AÇOS PARA FERRAMENTAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AÇOS PARA FERRAMENTAS"

Transcrição

1 AÇOS PARA FERRAMENTAS

2 FEA Processo de Fabricação de Aços Convencionais e s Lingotamento Convencional Forno Panela VD Lingotamento Contínuo ACIARIA Processo Fusão (Convencional): FEA (Forno Elétrico Arco) VD (Desgaseificação a Vácuo) Processo Refusão: ESR (Refusão por Eletroescória) VAR (Refusão a Arco sob Vácuo) Refusão VAR ou ESR Forno de Reaquecimento Prensa de Forjamento Matriz Aberta Laminador Desbastador Tratamento Térmico Laminador Acabador de Barras/Bobinas Acabamento

3 BITOLAS E FORMAS PARA AÇOS FERRAMENTA AÇOS RÁPIDOS AÇOS PARA TRABALHO A FRIO AÇOS PARA TRABALHO A QUENTE AÇOS PARA MOLDES Quadrado Redondo VK5E VKM42 VWM3C VWM2 VWM7 VD2 VC131 VND VS7 VA2* VF800ATIM VH13ISO VPCW TENAX 300 VH SUPER VPCA VCM VH19 VW9 VMO VCO VP20ISO VP20ISOF VP20ISOFS VP100 VIMCOR N2711M VP20IM VH13IM VP420IM VP50IM VP a 225 mm 135 a 825 mm 135 a 500 mm 135 a 545 mm 135 a 560 mm 135 a 750 mm 135 a 355 mm 135 a mm (*) 135 a mm (*) 135 a 600 mm (**) 135 a 715 mm 135 a 600 mm 135 a 485 mm 0,90 a 225 mm 9 a 930 mm 9 a 565 mm 9 a 615 mm 9 a 630 mm 9 a 845 mm 9 a 400 mm 9 a mm 9 a mm 9 a 803 mm 9 a 675 mm 9 a 547 mm Focando em qualidade, cuidando do meio ambiente. (*) Chatos: Maior Espessura = mm Maior Largura = mm (**) VP100: Maior chato = 400 x mm VIMCOR: Mediante Consulta N2711M: Maior chato = 600 x mm * Bitolas acima de 525 mm sob consulta com a Engenharia de Produtos.

4 Aços para Trabalho a Quente Similares ABNT ASTM SAE AISI DIN Wnr C Mn Cr Ni Mo W V OUTROS VH13ISO H ,40 0,35 5,20-1,30-0,90 Si=1,00 VH13IM H ,40 0,35 5,20-1,30-0,90 Si=1,00 P=máx. 0,015 S=máx. 0,003 TENAX300 H11 (MOD.) (MOD.) 0,37 0,30 5,00-1,40-0,40 Si=0,30 TENAX300IM H11 (MOD.) (MOD.) 0,36 0,30 5,00-1,40-0,40 Si=0,30 P=máx. 0,015 S=máx. 0,003 VHSUPER (MOD.) 0,36-3,80-2,50-0,50 Si=0,30 P=máx. 0,015 S=máx. 0,003 VHSUPERIM (MOD.) 0,36-3,80-2,50-0,50 Si=0,30 VH13IM PLUS (*) H13 Dupla Refusão Dupla Refusão 0,40 0,35 5,20-1,30-0,90 Si=1,00 P=máx. 0,015 S=máx. 0,003 VW9 (*) H20/H ,30 0,30 2, ,50 0,35 - VCMAIM (*) H10 (MOD.) ,32 0,30 2,85-2,80-0,50 Co=2,80 N2888IM (*) ,20 0,50 9,30-2,00 5,30 - Co=10,00 VCM H ,32 0,30 2,85-2,80-0,50 Si=0,30 VPCW H ,35 0,35 5,00-1,50 1,10 0,25 Si=1,00 VMO ,57 0,70 1,10 1,65 0, VCO ,50 0,50 1,00 3,25 0, * Aços comercializados mediante consulta (não disponíveis em estoque). Resistência a Quente Tenacidade Resistência ao Desgaste VH13ISO VH13IM TENAX300 VHSUPER VW9 VCM VPCW VMO VCO

5 Durezas de Utilização HRC APLICAÇÕES Matrizes e punções de forjamento em prensa. Punção para extrusão de ligas não-ferrosas. Moldes para fundição por gravidade de ligas leves, especialmente Al. Facas para corte a quente. Matrizes para fundição sob pressão de ligas de alumínio, em peças de menor porte ou pouco complexas. Facas de tesouras a quente. Obs.: Energia de impacto maior que 200 J, para corpos de prova sem entalhe, conforme NADCA #207-90; e maior que 10,8 J (8 ft. lb), para corpos de prova com entalhe em V, conforme NADCA # Qualidade Premium. Moldes para fundição por gravidade de ligas leves, especialmente ligas de Al e Mg, em peças complexas ou de maior porte. Moldes para injeção de polímeros termoplásticos, com alto grau de polimento e alta resistência mecânica. Matrizes de alto desempenho para forjamento em prensa. Facas de tesouras a quente. Obs.: Energia de impacto maior que 250 J, para corpos de prova sem entalhe, conforme NADCA #207-90; e maior que 13,5 J (10 ft. lb), para corpos de prova com entalhe em V, conforme NADCA # : Material refundido por ESR. Qualidade Superior. Matrizes e componentes para fundição sob pressão e extrusão de ligas não-ferrosas, principalmente alumínio. Matrizes de forjamento, especialmente as que apresentam dimensões complexas ou que necessitam de alta resistência a trincamentos. Obs.: resistência ao impacto > 300 J (C.P. S retirados do núcleo e tratados para 44/46 HRC). Qualidade Premium (NADCA). Aço desenvolvido para promover resistência a quente equivalente à dos aços H11 e H13, mas com tenacidade muito superior. Resistência ao impacto maior que 300 J, ensaio conforme NADCA. Material refundido por ESR. Aplicações: matrizes para fundição sob pressão de ligas não-ferrosas, como ligas de Al, nas quais recomenda-se o TENAX 300 IM; matrizes e punções de forjamento com geometria complexa ou submetidas a trincas e espinas para extrusão a quente de ligas não-ferrosas, principalmente Al. Qualidade Superior (NADCA) Matrizes e punções para forjamento, incluindo aplicações de recalque a quente e insertos, onde sua elevada resistência a quente pode promover expressiva melhoria de desempenho. Matrizes destinadas à fundição sob pressão e extrusão de alumínio e outros metais não-ferrosos. Qualidade Premium (NADCA) Aço com resistência a quente muito superior à dos aços H11 e H13 e boa tenacidade. Material refundido por ESR. Aplicações típicas: matrizes e punções para forjamento a quente em prensa; matrizes para fundição sob pressão de ligas não-ferrosas, nas quais recomenda-se a versão IM e matrizes de extrusão de ligas de Al e ligas de Cu. Qualidade Superior (NADCA) Material duplamente refundido (ESR / VAR) apresentando melhor homogeneidade e maior isotropia que VH13IM Ferramentas de máximo rendimento para trabalhos contínuos em alta temperatura não sujeitos a choques térmicos. Indicado para punções, discos de prensas de extrusão, matrizes para prensar e matrizes de forjamento de válvula automotiva Ferramentas para estampagem a quente e fundição sob pressão de não-ferrosos (cobre, latão, ligas à base de estanho, chumbo e zinco). Matrizes para forjamento em prensas Hatebur. Matrizes para forjamento de válvulas automotivas. Material refundido por ESR Ferramentas para estampagem em prensas, insertos para estampos de fusão sob pressão e ferramentas para extrusão de metais pesados (matrizes e mandris) Matrizes, estampos e punções para forjamento em prensas automáticas de alta velocidade e elevada refrigeração para parafusos, porcas e rebites. Ferramentas para prensas de extrusão de tubos e tarugos, especialmente punções refrigeradas a água. Ferramentas para fundição sob pressão de metais pesados. Partes postiças em matrizes de forjamento Matrizes e insertos para matrizes para forjamento em prensa, punções a quente e facas para tesouras a quente Aço padrão para estampos de forjamento em martelo de queda de alto rendimento, fornecido em blocos ou em barras Matrizes de gravuras rasas para forjamento a quente em martelos, facas de tesouras para corte a frio ou a quente de tarugos e chapas de aço.

6 Aços Rápidos Similares ABNT ASTM SAE AISI DIN Wnr C Mn Cr Ni Mo W V OUTROS Durezas de Utilização HRC APLICAÇÕES VWM2 ~M ,90 0,30 4,25-5,00 6,20 1, VWM7 M ,00 0,30 3,80-8,70 1,80 2, VKM42 M ,10 0,30 3,90-9,50 1,50 1,15 Co=8, VWM3C M3: ,17 0,30 4,25-5,00 6,00 2, VK5E ~M ,95 0,30 4,15-5,00 6,30 1,85 Co=4, VHSSM50 M50 ~ ,80 0,30 4,30-4,25-1, SINTER 23 M3: ,28 0,40 4,20-5,00 6,30 3, SINTER ,29 0,40 4,00-5,00 6,30 3,10 Co=8, Aço rápido de grande versatilidade, com uma excelente combinação de tenacidade e resistência à abrasão. Indicado para brocas helicoidais de alta qualidade, fresas de todos os tipos, machos, cossinetes, brocas e ferramentas de usinagem em geral. Usado também para estampos de corte, punções, matrizes de estampagem profunda e outras ferramentas de deformação plástica a frio. Recomendado especialmente para ferramentas de gume fino como machos, cossinetes, fresas e brochas helicoidais. Capaz de atingir durezas de até 68 HRC, sendo que a presença de 8 de cobalto lhe confere excelentes características de resistência ao desgaste e dureza ao rubro. Estas características o tornam adequado para aplicações mais extremas, entretanto não deve ser utilizado em aplicações sujeitas a choques ou vibrações excessivas. Aço rápido com maior teor de vanádio e portanto com maior resistência ao desgaste. Graças a um processamento especial, garante carbonetos mais finos e boas características quanto à retificabilidade. É usado principalmente na fabricação de machos. Ferramentas de desbaste e acabamento de alta solicitação. Usado na confecção de fresas e ferramentas de perfil, brocas especiais para usinagem de material de alta resistência. Brocas e serras para o uso comum. As ferramentas onde a tenacidade é mais elevada do que outros aços rápidos e uma dureza mais baixa são aceitáveis. Aço rápido sinterizado, obtido por metalurgia do pó. Devido às suas elevadas propriedades de tenacidade, isotropia e resistência ao desgaste, é indicado em ferramentas de corte especiais como fresas caracol, facas fellows, brocas especiais, etc. e ferramentas para trabalho a frio com matrizes para corte, punção de extrusão, punções de corte, etc. Apresenta propriedades semelhantes às do SINTER 23. Devido à adição de cobalto, tem maior dureza a quente, sendo indicado para ferramentas de corte com elevada solicitação. VWM2 VWM7 VKM42 VWM3C VK5E VHSSM50 SINTER 23 SINTER 30 Resistência ao Desgaste Dureza a Quente Tenacidade Retificabilidade Usinabilidade

7

8 Aços para Moldes Similares ABNT ASTM SAE AISI DIN Wnr C Mn Cr Ni Mo W V VP VP20ISO P ,36 1,60 1,85 0,75 0, VP20ISOF P ,36 1,60 1,85-0, VP20ISOFS P ,36 1,60 1,85-0, N2711M (MOD.) 0, ,10 1,65 0,48-0,075 VP420IM 420 (MOD.) ,40 0,50 13, ,25 VP50IM* - - 0,15 1,65 0,30 3,00 0, VH13IM AISI H ,40 0,35 5,20-1,30-0,90 V630 AISI ,035-15,40 4, VIMCOR - - 0,05 2,50 12, * Aços comercializados mediante consulta (não disponíveis em estoque). Resistência Mecânica Polibilidade Resistência à Corrosão Resposta à Texturização Soldabilidade VP100 VP20ISO VP20ISOF VP20ISOFS N2711M VP420IM VP50IM* VH13IM V630 VIMCOR

9 OUTROS Durezas de Utilização HRC APLICAÇÕES S= 0, Aço elaborado sob desgaseificação a vácuo, de usinabilidade melhorada através de tratamento das inclusões ao cálcio. Os principais benefícios são alta uniformidade de dureza, com variação inferior a 2 HRC ao longo de toda a seção transversal da peça. Excelente soldabilidade. Alta polibilidade (exceto grau espelhado) e alta reprodutividade de desempenho e confecção. Porta-moldes, moldes para injeção de plásticos não-clorados, matrizes para extrusão de termoplásticos não-clorados, moldes para sopro, câmaras quentes, quando não necessária alta resistência à corrosão e aplicações diversas em moldes para plásticos. Não recomendável para aplicações em que a tenacidade e grau de espelhado sejam requisitos de projeto. Aço fornecido no estado beneficiado. Possui boa polibilidade e resposta à texturização. Possui usinabilidade melhorada por tratamentos especiais de aciaria. Para melhoria da resistência ao desgaste pode ser nitretado ou cementado. Moldes para injeção e extrusão de termoplásticos não-clorados e pouco abrasivos. Moldes de grandes dimensões. Aço fornecido no estado beneficiado. Possui boa polibilidade e resposta à texturização e a mesma melhoria de usinabilidade do VP20ISO. Para melhoria da resistência ao desgaste pode ser nitretado ou cementado. Recomendado para moldes com espessura de até 600 mm, como moldes para injeção e extrusão de termoplásticos não-clorados, clorados e pouco abrasivos. Aço fornecido no estado beneficiado. Ótima usinabilidade. Boa resposta à nitretação. Não recomendado para peças que requerem processos de texturização, cromação e elevada polibilidade. Moldes para injeção, extrusão de termoplásticos não-clorados e pouco abrasivos que possuem baixa exigência de polibilidade. Bases e estruturas de moldes para plástico. Machos e moldes de injeção. Aço fornecido no estado beneficiado. Possui boa polibilidade e resposta à texturização. Para melhoria da resistência ao desgaste pode ser nitretado ou cementado. Devido à alta dureza de fornecimento são necessários cuidados para a usinagem, especialmente a furação. Moldes para injeção de plásticos não-clorados. Moldes para sopro. Matrizes para extrusão de termoplásticos não-clorados. Si=0, Aço inoxidável após têmpera e revenimento. Possui como vantagem principal uma elevada resistência à corrosão, que permite o trabalho em ambientes úmidos. Moldes para injeção de termoplásticos clorados. Trabalho ou estocagem em atmosfera úmida. Indústria de vidros. Al=1,00 Si=0,30 Cu=1,00 S=0,12 Si=1,00 P=máx. 0,015 S=máx. 0,003 Cu=3,50 Nb+Ta=0,25 Si= 0,40 S= 0, Aço ferramenta para moldes desenvolvido especialmente para ser endurecido por tratamento térmico de envelhecimento, com resistência superior à do aço VP20. Possui excelentes propriedades de polimento e texturização. Apresenta excelente soldabilidade. Moldes para injeção de termoplásticos não-clorados. Moldes para termoplásticos reformados com carga. Aço ferramenta utilizado para aplicações em moldes quando se desejar durezas superiores às dos aços VP20 e VP50. Possui excelente capacidade de polimento. Moldes para injeção de termoplásticos não-clorados em que se requer maior resistência ao desgaste, aliada à boa polibilidade. Moldes para vidros. Aço inoxidável endurecível por precipitação. Possui excelentes propriedades de: estabilidade dimensional e de forma; soldabilidade; resistência à corrosão; polibilidade e resposta à texturização. Ferramentas para a conformação de termoplásticos inclusive em processo corrosivo (conformação de polímeros clorados). Pode trabalhar e ser estocado em locais úmidos. Aço com excelente usinabilidade e soldabilidade associadas a uma boa resistência mecânica e à corrosão, permitindo o trabalho em ambientes úmidos como os encontrados em câmaras quentes e condições de estocagem, como porta-moldes e fixadores. Pode também ser utilizado em moldes para injeção, extrusão e sopro de polímeros termoplásticos não-clorados, com baixa demanda em polibilidade. Resistência ao Desgaste Resposta à Nitretação Usinabilidade Estabilidade Dimensional

10 Aços para Trabalho a Frio Similares ABNT ASTM SAE AISI DIN Wnr C Mn Cr Ni Mo W V OUTROS Durezas de Utilização HRC APLICAÇÕES VD2 D ,50 0,35 12,00-0,78-0, VF800ATIM - - 0,85 0,40 8,40-2,10-0,50 Si=0, VC131 D ,10 0,30 11, ,70 0, VA2 A ,96 0,60 4,90-0,92-0,17 Si=0, VND O ,95 1,25 0, ,50 0, VW3 S ,45 0,30 1,20-0,20 2,00 0,20 Si=1, VS7 (*) S7-0,50 0,70 3,20-1, Si=0, N2360M - - 0,52 0,40 8,00-1,50-0,45 Si=0, Usado especialmente em ferramentas que exigem alta resistência à abrasão como matrizes para estampar e cunhar; rolar roscas, repuxamento; centros para tornos; punções; calibres. Aço para trabalho a frio de elevada tenacidade e resistência ao desgaste. Apropriado para aplicações como pentes e rolos laminadores de roscas, ferramentas de cunhagem e matrizes para corte e repuxe. Aço de extrema estabilidade dimensional do tipo conhecido como indeformável. Excepcional resistência à abrasão e máxima estabilidade de gume. Utilizado também para revestimento de moldes cerâmicos. Ferramentas que exijam alta resistência ao desgaste como matrizes para estampagem, cunhagem e repuxo, rolos laminadores de roscas, centros para tornos, punções e calibres. Ferramentas de corte, especialmente machos, cossinetes, brochas, punções, facas para corte de papel, ferramentas para trabalho de madeira; é também indicado para pinos de guias, roletes para laminar roscas, estampos e matrizes em geral, instrumentos de medição como calibres, padrões e réguas. Aço de alta dureza e de elevada tenacidade, para ferramentas que devem resistir a choques e à abrasão; talhadeiras e ferramentas pneumáticas. Aço de alta dureza e de elevada tenacidade, para ferramentas que devem resistir a choques e à abrasão; talhadeiras, ferramentas pneumáticas e punções para tipagem. Sua utilização é recomendada na confecção de facas de cisalhamento de alto rendimento para as indústrias de celulose, papel e aglomerados. É também indicado para fabricação de facas planas ou circulares para operação de corte em chapas de até 15 mm de espessura. * Aços comercializados mediante consulta (não disponíveis em estoque). Resistência ao Desgaste Tenacidade Usinabilidade VD2 VF800ATIM VC131 VA2 VND VW3 VS7 SINTER 23 SINTER 30 N2360M

11 Simplifique com a

12 Janeiro/2012

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA Fatec Sorocaba FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA TECNOLOGIA DE ESTAMPAGEM Professor: Eng. Msc. Ivar Benazzi Jr. Elpidio Gilson Caversan DM 0206007-01 Revisão Julho 2011-1 - TECNOLOGIA DE ESTAMPAGEM TRABALHO

Leia mais

AÇOS. Construção Mecânica

AÇOS. Construção Mecânica AÇOS Construção Mecânica SÃO CERCA DE 10.000 TONELADAS EM AÇOS E METAIS A PRONTA ENTREGA GGD 10 Composição Química C Mn Si Cr Al P S 0,17 0,24 0,18 0,23 0, 0,60 0,60 0,90 0, máx 0,15 0, ----- --- 0, 0,

Leia mais

O mais variado mix de produtos em diversas qualidades, bitolas e dimensões.

O mais variado mix de produtos em diversas qualidades, bitolas e dimensões. Ed. Ago / 2013 O mais variado mix de produtos em diversas qualidades, bitolas e dimensões. 18787D-revista-tabelas-22x30.indd 1 16/08/13 17:27 AÇOS FERRAMENTA EQUIVALÊNCIAS AISI/SAE WERKSTOFF Nº DENOMINAÇÕES

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 19/08/2008 1 CONFORMAÇÃO MECÂNICA Em um ambiente industrial, a conformação mecânica é qualquer operação durante a qual se aplicam esforços mecânicos

Leia mais

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável Arames Barras chatas Bobinas Cantoneiras Chapas Discos Perfis Buchas Tubos Tubos de cobre para refrigeração Vergalhões, redondos, sextavados e

Leia mais

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 ESTRUTURAIS Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Dentre os materiais encontrados no nosso dia-a-dia, muitos são reconhecidos como sendo metais, embora, em quase sua totalidade, eles sejam,

Leia mais

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA UERJ CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA CAPÍTULO 8: AÇOS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA DEPARTAMENTO DE MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA IV PROF. ALEXANDRE

Leia mais

Diamantados e CBN. Abrasivos Diamantados. Tipos de diamante Industrial:

Diamantados e CBN. Abrasivos Diamantados. Tipos de diamante Industrial: iamantados e CN Abrasivos iamantados Tipos de diamante Industrial: Sintéticos: Em forma de pó, pastilhas ou insertos; Naturais: Em forma de pó, pedra bruta ou lapidada; Nitreto de boro cúbico-cn: Em forma

Leia mais

Materiais de construção de máquinas

Materiais de construção de máquinas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Materiais de construção de máquinas 1. Introdução

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

Ferramenta de corte progressiva

Ferramenta de corte progressiva Estampagem Conformação de chapas é definida como a transição de uma dada forma de um semi-acabado plano em uma outra forma. Os processos de conformação de chapas têm uma importância especial na fabricação

Leia mais

ANÁLISE DE FALHAS COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE QUALIDADE EM MOLDES E MATRIZES

ANÁLISE DE FALHAS COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE QUALIDADE EM MOLDES E MATRIZES ANÁLISE DE FALHAS COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE QUALIDADE EM MOLDES E MATRIZES Prof. Dr. Rafael A. Mesquita Universidade Nove de Julho Mestrado em Engenharia de Produção Linha de Pesquisa em Qualidade

Leia mais

ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS

ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS Estruturas de aço. Aspectos tecnológicos e de concepção. Prof. Edson Lubas Silva Agradecimento ao Prof. Dr. Valdir Pignatta pelo material cedido ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS 1 O que é o aço?

Leia mais

Perguntas de Materiais 2. Perguntas para Teste 1

Perguntas de Materiais 2. Perguntas para Teste 1 Perguntas de Materiais 2 Perguntas para Teste 1 1. De que dependem as propriedades mecânicas, físicas, químicas, tecnológicas dum material? 2. Que propriedades mecânicas, físicas, químicas, tecnológicas

Leia mais

Rol-tec Rolamentos Ltda Desde 1966 trabalhando para conquistar e manter parceiros

Rol-tec Rolamentos Ltda Desde 1966 trabalhando para conquistar e manter parceiros Nº 19 Setembro 2005 Clientes Rol-tec Rolamentos Ltda Desde 1966 trabalhando para conquistar e manter parceiros A Rol-tec é uma empresa genuinamente nacional que, desde 1966, vem desenvolvendo um trabalho

Leia mais

Distribuição. Chapas / Tiras / Blanks / Rolos

Distribuição. Chapas / Tiras / Blanks / Rolos Distribuição Chapas / Tiras / Blanks / Rolos Chapas / Tiras / Blanks / Rolos A ArcelorMittal Distribuição transforma as bobinas de açocarbono produzidas pela ArcerlorMittal Tubarão ES e ArcelorMittal Vega

Leia mais

Distribuição. Chapas / Tiras / Blanks / Rolos

Distribuição. Chapas / Tiras / Blanks / Rolos Distribuição Chapas / Tiras / Blanks / Rolos Chapas / Tiras / Blanks / Rolos A ArcelorMittal Distribuição transforma as bobinas de aço carbono produzidas pela ArcerlorMittal Tubarão ES e ArcelorMittal

Leia mais

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS TW103 E TW203 PROPORCIONAM FUROS COM EXCELENTE QUALIDADE E MÁXIMO DESEMPENHO NO LATÃO E MATERIAIS DE CAVACO QUEBRADIÇO EM GERAL. Conheça suas características:

Leia mais

AISI 420 Tratamento Térmico e Propriedades. InTec 012. 1. Introdução

AISI 420 Tratamento Térmico e Propriedades. InTec 012. 1. Introdução 1. Introdução Este texto tem por objetivo discutir importantes aspectos da seleção de temperaturas de têmpera e revenimento das diferentes marcas para o aço AISI 420 em função das propriedades mecânicas

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Disco Corte Aço Classic

Disco Corte Aço Classic 03 CORTE DISCOS ABRASIVOS DISCOS DIAMANTADOS DISCOS DE RELVA E MATO BROCAS HSS DIN338 BROCAS SDS PLUS BROCAS UNIVERSAIS CONJUNTOS DE BROCAS FOLHAS DE SERRA DISCOS ABRASIVOS Disco Corte Inox Disco de corte

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA PROGRAMA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA Código: MECN0039 Carga Horária Semestral: 45 HORAS Número de Créditos: TEÓRICOS: 00; PRÁTICOS: 03; TOTAL: 03 Pré-Requisito: MECN0004 CIÊNCIA DOS MATERIAIS

Leia mais

Propriedades Mecânicas R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB. Eletrodos GD. GD 99 SX AWS- E-NiCI. R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB.

Propriedades Mecânicas R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB. Eletrodos GD. GD 99 SX AWS- E-NiCI. R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB. Eletrodos GD GD 99 SX - E-NiCI GD 99 -E-NiCI GD 60 -E-NiFeCI GD 60S -E-NiFeS GD ST -E-ST Propriedades R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB R: 520 MPa A: 20% D: 180 HB R: 530 MPa A: 18%

Leia mais

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado INTRODUÇÃO Extrusão - processo no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz,

Leia mais

Tubos mecânicos Vallourec. facilitam o seu trabalho e aumentam o seu retorno. www.vallourec.com/br

Tubos mecânicos Vallourec. facilitam o seu trabalho e aumentam o seu retorno. www.vallourec.com/br Tubos mecânicos Vallourec. facilitam o seu trabalho e aumentam o seu retorno. www.vallourec.com/br Tubos mecânicos: Aço VMec134AP Diferencial nas Condições de Fornecimento do VMec134AP. Análise Química

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos Operações de aquecimento de um material

Leia mais

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS PARA APLICAÇÃO GERAL LENOX-TWILL DESENVOLVIDAS PARA FURAR UMA AMPLA GAMA DE MATERIAIS, PROPORCIONANDO DESEMPENHO EFICIENTE COM EXCELENTE

Leia mais

Grupo Setorial de Metalurgia do Pó

Grupo Setorial de Metalurgia do Pó DIREITOS AUTORAIS O material contido neste documento é parte integrante do livro A METALURGIA DO PÓ: alternativa econômica com menor impacto ambiental Autor: Editora: METALLUM EVENTOS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS

Leia mais

PETG DATASHEET. www.vick.com.br

PETG DATASHEET. www.vick.com.br Pág. 1 / 5 Um plástico que pode ser parafusado, estampado à quente, cortado, facilmente termoformado, ou mesmo dobrado a frio sem lascar, esbranquiçar, rachar ou ficar irregular. É um plástico econômico

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

Materiais de Construção Mecânica. 7.1 Identificação ou Classificação dos Aços em função da Composição Química.

Materiais de Construção Mecânica. 7.1 Identificação ou Classificação dos Aços em função da Composição Química. Materiais de Construção Mecânica 7.1 Identificação ou Classificação dos Aços em função da Composição Química. No Brasil os aços utilizados na indústria da construção mecânica podem ser identificados e/ou

Leia mais

Tratamentos térmicos dos aços

Tratamentos térmicos dos aços Tratamentos térmicos dos aços Recozimento Aquecimento a Trec., seguido de arrefecimento lento Rec. relaxação de tensões Rec. esferoizidação Rec. completo Normalização Rec. após deformação plástica Têmpera

Leia mais

Aços Ferramenta Gerdau

Aços Ferramenta Gerdau Aços Ferramenta Aços Ferramenta Gerdau - 2714 COMPOSIÇÃO QUÍMICA MÉDIA (%): C 0,55 Si 0,25 Mn 0,70 Cr 1,15 Ni 1,70 Mo 0,50 V 0,10 EQUIVALÊNCIA: NM 2714; (AISI 6F3); DIN 56 NiCrMoV 7; W. Nr. 1.2714 CARACTERÍSTICAS:

Leia mais

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado.

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado. USINAGEM 1 USINAGEM Usinagem é um processo onde a peça é obtida através da retirada de cavacos (aparas de metal) de uma peça bruta, através de ferramentas adequadas. A usinagem confere à peça uma precisão

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr.

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr. INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Prof. Carlos Falcão Jr. Conformação de Materiais Metálicos Estampagem É um processo de conformação mecânica, que compreende um conjunto de operações por intermédio

Leia mais

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira.

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira. Conjunto de processos: Corte, Dobramento/curvamento (calandragem), Embutimento (estamp. profunda), Cunhagem, Perfilamento, Repuxamento. Processo a frio, Produto acabado, Matéria prima laminada, Forma volumétrica,

Leia mais

EM 833 Seleção de Materiais

EM 833 Seleção de Materiais EM 833 Seleção de Materiais PROFESSOR RESPONSÁVEL João Batista Fogagnolo fogagnolo@fem.unicamp.br Seleção de materiais Natureza interativa da viabilização de um produto Projeto Materiais Procedimento de

Leia mais

ÍNDICE. I Características de Produto... 5

ÍNDICE. I Características de Produto... 5 ÍNDICE I Características de Produto... 5 1 Faixas de Bitolas Produzidas (mm)... 5 2 Bitolas Padrões Laminadas... 6 3 Bitolas Padrões Forjadas Perfi l Redondo e Quadrado... 7 4 Tolerâncias Dimensionais

Leia mais

24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt. Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica.

24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt. Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica. Materiais de Construção Metais José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt 1 Metais Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica. 2 1 Propriedades Mecânicas Resistência à rotura Deformabilidade

Leia mais

Obs. Em uso interno é utilizado tinta a base de poliéster mas também com tratamento antioxidante.

Obs. Em uso interno é utilizado tinta a base de poliéster mas também com tratamento antioxidante. As chapas em ACM (Aluminium Composite Material) são formadas por duas chapas de alumínio pintado e um núcleo de plástico polietileno. São fornecidas com acabamento à base de pintura PVDF ou poliéster,

Leia mais

68 Usinagem por. eletroerosão. Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar

68 Usinagem por. eletroerosão. Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar A U A UL LA Usinagem por eletroerosão Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar uma importante competição esportiva, esteja encarregado de providenciar um grande número de medalhas. O problema é que

Leia mais

A afiação das ferramentas é feita somente nas superfícies que determinam os ângulos de ataque, de cunha e saída.

A afiação das ferramentas é feita somente nas superfícies que determinam os ângulos de ataque, de cunha e saída. O que é afiação? 1 Afiação é a operação de dar forma e perfilar arestas de ferramentas novas (última fase do processo de fabricação) e de restaurar o corte ou o perfil de ferramentas desgastadas pelo uso.

Leia mais

EU EXIJO MAIS DOS MEUS AÇOS PARA O TRANSPORTE AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA RUUKKI. A NOVA DEFINIÇÃO PARA PREMIUM. SOLUÇÕES PARA O TRANSPORTE

EU EXIJO MAIS DOS MEUS AÇOS PARA O TRANSPORTE AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA RUUKKI. A NOVA DEFINIÇÃO PARA PREMIUM. SOLUÇÕES PARA O TRANSPORTE www.ruukki.com.br SOLUÇÕES PARA O TRANSPORTE EU EXIJO MAIS DOS MEUS AÇOS PARA O TRANSPORTE AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA AO DESGASTE AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA MECÂNICA AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA RUUKKI. A NOVA

Leia mais

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 265 34. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 34.1. Introdução Para obter uma boa operação de usinagem em retificação, alguns cuidados devem ser

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

EFEITO DAS CONDIÇÕES DE TRATAMENTO TÉRMICO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE AÇOS FERRAMENTA

EFEITO DAS CONDIÇÕES DE TRATAMENTO TÉRMICO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE AÇOS FERRAMENTA EFEITO DAS CONDIÇÕES DE TRATAMENTO TÉRMICO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE AÇOS FERRAMENTA Rafael Agnelli Mesquita (1) Daniel Rodrigo Leiva (2) Celso Antonio Barbosa (3) Os aços ferramenta

Leia mais

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister Introdução: Propriedades mecânicas indicam o comportamento dos materiais quando sujeitos a esforços de

Leia mais

Os tratamentos termoquímicos. micos

Os tratamentos termoquímicos. micos Os tratamentos termoquímicos micos Os tratamentos termoquímicos micos Turma 6821 Arthur Galvão, Fábio F Borges, Israel Lima e Vitor Alex Tratamentos Termoquímicos? micos? são os tratamentos que visam o

Leia mais

Afiação de ferramentas

Afiação de ferramentas A UU L AL A Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se desgastam, apresentando trincas ou deformações na forma e nas propriedades. Devido a este desgaste, as

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO CRIOGÊNICO NA RESISTÊNCIA AO DESGASTE DO AÇO PARA TRABALHO A FRIO AISI D2 SILVIO JOSÉ GOBBI

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO CRIOGÊNICO NA RESISTÊNCIA AO DESGASTE DO AÇO PARA TRABALHO A FRIO AISI D2 SILVIO JOSÉ GOBBI UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO CRIOGÊNICO NA RESISTÊNCIA AO DESGASTE DO AÇO PARA TRABALHO A FRIO AISI D2 SILVIO JOSÉ GOBBI

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

PROF. FLAUDILENIO EDUARDO LIMA UNIDADE 3. Projeções Ortogonais

PROF. FLAUDILENIO EDUARDO LIMA UNIDADE 3. Projeções Ortogonais UNIDADE 3 Projeções Ortogonais PROF. FLAUDILENIO E. LIMA Entendendo desenho técnico t mecânico Como introdução ao desenho técnico, na grande maioria dos cursos é feita o desenho mecânico. Abaixo temos

Leia mais

Tratamento Térmico e Materiais

Tratamento Térmico e Materiais Tratamento Térmico e Materiais ISOFLAMA Indústria e Comércio de Equipamentos Ltda João Carmo Vendramim João Carmo Vendramim Engenheiro Metalurgista, MSc Mestrado Fem-Unicamp Depto.Enga.Materiais Projeto

Leia mais

COMERCIAL IMPORTADORA DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS ESPECIAIS E COMPONENTES PARA CILINDRO

COMERCIAL IMPORTADORA DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS ESPECIAIS E COMPONENTES PARA CILINDRO COMERCIAL IMPORTADORA DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS ESPECIAIS E COMPONENTES PARA CILINDRO BARRAS DE AÇO CROMADAS GUIAS LINEARES TUBOS DE AÇO PARA CAMISA DE CILINDROS TUBOS MECÂNICOS ST52 COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO

Leia mais

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para Ferramenta de Corte Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para ferramentas de cortes Nas operações mais comuns, utiliza como ferramenta um material mais duro que o da peça. Por outro

Leia mais

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário.

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário. Estampagem A estampagem é o processo de fabricação de peças, através do corte ou deformação de chapas em operação de prensagem geralmente a frio. A conformação de chapas é definida como a transição de

Leia mais

Tubos, Projetos Especiais e Processos Agregados

Tubos, Projetos Especiais e Processos Agregados Tubos, Projetos Especiais e Processos Agregados Toda a qualidade em aço que você precisa www.meincol.com.br voestalpine AG A voestalpine está segmentada em 4 divisões: voestalpine. Uma empresa com forte

Leia mais

A GGD METALS. Valores Tratativa humana e profissional, responsabilidade, meritocracia e reconhecimento aos comprometidos com a empresa.

A GGD METALS. Valores Tratativa humana e profissional, responsabilidade, meritocracia e reconhecimento aos comprometidos com a empresa. A GGD METALS A GGD Metals é a maior e mais diversificada distribuidora de aços e metais do país. Possui gestão altamente profissional e conta com diferenciais inéditos no setor de distribuição: forte poder

Leia mais

ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO

ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES........................... TUBO DE AÇO TREFILADO SEM COSTURA... 3 TUBO CURVADO DE AÇO.................. 4 TUBO DE COBRE

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima LIMAGEM Introdução Noções de limagem Tipos de Lima Temas a abordar Limagem manual; Classificação de limas; Métodos e regras de trabalho; Materiais industriais; Outros tipos de limagem; Exercícios simples

Leia mais

Informativo Técnico Nr. 209 Nitretação a Plasma comparada à Nitretação a Gás

Informativo Técnico Nr. 209 Nitretação a Plasma comparada à Nitretação a Gás Informativo Técnico Nr. 209 Nitretação a Plasma comparada à Nitretação a Gás A alternativa para melhoria na qualidade e redução de custos Conteúdo 1.0 NITRETAÇÃO À GÁS 1.1 Desenvolvimento do Processo de

Leia mais

Tubos Redondos 11 22070781

Tubos Redondos 11 22070781 1 Tubos Redondos 11 22070781 Bitola (D) Bitola (D) Espessura Teórico Bitola (D) Bitola (D) Espessura Teórico Bitola (D) Bitola (D) Espessura Teórico Bitola (D) Bitola (D) Espessura Teórico da parede barra

Leia mais

Manômetros de 100 e 150mm Standard ou com Glicerina

Manômetros de 100 e 150mm Standard ou com Glicerina Manômetros de 100 e 150mm Standard ou com Glicerina Aplicação Foram desenvolvidos para indicarem com precisão a pressão que se quer monitorar nas linhas de vapor, gases ou líquidos, e em equipamentos.

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Última atualização Maio/2011 CLASSIFICAÇÃO DAS FOLHAS DE ALUMÍNIO A folha de Alumínio é um produto resultante do processo de laminação a frio com secção transversal variando

Leia mais

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO 83 11. VARIÁVEIS DEPENDENTES DE SAÍDA: FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO. 11.1. Generalidades Nas operações de usinagem que utilizam corte contínuo

Leia mais

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1 MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG Folheto N º 1 STD OSG MACHOS MÁQUINA ALTA PERFORMANCE Macho Ponta Helicoidal (POT) DIN 371 250/4 Métrica Grossa 6H rápido 280/4 Unificada Grossa UNC 2B 281/4 Unificada

Leia mais

FUNDIÇÃO 3/23/2014 BIBLIOGRAFIA VANTAGENS DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO

FUNDIÇÃO 3/23/2014 BIBLIOGRAFIA VANTAGENS DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO BIBLIOGRAFIA FUNDIÇÃO Livro Texto: Tecnologia Metalúrgica Prof. José Luís L. Silveira Curso de graduação em Engenharia Mecânica UFRJ Centro de Tecnologia sala I-241 Introdução aos Processos de Fabricação

Leia mais

Mateco UCP - Civil. Mateco UCP - Civil. Mateco UCP - Civil. Mateco UCP - Civil

Mateco UCP - Civil. Mateco UCP - Civil. Mateco UCP - Civil. Mateco UCP - Civil Mateco - UCP - Civil Materiais Metálicos: Os materiais metálicos são substâncias inorgânicas que contêm um ou mais elementos metálicos e que também podem conter alguns elementos nãometálicos; Visando à

Leia mais

Materiais Aço Inox /Aço Carbono

Materiais Aço Inox /Aço Carbono Materiais Aço Inox /Aço Carbono DEFINIÇÕES DOS AÇOS Aço Carbono: Uma liga ferrosa em que o carbono é o principal elemento de liga. Aço Inoxidável: Uma liga de aço altamente resistente a corrosão em uma

Leia mais

Machos Laminadores. Métrico. The Right Tool at the Right Time

Machos Laminadores. Métrico. The Right Tool at the Right Time Rua do Manifesto, 221 - Ipiranga - São aulo Fone: + (11) 2271-3211 The Right Tool at the Right Time Machos Laminadores Métrico Rua do Manifesto, 221 - Ipiranga - São aulo Fone: + (11) 2271-3211 Características

Leia mais

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 MATERIAIS

Leia mais

USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE

USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE Ramos, Daniela Magalhães 1 Ferreira, Carlos Roberto 2

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: O ensaio de dureza consiste na aplicação de uma carga na superfície do material empregando um penetrador padronizado, produzindo uma marca superficial ou impressão. É amplamente

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado.

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado. Serras circulares Serras circulares são discos dentados que trabalham em máquinas muito solicitadas em marcenarias, carpintarias e serrarias. Estas serras efetuam cortes longitudinais, paralelos, transversais

Leia mais

Novas Tendências do Mercado de Laminação de Tiras a Frio (cilindros)

Novas Tendências do Mercado de Laminação de Tiras a Frio (cilindros) Novas Tendências do Mercado de Laminação de Tiras a Frio (cilindros) Out - 2009 1 Sumário Objetivo; Introdução; Demanda dos produtos laminados; Evolução dos processos de fabricação e produtos; Produtos

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS.

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. 1.Curvas de transformação contínua para os aços. as curvas ttt (tempo-temperatura-transformação) dos aços eram obtidas antigamente pelo método metalográfico. hoje em dia

Leia mais

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Diagrama de equilíbrio Fe-C Fe 3 C, Fe e grafita (carbono na forma lamelar) Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de

Leia mais

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice Índice 1.Características Gerais... 2 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento... 2 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo... 2 2.2 Seleção do Acoplamento...

Leia mais

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 409 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 409 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 409 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR Giovanna Agarelli 1 ; Susana Marraccini Giampietri Lebrão 2 1 Aluno de Iniciação Científica

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Aços. Adilson de Melo Poggiato

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Aços. Adilson de Melo Poggiato Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Aços Adilson de Melo Poggiato Noções básicas de siderurgia: O ferro é um metal que existe em grande quantidade na natureza principalmente

Leia mais

Manual Técnico de Coberturas Metálicas

Manual Técnico de Coberturas Metálicas Manual Técnico de Coberturas Metálicas Coberturas Metálicas Nas últimas décadas, as telhas produzidas a partir de bobinas de aço zincado, revolucionaram de maneira fundamental, a construção civil no Brasil,

Leia mais

Aços para. tool steels

Aços para. tool steels Aços para ferramentas tool steels Completa linha de produtos Villares Metals Villares Metals complete product portfolio A Villares Metals desenvolveu uma série completa de aços para ferramentas destinados

Leia mais

SINALIZAÇÃO TÁTIL HORIZONTAL POR ELEMENTOS DISCRETOS

SINALIZAÇÃO TÁTIL HORIZONTAL POR ELEMENTOS DISCRETOS SINALIZAÇÃO TÁTIL HORIZONTAL POR ELEMENTOS DISCRETOS 1 Descrição e conceito O conceito dos elementos discretos agrega à sinalização tátil em concordância com legislação - baixa interferência na arquitetura

Leia mais

Parabond Zinco. Produto elástico para todo tipo de metais.

Parabond Zinco. Produto elástico para todo tipo de metais. Parabond Zinco Produto elástico para todo tipo de metais. Produto: Parabond Zinco é um elastómero de alta qualidade, de rápido endurecimento, permanentemente elástico, à base de MS polímero com elevada

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA 1 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA 1. INTRODUÇÃO 2. FABRICAÇÃO DE TUBOS 3. NORMAS DE FABRICAÇÃO 4. INFORMAÇÕES TÉCNICAS 4.1 - Cálculo do Peso Teórico 4.2 - Raio de Canto teórico dos

Leia mais

Composição química do alumínio

Composição química do alumínio Índice Descrição Página Composição química do alumínio... 4 Propriedades mecânicas do alumínio... 5 Propriedades físicas do alumínio... 6 Comparativo do alumínio com outros metais... 6 Principais ligas,

Leia mais

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Liz F Castro Neto lfcastroneto@gmail.com Dênis de Almeida Costa denis.costa@fatec.sp.gov.br 1. Resumo Na soldagem de união, a

Leia mais

E-mail: vendas@bratal.com.br

E-mail: vendas@bratal.com.br CENTRAL DE VENDAS Consulte-nos pelo fone/fax : (19) 341.0081 E-mail: vendas@bratal.com.br 603 - Tubos 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES...........................

Leia mais

Novos produtos. Fabrico de ferramentas de estampagem IV / 2015. E 5660 Conjunto de ajuste

Novos produtos. Fabrico de ferramentas de estampagem IV / 2015. E 5660 Conjunto de ajuste Novos produtos Fabrico de ferramentas de estampagem IV / 2015 Catálogo em CD 5.9.1.0 Catálogo online Indo de encontro às suas necessidades e sugestões, ampliámos novamente a nossa gama de produtos. Desta

Leia mais

Fresas Ferramentas de fresar

Fresas Ferramentas de fresar Fresas Ferramentas de fresar As maiores exigências de trabalho de usinagem de madeiras, de painéis aglomerados e MDF são hoje feitas para as ferramentas de fresar. 1. Condições de segurança 2. Alto rendimento

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

Aços Longos. Barras Trefiladas

Aços Longos. Barras Trefiladas Aços Longos Barras Trefiladas Soluções em aço seguro e sustentável. Resultado da união dos dois maiores fabricantes mundiais de aço, a ArcelorMittal está presente em mais de 60 países, fabricando Aços

Leia mais