INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades. Nuno Albuquerque Paulo Ribeiro Barbosa Luís Paulo Silva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades. Nuno Albuquerque Paulo Ribeiro Barbosa Luís Paulo Silva"

Transcrição

1 INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades 24 de Fevereiro Salão Nobre da Câmara Municipal de Amares Nuno Albuquerque Paulo Ribeiro Barbosa Luís Paulo Silva

2 DIAGNÓSTICO PRINCIPAIS PROBLEMAS DOS PROCESSOS INSOLVÊNCIA Nuno Albuquerque INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades 2

3 DIAGNÓSTICO PRINCIPAIS PROBLEMAS DOS PROCESSOS INSOLVÊNCIA 1. Organização do próprio processo judicial 2. Conformação dos interesses conflituantes 3. Insuficiente formação especializada dos operadores 4. Inexistência de qualquer selecção no recrutamento Adm. Insol. e no controle do desempenho da sua actividade 5. Comissões de Credores: falta de motivação e empenhamento 6. Falta de comunicação e cooperação entre as várias entidades 7. Deficiente visão da natureza e função do processo por parte de alguns credores: cobrança de dívida forma de recuperar o IVA pago arrumar internamente o ficheiro do cliente (ex. Bancos) forma de fazer morrer as sociedades (MP e Segurança Social) 3

4 Nenhum daqueles problemas é resolvido ou sequer atenuado com as alterações proposta ao CIRE. Pelo contrário. 4

5 PANORAMA GERAL SOBRE A INSOLVÊNCIA Paulo Ribeiro Barbosa INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades 5

6 Finalidade do Processo de Insolvência Pagamento aos credores Plano de insolvência com base na recuperação da empresa Liquidação do património do devedor Imediata repartição do Produto obtido pelos credores ou, 6

7 Iniciativa do Processo I. Devedor: Pessoa Colectiva Incube à Administração; Pessoa Singular; II. Credor III. Pessoa legalmente responsável pelas dividas do insolvente (deve indicar a sua responsabilidade); IV. Ministério Publico 7

8 Factos Justificativos do Pedido de Insolvência: I. Suspensão generalizada de pagamentos das obrigações vencidas; II. III. IV. Falta de cumprimento de uma mais obrigações que pelo seu montante ou circunstancias revelem impossibilidade de satisfaço da generalidade das obrigações; Fuga do titular da empresa ou dos administradores ou abandono da sede; Dissipação, abandono, liquidação apressada ou ruinosa de bens e constituição fictícia de créditos; 8

9 Factos Justificativos do Pedido de Insolvência: V. Insuficiência de bens penhoráveis para pagamento do crédito do exequente verificada no processo executivo; VI. Incumprimento de obrigações previstas em plano de insolvência ou no plano de pagamentos, se depois de interpelado pelo credor na sequencia da mora, o devedor não tiver cumprido no prazo de 15 dias, após essa interpelação; VII.Incumprimento generalizado, nos últimos 6 meses, de dívidas tributárias, contribuições para a segurança social, créditos laborais, rendas de locação financeira ou de créditos hipotecários (local de exercício da actividade ou residência); 9

10 Factos Justificativos do Pedido de Insolvência (pessoas colectivas e patrimónios autónomos): VIII.Manifesta superioridade do passivo em relação ao activo; IX. Atraso superior a 9 meses na aprovação e depósito das contas; 10

11 Dever de Apresentação à Insolvência: 6 meses pessoas singulares 60 dias sociedades/empresas Proposta de Lei n.º 39/XII: Encurta o dever do devedor se apresentar à insolvência para 30 dias. Presunção: o conhecimento da situação de insolvência decorridos três meses sobre o incumprimento generalizado das obrigações da empresa: obrigações tributárias ou à Segurança Social, laborais rendas de leasing ou prestações de mútuos hipotecários 11

12 Insuficiência da Massa Insolvente art. 39.º: Insolvência com carácter limitado Se o Juiz concluir pela insuficiência do activo para satisfação das custas e dividas previsíveis da massa insolvente não designa data para reclamar créditos, nem para realização da Assembleia de Credores Possibilidade de pedir que a sentença seja complementada Pedido no prazo de 5 dias Necessidade de depósito do montante para assegurar o pagamento das custas e dividas da massa 12

13 Insuficiência da Massa Insolvente Efeitos: O Devedor não fica privado dos poderes de administração e disposição do património; O Administrador de Insolvência limita a sua actividade à elaboração do parecer sobre a qualificação de insolvência vide art. 188.º, n.º 2 O processo de insolvência é declarado findo logo que a sentença transite em julgado; Da declaração de insolvência com carácter limitado não resultam quaisquer efeitos para outras acções pendentes ou execuções instauradas ou a instaurar contra a insolvente, designadamente as previstas nos artºs 85º a 89º do CIRE; A liquidação da insolvente deve prosseguir - vide art. 234.º, n.º 4 com a instauração oficiosa de procedimento administrativo de liquidação nos termos do n.º 5 do art. 15.º do Regime Jurídico dos Procedimentos Administrativos de Dissolução e Liquidação das Entidades Comerciais. 13

14 Efeitos Processuais da Declaração de Insolvência: Suspensão de Acções Executivas ou providências que atinjam bens integrantes da massa insolvente cfr. art. 88.º Apensação de acções contra o devedor que apreciem questões relativas a bens da massa insolvente e acções de natureza patrimonial intentadas pelo Devedor, quando requerida pelo Administrador de Insolvência cfr. art. 85.º 14

15 Efeitos Processuais da Declaração de Insolvência (quanto aos créditos e garantias): Privação dos poderes de administração e disposição dos bens da massa insolvente que passam para o administrador de insolvência (artigo 81 ) Excepto se se a administração continuar a ser assegurada pelo devedor, nos termos do artigo 224 ; O Administrador assume a representação do devedor para todos os efeitos de carácter patrimonial que interessem à insolvência; Vencimento de todas as obrigações, não subordinadas a uma condição suspensiva; As dívidas da Insolvente continuam a vencer juros (em regra passam a créditos subordinados); Extinção de privilégios creditórios do Estado, Autarquias locais e Segurança Social, constituídos há mais de um ano - artigo 97. ; 15

16 Efeitos Processuais da Declaração de Insolvência (quanto aos créditos e garantias): Extinção de hipotecas legais registadas nos dois meses anteriores do inicio do processo de insolvência e que forem acessórias a créditos do Estado, Autarquias Locais e Segurança Social; Concessão de privilégio ao credor requerente; Opção pela execução ou recusar de cumprimento de negócios bilaterais ainda não cumpridos; Alterações Novo privilegio creditório: Credores que, no decurso do PER disponibilizem capital para a revitalização da Devedora Privilégio graduado antes do crédito dos trabalhadores. 16

17 Reclamação de Créditos (art. 128.º): Requerimento, acompanhado de todas as provas, remetido para o Administrador de Insolvência Não é devida taxa de justiça Mesmo o credor que tenha o seu crédito reconhecido por sentença não está dispensado de o reclamar no processo de insolvência, se quiser obter pagamento Alterações CIRE Admite-se o envio da reclamação para o Administrador de Insolvência por correio electrónico A comunicação de não reconhecimento do crédito também será feita por correio electrónico nos casos em que a reclamação de créditos haja sido efectuada por este meio 17

18 Verificação Ulterior de Créditos (art. 146.º): Prazo: um ano Alternativa: reconhecimento pelo Administrador insolvência. Alterações CIRE Prazo para VUC: 6 meses após a declaração de insolvência. Credores são citados por edital electrónico no portal citius. 18

19 Classificação dos créditos: Créditos Garantidos: pagos através da venda dos bens onerados com garantias reais e com privilégios creditórios especiais; Atende-se à prioridade que lhes caiba. Créditos Privilegiados : são pagos à custa dos bens que não estejam afectos as garantias reais e a privilégios creditórios especiais. Créditos Comuns: só pagos com o remanescente (após pagamento de créditos garantidos e privilegiados) na proporção dos créditos, se a massa for insuficiente para a satisfaço integral Créditos Subordinados só são pagos depois de integralmente pagos os créditos comuns. 19

20 Créditos Garantidos (art. 47.º, n.º 4, al a): Créditos com garantia hipotecária, penhor, consignação de rendimentos e os créditos com privilégios creditórios especiais. Créditos dos trabalhadores, sobre os bens onde o trabalhador preste a sua actividade. Os privilégios imobiliários especiais prevalecem sobre a hipoteca cfr. art. 751 do Código Civil. Créditos fiscais com privilégios especiais: imobiliários (IMT e IMI), mobiliários (IVA). 20

21 Créditos Privilégios e Comuns (art. 47.º): Privilegiados: Beneficiam de privilégios creditórios gerais (Ex: créditos dos trabalhadores com privilégio mobiliário geral (art. 333 do CT) e créditos da Segurança Social) Comuns: os restantes créditos (que no sejam garantidos, privilegiados ou subordinados) 21

22 Créditos Subordinados (art. 48.º): Detidos por pessoas especialmente relacionadas com o devedor, desde que relação já existisse aquando da constituição do crédito, ou créditos de terceiros a quem estas pessoas os tenham transmitido; Juros de créditos não subordinados constituídos após a declaração de insolvência, com excepção dos juros de créditos com garantias reais e privilégios creditórios gerais, ate ao valor dos respectivos bens; Créditos sobre a insolvência que, na sequencia da resolução em benefício da massa, resultem para terceiro de má fé; Créditos por suprimentos; 22

23 Créditos Subordinados (art. 48.º): Não conferem direito de voto nas assembleias de credores, salvo para aprovação do plano de insolvência; São pagos em último lugar (artigo 177. ); Na ausência de convenção expressa em sentido contrário constante do plano de insolvência, são objecto de perdão integral (artigo 197 ); 23

24 Pagamento dos Créditos (arts. 172 e sgts.): Pagamento das dívidas da Massa Insolvente Créditos Garantidos Créditos Privilegiados Créditos Comuns Créditos Subordinados 24

25 Recuperação de IVA por créditos incobráveis (art. 78.º CIVA): É possível recuperar o IVA resultante de entregas por operações entre dois sujeitos passivos, nas seguintes situações: Créditos reclamados em processo de execução, após o registo da suspensão da instância, por não terem sido encontrados bens penhoráveis Créditos sobres empresas em procedimento extrajudicial de conciliação relativos a empresas em condições de requerer judicialmente a sua insolvência Créditos reclamados em processo de insolvência. 25

26 Recuperação de IVA por créditos incobráveis (art. 78.º CIVA): Nascendo o direito à regularização, o sujeito passivo poderá recuperar o IVA em qualquer declaração posterior, mediante a inscrição do respectivo valor no campo 40 da declaração periódica; Prazo: 4 anos a partir do momento em que nasce o direito; Obrigatoriedade de comunicação ao adquirente do bem ou serviço, que seja um sujeito passivo do imposto, a anulação total ou parcial do imposto, para efeitos de rectificação da dedução inicialmente efectuada; Verificando-se a recuperação dos créditos, total ou parcialmente, o sujeito passivos é obrigado a proceder à entrega do imposto, no período em que se verificar o seu recebimento (preenchimento no campo 41 da declaração periódica); Os documentos, certidões e comunicações devem integrar o processo de documentação fiscal do contribuinte (art. 121.º do CIRC) 26

27 Recuperação de IVA por créditos incobráveis (art. 78.º CIVA): Créditos até 6.000,00 (IVA incluído) que tenham sido reconhecidos em acção de condenação ou reclamados em processo de execução em que o devedor tenha sido citado editalmente Valor global dos créditos referidos no número anterior, o valor global do imposto a deduzir, a realização de diligências de cobrança por parte do credor e o insucesso, total ou parcial, de tais diligências devem encontrar-se documentalmente comprovados e ser certificados por revisor oficial de contas; Impossibilidade de se proceder à dedução do IVA quando o adquirente, à data da transacção, constasse da lista de acesso público de execuções extintas com pagamento parcial ou por não terem sido encontrados bens penhoráveis. 27

28 INSTRUMENTOS E MECANISMOS DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO E REVITALIZAÇÃO EMPRESARIAL Nuno Albuquerque INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades 28

29 Utilização da insolvência para atingir o controlo da empresa Via dos créditos Compra dos créditos que garantam o controlo da Assembleia de Credores e a aprovação de um plano feito á medida: Pode comportar redução a zero do capital social e subsequente conversão de créditos em capital Via do capital social Compra de uma posição maioritária para que se proceda a uma reestruturação da empresa: Pode passar pela renegociação das dívidas e/ou pelo refinanciamento da empresa 29

30 INSTRUMENTOS E MECANISMOS DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO E REVITALIZAÇÃO EMPRESARIAL Processo especial de revitalização (PER) (art. 17.º-A ss CIRE) Plano de Insolvência (129.º- ss CIRE) 30

31 Processo Especial de Revitalização ( PER ) artigos 17.º-A a 17.º-I O QUE É? Permitir ao devedor estabelecer negociações com os credores COMO Através de um acordo que permite a aprovação de um plano de reestruturação 31

32 FASES Inicio do processo De imediato Listagem dos créditos 20 a 30 dias Desenvolvimento do Plano de Recuperação 2 a 3 meses Aprovação/extinção 10 dias 32

33 INICIO PROCESSO Situação económica difícil (situação de insolvência iminente) Inicio do processo pela manifestação de vontade e de um credor Comunicação ao Juiz do Tribunal competente Despacho de nomeação de administrador judicial provisório 33

34 LISTAGEM DOS CRÉDITOS 20 dias p/ reclamar créditos: Publicação Citius despacho nomeação Adm. Provisório 5 dias para Adm. Prov. elaborar lista credores 5 dias úteis para impugnações 5 dias úteis para Juiz decidir sobre impugnações 34

35 DESENVOLVIMENTO PER 2 meses para concluir as negociações, podendo o prazo ser prorrogado apenas uma vez pelo período de um mês Administrador judicial provisório participa nas negociações Acções de cobrança de dívida são suspensas Adm. Jud. deve aprovar qualquer acto de revelo do devedor (por escrito) 35

36 APROVAÇÃO/EXTINÇÃO PER Aprovação com 1/3 do total dos créditos voto favorável de 2/3 dos votos emitidos e superior a ½ dos votos emitidos de créditos não subordinados Se houver unanimidade: acordo deve se assinado por todos Caso contrário: devedor remete plano aprovado ao Juiz O juiz tem 10 dias para homologar / recusar o plano Caso não seja alcançado acordo no prazo, o juiz aprecia situação do devedor e pode declarar a insolvência 36

37 PLANO DE INSOLVÊNCIA Artºs 192.º ss O QUE É? Destina-se a regular o pagamento dos créditos liquidação da massa insolvente e a sua repartição Responsabilidade do devedor pós processo de insolvência O QUE ALTERA? O plano que se destine a prover à recuperação do devedor designa-se plano de recuperação No demais tudo como dantes 37

38 Plano insolvência: pode prever todos os tipos de medidas patrimoniais e de gestão Perdão ou redução do valor de créditos (capital ou juros), com ou sem cláusula «salvo regresso de melhor fortuna» Condicionamento do reembolso de todos os créditos ou de parte deles às disponibilidades do devedor Modificação dos prazos de vencimento ou das taxas de juro dos créditos Constituição de garantias Cessão de bens aos credores 38

39 Pode e deve integrar todas as medidas de reestruturação que se achem essenciais à recuperação da empresa Exige prévia análise da situação específica de uma empresa e do interesse efectivo de recurso à insolvência com vista à sua recuperação Requer o recurso a um administrador judicial experiente na elaboração e negociação de planos de recuperação 39

40 OE 2011 Artº 30/3 da LGT Ditou o fim dos planos de insolvência Plano de insolvência que preveja redução, extinção, ou estabeleça uma moratória de créditos fiscais sem obediência às condições previstas nas próprias leis fiscais não deve ser homologado 40

41 RESPONSABILIDADES PESSOAIS DOS ADMINISTRADORES Luis Paulo Silva INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades

42 Empresa Empresa é declarada insolvente 42

43 Consequências pessoais da declaração de insolvência Responsabilidade Civil Responsabilidade Criminal Responsabilidade Penal Tributária Responsabilidade Tributária 43

44 Responsabilidade Civil dos Gerentes / Administradores Sentença de Declaração de Insolvência (art. 36.º CIRE) Reclamação de Créditos (art. 128.º do CIRE excepto nos casos do art. 39.º nº1 do CIRE) Incidente de Qualificação de Insolvência (arts. 185.º a 191.º do CIRE) 44

45 Tipos de Insolvência (Art. 185.º do CIRE) Fortuita (art. 186.º do CIRE a contrario ) Culposa (art. 186.º do CIRE) 45

46 A Insolvência será culposa quando: (Art. 185.º) o a situação de insolvência tiver sido criada ou agravada pelo devedor; o em consequência da actuação, dolosa ou com culpa grave, do devedor, ou dos seus administradores, de direito ou de facto; o nos três anos anteriores ao início do processo de insolvência. 46

47 Insolvência como culposa: consequências 189.º CIRE o Inibição para o exercício do comércio durante um período de 2 a 10 anos; o Inibição para ocupação de cargos de órgãos sociais de sociedades comerciais, civis, associações, fundações, empresas públicas ou cooperativas; o Perda de créditos sobre a insolvência ou sobre a massa insolvente; 47

48 ALTERAÇÕES CIRE 189.º CIRE a) Identificar as pessoas, nomeadamente administradores, de direito ou de facto, técnicos oficiais de contas e revisores oficiais de contas, afectadas pela qualificação, fixando, sendo o caso, o respectivo grau de culpa; b) Decretar a inibição das pessoas afectadas para administrarem c) ( ) d) ( ) patrimónios de terceiros, por um período de 2 a 10 anos; e) Condenar as pessoas afectadas a indemnizarem os credores do devedor declarado insolvente no montante dos créditos não satisfeitos, até às forças dos respectivos patrimónios, sendo solidária tal responsabilidade entre todos os afectados. 48

49 Artigo 82.º n.2 do CIRE Responsabilidade civil pela administração; Atribui legitimidade extraordinária e exclusiva ao Administrador da Insolvência para efectivação da responsabilidade civil dos gerentes / administradores da insolvente; Responsabilidade civil contratual dos administradores para com a sociedade ( Art. 72.º CSC); Responsabilidade civil extracontratual dos administradores perante credores sociais, sócios e terceiros (art. 78.º e 79.º do CSC); 49

50 Responsabilidade Criminal (CP) Insolvência Dolosa Frustração de Créditos Insolvência Negligente Favorecimento de Credores (art. 227.º CP) (art. 227.º-A CP) (228.º CP) (229.º CP) pena de prisão até 5 anos ou pena de multa até 600 dias pena de prisão até 3 anos ou pena de multa. pena de prisão até um ano ou com pena de multa até 120 dias. pena de prisão até 2 anos ou pena de multa até 240 dias 50

51 Responsabilidade Penal Tributária (RGIT) Abuso de Confiança (art. 105.º RGIT) Abuso de Confiança contra a Segurança Social (107.º-RGIT) 51

52 Abuso de Confiança (art. 105.º RGIT) o não entrega à administração tributária, total ou parcial de prestação tributária de valor superior a : 7.500,00; o decorridos mais de 90 dias sobre o termo do prazo legal para entrega da prestação Pena de prisão até três anos ou multa até 360 dias; 52

53 Abuso de Confiança contra a Segurança Social (art. 107.º RGIT) o não entrega de valores deduzidos do valor das remunerações deduzidas e devidas às instituições de segurança social Inexistência de Limite Mínimo; o decorridos mais de 90 dias sobre o termo do prazo legal para entrega da prestação Pena de prisão até três anos ou multa até 360 dias; 53

54 Responsabilidade Tributária: Art. 22.º LGT Verifica-se quando é possível exigir a um sujeito passivo não originário o pagamento de dívidas tributárias do sujeito passivo originário. 54

55 Responsabilidade dos membros de corpos sociais e responsáveis Art. 24.º LGT Administradores Quem? Gerentes Directores ROCS / TOCS 55

56 Quando? O obrigado ao cumprimento do imposto não o fez; Foi contra ele instaurado um processo de execução fiscal; Nesse processo verificou-se, ou que não há bens para pagar a dívida fiscal, ou que esses bens são insuficientes; A execução fiscal vai então reverter contra eventuais responsáveis 56

57 INSOLVÊNCIA SINGULAR EXONERAÇÃO PASSIVO Nuno Albuquerque INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades

58 INSOLVÊNCIA SINGULAR EXONERAÇÃO PASSIVO RESTANTE Fresh Start 58

59 A decisão de avançar EVITAR INÉRCIA Se passarem 6 meses de incumprimento pode perder oportunidade EXONERAÇÃO DO PASSIVO RESTANTE Oportunidade de perdão das dívidas ao fim de 5 anos Prazo 6 meses: exige-se prejuízo para os credores e que não exista qualquer perspectiva séria de melhoria da sua situação económica 59

60 Avaliar se se cumprem requisitos Data constituição das dívidas Se tiver fornecido informações falsas sobre circunstâncias económicas com vista obtenção crédito Se tiver beneficiado exoneração nos 10 anos anteriores Incumprido prazo de 6 meses com prejuízo p/ credores Culpa do devedor na criação ou agravamento da situação de insolvência Condenado por crimes contra dtos patrimoniais Violado algum dos deveres de informação e colaboração do CIRE TIMING Com apresentação do pedido Insolv. Ou no prazo 10 dias após citação 60

61 Quem tem uma palavra e quem decide? Juiz Admissão/rejeição do pedido Administrador Credores Emite parecer Possibilidade de se pronunciar na assembleia de apreciação do relatório 61

62 Cessão de rendimentos = Viver de mesada durante 5 anos Cria-se um plano de pagamentos Tem que ser respeitado durante 5 anos Calculado em função do rendimento disponível Não deve exceder, 3 x salário mínimo nacional Atenção ao cumprimento das outras obrigações Não ocultar rendimentos Exercer profissão Informar alterações 62

63 Efeitos da exoneração: dívidas ao fisco Do perdão de dívida estão excluídos os créditos por pensão de alimentos os créditos tributários, ou seja, as dívidas ao Fisco, os créditos por multas, coimas e outras sanções pecuniárias por crimes ou contra-ordenações, indemnizações a que esteja obrigado por factos dolosos É obrigado a pagar esses montantes, mesmo que seja declarado insolvente. 63

64 Alternativa do plano de pagamentos não ter explorado uma empresa nos 3 anos anteriores ao início do processo à data do início do processo, ter menos de 20 credores um passivo global até 300 mil euros não ter dívidas laborais 64

65 EM CONCLUSÃO Quer esteja a sentir as primeiras dificuldades ou já se encontre em situação de incumprimento, a inércia é a única solução que não pode escolher. Fale com o banco ou chegue a acordo de pagamento com os credores. Se nada se fizer, o desfecho pode ser acabar por entregar a casa ao banco, a penhora desordenada e venda desordenada de bens. E, ao valor da dívida original, acrescerão, a cada dia que passar, juros, despesas de tribunal e honorários do agente de execução. 65

Newsletter Dinis Lucas e Almeida Santos Sociedade de advogados RL

Newsletter Dinis Lucas e Almeida Santos Sociedade de advogados RL Newsletter Dinis Lucas e Almeida Santos Sociedade de advogados RL Insolvências e Revitalizações Boutique law firm geral@dlas.pt www.dlas.com.pt 217816010 961277028 Av. Republica n 50 7 - A 1050-196 Lisboa

Leia mais

Insolvência intencional ou fortuita

Insolvência intencional ou fortuita Insolvência intencional ou fortuita O facto da insolvência da empresa ser considerada pelo tribunal como intencional ou como fortuita implica várias consequências para as pessoas envolvidas. O chamado

Leia mais

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA Carla Mascarenhas 16 de Abril de 2009 A fase de penhora PROGRAMA Consultas e diligências prévias Ordem da realização da penhora Procedimento da penhora de bens Imóveis

Leia mais

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal Samuel Fernandes de Almeida Introdução O problema político da humanidade écombinar três coisas: eficiência económica, justiça social e liberdade individual

Leia mais

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores.

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Administradores de insolvência ainda sem estatuto Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Económico, 23-04-12 As novas regras para o processo de insolvência

Leia mais

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL)

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Condições de Acesso (Decreto Lei n.º 178/2012 de 3 de Agosto) 0 SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Entrada

Leia mais

ÍNDICE GERAL. PARTE INTRODUTÓRIA O Processo de Insolvência. PARTE I Pressupostos do Processo de Insolvência

ÍNDICE GERAL. PARTE INTRODUTÓRIA O Processo de Insolvência. PARTE I Pressupostos do Processo de Insolvência ÍNDICE GERAL SIGLAS PARTE INTRODUTÓRIA O Processo de Insolvência 1O Direito da insolvência 11 2 O processo de insolvência 12 3 Fontes 15 4 Ordem de sequência 15 PARTE I Pressupostos do Processo de Insolvência

Leia mais

Conciliação para empresas em dificuldades

Conciliação para empresas em dificuldades Conciliação para empresas em dificuldades Em vez de recorrer aos tribunais, uma empresa com dificuldades em cumprir as suas obrigações pode recorrer ao procedimento extrajudicial de conciliação, através

Leia mais

Falência e Dissolução / Liquidação

Falência e Dissolução / Liquidação Falência e Dissolução / Liquidação Declaração de falência O processo de falência ou insolvência é regulado pelo Código dos Processos Especiais de Recuperação da Empresa e de Falência (CPEREF) (artigos

Leia mais

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT P.º R. P. 301/04 DSJ-CT - Registo de hipoteca legal por dívidas à Segurança Social sobre bens dos gerentes da sociedade devedora. Documentos instrutórios : certidão comprovativa da dívida e cópia autenticada

Leia mais

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Finalidade e Natureza do PER António Raposo Subtil ENQUADRAMENTO ANTECEDENTES Memorando assinado com a Troika; Resolução do Conselho de Ministros

Leia mais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais SECÇÃO V Ações preferenciais sem direito de voto Artigo 341º Emissão e direitos dos acionistas 1 O contrato

Leia mais

O S I S T E M A D E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S P O R V I A E X T R A J U D I C I A L

O S I S T E M A D E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S P O R V I A E X T R A J U D I C I A L R E E S T R U T U R A Ç Ã O E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S I. I N T R O D U Ç Ã O No Programa de Assistência Económica e Financeira a Portugal, encontra-se prevista a adopção de um conjunto

Leia mais

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO Artigo 1.º Alteração ao Código Civil Os artigos 1585.º, 1676.º, 1773.º, 1774.º, 1775.º, 1776.º, 1778.º, 1778.º-A,1779.º,

Leia mais

Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 5/2010

Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 5/2010 Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 5/2010 ANEXO I Informações gerais Secção I - Informação sobre o proposto adquirente A - Pessoas Singulares 1 - Deverá ser fornecida a seguinte informação pessoal

Leia mais

"RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS" Francisco Duarte Administrador de Insolvência

RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS Francisco Duarte Administrador de Insolvência "RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS" Francisco Duarte Administrador de Insolvência PROCESSO DE INSOLVÊNCIA FINALIDADE: Liquidação do património de um devedor insolvente, e repartição do respectivo produto, resultante

Leia mais

CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E DA RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (CIRE)

CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E DA RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (CIRE) CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E DA RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS 1 CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E DA RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (CIRE) (DL n.º 53/2004, de 18 de Março com as alterações do DL n.º 200/2004, de 18 de Agosto; DL

Leia mais

Plano para recuperar ou liquidar a empresa

Plano para recuperar ou liquidar a empresa Plano para recuperar ou liquidar a empresa Os credores podem decidir se querem recuperar a empresa ou liquidála. Cabe aos credores de uma empresa decidirem se querem recuperá-la a empresa ou liquidá-la,

Leia mais

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Dezembro de 2015 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE GALEGOS Em conformidade com o disposto na alínea d) do n.º 1 do artigo 9.º, conjugada

Leia mais

Penhoras por meios electrónicos

Penhoras por meios electrónicos Penhoras por meios electrónicos nicos Pedro Amorim pedro.amorim@lusolegal.pt Conferência da CTOC 13 e 14 de Julho de 2007 Enquadramento A função da penhora Sumário Ordem dos bens penhoráveis Formalismos

Leia mais

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa NEWSLETTER Dezembro 2013 Dedutibilidade do imposto de créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa 2 Dedutibilidade imposto de créditos de cobrança duvidosa

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem)

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1 Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) Qualquer litígio, público ou privado, interno ou internacional, que por lei seja susceptível de ser resolvido

Leia mais

Novas perspectivas sobre a insolvência

Novas perspectivas sobre a insolvência Novas perspectivas sobre a insolvência Maio de 2006 Miguel Pinto Cardoso António Andrade de Matos Tópicos O objectivo desta apresentação é abordar os riscos e oportunidades que resultam da insolvência

Leia mais

FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS

FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS Ao abrigo do disposto no artigo 241º da Constituição da Republica Portuguesas, e dos artigos 114º a 119º do Código do Procedimento

Leia mais

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov.

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov. Portaria O Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, celebrado entre a República Portuguesa e o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional,

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE SALIR DE MATOS (Lei nº 53-E/2006 de 29 Dezembro) 1 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS JUNTA DE FREGUESIA DE SALIR DE

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 2.220/13.9 TBVNG 5º Juízo Cível Insolventes: PEDRO MANUEL LOPES DE ALMEIDA E CARLA LILIANA DAMAS BESSA MIRANDA DE ALMEIDA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente

Leia mais

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE)

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) Artigo 185.º Tipos de insolvência A insolvência é qualificada como culposa ou fortuita, mas a qualificação atribuída não é vinculativa para efeitos da

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CASTELO - SESIMBRA

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CASTELO - SESIMBRA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CASTELO - SESIMBRA Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA Preâmbulo Com a publicação da Lei 53-E/2006, de 29 de Dezembro, alterada pela Lei 64-A/2008 de 31 de Dezembro, tornou-se necessário a adaptação da Tabela

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

FASE PRÉ-CONTENCIOSA ASPECTOS FISCAIS RELEVANTES PROCESSO DE INSOLVÊNCIA

FASE PRÉ-CONTENCIOSA ASPECTOS FISCAIS RELEVANTES PROCESSO DE INSOLVÊNCIA FASE PRÉ-CONTENCIOSA FASE CONTENCIOSA ASPECTOS FISCAIS RELEVANTES PROCESSO DE INSOLVÊNCIA INTRODUÇÃO 29-03-2012 Gestão de Cobranças 3 ALGUNS DADOS: A nível europeu os pagamentos em atraso justificam cerca

Leia mais

Regulamento. Regulamento e Tabela de Taxas do Mercado da Brandoa

Regulamento. Regulamento e Tabela de Taxas do Mercado da Brandoa Regulamento Nos termos do artigo 118.º do Código do Procedimento Administrativo, publicase o Projecto de Regulamento e Tabela de Taxas do Mercado da Brandoa, aprovado pela Junta de Freguesia da Brandoa

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DO CANIÇAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sujeitos. Artigo 3.

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DO CANIÇAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sujeitos. Artigo 3. REGULAMETO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DO CAIÇAL Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei das Autarquias

Leia mais

Prestação de Serviços Capítulo I. Disposições Gerais. Cláusula 1ª (Objecto)

Prestação de Serviços Capítulo I. Disposições Gerais. Cláusula 1ª (Objecto) Prestação de Serviços Capítulo I Disposições Gerais Cláusula 1ª (Objecto) O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas que têm por objecto principal a Prestação de Serviços de Fiscal Único. Cláusula

Leia mais

Insolvência e restruturação de empresas - Maria do Rosário Epifânio 2015/2016

Insolvência e restruturação de empresas - Maria do Rosário Epifânio 2015/2016 Insolvência e restruturação de empresas - Maria do Rosário Epifânio 2015/2016 I. Introdução 1. A crise da empresa 2. Mecanismos contratuais e legais 3. Recuperação extrajudicial, judicial e híbrida II.

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das Taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que conter, sob pena de nulidade, os seguintes

Leia mais

Deliberação Proc. n.º 3-AL/2013 (Ata n.º 79/XIV) Inelegibilidade de cidadãos falidos e insolventes para os órgãos das autarquias locais

Deliberação Proc. n.º 3-AL/2013 (Ata n.º 79/XIV) Inelegibilidade de cidadãos falidos e insolventes para os órgãos das autarquias locais Deliberação Proc. n.º 3-AL/2013 (Ata n.º 79/XIV) Inelegibilidade de cidadãos falidos e insolventes para os órgãos das autarquias locais Lisboa 19 de fevereiro de 2013 Proc. n.º 3-AL/2013 Reunião n.º 79/XIV,

Leia mais

Artigo Preliminar... 03. Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões

Artigo Preliminar... 03. Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS Artigo Preliminar... 03 Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões Artigo 1.º - Definições... 03 Artigo 2.º - Objecto do contrato...

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 560/13.6 TBVNG 4º Juízo Cível Insolvente: ELIANE MARGARETE MOREIRA DA ROCHA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

Os privilégios creditórios em especial a sua influência no concurso de credores

Os privilégios creditórios em especial a sua influência no concurso de credores Os privilégios creditórios em especial a sua influência no concurso de credores I Traços gerais da figura do privilégio creditório (art.ºs 733.º a 753.º do Código Civil) 1. Espécies: em função da natureza

Leia mais

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização Este contrato de seguro garante a responsabilidade civil imputável aos membros dos órgãos de administração e fiscalização de sociedades comerciais, de acordo com o legalmente exigível no Código das Sociedades

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 0252/14 Data do Acordão: 23-04-2014 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário: GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS HIPOTECA

Leia mais

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE PRISCOS Página 1 de 8 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE PRISCOS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

IVA transmissão de estabelecimento

IVA transmissão de estabelecimento IVA transmissão de estabelecimento É possível, ao abrigo do artigo 3.º, n.º 4 do CIVA transmitir um estabelecimento (isto é, todo o seu activo) de uma sociedade para um empresário em nome individual no

Leia mais

Recuperação e Revitalização Extrajudicial de Empresas. Paulo Valério

Recuperação e Revitalização Extrajudicial de Empresas. Paulo Valério Recuperação e Revitalização Extrajudicial de Empresas Paulo Valério ENQUADRAMENTO ANTECEDENTES Memorando assinado com a Troika; Resolução do Conselho de Ministros nº43/2011; Resolução do Conselho de Ministros

Leia mais

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO Delegação de Viana do Castelo Direcção de Finanças de Viana do Castelo DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO CONFERÊNCIA jesuinoamartins@gmail.com 04.06.2015 Atribuições da AT No conjunto das actividades desenvolvida

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA Í N D I C E Preâmbulo Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Taxas Capítulo III Liquidação Capítulo IV - Disposições Gerais Anexo

Leia mais

Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social

Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social Legislação Decreto-Lei n.º 411/91, de 17 de Outubro Publicado no D.R. n.º 239, série I-A, de 17 de Outubro de 1991 SUMÁRIO : Estabelece o novo regime jurídico de regularização das dívidas à segurança social

Leia mais

CURSO DE INSOLVÊNCIA. Efeitos da declaração de insolvência

CURSO DE INSOLVÊNCIA. Efeitos da declaração de insolvência CURSO DE INSOLVÊNCIA EFEITOS DA DECLARAÇÃO DE INSOLVÊNCIA: Efeitos da declaração de insolvência Considerações gerais: - Na sua maioria são decalcados do C.P.E.R.E.F; - Introdução de alterações no C.I.R.E.

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL Nº 52 Setembro de 2013 Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix No início deste mês, entrou em vigor o novo Código do Processo Civil, diploma estrutural da vida

Leia mais

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução Número 6/2012 Data: 06/03/2012 FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Descrição: Comunicações com os tribunais e actualização estatística

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS Artigo 1º (OBJECTO E ÂMBITO) O presente regulamento tem por objecto a definição das regras aplicáveis à atribuição de apoios pela Câmara Municipal no exercício

Leia mais

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL ( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL Artigo 1.º 1 - O registo de veículos tem essencialmente por fim dar publicidade à situação jurídica dos veículos a motor

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE 6 de Junho de 2006 Nome: N.º Leia atentamente as questões

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho (Não dispensa a consulta do Diário da República) REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho CAPÍTULO I Suporte e processo de registo SECÇÃO I Suportes de registo Artigo 1.º Instrumentos

Leia mais

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas Decreto-Lei n.º 53/2004 de 18 de Março Processo n.º 1203/12.0TYVNG Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia 2º Juízo Relatório do (Artigo 155º do CIRE)

Leia mais

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Decreto-lei nº 7.661, de 21 de junho de 1945 Lei de Falências revogado. Lei nº 11.101, de 09 de fevereiro de

Leia mais

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 IDENTIFICAÇÃO (Denominação Social) (Denominação Abreviada) Residente Sim Não ( da Sede) (Localidade) (Código Postal) (País) (1º Telefone Empresa) (2º Telefone Empresa)

Leia mais

Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças

Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças 1 Preâmbulo A Lei nº 53 E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais, estabelecendo no Artigo 17º:» As taxas para as autarquias

Leia mais

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO NOME José Henrique Delgado Carvalho Teresa Maria de Melo Madail Manuel Nunes Ferreira Fernando J. F. Brites Maria Manuela Araújo Novais Estrela Celeste Simões Agentes de Execução INTERVENIENTES FUNÇÃO

Leia mais

OPEC está regulado no Decreto-Lei

OPEC está regulado no Decreto-Lei 50 Gestão Procedimento extrajudicial de conciliação Pretende-se com este artigo elucidar os TOC, gestores, contabilistas, auditores, jurisconsultos, advogados e outros profissionais ligados às empresas,

Leia mais

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança Entra em vigor amanhã, dia 29 de Março de 2012, a Lei n.º 7/2012, de 13 de Fevereiro, que procede à alteração e republicação do Regulamento das Custas Processuais. Desde a entrada em vigor do actual Regulamento

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Município de Sobral de Monte Agraço Reunião de Câmara: 14/04/2003 Reunião da Assembleia: 29/04/2003 Publicado

Leia mais

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária PLANOS PRESTACIONAIS - DEC-LEI Nº 124/96 REDUÇÃO DA TAXA DE JUROS DE MORA VINCENDOS CONSTITUIÇÃO DE GARANTIAS - DEC-LEI

Leia mais

Lei 83-C/2013 ( OE 2014 )

Lei 83-C/2013 ( OE 2014 ) Associação Portuguesa dos Comerciantes de Materiais de Construção Lei 83-C/2013 ( OE 2014 ) Notas sobre alterações ocorridas ao nível do: Imposto SELO IUC, IMI e IMT LGT, CPPT e RGIT Porto 25 março 2014

Leia mais

Regulamento da Caixa de Compensações S. E.

Regulamento da Caixa de Compensações S. E. Regulamento da Caixa de Compensações S. E. (processos anteriores à entrada em vigor do Decreto Lei n.º 226/2008 de 20 de Novembro) Preâmbulo: A gestão da caixa de compensações é essencial para assegurar

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE PALHAÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sujeitos. Artigo 3.

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE PALHAÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sujeitos. Artigo 3. REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE PALHAÇA Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei das Autarquias

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março O Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril, veio regular pela primeira vez, na nossa ordem jurídica,

Leia mais

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro A concessão responsável de crédito constitui um dos importantes princípios de conduta para a atuação das instituições de crédito. A crise económica e financeira

Leia mais

REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL

REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL NOTA INFORMATIVA REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL Fruto da forte pressão social que se foi fazendo junto do Governo e de várias

Leia mais

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com escritório na. Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova de Famalicão,

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com escritório na. Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova de Famalicão, Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito do Tribunal do Judicial de Vila Nova de Famalicão 4º Juízo Cível Processo nº 1300/12.2TJVNF Insolvência de Isabel Cristina de Almeida Pereira V/Referência:

Leia mais

RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS

RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS Natureza e finalidade do Processo Reclamações de créditos Impugnações de créditos Sentença de verificação e graduação Classes de créditos Artigo 1.º Finalidade do processo de insolvência

Leia mais

Regulamento Geral de Taxas e Licenças

Regulamento Geral de Taxas e Licenças Regulamento Geral de Taxas e Licenças União das Freguesias de Braga (São José de São Lázaro e São João do Souto) Janeiro/ 2014 Junta de Freguesia da União das Freguesias de Braga (São José de São Lázaro

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0715/09 Data do Acordão: 18-11-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO PENHORA GARANTIA REAL REGISTO TERCEIRO

Leia mais

Última actualização em 01/05/2007

Última actualização em 01/05/2007 Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro. - Regula o regime da promoção electrónica de actos de registo comercial e cria a certidão permanente, Ministério da Justiça, S.I 2º Suplemento, DR n.º 242, p.

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE BELVER E MOGO DE MALTA

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE BELVER E MOGO DE MALTA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Preâmbulo A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquia Locais. Assim, considerando o exercício do poder tributário da Freguesia e

Leia mais

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA A ACTIVIDADE DO TRANSPORTE EM TÁXI Capítulo I Disposição Gerais

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor.

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA Cláudio Basques A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. LEI N. 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005 Nova Lei de Falências Art. 1º Esta lei disciplina a recuperação judicial,

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS PARTE I - Princípios gerais Artigo 1 - Âmbito de aplicação As disposições da parte I do presente Estatuto aplicam-se aos benefícios fiscais nele previstos, sendo extensivas

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO GERAL DE CRÉDITO À HABITAÇÃO Versão 7/11 1Julho 2011

FICHA DE INFORMAÇÃO GERAL DE CRÉDITO À HABITAÇÃO Versão 7/11 1Julho 2011 Observações preliminares O presente documento não constitui uma oferta juridicamente vinculativa. Os dados quantificados são fornecidos de boa fé e constituem uma descrição exacta da oferta que o mutuante

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO O presente Regulamento surge na sequência da publicação

Leia mais

Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de fevereiro de 2015 1

Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de fevereiro de 2015 1 Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de fevereiro de 2015 1 1 - Defesa das micro, pequenas e médias empresas na Região Autónoma da Madeira: - Resolução da Assembleia

Leia mais

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7 Fevereiro 2015 Direito Comercial A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins)

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) Artigo 1º. - A Liga para o Estudo e Apoio à Inserção Social, designada

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transporte em Táxi

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transporte em Táxi 1 12 Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transporte em Táxi Na sequência da autorização legislativa concedida ao Governo pela Assembleia da República,

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos.

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. Pº R.P. 16/2008 SJC-CT- Registo de hipoteca legal nos termos do artº 195º do CPPT Título Suficiência Despacho do Chefe de Serviço de Finanças competente que a requerimento do executado autorize a substituição

Leia mais

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO Preâmbulo Nos termos do Artigo 30.º do Estatuto do Notariado, aprovado pelo Decreto Lei Nº 26/2004, de 4 de Fevereiro, vem a Ordem dos Notários aprovar Regulamento

Leia mais

APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A., adiante designada por Tranquilidade e o Tomador do Seguro mencionado nas

Leia mais

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 4481.07-5; Ag: TC Matosinhos, 5º J (6183/06.9TBMTS) Ag.e: Totta Crédito Especializado, SA Instituição Financeira de Crédito, Rua Basílio Teles, 35, Lisboa 1 Agº: Ferseque, Sociedade de Construção e

Leia mais

VI Congresso Internacional de Ciências Jurídico-Empresariais

VI Congresso Internacional de Ciências Jurídico-Empresariais 55 A responsabilidade tributária do administrador judicial António Peixoto Araújo Solicitador Maria João Pimentel Felgueiras Machado ESTGF/IPP Sumário: I. Introdução; II. Responsabilidade tributária; III.

Leia mais