Como Classificar Pequenas e Médias Empresas no Setor de Seguros Princípio da Proporcionalidade. Sumário. Projeto nº 05 Ano APRESENTAÇÃO...

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como Classificar Pequenas e Médias Empresas no Setor de Seguros Princípio da Proporcionalidade. Sumário. Projeto nº 05 Ano 2012 1. APRESENTAÇÃO..."

Transcrição

1

2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO REVISÃO DOS CRITÉRIOS EXISTENTES FONTE EUROPEIA FONTE BRASILEIRA INSURANCE EUROPE ERNST&YOUNG DESCRIÇÃO DA ANÁLISE ESCOLHA DAS VARIÁVEIS AJUSTE DOS DADOS METODOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PROPOSTA FUTUROS TRABALHOS... 12

3 1. APRESENTAÇÃO O mercado de seguros assim como outras áreas de atuação possui, dentre suas empresas atuantes, uma grande diferenciação de tamanho. Tanto empresas gigantes, quanto aquelas extremamente pequenas coexistem neste mercado, seguindo regulação e fiscalização praticamente iguais. Diferenciar as empresas por seu tamanho é um passo importante para direcionar a política do regulador e de acompanhamento do mercado. Isto porque o princípio da proporcionalidade 1, utilizado mundialmente, se baseia justamente nesta diferenciação para direcioná-la. No entanto, um critério que atrele a cada empresa uma classificação de tamanho ainda não está disponível para o setor de seguros brasileiro. Ciente desta lacuna o Grupo de Trabalho de Pequenas e Médias Empresas (GTPME) da CNseg solicitou ao Núcleo de Estudos e Projetos (NEP) um estudo de classificação por porte das empresas que operam no setor. Excluindo num primeiro momento as operadoras de saúde, o NEP produziu então a seguinte classificação: A empresa pertence ao grupo de pequenas e médias se possui patrimônio líquido menor que R$250 milhões e prêmio 2 menor que R$500 milhões,. Além da comparação por patrimônio líquido e prêmio, se uma empresa pertence a um grupo econômico, todas as empresas recebem a classificação da maior empresa pertencente a esse grupo. Esta conclusão foi retirada do estudo que será detalhado a seguir. A seção 2 apresenta a revisão dos critérios já existente em outras partes do mundo e/ou outros setores da economia. Na seção 3 está descrita toda a metodologia utilizada, juntamente com o passo a passo realizado para obtenção da classificação, que está disposto na seção 4. Para finalizar o relatório, encontram-se nas seções 5 e 6, respectivamente, sugestões de futuras análises a serem utilizadas para aprimorar a classificação juntamente com a classificação de todas as empresas do setor, e os anexos referidos ao longo do texto. 2. REVISÃO DOS CRITÉRIOS EXISTENTES A fim de analisar se o Mercado Segurador brasileiro poderia se enquadrar em critérios já consolidados, foi realizada uma pesquisa sobre critérios de classificação já existentes. Quatro referências foram identificadas: Europeia, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Insurance Europe (até 2011 conhecido como Comitê Europeu de 1 Definição do IAIS: O princípio de proporcionalidade requer que as exigências regulatórias sejam aplicadas proporcionalmente à natureza, escala e complexidade das seguradoras e ao risco a que elas estão expostas. 2 Arrecadação recebida nos últimos doze meses, sendo utilizado no caso das seguradoras o prêmio de seguro (bruto de resseguro). Página 1

4 Seguradores - CEA) e Ernst&Young 3, que serão descritas a seguir. É válido salientar que somente as duas últimas são relacionadas a empresas seguradoras FONTE EUROPEIA Na União Europeia, a classificação 4 do porte das empresas é definida em função dos efetivos de que dispõem e do seu volume de negócios ou do seu balanço total anual conforme tabela 1 a seguir. Tabela 1 Critério de de Porte das Empresas Europeias (valores em milhões de euros) Tipo de Empresa Empregados Faturamento Anual Ativo Total Microempresa e ou Pequena Empresa e ou Média Empresa e ou De forma a trazer essa classificação para a realidade do setor segurador brasileiro é importante observar que os dados referentes ao número de empregados das seguradoras brasileiras não estão disponíveis. Entende-se também que o faturamento anual seria comparável ao prêmio e o ativo teria relação direta 5 no setor de seguros FONTE BRASILEIRA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) utiliza uma classificação para efeito de enquadramento das condições de suas linhas e programas de financiamento. Esta classificação é aplicada à indústria, comércio e serviços, sendo definida de acordo com o faturamento anual da empresa ou do grupo econômico ao qual esta pertença, conforme tabela 2 a seguir. Tabela 2 Critério de de Porte das Empresas BNDES (valores em milhões de reais) Tipo de Empresa Faturamento Anual Microempresa Pequena Empresa Média Empresa Empresa Média-Grande 3 Estudo solicitado pelo GT de Pequenas e Médias empresas da CNseg. 4 De acordo com o Diário da República, 1ª série, nº213, está disposto no Decreto Lei nº 372, de 6 de novembro de Esta relação está descrita na seção 3. Página 2

5 Novamente, de forma a trazer essa classificação para a realidade do setor segurador brasileiro é importante observar que os limites utilizados pelo BNDES são baixos se comparados aos do setor de seguros, que possui arrecadação muito superior a estes INSURANCE EUROPE Em sua Nota Informativa n o 3 - The Small and Medium-Sized Undertakings and Solvency II, a associação dos seguradores europeus utiliza uma classificação pelo porte da empresa. Esta é feita com base no prêmio bruto emitido, sendo utilizada apenas para seguradoras (não abrangendo resseguradoras), conforme tabela a seguir. Tabela 3 Critério de de Porte das Empresas Insurance Europe (valores em milhões de euros) Tipo de Empresa Faturamento Anual Pequena Empresa Média Empresa Grande Empresa 2.4. ERNST&YOUNG No trabalho intitulado Uma Defesa da Aplicação do Princípio de Proporcionalidade na Regulamentação da Indústria de Seguros no Brasil, a Ernst&Young propõe uma metodologia teórica de classificação de empresas por porte como replicado a seguir. Observa-se, no entanto, que os parâmetros da classificação não estão definidos. Serão classificáveis oficialmente como pequenas e médias seguradoras, em termos de escala e complexidade de riscos, todas as entidades seguradoras que atendam simultaneamente aos seguintes critérios: a. Um volume anual de prêmios retidos de, no máximo, R$ D milhões nos últimos doze meses anteriores à data-base de requisição do status; b. Uma cessão de prêmios menor ou igual a E% dos prêmios brutos emitidos (líquidos de cancelamentos e restituições) anteriores à data-base de requisição do status; c. Um índice combinado médio trianual menor ou igual a F% anteriores à data-base de requisição do status; d. Um mínimo de G% de liquidação (pagamento) das indenizações de sinistros incorridos e avisados no período de doze meses anteriores à data-base de requisição do status dentro do próprio período; Página 3

6 e. Uma participação acionária não superior a H% de uma entidade seguradora não classificada ou não classificável como pequena e média seguradora, seja ela atuante em território nacional ou internacional; f. Não ter emitido qualquer contrato caracterizável como instrumento de resseguro ou não ser oficialmente classificada como resseguradora. Sobre essa proposta, alguns comentários se fazem necessários. O primeiro é geral: são tantos os critérios listados que mesmo sem a definição dos valores de seus parâmetros parece improvável que um número significativo de empresas possa cumprir todos. Além disso, o critério d não é baseado em dados públicos no Brasil. Até o fechamento deste relatório os valores dos parâmetros não haviam sido disponibilizados. 3. DESCRIÇÃO DA ANÁLISE Iniciou-se então um estudo para propor um novo critério que fosse inspirado naqueles já existentes, mas que fosse específico para o mercado segurador brasileiro. Como premissa fundamental, tal classificação deveria ser baseada em dados contábeis públicos. Além disso, como a operação do setor está estruturada em grupos econômicos de seguradoras, incorporar tal informação parecia importante de forma a evitar distorções (por exemplo, uma empresa ser classificada como pequena, quando faz parte de um grupo econômico muito grande). Desta forma, a participação em grupos econômicos foi uma característica incorporada na classificação final. Desta forma, a análise seguiu os seguintes passos: o primeiro foi a seleção de variáveis contábeis; o segundo foi a análise das empresas a serem utilizadas e ajustes na classificação de grupos, e o terceiro, e último, foi a aplicação da metodologia de análise de cluster. Estes passos estão apresentados nas próximas subseções ESCOLHA DAS VARIÁVEIS Iniciou-se escolhendo as variáveis contábeis, públicas, que foram utilizadas em outras metodologias ou que julgou-se ser boa base para a comparação. É importante relembrar que o presente estudo não inclui informações sobre saúde suplementar, que por possuir um volume muito alto de operadoras poderia distorcer a análise. As seguintes variáveis foram selecionadas: Prêmio valor referente à arrecadação recebida no ano de referência, sendo utilizado no caso das seguradoras o prêmio de seguro, que é bruto de resseguro; Página 4

7 Sinistro valor referente à média anual dos sinistros e benefícios, considerando os três últimos anos retroativos ao ano de referência; Provisão valores referentes aos produtos de acumulação (nos casos de seguradoras, resseguradoras e entidades abertas de previdência privada) e valores totais (no caso de sociedades de capitalização), na data base de 31 de dezembro do ano de referência; Margem de Solvência Ajustada 6 valor inspirado na margem de solvência de cada empresa do Mercado Segurador, utilizando, no entanto, prêmio e sinistro brutos de resseguro, e um percentual sobre as provisões de produtos sob o regime de capitalização; Patrimônio Líquido valor do patrimônio líquido da empresa em 31 de dezembro do ano de referência de cálculo; Ativo Total valor do ativo da empresa em 31 de dezembro do ano de referência de cálculo. Com base no ano de referência de 2011, a seleção das variáveis foi feita de forma que não haja sobreposição de significância destas. Para tal análise, foi reproduzida a matriz de correlação a fim de utilizar as variáveis de forma mais parcimoniosa conforme tabela 4. Tabela 4 Matriz de Correlação entre as Variáveis Prêmio Sinistro Provisão Margem Solvência Patrimônio Líquido Ativo Total Prêmio 1, Sinistro 0, , Provisão 0, , , Margem Solvência 0, , , , Patrimônio Líquido 0, , , , , Ativo Total 0, , , , , , Observa-se que algumas variáveis apresentam alta correlação entre si: prêmio é um dos mais correlacionados, possuindo valores acima de 0,75 com todas as outras variáveis incluídas no estudo, exceto com o patrimônio líquido. Como a utilização simultânea de variáveis altamente correlacionadas pode comprometer a estabilidade e eficiência do modelo a ser estruturado, optou-se por incluir no estudo somente prêmio e patrimônio líquido. 6 Forma de cálculo por ramo de atuação: Danos e Pessoas (exceto vida individual): máximo entre 20% da soma dos prêmios retidos nos últimos 12 meses e 33% da média anual dos sinistros retidos dos últimos 36 meses; Pessoas (vida individual) e Entidades Abertas de Previdência Complementar: máximo entre 20% da soma dos prêmios retidos nos últimos 12 meses (exceto os referentes a produtos de acumulação) e 33% da média anual dos sinistros retidos dos últimos 36 meses (exceto os referentes a produtos de acumulação). A esse valor é somado 8% do total das provisões técnicas (do mês base do cálculo) referentes aos produtos de acumulação; Capitalização: 8% do total das provisões técnicas do mês de referência do cálculo. Página 5

8 3.2. AJUSTE DOS DADOS Na base de dados do ano de referência de 2011, constavam 164 empresas, dentre seguradoras, EAPP s e sociedades de capitalização. Já no início, observou-se que algumas empresas apresentavam dados um pouco distorcidos, sem informação ou ainda em intervenção ou direção fiscal, além daquelas que começaram no ano base de cálculo. Por esse motivo, foram retiradas da análise de Cluster 22 empresas 7, sendo que três não chegaram a ser classificadas posteriormente, por se tratar de empresas inativas e/ou não possuir informação, sendo elas: Itaú Unibanco Seguros Corporativos S.A., RS Previdência e Matone Previdência Privada. As outras 19 empresas retiradas da análise de cluster foram depois classificadas conforme a atribuição encontrada. Ao fazer tais análises foram identificadas ainda empresas que possuem valores discrepantes de prêmio anual, que distorciam os resultados obtidos na análise de cluster. Portanto foi necessária a retirada das empresas com altos valores desta componente, quais sejam: Bradesco Vida e Previdência S.A.; Brasilprev Seguros e Previdência S.A. e Itaú Vida e Previdência S.A.. Com essas exclusões, a base não apresentou mais valores discrepantes relacionados a patrimônio líquido. No final foram selecionadas 139 empresas no total. O próximo passo foi avaliar os grupos seguradores a que cada empresa pertence. Essa informação é obtida nos dados disponibilizados pela SUSEP, replicada no Anexo II. Além disso, alguns ajustes foram feitos para empresas que não possuíam nesta base a alocação em um grupo, mas que era sabido que pertenciam a algum destes. As empresas que foram classificadas pelo NEP como pertencente a algum grupo segurador foram: Brasilveículos Companhia de Seguros Grupo BBMapfre; Capemisa Capitalização Grupo Capemisa; Comprev Seguros e Previdência S.A. Grupo COMPREV; Mapfre Seguros Gerais S.A. Grupo BBMapfre; Mapfre Vera Cruz Vida e Previdência S.A. Grupo BBMapfre; MARES Mapfre Riscos Especiais S.A. Grupo BBMapfre; BMC Previdência Privada S/A Grupo Bradesco; Sabemi Seguradora S.A. Sabemi; Sabemi Previdência Privada Sabemi; Pecúlio União Previdência Privada Sabemi; ACVAT União de Previdência; ASPECIR Previdência União de Previdência; União de Previdência S.A. União de Previdência. 7 Tais empresas constam no Anexo I. Página 6

9 3.3. METODOLOGIA De posse dos dados de prêmio e patrimônio líquido, foi realizada a Análise de Cluster, que tem como propósito buscar uma classificação de acordo com as relações naturais que a amostra apresenta, formando grupos por similaridade. Os grupos são criados de acordo com a semelhança em relação a algum critério pré-determinado. A métrica utilizada foi a k- means, baseada na distância euclidiana, tendo como critério de agregação das respostas o centroide, ou de forma mais coloquial, o centro do cluster. Esse é um método de agrupamento não hierárquico, por repartição, que consiste num procedimento em que dado um número de cluster previamente determinado, calculam-se pontos que representam seus centros de forma a minimizar o erro quadrático. Foram realizadas três análises sobre a base de dados: a primeira foi feita de forma univariada, identificando os intervalos para 5 cluster de prêmio, a segunda 5 cluster de patrimônio líquido e a terceira, de forma bivariada, identificou 5 cluster conjuntamente para ambos. Desta forma, foram obtidas três possíveis classificações: uma utilizando somente o critério de patrimônio líquido da empresa, outra somente com o critério de prêmio e a última com os dois critérios conjuntamente, de forma bivariada. A seleção inicial de 5 classificações pode ser justificada pela dispersão observada no mercado brasileiro que possui empresas extremamente pequenas coexistindo com outras extremamente grandes. Por resta razão, além daquelas clássicas pequena, média e grande inclui-se também as classificações de micro e extra grande. De posse dos valores dos centroides, encontraram-se os valores limites de cada grupo, conforme mostrado nas tabelas 5 e 6 para a análise univariada, e na tabela 7 e no gráfico 1 para o caso bivariado. Além da informação sobre a classificação em si, a contagem das empresas em cada uma delas foi apresentada nas tabelas 5 e 6. Tabela 5 por Cluster Patrimônio Líquido (valores em milhões de reais) Tipo de Empresa Patrimônio Líquido Número de empresas Micro 76 Pequena 30 Média 29 Grande 18 Extra 8 Total 161 Página 7

10 Prêmio Como Classificar Pequenas e Médias Tabela 6 por Cluster Prêmio (valores em milhões de reais) Tipo de Empresa Prêmio Número de empresas Micro 81 Pequena 30 Média 20 Grande 16 Extra 14 Total 161 Tabela 7 por Cluster Patrimônio Líquido e Prêmio (valores em milhões de reais) Tipo de Empresa Patrimônio Líquido Prêmio Micro e Pequena e Média e Grande e Extra e Gráfico 1 por Cluster Prêmio e Patrimônio Líquido (valores padronizados) Patrimônio Líquido Dados os resultados, a primeira conclusão obtida é que a análise bivariada não é a mais adequada para este caso: no gráfico 1 fica evidente a impossibilidade de atribuir uma Página 8

11 classificação conjunta, pois existem intersecções de valores entre os grupos. Por exemplo, uma empresa que possui um prêmio padronizado de aproximadamente 0,5 poderia pertencer a qualquer uma das classificações, sendo sua classificação final decidida tão somente pelo seu valor de patrimônio líquido. Por esse motivo, todo o procedimento a partir de então foi feito de forma univariada. A segunda conclusão foi que os valores obtidos nas análises univariadas (tabelas 5 e 6) estavam muito altos, classificando praticamente todas as empresas do setor como micro e pequena. Para reverter esta alta concentração optou-se por expandir para 15 o número de clusters, de forma a obter uma classificação mais refinada. Como a classificação escolhida a princípio era de 5 clusters, fez-se a média de cada um dos resultados dos 3 subgrupos da classificação inicial, retornando à classificação de empresas em micro, pequena, média, grande e extra para a comparação com os resultados anteriores. Os resultados obtidos com os 15 clusters estão explicitados nas tabelas 8 e 9 a seguir. Tabela 8 por Agregação de Cluster (limite máximo) Patrimônio Líquido (valores em milhões de reais) Tipo de Empresa Patrimônio Líquido Tipo de Empresa Patrimônio Líquido N o de empresas Micro 1 Micro 2 Micro 3 Pequena 1 Pequena 2 Pequena 3 Média 1 Média 2 Média 3 Grande 1 Grande 2 Grande 3 Extra 1 Extra 2 Extra 3 Total Micro Pequena Média Grande Extra Página 9

12 Tabela 9 por Agregação de Cluster (limite máximo) - Prêmio (valores em milhões de reais) Tipo de Empresa Prêmio Tipo de Empresa Prêmio N o de empresas Micro 1 Micro 2 Micro 3 Pequena 1 Pequena 2 Pequena 3 Média 1 Média 2 Média 3 Grande 1 Grande 2 Grande 3 Extra 1 Extra 2 Extra 3 Micro Pequena Média Grande Extra Total Ao final, de posse dos novos resultados, a escolha da classificação foi feita utilizando como base as médias encontradas nas tabelas 8 e 9. As médias foram consideradas mais adequadas por resultarem numa agregação menos concentrada que aquelas obtidas com 5 clusters. Os resultados serão discutidos na sessão 4, onde a classificação proposta será apresentada. Antes, no entanto, é importante documentar que ao tentar reproduzir o trabalho novamente, para fins de verificação, observaram-se valores distintos dos encontrados anteriormente. Após algumas análises, verificou-se que pelo comando k-means do software estatístico R utilizar números aleatórios, onde seus resultados mudavam cada vez que o comando era feito. Entende-se que esta inconsistência foi devido à característica dos dados de prêmio, que são bastante dispersos. Por este motivo, buscou-se um software que não apresentasse a mesma inconsistência do R, optando-se pelo SPSS. Toda a programação utilizada e a descrição dos testes encontram-se no Anexo 6.2, não alterando as conclusões apresentadas neste relatório. Página 10

13 4. CLASSIFICAÇÃO PROPOSTA Com base na análise documentada na seção anterior, propõe-se como classificação das seguradoras brasileiras (excluindo operadoras de saúde) por porte os limites para valores de patrimônio líquido e prêmio constantes da tabela 10 a seguir. Tabela 10 Proposta de Critério de de Porte das Empresas Brasileiras (valores em milhões de reais) N o Prêmio Patrimônio Líquido Limites do Cluster Limites do intervalo intervalo 1 Micro e 2 Pequena e 3 Média e 4 Grande e 5 Extra ou Chegou-se a esta definição após o arredondamento das médias obtidas nas tabelas 8 e 9. A opção pela maior classificação dentre as duas entre prêmio e patrimônio líquido, pois pela análise feita bidimensionalmente (tabela 7 e gráfico 1) observou-se a importância individual de cada componente da classificação como indutor de um nível mais alto. O gráfico 2 a seguir, com as 139 empresas utilizadas para a análise de cluster, representa essa classificação conjunta. Página 11

14 Prêmio Como Classificar Pequenas e Médias Gráfico 2 Formação dos Clusters por Patrimônio Líquido e Prêmio - Análise Univariada Conjunta para o ano de referência de 2011 (valores em milhões de reais) Patrimônio Líquido Como segunda fase do processo de classificação, se uma empresa pertence a um grupo segurador brasileiro, todas as empresas recebem a maior classificação atribuída por cada uma das empresas de seguros que compõe o grupo. Observe que por considerar somente dados disponibilizados pela SUSEP esta classificação não considera o controle direto ou indireto de gestão da empresa. 5. FUTUROS TRABALHOS Um ponto existente no relatório da Ernst&Young, e que poderia ser ainda incorporado nesta classificação é a participação acionária fora do mercado de seguros. Isto porque a empresa pode ser parte de uma holding financeira forte, ou de um grupo internacional, e nem por isso ter um grupo segurador brasileiro (esta última já incorporada na classificação elaborada até aqui). No entanto, está-se ciente que esta análise pode ser subjetiva, já que a medida de tamanho destes holdings não necessariamente segue a mesma dimensão daquela do mercado segurador. Além disso, para que a análise fique completa, um critério para operadoras de saúde deveria ser avaliado, já que estas também fazem parte do sistema de seguros brasileiro. Finalizando, os resultados obtidos por empresa considerando cada uma das classificações descritas anteriormente segue na tabela 11. Página 12

15 Tabela 11 das Seguradoras Brasileiras Código Empresa Patrimônio Líquido Prêmio Patrimônio Prêmio Geral 5118 SUL AMÉRICA CIA NACIONAL DE SEGUROS extra extra extra 6220 SUL AMÉRICA SEGUROS DE PESSOAS E PREVIDÊNCIA S.A grande grande grande 6696 SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGUROS GERAIS micro pequena pequena SUL AMÉRICA CAPITALIZAÇÃO S.A. - SULACAP média grande grande 5312 BRADESCO AUTO/RE COMPANHIA DE SEGUROS extra extra extra 5444 BRADESCO SEGUROS S.A extra micro extra 5533 ATLÂNTICA COMPANHIA DE SEGUROS pequena pequena pequena 6491 ALVORADA VIDA S.A média micro média 6866 BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S.A extra extra extra ATLANTICA CAPITALIZAÇÃO S/A pequena micro pequena BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A grande extra extra BMC PREVIDÊNCIA PRIVADA S/A micro micro micro 5096 ITAÚ VIDA E PREVIDÊNCIA S/A extra extra extra 5321 ITAU SEGUROS S/A extra extra extra 6041 PARANA CIA DE SEGUROS extra micro extra 6955 COMPANHIA DE SEGUROS GRALHA AZUL extra micro extra CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO extra extra extra 3182 ITAU SEGUROS DE AUTO E RESIDÊNCIA extra extra extra 5355 AZUL COMPANHIA DE SEGUROS GERAIS grande grande grande 5886 PORTO SEGURO CIA DE SEGUROS GERAIS extra extra extra 6033 PORTO SEGURO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A média média média 5631 CAIXA SEGURADORA S/A extra extra extra 8141 CAIXA VIDA E PREVIDÊNCIA S/A grande extra extra CAIXA CAPITALIZAÇÃO S/A grande grande grande Geral Grupo extra extra extra extra extra Página 13

16 Código Empresa Patrimônio Líquido Prêmio Patrimônio Prêmio Geral 4707 BRASILPREV SEGUROS E PREVIDÊNCIA S/A extra extra extra 6785 COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL extra extra extra BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S/A média extra extra 6211 ALIANÇA DO BRASIL SEGUROS S.A média média média 1147 FEDERAL VIDA E PREVIDÊNCIA S/A micro pequena pequena 5002 FEDERAL DE SEGUROS S/A pequena pequena pequena 5070 SANTANDER SEGUROS S/A extra extra extra 6564 SANTANDER BRASIL SEGUROS S/A média média média SANTANDER CAPITALIZAÇÃO S/A grande grande grande 1627 SAFRA SEGUROS GERAIS S.A pequena pequena pequena 9938 SAFRA VIDA E PREVIDÊNCIA S.A média grande grande 5495 ZURICH MINAS BRASIL SEGUROS S.A grande grande grande 6157 ZURICH VIDA E PREVIDÊNCIA S.A pequena micro pequena 5053 CONFIANÇA CIA DE SEGUROS pequena média média GBOEX - GREMIO BENEFICENTE média média média 6173 INVESTPREV SEGUROS E PREVIDÊNCIA S/A pequena pequena pequena 6921 INVESTPREV SEGURADORA S.A pequena pequena pequena INVESTPREV CAPITALIZAÇÃO S.A micro micro micro 5142 ICATU SEGUROS S.A grande grande grande 5657 VANGUARDA COMPANHIA DE SEGUROS GERAIS micro pequena pequena 6301 COMPANHIA BRASILEIRA DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA micro pequena pequena ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A média grande grande APLUB média pequena média APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A pequena grande grande 5193 CIA SEGUROS PREVIDENCIA DO SUL pequena média média Geral Grupo extra pequena extra grande grande média pequena grande grande Página 14

17 Patrimônio Código Empresa Prêmio Líquido Patrimônio Prêmio Geral 3727 J.MALUCELLI SEGURADORA DE CREDITO SA média pequena média 5436 J. MALUCELLI SEGURADORA S/A média média média 6084 MBM SEGURADORA S/A micro pequena pequena MBM PREVIDÊNCIA PRIVADA pequena pequena pequena 2763 CESCEBRASIL SEGUROS DE CRÉDITO S/A pequena micro pequena 6998 CESCEBRASIL SEGUROS DE GARANTIAS E CRÉDITO S.A pequena pequena pequena 4251 CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A extra média extra CAPEMISA CAPITALIZAÇÃO S/A micro micro micro 2895 ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S.A pequena média média 6467 ALFA SEGURADORA S.A média média média 2062 LUIZASEG SEGUROS S/A média média média 2933 CARDIF DO BRASIL SEGUROS E GARANTIAS S/A média média média 6548 CARDIF DO BRASIL VIDA E PREVIDÊNCIA S/A grande grande grande CARDIF CAPITALIZAÇÃO S/A pequena pequena pequena 4740 HSBC VIDA E PREVIDÊNCIA (BRASIL) S.A média extra extra 6106 HSBC SEGUROS (BRASIL) S.A extra grande extra HSBC EMPRESA DE CAPITALIZAÇÃO (BRASIL) S/A grande grande grande HSBC CAPITALIZAÇÃO (BRASIL) S.A pequena micro pequena 5151 TOKIO MARINE BRASIL SEGURADORA S/A média grande grande 6190 TOKIO MARINE SEGURADORA S.A grande grande grande 6947 UNIMED SEGURADORA S/A grande média grande UNIMED PREVIDÊNCIA PRIVADA S.A pequena micro pequena SABEMI PREVIDÊNCIA PRIVADA micro micro micro PECÚLIO UNIÃO PREVIDÊNCIA PRIVADA micro micro micro 1007 SABEMI SEGURADORA SA pequena pequena pequena Geral Grupo média pequena pequena extra média grande extra grande grande pequena Página 15

18 Código Empresa Patrimônio Líquido Prêmio Patrimônio Prêmio Geral 3298 MAPFRE SEGURADORA DE GARANTIAS E CRÉDITO S.A pequena pequena pequena 4561 MAPFRE NOSSA CAIXA VIDA E PREVIDÊNCIA S/A pequena média média 6718 MAPFRE SEGURADORA DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO S.A pequena micro pequena MAPFRE CAPITALIZAÇÃO S.A pequena pequena pequena 5665 MAPFRE VERA CRUZ VIDA E PREVIDÊNCIA S.A média grande grande 6181 BRASILVEÍCULOS COMPANHIA DE SEGUROS grande grande grande 6238 MAPFRE SEGUROS GERAIS S.A. "EM APROVAÇÃO" extra extra extra 6378 VIDA SEGURADORA S.A grande média grande 6858 MARES - MAPFRE RISCOS ESPECIAIS S.A grande grande grande UNIÃO PREVIDENCIÁRIA COMETA DO BRASIL - COMPREV pequena micro pequena 2879 COMPREV SEGUROS E PREVIDENCIA SA pequena micro pequena 4634 JAVA NORDESTE SEGUROS S/A micro pequena pequena 6831 SINAF PREVIDENCIAL CIA. DE SEGUROS pequena pequena pequena 4359 EULER HERMES SEGUROS DE CRÉDITO S/A pequena pequena pequena 4812 EULER HERMES SEGUROS DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO S/A pequena micro pequena 2020 CREDITO Y CAUCION SEGURADORA DE CREDITO E GARANTIAS S.A pequena pequena pequena 2721 CRÉDITO Y CAUCIÓN SEGURADORA DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO S.A pequena micro pequena 5185 LIBERTY SEGUROS S/A grande extra extra 5843 INDIANA SEGUROS S/A grande média grande ACVAT- PREVIDENCIA PRIVADA micro micro micro UNIAO DE PREVIDENCIA S.A micro micro micro ASPECIR PREVIDÊNCIA pequena micro pequena Geral Grupo 2101 MONGERAL AEGON SEGUROS E PREVIDÊNCIA S. A média média média média 2119 BVA SEGUROS S/A micro pequena pequena pequena 2143 ASSURANT SEGURADORA SA média média média média extra pequena pequena pequena pequena extra pequena Página 16

19 Patrimônio Código Empresa Prêmio Líquido Patrimônio Prêmio Geral Geral Grupo 5231 BCS SEGUROS S/A pequena pequena pequena pequena LIDERANÇA CAPITALIZAÇÃO S/A grande média grande grande 3034 ECC DO BRASIL CIA DE SEGUROS micro micro micro micro 3328 COFACE DO BRASIL SEGUROS DE CRÉDITO INTERNO S/A pequena pequena pequena pequena 3671 USEBENS SEGUROS S/A pequena pequena pequena pequena 3794 PREVIMAX PREVIDENCIA PRIVADA E SEGURADORA S/A pequena pequena pequena pequena 5011 CHUBB DO BRASIL CIA DE SEGUROS grande grande grande grande 5045 COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DA BAHIA média pequena média média 5177 ALLIANZ SEGUROS S.A extra extra extra extra 5274 BANESTES SEGUROS S/A média média média média 5282 PRUDENTIAL DO BR SEGUROS DE VIDA S/A média média média média 5401 PQ SEGUROS S.A pequena pequena pequena pequena 5690 COMPANHIA EXCELSIOR DE SEGUROS pequena média média média 5720 MARITIMA SEGUROS S/A grande grande grande grande 5754 NOBRE SEGURADORA DO BRASIL S/A média média média média 5819 AMERICAN LIFE COMPANHIA DE SEGUROS pequena média média média 5908 GENERALI BRASIL SEGUROS S.A média média média média 5941 QBE BRASIL SEGUROS S/A pequena média média média 6017 CENTAURO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A micro pequena pequena pequena 6131 COMPANHIA MUTUAL DE SEGUROS pequena média média média 6335 SEGURADORA BRASILEIRA DE CRÉDITO À EXPOR pequena pequena pequena pequena 6351 METROPOLITAN LIFE SEGUROS E PREVIDÊNCIA grande grande grande grande 6360 KYOEI DO BRASIL COMPANHIA DE SEGUROS pequena micro pequena pequena 6416 YASUDA SEGUROS S.A grande média grande grande 6513 ACE SEGURADORA S.A média grande grande grande Página 17

20 Código Empresa Patrimônio Líquido Prêmio Patrimônio Prêmio Geral Geral Grupo 6530 VIRGINIA SURETY COMPANHIA DE SEGUROS DO BRASIL média média média média 6602 MITSUI SUMITOMO SEGUROS S/A média média média média 6688 COSESP - CIA DE SEG DO EST. DE S.P média micro média média 6751 ROYAL & SUNALLIANCE SEGUROS (BRASIL) S.A média média média média 6793 GENTE SEGURADORA S.A micro pequena pequena pequena PECULIO ABRAHAM LINCOLN - AMAL pequena micro pequena pequena NEWPREV PREVIDÊNCIA PRIVADA S.A micro micro micro micro ARCESP PREVIDÊNCIA PRIVADA micro micro micro micro EQUATORIAL PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR pequena micro pequena pequena BAMÉRCIO S/A PREVIDÊNCIA PRIVADA micro micro micro micro FAMILIA BANDEIRANTE PREVIDÊNCIA PRIVADA pequena micro pequena pequena ARC PREVIDÊNCIA PRIVADA micro micro micro micro PREVIMIL PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR S.A pequena micro pequena pequena RECÍPROCA ASSISTÊNCIA pequena micro pequena pequena PREVICORP PREVIDÊNCIA PRIVADA micro micro micro micro AUXILIADORA PREVIDÊNCIA micro micro micro micro SOCIEDADE CAXIENSE DE MÚTUO SOCORRO pequena micro pequena pequena FUTURO - PREVIDÊNCIA PRIVADA micro micro micro micro UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL micro micro micro micro 1414 BERKLEY INTERNATIONAL DO BRASIL SEGUROS S/A pequena média média média LUTERPREV- ENTIDADE LUTERANA DE PREVIDÊNCIA micro micro micro micro HORIZONTE CAPITALIZAÇÃO S/A micro micro micro micro NOSSA CAIXA CAPITALIZAÇÃO S.A micro micro micro micro 5991 UBF SEGUROS S/A média média média média 6572 HDI SEGUROS S.A grande extra extra extra Página 18

21 Patrimônio Código Empresa Prêmio Líquido Patrimônio Prêmio Geral Geral Grupo 1431 XL SEGUROS BRASIL S.A pequena micro pequena pequena 1619 DAYPREV VIDA E PREVIDÊNCIA S.A pequena pequena pequena pequena 2461 AUSTRAL SEGURADORA S.A pequena média média média 2798 ARGO SEGUROS BRASIL S.A pequena micro pequena pequena 3069 POTTENCIAL SEGURADORA SA pequena pequena pequena pequena 3271 SEGURADORA LÍDER DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT S.A pequena pequena pequena pequena 4669 FAIRFAX BRASIL SEGUROS CORPORATIVOS S.A pequena média média média 6122 FATOR SEGURADORA S/A média média média média 6653 PANAMERICANA DE SEGUROS S-A média média média média 6912 BMG SEGURADORA S.A pequena pequena pequena pequena 8737 CHARTIS SEGUROS BRASIL S.A média média média média APLICAP CAPITALIZAÇÃO S.A micro micro micro micro Página 19

22 ANEXO I - Empresas Retiradas da Análise de Cluster Tabela 12 Tabela das Empresas Retiradas da Análise de Cluster Código Empresa Patrimônio Prêmio Líquido 1431 XL SEGUROS BRASIL S.A ARGO SEGUROS BRASIL S.A COMPREV SEGUROS E PREVIDENCIA SA ECC DO BRASIL CIA DE SEGUROS ITAÚ UNIBANCO SEGUROS CORPORATIVOS S.A PARANA CIA DE SEGUROS ALVORADA VIDA S.A COMPANHIA DE SEGUROS GRALHA AZUL NEWPREV PREVIDÊNCIA PRIVADA S.A ARCESP PREVIDÊNCIA PRIVADA RS PREVIDÊNCIA ARC PREVIDÊNCIA PRIVADA PECÚLIO UNIÃO PREVIDÊNCIA PRIVADA MATONE PREVIDÊNCIA PRIVADA S.A UNIMED PREVIDÊNCIA PRIVADA S.A HORIZONTE CAPITALIZAÇÃO S/A INVESTPREV CAPITALIZAÇÃO S.A CAPEMISA CAPITALIZAÇÃO S/A NOSSA CAIXA CAPITALIZAÇÃO S.A ATLANTICA CAPITALIZAÇÃO S/A APLICAP CAPITALIZAÇÃO S.A HSBC CAPITALIZAÇÃO (BRASIL) S.A Página 20

23 ANEXO II Grupo de Empresas segundo SUSEP Tabela 13 Tabela dos Grupos de Empresas Código Nome do Grupo Código Nome do Grupo ANEXO II Script R Program 19 SUL AMERICA 1189 ACE 27 BRADESCO 1192 ALFA 35 ITAÚ 1200 SANTANDER 51 PORTO SEGURO 1203 CARDIF 78 BRASIL 1204 HSBC 132 FEDERAL 1210 HANNOVER 221 CHUBB 1211 GRUPO SILVIO SANTOS 230 CAIXA ECONÔMICA S/A 1212 MAPFRE 345 SAFRA 1216 MITSUI MARINE 515 SUN ALLIANCE 1222 TOKIO MARINE 531 ZURICH 1225 INDEPENDENTE 540 GBOEX-CONFIANCA 1227 SINAF 710 RURAL 1228 EULER HERMES 825 ICATU 1229 UBF 965 J. MALUCELLI 1230 TALANX AG 990 APLUB 1231 CRÉDITO Y CAUCIÓN 1121 MBM 1232 LIBERTY 1147 CRUZEIRO DO SUL OUTROS GRUPOS O programa utilizado para a análise de cluster foi o R Project (versão 2.15), e a programação está descrita a seguir. ### Leitura dos Dados ### library(cluster) dados<-read.table("base.txt",header=t) ### Padronizando as Variáveis ### escala<-cbind(dados[,1],scale(dados[,2:3])) ### Cluster Patrimônio Líquido### # Análise K-Means # fit.patr <- kmeans(escala[,2], 15) patr<-aggregate(escala[,2],by=list(fit.patr$cluster),fun=mean) Página 21

24 # Anexando atribuição do Cluster # patr1 <- data.frame(escala[,2], fit.patr$cluster) saida_pa<-cbind(dados[,1:2],patr1[,2]) ### Cluster Prêmio ### # Análise K-Means # fit.pre <- kmeans(escala[,3], 15) pre<-aggregate(escala[,3],by=list(fit.pre$cluster),fun=mean) # Anexando atribuição do Cluster # pre1 <- data.frame(escala[,3], fit.pre$cluster) saida_pr<-cbind(dados[,1],dados[,3],pre1[,2]) Ao tentar reproduzir os resultados obtidos, observou-se que a semente utilizada pelo R se modifica a cada momento que repetimos o comando, sem que houvesse nenhuma alteração no script. Isso gerou certa insegurança nos resultados, fazendo com que fosse utilizado outro programa estatístico para confirmar a classificação proposta. O programa escolhido foi o SPSS (versão 20), sendo este de mais simples manuseio que o programa R. Nele, a análise é feita de forma um pouco diferente, porém seguindo a mesma métrica (K-means). Ainda neste programa, observou-se que ao modificar a forma de iteração utilizada, os resultados gerados também eram distintos. Como os resultados dos dois programas pareciam válidos, optou-se por fazer um teste estatístico para validar os resultados obtidos. O teste escolhido foi o de Tukey, que permite testar se as médias estipuladas diferem entre si a um nível de significância estipulado (no caso 1%). Este teste é feito comparando-se a diferença absoluta (em módulo) entre as médias pareadas duas a duas, a um valor previamente calculado, onde ( ) ( ) Página 22

25 em que é o número de grupos, N é o número de observações, é o quadrado médio do resíduo e é o número de repetições no grupo. O teste a ser avaliado é : as médias são iguais, devendo fazer parte de um só grupo; : as médias diferem As classificações analisadas foram as obtidas no R e no SPSS, conforme exposto a seguir. Tabela 14 no R por porte das Seguradoras Brasileiras (valores em milhões de reais) Cluster Valor Patrimônio Líquido Valor Prêmio Limite Cluster Limite Cluster 1 Micro 2 Pequena 3 Média 4 Grande 5 Extra Tabela 15 no SPSS por porte das Seguradoras Brasileiras (valores em milhões de reais) Cluster Valor Patrimônio Líquido Valor Prêmio Limite Cluster Limite Cluster 1 Micro 2 Pequena 3 Média 4 Grande 5 Extra Ao aplicar o teste para as duas classificações, os dois rejeitaram, ou seja, as médias dos grupos não são iguais, o que significa que a separação de grupos é válida. Optou-se, então, pela classificação que rejeitou mais fortemente, ou seja, aquela que possui maior valor de observado. Conforme mostrado a seguir, isso ocorre para a classificação obtida pelo R, logo a classificação inicialmente proposta é válida, sendo estatisticamente comprovada. Página 23

26 Tabela 16 Tabela ANOVA Avaliação Patrimônio Líquido R ANOVA Sum of Squares df Mean Square F Sig. Between Groups ,223,000 Within Groups Total Tabela 17 Tabela ANOVA Avaliação Prêmio R ANOVA Sum of Squares df Mean Square F Sig. Between Groups ,864,000 Within Groups Total Tabela 18 Tabela ANOVA Avaliação Patrimônio Líquido SPSS ANOVA Sum of Squares df Mean Square F Sig. Between Groups ,636,000 Within Groups Total Tabela 19 Tabela ANOVA Avaliação Prêmio SPSS ANOVA Sum of Squares df Mean Square F Sig. Between Groups ,844,000 Within Groups Total Página 24

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA I TRIMESTRE - 2012

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA I TRIMESTRE - 2012 MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA I TRIMESTRE - 2012 1 INTRODUÇÃO: A SUSEP divulgou os números do Mercado de Seguros e Previdência referente ao I Trimestre de 2011. Esses números são calcados

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE 2010 X 2009

MERCADO BRASILEIRO DE 2010 X 2009 MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS 2010 X 2009 1 MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RESULTADOS DE 2010 X 2009 A SUSEP divulgou hoje os números do Mercado de Seguros referente ao Exercício de 2010. Essa divulgação

Leia mais

ANÁLISE DOS PRÊMIOS EMITIDOS GRUPOS / UNIDADE DA FEDERAÇÃO I SEMESTRE 2014

ANÁLISE DOS PRÊMIOS EMITIDOS GRUPOS / UNIDADE DA FEDERAÇÃO I SEMESTRE 2014 ANÁLISE DOS PRÊMIOS EMITIDOS GRUPOS / UNIDADE DA FEDERAÇÃO I SEMESTRE 2014 lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 PRÊMIOS EMITIDOS: De acordo com os números divulgados pela SUSEP (07/08/2014)

Leia mais

[ESTUDO DO MERCADO SEGURADOR NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF]

[ESTUDO DO MERCADO SEGURADOR NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF] [ESTUDO DO MERCADO SEGURADOR NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF] ESTUDO DE MERCADO REFERENTE AO TOTAL ARRECADADO ENTRE PRÊMIOS E CONTRIBUIÇÕES NO MERCADO Realizado Acumulado - 2009 / 2010 -

Leia mais

RESENHA DO RESULTADO DO MERCADO DE SEGUROS. Faturamento e Rentabilidade dos Segmentos de Seguros, Previdência Privada e Capitalização.

RESENHA DO RESULTADO DO MERCADO DE SEGUROS. Faturamento e Rentabilidade dos Segmentos de Seguros, Previdência Privada e Capitalização. RESENHA DO RESULTADO DO MERCADO DE SEGUROS Janeiro a Dezembro de 2008 Faturamento e Rentabilidade dos Segmentos de Seguros, Previdência Privada e Capitalização. Dados Realizados em 2008 e Estimados para

Leia mais

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. 1º Semestre/2010

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. 1º Semestre/2010 RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL 1º Semestre/2010 Este estudo é patrocinado pelo SINCOR-SP (www.sincorsp.org.br) Setembro/2010 Responsável Técnico: Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br 1 SUMÁRIO:

Leia mais

VIDA EM GRUPO JAN A AGOSTO 2015 1- MERCADO GLOBAL:

VIDA EM GRUPO JAN A AGOSTO 2015 1- MERCADO GLOBAL: VIDA EM GRUPO JAN A AGOSTO 1- MERCADO GLOBAL: O segmento de Vida em Grupo detém o segundo lugar no ranking de vendas do Mercado, representando 10,92% das vendas totais em contra 10,48% do ano passado.

Leia mais

Normas gerais em seguro privado: concorrência e regulação de sinistro (Seminário Nova Lei Geral de Seguros 2012) CADE USP

Normas gerais em seguro privado: concorrência e regulação de sinistro (Seminário Nova Lei Geral de Seguros 2012) CADE USP Normas gerais em seguro privado: concorrência e regulação de sinistro (Seminário Nova Lei Geral de Seguros 2012) A lessandro O c tav iani CADE USP Agenda 1. Análise de voto do CADE BB Mapfre (2012) 2.

Leia mais

CASTIGLIONE SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A OUTUBRO DE 2015 SUSEP SES

CASTIGLIONE SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A OUTUBRO DE 2015 SUSEP SES SEGURO JAN A OUTUBRO DE 2015 SUSEP SES 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro de Acidentes Pessoais garante o pagamento de uma indenização aos beneficiários em caso de morte acidental, em caso de invalidez permanente

Leia mais

CASTIGLIONE SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A SETEMBRO DE 2015 SUSEP SES

CASTIGLIONE SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A SETEMBRO DE 2015 SUSEP SES SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A SETEMBRO DE 2015 SUSEP SES 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro de Acidentes Pessoais garante o pagamento de uma indenização aos beneficiários em caso de morte acidental, em caso de

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA 2015 RANKING DE OPERADORAS COM E SEM VGBL E INDICADORES OPERACIONAIS

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA 2015 RANKING DE OPERADORAS COM E SEM VGBL E INDICADORES OPERACIONAIS E PREVIDÊNCIA 2015 RANKING DE OPERADORAS COM E SEM VGBL E INDICADORES OPERACIONAIS 04/02/2016 1 Esse estudo vem apresentar o ranking brasileiro de seguradoras do Execício de 2015 com e sem o produto financeiro

Leia mais

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Emissão entre JAN/2015 a SET/2015 [Arquivo Resumo_SUSEP_de_201501_a_201509_BRL.pdf] Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro - Emissão entre JAN/2015

Leia mais

(MLRV) SEGURO VIDA EM GRUPO JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO VIDA EM GRUPO JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO VIDA EM GRUPO JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: No seguro de vida podem ser contratadas garantias de morte ou invalidez, ambas por acidente

Leia mais

CASTIGLIONE SEGURO VIDA EM GRUPO JAN A SET DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

CASTIGLIONE SEGURO VIDA EM GRUPO JAN A SET DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO VIDA EM GRUPO JAN A SET DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: No seguro de vida podem ser contratadas garantias de morte ou invalidez, ambas por acidente

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras Ranking das Seguradoras 2010 Mensagem do Presidente Não há progresso sem mudanças O processo de mudança continua a cada instante que passa. Não vivemos uma época de mudanças, mas uma mudança de época.

Leia mais

(MLRV) SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro de Acidentes Pessoais garante o pagamento de uma indenização aos beneficiários

Leia mais

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. Até Outubro/2004

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. Até Outubro/2004 RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL Até Outubro/2004 Este estudo é patrocinado pelo SINCOR-SP (www.sincorsp.org.br) Janeiro/2005 Responsável Técnico: Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Rating de Seguros

Leia mais

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Emissão entre JAN/2016 a ABR/2016 [Arquivo Resumo_SUSEP_de_201601_a_201604_BRL-DPVAT.pdf] Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro - Emissão entre JAN/2016

Leia mais

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Emissão entre JAN/2015 a OUT/2015 [Arquivo Resumo_SUSEP_de_201501_a_201510_BRL-DPVAT.pdf] Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro - Emissão entre JAN/2015

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras Ranking das Seguradoras 0 Mensagem do Presidente O mercado e a bússola Mais uma vez, temos a satisfação de publicar o ranking das companhias seguradoras, uma vez que um dos grandes desafios do setor é

Leia mais

Já considerando o VGBL temos um crescimento nominal de 11,44% ou real de 0,86% (praticamente acompanhou a inflação).

Já considerando o VGBL temos um crescimento nominal de 11,44% ou real de 0,86% (praticamente acompanhou a inflação). INTRODUÇÃO: Nesse estudo apresento o desempenho do Mercado de Seguros em termos de volume de prêmios emitidos e resultados por grupo / seguradora nas versões com e sem o produto financeiro VGBL e a estrutura

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras 2014 Ranking das - 2014 1 2 Ranking das - 2014 Mensagem do Presidente Crescendo em situação econômica desafiadora Costumo dizer que atuamos em um setor que segue crescendo, até mesmo, em momentos desfavoráveis

Leia mais

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Emissão entre JAN/2015 a SET/2015 [Arquivo Resumo_SUSEP_de_201501_a_201509_BRL-DPVAT.pdf] Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro - Emissão entre JAN/2015

Leia mais

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS RISCOS DE ENGENHARIA JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS RISCOS DE ENGENHARIA JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS RISCOS DE ENGENHARIA JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: Como sabemos a SUSEP, no intuito de aperfeiçoar as avaliações

Leia mais

(MLRV) SEGURO EMPRESARIAL JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO EMPRESARIAL JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro Empresarial vem sofrendo baixas expressivas em função da situação econômica do País. Baixo

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras 2013 Ranking das - 2013 1 2 Ranking das - 2013 Mensagem do Presidente Ambiente favorável ao corretor O Sincor-SP tem a satisfação de apresentar mais uma edição do Ranking das, assinado pelo economista

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras Ranking das Seguradoras º- semestre 202 Mensagem do Presidente O que mudou em 202. O agrupado de informações sobre um determinado grupo é fundamental para que possamos avaliar o comportamento de cada um

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RC GERAL

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RC GERAL MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RC GERAL I BIMESTRE -2013 1 O segmento de RC Geral encerrou o I Bimestre com um volume de produção de R$ 130 milhões contra R$ 124 milhões de 2012, um crescimento nominal

Leia mais

SEGURO PRESTAMISTA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES

SEGURO PRESTAMISTA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES SEGURO PRESTAMISTA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: As características do seguro prestamista fazem com que o período de vigência seja de acordo

Leia mais

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: Como sabemos a SUSEP, no intuito de aperfeiçoar

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS AUTOMÓVEIS

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS AUTOMÓVEIS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS AUTOMÓVEIS I BIMESTRE -2013 1 O segmento de Automóveis encerrou o mês de janeiro com um volume de produção de R$ 4,3 bilhões contra R$ 3,4 bilhões de 2012, um crescimento

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS TRANSPORTES INTERNACIONAIS

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS TRANSPORTES INTERNACIONAIS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS TRANSPORTES INTERNACIONAIS I BIMESTRE -2013 1 O segmento de Transportes Internacionais encerrou o mês de janeiro com um volume de produção de R$ 85 milhões contra R$ 84 milhões

Leia mais

Mercado de Seguros de Pessoas Dados Estatísticos Setembro 2014

Mercado de Seguros de Pessoas Dados Estatísticos Setembro 2014 Mercado de Seguros de Pessoas Dados Estatísticos Setembro 2014 Rua Senador Dantas, nº 74 11º andar Cep 20.031-205 Rio de Janeiro RJ Brasil Tel: +55 21 2510-7914 Fax: +55 21 2510-7930 e-mail: fenaprevi@fenaprevi.org.br

Leia mais

RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS JAN A MAIO DE 2012

RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS JAN A MAIO DE 2012 RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS JAN A MAIO DE 2012 1 ANÁLISE RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS: Essa análise está calcada nos números divulgados pela SUSEP referente ao período de jan a maio de 2012 através

Leia mais

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL 2008 Este estudo é patrocinado pelo SINCOR-SP (www.sincorsp.org.br) Março/2009 Responsável Técnico: Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br 1 SUMÁRIO: I) Critérios II)

Leia mais

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS TRANSPORTES NACIONAIS JAN A JULHO 2014 NÚMEROS SUSEP SES

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS TRANSPORTES NACIONAIS JAN A JULHO 2014 NÚMEROS SUSEP SES ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS TRANSPORTES NACIONAIS JAN A JULHO NÚMEROS SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: Como sabemos a SUSEP, no intuito de aperfeiçoar as avaliações

Leia mais

SEGUROS DE RESPONSABILIDADES DADOS SUSEP JAN A AGOSTO - 2012

SEGUROS DE RESPONSABILIDADES DADOS SUSEP JAN A AGOSTO - 2012 SEGUROS DE RESPONSABILIDADES DADOS SUSEP JAN A AGOSTO - 2012 1 INTRODUÇÃO: Esses números foram extraídos do sistema de informações da SUSEP SES o qual é formado através dos FIPES que as seguradoras enviam

Leia mais

(MLRV) TRANSPORTES INTERNACIONAIS JAN A JUNHO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) TRANSPORTES INTERNACIONAIS JAN A JUNHO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 TRANSPORTES INTERNACIONAIS JAN A JUNHO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: Lamentavelmente a SUSEP alterou a estrutura de resultados não mais detalhando os

Leia mais

(MLRV) TRANSPORTES NACIONAIS JAN A JUNHO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) TRANSPORTES NACIONAIS JAN A JUNHO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 TRANSPORTES NACIONAIS JAN A JUNHO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: Lamentavelmente a SUSEP alterou a estrutura de resultados não mais detalhando os prêmios

Leia mais

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. Ano de 2006

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. Ano de 2006 RANKING DAS SEGURADORAS Ano de 2006 Este estudo é patrocinado pelo SINCOR-SP (www.sincorsp.org.br) Março/2006 Responsável Técnico: Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br 1 SUMÁRIO: I) Critérios II)

Leia mais

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO GARANTIA - TOTAL R$ 2010 % 2011 % %11/10. Prêmios Líquidos Emitidos R$ 260.843.284 100,0% R$ 313.271.

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO GARANTIA - TOTAL R$ 2010 % 2011 % %11/10. Prêmios Líquidos Emitidos R$ 260.843.284 100,0% R$ 313.271. MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS GARANTIA JAN A MAIO 2011 Esse foi um dos conjuntos que sofreram alterações em classificação de produtos. Pelo relatório da SUSEP passamos a ter somente dois ramos: Garantia

Leia mais

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS AUTOMÓVEIS JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS AUTOMÓVEIS JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS AUTOMÓVEIS JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: Como sabemos a SUSEP, no intuito de aperfeiçoar as avaliações de

Leia mais

CENÁRIO: NOVA REPRESENTAÇÃO CONFEDERAÇÃO DE SEGUROS E RESPECTIVAS FEDERAÇÕES

CENÁRIO: NOVA REPRESENTAÇÃO CONFEDERAÇÃO DE SEGUROS E RESPECTIVAS FEDERAÇÕES CENÁRIO: NOVA REPRESENTAÇÃO CONFEDERAÇÃO DE SEGUROS E RESPECTIVAS FEDERAÇÕES = 2 DADOS Federação Nacional de Seguros Gerais - Fenseg Fundada em 07 de fevereiro de 2007 Endereço: Rua Senador Dantas, 74

Leia mais

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. Ano de 2005

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. Ano de 2005 RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL Ano de 2005 Este estudo é patrocinado pelo SINCOR-SP (www.sincorsp.org.br) Março/2006 Responsável Técnico: Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br 1 SUMÁRIO: I) Critérios

Leia mais

Uma proposta para o ranking das seguradoras brasileiras Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP)

Uma proposta para o ranking das seguradoras brasileiras Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP) Uma proposta para o ranking das seguradoras brasileiras Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP) I) Introdução O objetivo deste trabalho é apresentar

Leia mais

1- INTRODUÇÃO: 2- RESULTADOS SUSEP JAN 2015:

1- INTRODUÇÃO: 2- RESULTADOS SUSEP JAN 2015: 1- INTRODUÇÃO: A SUSEP liberou no dia 07/03/2015 os números do Mercado de Seguros e Previdência referente ao mês de janeiro 2015. Cabe ainda lembrar que esses números se referem ao banco de dados SES o

Leia mais

CASTIGLIONE (MLRV) SEGURO GARANTIA UM MERCADO NERVOSO

CASTIGLIONE (MLRV) SEGURO GARANTIA UM MERCADO NERVOSO SEGURO GARANTIA UM MERCADO NERVOSO A SUSEP acabou de divulgar os números referentes ao período de janeiro a novembro de 2011. Sem sombra de dúvidas o SES Sistema de Estatísticas da SUSEP é o único instrumento

Leia mais

REVIEW OF BRAZILIAN INSURANCE MARKET

REVIEW OF BRAZILIAN INSURANCE MARKET REVIEW OF BRAZILIAN INSURANCE MARKET December, 2010 Revenues and Profitability of Insurance, Reinsurance, Private Pensions and Capitalization Segments. Real and Estimated Data for 2011. Information based

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP PAUTA DE JULGAMENTO DA 203 a SESSÃO Comunicamos que, na forma

Leia mais

ANÁLISE PRODUTOS 2014 SEGURO GARANTIA I TRIMESTRE DE 2014

ANÁLISE PRODUTOS 2014 SEGURO GARANTIA I TRIMESTRE DE 2014 ANÁLISE PRODUTOS 2014 SEGURO GARANTIA I TRIMESTRE DE 2014 lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: Lamentavelmente esse estudo será restrito ao volume de prêmios não tendo, por

Leia mais

Como poderemos ver é uma modalidade de alta rentabilidade e dominada pelo canal banco.

Como poderemos ver é uma modalidade de alta rentabilidade e dominada pelo canal banco. MERCADO DE SEGUROS BRASILEIRO RESIDENCIAL JANEIRO A JULHO DE 2008 Esse poderá ser o primeiro grande produto do chamado micro seguro. De fato a dificuldade para sua aplicabilidade para as camadas menos

Leia mais

Auto. O coração do negócio. O coração do negócio

Auto. O coração do negócio. O coração do negócio Uma das características conhecidas do Grupo Itaú é a preocupação especial com seus clientes. Os funcionários seguem à risca a circular de 1962, que alertava a todos que a instituição vive de sua clientela.

Leia mais

SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012

SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012 SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012 1 SEGURO RISCOS RURAIS Esse estudo tomou por base dados oficiais gerados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, IBGE e pela SUSEP (Superintendência

Leia mais

ENDEREÇO: AV. PAULISTA, 1294, - 16º, 17º, 18º E 21º ANDARES - BELA VISTA

ENDEREÇO: AV. PAULISTA, 1294, - 16º, 17º, 18º E 21º ANDARES - BELA VISTA RELAÇÃO DE SEGURADORAS DPVAT ACE SEGURADORA S.A. CNPJ: 03.502.099/0001-18 CÓDIGO FIP: 06513 ENDEREÇO: AV. PAULISTA, 1294, - 16º, 17º, 18º E 21º ANDARES - BELA VISTA CIDADE: SÃO PAULO - SP - CEP: 01310915

Leia mais

AUTOMÓVEIS JAN A JUNHO 2015

AUTOMÓVEIS JAN A JUNHO 2015 AUTOMÓVEIS JAN A JUNHO 2015 Como sabemos a modalidade de Automóveis ainda é o carro-chefe do segmento de seguros. Desde a renúncia fiscal (IPI), aumento de crédito e taxa de juros mais coerentes, que a

Leia mais

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Emissão entre JAN/2016 a MAR/2016 [Arquivo Resumo_SUSEP_de_201601_a_201603_BRL.pdf] Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro - Emissão entre JAN/2016

Leia mais

IMPACTO DOS CUSTOS DOS CONFLITOS NAS SEGURADORAS

IMPACTO DOS CUSTOS DOS CONFLITOS NAS SEGURADORAS IMPACTO DOS CUSTOS DOS CONFLITOS NAS SEGURADORAS 1. Dimensionamento dos conflitos --- sinistros judiciais 2. Distribuição por ramos e por tempo 3. Visão Global --- Impacto no mercado 4. As experiências

Leia mais

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS GARANTIAS JAN A DEZ 2014 NÚMEROS SUSEP - SES (02/03/2015)

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS GARANTIAS JAN A DEZ 2014 NÚMEROS SUSEP - SES (02/03/2015) ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS JAN A DEZ 2014 NÚMEROS SUSEP - SES (02/03/2015) lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: Como sabemos a SUSEP, no intuito de aperfeiçoar as avaliações

Leia mais

AUTOMÓVEIS JAN A ABRIL 2015

AUTOMÓVEIS JAN A ABRIL 2015 AUTOMÓVEIS JAN A ABRIL 2015 Como sabemos a modalidade de Automóveis ainda é o carro-chefe do segmento de seguros. Desde a renúncia fiscal (IPI), aumento de crédito e taxa de juros mais coerentes, que a

Leia mais

CESER Central de Serviços e Proteção ao Seguro Pesquisa sobre o SIBLOQ

CESER Central de Serviços e Proteção ao Seguro Pesquisa sobre o SIBLOQ CESER Central de s e Proteção ao Seguro Pesquisa sobre o SIBLOQ Abril /2013 SIBLOQ Banco de Dados de Bloqueio de Ligações de Telemarketing 2 Receberam a pesquisa 91 empresas Responderam à pesquisa 13 empresas

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS PRESTAMISTA RESULTADOS E INDICADORES JAN A MAIO 2010 09-07-2010 1 MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS PRESTAMISTA Esse conjunto encerrou o período com um volume de vendas de R$

Leia mais

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Emissão entre JAN/2015 a JAN/2016 [Arquivo Resumo_SUSEP_de_201501_a_201601_BRL-DPVAT.pdf] Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro - Emissão entre JAN/2015

Leia mais

PAINEL OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO MERCADO DE SEGUROS MINEIRO. Seguros de Pessoas

PAINEL OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO MERCADO DE SEGUROS MINEIRO. Seguros de Pessoas PAINEL OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO MERCADO DE SEGUROS MINEIRO Seguros de Pessoas SEGUROS DE PESSOAS Brasil por UF SP e RJ detém 60% do mercado; MG se mantém em 3º no Brasil, com 7,6% de participação;

Leia mais

1- INTRODUÇÃO: 2- RESULTADOS SUSEP JAN A SET 2015:

1- INTRODUÇÃO: 2- RESULTADOS SUSEP JAN A SET 2015: 1- INTRODUÇÃO: A SUSEP liberou no dia 26/10/2015 os números do Mercado de Seguros e Previdência referente ao período de jan a setembro de 2015. Cabe ainda lembrar que esses números se referem ao banco

Leia mais

MARGEM DE TRANSPORTES 2010 JAN A SET/2012. lcastiglione@uol.com.br - 11-992836616

MARGEM DE TRANSPORTES 2010 JAN A SET/2012. lcastiglione@uol.com.br - 11-992836616 MARGEM DE TRANSPORTES 2010 JAN A SET/2012 1 CONCEITOS E FONTES: Esse estudo tomou por base as informações divulgadas pela SUSEP através do sistema SES de 2010, 2011 e de jan a set/2012. Esses números foram

Leia mais

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. 1º Semestre/2009

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. 1º Semestre/2009 RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL 1º Semestre/2009 Este estudo é patrocinado pelo SINCOR-SP (www.sincorsp.org.br) Setembro/2009 Responsável Técnico: Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br 1 SUMÁRIO:

Leia mais

:: SEI / CADE - 0056816 - Parecer ::

:: SEI / CADE - 0056816 - Parecer :: Página 1 de 9 Ministério da Justiça - MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 2º andar - Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70770-504 Telefone:

Leia mais

De fato a situação poderá se complicar em função da situação econômica do País.

De fato a situação poderá se complicar em função da situação econômica do País. 1- INTRODUÇÃO: A SUSEP liberou no dia 21/09/2015 os números do Mercado de Seguros e Previdência referente ao período de jan a julho de 2015. Cabe ainda lembrar que esses números se referem ao banco de

Leia mais

FUNENSEG. Uma Discussão Ampliada sobre o Conceito de Solvência nas Seguradoras Brasileiras

FUNENSEG. Uma Discussão Ampliada sobre o Conceito de Solvência nas Seguradoras Brasileiras 25 ESTUDOS FUNENSEG Uma Discussão Ampliada sobre o Conceito de Solvência nas Seguradoras Brasileiras Francisco Galiza 1 Setembro de 2011 1 Economista e Consultor. galiza@ratingdeseguros.com.br. www.ratingdeseguros.com.br

Leia mais

Ranking das. Seguradoras

Ranking das. Seguradoras Ranking das Seguradoras 2016 Mensagem do Presidente Mesmo no ano difícil de 2016, setor apresenta crescimento em alguns ramos O Ranking das Seguradoras é um tradicional estudo do Sincor-SP, bastante aguardado

Leia mais

II Celebração do Dia do Ouvidor e Dia Internacional do Consumidor Dados das Ouvidorias 2015 Silas Rivelle Junior Ouvidor da Unimed Seguradora e

II Celebração do Dia do Ouvidor e Dia Internacional do Consumidor Dados das Ouvidorias 2015 Silas Rivelle Junior Ouvidor da Unimed Seguradora e II Celebração do Dia do Ouvidor e Dia Internacional do Consumidor Dados das Ouvidorias 2015 Silas Rivelle Junior Ouvidor da Unimed Seguradora e Presidente da Comissão de Ouvidoria da CNseg Pauta da apresentação

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS ACIDENTES PESSOAIS RESULTADOS E INDICADORES JAN A MAIO 2010 09-07-2010 1 MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS ACIDENTES PESSOAIS Esse conjunto encerrou o período com um volume de

Leia mais

Classificação A Classificação do ramo Riscos de Engenharia compreende várias modalidades, enquadradas em duas grandes categorias:

Classificação A Classificação do ramo Riscos de Engenharia compreende várias modalidades, enquadradas em duas grandes categorias: MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RISCOS DE ENGENHARIA JAN A MAIO / 2011 Os Seguros de Riscos de Engenharia garantem, basicamente, a reposição de bens que tenham sofrido danos materiais, oferecendo cobertura

Leia mais

De forma geral serve como um elemento de apoio econômico, proporcionando segurança financeira ao investimento.

De forma geral serve como um elemento de apoio econômico, proporcionando segurança financeira ao investimento. MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RISCOS DE ENGENHARIA 12 MESES ENCERRADOS EM ABRIL DE 2009 O seguro de Riscos de Engenharia garante ao construtor a cobertura para os prejuízos que venha a sofrer em decorrência

Leia mais

O Cenário Atual do Mercado Segurador Brasileiro e suas Perspectivas. www.ratingdeseguros.com.br Francisco Galiza Junho/2010

O Cenário Atual do Mercado Segurador Brasileiro e suas Perspectivas. www.ratingdeseguros.com.br Francisco Galiza Junho/2010 O Cenário Atual do Mercado Segurador Brasileiro e suas Perspectivas www.ratingdeseguros.com.br Francisco Galiza Junho/2010 Sumário 1) Passado: História Econômica do Setor 2) Presente: Situação Atual 3)

Leia mais

O objetivo deste artigo é fazer uma análise sobre a classificação de riscos. Fenacor desde 1996. Este estudo é feito semestralmente, a partir das

O objetivo deste artigo é fazer uma análise sobre a classificação de riscos. Fenacor desde 1996. Este estudo é feito semestralmente, a partir das Classificação de Riscos no mercado segurador brasileiro Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Responsável técnico pelo projeto de classificação de risco das empresas de seguros, patrocinado pela Fenacor

Leia mais

Mercado de Seguros de Pessoas Dados Estatísticos Maio 2014

Mercado de Seguros de Pessoas Dados Estatísticos Maio 2014 Mercado de Seguros de Pessoas Dados Estatísticos Maio 2014 Rua Senador Dantas, nº 74 11º andar Cep 20.031-205 Rio de Janeiro RJ Brasil Tel: +55 21 2510-7914 Fax: +55 21 2510-7930 e-mail: fenaprevi@fenaprevi.org.br

Leia mais

(MLRV) SEGURO GARANTIA ESTENDIDA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO GARANTIA ESTENDIDA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO GARANTIA ESTENDIDA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: O seguro de Garantia Estendida tem como objetivo fornecer ao segurado, facultativamente

Leia mais

Mercado Segurador Brasileiro

Mercado Segurador Brasileiro Mercado Segurador Brasileiro Fonte: SUSEP Atualizado: dezembro/2016 Código FIP (Formulário de Informações Periódicas) Seguros Sociedades Seguradoras (120) Código FIP: CNPJ: Autorização: Sede: Ace Seguradora

Leia mais

4ª Conferência de Proteção do Consumidor de Seguros. As Ouvidorias do Mercado Segurador - Transparência na Relação com os Consumidores

4ª Conferência de Proteção do Consumidor de Seguros. As Ouvidorias do Mercado Segurador - Transparência na Relação com os Consumidores 4ª Conferência de Proteção do Consumidor de Seguros As Ouvidorias do Mercado Segurador - Transparência na Relação com os Consumidores Silas Rivelle Presidente da Comissão de Ouvidoria (CNseg) 07 de maio

Leia mais

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO SEGURO PRESTAMISTA 12 MESES ENCERRADOS EM ABRIL DE 2009 e 2008.

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO SEGURO PRESTAMISTA 12 MESES ENCERRADOS EM ABRIL DE 2009 e 2008. MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO SEGURO PRESTAMISTA 12 MESES ENCERRADOS EM ABRIL DE 2009 e 2008. O Seguro de Vida Prestamista é um seguro que garante o recebimento da dívida de seus clientes. Destinado às

Leia mais

(MLRV) SEGURO RESIDENCIAL JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO RESIDENCIAL JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO RESIDENCIAL JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro Residencial na atualidade tem um objetivo primordial à proteção das residenciais

Leia mais

Ranking das. Seguradoras

Ranking das. Seguradoras Ranking das Seguradoras 2015 Mensagem do Presidente Setor sente reflexos da economia e deve retomar crescimento O Ranking das Seguradoras é um tradicional estudo do Sincor-SP bastante aguardado pelo mercado.

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RESIDENCIAL

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RESIDENCIAL MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RESIDENCIAL I BIMESTRE -2013 1 O segmento de Residencial encerrou o mês de janeiro com um volume de produção de R$ 307 milhões contra R$ 247 milhões de 2012, um crescimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP PAUTA DE JULGAMENTO DA 206 a SESSÃO Comunicamos que, na forma

Leia mais

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com. Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Julho/2005 1) Introdução O objetivo deste estudo foi avaliar

Leia mais

PRÊMIO BANDEIRANTE 2015. XVI Edição. Onde o seu voto faz toda a diferença. O que é?

PRÊMIO BANDEIRANTE 2015. XVI Edição. Onde o seu voto faz toda a diferença. O que é? PRÊMIO BANDEIRANTE 2015 XVI Edição Onde o seu voto faz toda a diferença. O que é? Idealizado pelo Sindicato dos Corretores e das Empresas Corretoras de Seguros, de Capitalização e de Previdência Privada

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RESIDENCIAL

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RESIDENCIAL MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RESIDENCIAL JAN -2013 1 O segmento de Residencial encerrou o mês de janeiro com um volume de produção de R$ 160 milhões contra R$ 125 milhões de 2012, um crescimento nominal

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras Ranking das Seguradoras º Semestre 20 Mensagem do Presidente O desafio de cada um Crescer com qualidade. Desenvolver com competência, integrar para construir uma história de significativas realizações.

Leia mais

RELAÇÃO PROCESSOS DISTRIBUÍDOS À 35ª VARA CÍVEL REFERENTE A PAGAMENTO DE SEGURO DPVAT

RELAÇÃO PROCESSOS DISTRIBUÍDOS À 35ª VARA CÍVEL REFERENTE A PAGAMENTO DE SEGURO DPVAT RELAÇÃO PROCESSOS DISTRIBUÍDOS À 35ª VARA CÍVEL REFERENTE A PAGAMENTO DE SEGURO DPVAT SEGURADORAS PROCESSOS CAIXA SEGURADORA S/A 10.226.370-4 CAIXA SEGURADORA S/A 10.252.254-7 CAIXA SEGURADORA S/A 10.252.253-9

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP PAUTA DE JULGAMENTO DA 210 a SESSÃO Pauta de Julgamento de

Leia mais

De uma forma resumida temos os seguintes indicadores operacionais: MERCADO PREVIDÊNCIA PRIVADA TRADICIONAL RESUMOS %15/14 2014 2015 %15/14

De uma forma resumida temos os seguintes indicadores operacionais: MERCADO PREVIDÊNCIA PRIVADA TRADICIONAL RESUMOS %15/14 2014 2015 %15/14 1- INTRODUÇÃO: Os números aqui analisados foram extraídos do sistema SES da SUSEP referente aos períodos de jan a maio de e 2014. Aqui temos os principais indicadores operacionais do segmento de previdência

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP PAUTA DE JULGAMENTO DA 202 a SESSÃO Comunicamos que, na forma

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras Ranking das Seguradoras 0 Ranking das Seguradoras Ranking das Seguradoras - 0 Mensagem do Presidente A importância dos rankings O Sincor-SP está disponibilizando mais uma vez, a todo o mercado de seguros,

Leia mais

Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva

Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2009 Sumário 1) Situação Atual 2) Mercado Segurador em 2015?? (1ª Pesquisa Dezembro/2008) 3) Mercado Segurador

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RESIDENCIAL

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RESIDENCIAL MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RESIDENCIAL JAN A MAIO -2013 1 O segmento de Residencial encerrou o período com um volume de produção de R$ 804,8 milhões contra R$ 652,4 milhões de 2012, um crescimento nominal

Leia mais

CASTIGLIONE SEGURO PRESTAMISTA JAN A SET DE 2015 SUSEP SES

CASTIGLIONE SEGURO PRESTAMISTA JAN A SET DE 2015 SUSEP SES SEGURO PRESTAMISTA JAN A SET DE 2015 SUSEP SES 1 1- INTRODUÇÃO: As características do seguro prestamista fazem com que o período de vigência seja de acordo com a cobertura individual. O início é às 24

Leia mais

(MLRV) SEGURO RISCOS DE ENGENHARIA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO RISCOS DE ENGENHARIA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO RISCOS DE ENGENHARIA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: As coberturas oferecidas pelo mercado podem ser básicas, especiais e adicionais.

Leia mais

Mercado de Seguros de Pessoas Dados Estatísticos Outubro 2013

Mercado de Seguros de Pessoas Dados Estatísticos Outubro 2013 Mercado de Seguros de Pessoas Dados Estatísticos Outubro 2013 Rua Senador Dantas, nº 74 11º andar Cep 20.031-205 Rio de Janeiro RJ Brasil Tel: +55 21 2510-7914 Fax: +55 21 2510-7930 e-mail: fenaprevi@fenaprevi.org.br

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DAS EAPP JAN A ABRIL DE 2014 SUSEP SES

MERCADO BRASILEIRO DAS EAPP JAN A ABRIL DE 2014 SUSEP SES MERCADO BRASILEIRO DAS EAPP DE 2014 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- RESULTADOS: O Mercado Brasileiro de EPPA encerrou o período com um Prejuízo Líquido de R$ 5,3 milhões

Leia mais