Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores"

Transcrição

1 Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores A empresa tem de respeitar os direitos dos trabalhadores em matérias relativas à maternidade e paternidade e a outras relações familiares. Desta forma, trabalhadores que sejam pais, avós ou adoptantes, entre outros, têm uma série de direitos que lhes garante um conjunto de licenças e faltas justificadas relacionadas com a maternidade, a paternidade e a família. A empresa tem de respeitar o regime de protecção da parentalidade, ou seja os direitos concedidos aos trabalhadores em matérias relativas à maternidade e paternidade e a outras relações familiares. Desta forma, trabalhadores que sejam pais, avós ou adoptantes, entre outros, têm um conjunto de direitos que lhes garante um conjunto de licenças e faltas justificadas relacionadas com a maternidade e com a paternidade e a família. Nada impede que a empresa estabeleça normas mais favoráveis para os trabalhadores neste âmbito. A lei define como: - trabalhadora grávida - a que, estando em estado de gestação informa a empresa do seu estado, por escrito, com apresentação de atestado médico; - trabalhadora puérpera - é a que sendo parturiente, e durante um período de 120 dias subsequentes ao parto, informe a empresa do seu estado, por escrito, com apresentação de atestado médico ou certidão de nascimento do/a filho/a; - trabalhadora lactante - é a que amamenta o/a filho/a e informe a empresa do seu estado, por escrito, com apresentação de atestado médico. De qualquer forma, independentemente de comunicação, sempre que a empresa tenha conhecimento da situação ou do facto relevante, o regime de protecção na parentalidade terá de ser aplicado à trabalhadora. Em algumas licenças e dispensas que estas trabalhadoras, o pai ou alguns familiares têm direito, a Segurança Social paga um subsídio. Assim, o montante diário do subsídio é calculado pela aplicação de uma percentagem ao valor da remuneração de referência da trabalhadora, que corresponde ao total das remunerações registadas nos primeiros seis meses dos últimos oito meses anteriores à data de início da licenças, a dividir por 180. Nos casos em que não existam seis meses com registo de remunerações, a remuneração de referência corresponde ao total das remunerações registadas nesse período até ao início do mês em que se inicia a licença, a dividir pelo número de meses a que aquelas remunerações se reportam, multiplicadas por 30.

2 Regras especiais para o despedimento de trabalhadora grávida, puérpera ou lactante ou de trabalhador no gozo de licença parental A empresa tem de pedir à Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego - CITE um parecer prévio antes de proceder ao despedimento de uma trabalhadora grávida, puérpera ou lactante ou de trabalhador no gozo de licença parental, sob pena de estar a cometer uma contra-ordenação laboral grave. Para tal, deve remeter cópia do processo à CITE: - no despedimento por facto imputável ao trabalhador, depois de realizadas as diligências probatórias requeridas na resposta à nota de culpa; - no despedimento por inadaptação, depois das consultas exigidas por lei; - no despedimento por extinção de posto de trabalho, depois de terminadas as consultas; - no despedimento colectivo, depois de terminada a fase de informações e negociação com a estrutura representativa dos trabalhadores. Posteriormente, no prazo máximo de 30 dias após a CITE receber o processo, a empresa receberá o parecer daquela entidade, considerando-se em sentido favorável ao despedimento quando não for emitido dentro deste prazo. Se o parecer for desfavorável ao despedimento, a empresa tem 30 dias para interpor uma acção em tribunal, uma vez que o despedimento só pode ser realizado após decisão judicial que reconheça a existência de motivo justificativo. Se incumprir esta obrigação, a empresa comete uma contra-ordenação laboral grave. A suspensão judicial do despedimento só não é decretada se o parecer for favorável ao despedimento e o tribunal considerar que existe probabilidade séria de verificação da justa causa. Se o despedimento for declarado ilícito, o empregador não se pode opor à reintegração do trabalhador, mesmo que seja uma micro-empresa ou o trabalhador ocupe um cargo de administração ou de direcção. Se o trabalhador optar por uma indemnização em vez de optar por ser reintegrado, o seu montante será fixado pelo próprio tribunal e poderá variar, em função ao valor da retribuição e do grau de ilicitude, entre os 30 a 60 dias de retribuição base e diuturnidades por cada ano completo ou fracção de antiguidade. Esta indemnização nunca poderá ser inferior a seis meses de retribuição base e diuturnidades.

3 Independentemente da sua opção, o trabalhador pode sempre exigir à empresa uma indemnização por danos patrimoniais e não patrimoniais sofridos em função do despedimento ilícito. Direito de protecção da trabalhadora grávida, puérpera ou lactante, em caso de não renovação de contrato de trabalho a termo A empresa está obrigada a comunicar à CITE o motivo da não renovação de contrato de trabalho a termo, sempre que estiver em causa uma trabalhadora grávida, puérpera ou lactante. Se a empresa não cumprir esta obrigação pratica uma contra-ordenação laboral leve. Direitos exclusivos da trabalhadora grávida, puérpera e lactante Licença parental inicial exclusiva da mãe Através desta licença a trabalhadora gozará obrigatoriamente seis semanas de licença a seguir ao parto, podendo escolher gozar até 30 dias da licença parental inicial antes do parto. Se a empresa violar este direito da trabalhadora pratica uma contra-ordenação laboral muito grave. Esta licença é paga pela Segurança Social a 100% da remuneração de referência. O montante diário dos subsídios é calculado pela aplicação de uma percentagem ao valor da remuneração de referência da trabalhadora, que corresponde ao total das remunerações registadas nos primeiros seis meses dos últimos oito meses anteriores à data de início da licenças, a dividir por 180. Nos casos em que não existam seis meses com registo de remunerações, a remuneração de referência corresponde ao total das remunerações registadas nesse período até ao início do mês em que se inicia a licença, a dividir pelo número de meses a que aquelas remunerações se reportam, multiplicadas por 30. Licença em situação de risco clínico para a trabalhadora grávida ou para o/a nascituro/a Esta licença é concedida à trabalhadora pelo período de tempo que, por prescrição médica, for considerado necessário para prevenir o risco, sem prejuízo da licença

4 parental inicial. A trabalhadora tem de informar a empresa e apresentar o respectivo atestado médico, se possível, com uma antecedência de 10 dias. Esta licença por risco clínico não interfere com a licença parental inicial. Assim, os dias em que a grávida esteja de licença por risco clínico, não contam para efeitos da licença parental inicial. Se a empresa violar este direito da trabalhadora pratica uma contra-ordenação laboral muito grave. Esta licença é paga pela Segurança Social a 100% da remuneração de referência. Licença por interrupção de gravidez A trabalhadora tem direito a esta licença durante um período compreendido entre os 14 e 30 dias. Para tal, terá de informar a empresa e apresentar o respectivo atestado médico. Se a empresa violar este direito da trabalhadora pratica uma contraordenação laboral muito grave. Esta licença é paga pela Segurança Social a 100% da remuneração de referência. Dispensa do trabalho para consultas pré-natais e para a preparação para o parto A trabalhadora tem direito a estas dispensas pelo tempo e número de vezes necessários. No entanto, a trabalhadora deve, sempre que possível, comparecer a consultas pré-natais ou a encontros de preparação de parto fora do horário de trabalho, pelo que a empresa pode exigir que esta apresente prova desta circunstância e da realização da consulta ou da declaração destes factos. Estas dispensas não determinam a perda de quaisquer direitos para a trabalhadora, pelo que esta mantém o direito a receber a retribuição da empresa respeitante a esse período. Se a empresa violar estes direitos pratica uma contra-ordenação laboral grave. Dispensa da prestação de trabalho por parte de trabalhadora grávida, puérpera ou lactante, por motivo de protecção da sua segurança e saúde

5 Se a trabalhadora grávida, puérpera ou lactante ficar em situação de impedimento para o exercício de actividade laboral por causa de um risco específico resultante da exposição a agentes, processos ou condições de trabalho que constituam um risco para a sua saúde, e na impossibilidade da empresa lhe conferir outras tarefas, terá direito a uma dispensa durante o período necessário para evitar esse risco. Se a empresa violar estes direitos pratica uma contra-ordenação laboral muito grave. Se a empresa não cumprir as obrigações em termos de protecção da segurança e saúde da trabalhadora grávida, puérpera ou lactante, poderá ficar sujeita a uma acção de fiscalização, com prioridade e urgência, a pedido da trabalhadora. Esta licença é paga pela Segurança Social a 65% da remuneração de referência. Dispensa diária para amamentação A trabalhadora tem direito a uma dispensa diária para amamentação durante o tempo que esta durar, gozada em dois períodos distintos, com a duração máxima de uma hora cada, salvo se outro regime for acordado com a empresa, devendo a trabalhadora apresentar atestado médico se a dispensa se prolongar para além do primeiro ano da criança. No caso de nascimentos múltiplos, a dispensa é acrescida de mais 30 minutos por cada gémeo/a além do/a primeiro/a. Se a mãe trabalhar a tempo parcial, a dispensa é reduzida na proporção do respectivo período normal de trabalho, não podendo ser inferior a 30 minutos. Esta dispensa não determina a perda de quaisquer direitos para a trabalhadora, pelo que esta mantém o direito a receber a retribuição da empresa respeitante a esse período. Dispensa de prestação de trabalho suplementar A trabalhadora grávida, bem como a trabalhadora com filho de idade inferior a 12 meses, ou enquanto durar a amamentação (se for necessário para a sua saúde ou da criança), tem direito a ser dispensada de prestação de trabalho suplementar da trabalhadora.

6 Dispensa de prestação de trabalho em horário de trabalho organizado de acordo com regime de adaptabilidade, de banco de horas ou de horário concentrado A trabalhadora grávida, puérpera ou lactante tem direito à dispensa de prestar trabalho em horário de trabalho organizado de acordo com regime de adaptabilidade, de banco de horas ou de horário concentrado. Direito de prestação de trabalho no período nocturno A trabalhadora tem direito a ser dispensada prestação de trabalho no período nocturno entre as 20 horas de um dia e as 7 horas do dia seguinte, durante um período de 112 dias antes e depois do parto, dos quais pelo menos metade antes da data previsível do mesmo, durante o restante período de gravidez, se for necessário para a sua saúde ou para a do/a nascituro/a e durante todo o tempo que durar a amamentação, se for necessário para a sua saúde ou para a da criança, devendo apresentar atestado médico com a antecedência de 10 dias. À trabalhadora dispensada da prestação de trabalho nocturno deve ser atribuído, sempre que possível, um horário de trabalho diurno compatível, sendo dispensada do trabalho sempre que não seja possível. O montante diário do subsídio pago pela Segurança Social é de 65% da remuneração de referência. Este pagamento apenas ocorre na impossibilidade de a empresa lhe conferir outras tarefas. Direitos exclusivos do pai trabalhador Licença parental exclusiva do pai O trabalhador tem de gozar, obrigatoriamente, a licença parental exclusiva do pai de 10 dias úteis seguidos ou interpolados, nos 30 dias seguintes ao nascimento do filho, cinco dos quais gozados de modo consecutivos imediatamente a seguir ao nascimento.

7 Terminado o período da licença acima referida, o trabalhador tem ainda direito a mais 10 dias úteis de licença, seguidos ou interpolados, desde que gozados em simultâneo com o gozo da licença parental inicial por parte da mãe, devendo avisar a entidade empregadora com uma antecedência mínima de cinco dias. No caso de nascimentos múltiplos, acrescem aos dois períodos acima referidos dois dias por cada gémeo além do primeiro. Em ambos os períodos desta licença, o montante diário do subsídio pago pela Segurança Social é de 100% da remuneração de referência. Se a empresa violar este direito pratica uma contra-ordenação laboral muito grave. Licença parental inicial a gozar pelo pai por impossibilidade da mãe O trabalhador tem direito a gozar a licença parental inicial, com a duração mínima de 30 dias, por impossibilidade da mãe, em caso de morte ou incapacidade física ou psíquica desta. Em caso de morte ou incapacidade física ou psíquica de mãe não trabalhadora nos 120 dias a seguir ao parto, o pai também tem direito a licença. Estas licenças carecem de apresentação de atestado médico ou de certidão de óbito, devendo o trabalhador declarar o período de licença já gozado pela mãe, caso tal tenha sucedido. A duração desta licença será o remanescente do que está por gozar do período de licença parental inicial, sendo certo que nunca poderá ser inferior a 30 dias. O montante diário do subsídio pago pela Segurança Social varia consoante a duração da licença, pelo que poderá ir dos 80% até aos 100% da remuneração de referência. Se a empresa violar este direito pratica uma contra-ordenação laboral muito grave. Dispensa para acompanhamento a consultas pré-natais ou para preparação para o parto Actualmente o trabalhador, enquanto pai, tem direito a três dispensas do trabalho para acompanhamento a consultas pré-natais ou para preparação do parto.

8 Esta dispensa não determina a perda de quaisquer direitos para o trabalhador, pelo que este mantém o direito a receber a retribuição da empresa respeitante a esse período. Direitos das mães e dos pais trabalhadores Licença parental inicial, por nascimento de filho O trabalhador tem direito a uma licença parental inicial, por nascimento de filho. A duração desta licença pode variar. Assim, a licença parental inicial, por nascimento de filho pode ter a duração: - de 120 dias consecutivos, sendo neste caso o montante diário do subsídio pago pela Segurança Social de 100% da remuneração de referência; - de 150 dias consecutivos, sendo neste caso o montante diário do subsídio pago pela Segurança Social de 80% da remuneração de referência - no entanto, nas situações em que cada um dos progenitores goze pelo menos 30 dias consecutivos, ou dois períodos de 15 dias igualmente consecutivos, o montante diário é igual a 100% da remuneração de referência. - de 180 dias consecutivos, apenas nas situações em que cada um dos progenitores goze pelo menos 30 dias consecutivos, ou dois períodos de 15 dias igualmente consecutivos, o montante diário do subsídio pago pela Segurança Social é de 83% da remuneração de referência. No caso de nascimentos múltiplos, o período de licença parental inicial é acrescido de 30 dias por cada gémeo além do primeiro, pagos a 100% da remuneração de referência. Se a empresa violar estes direitos pratica uma contra-ordenação laboral muito grave.

9 Licença parental inicial a gozar por um progenitor por impossibilidade do outro O trabalhador ou a trabalhadora têm direito a gozar a licença parental inicial ou o remanescente quando ocorra a morte ou impossibilidade incapacidade física ou psíquica do progenitor que estiver de licença. Esta licença carece de apresentação de atestado médico ou de certidão de óbito, devendo o trabalhador declarar o período de licença já gozado pelo outro, caso tal tenha sucedido. A duração desta licença será o remanescente do que está por gozar do período de licença parental inicial. O montante diário do subsídio pago pela Segurança Social varia consoante a duração da licença, pelo que poderá ir dos 80% até aos 100% da remuneração de referência. Se a empresa violar este direito pratica uma contra-ordenação laboral muito grave. Dispensas do trabalho para avaliação para adopção O trabalhador ou a trabalhadora têm direito a três dispensas do trabalho para avaliação para adopção. No entanto, estão obrigados a entregar a devida justificação à entidade empregadora. Esta dispensa não determina a perda de quaisquer direitos para o trabalhador, mas a empresa não está obrigada a pagar-lhe a retribuição. Licença por adopção de menor de 15 anos O trabalhador ou a trabalhadora têm direito a gozar uma licença quando adoptem menor de 15 anos, nos mesmos termos da licença parental inicial, a partir da confiança judicial ou administrativa do/a menor. No caso de adopções múltiplas, o período de licença é acrescido de 30 dias por cada adopção além da primeira. O montante diário do subsídio por adopção é igual ao previsto na licença parental inicial. Em caso de incapacidade ou falecimento do candidato a adoptante durante a licença, o cônjuge sobrevivo, que não seja candidato a adoptante e com quem o

10 adoptando viva em comunhão de mesa e habitação, tem direito a licença correspondente ao período não gozado ou a um mínimo de 14 dias. Licença parental complementar O trabalhador ou a trabalhadora têm direito a gozar a licença parental complementar, para assistência a filho ou adoptado com idade não superior a seis anos, nas seguintes modalidades: - Licença parental alargada, por três meses, paga a 25% da remuneração de referência, desde que gozada imediatamente após o período de concessão do subsídio parental inicial ou subsídio parental alargado do outro progenitor; - Trabalho a tempo parcial durante 12 meses, com um período normal de trabalho igual a metade do tempo completo; - Períodos intercalados de licença parental alargada e de trabalho a tempo parcial em que a duração total da ausência e da redução do tempo de trabalho seja igual aos períodos normais de trabalho de três meses; - Ausências interpoladas ao trabalho com duração igual aos períodos normais de trabalho de três meses, desde que previstas em instrumento de regulamentação colectiva de trabalho. O pai e a mãe podem gozar qualquer das modalidades referidas, de modo consecutivo ou até três períodos interpolados, não sendo permitida a cumulação por um dos progenitores do direito do outro. Dispensas diária para aleitação Se a mãe e o pai forem trabalhadores têm direito a dispensa diária para aleitação. Esta dispensa pode ser gozada por qualquer deles ou ambos, consoante decisão conjunta, até o filho perfazer um ano, sendo gozada em dois períodos distintos, com a duração máxima de uma hora cada, salvo se outro regime for acordado com a entidade empregadora. O trabalhador que goze desta dispensa tem de comunicar a aleitação do filho à empresa com uma antecedência mínimo da 10 dias. No caso de nascimentos múltiplos, a dispensa é acrescida de mais 30 minutos por cada gémeo além do primeiro.

11 Se qualquer dos progenitores trabalhar a tempo parcial, a dispensa diária para aleitação é reduzida na proporção do respectivo período normal de trabalho, não podendo ser inferior a 30 minutos. Esta dispensa não determina a perda de quaisquer direitos para o trabalhador, pelo que este mantém o direito a receber a retribuição da empresa respeitante a esse período. Dispensa, em caso de aleitação, da prestação de trabalho em horário de trabalho com regime de adaptabilidade, de banco de horas ou de horário concentrado. O trabalhador ou a trabalhadora tem direito, em caso de aleitação, à dispensa da prestação de trabalho, de prestar trabalho em horário de trabalho organizado de acordo com regime de adaptabilidade, de banco de horas ou de horário concentrado, desde que afectem a sua regularidade. Falta para assistência a filho com menos de 12 anos O trabalhador ou a trabalhadora têm direito a faltar ao trabalho, até 30 dias por ano ou durante todo o período de eventual hospitalização, para assistência, em caso de doença ou acidente, a filho menor de 12 anos ou, independentemente da idade, a filho com deficiência ou doença crónica. Durante estas faltas, a Segurança Social paga um subsídio diário igual a 65% da remuneração de referência. Falta para assistência a filho com mais de 12 anos O trabalhador ou a trabalhadora têm direito a faltar ao trabalho até 15 dias por ano para assistência, em caso de doença ou acidente, a filho/a com 12 ou mais anos de idade que, no caso de ser maior, faça parte do seu agregado familiar.

12 Durante estas faltas, a Segurança Social paga um subsídio diário igual a 65% da remuneração de referência. Falta para se deslocar a estabelecimento de ensino do filho O trabalhador ou a trabalhadora têm direito a faltar ao trabalho, até quatro horas, uma vez por trimestre, para se deslocar ao estabelecimento de ensino para se inteirar da situação educativa de filho menor. Licença para assistência a filho após término da licença parental complementar O trabalhador ou a trabalhadora têm direito a licença para assistência a filho, depois de esgotado o direito à licença parental complementar, de modo consecutivo ou interpolado, até ao limite de dois anos. No caso de terceiro filho ou mais, esta licença tem o limite de três anos. Licença para assistência a filho com deficiência ou doença crónica O trabalhador ou a trabalhadora têm direito a licença para assistência de filho com deficiência ou doença crónica por período até seis meses, prorrogável até quatro anos. Durante esta licença, a Segurança Social paga um subsídio diário igual a 65% da remuneração de referência. Redução de cinco horas do período normal de trabalho semanal para assistência a filho com deficiência ou doença crónica O trabalhador ou a trabalhadora, se ambos forem trabalhadores, têm direito a redução de cinco horas do período normal de trabalho semanal do tempo de

13 trabalho para assistência a filho com deficiência ou doença crónica, com idade não superior a um ano, ou outras condições de trabalho especiais, mediante a presentação de atestado médico com a antecedência mínima de 10 dias. Trabalho a tempo parcial O trabalhador ou a trabalhadora com filho menor de 12 anos ou, independentemente da idade, filho com deficiência ou doença crónica, têm direito a trabalhar a tempo parcial. Se a empresa pretender recusar o pedido do trabalhador, terá de solicitar obrigatoriamente um parecer à Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE). Trabalho com horário flexível O trabalhador ou a trabalhadora, com filho menor de 12 anos ou, independentemente da idade, filho com deficiência ou doença crónica, têm direito a trabalhar com horário flexível, ou seja, aquele em que o trabalhador pode escolher, dentro de certos limites, as horas de inicio e termo do período normal de trabalho diário. Se a empresa pretender recusar o pedido do trabalhador, terá de solicitar obrigatoriamente um parecer à Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE). Formação para reinserção profissional A empresa deve, após o trabalhador, ou a trabalhadora, gozar licença para assistência a filho/a ou para assistência a pessoa com deficiência ou doença crónica, facultar a participação em acções de formação e actualização profissional para promover a sua reinserção profissional.

14 Dispensa de prestação de trabalho suplementar do trabalhador O trabalhador ou a trabalhadora com filho de idade inferior a 12 meses têm direito a ser dispensados de prestação de trabalho suplementar. Direitos das avós e dos avôs trabalhadores/as Falta por nascimento de neto A avó ou avô trabalhadores têm direito a faltar até 30 dias consecutivos, a seguir ao nascimento de neto que consigo viva em comunhão de mesa e habitação e que seja filho de adolescente com idade inferior a 16 anos. Durante o período que faltem, o montante diário do subsídio pago pela Segurança Social é de 100% da remuneração de referência. Se a empresa violar este direito pratica uma contra-ordenação laboral muito grave. Falta para assistência a neto A avó ou avô trabalhadores têm direito a faltar, em substituição dos progenitores, para assistência inadiável e imprescindível, em caso de doença ou acidente, a neto menor ou, independentemente da idade, com deficiência ou doença crónica. Durante o período que faltem, o montante diário do subsídio pago pela Segurança Social é de 65% da remuneração de referência. Se a empresa violar este direito pratica uma contra-ordenação laboral muito grave.

15 Referências Código do Trabalho art.º 36, 63.º, 381.º d), 144.º n.º 3, 41º, 37.º, 38.º, 46.º, 65.º n.º 2, 47, 58.º a 60.º, 38.º, 65.º n.º 1 i), h), 40.º, 42.º, 43.º, 44.º, 46 n.º 4, 65.º n.º 2, 51.º, 47.º n.º 4, 65.º n.º 2, 58.º, 65.º n.º 2, 49.º, 249.º n.º 2 f), 52.º a 55.º, 59.º e 61.º Decreto-Lei n.º 91/2009, de 9 de Abril, art.º 27.º a 38.º, 13.º, 28.º, 30.º, 9.º, 28.º, 29.º, 10.º, 28.º, 29.º, 18.º, 28.º, 35.º, 18.º, 28.º, 35.º, 15.º, 28.º, 31.º, 38.º, 14.º, 30.º, 12.º, 30.º, 14.º, 30.º, 17.º, 30.º, 32.º, 33.º, 19.º, 35.º, 19.º, 35.º, 20.º, 35.º

Direitos de Parentalidade

Direitos de Parentalidade Direitos de Parentalidade 1 - INFORMAÇÃO POR PARTE DA ENTIDADE EMPREGADORA (Artigos 24.º n.º 4 e 127º nº 4 do Código do Trabalho) O empregador deve afixar nas instalações da empresa, em local apropriado,

Leia mais

REGIME DAS FALTAS E LICENÇAS, E SEUS EFEITOS. Lei da Parentalidade: Dec-Lei 89/2009, de 9 de Abril e Código do Trabalho (CT)

REGIME DAS FALTAS E LICENÇAS, E SEUS EFEITOS. Lei da Parentalidade: Dec-Lei 89/2009, de 9 de Abril e Código do Trabalho (CT) Lei da Parentalida:, 9 Abril e Código do Trabalho (CT) Dispensa para consulta prénatal trabalhadora grávida Pelo tempo e número vezes necessárias Prova claração que a consulta só é durante o horário Art.ºs

Leia mais

FÉRIAS, FALTAS E PARENTALIDADE

FÉRIAS, FALTAS E PARENTALIDADE Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território AÇÃO DE FORMAÇÃO: FÉRIAS, FALTAS E PARENTALIDADE

Leia mais

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE SINDICATO DOS QUADROS TÉCNICOS DO ESTADO Rua Braamcamp, 88-2º Dto. - 1269-111 LISBOA Tel. 21 386 00 55 / Fax 21 386 07 85 www.ste.pt / ste@ste.pt PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE 1.O STE considera que a melhor

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 Março de 2009, e transferida a sua gestão para o Clube de Caça e Pesca do Concelho de Tondela. Entretanto, a entidade titular veio requerer

Leia mais

A presente Orientação Normativa produz os seus efeitos a partir de 01 de Maio de 2009.

A presente Orientação Normativa produz os seus efeitos a partir de 01 de Maio de 2009. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 1/200 /2009 Data: 30 de Abril de 2009 RECURSOS HUMANOS ASSUNTO: PARENTALIDADE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: AE/ REFER Código do Trabalho Decreto-Lei nº91/2009, de 9 de Abril,

Leia mais

INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE

INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE Denominação da entidade empregadora: informa que, de acordo com a legislação em vigor, designadamente

Leia mais

Despedimento de trabalhadores

Despedimento de trabalhadores Despedimento de trabalhadores A lei não permite que a empresa despeça um trabalhador sem que exista justa causa para o fazer. Assim, esta forma de terminar o contrato de trabalho não pode ser utilizada

Leia mais

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados.

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados. TRABALHADORES EM CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Lei 7/2009, de 12 de Fevereiro 1. Férias 1.1. Qual a duração do período de férias? O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se

Leia mais

A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes

A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes PARENTALIDADE A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes Os trabalhadores têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação ao

Leia mais

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa).

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). Ana Alves A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 333/95, de 23 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 333/95, de 23 de Dezembro Decreto-Lei n.º 333/95, de 23 de Dezembro Protecção da saúde e segurança no trabalho das mulheres grávidas, puérperas e lactantes Na sequência da Directiva do Conselho Comunitário n.º 92/85/CEE, de 19

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/16 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego Parcial (6002 v4.11) PROPRIEDADE

Leia mais

PARENTALIDADE: ASPECTOS LEGAIS

PARENTALIDADE: ASPECTOS LEGAIS PARENTALIDADE: ASPECTOS LEGAIS I Encontro sobre Aleitamento Materno da ULS da Guarda, 7 e 8 Outubro 2011 Paula Rabaça Semana Mundial do Aleitamento Materno 2011: Comunicação! Aleitamento Materno Experiência

Leia mais

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 Esta informação destina-se a Trabalhadores independentes O que é e quais as condições para ter direito O que é É uma prestação

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego Parcial (6002 v4.02_2)

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Notas Sobre o Direito do Trabalho Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Notas sobre o Direito do Trabalho As empresas já instaladas bem como

Leia mais

PARECER N.º 15/CITE/2011

PARECER N.º 15/CITE/2011 PARECER N.º 15/CITE/2011 Assunto: Parecer prévio à recusa do pedido de autorização de trabalho em regime de horário flexível, nos termos do n.º 5 do artigo 57.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei

Leia mais

SINDICATO DOS ENFERMEIROS DA RAM

SINDICATO DOS ENFERMEIROS DA RAM SINDICATO DOS ENFERMEIROS DA RAM Rua de Santa Maria n.º 90 Telef: 291224942 291225115 9060 291 Funchal www.seram.pt SUPLEMENTO INFORMATIVO Relembramos o capítulo VI, artigos 54, 55 e 56 do decreto-lei

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o regime de Faltas (FAQ S)

Perguntas frequentes sobre o regime de Faltas (FAQ S) Pág. 1 Perguntas frequentes sobre o regime de Faltas (FAQ S) 1. Quais são as faltas justificadas e injustificadas? Consideram-se faltas as ausências do trabalhador no local de trabalho e durante o período

Leia mais

PARECER N.º 190/CITE/2011

PARECER N.º 190/CITE/2011 PARECER N.º 190/CITE/2011 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, por extinção do posto de trabalho, nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

Anexo I. Normas e boas práticas aplicáveis em matéria de igualdade de oportunidades - DIREITOS E DEVERES DOS TRABALHADORES E DAS TRABALHADORAS

Anexo I. Normas e boas práticas aplicáveis em matéria de igualdade de oportunidades - DIREITOS E DEVERES DOS TRABALHADORES E DAS TRABALHADORAS Anexo I Normas e boas práticas aplicáveis em matéria de igualdade de oportunidades - DIREITOS E DEVERES DOS TRABALHADORES E DAS TRABALHADORAS - DIREITOS E DEVERES DAS ENTIDADES EMPREGADORAS - OBRIGAÇÕES

Leia mais

PARECER N.º 170/CITE/2013

PARECER N.º 170/CITE/2013 PARECER N.º 170/CITE/2013 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, nos termos previstos no n.º 3 do artigo 346.º e na alínea b) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado

Leia mais

Estatuto do Trabalhador-Estudante

Estatuto do Trabalhador-Estudante Lei n.º 116/97, de 4 de Novembro Estatuto do Trabalhador-Estudante Com as alterações introduzidas pela Lei n.º 118/99, de 11 de Agosto A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea

Leia mais

PARECER N.º 40/CITE/2012

PARECER N.º 40/CITE/2012 PARECER N.º 40/CITE/2012 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora puérpera, por extinção do posto de trabalho, nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

PARECER N.º 149/CITE/2011

PARECER N.º 149/CITE/2011 PARECER N.º 149/CITE/2011 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadoras grávidas, puérperas ou lactantes, nos termos do n.º 1 e da alínea b) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado

Leia mais

PARECER N.º 40/CITE/2006

PARECER N.º 40/CITE/2006 PARECER N.º 40/CITE/2006 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea c) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º 44 DG-E/2006

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA. Aplica-se a legislação Geral do Trabalho. (Código de Trabalho)

O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA. Aplica-se a legislação Geral do Trabalho. (Código de Trabalho) O QUE DIZ O CÓDIGO DE TRABALHO - PRIVADO (IPSS) - O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA Regime da Função Pública FALTAS As ausências inferiores a um dia são somadas até perfazerem

Leia mais

PARECER N.º 1/CITE/2003

PARECER N.º 1/CITE/2003 PARECER N.º 1/CITE/2003 Assunto: Direito ao gozo da licença por maternidade, no caso de nascimento de nado-morto e morte de nado-vivo Processo n.º 56/2002 I - OBJECTO 1.1. Em 22 de Novembro de 2002, a

Leia mais

PARECER N.º 175/CITE/2009

PARECER N.º 175/CITE/2009 PARECER N.º 175/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea b) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento colectivo

Leia mais

PARECER N.º 104/CITE/2014

PARECER N.º 104/CITE/2014 PARECER N.º 104/CITE/2014 Assunto: Parecer relativo a queixa sobre a recusa de autorização de trabalho em regime de horário flexível, pedido pela trabalhadora com responsabilidades familiares ao Laboratório,

Leia mais

PARECER N.º 244/CITE/2015

PARECER N.º 244/CITE/2015 PARECER N.º 244/CITE/2015 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, por facto imputável à trabalhadora, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

3. Proteção na parentalidade. Tânia Santos Direito Laboral

3. Proteção na parentalidade. Tânia Santos Direito Laboral 3. Proteção na parentalidade Tânia Santos Direito Laboral Protecção na parentalidade conciliação entre a vida profissional e as situações de maternidade e paternidade. Concretiza-se na consagração de normas

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS Artigo 1.º (Definições e Interpretação) 1. Nesta Secção, os termos e expressões iniciados por maiúsculas têm o significado que lhes é atribuído no Título VI (Glossário) do Regulamento. 2. Em caso de conflito

Leia mais

Proposta de Lei Exposição de motivos

Proposta de Lei Exposição de motivos Proposta de Lei Exposição de motivos A modernização da Administração Pública constitui um dos pilares essenciais da estratégia de crescimento do País, destacando-se as várias medidas que o Governo tem

Leia mais

Índice. Capítulo VI. 6. Licenças de Maternidade na Europa dos 15...1. 6.1 Licenças de Paternidade na Europa dos 15...4

Índice. Capítulo VI. 6. Licenças de Maternidade na Europa dos 15...1. 6.1 Licenças de Paternidade na Europa dos 15...4 Índice Capítulo VI 6. Licenças de Maternidade na Europa dos 15...1 6.1 Licenças de Paternidade na Europa dos 15...4 6.2 Licenças Parentais na Europa dos 15...6 6.3 As Licenças de Maternidade, Paternidade,

Leia mais

PARECER N.º 37/CITE/2007

PARECER N.º 37/CITE/2007 PARECER N.º 37/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea b) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º 151 DL-C/2007

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Diário da República 1.ª série N.º 84 30 de Abril de 2009 2503 3 Either Party may terminate this Treaty at any time by notice in writing to the other Party through diplomatic channels. The termination shall

Leia mais

CAPÍTULO I Âmbito e vigência do Acordo

CAPÍTULO I Âmbito e vigência do Acordo CAPÍTULO I Âmbito e vigência do Acordo Cláusula 1.ª (Âmbito pessoal e territorial do Acordo) 1. O presente Acordo de Empresa ( AE ) obriga: a) Por um lado, a ISU Estabelecimentos de Saúde e Assistência,

Leia mais

SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

SUBSÍDIO DE DESEMPREGO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO Recentemente foi publicado o Decreto-Lei n.º 220/2006 de 3 de Novembro, o qual alterou o quadro legal de reparação da eventualidade do desemprego dos trabalhadores por conta de outrem.

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

ENTRADA EM VIGOR: A presente Orientação Normativa reporta os seus efeitos a 28 de Agosto de 2004.

ENTRADA EM VIGOR: A presente Orientação Normativa reporta os seus efeitos a 28 de Agosto de 2004. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4/2004 Data: 3 de Setembro de 2004 RECURSOS HUMANOS Nº PAUTA: 203.22 ASSUNTO: TRABALHADOR ESTUDANTE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: Código do Trabalho e Regulamentação do Código

Leia mais

5120 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 221 23 de Setembro de 2000 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE

5120 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 221 23 de Setembro de 2000 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE 5120 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 221 23 de Setembro de 2000 que a resolução pelo Estado do contrato de investimento será fundamento para a resolução do contrato de concessão. Visto e aprovado em

Leia mais

FICHA Nº 3 - CONTRATOS DE TRABALHO 3.1 - C T Administração Pública Administração Pública: DL. 23/2004 de 22 de Junho

FICHA Nº 3 - CONTRATOS DE TRABALHO 3.1 - C T Administração Pública Administração Pública: DL. 23/2004 de 22 de Junho FICHA Nº 3 - CONTRATOS DE TRABALHO 3.1 - C T Administração Pública Administração Pública: DL. 23/2004 de 22 de Junho Código do trabalho: ÂMBITO DE APLICAÇÃO art. 1º REGIME JURÍDICO art. 2º DEVERES ESPECIAIS

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/35 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego (6001 v4.29) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

1.2. A manutenção deste estatuto depende de aproveitamento escolar no ano lectivo anterior.

1.2. A manutenção deste estatuto depende de aproveitamento escolar no ano lectivo anterior. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3/2009 Data: 6 de Outubro de 2009 RECURSOS HUMANOS ASSUNTO: TRABALHADOR-ESTUDANTE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: Código do Trabalho REVOGAÇÕES: Orientação Normativa n.º 04/2004,

Leia mais

PARECER N.º 78/CITE/2012

PARECER N.º 78/CITE/2012 PARECER N.º 78/CITE/2012 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora puérpera, por extinção do posto de trabalho, nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho.

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho. Crise económica e flexibilização do direito do trabalho, segundo o Memorando de Entendimento entre o Governo Português, e o FMI/BCE/Comissão Europeia, vulgo, TROIKA Antes de entrar na análise desta questão,

Leia mais

Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016

Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016 Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016 Esta informação destina-se a SEGURANÇA SOCIAL Empresa Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado: Em geral, pela aplicação de

Leia mais

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH ORIENTAÇÃO NORMATIVA N.º 2/2009 Data: 25 de Maio de 2009 RECURSOS HUMANOS Assunto: FÉRIAS Enquadramento Convencional e Legal: Acordo de Empresa Código do Trabalho Revogações: Orientação Normativa N.º 1/2004,

Leia mais

PARECER N.º 18/CITE/2012. Assunto: Licença na situação de risco clínico e licença por maternidade Direito a férias Processo n.

PARECER N.º 18/CITE/2012. Assunto: Licença na situação de risco clínico e licença por maternidade Direito a férias Processo n. PARECER N.º 18/CITE/2012 Assunto: Licença na situação de risco clínico e licença por maternidade Direito a férias Processo n.º 155 QX/2009 I OBJETO 1.1. Em 17.03.2009, a CITE recebeu exposição referente

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL Altera os programas de estágios profissionais ESTAGIAR Os programas Estagiar têm-se revelado uma ferramenta útil para a empregabilidade e valorização profissional

Leia mais

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007)

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) CAPÍTULO I NORMAS GERAIS Artigo 1.º Legislação Habilitante Lei nº 23/2004, de 22 de Junho; Decreto-Lei nº 100/99.

Leia mais

PARECER N.º 19/CITE/2006

PARECER N.º 19/CITE/2006 PARECER N.º 19/CITE/2006 Assunto: Parecer prévio nos termos do artigo 45.º do Código do Trabalho e dos artigos 79.º e 80.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º 20 FH/2006 I OBJECTO 1.1. A CITE

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril No âmbito da concretização do direito à segurança social de todos os trabalhadores, a Lei n.º 4/2009, de 29 de Janeiro,

Leia mais

PARECER N.º 321/CITE/2014

PARECER N.º 321/CITE/2014 PARECER N.º 321/CITE/2014 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa do pedido de autorização de trabalho em regime de horário flexível, nos termos do n.º 5 do artigo 57.º do Código do Trabalho, aprovado

Leia mais

Que tipo de trabalhadores se encontra abrangido pelo seguro de acidentes de trabalho por conta de outrem?

Que tipo de trabalhadores se encontra abrangido pelo seguro de acidentes de trabalho por conta de outrem? Qual a importância do seguro de acidentes de trabalho? Desde 1913 que é reconhecida em Portugal a obrigatoriedade de as entidades empregadoras repararem as consequências dos acidentes de trabalho sofridos

Leia mais

REGULAMENTO DE SÓCIOS (Artigo 4º dos Estatutos) ADMISSÃO DE SÓCIO EFECTIVO

REGULAMENTO DE SÓCIOS (Artigo 4º dos Estatutos) ADMISSÃO DE SÓCIO EFECTIVO REGULAMENTO DE SÓCIOS (Artigo 4º dos Estatutos) ADMISSÃO DE SÓCIO EFECTIVO Artigo 1º (Disposições estatutárias) 1. Poderão filiar-se na Associação como sócios efectivos quaisquer empresas, singulares ou

Leia mais

PARECER N.º 192/CITE/2015

PARECER N.º 192/CITE/2015 PARECER N.º 192/CITE/2015 Assunto: Parecer sobre queixa relativa a pedido de autorização de trabalho em regime de horário flexível de trabalhadora com responsabilidades familiares nos termos do n.º 5 do

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO PARA ASSISTÊNCIA A FILHO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO PARA ASSISTÊNCIA A FILHO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO PARA ASSISTÊNCIA A FILHO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático -Subsídio para Assistência a Filho

Leia mais

Novo Regime da Reparação da Eventualidade de Desemprego

Novo Regime da Reparação da Eventualidade de Desemprego 19 de Junho de 2007 Novo Regime da Reparação da Eventualidade de Desemprego João Santos Advogado DIPLOMA LEGAL Decreto-Lei n.º 220/2006, de 3 de Novembro, complementado pela Portaria n.º 8-B/2007, de 3

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

PARECER N.º 55/CITE/2005

PARECER N.º 55/CITE/2005 PARECER N.º 55/CITE/2005 Assunto: Parecer prévio nos termos do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º 59 DL/2005 I OBJECTO

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

PARECER N.º 135/CITE/2009

PARECER N.º 135/CITE/2009 PARECER N.º 135/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento por facto

Leia mais

PARECER N.º 63/CITE/2013

PARECER N.º 63/CITE/2013 PARECER N.º 63/CITE/2013 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, incluída em processo de despedimento coletivo, nos termos previstos no n.º 3 do artigo 346.º e na alínea b) do

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

VERSÃO A. Exame de Matérias Estatutárias e Deontológicas (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro)

VERSÃO A. Exame de Matérias Estatutárias e Deontológicas (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro) 1. A Câmara dos Técnicos Oficias de Contas substitui: a) A DGCI enquanto entidade pública a quem compete representar e superintender os TOC; b) A Associação dos Técnicos Oficiais de Contas, criada pelo

Leia mais

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados no sitio Home Page Jurídica (www.euricosantos.pt)

Leia mais

LEGISLAÇÃO RELATIVA A ELEIÇÕES E REFERENDOS

LEGISLAÇÃO RELATIVA A ELEIÇÕES E REFERENDOS LEGISLAÇÃO RELATIVA A ELEIÇÕES E REFERENDOS REGIME JURÍDICO DO RECENSEAMENTO ELEITORAL Lei n.º 13/99, de 22 de Março. Artigo 1.º - Regra geral O recenseamento eleitoral é oficioso, obrigatório, permanente

Leia mais

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL)

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Condições de Acesso (Decreto Lei n.º 178/2012 de 3 de Agosto) 0 SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Entrada

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Regulamento Administrativo nº 24/2003

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Regulamento Administrativo nº 24/2003 1 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Regulamento Administrativo nº 24/2003 Condições da Apólice Uniforme do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil das Embarcações de Recreio O Chefe do Executivo,

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º Noção de trabalhador-estudante Código do Trabalho 1 Considera-se trabalhador-estudante o trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem

Leia mais