ANÁLISE DE FALHAS COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE QUALIDADE EM MOLDES E MATRIZES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE FALHAS COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE QUALIDADE EM MOLDES E MATRIZES"

Transcrição

1 ANÁLISE DE FALHAS COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE QUALIDADE EM MOLDES E MATRIZES Prof. Dr. Rafael A. Mesquita Universidade Nove de Julho Mestrado em Engenharia de Produção Linha de Pesquisa em Qualidade 1º Congresso de Inovação, Tecnologia e Sustentabilidade Agosto de 2010

2 AGENDA 1. INTRODUÇÃO 1.1 Falhas em Aços Ferramenta x Aplicações Estruturais e de Mecânicas 1.2 Tipos de Aços Ferramenta 1.3 Solicitações em Aços Ferramenta 2.FALHAS EM AÇOS PARA TRABALHO A FRIO 2.1 Tipos de Aços e Propriedades 2.2 Falhas Relativas ao Projeto 2.3 Retífica e Eletroerosão 2.4 Procedimento Incorreto 2.5 Revenimento Curto 2.6 Austenita Retida 3. FALHAS EM AÇOS PARA TRABALHO A QUENTE 3.1 Tipos de Aços e Propriedades 3.2 Temperatura e Tempos Incorretos 3.3 Excesso de Dureza 3.4 Resfriamento Lento na Têmpera 3.5 Aquecimento Excessivo 3.6 Nitretação 4. FALHAS EM AÇOS MOLDES DE PLÁSTICO 4.1 Pirâmide de Valor 4.2 Eletroerosão 4.3 Corrosão 4.4 Polimento 4.5 Texturização 5. CONCLUSÕES

3 1. INTRODUÇÃO

4 1.1 Falhas em Aços A Ferramenta x Aplicações Estruturais e de Mecânicas Mississippi River Bridge Collapse Minneapolis, 2007 Die-Casting Die after Failure Qual a Semelhança? Qual a Diferença? FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

5 1.2 Tipos de Aços A Ferramenta Moldes para Plástico Moldes para Fundição Moldes para Forjamento Ferramentas de Extrusão Ferramentas de Conformação a Frio Ferramentas de Corte e Usinagem FONTE:

6 1.3 Solicitações em Aços A Ferramenta Trabalho a Quente Resistência a Quente Resistência ao Revenido Tenacidade Condutividade Térmica Temperabilidade Resposta ao Tratamento Térmico Resistência à Fadiga Térmica Resistência ao Desgaste Usinabilidade + Outros fatores: Isotropia e Custo FONTE: MESQUITA, R. A. HADDAD, P. T. Propriedades Fundamentais dos Aços Ferramenta para Matrizes de Forjamento. In: 29º Senafor e 13º Conferência Internacional de Forjamento, 2009, Porto Alegre. 29º Senafor e 13º Conferência Internacional de Forjamento. Porto Alegre, v. 1. p

7 1.3 Solicitações em Aços A Ferramenta Trabalho a Frio Resistência Mecânica (Dureza) Resistência ao Desgaste Adesivo Resistência ao Desgaste abrasivo Tenacidade Resposta ao Tratamento Térmico Retificabilidade Usinabilidade + Custo FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Avaliação das propriedades de desgaste e tenacidade em aços para trabalho a frio. Tecnologia em Metalurgia e Materiais (São Paulo. Impresso), v. 2, p , 2005.

8 1.3 Solicitações em Aços A Ferramenta Moldes para Plástico Resistência Mecânica + Temperabilidade Usinabilidade Polibilidade Resposta à Texturização Soldablildade Condutividade Térmica Resposta à Tratamentos de Superfície Facilidade Eletroerosão + Custo FONTE: HIPPENSTIEL, FRANK. Haddbook of Plastic Mould Steels, editado por Edelstahlwerke Buderus AG, p. 18.

9 2. FALHAS EM AÇOS A PARA TRABALHO A FRIO

10 2.1 Aços A e Propriedades Aços Empregados (composição Química) FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

11 2.1 Aços A e Propriedades Microestruturas e Resposta ao Tratamento Térmico D6 D2 FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p %Cr 01

12 2.1 Aços A e Propriedades Resistência ao Desgaste Abrasivo Exemplo: desgaste por partícula abrasiva. 50 HRC 60 HRC 60 HRC Desejado: matriz de alta dureza e carbonetos primários não dissolvidos FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Aços Aplicados em Ferramentas de Corte e Ferramentas de Conformação a Frio, Cintec, Sociesc, 2004, Chapecó. FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Powder Metallurgy and Spray Formed 10%V Cold Work Tool Steels, A Comparison. In: PM Powder Metallurgy World Congress & Exhibition, 2004, Vienna. Proceedings of Euro PM 2004, v. 5. p

13 2.1 Aços A e Propriedades Resistência ao Desgaste Adesivo Depende da dureza da matriz e carbonetos primários de alta dureza. Propriedade fundamental do aço ferramenta: processo muito utilizado. Depende da tenacidade (microlascamentos) Abrasão Aço ferramenta chapa FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Aços Aplicados em Ferramentas de Corte e Ferramentas de Conformação a Frio, Sintec, 2004, Chapecó. Adesão FONTE: Steels for Cold Work Tooling, Datasheets, Uddeholm Tooling, Hagfors, Sweden, 2002.

14 2.2 Falhas Relativas ao Projeto Fragilidade Intrínseca 16 Charpy V-notched Impact, J HRC: 0 O2 60 D3 61,5 D2 60 A2 61 H13 47,5 S7 56,5 FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

15 2.2 Falhas Relativas ao Projeto Exemplos de Falhas FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

16 2.3 Falhas por Retífica e Eletroerosão Alta Dureza Após Têmpera Comparação... * Aço A o (P20): ~ 0,4 %C ~ 60 HRC * Aço A o : ~ 0,6 %C 64 HRC * VP100 ~ 0,29 %C 45 HRC (menor dureza, gerando melhor soldabilidade) FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

17 2.3 Falhas por Retífica e Eletroerosão Exemplos de Falhas Retífica FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

18 2.3 Falhas por Retífica e Eletroerosão Exemplos de Falhas Eletro-Erosão Procedimento: remoção por polimento + novo revenimento FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

19 2.4 Falhas por Procedimento Incorreto Dureza não é condição de bom desempenho! FONTE: MESQUITA, R. A. ; LEIVA, D. R. ; BARBOSA, C. A.. Estudos de Tratamento Térmico nos Aços Ferramenta VH13ISO e VF800AT. In: 3o Encontro da Cadeia de Ferramentas, Moldes e Matrizes, 2005, São Paulo. Anais do 3o Encontro da Cadeia de Ferramentas, Moldes e Matrizes, p CDROM

20 2.5 Falhas por Revenimento Curto ou Inexistente FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

21 2.6 Falhas por Excesso de Austenita Retida O que é Austenita Retida? Austenita Retida FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

22 2.6 Austenita Retida Falhas em Aços para Trabalho a Frio FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p Também causa instabilidade dimensional

23 3. FALHAS EM AÇOS A PARA TRABALHO A QUENTE

24 3.1 Aços A e Propriedades Aços Empregados (composição Química) FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

25 3.1 Aços A e Propriedades Resposta ao Tratamento Térmico Hardness (HRC) H13 DIN (~6F3 or L6) H11 VHSUPER H Tempering Temperature ( C) FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

26 3.1 Aços A e Propriedades Resistência ao Revenido ºC 45 Dureza (HRC) TENAX 300 AISI H11 AISI H13 600ºC , Tempo (h) Importante: parâmetro de revenimento (T e t); Elementos importantes: Mo/W e V. FONTE: MESQUITA, R. A. HADDAD, P. T. Propriedades Fundamentais dos Aços Ferramenta para Matrizes de Forjamento. In: 29º Senafor e 13º Conferência Internacional de Forjamento, 2009, Porto Alegre. 29º Senafor e 13º Conferência Internacional de Forjamento. Porto Alegre, v. 1. p

27 3.1 Aços A e Propriedades Tenacidade Segurança (contra ruptura catastrófica ou lascamentos) Trincamentos Grosseiros Possibilitar Dureza Resistência à Fadiga Térmica. TENACIDADE Qualidade do Aço Ferramenta FONTE: MESQUITA, R. A. HADDAD, P. T. Propriedades Fundamentais dos Aços Ferramenta para Matrizes de Forjamento. In: 29º Senafor e 13º Conferência Internacional de Forjamento, 2009, Porto Alegre. 29º Senafor e 13º Conferência Internacional de Forjamento. Porto Alegre, v. 1. p

28 3.2 Falhas Relativas a Temperaturas e Tempos Incorretos Unnotched Impact Toughness (J) J 44,5 HRC 208 J 1 2 Hard. 1020ºC Temp. 610ºC 42 HRC Hard. 890ºC Temp. 250ºC Impact Strength Hardness after Aging 35 J 3 Hard. 1150ºC Temp. 640ºC Hardness After 10h at 550ºC (HRC) (initial hardness = 45 HRC) FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

29 3.3 Falhas por Dureza Excessivamente Alta FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

30 3.4 Falhas por Resfriamento Lento (Têmpera) +600% FONTE: MESQUITA, R. A. HADDAD, P. T. Propriedades Fundamentais dos Aços Ferramenta para Matrizes de Forjamento. In: 29º Senafor e 13º Conferência Internacional de Forjamento, 2009, Porto Alegre. 29º Senafor e 13º Conferência Internacional de Forjamento. Porto Alegre, v. 1. p

31 3.5 Falhas por Aquecimento Excessivo Exemplo de Falha FONTE: MESQUITA, R. A. HADDAD, P. T. Propriedades Fundamentais dos Aços Ferramenta para Matrizes de Forjamento. In: 29º Senafor e 13º Conferência Internacional de Forjamento, 2009, Porto Alegre. 29º Senafor e 13º Conferência Internacional de Forjamento. Porto Alegre, v. 1. p

32 3.5 Falhas por Aquecimento Excessivo Resistência ao Revenido Dureza núcleo 53 HRC 600 FONTE: MESQUITA, R. A. HADDAD, P. T. Propriedades Fundamentais dos Aços Ferramenta para Matrizes de Forjamento. In: 29º Senafor e 13º Conferência Internacional de Forjamento, 2009, Porto Alegre. 29º Senafor e 13º Conferência Internacional de Forjamento. Porto Alegre, v. 1. p Dureza (HV) ~ 42 HRC Distância da Superfície (mm)

33 3.6 Nitretação Exemplo de Falha FONTE: MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: Material Park - ASM, 2008, v., p

34 3.6 Nitretação Exemplo de Melhoria FONTE: MESQUITA, R. A. Relatório RT 04/2010 RAF CONSULTORIA

35 4. FALHAS EM AÇOS A PARA MOLDES

36 4.1 Pirâmide de Valor - Conformação de polímeros termoplásticos. - Importância dos Aspectos Superficiais. - Aplicações típicas: Injeção, Extrusão e Sopro. - Propriedades Importantes= Propriedades de Manufatura: * Usinabilidade * Polibilidade * Resp. Trat. Térmico Outras: Resposta a Nitretação, Reparo por Solda, Resistência à Corrosão, FONTE: MESQUITA, R. A. ; Desenvolvimentos em Aços Ferramenta para Moldes de Plástico, Cintec 2006 Plásticos, Sociesc, Joinville.

37 4.2 Falhas por Eletroerosão FONTE: HIPPENSTIEL, FRANK. Haddbook of Plastic Mould Steels, editado por Edelstahlwerke Buderus AG, p.

38 4.2 Falhas por Eletroerosão FONTE: HIPPENSTIEL, FRANK. Haddbook of Plastic Mould Steels, editado por Edelstahlwerke Buderus AG, p.

39 4.3 Corrosão FONTE: HIPPENSTIEL, FRANK. Haddbook of Plastic Mould Steels, editado por Edelstahlwerke Buderus AG, p.

40 4.4 Polimento Exemplo de Melhoria O problema predominante no polimento é predominado overpolishing. Overpolishing éo termo utilizado quando a superfície polida se torna pior do que ao longo do polimento. Basicamente dois fenômenos aparecerem quando a superfície é sobre-polida (overpolished): casca de laranja (orange peel) e pites (pitting, pin holes). Overpolishing freqüentemente ocorre em conecção com polimento por máquina. Efeito casca de laranja Orange Peel. A aparência irregular e áspera da superfície, a qual é normalmente chamada de casca de laranja, depende de um grande número de causas. A causa mais comum é o sobre aquecimento ou sobre carburização no tratamento térmico em combinação com alta pressão e prolongado polimento. Um material mais duro pode resistir melhor a uma alta pressão de polimento, enquanto em materiais mais macios o sobre polimento é mais fácil. Estudos têm mostrado que o efeito do sobre polimento ocorre em diferentes tempos de polimento para diferentes durezas. A reação normal de quem observa esta superfície deteriorada é aumentar a pressão de polimento e continuar o processo. Tal ação resultará inevitavelmente no avanço da deterioração da superfície. P20 A2 FONTE: Steels for Molds, Datasheets, Uddeholm Tooling, Hagfors, Sweden, 2002.

41 4.4 Polimento Pitting de Polimento Pites Pitting. Vários pequenos pontos presentes na superfície polida geralmente resultam de inclusões de escória (não metálicos) em forma de óxidos frágeis e duros, os quais são arrancados da superfície no polimento. Uma das maneiras de minimizar os pites é selecionar aços para moldes com alto grau de pureza, os quais tenham sido submetidos a degasagem a vácuo, refusão a vácuo sob escória eletrocondutora (ESR) e refusão a arco sob vácuo (VAR) durante a produção. O processo de polimento é também importantíssimo, pois o pite formado pela remoção da inclusão pode aumentar significativamente seu tamanho em processos inadequados. FONTE: Polishing Mold Steels, Datasheets, Uddeholm Tooling, Hagfors, Sweden, 2002.

42 4.5 Texturização Utilizada por efeitos estéticos ou para manuseio das peças plásticas. Avalia a facilidade em realizar a texturização do molde; Importante: homogeneidade de dureza e composição química Fenômeno de corrosão: depende da composição química e da condição microestrutural (tratamento térmico, solda, eletroerosão, encruamento). Também depende do modo de processo de texturização. FONTE: MESQUITA, R. A. ; Desenvolvimentos em Aços Ferramenta para Moldes de Plástico, Cintec 2006 Plásticos, Sociesc, Joinville.

43 4.5 Texturização Questões Críticas Condição de Ataque (processo texturização) Dureza (ex. H13) Tipo de Aço Sugestão: estabelecer itens de controle do texturizador: ex.: tipo de ácido (ph), procedimento, temperatura, superfície prévia. FONTE: Fauts During Photo-Etching of Mold Steels, Thyssen Edelst. Tech. Ber. Special Issue, 1990, p VP20 ISO 32 HRC, 60 mícrons VH13 TIM 32 HRC, 30 mícrons

44 4.5 Texturização Texturização e Solda P20 VP50IM

45 5 CONCLUSÕES Em aços para trabalho a frio, as principais falhas relacionam-se à trincas ou redução na resistência ao desgaste. Em trabalho a quente, o aquecimento tem também grande influência, porém as questões de trincas são igualmente importantes. Para moldes de plásticos, os aspectos de superfície são os mais importantes. Na maioria das situações, o procedimento correto de tratamento térmico é a única garantia de resultados adequados. Em resumo: A análise de falhas pode ser empregada como melhoria do desempenho de ferramentas, moldes e matrizes.

46 OBRIGADO PELA ATENÇÃO! Prof. Dr. Rafael Mesquita

PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS AÇOS FERRAMENTA PARA MATRIZES DE FORJAMENTO

PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS AÇOS FERRAMENTA PARA MATRIZES DE FORJAMENTO PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS AÇOS FERRAMENTA PARA MATRIZES DE FORJAMENTO Rafael Agnelli Mesquita 1) Paulo de Tarso Haddad 2) Os aços ferramenta empregados em forjamento a quente possuem várias propriedades

Leia mais

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel.

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Lauralice de C. F. Canale 1 George Edward Totten 2 João Carmo Vendramim 3 Leandro Correa dos

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

EFEITO DAS CONDIÇÕES DE TRATAMENTO TÉRMICO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE AÇOS FERRAMENTA

EFEITO DAS CONDIÇÕES DE TRATAMENTO TÉRMICO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE AÇOS FERRAMENTA EFEITO DAS CONDIÇÕES DE TRATAMENTO TÉRMICO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE AÇOS FERRAMENTA Rafael Agnelli Mesquita (1) Daniel Rodrigo Leiva (2) Celso Antonio Barbosa (3) Os aços ferramenta

Leia mais

ANÁLISE DE CASOS E APLICAÇÕES DOS AÇOS TENAX 300 E VHSUPER

ANÁLISE DE CASOS E APLICAÇÕES DOS AÇOS TENAX 300 E VHSUPER ANÁLISE DE CASOS E APLICAÇÕES DOS AÇOS TENAX 300 E VHSUPER Rafael Agnelli Mesquita 1) Luiz Cesar França 2) Celso Antonio Barbosa 3) A vida útil de ferramentas para trabalho a quente depende de uma série

Leia mais

NOVOS AÇOS PARA TRABALHO A QUENTE

NOVOS AÇOS PARA TRABALHO A QUENTE NOVOS AÇOS PARA TRABALHO A QUENTE Rafael Agnelli Mesquita (1) Celso Antonio Barbosa (2) O aumento da vida útil de ferramentas e matrizes utilizadas em trabalho a quente tem como motivação a redução dos

Leia mais

SELEÇÃO DE AÇOS E TRATAMENTOS TÉRMICOS PARA FERRAMENTAS DE CONFORMAÇÃO A FRIO ESTAMPARIA

SELEÇÃO DE AÇOS E TRATAMENTOS TÉRMICOS PARA FERRAMENTAS DE CONFORMAÇÃO A FRIO ESTAMPARIA SELEÇÃO DE AÇOS E TRATAMENTOS TÉRMICOS PARA FERRAMENTAS DE CONFORMAÇÃO A FRIO ESTAMPARIA Eng. Shun Yoshida Engenheiro de Aplicação da Brasimet Comércio e Indústria S.A. CONTEÚDO 1. Introdução 2. Mecanismos

Leia mais

Polimento. Informações Gerais

Polimento. Informações Gerais Polimento Informações Gerais Aços Bohler-Uddeholm do Brasil Ltda / Divisão Uddeholm Est. Yae Massumoto, 353 - Cep.: 09842-160 - S.B.C - SP Tel.: 11-4393 4560 - Fax.: 11-4393 4561 - uddeholmvendas@steelcenter.com.br

Leia mais

AÇOS PARA FERRAMENTAS

AÇOS PARA FERRAMENTAS AÇOS PARA FERRAMENTAS FEA Processo de Fabricação de Aços Convencionais e s Lingotamento Convencional Forno Panela VD Lingotamento Contínuo ACIARIA Processo Fusão (Convencional): FEA (Forno Elétrico Arco)

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

AISI 420 Tratamento Térmico e Propriedades. InTec 012. 1. Introdução

AISI 420 Tratamento Térmico e Propriedades. InTec 012. 1. Introdução 1. Introdução Este texto tem por objetivo discutir importantes aspectos da seleção de temperaturas de têmpera e revenimento das diferentes marcas para o aço AISI 420 em função das propriedades mecânicas

Leia mais

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Dr. Carlos Eduardo Pinedo Diretor Técnico 1. Considerações Iniciais Aços Ferramenta Dentre os diferentes materiais utilizados pelo homem em seu cotidiano,

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Tratamento Térmico e Materiais

Tratamento Térmico e Materiais Tratamento Térmico e Materiais ISOFLAMA Indústria e Comércio de Equipamentos Ltda João Carmo Vendramim João Carmo Vendramim Engenheiro Metalurgista, MSc Mestrado Fem-Unicamp Depto.Enga.Materiais Projeto

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

Tratamentos Térmicos [7]

Tratamentos Térmicos [7] [7] Finalidade dos tratamentos térmicos: ajuste das propriedades mecânicas através de alterações da microestrutura do material. alívio de tensões controle da dureza e resistência mecânica usinabilidade

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE NOVO AÇO FERRAMENTA PARA MATRIZES DE EXTRUSÃO DE ALUMÍNIO*

CARACTERIZAÇÃO DE NOVO AÇO FERRAMENTA PARA MATRIZES DE EXTRUSÃO DE ALUMÍNIO* http://dx.doi.org/10.4322/tmm.2014.017 CARACTERIZAÇÃO DE NOVO AÇO FERRAMENTA PARA MATRIZES DE EXTRUSÃO DE ALUMÍNIO* José Britti Bacalhau 1 Fernanda Moreno Rodrigues 2 Rafael Agnelli Mesquita 3 Resumo Matrizes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE RODA MICROLIGADA COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL. Eng. (MSc) Domingos José Minicucci

DESENVOLVIMENTO DE RODA MICROLIGADA COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL. Eng. (MSc) Domingos José Minicucci COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL Eng. (MSc) Domingos José Minicucci CONTEÚDO: Evolução da carga por eixo na Austrália Contato roda trilho Especificação AAR para rodas classe D microligadas Nióbio

Leia mais

AÇOS. Construção Mecânica

AÇOS. Construção Mecânica AÇOS Construção Mecânica SÃO CERCA DE 10.000 TONELADAS EM AÇOS E METAIS A PRONTA ENTREGA GGD 10 Composição Química C Mn Si Cr Al P S 0,17 0,24 0,18 0,23 0, 0,60 0,60 0,90 0, máx 0,15 0, ----- --- 0, 0,

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS PARA APLICAÇÃO GERAL LENOX-TWILL DESENVOLVIDAS PARA FURAR UMA AMPLA GAMA DE MATERIAIS, PROPORCIONANDO DESEMPENHO EFICIENTE COM EXCELENTE

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

REVESTIMENTO PVD E NITRETAÇÃO SOB PLASMA APLICADOS EM FERRAMENTAS PARA CONFORMAÇÃO E CORTE A FRIO 1

REVESTIMENTO PVD E NITRETAÇÃO SOB PLASMA APLICADOS EM FERRAMENTAS PARA CONFORMAÇÃO E CORTE A FRIO 1 REVESTIMENTO PVD E NITRETAÇÃO SOB PLASMA APLICADOS EM FERRAMENTAS PARA CONFORMAÇÃO E CORTE A FRIO 1 Carlos Eduardo Pinedo 2 Resumo Ferramentas destinadas às operações de conformação e corte de metais trabalham

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

PROCESSOS P R O F E S S O R V I N I C I U S S I L V A

PROCESSOS P R O F E S S O R V I N I C I U S S I L V A PROCESSOS A F A B R I C A Ç Ã O D E U M P R O D U T O E N V O L V E A T I V I D A D E S D I V E R S I F I C A D A S, S I M U L T Â N E A S O U N Ã O, C O M D I F E R E N T E S N Í V E I S D E C O M P L

Leia mais

IMPACTO DA ESCOLHA DE AÇO E TRATAMENTO TÉRMICO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DAS FERRAMENTAS: UMA VISÃO ATRAVÉS DE CASOS

IMPACTO DA ESCOLHA DE AÇO E TRATAMENTO TÉRMICO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DAS FERRAMENTAS: UMA VISÃO ATRAVÉS DE CASOS IMPACTO DA ESCOLHA DE AÇO E TRATAMENTO TÉRMICO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DAS FERRAMENTAS: UMA VISÃO ATRAVÉS DE CASOS Objetivo do Mini Curso Abordar através de casos práticos de falhas, os principais aspectos

Leia mais

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr Tópico 05 ENSAIOS MECÂNICOS - DUREZA Parte A - Dureza Brinell Introdução A dureza de um material é uma propriedade difícil de definir, que tem diversos significados dependendo da experiência da pessoa

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO Alexandre Afonso Alves de Moura Marcos Paulo Pereira de Toledo Ricardo Breviglieri Alves Castilho DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL

Leia mais

Novas Tendências do Mercado de Laminação de Tiras a Frio (cilindros)

Novas Tendências do Mercado de Laminação de Tiras a Frio (cilindros) Novas Tendências do Mercado de Laminação de Tiras a Frio (cilindros) Out - 2009 1 Sumário Objetivo; Introdução; Demanda dos produtos laminados; Evolução dos processos de fabricação e produtos; Produtos

Leia mais

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS TW103 E TW203 PROPORCIONAM FUROS COM EXCELENTE QUALIDADE E MÁXIMO DESEMPENHO NO LATÃO E MATERIAIS DE CAVACO QUEBRADIÇO EM GERAL. Conheça suas características:

Leia mais

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Diagrama de equilíbrio Fe-C Fe 3 C, Fe e grafita (carbono na forma lamelar) Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de

Leia mais

Propriedades Mecânicas R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB. Eletrodos GD. GD 99 SX AWS- E-NiCI. R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB.

Propriedades Mecânicas R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB. Eletrodos GD. GD 99 SX AWS- E-NiCI. R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB. Eletrodos GD GD 99 SX - E-NiCI GD 99 -E-NiCI GD 60 -E-NiFeCI GD 60S -E-NiFeS GD ST -E-ST Propriedades R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB R: 520 MPa A: 20% D: 180 HB R: 530 MPa A: 18%

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

EFEITO DO TRATAMENTO CRIOGÊNICO NA RESISTÊNCIA AO DESGASTE DO AÇO H13

EFEITO DO TRATAMENTO CRIOGÊNICO NA RESISTÊNCIA AO DESGASTE DO AÇO H13 6Ä CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÅÇO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA FREIRE EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM OSASCO 2011 2 MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX G. S. Machado 1, M. L. N. M. Melo 1, C. A. Rodrigues 1. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá gustavosouza_unifei@yahoo.com.br

Leia mais

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O TRATAMENTO TÉRMICO A VÁCUO E O TRATAMENTO TÉRMICO POR BRASAGEM REALIZADO EM AÇO INOXIDÁVEL M340 APLICADO A INSTRUMENTAIS CIRÚRGICOS R. L. Ciuccio 1, V. Pastoukhov 2, M.D.D. NEVES

Leia mais

AÇOS COM CAMADAS OBTIDAS POR TRATAMENTOS TERMOQUÍMICOS E COM DEPOSIÇÃO DE FILMES. TRIBOLÓGICA V.03 09, 10 e 11 de Setembro

AÇOS COM CAMADAS OBTIDAS POR TRATAMENTOS TERMOQUÍMICOS E COM DEPOSIÇÃO DE FILMES. TRIBOLÓGICA V.03 09, 10 e 11 de Setembro AÇOS COM CAMADAS OBTIDAS POR TRATAMENTOS TERMOQUÍMICOS E COM DEPOSIÇÃO DE FILMES MOQUECA 1 TRIBOLÓGICA V.03 UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina 7 Campus Campus I Grande Florianópolis; Campus

Leia mais

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS -

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - Através da têmpera por indução e por chama consegue-se um efeito similar ao do tratamento de cementação e têmpera, quando se compara a

Leia mais

Programa. Conceitos e Tecnologia. Casos de Aplicação. Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465

Programa. Conceitos e Tecnologia. Casos de Aplicação. Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465 Apresentação Programa Conceitos e Tecnologia Casos de Aplicação Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465 Ciência das Superfícies Problemas Corrosão Fadiga Propriedades físicas

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

TRATAMENTO TÉRMICO E SUPERFICIAL DO AÇO INOXIDÁVEL MARTENSÍTICO AISI 420 DESTINADO A MOLDES PARA INJEÇÃO DE POLÍMEROS PARTE I TRATAMENTO TÉRMICO 1

TRATAMENTO TÉRMICO E SUPERFICIAL DO AÇO INOXIDÁVEL MARTENSÍTICO AISI 420 DESTINADO A MOLDES PARA INJEÇÃO DE POLÍMEROS PARTE I TRATAMENTO TÉRMICO 1 TRATAMENTO TÉRMICO E SUPERFICIAL DO AÇO INOXIDÁVEL MARTENSÍTICO AISI 420 DESTINADO A MOLDES PARA INJEÇÃO DE POLÍMEROS PARTE I TRATAMENTO TÉRMICO 1 Carlos Eduardo Pinedo 2 O aço inoxidável martensítico

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 FRAGILIZAÇÃO DA MARTENSITA REVENIDA EM PARAFUSOS: ANÁLISE DE DOIS CASOS Marcelo A. L.*, Tokimatso R. C., Júnior P. Z.**,

Leia mais

METALURGIA DO PÓ EMPREGADA NA FABRICAÇÃO DE FERRAMENTAS DE AÇO RÁPIDO

METALURGIA DO PÓ EMPREGADA NA FABRICAÇÃO DE FERRAMENTAS DE AÇO RÁPIDO METALURGIA DO PÓ EMPREGADA NA FABRICAÇÃO DE FERRAMENTAS DE AÇO RÁPIDO Lourival Boehs Delmonte Friedrich Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico, Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8

ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8 ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8 Telmo Roberto Strohaecker UFRGS, PROFESSOR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM Sandro Griza UFRGS, DOUTORANDO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM Rodrigo André Hoppe

Leia mais

ISOFLAMA Indústria e Comercio de Equipamentos Ltda SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO. J.C.Vendramim 1

ISOFLAMA Indústria e Comercio de Equipamentos Ltda SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO. J.C.Vendramim 1 SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO J.C.Vendramim 1 [1] João Carmo Vendramim Engenheiro metalurgista, mestrado em engenharia de materiais pela universidade de Campinas Unicamp. Introdução A seleção do

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

Palavras-chave: injeção de alumínio, fadiga térmica, nitretação, recobrimento PVD

Palavras-chave: injeção de alumínio, fadiga térmica, nitretação, recobrimento PVD ESTUDO DE CASO: FADIGA TÉRMICA EM MOLDES DE INJEÇÃO DE ALUMÍNIO COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIES DUPLEX 1 S. Corujeira Gallo 2 S. S. Tomiello 3 R. Gaboardi 4 C.A. Figueroa 5 Resumo O trabalho iniciou-se para

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

Caderno de Encargos de Ferramental

Caderno de Encargos de Ferramental Caderno de Encargos de Ferramental TEV-MM-TLL 09.2009 Página 1 de 11 Índice 1. Objetivo 3 2. Procedimento 3 3. Escopo 3 4. Condições 4 5. Custos 4 6. Protótipo da ferramenta 4 7. Construção da ferramenta

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA PROGRAMA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA Código: MECN0039 Carga Horária Semestral: 45 HORAS Número de Créditos: TEÓRICOS: 00; PRÁTICOS: 03; TOTAL: 03 Pré-Requisito: MECN0004 CIÊNCIA DOS MATERIAIS

Leia mais

EM 833 Seleção de Materiais

EM 833 Seleção de Materiais EM 833 Seleção de Materiais PROFESSOR RESPONSÁVEL João Batista Fogagnolo fogagnolo@fem.unicamp.br Seleção de materiais Natureza interativa da viabilização de um produto Projeto Materiais Procedimento de

Leia mais

ESTUDO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS APLICADOS ÀS FERRAMENTAS FABRICADAS COM O AÇO AISI H13 VISANDO O AUMENTO DE SUA VIDA ÚTIL

ESTUDO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS APLICADOS ÀS FERRAMENTAS FABRICADAS COM O AÇO AISI H13 VISANDO O AUMENTO DE SUA VIDA ÚTIL 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Fundição A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui um programa

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale ARTIGO Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale Isaias Moreira de Freitas 1, Bruno Teieira Barros 2, Francisco Nascimento Chagas 3 1 Ger. de Engenharia Ferroviária, Av. Dante Micheline,

Leia mais

MICROMECANISMOS DA FRATURA DECORRENTES DA RUPTURA POR IMPACTO DE UM AÇO INOXIDÁVEL ISO 5832-9.

MICROMECANISMOS DA FRATURA DECORRENTES DA RUPTURA POR IMPACTO DE UM AÇO INOXIDÁVEL ISO 5832-9. MICROMECANISMOS DA FRATURA DECORRENTES DA RUPTURA POR IMPACTO DE UM AÇO INOXIDÁVEL ISO 5832-9. Celso Riyoitsi Sokei 1*, Ruis Camargo Tokimatsu 1*, Itamar Ferreira 2, Vicente Afonso Ventrella 1*, Daniel

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr.

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr. INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Prof. Carlos Falcão Jr. Conformação de Materiais Metálicos Estampagem É um processo de conformação mecânica, que compreende um conjunto de operações por intermédio

Leia mais

ANCORAS METALICAS. Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos

ANCORAS METALICAS. Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos ANCORAS METALICAS Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos Conceito Âncoras / Clipes / Chumbadores Grapas Rabo de andorinha / Grampo Conceito Âncoras / Clipes / Chumbadores Grapas Rabo de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO REVENIDO E DA TENACIDADE DO AÇO FERRAMENTA H13

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO REVENIDO E DA TENACIDADE DO AÇO FERRAMENTA H13 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO REVENIDO E DA TENACIDADE DO AÇO FERRAMENTA H13 Laura Rodrigues de Novaes 1 ; Susana M. Giampietri Lebrão 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS HUGO SUSIN INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA MARTENSITICA PRÉVIA NO TRATAMENTO DE ESFEROIDIZAÇÃO DO AÇO 4137 Florianópolis

Leia mais

Fundido ou Forjado? Uma Avaliação Realística

Fundido ou Forjado? Uma Avaliação Realística Fundido ou Forjado? Uma Avaliação Realística Uma apresentação honesta das vantagens e limitações de ambos os processos que permitirá ao leitor uma determinação segura de qual o melhor caminho a seguir

Leia mais

VIMCOR AÇO INOXIDÁVEL DE ALTA USINABILIDADE PARA MOLDES PLÁSTICOS

VIMCOR AÇO INOXIDÁVEL DE ALTA USINABILIDADE PARA MOLDES PLÁSTICOS AÇO INOXIDÁVEL DE ALTA USINABILIDADE PARA MOLDES PLÁSTICOS CONTRIBUIÇÕES PARA A COMPETITIVIDADE DA FERRAMENTARIA NACIONAL Eng. M. Eng. Paulo Haddad Assessoria Técnica TRABALHANDO PARA O FORTALECIMENTO

Leia mais

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I A U A UL LA Recuperação de guias ou vias deslizantes I Uma máquina foi retirada do setor de produção e levada para o setor de manutenção porque havia atingido o seu ponto de reforma. A equipe de manutenção

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA UERJ CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA CAPÍTULO 8: AÇOS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA DEPARTAMENTO DE MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA IV PROF. ALEXANDRE

Leia mais

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira.

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira. Conjunto de processos: Corte, Dobramento/curvamento (calandragem), Embutimento (estamp. profunda), Cunhagem, Perfilamento, Repuxamento. Processo a frio, Produto acabado, Matéria prima laminada, Forma volumétrica,

Leia mais

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES Os fabricantes e as conexões devem ser pré-qualificados através de certificados de qualificação emitidos por organismos/laboratórios reconhecidos, ou pelo próprio sistema de qualificação

Leia mais

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO CONCURSO PÚBLICO DOCENTE IFMS EDITAL Nº 002/2013 CCP IFMS MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) Uso exclusivo do

Leia mais

DIVERSIDADE DE APLICAÇÕES PARA VÁRIOS SEGMENTOS

DIVERSIDADE DE APLICAÇÕES PARA VÁRIOS SEGMENTOS ALUMÍNIO ALUMÍNIO DIVERSIDADE DE APLICAÇÕES PARA VÁRIOS SEGMENTOS ALUMÍNIO VANTAGENS O é um metal leve, macio e resistente, muito maleável e dúctil, apto para a mecanização e fundição, além de ter uma

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1.AÇOS Os aços são definidos como ligas de ferro-carbono, contendo geralmente 0.008% até aproximadamente 2,11% de carbono, e outros elementos resultantes de seu processo de

Leia mais

Desafios para a laminação das novas demandas de materiais especiais (O&G)

Desafios para a laminação das novas demandas de materiais especiais (O&G) Desafios para a laminação das novas demandas de materiais especiais (O&G) Carlos Cunha D. Henriques PETROBRAS/CENPES Tecnologia de Materiais e Corrosão Sumário Seleção de Materiais para Óleo & Gás: Processos

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA UM MELHOR ENTENDIMENTO E DOMÍNIO DAS DISTORÇÕES DIMENSIONAIS CAUSADAS PELOS TRATAMENTOS TÉRMICOS (*)

CONSIDERAÇÕES PARA UM MELHOR ENTENDIMENTO E DOMÍNIO DAS DISTORÇÕES DIMENSIONAIS CAUSADAS PELOS TRATAMENTOS TÉRMICOS (*) CONSIDERAÇÕES PARA UM MELHOR ENTENDIMENTO E DOMÍNIO DAS DISTORÇÕES DIMENSIONAIS CAUSADAS PELOS TRATAMENTOS TÉRMICOS (*) Resumo Luiz Roberto Hirschheimer (**) Empenamentos (peças ou ferramentas que entortam)

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

Tradição o Futuro precisa das origens

Tradição o Futuro precisa das origens 1825 Tradição o Futuro precisa das origens No centro de cada acontecimento está sempre a cooperação entre as pessoas. Isto é demonstrado pela longa história da empresa familiar Gontermann-Peipers, ou seja,

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: Dureza é a resistência à deformação permanente Aplicação de uma carga na superfície da peça com um penetrador padronizado Características da marca de impressão (área ou profundidade)

Leia mais

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para Ferramenta de Corte Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para ferramentas de cortes Nas operações mais comuns, utiliza como ferramenta um material mais duro que o da peça. Por outro

Leia mais

Propriedades dos Materiais CAP 3

Propriedades dos Materiais CAP 3 Universidade Federal do Ceará Resistência dos Materiais I Propriedades dos Materiais CAP 3 Profa. Tereza Denyse de Araújo Março/2010 Roteiro de aula Ensaio de Cisalhamento Ensaio de Torção Falhas de Materiais

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA Marcos Antônio de Carvalho Rocha Sérgio Souto Maior Tavares Maria da Penha Cindra Fonseca Juan Manuel Pardal Viviane Florido

Leia mais

2.4-Aços inoxidáveis dúplex:

2.4-Aços inoxidáveis dúplex: N (Nitrogênio): Juntamente com o cromo e molibdênio, é usado para dar maior resistência à corrosão. Adições de nitrogênio (0,1% a 0,3%) aumentam significativamente a resistência à corrosão por pite. Estudos

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ALEXANDRE PASCHOALIN ANDERSON LUÍS JACINTHO INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE

Leia mais

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES Sorocaba - SP Porto Alegre - RS Betim - MG Recife - PE R. de Janeiro - RJ A CASCADURA Simões Filho - BA Fundada em 1950, na cidade de São Paulo. Atualmente, possui 06 fábricas

Leia mais

Tratamentos térmicos de ferros fundidos

Tratamentos térmicos de ferros fundidos FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais