VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR"

Transcrição

1 VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA

2 VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO CDR CONSULTORIA Participação no Processo de Introdução e Regulamentação da Tecnologia de Coprocessamento no Brasil - Resolução Conama 264/99; Participação em diversos fóruns de discussão de legislação ambiental no âmbito Federal, Estadual e Municipal (Curitiba) - Consultora do Conselho Temático de Meio Ambiente da Federação das Indústrias do Paraná. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Licenciamento Ambiental para destinação final de resíduos; Pré-condicionamento e coprocessamento de resíduos sólidos industriais; Produção de CDR à partir de RSI Gerenciamento de resíduos no âmbito do gerador.

3 VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO CDR LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEL PNRS - POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS PNRS - RSU - REQUISITOS PNRS - RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA - EMISSÕES ATMOSFÉRICAS CONCEITO E CARACTERIZAÇÃO DO CDR PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA CONCEITO CARACTERIZAÇÃO - PRINCIPAIS PARÂMETROS CARACTERIZAÇÃO DO CDR x PROCESSO DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA CARACTERIZAÇÃO DO CDR PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE PRODUÇÃO DE CIMENTO - COPROCESSAMENTO PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM NA VIABILIDADE ECONÔMICA DA UTILIZAÇÃO DO CDR CONDIÇÕES LOCAIS x ARRANJO INSTITUCIONAL TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO E CONSUMO DO CDR VALOR DO COMBUSTÍVEL / ENERGIA A SER SUBSTITUÍDA OU PRODUZIDA

4 VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO CDR LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEL CONCEITO E CARACTERIZAÇÃO DO CDR PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM NA VIABILIDADE ECONÔMICA DA UTILIZAÇÃO DO CDR

5 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEIS AO CDR PNRS - POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI / DECRETO 7.404/2010 HIERARQUIA DAS AÇÕES NO MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (ART. 9) A partir de 02 de agosto de 2014 NÃO GERAÇÃO REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO RECICLAGEM TRATAMENTO DISPOSIÇÃO FINAL ADEQUADA DESTINAÇÃO FINAL

6 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEIS AO CDR PNRS - POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI / DECRETO 7.404/2010 POSIÇÃO DO COPROCESSAMENTO NA HIERARQUIA DAS AÇÕES NO MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (ART. 9) COPROCESSAMENTO OPERAÇÃO DE RECICLAGEM IN IBAMA 01/13 Recuperação energética de resíduos visando substituição parcial de combustível fóssil não renovável com redução de GEE. PREVENÇÃO Evitar a geração de resíduos REDUÇÃO Diminuir a demanda por matérias-prima REUSO Maximizar a vida útil dos materiais RECICLAGEM Reprocessar resíduos CO-PROCESSAMENTO Aproveitamento de energia e minerais INCINERAÇÃO OU TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO Destruição / neutralização de resíduos DISPOSIÇÃO FINAL CONTROLADA Aterros - Encapsulamento para reutilização futura

7 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEIS AO CDR PNRS - VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS RESÍDUO REJEITO VALORIZAÇÃO RECURSO MATÉRIA PRIMA ENERGIA BIODIGESTÃO COPROCESSAMENTO GASEIFICAÇÃO USINA WTE

8 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEIS AO CDR PNRS - REQUISITOS PARA RSU LEI / DECRETO 7.404/2010 LEI /2007 Saneamento LEI / Consórcios Públicos DAR DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA AOS RESÍDUOS ORIUNDOS DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE LIMPEZA URBANA COLETA SELETIVA CATADORES E RECICLAGEM COMPOSTAGEM BIODIGESTÃO GASEIFICAÇÃO REJEITO ATERRO SANITÁRIO COPROCESSAMENTO USINA WTE OUTRAS SOLUÇÕES

9 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEIS AO CDR PNRS - VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS - CONCEITO DE CDR INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 13, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2012 Lista Brasileira de Resíduos Sólidos Resíduos do tratamento mecânico de resíduos (por exemplo, triagem, trituração, compactação, peletização) não anteriormente especificados: RESÍDUOS COMBUSTÍVEIS (COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DE RESÍDUOS) CDR CDR RSU BRUTO

10 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEIS AO CDR PNRS - RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA LEI / 2010 DECRETO / 2010 Art. 9. Na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser observada a seguinte ordem de prioridade: não geração, redução, reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos. 1o Poderão ser utilizadas tecnologias visando à recuperação energética dos resíduos sólidos urbanos, desde que tenha sido comprovada sua viabilidade técnica e ambiental e com a implantação de programa de monitoramento de emissão de gases tóxicos aprovado pelo órgão ambiental. Art. 13. Para os efeitos desta Lei, os resíduos sólidos têm a seguinte classificação: I - quanto à origem: a) resíduos domiciliares: os originários de atividades domésticas em residências urbanas; b) resíduos de limpeza urbana: os originários da varrição, limpeza de logradouros e vias públicas e outros serviços de limpeza urbana; c) resíduos sólidos urbanos: os englobados nas alíneas a e b. DAS DIRETRIZES APLICÁVEIS À GESTÃO E GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Art. 35. Na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deverá ser observada a seguinte ordem de prioridade: não geração, redução, reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos. Art. 36. A utilização de resíduos sólidos nos processos de recuperação energética, incluindo o coprocessamento, obedecerá às normas estabelecidas pelos órgãos competentes. Art. 37. A recuperação energética dos resíduos sólidos urbanos referida no 1º do art. 9º da Lei nº , de 2010, assim qualificados consoante o art. 13, inciso I, alínea c, daquela Lei, deverá ser disciplinada, de forma específica, em ato conjunto dos Ministérios do Meio Ambiente, de Minas e Energia e das Cidades. Parágrafo único. O disposto neste artigo não se aplica ao aproveitamento energético dos gases gerados na biodigestão e na decomposição da matéria orgânica dos resíduos sólidos urbanos em aterros sanitários. GRUPOS TÉCNICOS DO COMITÊ INTERMINISTERIAL GT 02 Recuperação energética MME

11 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEIS AO CDR PNRS - PLANOS DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANOS DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO NACIONAL PLANOS ESTADUAIS PLANOS MUNICIPAIS METAS Redução Progressiva dos Resíduos Sólidos Secos dispostos em Aterros Sanitários Redução Percentual de Resíduos Sólidos Urbanos Úmidos dispostos em Aterros Sanitários

12 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEIS AO CDR PNRS - RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA - EMISSÕES ATMOSFÉRICAS RESÍDUOS: EMISSÕES ATMOSFÉRICAS LEGISLAÇÃO FEDERAL Resolução CONAMA 264 COPROCESSAMENTO Resolução CONAMA 316 TRATAMENTO TÉRMICO RESÍDUOS: EMISSÕES ATMOSFÉRICAS LEGISLAÇÃO ESTADUAL SÃO PAULO Decreto SP 8468/76 Decreto SP /13 Resolução SMA 79 - URE PARANÁ Resolução SEMA 54 - EMISSÕES COPROCESSAMENTO SÃO PAULO, PARANÁ, MINAS GERAIS, RIO GRANDE DO SUL, RIO DE JANEIRO

13 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEIS AO CDR PNRS - COPROCESSAMENTO TRATAMENTO TÉRMICO CONAMA de agosto de 1999 CONAMA de outubro de 2002 Licenciamento de fornos rotativos de produção de clínquer para atividades de coprocessamento de resíduos CRITÉRIOS BÁSICOS PARA A UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS 1o Resíduo como substituto de matéria-prima: características similares às dos componentes normalmente empregados na produção clínquer. Procedimentos e critérios para o funcionamento de sistemas de tratamento térmico de resíduos. Art. 4o A adoção de sistemas de tratamento térmico de resíduos deverá ser precedida de um estudo de análise de alternativas tecnológicas que comprove que a escolha da tecnologia adotada está de acordo com o conceito de melhor técnica disponível. 2o Resíduo como substituto de combustível: para fins de reaproveitamento de energia, desde que o ganho de energia seja comprovado. COPROCESSAMENTO TRATAMENTO TÉRMICO

14 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEIS AO CDR PNRS - RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA Estabelece diretrizes e condições para a operação e o licenciamento da atividade de tratamento térmico de resíduos sólidos em Incineradores com geração de energia elétrica e/ou geração de vapor. Art. 2o Definições RESOLUÇÃO SMA 79 - URE I - Usina de Recuperação de Energia (URE) - qualquer unidade dedicada ao tratamento térmico de resíduos sólidos conforme especificados no artigo 3º desta Resolução, com recuperação de energia térmica gerada pela combustão. Esta definição inclui o tratamento por oxidação térmica e outros processos como a pirólise, gaseificação ou processos de plasma, desde que se demonstre equivalência ao tratamento por oxidação.

15 VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO CDR LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEL CONCEITO E CARACTERIZAÇÃO DO CDR PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM NA VIABILIDADE ECONÔMICA DA UTILIZAÇÃO DO CDR

16 CONCEITO E CARACTERIZAÇÃO DO CDR PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA CDR - CONCEITO SISTEMAS WTE O termo CDR tem significado bastante amplo e significa que o resíduo sofreu algum pré-tratamento antes de sua utilização como combustível. A característica do CDR depende dos requisitos do sistema de recuperação energética - WTE, onde ele será alimentado / utilizado. Por isto existem diversos processos de preparaçao de CDR alguns bastante sofisticados. Outros envolvem apenas etapas mais simples como bio-secagem e segregação mecânica de inertes e metais. Os sistemas mais comuns são de queima-direta (mass burning), que não requerem nenhum processamento do resíduo que é queimado em grelha móvel. O outro tipo muito utilizado mas que requer préprocessamento do resíduo (CDR) é do tipo leito fluidizado, onde a queima ocorre em suspensão na corrente de ar. O CDR também é usado em processos de gaseificação e em processos de coprocessamento em fornos de cimento. O CDR possui característica homogênea, decorrente de processos de mistura dos resíduos não perigosos (classe 2) que o compõe, visando manter regularidade nos seus parâmetros básicos como granulometria, PCS, umidade e cinzas.

17 CONCEITO E CARACTERIZAÇÃO DO CDR PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA 1 PRÉ-TRATAMENTOS - Triagem - Trituração, compactação, enfardamento, peletização - Tratamento Mecânico-Biológico (TMB) - CDR 2VALORIZAÇÃO DE RSU - Reciclagem (valorização material) - Compostagem (valorização biológica) - Tratamento Mecânico-Biológico (TMB) - VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA VALORIZA ÇÃO ENERGÉTICA USINA WTE - grelha USINA WTE - LF COPROCESSAMENTO GASEIFICAÇÃO PIRÓLISE

18 CONCEITO E CARACTERIZAÇÃO DO CDR PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA PRODUÇÃO DE CDR (SRF) FONTE: EMAE

19 CONCEITO E CARACTERIZAÇÃO DO CDR PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA TIPO DE RESÍDUO E PRINCIPAIS PARÂMETROS vidro PLÁSTICO Quantidade de resíduos gerados / coleta seletiva / sazonalidade PAPEL / PAPELÃO orgânico CARACTERÍSTICAS - Gravimetria - Granulometria - Poder calorífico do resíduo (com a umidade em que será tratado) TÊXTIL metal outros GRAVIMETRIA PODER CALORÍFICO UMIDADE

20 CONCEITO E CARACTERIZAÇÃO DO CDR PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA INFORMAÇÕES BÁSICAS DO CDR Estado Físico do CDR: Sólido Poder Calorífico Inferior: kcal/kg Composição Básica: Plástico Papel Papelão Madeira Borracha Classificaçao de Resíduos ABNT: Classe II-A FONTE: ESTRE

21 CONCEITO E CARACTERIZAÇÃO DO CDR PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA CARACTERÍSTICAS DO CDR PARÂMETRO VALOR ESPERADO UNID. Umidade < 20 % Poder Calorífico Inferior (PCI) Cinzas Enxofre Cloro Densidade (em flocos) Granulometria Total de Metais Pesados Mercúrio Cádmio + Tálio Chumbo < 25 < 0,4 < 0, < 750 < 5 < 10 < 300 kcal/kg % % % kg/m³ mg/kg mg/kg mg/kg mg/kg

22 CONCEITO E CARACTERIZAÇÃO DO CDR PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA CARACTERÍSTICAS DO CDR CDR PARÂMETRO VALOR ESPERADO UNID. RSU BRUTO Umidade < 20 % Poder Calorífico Inferior (PCI) > kcal/kg Cinzas < 15 % Enxofre < 0,4 % Cloro < 0,3 % Densidade (em flocos) 300 kg/m³ Granulometria 50 Total de Metais Pesados < 750 mg/kg Mercúrio < 5 mg/kg COPROCESSAMENTO Cádmio + Tálio < 10 mg/kg Chumbo < 300 mg/kg

23 CONCEITO E CARACTERIZAÇÃO DO CDR PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA COMPARAÇÃO DE EMISSÕES DE CO2 COMBUSTÍVEL UNID. FATOR DE EMISSÃO DE CO2 PODER CALORÍFICO INFERIOR (Mj/kg) Co2 POR UNIDADE ENERGÉTICA Óleo t 78,8 40,5 1,95 Coque de Petróleo t 97,0 33,5 2,90 Carvão t 98,3 33,5 2,93 Gás metano (de aterro) m³ 56,1 17,0 3,30 CDR t 31,8 20,0 1,59 MENOR TAXA DE EMISSAO DE CO2 POR UNIDADE ENERGÉTICA FONTE: ESTRE DISPONÍVEIS EM:

24 VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO CDR LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICÁVEL CONCEITO E CARACTERIZAÇÃO DO CDR PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM NA VIABILIDADE ECONÔMICA DA UTILIZAÇÃO DO CDR

25 PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM NA VIABILIDADE ECONÔMICA DA UTILIZAÇÃO DO CDR TR ECONÔMICO FINANCEIRO DESPESAS DE OPERAÇÃO INVESTIMENTOS FIXOS TAXA INTERNA DE RETORNO CONDIÇÕES LOCAIS ARRANJOS INSTIT. ROTAS TECNOLÓG. PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA PROJEÇÃO DE DEMANDAS E RECEITAS MODELO DE REMUNERAÇÃO ANÁLISE ECONÔMICA E FINANCEIRA INDICAÇÕES DAS ROTAS TECNOLÓGICAS DE MAIOR RETORNO ECONÔMICO, AMBIENTAL E SOCIAL

26 PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM NA VIABILIDADE ECONÔMICA DA UTILIZAÇÃO DO CDR INTEGRAÇÃO DE FATORES CONDIÇÕES LOCAIS ARRANJOS INSTIT. ROTAS TECNOLÓG. SOCIAL ECONÔMICA AMBIENTAL SUSTENTABILIDADE

27 PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM NA VIABILIDADE ECONÔMICA DA UTILIZAÇÃO DO CDR INFORMAÇÕES DE BASE CONDIÇÕES LOCAIS ARRANJO INSTITUCIONAL Dados quantitativos e qualitativos atuais e projeção futura do RSU Legislação ambiental local específica? Meta para redução da disposição de resíduos recicláveis secos e úmidos em aterro? Sinergia com a reciclagem? Situação da Logística Reversa? Coleta Seletiva? Catadores? Rejeição pela Sociedade local de alguma tecnologia específica de WTE? Destinação atual / vida útil da solução existente / perspectivas futuras / Solução para o rejeito? Cimenteira na região, licenciada para coprocessamento e em condições de consumo do CDR? Modelos de contratação / concessão com o município Solução individual ou consorciada Serviço de terceiros / receitas acessórias viabilizadas / RSI classe 2 Integração com politicas de coleta seletiva/ logística reversa / catadores Relação Institucional com empresas utilizadores dos CDR (eletricidade / vapor / substituição de combustível / outros): há mercado? Destino das frações não tratadas? Rejeitos do processo: solução de destino?

28 PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM NA VIABILIDADE ECONÔMICA DA UTILIZAÇÃO DO CDR AS OPÇÕES PARA SOLUÇÃO CATADORES E RECICLAGEM COMPOSTAGEM BIODIGESTÃO COLETA SELETIVA GASEIFICAÇÃO REJEITO ATERRO SANITÁRIO COPROCESSAMENTO USINA WTE OUTRAS SOLUÇÕES

29 PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM NA VIABILIDADE ECONÔMICA DA UTILIZAÇÃO DO CDR TECNOLOGIAS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA X CDR WTE ROTAS TECNOLÓGICAS FATORES DETERMINANTES PARA ESCOLHA DA TECNOLOGIA, CONSIDERANDO ASPECTOS AMBIENTAIS, SOCIAIS E ECONÔMICOS: Requisito qualitativo do sistema WTE: Heterogêneos/homogêneos APRESENTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS Requisito quantitativo do sistema WTE : Processar quantidades em escala adequada à tecnologia e localidade Custos de Instalação, Operação, Insumos, Gestão, BDI ANÁLISE COMPARATIVA DAS TECNOLOGIAS Pré-tratamentos integrados e otimizados, Logísticas de transporte X localização (otimizar) Valor da energia recuperada ( eficiência e receita acessória ) Buscar modicidade no custo de gestão dos RSU ( resulta no menor preço do serviço de destinação final)

30 PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM NA VIABILIDADE ECONÔMICA DA UTILIZAÇÃO DO CDR TECNOLOGIAS DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA X CDR WTE ROTAS TECNOLÓGICAS FATORES DETERMINANTES PARA ESCOLHA DA TECNOLOGIA, CONSIDERANDO ASPECTOS AMBIENTAIS, SOCIAIS E ECONÔMICOS: APOIO A IMPLANTAÇÃO DA PNRS - Redução de resíduos para aterros (aumento vida útil dos aterros) - Sinergia com Processos de Reutilização, reciclagem, logística reversa e catadores (sistemas WTE otimiza e favorece processos de reciclagem) - Emissões (ex.: Resolução SMA 079/ para incineração) APOIO À IMPLANTAÇÃO DA PNRS

31 PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM NA VIABILIDADE ECONÔMICA DA UTILIZAÇÃO DO CDR REQUISITOS QUALITATIVOS DO SISTEMA WTE PARA CONSUMO DO CDR CARACTERÍSTICAS DO CDR - Componentes Majoritários Gravimetria Plástico Papel, papelão Madeira Borracha Pano - Componentes minoritários indesejáveis ao sistema WTE (Cl, S, Hg,..) - Granulometria - PCS - Umidade - Origens diversas de classe 2 com componentes majoritários similares

32 PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM NA VIABILIDADE ECONÔMICA DA UTILIZAÇÃO DO CDR PRINCIPAIS RECEITAS E DESPESAS RECEITAS - Município - Serviço Terceiros (RSI Classe 2) - CDR (valor da energia a ser produzida/substituída) - Outras (crédito de carbono, publicidade, etc) DESPESAS - Impostos (buscar desoneração fiscal e tributária) - Investimentos / Financiamento (acesso a crédito) - Custo Direto de Produção (característica do CDR) - Custo Direto de Administração e gestão de SSMA - Transporte do CDR para a unidade de consumo - Programas de treinamento, educação ambiental, projetos sócio-ambientais - Custos Indiretos (licenciamento, gestão, relações institucionais, outros) RESULTADO (LUCRO) BDI (CUSTOS INDIRETOS + LUCRO + IMPOSTOS)

33 CONCLUSÕES

34 CONCLUSÕES VIABILIDADE ECONÔMICA A viabilidade econômica e escolha de tecnologia para o uso do CDR em sistemas WTE depende da quantidade de resíduos, condições locais, arranjos institucionais e do valor da energia a ser substituída/produzida. A tecnologia de produção e consumo de CDR em sistemas WTE é mundialmente consagrada e amplamente aplicada. O CDR possui baixo custo em relação aos combustíveis convencionais Permite a oferta regular de um combustível com característica homogênea, possibilita ganho de produtividade e economia de recursos não renováveis.

35 CONCLUSÕES SOLUÇÃO DE DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA É uma forma sustentável de valorização de resíduos com geração de energia. Não compete com a reciclagem: Países com maiores taxas de reciclagem são os que mais possuem sistemas WTE. É consistente com os objetivos e diretrizes da PNRS e metas dos Planos Nacional, Estaduais e Municipais de resíduos. Minimiza o elevado passivo ambiental dos aterros e aumenta sua vida útil. Os sistemas WTE seguem padrões internacionais de emissões, atendendo com folga os padrões de emissão estabelecidos em legislação nacional e internacional. Reduz as quantidades de gases de efeito estufa (GEEs), comparativamente ao uso de combustíveis fósseis e à deposição dos resíduos em aterros sanitários

36 CONCLUSÕES O USO DO CDR EM SISTEMAS WTE, SE MOSTRA VIÁVEL, DOS PONTOS DE VISTA TÉCNICO, ECONÔMICO E AMBIENTAL, DESDE QUE INTEGRADO E EM COMPLEMENTAÇÃO A ADEQUADOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RSU (COLETA SELETIVA, TRABALHO DOS CATADORES E RECICLAGEM) E COMPOSTAGEM, QUANDO APLICÁVEL. NÃO HÁ UMA ÚNICA TECNOLOGIA SUPERIOR OU COMPLETA, MAS SIM UM CONJUNTO DE SOLUÇÕES QUE COMBINEM TECNOLOGIAS.

37 VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MUITO OBRIGADA! MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA T: (41)

Waste to Energy: Uma alternativa viável para o Brasil? Yuri Santos, Sérgio Oliveira e Ricardo Correa

Waste to Energy: Uma alternativa viável para o Brasil? Yuri Santos, Sérgio Oliveira e Ricardo Correa Waste to Energy: Uma alternativa viável para o Brasil? Yuri Santos, Sérgio Oliveira e Ricardo Correa 2 Promon Intelligens Promon Intelligens 2013 Introdução O tema da gestão sustentável dos Resíduos Sólidos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010 BASE LEGAL Lei nº 12.305/2010 - Decreto No. 7.404/2010 Lei nº 11.445/2007 - Política Federal

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DIRETRIZES E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS NO MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Nov 2012 DIAGNÓSTICO DO DESTINO

Leia mais

4º CONGRESSO SIMEPETRO

4º CONGRESSO SIMEPETRO 4º CONGRESSO SIMEPETRO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LOGÍSTICA REVERSA Walter Françolin SINDIRREFINO - Agosto 2011 LEI nº 12.305 de 02 de Agosto de 2.010. institui a Política Nacional de Resíduos

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PGIRS Diretrizes para Implementação

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PGIRS Diretrizes para Implementação AUDIÊNCIA PÚBLICA - PGIRS Engenheira Sanitarista Kátia Cristina de Souza Assessoria Técnica da Preifeitura de Cuiabá Cuiabá, 24 de Novembro de 2014 PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos Departamento t de Desenvolvimento Sustentável tá na Mineração Ministério das Minas e Energia LEI Nº 12.305/2010 Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos

Leia mais

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO SEMINÁRIO PREPARATÓRIO À XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES REGIÃO CENTRO-OESTE CUIABÁ, 02 DE SETEMBRO DE 2011 TEMA: POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO

Leia mais

A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10

A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10 A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10 ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Promotora de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente - GAEMA PCJ-Piracicaba MP/SP DESAFIOS

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS S PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: S UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES A PARA

Leia mais

Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações.

Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. INTRODUÇÃO SUSTENTABILIDADE,

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM nº 154, de 25 de agosto de 2010. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 04/09/2010)

Deliberação Normativa COPAM nº 154, de 25 de agosto de 2010. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 04/09/2010) Page 1 of 8 Deliberação Normativa COPAM nº 154, de 25 de agosto de 2010. Dispõe sobre o Coprocessamento de resíduos em fornos de clínquer. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 04/09/2010) O CONSELHO

Leia mais

MMA. D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o

MMA. D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o M INISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Zilda Maria Fa ria Veloso D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 DECRETO Nº 7.404/2010 O QUE MUDA COM A LEI 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira

Matriz Elétrica Brasileira Agenda Matriz Elétrica Brasileira Uso Racional de Energia Política Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos Urbanos PIB, Demografia e RSU Aproveitamento energético de RSU Obtenção de CDR Tecnologias

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Balanço dos cinco anos da Política Municipal de Mudança do Clima de São Paulo Rede Nossa São Paulo 20/05/2014 Plano de Metas da PMSP

Leia mais

Educação ambiental e participação comunitária. Modelo de projeto (estruturação)

Educação ambiental e participação comunitária. Modelo de projeto (estruturação) Educação ambiental e participação comunitária Modelo de projeto (estruturação) A problemática da coleta seletiva 3.2. Concepção geral do sistema projetado 3.3. Objetivos gerais 3.4. Objetivos específicos

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Renato Teixeira Brandão Diretor de Gestão de Resíduos Fundação Estadual do Meio Ambiente Políticas de Resíduos Sólidos Política Estadual de

Leia mais

Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS

Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS Tema: A importância da Lei e os prazos José Valverde Machado Filho 28.04.2014 Apresentação Eventos e Mídias; Indicadores: geração, coleta e destinação;

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

AUDIÊNCIAS PÚBLICAS REGIONAIS CENTRO OESTE PLANO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

AUDIÊNCIAS PÚBLICAS REGIONAIS CENTRO OESTE PLANO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS REGIONAIS CENTRO OESTE PLANO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Exigências Lei 12.305/2010 Exigências Lei 12.305/2010 Vigência por prazo indeterminado e horizonte de 20 anos Atualização a

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Resíduos Domiciliares Resíduos da Construção Civil Resíduos de escritórios Pneus queimados Resíduos de madeira Resíduos de fibra de vidro Resíduos

Leia mais

EDITAL N O 01/2012 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. A proposta de Acordo Setorial a ser apresentada deverá obedecer aos seguintes.

EDITAL N O 01/2012 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. A proposta de Acordo Setorial a ser apresentada deverá obedecer aos seguintes. CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES, DE VAPOR DE SÓDIO E MERCÚRIO E DE LUZ MISTA. EDITAL N O 01/2012 O MINISTÉRIO

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. - Instrumento da PNRS -

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. - Instrumento da PNRS - Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - Instrumento da PNRS - VISÃO para os Planos : 1 - conjunto de ações voltadas para a busca de soluções 2 - considerar as dimensões política, econômica, ambiental,

Leia mais

LOGISTICA REVERSA INCLUSÃO SOCIAL REQUALIFICAR A CIDADE

LOGISTICA REVERSA INCLUSÃO SOCIAL REQUALIFICAR A CIDADE Prof. Carlos Alexandre Silva Graduado em Tecnologia da Gestão Ambiental Faculdade de Arquitetura e Engenharia CEUSNP - SP Pós Graduando em Arquitetura, Cidades e Sustentabilidade Faculdade de Arquitetura

Leia mais

DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS: EXPERIÊNCIAS NO SUL DO BRASIL Geólogo Pedro Julio Schnack Especialista em Tratamento de Resíduos Industriais NOVEMBRO - 2009 Gestão de Resíduos SólidosS

Leia mais

Recuperação Energética de Resíduos Sólidos na Indústria de Cimento

Recuperação Energética de Resíduos Sólidos na Indústria de Cimento Recuperação Energética de Resíduos Sólidos na Indústria de Cimento Avanços na Implementação na Política Nacional de Resíduos CENÁRIO 28 empresas 15 grupos industriais 85 fábricas 51 Integradas 34 moagens

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente. Política Nacional de Resíduos Sólidos

Ministério do Meio Ambiente. Política Nacional de Resíduos Sólidos Ministério do Meio Ambiente Política Nacional de Resíduos Sólidos POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS REÚNE: Princípios, Objetivos, Instrumentos, Diretrizes, Metas e Ações A serem adotados pela União

Leia mais

A RESPONSABILIDADE PÓS CONSUMO E O PAPEL DO PODER PÚBLICO E DA SOCIEDADE CIVIL SJCAMPOS 24/10/2015

A RESPONSABILIDADE PÓS CONSUMO E O PAPEL DO PODER PÚBLICO E DA SOCIEDADE CIVIL SJCAMPOS 24/10/2015 A RESPONSABILIDADE PÓS CONSUMO E O PAPEL DO PODER PÚBLICO E DA SOCIEDADE CIVIL SJCAMPOS 24/10/2015 * Dados da Abrelpe 2009 e 2010 e IBGE (Contagem da população 2009 e Censo 2010) PROBLEMAS A SEREM ENFRENTADOS

Leia mais

5. Criar mecanismos de incentivo para facilitar que as empresas atendam o PNRS.

5. Criar mecanismos de incentivo para facilitar que as empresas atendam o PNRS. 3.5. RESÍDUOS INDUSTRIAIS Diretrizes 01 : A principal diretriz da Política Nacional de Resíduos Sólidos para os resíduos sólidos industriais (RSI) é a eliminação completa dos resíduos industriais destinados

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS PARA A RESTITUIÇÃO/RECUPERAÇÃO DE MATERIAIS

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS PARA A RESTITUIÇÃO/RECUPERAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS PARA A RESTITUIÇÃO/RECUPERAÇÃO DE MATERIAIS Novembro de 2014 Salvador-BA ENTENDENDO AS DIFERENÇAS UNIÃO EUROPEIA (Parlamentarismo) BRASIL

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Nelson R. Bugalho

A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Nelson R. Bugalho A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Nelson R. Bugalho Vice-Presidente da CETESB Promotor de Justiça do Meio Ambiente e Urbanismo Mestre em Direito Penal Supraindividual

Leia mais

Estudo de Alternativas Tecnológicas para Tratamento dos Resíduos Sólidos Urbanos no Brasil, com base na experiência da Europa, Estados Unidos e Japão

Estudo de Alternativas Tecnológicas para Tratamento dos Resíduos Sólidos Urbanos no Brasil, com base na experiência da Europa, Estados Unidos e Japão Estudo de Alternativas Tecnológicas para Tratamento dos Resíduos Sólidos Urbanos no Brasil, com base na experiência da Europa, Estados Unidos e Japão Prof. José Fernando Thomé Jucá Universidade Federal

Leia mais

Ministério Público do Trabalho

Ministério Público do Trabalho Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br Lei 12.305/2010 e Decreto 7404/2010 PNRS: produto da luta por direitos (destaque MNCR) integra e articula

Leia mais

Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo

Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo João Wagner Silva Alves Assessor da Presidência da CETESB SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Normatização

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO AÇÃO ADOTADA: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

AUTORIDADE MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA AMLURB RESÍDUOS SÓLIDOS

AUTORIDADE MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA AMLURB RESÍDUOS SÓLIDOS AUTORIDADE MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA AMLURB PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12.305/10 PNRS Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES PARA A REDUÇÃO DA DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS Construção de Galpões de Triagem

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS Gerenciamento e Controle

RESÍDUOS SÓLIDOS Gerenciamento e Controle RESÍDUOS SÓLIDOS Gerenciamento e Controle GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS GERENCIAMENTO Segundo a resolução CONAMA 302/02 o gerenciamento de resíduos sólidos é definido como: O conjunto de atividades ligadas

Leia mais

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO: PROCESSO DE RECICLAGEM Processo de valorização de resíduos, que consiste no reaproveitamento/reciclagem

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO)

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão e aproveitamento dos resíduos da construção civil e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

A Revalore Coprocessamento e engenharia do Meio Ambiente oferece soluções para o gerenciamento, valorização e destinação final ambientalmente

A Revalore Coprocessamento e engenharia do Meio Ambiente oferece soluções para o gerenciamento, valorização e destinação final ambientalmente A Revalore Coprocessamento e engenharia do Meio Ambiente oferece soluções para o gerenciamento, valorização e destinação final ambientalmente adequada e definitiva de resíduos, através da tecnologia de

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

QUESTÕES TÉCNICAS PARA SUSTENTABILIDADE DE ATERROS SANITÁRIOS QUESTÕES TÉCNICAS PARA SUSTENTABILIDADE DE ATERROS SANITÁRIOS

QUESTÕES TÉCNICAS PARA SUSTENTABILIDADE DE ATERROS SANITÁRIOS QUESTÕES TÉCNICAS PARA SUSTENTABILIDADE DE ATERROS SANITÁRIOS *HyORJR0V& *,/)(51$1'2%8(1232/,'252 -XQKR SUSTENTABILIDADE SUSTENTADO = EQUILIBRADO SUSTENTÁVEL Capacidade de satisfazer as nossas necessidades hoje, sem comprometer a capacidade das pessoas satisfazerem

Leia mais

SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO, VALORIZAÇÃO E DESTINO FINAL DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO EM FORNOS DE CIMENTO

SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO, VALORIZAÇÃO E DESTINO FINAL DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO EM FORNOS DE CIMENTO SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO, VALORIZAÇÃO E DESTINO FINAL DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO EM FORNOS DE CIMENTO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Revalore Coprocessamento e Engenharia do Meio Ambiente se apresenta com

Leia mais

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Contexto e Desafios Criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Em ago.2010 o Presidente Lula sancionou a Lei 12.305 que estabelece

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010 BASE LEGAL Lei nº 12.305/2010 - Decreto No. 7.404/2010 Lei nº 11.445/2007 - Política Federal

Leia mais

Aliança Resíduo Zero Brasil

Aliança Resíduo Zero Brasil Aliança Resíduo Zero Brasil carta de adesão 1. Introdução A extensão dos problemas socioambientais, envolvendo o consumo e a geração de resíduos no Brasil, originam-se em grande parte nas questões econômicas,

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL 1. Aspectos gerais A geração de lixo urbano no Brasil está em torno de 140,000 ton/dia, sendo que a estimativa dos órgãos

Leia mais

Estudo de Viabilidade Econômica na Implantação de Incineradores de RSU com Aproveitamento Energético em Consórcio de Municípios

Estudo de Viabilidade Econômica na Implantação de Incineradores de RSU com Aproveitamento Energético em Consórcio de Municípios Estudo de Viabilidade Econômica na Implantação de Incineradores de RSU com Aproveitamento Energético em Consórcio de Municípios Adailton Pereira de Brito Prof. Dr.Alcides Padilha Prof.Dr.Celso Luiz da

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015 Apresentação Os desafios da PNRS Outubro de 2015 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais

política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais 1 Índice PALAVRA DO PRESIDENTE 03. Palavra do Presidente 04. Introdução 06. Resíduos Sólidos 07. Classificação dos Resíduos Sólidos

Leia mais

VALORIZAÇÃO DE RCD. Contribuição da Indústria Cimenteira

VALORIZAÇÃO DE RCD. Contribuição da Indústria Cimenteira VALORIZAÇÃO DE RCD Contribuição da Indústria Cimenteira 1. APRESENTAÇÃO DA ATIC ATIC - Associação Técnica da Indústria de Cimento Assegura os aspectos institucionais e de representação da indústria cimenteira

Leia mais

Zilda M F Veloso. Diretora de Ambiente Urbano

Zilda M F Veloso. Diretora de Ambiente Urbano Zilda M F Veloso Diretora de Ambiente Urbano Porto Alegre, 21 de Agosto de 2015 Objetivos (art. 9º Lei 12.305/10) POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Frentes de Implementação da Política Planos de Resíduos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Alta Floresta - MT

Prefeitura Municipal de Alta Floresta - MT PROJETO DE LEI 1.717/2014 SÚMULA: DISPÕE SOBRE A COLETA SELETIVA DE LIXO, COM O REAPROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS, RECICLÁVEIS OU REUTILIZÁVEIS, GERADOS NO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA/MT, E DÁ OUTRAS

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Teresina, 12 de junho de 2015

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Teresina, 12 de junho de 2015 GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Teresina, 12 de junho de 2015 GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Bertrand Sampaio de Alencar Teresina, 12 de junho de 2015 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1.Marco

Leia mais

Transformando resíduos em energia Geração de biogás a partir de resíduos orgânicos

Transformando resíduos em energia Geração de biogás a partir de resíduos orgânicos Transformando resíduos em energia Geração de biogás a partir de resíduos orgânicos Conteúdo Biogás: Definição, características e matérias primas Panorama sobre o mercado de biogás na Alemanha Perspectivas

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil

Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil Lei n 4.285 de 26 de dezembro de 2008 Art. 5º São áreas de competência da ADASA: I recursos hídricos, compreendidos

Leia mais

Priscila Boer Mazaro. Ciclo de Vida dos Resíduos Industriais

Priscila Boer Mazaro. Ciclo de Vida dos Resíduos Industriais Priscila Boer Mazaro A ESTRE É O LÍDER INCONTESTÁVEL A ESTRE é a maior companhia brasileira do setor de serviços ambientais 18.300 Empregados 40.000 TONS/DIA Todos os tipos de resíduos 4.522 CLIENTES

Leia mais

Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos. Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11

Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos. Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11 Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11 Sumário Situação Atual de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) Definição de URE Instrumentos Legais

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM.

PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM. PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM. Aprovado no CONSEMA Reunião N 0 180 em 20/08/2015 1. INTRODUÇÃO. A partir da Lei Federal 12.305/2010, foram definidos cronogramas

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Departamento de Controle FEPAM LEI FEDERAL 6938/81 DECRETO FEDERAL 99274/90 BASE PARA GESTÃO AMBIENTAL obrigatoriedade

Leia mais

VI Seminário da Pós-graduação em Engenharia Mecânica

VI Seminário da Pós-graduação em Engenharia Mecânica ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DA IMPLANTAÇÃO DE INCINERADORES DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA REGIÃO DE BAURU Adailton Pereira de Brito Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Unesp

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS APRESENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO REGIÃO DO SERTÃO ALAGOANO 1º PARTE CAPACITAÇÃO TÉCNICA O que é o Plano de Resíduos? O que é o Plano de Resíduos?

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

RESÍDUOS SÍDUOS SÓLIDOS ÍNDICE

RESÍDUOS SÍDUOS SÓLIDOS ÍNDICE RESÍDUOS SÓLIDOS ÍNDICE TRATAMENTO DE RESÍDUOS ÍNDICE Objetivos Principais do Projeto Redução do custo atual com a Gestão dos Resíduos Sólidos Municipais; Ter uma alternativa sustentável para a disposição

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Há muitos anos, a indústria de tintas, sob a liderança da ABRAFATI (Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas), pesquisa

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E DESAFIOS IMPOSTOS

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E DESAFIOS IMPOSTOS GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E SUSTENTABILIDADE: DESAFIOS IMPOSTOS Parafrazeando Eric Hobisbawm: Açúcar: cuja doçura provocou mais amargura humana que qualquer outro produto Resíduos: cuja recuperação tem

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 I RESUMO EXECUTIVO O que muda com a Lei 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros controlados ficam proibidos. A Lei, determina que todas as administrações

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida em Gerenciamento de Resíduos Sólidos Urbanos

Avaliação do Ciclo de Vida em Gerenciamento de Resíduos Sólidos Urbanos Promoção: Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação PROPP da FEEVALE Avaliação do Ciclo de Vida em Gerenciamento de Resíduos Sólidos Urbanos Geraldo Antônio Reichert Engenheiro do DMLU de Porto Alegre Professor

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

Incineração. Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Fabiano do Vale de Souza Setembro/2010

Incineração. Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Fabiano do Vale de Souza Setembro/2010 Incineração Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Fabiano do Vale de Souza Setembro/2010 O que é Incineração? É a decompos ição de produtos e/ou s ubprodutos via oxidação térmica à alta temperatura (

Leia mais

Grandes cidades e Regiões Metropolitanas...1,0 kg/hab/dia. Município de São Paulo...12.000 t/dia. Região Metropolitana de São Paulo...18.

Grandes cidades e Regiões Metropolitanas...1,0 kg/hab/dia. Município de São Paulo...12.000 t/dia. Região Metropolitana de São Paulo...18. Valorização Energética de Resíduos Sólidos Urbanos O Problema dos Resíduos 1 O Problema dos Resíduos O Problema dos Resíduos 2 O Problema dos Resíduos O Problema dos Resíduos 3 Geração de Resíduos Sólidos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa e os Acordos Setoriais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa e os Acordos Setoriais POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa e os Acordos Setoriais PALESTRANTE: ZILDA VELOSO PALESTRA: PAINEL: DATA : A Logística Reversa e os Acordos Setoriais 19 de maio de 2015, às 16h15

Leia mais

Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara

Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara Lei 12.305/2010 Estão sujeitos à elaboração de plano de gerenciamento de resíduos sólidos: I - os geradores de resíduos sólidos previstos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Políticas Públicas, Consumo Sustentável & Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos O CETEA/ITAL (Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Embalagens do Instituto de Tecnologia de Alimentos), há mais

Leia mais

1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO 1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Gestão de resíduos sólidos impactos ambientais negativos BASE LEGAL 1/2 Lei 11.107/05 - Consórcios Públicos

Leia mais

Política Estadual de Resíduos Sólidos

Política Estadual de Resíduos Sólidos Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável SDS Diretoria de Saneamento e Meio Ambiente - DSMA Gerência de Resíduos Sólidos - GERSO Política Estadual

Leia mais

PROCEDIMENTO Página 1 / 38. Elaboração de Projetos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS. Histórico

PROCEDIMENTO Página 1 / 38. Elaboração de Projetos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS. Histórico PROCEDIMENTO Página 1 / 38 Histórico Data Revisão Modificação 05/10/05 0 Emissão inicial 03/08/06 1 Inclusão do item 5.10 31/01/08 2 Revisão geral. 08/09/2010 3 22/03/2011 4 02/05/11 5 Alteração da Identificação

Leia mais

Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS

Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS 1 Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO LANÇAMENTOS DE ESGOTOS E

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Transporte, Mineração

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DE BRASIL NOVO, MEDICILÂNDIA, URUARÁ E PLACAS PROJETO042/2014

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA SELETIVA DA FRAÇÃO PASSÍVEL DE RECICLÁGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA SELETIVA DA FRAÇÃO PASSÍVEL DE RECICLÁGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA SELETIVA DA FRAÇÃO PASSÍVEL DE RECICLÁGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Julho de 2013 Rua Caracas. 120 Centro

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR José de Sena Pereira Jr. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente, e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSEMAC. Câmara Setorial Permanente de Gestão de Resíduos - CSPGR PARECER Nº 03/2011

CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSEMAC. Câmara Setorial Permanente de Gestão de Resíduos - CSPGR PARECER Nº 03/2011 CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Gestão de Resíduos - CSPGR PARECER Nº 03/2011 Abril 2011 1 OBJETO Obrigatoriedade da utilização de misturas asfálticas com asfalto

Leia mais

Dê ao Óleo Usado o destino previsto em lei LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO.

Dê ao Óleo Usado o destino previsto em lei LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO. LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO. Como se formam os Lubrificantes 90,0 % Óleo básico de Petróleo: Neutro Leve Médio ou Pesado. Especificados pela ANP (*) 10,0 % Aditivos Diversos

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Meio Ambiente GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Meio Ambiente GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Meio Ambiente GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Seminário Ecoinnvacion Eima2013 9 a 10 de Julho de 2013 Edificio del

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

LEGISLAÇÃO - LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO - LEGISLAÇÃO BRASILEIRA LEGISLAÇÃO - LEGISLAÇÃO BRASILEIRA VEJA A NOVA LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA PARA PCBS RETIRADA DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA: - Portaria Interministerial (MIC/MI/MME) 0019 de

Leia mais

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais.

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. O F I C I N A D E ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. Walter Françolin DMA FIESP Agosto 2010 ou outra destinação final ambientalmente adequada; Art. 3º - XII

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI

MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI O CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso de suas atribuições e competências que lhe foram concedidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentadas

Leia mais