04 unidades prestadoras de serviços à terceiros 05 unidades para os resíduos gerados em processos industriais específicos (Incineradores Cativos)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "04 unidades prestadoras de serviços à terceiros 05 unidades para os resíduos gerados em processos industriais específicos (Incineradores Cativos)"

Transcrição

1 INCINERADORES DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS 04 unidades prestadoras de serviços à terceiros 05 unidades para os resíduos gerados em processos industriais específicos (Incineradores Cativos)

2 INCINERADORES DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS instalado o primeiro incinerador primeiro Teste de Queima Década de 90 são instalados os demais incineradores no Estado de São Paulo em é realizado o primeiro teste para avaliação de dioxinas e furanos em virtude da solicitação de licenciamento de recebimento de PCBs (bifenila policlorada) em um dos quatro incineradores licenciados para queima de resíduo de terceiros

3 INCINERADORES DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS instalado o primeiro incinerador primeiro Teste de Queima Década de 90 são instalados os demais incineradores no Estado de São Paulo em é realizado o primeiro teste para avaliação de dioxinas e furanos em virtude da solicitação de licenciamento de recebimento de PCBs (bifenila policlorada) em um dos quatro incineradores licenciados para queima de resíduo de terceiros

4 INCINERADORES DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Os incineradores cativos passam a realizar testes para dioxinas e furanos em intervalos anuais ou bienais, em função da localidade e características do resíduo A partir de 2005, em função da nova legislação todos deverão monitorar dioxinas e furanos no mínimo a cada 02 anos

5 Incineradores Cativos Resultados de Dioxinas e Furanos (ng/nm 3, base seca a 7% de O 2, expresso como 2,3,7,8 TCDD) 0,8 0,6 0,4 0,2 0 hunidade A hunidade B hunidade C hunidade D hunidade E hpadrão de emissão

6 INCINERADORES DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Legislação - PCBs (bifenila policlorada) NBR (antiga NB 1265 de dez/99) estabelece uma eficiência de mínima de 99,999% de remoção e destruição Resolução CONAMA 316 de 29/10/02, estabelece uma eficiência mínima de 99,99% de remoção e destruição.

7 INCINERADORES DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Resultado dos Testes para PCBs Taxa de alimentação de 80 kg/h Conc. PCBs na escória Conc. PCBs no efluente gasoso Conc. D&F expressa no efluente gasoso Conc. PCBs na torta do filtro prensa Conc. PCBs no efluente líquido Conc. D&F no efluente líquido Eficiência de Remoção e Destruição (EDR) μg/kg 3,265 ng/nm 3 0,22 ng/nm 3 7,817,0 μg 1,34 ng/l 5,30 ng/l > 99, 9999 %

8 INCINERADORES DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 03 unidades prestadoras de serviços à terceiros com capacidade superior a kg/dia de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) Teste para avaliação de Dioxinas e Furanos

9 INCINERADORES DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Legislação - Dioxinas e Furanos Incineradores com capacidade > 1500 kg/dia instalados no Estado de São Paulo, estabelecido na Norma CETESB E (fev/1997) o padrão de de 0,14 ng/nm 3, base seca a 7% oxigênio, expresso como 2,3,7,8 TCDD (tetraclorodibenzo p-dioxinas) Resolução CONAMA 316 de 29/10/02, estabelece um padrão de emissão de 0,50 ng/nm 3, base seca a 7% oxigênio, expresso como 2,3,7,8 TCDD (tetraclorodibenzo p-dioxinas)

10 Incineradores de RSS Resultados de Dioxinas e Furanos (ng/nm 3, base seca a 7% de O 2, expresso como 2,3,7,8 TCDD) 0,15 0,1 0,05 0 hunidade A hunidade B hunidade C hpadrão de emissão

11 INCINERAÇÃO PRINCÍPIO Decomposição Térmica via Oxidação Térmica à Alta Temperatura (> 900 C) Destruição da Fração Orgânica Redução do Volume

12 INCINERAÇÃO Decomposição térmica via oxidação à alta temperatura (900ºC A C) - destruição da fração orgânica - redução de volume

13 INCINERAÇÃO DE RESÍDUOS VANTAGENS: Técnica de Destruição Permanente Recuperação de Energia Restrições à Disposição nos Solos Restrições à Contaminação das Águas Subterrâneas DESVANTAGENS: Dioxinas Furanos PCBs Outros Produtos de Combustão

14 e dibenzofuranos PCDF Padrões de Emissão e Diretrizes para Incineradores Municipais Descrição Padrões de Emissão Capacidade (t/dia) > 225 até 1000 > 1000 Emissão de Metais (mg/m 3 ) Emissão de Orgânicos (como PCDD/PCDF total, em ng/m 3 ) HCl (mg/m 3 ) SO2 (mg/m 3 ) CO (mg/m 3 ) dibenzo-p-dioxinas policloradas (PCDD)

15 TECNOLOGIA DE INCINERAÇÃO 1. Preparação e Alimentação do Resíduo 2. Câmaras de Combustão Injeção Líquida Fornos Rotativos Câmara Fixa Leito Fluidizado 3. Controle dos Poluentes Atmosféricos 4. Manuseio da Cinza/Resíduo

16 Preparação e Alimentação do Resíduo Tipo de Resíduo (Líquido, Lodo, Sólido) Líquidos: Misturados e Bombeados para dentro das câmaras de combustão através de bicos de sprays ou via queimadores atomizadores Filtração: Quando sólidos suspensos estão presentes: Evitar entupimento dos Bicos de Sprays.

17 Preparação e Alimentação do Resíduo Lodos: Alimentados através de bombas de cavidade progressiva e lanças resfriadas com água Resíduos Sólidos: Fragmentação: Controle do tamanho de partícula Alimentação por gravidade, alimentadores pneumáticos, de vibração, de rosca sem fim ou correia.

18 Câmaras de Combustão: Injeção Líquida Resíduos Líquidos injetados através dos queimadores, atomizados em pequenas gotículas e queimados em suspensão

19 Câmaras de Combustão: Câmara Fixa Combustão em 2 estágios Câmara Primária = 50 a 80% do ar estequiométrico( volatilização, Pirólise) Câmara secundária Adição de ar adicional p/completar a combustão

20 Câmaras de Combustão: Fornos Rotativos Para destruição de resíduos sólidos, lodos e líquidos Converter resíduos em gases através de volatilizações, e reações parciais de combustão

21 Câmaras de Combustão: Fornos Rotativos excesso dar para completar as reações de combustão: PÓS-QUEIMADOR

22 Câmara de Combustão Primária: Forno Rotativo Opera em 800 C < T < 1000 C (Sem formação de escória)

23 Câmara de Combustão Secundária: Vertical Opera em 900 C < T < 1300 C

24 Incineração: Fornos Rotativos

25 1. Forno Rotativo 2. Pós-Queimador 3. Quenching (Resfriamento) 4. Filtros para Particulados 5. Lavador de Gases

26 Incineração: Fornos Rotativos

27 Controle de Poluentes Atmosféricos Quench: Resfriamento brusco dos gases Lavador Venturi: Remoção de Particulados Precipitadores Eletrostáticos Absorção: Remoção de gases ácidos

28 Emissões da Incineração Ideal: CO2 + H2O + Cinzas Inertes Hidrocarbonetos clorados HCl + Cl2 Fluoretos orgânicos HF Brometos Orgânicos HBr + Br2 Enxofre SO2 + SO3 Organo-fosforados P2O5 Particulados: Óxidos de Minerais Metais Compostos Orgânicos (Dioxinas e Furanos)

29 Temperaturas de Volatilização de Metais Metal Sem Cloro Temperatura de Volatilização ( C) Principais Compostos Com 10% de Cloro Temperatura de Volatilização ( C) Principais Compostos Cromo 1613 CrO 2 /CrO CrO 2 /CrO 3 Níquel 1210 Ni(OH) NiCl 2 Berílio 1054 Be(OH) Be(OH) 2 Prata 904 Ag 627 AgCl Bário 849 Ba(OH) BaCl 2 Tálio 721 Tl 2 O TlOH Antimônio 660 Sb 2 O Sb 2 O 3 Chumbo 627 Pb 15 PbCl 4 Selênio 318 SeO SeO 2 Cádmio 214 Cd 214 Cd Arsênio 32 As 2 O 3 32 As 2 O 3 Mercúrio 14 Hg 14 Hg

30 Manuseio de Cinzas e Resíduos Compostos Inorgânicos: não são destruídos por incineração Cinzas de Fundo da Câmara de Combustão Contaminantes das águas do lavador e dos resíduos dos sistemas de controle da poluição do ar

31 Incineração Bayer Cetrel Cinal Hoechst Essencis Elanco

32

33

34 Métodos de redução das emissões de dioxinas e furanos a) Redução da concentração: -hidrocarbonetos clorinados e partículas de carbono; -compostos clorinados (a adição de dolomita ao forno) b)redução da temperatura. Temperaturas altas evitam a formação de dioxinas e furanos no processo de combustão. Cerca de 62-82% das dioxinas e furanos são emitidos em forma de vapor. Se a temperatura dos gases diminui rapidamente até 11O C, as emissões em forma de vapor podem-se reduzir até 98%. É preciso, por isso, realizar o "quench" (resfriamento rápido num spray dryer ou quench reactor).

35 c) Adsorção por carvão ativado FIM

36 Estrutura molecular das dibenzo-p-dioxinas policloradas (PCDD) (a) e dibenzofuranos PCDF (b)

37 Principais Mecanismos de formação Síntese De Novo : condições imperfeitas de combustão, formam produtos de combustão incompleta particulados, os quais, em presença de Cloro, geram os PCDD/F na superfície das partículas sólidas, a baixas temperaturas ( C); Produzidos na fase gasosa via dimerização de aromáticos clorados e na incineração de plásticos ( C).

38 Influência dos Parâmetros de combustão: Deficiência de oxigênio aumenta a formação de PCDF; Excesso de oxigênio promove a formação de PCDD; H 2 ; SO 2 e água inibem a formação de PCDD/F; Aumento do tempo de residência na câmara pós-combustão diminui a emissão. G. Mininni, A. Sbrilli, E. Guerriero, M. Rotatori; Chemosphere; 54 (2004)

Incineração. Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Fabiano do Vale de Souza Setembro/2010

Incineração. Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Fabiano do Vale de Souza Setembro/2010 Incineração Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Fabiano do Vale de Souza Setembro/2010 O que é Incineração? É a decompos ição de produtos e/ou s ubprodutos via oxidação térmica à alta temperatura (

Leia mais

Gestão de Resíduos e Produtos Perigosos

Gestão de Resíduos e Produtos Perigosos RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29 de outubro de 2002 Publicada no DOU n o 224, de 20 de novembro de 2002, Seção 1, páginas 92-95 Correlações:. Artigo 18 alterado pela Resolução CONAMA nº 386/06 Dispõe sobre

Leia mais

CREMATÓRIO EMISSÕES ATMOSFÉRICAS - ROTEIRO DO ESTUDO

CREMATÓRIO EMISSÕES ATMOSFÉRICAS - ROTEIRO DO ESTUDO CREMATÓRIO EMISSÕES ATMOSFÉRICAS - ROTEIRO DO ESTUDO Esse roteiro foi elaborado com base no disposto na Resolução CONAMA 316/2002 e na Norma Técnica CETESB E15.011. Apresentar estudo de análise de alternativas

Leia mais

Controle da Poluição Atmosférica e Sonora

Controle da Poluição Atmosférica e Sonora CEFET-MG Departamento de Engenharia Ambiental Gestão da Qualidade do Ar Controle da Poluição Atmosférica e Sonora Prof. Marcos Vinicius Ribeiro Departamento de Engenharia Ambiental CEFET-MG Belo Horizonte,

Leia mais

Controle da Poluição Atmosférica Parte 1

Controle da Poluição Atmosférica Parte 1 CEFET-MG Departamento de Engenharia Ambiental Gestão da Qualidade do Ar Controle da Poluição Atmosférica Parte 1 Prof. Marcos Vinicius Ribeiro Departamento de Engenharia Ambiental CEFET-MG Belo Horizonte,

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM nº 154, de 25 de agosto de 2010. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 04/09/2010)

Deliberação Normativa COPAM nº 154, de 25 de agosto de 2010. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 04/09/2010) Page 1 of 8 Deliberação Normativa COPAM nº 154, de 25 de agosto de 2010. Dispõe sobre o Coprocessamento de resíduos em fornos de clínquer. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 04/09/2010) O CONSELHO

Leia mais

CURSOS E CAMPANHAS PELA INCINERAÇÃO

CURSOS E CAMPANHAS PELA INCINERAÇÃO CURSOS E CAMPANHAS PELA INCINERAÇÃO USILIX BRASIL A MAIOR FRANQUIA DE TRATAMENTO DE LIXO DO MUNDO TRANSFORMAÇÃO DO LIXO EM ENERGIA TRANSFORMAÇÃO DO LIXO EM ENERGIA INCINERADOR INCINERADOR CONFINAMENTO

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 18 O Meio Atmosférico III: Controle da Poluição Atmosférica Profª Heloise G. Knapik 2º Semestre/ 2015 1 Controle da Poluição Atmosférica

Leia mais

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA VIABILIDADE

Leia mais

CONTROLE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL. Contextualização. tratamento com solução química. dissociação de 50% de seus componentes

CONTROLE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL. Contextualização. tratamento com solução química. dissociação de 50% de seus componentes CONTROLE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL Contextualização Fabricação de celulose processo químico digestão da celulose tratamento com solução química dissociação de 50% de seus componentes separação

Leia mais

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 2 968, de 14 de setembro de 1993 Publicada no DOERJ de 05 de outubro de

Leia mais

FONTES FIXAS EXISTENTES

FONTES FIXAS EXISTENTES FONTES FIXAS EXISTENTES SUBGRUPO FERTILIZANTES PROPOSTA DE PADRÕES DE EMISSÃO DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS PARA FONTES FIXAS EXISTENTES DO SETOR DE FERTILIZANTES E ÁCIDOS SULFÚRICO, NÍTRICO E FOSFÓRICO EM

Leia mais

RESÍDUOS SÍDUOS SÓLIDOS ÍNDICE

RESÍDUOS SÍDUOS SÓLIDOS ÍNDICE RESÍDUOS SÓLIDOS ÍNDICE TRATAMENTO DE RESÍDUOS ÍNDICE Objetivos Principais do Projeto Redução do custo atual com a Gestão dos Resíduos Sólidos Municipais; Ter uma alternativa sustentável para a disposição

Leia mais

Tecnologias de Tratamento de Resíduos e Solos Contaminados

Tecnologias de Tratamento de Resíduos e Solos Contaminados Tecnologias de Tratamento de Resíduos e Solos Contaminados Prof. Dr. José Roberto de Oliveira jroberto@cefetes.br DEFINIÇÃO Define-se por "tratamento de resíduos sólidos" qualquer processo que altere as

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

PLANO DE REDUÇÃO DE EMISSÕES DE FONTES ESTACIONÁRIAS FONTES DE COMBUSTÃO

PLANO DE REDUÇÃO DE EMISSÕES DE FONTES ESTACIONÁRIAS FONTES DE COMBUSTÃO 1. INTRODUÇÃO Este documento define a melhor tecnologia prática disponível (MTPD) para o diagnóstico das fontes de combustão integrantes do Plano de Redução de Emissões de Fontes Estacionárias (PREFE)

Leia mais

FILTROS DE TECIDO. Filtro de Mangas Tipo Limpeza por Vibração Mecânica. Filtro de Mangas Tipo Jato Pulsante

FILTROS DE TECIDO. Filtro de Mangas Tipo Limpeza por Vibração Mecânica. Filtro de Mangas Tipo Jato Pulsante FILTROS DE TECIDO Gestão da Qualidade do Ar Filtro de Mangas Tipo Limpeza por Vibração Mecânica Filtro de Mangas Tipo Jato Pulsante FILTROS DE TECIDO A filtragem a seco pode ser considerada a forma mais

Leia mais

OS 5 MÉTODOS BÁSICOS DA US EPA

OS 5 MÉTODOS BÁSICOS DA US EPA O CIPA é usado para amostragem isocinética em várias fontes industriais. O CIPA permite ao usuário monitorar velocidades, temperaturas, pressões e vazões visando a manter amostragem isocinética dos gases.

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR. 10º Período de Engenharia Mecânica

EQUIPAMENTOS DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR. 10º Período de Engenharia Mecânica EQUIPAMENTOS DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR 10º Período de Engenharia Mecânica Fernando Coradi Engenheiro Mecânico Engenheiro em Segurança do Trabalho Mestrando em Engenharia de Energia 1 Referências Bibliográficas

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEMA Nº 02/2000

RESOLUÇÃO CONSEMA Nº 02/2000 RESOLUÇÃO CONSEMA Nº 02/2000 Dispõe de norma sobre o licenciamento ambiental para co-processamento de resíduos em fornos de clínquer. O CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE CONSEMA, no uso de atribuições

Leia mais

LEGISLAÇÃO/NORMAS ABNT/CETESB - RESÍDUOS SÓLIDOS GERAIS. NBR 10005/04 - Procedimento para obtenção de extrato lixiviado de resíduos sólidos

LEGISLAÇÃO/NORMAS ABNT/CETESB - RESÍDUOS SÓLIDOS GERAIS. NBR 10005/04 - Procedimento para obtenção de extrato lixiviado de resíduos sólidos LEGISLAÇÃO/NORMAS ABNT/CETESB - RESÍDUOS SÓLIDOS GERAIS NBR 10004/04 - Resíduos Sólidos - Classificação NBR 10005/04 - Procedimento para obtenção de extrato lixiviado de resíduos sólidos NBR 10006/04 -

Leia mais

Parecer Técnico GEDIN 096/2008 Processo COPAM: 0001/1977/121/2005 CRQ: PR69088D RESUMO

Parecer Técnico GEDIN 096/2008 Processo COPAM: 0001/1977/121/2005 CRQ: PR69088D RESUMO FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Empreendedor: SOCIEDADE EMPREENDIMENTOS INDUSTRIA E COMERCIO S/A - SOEICOM Empreendimento: EMPRESA DE CIMENTOS LIZ S.A DN: Código Classe Atividade: Co-processamento

Leia mais

GASEIFICAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E INDUSTRIAIS

GASEIFICAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E INDUSTRIAIS GASEIFICAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E INDUSTRIAIS HISTÓRICO CARBOGAS O QUE É GASEIFICAÇÃO IMPORTÂNCIA GASEIFICAÇÃO NO BRASIL PLANTA PILOTO LINHA DE CDR LAY OUT UTILIZAÇÃO MODELO DE CASO CIVAP COMENTÁRIOS

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PROBLEMÁTICA DOS RESÍDUOS FATORES DE FORMAÇÃO

RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PROBLEMÁTICA DOS RESÍDUOS FATORES DE FORMAÇÃO RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS FATORES DE FORMAÇÃO EPLORAÇÃO MINERAL PROBLEMÁTICA DOS RESÍDUOS SOCIEDADE DE CONSUMO BENS DESCARTÁVEIS PRODUTORES c CONSUMIDORES c PRODUÇÃO INDUSTRIAL DECOMPOSITORES

Leia mais

PETRÓLEO Métodos Analíticos empregados em Diesel Índice de Acidez Titulação

PETRÓLEO Métodos Analíticos empregados em Diesel Índice de Acidez Titulação Índice de Acidez Titulação mg KOH g-1 amostra; p-naftolbenzeína; mistura de solvente (tolueno:isopropanol:água); solução de KOH alcoólico. potenciométrica. Aparência e Odor em geral indica a contaminação

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - Janeiro 2004-2ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 32

Processo Seletivo/UFU - Janeiro 2004-2ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 32 QUÍMICA QUESTÃO 31 Considerando a Tabela Periódica e as propriedades dos elementos químicos, assinale a alternativa correta A) Um metal é uma substância dúctil e maleável que conduz calor e corrente elétrica

Leia mais

Métodos de Monitoramento e Controle de Sistemas de Tratamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Métodos de Monitoramento e Controle de Sistemas de Tratamento de Resíduos de Serviços de Saúde SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Métodos de Monitoramento e Controle de Sistemas de Tratamento de Resíduos de Serviços de Saúde Eng. M.Sc Cristiano Kenji Iwai Colômbia - 2009 TESTES DE

Leia mais

ASPECTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA

ASPECTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ASPECTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA Notas das aulas da disciplina de Instalações e Serviços Industriais Sumário Poluentes mais comuns Efeitos dos poluentes Equipamentos para retenção dos poluentes

Leia mais

Módulo 4 Tecnologias para controle ambiental

Módulo 4 Tecnologias para controle ambiental Módulo 4 Tecnologias para controle ambiental Introdução Para minimizar os impactos ambientais muitas tecnologias de tratamento como filtragem, lavagem, queima etc. vem sendo desenvolvidas e utilizadas

Leia mais

Apêndice I Os equipamentos de controle para poluição do ar

Apêndice I Os equipamentos de controle para poluição do ar Apêndice I Os equipamentos de controle para poluição do ar 173 Apêndice I - Os equipamentos de controle para poluição do ar Sempre que possível, busca-se a minimização da geração de poluente, quando isto

Leia mais

* CESP - Cia Energética de São Paulo Rua da Consolação 1875-15º andar, São Paulo - SP - 01301-100 fone (011) 234-6080 - fax (011) 234-6326

* CESP - Cia Energética de São Paulo Rua da Consolação 1875-15º andar, São Paulo - SP - 01301-100 fone (011) 234-6080 - fax (011) 234-6326 GIA / 09 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO XI GRUPO DE IMPACTOS AMBIENTAIS (GIA) AS EMISSÕES DE POLUENTES NAS USINAS TERMOELÉTRICAS A GÁS NATURAL: UM ESTUDO DE CASO Jean Cesare

Leia mais

Capítulo 1: Introdução à Química Ambiental 23. Parte I: AR E ENERGIA 37 Capítulo 2: A Química da Estratosfera: A Camada de Ozônio 39

Capítulo 1: Introdução à Química Ambiental 23. Parte I: AR E ENERGIA 37 Capítulo 2: A Química da Estratosfera: A Camada de Ozônio 39 Capítulo 1: Introdução à Química Ambiental 23 A NATUREZA DA QUÍMICA AMBIENTAL E A ORGANIZAÇÃO DESTE LIVRO 24 UM ESTUDO DE CASO: OS PRODUTOS QUÍMICOS TÓXICOS E OS RECÉM-NASCIDOS 25 ABORDAGENS PARA A PREVENÇÃO

Leia mais

Grandes cidades e Regiões Metropolitanas...1,0 kg/hab/dia. Município de São Paulo...12.000 t/dia. Região Metropolitana de São Paulo...18.

Grandes cidades e Regiões Metropolitanas...1,0 kg/hab/dia. Município de São Paulo...12.000 t/dia. Região Metropolitana de São Paulo...18. Valorização Energética de Resíduos Sólidos Urbanos O Problema dos Resíduos 1 O Problema dos Resíduos O Problema dos Resíduos 2 O Problema dos Resíduos O Problema dos Resíduos 3 Geração de Resíduos Sólidos

Leia mais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Legislação Classificação dos Resíduos NORMA ABNT 10.004 CLASSE I - PERIGOSOS CLASSE II - NÃO PERIGOSOS classe II A não inertes

Leia mais

ACPO Associação de Combate aos POPs Associação de Consciência à Prevenção Ocupacional CGC: 00.034.558/0001-98

ACPO Associação de Combate aos POPs Associação de Consciência à Prevenção Ocupacional CGC: 00.034.558/0001-98 COMAM Conselho Municipal de Meio Ambiente de Belo Horizonte Ministério Público do Estado de Minas Gerais Ilmos. Srs. Conselheiros e Dr. Promotor de Justiça Ofício n.º 081020_CONAM-BH/MPE-MG Assunto: A

Leia mais

Metais Pesados Tóxicos. -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg.

Metais Pesados Tóxicos. -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg. Metais Pesados Tóxicos -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg. -Locais de fixação final desses metais pesados: Solos e Sedimentos; Características

Leia mais

INCINERAÇÃO DE RESÍDUOS

INCINERAÇÃO DE RESÍDUOS INCINERAÇÃO DE RESÍDUOS A INCINERAÇÃO É UM PROCESSO DE TRATAMENTO QUE EMPREGA A DECOMPOSIÇÃO TÉRMICA VIA OXIDAÇÃO À ALTA TEMPERATURA (USUALMENTE > 900ºC), TENDO COMO OBJETIVO DESTRUIR A FRAÇÃO ORGÂNICA

Leia mais

PROPOSTA PARA NOVO CONAMA FONTES FIXAS LIMITES DE EMISSÃO PARA POLUENTES ATMOSFÉRICOS PROVENIENTES DE PROCESSOS DE REFINARIAS DE PETRÓLEO

PROPOSTA PARA NOVO CONAMA FONTES FIXAS LIMITES DE EMISSÃO PARA POLUENTES ATMOSFÉRICOS PROVENIENTES DE PROCESSOS DE REFINARIAS DE PETRÓLEO PROPOSTA PARA NOVO CONAMA FONTES FIXAS LIMITES DE EMISSÃO PARA POLUENTES ATMOSFÉRICOS PROVENIENTES DE PROCESSOS DE REFINARIAS DE PETRÓLEO 1 - Ficam aqui definidos os limites de emissão para poluentes atmosféricos

Leia mais

Proposição de Padrões de Emissão para Fontes Fixas Existentes de Alumínio Primário. Subgrupo Alumínio Primário

Proposição de Padrões de Emissão para Fontes Fixas Existentes de Alumínio Primário. Subgrupo Alumínio Primário Proposição de Padrões de Emissão para Fontes Fixas Existentes de Alumínio Primário Subgrupo Alumínio Primário rio - Fontes Fixas 7ª Reunião do GT Fontes Fixas do Conama 23 e 24 de setembro de 2010 Subgrupo

Leia mais

Diagnóstico dos Recursos Hídricos e Organização dos Agentes da Bacia do Rio Tubarão e Complexo Lagunar. Volume 2. Caracterização da Área

Diagnóstico dos Recursos Hídricos e Organização dos Agentes da Bacia do Rio Tubarão e Complexo Lagunar. Volume 2. Caracterização da Área Diagnóstico dos Recursos Hídricos e Organização dos Agentes da Bacia do Rio Tubarão e Complexo Lagunar Volume 2 Caracterização da Área 7.5.6 Metal-mecânica No presente trabalho a indústria metal-mecânica

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

4ª Conferência Nacional sobre a Qualidade do Ambiente, Universidade Nova de Lisboa, Abril de1994.

4ª Conferência Nacional sobre a Qualidade do Ambiente, Universidade Nova de Lisboa, Abril de1994. OS RISCOS DAS CENTRAIS DE INCINERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS M. C. SILVA * PALAVRAS CHAVE: incineração, resíduos sólidos urbanos, riscos, emissões, metais pesados, produtos de combustão incompleta,

Leia mais

Reator Térmico T Inertizante

Reator Térmico T Inertizante Super Zinco Tratamento de Metais Reator Térmico T Inertizante Emilio Arturo Rojas Veloso 2007 INTRODUÇÃO O Brasil gera aproximadamente três milhões de toneladas de resíduos industriais por ano. Os resíduos

Leia mais

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 262/2009/P, de 20 de outubro de 2009.

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 262/2009/P, de 20 de outubro de 2009. COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Referente ao Relatório à Diretoria Nº 030/2009/P, de 19.10.2009. Relator: Fernando Rei DECISÃO DE DIRETORIA Nº 262/2009/P, de 20 de outubro de 2009. Dispõe sobre

Leia mais

Relatório. Caracterização das Emissões Gasosas dos Fornos 8 e 9. SECIL, Companhia de Cal e Cimento, S.A. Fábrica SECIL Outão, Portugal

Relatório. Caracterização das Emissões Gasosas dos Fornos 8 e 9. SECIL, Companhia de Cal e Cimento, S.A. Fábrica SECIL Outão, Portugal Relatório Caracterização das Emissões Gasosas dos Fornos 8 e 9 SECIL, Companhia de Cal e Cimento, S.A. Fábrica SECIL Outão, Portugal Testes de Coincineração com diferentes combustíveis alternativos Sumário

Leia mais

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I ÁCIDO SULFÚRICO

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I ÁCIDO SULFÚRICO PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I ÁCIDO SULFÚRICO ENXOFRE É uma das matérias-primas básicas mais importantes da indústria química. Existe na natureza em forma livre e combinado em minérios, como a pirita

Leia mais

RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DO PLANO DE TESTES ACORDADO COM A COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO AMBIENTAL DA SECIL

RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DO PLANO DE TESTES ACORDADO COM A COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO AMBIENTAL DA SECIL RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DO PLANO DE TESTES ACORDADO COM A COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO AMBIENTAL DA SECIL Realizado por: Elisabete Martins (SGS Portugal) Dirk Peeters (SGS Bélgica) Setembro

Leia mais

ABRA APENAS QUANDO FOR AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções: 1- Verifique se o seu caderno de provas possui 18 questões.

ABRA APENAS QUANDO FOR AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções: 1- Verifique se o seu caderno de provas possui 18 questões. Processo Seletivo 211 Modalidade B 3º Ano ABRA APENAS QUANDO FOR AUTORIZADO Leia atentamente as instruções: 1 Verifique se o seu caderno de provas possui 18 questões. 2 Verifique se recebeu o caderno de

Leia mais

Legislação ambiental 1: uso regular

Legislação ambiental 1: uso regular Os testes tribológicos foram conduzidos em um equipamento específico para este tipo de análise, porque trabalha com pequenas quantidades de materiais (peça, ferramenta e fluído de corte). Tal equipamento

Leia mais

Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria

Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria Marisa Almeida / Pedro Frade Unidade de Ambiente e Sustentabilidade 29-11-2011 Seminário Qualidade do Ar Coimbra 29.Novembro.2011 1 Conteúdo Documentos

Leia mais

CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE

CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE ABTCP Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel é uma instituição criada para dar apoio às empresas

Leia mais

2. Para aplicação deste anexo deverão ser consideradas as seguintes definições dos termos:

2. Para aplicação deste anexo deverão ser consideradas as seguintes definições dos termos: MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 9ª reunião do Grupo de Trabalho de Fontes Fixas Data: 29 e 30 de novembro de 2010 Processo n 02000.002780/2007-32 LIMITES

Leia mais

Prova de Química Resolvida Segunda Etapa Vestibular UFMG 2011 Professor Rondinelle Gomes Pereira

Prova de Química Resolvida Segunda Etapa Vestibular UFMG 2011 Professor Rondinelle Gomes Pereira QUESTÃO 01 Neste quadro, apresentam-se as concentrações aproximadas dos íons mais abundantes em uma amostra de água típica dos oceanos e em uma amostra de água do Mar Morto: 1. Assinalando com um X a quadrícula

Leia mais

Tratamento e Disposição Final dos RSS

Tratamento e Disposição Final dos RSS Tratamento e Disposição Final dos RSS ANVISA 306 / CONAMA 358 Nível I Nível II Nível III Nível IV Inativação de bactérias vegetativas, fungos e vírus lipofílicos com redução igual ou maior que 6Log 10

Leia mais

Parágrafo único - As fontes estacionárias sujeitas ao monitoramento, semestral, serão aquelas integrantes dos:

Parágrafo único - As fontes estacionárias sujeitas ao monitoramento, semestral, serão aquelas integrantes dos: PORTARIA Nº 111 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2008 O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do art. 69 da Constituição Estadual da Constituição

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PERÍCIA E AUDITORIA AMBIENTAL WLADIMIR JOSÉ NUNES

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PERÍCIA E AUDITORIA AMBIENTAL WLADIMIR JOSÉ NUNES UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PERÍCIA E AUDITORIA AMBIENTAL WLADIMIR JOSÉ NUNES AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS SISTEMAS DE TRATAMENTO DAS EMISSÕES ATMOSFÉRICAS NO

Leia mais

O universo das emissões atmosféricas e a atuação do setor industrial

O universo das emissões atmosféricas e a atuação do setor industrial Emissões Atmosféricas O universo das emissões atmosféricas e a atuação do setor industrial 26 Revista Meio Ambiente Industrial Julho/Agosto 2009 Fotos: Holcim A indústria vem buscando, nas últimas décadas,

Leia mais

Utilização do óleo vegetal em motores diesel

Utilização do óleo vegetal em motores diesel 30 3 Utilização do óleo vegetal em motores diesel O óleo vegetal é uma alternativa de combustível para a substituição do óleo diesel na utilização de motores veiculares e também estacionários. Como é um

Leia mais

PROJETOS. Principais aplicações:

PROJETOS. Principais aplicações: 1 PROJETOS 2 PROJETOS A Econsulting atua na atividade de desenvolvimento de projetos diversos relativos à área ambiental, sendo esta uma das atividades pioneiras da empresa e atingindo um número superior

Leia mais

INSTRUMENTOS DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DEC. 42.159/09 SLAM

INSTRUMENTOS DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DEC. 42.159/09 SLAM INSTRUMENTOS DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DEC. 42.159/09 SLAM e MN 050 R5 CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES POLUIDORAS LP (Lei 1356/08 EIA-RIMA) LI (autoriza pré-operação) LO (A.A/DZ-056 R3 CLASSES 4,5 e 6 MN

Leia mais

ACF-NT O CEMS multicomponente

ACF-NT O CEMS multicomponente place picture here ISA-Vale Volta Redonda CSN, ABB Analytics, July 2010 ACF-NT O CEMS multicomponente Werner Gte. Tecnologia Analítica & Instrumentação Conteúdo Por que ACF-NT? Características principais

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 6 - Poluição do Ar. Professor Sandro Donnini Mancini. Setembro, 2015.

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 6 - Poluição do Ar. Professor Sandro Donnini Mancini. Setembro, 2015. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental Graduação em Engenharia Ambiental 6 - Poluição do Ar Professor Sandro Donnini Mancini Setembro, 2015. POLUIÇÃO

Leia mais

Óleo Combustível. Informações Técnicas

Óleo Combustível. Informações Técnicas Informações Técnicas 1. Definição e composição... 3 2. Principais aplicações... 3 2.1. Sistemas de combustão de óleo combustível... 3 3. Tipos de óleos combustíveis... 4 4. Requisitos de qualidade e especificação...

Leia mais

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA. Maria Lúcia Pereira Antunes UNESP Unidade Diferenciada Sorocaba/Iperó. Eng. Ambiental GEA Grupo de Estudo Ambientais

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA. Maria Lúcia Pereira Antunes UNESP Unidade Diferenciada Sorocaba/Iperó. Eng. Ambiental GEA Grupo de Estudo Ambientais POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Maria Lúcia Pereira Antunes UNESP Unidade Diferenciada Sorocaba/Iperó Eng. Ambiental GEA Grupo de Estudo Ambientais O Desenvolvimento de nossa sociedade urbana e industrial, por não

Leia mais

Apêndice J Medidores (Descrição para a Unidade de Incineração de Resíduos da Clariant site Suzano - SP)

Apêndice J Medidores (Descrição para a Unidade de Incineração de Resíduos da Clariant site Suzano - SP) Apêndice J Medidores (Descrição para a Unidade de Incineração de Resíduos da Clariant site Suzano - SP) 188 Apêndice J Medidores (Descrição para a Unidade de Incineração de Resíduos da Clariant site Suzano

Leia mais

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases:

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Poluição do ar Composição da atmosfera terrestre Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Nitrogênio 78% Oxigênio 21% Argônio 0,9% Gás Carbônico 0,03%

Leia mais

Dispõe sobre procedimentos e critérios para o funcionamento de sistemas de tratamento térmico de resíduos.

Dispõe sobre procedimentos e critérios para o funcionamento de sistemas de tratamento térmico de resíduos. Página 1 de 10 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 316, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 Dispõe sobre procedimentos e critérios para o funcionamento de sistemas de tratamento térmico de resíduos. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS E PRODUTOS PERIGOSOS Tratamento... RESOLUÇÃO CONAMA nº 316 de 2002

GESTÃO DE RESÍDUOS E PRODUTOS PERIGOSOS Tratamento... RESOLUÇÃO CONAMA nº 316 de 2002 RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29 de outubro de 2002 Publicada no DOU n o 224, de 20 de novembro de 2002, Seção 1, páginas 92-95 Dispõe sobre procedimentos e critérios para o funcionamento de sistemas de

Leia mais

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Direcção de Formação Processos de Soldadura Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Italo Fernandes EWE / IWE Módulo 1.8 Temas a Tratar - Processos de Soldadura Fio Sólido com Protecção Gasosa Inerte

Leia mais

LISTA 1 NÍVEL 1. Material Extra

LISTA 1 NÍVEL 1. Material Extra LISTA 1 NÍVEL 1 01. (UEMA) Das três fases de uma substância, a que possui menor energia cinética é a fase, cuja característica é apresentar. Os termos que preenchem corretamente as lacunas são: a) Sólida

Leia mais

Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com.

Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com. Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com.br PROBEM Programa Biomassa Energia Materiais Refinaria de Biomassa Érica

Leia mais

CO-INCINERAÇÃO EM FORNOS DE CIMENTEIRAS. ANÁLISE DE CASO

CO-INCINERAÇÃO EM FORNOS DE CIMENTEIRAS. ANÁLISE DE CASO 82 CO-INCINERAÇÃO EM FORNOS DE CIMENTEIRAS. ANÁLISE DE CASO Maria José Brenhas Engenheira do Ambiente Faculdade de Ciência e Tecnologia - UFP 16678@ufp.edu.pt Rosário Machado Engenheira do Ambiente Faculdade

Leia mais

Experimental. Capítulo 3

Experimental. Capítulo 3 Capítulo 3 Experimental Neste capítulo, são descritas a unidade de incineração de resíduos perigosos e as famílias de testes realizadas com seus respectivos procedimentos experimentais. 3.1. A Unidade

Leia mais

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 CATEGORIA EM-2 Nº INSCRIÇÃO: Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 Questão 3: O chamado soro caseiro é uma tecnologia social que consiste na preparação e administração de uma mistura de água,

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Desta forma podemos dizer que qualquer mudança química geralmente envolve energia.

TERMOQUÍMICA. Desta forma podemos dizer que qualquer mudança química geralmente envolve energia. TERMOQUÍMICA 1 Introdução A sociedade moderna depende das mais diversas formas de energia para sua existência. Quase toda a energia de que dependemos é obtida a partir de reações químicas, como a queima

Leia mais

38 C 37 B 39 D. Sabendo-se que a amônia (NH 3. ) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (CH 2.

38 C 37 B 39 D. Sabendo-se que a amônia (NH 3. ) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (CH 2. QUÍMICA 37 B Sabendo-se que a amônia (N 3 ) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água o diclorometano (C Cl ) não possui isômeros Sua molécula apresenta polaridade, devido

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0381-1 Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0381-1 Accreditation Annex nr. A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo a norma NP EN ISO/IEC 17025:2005 Endereço Address Contacto Contact Telefone Fax E-mail Internet Rua Eça de Queiroz, 1-C

Leia mais

Poluição e necessidade de ventilação dos edifícios

Poluição e necessidade de ventilação dos edifícios Poluição e necessidade de ventilação dos edifícios CO Ruídos Fungos Poluição industrial Umidade Bactéria Ozônio Produtos químicos Particulados Odores Poluição de tráfego VOCs Pólen Fumaça de tabaco CO

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: CLORETO DE METILENO Page: (1 de 5) ATENÇÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ) antes

Leia mais

Revisão bibliográfica

Revisão bibliográfica 17 2 Revisão bibliográfica Miranda e Moura (2000) apresentaram o resultado de um experimento feito cujo objetivo era analisar o comportamento de um motor Diesel após ter o óleo vegetal de dendê in natura

Leia mais

PARECER ÚNICO Nº 30/2012 PROTOCOLO Nº 0114511/2012

PARECER ÚNICO Nº 30/2012 PROTOCOLO Nº 0114511/2012 PARECER ÚNICO Nº 30/2012 PROTOCOLO Nº 0114511/2012 Licenciamento Ambiental Nº 00022/1980/056/2011 Licença de Operação Deferido Outorga Nº Não se aplica - - APEF Nº Não se aplica - - Reserva legal Nº Não

Leia mais

Equipamentos de queima em caldeiras

Equipamentos de queima em caldeiras Equipamentos de queima em caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS 1 Objectivo do sistema de queima 1. Transportar o combustível até ao local de queima 2. Proporcionar maior

Leia mais

Compostos Binários Iônicos

Compostos Binários Iônicos 79 Compostos Binários Iônicos www.aulasdequimica.com.br 79 Página 02 79 Página 03 Os compostos binários são aqueles formados por dois elementos químicos. Saiba mais! Os compostos binários são aqueles em

Leia mais

Tecnologias de Tratamento e Disposição Final de Resíduos de Serviços de Saúde

Tecnologias de Tratamento e Disposição Final de Resíduos de Serviços de Saúde SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Tecnologias de Tratamento e Disposição Final de Resíduos de Serviços de Saúde Eng. M.Sc Cristiano Kenji Iwai Colômbia - 2009 Formas de Tratamento ETD

Leia mais

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS 4a Reunião Ordinária do GT Interinstitucional sobre Uso de Resíduos Industriais Indicados como Matéria-Prima para Fabricação de Produtos Fornecedores de Micronutrientes Utilizados como Insumo Agrícola

Leia mais

Técnicas de amostragem de ar

Técnicas de amostragem de ar Técnicas de amostragem de ar Por: Vânia Palmeira Campos UFBA IQ -Dpto Química Analítica - LAQUAM (Laboratório de Química Analítica Ambiental) Campus Universitário de Ondina, s/n, CEP:40-170-290, Salvador-BA

Leia mais

Proposta para Turbinas a Gás

Proposta para Turbinas a Gás GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes Proposta para Turbinas a Gás Subgrupo INEA, ABRAGET, PETROBRAS Metodologia Visão do Setor Processo Poluentes Controles Proposta Escopo Limites

Leia mais

CAPÍTULO 16 - Filtro de Particulado

CAPÍTULO 16 - Filtro de Particulado CAPÍTULO 16-16 Este dispositivo, utilizado no sistema de pós-tratamento diesel, tem por objetivo a eliminação ou redução do material particulado presente nos gases de escape. Em operação, as partículas

Leia mais

NÍVEIS AMBIENTAIS E BIOLÓGICOS DE DIOXINAS E FURANOS EM PORTUGAL AVEIRO

NÍVEIS AMBIENTAIS E BIOLÓGICOS DE DIOXINAS E FURANOS EM PORTUGAL AVEIRO NÍVEIS AMBIENTAIS E BIOLÓGICOS DE DIOXINAS E FURANOS EM PORTUGAL M. Coutinho 1, P. Mata 1, M. Pereira 1 e C. Borrego 1,2 1 Instituto do Ambiente e Desenvolvimento, Campus Universitário, 3810-193 AVEIRO

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 COMBUSTÃO MULTICOMBUSTÍVEL EM LEITO FLUIDIZADO PARA APLICAÇÃO EM PCTS L.D. Zen*, M.J. Soaresº, G. F. Gomesºº *CIENTEC,

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO. Cleverson V. Andreoli Andreoli@andreoliea.brte.com.br (41) 562-2892 ABTCP

GESTÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO. Cleverson V. Andreoli Andreoli@andreoliea.brte.com.br (41) 562-2892 ABTCP GESTÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO Cleverson V. Andreoli Andreoli@andreoliea.brte.com.br (41) 5622892 ABTCP Gestão de Resíduos: Disposição Final Produção e Disposição Final de Resíduos x condições

Leia mais

Voestalpine Stahl, Linz, Áustria. Redução Maximizada de Emissões de Sinterização - Planta SIMETAL CIS MEROS. Metals Technologies

Voestalpine Stahl, Linz, Áustria. Redução Maximizada de Emissões de Sinterização - Planta SIMETAL CIS MEROS. Metals Technologies Voestalpine Stahl, Linz, Áustria Redução Maximizada de Emissões de Sinterização - Planta SIMETAL CIS MEROS Metals Technologies 1 Atendendo agora às futuras demandas ambientais! O desafio As exigências

Leia mais

Soluções tecnológicas em tratamento de água, efluentes, gases e superfícies metálicas

Soluções tecnológicas em tratamento de água, efluentes, gases e superfícies metálicas Soluções tecnológicas em tratamento de água, efluentes, gases e superfícies metálicas w w w. s t e u l e r. c o m Temos que nos reinventar a todo tempo e nos tornar melhores a cada ano O Grupo Steuler

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ Nº. 038/BR REVISÃO: 00 Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código interno de identificação do produto: Nome da empresa: Endereço: HOMOPOLÍMERO DE POLIPROPILENO

Leia mais

Cogeração A Gás Natural

Cogeração A Gás Natural Cogeração A Gás Natural 1- Definição A co-geração é definida como o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total e parcialmente em energia elétrica, a partir

Leia mais

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas !"#$# $%$$& Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas Dr. Marcos Omir Marques Professor Adjunto e Sua Contribuição na Preservação Ambiental Departamento de Tecnologia Mailto: omir@fcav.unesp.br

Leia mais

Considerando a necessidade de se estabelecer estratégias para o controle, preservação e recuperação da qualidade do ar;

Considerando a necessidade de se estabelecer estratégias para o controle, preservação e recuperação da qualidade do ar; R ESOLUÇÃO Nº 054/06- SEMA O Secretário de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 10.066, de 27.07.92, Lei nº 11.352, de 13.02.96, Lei nº

Leia mais

7- (PUCCAMP) Examine as equações químicas a seguir: I- 2CrO 4

7- (PUCCAMP) Examine as equações químicas a seguir: I- 2CrO 4 OXIRREDUÇÃO 1- Se X, Y e Q apresentam número de oxidação máximo nas espécies químicas XO 4 2-, MgYO 3 e H 3 QO 4, então pertencem, respectivamente, à família dos: A) Metais Alcalinos, Carbono e Nitrogênio.

Leia mais