profissão eletricista de manutenção, nascido nesta Capital, Cangaíba - SP, no dia (3/0/1990), residente e domiciliado neste Subdistrito - SP, filho de Oziel Batista Lino e de Erenilda Rosa de Andrade Lino. A pretendente: ISADORA MARIA CHAVES DE OLIVEIRA, estado civil solteira, profissão administradora de compras, nascida nesta Capital, Belenzinho - SP, no dia (8/10/1991), residente e domiciliada neste Subdistrito - SP, filha de Francisco Asenio de Oliveira e de Maria de Jesus Chaves de Oliveira. CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL 7º Subdistrito - Consolação Aldegar Fiori - Oficial Faço saber que os seguintes pretendentes apresentaram os documentos exigidos pelo Art. 155, do Código Civil Atual Brasileiro e desejam se casar: O pretendente: JASON SOTERO DE JESUS, estado civil solteiro, profissão advogado, nascido em São Paulo - SP, no dia 8/1/1959, residente e domiciliado na Vila Constancia, São Paulo - SP, filho de Celso Sotero de Jesus e de Maria Gomes de Jesus. A pretendente: ELIANE PAPAPIETRO, estado civil divorciada, profissão comerciária, nascida em São Paulo - SP, no dia 15/10/1973, residente e domiciliada na Vila Buarque, São Paulo - SP, filha de Walter Papapietro e de Ivete Stelmach Papapietro. O pretendente: RICHARD ADANS SOLER DA SILVA, estado civil solteiro, profi ssão cartorário, nascido em São Paulo - SP, no dia 7/05/1988, residente e domiciliado em São Paulo - SP, fi lho de Vanderlei José da Silva e de Maria Aparecida Soler da Silva. A pretendente: NAYANE CRISTINA APARECIDA DOS ANJOS, estado civil solteira, profi ssão assistente administrativo, nascida em São Paulo - SP, no dia /0/1991, residente e domiciliada em São Paulo - SP, fi lha de Paulo Sergio dos Anjos e de Monica Aparecida dos Anjos. O pretendente: DAVI RIBEIRO DA COSTA, estado civil solteiro, profi ssão analista técnico, nascido em São Paulo - SP, no dia 5/04/1988, residente e domiciliado em São Paulo - SP, fi lho de Waldir Ribeiro da Costa e de Cristina Pires de Almeida Ribeiro Costa. A pretendente: MARIA CAMILA CAVALHEIRO LEITE, estado civil solteira, profi ssão produtora de moda, nascida em Maringá - PR, no dia 5/10/1988, residente e domiciliada em São Paulo - SP, fi lha de Aldilene Cavalheiro Leite. A pretendente: CAROLINA JARDIM BARBOZA, estado civil solteira, profissão empresária, nascida em São Paulo - SP, no dia 09/09/1975, residente e domiciliada em São Paulo - SP, filha de Ruy Fernando Barboza e de Maria Elisa Jardim Barboza. A pretendente: CAROLINA GUIDORZI TROIANO, estado civil solteira, profissão empresária, nascida em Ribeiro Preto - SP, no dia 16/11/1983, residente e domiciliada em São Paulo - SP, filha de José Marcos Troiano e de Luciana Metello Guidorzi. O pretendente: FABIO MACHADO CARDOSO, estado civil divorciado, profissão corretor de imóveis, nascido em São Paulo - SP, no dia 03/04/1975, residente e domiciliado em São Paulo - SP, filho de Wilton José Machado Cardoso e de Marilia Cardoso. A pretendente: DULCICLÉA DA COSTA SADALA, estado civil solteira, profissão comerciária, nascida em Monte Alegre - PA, no dia 13/11/1971, residente e domiciliada em São Paulo - SP, filha de Tufí Fará Sadala e de Aldenise da Costa Sadala. FALANDO SÉRIO Eduardo Monteiro (*) Janot, inconformado por ter sido citado como contraventor. Como achei extraordinário o seu pronunciamento diante de um questionamento veemente e da sua intenção de conter a corrupção no serviço publico, tomei liberdade de enviar-lhe o abaixo: Parabéns Procurador Janot, pelas suas colocações aos questionamentos dos senhores senadores na sabatina. Que Deus o proteja e dê lhe forças para continuar cumprindo sua nobre missão de forma imparcial, coerente e sensata, nesse conturbado contexto político administrativo. Trata-se de uma exaustiva jornada, que certamente V.Exa. conseguirá superar honrosamente, embora tudo nos leve a crer que a corrupção, lamentavelmente, faça parte da nossa cultura, pois desde os tempos da ditadura de Getúlio Vargas, ela tem surgido com frequência nas inúmeras investigações, sobre os mais diversos tipos de denúncias. Desejo merecido sucesso no desempenho da sua honrosa missão. (*) É Jornalista MTb (www.emquestao.com) ou O pretendente: FELIPPO MUNCK KNEIP, estado civil solteiro, profissão estudante, nascido em Diadema - SP, no dia (08/11/1990), residente e domiciliado neste Subdistrito - SP, filho de Ademar Munck Kneip e de Breatriz Lopes Cavalcante Kneip. A pretendente: MARIANA BELLATO DE SOUZA, estado civil divorciada, profi ssão advogada, nascida nesta Capital, Cerqueira César - SP, no dia (17/09/1980), residente e domiciliada neste Subdistrito - SP, fi lha de Renor Bezerra de Souza e de Solemar Amelia Bellato de Souza. O pretendente: MARCOS BERNARDES MOTTA, estado civil solteiro, profissão gerente, nascido nesta Capital, Cangaíba - SP, no dia (/01/1979), residente e domiciliado neste Subdistrito - SP, filho de Antonio Aparecido de Oliveira Motta e de Eliana Rosa Bernardes Motta. A pretendente: DANIELA ALMEIDA DA SILVA, estado civil solteira, profissão gerente, nascida nesta Capital, Belenzinho - SP, no dia (17/04/1981), residente e domiciliada neste Subdistrito - SP, filha de Laercio Oliveira da Silva e de Claudete Assis de Almeida da Silva. O pretendente: PAULO HENRIQUE DE ALMEIDA, estado civil solteiro, profissão vendedor, nascido nesta Capital, Alto da Mooca - SP, no dia (11/01/1990), residente e domiciliado neste Subdistrito - SP, filho de Marcelo Marcelino de Almeida e de Sueli Lopes do Carmo Almeida. A pretendente: TAMIRIS CANUTO DE MELO, estado civil solteira, profissão biologa, nascida nesta Capital, Vila Mariana - SP, no dia (19/08/1990), residente e domiciliada neste Subdistrito - SP, filha de Isais Souza de Melo e de Maria Aparecida Canuto da Silva de Melo. O pretendente: ARISTON RICARDO DA SILVA, estado civil divorciado, profissão lavrador, nascido em Itanhem - BA, no dia (07/08/1956), residente e domiciliado neste Subdistrito - SP, fi lho de Aristides Ricardo da Silva e de Maria Simão da Silva. A pretendente: ELIETE LOURENÇO DA SILVA, estado civil divorciada, profi ssão do lar, nascida nesta Capital, Cangaíba - SP, no dia (3/11/1966), residente e domiciliada neste Subdistrito - SP, fi lha de José Lourenço da Silva e de Israelita Fagundes da Silva. O pretendente: ADELMARIO MACHADO CAIRES, estado civil divorciado, profi ssão motorista, nascido em Amaporã (Miraselva) - PR, no dia (10/01/1954), residente e domiciliado neste Subdistrito - SP, fi lho de Felizardo da Silva Caires e de Jacira Machado Caires. A pretendente: IVANETE RUELA, estado civil divorciada, profissão do lar, nascida em Guaraci - PR, no dia (06/09/1956), residente e domiciliada neste Subdistrito - SP, filha de Arlindo Ruela Sobrinho e de Cleutide Marques Ruela. O pretendente: FERNANDO MACHADO DORIA, estado civil solteiro, profi ssão frentista, nascido nesta Capital, São Miguel Paulista - SP, no dia (7/06/1995), residente e domiciliado neste Subdistrito - SP, filho de Luis Fernando Nascimento Doria e de Cristina Machado Doria. A pretendente: SANDRA DA SILVA SOUSA, estado civil solteira, profi ssão encarregada, nascida nesta Capital, Itaquera - SP, no dia (15/10/1995), residente e domiciliada neste Subdistrito - SP, fi lha de José Avelino de Sousa e de Juvenilde da Silva Sousa. Se alguém souber de algum impedimento, oponha-se na forma da lei. Lavro o presente, para ser afi xado no Ofi cial de Registro Civil e publicado na imprensa local Jornal Empresas & Negócios O pretendente: MAURICIO GENTILE, estado civil solteiro, profissão administrador, nascido em São Paulo - SP, no dia 1/0/1984, residente e domiciliado em São Paulo - SP, fi lho de José Carlos Gentile e de Eliana Rita Gentile. A pretendente: MARIA FERNANDA BARONE MUSSALEM, estado civil solteira, profi ssão administradora, nascida em São Paulo - SP, no dia 19/04/1988, residente e domiciliada em São Paulo - SP, fi lha de Roberto Elias Mussalem e de Ana Claudia Barone Mussalem. O pretendente: DANILO BOSCOLI, estado civil solteiro, profi ssão médico, nascido em Presidente Prudente - SP, no dia 04/04/1983, residente e domiciliado na Vila Buarque, São Paulo - SP, fi lho de Florisvaldo Boscoli e de Maria Helena Monzani Silva Boscoli. A pretendente: CÁSSIA LEMOS MOURA, estado civil solteira, profi ssão médica, nascida em Franca - SP, no dia 15/04/1985, residente e domiciliada em São Paulo - SP, fi lha de Fernando Ântonio Vasconcelos Moura e de Sandra Maria Brandão Lemos Moura. O pretendente: EDIVAN DOS REIS SANTANA, estado civil solteiro, profissão comerciário, nascido em Simão Dias - SE, no dia 13/05/1989, residente e domiciliado em São Paulo - SP, fi lho de José Bernardo de Santana e de Maria Lionete dos Reis Santana. A pretendente: FRANCIELE SANTOS DE OLIVEIRA, estado civil solteira, profi ssão comerciária, nascida em Lagarto - SE, no dia 1/07/1994, residente e domiciliada em São Paulo - SP, fi lha de José Felix de Oliveira e de Maria Lucia de Abreu Santos. Se alguém souber de algum impedimento, oponha-se na forma da lei. Lavro o presente, para ser afi xado no Ofi cial de Registro Civil e publicado na imprensa local Jornal Empresas & Negócios CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL DE PESSOAS NATURAIS 16º Subdistrito - Mooca Luiz Orlando de Barros Segala - Oficial Faço saber que os seguintes pretendentes apresentaram os documentos exigidos pelo Art. 155, do Código Civil Atual Brasileiro e desejam se casar: O pretendente: ANTONIO ANGILBERTO OLIVEIRA PIRES, estado civil solteiro, profi s- são comerciante, nascido em Itapipoca - CE, no dia 05/04/1979, residente e domiciliado em São Paulo - SP, fi lho de José Alberto Pires e de Mercês Jonas de Oliveira Pires. A pretendente: MARIA ERINEIDE PORTELA DE OLIVEIRA, estado civil solteira, profi ssão diretora de vendas, nascida em Itapipoca - CE, no dia 04/06/1978, residente e domiciliada em São Paulo - SP, fi lha de Manoel Portela Neto e de Maria Rosa Portela. Se alguém souber de algum impedimento, oponha-se na forma da lei. Lavro o presente, para ser afi xado no Ofi cial de Registro Civil e publicado na imprensa local Jornal Empresas & Negócios Ralph Peter Eficiência Qualidade Confiança 84 Perguntas que Vendem: O vendedor coach: Como transformar perguntas em vendas Jaques Grinberg Costa Ser Mais. Vendedor desde garoto, seu primeiro CGC, atual CNPJ, foi obtido aos dezesseis anos de idade. Empreendedor nato, palestrante respeitado e muito requerido, essas e outras qualidades habilitam o autor a lançar um manual eivado de ensinamentos, verdadeiros segredos, que leva vendedores ou seus aspirantes e administradores de vendas ao pleno sucesso. Dicas fáceis de entender, contudo sábias, de implementação imediata. Perguntas certeiras, delicadas, eficientes, prá fechar negócio no ato. O Resgate da Empatia: Suporte psicológico ao luto não reconhecido Gabriela Casellato (Org) - Summus. Mestres e doutores em psicologia de diversas especialidades contribuem para essa obra, que permeia um campo quase inexplorado, apesar de sua transcendental importância. Filhos desaparecidos ou natimortos, a perda de um animal de estimação, o paciente do cuidador, em suma, diferentes situações nas quais muitas vezes não há um luto declarado, recebem um tratamento analítico, que visa esclarecer não só o vivenciado momento como suas nefastas consequências. Até o luto da aposentadoria recebe capitulo especial. Impactante. Sucesso nos Exames: como se preparar e enfrentá-los com confiança Jane Ravel e Jack Scholes Disal. Ludicamente, todavia, com bastante respeito, o leitor encontra meios eficazes de sobrevivência, ao período pré exames, bem como a obtenção de sucesso na sua consecução. Dicas simples, de fácil feitura, extraídas de uma longa experiência da carreira dos autores, farão o concursando não só alcançar o êxito desejado como o estimulará ir além, buscando aprimorar suas habilidades. As Vidas e as Mortes de Frankenstein Jeanete Rozsas Geração. Uma trama muito bem urdida, envolvente, carregada de paixão, mistério, descobertas e algum humor. A laureada autora pesquisou a matéria, dissecou o assunto Frankenstein passando inclusive pela bioética sem manifestar-se, fazendo com que a aura misteriosa permaneça. Três estórias, que a cada capitulo entrelaçam-se. Cenas na Alemanha, Inglaterra, França, Suíça. De perder o fôlego! Por Trás da Máscara Flavio Morgenstein Record O analista político faz uma análise bastante clara, profunda e com total isenção do momento político tortuoso que vivemos, com ênfase nos acontecimentos populares a partir de 013. Não lhe escapa um só detalhe. Entre afirmações pesadas, concretas e algumas contingências sarcásticas, explica uma a uma, apresentando um quadro bastante objetivo da situação nacional. Uma aula de história política contemporânea. Inquietante. O Caminho das Cores Ligia Sommers Miró. Quatro crianças, sem rumo definido, sem família, com destino previsivelmente ruim. Este é o início de um drama desafortunadamente nada incomum. Eis que na vida desses desafortunados, não por mera coincidência, surge uma figura redentora que fará literalmente toda diferença. Num ato, absolutamente despojado, pode-se dizer ousado perdoem a rima pobre resgata essas quatro almas. Sem chororô, Ligia relata todo transcorrer de sua vida com os filhos, desde antes da intrépida adoção. Belíssimo exemplo de amor ao próximo. A renda auferida será revertida à Associação de Convivência Novo Tempo, espaço destinado a pessoas com deficiência intelectual. Emocionante! ANO XXX APOIO: CENOFISCO SEGUNDA-FEIRA, 31 DE AGOSTO DE 015 TRANSFERÊNCIA ENTRE EMPRESAS Qual a base legal para a transferência de funcionários para empresas com CNPJs diferentes, não são filiais, mas apenas os sócios são os mesmos? Saiba mais acessando: [www.empresario.com.br/legislacao]. O PERÍODO DE EXPERIÊNCIA COMEÇA A CONTAR A PARTIR DO DIA SEGUINTE DA ADMISSÃO? O período de contratação experimental tem início a partir do primeiro dia de trabalho, ou seja, data em que o colaborador foi admitido, conforme alínea c do do art. 443 e parágrafo único do art. 445 da CLT. DESCONTO DE USO DA PROPRIEDADE Empregador rural quer descontar do funcionário, um tipo de estadia, porque o funcionário tem animais no terreno da propriedade, o empregador pode efetuar este desconto em folha? Saiba mais acessando a íntegra no site: [www.empresario.com.br/legislacao]. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ PERMITE SACAR O FGTS Funcionário que se aposenta por invalidez, como fica sua situação na empresa, poderá sacar o FGTS? Saiba mais acessando a íntegra do conteúdo no site: [www.empresario.com.br/legislacao]. EMPREGADA DOMÉSTICA POSSUI ESTABILIDADE APÓS RETORNO DAS FÉRIAS? Não há tal estabilidade prevista na L.C.150/15 (Lei dos domésticos). Contudo é necessário checar junto ao sindicato da categoria para certificação da existência de garantia de empregado pós-férias, vez que Emenda Constitucional garantiu poder aos sindicatos. RESCISÃO APÓS EXAME DEMISSIONAL Empresa pode solicitar ao funcionário que faça o exame médico demissional em um dia e fazer sua dispensa no dia seguinte? Saiba mais acessando: [www.empresario.com.br/legislacao]. Fundador: José SERAFIM Abrantes Rua Clodomiro Amazonas, Vila Olímpia São Paulo - SP

13 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Página 13 O que muda um país é o fortalecimento das instituições, diz Moro O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, traçou na sexta-feira (8), um paralelo entre a investigação brasileira e a Operação Mãos Limpas, na Itália, que desbaratou um esquema de corrupção envolvendo políticos e figuras importantes do governo italiano tudo que ocorreu (na Itália), muitas oportunidades foram perdidas e isso é uma Com lição (para o Brasil) com aparecimento de casos de corrupção na administração pública, disse Moro, durante a palestra Aspectos Controvertidos do Crime de Lavagem de Dinheiro, em São Paulo. O que muda um País é o fortalecimento de suas instituições, não podemos ter uma fé cega no futuro, disse o juiz, ao citar que usualmente é abordado por pessoas que o questionam se ele vai ajudar a mudar o Brasil. Ao citar a Mãos Limpas, Moro disse que um dado assustador é que 40% dos casos não chegaram a julgamento. Isso é preocupante porque o nosso sistema judiciário se assemelha ao modelo italiano, que é extremamente lento. E afirmou que o impacto maior da Mãos Limpas foi nos anos 199 a 1994, e, depois, houve uma reação do poder político que diminuiu as conquistas BROKER BRASIL CORRETORA DE CÂMBIO LTDA. CNPJ/MF nº / MILAN LEILÕES LEILOEIROS OFICIAIS BALANÇOS PATRIMONIAIS ENCERRADOS EM - (Valores em R$ Mil) ATIVO CIRCULANTE Disponibilidades Outros Créditos Carteira de câmbio Rendas a receber Negociação e intermediação de valores Diversos outros Valores e Bens 18 - Despesas antecipadas 18 - NÃO CIRCULANTE Investimentos Outros investimentos Imobilizado de uso Outras imobilizações de uso (Depreciação acumulada) (118) (54) Intangível 36 9 Ativos Intangíveis (Amortização acumulada) (0) (1) TOTAL DO ATIVO DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Reservas Luc/Prej. Eventos. Realiz. Esp/Lucros Acumul. Sds. inicío do per. 01/01/ Reversão de reservas (300) Dividendos intermediários (300) (300) Aumento de capital Lucro líq. (prej.) do período Sds. fim do per. 30/06/ Mutações do Período: 100 (300) Sds. inicío do per. 01/01/ (71) 79 Lucro líq. (prej.) do período Sds. fim do per. 30/06/ Mutações do Período: NOTA EXPLICATIVA ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (R$ Mil) 1. Contexto Operacional. A Broker Brasil Corretora de Câmbio Ltda, constituída em 30/07/01, foi autorizada a operar pelo Banco Central do Brasil em 11/09/01, com prazo de duração indeterminado. A sociedade tem por objeto social a intermediação em operações de câmbio e a prática de operações no mercado de câmbio, e vem operando regularmente no mercado financeiro. - Apresentação das Demonstrações Contábeis. As demonstrações contábeis foram preparadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária, os Pronunciamentos, as Orientações e Interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC, e apresentadas com as diretrizes estabelecidas, pelo Banco Central do Brasil, através do Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional - COSIF. Estas informações contábeis foram aprovadas pela Diretoria da Corretora em 31 de julho de Resumo das Principais Práticas Contábeis. a) Apuração de resultado. As receitas e despesas são reconhecidas pelo regime de competência. b) Permanente. Investimentos - Está representado por investimento em obras de arte. "Imobilizado de uso - São registrados pelo custo de aquisição e a depreciação foi calculada pelo método linear, com base em taxas que levam em consideração a vida útil e econômica dos bens segundo parâmetros e taxas estabelecidos pela legislação tributária, sendo de 0% ao ano para "Sistema de processamento de dados e sistema de transporte" e, de 10% ao ano para as demais contas. Intangível: Corresponde aos direitos adquiridos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção das atividades da Corretora ou exercidos com tal finalidade, e aqueles com vida útil definida são amortizados linearmente durante o período estimado do benefício econômico do bem. c) Demais ativos circulantes e realizáveis a longo prazo. São apresentados pelo valor de realização, incluindo quando aplicável, as variações monetárias, bem como os rendimentos auferidos até a data do balanço. d) Passivos circulantes e exigíveis a longo prazo. Demais passivos circulantes e exigíveis a longo prazo - São demonstradas pelos valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos, variações monetárias e/ou cambiais incorridas até a data dos balanços. Provisões - Uma provisão é reconhecida no balanço quando a BrokerBrasil possui uma obrigação legal ou constituída como resultado de um evento passado onde é provável que um recurso econômico seja requerido para saldar a obrigação e os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. As provisões são registradas tendo como base as melhores estimativas do risco envolvido. e) Provisão para Imposto de renda e Contribuição social. A provisão para o imposto de renda, quando aplicável, é constituída à alíquota de 15% do lucro tributável, acrescida de adicional de 10% sobre os lucros que excederem R$40 no ano. A provisão para contribuição social é calculada à alíquota de 15%, após efetuados os ajustes determinados pela legislação fiscal. f) Contingências. Os passivos contingentes são reconhecidos quando, baseado na opinião de assessores jurídicos, for considerado provável RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Ilmos. Senhores - Sócios e Administradores da Broker Brasil Corretora de Câmbio Ltda. São Paulo SP. Examinamos as demonstrações contábeis da Broker Brasil Corretora de Câmbio Ltda ("Broker"), que compreendem o balanço patrimonial em 30 de junho de 015 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa correspondente ao semestre findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração sobre as Demonstrações Contábeis. A Administração da "Broker" é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações Contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil - BACEN e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações Leilões obtidas, incluindo uma lei de anistia, denominada lei que salva corrupto. Moro começou sua palestra falando de lavagem de dinheiro, numa abordagem mais técnica, e depois falou sobre corrupção, traçando o paralelo com a Operação Mãos Limpas, na Itália. Naquele país, a operação ganhou este nome por causa da colaboração de um detido que acabou revelando o megaesquema de corrupção. Falam que exagero na prisão preventiva, disse o juiz, citando que, em Milão, o saldo da Operação Mãos Limpas resultou em 800 detenções preventivas. Ou seja, eu ainda tenho um bom saldo, brincou, arrancando risos da plateia no auditório do Ministério Público Federal de São Paulo. E emendou: Estou brincando. Moro afirmou ainda que a iniciativa privada é quem tem as melhores condições de liderar um movimento contra a corrupção no País. Na sua avaliação, muito PASSIVO CIRCULANTE Outras Obrigações Carteira de câmbio Fiscais e previdenciárias Negociação e intermediação de valores Diversas PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital: De Domiciliados no país Reservas de lucros 61 - Lucros acumulados TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA PELO MÉTODO INDIRETO Fluxos de caixa das atividades operacionais 1º Sem/15 1º Sem/14 Lucro líquido (prejuízo) do semestre/exercício Depreciações e amortizações 36 5 Provisão para créditos de liquidação duvidosa (91) - Provisão de impostos no resultado Variação de Ativos e Obrigações (446) (891) (Aumento) redução de outros créditos (731) (1.656) (Aumento) redução de outros valores e bens 3 - Aumento (redução) em outras obrigações Caixa líquido proveniente das ativid. operac Fluxos de caixa das ativid. de investimento Alienações de: Imobilizado de uso 77 - Inversões em: Imobilizado de uso (7) (63) Inversões líquidas no intangível/diferido (15) - Caixa líquido usado nas ativid. de investim. 35 (63) Fluxos de caixa das ativid. de financiamento Recebimento pela integralização de capital Dividendos/Lucros pagos/propostos (300) - Caixa líquido usado nas ativid. de financiam. (00) - Aumento líquido de caixa e equival. de caixa Caixa e equival. de caixa no início do período Caixa e equival. de caixa no fim do período o risco de perda de uma ação judicial ou administrativa, gerando uma provável saída de recursos para a liquidação das obrigações e quando os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. Os ativos contingentes são reconhecidos quando a administração possui total controle da situação ou quando há garantias reais ou decisões judiciais favoráveis, sobre as quais não cabem mais recursos. g) Caixa e equivalentes de caixa. Caixa e equivalentes de caixa são representados por disponibilidades em moeda nacional e estrangeiras, e apresentam risco insignificante de mudança de valor justo, que são utilizados pela Corretora para gerenciamento de seus compromissos de curto prazo. Ativo Circulante Disponibilidades Caixa 14 3 Depósitos bancários Moedas estrangeiras de caixa e equivalentes de caixa Operações de Câmbio Ativo Interbancário para liquidação pronta Passivo Interbancário para liquidação pronta Obrigações por vendas realizadas Composição de Saldos Relevantes Ativo Circulante Negociação e intermediação de valores Devedores conta de liquidação pendentes Diversos Adiantamentos e antecipações Impostos e contribuições a compensar Devedores diversos - País 4 1 Passivo Circulante Outras Obrigações Fiscais e previdenciárias Impostos e contribuições sobre lucro Impostos e contrib. s/ serviços terceiros Impostos e contribuições sobre salários Outros Negociação e intermediação de valores Correspondente cambial Diversas Obrigações por compra de bens e direitos 4 Provisão para pagamentos a efetuar Credores diversos País contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos Auditores Independentes. Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e a adequada apresentação das demonstrações APROX. 30 VEÍCULOS VEÍCULOS RECUPERADOS DE FINANCIAMENTO DIA 31 DE AGOSTO DE 015 (SEGUNDA-FEIRA) ÀS 1:00 HORAS LOCAL DO LEILÃO: RODOVIA RAPOSO TAVARES, KM 0 - SP. VISITAÇÃO: DIA 30 DE AGOSTO (NO LOCAL DO LEILÃO) - DAS 8 ÀS 17 HORAS CHASSIS CORRESP.: 9BGK548B0EG BWDB45U3ET BGRP48F0DG BFZF6P BGRX08F0AG6614-9BWBF07X5AP BD17106LA BD1580AA BD19515E BGKT69L0EG AJFRG BD1580AA W7BR YLSRTH8J BFZF55A3E BGRP69X0CG YLSR0RH9J BYC51A1ADC BWAA05W7DP BD1580AB BD17309T BSP6X4B BWKR8TX5R BFYCTET74BB BM B CKC1670BR CKC1680CR43435 INFS.: TEL.: (11) RONALDO MILAN LEILOEIRO OFICIAL - JUCESP 66 melhor do que o setor público, que está sujeito aos mecanismos e entraves burocráticos. Ao falar dos escândalos que assolam o País, ele disse que não se pode esperar que a justiça criminal resolva o problema da corrupção no Brasil, e destacou que é preciso não se acomodar, seja como poder público, privado ou como cidadão. O futuro não está escrito, vamos confiar, desconfiando, emendou. O juiz que conduz a Lava Jato não deu entrevista coletiva, mas respondeu a algumas perguntas que foram enviadas por escrito após o final de sua palestra. Ao falar do bilionário e ex-primeiro ministro italiano Silvio Berlusconi, que a despeito de todas as evidências de corrupção ficou por três mandatos no poder, antes de renunciar em 011, Sergio Moro disse não crer que as conquistas já obtidas no Brasil se percam e propiciem que um aventureiro assuma o comando do País (AE). DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1º Sem/15 1º Sem/14 Receitas de Intermediação Financeira Resultado com instrum. financ. derivativos - (9) Resultado de operações de câmbio Despesas da Intermediação Financeira 91 - Provisão para créditos de liq. duvidosa 91 - Resultado Bruto da Intermed. Financeira Outras Receitas/Despesas Operacionais (5.915) (6.87) Receitas de prestação de serviços Despesas de pessoal (1.83) (1.190) Outras despesas administrativas (6.877) (5.718) Despesas tributárias (685) (485) Outras receitas operacionais 7 6 Outras despesas operacionais (5) (188) Resultado Operacional Result. antes da Tribut. s/ o Lucro e Particip Imposto de Renda e Contribuição Social (563) (70) Provisão para Imposto de Renda (347) (445) Provisão para Contribuição Social (16) (75) Lucro Líquido (Prejuízo) do Período Nº de Cotas...: Lucro/(Prejuízo) por mil Cotas...R$ 855, ,45 6. Patrimônio Líquido. a) Capital Social. O capital social é de R$ (R$ em 014), representado por ( em 014) cotas; totalmente integralizadas na data do balanço, por quotistas domiciliados no País. Em 30 de junho de 015, aprovaram o aumento de capital social no montante de R$ 100, mediante a emissão de novas quotas, totalmente subscritas e integralizadas, com o valor unitário de R$ 1,00 por quota. Este processo foi homologado pelo Banco Central do Brasil em 15 de julho de 015. b) Reservas de lucros. No semestre encerrado em 30 de junho de 015, foram revertidas as reservas especiais de lucros no montante de R$ 300, para distribuir lucros aos cotistas. c) Dividendos. No semestre encerrado em 30 de junho de 015, foram distribuídos lucros aos cotistas no montante de R$ Juros de Capital Próprio. Nos semestres encerrados em 30 de junho de 015 e 014 não foram pagos juros sobre o capital próprio, conforme faculta o artigo 9º, da Lei nº 9.49/ Partes Relacionadas Remuneração do pessoal chave da administração. A remuneração total do pessoal chave da administração para o semestre encerrado em 30 de junho de 015 foi de R$ 36 (R$ 16 em 014) a qual é considerada benefício de curto prazo. 9. Contingências. Os processos judiciais e administrativos de natureza tributária, trabalhista e cível classificados, com base na opinião dos assessores jurídicos, como risco de perda possível não são reconhecidos contabilmente. Em 30 de junho de 015, estes processos de natureza cível totalizam R$ 553. A declaração de renda do último período fica sujeita à revisão e aprovação pelas autoridades fiscais. Outros impostos e contribuições permanecem sujeitos à revisão e aprovação pelos órgãos competentes por períodos variáveis de tempo. 10. Gerenciamento da Estrutura de Capital. Visando o atendimento à Resolução, nº de 30/06/011, do Banco Central do Brasil, a BrokerBrasil, adotou uma política de gerenciamento de capital que constitui um conjunto de princípios, procedimentos e instrumentos que asseguram a adequação de capital da instituição de forma tempestiva, abrangente e compatível com os riscos incorridos pela mesma, de acordo com a natureza e complexidade dos produtos e serviços oferecidos a seus clientes. 11. Gerencimento de Riscos. Gestão de risco operacional: Foram desenvolvidas ações visando à implementação de estrutura de gerenciamento de risco operacional, em conformidade com a Resolução CMN nº 3.380, que alcançam o modelo de gestão, o conceito, as categorias e política de risco operacional, os procedimentos de documentação e armazenamento de informações, e os relatórios de gerenciamento do risco operacional. Gestão de risco de mercado: O gerenciamento de risco é efetuado de forma centralizada, por área Administrativa que mantém independência com relação à mesa de operações. A BrokerBrasil encontra-se apta a atender as exigências da Resolução CMN nº 3.464/07, que trata da estrutura de gerenciamento do risco de mercado, nos prazos estabelecidos. 1- Ouvidoria. O componente organizacional de Ouvidoria encontra-se em funcionamento e a sua estrutura atende às disposições estabelecidas na Resolução CMN nº 3.849, de 5 de março de Eventos Subsequentes. Em 1 de maio de 015, foi publicada a Medida Provisória 675/015, que alterou a alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Liquido (CSLL) das Instituições Financeiras de 15% para 0%, com eficácia a partir de 01 de setembro de 015. A conversão em Lei dessa Medida Provisória está pendente de aprovação pelo Congresso Nacional. MARCELO DE CLEMENTE BENVENUTI - Diretor REINALDO DANTAS - Contador CRC-1SP /O-6 contábeis da "Broker" para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia dos controles internos da "Broker". Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião. Em nossa opinião, as demonstrações contábeis referidas no parágrafo 1, representam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Broker Brasil Corretora de Câmbio Ltda em 30 de junho de 015, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa correspondente ao semestre findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Outros Assuntos. As demonstrações contábeis do semestre findo em 30 de junho de 014, apresentadas para fins comparativos, foram por nos examinadas com relatório emitido em de agosto de 014, com modificação referente à conta "Disponibilidades em Moedas Estrangeiras - em espécie" (R$ 753 mil) e os valores existentes nas contas Devedores Conta Liquidação Pendentes (R$ mil), Credores Conta Liquidação Pendentes (R$ 480 mil) que encontravam em processo de conciliação. São Paulo, 8 de agosto de 015. VENEZIANI AUDITORES INDEPENDENTES - CRC SP13744/O-1 ALCINDO TAKACHI ITIKAWA - Contador CRC 1SP08865/O-9 4ª Vara Cível - Regional Santana. EDITAL DE CITAÇÃO, COM PRAZO DE 0 DIAS. PROCESSO Nº A Dra. VIVIAN LABRUNA CATAPANI, MM. Juíza de Direito da 4ª Vara Cível Regional de Santana, na forma da lei, etc. FAZ SABER a RENATA DOMENE RODRIGUES OUTOR, RG , CPF/MF , que INSTITUTO DE EDUCAÇÃO NEOLATINO LTDA, lhe ajuizou uma ação de Procedimento Ordinário, para COBRANÇA de R$.731,7 (AGO/008), oriundos da prestação de serviços educacionais no período de Outubro a Dezembro de 007, devidas e não pagas. Estando a ré em lugar ignorado, foi deferida a sua CITAÇÃO por edital para que no prazo de 15 dias, a fluir após os 0 dias supra, conteste a ação, sob pena de revelia, presumindo-se verdadeiros os fatos alegados. Será o presente edital, afixado e publicado na forma da lei. Madric Plast Indústria de Embalagens Plásticas LTDA - ME, torna público que requereu na Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente renovação da licença de operação para fabricação de embalagens plásticas, como sacolas, sacos e seus derivados, sitio à Rua Gonçalo Fernandes, 70 - Jardim Klein - São Paulo/SP ARAGUAIA INDÚSTRIA GRÁFICA E EDITORA LTDA., torna público que requereu à CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo a Renovação da Licença de Operação para fabricação de produtos gráficos, edição e impressão de revistas e outros, sito à Rua Agostinho de Azevedo, s/n, Jardim Boa Vista, São Paulo/SP. Para veiculação de seus Balanços, Atas, Editais e Leilões neste jornal, consulte sua agência de confi ança, ou ligue para TEL: Modelo considerada gorda critica indústria da moda Após ser rejeitada em desfiles por possuir curvas demais, a jovem modelo sueca Agnes Hedengard, de 19 anos, resolveu fazer um vídeo mostrando sua indignação e postá-lo nas redes sociais. Na gravação, a garota afirma que teve de parar de modelar por ter sido considerada gorda demais e que as marcas se recusaram a contratá-la por causa de suas medidas, mandando que ela entrasse em forma. Agnes trabalhava como modelo desde os 15 anos e ficou em terceiro lugar no Suécia Next Top Model em 014. Seu IMC (Índice de Massa Corporal) é de 17,5, considerado abaixo do peso. Eles consideram minhas medidas muito grandes e meus quadris muito largos. De acordo com a indústria da moda, você não pode ser assim. Você precisa ser mais magra. Eu entrei em contato com grandes agências e clientes que queriam muito trabalhar comigo, mas, assim que souberam minhas medidas, mudaram de ideia, afirmou Agnes. Ela declarou à revista sueca Veckorevyn que, após ser descartada como modelo, se tornou assistente de uma loja em Estocolmo. Quando trabalhava com isso, mal me alimentava e contar calorias era uma tarefa diária, além de me exercitar todos os dias. Eu tinha pensamentos anoréxicos, mas lutei contra eles, acrescentou Agnes (ANSA). Vídeos de gatos ajudam a espantar o sono Beber café ou refrigerante não são as únicas alternativas para espantar o sono e aguentar o trabalho ou a rotina de estudos. Existem outras formas, mais baratas e saudáveus, de acordo com a American Chemistry Society, que decidiu fazer o vídeo How to Stay Awake (Without Caffeine) com algumas das melhores maneiras de não dormir em momentos indesejados. A primeira delas é assistir a vídeos virais de gatinhos e de outros filhotes fofos. Apesar de parecer um método inusitado, fazer isso aumenta o nível de ocitocina - conhecido como o hormônio do amor - no sangue, além de diminuir o cortisol - o hormônio do estresse - e ainda melhorar temporariamente a atenção aos detalhes. Além dos vídeos de animais, outra sugestão para continuar acordado é beber água, o que evita a desidratação do corpo, a qual pode causar cansaço, pra não dizer problemas mais graves, como confusão, palpitações e até desmaios, explica o vídeo da entidade. Escutar suas músicas referidas e dançar como se ninguém estivesse olhando também são alternativas úteis. A primeira traz uma sensação de relaxamento, com uma descarga de dopamina, serotonina e ocitocina, melhorando o humor e mantendo o cérebro atento. Já a segunda, como outras atividades físicas, ajuda a produzir endorfinas que diminuem dor e provocam grandes quantidades de alegria e energia. E por fim, fazer uma boa caminhada à luz do sol ou acender lâmpadas brilhantes também pode ajudar a espantar o sono, já que estimulam os neurônios no hipotálamo, liberando os neurotransmissores hipocretina (ANSA).

14 Página 14 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Leilões MILAN LEILÕES LEILOEIROS OFICIAIS GET MONEY CORRETORA DE CÂMBIO S.A. CNPJ/MF nº / BALANÇOS PATRIMONIAIS ENCERRADOS EM (Valores em R$ mil) ATIVO 30/06/15 30/06/14 CIRCULANTE Disponibilidades TVM e Instrum. Financ. Derivativos (90 dias) Carteira própria Outros Créditos 3 65 Carteira de câmbio Diversos Outros Valores e bens Despesas antecipadas NÃO CIRCULANTE Outros Créditos 7 - Diversos 7 - Imobilizado de Uso Outras imobilizações de uso (Depreciações acumuladas) (116) (75) Intangível Ativos intangíveis (Amortização acumulada) (541) (34) TOTAL DO ATIVO PASSIVO 30/06/15 30/06/14 CIRCULANTE Outras Obrigações Carteira de câmbio Fiscais e previdenciárias Negociação e intermediação de valores Diversas NÃO CIRCULANTE 77 8 Outras Obrigações 77 8 Diversas 77 8 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital: De Domiciliados no país Reservas de lucros (Prejuízos acumulados) TOTAL DO PASSIVO e PATRIMÔNIO LÍQUIDO DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (R$ mil) Capital Reserva Res. Especiais Lucros/Prej. Eventos. Realizado Legal de Lucros Acumulados Saldos no Início do Período em 01/01/ Reversão de reservas (500) Dividendos intermediários (500) (500) Lucro líquido (prejuízo) do período Saldos no Fim do Período em 30/06/ Mutações do Período: - - (500) 485 (15) Saldos no Início do Período em 01/01/ Reversão de reservas (173) Dividendos intermediários (173) (173) Lucro líquido (prejuízo) do período Saldos no Fim do Período em 30/06/ Mutações do Período: - - (173) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (R$ mil) 1. Contexto Operacional. A Get Money Corretora de Câmbio S.A., constituída em 19 de março de 009, foi autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil em 8 de abril de 009. Tem por objeto social a intermediação em operações de câmbio e a prática de operações do mercado de câmbio, tendo iniciado suas operações no mercado de câmbio em 17 de agosto de 009. Em 30 de setembro de 014, foi deliberado a alteração da razão social da Sociedade de Turmalina Corretora de Câmbio S.A. para Get Money Corretora de Câmbio S.A.. Apresentação das Demonstrações Contábeis. As demonstrações contábeis são de responsabilidade da Administração e foram elaboradas a partir das práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária, associadas às normas e instruções do BACEN, consubstanciadas no Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional (COSIF) e do Comitê de Procedimentos Contábeis (CPC), quando aplicável. Estas informações contábeis foram aprovadas pela Diretoria da Corretora em 31/07/ Resumo das Principais Práticas Contábeis. a) Apuração de resultado. Os resultados das operações de compra e venda de moedas estrangeiras são apurados por ocasião da concretização das operações. As demais receitas e despesas são reconhecidas pelo regime de competência. b) Estimativas contábeis. Na preparação das demonstrações foram utilizadas estimativas contábeis que se basearam em fatores objetivos e subjetivos e levaram em consideração o julgamento da Administração para determinação do valor adequado a ser registrado nas demonstrações. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores divergentes devido à subjetividade inerentes ao processo de sua determinação. A Corretora revisa as estimativas e premissas pelo menos semestralmente. c) TVM e Instrumentos Financeiros Derivativos. A Corretora adotou como estratégia de atuação adquirir títulos e valores mobiliários com o propósito de mantê-los em "Disponíveis para venda". d) Demais ativos circulantes e realizáveis a longo prazo. São apresentados pelo valor de realização, incluindo quando aplicável, as variações monetárias, bem como os rendimentos auferidos até a data do balanço. e) Permanente. - Imobilizado de uso: São registrados pelo custo de aquisição e a depreciação foi calculada pelo método linear, com base em taxas que levam em consideração a vida útil e econômica dos bens segundo parâmetros e taxas estabelecidos pela legislação tributária, sendo de 0% a.a. para "Sistema de Processamento de Dados" e de 10% a.a. para as demais contas. - Intangível: São registrados os direitos adquiridos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da Corretora ou exercidos com essa finalidade. São representados por softwares, registrados pelo custo de aquisição e amortizados pelo método linear, com base na vida útil estimada e segundo parâmetros e taxas estabelecidos pela legislação tributária à taxa de 0% a.a. f) Passivos circulantes e exigíveis a longo prazo. Demais passivos circulantes e exigíveis a longo prazo - São demonstrados pelos valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos, variações monetárias e/ou cambiais incorridas até a data dos balanços. Provisões - Uma provisão é reconhecida no balanço quando a Corretora possui uma obrigação legal ou constituída como resultado de um evento passado onde é provável que um recurso econômico seja requerido para saldar a obrigação e os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. As provisões são registradas tendo como base as melhores estimativas do risco envolvido. g) Provisão para Imposto de renda e Contribuição social. A provisão para o imposto de renda, quando aplicável, é constituída à alíquota de 15% do lucro tributável, acrescida de adicional de 10% sobre os lucros que excederem R$ 40 no ano. A provisão para contribuição social é calculada à alíquota de 15%, após efetuados os ajustes determinados pela legislação fiscal. h) Contingências. Os passivos contingentes são reconhecidos quando, baseado na opinião de assessores jurídicos, for considerado provável o risco de perda de uma ação judicial ou administrativa, gerando uma provável saída de recursos para a liquidação das obrigações e quando os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. Os ativos contingentes são reconhecidos quando a administração possui total controle da situação ou quando há garantias reais ou decisões judiciais favoráveis, sobre as quais não cabem mais recursos. i) Caixa e equivalente de caixa. Caixa e equivalente de caixa são representados por disponibilidades em moeda nacional e estrangeira; e, por aplicações em cotas de fundos de investimento, cujo vencimento das operações na data da efetiva aplicação seja igual ou inferior a 90 dias e apresentam risco insignificante de mudança de valor justo, que são utilizados pela Corretora para gerenciamento de seus compromissos de curto prazo. Disponibilidades Caixa Depósitos Bancários Disponibilidades em Moedas Estrangeiras Títulos e Valores Mobiliários Cotas de Fundos de Investimentos de Caixa e Equivalente de Caixa Títulos e Valores Mobiliários Carteira Própria Cotas de Fundos de Investimentos Cotas de Fundos de Investimentos Composição de Saldos Relevantes Ativo Circulante Outros Créditos Carteira de câmbio Câmbio comprado a liquidar Diversos Adiantamentos salariais 9 7 Imposto de Renda a compensar 1 3 Devedores diversos - País 14 5 Ativo não Circulante Outros Créditos Diversos 7 - Devedores por depósitos em garantia 7 - Passivo Circulante Outras obrigações Carteira de câmbio Câmbio vendido a liquidar Obrigações por compras de câmbio Obrigações sobre vendas de câmbio realizadas 9 56 (-) Adiantamentos s/ contratos de câmbio (67) - Fiscais e previdenciárias Impostos e contrib. s/lucros a pagar Impostos e contrib. a recolher 34 6 Diversas Obrigações p/ aquis. de bens e direitos 0 1 Provisão p/pagtos. a efetuar Credores diversos - País Passivo não Circulante Outras Obrigações Diversas 77 8 Provisão p/ passivos contingentes Capital Social. a) Capital Social. O capital social de R$.300 (R$ em APROX. 140 VEÍCULOS VEÍCULOS RECUPERADOS DE FINANCIAMENTO DIA 31 DE AGOSTO DE 015 (SEGUNDA-FEIRA) ÀS 9:30 HORAS LOCAL DO LEILÃO: RODOVIA RAPOSO TAVARES, KM 0 - SP. VISITAÇÃO: DIA 30 DE AGOSTO (NO LOCAL DO LEILÃO) - DAS 8 ÀS 17 HORAS CHASSIS CORRESP.: 9BWAB05Z5A BWAB05U39T BGRG48F0CG BWJB49N8P BD7805MD BWCB05W16P BWAB41J0D HGE6850EZ BD7808MA BWKB05U6CP BWAA05Z BD17140B BWB05Z BWAA05U0DT1483-9BD HFA16407Z BD17103G PN6AYAB LSCBB43D9BG BD195163C BFZE16P BGSU19F0BB BGAD69W09B BD17140A BD1706G BD7803A BD19515D BFZF10A BGSA19907B BFZF55A3C BFZK53A3DB BWCA05W67T BD17106G BGSA19908B5088-9BGR708X05G BWAA05W4BP BFZF55A0E BD19515D BWKB05U9AP BD1701G YADCUH56J VKFWXCB BWKA FABP04A14M BD17103G BWAA05W7DP053-9BD15844AB BFZK53P0CB BWAA05U7BT BFZF55A0C BGRZ480AG AP1706LB BGRZ48F0BG1349-9BFZF55A0A BD17164G BWAA05U0AT BGRZ08906G MN6AXCB BD BD55049C BWAA05Z BWAA05W99P BG138HU09C4150-9BWCA05X31P AP170LA BWCA05W6T1430-9BGRZ0810AG080-9BG14G90BC BFZF0B BWAB05U39T4303-9BD1580AB BWCA05W36T BGRP48F0CG BWCA05XX5T1694-9BD17106LB BGSU19F0CB503-9BD XGNK740ACA BD WP1AB9P56LA BM B657-9BSP6X400C ZM55H0D BSP6X400C BWCA05X8P BD146000L BD VF7NE700T1E BGSC19Z01C BD1786V BD AN6A96B BWZZZ3775T0774-9BD18545Y BD158068Y BD BWZZZ308VP BWAA05W1CP YLB0651J BFZF55A4C BD BD146000P BWCA05X71P0477-9BGTC80UJJC BD BGXF75004C CJC4830BR CJC4110ER CNC4310BR1053-9C6KE1940E VKV6K5DEM VC0DCDM CPC4810ER VC01ACCM CJC4830DR C6KE1940F CJC480CR C8M19DXSM CNC4310CR0093-9CKD0540BR CKC1680ER CHB010CR CKC1670DR CKC1670DR CKC1670DR CDNF41ZJCM CKC1640AR C6KE1550E CKC1660BR CND0910BR CDNF41AJDM CNC4910ER CKC1670BR CJC4810CR CHB010CR CJF500ER CJC4109R CKC1680ER VFU1K89AM CKC1650BR C6KE150A CJC4110CR CNC4910ER CJC410DR C6KE150C INFS.: TEL.: (11) RONALDO MILAN LEILOEIRO OFICIAL - JUCESP 66 DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (R$ mil) 1º Sem/15 1º Sem/14 Receitas de Intermediação Financeira Resultado de operações com T.V.M Resultado de operações de câmbio Resultado Bruto da Intermediação Financeira Outras Receitas/Despesas Operacionais (5.846) (6.179) Receitas de prestação de serviços Despesas de pessoal (1.908) (1.759) Outras despesas administrativas (3.901) (4.046) Despesas tributárias (375) (467) Outras receitas operacionais 1 1 Outras despesas operacionais (6) (54) Resultado Operacional Resultado não Operacional - (4) Resultado antes da Trib. s/ o Lucro e Particip Imposto de Renda e Contribuição Social (380) (897) Provisão para Imposto de Renda (3) (555) Provisão para Contribuição Social (148) (34) Participações Estatutárias no Lucro - (7) Lucro Líquido (Prejuízo) do Período Nº de ações...: Lucro/(Prejuízo) por ação...r$ 0,1 1,03 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA PELO MÉTODO INDIRETO (R$ mil) 1º Sem/15 1º Sem/14 Fluxos de caixa das atividades operacionais Lucro líquido (prejuízo) do semestre/exercício Depreciações e amortizações Provisão de impostos no resultado Variação de Ativos e Obrigações (808) (1.087) (Aumento) redução de outros créditos (187) 4 (Aumento) redução de outros valores e bens (11) (9) Aumento (redução) em outras obrigações (610) (1.10) Caixa líq. proveniente das ativ. operacionais Fluxos de caixa das ativid. de investimento Alienações de: Imobilizado de uso - 4 Inversões em: Imobilizado de uso (84) (39) Caixa líquido usado nas ativ. de investimento (84) (35) Fluxos de caixa das ativid. de financiamento Dividendos/Lucros pagos/propostos (500) (173) Caixa líq. usado nas ativid. de financiamento (500) (173) Aumento líquido de caixa e equival. de caixa (409) Caixa e equival. de caixa no início do período Caixa e equival. de caixa no fim do período RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Ilmos. Senhores Diretores e Acionistas da Get Money Corretora de Câmbio S.A. São Paulo SP. Examinamos as demonstrações contábeis da Get Money Corretora de Câmbio S.A. (Corretora), que compreendem o balanço patrimonial em 30 de junho de 015 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e do fluxo de caixa para o semestre findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração sobre as Demonstrações Contábeis. A administração da Corretora é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos Auditores Independentes. Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e a adequada apresentação das demonstrações contábeis da Corretora para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia dos controles internos da Corretora. Uma audi- 014) está representado por ações ordinárias nominativas ( em 014), sem valor nominal, totalmente integralizadas na data do balanço, por acionistas domiciliados no país. Em 30 de setembro de 014 foi deliberado o aumento de capital social fazendo uso dos lucros auferidos até o exercício de 013, ainda não distribuídos até a data da deliberação, no montante de R$ 1.000, mediante a emissão de de ações a serem bonificadas aos sócios na proporção de sua participação, passando o capital social de R$ para R$.300. b) Dividendos. No semestre encerrado em 30 de junho de 015 foram distribuídos lucros no montante de R$ 500 (R$ 173 em 014). c) Reservas de Lucros. No semestre encerrado em 30 de junho de 015 foram revertidas as reservas especiais de lucros no montante de R$ 500 (R$ 173 em 014), para distribuição de lucros aos acionistas. 7. Juros de Capital Próprio. Nos semestres encerrados em 30 de junho de 015 e 014 não foram pagos juros sobre capital próprio, conforme faculta o artigo 9º da Lei nº 9.49/ Contingências. No semestre encerrado em 30 de junho de 015, a Corretora possui processos com probabilidade de perda provável no montante de R$ 77 (R$ 8 em 014), que foram provisionados na rubrica "Outras Obrigações - Diversas", conforme abaixo demonstrado: Processos 77 8 Trabalhista 50 - Fiscal 14 8 Cível 13 - As declarações de renda estão sujeitas à revisão e aprovação pelas autoridades fiscais. Outros impostos e contribuições permanecem sujeitos à revisão e aprovação pelos órgãos competentes por períodos variáveis de tempo. 9. Gerenciamento da Estrutura de Capital. Visando o atendimento à Resolução de 30/06/011 do Banco Central do Brasil, a instituição, adotou uma política de gerenciamento de capital que constitui um conjunto de princípios, procedimentos e instrumentos que asseguram a adequação de capital da instituição de forma tempestiva, abrangente e compatível com os riscos incorridos pela instituição de acordo com a natureza e complexidade dos produtos e serviços oferecidos a seus clientes. 10. Risco Operacional e Risco de Mercado. Conforme determinado pelas Resoluções 3.380/ 06 (Risco Operacional) e 3464/07 (Risco de Mercado), editadas pelo CMN/ BACEN, as estruturas de risco operacional e risco de mercado foram implantadas no 1º. Semestre de 010, de forma compatível com a natureza das operações, complexidade dos produtos e serviços oferecidos e de acordo com os níveis de exposição a risco. 11. Ouvidoria. O componente organizacional de ouvidoria encontra-se em funcionamento e a sua estrutura atende às disposições estabelecidas por meio da Resolução CMN 3.849, de 5 de março de Eventos Subsequentes. Em 1/05/015, foi publicada a Medida Provisória 675/015, que alterou a alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Liquido (CSLL) das Instituições Financeiras de 15% para 0%, com eficácia a partir de 01/09/015. A conversão em Lei dessa Medida Provisória está pendente de aprovação pelo Congresso Nacional. A DIRETORIA REINALDO DANTAS - Contador CRC-1SP /O-6 toria inclui também a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião. Em nossa opinião, as demonstrações contábeis referidas acima apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Get Money Corretora de Câmbio S.A. em 30 de junho de 015, o desempenho de suas operações e o seu fluxo de caixa para o semestre findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. São Paulo, 5 de agosto de 015. VENEZIANI AUDITORES INDEPENDENTES - CRC SP13744/O-1 Sidney Rey Veneziani - Contador CRC 1SP06108/O-1 Valdecir de Oliveira - Contador CRC 1SP174801/O-1 Aliança Metalúrgica S.A. CNPJ nº / NIRE nº Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária - Convocação Ficam convocados os Srs. Acionistas da Aliança Metalúrgica S.A. ( Companhia ) a reunirem-se no dia 8/09/015, às 16:30h, em Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária, na sede social da Companhia, na Rua Freire Bastos, 89, Jaçanã, São Paulo, SP, CEP , a fim de deliberar sobre a seguinte ordem do dia: (i) reforma do Estatuto Social, notadamente no que diz respeito à composição e atribuições da Diretoria (artigo 7º, 1º a 4º) e às condições para cessão e transferência de ações (artigo 6º, 3º); (ii) tomar as contas dos administradores, examinar, discutir e votar as demonstrações financeiras da Companhia, referentes ao exercício social encerrado em 31/1/014; (iii) deliberar sobre a destinação do resultado do exercício findo; (iv) eleger os administradores da Companhia; e (v) outros assuntos de interesse dos acionistas ou complementares às deliberações tomadas. Os documentos pertinentes a tais matérias encontram-se à disposição dos Srs. Acionistas na sede social da Companhia, sendo que as demonstrações financeiras foram devidamente publicadas nos jornais Diário Oficial do Estado de São Paulo e Empresas & Negócios, em suas respectivas edições de 8/08/015. São Paulo, 8/08/015. Daisy Maria Whitaker Kehl Lowenstein - Diretora Presidente. 30ª Vara Cível da Capital. Processo nº EDITAL DE CITAÇÃO, COM PRAZO DE 0 DIAS. O(A) MM. Juiz(a) de Direito da 30ª Vara Cível, do Foro Central Cível, Estado de São Paulo, Dr(a). Flavia Poyares Miranda, na forma da Lei, etc. FAZ SABER a Debora Maida, CPF , que a Instituto Presbiteriano Mackenzie, lhe ajuizou uma ação MONITÓRIA, objetivando a cobrança da quantia de R$ 3.467,49 (Jan/01), acrescidos de juros e correção monetária, oriundos da Prestação de serviços Educacionais vencidos e não pagos. Estando o réu em local ignorado, foi expedido o presente edital, para que em 15 dias, a fluir após o prazo de 0 dias supra, pague o quantum reclamado ou ofereça embargos, sob pena de não o fazendo, constituir-se em título executivo judicial a inicial pretendida, prosseguindo-se na forma prevista no Livro I, Título VIII, Capítulo X do CPC. Será presente edital, afixado e publicado na forma da lei. NADA MAIS. Dado e passado nesta cidade de São Paulo, aos 09 de junho de 015. FEMAPACK INDÚSTRIA DE EMBALAGENS LTDA. - EPP torna público que recebeu da CETESB a Renovação da Licença de Operação Simplificada N , válida até 7/08/018, para FABRICAÇÃO DE EMBALAGENS DE PAPELÃO, N.E. à R MARCELO MORAES CORDEIRO, 180, PRQ INDL OLIVEIRAS, TABOÃO DA SERRA, SP. MONTE MEÃO BRASIL ASSENTOS TÉCNICOS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. Torna público que solicitou junto à secretaria de gestão ambiental a licença de operação para fabricação de artefatos de material plástico para diversos usos, Localizada À Rua André Rosa Coppini, Nº 134 Planalto - Município de SBCampo CEP: DELL PRIETO INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. ME torna público que requereu na CETESB, de forma concomitante, a Licença Prévia e a Licença de Instalação (ampliação) para fabricação de parafusos metálicos, sito na Rua Macedônia nº 95 Cumbica Guarulhos SP. CONDUTORES ELÉTRICOS POMPÉIA EIRELI. torna público que recebeu da CETESB a Renovação da Licença de Operação nº , válida até 7/08/019, para Fabr. de Fios, Cabos e Cond. Elétricos Isolados, sito à Av. Albert Einstein, nº 80. Bl. B. Galp. 03. Núcleo Res. Isabela. Taboão da Serra/SP. POSTO DE SERV. SÃO CAMILO DA GRANJA VIANA LTDA. torna público que recebeu da CETESB a Licença de Operação nº , válida até 8/08/.017, para Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes para Veículos, sito à Rua Sao Camilo, nº 383. Granja Viana. Cotia/SP. AUTO POSTO CARLU LTDA. torna público que recebeu da CETESB a Renovação da Licença de Operação nº , válida até 8/08/.00, p/ Comércio de Combustíveis p/ Veículos Automotores (Postos de Abastecimento), sito à Av. Das Nações Unidas, nº Jd. Promissão. São Paulo/SP. ROTOCROM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. torna público que recebeu da CETESB a Renovação da Licença de Operação nº , válida até 8/08/.018, para Serviços de Galvanoplastia, sito à Avenida Vitor Odorico Bueno, nº 66, 644/660. Terra Preta. Mairiporã/SP. AUTO POSTO TERM. INTER. DE CARGAS CAMPINAS LTDA. torna público que requereu na CETESB a Licença de Operação para Posto de Combustível, sito à Avenida Antônio Boscato, nº 35. Terminal Intermodal de Cargas. Campinas/SP. LAGUNA AUTO POSTO LTDA. torna público que recebeu da CETESB a Licença de Operação nº , válida até 8/08/.00, para Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes para Veículos, sito à Rua Doutor José Pereira Gomes, nº 681. Jardim das Oliveiras. São Paulo/SP. AUTO POSTO RIP II LTDA. torna público que recebeu da CETESB a Licença de Operação nº , válida até 8/08/.00, para Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes para Veículos, sito à Rua Doutor Diogo de Faria, nº 887. Vila Clementino. São Paulo/SP. STJ reconhece legalidade da aplicação de multas pelos Procons Em decisão unânime, a Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que os departamentos de proteção e defesa do consumidor (Procons) estaduais e municipais podem aplicar multas e fazer a análise de contratos assinados entre empresas e consumidores. A decisão vale para todos os casos semelhantes em tramitação na esfera judicial. Ao julgar um recurso da empresa Net Belo Horizonte Ltda contra decisão da Justiça de Minas Gerais, que manteve multa de R$ 07 mil aplicada pelo Procon mineiro à empresa de internet banda larga, o STJ reconheceu a competência dos órgãos de defesa do consumidor de interpretar contratos e aplicar sanções, caso verifiquem a existência de cláusulas abusivas. Inicialmente, a Net foi multada pelo Procon em R$ 68 mil por práticas consideradas abusivas, como alteração unilateral do contrato, exigência de assinatura de provedor de conteúdo com fidelidade mínima de 4 meses, sob pena de descontinuidade dos serviços de acesso à internet, e a imposição da compra de um equipamento de modem específico, considerada venda casada. Após recorrer à Junta Recursal, que desconsiderou a prática de venda casada, e ter a multa reduzida para R$ 07 mil, a empresa acionou o Judiciário mineiro a tentar anular a sanção. Para a empresa, o Procon extrapolou suas funções ao aplicar a multa, tarefa, no entendimento da empresa, do Poder Judiciário. Contundo, a Justiça manteve a multa e a Net recorreu ao STJ. Para o ministro Humberto Martins, só STJ, relator do recurso, o artigo 4º do Código de Defesa do Consumidor (CDC) legitima a atuação de diversos órgãos no mercado, como os Procons, a Defensoria Pública, o Ministério Público, as delegacias de polícia especializadas e as agências fiscalizadoras. Com efeito, o Código de Defesa do Consumidor é zeloso quanto à preservação do equilíbrio contratual, da equidade contratual e, enfim, da justiça contratual, os quais não coexistem ante a existência de cláusulas abusivas, argumentou o ministro. Ainda de acordo com Martins, o artigo quarto do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC), que estabelece as normas de aplicação de sanções administrações, prevê que caberá ao órgão estadual, do Distrito Federal e municipal, de proteção e defesa do consumidor exercitar as atividades de fiscalização, instrução de processo administrativo e julgamento. O SNDC, também prevê a aplicação de multa ao fornecedor de produtos que utilizar-se de cláusulas abusivas. Ora, se não pudesse o Procon perquirir cláusulas contratuais para identificar as abusivas ou desrespeitosas ao consumidor, como seria possível a tal órgão aplicar sanção administrativa pertinente?, questionou o relator. Para Martins, os Procons estão aptos a interpretar cláusulas contratuais, embora isso não se confunda com a função jurisdicional, propriamente dita pertencente ao Judiciário. O voto do relator foi seguido pelos ministros Herman Benjamin, Og Fernandes, Mauro Campbell e Assusete Magalhães (ABr). TEL: Para veiculação de seus Balanços, Atas, Editais e Leilões neste jornal, consulte sua agência de confi ança, ou ligue para

15 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Página 15 Relatório da Administração principalmente, para o arrendamento de bens de tecnologia, nas modalidades financeira, operacional e internacional definidas pela Lei nº 6.099, de 1 de setembro de Patrimônio Líquido e Resultado: O patrimônio líquido atingiu o montante de R$ 7, milhões em 30 de junho de 015 (R$ 4,8 milhões, em 30 de junho de 014). O lucro líquido apresentado no acumulado do período foi de R$ 910 mil (R$ 3,5 milhões, em 30 de junho de 014). Ativos e Passivos: Em 30 de junho de 015, os ativos totais atingiram R$ 305,6 milhões (R$ 94 milhões em 30 de junho de 014). Balanços Patrimoniais em 30 de Junho de 015 e de 014 (Em milhares de reais - R$) ATIVO Nota Explicativa PASSIVO Nota Explicativa Circulante Circulante Obrigações por Empréstimos Disponibilidades Empréstimos no País Instrumentos Financ. Derivativos Empréstimos no Exterior Instrumentos Financeiros Derivativos Outras Obrigações Derivativos Embutidos Fiscais e Previdenciárias Operações de Arrendamento Mercantil Diversas Arrendamentos e Subarrendamentos Dívidas Subordinadas a Receber - Setor Privado Não Circulante Adiant./Forn. por conta de arrendatária Obrigações por Empréstimos (-) Rendas a Apropriar de Arrendamento Mercantil 7 (95.498) ( ) Empréstimos no País (-) Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa 8 (49) (1.759) Empréstimos no Exterior Outros Créditos Outras Obrigações Rendas a Receber Fiscais e Previdenciárias Diversos Diversas Outros Valores e Bens Dívidas Subordinadas Bens não de Uso Próprio Provisões para Passivos Contingentes Despesas Antecipadas Resultado de Exercícios Futuros Não Circulante - Realizável a Longo Prazo Resultado de Exercícios Futuros Instrumentos Financeiros Derivativos Patrimônio Líquido Instrumentos Financeiros Derivativos Capital Social - De Domiciliados no Exterior Derivativos Embutidos Reserva de Lucros Operações de Arrendamento Mercantil 7 (380) (699) Arrendamentos e Subarrendamentos a Receber - Setor Privado (-) Rendas a Apropriar de Arrendamento Mercantil 7 (8.46) (10.75) (-) Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa 8 (380) (699) Outros Créditos Diversos Permanente Imobilizado de Uso Outras Imobilizações de Uso (-) Depreciação Acumulada (1.176) (1.09) Imobilizado de Arrendamento Bens Arrendados (-) Depreciação Acumulada (59.810) (81.364) Superveniência de depreciação Intangível Ativos Intangíveis 633 (-) Amortização Acumulada de Ativos Intangíveis (58) do Passivo do Ativo As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Referentes aos Semestres Findos em 30 de Junho de 015 e de 014 (Em milhares de reais - R$) 1. Contexto Operacional: A CSILatina Arrendamento Mercantil S.A. ( Companhia ) foi cons- os resultados poderão eventualmente vir a ser diferentes dos estimados. n) Uso de estimatitituída em 10 de junho de 003, com sede a Alameda Rio Negro, º andar Bloco A Al- vas contábeis: A preparação das demonstrações financeiras exige que a Administração efetue phaville - Barueri, e tem por objeto social a prática das operações de arrendamento mercantil de certas estimativas e adote premissas, no melhor de seu julgamento, que afetam os montantes de bens de tecnologia, nas modalidades financeira, operacional e internacional definidas pela Lei nº certos ativos e passivos, financeiros ou não, receitas e despesas e outras transações, tais como: (i) 6.099, de 1 de setembro de É uma sociedade por ações de capital fechado de acordo com o valor de mercado de determinados ativos e passivos financeiros; (ii) as taxas de depreciação dos a Lei nº 6.404/76 e alterações posteriores, sendo equiparada às instituições financeiras e estando, itens do ativo imobilizado; (iii) amortizações de ativos intangíveis; (iv) provisões necessárias para absorver eventuais riscos decorrentes de operações de arrendamento mercantil de liquidação duportanto, sujeita às normas e aos controles do Banco Central do Brasil - BACEN.. Base de Preparação e Apresentação das Demonstrações Financeiras: As Demons- vidosa e dos passivos contingentes; (v) ajuste de superveniência de depreciação e valor justo de trações Contábeis foram elaboradas a partir das diretrizes contábeis emanadas da Lei das Socie- revenda dos bens objeto de arrendamento mercantil estimado na contratação do leasing ; e (vi) dades por Ações com observância às normas e instruções do Conselho Monetário Nacional (CMN), derivativos embutidos - opção de revenda de bens arrendados em contratos de aquisição de bens. do Banco Central do Brasil (BACEN) e apresentado em conformidade com o Plano Contábil das Os valores de eventual liquidação destes ativos e passivos, financeiros ou não, podem vir a ser diinstituições do Sistema Financeiro Nacional (COSIF). A fim de adequar-se às normas internacionais ferentes dos valores apresentados com base nessas estimativas. de contabilidade, o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) emitiu pronunciamentos contá- 4. Gerenciamento de Risco: A gestão de riscos da Companhia está configurada em conformibeis, e suas respectivas interpretações. Os pronunciamentos contábeis já aprovados pelo BACEN dade com a complexidade de suas operações e de forma a atender às disposições da regulamenestão relacionados abaixo e foram considerados na preparação das informações contábeis inseri- tação em vigor. A Diretoria Executiva é responsável por determinar os parâmetros de risco que juldas nessas demonstrações financeiras: Resolução CMN nº 3.566/08 CPC 01 (R1) - Redução ao ga compatível com o modelo de negócio da CSI Latina. A exposição a tais riscos é sistematicamenvalor recuperável de ativos; Resolução CMN nº 3.604/08 CPC 03 (R) - Demonstração do flu- te monitorada por equipes especializadas e independentes das unidades de negócio. Os resultaxo de caixa; Resolução CMN nº 3.750/09 CPC 05 (R1) - Divulgação sobre partes relacionadas; dos de tais aferições são submetidos à apreciação da Diretoria Executiva, que desempenha suas Resolução CMN nº 3.989/11 CPC 10 (R1) Pagamento baseado em ações; Resolução CMN atribuições relacionadas à formulação e adoção de diretrizes, estratégias, políticas e medidas volnº 4.007/11 CPC 3 - Políticas contábeis, mudança de estimativa e retificação de erro; Resolu- tadas à identificação, avaliação, monitoramento e mitigação de riscos em conformidade com as ção CMN nº 3.973/11 CPC 4 Eventos subsequentes; Resolução CMN nº 3.83/09 CPC 5 leis, normas e regulamentos aplicáveis à CSI Latina. A tomada de decisão na companhia sempre - Provisões, passivos contingentes e ativos contingentes; Resolução CMN nº 4.144/1 (R1) Pro- leva em conta os possíveis impactos de tais decisões no tocante aos riscos controlados. Risco de nunciamento conceitual básico. Novos pronunciamentos aprovados pelo Bacen, que passarão a Crédito: decorre do risco da contraparte de não honrar compromisso contratado, da degradação vigorar a partir de 1º de janeiro de 016: Resolução CMN nº 4.44/15 CPC 33 (R1) Benefí- de garantias e da concentração de cliente ou setor. A decisão de crédito baseia-se nas evidências cios a Empregados. Na presente data, não é possível estimar quando os demais pronunciamentos sobre a capacidade de pagamento dos arrendatários e demais contrapartes avaliadas com base contábeis do CPC serão aprovados pelo BACEN. A administração da Companhia concluiu que, na em metodologia própria. O comitê de crédito da casa matriz participa de todas as escolhas feitas presente data, não são esperados efeitos decorrentes da entrada em vigor desses novos pronun- pela companhia, garantindo independência e isenção. Risco de Mercado: é a exposição criada ciamentos. Estas demonstrações financeiras foram aprovadas pela diretoria e autorizadas a serem por potenciais flutuações nas taxas de juros, taxas de câmbio, preços cotados em mercado e outros valores, e em função do tipo de produto, do volume de operações, prazo e condições do condivulgadas em 1 de agosto de Principais Práticas Contábeis: As principais práticas contábeis de avaliação dos elementos trato e da volatilidade subjacente. Colaboradores especialistas, capacitados à identificação e conpatrimoniais são as seguintes: a) Apuração do resultado: As receitas e despesas são apropria- trole dos riscos de mercado a que se expõe a sociedade incluindo risco cambial, são os responsádas pelo regime de competência, observando-se o critério pro rata dia para aquelas de nature- veis por manter a Diretoria Executiva informada para que medidas de proteção adicional possam za financeira. As receitas e despesas de natureza financeira são calculadas com base no método ser tomadas quando for o caso. São observados tanto os aspectos recomendados pelo órgão reexponencial, exceto aquelas relacionadas a operações com o exterior, as quais são calculadas com gulador como as próprias políticas internas da companhia que limitam a exposição ao mínimo nebase no método linear. As operações com taxas prefixadas são registradas pelo valor de resgate e cessário para a condução dos seus negócios. Risco de Liquidez: este tipo de risco assume duas as receitas e despesas correspondentes ao período futuro são registradas em conta redutora dos formas: (i) o risco de liquidez de mercado e (ii) risco de liquidez de fluxo de caixa (funding). O prirespectivos ativos e passivos. As operações com taxas pós-fixadas ou indexadas a moedas estran- meiro é a possibilidade de perda decorrente da incapacidade de realizar uma transação em temgeiras são atualizadas até as datas dos balanços. b) Caixa e equivalentes de caixa: Caixa e po razoável e sem perda significativa de valor. O segundo está associado à possibilidade de falta equivalentes de caixa são representados por disponibilidades em moedas nacional e estrangeira de recursos para honrar os compromissos assumidos em função do descasamento entre os ativos de acordo com a Resolução CMN nº 3.604/08, que incluem: saldos em bancos, caixa e aplicações e passivos. O gerenciamento dos descasamentos de prazo entre a liquidação de direitos e obrigafinanceiras cujo prazo de vencimento na data de aplicação for inferior a 90 dias e não estão sujei- ções é parte das atividades diárias de grupo de colaboradores com dedicação exclusiva ao assuntos a risco de mercado significante. c) Instrumentos financeiros derivativos: Os instrumen- to. Relatórios frequentes mantém a Diretoria Executiva informada sobre tais descasamentos, bem tos financeiros derivativos destinados a hedge são avaliados ao valor justo e estão classificados como sugere medidas de contingência para os cenários de estresse. Risco Operacional: é definicomo hedge de risco de mercado tendo a valorização ou desvalorização reconhecida em con- do como o risco de perda resultante de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, trapartida à adequada conta de receita ou despesa no resultado. d) Instrumentos financeiros pessoas e sistemas. Os princípios básicos observados pela Companhia na gestão e controle do risderivativos embutidos em contratos de compra de bens objeto de arrendamento co operacional estão em conformidade com a Resolução nº do CMN. A companhia possui mercantil e empréstimos no exterior - troca de índices de atualização: A instituição ferramenta e metodologia de monitoramento dos riscos operacionais e com base em um modelo reconhece segregadamente do contrato principal como um instrumento financeiro derivativo em- de Matriz de Riscos é possível à Diretoria Executiva identificar e corrigir falhas priorizando os asbutido as seguintes operações: i. Garantia contratual de revenda do equipamento objeto de ar- pectos de maior relevância econômica e regulatória. O quadro abaixo apresenta os saldos de Risrendamento mercantil existente em algumas operações de arrendamento. Tal garantia pode ser co de Crédito, Risco de Mercado, Exposição a Risco Cambial e Exposição a Taxas de Juros nos fins exercida sempre que o valor de mercado dos bens for inferior ao valor garantido que consta no de período já ponderados para cálculo do Índice de Basiléia: contrato de aquisição dos bens objeto de arrendamento. ii. Os empréstimos no exterior realizados com a Matriz possuem cláusula que limita sua correção à variação do CDI. A Administração en- Risco de Crédito (RW Acpad) tende que tais garantias têm o comportamento de uma Opção devendo ser contabilizada como Risco Operacional (RW Aopad) derivativo embutido nos termos do que preconiza as Circulares BACEN nº e nº e) Risco de Mercado (RWAjur1+ RWAjur) Operações de arrendamento mercantil e provisão para créditos de liquidação du- Risco Cambial (RWAcam) vidosa: i. Operações de arrendamento mercantil financeiro - estão registradas pelo valor atuali- zado, quando aplicável, pelas rendas incorridas até a data do balanço, segundo o critério pro rata 5. Caixa e Equivalentes de Caixa: De acordo com a política da companhia os equivalentes dia quando aplicável, deduzidas das rendas a apropriar que são mensalmente apropriadas ao re- de caixa são mantidos com a única finalidade de atender a compromissos de curto prazo, e não sultado pelo regime de competência. ii. Operações de arrendamento mercantil operacional - es- para outros fins. Dessa forma, a companhia mantém suas disponibilidades de caixa exclusivamentão registradas pelo valor atualizado pelas rendas incorridas até a data do balanço, segundo o cri- te depositadas em conta corrente com bancos de primeira linha. A posição de caixa e equivalentério pro rata dia quando aplicável, deduzidas das rendas a apropriar que são mensalmente tes de caixa, abaixo relacionada é: apropriadas ao resultado pelo regime de competência. iii. As operações de arrendamento mer- Caixa e equivalentes de caixa cantil financeiro e operacional são compostas por operações de arrendamento de equipamentos Caixa e equivalentes de caixa de informática e comunicação para pessoas jurídicas. iv. Provisão para créditos de liquidação du- 6. Títulos e Valores Mobiliários e Instrumentos Financeiros Derivativos: A Companhia vidosa - foi constituída nos termos das Resoluções CMN nº.68/99 e nº.697/00, em montante não possuía em 015 e em 014 nenhuma posição em títulos e valores mobiliários no seu ativo. julgado suficiente para cobrir eventuais perdas na realização de créditos a receber, levando-se em Os instrumentos financeiros derivativos utilizados são destinados a hedge e são avaliados ao consideração a análise das operações em atraso e dos riscos específicos apresentados por cliente. valor de mercado através de ajustes diários das posições ativas e passivas. A seguir, demonstraessa avaliação, realizada periodicamente, considera a conjuntura econômica, a experiência passa- mos a relação dos derivativos, por indexador, em 30 de junho 015 e 014. da e os riscos específicos em relação à operação, aos devedores e garantidores, períodos de atra- Composição dos instrumentos financeiros derivativos: so e grupo econômico observando os parâmetros estabelecidos pelo CMN, que requer a análise Quadro A - Notional Fator de risco Moeda da carteira e sua classificação em nove níveis, sendo AA (risco mínimo) e H (risco máximo). O redólar e Juros R$ sultado das operações de arrendamento mercantil vencidas há mais de 60 (sessenta) dias, inde- NDF Preço venda pendentemente de seu nível de risco, somente são reconhecidas como receita quando efetivamen- Derivativos embutidos - residual (a) do equipamento R$ te recebidas. v. As operações classificadas como nível H permanecem nessa classificação por 180 Taxa de índice de (cento e oitenta) dias, quando então são baixadas contra a provisão existente e controladas em Derivativos embutidos - índice (b) atualização de empréstimos US$ contas de compensação. As operações renegociadas são mantidas, no mínimo, no mesmo nível em que estavam classificadas, conforme as regras da Resolução nº.68/1999 do CMN, exceto Quadro B - Saldos 30/06/015 30/06/014 quando houver amortização significativa das operações ou quando fatos novos relevantes justifiposição Ativa Posição Ativa carem a mudança do nível de risco. As renegociações de operações de arrendamento que já hacurto Longo Curto Longo viam sido baixadas contra a provisão e que estavam registradas em contas de compensação são prazo prazo prazo prazo classificadas como nível H, os eventuais ganhos provenientes da renegociação são reconhecidos como receita quando efetivamente recebidos. vi. A carteira de arrendamento mercantil é consti- NDF tuída por contratos celebrados ao amparo da Portaria nº 140/84, do Ministério da Fazenda, con- Derivativos embutidos - residual (a) tabilizados de acordo com as normas estabelecidas pelo BACEN, conforme descrito a seguir: I - Derivativos embutidos - índice (b) Arrendamentos a receber: Refletem o saldo das contraprestações a receber, atualizadas de acordo com índices e critérios estabelecidos contratualmente. II - Rendas a apropriar de ar- (a) Refere-se à garantia contratual de preço mínimo para revenda do equipamento objeto de arrendamento mercantil: Representam a contrapartida do valor das contraprestações a receber rendamento mercantil existente em algumas operações de arrendamento. Tal garantia pode ser e são atualizadas na forma dos arrendamentos a receber, sendo apropriadas ao resultado quan- exercida sempre que o valor de mercado dos bens for inferior ao valor da garantia tendo, portando dos vencimentos das parcelas contratuais. III - Imobilizado de arrendamento: É registra- to, o comportamento de uma opção de venda; (b) Referente diferença entre a correção pela variado pelo custo de aquisição, deduzido das depreciações acumuladas. A depreciação é calculada ção do CDI e a variação do dólar de empréstimo no exterior junto a matriz. As posições de curto pelo método linear, com os benefícios de redução de 30% na vida útil normal do bem para as ope- prazo são aquelas com vencimento em até 1 ano e as de longo prazo apresentam data de vencirações de arrendamento realizadas com pessoas jurídicas, previstos na legislação vigente. IV - Per- mento superiores a 1 ano. das em arrendamentos: Os prejuízos apurados na venda de bens arrendados quando efetua- Quadro C - Resultado das aos próprios arrendatários são diferidos e amortizados pelo prazo de vida útil remanescente (10.950) dos bens e sendo demonstrados juntamente com o imobilizado de arrendamento. Os prejuízos NDF (a) (537) (737) apurados na venda de bens a terceiros (não arrendatários) são reconhecidos no resultado não ope- Derivativos embutidos (11.687) racional. V - Superveniência (insuficiência) de depreciação: Os registros contábeis da So- ciedade são mantidos conforme exigências legais, específicas para sociedades de arrendamento (a) Refere-se principalmente aos resultados auferidos com 43 (35 em 014) contratos com o obmercantil. Os procedimentos adotados e sumariados nos itens II a IV acima diferem das prá- jetivo de minimizar perdas cambiais decorrentes dos contratos de captação e empréstimos fixaticas contábeis adotadas no Brasil, principalmente no que concerne ao regime de apropriação das dos em dólar (US$). receitas e despesas relacionadas aos contratos de arrendamento mercantil financeiro. Em conse- 7. Operações de Arrendamento Mercantil: a) Ajustes nas operações de arrendaquência, de acordo com a Circular BACEN nº 1.49/89, é calculado o valor atual das contrapresta- mento mercantil: Os registros contábeis da Companhia são mantidos conforme exigências leções em aberto, utilizando-se a taxa interna de retorno de cada contrato, registrando-se o valor do gais. Os procedimentos adotados diferem das práticas contábeis adotadas no Brasil, principalmenajuste apurado em receita ou despesa de arrendamento mercantil, em contrapartida às rubricas te pela não reclassificação do imobilizado e dos ajustes de superveniência para o ativo circulante de superveniência ou insuficiência de depreciação, respectivamente, no imobilizado de arrenda- e não circulante nas operações de arrendamento financeiro e não apurar o resultado com base na mento, com o objetivo de adequar a apropriação das receitas e despesas das operações de arren- taxa de retorno do arrendamento financeiro. No sentido de considerar esses efeitos, de acordo com damento mercantil financeiro às práticas contábeis adotadas no Brasil. f) Bens não de Uso Pró- a Circular BACEN nº 1.49, foi calculado o valor atual das contraprestações em aberto utilizandoprio: São registrados quando há o retorno do equipamento por ocasião do fim do contrato de ar- se a taxa interna de retorno de cada contrato, registrando um ajuste contábil no resultado e o conrendamento sem que o arrendatário tenha exercido a opção de compra prevista no contrato. São sequente aumento ou redução no ativo permanente (superveniência ou insuficiência de depreciaregistrados pelo valor de aquisição deduzido das depreciações acumuladas. Anualmente é reali- ção). Em decorrência do registro contábil desse ajuste, o resultado e o patrimônio líquido estão zado inventário físico e apuração de seu valor de mercado. g) Redução do valor recuperável apresentados de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, porém as rubricas que abride ativos não financeiros ( impairment ): É reconhecida uma perda por impairment se gam os valores das operações de arrendamento mercantil permanecem com os seus saldos apuo valor de contabilização de um ativo ou de uma unidade geradora de caixa excede seu valor re- rados por procedimentos não uniformes com as referidas práticas contábeis, mas de acordo com cuperável. Uma unidade geradora de caixa é o menor grupo identificável de ativos que gera flu- as normas do BACEN. b) Valor presente das operações de arrendamento mercantil: Os xos de caixa substancialmente independentes de outros ativos e grupos. Perdas por impairment contratos de arrendamento mercantil são representados pelos seus respectivos valores presentes, são reconhecidas no resultado. Os valores dos ativos não financeiros são revistos, no mínimo, anual- apurados com base na taxa interna de retorno de cada contrato. Esse valor é apresentado em dimente para determinar se há alguma indicação de perda por impairment. h) Obrigações por versas rubricas patrimoniais, atendendo desta forma, às normas do BACEN, as quais são resumiempréstimos: São demonstradas pelos valores das exigibilidades e consideram os encargos exi- das a seguir: Arrendamento Arrendamento gíveis até a data do balanço reconhecidos em base pro rata dia. i) Atualização monetária mercantil financeiro mercantil operacional de direitos e obrigações: Os direitos e as obrigações, legal ou contratualmente sujeitos a ín dices de atualização, são atualizados até as datas dos balanços. As contrapartidas dessas atualizações são refletidas no resultado. j) Provisões, ativos e passivos contingentes e obriga- Operações de arrendamento mercantil no ativo - curto prazo ções legais, fiscais e previdenciárias: O reconhecimento, a mensuração e a divulgação das contingências ativas e passivas e obrigações legais são efetuados de acordo com as determina- Rendas a apropriar de arrendamento mercantil - curto prazo (44.305) (46.610) (51.193) (50.108) ções estabelecidas no pronunciamento técnico CPC 5, aprovado pela Resolução CMN nº 3.83/09. Ativos contingentes - não são reconhecidos nas demonstrações financeiras, exceto quando da Operações de arrendamento mercantil no ativo - longo prazo existência de evidências que propiciem a garantia de sua realização, sobre as quais não cabem mais recursos. Provisões - são reconhecidas nas demonstrações financeiras quando, baseado na Rendas a apropriar de arrendamento mercantil - longo prazo (46.389) (61.318) (35.857) (41.406) opinião de assessores jurídicos e da Administração, for considerado provável o risco de perda de uma ação judicial ou administrativa, com uma provável saída de recursos para a liquidação das Valor residual garantido a realizar (51.481) (48.886) obrigações e quando os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. Os Valor residual garantido a balancear passivos contingentes classificados como perdas possíveis pelos assessores jurídicos são apenas Bens arrendados - ativo permanente (i) (140.4) (19.986) ( ) ( ) divulgados em notas explicativas, enquanto aqueles classificados como perda remota não reque- Depreciações acumuladas (i) rem provisão e divulgação. Obrigações legais, fiscais e previdenciárias - referem-se a demandas Superveniência de depreciação (ii) judiciais, nas quais estão sendo contestadas a legalidade e a constitucionalidade de alguns tribu- Perdas de arrendamento a diferir no ativo (899) tos e contribuições. Os montantes discutidos são integralmente registrados nas demonstrações fi- Amortização acumulada de perdas a diferir (795) nanceiras e atualizados de acordo com a legislação fiscal. k) Imposto de renda e contribui- Valor total da carteira ção social: A provisão para imposto de renda é constituída com base no lucro real à alíquota de Credores por antecipação de valores residuais (44.708) (3.941) 15%, acrescida de adicional de 10% sobre o lucro tributável anual excedente a R$10 no semestre. A provisão para contribuição social é constituída à alíquota de 15%. Os impostos diferidos fo- Valor presente do arrendamento financeiro/Contratos arrendamento ram constituídos, sobre as diferenças temporárias, com base na alíquota para o imposto de renda operacional registrado no balanço de 5% e para a contribuição social de 15%. O imposto corrente é o imposto a pagar ou a receber esperado sobre o resultado tributável do período às taxas dos impostos em vigor na data de (i) Não inclui o montante de imobilizado de bens arrendados, cujo fluxo de vencimento das opeapresentação das demonstrações financeiras e qualquer ajuste aos impostos a pagar com relação rações de arrendamento foi cedido a terceiros R$1.409 (R$13.09 em 014). (ii) Não inclui o vaaos exercícios anteriores. O imposto diferido é reconhecido sobre prejuízos fiscais, bases negativas lor de R$ 7.568, contabilizado como ajuste de superveniência de depreciação que corresponde ao de contribuição social e sobre as diferenças temporárias entre os saldos contábeis de ativos, pas- valor justo de revenda dos bens objeto de arrendamento mercantil estimado na contratação do sivos e resultados e os correspondentes valores reconhecidos para fins de tributação. O imposto FMV Leasing. diferido é mensurado pelas alíquotas vigentes na data de apresentação das demonstrações finan- c) Segregação do valor presente por tipo de atividade econômica Arrendamento Arrendamento ceiras. l) Partes relacionadas: A divulgação de informações sobre as partes relacionadas são Financeiro Operacional efetuadas em consonância a Resolução CMN nº 3.750/09, que determinou a adoção do pronun ciamento técnico CPC 05, referente à divulgação de informações sobre as partes relacionadas. m) Atividade econômica Mensuração a valor de mercado: A metodologia aplicada para mensuração do valor de mer- Setor privado indústria cado (valor provável de realização) dos títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros de- Setor privado comércio rivativos é baseada no cenário econômico e nos modelos de precificação desenvolvidos pela Ad- Setor privado - intermediários financeiros ministração, que incluem a captura de preços médios praticados no mercado, aplicáveis para a da- Setor privado - outros serviços ta-base das demonstrações financeiras.Assim, quando da efetiva liquidação financeira destes itens, Desse montante, R$ 11 milhões (R$ 1 milhões em 30 de junho de 014) são representados por caixa e equivalentes de caixa, R$ 1,6 milhões (R$ 4,4 milhões em 30 de junho de 014) por derivativos e R$ 13,5 milhões pela carteira de arrendamento (R$ 4,9 em 30 de junho de 014). Os passivos circulante e não-circulante somavam R$ 78,4 milhões (R$ 69,6 milhões em 30 de junho de 014) e são representados por empréstimos R$ 178,4 milhões (R$ 183,3 milhões em 30 de junho de 014) e outras obrigações R$ 94,5 milhões (R$ 79,1 milhões em 30 de junho de 014). Demonstrações do Resultado para os Semestres Findos em 30 de Junho de 015 e de 014 (Em milhares de reais - R$, exceto o lucro (prejuízo) por ação) Nota explicativa Receitas da Intermediação Financeira Operações de Arrendamento Mercantil Resultado com Instrumentos Financeiros Derivativos (+/-) (11.687) Resultado com Renda de Títulos Renda Fixa (+/-) 1 3 Despesas da Intermediação Financeira Operações de Empréstimos e Repasses Operações de Arrendamento Mercantil Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa Resultado Bruto da Intermediação Financeira Outras Receitas/Despesas Operacionais Rendas de Prestação de Serviços Despesas de Pessoal Outras Despesas Administrativas Despesas Tributárias Outras Receitas Operacionais Outras Despesas Operacionais Resultado Operacional (7.57) (8.736) (44.183) 347 (56.709) 358 (55.4) (1.85) (9.48) (5.773) (3.544) (930) (78) (8.595) 11 (5.9) (3.035) (967) 1.06 (547) Resultado não Operacional Resultado Antes da Tributação sobre Lucro Provisão de IR e CSLL sobre Lucro Corrente Provisão de IR e CSLL sobre Lucro Diferido (730) (1.346) (989) Lucro do Semestre Quantidade de ações Lucro por Ação (Em R$ 1,00) 0,06 0,4 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. A CSILatina Arrendamento Mercantil S.A., não contratou e nem teve serviços prestados pela Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes não relacionados à auditoria externa, que pudessem caracterizar na perda de independência do Auditor. Agradecemos aos nossos clientes o apoio e confiança e aos nossos funcionários e colaboradores a dedicação ao trabalho. Barueri - SP, 1 de agosto de 015. A Diretoria Demonstrações dos Fluxos de Caixa para os Semestres Findos em 30 de Junho de 015 e de 014 (Em milhares de reais - R$) Nota Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais explicativa Lucro Líquido do Semestre Ajustes que Não Afetam o Fluxo de Caixa Depreciações e Amortizações Insuficiência (Superveniência) de Depreciação (3.676) (5.55) Imposto de Renda Diferido 17 (5) 989 Variação Cambial de Derivativos (1.55) (4.45) Variação Cambial de Empréstimos (3.87) Imposto de Renda e CSLL Corrente Provisão para Contingências 7 77 Provisão para Obrigações Diversas 406 Provisão de Juros - Dívida Subordinada 7 10 Provisão para Operações de Arrendamento Mercantil de Liquidação Duvidosa 8 (347) 1.85 Lucro Líquido do Semestre Ajustado Impostos Pagos Variação de Ativos e Obrigações (19.958) 3.57 Redução em Instrumentos Financeiros Derivativos (Aumento)/Redução em Operações de Arrendamento Mercantil (4.398) 568 (Aumento) de Outros Créditos (.67) (1.00) (Aumento)/Redução de Outros Valores e Bens (10) 758 (Redução) em Obrigações por Empréstimos e Repasses (36.691) (11.00) (Redução) em Outras Obrigações - Fiscais e Previdenciárias (.065) (1.869) Aumento em Outras Obrigações - Diversas Aumento/(Redução) em Resultado de Exercícios Futuros (.04) Caixa Líquido Oriundo das Atividades Operacionais Fluxo de Caixa das Atividades de Investimento Alienação/(Aquisição) de Imobilizado de Arrendamento (0.753) (41.44) Aquisição de Móveis e Equipamentos - Financeiro (11.57) (9.646) Alienação de Móveis e Equipamentos - Financeiro Aquisição de Móveis e Equipamentos - Operacional (1.179) (19.706) Alienação de Móveis e Equipamentos - Operacional Alienação/(Aquisição) de Imobilizado de Uso (4) Instalações 5 Móveis e Equipamentos de Uso (9) Caixa Líquido Aplicado nas Atividades de Investimento (0.753) (41.48) Aumento Líquido de Caixa e Equivalentes de Caixa Caixa e Equivalentes de Caixa no Início do Semestre Caixa e Equivalentes de Caixa no Fim do Semestre As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido para os Semestres Findos em 30 de Junho de 015 e de 014 (Em milhares de reais - R$) Nota Capital Social Reservas de Lucros explicativa Realizado Reserva Legal Reserva de Lucros Lucros Acumulados Saldos em 31 de Dezembro de Lucro Líquido do Semestre 3.50 Destinação de lucros: Constituição de reservas de lucros (3.50) Saldos em 30 de Junho de Saldos em 31 de Dezembro de Lucro Líquido do Semestre 910 Destinação de Lucros: Constituição de Reserva de Lucros (910) Saldos em 30 de Junho de As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. d) Distribuição do valor presente por faixa de vencimento Arrendamento Arrendamento Financeiro Operacional Faixa de Vencimento Vencidos A vencer até 90 dias A vencer de 91 a 360 dias A vencer acima de 360 dias e) Resultado de operações de arrendamento mercantil Receitas de operações de arrendamento mercantil Rendas de arrendamento financeiro Rendas de arrendamento operacional Lucro na alienação de bens arrendados Despesas de operações de arrendamento mercantil (-) Despesa de arrendamento financeiro (1.897) (5.854) (-) Despesa de arrendamento operacional (0.481) (7.7) (-) Prejuízo da alienação de bens arrendados (1.805) (1.666) (44.183) (55.4) 8. Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa Em 30 de junho de 015 o saldo de provisão para créditos de arrendamento mercantil de liquidação duvidosa é de R$ 87, sendo R$ 410 para Arrendamento Financeiro e R$ 46 para Arrendamento Operacional. Em 30 de junho de 014 o saldo total era de R$.459 sendo R$ 995 para Arrendamento Financeiro e R$ para Arrendamento Operacional. O risco da carteira de arrendamento mercantil a valor presente, e a provisão para créditos de arrendamento mercantil de liquidação duvidosa são calculados conforme estabelecido na Resolução CMN nº.68/99, estavam assim distribuídos: Arrendamento financeiro 30/06/015 30/06/014 Provisão Níveis de mínima VenA Valor Pro- VenA Valor ProRisco requerida cido vencer presente visão cido vencer presente visão AA 0% A 0,5% B 1% C 3% D 10% E 30% F 50% G 70% H 100% Arrendamento Operacional 30/06/015 30/06/014 Provisão Níveis de mínima VenA Valor Pro- VenA Valor ProRisco requerida cido vencer presente visão cido vencer presente visão AA 0% A 0,5% B 1% C 3% D 10% E 30% F 50% G 70% H 100% Movimentação da provisão para crédito liquidação duvidosa Arrendamento Arrendamento Financeiro Operacional Saldo inicial (Reversões)/Constituições (a) (460) Baixas para prejuízo (a) Reversão do período refere-se substancialmente a execução de garantia de um contrato de arrendamento financeiro cujo valor presente em 30 de junho de 015 é de R$ No referido semestre não há outros valores em renegociação além daqueles já provisionados, bem como não ocorreram reintegrações de posse, nem ações judiciais para recuperação de créditos. 9. Outros Créditos Rendas a receber Descrição Curto prazo Rendas a receber Diversos Descrição Curto prazo Adiantamento salarial Devedores diversos (a) Impostos e contribuições (b) Imposto de renda a recuperar Longo prazo Crédito tributário sobre prejuízo fiscal (c) Crédito tributário sobre base negativa CSLL (d) Crédito tributário sobre Adições Temporárias (e) (a) Devedores Diversos refere-se substancialmente a valores a receber originados pelo encerramento de contratos junto aos clientes que exerceram a opção de compra dos bens. (b) Impostos e contribuições referem-se aos recolhimentos de IRPJ e CSLL. (c) O prejuízo fiscal é originado pela Superveniência de Depreciação, conforme nota explicativa nº 17(a). (d) A base negativa de CSLL é calculada levando-se em conta as adições temporárias de variação cambial, provisões, ajustes a mercado de títulos e instrumentos financeiros derivativos e derivativo embutido, tendo sua movimentação detalhada na nota explicativa nº 17 (a). (e) O crédito tributário sobre adições temporárias foi constituído sobre Variação Cambial, Provisão para Devedores Duvidosos da Carteira de Leasing, Marcação a Mercado de Derivativos e Valor Residual Garantido (Derivativo Embutido), tendo sua movimentação detalhada na nota explicativa nº 17 (a). 10. Outros Valores e Bens Descrição Bens não de uso próprio (BNDU) (a) Provisão desvalorização de outros valores e bens (b) (1.158) (98) Prêmio de Seguros Antecipados Desenvolvimento de Sistemas(c) (a) A rubrica Bens Não de Uso Próprio (BNDU) refere-se basicamente a valores registrados como máquinas e equipamentos retornados ao final das operações de leasing. Os bens recebidos foram registrados pelo seu custo de aquisição líquido de depreciação. Anualmente é realizado inventário físico para apuração de seu valor de mercado. (b) A legislação em vigor, em cumprimento ao estabelecido no CPC 01 (R1), prevê a realização de Teste de Impairment (ou Teste de Recuperabilidade de Ativos) a cada exercício social. A essência do teste de recuperabilidade é evitar que um ativo esteja registrado por um valor maior que seu valor recuperável. A Companhia realizou teste detalhando a metodologia, premissas utilizadas e o resultado da avaliação dos ativos em relatório específico. Foram submetidos ao teste de recuperabilidade 100% do estoque de equipamentos retornados das operações de leasing, contabilizados como bens não de uso próprio (BNDU). Foi registrada provisão para perda por impairment no valor de R$ 1.158, valor que representa na estimativa da Administração a diferença entre expectativa de valor a receber pela venda dos equipamentos e valor contábil dos bens. (c) O saldo refere-se à despesa de implantação de sistema integrado ERP. 11. Imobilizado de Arrendamento Imobilizado de arrendamento Bens arrendados (a) Financeiro Máquinas e equipamentos Móveis Outros arrendamentos (b) Operacional Máquinas e equipamentos Veículos e Afins 83 Outros arrendamentos (b) (+) Perdas de arrendamento (-) Depreciação acumulada(a) (59.810) (81.364) Financeiro ( ) ( ) Máquinas e equipamentos ( ) (98.394) Móveis (1.770) (1.9) Outros arrendamentos (b) (35.595) (31.411) Operacional ( ) ( ) Máquinas e equipamentos (86.894) ( ) Outros arrendamentos (b) (7.590) (3.34) Veículos e Afins (1) (-) Amortização de perdas a diferir (795) (899) (+) Superveniência de depreciação (a) Inclui o montante de R$ (R$ em 014), referente ao imobilizado de arrendamento e R$ (R$ em 014) de depreciação acumulada de operações cedidas, cuja propriedade dos bens continua com CSILatina. (b) Em maio de 014 a CSILatina Arrendamento Mercantil, por decisão da diretoria, adquiriu de outra companhia uma carteira de arrendamento mercantil no montante de R$ 11.39, sendo R$ na categoria de arrendamento financeiro e R$ 868 na categoria de arrendamento operacional. Taxa média de depreciação Máquinas e equipamentos 0,83% a 1,19% ao mês Móveis 0,83% a 1,19% ao mês Outros arrendamentos 1,66% a,38% ao mês Para bens arrendados com vida útil média estimada em 4 meses, é considerada a taxa de depreciação,38% ao mês e para bens arrendados com vida útil média estimada em 60 meses, é considerada a taxa de depreciação de 1,66% ao mês. 1. Bens de Uso Próprio e Ativo Intangível Imobilizado de Uso Intangível (a) 575 (a) O saldo refere-se ao custo de implantação de sistema integrado ERP que entrou em produção durante o exercício de 014 e que será amortizado em 10 anos. 13. Obrigações por Empréstimos e Repasses 30/06/015 30/06/014 Curto Longo Curto Longo Tipo Moeda Prazo Prazo Prazo Prazo Empréstimos no Exterior Resolução nº.91/0 (a) US$ Intercompany (nota 1) (b) US$ Capital de Giro no exterior (c) US$ Empréstimos no País Resolução nº.91/0 (a) R$ Capital de Giro no País (c) R$ (a) A Companhia possui a maior parte de suas obrigações por empréstimos no país e exterior na modalidade sem retenção substancial de risco que foram estruturadas através da vinculação de recebíveis de operações de arrendamento mercantil, contratadas segundo determina a Resolução n.91/0 do Banco Central do Brasil, a preços de mercado para a modalidade. (b) A Companhia possui empréstimos denominados em moeda estrangeira e moeda nacional, captados junto a bancos de primeira linha e à matriz do grupo ( Intercompany Loans ). Os contratos de empréstimos no exterior realizados com a matriz possuem cláusula que limita sua correção à variação do CDI, esse valor, quando aplicável, é classificado como derivativo embutido e detalhado na nota explicativa nº 6. (c) O capital de giro necessário para atender a necessidades momentâneas de caixa é contratado a taxas de mercado através da modalidade Conta Garantida e Capital de Giro de curto prazo com instituições de primeira linha no Brasil e no exterior. Resultado de obrigações de empréstimos e repasses Operações de Empréstimos e Repasses (8.95) (7.71) Outras Rendas Operacionais (Variação Cambial Ativa) Outras Despesas Operacionais (Variação Cambial Passiva) (36.475) (11.48) (8.736) 358 A variação de obrigações de empréstimos e repasses foi em função da variação cambial ativa (receita) no montante de R$ (R$ em 014) e variação cambial passiva (despesa) no montante de R$ (R$ em 014). 14. Outras Obrigações - Diversas Descrição Curto prazo: Credores por antecipação residual (a) Despesas de pessoal (b) Outras despesas administrativas Outros pagamentos (c) Credores diversos - País (d) curto prazo Credores por antecipação residual (a) longo prazo A rubrica Outras Obrigações- Diversas apresenta a seguinte composição: (a) Refere-se a valores de VRG pagos antecipadamente e estão sujeitos à atualização, com base nos mesmos índices estabelecidos nos contratos de arrendamento mercantil a que estão vinculados. (b) Despesas de Pessoal inclui provisões de férias no valor de R$ 611 (R$ 543 em 014) e R$ 150 (R$ 300 em 014) para pagamento de comissão de vendas. (c) Outros pagamentos refere-se aos valores devidos aos fornecedores de bens e serviços relacionados com a aquisição de bens relativos às operações de arrendamento mercantil no valor de R$ (R$ em 014) e R$.83 (R$0 em 014) relacionados a fornecedores diversos não relacionados à operação de leasing. (d) Credores diversos referem-se a recebimentos antecipados de parcelas de arrendamento mercantil e créditos não identificados. 15. Provisões, Ativos e Passivos Contingentes e Obrigações Legais: Os principais processos em aberto em 30 de junho de 015 e 014 são relacionados a ações trabalhistas e de acordo com a avaliação dos advogados é assim sumarizado: Quantidade Valor estimado Provisão de ações pelos advogados contábil Provável (i) Possível (ii) geral (i) Os processos trabalhistas classificados como de perda provável no montante total de R$ 490 (R$ 589 em 014) referem-se ao pedido de ex-prestadores de serviços contratados pela sociedade que pleiteiam reconhecimento de vínculo trabalhista. (ii) Os processos trabalhistas no valor de R$ (R$ em 014), classificados como de perda possível, referem-se a ações judiciais movidas por ex-empregados ou prestadores de serviços buscando pretensos direitos trabalhistas. É importante salientar que tal montante corresponde aos valores das causas arbitrados pelos exempregados ou prestadores de serviços, e que todas as referidas ações trabalhistas encontram-se em seu estágio inicial, ou em fase de recursos, motivo pelo qual a Administração considera que, mesmo em caso de deferimento integral ou parcial dessas ações, eventuais valores a pagar seriam substancialmente reduzidos. Em 015, a Administração optou por fazer uma provisão adicional de R$ 699 para os processos classificados como de perda possível.a CSILatina Arrendamento Mercantil S.A. não possuía contingências tributárias ou cíveis com probabilidade de perda possível ou provável em 30 de junho de 015 e 014. Contingências Trabalhistas Saldos em 30 de junho de Constituições/Reestimativas 600 Saldos em 30 de junho de Outras Obrigações Fiscais e Previdenciárias Descrição IRPJ Refis (a) 34 6 IRPJ a pagar corrente 10 CSLL a pagar corrente CSLL Refis (a) Impostos s/ salários a recolher PIS Refis (a) 3 PIS a pagar corrente COFINS Refis (a) COFINS a pagar corrente 10 9 Outros impostos a recolher do Curto Prazo Provisão para imposto de renda diferido (b) Crédito tributário (IR Diferido) sobre adições temporárias (b) IRPJ Refis (a) CSLL Refis (a) PIS Refis (a) COFINS Refis (a) do Longo Prazo (a) Refere-se a impostos relativos ao REFIS, detalhados na nota 18. (b) A provisão para IR Diferido foi calculada aplicando-se a alíquota de 5% ao saldo de Superveniência de Depreciação em cada período, bem como o valor dos Ajustes Temporários da Marcação a Mercado, variação cambial e garantia de valor residual (opção de venda) totalizando o valor de R$ (R$ em 014), detalhado na nota 17(a). 17. Demonstração do Imposto de Renda (IRPJ) e Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) Conciliação do Imposto de renda e Contribuição Social Lucro (Prejuízo) antes do Imposto de renda e Contribuição Social Alíquota Vigente 40% 40% Expectativa de despesa (crédito) de Imposto IRPJ e CSLL de acordo com a alíquota vigente (646) (.335) Efeito do IRPJ e da CSLL s/ as diferenças permanentes (6) Outros (33) Despesa (crédito) de IRPJ e CSLL (705) (.335) continua... Prezados Senhores: Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas., as demonstrações financeiras da CSILatina Arrendamento Mercantil S.A., relativas aos períodos findos em 30 de junho de 015 e 014, acompanhadas das notas explicativas e relatório dos auditores independentes. Mercado de Atuação: A CSILatina Arrendamento Mercantil S.A., atua no mercado de arrendamento mercantil, regulamentado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e Banco Central do Brasil (Bacen), sendo suas operações voltadas,

16 Página 16 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 CP & FRIZZO Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. CNPJ(MF) / Demonstrações Financeiras - Valores em R$ mil Balanços Patrimoniais Passivo 30/06/15 30/06/14 Circulante Outras Obrigações Fiscais e previdenciárias Negociação e intermediação de valores 86 Diversas Patrimônio Líquido Capital: De Domiciliados no país Reservas de lucros Lucros acumulados 3 55 do Passivo e Patrimônio Líquido Demonstração dos Resultados 1º-Semes- 1º-Semestre/015 tre/014 Receitas de Intermediação Financeira Resultado de operações com títulos e valores mobiliários Resultado Bruto da Intermediação Financeira Outras Receitas/Despesas Operacionais (69) (186) Receitas de prestação de serviços 4 51 Despesas de pessoal (34) (197) Outras despesas administrativas () (196) Despesas tributárias (38) (43) Outras receitas operacionais 1 - Outras despesas operacionais (1) Resultado Operacional Resultado Não Operacional 15 9 Resultado Antes da Tributação sobre o Lucro e Participações Demonstração dos Fluxos de Caixa pelo Método Indireto 1º-Semes- 1º-Semes- Fluxos de caixa das atividades operacionais tre/015 tre/014 Lucro líquido (prejuízo) do semestre/exercício 3 55 Depreciações e amortizações 6 4 Provisão de impostos no resultado Variação de Ativos e Obrigações (Aumento) redução em TVM instrumentos derivativos (acima) (Aumento) redução de outros créditos Aumento (redução) em outras obrigações (6) 66 Caixa líquido proveniente das atividades operacionais Fluxos de caixa das atividades de investimento Inversões em: Imobilizado de uso (5) (49) Inversões líquidas no intangível/diferido (5) Dividendos recebidos de coligadas/controladas Caixa líquido usado nas atividades de investimento (5) (54) Aumento líquido de caixa e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa no início do período Caixa e equivalentes de caixa no fim do período Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido Período de 01/01/15 a 30/06/15 Capital Reserva Reservas Especiais Lucros ou Prejuízos Eventos Realizado Legal de Lucros Acumulados Saldos no Início do Período em 01/01/ Lucro líquido (prejuízo) do período Saldos no Fim do Período em 30/06/ Mutações do Período: Período de 01/01/14 a 30/06/14 Capital Reserva Reservas Especiais Lucros ou Prejuízos Eventos Realizado Legal de Lucros Acumulados Saldos no Início do Período em 01/01/ Lucro líquido (prejuízo) do período Saldos no Fim do Período em 30/06/ Mutações do Período: Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis em 30/6/015 e Contexto Operacional - A Distribuidora intermedia a compra e venda de Valores Mobiliários, por conta própria e de terceiros.. Apresentação das Demonstrações Contábeis - As demonstrações contábeis foram preparadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária, os Pronunciamentos, as Orientações e Interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC, e apresentadas com as diretrizes estabelecidas, pelo Banco Central do Brasil, através do Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional COSIF. Estas demonstrações contábeis foram aprovadas pela Diretoria da Distribuidora em 31 de julho de Resumo das Principais Práticas Contábeis:a) Apuração de resultado O regime de apuração do resultado é o de competência. b) Estimativas contábeis - Na preparação das demonstrações foram utilizadas estimativas contábeis que se basearam em fatores objetivos e subjetivos e levaram em consideração o julgamento da Administração para determinação do valor adequado a ser registrado nas demonstrações financeiras. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores divergentes devido à subjetividade inerentes ao processo de sua determinação. A Distribuidora revisa as estimativas e premissas pelo menos mensalmente. c) Aplicações interfinanceiras de liquidez - São registrados pelo valor de aquisição, acrescidos dos rendimentos auferidos até a data do balanço. d) Títulos e valores mobiliários e derivativos - Os títulos e valores mobiliários são classificados nas categorias de acordo com a intenção da Administração: em negociação, disponíveis para venda e mantidos até o vencimento. Os títulos classificados na categoria para negociação são apresentados no ativo circulante e avaliados pelo valor de mercado, os classificados na categoria disponíveis para venda são avaliados pelo valor de mercado e os classificados na categoria mantidos até o vencimento são contabilizados pelo custo de aquisição, acrescido dos rendimentos contratados. Os ajustes ao valor de mercado dos títulos classificados na categoria para negociação são contabilizados em contrapartida à conta de receita ou despesa do período. Os ajustes ao valor de mercado dos títulos classificados na categoria disponíveis para venda são contabilizados em contrapartida à conta destacada do patrimônio líquido, deduzido dos efeitos tributários e na venda definitiva dos títulos, estes ajustes são transferidos para as respectivas contas de resultado do período. e) Imobilizado de uso/ Diferido/Intangível - custo de aquisição e a depreciação foi calculada pelo método linear, sendo de 0% a.a. para Sistema de Processamento de Dados, e de 10% a.a. para as demais vimento de logiciais e Benfeitorias em imóveis de terceiros sendo amortizada a amortizado a alíquota de 0% ao ano. f) Demais ativos circulantes e realizáveis a longo prazo - São apresentados pelo valor de realização, incluindo quando aplicável, as variações monetárias, bem como os rendimentos auferidos até a data do balanço. g) Passivos circulantes e exigíveis a longo prazo - Demais passivos circulantes e exigíveis a longo prazo São demonstrados pelos valores conhecidos Ativo 30/06/15 30/06/14 Circulante Disponibilidades Aplicações Interfinanceiras de Liquidez 155 Aplicações em depósitos interfinanceiros 155 TVM e Instrumentos Financeiros Derivativos (90 Dias) Carteira própria TVM e Instrumentos Financeiros Derivativos Carteira própria Outros Créditos Rendas a receber Diversos 7 37 Outros Valores e Bens 3 Despesas antecipadas 3 Não Circulante TVM e Instrumentos Financeiros Derivativos Carteira própria Outros Créditos 5 Diversos 5 Investimentos 1 1 Outros investimentos 1 1 Imobilizado de Uso Outras imobilizações de uso (Depreciações acumuladas) (71) (60) Intangível 4 5 Ativos Intangíveis 5 5 (Amortização acumulada) (1) do Ativo Imposto de Renda e Contribuição Social (8) (14) Provisão para Imposto de renda (4) (7) Provisão para Contribuição Social (4) (7) Lucro Líquido (Prejuízo) do Período 3 55 Nº de cotas Lucro/(Prejuízo) por cota R$ 0,15 0,35 ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos, variações monetárias e/ou cambiais incorridas até a data dos balanços. Provisões Uma provisão é reconhecida no balanço quando a Distribuidora possui uma obrigação legal ou constituída como resultado de um evento passado onde é provável que um recurso econômico seja requerido para saldar a obrigação e os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. As provisões são registradas tendo como base as melhores estimativas do risco envolvido. h) Provisão para Imposto de Renda e Contribuição Social - A provisão para o imposto de renda foi constituída à alíquota de 15% do lucro tributável, acrescida de adicional de 10% sobre os lucros que excederem R$ 40 no ano. A provisão para contribuição social é calculada à alíquota de 15%, após efetuados os ajustes determinados pela legislação fiscal. i) Contingências - Os passivos contingentes são reconhecidos quando, baseado na opinião de assessores jurídicos, for considerado provável o risco de perda de uma ação judicial ou administrativa, gerando uma provável saída de recursos para a liquidação das obrigações e quando os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. Os ativos contingentes são reconhecidos quando a administração possui total controle da situação ou quando há garantias reais ou decisões judiciais favoráveis, sobre as quais não cabem mais recursos. j) Caixa e equivalente de caixa - Caixa e equivalente de caixa são representados por disponibilidades em moeda nacional, aplicações interfinanceiras de liquidez e aplicações em títulos e valores mobiliários, cujo vencimento das operações na data de efetiva aplicação seja igual ou inferior a 90 dias e apresentam risco insignificante de mudança de valor justo, que são utilizados pela Distribuidora para gerenciamento de seus compromissos de curto prazo. 30/06/15 30/06/14 Disponibilidades Caixa 1 1,00 Depósitos Bancários Aplicações Interfinanceiras de Liquidez 155 Aplicações em depósitos interfinanceiros 155 Títulos e Valores Mobiliários Certificado de Depósito Bancário Letras de câmbio 44 70,00 Caixa e equivalente de caixa TVM e Instrumentos Financeiros Derivativos: a) Os títulos e valores mobiliários estão calassificados em Títulos para Negociação ; e, os valores de custo atualizados da carteira comparados com os respectivos valores de mercado, estão assim demonstrados: Valor do Valor de Valor do Valor de Custo Mercado Custo Mercado Carteira Própria-Curto prazo 30/06/15 30/06/15 30/06/14 30/06/14 CDB Letras de câmbio Letras de crédito imobiliário A Diretoria Reinaldo Dantas Contador CRC-1SP /O-6 -curto prazo Carteira Própria-Longo prazo CDB Letras de câmbio longo prazo Composição de Saldos Relevantes Ativo Circulante 30/06/15 30/06/14 Outros Créditos Rendas a receber comissões Adiantamentos de imobilizações - 7 Imposto de renda a compensar 7 10 Ativo Não Circulante Outros Créditos - 5 Devedores por depósito em garantia - 5 Passivo Circulante Outras Obrigações Fiscais e Previdenciárias Impostos e contribuições sobre o lucro 8 Impostos e contribuições a recolher 9 1 Negociações e Intermediação de Valores - 86 Credores conta de liquidação pendentes - 86 Diversas Provisão para pagamentos a efetuar 36 3 Credores diversos País Capital Social - O capital social de R$ está representado por cotas no valor de R$ 7,9 cada uma, totalmente integralizadas na data do balanço, por cotistas domiciliados no país. 7. Juros de Capital Próprio - Nos semestres encerrados em 30 de junho de 015 e 014 não foram pagos Juros sobre Capital Próprio,conforme faculta o artigo 9º da Lei nº 9.49/ Contingências - As declarações de renda dos últimos cinco exercícios estão sujeitas à revisão e aprovação pelas autoridades fiscais. Outros impostos e contribuições permanecem sujeitos à revisão e aprovação pelos órgãos competentes por períodos variáveis de tempo. 9. Gerenciamento da Estrutura de Capital - Visando o atendimento à Resolução de 30/06/011 do Banco Central do Brasil, a instituição adotou uma política de gerenciamento de capital que constitui um conjunto de princípios, procedimentos e instrumentos que asseguram a adequação de capital da instituição de forma tempestiva, abrangente e compatível com os riscos incorridos pela instituição de acordo com a natureza e complexidade dos produtos e serviços oferecidos a seus clientes. 10. Risco Operacional - Definido como possibilidade de perdas resultante de erros humanos ou deficiências em controles e de monito- - -se atualmente sob a responsabilidade do diretor de controles internos e risco que tem com objetivo principal coordenar a identificação, avaliação e monitoramento dos riscos operacionais, para atendimento ao disposto na Resolução nº do Banco Central do Brasil e Basiléia. Outrossim, o gestor de cada processo é responsável pelo controle e mitigação daqueles riscos supervisionados pelo diretor responsável. 11. Risco de Mercado - O gerenciamento de risco de mercado é efetuado de forma centralizada, por área administrativa, que mantém independência com relação à mesa de operações. A Instituição se encontra apta a atender as exigências da Resolução CMN 3.464/07 que trata da estrutura de gerenciamento do risco de mercado, nos prazos estabelecidos. 1. Ouvidoria - O componente organizacional de Ouvidoria encontra-se em funcionamento e a sua estrutura atende às disposições estabelecidas na Resolução CMN 3.849, de 5 de março de Eventos Subsequentes - Em 1 de maio de 015, foi publicada a Medida Provisória 675/015, que alterou a alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Liquido (CSLL) das Instituições Financeiras de 15% para 0%, com eficácia a partir de 01 de setembro de 015. A conversão em Lei dessa Medida Provisória está pendente de aprovação pelo Congresso Nacional. Ilmos. Senhores Diretores e Cotistas da CP & Frizzo Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. - São Paulo SP. Examinamos as demonstrações contábeis da CP & Frizzo Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ), que compreendem o balanço patrimonial em 30/6/015 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e do fluxo de caixa para o semestre findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração sobre as Demonstrações Contábeis - Administração da Distribuidora é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos Auditores Independentes - Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e a adequada apresentação das demonstrações contábeis da Distribuidora para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia dos controles internos da Distribuidora. Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião - Em nossa opinião, as demonstrações contábeis referidas acima apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da CP & Frizzo Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. em 30/6/015, o desempenho de suas operações e o seu fluxo de caixa para o semestre findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. São Paulo, 18 de agosto de 015. Veneziani Auditores Independentes CRC SP13744/O-1 Alcindo Takachi Itikawa Contador CRC 1SP08865/O-9 Bloqueio de bens em caso de terrorismo internacional A Comissão de Relações Exteriores do Senado aprovou proposta que cria uma ação judicial específica para bloqueio de bens de pessoas ou empresas citadas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas como financiadores de terrorismo. Atualmente, as resoluções do conselho são cumpridas por meio de ação ordinária, que segue o rito estabelecido no Código de Processo Civil, muitas vezes com lentidão. O governo argumenta que esse sistema atrasa o cumprimento das resoluções internacionais, prejudicando as investigações de crimes graves e colocando o Brasil sob pressão internacional. O texto também permite a aplicação da ação nos casos de cooperação jurídica entre países. Na justificativa dada pelos ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da Fazenda, Joaquim Levy, é importante que o Brasil, assim como já fizeram outros países, tenha uma disciplina legal específica para viabilizar as resoluções referentes à indisponibilidade de bens. Segundo o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), o país tem atrasado a efetivação de resoluções que determinam indisponibilidade de bens de investigados em crimes internacionais de natureza grave, ao submeter os trâmites ao Código de Processo Civil. Os bloqueios, observou, precisam ser efetivados de modo extremamente rápido e com observância das formalidades diplomáticas próprias das relações internacionais. É maneira, disse Cristovam, de evitar a ineficácia das medidas de combate a crimes graves de dimensão transnacionais, como os crimes de lavagem de dinheiro e os de terrorismo (Ag.Senado). Para veiculação de seus Balanços, Atas, Editais e Leilões neste jornal, consulte sua agência de confi ança, ou ligue para TEL: CSILatina Arrendamento Mercantil S.A. - CNPJ nº / continuação Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Referentes aos Semestres Findos em 30 de Junho de 015 e 014 (Em milhares de reais - R$) a) Nos semestres findos em 30 de junho de 015 e de 014, os créditos tributários apresentaram a seguinte movimentação: 30/06/014 Constituição Reversão 30/06/015 Imposto de renda e Contribuição Social - Ativo Crédito Tributário - Diferenças Temporárias Crédito Tributário - Base da CSLL (547) 465 Crédio Tributário - Prejuízo Fiscal (180) (77) Imposto de renda e Contribuição Social - Passivo IR diferidos sobre diferenças temporárias (.538) (786) Provisão de IR sobre superveniência (18.170) (.446) - (0.616) (0.708) (.446) 1.75 (1.40) Impostos diferidos líquidos (1.616) (1.037) 1.05 (1.68) b) Projeção de Realização de Impostos Diferidos Projeção de Realização de Impostos Diferidos TOTAL Créditos Tributários de Imposto de Renda Prejuízo Fiscal Diferenças Temporárias do IR Diferido Ativo Créditos Tributários de Contribuição Social Bases Negativas de Contribuição Social Diferenças Temporárias da CSLL Diferida Ativa Os ajustes na determinação do lucro real dos valores de superveniência de depreciação de bens e operações de arrendamento mercantil devem ter tratamento diferenciado de forma a não produzirem efeitos no momento das verificações para constituição e manutenção do registro contábil do crédito tributário. A probabilidade de realização do crédito tributário, portanto, deve desconsiderar o prejuízo gerado pela superveniência de depreciação, conforme parágrafo 5º do artigo 1º da Resolução nº 3.059, de 0 de dezembro de 00 (com redação dada pela Resolução nº 3.355, de 31 de março de 006). Ao dispensar a verificação do prazo de realização do crédito tributário originado de prejuízos fiscais ocasionados pela receita de superveniência entende-se que tal ajuste possui condição especial somente aplicável à operação de arrendamento mercantil. Sendo assim, a projeção de realização dos créditos tributários acima exclui os resultados oriundos de Superveniência de Depreciação, contemplando somente outras receitas e despesas. 18. Adesão ao Programa de Parcelamento de Débitos Fiscais Federal: Em 009, a CSILatina Arrendamento Mercantil, aderiu ao Programa de Pagamento ou Parcelamento de Tributos Federais, instituído pela Lei nº , de 7 de maio de 009. O programa Federal incluiu débitos administrados pela Receita Federal do Brasil e pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional vencidos até 30 de novembro de 008. O efeito bruto no resultado, em decorrência da redução de juros e multa, foi de R$378 mil. As principais teses inseridas no programa foram PIS/COFINS sobre recebimento de Juros ao Capital Próprio e CPMF em operações de clientes. A opção pelo parcelamento dos débitos fiscais e previdenciários foi efetivada em novembro de 009, com o valor total de R$.864 dividido em 180 parcelas de R$15, atualizadas mensalmente pela taxa de juros Selic. O presente acordo encontra-se em dia e até o término do 1º semestre de 015. Os valores pagos em 015 totalizam R$ 135 (R$ 15 em 014). Foram pagas 68 parcelas, restando um saldo remanescente de R$.56 (R$.631 em junho 014), conforme quadro abaixo: Imposto Valor bruto Juros Amortização Saldo Devedor IRPJ PIS (5) 81 CSLL COFINS (76) 435 PIS CSLL (656) COFINS IRPJ (56) 879 REFIS (1.510) Resultado de Exercícios Futuros: Refere-se a operações de trade-in junto às instituições financeiras e a cessão de parcelas de arrendamento mercantil feita com instituição financeira em 015 e 014. Nas operações de trade-in a sociedade recebe valores à vista e oferece desconto em operações da carteira de arrendamento mercantil, conforme estabelecido em contrato, que serão apropriados de acordo com a vigência das prestações mensais. Na cessão de parcelas de arrendamento realizada com instituição financeira sem retenção de risco, o resultado apropriado pela fluência do prazo de vencimento em 015 foi de R$.04 mil (R$ mil em 014) restando saldo a apropriar de R$ mil (R$ 7.11 em 014), conforme quadro abaixo: Rendas Antecipadas 30/06/015 Nova Cessão Pagamento 30/06/014 Cessão de Parcelas de Arrendamento Mercantil (4.183) (4.183) Patrimônio Líquido: a) Capital social: O capital social é representado por ações ordinárias escriturais sem valor nominal, apresentando a seguinte composição: - Qtde. de Valor da - Qtde. de Valor da Acionista Sede Participação% ações participação (R$ mil) Participação % ações participação (R$ mil) CSI Financial Inc. EUA 99,99999% ,99999% Executive Personal Computer EUA 0,00001% 1 0,001 0,00001% 1 0, % % b) Reserva Legal: A reserva legal é constituída sobre o lucro apresentado ao final do exercício no percentual de 5% conforme estatuto social. c) Dividendos: Aos acionistas são assegurados 5% de dividendo mínimo obrigatório, calculado sobre o lucro líquido ajustado, de acordo com a legislação societária. 1. Transações com Partes Relacionadas: As operações da Companhia com partes relacionadas são empréstimos contratados de sua Matriz nos Estados Unidos da América e de seus acionistas, efetuadas a preços e condições normais de mercado, contendo valores, prazos e taxas usuais, e seus saldos estão a seguir enumerados: Saldo em 30/06/015 Saldo em 30/06/014 Tipo Moeda Curto prazo Longo prazo Curto prazo Longo prazo Empréstimo no exterior ( Intercompany ) (a) US$ Dívida Subordinada (nota ) US$ Empréstimo no exterior (Tokyo Leasing) (b) US$ (a) A Companhia possui empréstimos denominados em moeda estrangeira, captados junto à matriz do grupo ( Intercompany Loans ). Os contratos de empréstimos no exterior realizados com a matriz possuem cláusula que limita sua correção à variação do CDI. (b) Empréstimos denominados em moeda estrangeira captado junto a Tokyo Leasing, acionista da controladora da CSILatina Arrendamento Mercantil. Durante o semestre findo em 30 de junho de 015 a remuneração dos administradores totalizou R$ 765 (R$ 964 em 014) e inclui provisão de R$ 150 a ser paga integralmente até agosto de 017. Os valores estão registrados na rubrica de Pró-Labore. A companhia não possui benefícios de longo prazo, de rescisão de contrato de trabalho ou remuneração baseada em ações para o pessoal-chave da administração.. Dívidas Subordinadas: Estão representadas por empréstimos contratados de acordo com as Normas do BACEN, os quais são utilizados como Patrimônio de Referência - Nível II, para apuração dos limites operacionais. Juros Título Emissão Vencimento Principal (a.a.) Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Dívida Subordinada /0/01 /0/ ,1% Dívida Subordinada 05/04/01 06/04/ ,15% Limites Operacionais (Acordo de Basileia): O BACEN emitiu a partir de 1º de março de 013, cuja vigência se deu a partir de 1º de outubro de 013, um conjunto de normativos que regulamentam as recomendações do Comitê Basileia relativas à estrutura de capital das instituições financeiras. Conhecidas como Basileia III, as novas regras buscam aprimorar a capacidade destas instituições em absorver os impactos de eventuais crises, fortalecendo a estabilidade financeira e aumentando a quantidade e a qualidade do capital regulamentar. Estes normativos tratam dos seguintes assuntos: Nova metodologia de apuração do capital regulamentar (Patrimônio de Referência - PR), que continuará a ser dividido nos níveis I e II. (Resolução 4.193) Nova metodologia de apuração da exigência de manutenção de capital, adotando requerimentos mínimos de PR, de Nível I e de Capital Principal, e introdução do Adicional de Capital Principal (Resolução 4.19). As regras de Basileia III buscam melhorar a qualidade do capital das instituições financeiras, restringindo a utilização de instrumentos financeiros que não apresentam capacidade de absorver perdas e pela dedução de ativos que podem comprometer o valor do capital devido à sua baixa liquidez, dependência de lucro futuro para realização ou dificuldade de mensuração do seu valor. Dentre estes instrumentos, destacam-se os créditos tributários, os ativos intangíveis e os investimentos em empresas não controladas, especialmente àquelas que atuam no ramo segurador. As novas regras para a apuração dos requisitos mínimos de capital estabelecem porcentagens do montante dos ativos ponderados pelo risco e constituem requerimentos de capital a serem observados pelas instituições financeiras, e que seguirão o cronograma apresentado a seguir: Capital principal (a) (mínimo + adicional) 4,5% 4,5% 5,15 a 5,75% 5,75 a 7,0% 6,375 a 8,8% 7,0 a 9,5% Nível I (b) (mínimo + adicional) 5,5% 5,5% 6,65 a 7,5% 7,5 a 8,5% 7,875 a 9,75% 8,5 a 11,0% PR (c) (mínimo + adicional) 11,0% 11,0% 10,5 a 11,15% 10,5 a 11,75% 10,5 a 1,375% 10,5 a 13,0% (a) Capital Principal - composto por ações, quotas, reservas e lucros retidos; (b) Nível I - composto pelo Capital Principal e outros instrumentos capazes de absorver perdas com a instituição em funcionamento; e (c) PR (patrimônio de referência) - composto pelo Nível I e por outros instrumentos subordinados capazes de absorver perdas quando do encerramento da instituição. Também foi criado o Adicional de Capital Principal, que representa o capital suplementar de conservação (fixo) e contracíclico (variável) que, ao final do período de transição, deverá ser de no mínimo,5% e no máximo 5% do montante dos ativos ponderados pelo risco, sendo que este percentual será estabelecido pelo BACEN conforme as condições macroeconômicas da época. Aos Administradores e Acionistas da CSI Latina Arrendamento Mercantil S.A. Barueri - SP Examinamos as demonstrações financeiras da CSI Latina Arrendamento Mercantil S.A. ( Companhia ), que compreendem o balanço patrimonial em 30 de junho de 015 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o semestre findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração sobre as demonstrações financeiras: A Administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil - BACEN e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes: Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e a adequada apresentação das demonstrações financeiras da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia dos controles internos da Companhia. Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião com ressalva. Base para opinião com ressalva: A Companhia registra as suas operações de arrendamento e elabora as suas demonstrações financeiras com a observância das diretrizes contábeis estabelecidas pelo Banco Central do Brasil, que requerem o ajuste ao valor presente da carteira de arrendamento mercantil como provisão para superveniência ou insuficiência de depreciação, classificada no ativo permanente, conforme mencionado na nota explicativa nº 3f. Essas diretrizes não requerem a reclassificação das operações de arrendamento, que permanecem registradas de acordo com as disposições da Lei nº 6.099/74, para as rubricas do ativo circulante e realizável a longo prazo, e rendas e despesas de arrendamento, embora resultem na apresentação do resultado e do patrimônio líquido de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Opinião com ressalva: Em nossa opinião, exceto quanto à não reclassificação mencionada no parágrafo Base para opinião com ressalva, as demonstrações financeiras referidas acima apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da CSI Latina Arrendamento Mercantil S.A. em 30 de junho de 015, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o semestre findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Ênfase: Conforme mencionado na nota explicativa n 17a, em 30 de junho de 015 a Companhia apresenta créditos tributários ativos no montante de R$ mil, substancialmente representados por prejuízos fiscais oriundos da exclusão dos ajustes de superveniência de depreciação na base de cálculo do imposto de renda, tendo sido constituída provisão para imposto de renda diferido (passivo) relativo ao referido ajuste no montante de R$1.404 mil. A realização desses créditos tributários está condicionada à geração de lucros tributáveis futuros. Nossa opinião não está ressalvada em função desse assunto. São Paulo, 1 de agosto de 015 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes CRC nº SP /O-8 Marcelo Luis Teixeira Santos Contador - CRC nº 1 PR /O-6 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES A DIRETORIA ALAN LEITE RIBEIRO - CRC 1SP 865/O-4...continuação Despesas Administrativas Despesas de viagem ao exterior (17) (106) Despesas de viagem ao País (7) (7) Outras despesas Administrativas (a) (899) (1.050) Depreciação de bens de uso próprio (1.059) (466) (3.544) (3.035) (a) A rubrica Outras Despesas Administrativas refere-se a diversos itens, sendo os mais relevantes, despesas bancárias (R$ 10), encargos de pagamento de funding em atraso (R$ 180) e armazenamento (R$ 333). 5. Renda de Prestação de Serviços Renda de Prestação de Serviços O saldo refere-se a serviços prestados de reparo e manutenção de equipamentos. 6. Outras Receitas Operacionais Valor proporcional de contraprestação Trade-in - 10 Blind-Discount- Descontos obtidos Juros ativos 6 3 Encargos 0 - Outras Demonstrativo de Outras Despesas Operacionais Outras Despesas Operacionais Taxas diversas (1) (3) Provisão para passivos contingentes (nota 15) (77) (544) (78) (547) 8. Resultado Não Operacional Descrição Lucro (prejuízo) decorrente da venda de bens arrendados a terceiros O resultado não operacional é decorrente de lucro ou prejuízo na venda de bens não próprios (BNDU) quando estes retornam da operação de leasing e são alienados a terceiros. As novas regras de Basileia III passaram a vigorar a partir de 1º de outubro de 013 e seguem cronograma elaborado internacionalmente até sua efetiva implantação em 1º de janeiro de 0. No quadro a seguir, estão demonstradas a apuração das exigibilidades de patrimônio de referência e o índice de Basileia: Patrimônio de referência para comparação com os ativos ponderados pelo risco (RWAs) Patrimônio de referência Nível I Patrimônio líquido Ajustes prudenciais (Resolução 4.19/13) (7.45) (4.457) Patrimônio de referência Nível II Ativos ponderados pelo Risco (a) RWAcpad (anteriormente Pepr) RWAcam (anteriormente Pcam) RWAjur1 + RWAjur (anteriormente Pjur1+Pjur) RWAopad (Risco operacional) Patrimônio de referência mínimo exigido (RWA x 11%) Índice de Basiléia 0,68% 16,11% Saldo Utilizados para cálculo do RWA Exposição ao risco de crédito - RWAcpad (anteriormente Pepr) Ativos de câmbio - RWAcam (anteriormente Pcam) Ativos indexados a juros pré - RWAjur1 (anteriormente Pjur 1) Ativos indexados a cupom cambial - RWAjur (anteriormente Pjur ) Em 30 de junho de 014 e de 015, o Patrimônio de Referência da Companhia excedeu em R$ e em R$ , respectivamente, o Patrimônio de Referência Mínimo Exigido pelo BACEN. 4. Demonstrativo das Despesas Administrativas Despesas Administrativas Despesas de Comunicação (99) (107) Despesas de água energia e gás (10) (6) Despesas de aluguéis (11) (1) Despesas de manutenção e conservação de bens (5) (6) Despesas de material (10) () Despesas de processamento de dados (539) (11) Despesas de promoções e relações públicas (5) (49) Despesas de publicações (57) (61) Despesas de seguros (35) (40) Despesas de serviços de terceiros (379) (68) Despesas de serviço técnico especializado (4) (465) Despesas de transporte () (49)

17 Página 17 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Para veiculação de seus Balanços, Atas, Editais e Leilões neste jornal, consulte sua agência de confi ança, ou ligue para TEL: SL SL SL SL SLW CORRETORA DE V W CORRETORA DE V W CORRETORA DE V W CORRETORA DE V W CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO L ALORES E CÂMBIO L ALORES E CÂMBIO L ALORES E CÂMBIO L ALORES E CÂMBIO LTDA. TDA. TDA. TDA. TDA. CNPJ nº / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Balanços Patrimoniais Encerrados em 30 de junho de 015 e (Valores em R$ mil) Ativo 30/06/15 30/06/14 Circulante Disponibilidades Aplicações Interfin. de Liquidez Aplicações no mercado aberto TVM e Instrum. Financ. Derivativos (90 dias) Carteira própria 63 6 Vinculados a prestação de garantia TVM e Instrum. Financ. Derivativos Carteira própria Vinculados a prestação de garantia Outros Créditos Carteira de câmbio 304 Rendas a receber Negociação e intermediação de valores Diversos (Provisão para outros créditos liq. duvidosa) (1.) (1.75) Outros Valores e Bens 5 Despesas antecipadas 5 Não Circulante TVM e Instrum. Financ. Derivativos 11.5 Carteira própria 7.74 Vinculados a prestação de garantia Outros Créditos Diversos (Provisão para outros créditos liq. duvidosa) (5.854) (5.854) Investimentos 6 6 Outros investimentos 6 6 Imobilizado de Uso Imóveis 750 Outras imobilizações de uso (Depreciações acumuladas) (1.616) (1.767) Diferido 14 1 Gastos de organização e expansão 7 7 (Amortização acumulada) (13) (06) Intangível Ativos Intangíveis (Amortização acumulada) (484) (409) do Ativo Passivo 30/06/15 30/06/14 Circulante Obrigações por Empréstimos Empréstimos no País - Outras instituições Outras Obrigações Cobrança, arrec. tributos e assemelhado 1 6 Carteira de câmbio 588 Fiscais e previdenciárias Negociação e intermediação de valores Diversas Não Circulante Exigível a Longo Prazo Outras Obrigações Fiscais e previdenciárias Diversas Patrimônio Líquido Capital: De Domiciliados no país Ajustes de avaliação patrimonial (0) (13) (Prejuízos acumulados) (36.495) (9.95) do Passivo e Patrimônio Líquido Demonstração dos Resultados (Valores em R$ mil) 1º Sem.15 1º Sem. 14 Receitas de Intermediação Financeira Operações de crédito 7 Resultado de operações com títulos e valores mobiliários Resultado com instrumentos financeiros derivativos (9) (9) Resultado de operações de câmbio Despesas da Intermediação Financeira Operações de captação no mercado (1) (13) Operações de empréstimos, cessões e repasses (3) Provisão para créditos de liquidação duvidosa Resultado Bruto da Intermediação Financeira Outras Receitas/Despesas Operacionais (4.343) (6.34) Receitas de prestação de serviços Despesas de pessoal (6.091) (5.71) Outras despesas administrativas (9.950) (10.97) Despesas tributárias (16.97) (7.319) Outras receitas operacionais Outras despesas operacionais (315) (8) Resultado Operacional (1.707) (.51) Resultado Não Operacional 50 Resultado Antes da Tributação sobre o Lucro e Participações (1.705) (.001) Imposto de Renda e Contribuição Social 7.0 Ativo Fiscal Diferido 7.0 Lucro Líquido (Prejuízo) do Período (14.683) (.001) Nº de cotas: Lucro/(Prejuízo) por cota R$ -90,96-39,66 Demonstração dos Fluxos de Caixa pelo Método Indireto (Valores em R$ mil) 1º Sem.15 1º Sem. 14 Fluxos de caixa das atividades operacionais Lucro líquido (prejuízo) do semestre/exercício (14.683) (.001) Depreciações e amortizações Provisão para créditos de liquidação duvidosa (16) (83) Ajustes de avaliação patrimonial (5) 4 Provisão de impostos no resultado (7.0) (1.538) (1.871) Variação de Ativos e Obrigações (Aumento) redução em TVM instrumentos derivativos (acima) (Aumento) redução em operações de crédito 138 (Aumento) redução de outros créditos (57.567) (Aumento) redução de outros valores e bens 1 Aumento (redução) em operações compromissadas (70) Aumento (redução) em obrigações por empréstimos Aumento (redução) em outras obrigações (60.874) Caixa líquido proveniente das atividades operacionais (13.31) Fluxos de caixa das atividades de investimento Alienações de: Imobilizado de uso 145 Inversões em: Imobilizado de uso (3) Caixa líquido usado nas atividades de investimento 14 Fluxos de caixa das atividades de financiamento Recebimento pela integralização de capital 8.80 Caixa líquido usado nas atividades de financiamento 8.80 Aumento líquido de caixa e equivalentes de caixa (4.69) Caixa e equivalentes de caixa no início do período Caixa e equivalentes de caixa no fim do período Notas explicativas da Administração às demonstrações contábeis Semestres findos em 30 de Junho de 014 e (Em milhares de Reais) 015 Sem De 3 Acima venci- Até meses de mento 3 meses a 1 ano 1 ano Mercado Custo Títulos para Negociação Carteira Própria Letras Financeiras do Tesouro Notas do Tesouro Nacional Cotas de Fundos de Investimento Vinculados à prestação Garantias Letras Financeiras do Tesouro Sub Títulos Disponíveis para Venda Carteira Própria Ações Companhias Abertas Sub Sem Acima venci- Até de mento 3 meses 90 dias Mercado Custo Títulos para Negociação Carteira Própria Letras Financeiras do Tesouro Letras de Creditos Imobiliários Cotas de Fundos de Investimento Vinculados à prestação Garantias Letras Financeiras do Tesouro Sub Títulos Disponíveis para Venda Carteira Própria Ações Companhias Abertas Sub Os valores de mercado das ações de companhias abertas foram apurados, respectivamente, com base no preço de fechamento na BM&FBOVESPA S.A. no último pregão antes do encerramento do exercício e no preço médio e nas taxas de juros divulgados pela ANBIMA no último pregão antes do encerramento do exercício. As cotas de fundos de investimento foram atualizadas pelo respectivo valor da cota, no último dia útil do exercício. Os demais títulos foram apurados pelo preço médio de negociação, ou quando não disponível, a Administração da Corretora adota parâmetro para cálculo do valor de mercado, obtido mediante técnica interna de precificação. As ações de companhias abertas estão custodiadas na Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC). Os títulos públicos estão custodiados na Câmara de Custódia e Liquidação (CETIP) e no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (SELIC), respectivamente. b) Em 30 de junho de 015 e 014, não havia operações com instrumentos financeiros derivativos. 6. Rendas a receber Corretagens de câmbio a receber Serviços prestados a receber Comissões sobre agente fiduciário 36 7 Rendas a receber - outros Negociação e intermediação de valores Créditos Obrigações Caixas de registro e liquidação Devedores/credores - conta liquidação pendentes Credores por empréstimos de ações 54 Operações com ativos financeiros e mercadorias 68 Obrigações p/ neg. intermediação de títulos As negociações e intermediações de valores correspondem às operações financeiras realizadas na BM&FBOVESPA S.A. especificamente as operações efetuadas nos três últimos pregões a serem liquidadas em D+1 e D Outros créditos - diversos Circulante Adiantamentos e antecipações salariais Adiantamentos por conta de imobilizações 15 Impostos e contribuições a compensar (a) Pagamentos a ressarcir Devedores diversos País Não circulante Devedores por depósito em garantia (c) Devedores diversos País (b) a) Os impostos e contribuições a compensar referem-se às retenções de impostos sobre comissões codigo 8045; e, a impostos retidos na fonte e recolhidos a maior; b) Refere-se a processo Fundiágua, constituído 100% para provisão de devedores duvidosos (ver Nota Explicativa nº 15.1); c) Devedores por depósito em garantia: encontram-se pendentes de julgamento, perante o judiciário, ações promovidas pela Corretora questionando a legalidade de diversos tributos e recursos trabalhistas, tendo sido constituídas as provisões necessárias. Para tanto, a Corretora efetuou depósitos judiciais que são atualizados mensalmente pelo índice SELIC, conforme identificados a seguir: IRPJ CSLL Finsocial Pis Outros Imobilizado de uso Taxa Custo Depreciação Imobilizado Imobilizado deprec. corrigido acumulada líquido líquido Imóveis 4% 497 Instalações 10% 87 (5) 6 89 Móveis e equipamentos de uso 10% 453 (71) Sistema de comunicação 10% 459 (38) Direitos de Uso Sist. processamento de dados 0% 1.18 (79) (1.616) Diferido Taxa Amort. Custo Amortização Diferido Diferido corrigido acumulada líquido líquido Benfeitorias em imóveis de terceiros 0% 7 (13) (13) Intangível Taxa Amort. Custo Amortização Intangível Intangível corrigido acumulada líquido líquido Outros ativos intangíveis 0% 610 (484) (484) Outros ativos intangíveis correspondem às licenças e direitos de uso de softwares diversos adquiridos, quando passou a vigorar a Carta Circular nº do Banco Central do Brasil que restringiu o registro destes valores no ativo diferido. 1. Outras Obrigações - Fiscais e previdenciárias Curto prazo Imposto e contribuições a recolher Longo prazo Provisão para riscos fiscais As obrigações fiscais e previdenciárias referem-se aos impostos e contribuições sobre o lucro e as retenções sobre fornecedores, clientes e terceiros a serem recolhidos de acordo com os prazos previstos nas legislações vigentes. 1. Contexto operacional: A SLW Corretora de Valores e Câmbio Ltda. ( Corretora ) tem por objeto a operação em Bolsas de valores, mercadorias e de futuros por conta própria e de terceiros, comprar e vender títulos e valores mobiliários por conta própria e de terceiros, e prestar serviços de intermediação e de assessoria ou assistência técnica, em operações e atividades nos mercados financeiros e de capitais. A Corretora deliberou pela transferência para outra Instituição financeira devidamente habilitada a operar nos Mercados Financeiros e de Capital, de todos os clientes cadastrados na Corretora. Esta ação buscou trazer maior eficiência para as áreas de negócios da Corretora e oferecer novas alternativas de investimentos a seus clientes. Os efeitos desta transferência tiveram início em 4 de Março de 015 com centralização das operações de intermediação de bolsa pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. A Corretora se mantém presente na prestação de serviços de serviços de assessoria ou assistência técnica nos mercados financeiros e de capitais, administração de clubes e fundos de investimento e na prestação de serviços de agente fiduciário.. Base de elaboração e apresentação das demonstrações contábeis: As demonstrações contábeis foram elaboradas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais levam em consideração as disposições contidas na Lei das Sociedades por Ações - Lei nº 6.404/76 alterada pelas Leis n os /07 e /09, além das normas do Conselho Monetário Nacional e do Banco Central do Brasil. Foram adotados para fins de divulgação os pronunciamentos, as orientações e as interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis homologados pelos órgãos reguladores relacionados ao processo de convergência contábil internacional que foram aprovados pelo Conselho Monetário Nacional e Banco Central do Brasil e estão consubstanciados no Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional (COSIF). Na elaboração das demonstrações contábeis são utilizadas, quando aplicável, estimativas e premissas na determinação dos montantes de certos ativos, passivos, receitas e despesas de acordo com as práticas contábeis vigentes no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Essas estimativas e premissas foram consideradas na mensuração de provisões para perdas com operações de crédito e para contingências, na determinação do valor de mercado de instrumentos financeiros derivativos, de outras provisões e sobre a determinação da vida útil de determinados ativos. Os resultados efetivos podem ser diferentes das estimativas e premissas adotadas. As demonstrações contábeis referentes ao semestre findo em 30 de junho de 015 foram aprovadas pela Administração em 14 de agosto de Resumo das principais práticas contábeis: a) Apuração de resultado: O regime de apuração do resultado é o de competência. b) Aplicações interfinanceiras de liquidez: São registradas pelo valor de aquisição e acrescidas dos rendimentos auferidos até a data do balanço. c) Títulos e valores mobiliários: Os títulos e valores mobiliários são classificados em suas respectivas categorias de acordo com a intenção da Administração: em negociação, disponíveis para venda e mantidos até o vencimento. Os títulos classificados na categoria para negociação, são apresentados no ativo circulante e avaliados pelo valor de mercado. Os classificados na categoria disponíveis para venda são avaliados pelo valor de mercado e os classificados na categoria mantidos até o vencimento são contabilizados pelo custo de aquisição, acrescido dos rendimentos contratados. Os ajustes ao valor de mercado dos títulos classificados na categoria para negociação são contabilizados em contrapartida à conta de receita ou despesa do período. Os ajustes ao valor de mercado dos títulos classificados na categoria disponíveis para venda são contabilizados em contrapartida à conta destacada do patrimônio líquido, deduzido dos efeitos tributários e na venda definitiva dos títulos, estes ajustes são transferidos para as respectivas contas de resultado do período. d) Negociação e intermediação de valores: É demonstrada pelo saldo das operações de compra ou venda de títulos e valores a receber realizadas na BM&F BOVESPA S/A, por conta de clientes, pendentes de liquidação dentro dos prazos regulamentares ou de vencimento dos contratos. e) Demais ativos circulantes e não circulantes: São apresentados pelo valor de realização, incluindo quando aplicável, as variações monetárias e os rendimentos auferidos até a data do balanço. Imobilizado de uso: são registrados pelo custo de aquisição a depreciação é calculada pelo método linear, com base em taxas que levam em consideração a vida útil e econômica dos bens segundo parâmetros e taxas estabelecidos pela legislação tributária, sendo de 0% a.a. para Sistema de Processamento de Dados e de 10% a.a. para as demais contas; Diferido: até 3 de dezembro de 008, quando passou a vigorar a Carta Circular nº que restringiu o registro de valores no ativo diferido, foram registrados os gastos com aquisição e desenvolvimento logiciais e com a adaptação de imóveis de terceiros às necessidades da Corretora, sendo deduzidas pelo seu custo de aquisição e formação, deduzido da amortização, sendo amortizados, respectivamente, à alíquota de 0% a.a. e pelo prazo do contrato; Intangível: são registrados os direitos adquiridos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da Insttituição, ou exercidos com essa finalidade. São representados por softwares, registrados pelo custo de aquisição e amortizados pelo método linear, com base na vida útil estimada e segundo parâmetros e taxas estabelecidos pela legislação tributária à taxa de 0% a.a. f) Passivos circulantes e não circulantes: Demais passivos circulantes e não circulantes: são demonstrados pelos valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos, variações monetárias e/ou cambiais incorridas até a data dos balanços; Provisões: uma provisão é reconhecida no balanço quando a Instituição possui uma obrigação legal, ou constituída, como resultado de um evento passado onde é provável que um recurso econômico seja requerido para saldar a obrigação e os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. As provisões são registradas tendo como base as melhores estimativas do risco envolvido. g) Provisão para Imposto de Renda e Contribuição Social: A provisão para Imposto de Renda é constituída à alíquota-base de 15% do lucro tributável, acrescida de adicional de 10%. A Contribuição Social Sobre o Lucro é calculada considerando a alíquota de 15%. A Medida Provisória nº 675, de 1 de maio de 015 ( MP ), elevou a alíquota da Contribuição Social para 0% com vigência a partir de 1º de setembro de 015. A MP ainda não foi convertida em Lei, estando pendente de apreciação e aprovação pelo Congresso Nacional. Considerando ainda a existência de varias emendas complementares ao projeto de conversão em Lei reduzindo ou elevando a alíquota a patamares diferentes do proposto pelo Executivo, não foi reconhecido qualquer efeito pela referida elevação da alíquota sobre créditos tributários em 30 de junho de 015. h) Ativos e passivos contigente e obrigações legais: As contingências ativas e passivas e obrigações legais, fiscais e previdenciárias são avaliadas, reconhecidas e demonstradas de acordo com os critérios definidos na Resolução nº 3.83/09 do CMN. Os passivos contingentes são reconhecidos quando, baseado na opinião de assessores jurídicos, for considerado provável o risco de perda de uma ação judicial ou administrativa, gerando uma provável saída de recursos para a liquidação das obrigações e quando os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. As obrigações legais, fiscais e previdenciárias são demandas judiciais onde estão sendo contestadas a legalidade e a constitucionalidade de alguns tributos (impostos e contribuições). Estão reconhecidos e provisionados, independentemente, da avaliação das chances de êxito no curso do processo judicial. Os ativos contingentes são reconhecidos quando a Administração possui total controle da situação ou quando há garantias reais ou decisões judiciais favoráveis, sobre as quais não cabem mais recursos. i) Caixa e equivalentes de caixa: Caixa e equivalentes de caixa são representados por disponibilidades em moeda nacional, aplicações em mercado aberto, aplicações em renda fixa e operações compromissadas, cujo vencimento das operações na data de efetiva aplicação seja igual ou inferior a 90 dias e apresentem risco insignificante de mudança de valor justo e que são utilizados pela Corretora para gerenciamento de seus compromissos de curto prazo: Disponibilidades Caixa 4 4 Depósitos bancários Disponibilidades em moeda estrangeira Aplicações interfinanceiras de liquidez Letras Financeiras do Tesouro 748 Letras do Tesouro Nacional caixa e equivalente de caixa Aplicações interfinanceiras de liquidez - compromissadas Letras Financeiras do Tesouro 748 Letras do Tesouro Nacional As operações compromissadas referem-se a financiamentos concedidos no mercado financeiro, mediante lastro com títulos de renda fixa, são registrados como revendas a liquidar, posição bancada, e pelo seu valor de liquidação, retificado pelo valor das rendas a apropriar. 5. Títulos e valores mobiliários: a) Em 30 de junho de 015 e 014, os títulos e valores mobiliários classificados como Títulos para negociação e Títulos disponíveis para venda, estão comparados entre o valor de custo e o valor de mercado, e a classificação por vencimentos estava assim representado: saldo restante em 03 de fevereiro de 015 no montante de R$ 8.91 mil, que é composto conforme abaixo: 015 Saldo a pagar Remissão/ Desconto (95.146) IRPJ/CSLL Incorporação das Bolsas (*) (15.943) Crédito Tributário Ativo Fiscal Diferido (7.0) pago em 03/0/015 (8.91) d) Outras despesas administrativas Despesas de energia e gás (57) (47) Despesas de aluguel (334) (76) Despesas de honorários (765) Despesas de comunicação (1) (173) Despesas de manutenção e conservação (115) (99) Despesas de material (1) (15) Despesas de processamento de dados (.367) (.68) Despesas de promoções e relações públicas (3) (37) Despesas de propaganda e publicidade (6) (74) Despesas de seguros (5) (5) Despesas do sistema financeiro (177) (149) Despesas de serviços de terceiros e vigilância (30) (9) Despesas de serviços técnicos especializados (6.053) (7.73) Despesas de transporte (47) (35) Despesas de viagens no país (71) (16) Outras depesas administrativas (44) (349) Despesas de amortização e depreciação (187) (09) (9.949) (10.97) e) Outras receitas operacionais Recuperação de encargos e despesas Juros sobre depósitos judiciais 5.95 Rendas BTC 811 Outras Imposto de Renda e Contribuição Social: O cálculo do imposto de renda e da contribuição social está assim representado: Apuração de IR/CS IRPJ CSLL IRPJ CSLL Resultado antes da tributação sobre o lucro (1.706) (1.706) (.001) (.001) Adições/(exclusões): Despesas não dedutíveis IRPJ/CSLL Incorporação das Bolsas (ver NE 17.c) Despesas de marcação ao mercado Atualização de passivos fiscais contingentes Provisão para devedores duvidosos Provisão de passivos contingentes cíveis Ressarcimento ref. Sinistro - Porto Seguro (1.17) (1.17) Receitas de marcação ao mercado (5) (5) (1) (1) Atualização de depósitos judiciais (5.95) (5.95) (Reversão) provisão para devedores duvidosos (18) (18) (83) (83) (Reversão) provisão de perdas (50) (50) Lucro real (6.675) (6.675) (.307) (.307) Encargos de 15% IR/ CS + Adicional de 10% de IR (-) Incentivos Fiscais (PAT) Ativo Fiscal Diferido (a) (a) No semestre encerrado em 30 de junho de 015 a Corretora utilizou prejuízos fiscais e base negativa da contribuição social para liquidar as contingências com a Receita Federal do Brasil no montante de R$ , conforme abaixo demonstrado: IRPJ CSLL Prejuízo Fiscal utilizado Encargos de 5% IR Encargos de 15% CS.633 Crédito Tributário Ativo Fiscal Diferido Em 30 de junho de 015 a Corretora apresentava prejuízos fiscais e base negativa da contribuição social no montante de R$ (R$ em 014). 19. Gerenciamento de risco: Estrutura de gerenciamento de risco: A avaliação dos riscos é fundamental para a tomada de decisão na Instituição. Por isso, a Instituição conta com uma estrutura de Gerenciamento de Riscos, que é constituída de acordo com a natureza e o grau de complexidade dos negócios e atividades desenvolvidas Estrutura de gerenciamento de riscos operacionais: A Instituição tem aperfeiçoado continuamente seus sistemas tecnológicos voltados ao controle e prevenção de riscos, visando reduzir possíveis perdas, por meio do acompanhamento constante de suas operações. Os riscos inerentes à atividade são analisados e administrados diretamente pela diretoria acompanhando o controle dos fatores de exposição a riscos de mercado, crédito e institucionais Estrutura de gerenciamento de riscos de mercado: Risco de mercado: é definido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação dos valores de mercado de posições detidas pela instituição. A Instituição possui políticas e estratégias para o gerenciamento do risco de mercado baseadas nas diretrizes do Comitê de Basiléia, estando em conformidade com a Resolução CMN nº 3.464/007. O gerenciamento do risco de mercado consiste em um conjunto de instrumentos para a identificação, mensuração, a avaliação, o monitoramento e o controle do risco, com uma clara definição de responsabilidades, níveis de alçada e de reporte Estrutura de gerenciamento de risco de liquidez: Risco de liquidez pode ser entendido como a possível incapacidade da instituição honrar suas obrigações, causada pela ocorrência de desequilíbrios entre a entrada e saída de recursos no fluxo de caixa. A Instituição gerência o risco de liquidez através do permanente monitoramento do fluxo de caixa esperado, definição de níveis mínimos de liquidez, de um plano de contingência, da delegação de responsabilidades, de níveis de alçada e de reporte. Este gerenciamento é baseado nas diretrizes do Comitê de Basiléia, estando em conformidade com a Resolução CMN nº.804/ Estrutura de gerenciamento de risco de crédito: Conforme a Resolução CMN nº 3.71/009, a Instituição considera risco de crédito a possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas obrigações financeiras nos termos pactuados, à desvalorização de contrato de crédito decorrente da deterioração na classificação de risco do tomador, à redução de ganhos ou remunerações, às vantagens concedidas na renegociação e aos custos de recuperação. Na instituição, o gerenciamento do risco de crédito consiste na avaliação e no monitoramento de forma contínua da qualidade das operações de crédito, objetivando manter as exposições em níveis considerados aceitáveis pela Alta Administração. 0. Limites operacionais (Acordo de Basileia): Em 30 de junho de 015, a Instituição encontra-se enquadrada nos limites de capital e patrimônio compatível com o risco da estrutura dos ativos, conforme normas e instruções estabelecidas pela Resolução nº.099/94 e legislação complementar. O índice de Basileia da Instituição em 30 de junho de 015 é de 11,57% (3,75% em 014). 1. Outras informações: A Corretora administra Fundos de Investimento, conforme composto abaixo: Patrimônio líquido Patrimônio líquido Administrado Administrado Denominação Clubes de investimento Fundos de Ações Soc. Fundos Carteiras Inv. Capital Estrangeiro Fundos de investimento financeiro Fundos de aplicações em quotas de renda fixa Outras Obrigações - Diversas Curto prazo Provisão trabalhista Provisões administrativas (a) Credores diversos País Longo prazo Provisões administrativas (a) Provisão para passivos contingentes (b) a) As provisões administrativas são as obrigações contraídas junto aos fornecedores de serviços, inclusive os de agentes autônomos de investimentos, os fornecedores de materiais e outros fornecedores; b) Os processos judiciais em curso foram objeto de constituição da provisão para contingências (ver Nota Explicativa nº 15 contingências). 14.Patrimônio Líquido: a) Capital Social: O capital social é de R$ , divididos em cotas, totalmente integralizadas por quotistas domiciliados no País. b) Prejuízos acumulados: No semestre encerrado em 30 de junho de 015 houve rateios de prejuízos pelos cotistas no montante de R$ Contingências: Os processos judiciais em curso, cuja expectativa de perda foi considerada provável pelos assessores jurídicos, foram objeto de constituição da provisão para contingências, sendo a composição de seu saldo a seguir: Natureza IRPJ CSLL Finsocial Pis Outros A movimentação da provisão está demonstrada a seguir: Saldo em 30 de junho de Adições 09 Baixas - Atualizações monetárias 1.03 Saldo em 30 de junho de Natureza das contingências: A Corretora é parte envolvida em processos cíveis, tributários e outros em andamento, e está discutindo essas questões tanto na esfera administrativa como na judicial, as quais, quando aplicáveis, são amparadas por depósitos judiciais. As provisões para as eventuais perdas decorrentes desses processos são estimadas e atualizadas pela administração, amparada pela opinião de seus consultores legais externos. A natureza das obrigações pode ser sumariada como segue: Tributárias: a Corretora, através de seus assessores jurídicos, está questionando judicialmente a exigência tributária entendida pela Receita Federal do Brasil, manifestada através da solução da Consulta nº 10/07 de 6 de outubro de 007, pela tributação da atualização dos títulos patrimoniais da Bovespa e BM&F desde sua aquisição até a conversão em ações no processo de desmutualização daquelas bolsas ocorrido no segundo semestre de 007. Porém, foi reconhecido o passivo contingente, registrando o valor calculado na rubrica contábil Outros passivos, CSLL e IRPJ. O valor calculado monta R$ , e de acordo com os assessores jurídicos esse passivo contingente foi considerado como de possível êxito, todavia, por ser de entendimento da Receita federal do Brasil uma obrigação legal, a Administração reconhece está obrigação tributária. Ações cíveis: no Processo: nº , a Autora movida por FUNDIAGUA Fundação de Previdência da Companhia de Saneamento do Distrito Federal, pretende a condenação das Rés Solidárias SLW CVC LTDA e Oliveira Trust a lhe indenizar os prejuízos alegadamente decorrentes da não-constituição de algumas garantias previstas na escritura de emissão de debêntures da CELPAR ou, em outras palavras, o reconhecimento de sua responsabilidade civil subjetiva por conta de tais prejuízos. Nesse contexto, vale lembrar que um dos dispositivos legais em que se fundamenta o pleito autoral é justamente o art. 68, 4º, da Lei nº 6.404/76, segundo o qual o agente fiduciário responde perante os debenturistas pelos prejuízos que lhes causar por culpa ou dolo no exercício de suas funções. Com efeito, havendo outras garantias cujo valor é mais do que suficiente ao pagamento do crédito da Autora e inexistindo questionamentos quanto à solvência da CELPAR e dos colégios FRANCO e CEL, não há que se falar em prejuízo e nexo de causalidade, caracterizando-se, assim, fato impeditivo do pretenso direito autoral, o valor calculado corrigido é de R$ Perdas possíveis, não provisionadas no balanço: A Corretora é parte em ações de naturezas tributária e cível, envolvendo riscos de perda classificados pela Administração como possíveis, com base na avaliação de seus consultores jurídicos, para as quais não há provisão constituída, conforme composição e estimativa a seguir: Tributárias IRPJ, CSLL e IR Fonte Cíveis Perdas e danos Trabalhistas Reclamação trabalhista Partes relacionadas: A Corretora possui transações com outras partes relacionadas não tendo cobertura de seguro e quaisquer garantias dadas ou recebidas, conforme a seguir: Outras obrigações Ativo/ Ativo/ (passivo) (passivo) Negociação e intermediação de valores Devedores/credores- conta de liquidação pendentes Diretores e acionistas (a) () (41) (a)as operações foram realizadas com base em taxas, prazos e valores usualmente praticados no mercado na data das operações, considerando-se a ausência de risco. Remuneração do pessoal-chave da Administração: A remuneração total do pessoal-chave da Administração para o semestre encerrado em 30 de junho de 015 foi de R$ 513 (R$ 765 em 014), a qual é considerada benefício de curto prazo. 17. Demonstração do resultado: a) Receitas de prestação de serviços Assessoria técnica Administração de fundos e sociedade de investimento Comissões de colocação de títulos Corretagem de câmbio Corretagem de operações em bolsa Serviços de custódia Outros serviços b)despesas de pessoal Despesas de honorários (513) (765) Despesas de benefícios (661) (646) Despesas de encargos sociais (1.031) (1.040) Despesas de proventos (3.873) (3.46) Despesas de treinamentos (7) (18) Despesas de remuneração de estagiários (6) (6) (6.091) (5.71) c) Despesas tributárias IRPJ/CSLL Incorporação de Bolsas (a) (15.943) Despesas de ISS (360) (55) Despesas de COFINS (44) (635) Despesas de PIS (69) (103) Juros sobre depósitos judiciais (5.96) Outras despesas tributárias (131) (94) (16.97) (7.319) (a) Adesão à anistia prevista na Lei n /15: Em 0 de janeiro de 015, foi publicada a Lei n /15 que converteu a Medida Provisória n 656/14 na qual foi introduzido uma relevante modificação que impacta na ação de impugnação da Corretora perante o ganho incorrido no evento de venda das ações provenientes do processo do processo da BM&F S.A. e Bovespa Holding S.A. Dentro deste novo contexto, considerando os substanciais benefícios incluídos nesta nova Lei, a Administração da Corretora decidiu optar pelo cancelamento da referida ação de impugnação e reconhecer a obrigação tributária de imposto de renda e contribuição social sobre o lucro líquido relativamente ao obtido no evento em questão. Com isso, a Corretora obteve um desconto de R$ sobre o total atualizado dos tributos devidos e efetuou a liquidação financeira do Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido - (Valores em R$ mil) Período de 01/01/15 a 30/06/15 Capital Ajustes de Avaliação Lucros ou Prejuízos Eventos Realizado Patrimonial Acumulados Saldos no Início do Período em 01/01/ (196) (30.63) Rateio de prejuízos Ajustes ao valor de mercado - TVM e Derivativos (6) (6) Lucro líquido (prejuízo) do período (14.683) (14.683) Saldos no Fim do Período em 30/06/ (0) (36.495) Mutações do Período: (6) (5.863) (5.869) Período de 01/01/14 a 30/06/14 Saldos no Início do Período em 01/01/ (04) (7.951) Ajustes ao valor de mercado - TVM e Derivativos (9) (9) Lucro líquido (prejuízo) do período (.001) (.001) Saldos no Fim do Período em 30/06/ (13) (9.95) Mutações do Período: (9) (.001) (.010) Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e a adequada apresentação das demonstrações contábeis da Corretora para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia dos controles internos da Corretora. Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião: Em nossa opinião, as demonstrações contábeis referidas acima apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da SLW Corretora de Valores e Câmbio Ltda. em 30 de junho de 015, o Aos Administradores e Cotistas da SLW Corretora de Valores e Câmbio Ltda. São Paulo - SP. Examinamos as demonstrações contábeis da SLW Corretora de Valores e Câmbio Ltda. ( Corretora ), que compreendem o balanço patrimonial em 30 de junho de 015 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o semestre findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração sobre as demonstrações contábeis: A Administração da Corretora é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes: Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o semestre findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. São Paulo, 8 de agosto de 015. BDO RCS Auditores Independentes SS CRC SP /O-1 Pedro Sylvio Weil - Diretor Reinaldo Dantas - Contador CRC 1 SP /O-6 Alfredo Ferreira Marques Filho Contador CRC 1 SP /O-3 Ismael Nicomédio dos Santos Contadora CRC 1 SP 63668/O-4

18 Página 18 São Paulo, sábado a segunda-feira, 9 a 31 de agosto de 015 Economia em recessão influencia resultados das contas públicas Os resultados das contas públicas estão fortemente influenciados neste ano pela economia em recessão, segundo informações do chefe adjunto do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Fernando Rocha De acordo com o BC, o setor público consolidado governos federal, estaduais e municipais e empresas estatais registrou déficit primário de R$ 10,019 bilhões em julho,o pior resultado para o mês na série histórica iniciada em dezembro de 001. Nos sete meses do ano, o setor público apresentou superávit primário de R$ 6,05 bilhões, o menor resultado para o período. Esse resultado de uma economia fraca e em recessão se traduz em uma menor arrecadação, disse Rocha. Em 1 meses encerrados em julho, o setor público registrou déficit primário de R$ 50,996 bilhões, o que corresponde a 0,89% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no paí). O superávit primário, economia de recursos para pagar os juros da dívida pública, ajuda a conter o endividamento do governo no Divulgação médio e longo prazos. As dificuldades em cortar gastos e em aumentar as receitas fizeram a equipe econômica reduzir para R$ R$ 8,747 bilhões (0,15% do PIB) a meta de superávit primário (economia para pagar os juros da dívida pública) para 015. Desse total, 0,10% R$ 5,8 bilhões correspondem ao Governo Central. A meta anterior do setor público era R$ 66,3 bilhões ou 1,1% do PIB. Segundo Rocha, estados e municípios devem contribuir menos com o resultado fiscal neste segundo semestre. Em termos de resultados fiscais, há uma sazonalidade e os resultados tendem a ser mais favoráveis na primeira metade do ano e menores na segunda metade, por concentração de despesas, afirmou. De janeiro a julho, estados e municípios registraram superávit primário de R$ 16,16 bilhões, contra R$ 11,457 bilhões em igual período do ano passado. Os dados do BC também mostram que, em julho, os gastos com juros chegaram ao maior resultado para o período, alcançando R$ 6,753 bilhões, e acumulando R$ 88,63 bilhões nos sete meses do ano. Esse resultado foi influenciado pelas perdas do BC com operações de swap cambial (equivalentes à venda de dólares no mercado futuro). As perdas chegaram a R$ 3,9 bilhões no mês passado. No ano, elas atingiram R$ 57 bilhões. Nos meses em que o dólar sobe, o BC tem prejuízo com as operações de swap. Quando a cotação cai, o órgão tem lucro. Os resultados são transferidos para os juros da dívida pública. O swap cambial é uma ferramenta que permite ao Banco Central intervir no câmbio sem comprometer as reservas internacionais. O BC vende contratos de troca de rendimento no mercado futuro. Apesar de negociadas em reais, as operações são atreladas à variação do dólar. Nos sete meses do ano, o setor público apresentou superávit primário de R$ 6,05 bilhões, o menor resultado para o período. No swap cambial, a autoridade monetária aposta que o dólar subirá mais que a taxa DI (taxa de depósito interbancário, ou seja, a cobrada em transações entre bancos). Os investidores apostam o contrário. No fim dos contratos, ocorre uma troca de rendimentos (swap) entre as duas partes. Quando o dólar sobe, o BC tem prejuízo proporcional ao número de contratos em vigor. Quando a cotação cai, os investidores deixam de lucrar. Em julho, a dívida líquida do setor público chegou a R$ 1,950 trilhão, o que corresponde a 34,% do PIB. Em relação a junho, a dívida em proporção do PIB caiu 0,4 ponto percentual. A dívida bruta chegou a R$ 3,685 trilhões ou 64,6% do PIB, aumento de 1,4 ponto percentual em relação a junho. Para agosto, o BC projeta que a dívida líquida cai para 33,6% do PIB. A projeção para a dívida bruta é 64,9% do PIB. Essa redução na dívida líquida ocorre por causa da alta do dólar. Isso porque, na dívida líquida, são considerados ativos e passivos externos. Com a valorização da moeda norte-americana, os ativos em moeda estrangeira, principalmente as reservas internacionais, aumentam de valor na conversão em reais, resultando numa dívida líquida menor. No caso da dívida bruta, são considerados apenas os passivos. Segundo Fernando Rocha, as projeções do mercado financeiro indicam que a dívida bruta deve crescer este ano, manter a trajetória de elevação em 016 e apresentar estabilidade em 017. A estabilização do endividamento depende de um conjunto de fatores, principalmente da atividade econômica e dos resultados fiscais. Considerando este ano com o resultado negativo do PIB e a meta, certamente a dívida bruta apresentará um crescimento em 015 em relação a 014, concluiu (ABr). Adolescência: como adentrar nesse universo A adolescência é um período de mudanças significativas na vida das crianças, pois implica em transformações físicas, cognitivas e sociais, as quais, muitas vezes, não são compreendidas e até entendidas como desrespeito por parte dos adultos Na sociedade da competitividade, da globalização e da informação, a família e a escola assumem papel de relevância no contexto infantil. A família, por ser a primeira instituição social da criança. É necessário, portanto, que as ações familiares estejam alinhadas à justiça e à ética, visto que a criança segue o exemplo dos pais. Já a escola também tem papel preponderante na formação, pois é no espaço e tempo escolar que os sujeitos são formados, cultural, política e socialmente. Na escola eles passam grande parte da vida, formam amizades, criam vínculos e vivem a adolescência. Por meio do currículo, ou seja, do processo ensino-aprendizagem e dos projetos educacionais se constroem a identidade, a autonomia e a formação dos cidadãos para se tornarem sujeitos reflexivos e atuantes na sociedade. Desta forma, os profissionais que atuam nas instituições educacionais precisam ser coerentes, de forma a contribuir nessa etapa e não apenas criticar esses jovens. Assim, é condição sine qua nom a escola e família atuarem como mola propulsora na transição de criança para adolescência, de forma que as dificuldades e os desafios possam ser minimizados. Ambas as instituições precisam conhecer as dificuldades e Aldivina Américo de Lima (*) os mistérios relacionados à adolescência, com menos cobrança e mais flexibilidades. Os integrantes da família - pai, mãe, avôs e tios - e da escola - diretores, coordenadores, professores e educadores de forma geral - são responsáveis por direcionar e alinhar as indagações e as dúvidas dos adolescentes que se sentem perdidos numa fase em que tudo parece ser difícil e até impossível. Como, então, descortinar este mundo desconhecido e mostrar, de forma coerente, o melhor caminho? A adolescência pode se tornar menos complexa se ouvirmos os adolescentes, e por meio do diálogo, permitirmos que eles analisem, reflitam e busquem soluções para seus problemas. O diálogo e a reflexão devem permear a vivência familiar. As decisões relacionadas ao adolescente não devem ser tomadas de cima para baixo, mas definidas em conjunto, pois os sujeitos contemporâneos não aceitam, de forma simples, quaisquer decisões. Estes jovens querem e precisam sentir-se participativos nas decisões da própria vida. O universo dos adolescentes somente será perceptível aos adultos, se estes agirem com sensibilidade, cuidado e atenção. Assim, família e escola precisam priorizar e dedicar tempo ao diálogo com os adolescentes. Neste universo, educar aponta para o desconhecido, para a emergência. Finalizando, Paulo Freire (004) define a prática educativa, que deve contemplar afetividade, alegria, capacidade científica e domínio técnico a serviço da mudança ou, lamentavelmente, da permanência do hoje. (*) - É Diretora Educacional do Colégio Marista de Goiânia, da Rede de Colégios do Grupo Marista e Mestre em educação pela Universidade Estadual de Maringá. NUMATUR CORRETORA DE CÂMBIO LTDA. CNPJ/MF nº / BALANÇOS PATRIMONIAIS ENCERRADOS EM (Valores em R$ Mil) ATIVO 30/06/15 30/06/14 CIRCULANTE Disponibilidades TVM e Instrum. Financ. Derivativos (90 dias) Carteira própria TVM e Instrum. Financ. Derivativos Carteira própria Outros Créditos 18 4 Diversos 18 4 NÃO CIRCULANTE Realizável a Longo Prazo TVM e Instrum. Financ. Derivativos Carteira própria Imobilizado de Uso 18 6 Outras imobilizações de uso 1 6 (Depreciações acumuladas) (3) - TOTAL DO ATIVO DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Período de 01/01/15 a 30/06/15 Capital Reserv. Luc/Prej. Eventos. Realiz. Espec/luc. Acum. Saldos Início Per. em 01/01/ Lucro líq. (prejuízo) do período Saldos no fim Período 30/06/ Mutações do Período: Período de 01/01/14 a 30/06/14 Saldos Início Per. em 01/01/ Lucro líq. (prejuízo) do período Saldos no fim Período 30/06/ Mutações do Período: NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 015 E014 (R$ Mil) 1. Contexto Operacional. A Numatur Corretora de Câmbio Ltda. foi constituída em 0 de maio de 013, e tem por objeto social a prática de operações no mercado de câmbio, tendo iniciado suas atividades em 4 de junho de Apresentação das Demonstrações Contábeis. As demonstrações contábeis são de responsabilidade da Administração e foram elaboradas a partir das práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária, associadas às normas e instruções do BACEN, consubstanciadas no Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional (COSIF) e do Comitê de Procedimentos Contábeis (CPC), quando aplicável. A autorização para conclusão destas demonstrações financeiras e sua divulgação a terceiros, foi dada pela Diretoria da Corretora em 31 de julho de Plano de Negócios. Em atendimento a Circular nº de 8 de novembro de 00, a Diretoria da Instituição comunica que as operações conduzidas pela Corretora estão em linha com o plano de negócios aprovado pelo BCB - Banco Central do Brasil. 4. Resumo das Principais Práticas Contábeis. a) Apuração de resultado. As receitas e despesas são reconhecidas pelo regime de competência. Os rendimentos e as despesas de natureza financeira são calculados com base no método exponencial, observando-se o critério "pro rata" dia. b) Estimativas contábeis. Na preparação das demonstrações, foram utilizadas estimativas contábeis que se basearam em fatores objetivos e subjetivos e levaram em consideração o julgamento da Administração para determinação do valor adequado a ser registrado nas demonstrações. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores divergentes devido a subjetividade inerentes ao processo de sua determinação. A Corretora revisa as estimativas e premissas pelo menos semestralmente. c) Demais ativos circulantes e realizáveis a longo prazo. São apresentados pelo valor de realização, incluindo quando aplicável, as variações monetárias, bem como os rendimentos auferidos até a data do balanço. d) Títulos e Valores Mobiliários e Instrumentos Financeiros Derivativos. Os títulos e valores mobiliários são classificados nas categorias de acordo com a intenção da Administração: em negociação, disponíveis para venda e mantidos até o vencimento. Em 30 de junho de 015 e 014, os títulos possuídos pela Entidade, estão classificados como "Disponíveis para Venda". Os ajustes ao valor de mercado dos títulos classificados na categoria "disponíveis para venda" são contabilizados em contrapartida à conta destacada do patrimônio líquido, deduzido dos efeitos tributários e na venda definitiva dos títulos, estes ajustes são transferidos para as respectivas contas de resultado do período. e) Passivos circulantes e exigíveis a longo prazo. Demais passivos circulantes e JOSÉ AUGUSTO GOMES DE FREITAS - Diretor RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Quotistas e Diretores da Numatur Corretora de Cambio Ltda. São Paulo, SP. Examinamos as demonstrações contábeis da Numatur Corretora de Cambio Ltda., que compreendem o balanço patrimonial em 30 de junho de 015 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o semestre findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração pelas Demonstrações Contábeis. A Administração da Corretora é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis as instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorções relevantes, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos Auditores Independentes. Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida PASSIVO 30/06/15 30/06/14 CIRCULANTE Outras Obrigações Fiscais e previdenciárias Diversas 17 7 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital: De Domiciliados no país Reservas de lucros Lucros acumulados TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA PELO MÉTODO INDIRETO Fluxos de caixa das atividades operacionais 30/06/15 30/06/14 Lucro líquido (prejuízo) do semestre/exercício Depreciações e amortizações - Provisão de impostos no resultado Variação de Ativos e Obrigações (340) (1.19) (Aum.) redução em TVM instrum. derivat. (acima) (77) (1.057) (Aumento) redução de outros créditos (17) 3 Aumento (redução) em outras obrigações (46) (75) Caixa líquido proven. das ativ. operacionais (30) (79) Fluxos de caixa das ativid. de investimento Inversões em: Imobilizado de uso - (10) Caixa líquido usado nas ativ. de investimento - (10) Aumento líquido de caixa e equival. de caixa (30) (80) Caixa e equivalentes de caixa no início do per Caixa e equivalentes de caixa no fim do período exigíveis a longo prazo - São demonstrados pelos valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos, variações monetárias e/ou cambiais incorridas até a data dos balanços. f) Provisão para imposto de renda e contribuição social. A provisão para o imposto de renda é constituída com base no lucro tributável, a alíquota básica de 15%, acrescida de adicional de 10% sobre os lucros que excederem R$ 40 no ano. A provisão para contribuição social é calculada à alíquota de 15%, após efetuados os ajustes determinados pela legislação fiscal. g) Caixa e Equivalentes de Caixa. Caixa e equivalentes de caixa são representados por disponibilidades em moeda nacional e estrangeiras, cujo vencimento das operações na data de efetiva aplicação seja igual ou inferior a 90 dias e apresentam risco insignificante de mudança de valor justo, que são utilizados pela Corretora para gerenciamento de seus compromissos de curto prazo. Disponibilidades Caixa Depósitos Bancários Disponibilidades em moedas estangeiras Títulos e valores mobiliários Cota de Fundo Referenciado Caixa e Equivalentes de Caixa Títulos e Valores Mobiliários e Instrumentos Financeiros Derivativos. a) Em 30/06/015 e 014, os títulos e valores mobiliários classificados como disponíveis para venda, estão comparados entre o valor de custo e o valor de mercado, e a classificação por vencimentos estava assim representado: 30/06/015. Sem Até 3 meses Acima vencim. 3 meses a 1 ano de 1 ano Mercado Custo Carteira Própria Certificado de Depósito Bancário Cotas de Fundos de Investimento /06/014. Sem Até 3 meses Acima REINALDO DANTAS - Contador CRC-1SP /O-6 de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante das demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da Corretora para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Entidade. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 30/06/15 30/06/14 Receitas de Intermediação Financeira Resultado de operações com TVM Resultado de operações de câmbio Resultado Bruto da Intermediação Financeira Outras Receitas/Despesas Operacionais (53) (189) Receitas de prestação de serviços Despesas de pessoal (100) (57) Outras despesas administrativas (155) (13) Despesas tributárias (31) (7) Resultado Operacional Resultado Antes da Tributação sobre o Lucro e Participações Imposto de Renda e Contribuição social (113) (13) Provisão para imposto de renda (66) (7) Provisão para contribuição social (47) (51) Lucro líquido (Prejuízo) do Período Nº de cotas...: Lucro/(Prejuízo) por mil cota...r$ 130,9 14,78 vencim. 3 meses a 1 ano de 1 ano Mercado Custo Carteira Própria Certificado de Depósito Bancário Cotas de Fundos de Investimento b) Em 30 de junho de 015 e 014, a Corretora não possuía operações próprias de instrumentos financeiros derivativos. 6. Composição de saldos relevantes. Passivo Circulante Outras obrigações Fiscais e previdenciárias Provisão p/impostos e contrib. s/lucros Impostos e contribuições a recolher Diversas 17 7 Provisão p/pagtos. a efetuar Patrimônio Líquido. a) Capital Social. O capital social é de R$ 1.500, dividido em quotas, totalmente integralizado na data do balanço por cotistas domiciliados no país. b) Reservas de Lucros. As reservas de lucros são destinadas no encerramento do exercício social. 8. Juros sobre Capital Próprio. Nos semestres encerrados em 30 de junho de 015 e 014 não foram pagos juros sobre capital próprio, conforme faculta o artigo 9º da Lei nº 9.49/ Prevenção à Lavagem de Dinheiro. Em cumprimento à legislação específica e às melhores práticas para sua gestão eficiente, são feitas revisões periódicas e extraordinárias em todos os setores, em especial, no Cadastro; esses procedimentos e medidas ocorrem em consonância uníssona com a gestão de riscos e controles internos. 10. Transações com Partes Relacionadas. Remuneração do pessoal chave da administração. A remuneração total do pessoal chave da administração para o semestre encerrado em 30 de junho de 015 foi de R$ 1 (R$ em 014), a qual é considerada benefício de curto prazo. 11. Contingencias. As declarações de renda dos últimos cinco exercícios estão sujeitas à revisão e aprovação pelas autoridades fiscais. Outros impostos e contribuições permanecem sujeitos à revisão e aprovação pelos órgãos competentes por períodos variáveis de tempo. 1. Gerenciamento da Estrutura de Capital. Visando o atendimento à Resolução de 30/06/011 do Banco Central do Brasil, a instituição, adotou uma política de gerenciamento de capital que constitui um conjunto de princípios, procedimentos e instrumentos que asseguram a adequação de capital da instituição de forma tempestiva, abrangente e compatível com os riscos incorridos pela instituição de acordo com a natureza e complexidade dos produtos e serviços oferecidos a seus clientes. 13. Risco Operacional. Foram desenvolvidas ações visando à implementação da estrutura de gerenciamento de risco operacional, em conformidade com a Resolução CMN 3.380, que alcançam o modelo de gestão, o conceito, as categorias e política de risco operacional, os procedimentos de documentação e armazenamento de informações, os relatórios de gerenciamento do risco operacional e o processo de divulgação das informações. 14. Risco de Mercado. O gerenciamento de risco de mercado é efetuado de forma centralizada, por área administrativa que mantém independência com relação à mesa de operações. A Instituição encontra-se apta a atender as exigências da resolução CMN 3.464/07 que trata da estrutura de gerenciamento do risco de mercado, nos prazos estabelecidos. 15. Ouvidoria. O componente organizacional encontra-se em funcionamento e sua estrutura atende às disposições estabelecidas por meio da Resolução CMN 3.849, de 5 de março de Outras Informações. - Medida provisória 675/ 015: Em 1 de maio de 015, foi publicada a Medida Provisória 675/015, que alterou a alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Liquido (CSLL) das Instituições Financeiras de 15% para 0%, com eficácia a partir de 01 de setembro de 015. A conversão em Lei dessa Medida Provisória está pendente de aprovação pelo Congresso Nacional. A MP ainda não foi convertida em Lei, estando pendente de apreciação e aprovação pelo Congresso Nacional. Considerando ainda a existência de varias emendas complementares ao projeto de conversão em Lei reduzindo ou elevando a alíquota a patamares diferentes do proposto pelo Executivo, não foi reconhecido qualquer efeito pela referida elevação da alíquota sobre créditos tributários em 30 de junho de 015. é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião sem ressalva. Opinião sem Ressalva. Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas quando lidas em conjunto com as notas explicativas que as acompanham, representam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Numatur Corretora de Cambio Ltda., em 30 de junho de 015, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o semestre findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis as instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Outros Assuntos. Auditoria dos Valores Correspondentes ao Semestre Anterior. Os valores correspondentes ao semestre findo em 30 de junho de 014 apresentados para fins de comparação foram examinados por outros auditores independentes, que emitiram relatório datado de 11 de agosto de 014, sem modificação. São Paulo, 7 de agosto de 015. PBR - AUDITORES INDEPENDENTES - CRC SP /O-7 Rafael Pereira da Silva - Contador CRC 1 SP /O- Flávio Vellani da Silva - Contador CRC 1 SP /O- Investimento em segurança da informação ainda é baixo Um levantamento feito com empresas de contabilidade no Estado de São Paulo revela que, mesmo cientes do valor dos dados corporativos, em 40% dos casos, o investimento em segurança da informação ainda é pequeno. Para 10% das empresas consultadas, a falta de padrões e normas mais adequadas já causou prejuízos ou perda de dados próprios ou de clientes. Segundo a pesquisa, mesmo com a baixa adesão à padrões mais seguros, o empresário está mais consciente e disposto a investir para evitar prejuízos futuros. A constatação é do Sescon- SP, cujo setor está diretamente ligado ao maior patrimônio de uma organização nos dias de hoje: a informação. De acordo com o levantamento feito com cerca de 300 empresas paulistas, apenas 1% delas seguem rígidas políticas de segurança e auditorias periódicas para garantir proteção dos dados de clientes. Empresas que participam ou têm interesse em programas para certificação representam 38% das entrevistadas. Confidencialidade, integridade e disponibilidade são os principais atributos do conceito de segurança da informação. E o nível de proteção corresponde ao valor dessa informação e aos prejuízos em decorrência do seu uso impróprio. Para Sérgio Approbato Machado Júnior, presidente do Sescon-SP, nos dias de hoje o zelo e a segurança com dados corporativos de uma organização fazem a diferença para o sucesso e, muitas vezes, para a sobrevivência dos negócios. Hoje, o conceito de segurança da informação segue padrões internacionais e normas técnicas universais. No caso de uma empresa contábil, as informações fazem parte do seu patrimônio e podem ser mais valiosas do que bens materiais.

Linha de crédito para capital

Linha de crédito para capital O governador Beto Richa autorizou a Fomento Paraná a disponibilizar uma linha de crédito para oferecer capital de giro para empresas paranaenses. A autorização foi dada na quarta-feira (26). A nova linha

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Informe Econômico N 3

Informe Econômico N 3 Conjuntura Econômica Gerente Legislativa: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiário: Tharlen

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Saúde no Brasil. Mudanças da regulamentação resultam em oportunidades de investimentos no setor de saúde no Brasil

Saúde no Brasil. Mudanças da regulamentação resultam em oportunidades de investimentos no setor de saúde no Brasil Saúde no Brasil Mudanças da regulamentação resultam em oportunidades de investimentos no setor de saúde no Brasil Veja o que os profissionais da área da saúde têm a dizer sobre isso 2015 kpmg.com/br Emenda

Leia mais

FRANQUIA HOME OFFICE

FRANQUIA HOME OFFICE FRANQUIA HOME OFFICE SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 18.09.2015

C L I P P I N G DATA: 18.09.2015 C L I P P I N G DATA: 18.09.2015 Setor de serviços cresceu 2,1% em julho, menor taxa da série para o mês Alta acumulada em 12 meses também é a menor da série histórica do IBGE. Rondônia teve maior alta,

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40.

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40. Vitória/ES, 23 de fevereiro de 2013. ORIENTAÇÕES PARA DECLARAÇÃO DO IRPF 2013 A partir do dia 1º março a Receita Federal começa a receber a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física.

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Considerações técnicas sobre a Conjuntura econômica e a Previdência Social 1 I - Governo se perde

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano Mais um plano CONJUNTURA ECONÔMICA A chave da agenda positiva tão perseguida pelo governo federal em tempos de crise política e volta da inflação parece ser a preservação dos empregos. Na última terça-feira

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO 1.1. O Prêmio Sebrae de Jornalismo (PSJ) é um concurso jornalístico instituído pelo Sebrae Nacional Serviço Brasileiro

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária

Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária 01. 000 Câmara dos Deputados 1.462.885 1.388.134 74.751 01. 901 Fundo Rotativo da Câmara dos Deputados 1.462.885 1.388.134

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

Governo já gastou R$ 408 bilhões só em juros este ano Só em setembro, foram R$ 70 bilhões em juros

Governo já gastou R$ 408 bilhões só em juros este ano Só em setembro, foram R$ 70 bilhões em juros BOLETIM 3 Brasília, 4 de novembro de 2015 Governo já gastou R$ 408 bilhões só em juros este ano Só em setembro, foram R$ 70 bilhões em juros Somente em setembro, o setor público gastou nada menos que R$

Leia mais

As perspectivas do mercado para os hospitais

As perspectivas do mercado para os hospitais As perspectivas do mercado para os hospitais Yussif Ali Mere Jr Presidente da Federação e do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (FEHOESP e SINDHOSP) 1. CONTEXTO 2.

Leia mais

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 2 CSB - Central dos Sindicatos Brasileiros CUT - Central Única dos Trabalhadores Força Sindical NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT - União

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais 37,6 milhões de benefícios regulares para os mais pobres Ao lado dos programas sociais que se destinam a toda a sociedade, o Governo Federal

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN - Treinar e capacitar os profissionais que cobram e atendem inadimplentes nas escolas; - Cadastrar os inadimplentes

Leia mais

1. As Propostas da UGT para a Reforma Fiscal (tanto do lado da despesa quando do lado da receita)

1. As Propostas da UGT para a Reforma Fiscal (tanto do lado da despesa quando do lado da receita) 1. As Propostas da UGT para a Reforma Fiscal (tanto do lado da despesa quando do lado da receita) CORTE DE DESPESA 1. Redução do Número de Ministérios, que hoje são 39 (os Estados Unidos possuem 15 ministérios

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo 2014 2 Índice Palavra do Presidente 4 Educação Superior no Brasil: crescimento forte e constante 5 Instituições de Ensino Superior 6 por Estado Presenciais

Leia mais

Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos

Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos Alimento adequado e seguro é direito da população, e o uso indiscriminado de agrotóxicos envenena o planeta. Alimentação saudável, contra o uso

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo

A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo FRANQUIA A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo A rede de franquia com maior volume de vendas nos EUA. (Real Trends 500 2011) Primeiro sistema de franquias imobiliárias da América do Norte

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA 2015 MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional José Roberto Bernasconi Diretor Executivo

Leia mais

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes.

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Essa iniciativa da CNTU, em conjunto com

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças

Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças Carlos Roberto Teixeira Diretor de Assuntos Jurídicos Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal A INJUSTA DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares Profissionais Portugueses no Brasil Empresas Familiares Tópicos Abordados As Gerações e o Mercado de Trabalho Empresas Familiares no Brasil Cenário Brasileiro e Estatísticas de Emprego no Brasil Características

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA. Como agilizar a tomada de decisão na sua empresa com resultados

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA. Como agilizar a tomada de decisão na sua empresa com resultados INTELIGÊNCIA COMPETITIVA Como agilizar a tomada de decisão na sua empresa com resultados 22/07/2014 Agenda A diferença entre as Inteligências Empresarial e Competitiva (de Mercado) O que não é Inteligência

Leia mais

GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO

GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO Dr. Erlanderson de O. Teixeira Planejamento Tributário Teses tributárias Gerenciamento de Passivos Parcelamento www.erlandeson.com.br GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO Carga Tributária Brasileira Porque pagar os

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

Fundos de Investimento - FIP Característica RSA

Fundos de Investimento - FIP Característica RSA Nome BB Referenciado DI Social 50 BB Multimercado Balanceado LP Jovem BB Ações ISE Jovem Nome Fundos de Investimento - RSA 50% da taxa de administração é repassado à Fundação Banco do Brasil 20% da taxa

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SEMANA DE 29 DE OUTUBRO A 1º DE NOVEMBRO Um dos destaques desta semana é a reportagem do UOL sobre o recuo de 1% na produção industrial brasileira, entre setembro

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados Fonte: Dr. Richard Dotoli (sócio do setor tributário na SCA Rio de Janeiro) MEDIDA DO CONFAZ Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados 01.05.2013 A ação requer que indústrias importadoras

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA DEZEMBRO/2010 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO I - MEDIDA PROVISÓRIA Nº 512, DE 2010...3 II EMENDAS PARLAMENTARES...4 III JUSTIFICATIVA DA MEDIDA PROVISÓRIA...6

Leia mais

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos Professor: Raphael Rocha Formado em Administração, especialista em Marketing, pela UFRJ, com MBA em Gestão de Negócios, Comércio e Operações

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

Recife (PE) Maio 2014

Recife (PE) Maio 2014 Recife (PE) Maio 2014 ASPECTOS CONSTITUCIONAIS Art. 170 A ordem econômica... tem por fim... existência digna, conforme os ditames da justiça social... observados os seguintes princípios:... VII - redução

Leia mais

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior Ministro Augusto Nardes TEMA 2: Geração de emprego e renda na economia nacional 1. Frente Parlamentar e a micro

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana #100 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Dólar sem freios Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana Festa no exterior Brasileiros continuam gastando cada vez mais fora

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

Educação Financeira na Infância. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Educação Financeira na Infância. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Educação Financeira na Infância 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: A sondagem teve por objetivo identificar informações relacionadas à educação financeira durante

Leia mais

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 A saúde suplementar no Brasil cresceu consistentemente nos últimos anos e o país ocupa lugar de destaque no cenário mundial.

Leia mais

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 SETEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

http://diariodocongresso.com.br/novo/2011/09/expresso-livre-alcanca-20-mil-usuarios...

http://diariodocongresso.com.br/novo/2011/09/expresso-livre-alcanca-20-mil-usuarios... Page 1 of 8 Diário do Congresso Os Bastidores do Poder On-line Os Bastidores do Poder On-line Capa Senado Câmara Entrevistas Artigos Blogs Opinião Partidos Políticos Pesquise no DC 1ª Página Jornais 1ª

Leia mais

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172 Mercado exige velocidade na atualização profissional Trabalhadores precisam estar capacitados para solucionar problemas, ser criativos e flexíveis e gostar da sua atividade A competição pela colocação

Leia mais

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação PROFESSORA: Iza Angélica Carvalho da Silva CONTROLE DO GASTO PÚBLICO Controle é a fiscalização e o acompanhamento de todos os atos e fatos da execução

Leia mais

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas As diretrizes estratégicas dão foco ao negócio Perspectivas Simplificar e agilizar a utilização

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Bernard Appy maio de 2015 Sistema tributário brasileiro Características desejáveis Características desejáveis de um sistema tributário

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

TEMA: EDUCAÇÃO. Disponível em: http://1.bp.blogspot.com/-0x0-0wiwl4g/twvi9xhqdfi/aaaaaaaaa0i/-vw1d7ch9dg/s1600/educacao5.jpg

TEMA: EDUCAÇÃO. Disponível em: http://1.bp.blogspot.com/-0x0-0wiwl4g/twvi9xhqdfi/aaaaaaaaa0i/-vw1d7ch9dg/s1600/educacao5.jpg 26 TEMA: EDUCAÇÃO TEXTO I Disponível em: http://1.bp.blogspot.com/-0x0-0wiwl4g/twvi9xhqdfi/aaaaaaaaa0i/-vw1d7ch9dg/s1600/educacao5.jpg TEXTO II EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Lutar para elevar o nível

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice Objetivo, metodologia e amostra... 03 Perfil dos Respondentes... 04 Principais constatações sobre os hábitos de consumo

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Com mobilidade urbana todos ganham

Com mobilidade urbana todos ganham Com mobilidade urbana todos ganham Prioridade ao transporte público eficiente e de qualidade é decisiva para todos terem vidas melhores e cidades sustentáveis, esteios do desenvolvimento. Com mobilidade

Leia mais

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica Programa 2031 - Educação Profissional e Tecnológica Número de Ações 200 Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014

INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014 Página1 1. APRESENTAÇÃO INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014 Os indicadores Cork Services contemplam os principais números de referência para a gestão de frotas, incluindo índices de inflação e variação

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais